Atacada pelo governo Bolsonaro, China faz super acordo para comprar soja argentina

soya

A disposição de diferentes membros do governo Bolsonaro, a começar pelo próprio presidente Jair Bolsonaro, de provocar a China, principal parceira comercial do Brasil neste momento, é antes de tudo uma irracionalidade econômica. É que o Brasil depende da China para vender parte significativa da produção nacional de soja e de outras commodities agrícolas e minerais. 

Pois bem, o site especializado em fornecer informações sobre o agronegócio, o Agrolink, publicou hoje a informação indicando que o “Grupo Syngenta anunciou na Argentina um acordo de grandes proporções com a Sinograin – empresa responsável pela exploração da reserva de grãos e óleo da China. A iniciativa Agri Value Chain visa melhorar as condições das operações de barter, exportar diretamente os grãos e seus derivados para o mercado chinês e promover a cooperação de toda a cadeia agroindustrial“.

Esse acordo de “grandes proporções” confirma o fato de que após todas as declarações provocativas, o governo chinês começou a fazer o que já tinha advertido que faria, qual seja, dar preferência para fazer negócios com parceiros que tratem respeitavelmente a China, em que pese as eventuais diferenças ideológicas entre os governos.

Todas as ações provocativas que têm sido feitas contra a China parecem ter como base o pressuposto de que a China precisa mais das commodities brasileiras do que o Brasil precisa dos bilhões de dólares geradas pelas importações chinesas. Obviamente essa é uma crença sem base na realidade. 

Assim, ao provocar o principal parceiro comercial do Brasil se baseando em um falso pressuposto, o que o governo Bolsonaro pode ter garantido é a perda da preferência chinesa por nossas commodities. Se isso se confirmar, a situação da economia brasileira que já anda ruim, deverá piorar ainda mais em 2021.

Há que se lembrar ainda que mesmo que a China passa a optar pela Argentina para comprar soja, o Brasil continuará dependendo dos fabricantes chineses de insumos agrícolas para tocar as grandes áreas de monoculturas, a começar pelos agrotóxicos. Resta saber onde vão arrumar os dólares para comprar os insumos chineses.

E isso tudo para quê? Para agradar o governo comandado por Donald Trump?