Agrotóxicos produzidos na China são maioria no pacote de venenos aprovado pelo governo Bolsonaro

mourãoO vice-presidente Hamilton Mourão em visita oficial à China

Acabei de completar a base que venho construindo com os agrotóxicos que tiveram sua liberação publicada na vigência do governo Bolsonaro e que incluem os 63 agrotóxicos que foram autorizados pelo Ato No. 62 publicado no dia 13 de Setembro de 2019.  Um primeiro detalhe a se ratificar é que  “grande total” dos agrotóxicos liberados é 353 e não 325 como algumas fontes têm insistentemente publicado.

Analisei algumas facetas peculiares desse pacote de venenos agrícolas cuja velocidade de aprovação quebra recordes históricos.  O curioso, como já mostrado por um estudo feito pela parceria Pública/Repórter Brasil é que muitos desses venenos já estão no mercado brasileiro, e o que parece estar ocorrendo é um rodízio sobre as regiões produtores dos mesmos, com uma clara ênfase na China. É que 69,4% dos produtos técnicos dos agrotóxicos aprovados pelo governo Bolsonaro têm seu fabricante primário (ou único) na China que parece estar se tornando a grande produtora de agrotóxicos que já foram banidos ou proibidos em outras partes do mundo.

A proeminência chinesa na produção dos agrotóxicos banidos é tanta que dos 104 que se encontram proibidos de comercialização nos países que formam a União Européia (93, ou seja 89%) se originam de plantas industriais localizadas na China.

Outra faceta interessante é que cinco dos produtos aprovados são compostos por mais de um princípio ativo e servem a mais de uma função como, por exemplo, para eliminar plantas daninhas e insetos.  Apesar dessa ser uma tendência que já vem se firmando na produção de venenos agrícolas, não deixa de ser interessante que produtos que podem ser apenas parcialmente proibidos na União Europeia.  Esse é um detalhe importante porque cedo ou tarde a legislação comunitária vai ser mais estrita em relação a produtos que já tenham sido banidos pela União Europeia.

Por último, é importante notar que no pacote de 353 agrotóxicos aprovados até agora pelo governo Bolsonaro, os produtos voltados para o controle biológico e não químico de pragas representam apenas 4,2% do total. Mas com um detalhe bastante significativo: todos são produzidos no Brasil, refletindo uma contribuição significativa das universidades públicas que são responsáveis pelo desenvolvimento das pesquisas que originam esse tipo de agrotóxico. Assim, ao praticamente acabar com o financiamento de pesquisas científicas nas universidades brasileiras com seus drásticos cortes orçamentários, o governo Bolsonaro dificulta o desenvolvimento de produtos de base nacional, favorecendo principalmente a indústria chinesa de agrotóxicos.

O problema associado à dependência crescente do latifúndio agro-exportador em relação aos agrotóxicos vindos da China pode ser ainda maior, pois há um mercado crescente de agrotóxicos chineses que entram no Brasil ilegalmente via contrabando.

Como já tenho feito desde o início do ano, disponibilizo a base de dados construída para quem está interessado no estudo dos agrotóxicos que estão sendo liberados para comercialização no Brasil. Os interessados em baixar a base de dados, basta clicar [Aqui!].

 

As empresas que servem de “barriga de aluguel” dos agrotóxicos

Levantamento inédito revela que 75 empresas transferiram permissões de venda de 326 produtos agrotóxicos; processo é legal mas pode servir para “especulação”

agrotóxicosGUILHERME PETERS (AGÊNCIA PÚBLICA)

Por Pedro Grigori (Agência Pública/ Repórter Brasil)

No intrincado caminho para se aprovar um novo produto agrotóxico no Brasil, uma prática crescente vem chamando a atenção de quem estuda o setor. Perante a lei, ela é chamada de transferência de titularidade mas, na prática, funciona como uma manobra para guardar lugar na fila de obtenção da licença. Uma manobra que pode colocar em risco a segurança de todo o processo pelo qual um pesticida passa até sua aplicação nas lavouras.

Funciona assim: em vez de as próprias companhias obterem as licenças para seus produtos e colocá-los no mercado, muitas vezes, quem cuida desse processo é uma empresa especializada em um serviço conhecido como “barriga de aluguel”. Elas dão entrada no pedido, aguardam o tempo necessário e, depois, “geram” registros para futuramente repassá-los para outras companhias, seja por compra, venda ou transferência.

Um levantamento inédito feito pela Agência Pública e a Repórter Brasil mostrou que apenas nos últimos 20 meses, 326 registros de comercialização de agrotóxicos mudaram de dono no país.

O principal objetivo é burlar o longo processo percorrido para se colocar um agrotóxico no mercado. O produto precisa passar por análise do Ministério da Agricultura, Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) e Instituto Brasileiro do Meio Ambiente e dos Recursos Naturais Renováveis (Ibama), rito que pode chegar a 10 anos. Enquanto isso, o processo de transferência de titularidade tem prazo legal de até 120 dias, segundo o Ministério da Agricultura.

O advogado e coordenador da Comissão de Regulação do Fórum Nacional de Combate aos Impactos dos Agrotóxicos e Transgênicos (FNCIAT), Cleber Folgado, conta que o mercado de transferência de agrotóxicos tornou-se “bastante lucrativo” e que é feito, principalmente, por pequenas assessorias.

“Algumas empresas menores se especializaram em fazer o registro de determinadas substâncias para posteriormente comercializá-los para empresas de grande porte”, afirma. “E essas companhias pequenas, que em muitas situações nem sequer detêm condições estruturais e econômicas para produzir o agrotóxico, guardam o registro e fazem disso um “título” com valor econômico a ser explorado quando houver interesse na produção deste novo agrotóxico registrado.”

A prática, segundo especialistas ouvidos pela reportagem, pode oferecer riscos, pois trocar o proprietário do registro torna o agrotóxico mais suscetível a eventuais mudanças em sua composição. “Se você tiver uma alteração qualquer na composição, você pode estar modificando todos os resultados do estudo de toxicidade”, aponta o pesquisador da Fiocruz e da Associação Brasileira de Saúde Coletiva (Abrasco), Luiz Cláudio Meirelles, ex-gerente-geral da Anvisa.

Para fazer o levantamento, a reportagem analisou as publicações no Diário Oficial da União entre janeiro de 2018 e agosto de 2019. No período, foram transferidos 156 registros permanentes e 170 registros especiais temporários, totalizando 326 — 262 em 2018 e 64 em 2019. No total, 75 empresas participaram da prática.

Apesar de questionável e potencialmente perigoso, o processo de venda, troca e hospedagem de registros é permitido por lei. Segundo o Ministério da Agricultura, “51% dos produtos formulados no mercado não são efetivamente comercializados pelas empresas detentoras do registro”. A única exigência para a transferência é que a empresa que assumir o registro esteja cadastrada junto ao órgão estadual responsável pela execução da defesa agropecuária.

avião

Barriga de aluguel

O levantamento feito pela reportagem revelou que pelo menos 12 empresas que transferiram os direitos de venda não são produtoras de agrotóxicos, mas simples escritórios de registros. Com clientes no Brasil e do exterior, essas assessorias oferecem serviços regulatórios como cadastro nos órgãos federais e o processo de registro dos agrotóxicos. E, para as empresas que querem furar a fila de um processo que pode levar anos se forem seguidas todas as etapas regulares, os escritórios têm um portfólio de registros que podem disponibilizar para que elas coloquem rapidamente seus produtos nas lojas.

O doutor em economia pela Universidade Montpellier, na França, e professor da Universidade Federal do Paraná (UFPR), Victor Pelaez, monitora os processos de transferência para entender seus reais motivos. Segundo ele, esses escritórios “são especializados no processo regulatório e, via de regra, empregam ex-funcionários de empresas fabricantes de agrotóxicos que trabalhavam com a atividade de registro”.

Esse processo é chamado oficialmente de “hospedagem de registros”, e conhecido informalmente como “barriga de aluguel”.

“É assim que as grandes corporações encontram nessas empresas um ‘atalho’ para o início imediato da produção de algum agrotóxico, sem necessariamente passar pelo longo processo de registro” explica o advogado Cleber Folgado. A reportagem tentou contato com todos os escritórios mencionados, mas não obteve retorno até a publicação desse texto.

Líder nas transferências

Das 37 empresas que transferiram a permissão de comercialização de agrotóxicos no período do levantamento, a Du Pont do Brasil foi a líder, com 136 registros, sendo 117 temporários — transferidos para a FMC Química do Brasil. A transferência ocorreu porque em 2017 a FMC Corporation comprou parte do negócio de defensivos agrícolas da DuPont.

A vice-líder dentre as empresas que mais transferiram registros é a Allierbrasil, com 30 processos. O sócio da empresa, Flavio Hirata, conta que os principais clientes são empresas da China e Índia. “Isso acontece devido ao longo tempo para obtenção do registro, o que não se justifica a abertura de escritório local com equipe especializada, sem atividade comercial.” Ele explica que um dos focos da empresa é registro de produtos, que “envolve desde a seleção de laboratórios, acompanhamento dos testes, orientação em relação aos produtos com potencial após a aprovação do registro, que demora muitos anos, procura de fabricantes (no caso de traders e distribuidores) e seleção de distribuidores (no caso de estrangeiros que procuram parceiros locais)”.

Flávio explica ainda que a empresa atua a partir da necessidade do cliente. “Uma vez que o registro é aprovado, muitos clientes optam por transferir a titularidade para si, e atuar diretamente no mercado. Nós detemos a titularidade temporariamente até que o cliente tenha condições de atuar”, resume.

Um serviço semelhante é oferecido pela Plurie Soluções Regulatórias, que transferiu 14 registros nos últimos 20 meses, todos para a empresa suíça Syngenta, uma das líderes do mercado. “A maioria dos nossos clientes é de multinacionais, mas temos também com empresas menores que estão começando a atuar no Brasil”, explica a gerente de registros, Ana Camargo. Ela conta que a atuação da assessoria ocorre em toda cadeia de registros. “Vai desde a implantação da empresa no Brasil à legalização, até a obter os registros e manutenção”, diz.

A gerente afirma que o processo de hospedagem de registros não é uma venda, mas uma “parceria”. “Quando a empresa está entrando no país, ela passa por questões burocráticas demoradas. Para ganhar tempo, entramos com um pedido de registro. É um acordo comercial, onde depois transferimos o registro para a empresa”, afirma Ana Camargo. Apenas em 2019, a Plurie conseguiu a aprovação de sete registros de produtos agrotóxicos.

No caso de transferências para grandes empresas, a gerente conta que o registro pode ser retirado em nome do escritório para facilitar o processo. “Muitos desses produtos são clones. Não se trata de novos produtos, mas sim de uma nova marca. Por exemplo, se é um produto voltado para plantações de cana, ele recebe uma marca e um nome, se for para a de soja, recebe outro. Produtos clones nós costumamos tirar em nome da consultoria, para facilitar o processo. Como são muitos papéis a serem assinados, e estamos em escritórios diferentes, fazemos isso por uma questão de praticidade”, diz.

A Syngenta, que recebeu os registros transferidos da Plurie, defendeu o procedimento. “Pode se tratar de uma aquisição, de estratégias de complementação de portfólio, de formas de capturar oportunidades de mercado via acordos de distribuição. As concessões de registros significam mais alternativas de produtos para os agricultores, sem que isso implique em um aumento no volume de uso de agrotóxicos.”

Por que há tantas transferências?

Segundo um levantamento da Universidade Federal do Paraná (UFPR), entre 2005 e 2013, foram 382 transferências de registros permanentes. “Identificamos que 65% das transferências foram realizadas por escritórios de registros. Foi algo que começou a crescer quando o Brasil veio se tornando um dos maiores mercados de agrotóxico no mundo. Como a espera na fila era muito longa, esses escritórios conseguem os registros e depois transferem esse direito de propriedade”, conta o professor Victor Pelaez, responsável.

Porém, há também questões mercadológicas que explicam tantas transferências. “Há grandes companhias que transferem seus registros para empresas menores. Geralmente são produtos que já estão no fim do ciclo de vida, ou seja, estão com risco de serem banidos do mercado e deixam de ser interessantes”, explica Victor.

Exemplo disso é a transferência de registros do herbicida Paraquat. Em setembro de 2017, a Anvisa decidiu que em 3 anos o herbicida seria ser banido do mercado por conta dos riscos à saúde, que incluem mutagenicidade e doença de Parkinson. Pelo menos quatro registros do Paraquat foram transferidos entre empresas durante o período do levantamento.

Outro expediente usado é a troca de produtos com ingredientes ativos diferentes ou com uso em demais culturas. O propósito é conseguir atingir mais setores do agronegócio. Há casos como o das empresas Rainbow Defensivos Agrícolas e Albaugh Agro Brasil, que trocaram produtos entre si. Na edição do Diário Oficial da União de 8 de agosto deste ano a Rainbow transferiu os produtos Blowout e Clenil Xtra para a Albaugh Agro Brasil; e na leva de transferências seguinte, em 26 de agosto, foi a vez da Albaugh transferir produtos para a Rainbow, o Skip 125 SC, Golds 500 SC e o Wish 500 SC.

O Clenil Xtra é um fungicida à base de Clorotalonil usado em culturas como batata, cenoura e feijão; o fungicida o Skip 125 SC é feito à base de Flutriafol e usado na soja; o acaricida Gold’s 500 SC tem como ingrediente ativo o óxido de fembutatina e é usado em frutas cítricas e o fungicida Wish 500 SC é feito à base de carbendazim e usado em plantações de algodão, feijão e soja. Não há informações sobre o uso do Blowout.

Procurada pela reportagem, a Albaugh respondeu em nota que a transferência constitui medida autorizada pela legislação. “É facultado às empresas do setor de agroquímicos, portanto, tomar decisões nesse sentido e com isso ampliar ao produtor a oferta de tecnologias para manejo de pragas, doenças e plantas daninhas. Informamos ainda que os produtos em questão pertencem à categoria dos ‘pós-patente’, e têm sido utilizados regularmente por agricultores e profissionais do setor agrícola. A comercialização de tais produtos pela Albaugh, entretanto, dependerá ainda de uma decisão de natureza comercial, conforme o planejamento da companhia”, informou em nota.

A Rainbow não respondeu até a publicação desta reportagem.

Aprovações eternas levam a “especulação” que valoriza empresas

Allierbrasil e Plurie Soluções Regulatórias são empresas que oferecem o serviço conhecido como “barriga de aluguel”
Allierbrasil e Plurie Soluções Regulatórias são empresas que oferecem o serviço conhecido como “barriga de aluguel” GUILHERME PETERS (AGÊNCIA PÚBLICA)

Mas por que uma empresa como a Albaugh adquire um agrotóxico se não vai comercializá-lo? A resposta foi obtida pela Anvisa em 2011, depois de um estudo para descobrir porque a metade dos produtos aprovados pelo governo não estavam indo para o mercado.

O pesquisador da Fiocruz e da Associação Brasileira de Saúde Coletiva (Abrasco), Luiz Cláudio Meirelles, era gerente-geral da Anvisa na época e diz que um dos principais motivos é o valor de mercado das companhias. Ou seja, trata-se de uma “especulação” usando um processo trabalhoso e custoso para os cofres públicos.

“Quando uma empresa que produz agrotóxico é vendida, metade do valor que se paga por ela é pelo portfólio de produtos que ela tem. Por isso temos uma avalanche de registros, e só metade dos produtos efetivamente no mercado”, explica. “Quando o governo (Mapa, Anvisa e Ibama) aprovam um agrotóxico, a expectativa é que ele vá para o mercado, mas um dos motivos que levam as empresas a continuar registrando produtos que não serão vendidos é porque os agrotóxicos no Brasil não tem data de validade para sair do mercado”, completa.

O pesquisador alerta para a necessidade de realizar fiscalizações após o processo de mudança de proprietário do registro, o que é previsto pelo Decreto n° 4074/2002. A Anvisa, o Ibama e o MInistério da Agricultura deveriam fiscalizar. “Os três órgãos que fazem a avaliação também tem competência para avaliar se, após a transferência, a produção do agrotóxico está sendo feita do modo que deveria. Se você tiver uma alteração qualquer na composição, você pode está modificando todos os resultados do estudo de toxicidade”, aponta o ex-gerente geral da Anvisa.

Luiz Cláudio questiona também como pequenas de consultoria acabam conseguindo a permissão de comercialização de agrotóxicos. “O problema é que estamos aprovando empresas que não têm a menor condição de produzir um produto. Não deveríamos conceder registros apenas a empresas que têm condições de colocar o produto no mercado?”.

O advogado Cleber Folgado critica também o registro de produtos sem a produção comercial, o que ele acredita ser um entrave para a produção em escala comercial de novos agrotóxicos com tecnologias mais atuais e menos tóxicos. “Poderiam ser aprovados produtos para substituir os presentes no mercado com altas taxas de toxicidade”, pontua.

_______________________________________________________

Esta reportagem faz parte do projeto Por Trás do Alimento, uma parceria da Agência Pública e Repórter Brasil para investigar o uso de Agrotóxicos no Brasil. A cobertura completa está no site do projeto.

O Ururau Irado manda lembranças

gator

Bons tempos em que o “Ururau Irado” era o caçador de “jacarés” em textos alheios

Hoje tive a peculiar honra de ter um post deste blog citado em um blog hospedado em um veículo da mídia corporativa campista. Se eu bem entendi o que foi escrito para ser uma crítica, um erro datilográfico banal serviu para que meus vários diplomas fossem relativizados (sim, eu tenho três, e um deles sendo o de doutoramento em uma prestigiosa universidade dos EUA, a Virginia Polytechnic Institute and State University, a Virginia Tech), usando surpreendentemente um argumento levantado pelo ex-presidente Lula contra o ministro da Educação, Abraham Weintraub. Aliás, confesso que meu título de PhD pela Virginia Tech é, sem dúvida, o meu maior triunfo.

Pois bem, sou réu confesso em escrever textos que possuem erros pontuais, pois nem sempre paro para revisar o que posto. Aliás, já foram incontáveis as vezes em que leitores me enviaram mensagens notificando de algum “jacaré” em uma das minhas postagens.

Nunca tomo essas mensagens que sugerem correções negativamente, pois mostram que alguém leu o que escrevi e se importou o suficiente para meu enviar uma notícia de erro. E como errar é parte de qualquer empreendimento humano, eu sempre agradeço quem me envia estes pedidos de correção e envio o “jacaré” para outras paragens.

Como estou há mais de duas décadas em Campos dos Goytacazes e este blog existe por uma, não consigo deixar de sentir certo saudosismo dos tempos em que corria solto por nossa planície o blog  “Ururau Irado” que fez fama caçando erros básicos de português produzidos em uma determinada redação, ainda que não somente nela.

É que, confesso, eu teria enorme honra de ser corrigido pelo “Ururau Irado”, pois do seu mentor eu esperaria mais do que piadas mal enjambradas com o meu sobrenome.  Mas que mais esperar quando quem nos critica é um conhecido intelectual de orelhas de livros e nada mais?

Quanto ao elemento de evidente irritação em minha postagem anterior, só posso reafirmar o meu entusiasmo pelo aparecimento do “Fonte Exclusiva“. É que nutro a esperança de que seu surgimento tenha repercussões positivas sobre a qualidade do que se vende como jornalismo em nossa cidade.  A ver!

Nascimento de agência de checagem de “fake news” é uma novidade que perturba quem vive da produção delas

fake news
Iniciativa do Portal Viu!, agência de checagem vai dificultar a vida de quem vive de produzir e vender fake news no Norte e Noroeste Fluminense e na região dos Lagos

A alvissareira notícia publicada no Portal Viu! de que as regiões Norte e Noroeste Fluminense e dos Lagos tem a sua primeira agência de checagem de notícias denominada “Fonte Exclusiva“.  

Essa iniciativa pioneira deve ser recebida com entusiasmo por todos aqueles que estão comprometidos com a distribuição de informações jornalísticas qualificadas, pois será diminuído poder dos agentes de transmissão de notícias falsas ou tendenciosas que causam sérios danos à democracia brasileira, que ficaram muito bem demonstrados nas últimas eleições presidenciais, quando uma poderosa rede de “fake news” influenciou diretamente no resultado.

Obviamente sempre haverá quem se sinta incomodado com a existência de uma agência de checagem, começando por aqueles que produzem as “fake news” como forma de imposição de poder político e, não raramente, de obtenção de patrocínios e outros quetais. 

Como corretamente apontou na matéria de lançamento do “Fonte Exclusiva” o jornalista Douglas Fernandes, em cidades do interior existem veículos da mídia corporativa que funcionam como “indústrias de fake news”,  especializando-se em “fofoca e futrica”. Os donos desses veículos certamente se sentirão incomodados com o aparecimento de uma agência que cheque a qualidade e veracidade daquilo que é publicado como informação jornalística, mas que muitas vezes não passa de manjadas fake news.

Aliás, um dos primeiros sintomas de que algo apresentado como jornalismo é, na verdade, fake news são os repetidos ataques de caráter em que nomes são omitidos, mas deixados implícitos para que não haja a devida verificação da verdade pelo leitor. Esse caráter covarde de muitas “matérias jornalísticas” é o primeiro indicador de que estamos diante de uma fake news, muitas vezes produzidas por indivíduos que sequer possuem um mínimo de experiência profissional no jornalismo (oxalá um diploma de jornalista).

Mas é exatamente por essas reações antagônicas que a iniciativa do Portal Viu! deve ser saudada com entusiasmo. A partir dessa iniciativa, talvez, ninguém possa produzir fake news impunemente. Isto em um período politicamente tão difícil é sim motivo de felicitação. Longa vida à Fonte Exclusiva!

Intercept revela plano de Bolsonaro para exploração da Amazônia ‘movido a paranoia’

Documentos e áudios inéditos obtidos pelo portal mostram projeto para povoar Amazônia “contra chineses, ONGs e Igreja Católica”

Plano-De-Desenvolvimento-Da-Amazonia-1Reportagem obteve plano detalhado de “desenvolvimento” da região amazônica. Plano é explorar riquezas minerais e naturais por empresas estrangeiras

Por Tatiana Dias para a RBA

São Paulo – governo de Jair Bolsonaro está discutindo, desde fevereiro, o maior “plano de ocupação e desenvolvimento da Amazônia” desde a ditadura militar. Gestado pela Secretaria de Assuntos Estratégicos, com coordenação de um coronel reformado, o projeto Barão de Rio Branco retoma o antigo sonho militar de povoar a região, com o pretexto de a desenvolver e proteger a fronteira norte do país.

Documentos inéditos obtidos pelo Intercept detalham o plano, que prevê o incentivo a grandes empreendimentos que atraiam população não indígena de outras partes do país para se estabelecer na Amazônia e aumentar a participação da região norte no Produto Interno Bruto do país.

A revelação surge no momento em que o governo está envolvido numa crise diplomática e política por conta do aumento do desmatamento no Brasil. Bolsonaro se comprometeu a proteger a floresta em pronunciamento em cadeia nacional de televisão, mas o projeto mostra que a prioridade é outra: explorar as riquezas, fazer grandes obras e atrair novos habitantes para a Amazônia.

O plano foi apresentado pela primeira vez em fevereiro deste ano, quando a secretaria ainda estava sob o comando de Gustavo Bebbiano. O então secretário-geral da Presidência iria à Tiriós, no Pará, em uma comitiva com os ministros Ricardo Salles, do Meio Ambiente, e Damares Alves, dos Direitos Humanos, para se reunir com entidades locais.

Bolsonaro, no entanto, não sabia da viagem. Foi surpreendido pelas notícias e vetou a comitiva — uma das razões que culminaram na crise que tirou Bebbiano do governo em 18 de fevereiro. O plano acabou sendo apresentado dias depois só pelo coronel reformado Raimundo César Calderaro, seu coordenador, sem alarde, em reuniões fechadas com políticos e empresários locais.

Parte do conteúdo do encontro foi revelado no mês passado pelo Open Democracy. O Intercept, agora, teve acesso a áudios e à apresentação feita durante uma reunião organizada pela Secretaria Especial de Assuntos Estratégicos no dia 25 de abril deste ano na sede da Federação da Agricultura do Pará, a Feapa, em Belém. A secretaria afirmou ter reunido a sociedade, academia e autoridades locais para ouvir opiniões e sugestões que guiarão os estudos sobre o programa. Mas os documentos, até agora inéditos, revelam que indígenas, quilombolas e ambientalistas parecem ter ficado de fora da programação.

Na apresentação, os responsáveis esmiuçaram a preocupação do governo com a “campanha globalista” que, de acordo com o material, “relativiza a soberania na Amazônia” usando como instrumentos as ONGs, a população indígena, quilombola e os ambientalistas. E afirmaram ser necessária a execução de obras de infraestrutura — investimentos “com retorno garantido a longo prazo” —, como hidrelétricas e estradas, para garantir o desenvolvimento e a presença do estado brasileiro no local.

Leia a reportagem completa do The Intercept Brasil

_________________________________________________________

Este artigo foi inicialmente publicado pela Rede Brasil Atual [Aqui!].

Estudo científico sobre a disseminação do DNA por mosquitos geneticamente modificados causa reações de fabricante

mosquitos ogmAo contrário do prometido, mosquitos geneticamente modificados liberados no Brasil produziram descendentes 

Por Kelly Servick para a Science

Por 10 anos, a empresa Oxitec vem testando se os mosquitos geneticamente modificados (GM) podem suprimir populações de seus irmãos naturais, que carregam vírus devastadores, como o zika e a dengue.  A estratégia da empresa: implantar mosquitos machos (não mordentes) do Aedes aegypti portadores de um gene que deveria condenar a maior parte de seus filhotes antes da idade adulta.

Agora, uma equipe de pesquisadores independentes que analisam um teste inicial da tecnologia da Oxitec está soando o alarme – e atraindo a ira da empresa – com um relatório  onde se afirma que alguns descendentes dos mosquitos transgênicos sobreviveram e produziram descendentes que também chegaram à maturidade sexual. Como resultado, os mosquitos locais herdaram partes do genoma dos mosquitos geneticamente modificados, revelou a equipe de pesquisadores na semana passada em um artigo publicado na revista Scientific Reports.

Não há evidências de que esses híbridos ponham em risco mais os seres humanos do que os mosquitos selvagens ou que tornem a estratégia da Oxitec ineficaz, concordam os autores do artigo e a empresa. “O importante é que algo inesperado aconteceu”, diz o geneticista da população Jeffrey Powell, da Universidade de Yale, que fez o estudo com pesquisadores brasileiros. “Quando as pessoas desenvolvem linhas transgênicas ou qualquer coisa a liberar, quase todas as informações são provenientes de estudos de laboratório. … As coisas nem sempre funcionam da maneira que você espera. “

Mas a sugestão do artigo de que essa mistura genética poderia ter tornado a população de mosquitos “mais robusta” – mais resistente a inseticidas, por exemplo, ou mais propensa a transmitir doenças – provocou reportagens anti-GM, uma reação de alguns cientistas e forte resposta da Oxitec. A empresa, subsidiária da biotecnologia americana Intrexon, tem muito em jogo; recentemente submeteu uma nova geração de seus mosquitos GM para a revisão regulatória dos EUA e espera realizar seu primeiro teste de campo nos EUA no próximo ano.

“Não estamos surpresos com os resultados, mas o que nos surpreende são as especulações feitas pelos autores”, diz Nathan Rose, chefe de assuntos científicos e regulatórios da Oxitec em Oxford, Reino Unido. Ele diz que a empresa pediu à Nature Research , que publica relatórios científicos, para “abordar a gama de declarações enganosas e especulativas” no estudo. Na terça-feira, a revista adicionou uma nota do editor ao jornal dizendo que suas conclusões “estão sujeitas a críticas que estão sendo consideradas pelos editores”.

Mesmo antes da Oxitec ter realizado lançamentos piloto de seus mosquitos alterados no Brasil, Malásia e Ilhas Cayman, sabia que o gene inserido não era inevitavelmente letal. Testes de laboratório mostraram que, quando os machos GM acasalavam com fêmeas selvagens, cerca de 3% de seus filhotes sobreviveram. “Temos sido muito claros sobre isso”, diz Rose.

O que não estava claro era se esses filhotes raros, muitas vezes doentes no laboratório, poderiam produzir descendência, diz Powell. Para ver se os sobreviventes se saíram bem o suficiente para espalhar seu DNA, ele contatou os colaboradores da Oxitec na véspera de um grande teste de campo na cidade brasileira de Jacobina. De 2013 a 2015, a Oxitec liberou cerca de 450.000 mosquitos machos GM por semana –  e a empresa relatou reduziu a população geral de mosquitos em cerca de 90%. Powell e seus colaboradores coletaram mosquitos de vários bairros antes, durante e nos 3 meses após o experimento. Dentro dessas populações, eles estimam que entre 5% e 60% dos insetos tinham algum DNA da cepa Oxitec em seu genoma – até 13% do genoma em um caso.

Jason Rasgon, um entomologista da Universidade Estadual da Pensilvânia, que estuda doenças transmitidas por insetos, diz que o achado genético é importante. “Mas acho que há várias coisas realmente exageradas e irresponsáveis ​​no artigo”, diz Rasgon, que não tem vínculos financeiros com a Oxitec. Os autores deveriam ter enfatizado que não encontraram nenhum mosquito portador dos transgenes da Oxitec, diz ele, referindo-se aos dois genes estranhos ao A. aegypti, introduzidos para matar os filhotes e rotular fluorescentemente os mosquitos como GM. O novo DNA que apareceu na população de Jacobina era do “background” genético dos mosquitos Oxitec – um cruzamento entre cepas de Cuba e México.

Rasgon, como a Oxitec, discorda da afirmação do artigo de que a mistura de genomas “provável” fortaleceu a população ao aumentar sua variação genética. (“O fracasso do experimento de controle de mosquitos transgênicos pode ter fortalecido os insetos selvagens”, dizia uma manchete na semana passada.) “Não sabemos o que acontece aqui, mas sabemos que essa população é um híbrido de três linhagens”, afirma Powell. Sua equipe, no entanto, não testou se os mosquitos híbridos eram mais resistentes a pesticidas ou mais propensos a transmitir doenças. Nem aconteceu com os mosquitos Oxitec, diz Rose.

Rasgon está preocupado com o fato de o artigo na Scientific Reports ter alimentado suspeitas infundadas sobre organismos geneticamente modificados. Os lançamentos anteriores da Oxitec propostos na Flórida enfrentaram oposição de moradores. “Não acho que [o jornal] precise ser retirado. Mas algum tipo de esclarecimento ou declaração ou algo deve ser feito ”, diz ele.

A mais recente variedade de mosquitos GM da Oxitec foi projetada para espalhar o gene letal de maneira mais eficaz. Em vez de matar os filhotes, independentemente do sexo, elimina apenas as fêmeas. A prole masculina sobrevive para transmitir o gene letal. Em um teste de campo brasileiro, esses mosquitos de segunda geração fizeram com que as populações locais caíssem em até 96%, anunciou a Oxitec em junho. Na semana passada, a Proteção Ambiental dos EUA abriu uma janela de um mês para comentários públicos sobre os lançamentos propostos pela empresa na Flórida e no Texas.

______________________________________________________

Este artigo foi originalmente publicado em inglês pela revista Science [Aqui!].

 

Estudantes da UENF produzem vídeo documentário sobre as desapropriações do Porto do Açu

IMG-20190919-WA0058.jpgO bacharel em Administração Pública e mestrando em Políticas Sociais da Uenf, Danilo Barreto, durante o lançamento do vídeo documentário “O preço do desenvolvimento” no espaço do restaurante Tremliche em São João da Barra.

Estudantes da Universidade Estadual do Norte Fluminense (Uenf), liderados pelo bacharel em Administração Pública e mestrando em Políticas Sociais, Danilo Barreto, acabam de lançar o vídeo documentário “O preço do desenvolvimento” que  trata das escabrosas desapropriações realizadas pelo governo do Rio de Janeiro no V Distrito de São João da Barra para a implantação do Distrito Industrial de São João da Barra (DISJB) (ver vídeo abaixo).

O “Preço do Desenvolvimento” foi lançado ontem (18/09) no espaço do restaurante Tremliche em São João da Barra, mas já havia sido veiculado no chamado Prêmio Wag na edição de 2019 do Encontro Nacional de Estudantes do Campo das Públicas (Enecap) que ocorreu na Universidade Nacional de Brasília (UNB) entre os dias 05 e 08 de Setembro.

Tive a honra de ser um dos entrevistados para a produção deste vídeo que considero o esforço realizado para mostrar os impactos sociais da forma com que foram realizadas as desapropriações para a implantação do nunca materializado “Distrito Industrial de São João da Barra” gerou um importante documento histórico, especialmente a partir dos depoimentos de Noêmia Magalhães (proprietária rural e da direção da ASPRIM) e de Durval Alvarenga (agricultor desapropriado) são extremamente importantes para que se saiba o que realmente aconteceu e continua acontecendo no V Distrito de São João da Barra.

Também é importante apontar que este vídeo produzido por estudantes da Uenf é um testemunho da capacidade acadêmica que a universidade de Darcy Ribeiro é capaz de desenvolver, fazendo uma importante conexão entre ensino, pesquisa e extensão na forma mais apurada com que seu idealizador pensou que a instituição seria capaz de desenvolver.