Investigação revela que queijo vendido em supermercados britânicos está ligado a desmatamento catastrófico no Brasil

queijo uk

Por Andrew Wasley , Elisangela Mendonca , Lucy Jordan , Zach Boren , Alice Ross , Anna Turns , Rupert Evelyn , Philip Sime para o “The Bureau of Investigative Journalism

Fazendas do Reino Unido que fornecem leite e produtos lácteos para o Cathedral City Cheddar, manteiga Anchor e chocolate Cadbury estão alimentando seu gado com soja de um polêmico agronegócio acusado de contribuir para o desmatamento generalizado no Brasil, revelou uma investigação.

As fazendas, que vendem leite para Saputo, Arla e Cadbury, fornecem parte de sua ração animal de empresas que compram soja brasileira exportada pela gigante americana de grãos Cargill.

A investigação do Bureau, do Greenpeace Unearthed, do ITV News e do Daily Mirror revelou as complexas cadeias de abastecimento da soja que ligam os laticínios britânicos à devastação ambiental a milhares de quilômetros de distância nas regiões da Amazônia e do Cerrado no Brasil.

Ambos são críticos para a biodiversidade e para lidar com a degradação climática. A região do Cerrado, onde a maior parte da soja do Brasil é cultivada, abriga 5% das espécies vegetais e animais do mundo.

O desmatamento continua

O Grupo Scheffer, um dos fornecedores brasileiros da Cargill, tem sido associado a vários incidentes de danos ambientais, incluindo o desmatamento de áreas de floresta tropical, revelam novas evidências. Uma equipe de reportagem no Cerrado encontrou desmatamento recente relacionado a um agricultor de soja vendendo para o império do agronegócio brasileiro.

A investigação também levanta questões sobre a certificação de soja sustentável da Cargill. O esquema Triple S é saudado por algumas empresas de alimentos como uma opção ambientalmente correta, embora permita que soja sem desmatamento seja misturada com grãos de fontes não certificadas, o que pode incluir fazendas envolvidas na destruição da floresta.

Além disso, imagens de satélite e imagens de drones sugerem que a floresta pode ter sido desmatada em pelo menos uma fazenda brasileira Triple S, a fazenda Rafaela, em 2010 – uma aparente violação das regras do esquema. Tanto a Cargill quanto o Grupo Scheffer, dono da fazenda, contestam, afirmando que as coordenadas fornecidas pelo Bureau não estão na fazenda.

O Grupo Scheffer, um dos maiores produtores de soja do Brasil, que processou mais de 560.000 toneladas de soja, milho e algodão no ano passado, foi considerado responsável por uma série de infrações ambientais. Em 2019, a empresa foi multada em mais de US $ 450.000 por desmatar ilegalmente mais de 5 quilômetros quadrados de floresta protegida na fazenda Iracema, que faz divisa com o território indígena Utiariti. Um gerente de fazenda disse a repórteres do Bureau que a propriedade fornecia soja à Cargill.

O Grupo Scheffer também foi associado a um fazendeiro que desmatou mais de 10 quilômetros quadrados em 2019 e 2020 e, posteriormente, usou fogo para limpar o restolho este ano. Respondendo a esta alegação, a empresa confirmou que tinha um contrato de arrendamento com o proprietário da fazenda, mas disse: “Os pontos críticos detectados na propriedade estão localizados fora dos perímetros administrados pela Scheffer.”

O proprietário da Fazenda Natureza Feliz, Carlos Roberto Simonetti, disse que o desmatamento foi licenciado legalmente. Ele confirmou que havia trabalhado com o Grupo Scheffer para produzir soja para a Cargill, mas em uma fazenda adjacente.

Um silo de soja de propriedade da Cargill em Sapezal, Brasil, um município que exporta grandes quantidades de soja para o Reino UnidoMárcio Neves / ITV

Desde 2008, o Grupo Scheffer está vinculado ao desmatamento de pelo menos 24 quilômetros quadrados de floresta para expandir suas operações, revelou uma análise exclusiva da ONG Aidenvironment. A organização usou imagens de satélite para quantificar a atividade de corte e queima dentro dos limites de pelo menos 21 fazendas alugadas pelo Grupo Scheffer ou registradas para a empresa e seus acionistas.

A Cargill, o maior conglomerado de alimentos do mundo, já havia enfrentado acusações de que sua soja estava ligada ao desmatamento. No ano passado, uma investigação revelou 800 quilômetros quadrados de desmatamento e mais de 12.000 incêndios registrados em terras usadas ou pertencentes a um punhado de fornecedores de soja da Cargill no Cerrado desde 2015.

O Grupo Scheffer disse que cultiva soja há 30 anos no estado de Mato Grosso, a potência do agronegócio brasileiro, que é composto por três biomas principais: a savana tropical do Cerrado, a floresta amazônica e o Pantanal, a maior área úmida do mundo. “Ao longo desse período, crescemos e evoluímos de forma responsável, sempre respeitando práticas que garantem a longevidade do solo e do meio ambiente”, afirma a empresa.

Unidade de laticínios intensivos da Arla na Cornualha, onde o gado é alimentado com soja. O fornecedor de ração da fazenda compra da Cargill Notícias TBIJ / ITV

MPs britânicos e ativistas dizem que as descobertas da investigação reforçam a necessidade de novas leis duras para forçar as empresas a combater o desmatamento em suas cadeias de abastecimento.

Anna Jones, chefe das florestas do Greenpeace no Reino Unido, disse: “Muitas pessoas ficarão chocadas ao saber que seu queijo e manteiga estão ligados à destruição da floresta do outro lado do Atlântico. E ainda assim, enormes pedaços de florestas brasileiras e outros ecossistemas vitais ainda estão sendo cortados para o cultivo de toneladas e toneladas de soja que é então usada para alimentar galinhas, porcos e vacas leiteiras no Reino Unido. A indústria global de carnes e laticínios está alimentando a emergência climática e natural, e isso precisa parar. ”

O governo britânico “deve aproveitar a oportunidade para acabar com o desmatamento nas cadeias de abastecimento do Reino Unido”, introduzindo uma forte lei de desmatamento e uma estratégia de redução de carne e laticínios em linha com a ciência do clima, disse Jones. “Isso estabeleceria uma referência clara a ser seguida pelos líderes mundiais”.

Kerry McCarthy, ministro da sombra e membro do parlamento de Bristol East, disse: “Essas revelações são mais uma prova de que o desmatamento no exterior está profundamente enraizado nas cadeias de abastecimento do Reino Unido e nos produtos de supermercado do dia-a-dia.

“Ainda mais chocante é que grande parte desse desmatamento era legal de acordo com as leis locais. O governo sabe que este é um grande problema, mas suas próprias propostas sobre a eliminação do desmatamento das cadeias de abastecimento só se aplicarão se o desmatamento for ilegal ”. O governo brasileiro não se opõe ao desmatamento legal, apesar de seus efeitos sobre o clima. Marta Giannichi, autoridade ambiental brasileira, disse ao ITV News que os proprietários rurais têm o direito de “suprimir uma certa quantidade de vegetação”.

Além dos danos ambientais, a expansão da soja e da pecuária no Brasil teve um custo mortal. No ano passado, 20 brasileiros foram assassinados enquanto defendiam o meio ambiente, tornando-o o quarto país mais letal do mundo para os defensores verdes, de acordo com a Global Witness.

“Se parte do Cerrado ainda está de pé, é porque as comunidades tradicionais ainda existem”, disse Valéria Santos, coordenadora da coalizão de campanha Agro é Fogo, criada para combater o desmatamento e incêndio criminoso de grandes latifundiários, além do Nacional. Campanha em Defesa do Cerrado. “Conservar campos e florestas e resistir à expansão do agronegócio faz parte de seu sustento, de sua sobrevivência.”

Do Cerrado à Cornualha

No interior ondulante da Cornualha, em grande parte escondido da vista do público, um vasto complexo semelhante a uma fábrica se espalha pela encosta, seus telhados cinza contrastam com o verde dos campos circundantes.

A unidade não é uma fábrica; é uma fazenda leiteira gigante com mais de 20 celeiros interligados. O leite da fazenda é vendido para a multinacional de alimentos Arla, que fabrica a manteiga Anchor e fornece leite para supermercados no Reino Unido, inclusive para a Asda.

As vacas aqui, ao contrário de muitas, ficam alojadas permanentemente durante todo o ano. A fazenda é uma das maiores fazendas de leite intensivo da Grã-Bretanha – ou “megadairies” – baseadas nos sistemas de produção industrial de leite dos Estados Unidos, que surgiram nos últimos anos. Centenas de minúsculos cubículos se aglomeram ao lado dos prédios principais; são “cabanas para bezerros”, projetadas para conter animais jovens criados para entrar no rebanho de ordenha.

Os críticos da agricultura intensiva dizem que, nas últimas décadas, as dietas dos animais mudaram de grama e desperdício de alimentos, cada vez mais para grãos e proteínas, incluindo soja. Embora algumas fazendas leiteiras convencionais usem soja para suplementar outras rações, a escala das unidades de laticínios intensivos – onde o gado não pasta – e a necessidade de certezas quanto à ração significam que a soja é preferida, dizem especialistas da indústria.

O Bureau soube que a ração para gado usada no megafarm da Cornualha contém soja, fornecida pela Mole Valley Feeds, um grande fornecedor de ração animal para o setor de laticínios do Reino Unido.

A investigação do Bureau estabeleceu que Mole Valley também transporta ração para gado à base de soja para fazendas de leite que vendem leite para a Saputo, a empresa-mãe da Dairy Crest.

A Saputo fabrica a marca de queijos caseiros Cathedral City, bem como Davidstow Cheddar, na sua cremosa da Cornualha.

As fazendas da Saputo também são abastecidas por uma segunda empresa que oferece rações à base de soja, a NWF Agri, que afirma alimentar “um em cada seis” gado leiteiro britânico.

Outra empresa de rações, a ForFarmers, foi identificada como vendendo rações de soja para fazendas de abastecimento da Arla, junto com uma fazenda que vende produtos lácteos para a Cadbury. A Cadbury é totalmente controlada pela multinacional de lanches Mondelez.

O Bureau estabeleceu que tanto a Mole Valley Feeds quanto a NWF oferecem soja Cargill Triple S para venda no Reino Unido. O Vale Mole não quis comentar e a NWF não respondeu às nossas solicitações.

ForFarmers disse: “No Reino Unido, a ForFarmers adquire sua soja de três países, dos quais apenas 14% é do Brasil” e que nesse mercado “100% da farinha de soja usada na alimentação de todos os ruminantes é coberta por certificados de sistemas de soja responsáveis” .

A Arla disse não reconhecer o Triple S da Cargill como “uma certificação que atende aos nossos requisitos de produção responsável”. Um porta-voz disse: “Tanto a Arla quanto os produtores de leite proprietários de nossa cooperativa estão tomando medidas para gerenciar o uso da soja de forma responsável”. Mas eles admitiram: “Não monitoramos os fornecedores escolhidos pelos nossos proprietários agrícolas para seus negócios”.

A empresa de laticínios acrescentou que, desde 2014, comprou créditos que apóiam o cultivo responsável da soja. Arla descreveu a soja como uma parte “pequena, mas importante” da dieta das vacas e disse que alguns de seus agricultores estavam procurando alternativas caseiras, como a proteína da ervilha.

A Saputo disse em um comunicado: “A partir do início de 2022,  os padrões da Davidstow Farm  determinarão que todas as fazendas que fornecem para a produção de leite da Davidstow Saputo Dairy do Reino Unido devem obter ração de fornecedores com uma política de compra de soja sustentável”. A empresa disse que há dois anos comprou créditos usados ​​para apoiar produtores que cultivam soja de forma responsável.

Um porta-voz da Mondelez disse: “Como parte do nosso compromisso de combater o desmatamento, deixamos claro que esperamos que todos os nossos fornecedores de laticínios do Reino Unido trabalhem conosco e se comprometam contratualmente a garantir que eles estejam adquirindo 100% de ração livre de desmatamento até 2023”.

Andrew Opie, diretor de alimentos e sustentabilidade do British Retail Consortium, disse: “Os varejistas estão trabalhando juntos para combater o desmatamento e promover uma maior absorção de soja sustentável certificada em suas cadeias de abastecimento”.

Um porta-voz da Asda disse: “Entendemos a importância da soja sustentável para nossos clientes e estamos comprometidos com a redução da produção de alimentos associada ao desmatamento”. A empresa disse que está trabalhando com os fornecedores em um plano para garantir que toda a sua soja seja “certificada fisicamente” até 2025. 

Um incêndio em uma fazenda de soja em Mato Grosso, BrasilCarl de Souza / AFP via Getty

A indústria de laticínios britânica usou cerca de 360.000 toneladas de soja de países como Brasil, Argentina e Estados Unidos como ração animal em 2019. Esse volume é ofuscado apenas pelo uso de soja pelo setor avícola e torna as fazendas de laticínios o segundo maior consumidor de soja do Reino Unido feed baseado em

A Cargill domina o comércio de soja no Reino Unido, controlando cerca de 70% do mercado. A empresa embarca mais de 100.000 toneladas de grãos de soja para o Reino Unido todos os anos, somente da região do Cerrado do Brasil.

A maior parte da soja exportada do Brasil é produzida no Cerrado, que antes cobria cerca de 2.000.000 de quilômetros quadrados. O que resta do bioma está cada vez mais fragmentado e degradado, e desaparecendo rapidamente, à medida que grandes interesses agrícolas no Brasil se apressam para acompanhar a demanda global.

Pessoas x lucro

A concentração de vastas extensões de terra nas mãos de alguns indivíduos ricos também traz problemas sociais. Edson Ferreira Lima faz parte de uma comunidade de trabalhadores rurais sem terra que recentemente se instalou em um projeto de desenvolvimento sustentável no Novo Mundo, no norte de Mato Grosso. Aqui, dezenas de famílias compartilham um terreno de 20 km2, onde vivem e cultivam vegetais orgânicos. “São 96 famílias que tinham uma vida muito precária e hoje, graças a Deus, estão bem; eles são pacíficos ”, disse ele.

Teoricamente, o assentamento também deveria incluir uma reserva florestal de 50 km2, onde a comunidade pode pescar e coletar frutas nativas. Mas um agricultor local de soja está disputando o direito da comunidade à terra, e eles estão esperando um juiz para decidir sobre o caso.

Lima disse que os sem-terra normalmente encontram oposição, ameaças e violência ao defender a reforma agrária e por um espaço para os agricultores familiares produzirem alimentos de forma sustentável.

As famílias se preocupam, disse ele, com o câncer e outros problemas de saúde de longo prazo devido ao uso intenso de pesticidas nas megafarmas ao seu redor. “Na época das chuvas, os resíduos vão todos para os rios e isso diminui a quantidade de peixes”, disse. “Nessas regiões que agora plantam soja, consumimos um veneno muito perigoso … ele acaba matando humanos.”

Proprietários de terras ricos não levam esses danos em consideração de maneira adequada, disse Lima. Muitas vezes, eles nem moram na região. “O pensamento deles é apenas sobre o lucro.”

Repórteres: Andrew Wasley, Elisângela Mendonça, Lucy Jordan, Zach Boren, Alice Ross, Anna Turns, Rupert Evelyn e Philip Sime Editor de Meio Ambiente: Jeevan Vasagar Editor de Investigações: Meirion Jones Editor global: James Ball Editores de produção: Alex Hess, Frankie Goodway e Emily Goddard Impact Produtor: Grace Murray Verificador de fatos: Alice Milliken Equipe jurídica: Stephen Shotnes (Simons Muirhead Burton)

compass

Este texto foi escrito originalmente em inglês e publicado pelo “The Bureau of Investigative Journalism” [Aqui!]. 

COVID-19: se as universidades estão fechadas, por que as escolas estão abertas?

pergunta

O jornal “Terceira Via” decidiu fazer uma matéria muito curiosa a partir de uma premissa ainda mais curiosa envolvendo a decisão das instituições de ensino superior da cidade de Campos dos Goytacazes de não retomar as aulas presenciais. É que segundo os redatores do “Terceira Via”, se crianças estão tendo aulas em meio a uma pandemia letal, por que jovens adultos não podem também (ver imagem abaixo)?

escolas abertas

Eu que convivo há um ano e meio com aulas virtuais e noto a angústia que se apossou dos meus estudantes em não poderem estar frequentando o campus da Universidade Estadual do Norte Fluminense (Uenf), já que a maioria deles reconhece que isso seria um convite à contaminação em um país em que menos de 45% da população completou a rotina vacinal.

Assim, a pergunta que o “Terceira Via” deveria estar se fazendo é sobre como as aulas estão sendo ministradas em escolas municipais, na medida em que quem escreveu a referida matéria não se deu ao trabalho de fazer um levantamento mínimo sobre casos de infecção pelo coronavírus na rede municipal de ensino, tanto entre profissionais de educação quanto entre os estudantes cujos pais optaram por enviar os seus filhos às aulas presenciais.

O curioso é que no dia de hoje o mesmo “Terceira Via” noticiou o falecimento de mais um empresário campista em função da COVID-19. Aliás, eu já perdi a conta de quantos proprietários de estabelecimentos comerciais de Campos dos Goytacazes já morreram em função das complicações causadas pela infecção causada pelo SARS-Cov-2.  Sobre isso, não me lembro de ter lido matéria do Terceira Via.

Se estivessem dispostos a contribuir para a educação da população sobre os riscos de menosprezar as regras de isolamento social e do uso de equipamentos de proteção individual, os editores da Terceira Via iriam gastar o tempo dos seus repórteres com informação e não com tentativas mal enjambradas de pautar os dirigentes de instituições de ensino superior para atender os interesses de sabe-se lá quem.

Eu aproveito para devolver a questão proposta pelos redatores do Terceira Via: se as universidades não estão abertas para diminuir a possibilidade de mais casos de COVID-19, por que raios as nossas crianças estão sendo encurraladas em aulas presenciais?

O oceano está se aproximando

Aumento do nível do mar e excesso de sal: habitat perdido no rio Pangani, na Tanzânia

pangani

Não é saudável, mas não há alternativa. O Pangani como fonte de água doce

Por Federico Romano / Parallelozero, para o JugenWelt

Na foz do rio Pangani, na Tanzânia, o aquecimento global é algo muito real: você pode literalmente bebê-lo. O nível do mar no Oceano Índico vem subindo há décadas, retirando água doce do rio e permitindo que a água salgada entre em aquíferos e poços. Agora, esse processo está se acelerando: um litro de água do rio pode conter até 2.000 miligramas de sólidos dissolvidos (TDS), enquanto o nível aceitável para água potável segura não deve ultrapassar 800 miligramas, de acordo com a Organização Mundial de Saúde. Até o sabor é desagradável, mas os locais, principalmente os pescadores, bebem lentamente como um remédio ruim e perigoso. Cada vez com mais frequência, eles acabam em hospitais com problemas de desidratação devido às águas subterrâneas contaminadas.

O governo estabeleceu seus próprios parâmetros para definir a água doce, mas está incentivando os moradores a deixar a área e continuar morando no interior. Na cidade de Pangani e na região ribeirinha, o descontentamento e os conflitos crescem, porque no interior do país o pescador não consegue fazer o seu trabalho e os agricultores e pecuaristas também têm seus problemas com a água. Muitos deles simplesmente não têm dinheiro para se mudar, e os planos para proteger os poços da água salgada com a ajuda de barreiras ainda não estão totalmente desenvolvidos, pois os meios necessários parecem não estar disponíveis.

Pangani parece um paraíso, com palmeiras e uma vida lenta. Mas agora a areia cintila e brilha – há cada vez mais minerais no solo. Um inimigo invisível ronda esta bela parte da costa africana, deixando sinais de sua presença que poucos podem ler, mas todos começam a odiar.

compass

Este texto foi escrito inicialmente em alemão e publicado pelo jornal Jugen Welt [Aqui!].

Jair Bolsonaro veta distribuição gratuita de absorventes íntimos para mulheres pobres no Brasil

Ativistas e parlamentares afirmam que o veto do presidente é ‘absurdo e desumano’ em um país onde a pobreza no período mantém uma em cada quatro meninas fora da escola

6000

Protestos do Dia Internacional da Mulher em São Paulo em março. Ativistas prometem lutar para derrubar o veto do presidente aos produtos de higiene feminina gratuitos anunciado na semana passada. Fotografia: Cris Faga / NurPhoto / REX / Shutterstock

Por Jo Griffin para o “The Guardian”

A decisão do presidente Jair Bolsonaro de bloquear um plano de distribuição gratuita de absorventes higiênicos e absorventes internos para meninas e mulheres carentes foi recebida com indignação no Brasil, onde estima-se que a pobreza mantenha uma em cada quatro meninas fora da escola.

Bolsonaro vetou parte de um projeto de lei que daria produtos sanitários gratuitamente a grupos que incluíam moradores de rua, prisioneiros e meninas adolescentes em escolas públicas. Previa-se que beneficiasse 5,6 milhões de mulheres e fazia parte de um pacote maior de leis de promoção da saúde menstrual, aprovado pelos legisladores.

Tabata Amaral, do Partido Socialista Brasileira e um dos 34 deputados federais multipartidários coautores do projeto, disse que o presidente mostrou seu “desprezo pela dignidade das mulheres vulneráveis” ao vetar o plano na semana passada.

“Bolsonaro diz que este projeto é ‘contra o interesse público’ – eu digo que o que é contra o interesse público é que as meninas perdem cerca de seis semanas de escola por ano porque estão menstruadas”, disse Amaral ao Guardian.

Ela estava entre os políticos e outros grupos indignados com as justificativas dadas para o veto – incluindo que dar produtos higiênicos gratuitos para meninas e mulheres pobres iria “favorecer um determinado grupo”. Muitas expressaram sua raiva usando a hashtag #LivreParaMenstruar (grátis para menstruar).

Jacqueline Moraes, vice-governadora do estado do Espírito Santo, tuitou: “É ‘um privilégio’ para uma mulher pobre ter direito ao absorvente interno? Não! É política social, saúde pública! ”

“O veto é absurdo e desumano”, disse Rozana Barroso, presidente da União Brasileira dos Estudantes do Ensino Médio (UBES). “Muitos alunos são impedidos de estudar porque deixam de frequentar a escola por não terem absorvente.

“Já imaginou usar papel, jornal ou migalhas de pão para conter a menstruação? Essa é uma dura realidade, principalmente entre os jovens. Em meio à pandemia e ao agravamento da desigualdade social, essa situação piorou ainda mais ”.

A face global da menstruação

Pano, esterco de vaca, xícaras: como as mulheres do mundo controlam seus períodos de menstruação

Em maio, um relatório do Fundo das Nações Unidas para a Infância , Unicef, e do Fundo para a População, UNFPA, descobriu que 713.000 meninas no Brasil vivem sem acesso a um banheiro; cerca de 4 milhões de meninas não têm instalações de higiene adequadas na escola, como absorventes higiênicos e sabonete, e pelo menos 200.000 meninas não têm nem mesmo as instalações de higiene mínimas na escola, como banheiros.

Amaral contestou a alegação do governo de que a fonte de 84 milhões de reais por ano para cobrir o plano não era clara, dizendo que havia sido especificado que seria financiado pelo Ministério da Saúde e pelo Fundo Penitenciário Nacional. Ela está liderando a campanha para derrubar o veto.

Ela observou que o Ministério da Saúde tem que pagar por tratamentos e cirurgias caras resultantes de complicações depois que as mulheres usam itens como toalhas e roupas velhas durante a menstruação. Metade das mulheres brasileiras relatou recorrer a tais alternativas, disse ela.

Barroso está mobilizando estudantes para arrecadação de produtos sanitários para distribuição nas escolas. “Este não é o país que queremos e por isso através da UBES, que representa mais de 40 milhões de estudantes, ajudamos a construir esse projeto de lei e vamos lutar contra esse veto”.

compass

Este texto foi inicialmente escrito em inglês e publicado pelo jornal “The Guardian” [Aqui!  ].

Desobramentos geográficos e ambientais do Marco Temporal e do PL 490

wp-1633921073970

A Associação dos Geógrafos Brasileiros – Seção Porto Alegre [AGB-PoA] e o GT ECOlutas da Rede de Pesquisadores em Geografia (Sócio)Ambiental [RPG(S)A] convidam para um diálogo sobre as repercussões e os desdobramentos geográficos e ambientais da tese do Marco Temporal Indígena e de uma possível aprovação do Projeto de Lei 490/2007.

Para isso, contaremos com a participação de Culung Teie, cacica da Retomada Xokleng Konglui, na FLONA de São Francisco de Paula (RS), que esteve em Brasília no Acampamento Luta pela Vida e na Marcha das Mulheres Indígenas; de Eliel Benites, professor da Faculdade Intercultural Indígena da Universidade Federal da Grande Dourados (UFGD) e primeiro indígena doutor em Geografia no Brasil; e de Camila Salles de Faria, doutora em Geografia pela USP, ex-integrante do Centro de Trabalho Indigenista (CTI) e atualmente professora da Universidade Federal do Mato Grosso (UFMT). A mediação ficará a cargo de Dilermando Cattaneo, atual diretor da AGB-PoA, membro do GT ECOlutas e da RPG(S)A e professor do Campus Litoral Norte da Universidade Federal do Rio Grande do Sul (UFRGS Litoral).

Esse debate ocorrerá na *quinta-feira, dia 21/10, às 19:00*, com transmissão pelo Canal do YouTube da AGB-PoA:
*https://youtube.com/c/AGBPortoAlegre*

Divulgue e Participe!

Por falta de cartão de vacinação contra a COVID-19, Jair Bolsonaro é barrado no estádio do Santos. Restou a ele reclamar

bolsonarojogosantos.jpg

Impedido de assistir a partida entre Santos e Grêmio em Vila Belmiro por não portar cartão de vacinação, restou ao presidente Jair Bolsonaro reclamar

Não sei quem foi o responsável por impedir a entrada de Jair Bolsonaro no estádio Urbano Caldeira onde queria assistir o jogo entre o Santos e o Grêmio neste domingo, mas as cenas do presidente negacionista reclamando da exigência da apresentação do cartão de vacinação já se tornaram um dos maiores clássicos do rico anedotário da política brasileira (ver vídeo abaixo).

Além dos motivos alegados nos reclamos de Jair Bolsonaro não terem a menor sustentação científica, o fato é que o cumprimento dos protocolos determinados em acordo pelos clubes brasileiros para permitir a volta dos torcedores aos estádios é um alento, em meio às amplas tentativas de sabotagem promovidas pelos que se negam a fazer o básico para impedir a propagação da COVID-19.

E aqui ficam os meus votos de que Jair Bolsonaro seja barrado toda vez que tentar entrar em estádios de futebol sem portar o seu cartão de vacinação. Afinal de contas, ele deveria ser o primeiro a dar o exemplo no esforço de controlar uma pandemia que já consumiu mais de 600 mil vidas brasileiras.

A floresta amazônica está perdendo 80.000 campos de futebol por dia. Logo será tarde demais

Desde 1988, uma área de floresta tropical aproximadamente do tamanho do Texas e do Novo México combinados foi destruída

amazon deforestation‘A Amazônia – historicamente um grande absorvedor de carbono – agora libera mais carbono do que armazena, o que aumenta, em vez ajuda a reduzir, nossa crise climática global.’ Fotografia: Carl de Souza / AFP / Getty Images

Por Kim Heacox para o “The Guardian”

Pouco antes de completar 44 anos, em dezembro de 1988, o seringueiro e ativista ambiental brasileiro Chico Mendes previu que não viveria até o Natal. “No início”, disse ele, “pensei que estava lutando para salvar as seringueiras, depois pensei que estava lutando para salvar a floresta amazônica . Agora eu percebo que estou lutando pela humanidade. ”

Mendes recebia ameaças de morte há anos. As ameaças aumentaram quando um fazendeiro agressivo reivindicou uma reserva florestal próxima, onde pretendia queimar e nivelar árvores para criar pasto para o gado. O fazendeiro contratou pistoleiros para rondar o bairro de Mendes. Mendes se opôs publicamente ao fazendeiro e continuou a defender os direitos humanos dos povos indígenas da bacia amazônica, dizendo que o Brasil deve salvar a floresta de maior biodiversidade do mundo. Destrua-o, disse ele, e nós, a raça humana, acabaremos nos destruindo.

Três dias antes do Natal de 1988, Mendes foi morto a tiros pelo filho do fazendeiro.

Isso surpreendeu o mundo.

O Conselho Nacional dos Seringueiros, cambaleando com o assassinato, fez um apelo para que a Amazônia fosse preservada “para toda a nação brasileira como parte de sua identidade e auto-estima”. O conselho acrescentou: “Esta Aliança dos Povos da Floresta – reunindo índios, seringueiros e comunidades ribeirinhas – envolve todos os esforços para proteger e preservar este imenso mas frágil sistema de vida que envolve nossas florestas, rios, lagos e nascentes, a fonte de nossa riqueza e a base de nossas culturas e tradições. ”

Desde o assassinato de Mendes, quase 1 milhão de km2 da Amazônia, uma área quase do tamanho do Texas e do Novo México juntos, foram destruídos, principalmente no Brasil, mas também no Peru, Colômbia, Venezuela, Suriname, Guiana e Guiana Francesa. Isso equivale a uma média de cerca de 80.000 hectares por dia, ou 40 campos de futebol por minuto. Só no Brasil, que abriga a maior extensão de floresta, a taxa de perda aumentou em mais de 30%. A Amazônia – historicamente um grande absorvedor de carbono, já que as árvores absorvem dióxido de carbono e liberam oxigênio – agora libera mais carbono do que armazena, o que contribui para, em vez disso, ajuda a reduzir nossa crise climática global.

As taxas de desmatamento diminuíram ligeiramente de 2004 a 2012. Mas, desde então, elas voltaram a aumentar, especialmente nos últimos dois anos, desde que Jair Bolsonaro se tornou presidente do Brasil.

Em 2018, enquanto Bolsonaro fazia campanha como um homem patriótico do povo, os cientistas previram que, uma vez que a Amazônia perdesse mais de 25% de sua cobertura de árvores, se tornaria um ecossistema mais seco, tudo porque o desmatamento muda os padrões climáticos (devido à forma como as árvores respiram) , que por sua vez reduz as chuvas. Além disso, à medida que a floresta se torna fragmentada, as áreas cercadas por pastagens perderão espécies em um processo que os biogeógrafos chamam de “decadência do ecossistema”.

Em suma, a Amazônia está morrendo. Bibliotecas genéticas inteiras e sinfonias de espécies – árvores, pássaros, répteis, insetos e muito mais, eras em formação, ajustadas pela seleção natural – estão sendo eliminadas para dar lugar a vacas que expelem metano.

“Bolsonaro é um apoiador poderoso do agronegócio”, relatou o Washington Post antes de ele ganhar a presidência, “e provavelmente favorece os lucros em vez da preservação. [Ele] se irritou com a pressão estrangeira para proteger a floresta tropical amazônica e notificou grupos internacionais sem fins lucrativos, como o World Wildlife Fund, de que não tolerará suas agendas no Brasil. Ele também se manifestou fortemente contra as terras reservadas para tribos indígenas ”.

Escrevendo no Mongabay, um site de ciência, Thais Borges e Sue Branford relataram em maio de 2019 que um “novo manifesto de oito dos ex-ministros do meio ambiente do Brasil … advertem [s] que as políticas ambientais draconianas de Bolsonaro, incluindo o enfraquecimento do licenciamento ambiental, além de varreduras ilegais anistias de desmatamento, podem causar grandes prejuízos econômicos ao Brasil ”.

Robert Walker, geógrafo quantitativo do Centro de Estudos Latino-Americanos da Universidade da Flórida, disse que, a menos que algo sem precedentes aconteça, ele prevê que a maior floresta tropical da Terra será destruída em 2064.

Se assim for, terá levado oportunistas locais – armados com motosserras, tratores e gritos de “terra, terra, terra” – pouco mais de um século para destruir uma floresta tropical de 10 milhões de anos e composta por cerca de 390 bilhões de árvores. Talvez então, em um futuro quente, brutal e não muito distante, quando os historiadores narrarem a destruição de seu próprio planeta pela humanidade, a matança da Amazônia chegará ao topo ou próximo disso. E todas as razões pelas quais isso teve que ser feito – tão urgentes na época – parecerão banais até que, retiradas, duas causas fundamentais permanecem: ignorância e ganância.

Entra o Papa Francisco, que não tem medo de abrir precedentes. Junto com o Arcebispo de Canterbury Justin Welby e o Patriarca Ecumênico Ortodoxo Patrick Bartholomew, os três principais líderes cristãos do mundo publicaram recentemente “Uma Mensagem Conjunta para a Proteção da Criação”, pedindo aos cristãos de todo o mundo que “ouçam o clamor da Terra”. Isso inclui todos, ricos e pobres, velhos e jovens, que devem examinar seu comportamento e prometer “sacrifícios significativos pelo bem da Terra que Deus nos deu”. Os três também imploraram aos líderes mundiais programados para participar da Conferência do Clima das Nações Unidas (Cop 26) em Glasgow, que começa em 31 de outubro, para fazer escolhas corajosas – e necessárias.

Se sua saúde permitir, Francis participará da conferência de Glasgow. Welby também planeja comparecer. Esperançosamente, logo depois disso, Francisco, que é o primeiro papa das Américas na história, iria visitar o Brasil, o país católico romano mais populoso do mundo. Ele entraria na Amazônia, abençoaria a floresta – o que resta dela – e pediria ao mundo que ajudasse a virar a maré nas políticas imprudentes do Brasil. Talvez ele pudesse fazer uma homilia sobre Apocalipse 7: 3: “Não faça mal à terra, ao mar ou às árvores …” Uma homilia que inspire os sul-americanos a melhorar seu meio de vida ao mesmo tempo em que protege sua floresta ancestral – os pulmões da terra. Finalmente, Francisco poderia apelar para sua igreja e as nações mais ricas do mundo para gastar parte de sua vasta riqueza para ajudar a reeducar, reequipar e reempregar os fazendeiros, pecuaristas, posseiros e empresários da Amazônia.

Logo depois de ser eleito papa em 2013, Jorge Mario Bergoglio, de Buenos Aires, assumiu seu título papal em homenagem a São Francisco de Assis da Itália, o padroeiro dos animais e pássaros, que, como Chico Mendes, morreu aos 44 anos e falou a verdade ao poder . Henry David Thoreau, o transcendentalista da Nova Inglaterra que escreveu Walden and Civil Disobedience, também morreu aos 44 anos e fez o mesmo.

Não é quanto tempo temos ou dinheiro. É o que fazemos com isso. “Deixe sua vida ser um contra-atrito para parar a máquina”, escreveu Thoreau. Ele acrescentou que sempre que caminhava na floresta, ficava “mais alto do que as árvores”.

O Brasil leva o nome de uma árvore, o Pau-Brasil, assim dada por exploradores portugueses que o valorizavam por seus corantes vermelhos. Conhecido hoje como Pernambuco ou pau-brasil, é listado como uma espécie em extinção e é cuidadosamente plantado e manejado, e colhido seletivamente por homens habilidosos que, com facões pendurados em seus cintos de corda, se movem pela floresta como água e muitas vezes abençoam cada árvore antes cortando a madeira que será entalhada em arcos requintados para violinos, violas e violoncelos.

Diz-se que o povo brasileiro, por mais difícil que seja sua situação, sorri em vez de chorar porque ama a vida. Também se disse que o futuro do Brasil é o futuro do mundo.

Chico Mendes estava certo.

Salve a Amazônia, e talvez possamos nos salvar.

Colaborador frequente do Guardian, Kim Heacox é autora de muitos livros, incluindo The Only Kayak, um livro de memórias, e Jimmy Bluefeather, um livro de memórias, ambos vencedores do National Outdoor Book Award. Ele mora no Alasca

compass

Este artigo foi escrito inicialmente em inglês e publicado pelo jornal “The Guardian”  [Aqui!].

Classe, classismo e crítica de classe

A diversidade crítica é importante; o que deve decorrer disso é uma crítica à situação que gera as discriminações

240001Foto: dpa

Por Livia Sarai Lergenmüller para o Neues Deutschland

Está na boca de todos há vários anos: política de identidade. No decorrer da minha politização, eu mesmo me tornei a “cultura acordada” e por muito tempo defendi seus argumentos com convicção. Enquanto isso, porém, meu relacionamento é ambivalente.

Por muito tempo falamos sobre pessoas afetadas sem pessoas afetadas. Ao fazer isso, tomamos decisões sobre a realidade da vida das pessoas sem levá-las em consideração. Às vezes ainda fazemos isso. O exemplo mais recente é a recente proibição do aborto no Texas. É, portanto, um desenvolvimento indispensável para tornar visíveis as perspectivas daqueles que são afetados pelos discursos sociais e incluí-los mais de perto.

É tão importante dar espaço às emoções das pessoas que foram discriminadas. O racismo ou a trans-hostilidade não são apenas mecanismos estruturais, mas frequentemente também traumas coletivos. Os sentimentos individuais, portanto, devem ser levados a sério politicamente.

Nos últimos anos, entretanto, essa abordagem assumiu uma dinâmica própria, na qual o problema, e não a solução, costuma estar no centro do debate. As condições que causam esses problemas são discutidas cada vez menos. Isso é suportado principalmente por jovens que exercem sua condição de esquerda principalmente por meio de sua luta contra a discriminação, e que dividem as lutas políticas em grupos individuais. Um grupo no qual eu também fui politizado e cujas posições considero amplamente progressistas.

Mas cada vez mais perco uma visão. Isso ocorre porque o anti-capitalismo e a crítica de classe ainda parecem ser consensos, mas cada vez mais permanecem uma nota lateral superficial. Frequentemente, a pessoa até quer se distanciar das questões da velha esquerda. A questão do sistema e um maior enfoque na dinâmica da discriminação não devem, no entanto, ser lidos como posições opostas. A esquerda tradicional versus a esquerda moderna não são ou / ou, mas devem andar de mãos dadas e aprender umas com as outras.

Pouco antes da eleição, um usuário de esquerda da rede social Instagram anunciou que desta vez não poderia votar na esquerda devido a declarações racistas e fraca representação das minorias. Portanto, ele decidiu com o coração pesado pelos verdes. Também estremeço quando Sahra Wagenknecht considera a preocupação com muitas crianças migrantes nas aulas da escola alemã como uma posição legítima de esquerda, quer regular a imigração e, em retórica populista, declarar as preocupações da comunidade Roma como irrelevantes. No entanto, dar o seu voto a um partido que dirige sua política principalmente para os de renda mais alta e que só achou necessário se distanciar do racista Boris Palmer no início da campanha eleitoral me deixa perplexo.

Outro exemplo dessa dinâmica é a noção de tendência do classicismo. A frase, que é usada em paralelo com outros ismos como sexismo ou racismo, denota discriminação com base na origem socioeconômica; o debate sobre isso e, sem dúvida, produziu muito bem. Às vezes, as coisas só precisam ser nomeadas para serem reconhecidas pela sociedade como um todo. Porém, torna-se difícil quando a luta contra o classismo se torna o objetivo político primário.

Porque o conceito de classismo reformula a questão de classe como uma questão de discriminação e transfigura a origem socioeconômica em uma característica da diversidade. Questionar preconceitos contra as pessoas mais pobres e descobrir as estruturas problemáticas que dificultam o avanço social é, sem dúvida, um processo importante. No entanto, minha preocupação de longo prazo como esquerda não é tratar melhor os pobres, mas superar a pobreza. Portanto, o classicismo só pode ser uma linha secundária. O que se segue é uma crítica à situação.

Em tempos em que o ativismo político está ocorrendo cada vez mais nas redes sociais, a necessidade de sempre se posicionar claramente parece estar crescendo. Mesmo dentro dos campos de esquerda. No entanto, isso encurta as linhas de argumentação. Diversidade crítica e ações sensíveis à discriminação são importantes – mas sem uma mudança fundamental no sistema, elas permanecerão uma gota no oceano.

compass

Este texto foi escrito inicialmente em alemão e publicado pelo Neues Deutschland [Aqui! ].

Sob liderança da China, países iniciam discussão sobre marco global para proteção da biodiversidade

cop11_46090

Na próxima semana, a primeira parte da Convenção sobre Diversidade Biológica COP15 abre, virtualmente, o processo de negociação em direção a uma Estrutura Global de Biodiversidade Pós-2020. O último conjunto de metas globais de biodiversidade não foi atingido, enquanto a perda de biodiversidade está acelerando em todo mundo.

A COVID-19 forçou o adiamento das principais negociações para 2022, para permitir uma cúpula presencial, mas esta Parte 1 é uma oportunidade para injetar algum impulso político às tratativas. Ela será conduzida desde Kunming, na China, de 11-15 de outubro.

Esta é a primeira vez que a China sediará uma cúpula ambiental, e todos os observadores querem saber se o país está à altura do desafio de usar seu peso diplomático para obter um resultado bem-sucedido. Ministros do Reino Unido, França, Egito, Costa Rica e China falarão no evento – e possivelmente haverá um anúncio do próprio Xi Jinping.

Reverter a perda de biodiversidade até 2030 e criar uma estrutura de governança sobre o tema exigirá metas ambiciosas de proteção da natureza e mecanismos de implementação. Isso inclui formas de financiamento para que os países de baixa renda tenham capacidade de cumprir suas metas.

“A mudança climática e a perda de biodiversidade andam de mãos dadas: não podemos resolver uma sem a outra, e ainda assim a perda de biodiversidade está apenas acelerando”, afirma Laurence Tubiana , CEO da Fundação Europeia do Clima e considerada arquiteta do Acordo de Paris. “Um resultado de sucesso na COP15 da CDB depende da liderança diplomática da China. Sem deter e reverter a perda da biodiversidade, todos os nossos esforços para conter a maré da mudança climática estão em perigo”.

“Alguns países-chave para essa questão – China, Índia, Indonésia e Brasil – não fazem parte das coalizões de alta ambição”, critica Georgina Chandler, Diretora Sênior de Políticas Internacionais do RSPB . “Sabemos que há várias questões políticas fundamentais que precisam ser abordadas antes da segunda parte – especificamente a troca entre mobilização de recursos, ambição nas metas e acesso e compartilhamento de benefícios. Temos muito trabalho a fazer para lançar as bases para um resultado bem sucedido, e isto será um desafio para o país anfitrião e para quaisquer campeões no processo”, avalia.

“A coisa básica que os Povos Indígenas estão dizendo é que a maior parte da biodiversidade que é conservada hoje no mundo está nos territórios dos Povos Indígenas”, afirma Victoria Tauli Corpuz, ex-Relatora Especial dos Povos Indígenas para a ONU. “Para alcançar a Estrutura Global de Biodiversidade Pós 2020, é crucial que os direitos dos povos indígenas sejam respeitados e protegidos, de modo que suas contribuições para alcançar essas metas sejam ainda mais valorizadas.”

Para Li Shuo, Oficial Sênior de Política Climática do Greenpeace China, a Declaração de Kunming é a única coisa concreta esperada do evento. “A qualidade deste documento será um teste para a diplomacia ambiental chinesa – assim como para o desejo político geral do resto do mundo – de construir um plano de proteção da biodiversidade pós-2020 bem sucedido e forte.”