UFSC e sindicatos promovem Ciclo internacional sobre futuro do trabalho

“Assédios, violências, saúde e cuidado” em debate, nesta quarta-feira

unnamed (2)

Os efeitos da pandemia sobre a saúde dos trabalhadores estarão no centro do debate nesta quarta-feira, no segundo painel do Ciclo Internacional “O Futuro do Trabalho”, realizado online numa parceria entre a Universidade Federal de Santa Catarina (UFSC) e sindicatos de trabalhadores de dois estados do Sul (SC e RS). A conferência “Assédios, violências, saúde e cuidado” terá início às 18h30 e vai analisar como essas questões impactaram e seguem trazendo consequências para a classe trabalhadora. O seminário terá transmissão pelos canais do Youtube do Fazendo Escola e do Lastro. As inscrições são gratuitas e devem ser feitas AQUI. Será fornecido certificado de 12 horas para quem participar de pelo menos cinco seminários. O evento teve início na semana passada e o tema de abertura foi  “A pandemia e o mundo do trabalho: tecnologias e trabalho” – o seminários são semanais, às quartas-feiras, e vão ocorrer até 24/11.

Para promover as reflexões sobre como a pandemia afetou essas relações de trabalho e a saúde, o seminário contará com a participação do Doutor Estudios Sociales de América Latina pela Universidad Nacional de Córdoba (UNC/Argentina) Pedro Lisdero, e a Doutora em Sociologia e professora da Universidade Federal do Acre (UFAC), Luci Praun. A mediação será de Ellen Pereira.

Pandemia e a saúde dos trabalhadores

Para a doutora em Sociologia Luci Praun, um dos principais pontos é que o contexto pandêmico foi utilizado por parte das empresas, em meio ao crescente desemprego, para tornar o trabalho ainda mais precarizado/uberizado: “Um exemplo evidente é a expansão das atividades realizadas por aplicativos, como o trabalho dos entregadores, e as atividades em teletrabalho”, aponta.

Outro aspecto destacado pela professora da UFAC é a dissociação entre as infecções e mortes por coronavírus das atividades laborais. Além dos profissionais da área da saúde, que estiveram na linha de frente em situação de exaustão física e emocional, outras atividades laborais também foram afetadas. 

“Nesse terreno, é sugestivo o levantamento feito a partir de dados do CAGED que indicam um aumento de 70,3% (até agosto de 2021) de desligamentos por morte entre trabalhadores de carteira assinada, com destaque para motoristas de caminhão, faxineiros e vendedores”, aponta Luci Praun

Papel das entidades sindicais no pós pandemia

Diante de um cenário de avanço da vacinação e redução das taxas de contágio da Covid-19, surge outra urgência: como atender os trabalhadores afetados pela pandemia, seja por questões de saúde ou sociais?

Conforme Luci Praun, neste contexto temos três questões prioritárias para analisar em relação ao futuro do trabalho: a assistência às pessoas que tiveram graves sequelas da Covid-19, algumas incapacitantes para o retorno ao trabalho; o avanço da precarização/uberização do trabalho, com a perda crescente de direitos e preservação da saúde física e mental; e o amparo aos trabalhadores que estão à margem de qualquer remuneração, em situação de miséria e disputando restos de comida para sobreviver.

Em todas essas situações, a questão principal é um novo olhar do sindicalismo e das entidades ligadas ao mundo do trabalho para a conjuntura pós-pandemia: “É necessário que as entidades representativas dos trabalhadores criem formas de ações comuns, que extrapolem os limites das categorias representadas, que sejam capazes de atingir e criar lastros de solidariedade entre os diferentes segmentos que compõem o mundo do trabalho”, finaliza a socióloga.

A programação completa com os demais seminários do Ciclo Internacional “O Futuro do Trabalho” está disponível em: futurodotrabalho.ufsc.br

Organização

O Ciclo de Seminários é realizado pelo Laboratório de Sociologia do Trabalho da Universidade Federal de Santa Catarina (Lastro/UFSC), e pelo Centro de Estudos e Pesquisas em Trabalho Público e Sindicalismo (Fazendo Escola), que é vinculado ao Sindicato dos Trabalhadores do Poder Judiciário do Estado de Santa Catarina (Sinjusc), Sindicato dos Servidores da Justiça do Estado do Rio Grande do Sul (Sindjus/RS) e Sindicato dos Trabalhadores no Poder Judiciário Federal no Estado de Santa Catarina (Sintrajusc). (Texto: Joice Proença)

Serviço

“A pandemia e o mundo do trabalho: tecnologias e trabalho”

Data: 27 de outubro (quarta-feira)

Horário: 18h30

Transmissão: YouTube “Fazendo Escola”

Inscrição: AQUI

•••

Confira o currículos dos conferencistas

Pedro Lisdero (Conferencista):

Doutor em “Estudios Sociales de América Latina” pela Universidad Nacional de Córdoba – UNC, pesquisador do “Consejo Nacional de Investigaciones Cientificas y Técnicas” (CONICET), co-director do “Programa de Estudios sobre Acción Colectiva y Conflicto Social”, do “Centro de Investigaciones y Estudios sobre Cultura y Sociedad” (CONICET y UNC), pesquisador do “Centro de Investigaciones y Estudios Sociológicos (CIES).

Luci Praun (Conferencista):

Doutora (2014) em Sociologia e Docente da Universidade Federal do Acre (UFAC). Desenvolve pesquisas relacionadas ao trabalho, especialmente com os seguintes temas: Precarização do Trabalho; Educação e Trabalho Docente; Saúde dos/as Trabalhadores/as; Movimentos Sociais; Direitos Humanos; Trabalho e Gênero.

Programação:

20/10 – A pandemia e o mundo do trabalho: tecnologias e trabalho

27/10 – Assédios, violências, saúde e cuidado

03/11 – Liberdade, precariedade e trabalho compulsório

10/11 – Desigualdades estruturais e mercado de trabalho

17/11 – Políticas de austeridade e reformas no mundo do trabalho

24/11 – Trabalhadores e trabalhadoras reinventam formas de organização

Links:

Programação completa: https://futurodotrabalho.ufsc.br/ 

Inscrição gratuita no site: https://bit.ly/SeminarioFazendoEscola 

Para acompanhar o seminário:

https://www.youtube.com/channel/UCTDZqH-u_LPprUwmuosp7TA 

https://www.youtube.com/channel/UCneDgPe7rXh6VWpmLrDPIJg 

Reportagem sobre resíduos de agrotóxicos na água de consumo em Santa Catarina

Image result for agrotóxicos água de consumo

No dia 03 de março repercuti uma reportagem publicada pela Rede Brasil Atual [Aqui!] sobre um estudo feito pela pesquisadora Sonia Corina Hess da Universidade Federal de Santa Catarina do campus de Curitibanos sobre o processo da água de consumo em pelo menos 22 municípios catarinenses.

Hoje tive acesso a uma reportagem (ver vídeo abaixo) onde a professora Hess levanta questões importantes sobre os impactos da transformação do Brasil em uma espécie de lixeira química onde agrotóxicos banidos em outras partes do mundo estão sendo cada vez mais aprovados para comercialização.

Lamentavelmente, o caminho que está sendo adotado pelo governo Bolsonaro e vários governos estaduais é exatamente o contrário do que indica a pesquisadora da UFSC. Um exemplo disso foi a aprovação em tempo recorde de um “pacotinho do veneno” pela Assembleia Legislativa de São Paulo como informou hoje a Rede Brasil Atual.

Não custar nada notar a contradição que está posta neste momento entre as propostas de diminuição da rede hospitalar pública e o aumento do consumo de substâncias altamente tóxicos que estão contaminadas nossas águas e os alimentos que ingerimos cotidianamente. Uma hora dessas teremos uma grave epidemia de doenças causadas por agrotóxicos e não haverá quem as trate. Enquanto isso, o latifúndio agro-exportador e seus aliados nas diferentes esferas de governo continuam com sua folia.

Conselho Universitário da UENF emite moção de repúdio contra abusos de autoridade cometidos contra universidades públicas

O Conselho Universitário da Universidade Estadual do Norte Fluminense (CONSUNI) emitiu uma Moção de Repúdio nesta sexta-feira, 08/12/17, contra os abusos de autoridade cometidos reiteradamente contra universidades públicas.

nota consuni

A nota menciona os casos recentes ocorridos em operações policiais realizadas na FRGS, UFPR, UFSC e UFMG e classifica como inadmissíveis o desrespeito às garantias constitucionais e aos direitos das pessoas, ainda que apoiando ações relacionados ao mal uso do dinheiro público.

A nota do CONSUNI Uenf conclui com uma exigência pelo retorno da normalidade institucional e ao respeito das regras de convivência democrática.

Universidades públicas sob a ponta de fuzis e escopetas

No dia de ontem (06/12) cerca de 100 policiais federais invadiram o campus da Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG) para prender gestores e professores usando armamento pesado digno de operações militares realizadas contra o narcotráfico.  A desculpa era prender e conduzir estes professores para depor coercitivamente num caso que se arrasta há quase nove anos e envolve, ironia das ironias, a construção de um Memorial da Anistia Política.

O detalhe, que não é menor, se refere ao fato de que os professores conduzidos sob a ponta do fuzil nunca tinham sido intimados para depor, o que reflete uma grave violação dos seus direitos constitucionais. 

pf

Mas num país em que se banalizou a condução coercitiva o fato de que as universidades públicas também se tornaram alvo do uso de mecanismos que afrontam a Constituição Federal Brasileira  não chega a surpreender.  Mas o que chama a atenção no caso da UFMG é que esta ação espetaculosa ocorre pouco tempo depois da que foi realizada na Universidade Federal de Santa Catarina (UFSC) e que resultou no dramático suicídio do seu reitor e professor de Direito Luiz Carlos Cancellier.

Também não pode passar despercebido o fato de que mais essa ação que viola a autonomia universitária das universidades federais ocorre quase que imediatamente após a publicação do relatório do Banco Mundial cuja sugestão mais publicizada foi justamente de cobrança de mensalidades nas universidades federais com o suposto de objetivo de fornecer os recursos necessários para o funcionamento das mesmas.

A tática de assacar injurias e humilhações para estabelecer a narrativa de que o ente público é sempre ineficiente e perdulário não é nova.  A diferença no momento é que está se aproveitando a frouxidão das instâncias judiciais e políticas para combinar asfixia financeira com o assassinato de reputações.  É que apesar de universidades não estarem de alguma forma mágica isentas dos problemas que afetam o conjunto da sociedade, os controles estabelecidos sobre elas tornam menos possível que haja ali, por exemplo, canais de subtração do erário público como aqueles que foram detectados na Petrobras.

Assim é preciso que fique claro qual é a real natureza dessas operações militarizadas que ocorreram na UFSC e UFMG. Elas, ao contrário do que foi manifestado pelas autoridades policiais, possuem um objetivo mais estratégico do que se simplesmente apurar desvios e eventualmente punir os responsáveis pelos mesmos. O objetivo estratégico é achincalhar a imagem e corroer a autonomia universitária inserida na Constituição Federal pelos constituintes de 1988, de forma a possibilitar a privatização das universidades federais.

A minha expectativa é que agora que o ataque está mais do que evidente, as comunidades universitárias das universidades federais saiam do sono esplêndido com que têm convivido com o golpe parlamentar que levou Michel Temer à condição de presidente “de facto” do Brasil. As primeiras reações já ocorridas durante o interrogatório dos professores conduzidos coercitivamente em Belo Horizonte indicam que a sonolência está finalmente chegando ao fim. Que assim seja, pois, do contrário, não se sabe quem serão os próximos a serem conduzidos sob a ponta dos fuzis.

Enquanto isso, os professores e servidores da Universidade Estadual do Norte Fluminense recebem hoje uma parcela dos seus salários de Setembro, sem que se veja qualquer movimentação policial para que o resto dos seus salários atrasados sejam pagos pelo (des) governo Pezão. Será que sou o único a ver a completa coerência entre essa dicotomia de tratamento?

Delegado Paulo Cassiano Junior se envolve em confusão no campus da UFSC por causa de estudantes fumando maconha

pf2

Para quem achava que a transferência para a paradisíaca ilha de Santa de Catarina significaria tempos mais calmos para o delegado campista Paulo Cassiano Junior. Não é que ele se envolveu numa turbulenta invasão do campus da Universidade Federal de Santa Catarina (UFSC) para prender estudantes que fumavam maconha! Como a coisa deu a maior repercussão (negativa, eu acrescento), Paulo Cassiano Junior deverá ser processado pela reitoria da UFSC.

ufsc

Mais detalhes sobre essa situação inusitada, basta acessar (Aqui!).

Eu achei o seguinte trecho da matéria citada acima para lá de peculiar: “Mas o delegado, que horas depois disse que não permitiria que a reitoria transformasse a UFSC numa “república de maconheiros”, foi intransigente. Afirmou que buscaria o preso em 15 minutos e, se não conseguisse, como de fato não conseguiu, o Choque faria o serviço por ele. O diretor do Centro de Filosofia e Humanas alertou que aquilo teria consequências e o delegado respondeu, arrogante: “a população me apoia”.