A Uenf e o assassinato em curso do sonho de Darcy Ribeiro

darcy-300x200

A insistência da atual reitoria da Universidade Estadual do Norte Fluminense (Uenf) de reduzir os graves problemas afetando o funcionamento da instituição à ausência de aulas representa, intencionalmente ou não, um ataque profundo ao revolucionário modelo institucional idealizado por Darcy Ribeiro.  É que quem já seu deu ao trabalho de ler os textos fundacionais da Uenf sabe que em sua gênese ela foi idealizada para estabelecer um nexo inseparável entre ensino, pesquisa e extensão. Darcy Ribeiro viajou para diversas partes do mundo e se inspirou entre outros modelos no que viu no Instituto de Tecnologia da Califórnia (conhecido como Cal Tech), pois ali se impressionou com a exposição dos estudantes às atividades de pesquisa [1]. Ao que viu na Califórnia, Darcy Ribeiro adicionou a noção de que não há devida formação técnica sem que haja uma compreensão cidadã do conteúdo que um dado profissional esteja recebendo. Tal modelo é que foi responsabilizado por três prêmios nacionais pelo Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico (CNPq) pela formação de profissionais que chegam nos programas nacionais e internacionais de pós-graduação.

Assim, ao omitir os graves prejuízos que o (des) governo Pezão já causou em dezenas de projetos de pesquisa que beira a extinção pura e simples, bem como à disseminação na sociedade fluminense via ações de extensão, a reitoria da Uenf contribui diretamente para um assassinato frio e calculado do espírito revolucionário com que Darcy Ribeiro inoculou o projeto institucional que pariu esta jovem instituição. E nem é preciso dizer que neste modelo, Darcy Ribeiro inseriu os seus sonhos de justiça social e democracia.

É preciso dizer que as últimas três administrações que passaram pela reitoria da Uenf também deram uma ajuda considerável nesse assassinato em curso. É que em tempos de vacas gordas, uma lição fundamental de Darcy Ribeiro foi jogada no lixo. Darcy Ribeiro dizia para quem ninguém se impressionasse com prédios novos e equipamentos caros, pois o que forma e consolida uma instituição universitária são as pessoas que as constroem ao longo do tempo, a começar pelos seus professores e servidores técnico-administrativos e alcançando os estudantes que passam por suas de aulas e laboratórios de pesquisa. Aliás, uma frase favorita de Darcy Ribeiro para sintetizar essa visão era “Livros, livros e pessoas”. Isso queria dizer que sem a simbiose entre livros e pessoas não haveria uma Uenf que estivesse à altura das suas responsabilidades institucionais. Mas para as administrações anteriores o mantra foi “prédios, prédios, prédios”. E em alguns casos, os esqueletos continuam espalhados pelo campus Leonel Brizola para serem vistos por quem quiser ver de perto como se desperdiça dinheiro público.

E aqui é preciso lembrar que Darcy Ribeiro via como uma responsabilidade estratégica da Uenf o desenvolvimento de uma forte base tecnológica para a região Norte Fluminense, de modo a que a sua população pudesse se levantar da planície abissal da injustiça social que séculos de escravatura colocaram a maioria dos seus membros.

Como a missão da Uenf é composta pelo tripé ensino-pesquisa-extensão, a ênfase à volta às aulas mesmo sem que existam condições mínimas para que sua comunidade universitária possa circular com segurança nas 24 horas do dia é não apenas um desserviço ao presente, mas também uma sentença de morte para o futuro. É que não há como violar tão grosseiramente as estruturas fundacionais da Uenf sem que existam fortes reverberações em suas estruturas conceituais. É que para fazer cumprir o modelo idealizado por Darcy Ribeiro, o funcionamento da Uenf tem que se dar 24 horas durante todos os 365 dias do ano. E hoje, dadas as condições de abandono criadas pelo (des) governo Pezão, não há simplesmente como fazer isso sem que se tema pela bolsa ou até pela vida.

Finalmente, imaginemos que a Uenf está em uma guerra pela sua sobrevivência e a reitoria representa o que seria o alto comando das armas de um país em conflito. Aliás, não é preciso imaginar que a Uenf está em uma guerra para sobreviver aos ataques do (des) governo Pezão, pois é disso mesmo que se trata. Numa guerra, o que se espera do alto comando é que primeiro pense em ações estratégicas para atacar e se defender do inimigo, e depois que essas ações representem ou tragam o mínimo de danos às tropas que estão aplicando no terreno de combate aquilo que os líderes estabelecem. Ao objetivamente agir para demonizar em vez de se colocar como primeira linha de defesa dos professores e servidores técnico-administrativos que entraram em greve para demandar a questão básica do pagamento de salários, o que a reitoria da Uenf está fazendo equivale a uma traição de guerra. É que em vez de ficar demandando o início de aulas, o que a reitoria da Uenf deveria estar fazendo seria levar a cabo as consequências da decisão do Conselho Universitário que decretou que a instituição se encontra em condição de calamidade institucional. Por essa traição e os riscos de que o modelo de Darcy Ribeiro seja assassinado pelo (des) governo Pezão, essa reitoria e seus membros serão julgados pela História.

E antes que haja mais um surto de ameaças contra a minha pessoa e meus parcos pertences em grupos de Whatsapp, aviso logo que se a próxima assembleia da Aduenf decidir que os professores devem retornar às aulas irei estar em sala de aula fazendo o que faço desde 1998, qual seja, dar o meu melhor para oferecer conhecimento qualificado para os meus estudantes. Entretanto, esta será apenas outra etapa na guerra para impedir o assassinato da Uenf de Darcy Ribeiro. e não o escolão em que a reitoria, como agente do (des) governo Pezão, está agindo para transformá-la.


[1] http://www.caltech.edu/

Suderj informa: Reitor da Uenf saiu de férias e foi jogar para a plateia no Rio de Janeiro

Resultado de imagem para praia cheia rio de janeiro

O jornal Folha da Manhã publicou hoje uma interessante matéria sob o sugestivo nome de “Uenf estuda retorno às aulas” [1]. A matéria é uma espécie de pastiche anti-greve, onde o ex-presidente da Associação de Docentes da Uenf (ADUENF) e atual chefe de gabinete da reitoria, Raúl Palacio, é apontado como sugerindo que haverá um retorno breve das aulas, sem que sequer haja assembleia dos professores marcada.

Mas uma informação que aparece na matéria reforça a informação já dada pela ADUENF de que as férias coletivas sendo gozadas por servidores técnico-administrativos e professores foram determinadas unilateralmente pela reitoria. Vejamos então o trecho da matéria da Folha da Manhã que deixa isso bem explícito na imagem abaixo.

reitor de férias

A informação é clara e simples: o reitor da Uenf,  Luís Passoni, está gozando suas férias na cidade do Rio de Janeiro e lá, entre um mergulho e outro em alguma praia carioca, acompanha “os trâmites burocráticos para que o repasse seja feito o mais rápido possível“.

E que fique claro, não sou contra o reitor da Uenf gozar as férias que ele determinou que os professores e servidores técnico-administrativos também gozassem. O que acho estranho é que a reitoria que ele comanda não tenha até agora informado publicamente que estas férias resultaram de uma decisão unilateral da qual a ADUENF não teve nenhuma participação. 

Mas o bom é que na tal reunião ampliada convocada para o próximo dia 30 de Janeiro o reitor da Uenf poderá brindar os presentes com os efeitos bronzeadores dos raios solares que hoje causam altíssimas temperaturas na Cidade Maravilhosa. Com certeza isso vai contribuir para dar mais ânimo à plenária.


[1] http://www.folha1.com.br/_conteudo/2018/01/geral/1229969-uenf-estuda-retorno-as-aulas.html

Reitoria da Uenf “esquece” que decretou férias coletivas e joga para a plateia

Fred Pontes  /Divulgação

Seria cômico não se beirasse o trágico o comunicado oficial do Comando de Greve da Associação de Docentes da Universidade Estadual Fluminense (ADUENF) postou em sua página oficial na rede social Facebook, a qual segue logo abaixo.

ANUNCIO

É que se sabe lá por quais razões, a reitoria da Uenf decidiu colocar todos os servidores (técnico-administrativos e professores) em férias no mês de Janeiro de 2018, mas “esqueceu” de informar esta decisão sua administrativa unilateral aos estudantes que aguardam com justificada ansiedade o fim do movimento paredista que paralisa os trabalhos de técnicos e professores desde meados de Agosto.

Não bastasse este “lapso” de memória, a reitoria da Uenf informou em nota oficial que está convocando uma reunião ampliada do chamado Colegiado Executivo (órgão assessor da própria reitoria) para discutir a situação da Uenf no dia 30 de Janeiro, dia em que a maioria dos professores estarão ainda de férias. Aí é que se pergunta: por que não fazem essa tal reunião ampliada no dia 01 de Fevereiro quando os professores deverão retornar ao campus Leonel Brizola?

Eu pessoalmente reclamei desta determinação unilateral de que eu deveria gozar férias em Janeiro, mas meus reclamos caíram  em ouvidos surdos. A mim apenas foi dito que essa era uma decisão da reitoria e cabia a mim cumprir a determinação de entrar de férias.

Por isso é que eu digo: essa reitoria se transformou numa feitoria, pois tenta jogar os estudantes contra os professores, enquanto continua agindo de forma submissa frente ao (des) governo Pezão. O interessante é que vários ocupantes de altos cargos na atual administração da Uenf ocuparam cargos na ADUENF, fato esse que até os credenciou para estarem onde estão agora.   

Entretanto, espero que com essa nota da ADUENF as eventuais reclamações pela postergação de uma assembleia que eventualmente suspenderá o movimento de greve sejam dirigidas a quem é de direito, qual seja, a reitoria da Uenf.

 

A Uenf tem reitoria ou feitoria?

Resultado de imagem para feitorias

Após longo e tenebroso inverno, a reitoria da Universidade Estadual do Norte Fluminense (Uenf) veio a público para, tal qual a montanha, parir um rato. Falo aqui da nota lançada nesta 4a. feira para, aparentemente, dar satisfações públicas para os que demandam o retorno às aulas, sem que tenham sido resolvidas questões básicas para assegurar um funcionamento com um mínimo de condições de trabalho e de transmissão das cargas pedagógicas [1].

O conteúdo desta nota é uma espécie de repetição dos argumentos surrados que a reitoria da Uenf apresentou ao longo do segundo semestre de 2017 primeiro para impedir a deflagração da greve de professores e técnico-administrativos e segundo para quebrar decisões democráticas que foram tomadas pelas assembleias de categoria.

Mas o pior dessa nota é que, num momento em que as universidades públicas estão sob forte ataque nos estados e em nível federal, a postura de naturalizar a ausência de um calendário de pagamentos e a inexistência de verbas de custeio,  a reitoria da Uenf joga para a plateia ao pregar a volta às aulas “mesmo considerando que não temos ainda as condições ideais, como a garantia do pagamento dos salários em dia, a infraestrura ideal nos campi e a garantia da total execução do orçamento, é importante retomarmos as aulas, pois o ensino – base para o desenvolvimento da pesquisa e extensão – é um dos pilares e razão de existência da Universidade.

Digo que a reitoria joga para a plateia na medida em que existem segmentos do estudantado que insistem em que os professores da Uenf trabalhem sem salários, como se fosse aceitável que qualquer profissional tivesse que passar por essa situação degradante; sejam eles professores com doutorado ou trabalhadores de campo com nível de ensino elementar.  Ao fazer isso, a reitoria da Uenf legitima a visão neoliberal de que para qualquer trabalhadores ficar sem salários não passa de um “mero aborrecimento” , tal como escreveram vários juízes em sentenças em que negavam o direito dos servidores estaduais de receberem seus salários em dia.

A reitoria da Uenf comete ainda um desserviço ao usar o fato do ensino “ser um dos pilares e razão da existência da Universidade” para demandar o retorno às aulas sem que existam garantias mínimas no sentido de garantir serviços de segurança e limpeza, bem como o suprimento de materiais de ensino. Da forma que a Uenf se encontra, o máximo que poderá ser oferecido serão aulas conteudistas no melhor estilo “cuspe e giz”. Além disso, no período noturno sobrará aos que frequentam o campus Leonel Brizola a decisão de assistir às aulas resultará na aceitação do risco e da insegurança pessoal.

Por mais desagradável que possa soar, não hesito dizer que esta reitoria aceitou se transformar numa espécie de feitoria do (des) governo Pezão. Só isso se explica a propensão de aceitar a desconstrução do modelo de universidade idealizado por Darcy Ribeiro e na transformação da Uenf em um “escolão” onde a inovação do conhecimento será, quando muito, uma mera declaração de intenções.

Reconheço que todo movimento de greve tem início e fim. Mas não cabe à reitoria da Uenf ditar quando greves começam ou terminam. E muito menos cabe à reitoria da Uenf impor sobre os servidores que aceitem ter seus direitos trabalhistas violados em nome de um retorno às aulas que ela mesma reconhece se daria sob condições precárias.

Mas é importante  notar que apesar da reitoria da Uenf, o ano de 2018 será fundamental para que se avance mecanismos de defesa da Universidade do Terceiro Milênio e do modelo de consciência cidadã que guiou o seu desenho institucional revolucionário. E muito fará a reitoria da Uenf, se não atrapalhar quem quiser cumprir o papel que ela aceitou abandonar em nome da boa convivência com o (des) governo Pezão.

Finalmente, há que se lembrar algo que está ausente na nota da reitoria. Por decisão da própria reitoria, professores e servidores técnico-administrativos foram colocados efetivamente em férias coletivas neste mês. Assim, se ainda não foram realizadas assembleia para discutir os próximos passos da luta em defesa da Uenf, as reclamações devem ser encaminhadas ao reitor e ao Colegiado Executivo que decidiram por essas férias coletivas. Simples assim.


[1] http://www.uenf.br/dic/ascom/2018/01/24/nota-da-reitoria-24-01-18/

Reitoria da Uenf lança nota de solidariedade aos servidores em luta contra o pacote de maldades do (des) governo Pezão

uenf

A reitoria da Universidade Estadual do Norte Fluminense (Uenf) acaba de lançar uma nota de solidariedade aos servidores mobilizados no dia de hoje (24/05) contra o pacote de maldades do (des) governo Pezão (Aqui!).

ar sendo tomada por todos os dirigentes de órgãos governamentais que possuam um mínimo de compromisso com a qualidade do serviço público e a condição de vida dos servidores que já estão sendo duramente penalizados por um (des) governo completamente desacreditado e acoçado por grossas denúncias de corrupção.

NOTA DE SOLIDARIEDADE

A Reitoria da Universidade Estadual do Norte Fluminense Darcy Ribeiro (UENF) vem solidarizar-se com os servidores mobilizados no dia de hoje, 24/05/17 contra  o pacote de medidas que penaliza os servidores públicos, sem resolver o problema do financiamento do Estado.

 Entendemos que este pacote não ataca as causas estruturais desta crise, não mexe na estrutura das receitas, nem promove a retomada do crescimento.

A defesa do serviço público é a própria defesa do papel do Estado na nossa sociedade, ainda muito carente de medidas que diminuam a desigualdade e promovam o bem estar social.

Luis Passoni
Reitor da UENF

Os significados da vitória da chapa 10 na reitoria da UENF

passoni

Passadas as eleições para a reitoria da Universidade Estadual do Norte Fluminense (Uenf), este blog voltará sua atenção a outros temas que foram secundarizados nas últimas semanas. Mas antes disso, quero analisar um pouco os números desta eleição, principalmente entre os estudantes.  Vejamos então os resultados por segmento: nos docentes o placar foi 148 votos para a chapa 10 e 117 para a chapa 11. Já entre os técnicos, tivemos 172 votos para a chapa 10 e 178 para a chapa 11. E, finalmente, entre os alunos, 1.139 votaram na chapa 10 e 602 na chapa 11.

Ainda que numericamente o resultado que mais salta aos olhos seja o dos estudantes, eu diria que nos três segmentos a reversão foi absoluta em relação a quatro anos atrás quando Silvério Freitas foi eleito com a maioria nos três segmentos. Agora, após uma campanha acirrada, o que se viu foi que a chapa apoiada por Silvério Freitas venceu, e de forma apertada,  entre os técnicos.

Como participante do processo eu poderia me deixar levar por análises que percam o essencial dessa disputa. E para mim um elemento essencial é que tivemos uma vitória das novas tecnologias de comunicação social sobre as velhas formas de fazer política partidária. É enquanto a chapa apoiada pela reitoria teve um claro insucesso nas redes sociais e se concentrou na política do “toma lá, da cá” no seu propalado “corpo a corpo”, a chapa 10 nadou de braçadas no Facebook com uma forma bastante dinâmica de comunicar sua plataforma eleitoral.  Talvez essa diferença tenha sido, inclusive, a chave da impressionante diferença alcançada entre os estudantes.

Por outro lado, há que se narrar aqui o sentimento que eu percebi entre a maioria das pessoas com que conversei no dia seguinte à vitória da chapa 10: alívio! É que mesmo entre pessoas que se sentiram compelidas, sabe-se lá por quais motivos, a vitória da dupla Luís Passoni e Teresa Peixoto é um sinal de que a Uenf poderá agora retomar os trilhos que foram abandonados por mais de uma década. E acima de tudo alívio porque deveremos agora ter uma universidade que realmente se pense como parte da região onde está localizada como um agente fundamental para a geração de respostas estratégicas. E só isso já deixa as pessoas bem aliviadas.

Eleições na UENF: a chapa 11 e a sua incansável fábrica de boatos

logo fabrica boatos

O debate desta quarta-feira passada (29/07) entre as chapas que concorrem à eleição para a reitoria da UENF foi marcada por uma série de momentos agudos, onde o candidato a reitor da chapa 10, Prof. Luís Passoni, acusou os membros da chapa 11 de estarem mentindo e espalhando boatos que estariam contribuindo para a geração de um clima de conflito e antagonismo.

Em qualquer condição semelhante, um candidato que fosse acusado de mentir e espalhar boatos deveria reagir com indignação e pular nas tamancas. Mas não foi o que se observou, pois a resposta a serie de afirmações contundentes do Prof. Passoni, mereceu apenas olhares e faces petrificadas dos dois candidatos da chapa 11.

Num caso como esse, poderia ser suficiente dizer que “quem cala consente”. Mas não, resolvi listar algumas das coisas que são ditas de forma privada apenas para enxovalhar os membros da chapa 10 (Passoni e Teresa) sem que se apresente um indício mínimo de fatos que corroborem a usina de boatos.

Vejamos alguns exemplos:

Boato 1. Luís Passoni é um sindicalista, sem qualquer experiência de gestão 

Fato: O Prof. Luís Passoni foi chefe do Laboratório de Ciências Químicas; coordenador do curso de Licenciatura em Química na modalidade presencial e duas vezes do curso oferecido na modalidade EAD no Cederj. Além disso, Passoni foi membro dos dois principais colegiados da UENF: o Conselho Universitário e o Colegiado Acadêmico. Além disso, o Prof. Passoni tem uma larga experiência na gestão de unidades industriais,  pois trabalhou no “chão da fábrica” na multinacional 3M.

Boato 2: Teresa Peixoto não é bem vista pelos professores do CCH, centro do qual foi diretora no período entre 2007 e 2011.

Fato: A gestão como diretora da Profa. Teresa Peixoto foi marcada por procedimentos democráticos e transparentes, e decorreu de forma tranquila durante os 4 anos de sua duração. No CCH, a chapa 10 deverá ter uma das melhores votações proporcionais entre os professores, e muito em função do desempenho que a Profa. Teresa teve à frente do centro.

Boato 3: Luís Passoni não lutou por qualquer benefício salarial para os servidores da UENF, e pensou apenas nos professores quando foi presidente da ADUENF.

Fato: Os 19% que foram concedidos aos servidores não docentes em 2014 decorreu de gestões feitas pelo Prof. Passoni junto à Comissão de Educação da Alerj, pois ele considerava que seria extremamente injusto que a proposta do governo Pezão de não conceder qualquer reajuste aos servidores prevalecesse. Quem impediu a unidade entre professores e servidores foram os apoiadores da chapa 11 que naquele momento controlavam a delegacia do Sintuperj na UENF.

Boato 4: A Professora Teresa Peixoto passa muito tempo no exterior à custa de recursos da UENF.

Fato: A Professora Teresa Peixoto, cujo título de doutorado foi obtido na França, realizou seu pós-doutorado naquele país entre 2011 e 2012, e tem viajado com recursos próprios ou de projetos em que ela participa para consolidar parcerias de pesquisa com seus colegas franceses. Essas viagens de trabalho foram todas aprovadas nos órgãos colegiados da UENF, e ela nunca se ausentou da UENF sem a devida permissão da reitoria.

Boato 5: O Prof. Passoni participou de projetos em que recursos foram usados sem qualquer transparência ou retorno para a UENF.

Fato: Todos os projetos de pesquisa em que o Prof. Passoni já participou jamais ofereceram benefícios financeiros individuais para ele. Tampouco há qualquer evidência de que ele tenha se apropriado de recursos ou que suas atividades não tenham dado retorno para a UENF. A opção preferencial do Prof. Passoni pela atuação no ensino de graduação lhe custou inclusive o acesso a editais que apenas privilegiam a realização de pesquisas.

Boato 6. Luís Passoni é um esquerdista radical que não tolera qualquer ideia discordante.

Fato: Todos os depoimentos disponíveis na página da campanha da chapa 10 e que conhecem o Professor Passoni desde o ensino médio dão conta que ele é uma pessoa com grande capacidade de ouvir e ponderar, e que ele é um negociador que procura agregar os grupos onde atua. Pessoalmente posso testemunhar que o Prof. Passoni é uma das pessoas mais ponderadas e incansáveis no trato com os que possuem ideias diferentes das suas. De forma básica direta, Passoni é uma pessoa essencialmente democrática e que acredita no diálogo como ferramenta de resolução de problemas.

Boato 7. Se a chapa 10  for eleita, o Pedlowski vai ser Pró-Reitor de Extensão e colocará tudo o que foi feito por água abaixo.

Fato: Já disse pessoalmente que não estou apoiando a chapa 10 em troca de cargos. Além disso, encaro que meu papel será o de continuar construindo a Uenf desde o meu grupo de pesquisa.  Há ainda que se lembrar que o comitê eleitoral da chapa 10 já definiu critérios claros para a possível ocupação de cargos, os quais incluem experiência prévia nos cargos que serão ocupados. Como nunca fui, por exemplo, sequer coordenador de extensão no CCH, o meu nome está automaticamente eliminado da lista de nomes que poderão ocupar esse cargo.

Boato 8.   A chapa 10 aparelhou a ADUENF e o DCE e por isso a chapa 11 não compareceu nos debates organizados pelos sindicatos nos campi de Campos dos Goytacazes e Macaé.

Fato:  Nem o DCE ou ADUENF fizeram qualquer apoio material ou político a qualquer uma das chapas. O que houve é que diretores e ex-diretores das duas entidades declararam apoio à chapa 10. Agora, em contraposição professores que ocupam cargos indicados na gestão de Silvério Freitas estão usando seus cargos para pedirem votos para chapa 11.

Boato 9. Se Passoni for eleito não haverá mais diálogo com o goverrno Pezão porque ele é um radical e incapaz de dialogar 

Fato: Este boato é uma variação do boato 6. Mas é importante que se lembre que na última gestão em que foi presidente da Aduenf, o Prof.  Passoni se reuniu diversas vezes com o presidente da Alerj, com o presidente da Comissão de Educação da Alerj, com os secretários de Planejamento e Gestão, Sèrgio Ruy, e de Ciência e Tecnologia, Gustavo Tutuca, e até com o então vice-governador, Luis Fernando Pezão. Foi com essa cpaacidade de dialogar com os diferentes níveis de governo que o Passoni conseguiu fechar uma negociação que beneficiou professores e servidores, a qual encerrou a greve que ocorria na Uenf. Aliás, quem sempre mostrou forte incapacidade de negociar foi a reitoria da Uenf na qual o vice-reitor da chapa 11, Antonio Amaral, participava.

Boato 10. O Prof. Luís Passoni não possui título de doutorado e entrou na Uenf num concurso “mutretado” (isto é, eivado de irregularidades).

Fato: No primeiro debate, o Prof. Passoni mostrou a todos o seu título de doutor em Ciências obtido na Universidade Estadual de Campinas (Unicamp), e esse boato morreu no nascedouro da campanha.

Boato 11. O Professor Passoni é contra a correção das “distorções salariais” existentes na Uenf e não se importa com a situação dos servidores com menores salários.

Fato: O Prof. Passoni vem afirmando em reuniões e debates que uma prioridade de sua administração será a correção salarial em todos os níveis, mas principalmente naquelas faixas onde a depreciação salarial é maior, especificamente nos servidores de nível elementar e fundamental. Há que se lembrar que esse boato é uma variação dos boatos 3, 6 e 9. Na verdade, a postura do Passoni tem sido justamente a de lutar pelo direito de todos, mesmo quando presidia a Aduenf.

Eu poderia continuar com a lista interminável de boatos que andam circulando na UENF. Mas a pergunta que deve ser feita a toda pessoa que estiver empenhada em dar força para essa verdadeira máquina de boatos é de por que estão se ocupando em difamar os membros da chapa 10 quando poderiam estar apresentando e debatendo o programa da chapa 11.

A verdade que esse comportamento antiético e antidemocrático dos apoiadores e dos membros da chapa 11 apenas procura esconder um fato básico: a chapa 11 representa o continuísmo de um grupo que está instalado na reitoria da UENF desde 2003. Aliás, no debate de ontem, sob a pressão das respostas bem colocadas pela chapa 10, os candidatos Edmilson e Antônio Amaral finalmente revelaram que são sim representantes da atual reitoria.

Tanto isto é verdade é que ao final do debate, o candidato Edmilson Maria gritou em alto e bom som que “nós vamos ganhar de novo!”. Nada mais continuísta do que isto!

Talvez por isso, a chapa 11 tenha fugido dos dois debates organizados pelos sindicatos da UENF, e tenham optado pela disseminação de boatos e inverdades. E isto é lastimável em qualquer eleição, mas principalmente para uma reitoria de universidade pública, onde o debate deveria ser sobre projetos e ideias.

Mas a verdade é que quem não tem substância, acaba sempre apelando no final.

E aqueles que ainda tiverem dúvidas, sugiro que visitem a página que a chapa 10 possui no Facebook e leiam todos os depoimentos que ali estão. Após isto, tenho certeza que nos dias 01 e 04 de Agosto iremos fechar para sempre a incansável fábrica de boatos que a chapa 11 montou para encobrir suas responsabilidades na pífia gestão que dominou a UENF nos últimos 8 anos.  Para acessar a página da chapa 10 basta clicar (Aqui!)

fabrica de boatos