Estudo publicado na Nature Communications mostra que avanço do desmatamento diminui chuvas no sul da Amazônia

chuvas desmata

Há algum tempo é ponto de acordo na comunidade científica que as chuvas na Amazônia tendem a diminuir se a perda florestal exceder algum limite, mas até aqui inexistia um valor específico deste limite. Agora, um grupo de pesquisadores distribuídos entre 2 universidades brasileiras (a Universidade Federal de Minas Gerais e a Universidade Federal de Vilosa) e uma alemã (a Universidade de Bonn) acaba de publicar um artigo na revista “Nature Communications” onde são apresentados resultados sobre a relação as taxas de desmatamento e os níveis de precipitação em diferentes escalas geográficas em todo o sul da Amazônia brasileira. Eles também avaliaram os impactos da política de desmatamento cenários da agricultura da região foco do estudo (ver figura abaixo).

SAB

Os resultados do artigo mostram que a perda da cobertura em   até 55-60% dentro de células de 28 km
aumenta as chuvas, mas taxas de desmatamento acima de desses valores reduzem as chuvas drasticamente Além disso, os resultados deste trabalho mostram que este limite é menor em escalas maiores (45-50% em 56 km e 25-30% em células de grade de 112 km), enquanto a chuva diminui linearmente dentro de células de grade de 224 km (ver figura abaixo).

sab 1

Anomalias médias anuais de precipitação por porcentagem de perda de floresta dentro de células de grade de 28, 56, 112 e 224 km. Dois segmentos lineares por partes de MARS algoritmo: a D <57,5% (linha azul) e D> = 57,5% (linha vermelha) para células de grade de 28 km. b D <47,5% (linha azul) e D> = 47,5% (linha vermelha) para células de grade de 56 km. c D <27,5% (linha azul) e D> = 27,5% (linha vermelha) para células de grade de 112 km. d Modelo linear de melhor ajuste (linha vermelha tracejada) para células de grade de 224 km. A barra de erro representa o erro padrão da anomalia média da precipitação para cada intervalo de perda de floresta. P’i, j, t são as anomalias residuais da precipitação anual (em mm / ano), onde o os subscritos i e j representam as dimensões do espaço e o subscrito t representa a dimensão do tempo. D representa a fração de perda florestal progressiva (em percentagem).

Uma das conclusões importantes deste trabalho é que o generalização do processo de desmatamento  resulta em um jogo de soma negativa hidrológica e econômica, porque chuvas e produtividade agrícola menores
em escalas maiores superam os ganhos locais (ver figura abaixo).

sab 2

Porcentagem de perda de floresta, células de grade de 28 × 28 km atingindo o limite crítico, uso / cobertura da terra e redução de chuvas. Porcentagem de perda florestal: a até 2019. b Simulado para 2050 para SEG e c WEG. Ao todo, células de grade de 28 × 28 km atingindo o limite de perda crítica de floresta: d até 2019. e Simulado até 2050 para SEG. f Cenário WEG. Uso / cobertura do solo: g até 2019, h simulado até 2050 para SEG i e WEG. Redução da precipitação: j até 2019. Simulado até 2050 para k SEG e  I WEG

Além disso, o trabalho que em um cenário de governança fraca, a região sul da Amazônia pode perder 56% de suas florestas até 2050. Curiosamente, segundo estimativas apresentadas neste trabalho, a redução do processo de desmatamento evitaria perdas econômicas na agricultura do sul da Amazônia em uma ordem de até 1 bilhão de dólares anualmente.

Um aspecto que deverá ser analisado com atenção é a confirmação científica de que ao aumentar as taxas de desmatamento além dos limites toleráveis pelos sistemas naturais, os desmatadores estão matando a galinha de ovos de ouro que, no caso, são as florestas que fornecem as chuvas que acabam irrigando as áreas agrícolas que tenderão a ficar cada vez mais insustentáveis caso não haja uma reversão dos cenários apresentados por mais este trabalho científico de alta relevância.