Revelada brecha que permite que os sojeiros destruam a Amazônia brasileira

Greenpeace-lonely-tree

Por  Andrew Wasley Alexandra Heal André Campos e Daniel Camargos  para o “The Bureau of Investigative Journalism”

A floresta amazônica ainda está sendo queimada para dar lugar à soja para alimentar o gado do mundo, apesar de regras supostamente duras destinadas a prevenir justamente esse desmatamento.

Uma investigação descobriu como três das maiores empresas de alimentos do mundo compraram soja de empresas cujas cadeias de abastecimento têm sido objeto de preocupações com relação ao desmatamento ilegal e incêndios florestais na Amazônia brasileira.

A Cargill, a Bunge e a Cofco adquiriram soja da chinesa Fiagril e da multinacional Aliança Agrícola do Cerrado, ambas fornecidas por um agricultor multado e sancionado várias vezes após destruir áreas de floresta tropical.

O desmatamento da Amazônia tem consequências ambientais potencialmente terríveis para o clima e a biodiversidade, com especialistas temendo que o habitat possa em breve cruzar um ponto sem volta. Pesquisas recentes sugerem que algumas peças agora emitem mais carbono do que absorvem.

O Bureau of Investigative Journalism, Unearthed e Repórter Brasil usaram imagens de satélite e registros de fiscalização para descobrir como a soja foi plantada ilegalmente em terras que haviam sido colocadas sob embargo – uma forma de proibição governamental que impede os agricultores que violaram as regras de desmatamento ou causaram outros danos ambientais pelo uso de partes de suas próprias terras.

A Fiagril e a Aliança exportaram milhões de toneladas de soja brasileira nos últimos anos para China, Arábia Saudita e Rússia, além de Espanha, Portugal, Holanda e Reino Unido. A cultura é um ingrediente chave na alimentação de aves, suínos e bovinos, especialmente para animais criados em fazendas intensivas.

Um buraco na defesa

As descobertas destacam como a chamada soja “suja” – ligada ao desmatamento ilegal da Amazônia – poderia encontrar seu caminho em cadeias de abastecimento internacionais supostamente “limpas”, apesar de mecanismos aparentemente robustos, amplamente apoiados por grupos verdes, projetados para deter a destruição da floresta tropical por soja.

Soja cultivada na Amazônia brasileira. Bruno Kelly / Greenpeace

A moratória da soja, assinada por todas as principais agroindústrias, proíbe a compra ou financiamento de soja cultivada em áreas na Amazônia que foram desmatadas depois de julho de 2008 e é amplamente creditado por reduzir drasticamente o desmatamento ligado às fazendas de soja.

Mas nossa investigação levantou preocupações sobre uma lacuna potencial no sistema de monitoramento da moratória que poderia permitir que os comerciantes continuassem comprando soja de agricultores que têm sido associados ao desmatamento ilegal.

O destino da Amazônia é objeto de intenso foco enquanto os líderes mundiais lutam para chegar a um acordo sobre como lidar com a emergência climática. O governo brasileiro disse recentemente que precisava de US $ 1 bilhão em ajuda externa para desacelerar a destruição da floresta tropical. Pesquisa publicada na revista acadêmica Nature Climate Change apontou que a área desmatada na Amazônia quase quadruplicou em 2019 – a primeira no poder do presidente Bolsonaro – em relação ao ano anterior.

Sarah Lake, do grupo de campanha Mighty Earth, disse que o caso demonstrou como as empresas não estavam investindo seriamente na limpeza de suas cadeias de abastecimento. “Os comerciantes continuam a fazer reivindicações em relação à soja sustentável e, ao mesmo tempo, fecham os olhos a fornecedores como esses que desmatam ilegalmente e colocam incêndios. E seus clientes continuam comprando deles ”, disse ela.

Ela acrescentou que o comportamento destacado pela investigação ilustrou um problema muito mais amplo. “Nosso próprio sistema de monitoramento encontrou dezenas de casos … ligados a grandes comerciantes de soja nos últimos dois anos, e quando notificamos os comerciantes sobre esses problemas, eles não fazem nada para resolvê-los.”

Fiagril disse ao Bureau que condena a atividade ilegal e está “comprometida com a aplicação legal da sustentabilidade na agricultura com nossos clientes e fornecedores”. A Aliança afirmou: “Desde sua criação, a Aliança sempre atuou em estritos termos de legalidade, observando toda a legislação brasileira e internacional, inclusive as ambientais.”

A Cargill disse ao Bureau que investigaria as questões levantadas sobre Fiagril e Aliança como resultado das revelações.

Banido, mas ainda vende soja

Em julho passado, na remota região de Marcelândia, no estado de Mato Grosso, os satélites pegaram fogo em terras ligadas a Alexandra Aparecida Perinoto, uma produtora de soja e gado. As imagens mostraram uma onda de fumaça e chamas rasgando a vegetação.

Não foi a primeira vez que a mata atlântica deste canto de Marcelândia foi dizimada. Pelo menos 15 quilômetros quadrados de floresta ligada a Perinoto foram embargados em 2019 pelo órgão regulador ambiental do Brasil, IBAMA, após terem sido desmatados. Os embargos são publicados e impostos para servir tanto como uma punição quanto como uma medida de proteção para permitir a recuperação da terra.

Um embargo à parte, emitido pelo órgão ambiental estadual de Mato Grosso em 2016, nomeia Perinoto em relação a mais desmatamentos ilegais. Usando a análise de satélite da MapBiomas , a Repórter Brasil constatou que a soja foi cultivada ilegalmente nesta terra em 2018 e 2019, apesar do embargo.

Registros públicos mostram que Perinoto foi multado em um total de R $ 12 milhões (£ 1,3 milhão) por violações das regras de proteção florestal. Ela também é alvo de uma ação civil por desmatamento ilegal.

Ela se recusou a responder às perguntas do Bureau.

Perinoto teria aparecido em uma “lista proibida” de fornecedores acusados ​​de desmatamento ilegal, divulgada para ajudar os comerciantes a evitar a compra de soja de terras desmatadas. A lista negra é compilada anualmente por um grupo de trabalho de órgãos da indústria e o Greenpeace, que foi fundamental para estabelecer a moratória em 2006.

Apesar disso, o Bureau soube que a soja cultivada por Perinoto em pelo menos uma de suas fazendas entrou nas cadeias de abastecimento de pelo menos duas grandes agroindústrias, Fiagril e Aliança, que compraram quantidades significativas de grãos do agricultor em 2019. Não é saber se esta soja veio de terras proibidas.

A Fiagril é propriedade da empresa chinesa Hunan Dakang Pasture Farming, e comercializa soja e outras safras nos mercados interno e externo. A empresa é apoiada pelo governo chinês, com um empréstimo rotativo de US $ 300 milhões de três anos aprovado em 2019. A Aliança é propriedade do conglomerado agroindustrial Sodrugestvo.

Juntas, a Fiagril e a Aliança exportaram pelo menos 2,5 milhões de toneladas de soja do Brasil desde agosto de 2015.

A Bunge comprou soja da Fiagril, e a Cargill e a Cofco compraram soja da Aliança, depois que as duas empresas foram fornecidas pela Perinoto em 2019, segundo registros apurados pelo Bureau. No caso da Bunge, os registros mostram que Perinoto vendeu soja de Marcelândia para as operações da Fiagril na cidade vizinha de Sinop em abril de 2019 e, em junho daquele ano, a Fiagril enviou soja de Sinop para a Bunge na Espanha.

A Fiagril e a Aliança, assim como os três comerciantes internacionais, são signatários do acordo de moratória . Os signatários se comprometem a não “vender, comprar e financiar soja de áreas desmatadas no bioma Amazônia após julho de 2008”.

Como os produtores de soja “sujos” limpam a sua soja

A moratória foi altamente elogiada por reduzir o desmatamento causado pela soja na Amazônia. Uma estimativa sugere que o acordo evitou cerca de 18.000 quilômetros quadrados de desmatamento em sua primeira década, uma área aproximadamente do tamanho do País de Gales.

No entanto, nossa investigação destacou uma lacuna no sistema de monitoramento da moratória. Embora a compra de soja cultivada diretamente em terras desmatadas seja proibida, a moratória permite que as empresas continuem negociando com agricultores que foram pegos derrubando ilegalmente a floresta tropical, desde que a soja se origine em outras terras agrícolas, livre de desmatamento ilegal.

Especialistas e ativistas dizem que isso deixa a porta aberta para uma possível “lavagem” ou “triangulação” da soja – onde um fazendeiro tem várias fazendas e pode tentar lavar soja “suja” vendendo em fazendas “limpas”.

Sistemas complexos de registro de terras em Mato Grosso podem facilitar ainda mais a brecha, permitindo que os agricultores dividam suas fazendas em propriedades separadas. O sistema de monitoramento da moratória costuma proibir apenas as terras onde ocorreram as violações, excluindo outras propriedades do mesmo agricultor. As decisões de compra parecem ser deixadas em grande parte para as próprias interpretações das regras pelos compradores.

Andre Nassar, presidente executivo da Abiove, a associação brasileira de comerciantes de soja, disse que cabia aos comerciantes decidir o quão conservador seria a abordagem a ser adotada na compra de soja. “[Por exemplo], você tem uma pessoa que possui uma fazenda que não está em conformidade com a moratória”, disse Nassar, “e a mesma pessoa tem outra fazenda com embargo do Ibama … [Os comerciantes podem] olhar para isso e dizer ‘isso é muito arriscado, não vou comprar deles [de jeito nenhum]. ‘ Mas essa é uma decisão individual. Isso não faz parte das regras da moratória. ”

Ele acrescentou: “A governança da moratória tem várias camadas para garantir que a soja de fazendas não conformes não entre na cadeia de abastecimento”.

“Permitir que propriedades diferentes operadas pela mesma pessoa ou grupo sigam regras diferentes abre uma brecha que os agricultores podem usar para contornar a moratória da soja”, disse Lisa Rausch, pesquisadora da Universidade de Wisconsin.

Em 2016, ela e sua colega Holly Gibbs pesquisaram agricultores em Mato Grosso e descobriram que aqueles que cultivam soja em vários lotes frequentemente forneciam aos compradores a documentação de uma única propriedade, dificultando a rastreabilidade.

Rausch enfatizou que a moratória foi uma “virada de jogo”, levando a níveis muito baixos de desmatamento para a soja – sua pesquisa descobriu que o uso da brecha era raro. No entanto, ela disse ao Bureau que a lacuna poderia ser mais significativa sob o governo de Bolsonaro. “É por isso que mensagens fortes de países consumidores e investidores sobre a importância da moratória são necessárias”, disse ela.

Pesquisa da Repórter Brasil destacou uma complexa teia de registros de terras no caso Perinoto, com terras aparentemente contíguas em Marcelândia divididas em propriedades separadas. Uma propriedade é ainda subdividida em mais de vinte parcelas de terra, registradas em nome de Alexandra Perinoto e seus três filhos.

Os nomes das propriedades também foram alterados no que o relatório sugeria ser uma estratégia deliberada destinada a esconder a origem da soja e sua conexão com áreas de cultivo com danos ambientais.

Perinoto se recusou a responder às conclusões da Repórter Brasil. Quando questionados sobre as compras da Perinoto, nem a Aliança nem a Fiagril negaram ter comprado dela.

2008 a 2020: Apesar da moratória da soja, a floresta tropical intocada foi destruída para dar lugar às plantações

A Aliança disse que foi auditada regularmente e em conformidade com todas as regulamentações e que “não há fatos ou decisões oficiais que mencionem, conectem ou de qualquer outra forma se refiram à Aliança em quaisquer violações ambientais”.

A empresa disse que lida com “inúmeros agricultores e produtores no Brasil” e “negócios fora do controle da Aliança permanecem sob a responsabilidade exclusiva de um determinado agricultor / produtor”.

A Fiagril disse que não adquire soja de áreas embargadas devido a danos ambientais. Acrescentou: “Em fevereiro de 2021, após auditoria da safra 2019/20, a Fiagril recebeu declaração oficial assinada pela Abiove e Greenpeace atestando o cumprimento integral da moratória da soja”.

O Greenpeace Brasil negou, dizendo que o processo de monitoramento dessa safra ainda não foi concluído. Ele disse ao Bureau: “As descobertas desta investigação ligando Fiagril à soja potencialmente ilegal são extremamente preocupantes e iremos nos certificar de que elas sejam totalmente investigadas e as ações apropriadas sejam tomadas.”

O Greenpeace reconheceu que o sistema da moratória “não é perfeito” e disse que estava pressionando por melhorias, incluindo “maior transparência e escrutínio adequado de fornecedores indiretos e estratégias para evitar a triangulação da soja”.

A Bunge informou que não compra soja da Aliança desde 2017 e que a Fiagril não fornecia soja de Marcelândia. “Como signatária da Moratória da Soja na Amazônia, as compras da Fiagril são auditadas por entidades independentes”, disse a empresa.

A Cargill disse que não comprou soja “diretamente” de Perinoto. Ele acrescentou: “Temos mantido firmemente a Moratória da Soja Brasileira na Amazônia desde 2006 … Vamos investigar Fiagril e Aliança do Cerrado de acordo com nosso processo de reclamação da soja.”

Cofco disse: “Realizamos auditorias internas mensais, bem como auditorias externas anuais sobre o cumprimento da Moratória por parte dos fornecedores. A auditoria de 2019 confirmou que todos os nossos fornecedores cumpriram os requisitos da Moratória na temporada passada. ”

Equipe de reportagem: Andrew Wasley e Alexandra Heal do Bureau e André Campos e Daniel Camargos da Repórter Brasil
Editor global: James Ball
Editor de investigações: Meirion Jones
Editor de produção: Frankie Goodway
Verificador de fatos: Chrissie Giles
Equipe jurídica: Stephen Shotnes (Simons Muirhead Burton)

Nosso projeto Food and Farming é parcialmente financiado pelos fundos centraisdo Bureau e parcialmente pela Hollick Family Foundation (para 2020) e The Guardian. Nenhum de nossos financiadores tem qualquer influência sobre as decisões editoriais ou resultados do Bureau.

Imagem do cabeçalho: Terra desmatada para uma plantação de soja na Amazônia. Crédito: Greenpeace / Rodrigo Baléia

fecho

Esta reportagem foi inicialmente escrito em inglês e publicado pelo “The Bureau of Investigative Journalism” [Aqui!].

Grupo de jornalistas investigativos revela ligações da JBS com desmatamento ilegal na Amazônia

Gigante brasileiro da carne transportou gado de fazenda desmatada na Amazônia

bji 7

Por Andrew Wasley Alexandra Heal e André Campos para

Gabinete de Jornalismo Investigativo

Em um dia ensolarado em julho de 2019, Alessandro Ale, motorista de caminhão, decidiu tirar algumas fotos enquanto dirigia em um comboio pelo extremo sul da floresta amazônica. Ele pegou o táxi do seu caminhão – estampado com o logotipo da JBS, a maior empresa de carnes do mundo – ao lado de uma placa chamada “Fazenda Estrela do Aripuanã”, antes de ele e os outros quatro motoristas partirem com sua carga de cerca de 250 bovinos. Ele gostou da jornada. “Trabalhar com bons colegas é sempre um passeio alegre”, ele legendou a foto no Facebook.

Mas a foto de Ale, posteriormente descoberta pelo Repórter Brasil e pelo The Bureau of Investigative Journalism, aumenta as preocupações sobre a culpabilidade da indústria mundial de carne bovina pelos incêndios que assolam a Amazônia a cada ano. Em junho, houve incêndios recordes na Amazônia, atingidos pelo desmatamento ilegal, já que os proprietários de fazendas buscam mais terras para se transformar em pastagens.

A JBS, que fornece gado da Amazônia para seu enorme mercado global de carne bovina, tem receita anual de US$ 50 bilhões e abate quase 35.000 bovinos por dia somente no Brasil. Suas exportações de carne bovina para a Europa continental aumentaram em um quinto nos últimos anos, apesar da emergência na Amazônia.

À medida que os protestos contra os incêndios na Amazônia aumentaram, a JBS disse repetidamente que está fazendo tudo o que pode para garantir que sua cadeia de suprimentos não inclua gado criado em terras desmatadas ilegalmente. Mas sempre acrescentou que só pode monitorar fazendas que o fornecem diretamente. Isso evita o acerto de contas com o grande número de fazendas, que apenas criam vacas “magras” que são vendidas para fazendas de engorda; Segundo a JBS, esses bovinos magros não são rastreáveis.

bji6Uma foto que Ale postou no Facebook de seu caminhão estacionado ao lado da placa Estrela da Aripuanã. Facebook

Até agora, essa garantia se mostrou boa o suficiente para os grandes varejistas e fabricantes de alimentos do mundo e os investidores da JBS – mas enfrenta um desafio significativo à luz da fotografia de Ale. O dono da Fazenda Estrela do Aripuanã, a fazenda onde Ale disse que pegou o gado magro, foi multado em R$ 2,2 milhões (£ 340.000) por destruir uma faixa da floresta amazônica em terra naquele rancho. E o gado que Ale levou embora, em um caminhão com o logotipo da JBS, foi para outra fazenda da empresa – aquela que abastece diretamente a JBS.

As revelações levantam sérias questões que exigem uma investigação mais urgente para a JBS, seus investidores e as empresas globais que compram carne bovina por sua responsabilidade de contribuir para a destruição da floresta amazônica, os “pulmões do planeta”.

Reagindo às conclusões, Zac Goldsmith, ministro internacional do meio ambiente, disse que o governo do Reino Unido está analisando atentamente as recomendações feitas em um relatório independente encomendado pelo governo sobre a redução do desmatamento causado pelos produtos importados da Grã-Bretanha. O relatório sugeria uma legislação que exigia que as empresas britânicas prevenissem danos ambientais e violações dos direitos humanos em suas cadeias de fornecimento, e nomeou a carne bovina como uma das mercadorias mais arriscadas.

“Existe uma conexão extremamente importante entre os produtos que compramos e sua maior pegada ambiental”, disse Goldsmith. “Muito progresso já foi feito para tornar as cadeias de suprimentos do Reino Unido mais sustentáveis, mas sabemos que mais precisa ser feito.”

A JBS contestou as conclusões do The Bureau of Investigative Journalism e acrescentou que tais práticas “não refletem seus padrões operacionais”. A empresa enfatizou que auditorias independentes mostram que nenhum gado em sua cadeia de suprimentos direta é proveniente de floresta tropical recém-desmatada. Mas especialistas disseram à Repartição que acreditam que até 50% do gado criado na Amazônia provavelmente vem de fazendas que não são cobertas pelas auditorias, o que significa que poderiam vir de fazendas ilegalmente desmatadas como a Fazenda Estrela do Aripuanã.

bji5

A JBS começou como uma açougue familiar no Brasil, mas se tornou a maior empresa de carnes do mundo – suas subsidiárias controlam vastas faixas de produção de frango nos EUA e no Reino Unido, e sua carne é exportada para todo o mundo.

Esse crescimento teve um custo. Em 2017, a holding da JBS pagou uma das maiores multas da história corporativa global, em US $ 3,2 bilhões, depois de admitir o suborno de centenas de políticos. Os irmãos Batista, que assumiram o negócio da família de seu pai, foram investigados várias vezes .

O Bureau, trabalhando com o Repórter Brasil e o Guardian, cavou repetidamente os vínculos entre a empresa e o desmatamento na Amazônia , que quase dobrou no ano passado. Em 2019, os números revelaram como até 5.800 quilômetros quadrados de floresta – uma área quatro vezes maior que a da Grande Londres – estavam sendo cortados todos os anos na Amazônia e em outras áreas no Brasil para serem convertidos em pastagem de gado.

A JBS, como outros grandes produtores de carne bovina, afirma ter uma abordagem de “tolerância zero” ao desmatamento ilegal e introduziu sofisticados sistemas de monitoramento para seus fornecedores diretos. A todo momento, a empresa insiste em que é impossível monitorar seus fornecedores indiretos, porque não há registros disponíveis publicamente de gado movendo-se entre fazendas em diferentes estágios do processo de criação.

Esse argumento transfere a responsabilidade para o governo brasileiro e há pressão internacional para fechar a brecha. Angus MacNeil MP, presidente do comitê internacional de seleção de comércio, disse ao The Bureau of Investigative Journalism que o Brasil teria que “limpar sua ação … ou certamente as nações terão que agir”.

Ele acrescentou: “Em toda a Europa existe um sistema de rastreamento de gado, para que as pessoas saibam onde nascem os bezerros e possam ser rastreados durante a vida. No Brasil, essa é uma enorme brecha. É uma questão ainda mais séria que o bem-estar e os padrões, pois é o desmatamento da Amazônia, os pulmões da terra estão em risco. ”

Delara Burkhardt, eurodeputada alemã, está menos convencida de que apenas os governos podem agir. “Que as empresas não podem monitorar a pegada de desmatamento de muitos de seus fornecedores é um argumento que ouvimos frequentemente. Isso não pode ser uma desculpa … Grandes empresas – como a JBS – com sua grande influência nos fornecedores upstream poderiam consertar isso, se quisessem ou se fossem obrigadas a fazê-lo pelas leis dos países importadores ou nacionais.

Os críticos dizem que a situação – que afeta todas as empresas de carne bovina originárias da Amazônia, incluindo os principais rivais da JBS, Marfrig e Minerva Foods – permite uma forma de “lavagem de gado”, na qual animais de fazendas “sujas” ligadas ao desmatamento podem acabar sendo movidos e misturado com gado de fazendas “limpas”.

Publicamente, tanto a indústria brasileira de carnes quanto seus críticos concordam que combater a rastreabilidade do gado é essencial para preservar a floresta tropical.

Mas as fotografias de Ale, com referência cruzada a outros registros, levantam sérias preocupações de que, longe de ser incapaz de monitorar os diferentes atores de sua cadeia de suprimentos, a JBS possa ter facilitado a lavagem de gado.

bji 3A história do comboio de Ale mostra a rapidez com que o gado supostamente não rastreável de fazendas diretamente ligadas à destruição ilegal da Amazônia poderia chegar às fazendas que alimentam a cadeia de suprimentos global da JBS.

Ale e seus colegas estavam transportando gado pela floresta tropical da Fazenda Estrela do Aripuanã, uma fazenda no noroeste de Mato Grosso, para uma fazenda mais ao sul. A Amazônia cobre cerca de 40% do Brasil.

A Fazenda Estrela do Aripuanã – a primeira fazenda na qual a Ale apanha o gado – é operada por Ronaldo Venceslau Rodrigues da Cunha, um empresário que cria gado e tem uma das maiores empresas de carne bovina do Brasil.

Sua empresa possui 102.000 bovinos criados e engordados em 16 fazendas que abrangem cerca de 72.000 hectares de pastagem. Seu site conta a história colorida de como o império de gado de Cunha cresceu desde um começo humilde, completo com detalhes de várias tragédias familiares e os altos e baixos do comércio de gado.

O que não menciona é que a fazenda Estrela do Aripuanã foi previamente multada em R$ 2,2 milhões por desmatamento da floresta tropical. Os registros publicados pelo Ibama, órgão ambiental brasileiro, mostram claramente 1.455 hectares de terra sob embargo oficial – que proíbe a pastagem de gado – como resultado do desmatamento. Os embargos são impostos por violações ambientais e servem como punição e medida protetora para permitir a recuperação da terra.

O site também não menciona que a fazenda Aripuanã foi devastada por vários incêndios florestais entre 2018 e 2019. (O The Bureau of Investigative Journalism conseguiu cruzar conjuntos de dados de referência sobre os incêndios no Brasil com mapas dos limites da fazenda para localizar essas chamas – e outras em anos anteriores – em terra do fazendeiro.)

Embora não haja sugestão de que esses incêndios tenham sido deliberadamente iniciados para limpar mais florestas para pastagens, eles mostram como as terras desmatadas podem ser vulneráveis ​​a incêndios.

bj1 2Desmatamento deixa a Amazônia vulnerável a incêndios. Imagem cortesia do Greenpeace

Ale e seus companheiros motoristas da JBS parecem ter levado o gado Aripuanã para uma segunda fazenda também administrada pela empresa Cunha, Fazenda Estrela do Sangue, a cerca de 300 km de distância. A Sangue, diferentemente da Aripuanã, não possui embargos devido ao desmatamento e, portanto, seria considerada um fornecedor “limpo”.

Embora o post de Ale no Facebook o tenha mostrado fazer essa jornada apenas uma vez, o Bureau estabeleceu desde então que o gado é transportado regularmente da fazenda Aripuanã para a fazenda Sangue.

Os registros de movimentação de gado vistos pelo Bureau mostram que de junho de 2018 a agosto de 2019, pelo menos 7.000 animais foram despachados da primeira fazenda para a segunda. Registros separados mostram que a fazenda Sangue enviou cerca de 7.000 bovinos para matadouros da JBS entre novembro de 2018 e novembro de 2019.

A empresa de Cunha não respondeu a um pedido de comentário.

Embora seja impossível rastrear os movimentos e destinos exatos de cada animal, a regularidade dos movimentos de gado entre as fazendas – e o número considerável de animais do segundo rancho que terminam nas fábricas de carne da JBS – fornece algumas das evidências mais fortes ainda sugerindo a maneira pela qual a lavagem de gado pode ocorrer na prática.

O The Bureau of Investigative Journalism encontrou evidências de que a JBS promover repetidamente o uso de caminhões próprios para o transporte de gado entre fornecedores indiretos e fornecedores diretos. Os executivos da JBS promovem as rotas como “viagens de três pernas”: pegar gado “magro” em uma fazenda, trocá-los por vacas engordadas em um segundo e terminar a jornada em um matadouro. As postagens de Ale no Facebook contam uma história semelhante, parecendo mostrá-lo transportando gado entre diferentes fazendas em pelo menos uma outra viagem.

A revelação, disseram os ativistas, pressiona empresas de todo o mundo a rever seus laços com a JBS, caso desejem evitar estar ligadas a preocupações com a destruição da Amazônia.

“Vez após vez, a JBS foi pega em flagrante lucrando com a destruição da Amazônia”, disse John Sauven, diretor do Greenpeace do Reino Unido.

“Agora estamos enfrentando um colapso climático e natural, e a JBS tem um peso significativo de responsabilidade. Com os produtos de carne da JBS terminando em supermercados e restaurantes de fast food em todo o mundo, não há mais desculpas. Os varejistas devem parar de negociar com todas as empresas pertencentes à JBS enquanto ainda temos o suficiente da Amazônia para lutar. ”

bj1 1Terra limpa para pastagem de gado. Imagem cortesia do Greenpeace

O gado criado e abatido no Brasil se transforma em carne bovina vendida em todo o mundo.

Em 23 de outubro do ano passado, enquanto partes da floresta amazônica ainda estavam queimando, um grande carregamento de carne brasileira estava sendo descarregado nas docas de Londres. Pesando mais de 25 toneladas, em 40 contêineres separados cheios de carne congelada, a remessa passou dias no mar após ser carregada em um navio no porto brasileiro de Itapoá.

De acordo com um banco de dados comercial líder, era apenas uma das 500 remessas similares – 11.500 toneladas de carne bovina no total – da JBS para chegar ao Brasil do Reino Unido entre maio de 2019 e abril de 2020. Embora não sejam insignificantes, as importações do Reino Unido são diminuídas pelo fornecimento para a Europa; A JBS exportou mais de 46.500 toneladas de carne bovina para o continente no mesmo período.

Os números mostram com que facilidade a carne bovina fornecida por empresas como a JBS pode alcançar consumidores internacionais, muitos dos quais podem ficar chocados ao saber que a carne que compram está alimentando diretamente a devastação na maior floresta tropical do mundo.

No ano passado, um estudo da Trase – uma iniciativa da cadeia de suprimentos administrada pelo Instituto Ambiental de Estocolmo e pela ONG Global Canopy – revelou que as exportações globais de carne bovina da JBS estavam ligadas a até 300 km2 de desmatamento por ano no Brasil. (As exportações dos outros dois gigantes da carne, Minerva Foods e Marfrig, estavam ligadas a 100 km quadrados de perda de floresta anualmente.)

Posteriormente, a Repartição revelou como as três empresas enviaram US $ 3 bilhões em carne bovina para a Europa por um período de cinco anos. Somente o Reino Unido havia importado £ 1 bilhão em carne . As importações europeias da JBS, Marfrig e Minerva também parecem ter aumentado 14% entre maio de 2017 e abril de 2020.

Grande parte da carne brasileira fornecida ao Reino Unido é vendida enlatada, com carne enlatada destinada a supermercados e outros varejistas. A carne congelada, como os casos descarregados nas docas de Londres, geralmente é importada para atacadistas e fabricantes. A partir daí, poderia acabar em jantares hospitalares, refeições prontas e fast food, através de uma cadeia de empresas de catering e produção de alimentos. A carne bovina da JBS foi encontrada à venda nos supermercados britânicos Sainsbury’s, Asda, Lidl, Morrisons e Co-op.  A carne enlatada da JBS também foi vendida para a cadeia de suprimentos do NHS, que fornece fundos hospitalares.

A JBS disse ao The Bureau of Investigative Journalism que investigou as evidências e descobriu que “a fazenda de coleta não estava dentro de nenhuma área embargada”, de acordo com o sistema da empresa. A JBS disse que introduziu um novo sistema em 1º de julho que “esperava causar um impacto significativo na redução da lavagem de gado… Estamos trabalhando para uma cadeia de suprimentos completamente transparente”.

A empresa acrescentou que “não compra gado de fazendas envolvidas em irregularidades” e “adota uma abordagem inequívoca de desmatamento zero”. Um porta-voz disse: “A JBS sempre esteve na vanguarda das iniciativas do setor para combater a chamada ‘lavagem de gado’”.

A JBS afirmou que sua operação de transporte rodoviário garante que “o gado seja transportado de acordo com os mais altos padrões de bem-estar animal” e que suas operações “reduzam o impacto ambiental do transporte de gado, otimizando a frota de caminhões”.

bj1 0

Políticos, ativistas e reguladores estão cientes de como o consumo de carne bovina do oeste está ligado à queima da Amazônia.

Em junho, investidores globais dos EUA, Europa e Ásia, administrando juntos US$ 3,7 bilhões em ativos, exigiram que o governo brasileiro reprimisse o desmatamento e ameaçasse o desinvestimento caso a situação não mudasse.

A Comissão Européia também está considerando medidas regulatórias para combater o desmatamento, desde requisitos mais rigorosos de rotulagem até proibir a importação de produtos agrícolas que danificam o meio ambiente. Em outubro, os eurodeputados votarão se a comissão deve se concentrar no último, que proibiria a importação de produtos como carne, soja e óleo de palma, onde estão ligados ao desmatamento.

É um momento crucial para a ação, acreditam os ativistas, porque o acordo comercial do Mercosul da UE com os países da América do Sul – que daria aos produtores de carne bovina no Brasil acesso com tarifas reduzidas ao mercado europeu – está aguardando ratificação.

A finalização do acordo este ano é considerada uma prioridade para o governo alemão. Em junho, no entanto, o presidente Macron expressou sua oposição por causa de preocupações com o desmatamento. Os governos holandês, austríaco, irlandês e belga também se opõem ao acordo pelo mesmo motivo, bem como à ameaça aos agricultores europeus.

No verão passado, o primeiro-ministro da Inglaterra, Boris Johnson, se recusou a se juntar a Macron na crítica ao governo Bolsonaro por causa da crise de incêndios, pela qual mais tarde foi agradecido pelo embaixador brasileiro . Os críticos sugeriram que os padrões ambientais provavelmente serão sacrificados à medida que o Reino Unido busca acordos comerciais após o Brexit. No ano passado, uma autoridade brasileira disse que o país estava buscando um acordo comercial do Mercosul com o Reino Unido, semelhante ao acordo da UE.

 

fecho

Esta reportagem foi escrita originalmente em inglê e publicada pelo “The Bureau of Investigative Journalism” [Aqui!].