Na gestão de Rafael Diniz e seus menudos neoliberais, a educação virou um asterisco

1_brand_e_diniz_2-1540960

O prefeito Rafael Diniz (Cidadania) e o ex-secretário municipal de Educação Brand Arenari (PSB) prometeram um “choque de gestão” na Educação municipal, mas acabaram enrolados com compras mal explicadas de merenda escolar e com o município sendo um asterisco no IDEB.

Em sua campanha eleitoral de 2016, o então candidato a prefeito Rafael Diniz (Cidadania) não se cansava de dizer que o problema da Prefeitura de Campos de Goytacazes não era financeiro, mas de gestão.  Pois bem, quase 4 anos depois da retumbante vitória que alçou Rafael Diniz ao posto de prefeito, descubro no Tribuna do Norte Fluminense que a educação municipal virou um asterisco no mapa do Índice de Desenvolvimento da Educação Básica, criado em 2007, pelo Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira (Inep)(ver figura abaixo).

ideb-2019

É preciso frisar que a ausência dos dados de Campos dos Goytacazes no IDEB não se deve em primeira instância à falta de investimentos na educação. É que segundo outra matéria, agora no Portal Viu, o orçamento da secretaria municipal de Educação em 2019 foi estipulado em cerca de R$ 400 milhões.  Um orçamento que, convenhamos, não é nenhuma mixaria, e permitiria uma ação sustentada para melhorar a educação pública municipal, caso houvesse a prometida melhoria na gestão pelo poder executivo.

Mas o que a falta  do envio dos dados para a base do IDEB, uma ação tão básica quanto necessária, pode refletir mais do que uma simples incompetência clerical de algum gestor sonolento. É que sem esses dados, não teremos com saber os efeitos (positivos ou negativos) do prometido choque de gestão que Rafael Diniz e seu secretário de Educação, o sociologo Brand Arenari, na educação municipal. Aliás, interessante ver abaixo a manifestação do SEPE Campos sobre alguns dos impactos que a falta de preenchimento dos dados do IDEB acarreta.

sepe ideb

E o pior é que sem esses dados, os futuros gestores do município (salvaguardada a possibilidade de reeleição de Rafael Diniz) não terão a mínima ideia de que como andam as coisas na educação municipal, em que pese os gastos na ordem de R$ 1,6 bilhão que terão sido feitos ao longo do mandato do atual prefeito.

Tampouco saberemos quão sustentável (ou até desejável) terá sido o “legado de Brand Arenari à frente da Secretaria Municipal de Educação. Um exemplo disso são os tais Centros Municipais de Educação Integral (CEMEIs) dos quais pouco se sabe, mas que tomaram ares de Viúva Porcina, “aquela que deixou de ser sem nunca ter sido”.

Mas o essencial aqui é ver agora o que dizem os candidatos a prefeito de Campos dos Goytacazes sobre como pretendem fazer para que Campos dos Goytacazes, em que pesem os bilhões gastos, deixe a incômoda posição de ser um asterisco na educação brasileira. É que nossas crianças merecem algo melhor do que apenas serem recebedoras de merenda escolar de baixa qualidade, mesmo que custando bastante para os cofres municipais.

Após pressão popular, Anvisa mantém banimento do Paraquate

Após pressão popular, Anvisa mantém banimento do Paraquate

paraquate

Em nome da Campanha Contra os Agrotóxicos, gostaríamos de informar que a pressão da sociedade brasileira funcionou: por 3 votos a 2, a Anvisa manteve hoje o banimento do Paraquat para o dia 22 de setembro. Comemoramos a decisão, apesar de lamentarmos o esforço despendido em assunto que já deveria estar resolvido há anos. Convocamos a sociedade a se manter alerta e vigilante frente aos retrocessos.

A Europa como aceleradora do desmatamento e do fogo que consomem as florestas da Amazônia

Quando as florestas tropicais queimam na Amazônia, isso causa horror na Europa. Mas muitas vezes é a demanda europeia por ração animal barata que leva a ainda mais desmatamento. Uma investigação torna clara a extensão dessa conexão.

Soy Investigation in BrazilA floresta tropical está pegando fogo, mesmo que as grandes empresas de ração que exploram a terra prometam não se envolver no desmatamento. Foto tirada no município de Cláudia (MT).  Foto: Victor Moriyama / Victor Moriyama para Rainforest Foundation Norway

Por Nils Klawitter para a Die Spiegel

Raramente uma proposta política gerou tanta indignação como o “Dia do Vegetariano” planejado pelos Verdes. Há sete anos houve uma passagem correspondente no manifesto eleitoral do partido, e hoje ainda a proposta é considerada por muitos como um sinal de “incapacitação”.

Os danos consequentes à produção de carne , que a proposta deve ajudar a esclarecer, não diminuíram desde então, especialmente no Brasil , onde grande parte da ração de soja rica em proteínas usada para alimentar suínos, bovinos e frangos alemães é cultivada. A Alemanha importou 5,8 milhões de toneladas de produtos de soja em 2017 – uma área maior que a de Hesse é necessária para o cultivo. A maioria dessa importação veio do Brasil.

Soy Investigation in Brazil

No final, só sobrou soja: Grande plantação no Tocantins.  Foto: Victor Moriyama / Victor Moriyama para Rainforest Foundation

Agora uma pesquisa de campo, da Norwegian Rainforest Foundation e da German Environmental Aid,  mostra como a demanda por matérias-primas da Europa para o desmatamento no Brasil se acelerou .

Embora o instituto espacial local INPE tenha anunciado recentemente que no ano passado tanta floresta desapareceu como em 2008, e que mais incêndios na Amazônia e no Cerrado foram registrados em julho de 2020 do que no ano recorde de 2019, os países da UE continuam a comprar soja do Brasil. No primeiro semestre de 2020, as exportações de soja para a UE aumentaram para 7,6 milhões de toneladas, segundo dados da Associação Brasileira de Oleaginosas. Isso foi 75 por cento a mais do que no mesmo período do ano passado. Apenas a China está importando mais.

Embora as importações locais de soja tenham diminuído desde então, os alemães ainda são os maiores compradores europeus do feijão milagroso, que corta animais para crescimento rápido. Sem esse combustível da pecuária industrial, a turbo engorda, em que, por exemplo, os pintos são alimentados para o abate em 33 dias, não seria possível.

Garantias de “Desmatamento Zero”

A investigação das duas ONGs documenta incêndios ilegais e a intimidação de pequenos proprietários nas regiões da Amazônia e do Cerrado, consideradas focos de desmatamento. Os moradores das redondezas foram “deixados completamente sozinhos” com os incêndios, diz Anahita Yousefi, da Rainforest Foundation. “A gente aqui costuma lidar com garimpeiros, com vaqueiros do agronegócio que queimam terras comuns e depois vendem para o agronegócio”. De acordo com o estudo, grandes comerciantes de commodities, como Bunge ou Cargill, também lucram com o desmatamento porque são abastecidos por fazendas questionáveis. Ambas as empresas vêm fazendo garantias de “desmatamento zero” há anos, fingindo não se beneficiar do desmatamento.

A nova onda de grilagem de terras é apoiada pelo presidente brasileiro Jair Bolsonaro , que tem incentivado repetidamente a “exploração” da Amazônia. Os incêndios, disse Bolsonaro, teriam levado as organizações ambientais a se vingar do cancelamento dos fundos. Na primavera, seu governo legalizou milhares de antigas propriedades florestais que os agora legítimos proprietários se apropriaram por meio de grilagem de terras.

A UE também está envolvida no negócio questionável: “20% das exportações de soja do Brasil para a UE estão ligadas ao desmatamento ilegal”, disse Jan Börner, professor de Uso Sustentável da Terra na Universidade de Bonn.  Um estudo realizado por  Börner e colegas do Brasil, Suécia e EUA avaliaram os dados de 815.000 fazendas nas regiões da Amazônia e do Cerrado.

Dois conjuntos de dados foram decisivos para os cientistas: os limites de operação das fazendas do cadastro ambiental e a taxa de desmatamento, que o Instituto INPE registra por meio de imagens de satélite. Uma empresa na região amazônica deve manter 80% da floresta em suas terras, pelo menos 20% no Cerrado. Se houver menos, foi desmatado ilegalmente. Mesmo que a soja da respectiva fazenda seja cultivada em uma subárea legal, ela está “contaminada com ilegalidade”, diz Börner. Usando dados de exportação dos distritos, os cientistas finalmente puderam comparar a quantidade de soja de um distrito que foi para a UE.

O bilhão de dólares trata de recursos do Brasil

A equipe de pesquisa da Fundação Floresta Úmida também visitou as aldeias do distrito de Formosa do Rio Preto, que está na linha de frente do desmatamento no Cerrado e a comunidade da Fazenda Estrondo que ali atua. Juntas, elas cultivam 305 mil hectares, uma área maior que a das cidades do Rio de Janeiro e de São Paulo juntas. No passado, Estrondo foi repetidamente associada à grilagem de terras, títulos de propriedade questionáveis ​​e desmatamento ilegal.

Em maio de 2019, o Greenpeace, junto com uma equipe de televisão ARD, documentou um ataque armado por seguranças particulares a moradores da área controlada pela Estrondo. As fotos mostrando esse ataque podem ser encontradas em um relatório da WWF publicado em dezembro de 2019. O relatório também documenta que “Silos Cargill e Bunge na propriedade da Agronegócio-Estrondo no Cerrado brasileiro  para exportar a sua soja para Europa e Leste Asiático ”.

Não há medidas eficazes contra corte raso

Uma porta-voz do grupo Estrondo negou qualquer suspeita de desmatamento ilegal. A empresa também “sempre” procurou chegar a um acordo com os “ocupantes das terras”. Os supostos ocupantes, no entanto, geralmente são pequenos agricultores ou comunidades indígenas que vivem ali há muito tempo e cultivam áreas menores, muitas vezes sem título.

Soy Investigation in Brazil

Seguranças particulares da comunidade agrícola do Estrondo.  A Estrondo já foi acusada de grilagem ilegal de terras e desmatamento em grande escala no passado. A organização também é acusada de pressionar as autoridades locais, às vezes com o uso da força.  Foto: Victor Moriyama / Victor Moriyama para Rainforest Foundation

A Cargill não comentou as perguntas, mas disse no ano passado que “não tinha vínculos comerciais” com a administração da comunidade agrícola.

A Bunge, uma das maiores traders de commodities do mundo com US $ 43 bilhões em vendas, confirmou que recebe suprimentos de fazendas “dentro” da comunidade agrícola. Mas cada fazenda opera de forma independente. A soja também é entregue à Europa. Os negócios na região seguem uma “política de não desmatamento” própria e em linha com os critérios socioambientais da empresa. “Sempre que se constata que as empresas estão comprando matéria-prima em áreas que acabaram de ser desmatadas, elas se escondem atrás da promessa de desmatamento zero ou, se não houver outra opção, alegam que não se trata de desmatamento ilegal”, afirma. Ativista Yousefi. “Na verdade, eles falharam em implementar medidas eficazes de desmatamento em sua cadeia de abastecimento.

Imagens de satélite de agosto mostram que o distrito ao redor das fazendas estava novamente em chamas. Os residentes relataram à equipa de investigação da Rainforest Foundation sobre intimidação às forças de segurança de Estrondo e tiros de alerta. Mesmo assim, os negócios parecem estar indo bem: os dados de exportação de soja do distrito mostram uma taxa de crescimento de mais de 100% no primeiro semestre de 2020 em comparação com o mesmo período do ano anterior.

“O que você vê aí é corrupção”, diz Maurício Correia, da Ordem dos Trabalhadores Rurais do Estado da Bahia. Décadas atrás, a empresa roubou títulos de terra sobre os quais posteriormente construiu seu agronegócio. A Estrondo, por outro lado, está legitimamente posicionada “há 40 anos”.

Um juiz que foi em parte responsável pela redução dos baldios de 43 mil hectares para 9 mil hectares, de que beneficiou Estrondo e que Estrondo considera válido até hoje, está preso, diz Correia: “A maior parte dos seus postos de controlo nos baldios que tinham de seguir uma decisão do tribunal, mas eles ainda se comportam como os governantes lá. ” Estrondo não é um caso isolado, afirma o advogado – mas as dimensões da grilagem de terras são bastante grandes: a área da comunidade agrícola é maior do que a do Luxemburgo.  

A região da Bahia, onde a Estrondo atua, pediu agora o congelamento dos títulos de propriedade da empresa. É de alguma utilidade? A empresa aparentemente tem permissão para se expandir ainda mais. Já possui uma licença de corte para outros 25.000 hectares.

fecho

Este artigo foi originalmente escrito em alemão e publicado pela Die Spiegel [Aqui!].

Mourão atribui a opositor divulgação de dados ruins de queimadas do Inpe que são públicos

fogo reutersFumaça e chamas de queimada no Pantanal, em Poconé, no Mato Grosso 03/09/2020 REUTERS/Amanda Perobelli

Por Lisandra Paraguassu para a agência Reuters

O vice-presidente Hamilton Mourão creditou a um suposto funcionário do Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais (Inpe), opositor ao governo, a divulgação de dados sobre queimadas no país negativos para o governo.

“Eu recebo o relatório toda semana. Até dia 31 de agosto, nós tínhamos 5 mil focos de calor a menos do que 31 de agosto do ano passado, entre janeiro a agosto. Agora, o Inpe não divulga isso. Por quê? Não é o Inpe que está divulgando, é o doutor Darcton (Policarpo Damião) lá, que é o diretor do Inpe, que falou isso? Não. É alguém lá de dentro que faz oposição ao governo. Eu estou deixando muito claro isso aqui. Aí, quando o dado é negativo, o cara vai lá e divulga.  Quando é positivo, não divulga”, disse o vice-presidente, que também é coordenador do Conselho da Amazônia.

Os dados sobre queimadas no país, na verdade, são públicos e estão disponíveis em uma página especial do Inpe na Internet, aberta ao público em geral.

Os números também são alimentados diariamente e relatórios automáticos são gerados mostrando os focos em todos os biomas do país, o crescimento nos últimos cinco dias e a comparação com o mesmo período do ano anterior. É possível ter dados nacionais, por Estado, por bioma e também os municípios com maior número de focos de incêndio 

Os dados do Inpe nesse momento mostram 133.974 focos de incêndio acumulados em todo país entre 1º de janeiro e 14 de setembro, um aumento de 13% em relação ao ano passado. No bioma Amazônia estão, ainda segundo o boletim do Inpe, 64.498 desses pontos de queimadas.

Os dados mostram, ainda, uma aceleração nas queimadas na região neste mês de setembro. Até 14 de setembro de 2019, o Inpe aponta que haviam 11.003 focos acumulados na Amazônia. Este ano, nos mesmos 14 primeiros dias do mês, já são 20.485, um aumento de 86%.

De fato, o mês de agosto, ainda pelos dados do Inpe, havia encerrado com a Amazônia com menos focos de incêndio que ano passado —44.013 contra 46.824 em 2019.  A aceleração em setembro, no entanto, reverteu essa tendência.

O crescimento das queimadas na região acontece apesar da operação da Garantia da Lei e da Ordem que está na Amazônia desde maio e era a aposta de Mourão para reduzir o desmatamento e os incêndios ilegais. 

fecho

Este artigo foi inicialmente publicado pela agência Reuters [Aqui!].

Trump não consegue desviar EUA de metas do Acordo de Paris, diz relatório

Estados, cidades e empresas aceleram progresso climático sem ajuda federal

trump denialO “sem noção em chefe”:  Donald Trump, que nega as mudanças climáticas provocadas pelo homem, aponta mapas do furacão Michael em 2018. (Reuters / Jonathan Ernst)

Enquanto Donald Trump fortalece sua retórica antiambiental, os EUA deve manter o compromisso assumido no Acordo de Paris de reduzir suas emissões de gases causadores do efeito estufa em 37% até 2030. Um estudo divulgado agora explica a contradição: políticas de mitigação climática foram fortalecidas em níveis subnacionais e nas empresas.

Segundo o relatório Americas’s Pledge, o setor de eletricidade já vive o “tipping point” da transição energética, mesmo com atrasos em projetos em decorrência da pandemia do novo coronavírus. Em 2017, o presidente dos EUA revogou as iniciativas de energia limpa da era Obama e em 2018 anunciou medidas para ressuscitar a indústria do carvão. Desde então, as energias do sol e do vento tiveram crescimento rápido, com forte geração de empregos, preços cada vez mais competitivos – mesmo sem subsídios – e com fundamentos econômicos mais consistente do que as fontes fósseis.

A análise indica que as concessionárias que planejavam fazer uma transição energética do carvão para as renováveis, passando pelas térmicas a gás, partiram para um plano de descarbonização direta. Há quatro anos, apenas 1 estado e 22 cidades havia se comprometido a ter energia elétrica 100% renovável; em 2020 são 16 estados e 130 cidades. Isso significa que cerca de 33% da população dos EUA vive em uma jurisdição que será alimentada por energia 100% limpa até o final desta década. O documento destaca que a energia limpa tem conquistado apoio bipartidário. Arizona, Flórida, Texas e Virgínia, redutos tradicionais dos republicanos, só aumentaram suas metas de energia limpa desde eleição de Trump.

“Apesar da decisão do presidente de se afastar do Acordo de Paris, e apesar de quatro anos de retrocessos ambientais e negação do clima por parte do governo federal, o último relatório mostra que cidades, estados e empresas continuam a progredir trabalhando em conjunto e liderando de baixo para cima”, avalia Michael R. Bloomberg, ex-enviado especial das Nações Unidas para a Ação Climática e co-presidente da America’s Pledge. “Mas o relatório também mostra que poderíamos estar fazendo muito mais, muito mais rápido, com a liderança da Casa Branca – e é por isso que a eleição de novembro é a mais importante na luta contra a mudança climática”, afirma o executivo, que é fundador da Bloomberg Philanthropies e da Bloomberg LP.

“Com sua política de multilateralismo inclusivo, a ONU há muito incentiva cidades, comunidades, investidores, empresas privadas e sociedade civil a se envolverem nos esforços para enfrentar a mudança climática. Isto resulta em mais idéias, mais soluções, mais ação climática e se reflete também no relatório dos compromissos dos Estados Unidos”, analisa Patricia Espinosa, Secretária Executiva de Mudança Climática da ONU.

Fósseis

Além de eletricidade, a pesquisa analisou outros quatro setores com as maiores oportunidades de redução de emissões nos EUA até 2030: transporte, metano e hidrofluorocarbonetos (HFCs) e edificações. O nível de confiança no cumprimentos das metas em quatro desses segmentos cresceu, exceto em “edificações”, para o qual o nível de confiança foi apenas mantido.

Segundo o relatório, um conjunto de fatores manteria o país no rumo da mitigação das emissões de “transporte” e “metano”, com destaque para o compromissos de cidades e estados de eletrificar o transporte e reduzir os níveis de emissões para veículos médios, pesados e leves. Essa tendência foi observada mesmo com os padrões federais de economia de combustível e de emissão tendo sido enfraquecidos pela administração Trump. As vendas de veículos elétricos nos EUA dobraram nos últimos cinco anos, e espera-se uma recuperação mais rápida do que as vendas de carros a gasolina no próximo ano. E conforme o país se ajusta a um “novo normal” pós-pandemia, mudanças no comportamento em torno do trabalho remoto e do comércio eletrônico podem diminuir permanentemente as viagens de passageiros dos EUA em 10%.

Ao mesmo tempo, a indústria de petróleo e gás – principal fonte das emissões de metano do país – enfrenta um cenário com choques de preço, excesso de oferta global e redução das expectativas de demanda de longo prazo devido ao aumento do apoio político e industrial à eletrificação do transporte.

O relatório também destaca que estados e empresas estão impulsionando reduções de hidrofluorocarbonetos (HFCs) nos EUA. Essas substâncias foram uma solução climática no passado, quando substituíram os clorofluorcarbonetos (CFCs), que destroem a camada de ozônio, mas o avanço do conhecimento sobre HFCs mostrou que eles são superpoluentes climaticamente ativos e extremamente persistentes na atmosfera. Dezesseis estados americanos já aprovaram ou propuseram políticas contra o HFC, e a indústria está investindo em soluções de refrigeração e ar condicionado favoráveis ao clima, enquanto pressiona por uma legislação federal sobre o tema.

Brasil: jacarés, onças-pintadas, ariranhas … Incêndios devastam biodiversidade no Pantanal

O Pantanal, maior área úmida tropical do planeta, vive um desastre ecológico sem precedentes, com danos irreparáveis ​​à biodiversidade. 

Por Hamza Hizzir

“Você sabe que as ONGs não têm voz comigo. Estou firme com essas pessoas, mas não posso matar esse câncer que a maioria das ONGs tem”, disse com certa medida. que o caracteriza, Jair Bolsonaro, o presidente do Brasil, quinta-feira, 3 de setembro. É porque a raiva está rugindo. Do Greenpeace ao Human Rights Watch, por meio de uma campanha na Internet intitulada “Defundbolsonaro.org”, o ator Leonardo Di Caprio ou mesmo um grupo de fundos de investimento de US $ 4 trilhões: todos exortam o chefe de estado a reagem, enquanto as chamas mais uma vez assolam a Amazônia, e mais particularmente o Pantanal, a maior área úmida tropical do planeta.

Mais de 2,3 milhões de hectares já viraram fumaça desde o início do ano, segundo dados compilados pela Universidade Federal do Rio de Janeiro (Lasa-UFRJ). Os satélites do Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais (INPE) já identificaram 12.567 incêndios no Pantanal desde janeiro, um total já maior do que todos os anos de 2018 e 2019 juntos. E acima de tudo, o recorde de um ano inteiro (de 12.536 residências), datado de 2005, acaba de ser batido, em menos de nove meses, segundo novos dados atualizados quarta-feira, 9 de setembro.

amazon-1

Mas, além dos números, é uma verdadeira tragédia que se desenrola neste santuário de biodiversidade com fauna excepcional, localizado no extremo sul da floresta amazônica e que se estende do Brasil ao Paraguai e à Bolívia. . No local, isso resulta em incontáveis ​​cadáveres de ariranhas e jacarés carbonizados, cobrindo um solo deserto com toda a água e vegetação. “Uma vez que o animal anda no chão brilhante, seu corpo queima, e ele não consegue mais se mover” , explica ao TF1, Felipe Coutinho, médico veterinário que, com outros voluntários, percorre essa paisagem infernal para emprestar a mão forte para os bombeiros.

Daniel, dono de um hotel na região, dá o alerta: “Nos mobilizamos com todos os vizinhos. Uma das maiores áreas de biodiversidade do mundo está desaparecendo. E não estamos recebendo nenhuma ajuda. ! ”  O Exército brasileiro foi de fato enviado em agosto para combater os incêndios. Mas é como escavar o oceano com uma colher de chá. Nesta semana, o Parque Natural Encontro das Águas, conhecido por abrigar a maior concentração de onças-pintadas do mundo, foi atingido por chamas … Felipe Coutinho, no entanto, tenta manter a coragem. E esperança: “ É um trabalho árduo. Não podemos salvar toda a região , confidencia. Mas se cada um de nós fizer a sua parte todos os dias.

fecho

Este texto foi originalmente escrito em francês e publicado pelo canal de TV LCI [ Aqui!].

O Brasil foi transformado em um campo de testes para as vacinas contra a COVID-19

Devido à grande circulação do vírus no país, quatro vacinas candidatas estão sendo testadas em 22 mil voluntários, incluindo a da britânica AstraZeneca, relançada no sábado, 12 de setembro.

VACINA 1Na Universidade de São Paulo, 24 de junho. Os ensaios estão sendo conduzidos lá para as vacinas da Universidade de Oxford e AstraZeneca. AMANDA PEROBELLI / REUTERS

Por  Anne Vigna para o Le Monde

Uma ala do Centro Nacional de Vacinação, no imenso campus da Fundação Oswaldo-Cruz (Fiocruz), no Rio de Janeiro, foi liberada para instalar uma nova linha de produção, ainda rodeada de celofane. “É aqui que serão fabricadas as futuras vacinas contra a COVID-19”, garante a assessoria de imprensa da Fiocruz, maior centro público de pesquisas médicas do Brasil. Em seus laboratórios farmacêuticos, Bio-Manguinhos e Far-Manguinhos, já são produzidas muitas vacinas administradas no Brasil.

Como parte da parceria com a Universidade de Oxford e a farmacêutica britânica AstraZeneca, a Fiocruz espera um dia produzi-los contra a Covid-19, enquanto os ingleses anunciam a retomada do julgamento no sábado, 12 de setembro, suspenso por uma semana após a reação negativa do paciente.

“Nossa parceria não se limita a testar a vacina”, explica Mauricio Zuma, diretor do laboratório médico de Bio-Manguinhos. É claro que estamos felizes em ajudar nessa luta global. Mas o que nos motiva acima de tudo é ter obtido uma transferência de tecnologia com os ingleses. Caso contrário, o Ministério da Saúde poderia simplesmente ter feito uma negociação comercial e comprado as futuras vacinas. “

Foi em junho que a Fiocruz se tornou parceira local das duas entidades britânicas para organizar os ensaios clínicos fase III de sua vacina. Esses exames não acontecem nesses prédios, mas na rede hospitalar dos Estados de São Paulo e Rio de Janeiro.

A tarefa não é tão simples: trata-se de encontrar 5.000 profissionais de saúde, todos voluntários, que tenham contato frequente com o SARS-CoV-2. “Não adianta testar a vacina em uma pessoa que ficará em confinamento em casa, ela só ficará exposta muito pouco ao vírus. Por outro lado, um médico, uma enfermeira, um fisioterapeuta estão todos em contato com o vírus ”, acrescenta o diretor de Bio-Manguinhos .

“Faça algo concreto”

No Brasil, a equipe é bastante voluntária, como Denise Abranches, cirurgiã-dentista do Hospital Universitário de São Paulo, que foi a primeira a testar a vacina em junho. “Assim que soube desse recrutamento, me apresentei. Sou responsável pela higiene bucal dos pacientes intubados há sete meses na unidade de terapia intensiva. Estou na linha de frente e sou o primeiro interessado em uma vacina. “

O ginecologista Alberto Freitas, do Rio de Janeiro, teve a mesma reação. “Recebi as informações através dos grupos de WhatsApp que existem entre médicos. Junto com meus colegas de consultório, vemos muitos pacientes com COVID-19 e decidimos participar para fazer algo concreto no combate a essa epidemia ”, afirma. Alberto participou do ensaio clínico da Universidade de Oxford, mas não teria problemas para testar outro. Atualmente, quatro empresas farmacêuticas do país realizam ensaios clínicos em 22.000 voluntários.

Além da vacina da Oxford e da AstraZeneca, a farmacêutica chinesa Sinovac fechou outra parceria em junho com o instituto científico público Butantan, para a fase III da vacina CoronaVac, que será testada em 9 mil voluntários. .

Mais recentemente, outras duas empresas americanas conseguiram o direito de fazer testes no Brasil: a Pfizer vai organizar um dos quase mil voluntários da Bahia, enquanto a Janssen, laboratório da gigante Johnson & Johnson, atualmente está recrutando 7.000 em vários estados do país.

VACINA 2Vacina Sinovac no hospital São Sans Lucas em Porto Alegre, Brasil, 8 de agosto. DIEGO VARA / REUTERS

O Brasil está interessado em projetos globais de vacinas por vários motivos. Em primeiro lugar, pela circulação ativa do vírus com mais de 4,1 milhões de casos confirmados no país, número ainda considerado desvalorizado pelo grupo de pesquisadores brasileiros da COVID-19. Segundo dados recentes da Organização Pan-Americana da Saúde (OPAS), braço regional da OMS, o continente americano concentra o maior número de profissionais de saúde infectados com o vírus no mundo, com 570 mil casos confirmados e 2.500 mortes desde março. A maior parte desse contingente encontra-se no Brasil, com 270.000 casos de profissionais, antes dos Estados Unidos (140.000 casos) e do México (cerca de 100.000 casos).

Por outro lado, a grande diversidade genética da população brasileira – com a presença de genes europeus, africanos e asiáticos – permite uma ampla representatividade do planeta. Por fim, o Brasil conta com instituições científicas renomadas e um grande número de facilidades para considerar ensaios clínicos em larga escala e, eventualmente, produzir as vacinas. Junto com a Argentina e o México, o Brasil é um dos poucos países do continente com essas capacidades.

Também em São Paulo, o Instituto Butantan reformou parte de seus prédios para poder fabricar as futuras vacinas. Esse centro de pesquisas, que agora depende do Estado de São Paulo, também assinou um acordo de transferência de tecnologia com a farmacêutica chinesa Sinovac. “Procuramos parceiros em todo o mundo, inclusive na China, e a Sinovac procurava um parceiro específico na região”, diz Ricardo Palacios, diretor de pesquisas médicas do Instituto Butantan.

Estoque de hidroxicloroquina

Fiocruz e Butantan fazem parte da mesma rede de produtores de vacinas para países em desenvolvimento (DCVMN, por sua sigla em inglês). “Os países do Sul estão um pouco deixados de lado. Mas, graças às transferências de tecnologia, conseguimos avançar com a mesma velocidade e qualidade de pesquisa das empresas privadas dos países ricos ”, explica o Sr. Palacios.

O outro problema que o Brasil terá de superar diante dessa pandemia é o “ceticismo corona” de seu presidente. Em 31 de agosto, Jair Bolsonaro afirmou que “ninguém pode forçar ninguém a tomar a vacina”. A declaração do presidente foi amplamente criticada tanto pelo diretor da OMS quanto por cientistas brasileiros. A intervenção do senhor Bolsonaro está em total desacordo com a lei que ele mesmo assinou em 6 de fevereiro e que especifica precisamente que, “em situação de pandemia, o governo poderá fazer a vacinação obrigatória”.

Mas, para si mesmo, o presidente brasileiro não vê utilidade de uma vacina quando, segundo ele, há uma cura muito eficaz a partir da hidroxicloroquina. Jair Bolsonaro continua a promovê-la ativamente em todas as oportunidades. Talvez porque, após uma produção massiva decidida pelo executivo, o Brasil tenha hoje dezoito anos de estoque desse medicamento eficaz contra a malária.

fecho

Este texto foi escrito originalmente em francês e publicado pelo jornal Le Monde [Aqui!].

Com Betinho, Ação da Cidadania inicia aquecimento para a campanha Natal Sem Fome

Objetivo é arrecadar até dezembro recursos para alimentar milhares de brasileiros

AÇÃO CIDADANIA

Nesta fase de aquecimento, a Ação da Cidadania lançou na última sexta-feira, 11, o site www.quemfoibetinho.org.br. Para convidar o público a acessá-lo, José Júnior, fundador da ONG AfroReggae, foi às ruas perguntar às pessoas se elas conhecem Betinho e recebeu todo tipo de resposta: jogador de futebol, cantor, artista.

A definição de José Júnior é certeira e finaliza o vídeo promocional de 30 segundos: “imagina um cara que foi capaz de lutar contra as injustiças sociais, a fome e a miséria. O nome desse cara é Betinho”.

O site foi dividido em quatro seções, todas relacionadas a capítulos da trajetória do sociólogo Herbert de Souza, o Betinho: Fome, Política, Mobilização e AIDS. No portal, o público poderá relembrar ou conhecer o incrível trabalho do fundador da Ação da Cidadania, figura de grande impacto na luta contra a fome e a desigualdade no Brasil.

Será possível assistir a uma entrevista de Betinho no programa Roda Vida, da TV Cultura, a série com cinco episódios “Caminhos da Democracia”, produzido pelo Canal Imaginário, e muito mais. Outro destaque é a possibilidade de baixar gratuitamente o livro “Ação da Cidadania 25 anos”, que conta a trajetória da ONG.

“Reunimos um material muito rico sobre o Betinho para inspirar as pessoas a praticarem a solidariedade. Também queremos apresentar ao público mais jovem todo esse trabalho e o legado que meu pai deixou após o seu falecimento, em 1997”, explica Daniel Souza, presidente do Conselho da Ação da Cidadania e filho de Betinho.

Natal Sem Fome

A primeira edição do Natal Sem Fome foi realizada em 1993, ano de fundação da Ação da Cidadania. A campanha foi criada por Betinho e impactou positivamente a vida de mais de 20 milhões de pessoas no Brasil ao longo dos anos.

A criação da Ação da Cidadania e do Natal Sem Fome tiveram o mesmo objetivo: ajudar os 32 milhões de brasileiros vivendo abaixo da linha da pobreza em 1993, segundo dados do Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada (Ipea). “Além de promover doações, a missão da ONG sempre foi lutar pela criação de políticas públicas que melhorassem, de forma definitiva, a vida desta parcela da população. A cesta básica supre uma necessidade imediata, mas é preciso muito mais”, afirma Daniel.

Após dez anos sem ser realizado, a Ação da Cidadania enxergou a necessidade de resgatar o Natal Sem Fome em 2017, por conta da situação em nosso país. “O Brasil saiu oficialmente do Mapa da Fome da ONU em 2014, mas logo voltou a caminhar em direção a esta triste estatística. Em 2020 ainda temos o agravante da pandemia de Covid-19, que serviu como catalizador para esta triste realidade”, finaliza Daniel.

Em breve, teremos mais novidades a respeito da campanha Natal Sem Fome.

Serviço

Ação da Cidadania

Mais informações e doações em www.acaodacidadania.com.br

www.quemfoibetinho.org.br

www.instagram.com/acaodacidadania

www.facebook.com/acaodacidadania

www.youtube.com/acaodacidadania

Sobre a Ação da Cidadania

A Ação da Cidadania foi fundada em 1993 pelo sociólogo Herbert de Souza, conhecido como Betinho, com o intuito de combater a fome e a desigualdade socioeconômica em nosso país e ajudar os mais de 32 milhões de brasileiros vivendo abaixo da linha da pobreza naquele ano. Desde sua criação, a ONG deu início a uma série de iniciativas, sendo o Natal Sem Fome a mais célebre delas. Após dez anos sem ser realizada, a campanha voltou em 2017 e, em 2020, ganhou força total para ajudar os agora dezenas de milhões de brasileiros que vivem abaixo da linha da pobreza, segundo dados do Cadastro Único do Governo Federal.

Para auxiliar os brasileiros com dificuldades econômicas causadas pela pandemia de COVID-19, a Ação da Cidadania criou a campanha Ação Contra o Corona, que, até o momento, arrecadou cerca de R﹩30 milhões em recursos e produtos, beneficiando mais de 2 milhões de pessoas em todo o Brasil.

www.acaodacidadania.com.br

Contatos para a imprensa – Approach Comunicação

Lorena Amazonas

(11) 3846-5787 • r 26

Vantuyl Barbosa

(11) 3846-5787 • r 44

Comissão da União Europeia é acusada de ‘trapaça’ na contabilidade de emissões líquidas zero

A proposta vazada inclui sumidouros de carbono fornecidos por árvores, solos e oceanos na meta

amazoniaAtivistas do Greenpeace rolam uma faixa de 30 metros na sede da Comissão da UE em protesto contra os danos contínuos à Amazônia. Fotografia: Thierry Monasse / Getty Images

Por Jennifer Rankin em Bruxelas para o “The Guardian”

O órgão executivo da União Europeia (UE) foi acusado de “trapacear” em seus planos climáticos para 2030 ao propor a inclusão de sumidouros de carbono fornecidos por árvores, solos e oceanos em sua meta de redução de emissões.

A Comissão Europeia irá esta semana pedir uma meta de redução de emissões da UE de “pelo menos 55%” até 2030 em comparação com os níveis de 1990, de acordo com um esboço divulgado visto pelo Guardian. A proposta prepara o terreno para uma intensa batalha política durante o outono para chegar a um acordo sobre a meta, que visa colocar a UE no caminho certo para cumprir uma promessa histórica de emissões líquidas zero até meados do século.

Mas os críticos dizem que Bruxelas é culpada de um “truque contábil” que faz a meta proposta para 2030 parecer mais alta do que realmente é. A linha gira em torno do conceito de “remoções”, uma referência a sumidouros que absorvem mais carbono do que emitem, como florestas, solos e oceanos.

O projeto de regulamento que vazou afirma que “até 2030 as emissões de gases de efeito estufa devem ser reduzidas e as remoções aumentadas, de modo que as emissões líquidas de gases de efeito estufa, ou seja, as emissões após a dedução das remoções sejam reduzidas em toda a economia e internamente, em pelo menos 55% até 2030 em comparação com Níveis de 1990 ”.

versão anterior da lei , publicada em março, não fazia menção a remoções neste contexto: a comissão prometeu “explorar opções para uma nova meta para 2030 de redução de emissões de 50 a 55% em comparação com os níveis de 1990”.

Greenpeace disse que a mudança foi “arriscada”, porque a natureza estava sob enorme pressão de aquecimento e perda de biodiversidade global, com destaque para os incêndios florestais no oeste dos EUA , na Amazônia, e no Ártico.

“Esse truque de contabilidade da comissão faria qualquer nova meta parecer mais alta do que realmente é”, disse Sebastian Mang, consultor de políticas de clima e energia do Greenpeace. “Você não pode vencer uma corrida de 100 metros se outra pessoa correr os últimos 20 metros. Isso se chama trapaça. Restaurar a natureza é essencial, mas deve se somar aos esforços de redução das emissões nos setores mais poluentes ”.

A meta de zero líquido da UE 2050 significa que as emissões de gases de efeito estufa seriam compensadas por sumidouros de carbono. Mas a meta atual para 2030 – uma redução de emissões de 40% em comparação com os níveis de 1990 – não inclui compensações.

Michael Bloss, um eurodeputado alemão verde, disse ao The Guardian que a inclusão de remoções era um desvio do sistema atual que poderia enfraquecer a meta de 2030. “É uma preocupação, pois o atual quadro jurídico para a meta da UE para 2030 define a redução absoluta das emissões de gases com efeito de estufa”, disse ele.

O eurodeputado acrescentou que o desvio da abordagem atual é uma forma de “contabilidade criativa” que “minaria a reivindicação de liderança que a Europa quer assumir” nas negociações sobre o clima da ONU.

A comissão argumenta que faz sentido incluir sumidouros de carbono, de acordo com a meta de 2050 líquido-zero. Um funcionário da UE disse que a alegação de contabilidade criativa era “incorreta” porque “também ajustamos a linha de base para 1990 retrospectivamente”, o que significa que não haveria reduções de emissões “livres”.

“A contabilidade ainda é válida”, disse a fonte. “Eu reconheço que ainda há uma discussão sobre onde está o sumidouro de carbono da UE e o que ele absorve. Isso deve ser esclarecido na avaliação de impacto da proposta LULUCF que apresentaremos no próximo ano ”, acrescentaram, referindo-se a outra lei climática da UE que rege o uso da terra, as mudanças no uso da terra e a silvicultura.

A disputa ocorre depois que o comitê de meio ambiente do Parlamento Europeu votou na semana passada por uma meta de redução de emissões de 60% até 2030, sem incluir sumidouros de carbono. Os verdes, no entanto, queriam uma meta de 65%, que eles argumentaram ser “a única maneira de sermos capazes de manter o aumento da temperatura global abaixo de 1,5ºC [acima dos níveis pré-industriais] e evitar os piores efeitos da crise climática”.

Bloss acrescentou: “O que precisamos é de liderança no clima com uma meta alinhada com a ciência e não novas incertezas ou mesmo um enfraquecimento ainda maior da meta para 2030”.

A Comissão Europeia disse que não comentou os documentos que vazaram.

fecho

Este texto foi originalmente escrito em inglês e publicado pelo jornal “The Guardian” [Aqui!].

O arroz e o feijão são inimigos mais perigosos para Jair Bolsonaro do que toda a a oposição junta

arroz patriota

Pode-se dizer o que se quiser da Agricultura ministra Tereza Cristina, a eterna “musa do veneno”, mas não que ela não tenha inteligência política. É que ela hoje está presente nos principais veículos da mídia corporativa tentando apagar o incêndio causado pelo aumento explosivo dos preços do arroz (mas só sobre esse, pois os acontecendo na Amazônia e no Pantanal parecem não causar nenhum arranhão de preocupação na política eleita justamente pelo Mato Grosso do Sul onde as labaredas ardem alto). 

terezaA ministra Tereza Cristina farejou o risco que corre por causa da alta dos preços do arroz e saiu a campo para criar uma cortina de fumaça. Melhor seria se agisse para mudar a política agrícola que está na raiz do problema

Diferente de Jair Bolsonaro e Paulo que tenderam a dar de ombros para os riscos políticos associados à incapacidade crescente dos pobres brasileiros de colocarem arroz na mesa de todos os dias, Tereza Cristina apresentou duas linhas de argumentação. A primeira diz que o problema do arroz não seria isso tudo, e que tem gente querendo criar “uma guerra política” por causa da carestia no preço de um dos itens mais básicos da dieta dos brasileiros. Por outro lado, ela tentou acalmar os brasileiros afirmando que a questão dos preços do arroz voltará a “se equilibrar” (seja isso lá o que for) quando começar a próxima safra em janeiro de 2021.

Mas ao invés de apresentar as causas do problema que foi a adoção de uma política que causa o descontrole total nos estoques internos, Tereza Cristina resolveu insistir nos argumentos surrados de que a culpa pela alta dos preços seria a concessão do auxílio emergencial aprovado pelo Congresso Nacional, e a mudança dos hábitos dos brasileiros, que passaram a se alimentar mais em casa por causa da pandemia da COVID-19. Em outras palavras, a culpa não é do governo Bolsonaro que desprotegeu o consumo interno, mas dos brasileiros pobres que passaram a comer mais com os fantásticos R$ 600,00 liberados para aliviar os graves prejuízos econômicos trazidos pela pandemia, especialmente para os segmentos mais pobres da população brasileira.

Como bem lembrou o ex-ministro Aloizio Mercadante, 90% da área plantada hoje no Brasil é de soja e milho, o que terminar por “esmagar a agricultura familiar na produção de itens que são essenciais, como arroz e feijão”.  Mercadante disse ainda que “a preocupação é apenas em atender o mercado externo, não existe nenhum plano de atender o consumo interno e matar a fome do povo”. Além disso, Mercadante acrescentou que o governo Bolsonaro ao deixar com o mercado “a regulamentação do preço da cesta básica”, deixou a maioria da população “entre o pescoço e a guilhotina”, pois as pessoas são obrigadas a comer e não tem oferta, volume, estoque ou importação desses alimentos”. 

Em outras palavras, além de apostar na transformação do Brasil em uma espécie de “fazendão” para a produção de commodities agrícolas que servirão para produzir ração animal fora do Brasil,  o governo Bolsonaro vem executando políticas de financiamento agrícola que estão sufocando a produção da agricultura familiar e, por consequencia, dos produtos essenciais que ela coloca na mesa dos brasileiros.

O que Tereza Cristina parece estar desprezando é a impaciência de amplos segmentos da população que está passando fome no Brasil neste exato momento. Esperar que as pessoas famintas esperem até janeiro para poder comprar arroz a preços menos exorbitantes é quase tão ruim quanto a sugestão feita pela  Associação Brasileira de Supermercados (Abras) que sugeriu a substituição deste gênero pelo macarrão. Essa sugestão que remonta a uma que teria sido feita pela imperatriz francesa Maria Antonieta pouco antes de ser guilhotinada, a clássica frase do ” se não tem pão que comam brioches”.

As cenas abaixo de um caminhão carregado de carne que tombou na Rodovia Régis Bittencourt em uma área da Grande São Paulo já deveria ter acendido o alerta no governo Bolsonaro, mas parece que não. Aliás, pelo contrário, o que parece continuar sendo a proposição de que o “livre mercado” vai dar conta da alta dos preços dos principais itens da cesta básica.

Essa situação que mistura a crença cega na “mão invisível do mercado” com o crescimento da fome no Brasil promete ser muito mais perigosa para a sobrevivência do governo Bolsonaro do que a soma da ação de todos os partidos de oposição juntos. E quanto mais demorarem a mudar o curso das políticas agrícolas, maior será o risco para Jair Bolsonaro. A ver!