Pesquisador italiano é condenado por causar danos corporais em paciente usando procedimento experimental com células-tronco

Tribunal sueco deu a Paolo Macchiarini, uma vez aclamado como pioneiro na medicina regenerativa, uma pena suspensa

STOCKHOLM 201300806Surgeon Paolo Macchiarini at the Karolinska Institute in Stockholm 2013
Foto Lina Alriksson / DN / TT / Kod 3000
***OUT SWEDEN OUT***

Paolo Macchiarini, em uma foto de 2013, implantou traqueias sintéticas em vários pacientes; todos, exceto um, morreram após complicações com os implantes. LINA ALRIKSSON/ALAMY

Por Gretchen Vogel para a “Science”

Um cirurgião que há apenas uma década era celebrado em todo o mundo como pioneiro em transplantes de células-tronco foi condenado por uma acusação de “causar danos corporais”, um crime, em um tribunal sueco. O tribunal distrital de Solna considerou hoje Paolo Macchiarini inocente de outras acusações, incluindo agressão agravada, relacionadas a três pacientes que ele tratou enquanto trabalhava para o famoso Instituto Karolinska (KI). O tribunal disse que a pena era “uma pena suspensa”, mas não especificou quanto tempo a pena seria se imposta. A pena máxima de prisão por causar danos corporais é de 4 anos.

O veredicto é o mais recente desdobramento da impressionante queda da graça de Macchiarini. Em 2010, o cirurgião italiano foi recrutado pelo KI – sede do comitê que concede o Prêmio Nobel de Fisiologia ou Medicina. Um ano depois, ele começou a implantar traqueias sintéticas semeadas com células-tronco isoladas da própria medula óssea dos pacientes, alegando que as células cresceriam e se integrariam ao tecido dos pacientes. As operações foram saudadas na época como um avanço na medicina regenerativa, embora alguns observadores permanecessem céticos Macchiarini foi demitido em 2016 em meio a alegações de fraude e má conduta científica depois que muitos de seus receptores de transplante morreram.

Macchiarini tem afirmado consistentemente que é inocente. Em depoimento no tribunal, ele se defendeu como apenas tentando ajudar pacientes desesperadamente doentes e disse que tinha o total apoio de KI e seus colegas.  O advogado de Machiarini não respondeu aos e-mails da Science hoje.

A sentença branda vem como uma decepção para os críticos de Macchiarini. O cirurgião cardiotorácico Matthias Corbascio, um dos ex-colegas de Macchiarini no KI que primeiro levantou questões sobre o trabalho, descreve-o como “terrível” e “insano”. “O tribunal basicamente lhe deu um tapa no pulso”, diz Corbascio, que agora está na Universidade de Copenhague. “Há pessoas que vão para a cadeia por 5 anos por não pagarem seus impostos. Esse cara mutilou pessoas.”

Complicações graves

Entre 2011 e 2014, Macchiarini implantou traqueias artificiais em pelo menos oito pacientes na Suécia, Estados Unidos e Rússia. Todos, exceto um, morreram após complicações graves com os implantes. (O paciente que sobreviveu teve o implante removido.)

Quatro dos colegas de Macchiarini no KI, incluindo Corbascio, apresentaram queixas oficiais em 2014, alegando que vários artigos descrevendo as cirurgias deliberadamente deixaram de fora complicações graves nos pacientes. Eles também questionaram se Macchiarini havia obtido a devida permissão ética para as cirurgias e contestaram um artigo descrevendo experimentos em animais com a técnica.

KI contratou o cirurgião Bengt Gerdin, professor emérito da Universidade de Uppsala, para investigar a questão. O relatório de Gerdin, divulgado em maio de 2015 , concluiu que Macchiarini era culpado de má conduta, mas os administradores da universidade rejeitaram essa conclusão 3 meses depois, argumentando que Macchinarini e seus co-autores “responderam satisfatoriamente” as questões levantadas por Gerdin. Eles permitiram que Macchiarini continuasse seu trabalho como professor visitante em um laboratório de pesquisa.

No entanto, os repórteres da TV sueca também decidiram dar uma olhada no trabalho de Macchiarini. Um documentário devastador , que foi ao ar em janeiro de 2016, levou os funcionários do KI a reabrir a investigação. Na mesma época, um artigo da Vanity Fair descreveu como Macchiarini enganou uma namorada – uma produtora de notícias da NBC trabalhando em um documentário lisonjeiro sobre suas cirurgias – a pensar que eles se casariam em uma cerimônia com a presença dos Clintons e Obamas e oficializada pelo papa. A história da Vanity Fair retratava Macchiarini, que já era casado na época, como um mentiroso contumaz que exagerava ou mentia sobre diplomas, compromissos acadêmicos e realizações pessoais.

KI demitiu Macchiarini em março de 2016, 2 meses após o lançamento do documentário sueco. Em 2018, KI finalmente divulgou as conclusões de sua segunda investigação, que confirmou que ele havia cometido má conduta .

Acusações de homicídio culposo

Em 2017, promotores na Suécia acusaram Macchiarini de homicídio culposo em conexão com os três pacientes que receberam transplantes no KI em 2011 e 2012, todos falecidos: Andemariam Teklesenbet Beyene, um estudante de pós-graduação da Eritreia com um câncer de crescimento lento obstruindo sua traqueia; Christopher Lyles, um americano de 30 anos com câncer traqueal; e Yesim Cetir, um adolescente da Turquia cuja traqueia foi acidentalmente danificada durante uma cirurgia anterior. Os promotores desistiram do caso alguns meses depois, no entanto, dizendo que não tinham provas suficientes para provar o homicídio culposo.

Eles reabriram o caso em 2020, desta vez acusando Macchiarini por acusações menores de agressão agravada e lesões corporais graves. O tribunal ouviu depoimentos no caso entre 27 de abril e 12 de maio.

No julgamento, Macchiarini e seu advogado argumentaram que os pacientes, sem outras opções, haviam sido tratados sob padrões de cuidados compassivos. Outras testemunhas contradisseram isso, argumentando que com o câncer de crescimento lento de Andemariam, pequenas cirurgias e outros tratamentos poderiam tê-lo mantido vivo. “Cada paciente tinha outra opção não letal”, disse Pierre Delaere, especialista em traqueia da KU Leuven e um dos primeiros críticos de Macchiarini, em um e-mail à Science .

Um painel de juízes decidiu por unanimidade que “as intervenções não estavam de acordo com a ciência e a experiência comprovada”, de acordo com um comunicado divulgado hoje. Mas os juízes decidiram que, como os prognósticos iniciais para Andemariam e Lyles eram tão sombrios sem cirurgia, Macchiarini não poderia ser responsabilizado criminalmente nesses casos. No caso do Cetir, ele deveria saber que o risco de complicações era maior do que o benefício esperado, decidiram os juízes. Mas eles descobriram que os promotores não provaram que Macchiarini era “indiferente” aos ferimentos ou sofrimento que as cirurgias poderiam causar, o padrão exigido para agressão agravada. Em vez disso, eles o consideraram culpado de negligência e da acusação menor de causar danos corporais.

Na Suécia, tanto a defesa quanto a promotoria podem recorrer das decisões, e a promotora sênior Karin Lundström-Kron diz que ela e seus colegas decidirão nas próximas semanas. Eles vão examinar especialmente a decisão dos juízes de que Macchiarini não poderia ser responsabilizado pelo que aconteceu com Andemariam e Lyles “porque ele agiu em perigo”, de acordo com a declaração do tribunal. “Isso é algo que era novo para nós, então precisamos analisar isso”, diz Lundström-Kron. Ela diz que isso pode significar que os juízes pensaram que ele e os pacientes acreditavam que o tempo era curto e as opções eram poucas. O advogado de Macchiarini se recusou a comentar hoje com a mídia sueca se seu cliente iria recorrer.

Delaere sente que a sentença é leve demais para o que considera um crime grave. Ele diz que os promotores deveriam ter pressionado por acusações de homicídio culposo porque Macchiarini não tinha evidências de que as traqueias que ele implantou se desenvolveriam em órgãos com funcionamento normal. “Quando você implanta uma traqueia sintética, você tem uma certeza, que é que o paciente morrerá como resultado disso”, diz Delaere no e-mail. “A absolvição é, portanto, difícil de defender.”

Mas Gerdin diz que o veredicto não é inesperado. O tribunal teve que aplicar o padrão de “indiferença intencional” para as acusações de agressão, diz ele, o que é difícil de provar. O argumento de Macchiarini de que KI apoiou e encorajou totalmente as cirurgias provavelmente influenciou os juízes também, diz ele. Oficiais da KI “deixem-no fazer isso. Isso aliviou um pouco do fardo dele.”

Gerdin diz que a condenação em uma acusação ainda mostra “que a saúde não está acima da lei. Se, como médico, você faz coisas estúpidas, pode ser acusado”. Mas os veredictos inocentes nos outros dois casos destacam como a lei pode deixar pessoas vulneráveis ​​desprotegidas, diz ele, por exemplo, quando estão enfrentando decisões de vida ou morte e detêm menos informações do que o médico.

A condenação criminal significa que Macchiarini teria dificuldade em encontrar emprego novamente na Suécia, diz Gerdin. Mas como Macchiarini aparentemente está morando na Espanha, é improvável que tenha muito efeito. “Na verdade, não faz sentido para ele”, diz Gerdin. “Mas ele perdeu sua reputação, e isso é mais importante.”


compass black

Este texto foi originalmente escrito em inglês e publicado pela “Science” [Aqui!].

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s