Nós, os destruidores da floresta tropical

Por Philip Bethge para a Der Spiegel

Caro leitor,

Nós, alemães, somos campeões europeus na destruição da floresta tropical. 43.700 hectares de floresta tropical são perdidos todos os anos porque importamos soja, óleo de palma, carne, madeira tropical, cacau e café da América do Sul, África e Sudeste Asiático. Isso é cerca de metade da área de Berlim e mais do que qualquer outro país da UE é responsável.

A organização de conservação da natureza WWF apresentou um estudo esta semana no qual os maiores destruidores da floresta tropical estão listados. Com 16%, a União Europeia (UE) ocupa o segundo lugar, atrás da China (24%) em todo o mundo. Em seguida, vem a Índia (9%), os EUA (7%) e o Japão (5%). 30 a 40 por cento do desmatamento nos trópicos está relacionado ao comércio internacional. O maior prejuízo é causado pela importação de soja da região amazônica, por exemplo, que é principalmente dada para animais aqui – enquanto os fazendeiros ali queimam a selva para ganhar terras aráveis. O óleo de palma, usado em cosméticos ou alimentos, por exemplo, é quase tão ruim quanto.

Os ambientalistas avaliaram dados de análises de imagens de satélite e estudos de fluxos comerciais, que foram compilados pelo Stockholm Environment Institute e pela iniciativa de transparência Trase. A clareira é, portanto, não apenas perceptível em ecossistemas distantes da Europa, mas também afeta o clima global.

A UE causou indiretamente 116 milhões de toneladas de emissões de CO 2 por meio do desmatamento importado em 2017 , relata o WWF. Isso corresponde a mais de um quarto das emissões da agricultura da UE no mesmo ano. Essas emissões indiretas ainda não foram incluídas nas estatísticas de emissões de gases de efeito estufa.

Palm Oil Plantation at the edge of Peat Land Swamp Rainforest

Plantação de óleo de palma, floresta tropical em Bornéu. Nora Carol Photography/ Getty Images

A Alemanha tem a maior responsabilidade entre os países da UE. De todas as coisas. Como isso aconteceu conosco, separadores de lixo apaixonados e comedores de carne orgânica?

É a boa vida que faz a diferença aqui. Quem quer ficar sem chocolate e café? Para bifes suculentos de gado alimentado com soja importada? Em cosméticos com óleo de palma na receita? Mesmo o parquet de madeira tropical ainda pode ser comprado. Tem que ser esse o caso?

Pregar a renúncia repetidamente é barato. Não estamos chegando a lugar nenhum como este. Em vez disso, a legislatura deve finalmente acabar com essa loucura ecológica.

A Comissão da UE anunciou novos regulamentos para 2021 com o objetivo de »minimizar« o risco de desmatamento e danos às florestas em conexão com os produtos que são trazidos para o mercado da UE. Agora é uma questão de moldar essas leis.

O WWF exige que as importações só sejam permitidas se forem realmente sustentáveis ​​e não apenas “legais” de acordo com as informações do país de origem. Nem é preciso dizer que também é preciso verificar se os direitos humanos estão sendo respeitados. Além da floresta, a legislação também deve se relacionar a outros ecossistemas, como o cerrado brasileiro. Em 2018, por exemplo, 23% das importações de soja da UE vieram do Cerrado.

fecho

Este texto foi originalmente escrito em alemão e publicado pela revista Der Spiegel [Aqui!].