Rodrigo Duterte afirma que as Filipinas estariam “afundadas na merda” se ele seguisse os exemplos de Trump e Bolsonaro

Apesar de frequentemente comparado aos líderes populistas dos EUA e do Brasil,  o presidente Rodrigo Duterte disse que a abordagem ‘o diabo que se importe’ poderia causar estragos nas Filipinas.

duterteO presidente Rodrigo Duterte fala durante uma reunião ministerial transmitida em 8 de julho de 2020.  

As Filipinas estão à beira da recessão, mas a reabertura total de sua economia, enquanto milhares de novos casos de coronavírus ainda estão sendo registrados diariamente, coloca o país em risco de “pandemônio”, disse o presidente Rodrigo Duterte. 

Em comentários pré-gravados ao ar na quarta-feira de manhã, Duterte disse que está optando por uma reabertura parcial da economia para salvar meios de subsistência e garantir empregos – e para evitar repetir os erros de líderes como Donald Trump, dos EUA, e Jair Bolsonaro, ambos do Brasil. com quem ele é freqüentemente comparado.

“Nos Estados Unidos e no Brasil, os presidentes são corajosos. Bolsonaro tem dinheiro; ele é como Trump “, disse ele, citando o estilo “o diabo que se preocupe” (i..e., irresponsável) dos dois presidentes

“Somos pobres. Não podemos permitir um pandemônio total”.

Ele acrescentou: “Se seguirmos os exemplos de outros países, abrindo toda a nossa economia e milhares e milhares de novos casos acontecerem – então estaríamos afundados em uma merda profunda”.

Duterte passou a expressar preocupações sobre emular as “ações ousadas” de países como EUA, Brasil e outros.

“Antes de tudo, não temos dinheiro suficiente para lidar com a pandemia. Temos que ser muito cautelosos na reabertura de nossa economia ”, afirmou Duterte. “Agora, o que realmente aconteceu nesses países foi que, embora eles abrissem sua economia para receber dinheiro nos cofres do governo, houve um aumento [nos casos]. Eles enfrentaram problemas com recaídas. ”

Atualmente, os EUA têm o maior número de infecções e mortes do mundo, com mais de 3 milhões e 132.000, respectivamente. No entanto, Trump subestimou repetidamente a gravidade do coronavírus e instou os estados a reabrir.

Enquanto isso, o Brasil, em segundo lugar no ranking de infecções e mortes, se opôs aos bloqueios, com o presidente Bolsonaro dizendo que eles prejudicariam a economia. Até o próprio Bolsonaro testou positivo para o COVID-19, que ele considerou “uma gripezinha”.

Nas Filipinas, por sua vez,  ocorreu um forte isolamento social por três meses por causa da pandemia, mas os novos casos de coronavírus continuam aumentando. Até agora, o país registrou mais de 50.000 casos confirmados, com mais de 1.300 mortes.

Ainda assim, as apostas econômicas são altas para as Filipinas. Em seu relatório de Perspectivas Econômicas Globais de junho , o Banco Mundial revisou sua previsão de PIB para o país em até 8%, prevendo que a economia provavelmente contrairá em 2020. O banco disse que a contração provavelmente também resultaria em um aumento na pobreza.

Mas Khoon Goh, chefe de pesquisa da Ásia no Grupo Bancário da Austrália e Nova Zelândia (ANZ), disse que a decisão de Duterte é um “caminho razoável a seguir”.

“Manter bloqueios rigorosos causa um enorme dano econômico a um país. É particularmente difícil para as famílias de baixa renda e para as que não fazem parte do setor formal da economia ”, disse Goh à VICE News em um e-mail.

“Uma reabertura gradual permitirá que a atividade econômica seja reiniciada, enquanto esperamos evitar um agravamento do surto. É uma decisão muito difícil e haverá possíveis resultados negativos de qualquer maneira, por isso é difícil avaliar qual tem o menor custo. Como vimos nos EUA, a reabertura muito rapidamente resultará em um aumento de infecções. ”

fecho

Este texto foi publicado originalmente em inglês pela site de notícias Vice  [Aqui!].

Esqueçam Trump, Bolsonaro está mais para Duterte

De tempos em tempos leio um apoiador de Jair Bolsonaro comparando-o ao presidente estadunidense Donald Trump. Na verdade,  Bolsonaro tem um presidente que defende e pratica muitos dos seus desejos mais extremos, mas ele é Rodrigo Duterte, que controla as Filipinas com a mão no gatilho.

Advogado e político profissional, Rodrigo Duterte foi prefeito de Davao, uma cidade localizada na ilha de Mindanau, por sete mandatos de três anos, o que o faz estar entre os prefeitos com mais tempo de mandato em seu país. Ele também foi vice-prefeito e deputado por um distrito localizado na cidade.

Duterte ficou conhecido como “o justiceiro” durante os 22 anos em que governou Davao por fazer “justiça pelas próprias mãos” e defender a criação de esquadrões da morte.  Duterte é acusado por organizações de Direitos Humanos de ter ordenado execuções extrajudiciais de mais de mil prisioneiros durante o seu governo.  

No entanto,  Rodrigo Duterte foi eleito presidente do país em 2016 depois de ter protagonizado uma campanha eleitoral centrada na guerra contra as drogas.

Como candidato presidencial, Duterte chamou “filho da puta” ao Papa Francisco por ter provocado engarrafamentos no trânsito durante uma visita às Filipinas, onde 80% da população é católica [1].

Além disso, nos primeiros 78 dias de mandato como presidente, 3500 alegados traficantes de droga foram mortos. Isso valeu críticas da ONU e do Presidente Barack Obama,  a quem também chamou de “filho da puta”.

Em outro momento de sinceridade extrema, Duterte, comparou-se ao ditador Adolf Hitler e afirmou que quer matar os três milhões de toxicodependentes que diz existirem no país. “Hitler massacrou três milhões de judeus. Agora, há aqui três milhões de viciados. Gostaria de matá-los a todos”.

Recentemente, Duterte confessou em uma entrevista que o seu único pecado é  ter ordenado as execuções extra-judiciais que ordenou contra supostos traficantes durante sua guerra contra as drogas nas Filipinas [2]. 

Por essas e outras, esqueçam da comparação com Trump, o perfil de Bolsonaro está mais para Duterte.


[1] https://www.rappler.com/nation/politics/elections/2016/114481-rodrigo-duterte-curses-pope-francis

[2] https://www.theguardian.com/world/2018/sep/28/duterte-confesses-my-only-sin-is-the-extrajudicial-killings