Por detrás da imagem oficial, as Olimpíadas são um megaevento que esmaga os pobres

rio legado

Os prometidos “legados olímpicos” são difíceis de encontrar. Rio. Imagem: Dany13 / Flickr.

As cenas de exaltação dos poucos atletas brasileiros que vencem o descaso oficial estão sendo repetidas à exaustão pela empresa que retransmite a atual edição dos Jogos Olímpicos que ocorre na cidade de Tókio servem para obscurecer algo que deveria ser muito óbvio.  O fato obscurecido é que este megaevento é mais um produto comercial que nos é empurrado para que tantos outros produtos sejam colocados no mercado. Para entender isso, bastaria ver a lista dos patrocinadores oficiais que inclui algumas das principais corporações mundiais, o que implica o investimento de US$ 3,1 bilhões que a edição de Tóquio recebeu.

Mas como na edição anterior realizado no Rio de Janeiro cujo “legado olímpico” é destrinchado no livro “O jogo continua: megaeventos esportivos e cidades” que teve como um dos seus organizadores o precocemente falecido geógrafo Gilmar Mascarenhas,   os jogos em curso em Tóquio também cenas subliminares que explicitam o seu caráter excludente, a começar pelo “desaparecimento” dos moradores de rua das vistas de jornalistas estrangeiros e atletas (ver vídeo abaixo).

A verdade é que, apesar da tendência de nos entusiasmar com as poucas medalhas do Brasil em nome de um país que podia dar certo e não daquele que efetivamente temos, não podemos esquecer com o que estamos defrontados. E esse megaevento denominados de “Jogos Olímpicos” não passa de uma máquina de fazer dinheiro que não possui qualquer compromisso com a melhoria da qualidade de vida, nem do avanço da igualdade em qualquer esfera que seja, inclusive a esportiva.

Assim, ainda que não tenhamos como deixar de vibrar por todos os atletas brasileiras que venceram ou ainda vencerão em Tóquio, apesar do descaso total que cerca o esporte olímpico brasileiro, o fato é que não se pode esquecer a verdadeira natureza desse megaevento, sob pena de nos tornarmos cúmplices dos seus reais objetivos e significados. 

Finalmente, voltando ao meu colega de mestrado Gilmar Mascarenhas que foi brutalmente morto por um ônibus enquanto pedalava pelas ruas do Rio de Janeiro, é lamentável que o tenhamos perdido tão cedo, pois isto acabou nos privando de um pesquisador que, como poucos, se colocou a estudar meticulosamente os impactos dos megaeventos esportivos sobre as populações pobres das cidades que os acolhem.

Em um único dia, Groenlândia perdeu gelo suficiente para cobrir a Flórida em cinco centímetros de água

Dados mostram que a camada de gelo perdeu 8,5 bilhões de toneladas de massa superficial na terça-feira.  Temperatura recorde de todos os tempos de 19,8C na região na quarta-feira

groenlandiaA estação de degelo da Groenlândia geralmente dura de junho a agosto. Os dados do governo dinamarquês mostram que o país perdeu mais de 100 bilhões de toneladas de gelo desde o início de junho deste ano. Fotografia: Reuters

Por Oliver Milman para o “The Guardian”

O vasto manto de gelo da Groenlândia está sofrendo um aumento no derretimento, com a quantidade de gelo desaparecendo em um único dia nesta semana o suficiente para cobrir toda a Flórida em cinco centímetros de água, descobriram os pesquisadores.

O dilúvio de derretimento atingiu profundamente o enorme interior gelado da Groenlândia, com dados do governo dinamarquês mostrando que a camada de gelo perdeu 8,5 bilhões de toneladas de massa superficial só na terça-feira. Outros 8,4 bilhões de toneladas foram perdidos na quinta-feira, informou o site de monitoramento do Portal Polar .

A escala do gelo que desaparece é tão grande que as perdas na terça-feira criaram água derretida suficiente para afogar todo o estado da Flórida, nos Estados Unidos, em 5 cm de água. O gelo que derrete na Groenlândia flui como água para o oceano, onde se soma ao aumento contínuo do nível do mar global causado pela mudança climática induzida pelo homem.

“É um nível muito alto de derretimento e provavelmente mudará a face da Groenlândia, porque será um motor muito forte para uma aceleração do derretimento futuro e, portanto, do aumento do nível do mar”, disse Marco Tedesco, especialista em geleiras em Columbia Universidade e cientista adjunto da Nasa.

Tedesco disse que um patch de alta pressão está sugando e segurando o ar mais quente do sul “como um aspirador de pó” e segurando-o sobre o leste da Groenlândia, causando uma temperatura recorde de todos os tempos de 19,8C na região na quarta-feira. À medida que a neve sazonal derrete, o gelo do núcleo mais escuro é exposto, que então derrete e aumenta o aumento do nível do mar.

“Tivemos esse tipo de eventos atmosféricos no passado, mas agora eles estão se tornando mais longos e frequentes”, disse Tedesco.

“A neve é ​​como um cobertor protetor, então, uma vez que ela vá embora, você fica preso em um derretimento cada vez mais rápido, então quem sabe o que acontecerá com o derretimento agora. É incrível ver como essas áreas enormes e gigantes de gelo são vulneráveis. Estou surpreso com o quão poderosas são as forças que agem sobre eles.”

A estação de degelo da Groenlândia geralmente dura de junho a agosto. Os dados do governo dinamarquês mostram que a ilha perdeu mais de 100 bilhões de toneladas de gelo desde o início de junho deste ano e, embora a gravidade do derretimento seja menor do que em 2019 – quando 11 bilhões de toneladas de gelo foram perdidas em um único dia – a área afetada é muito maior em 2021.

“É difícil dizer se será um ano recorde de derretimento este ano, mas há uma tonelada de ar quente e úmido sobre a camada de gelo que está causando uma quantidade incrível de derretimento”, disse Brad Lipovsky, um glaciologista da Universidade de Washington .

“O que me preocupa é a resposta política, ou a falta dela. A elevação do nível do mar é como um trem em movimento lento, mas uma vez que começa a rolar, você não pode pará-lo. Não é uma boa notícia. ”

Se todo o gelo na Groenlândia derretesse, o nível do mar global aumentaria cerca de 6 metros,e embora seja improvável que isso aconteça em qualquer tipo de escala de tempo previsível, os cientistas alertaram que a maior ilha do mundo está atingindo um ponto de inflexão devido às pressões exercidas sobre ele pelo aquecimento global.

O gelo da Groenlândia está derretendo mais rápido do que em qualquer momento nos últimos 12.000 anos, calcularam os cientistas ,com a perda de gelocorrendo a uma taxa de cerca de um milhão de toneladas por minuto em 2019. A Groenlândia e a outra região polar da Terra, a Antártica,juntas perderam 6,3 trilhões toneladas de gelo desde 1994.

Essa taxa de perda de gelo, que está se acelerando conforme as temperaturas continuam aumentando, está mudando as correntes oceânicas, alterando os ecossistemas marinhos e representando uma ameaça direta às cidades costeiras baixas do mundo, que correm o risco de serem inundadas por inundações. Um artigo de pesquisa de 2019 descobriu que a camada de gelo da Groenlândia poderia adicionar algo entre 5 cm e 33 cm aos níveis globais do mar até o final do século. O mundo está no caminho certo “do meio para o alto disso”, disse Lipovsky.

“É muito preocupante”, disse Tedesco. “A ação é clara – precisamos obter emissões líquidas zero, mas também precisamos proteger as populações expostas ao longo da costa. Isso vai ser um grande problema para nossas cidades costeiras. ”

fecho

Este artigo foi escrito originalmente em inglês e publicado pelo jornal “The Guardian” [Aqui!].

 

Argentina está lutando com a seca

O rio mais importante do país sul-americano tem o menor nível de água em 50 anos

rio paranáBarcos encalhados no rio Paraná perto da cidade de San Lorenzo. Foto: Reuters / agosto Marcarian

Por Jürgen Vogt, Buenos Aires para o Neues Deutschland

Embora as fortes chuvas causem inundações em muitos lugares da Europa, o quadro é diferente na América do Sul: o Rio Paraná atingiu seu nível mais baixo em meio século. A falta de precipitação nas cabeceiras do rio brasileiro é citada como a causa. Em maio, o serviço meteorológico brasileiro relatou a menor precipitação em mais de 90 anos para os estados do sul de Minas Gerais, Goiás, Mato Grosso do Sul, São Paulo e Paraná. Muitos especialistas se perguntam como o fenômeno está relacionado às mudanças climáticas, que, por outro lado, há muito vêm causando fortes chuvas na América do Sul.

O tempo seco não é o único responsável pela vazante do Paraná, que flui do Brasil via Paraguai e Argentina 4.880 km ao sul até sua confluência com o Río de la Plata. Durante anos, as áreas florestais da Amazônia e do Pantanal no sul do Brasil foram desmatadas e convertidas em áreas aproveitáveis ​​para o cultivo de produtos agrícolas e para a pecuária. No Paraguai e na Argentina, os limites do uso para a agricultura estão sendo empurrados cada vez mais para o norte.

No Paraguai, seis milhões de ha de floresta foram desmatados nos últimos 20 anos. Quase no mesmo período, as escavadeiras na Argentina arrasaram cerca de 14 milhões de ha de floresta. Assim como no Brasil, a área desmatada é destinada principalmente à pecuária e ao cultivo de soja nos dois países. Embora o consumo de água do rio esteja aumentando, a perda de áreas de floresta armazenadora de água, que sempre foi capaz de mitigar os efeitos extremos de chuvas fortes ou leves, é muito mais grave. O desaparecimento das florestas está mudando o microclima. As massas de ar úmido são atraídas cada vez mais fracas.

O nível médio da água do rio vem caindo desde meados de 2019. Isso já era perceptível no ano passado nas grandes áreas úmidas ao longo dos últimos 300 quilômetros do rio na Argentina. No delta do Paranás, 80 por cento da área está em níveis normais de água. Apenas 20 por cento é terreno sólido. Agora o relacionamento foi revertido. No ano passado, incontáveis ​​incêndios destruíram mais de 500 km2 de pântanos. Um desastre ambiental que ameaça se repetir no máximo até o final de julho, quando os fazendeiros tradicionalmente queimam seus campos, embora isso tenha sido proibido há muito tempo.

fecho

Este texto foi originalmente escrito em alemão e publicado pelo Neues Deutschland [Aqui! ].

De sumidouro a fonte: por causa de desmatamento, Amazônia emite mais do que absorve CO2

carbono-Amazonas-996x567Um estudo descobriu que as partes sudeste e leste da Amazônia funcionam mais como emissores do que como sumidouros de carbono. Crédito da imagem: Márcio Isensee e Sá / Flickr , sob licença Creative Commons 2.0

Por Washington Castilhos para a SciDev

A Amazônia liberou, em nove anos, mais CO 2 do que absorveu, concluiu estudo que alerta que essa floresta passa a funcionar mais como emissora de dióxido de carbono do que como sumidouro.

“Se a Amazônia fosse mais bem preservada, teria um papel fundamental na mitigação das mudanças climáticas”, disse ao SciDev.Net. os autores do artigo.

De acordo com o estudo, foram liberados um bilhão de toneladas de CO 2 anualmente entre 2010 e 2018. “Se não houvesse queimadas e desmatamento, nesse período a Amazônia eliminaria 450 milhões de toneladas de dióxido de carbono da atmosfera”, acrescentou Aragão.

Além disso, eles descobriram que as partes sudeste e leste da floresta – a região do arco do desmatamento, já bastante alterada – funcionam mais como emissores do que como sumidouros de carbono. Essa região é responsável por 72% das emissões totais da Amazônia, sendo 62% provenientes de incêndios.

“Se a Amazônia fosse mais bem preservada, teria papel fundamental na mitigação das mudanças climáticas”.

Luiz Aragão, Chefe da Divisão de Observação da Terra e Geoinformática do Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais (INPE), Brasil

“A própria floresta tem capacidade de absorver carbono, minimizando o potencial de emissão. Mas depende se funciona bem ”, explicou Aragão.

Nas florestas tropicais, o carbono é normalmente absorvido e transformado em biomassa florestal por meio da fotossíntese. No entanto, os cientistas observaram que o equilíbrio entre emissões e absorção foi alterado pela ação humana, tornando a floresta menos capaz de agir como absorvente.

“O desmatamento na Amazônia contribui para menor absorção de CO 2 e maiores emissões pela floresta, favorecendo o aquecimento global”, acrescentou a climatologista Renata Libonati, do Instituto de Geociências da Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ), que não participou no estudo.

Além disso, o desmatamento está intimamente relacionado aos incêndios , a principal causa das emissões de CO 2 . Apenas 18% das emissões das queimadas são absorvidas pela floresta. “O desmatamento e os incêndios tornam essa vegetação mais vulnerável a secas extremas e causa mais mortalidade de árvores. Sem capacidade de absorção, isso vai gerar mais emissões de carbono ”, enfatizou Aragão.

As medições feitas para a pesquisa incluíram a Amazônia sul-americana como um todo – cerca de 7,25 milhões de km2 – o equivalente à maior área da Europa Ocidental. Mas a reportagem revelou que a parte oriental (o lado brasileiro, com seus dois milhões de km2 e 30% de área desmatada) é a região com maior emissão e menor absorção.

As consequências, porém, afetam o clima global, pois mais emissões aumentam a temperatura do planeta e isso favorece a ocorrência de eventos extremos, expansão de doenças, períodos mais chuvosos e outros de estiagem, que podem afetar a produção agrícola, a matriz energética. e consumo de água.

“Ao mesmo tempo em que absorve carbono, a floresta recicla a água por meio da evapotranspiração das plantas. Portanto, também permite que a umidade alcance outras regiões. Mas com a degradação da floresta, essa função fica comprometida, induzindo uma redução maior das chuvas ”, explicou Aragão.

Libonati acrescentou que, apesar de estudos anteriores já apontarem para a mudança da Amazônia de sumidouro para emissor, há incertezas. “A grande contribuição deste estudo é que os cientistas coletaram informações em campo, cobrindo a região de forma mais completa e fazendo medições mais próximas da realidade. Assim, dão mais força a uma discussão já iniciada ”, analisou.

Para Marcos Pedlowski, geógrafo da Universidade Estadual do Norte Fluminense (Rio de Janeiro), que também não participou do artigo, “o estudo traz evidências científicas relevantes sobre as emissões, mas o carbono também vem da degradação . Quando somarmos os dois, veremos que a situação é muito pior ”, completou Pedlowski.

De acordo com a reportagem, dos países amazônicos, o Brasil é o que menos se preocupa com a floresta, já que a parte com as maiores emissões de CO 2 fica do lado brasileiro. “O Brasil está tecnicamente preparado e sempre foi reconhecido na gestão ambiental. Precisamos resgatar essa posição para que o país tenha voz ativa no caminho do desenvolvimento sustentável ”, finalizou.

Link para o estudo na Nature

fecho

Este texto foi escrito originalmente em espanhol e publicado pela SciDev [Aqui!].

Estudo mostra que pesquisas usadas por corporações para aprovar agrotóxicos eram de baixa qualidade científica

As revelações vêm enquanto a Europa luta pela questão da renovação do Roundup,  herbicida produzido pela Bayer

campo pulverizado

Um agricultor francês pulveriza o herbicida de glifosato ‘Roundup 720’ feito pela gigante agroquímica Monsanto, em Piace, noroeste da França, em um milharal perto de um parque eólico em 23 de abril de 2021. Fotografia: Jean-François Monier / AFP / Getty Images

Por Carey Gillam para o “The Guardian”

Uma nova análise de mais de 50 estudos científicos anteriormente secretos e apoiados por corporações está levantando questões preocupantes sobre uma história de dependência regulatória dessa pesquisa na avaliação da segurança de um químico amplamente usado para matar ervas daninhas conhecido como glifosato, o ingrediente chave do popular herbicida Roundup .

Em um relatório de 187 páginas divulgado na sexta-feira, pesquisadores do Instituto de Pesquisa do Câncer da Universidade Médica de Viena, na Áustria, disseram que uma revisão completa de 53 estudos de segurança submetidos a reguladores por grandes empresas químicas mostrou que a maioria não cumpre os padrões internacionais modernos para o rigor científico e carecem dos tipos de testes mais capazes de detectar os riscos de câncer.

“A qualidade desses estudos, não de todos, mas de muitos desses estudos é muito ruim. As autoridades de saúde aceitaram alguns desses estudos muito pobres como informativos e aceitáveis, o que não é justificado do ponto de vista científico ”, disse Siegfried Knasmueller, o principal autor da análise ao Guardian.

O glifosato é o herbicida mais amplamente usado no mundo e é particularmente popular entre os agricultores que cultivam alimentos comuns. Mas há um debate acalorado em muitos países sobre se os herbicidas de glifosato devem ou não continuar a ser usados ​​devido a preocupações de que possam causar câncer.

Os estudos corporativos em questão se concentram nas propriedades genotóxicas do glifosato – quer ele cause ou não danos ao DNA – e apóiam as garantias corporativas de que o produto químico é seguro quando usado conforme as instruções e não causa câncer. Eles foram encomendados e / ou conduzidos pela antigaMonsanto Co, que agora faz parte da Bayer AG, bem como Syngenta, Dow e outros envolvidos na fabricação e / ou venda de glifosato.

Embora alguns dos estudos datem de décadas atrás, eles fizeram parte de apresentações recentes aos reguladores na Europa e nos Estados Unidos, onde os reguladores concordaram com as empresas em concluir que não há risco de câncer com o glifosato. Autoridades europeias reafirmaram essa visão em um relatório de 11 mil páginas divulgado no mês passado.

A nova análise desafia essas garantias de segurança, descobrindo que grande parte da metodologia usada nos estudos da indústria está desatualizada e não está de acordo com os padrões internacionais de qualidade. Dos 53 estudos submetidos aos reguladores pelas empresas, apenas dois foram aceitáveis, de acordo com os atuais padrões científicos internacionalmente reconhecidos, disse Knasmueller.

Particularmente problemático, disse ele, foi o foco no teste de danos cromossômicos nos estágios iniciais dos glóbulos vermelhos da medula óssea em camundongos e ratos de laboratório. Esses testes detectam rotineiramente apenas 50-60% dos carcinógenos, de acordo com Knasmueller. “Muitos agentes cancerígenos não são detectados com este método”, disse ele.

Um tipo de teste conhecido como “ensaio do cometa” tem um valor muito maior para identificar carcinógenos porque pode quantificar e detectar danos ao DNA em células individuais em uma variedade de órgãos e é comumente usado para avaliar a genotoxicidade, de acordo com Knasmueller. Mas nenhum teste de ensaio do cometa foi incluído, de acordo com a análise.

“Não consigo entender por que as autoridades de saúde não pediram esses dados”, disse Knasmueller, que é especialista em toxicologia genética e, junto com seu trabalho no instituto de câncer, é editor-chefe de duas importantes revistas científicas, incluindo a Mutation Research – Toxicologia Genética e Mutagênese Ambiental.

Knasmueller foi convidado a revisar os estudos do grupo de defesa sem fins lucrativos SumOfUs, embora tenha dito que não foi pago pelo trabalho. No entanto, um co-autor da análise e também cientista do instituto de câncer, Armen Nersesyan, recebeu cerca de € 3.500 (US $ 4.146).

Se as observações de Knasmueller forem precisas, a nova descoberta de falhas nos estudos da indústria significa que as garantias regulatórias sobre a segurança do glifosato na Europa e nos Estados Unidos foram baseadas, pelo menos em parte, em ciência de má qualidade.

round up

A análise chega em um momento crítico, enquanto a Bayer está pedindo aos reguladores europeus que reautorizem o glifosato antes da expiração da aprovação no próximo ano. Fotografia: Josh Edelson / AFP / Getty Images

Linda Birnbaum, ex-diretora do Instituto Nacional de Ciências de Saúde Ambiental dos Estados Unidos, disse que há um problema contínuo que não é exclusivo do glifosato, com reguladores que realizam estudos da indústria “com a palavra da indústria”, enquanto ignoram bandeiras vermelhas levantadas em não pesquisar.

A Autoridade Europeia para a Segurança dos Alimentos (EFSA) disse que não poderia comentar a análise, mas disse que todas as partes interessadas terão a oportunidade de apresentar comentários sobre o projeto de avaliação do glifosato. A agência não respondeu a uma pergunta sobre seu nível de confiança na validade dos estudos do setor.

A Agência de Proteção Ambiental dos Estados Unidos (EPA) confirmou que nenhum teste de ensaio do cometa é necessário, mas disse que a agência “se esforça para usar estudos de alta qualidade” e “um amplo conjunto de dados” ao avaliar pesticidas. Além disso, a EPA “avalia de forma independente os estudos necessários para aceitação científica” que atendem às diretrizes internacionais e da agência, disse um porta-voz da EPA.

A análise chega em um momento crítico, pois a Bayer e um contingente de empresas que se autodenominam Grupo de Renovação de Glifosato (GRG) estão novamente pedindo aos reguladores europeus que reautorizem o glifosato antes da expiração da aprovação no próximo ano, e enquanto a indústria luta para preservar o uso do glifosato globalmente .

Proibições ou reduções no uso foram exigidas em vários países, incluindo o México, onde a proibição do glifosato entrará em vigor em 2024, e na França, onde o governo anunciou no ano passado incentivos financeiros para agricultores que parassem de usar o produto químico. Nos Estados Unidos, a cidade de Nova York proibiu recentemente o uso de glifosato em propriedades da cidade e outras cidades implementaram reduções ou proibições.

O GRG não respondeu a um pedido de comentário. Mas Bayer, um dos principais membros do GRG, disse que o pacote de estudos submetidos aos reguladores é “um dos mais extensos dossiês científicos já compilados para um ingrediente ativo de um pesticida”.

A Bayer disse que, para a revisão do registro atual, era “necessário” enviar os estudos de genotoxicidade mais antigos junto com os novos estudos de genotoxicidade corporativos. Além disso, as empresas submeteram aos reguladores “uma vasta revisão de milhares de publicações científicas publicadas sobre o glifosato”, disse um porta-voz da Bayer.

As preocupações com o glifosato aumentaram desde 2015, quando a Agência Internacional de Pesquisa sobre o Câncer (IARC), parte da Organização Mundial da Saúde, classificou o glifosato como um provável carcinógeno humano com base em estudos científicos conduzidos por pesquisadores independentes. Ao contrário dos reguladores, a IARC baseou-se principalmente em um grande corpo de pesquisas publicadas e revisadas por pares, e não em estudos do setor em sua classificação.

A classificação da IARC levou um grupo de legisladores europeus em 2017 a exigir acesso a estudos do setor que haviam sido dados aos reguladores, mas não foram examinados pelo público. Os da Monsanto são carimbados como “sigilo da empresa”.

Uma decisão judicial de 2019 forçou a EFSA a fornecer acesso público, no entanto, abrindo caminho para escrutínio, como a análise de Knasmueller.

Não está claro se alguns ou todos os 53 estudos examinados na análise fazem parte do pacote que o GRG apresentou recentemente às autoridades europeias.

O glifosato só foi renovado por cinco anos na Europa em dezembro de 2017, depois que o Parlamento Europeu votou contra a renovação.

Várias interações questionáveis ​​entre a Monsanto e os reguladores vieram à tona nos últimos anos, incluindo o fato de que a EFSA rejeitou um estudo ligando o herbicida da empresa ao câncer após consulta com um funcionário da EPA dos EUA ligado à Monsanto. Documentos também demonstraram que um relatório da UE declarando que o glifosato é seguro foi em parte copiado e colado de um estudo da Monsanto.

E quando a EPA consultou um painel consultivo científico reunido em Washington DC em dezembro de 2016, os membros do painel reclamaram que os funcionários da EPA não estavam seguindo as diretrizes científicas adequadas para avaliar a pesquisa sobre os impactos do glifosato na saúde.

“Isso coloca mais uma vez um dedo na ferida: os reguladores nacionais não parecem prestar atenção ao olhar para a qualidade dos estudos da indústria”, disse Nina Holland, pesquisadora do grupo de vigilância Corporate Europe Observatory. “Isso é chocante, pois é seu trabalho proteger a saúde das pessoas e o meio ambiente, não servir aos interesses da indústria de agrotóxicos”.

fecho

Este texto foi escrito inicialmente e publicado pelo “The Guardian” [Aqui!].

Pesca no Rio Paraopeba e Lago de Três Marias será tema de seminário

Divulgação seminário

A pesca no Rio Paraopeba e Lago de Três Marias, comprometida pelo rompimento da barragem Mina Córrego do Feijão, em Brumadinho – MG, será tema de Seminário On-line neste sábado, dia 31 de julho, às 15h. A transmissão vai acontecer no canal “Águas do Paraopeba e Três Marias”, no YouTube. Na oportunidade, equipes das Assessorias Técnicas Independentes (ATIs), que auxiliam atingidas e atingidos na busca pela reparação integral dos danos, vão se reunir com pescadores das regiões impactadas a fim de discutir possíveis caminhos na tentativa de compensar os prejuízos causados com a interrupção da atividade econômica.

A expectativa é que representantes do Ministério Público de Minas Gerais (MPMG), Defensoria Pública do Estado de Minas Gerais (DPMG) e Governo do Estado de Minas Gerais participem do momento que será intermediado pela Coordenação e Acompanhamento Metodológico e Finalístico/Projeto Paraopeba, da PUC Minas.

SERVIÇO

  • Seminário: “2 anos e meio do rompimento: a atividade pesqueira na bacia do Rio Paraopeba e Lago de Três Marias.”

 

  • Sábado, 31 de julho, 15h.

  • Transmissão pelo Canal “Águas do Paraopeba e Três Marias” no YouTube.

  • Contato – Assessoria de Comunicação Social da CAMF – Leandro Ferreira (31) 97166 1054.

  • Sugestão de entrevista: Rangel Santos – Biólogo do Projeto Paraopeba

  • Currículo: Possui graduação em Ciências Biológicas pelo Centro Universitário UNA (2013), mestrado em Ecologia pela Universidade Federal Rural de Pernambuco (2015) e doutorado em ecologia, Conservação e Manejo da Vida Silvestre pela Universidade federal de Minas Gerais (2019). Atualmente é coordenador da Assessoria Temática do Meio Biótico da Coordenação e Acompanhamento Metodológico e Finalístico (CAMF) do Projeto Paraopeba (PUC Minas).

Lutas, memórias e violações no campo brasileiro: conflitos, repressão e resistências no passado

lutas e memorias

Lançado em maio de 2021, este livro materializa a continuidade das reflexões e estudos da Comissão Camponesa da Verdade (CCV), iniciada em 2013. A criação da CCV foi uma das definições do “Encontro nacional unitário de trabalhadores e trabalhadoras, povos do campo, das águas e das florestas”, realizado em 2012, em Brasília.

As reflexões expostas no livro são resultado de pesquisas sobre “mobilizações e movimentos sociais agrários, repressão e resistências do pré-1964 à ditadura civil-militar” e dão visibilidade e protagonismo aos sujeitos do campo. Esses são esforços de reconstrução de memórias e histórias impedem que as violações de direitos e violências sejam esquecidas e reconhecem sujeitos históricos.  A obra aponta que a admissão das violações é passo fundamental para possíveis reparações, diminuindo as injustiças e a impunidade, marcas históricas e atuais do campo brasileiro. 

Quem desejar baixar a íntegra desta importante obra organizada pelo professor Sérgio Sauer, basta clicar [Aqui! ].

Governador de Rondônia recebe carta questionando redução de unidades de conservação

jacy parana

Queimada próxima ao rio Rio Branco na Reserva Extrativista Jaci-Paraná, em Porto Velho, Rondônia Foto: Christian Braga/Greenpeace

Organizações enviaram hoje, carta ao Governador Marcos Rocha, sobre a redução da Reserva Extrativista Jaci-Paraná e do Parque Estadual de Guajará-Mirim. A carta afirma que os cortes foram além do previsto, contrariando parecer técnico do próprio governo. Confira abaixo a carta, na íntegra. Organizações estão disponíveis para entrevista.

Porto Velho, 28 de julho de 2021

Senhor Marcos Rocha
Governador do Estado de Rondônia
Palácio Rio Madeira – Av. Farquar, 2986 -Bairro Pedrinhas
CEP 76.801-470 – Porto Velho, RO

O projeto de lei complementar do Executivo número 080/2020 propunha a redução da Reserva Extrativista Jaci-Paraná e do Parque Estadual de Guajará-Mirim. Como compensação, oferecia a criação de outras seis unidades de conservação: Os Parques Estaduais Ilha das Flores e Abaitará; as Reservas de Desenvolvimento Sustentável Bom Jardim, Limoeiro e Machado; e a Reserva da Fauna Pau D’Óleo. O projeto cortava cerca de 150 mil hectares e protegia outros cerca de 120 mil hectares.

Na tramitação na Assembleia Legislativa, os cortes subiram para cerca de 220 mil hectares e foram estabelecidos na lei 1089/2021, que o senhor sancionou contrariando os pareceres técnicos do seu próprio governo.

A Secretaria de Estado do Desenvolvimento Ambiental (Sedam) informou o senhor em 18 de maio de 2021, por meio do Parecer nº 45/2021/SEDAM-CUC, que não havia estudos técnicos para diminuir as unidades de conservação; alertava para o comprometimento substancial dos atributos naturais que justificaram a criação das unidades de conservação; Frisava que as novas áreas propostas não apresentavam os mesmos atributos das unidades reduzidas; e salientava que não houve consulta pública para fazer as alterações. Na conclusão, opinava pelo veto ao projeto.

Da mesma maneira, a Procuradoria Geral do Estado, em 19 de maio de 2021, por meio do Parecer nº 35/2021/PGE-PAMB, registrava a violação de uma série de princípios, leis e acordos internacionais. E opinava igualmente pelo veto. Ainda assim, o senhor sancionou o projeto, o que motivou a abertura de Ação Direta de Inconstitucionalidade (ADI), por iniciativa do Ministério Público do Estado.

Agora, a Assembleia Legislativa novamente se insurge contra as unidades de conservação da natureza, por meio do PLC 104/2021, extinguindo o parque estadual Ilha das Flores e reduzindo em 6,5 mil hectares a Reserva de Desenvolvimento Sustentável Limoeiro – duas das áreas criadas justamente para compensar as reduções em Jaci-Paraná e Guajará-Mirim. Ressalte-se que os mesmos argumentos usados pela Sedam e pela PGE para indicar o veto anteriormente valem para este caso. Novamente, não há consulta, não há estudos e há uma série de violações legais.

Mais uma vez, a Assembleia Legislativa coloca o estado de Rondônia na condição de pária perante um mundo que busca por mais florestas, que precisa de mais natureza, para garantir o próprio futuro da humanidade, como mostram as secas no sul do país e a diminuição de oferta de água na Amazônia. A decisão dá, ainda, mais argumentos para o levantamento de barreiras econômicas para o estado e para o país.

A decisão agora está em suas mãos. O futuro nos observa e cobrará seu preço. Tenha em conta que sua assinatura terá impacto não apenas entre nós, mas também para as futuras gerações. Por isso, reiteramos o entendimento de que o projeto deve ser vetado integralmente, para manter sem reduções a criação das duas unidades de conservação.

Assinam:

Ação Ecológica Guaporé – Ecoporé

Associação de Defesa Etnoambiental Kanindé

CIMI – Conselho Indigenista Missionário

Greenpeace

WWF-Brasil

Procurador Daniel Dalberto

Íris Morais Araújo (Professora UFT)

Gicele Sucupira (Professora UNIR)

Júlia Otero dos Santos (Professora UFPA)

Rosa Maria Guarasugwe (Liderança indígena Povo Guarasugwe)

Carma Maria Martini (Professora UNIR)

Neiva Araujo (Professora UNIR)

Renata Nóbrega (Professora UNIR)

Luis Fernando Novoa (Professor UNIR)

Felipe Vander Velden (Professor UFSCar)

Jandira Keppi (COMIN)

Lediane Felzke (Professora IFRO)

Nicole Soares-Pinto (Professora UFES)

Márcia Mura (Liderança indígena povo Mura)

Mária Lúcia Gomide (Professora UNIR)

Em plena expansão da variante Delta, crianças campistas serão enviadas para “covidários” presenciais

Profesora-en-clase-1-1024x702

Em plena disseminação da perigosíssima variante “Delta” no Brasil, eis que como pai estou sendo praticamente forçado a recolocar o meu filho em aulas presenciais que estão sendo impostas pela rede particular de ensino de Campos dos Goytacazes, sob os auspícios da gestão do prefeito Wladimir Garotinho (PSD).

Essa predisposição de jogar roleta russa com a saúde de de milhares de crianças vem acompanhada de um “termo de responsabilidade” que coloca sob os pais toda a carga em caso de algum filho adoecer com COVID-19.  Esse termo de responsabilidade recaindo sobre as costas dos pais é um atestado de incapacidade das escolas cujos proprietários sabem que não têm como garantir a perfeita higienização dos ambientes escolares ou, tampouco, impedir que crianças sejam crianças e passem a ter a interação física que as faz crianças.

O interessante é que a maioria das  escolas certamente está reinserindo os seus estudantes/clientes dentro das escolas sem que os profissionais de educação estejam pelo menos com a primeira dose da vacina.  Essa seria uma obrigação mínima para a retomada da presença das crianças nas escolas, mas nem isso a Prefeitura Municipal de Campos dos Goytacazes  cuidou de colocar como obrigação dos proprietários como condição para a retomada das aulas presenciais. E friso novamente: em plena disseminação da variante Delta!

A consequência disso que narrei é que as crianças campistas não estão sendo retornadas para escolas, mas para covidários.  Quero apenas ver como ficarão os proprietários e os gestores públicos que estão permitindo que isso venha a ocorrer quando os primeiros surtos ocorrerem.  Adianto que de minha parte não haverá sossego para os que estão operando essa transformação.

E eu pergunto para que está se fazendo isso? Pela preocupação com a aprendizagem das crianças ou para a retomada das receitas geradas quando as crianças estão presencialmente nas escolas (agora transformadas em covidários)?

Tchau, carvão: BNDES finalmente deixa o sujo mineral para trás

Grande dia para o meio ambiente! Novo diretor de crédito produtivo e socioambiental, Bruno Aranha, inicia processo de estruturação para que o banco descarbonize suas carteiras

Foto-BNDES_tchaucarvao

FOTO: Landau | Em manifestação 350.org Brasil e pescadores artesanais da AHOMAR denunciaram os altos investimentos do BNDES em combustíveis fósseis

O BNDES (Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social), um dos maiores financiadores de projetos na área de infraestrutura no país, definiu que não dará mais crédito para termelétricas a carvão, e o setor foi incluído formalmente na lista de exclusão do banco.

Em entrevista à revista Reset, o recém iniciado diretor de crédito produtivo e socioambiental, Bruno Aranha afirmou: 

“Não financiaremos mais térmicas a carvão, independentemente da tecnologia empregada ou de qualquer outra coisa” 

Como consequência da exclusão das térmicas, projetos de mineração de carvão voltados a abastecê-las também deixam de ser elegíveis para crédito do banco a partir de agora.

Colocar o carvão na lista foi um primeiro passo. 

“Estamos revisando nossa lista de exclusão, das atividades que não apoiamos financeiramente. O carvão foi a principal novidade até agora, mas estamos estudando outras possibilidades”, diz Aranha, que, além da nova diretoria, coordena um projeto para adequar a governança do banco à agenda ESG. “A ideia é que o BNDES esteja preparado e evoluindo sempre para ser um player relevante no desenvolvimento sustentável.”

Para Ilan Zugman, diretor da 350.org América Latina, essa decisão foi uma grande vitória para  a política climática no Brasil. 

“Isso é uma vitória incrível para o Brasil. No ano passado, denunciamos em frente à sede do BNDES o investimento absurdo de mais de 92 bilhões de reais em combustíveis fósseis. Ou seja, dinheiro que foi investido para acelerar as mudanças climáticas e prejudicar comunidades locais.”, celebrou Zugman.

É urgente que o BNDES e outros bancos implementem metas mais agressivas para descarbonizar suas carteiras, parando de “queimar” o dinheiro do cidadão em setores que só pioram a emergência climática e concentram lucros nas mãos de poucas grandes empresas. Ou fechamos a torneira para os poluidores ou vamos sofrer ainda mais com as consequências do aquecimento global.“, finalizou o ativista.

Por ora, o segmento de óleo e gás segue apto a receber recursos, mas Aranha diz que a política não se esgota em excluir os setores mais controversos. E direciona em seu discurso uma intenção em forçar o mercado de energia a repensar sua pegada e aumentar o portfólio de energias renováveis.   

Vale destacar que o Idec, Instituto Brasileiro de Defesa do Consumidor, junto de Conectas Direitos Humanos, Instituto Sou da Paz e Proteção Animal Mundial, já desenvolvem há muitos anos um importante trabalho de avaliar e pressionar os bancos por melhores políticas socioambientais – Guia dos Bancos Responsáveis, com o objetivo de oferecer aos consumidores um panorama sobre o que as instituições financeiras fazem com seu dinheiro, que tipo de empresas financiam e se consideram aspectos como, por exemplo, desmatamento, respeito aos direitos humanos e relações trabalhistas. 

Os resultados dos bancos brasileiros são baixos, mas na pesquisa, o BNDES é considerado o “menos pior”, ficando na frente de Santander, Banco do Brasil, Bradesco, BTG Pactual, BV, Caixa, Itaú, Safra, entre outros. Com certeza esse posicionamento claro sobre investimento em carvão fará o banco se destacar, e esperamos que esteja puxando uma tendência no mercado.   

Nós da 350.org comemoramos, mas continuaremos alertas e cobrando por mais! Precisamos desinvestir em combustíveis fósseis, JÁ! 

Relembre a manifestação em frente ao BNDES:

fecho

Este texto foi originalmente produzido e publicado pela 350.org [Aqui!].