Bancos brasileiros são os principais financiadores do desmatamento na Amazônia e no Cerrado

bb

Os setores de carne bovina e soja têm sido dois dos principais motores do desmatamento nos biomas Amazônia e Cerrado nos últimos anos. As instituições financeiras com exposição a esses setores podem estar inadvertidamente contribuindo para as mudanças climáticas e a perda de biodiversidade. Conforme as partes interessadas globais reagem a essas ameaças, as instituições financeiras podem ficar cada vez mais expostas aos riscos financeiros. Este relatório, usando dados de Florestas e Finanças , mostra quem está financiando esses dois setores.

Baixe o PDF aqui: Bancos nacionais financiam 74% da carne bovina e soja brasileira

Principais conclusões:

  • Os financiamentos fornecidos aos setores de carne bovina e soja no Brasil totalizaram US $ 100 bilhões de 2013 a abril de 2020 . De acordo com a base de dados do Forests & Finance, foram fornecidos a estes setores US $ 82 bilhões em empréstimos e US $ 13 bilhões em underwritings, bem como US $ 5 bilhões em ações e US $ 1 bilhão em títulos.
  • 74 por cento do financiamento total identificado originou-se de instituições financeiras brasileiras. Eles forneceram US $ 66,2 bilhões em empréstimos e US $ 5,4 bilhões em subscrição. Eles também detêm US $ 3,0 bilhões em ações e US $ 3,0 milhões em obrigações. O Banco do Brasil foi de longe o maior financiamento (US $ 42,4 bilhões).
  • As instituições financeiras estrangeiras contribuíram com US $ 14,5 bilhões para o setor de carne bovina e US $ 11,2 bilhões para a indústria da soja. Santander, Rabobank, HSBC e JPMorgan Chase estão entre os 25 maiores financiadores.
  • Esses quatro bancos têm políticas de desmatamento enquanto financiam empresas de soja e carne que têm sido repetidamente associadas ao desmatamento em suas cadeias de abastecimento. Sua principal exposição é para os três grandes frigoríficos do Brasil, JBS, Marfrig e Minerva, junto com o trader de soja Cargill.
  • O elemento-chave na cadeia de financiamento é o Sistema Nacional de Crédito Rural do Brasil. Gerenciado pelo Banco Central do Brasil, o sistema canalizou empréstimos para setores agrícolas, principalmente carne bovina e soja, constituindo 91 por cento de todos os empréstimos identificados nesta pesquisa. Devido a exigências legais, cerca de dois terços do financiamento vêm de depósitos em bancos brasileiros, enquanto as taxas de juros de aproximadamente 75% do crédito são subsidiadas.
  • Os investidores europeus têm influência para se engajar no desmatamento. Uma vez que o Sistema de Crédito Rural não oferece um mecanismo eficaz para promover a agricultura sustentável, uma maior atenção da UE e do BCE sobre o risco de desmatamento pode fazer com que os financiadores europeus fiquem mais alertas sobre a reputação e o risco de investimento.

Setores de carne bovina e soja são os dois principais motores do desmatamento no Brasil

Nos últimos anos, a pecuária no bioma Amazônia e o cultivo da soja em direção ao Cerrado têm sido os principais motores do desmatamento no Brasil.Como mostrou o relatório da Chain Reaction Research de agosto de 2020 sobre a cadeia de abastecimento da carne bovina brasileira, a expansão do setor (Figura 1) é impulsionada pelo aumento da demanda nos mercados de exportação em meio a mudanças políticas, legislativas e de fiscalização favoráveis. A pecuária é responsável pelo desmatamento em grande escala, estimado em 80% do desmatamento em todos os países com cobertura florestal amazônica. Outra motivação para a criação de gado é a conversão da terra subjacente, que pode ser usada para diferentes commodities. A pecuária é uma operação de baixo custo que impede que as florestas voltem a crescer.

O forte aumento na área de cultivo de soja (Figura 2) é impulsionado por seu papel como uma importante fonte de proteína de alta qualidade e facilmente digerível para a pecuária, bem como uma fonte de óleo vegetal. O farelo de soja representou cerca de 70 por cento da produção mundial de farelo de sementes oleaginosas para a indústria pecuária em 2019/20.

Dados anuais do INPE mostram que após oito anos de queda, a taxa de desmatamento na Amazônia Legal voltou a aumentar em 2013, e atingiu 11,1 mil km 2 por ano em 2020, a maior taxa anual desde 2008. No Bioma Cerrado, estimativa de desmatamento para 2019 foi de 6,5 mil km 2 .

Figura 1: Tamanho do rebanho bovino Brasil

Fonte: USDA

Figura 2: Área de cultivo de soja no Brasil

Fonte: USDA

Os setores de carne bovina e soja do Brasil receberam US$ 100 bilhões em financiamento

Em uma base regional, as instituições financeiras sul-americanas fornecem 74% do financiamento total desde 2013 que foi identificado por Forests & Finance. UE27 e América do Norte seguem com 11 por cento e 6 por cento, respectivamente. Embora o tipo de financiamento da UE27 esteja concentrado em empréstimos (81%), os bancos e investidores norte-americanos estão igualmente ativos em todas as formas categorizadas neste relatório. Financiadores do Leste Asiático e outros países europeus forneceram fundos relativamente pequenos, mas ainda consideráveis, enquanto o Leste Asiático estava mais focado no setor de soja e a Europa (ex-UE27) mais focada em carne bovina.

Figura : Financiamento total identificado por região de origem (em milhões de dólares)

Fonte: forestandfinance.org, a região “Europe Other” consiste principalmente no Reino Unido, Noruega e Suíça

Empréstimos como o tipo dominante de financiamento

Os empréstimos representaram 81 por cento do financiamento total identificado por Florestas e Finanças. A Forests & Finance identificou US $ 81,6 bilhões em empréstimos, que se destacou como a fonte de financiamento mais importante para os dois setores. Underwritings de US $ 13,2 bilhões foram a segunda maior fonte de financiamento. No entanto, envolveram mais investimentos estrangeiros devido à natureza mais internacional das emissões de ações e obrigações. As participações em ações e títulos eram relativamente pequenas.

Figura 4 : Financiamento total identificado por tipo (em milhões de dólares)

Fonte: forestandfinance.org, Empréstimos e subscrição constituem o tipo de fluxo de financiamento, enquanto as participações em ações e títulos são categorizadas como participações. 95% do financiamento é na forma de fluxos, o que representa todos os empréstimos e underwriting identificados entre 2013 e abril de 2020 em uma base cumulativa. O tipo de financiamento de holding reflete os registros mais recentes disponíveis em abril de 2020.

Figura 5 : Mapa de empréstimos e subscrição fornecidos aos setores brasileiros de carne bovina e soja pelos bancos

Fonte: forestandfinance.org, NRCS: National Rural Credit System, em USD

Figura 6 : Mapa de participação e títulos nos setores brasileiros de carne bovina e soja por investidores

Fonte: forestandfinance.org, em USD

Banco do Brasil é o maior financiador da carne bovina e soja brasileira

Os bancos brasileiros forneceram a maior parte do financiamento total para os setores de carne bovina e soja, respondendo por 81% do total. Doze dos 25 maiores financiadores listados na Figura 7 são bancos brasileiros. O Banco do Brasil, controlado pelo governo (59% de propriedade de órgãos federais do Brasil), está no topo da lista por uma margem muito ampla. O Banco do Brasil destinou US $ 42,4 bilhões aos setores de carne bovina e soja entre 2013 e abril de 2020 (42,3% do total), principalmente na forma de empréstimos, mas também por meio de subscrição, títulos e participações acionárias.

No total, os 25 maiores financiadores responderam por 90% do financiamento identificado fornecido aos dois setores, sendo US $ 60,5 bilhões para carne bovina e US $ 29,5 bilhões para soja. As instituições financeiras de fora do Brasil com exposição considerável são o Santander da Espanha com US $ 5,1 bilhões, o Rabobank da Holanda com US $ 3,0 bilhões, o HSBC do Reino Unido com US $ 2,5 bilhões e o JPMorgan Chase dos Estados Unidos com US $ 0,9 bilhão.

Figura 7 : 25 principais financiadores (em milhões de dólares)

Fonte: forestandfinance.org, visto em outubro de 2020, * John Deere Bank é o braço de financiamento de leasing da empresa de equipamentos agrícolas

Instituições estrangeiras com compromissos ambientais

Todas as instituições financeiras estrangeiras identificadas com exposição significativa têm relações de financiamento com pelo menos uma das empresas na Figura 8, que é uma seleção de empresas com ligações ao desmatamento mencionadas anteriormente por Chain Reaction Research ( JBS , Marfrig , Minerva , Cargill , Bunge ). Mesmo assim, as instituições financeiras mantiveram-se ativas no relacionamento com essas empresas, com base nos dados de financiamento mais recentes.

Figura 8 : Exposição de instituições estrangeiras selecionadas a empresas de risco florestal (em milhões de dólares)

Fonte: forestandfinance.org, (L): Empréstimos, (U): Underwriting, (S): Participação, * Sistema Nacional de Crédito Rural, o valor em dólares das exposições mostrado na tabela foi ajustado para apresentar as proporções relativas à carne bovina e soja Atividades. Os valores originais são maiores para toda a empresa.

A lista a seguir mostra as políticas ambientais das instituições financeiras listadas na Figura 8 e nas Avaliações de Políticas do Banco de Florestas e Finanças (consulte o Apêndice 1):

  • Santander: “ Desmatamento líquido zero até 2020” – Soft Commodities Compact
  • Rabobank: “ Desmatamento líquido zero até 2020” (ver fonte ) – Soft Commodities Compact
    • A política do banco foi avaliada como “Política forte do setor de risco florestal ” e obteve uma pontuação de 39 de 50 na Avaliação de Políticas do Banco de Florestas e Finanças.
  • HSBC: De acordo com o documento de Política de Commodities Agrícolas do banco nos setores de Soja, Pecuária e Rubberwood, “o HSBC não fornecerá conscientemente serviços financeiros a clientes de alto risco envolvidos diretamente ou com fornecedores envolvidos em desmatamento, ou seja: a conversão de áreas (geralmente florestas) necessárias para proteger HCVs; a conversão de florestas tropicais primárias; ou apuramento por queima. ”
    • A política do banco foi avaliada como “ Boa política do setor de risco florestal com algumas lacunas ” e obteve uma pontuação de 30 de 50 na Avaliação de Políticas do Banco de Florestas e Finanças.
  • JP Morgan Chase: “ Desmatamento líquido zero até 2020” (ver fonte ) – Soft Commodities Compact
    • A política do banco foi avaliada como “ Política do setor de risco florestal justa com lacunas ” e obteve 28 de 50 na Avaliação de Políticas do Banco de Florestas e Finanças.
  • Bank of America: De acordo com o documento da Estrutura de Política de Risco Social e Ambiental do banco sob lista proibida, “o Bank of America não se envolverá conscientemente em atividades ilegais, incluindo extração ilegal de madeira ou fogo não controlado – incluindo transações em que um cliente se envolva em extração ilegal de madeira uso do fogo para limpar terras florestais. ”

Esse grupo de financiadores, dominado por instituições financeiras europeias, fornece 14% do financiamento total para empresas brasileiras de soja e carne bovina. Eles podem enfrentar risco de reputação devido às suas políticas de desmatamento e mudanças na regulamentação (europeia) sobre o desmatamento e a devida diligência nas cadeias de abastecimento.

Fornecer financiamento para setores de risco florestal, neste caso carne bovina e soja, especialmente para JBS, Marfrig, Minerva e Cargill e Bunge, (uma seleção de empresas vinculadas ao desmatamento mencionadas pelo CRR) pode expor os bancos a riscos financeiros e de reputação por meio desmatamento. Em particular, os financiadores da Europa podem enfrentar risco de reputação devido ao foco crescente em cadeias de abastecimento sem desmatamento pelas regulamentações europeias .

Empréstimos são a maior fonte de financiamento, tendo o sistema de crédito rural como principal canal

Noventa e um por cento dos empréstimos foram concedidos por meio do Sistema Nacional de Crédito Rural, onde o destinatário final e o prazo de vencimento dos recursos não são divulgadosA lista dos 25 maiores provedores de empréstimo (ver Figura 9) cobre 95 por cento de todos os empréstimos originados entre 2013 e abril de 2020. Enquanto os bancos brasileiros ocupam a maior parte da lista com o Banco do Brasil na liderança, a maioria desses empréstimos locais são facilitada através de um sistema de financiamento chamado sistema Nacional de crédito Rural (sistema Nacional de crédito Rural) As informações do Banco Central do Brasil, que também administra o sistema de crédito, sugerem que o financiamento do programa se baseia principalmente em regras. Por exemplo, inclui exigências de reserva legal para depósitos à vista e de poupança rural em bancos brasileiros. Além disso, as taxas de juros para a maior parte do crédito que o sistema oferece são subsidiadas. Informações mais detalhadas sobre como os dados são incorporados ao banco de dados Florestas e Finanças estão incluídas no Quadro 1 abaixo.

Figura 9 : 25 principais provedores de empréstimos (em milhões de dólares)

Fonte: forestandfinance.org 

Sistema Nacional de Crédito Rural do Brasil

A análise do Sistema Nacional de Crédito Rural com base nos dados do Banco Central do Brasil revela que a maior parte do crédito rural concedido tem como destino os setores de carne bovina e soja. Embora o total de empréstimos em aberto concedidos por meio do programa tenha crescido de R $ 272 bilhões (US $ 82 bilhões) em maio de 2017 para R $ 320 bilhões (US $ 59 bilhões) em maio de 2020, o valor em US $ diminuiu devido a uma forte desvalorização da moeda local. O valor total do empréstimo pendente no programa correspondeu, em média, a 9,5% dos empréstimos em todo o sistema bancário brasileiro nos últimos quatro anos. O nível de originação anual de crédito implica cerca de 20 meses de maturidade média dos créditos do sistema.

Figura 10 : Sistema Nacional de Crédito Rural no Brasil (em bilhões de dólares)

Fonte: Banco Central do Brasil

Figura 11 : Sistema Nacional de Crédito Rural por tipo de beneficiário e subsídio

Fonte: Banco Central do Brasil

Em média, 75% dos empréstimos concedidos pelo Sistema Nacional de Crédito Rural entre junho de 2017 e junho de 2020 foram subsidiados com taxas de juros inferiores às do mercado. Embora as pequenas propriedades familiares recebam taxas de juros mais baixas com mais subsídios (ver Figura 11), elas receberam apenas cerca de 13% do total de empréstimos. As taxas de juros anuais subsidiadas foram 30% mais baixas em comparação com as taxas definidas livremente (não subsidiadas) para as propriedades não familiares e 55% mais baixas para as propriedades familiares. 

Figura 12 : Taxas médias anuais de juros do Sistema Nacional de Crédito Rural no Brasil

Fonte: Banco Central do Brasil

O efeito do Sistema Nacional de Crédito Rural no desmatamento

A pesquisa de impacto do Sistema Nacional de Crédito Rural aponta para uma mudança na política de crédito do sistema em 2008. A aprovação do crédito rural subsidiado na Amazônia está condicionada à comprovação do cumprimento da regulamentação ambiental. Principalmente por meio de uma redução nos volumes de crédito (principalmente em municípios onde a pecuária é a principal atividade econômica), o desmatamento no bioma Amazônia entre 2009 e 2011 foi 60% menor do que teria sido sem restrições de crédito.

Em sua nota de política para 2020 , o Banco Mundial afirmou que um pequeno número de grandes fazendas recebe a maior parte do financiamento rural, enquanto 85% de todos os fazendeiros no Brasil não têm acesso ao crédito. Além disso, a maior parte do crédito rural é para financiamento do tipo capital de giro de curto prazo, com financiamento de investimento de prazo mais longo limitado. Assim, a probabilidade de o crédito rural afetar positivamente os investimentos em agricultura sustentável é considerada baixa.

Figura 13 : Empréstimos por região (em milhões de dólares)

Figura 14 : Empréstimos * (milhões de dólares)

Fonte: forestandfinance.org. * A diferença nos fluxos de empréstimos entre os diferentes números do relatório decorre dos ajustes do setor em dados de Florestas e Finanças (ver anexo 1), bem como da exclusão de alguns dos financiadores do Sistema Nacional de Crédito Rural (ver caixa 1)

Subscrição

A subscrição cumulativa de emissões de ações e títulos entre 2013 e abril de 2020 totaliza US $ 13,2 bilhões. Desse total, 77% são destinados às emissões de títulos dos três grandes frigoríficos – JBS, Marfrig e Minerva. Uma vez que quase todas essas emissões de títulos foram denominadas em dólares americanos, as instituições financeiras internacionais tiveram uma participação elevada, subscrevendo 60 por cento do tamanho total dos negócios, significativamente maior em comparação com sua contribuição em empréstimos.

Figura 15 : 25 maiores subscritores (em milhões de dólares)

Fonte: forestandfinance.org

Desenvolvimento histórico

O total de subscrição identificado caiu para US $ 334 milhões em 2015, principalmente por causa da seca. Isso foi seguido por um ano de expansão, com negócios atingindo US $ 3,2 bilhões.

Figura 16 : Subscrição Regional (em milhões de dólares)

Fonte: forestandfinance.org

Participação

Os dados de participação são mais diversificados devido ao envolvimento de fundos de ações globais, especificamente na forma de ETFs. Quando a participação de 21,3 por cento do BNDES (Banco de Desenvolvimento do Brasil) (no valor de US $ 2,1 bilhões, ajustado para a participação das operações de carne bovina da JBS) na JBS é excluída como uma exceção, os investidores norte-americanos têm o maior percentual de 49 por cento contra 33 por cento para América do Sul. O BNDES desinvestiu da Marfrig no final do 1T2020, vendendo sua participação de 30% na empresa (no valor de cerca de US $ 500 milhões). O BNDES afirmou que pretende desinvestir também da JBS, mas a venda ainda não se concretizou.

Figura 17: Participação regional (em milhões de dólares)

Fonte: forestandfinance.org, ajustado pela participação do BNDES na JBS

Figura 18 : 25 principais acionistas (em milhões de dólares)

Fonte: forestandfinance.org

Bondholding

Bondholding é a menor área de financiamento identificado recebido pelos setores de carne bovina e soja no Brasil, com apenas US $ 663 milhões, totalizando apenas 0,7 por cento do financiamento total identificado. Os investidores locais da região da América do Sul praticamente não têm participações nos títulos, enquanto a América do Norte (58%) e a UE27 (29%) têm a maior exposição.

Figura 19 : Obrigações regionais (em milhões de dólares)

Fonte: forestandfinance.org

Figura 20 : 25 principais detentores de títulos (em milhões de dólares)

Fonte: forestandfinance.org

Financiadores europeus em posição de se envolver com soja e carne bovina

Ao financiar 12% do financiamento total da carne bovina e soja no Brasil, os investidores e bancos europeus têm o potencial de contribuir para a redução do desmatamento nas cadeias de abastecimento da carne bovina e da soja. Quando o JPMorgan Chase e o Bank of America estão incluídos, 14% do financiamento é feito por meio de instituições financeiras com políticas de desmatamento.

Grande parte do financiamento dos setores brasileiros de soja e carne bovina flui por meio de crédito rural de bancos brasileiros, que atualmente têm impacto mínimo na agricultura sustentável. No entanto, os financiadores europeus enfrentam risco de reputação devido ao desenvolvimento de regulamentos da UE sobre o desmatamento nas cadeias de abastecimento. Além disso, o Banco Central Europeu (BCE) dá um peso cada vez maior aos riscos de mudança climática, desmatamento e biodiversidade. Todos os financiadores enfrentam riscos de investimento, pois as empresas que financiam podem ser confrontadas com um acúmulo de risco de acesso ao mercado, risco de regulamentação e risco de financiamento. As participações no capital também podem perder valor devido ao risco de reputação.

Como os bancos e investidores europeus também são financiados por seus próprios investidores, essas instituições financeiras também estão em posição de evitar a repetição das perdas causadas pelo financiamento da indústria de combustíveis fósseis, que também está ligada às mudanças climáticas.

Apêndice 1: Florestas e finanças

Objetivo, escopo, metodologia e parceiros da Forests & Finance, resumidos no site:

Forestsandfinance.org visa destacar o papel que as finanças desempenham na viabilização do desmatamento tropical. É o resultado de extensas pesquisas e investigações por uma coalizão de organizações de campanha e pesquisa, incluindo Rainforest Action Network, TuK INDONESIA, Profundo, Amazon Watch, Repórter Brasil e BankTrack. O banco de dados Forests & Finance avalia os serviços financeiros recebidos por mais de 300 empresas e mais de 16.000 empresas de risco florestal de pequena escala que receberam financiamento que estão diretamente envolvidas na carne bovina, óleo de palma, celulose e papel, borracha, soja e madeira tropical (“ setor de risco florestal ”) cadeias de suprimento e cujas operações impactam as florestas tropicais naturais no Sudeste Asiático, Brasil, bem como na África Central e Ocidental. Nem todas as empresas selecionadas para o banco de dados estão envolvidas em operações prejudiciais. Contudo, todos estão envolvidos em operações de grande escala em regiões de florestas tropicais que apresentam alto risco de causar desmatamento e impactos sociais associados. As instituições financeiras que fazem negócios com essas empresas estão, portanto, altamente expostas aos riscos de desmatamento.

Os bancos de dados financeiros Refinitiv (anteriormente conhecido como Thomson EIKON), Bloomberg IJGlobal, TradeFinanceAnalytics, arquivos de registro de empresas, bem como relatórios de empresas disponíveis publicamente, foram usados ​​para identificar empréstimos corporativos, crédito e facilidades de subscrição fornecidas às empresas selecionadas no período 2013-2020 (Abril). Os investimentos em títulos e ações das empresas selecionadas foram identificados por meio da Refinitiv e da Bloomberg na data de depósito mais recente disponível em abril de 2020. Essas bases de dados financeiras fornecem acesso a dados de mercado em tempo real, notícias, dados fundamentais, análises, ferramentas de negociação e mensagens. O portal Transparência do BNDES e o portal do Banco Central do Brasil foram usados ​​para identificar fluxos financeiros adicionais para empresas de risco florestal no Brasil. Esta pesquisa fornece um conjunto de dados de nível de negócio de relacionamentos específicos entre empresas selecionadas e qualquer instituição financeira vinculada. Das mais de 300 empresas pesquisadas, apenas 230 empresas tinham financiamentos identificáveis ​​onde o financiador, o valor do financiamento e a data de início eram conhecidos dentro do período de estudo.

As empresas com atividades comerciais fora do setor de risco florestal registraram valores reduzidos para apresentar com mais precisão a proporção do financiamento que pode ser razoavelmente atribuída às operações do setor de risco florestal da empresa selecionada. Quando as informações financeiras disponíveis não especificavam a finalidade do investimento ou da divisão de recebimento dentro do grupo da empresa-mãe, os fatores de redução foram calculados individualmente pela comparação das atividades do setor de risco florestal de uma empresa em relação às atividades totais do grupo-mãe. Ajustadores adicionais foram calculados para empresas que operam em várias geografias dentro do escopo desta pesquisa.

Os bancos comerciais identificados neste estudo foram avaliados para determinar a força de quaisquer políticas publicamente disponíveis relevantes para a tomada de decisão de investimento no setor de risco de floresta tropical e, subsequentemente, pontuados de acordo com uma série de critérios que incorporam padrões ambientais, sociais e de governança. Cada um dos principais bancos recebeu uma pontuação sobre o escopo de suas políticas e seus padrões ambientais e sociais. A Metodologia de Avaliação de Políticas do Forests & Finance Bank é baseada no Fair Finance Guide (FFG) com foco no setor de risco florestal.

Os dados e avaliações apresentados neste site não foram fornecidos ou autorizados por nenhuma das instituições financeiras ou clientes em causa. Embora todas as tentativas tenham sido feitas para pesquisar e apresentar dados e avaliações de forma precisa e objetiva, é difícil garantir a precisão total. Isso se deve principalmente à falta de consistência e transparência na maneira como as instituições financeiras e clientes do setor de risco florestal registram as principais informações financeiras e empresariais. Onde houve ambigüidade nas informações de origem dos serviços financeiros, os autores deste site agiram com cautela, resultando em uma provável subestimação dos verdadeiros montantes de financiamento envolvidos. Os autores estão empenhados em corrigir quaisquer erros identificados na primeira oportunidade.

Visite o site para mais informações e para usar o banco de dados.

Apêndice 2: Principais destinatários de financiamento identificados por Florestas e Finanças

Figura 21 : 25 maiores destinatários de financiamento (em milhões de dólares)

Fonte: forestandfinance.org

fecho
Esta reportagem foi inicialmente escrita em inglês e publicada pela Chain Reaction Research [Aqui! ] .

Agrotóxico neonicotinóide Tiametoxam é banido do cultivo de beterraba no Reino Unido por exterminar abelhas

O governo inglês reverteu a proibição de um neonicotinóide no início deste ano – mas diz que o uso produto químico não era mais necessário

AbelhasO Wildlife Trusts ameaçou levar o governo a tribunal, a menos que pudesse provar que agiu legalmente. Fotografia: Odd Andersen / AP

Por Mattha Busby para o The Guardian

Um agrotóxico que reduz as populações de abelhas e que deveria ser usado nos campos de beterraba da Inglaterra este ano não será usado depois que o frio recente matou pulgões transmissores de vírus.

O governo quebrou uma promessa explícita no início deste ano, ao reverter a proibição de um produto contendo o neonicotinóide Tiametoxam, sancionando seu uso emergencial ao ar livre este ano por causa da ameaça representada por um vírus após a pressão da National Farmers ‘Union e da British Sugar.

A decisão gerou protestos e ameaças de uma ação legal contra o governo. Mas o secretário de meio ambiente disse agora que o limite para seu uso não foi atingido depois que a modelagem indicou que apenas 8% da safra de beterraba estava provavelmente infectada com o vírus da doença dos amarelos este ano.

Embora haja uma consciência crescente do papel prejudicial desempenhado pelo açúcar refinado no desenvolvimento de problemas de saúde de longo prazo, a indústria local no Reino Unido continua altamente lucrativa. Mas há uma preocupação crescente com o efeito de agrotóxicos nocivos sobre os polinizadores em um momento de grave declínio dos insetos e dos ecossistemas locais, especialmente porque os produtos químicos podem correr para os rios, em meio à falta de salvaguardas sobre seu uso.

O Dr. Doug Parr, cientista-chefe do Greenpeace no Reino Unido, disse que as evidências do risco que os neonicotinoides representam para os polinizadores continuam a aumentar e que este deve ser o “último caso do governo com esses produtos químicos que matam as abelhas”.

“A agricultura depende completamente do apoio de ecossistemas que os agrotóxicos estão erodindo, e manter nossa capacidade de nos alimentarmos exige que o governo estabeleça uma meta nacional ambiciosa de redução de pesticidas e apoie os agricultores na mudança para alternativas sustentáveis”, acrescentou.

Wildlife Trusts disse que pressionaria por uma revisão judicial, a menos que o governo pudesse “provar que agiu legalmente” sobre a reviravolta na proibição em janeiro. Na terça-feira, congratulou- o anúncio, mas alertou que “a ameaça dos neonicotinóides não desapareceu”.

O secretário do Meio Ambiente (Defra), George Eustice, disse: “A autorização de emergência necessária para um neonicotinóide nos cultivos de beterraba é um grande exemplo da abordagem de precaução em ação.

“A autorização foi concedida com condições estritas, incluindo apenas permitir a aplicação se as condições meteorológicas durante o inverno levaram a um problema com pulgões. No caso, esse limite de praga não foi ultrapassado, então este tratamento de sementes não será usado este ano. ”

O Defra disse que impôs condições estritas à autorização, o que significa que o pesticida só poderia ser usado se a modelagem previsse que o nível de infecção do vírus chegaria a 9% em toda a safra nacional.

Victoria Prentis, ministra do Defra, disse à BBC em janeiro que o uso do Tiametoxam “não era o ideal”, mas ela estava “convencida de que era apropriado”.

O presidente do conselho do açúcar da NFU, Michael Sly, disse: “Os produtores se comprometeram a tratar sementes de beterraba açucareira com neonicotinóides este ano se o risco para a safra for significativo”.

Formalmente, os membros da UE em 2018 baniram a maioria dos neonicotinóides para uso em plantações ao ar livre, para proteger as abelhas, mas 10 países permitiram o uso de emergência.

Quando o Reino Unido prometeu apoiar a proibição da UE de todos os usos externos de Tiametoxam, Michael Gove, então secretário do meio ambiente, disse: “O peso da evidência agora mostra os riscos que os neonicotinoides representam para o nosso meio ambiente, especialmente para as abelhas e outros polinizadores que ocupam um papel tão importante em nossa indústria de alimentos de £ 100 bilhões é maior do que se imaginava … Não podemos nos dar ao luxo de colocar em risco nossas populações de polinizadores. ”

Um pedido de emergência semelhante para a Inglaterra em 2018 foi recusado depois que conselheiros que monitoram o uso de agrotóxicos disseram que “causaria efeitos inaceitáveis ​​para as abelhas nas plantações e nas margens dos campos”.

Acrescentou que prejudicaria “pássaros e mamíferos que comem mudas de sementes tratadas e pássaros que consomem sementes peletizadas” e corre o risco de “impactar adversamente as populações de insetos aquáticos”.

Estudos mostram que os neonicotinóides prejudicam os polinizadores e a vida aquática e podem contribuir para o declínio sério da biodiversidade . A pesquisa também sugere que eles enfraquecem o sistema imunológico das abelhas, prejudicam o desenvolvimento do cérebro das abelhas bebês e podem deixá-las incapazes de voar. Outro estudo encontrou amostras de mel contaminadas por neonicotinóides.

Um artigo publicado recentemente na Scientific Reports descobriu “importantes efeitos subletais da exposição realista em campo a um neonicotinóide aplicado no solo sobre o comportamento das abelhas e o sucesso reprodutivo”.

fecho

Este artigo foi escrito originalmente em inglês e publicado pelo ” The Guardian”” [Aqui! ] .

Dossiê liga Banco Mundial a violações ambientais na Amazônia

Empresa de logística que recebeu investimento e selo de qualidade do banco prejudica comunidades ao longo de rota internacional da soja que corta a floresta, diz relatório. Desmatamento e poluição estão entre impactos.

sojaNa nova rota da soja, grão sai de Mato Grosso, maior produtor nacional, e corta a Floresta Amazônica pela BR-163

Ao longo da rota internacional da soja que corta a Floresta Amazônica para levá-la a mercados como China e União Europeia, uma série de violações ambientais tem prejudicado a vida de comunidades, populações indígenas e a maior floresta tropical do mundo.

Os abusos envolvem empresas e instituições conhecidas por pregarem padrões de sustentabilidade nos negócios, denuncia o dossiê Enquanto a soja passa: impactos da empresa Hidrovias do Brasil em Itaituba, organizado pelo Instituto de Estudos Socioeconômicos (Inesc), com base em documentos e relatos de lideranças locais.

Segundo a investigação, a Hidrovias do Brasil, empresa de logística instalada no distrito de Miritituba, no município de Itaituba, no Pará, descumpre medidas que deveriam ser adotadas para aliviar os impactos negativos de sua atuação na Amazônia.

A contradição, aponta o dossiê, é que a companhia tem entre seus acionistas a International Finance Corporation (IFC), braço de investimentos do Banco Mundial que, como condição para bancar parte do empreendimento, estipulou que fossem cumpridos os chamados Padrões de Desempenho sobre Sustentabilidade Socioambiental (PDs).

“O que é importante aqui é que o Banco Mundial e a IFC dão como se fosse um selo de qualidade socioambiental porque, a principio, eles têm políticas socioambientais muito fortes. O que a gente tentou provar no dossiê é que essas políticas não estão sendo implementadas”, afirma Livi Gerbase, assessora política do Inesc, sobre a operação da Hidrovias do Brasil.

Segundo o documento, a empresa se utiliza desse selo tentando mostrar que emprega boas práticas socioambientais. “Mas, quando a gente analisa, na realidade isso é mais um discurso do que de fato a empresa cumprindo a sua responsabilidade”, pontua Gerbase.

Nova rota e violações

É pelo rio Tapajós, que percorre mais de 800 quilômetros entre Mato Grosso e Pará até desaguar no rio Amazonas, que as barcaças de soja seguem até o Atlântico. O grão vem de Mato Grosso, maior produtor nacional, e corta a Floresta Amazônica pela BR-163, estrada que recebeu recentemente asfaltamento completo.

Nos últimos dez anos, essa rota, chamada de Arco Norte, tem virado opção por se acreditar que é mais barato passar por dentro da Floresta Amazônica para exportar soja e milho – o que, até então, ocorria apenas passando pelo Sudeste.

Consequentemente, empresas da cadeia global de commodities e de logística, como a Hidrovias do Brasil, se instalaram pelo trajeto. Desde 2013, pelo menos dez portos industriais foram construídos, por exemplo, ao redor de Itaituba. Outros 40 estão planejados, quase todos ligados ao agronegócio.

Rota da soja

Segundo o relatório, a principal violação cometida pela companhia analisada é relacionada a populações indígenas. “O selo do Banco Mundial para esse tema é muito forte. A política de salvaguarda do banco diz que, se forem identificados povos indígenas ou comunidades tradicionais perto do investimento, existe uma série de protocolos que devem ser seguidos, principalmente a consulta prévia, livre e informada desses povos”, diz o Inesc.

O problema, detalha Gerbase, é que a Hidrovias teria informado ao banco que não existem povos indígenas na região. Logo, os protocolos que o Banco Mundial deveria impor não foram cumpridos. “E existem aldeias indígenas coladas nos portos”, ressalta a assessora.

Indígenas munduruku, a principal etnia da região, relatam que não foram convocados para participar das audiências públicas sobre o investimento. “Nem a sociedade daqui de Itaituba foi convocada para essa audiência. Eles convocaram só um grupo de empresários que tinham um interesse grande com a implantação dos portos, e as comunidades daqui não foram chamadas”, afirmam lideranças indígenas. 

Duas ações civis públicas chegaram a ser protocoladas pelo Ministério Público Federal, mas até hoje não há uma sentença. Elas pediam anulação das licenças ambientais dadas pela secretaria estadual e realização de novas audiências.

“É quase escrachada a violação de um padrão de desempenho do Banco Mundial que eles simplesmente não cumprem e disseram que não vão cumprir porque não existem povos indígenas na região”, afirma Gerbase.

Impactos da nova rota

Impactos da rota da soja são sentidos por comunidades da região. Desmatamento, poluição do solo e de rios por agrotóxicos, reassentamento involuntário de populações e desmantelamento da agricultura familiar são apontados como os mais graves.

Em pouco tempo, Miritituba se transformou num complexo portuário. O distrito, que tinha uma população de 3.383 habitantes no censo de 2010, atualmente conta com cerca de 15 mil em parte devido à urbanização não planejada.

Pelo vilarejo, chegam a transitar 1.500 caminhões por dia durante a safra de soja, com aumento expressivo de atropelamentos e até mortes. “Isso gera também aumento dos casos de violência na região, pois aumenta muito a população sem expansão de infraestrutura. Nós deixamos isso bem claro no dossiê”, diz Gerbase.

A produção pesqueira dos moradores no Tapajós também caiu. Segundo as comunidades, cordões de isolamento impedem os pescadores de chegarem perto do rio. Além das barcaças, que se aglomeram e tiraram o espaço onde eles pescavam.

“Tem soja por toda a cidade. A chamada poeira de soja contém agrotóxicos, fica pela cidade, e o vento vai espalhando. É um dano tanto para a saúde das pessoas quanto para flora e fauna”, destaca o documento.

O que dizem a Hidrovias e a IFC

Consultada pela DW Brasil, a Hidrovias do Brasil repudiou o conteúdo do dossiê. Por meio de nota, a companhia afirmou que o documento responsabiliza “exclusivamente a empresa pelos impactos sinérgicos, cumulativos e históricos na região”.

A Hidrovias diz ainda seguir as diretrizes dos Padrões de Desempenho da IFC. “É com base nessas diretrizes que a empresa esclarece que não há população indígena lindeira ou diretamente afetada pelo empreendimento da companhia”, afirma.

Sobre os munduruku, a empresa admite a existência da Terra Indígena às margens do rio Tapajós e afirma que há estudo em curso para “qualificar e quantificar os eventuais impactos da operação dos terminais”, mas não especificou quando será concluído.

Já a IFC declara que supervisionou o projeto de acordo com seu mandato e procedimento interno e apoiou a empresa na implementação de seus compromissos de acordo com os Padrões de Desempenho Social e Ambiental da IFC.

“Embora a IFC concorde, em geral, com muitas das preocupações sobre as questões socioeconômicas na região, o relatório do Inesc contém afirmações que não apresentam uma imagem precisa e completa dos esforços da IFC em sua diligência e supervisão”, afirma por meio de nota.

Para o Inesc, a IFC e Banco Mundial não deixam de ter responsabilidades. “Nós estamos mostrando para o banco que ele precisa retomar o monitoramento da empresa e garantir que essas políticas estão sendo aplicadas nos seus investimentos”, pontua.

Na análise de Gerbase, o dossiê aponta que essas políticas têm grande deficiência na sua execução. “E, no meio disso, pequenas comunidades estão sendo inseridas nessas cadeias globais de produção e escoamento de commodities e estão sofrendo nas mãos  desses investimentos”, conclui.

fecho

Este texto foi originalmente publicado pela Deutsche Welle |Aqui!  |

FGV EPPG promove debate on-line e gratuito sobre estratégias de desenvolvimento sustentável e econômico na Amazônia

Evento será nesta sexta-feira, 05, às 16h

Financiamento do desenvolvimento sustentável da Amazônia passa por mais  crédito - Agência CNI de Notícias

Brasília, março de 2021 – A Escola de Políticas Públicas e Governo da Fundação Getulio Vargas (FGV EPPG) realizará nesta sexta-feira, 05, às 16h, um webinar gratuito sobre estratégias de desenvolvimento sustentável e econômico na Amazônia. Os interessados em participar podem se inscrever aqui . Após a inscrição, receberão o link do evento por e-mail.

A finalidade do debate é discutir sobre os negócios de impacto socioambiental que cumprem importante função na estruturação de economias de baixo carbono e para a efetivação das metas de desenvolvimento sustentável. No contexto amazônico, formam parte elementar para a consolidação de uma economia da floresta em pé, livre de desmatamento e que utilize de maneira sustentável os produtos da sociobiodiversidade para a geração de renda e crescimento. No entanto, como qualquer organização econômica, a adaptação, evolução e reprodução destes empreendimentos na economia dependem de uma série de questões determinantes, do nível institucional ao nível local, que serão abordadas e aprofundadas nesta explanação.

As palestras serão realizadas por Pedro Frizo, do Instituto Conexões Sustentáveis (Conexsus), e Carlos Nobre, pesquisador sênior do Instituto de Estudos Avançados da USP, e terão a moderação do Lizandro Lui, professor da FGV EPPG, e Edson Kenji Kondo, diretor FGV EPPG.

No ensino superior, a grande disparidade dos cursos à distância durante a pandemia

  Para alguns alunos, as aulas online assumem a forma de arquivos PDF ou apresentações de slides, enquanto outros professores têm a opção de criar formatos interativos ou gravar suas aulas com equipamentos de qualidade

online

Por Alice Raybaud para o Le Monde

Cinco objetos não identificados acabaram de aparecer na Terra. Eles são enviados por vida extraterrestre? Qual propósito ? Nesse dia, é esse o cenário em que se imergem 25 alunos do segundo ano da licença de física da Universidade de Paris-Saclay. Cabe a eles entrar em contato com cada habitante do globo que encontrou um desses objetos imaginários e ajudá-los a decifrar a mensagem que ele carrega. Para isso, devem ser ensinados, remotamente, a construir um microscópio com um smartphone ou a medir a ressonância acústica com papel higiênico.

Devido à pandemia (esta muito real), o curso ocorre online e os “habitantes” e especialistas, encarnados pelos seus dois professores, são contactados por vídeo. A ficção então passa a criar “um alento em sua vida de aluno remoto” , explica o professor Julien Bobroff. “Um trabalho de grupo participativo algo excêntrico, que os tira da solidão, mas mantém as mesmas questões educacionais e científicas” , acrescenta o físico, que já experimentava, antes da crise, esse tipo de formato presencial.

Grande heterogeneidade

Interatividade, lúdico, criatividade … Todos os alunos estão longe de ter acesso a esse tipo de curso, desde a mudança para a educação a distância. Passado o espanto inicial do primeiro confinamento, a organização dos cursos online permaneceu muito díspare segundo as instituições, setores e professores – uma grande heterogeneidade que, graças à crise, evidencia as desigualdades estruturais da região.

Além disso, se alguns jovens que entrevistamos se congratulam por terem um bom suporte por meio de seus cursos online, outros dizem que estão se afogando em horas de monólogos frios afixados em apresentações de slides. Alguns alunos chegam a dizer que são “abandonados” pelos professores.

“Alguns professores nem dão aulas de vídeo e apenas nos enviam PDFs. Posso ter a mesma coisa pesquisando na Wikipedia ”, aponta um estudante de história de 20 anos em Lyon-III, que observa que a “ exclusão digital ” “ também ” afeta os professores.  Natcha, no terceiro ano de licenciatura em Ciências Políticas em Lyon-III só recebe áudios gravados em algumas disciplinas, e em outras apenas PDFs.

fecho

Este é um estrato de um artigo escrito originalmente em francês e publicado pelo jornal “Le Monde” [Aqui! ].

Precarização e desumanização do trabalho docente durante a pandemia, o caso da UENF

pandemia

 Ilustração por César Berje

Por Luciane Soares da Silva*

Neste texto vou adotar um olhar mais distanciado e trabalhar em uma escala que parte do governo federal e chega até a administração das Universidades, em especial a Universidade Estadual do Norte Fluminense (Uenf). Este método é possível ao observarmos discursos cotidianos sobre alinhamentos em diferentes esferas do poder quanto as suas formas de atuação. Devemos começar pelo óbvio: a constatação do custo de milhares de vidas pela incompetência do governo federal, pelo negacionismo científico e principalmente, pela perseguição aos cientistas. Seguem tentando interferir na autonomia das Universidades Federais, desqualificam o trabalho de institutos sérios, contingenciam verbas para pesquisas. O caso do Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais (Inpe) nos servirá como exemplo. O constrangimento de Ricardo Galvão, a frente do INPE, é parte das arbitrariedades constantes de um governo sem qualquer plano eficaz para o Brasil no combate ao desmatamento na Amazônia. Mas também sem qualquer eficácia nas ações de combate a pandemia de COVID 19. Se foram desenvolvidos respiradores na Paraíba e em São Paulo, se as Universidades, Fundações e Institutos trabalharam constantemente em pesquisas na tentativa de conhecer e desenvolver formas de combate ao Coronavírus, tudo isto foi feito na contramão das ações do governo federal.

Descendo na escala, chegamos em março de 2021 testemunhando governos estaduais e municipais pressionando professores e comunidade pela volta às aulas presenciais. Sabemos que as crianças podem transmitir o vírus para familiares e mesmo aos educadores com este retorno, mesmo que a escola tente assegurar as condições ideais de imunização, o risco é alto e os resultados já são públicos:

  • “Professora da rede estadual é a primeira vítima da COVID-19 na volta às aulas em São Paulo”
  • “Professores denunciam 209 casos de COVID-19 na volta às aulas. Doria fecha sete escolas”
  • “ Com nove professores do IFAM mortos pela COVID, docentes querem aula só após a vacina”
  • “ Após 12 dias internado, professor morre em decorrência da COVID-19”.
  • “Vocês vão mandar suas crianças de volta para as aulas?”
  • “No Amazonas 64 professores morreram de COVID-19 desde janeiro, diz Sinteam”.

No caso de São Paulo, o Sindicato dos Professores do Ensino Oficial do Estado de São Paulo (Apeoesp), responsabiliza a gestão de Doria e o secretário de Educação pela morte da professora Maria Tereza Miguel de 32 anos. Mesmo com denúncia de salas pouco ventiladas, álcool gel vencido e outras irregularidades, as aulas foram iniciadas. Observação importante: a presença dos alunos não é obrigatória. Mas a obrigatoriedade está posta para os professores.

Chegamos ao terceiro momento deste texto. Nas palavras do ex secretário municipal da educação de São Paulo, Alexandre Schneider, “é preciso haver diálogo entre os governantes e quem está no chão da escola”. Esta recomendação poderia ser útil para a definição dos calendários acadêmicos em cada instituição de ensino superior no país, observando singularidades e recursos. A maioria delas adotou o ensino remoto, com disciplinas e equipamentos. Mesmo existindo um consenso sobre as dificuldades de acesso, avaliação e questões pedagógicas específicas desta modalidade remota, também existem muitas críticas. Dentre elas, as condições de trabalho docente.

Temos visto docentes adoecendo pelo excesso de trabalho, pelas reuniões de planejamento, pelas pressões para seguir produzindo durante a pandemia. No caso da Uenf, vivemos um caso exemplar das formas de precarização e desumanização que atingem a Ciência e Educação no Rio de Janeiro. Depois de um ano experimental, docentes decidiram em seus colegiados, adotar medidas já em vigor nas demais Universidades. Avaliação por nota e frequência. O que poderia ser um tema de exercício de diálogo e fortalecimento dos laços internos, se transformou em uma arena de “cancelamentos” e insultos públicos. O resultado disto é uma exposição lamentável da Universidade nas redes sociais como se a tragédia envolvendo uma pandemia não fosse o suficiente.

Observamos em vários momento que o descumprimento dos ritos internos de autonomia dos colegiados (a não nomeação de reitores é só um exemplo), fere de morte a democracia interna das Universidades. O discurso populista que nega o que todos já sabem, torna-se uma forma perigosa de construção da realidade pois o voto perde qualquer efeito jurídico real. Nós já vimos isto na história. Nós sabemos como inicia. E sem dúvida a tragédia consiste nesta repetição meias verdades ad nauseam em redes sociais. É uma forma de rebaixamento de toda comunidade acadêmica. O placar só tem perdedores. O ideal de uma formação crítica e de excelência fica em um horizonte distante.

Um cotidiano exageradamente atribulado

 Docentes nas redes públicas e privadas de ensino tem vivido infortúnios simultâneos: a busca das condições para o domínio de uma modalidade de ensino para a qual não foram preparados, a perda de colegas e familiares, um cansaço constante que gera quadros de ansiedade e depressão e por fim, a total desumanização de seu ofício. No caso da Uenf, a animosidade exposta nas redes sociais como se estivéssemos em uma “vendeta”, explicita os resultados cognitivos acumulados após as jornadas de junho de 2013 e do golpe de 2016. Temos uma geração (ou uma boa parte dela) tomada pelo imediatismo, fascinada por uma forma de comunicação pelas redes e que abre mão das formas de construção participativa (as Assembleias). O mais grave é pensar neste processo de desumanização do docente como parte das formas de administração em voga nos governos Federais (intervenção e destruição da ciência), Estaduais (cortes de salários e ataque aos docentes, lembremos da Bahia) municipais (pressão pela volta presencial das aulas).

Mas que debate deveríamos fazer?

 Para aqueles que sonhavam com a Petrobras no Norte Fluminense ou mesmo com a carreira docente, o debate deveria ser outro. Defender o servidor público é, em minha avaliação como docente com uma década de trabalho na Uenf, a única saída realmente vitoriosa neste momento. Vejam aí os efeitos da propaganda em uma era pós verdade. O que realmente deveria importar é exatamente o que está sob ataque daqueles que são o foco da política pública de educação.

Estas formas de ataque, de insulto, feitas aos docentes seguem a lógica em vigência na era Bolsonaro. A da declaração de Paulo Guedes “o hospedeiro está morrendo, o cara virou um parasita”. Fomos chamados de algo parecido recentemente. Mas o que esperam nossos alunos em um futuro próximo?

Aprofundando esta análise, e concluindo, é o próprio ideal de Ciência que sai ferido de morte quando seus instrumentos são destruídos. Nós, no ensino Fundamental, Médio e Superior vivemos a sala de aula. Trabalhamos utilizando nossos recursos, recebemos alunos que precisam de cestas básicas, acesso a tratamentos diversos, atenção e acolhimento. Em que momento fomos demonizados e em que bases este processo de demonização se sustenta?

Em meio a tantas mortes diárias, projetos contínuos de privatização (como o da Eletrobras), volta do país ao mapa da fome, violência contínua contra as mulheres, desmatamento da Amazônia e morte de indígenas, as instituições de ensino poderiam ter como vitória a construção do Brasil que queremos. No caso da Uenf, fundada por Darcy Ribeiro, não é uma opção, é uma obrigação. Do contrário, o que vemos são apenas pequenas vitórias na derrota. Nós professores, já vimos tempos piores e melhores. E por isto, a despeito das tentativas de destruição da nossa categoria, seguimos fortes. E lutaremos pela manutenção de vidas, aguardando a derrota do projeto destes governos em todas as suas escalas. Todas.

Dedico este texto ao professor de Geografia Celso Roth, 40 anos, vítima da COVID-19, professor da Escola Municipal Camilo Alves, Esteio, Rio Grande do Sul. Assim como ele, professores que não possuíam comorbidades, pressionados ao retorno para sala de aula, vieram à óbito nestas semanas.

*Luciane Soares da Silva é é docente da Universidade Estadual do Norte Fluminense  (Uenf), onde atua como chefe do Laboratório de Estudo da Sociedade Civil e do Estado (Lesce), e também participa da diretoria da Associação de Docentes da Uenf (Aduenf).

Diretoria da ADUENF lança nota sobre assédio moral durante a pandemia

aduenf 1A considerar o aumento das horas trabalhadas pelos docentes durante a pandemia, o excesso de reuniões virtuais, o autofinanciamento dos docentes em relação ao uso de equipamentos e recursos, a degradação das relações pessoais, o comprometimento da saúde mental da comunidade acadêmica e a diminuição do número de pessoas para realização de tarefas cotidianas, a Associação de Docentes da Universidade Estadual do Norte Fluminense (ADUENF) emite nota sobre as condições de trabalho na instituição.

A implementação do ensino remoto tem suscitado questionamentos e angústias nos servidores públicos federais, estaduais e municipais com especial foco na categoria docente. Isto porque as formas de adaptação dos modelos foram em muitas instituições feitas de forma intempestiva com resultados diversos e que devem ser avaliados.

Desde o ano de 2020, os docentes na UENF dedicaram horas extras à construção de atividades possíveis ao conjunto dos alunos. Devemos saudar esta iniciativa e reafirmar a autonomia dos colegiados na regulação e implementação das atividades remotas. São nestas instâncias de deliberação que garantimos constitucionalmente a democracia interna das Universidades brasileiras.

As Universidades públicas gozam de autonomia, garantida pela Constituição Federal e frequentemente reafirmada pelo Supremo Tribunal Federal, de forma que foi normatizado o direito dos docentes realizarem a opção ou não pela participação nas atividades remotas. A opção, por sua vez, se encontra no campo da liberdade individual dos docentes e qualquer forma de coação implica no vício da vontade e pode configurar assédio moral. Sendo esta adesão FACULTATIVA, uma vez que o caráter de vigência deste modelo de ensino é TRANSITÓRIO, “os docentes não poderão ser compelidos a aderi-lo sob pena de violação das diretrizes constantes nas discussões colegiadas e ofensa à liberdade de cátedra do docente que atua com o amplo respaldo da instituição a que se vincula”.

É esperado que a instituição de ensino seja capaz de garantir a integridade de seus docentes atuando como fiscalizadora em casos de reconhecido assédio moral. O docente não pode ser afetado negativamente além dos efeitos da pandemia no exercício de suas funções como professor, pesquisador e extensionista.

Estas medidas de proteção da categoria são fundamentais na boa fé objetiva que deve vigorar nas relações de trabalho entre Administração e docentes. O descumprimento das mesmas, justificaria a adoção de medidas judiciais em prol dos docentes.

Sabemos que o assédio moral é tema consolidado e durante o trabalho remoto as denúncias têm crescido no Brasil. Isto porque a fronteira entre tempo de trabalho e tempo de descanso encontra-se suspensa, com professores trabalhando até 15 ou 18 horas por dia para seguir produzindo (as formas de produtivismo acadêmicas não estão suspensas), cumprir a carga horária da sala de aula e ainda das reuniões de caráter administrativo.

Arcando com os custos deste trabalho, muitos ainda enfrentam a violação de seus direitos de imagem e recebem (de forma nem sempre aceitável) mensagens fora de seu horário de trabalho. Estas relações, quando postas de forma assimétrica e dependendo de seu conteúdo, constituem formas adoecedoras e comprometem a qualidade de vida dos professores e professoras. No caso das professoras, ainda devemos observar as formas de divisão desigual do trabalho que acabam por produzir uma sobrecarga cotidiana.

Por último, devemos lembrar que ao arcar com estes custos o servidor público faz uma enorme economia para o Estado. A insalubridade não está assegurada para todos os servidores na UENF. Aqueles que não tiverem recursos para realização destas atividades, devem ter seu direito garantido. A necessidade do isolamento social também deve ser respeitada, não sendo o espaço físico da Universidade, uma solução aos custos do docente.

Qualquer conduta abusiva, intencional, frequente, que ocorra dentro ou fora do ambiente de trabalho, será considerada assédio.

Nossa Associação está atenta, comprometida com o acolhimento dos casos e prestando assessoria jurídica aos docentes que procurarem proteção de seus direitos para melhor exercício de suas funções.

DIRETORIA ADUENF-SESDUENF

Gestão Avançar na Luta!  2019/2021

Brasil é um dos cinco países em que os preços dos alimentos está causando preocupação

Um fornecimento seguro de nutrição acessível está emergindo novamente como um risco para governos e economias. Tiramos uma foto dos principais países

World food prices hit 18-month high | Dhaka Tribune

Por  Agnieszka de Sousa e  Jeremy Diamond para a Bloomberg

O mundo está correndo para vacinar para sair da pandemia do coronavírus, mas outro desafio já surgiu para alguns governos e economias mais vulneráveis.  Os preços globais dos alimentos estão nos mais altos em mais de seis anos , impulsionados por um salto no custo de tudo, da soja ao óleo de palma, devido à demanda da China, cadeias de abastecimento vulneráveis ​​e clima adverso.

Alguns bancos alertam que o mundo está caminhando para um “ superciclo” de commodities . A inflação está pressionando novamente os consumidores que sofrem com a recessão induzida pela pandemia e – em alguns lugares – com a queda das moedas.

Custos de Surgimento

A inflação de alimentos está afetando as nações de forma desigual.

bloomberg 1

Desde o início do ano, protestos ocorreram no Sudão, enquanto a ansiedade em relação à obtenção de alimentos contribuiu para os conflitos no Líbano e na Tunísia, marco zero para os levantes da Primavera Árabe há uma década. Na Índia, os agricultores se revoltaram contra os esforços para baixar os preços. Rússia e Argentina restringiram os embarques de safras para suprimir os preços internos. Até mesmo países ricos como os Emirados Árabes Unidos estão considerando possíveis limites de preço para alguns alimentos.

“Esses aumentos de preços são desestabilizadores, não apenas porque induzem muitas dificuldades às comunidades e famílias, mas também porque há essa expectativa de que o governo fará algo a respeito”, disse Cullen Hendrix , bolsista sênior não residente do Peterson Institute for International Economics, um think tank com sede em Washington. “As implicações vão durar mais tempo e além da pandemia.”

Como sempre, o impacto é desproporcional. Nos países ocidentais ricos, pode ser apenas um caso de troca de marca de produto. Nas nações mais pobres, pode significar a diferença entre mandar uma criança para a escola ou sair para ganhar dinheiro.

No entanto, é nos maiores países de renda média que os efeitos podem repercutir mais no mundo. Eles são alguns dos lugares mais populosos do planeta e onde os custos dos alimentos representam uma parcela maior das cestas de preços ao consumidor. São também onde os governos estão sob maior pressão para agir.

Brasil: pressão populista

A maior economia da América Latina se destaca entre os mercados emergentes por ter o aumento mais rápido nos preços dos alimentos no ano passado em relação à inflação geral devido ao declínio sustentado da moeda, de acordo com Oxford Economics Ltd. 

Enquanto isso, a popularidade do presidente Jair Bolsonaro está caindo para níveis quase recordes e ele está tentando encontrar novas maneiras de apaziguar o eleitorado. Em 19 de fevereiro, ele destituiu abruptamente o chefe da estatal petrolífera após uma discussão sobre os preços dos combustíveis. Ele também tem pressionado por uma nova rodada de ajuda ao coronavírus para os pobres, depois que a distribuição de dinheiro terminou em dezembro.

Risco de agitação

Potencial dos países para se recuperar da Covid19 vs. risco de mobilização social.

bloomberg 2

O problema é que o dinheiro serviu para elevar os preços dos alimentos, segundo Maria Andreia Lameiras , pesquisadora do Instituto de Pesquisas Econômicas (Ipea). O arroz cresceu 76% no ano passado, enquanto o leite e a carne bovina subiram mais de 20%. “O governo distribuiu dinheiro para a população com maiores gastos com alimentação”, disse Lameiras.

O custo de garantir uma nutrição vital ameaça aumentar a desigualdade em um país com a maior lacuna de renda da região, uma situação que só foi exacerbada pela pandemia. Mesmo que a ajuda retorne, o pagamento mensal seria menor e atingiria menos pessoas, limitando seu alcance para mitigar a pobreza extrema.

Rússia: Lição de História

Memórias de preços em alta e prateleiras vazias após o colapso da União Soviética ainda são vivas para muitos russos. Com sua popularidade mal tendo voltado do ponto mais baixo e protestos exigindo a libertação do líder da oposição preso Alexei Navalny, o presidente Vladimir Putin está desconfiado do impacto político dos custos dos alimentos.

Nas últimas semanas, o maior exportador de trigo do mundo impôs tarifas e cotas destinadas a conter as vendas no exterior e baixar os preços domésticos. Os maiores varejistas da Rússia também foram obrigados a congelar alguns preços dos alimentos, com batatas e cenouras aumentando em mais de um terço em relação ao ano passado.

Mas esses limites podem sair pela culatra e acabar alimentando a inflação geral. A Câmara de Auditoria, órgão fiscalizador do governo, estimou em janeiro que os preços gerais dos alimentos vão subir quando as restrições forem suspensas no final de março.

Mulher soviética em uma mercearia vaziaAs memórias das prateleiras vazias após o colapso da União Soviética ainda são vivas para muitos russos. Fotógrafo: Shepard Sherbell / Corbis SABA / Corbis / Getty Images

“A Rússia pode ver alguma mobilização política real em torno dos preços dos alimentos”, disse Hendrix. “Os governos autoritários tendem a ser um pouco mais permissivos com esses tipos de protestos de“ problema da mesa da cozinha ”do que com campanhas mais gerais contra a corrupção e o governo autoritário. Embora, como a Primavera Árabe demonstrou, o primeiro pode se tornar o último – às vezes muito rapidamente. ”

Nigéria: tempestade perfeita

Os preços dos alimentos na maior economia da África representam mais da metade do índice de inflação do país e subiram pelo ritmo mais rápido em mais de 12 anos em janeiro. Uma família nigeriana média gasta mais de 50% de seu orçamento com alimentos. Os custos estão se somando a uma tempestade perfeita de desafios à segurança alimentar que tem assombrado a Nigéria durante a pandemia.

Mercados de alimentos como pandemia expõem a insegurança alimentar da Nigéria

Os comerciantes descarregam sacos de laranjas de um caminhão de entrega no Orange Market em Mararaba, Nigéria. Fotógrafo: KC Nwakalor / Bloomberg

As reservas de moeda estrangeira necessárias para importar bens secaram após uma queda nos preços do petróleo. Gargalos de oferta e ataques aos agricultores  também pesaram sobre a oferta de produtos agrícolas. Também houve escassez de alimentos básicos, como arroz, depois que as autoridades restringiram as importações e fecharam as fronteiras terrestres por 16 meses. Eles reabriram em dezembro, mas isso fez pouco para aliviar a inflação.

Queixas relacionadas à comida desempenharam um papel na sustentação dos protestos #EndSARS no outono. O que primeiro começou como manifestações contra a brutalidade policial sob o presidente Muhammadu Buhari se transformou em pilhagem de armazéns que armazenavam coisas como macarrão, arroz e macarrão.

Turquia: Líder Irritado

Como o maior consumidor per capita de pão do mundo e seu maior exportador de farinha, a Turquia está particularmente exposta a uma alta nos mercados de commodities. Os preços dos alimentos subiram 18% em janeiro em relação ao ano anterior, com grandes saltos nos produtos básicos, dos grãos aos vegetais.

A Turquia vem lutando contra uma inflação de alimentos de dois dígitos há anos, mas as implicações políticas para o presidente Recep Tayyip Erdogan estão aumentando à medida que os custos dos alimentos atingem sua base de apoio central junto com a queda no valor da lira.

Economia turca enquanto a inflação pressiona o banco central a apertar a política

Os preços dos alimentos na Turquia subiram 18% em janeiro em relação ao ano anterior. Fotógrafo: Nicole Tung / Bloomberg

Erdogan ordenou uma investigação sobre o aumento dos preços dos alimentos. Ele disse que óleo, leguminosas, vegetais e frutas eram a “principal preocupação”. O Ministério do Comércio pode impor multas às empresas que vendem produtos alimentícios a preços elevados, alertou o presidente em janeiro. O problema é que as ameaças do governo e as penalidades financeiras em 2019 mal moveram a agulha.

Índia: ato de equilíbrio

Lar das terras mais aráveis ​​depois dos Estados Unidos, a Índia é o maior exportador mundial de arroz e o segundo maior produtor de trigo. Ao mesmo tempo, milhões de pessoas não têm acesso a alimentos acessíveis e o país tem algumas das taxas mais altas de desnutrição infantil.

bloomberg 3

Embora os custos dos alimentos básicos tenham subido mais lentamente nas últimas semanas, os alimentos continuam no centro das tensões políticas que têm dominado a Índia. Os protestos de agricultores aumentaram devido a uma ação do governo do primeiro-ministro Narendra Modi de liberalizar o mercado de safras. Os produtores estão preocupados que a nova lei baixe os preços.

Modi está promovendo reformas que muitos acreditam que visam, em última instância, cortar a conta de subsídios aos alimentos da Índia , a maior do mundo. O governo disse em janeiro que estava se tornando “incontrolável” grande. Cortes nos subsídios aos alimentos e combustíveis muitas vezes se traduzem em inquietação e as projeções não parecem boas nos próximos dois anos, de acordo com a Verisk Maplecroft . 

– Com a ajuda de Samuel Dodge, Cagan Koc, Tope Alake, Irina Reznik, Sophia Chalmer, Marisa Wanzeller, Tatiana Freitas, Pratik Parija, Simon Kennedy e Max De Haldevang

fecho

Este texto foi escrito originalmente em inglês e publicado pela agência Bloomberg [Aqui!].

Apesar da desconfiança ocidental, a Sputnik V se tornou uma das vacinas mais procuradas do mundo

vacinaçãoSó na semana passada, cinco outros países aprovaram a vacina corona da Rússia. Um país da UE já registrou a vacina. O ceticismo do Ocidente foi inapropriado?

Por Katharina Wagner de Moscou para o Frankfurter Allgemeine 

A conta oficial do Twitter do “Sputnik V” relata novos sucessos todos os dias. Só na semana passada, a vacina russa contra a COVID-19 foi aprovada no Egito, Quirguistão, Honduras, Guatemala e República da Moldávia; Já chegaram as entregas no México e na Sérvia, e as primeiras doses foram administradas no Paraguai.

Trinta e oito países países já registraram o “Sputnik V”. A Hungria, há também um país da UE, não quis esperar pelo exame da Agência de Medicamentos da União Europeia (EMA), e agora arca com os próprios riscos. O governo tcheco também anunciou no sábado que havia procurado o presidente Vladimir Putin sobre a entrega da vacina russa. A vacina é particularmente popular em países mais pobres, pois custa pouco menos de US $ 20 para as duas doses e pode ser guardada na geladeira. Um estudo publicado na revista “The Lancet” também certificou o “Sputnik V” como sendo altamente eficaz e seguro.

Ainda não está claro se a Rússia conseguirá cumprir suas promessas de entrega, já que depende de fábricas no exterior, por exemplo na Índia e no Brasil, algumas das quais, segundo reportagens da mídia, ainda não produzem. Até agora, os volumes de entrega russos não estão nem perto dos produtores ocidentais. Este é provavelmente um dos motivos pelos quais a Rússia anunciou que estará oferecendo uma “versão light” de sua vacina a partir de março, que fornecerá apenas uma vacina em vez de duas.

Dúvidas são rotuladas como “politização”

Isso também poderia resolver o problema de que o “Sputnik V” aparentemente não é muito mais barato do que a concorrência, como afirma Kirill Dmitrijew, chefe do estatal Fundo de Investimento Diretos da Rússia (RDIF), que co-financiou o desenvolvimento do “Sputnik V” e da vacina agora comercializado no exterior. Segundo o “Financial Times”, a União Africana negociou preços significativamente melhores do que os cobrados para a vacina russa, por exemplo com a Biontech e a Astra-Zeneca.

Mesmo assim, o “Sputnik V” já é um sucesso: em termos de pedidos, atualmente é uma das vacinas mais populares do mundo. Então, o ceticismo que há muito se mostra a ele, especialmente no Ocidente, é inapropriado? Os responsáveis ​​em Moscou retratam dessa forma: dúvidas ou críticas são rotuladas como “politizando” a busca por vacinas. Quando a chefe da Comissão da UE, Ursula von der Leyen, recentemente expressou surpresa por Moscou estar oferecendo milhões de doses de sua vacina a outros países enquanto a campanha de vacinação avançava lentamente em seu próprio país, a representação permanente da Rússia na UE tuitou em resposta: “Não à politização à questão da vacina da COVID-19 “.

Até agora, o ceticismo tem a ver principalmente com questões científicas. Até a publicação no “The Lancet” no início de fevereiro, a segurança e a eficácia do “Sputnik V” não podiam ser avaliadas independentemente porque os desenvolvedores dificilmente divulgaram quaisquer dados. Quando a Rússia aprovou a vacina no verão passado, menos de 100 pessoas participaram dos testes clínicos; a terceira fase crucial do estudo ainda estava pendente e ainda não foi concluída. Essa pressa e o desrespeito aos padrões internacionais alimentaram a desconfiança.

Compare com a Segunda Guerra Mundial

O estudo do “The Lancet” não respondeu a todas, mas a muitas perguntas. O Kremlin também está usando a publicação para promover a vacina em seu próprio país; Presidente Vladimir Putin a revista especializada elogiou-o por sua “objetividade”. Quando o “The Lancet” publicou um estudo em dezembro sobre o envenenamento do membro da oposição Alexei Navalnyj com o agente de guerra Novichok, o porta-voz de Putin disse: “Não lemos revistas médicas”. Agora, o sucesso do “Sputnik V” dá à Rússia a oportunidade de melhorar sua imagem manchada no mundo. Grandes comparações são feitas para isso. O RDIF, portanto, estabeleceu uma conexão com a Segunda Guerra Mundial: o “Sputnik V” queria trabalhar com os Estados Unidos e outros países para enfrentar esse desafio à humanidade “assim como fizemos na Segunda Guerra Mundial”.

Moscou também busca a aprovação da UE, de acordo com suas próprias informações. Mas informações contraditórias vieram da Rússia, o que semeou novas dúvidas sobre a seriedade dos responsáveis: No final de janeiro, o RDIF anunciou que havia pedido a aprovação da UE. A  EMA rejeitou essa informação dizendo que apenas “aconselhamento científico” havia ocorrido e os desenvolvedores expressaram seu interesse em iniciar um processo de “revisão contínua”.

Há pouca confiança no Sputnik V na Rússia

No procedimento de teste que está sendo usado na pandemia da COVID-19 para economizar tempo, os desenvolvedores da vacina enviam dados à EMA continuamente durante os estudos clínicos. Antes de fazer isso, no entanto, a agência da UE verificará se a vacina é promissora e se há dados suficientes disponíveis. Os desenvolvedores só podem enviar um pedido de “revisão contínua” depois que a EMA tiver dado seu consentimento. O RDIF tuitou em meados de fevereiro que esse pedido havia sido feito. No entanto, a agência de drogas da UE confirmou à FAZ que este não era o caso. Definir os próximos passos “em diálogo com a empresa”.

É claro que os requisitos da EMA são muito altos. Por exemplo, todos os dados do paciente dos estudos devem ser enviados e as instalações de produção inspecionadas. Além disso, a EMA agora também exige dados confiáveis ​​sobre a eficácia da vacina contra as novas mutações do vírus. De acordo com o Instituto Gamaleja do Estado de Moscou, que desenvolveu o “Sputnik V”, as vacinações de reforço também devem ajudar contra as variantes britânica e sul-africana. No entanto, dados sobre isso ainda não foram publicados.

Na Rússia, as mutações quase não desempenham nenhum papel até agora. O número de infecções está caindo, embora quase não haja restrições, as regras de distância e máscara são seguidas apenas com indiferença e até agora apenas 2,7 por cento da população recebeu pelo menos uma dose de vacina. Embora todos os adultos em muitas regiões agora possam ser vacinados, a confiança é baixa.

fecho

Este texto foi escrito originalmente em alemão e publicado pelo Frankfurter Allgemeine [Aqui!].

Facebook virou entreposto da grilagem de terras na Amazônia

Parts of Amazon Rainforest in Brazil Are Being Illegally Offered for Sale  on Facebook Marketplace : US News : Latin Post - Latin news, immigration,  politics, culture

Não sei se o hoje multi bilionário Mark Zuckerberg imaginou que um dia o seu “Facebook” iria virar uma espécie de entreposto avançado da grilagem de terras em áreas de conservação ambiental e de terras indígenas na Amazônia brasileira, mas o fato é que virou.  E isto foi meticulosamente documentado por jornalista da rede BBC que acabam de lançar um documentário mostrando o uso da área de anúncios do Facebook, o Marketplace, para que terras públicas sejam vendidas ilegalmente em um esquema que envolve diferentes escalas de envolvimento.

O documentário “Our World: Selling the Amazon” (Amazônia à venda) expõe o funcionamento de um vigoroso mercado ilegal online que opera livremente no Facebook, e uma dos elementos mais comprometedores para o Facebook é que os grileiros admitem que as terras que anunciam não lhes pertencem. E o pior é que o levantamento feito pelos pelos jornalistas da BBC mostra que eles reconhecem que estão vendendo terras públicas, com um detalhe importante que é o fato deles contarem com a impunidade por acreditarem que o presidente Jair Bolsonaro é uma espécie de aliado nesse processo de grilagem de terras públicas.

Interessante notar que a equipe de jornalistas da BBC identificou que a maioria dos anúncios de venda ilegal de terras públicas veio do estado de Rondônia. Como conheço bem o estado já que realizei trabalhos de campo na sua região central entre os anos de 1991 e 2008, pude reconhecer algumas das práticas reveladas como recorrentes dos tempos em que cruzei as estradas empoeiradas na região central do estado.

Brazil map

O documentário “Amazônia à Venda” tem um duração de 41:10 minutos e pode ser assistido abaixo.