Ecocídio no Cerrado: inundações severas no Brasil como resultado do agronegócio

cerrado okozid

Por Norbert Suchanek, Rio de Janeiro, para o JungeWelt

Semanas de chuva contínua e três rompimentos de barragens inundaram grande parte do centro e leste do Brasil e já causaram pelo menos 45 mortes. Mais de 133 mil pessoas perderam suas casas nos estados do Maranhão, Tocantins, Piauí, Bahia, Pará, Goiás, Minas Gerais, Espírito Santo, Rio de Janeiro e São Paulo. A Bahia é o estado mais atingido, com pelo menos 24 vítimas mortais das enchentes, cerca de 100.000 pessoas forçadas a abandonar suas casas.

A mídia corporativa e os políticos dos estados afetados culpam as chuvas excepcionalmente fortes por esta época do ano e pelas mudanças climáticas globais. Mas isso é apenas meia verdade. O desastre da inundação também é caseiro.

De fato, o desmatamento contínuo das savanas do cerrado do planalto central brasileiro e das altas planícies do Nordeste, e sua conversão em monoculturas em grande escala, particularmente nas plantações de soja, perturbaram gravemente o equilíbrio hídrico da região.

No Brasil, o Cerrado é conhecido como o “Berço das águas”, pois o bioma abastece oito das doze principais bacias hidrográficas do Brasil e grandes rios como o Xingu, o Rio Tocantins e o Rio São Francisco. Mas mais de 50% dos originalmente cerca de dois milhões de quilômetros quadrados do Cerrado já foram desmatados. Somente entre agosto de 2020 e julho de 2021, outros 8.531 quilômetros quadrados foram sacrificados para agronegócios, segundo os últimos números do instituto de pesquisas espaciais INPE, responsável pelo monitoramento florestal via satélite. Pesquisadores do Instituto de Pesquisa Ambiental  (IPAM) analisaram o  desmatamento na região da frente agrícola do Matopiba que é formada pelos estados do Maranhão, Tocantins, Piauí e Bahia. De acordo com estatísticas agrícolas oficiais, a área de soja no Matopiba se multiplicou de cerca de 600.000 hectares em 1995 para cerca de 8 milhões de hectares hoje. E esses são os estados que foram mais atingidos pelas recentes enchentes.

O ecossistema do Cerrado, extremamente rico em espécies, é composto em grande parte por plantas com um sistema radicular complexo e profundo que se estende até 20 metros de profundidade. Eles são adaptados à alternância extrema de chuvas fortes na estação chuvosa e períodos prolongados de seca. Apenas um terço das árvores e arbustos são visíveis na superfície. Dois terços dessas plantas são subterrâneas e podem, assim, reter grandes quantidades de água da chuva e equilibrar o balanço hídrico. Não é o caso das monoculturas que estão se espalhando na região, como a soja ou o milho com suas raízes superficiais. Sua capacidade de armazenamento de água é significativamente menor.

Quando chove, a maior parte da água, enriquecida com solo superficial e  agrotóxicos, vai direto para os rios. Um estudo publicado em 2014 pela Universidade de São Paulo mostrou um aumento de cinco vezes no escoamento superficial devido a monoculturas ou pastagens de gado na região do Cerrado. Nas fases sem cobertura do solo, ou seja, após a colheita e até a semeadura, o escoamento superficial chega a ser até 20 vezes maior do que em áreas de cerrado não desmatadas. O aumento das inundações e assoreamento dos reservatórios são as consequências “naturais”. Acrescente-se a isso a crescente impermeabilização do solo devido à construção de estradas em andamento para o transporte da safra de soja aos portos de exportação e às cidades que se tornam cancerígenas devido ao êxodo rural – e a catástrofe é perfeita.

inundaçãoPessoas em uma rua inundada no sudeste do Brasil, Foto: dpa/Eugênio Sávio

“Se somarmos os efeitos das mudanças climáticas globais ao avanço do cultivo da soja em áreas de alto valor ecológico, vemos que as situações catastróficas na Bahia, Tocantins e Piauí não são nada naturais”, comenta o geógrafo  Marcos Pędłowski, do Centro de Ciências do Homem da Universidade Estadual do Norte Fluminense em seu blog: “O que estamos presenciando hoje é uma combinação particularmente drástica de eventos climáticos extremos e a consolidação de um modelo agrícola predatório que empurra os mais pobres para áreas periféricas onde normalmente não há infraestrutura urbana”.

Pędłowski acrescenta que “curiosamente, a cobertura das corporações midiáticas brasileiras sobre os tsunamis nas cidades direta ou indiretamente afetadas pela safra de soja no Matopiba oculta essas conexões e apenas oferece aos leitores ou telespectadores uma narrativa de catástrofe em que apenas o tema das mudanças climáticas é discutido, e isso apenas vagamente mencionado.”

color compass

Este texto foi originalmente escrito em alemão e publicado pelo jornal “JungeWelt” [Aqui!].

O silêncio da Uenf sobre o centenário de Darcy Ribeiro como síntese e oportunidade

darcy-ribeiroO antropólogo, historiador, sociólogo, escritor Darcy Ribeiro (Foto: Divulgação/Fundação Darcy Ribeiro)

Em 2022 será celebrado o centenário de uma das mentes mais profícuas e irrequietas da historia recente do Brasil, o antropólogo, historiador, e escritor mineiro Darcy Ribeiro.  Para celebrar essa efeméride, várias instituições já começaram a organizar celebrações, a começar pela Universidade do Estado do Rio de Janeiro (Uerj) que fez de 2022 um ano de celebração da obra e do pensamento de Darcy.

Darcy-Ribeiro-2022

Curiosamente a última das universidades criadas por Darcy Ribeiro, a Universidade Estadual do Norte Fluminense (Uenf) se mantém até aqui em relativo silêncio (para não dizer absoluto silêncio) sobre o que fará ao longo de 2022 para celebrar a obra do homem que esteve no centro da criação de um modelo institucional que se tem provado revolucionário, ainda que adotado muito aquém do planejado.

Atribuo esse esquecimento não a um simples lapso de memória, mas a um grande desconhecimento por parte da atual reitoria da Uenf de quem foi Darcy Ribeiro, e do significado da herança posta por ele na forma de um marco que repousa relativamente discreto na entrada do campus Leonel Brizola em Campos dos Goytacazes.  Neste marco está escrito que “o governador Leonel Brizola fez erguer esta Universidade Estadual do Norte Fluminense para que no Brasil floresça uma civilização mais bela, uma sociedade mais livre e mais justa, onde vive um povo mais feliz“. É esse destino manifesto ensejado por Darcy Ribeiro que esse esquecimento do seu centenário mais afronta, o que, me acreditem, não chega a ser surpreendente por ser “distraída”.

uenf fachada

A minha expectativa é que defrontada com o anúncio da celebração que a Uerj fará pela vida e obra de Darcy Ribeiro, a reitoria da Uenf se mova para tardiamente e coloque algo no calendário para marcar o centenário do fundador da universidade que nasceu após intensa mobilização da população de Campos dos Goytacazes.  Entretanto, ainda que isso ocorra, penso que os que entendem minimamente a importância da Uenf para a educação dos filhos da classe trabalhadora devam se organizar para realizar atividades que celebrem não o Darcy Ribeiro morto, mas esmiuçar as causas de sua infindável inquietação, que estão mais vivas do que nunca em uma sociedade brasileira que é ainda menos livre, mais injusta e infeliz do que quando Darcy Ribeiro ainda estava vivo em 1997.

De forma objetiva, é preciso celebrar o Darcy Ribeiro irrequieto e explosivo que, em vida, criou não apenas a Uenf, mas também os CIEPS e a Universidade Nacional de Brasília (UNB). É desse Darcy que precisamos neste momento agudo da história brasileira. Certamente ele não estaria “batendo pau” para governantes que agem conscientemente para destruir a parte revolucionária do seu legado.

Viva o centenário de Darcy Ribeiro! Viva a Uenf! Viva a universidade pública, gratuita e democrática!

Montanha de rejeitos da CSN ameaça causar catástrofe ambiental no Rio Paraíba do Sul

Fortes chuvas podem derrubar montanha de lixo químico no principal rio que abastece o Rio de Janeiro de água. Ambientalistas alertam que com as tempestades constantes atingindo Minas Gerais e parte do interior do estado do RJ, a pilha de escórias depositada pela CSN/HARSCO pode virar no rio Paraíba do Sul, responsável por abastecer de água 75% da população fluminense

Pilha-de-escoria-de-aciaria-CSN-5-1-696x467

Pilha de lixo químico à beira do rio Paraíba do Sul

Por Felipe Lucena para o “Diário do Rio”

Uma situação que se estende por alguns anos, sendo frequentemente denunciada pelo DIÁRIO DO RIO, pode ter um desfecho trágico, segundo ambientalistas. Em Volta Redonda, no sul do Rio de Janeiro, existe uma montanha de resíduo siderúrgico depositado, diariamente, por cerca de 100 caminhões da Companhia Siderúrgica Nacional (CSN) e pela HARSCO METALS. A pilha de lixo químico de mais de 30 metros de altura, chamado de escória de aciaria, está a cerca de 50 metros do rio Paraíba do Sul, responsável por abastecer de água 75% da população fluminense (cerca de 9 milhões de pessoas). De acordo com pesquisas de ambientalistas, caso as substâncias empilhadas tenham contato com as águas do Paraíba do Sul, as consequências podem ser catastróficas e provocar um colapso hídrico. A preocupação atual são as fortes chuvas na região, que podem provocar um tombamento da pilha de lixo químico no rio.

As chuvas dos últimos dias já deixaram 370 cidades do estado de Minas Gerais em situação de emergência. Foram registradas 24 mortes desde o início do atual período de chuvas e mais de 4 mil pessoas estão desabrigadas, além de mais de 24 mil desalojadas.

De acordo com o ecologista Sérgio Ricardo, cofundador do Movimento Baía Viva: “Diante dos enormes estragos provocados pelas chuvas, é fundamental que as autoridades públicas notificadas hajam imediatamente orientadas pelos princípios da Precaução e da Prevenção que são os pilares do Direito Ambiental nacional e internacional visando determinar, seja pela via Administrativa (por meio de Recomendação Técnica conjunta do MPRJ e MPF) e/ou através da proposição de uma Ação Civil Pública (ACP) Ambiental, o reconhecimento da inadequalidade do pátio de escória de aciaria das empresas CSN/HARSCO METALS na beira do rio Paraíba do Sul, assim como para determinar a imediata de outro local ambientalmente seguro e adequado para a instalação de um novo depósito de lixo industrial  da CSN/Harsco metals, para livrar de vez o risco de um Colapso Hídrico no Rio Paraíba do Sul, manancial estratégico que diariamente abastece 75% da população fluminense (9 milhões de pessoas), além de atender a demanda hídrica de setores como indústria, agricultura e serviços”.

Sérgio Ricardo considera que o principal pedido de providências feito pela instituição desde 2018 aos Ministérios Públicos federal e estadual ainda não foi atendido, que é a: “exigência da apresentação, por parte das autoridades federais e estaduais de um Plano de Combate e Prevenção à Vulnerabilidade Hídrica na Bacia Hidrográfica do Rio Paraíba do Sul e seus Afluentes, em face da presença de diversas fontes de poluição nesta estratégica bacia hidrográfica que, em conjunto, vem comprometendo cada vez mais a essencial garantia de abastecimento público de vários municípios fluminenses situados no Vale do Paraíba, na Baixada Fluminense e na capital fluminense, bem como de cidades mineiras através de seus afluentes”

Nesta sexta feira (14/01), o Movimento Baía Viva ingressará com uma representação junto ao Ministério Público Federal da Procuradoria da República no Município de Juiz de Fora (MG), cujo titular é o Procurador da República Eduardo Henrique de Almeida Aguiar, e ao MPF no Município de Manhuaçu (MG), por meio do Procurador da República Francisco de AssisFloriano e Calderano, solicitando a reabertura de investigação quanto à garantia da segurança de um conjunto de barragens de rejeitos de mineração localizadas nas bacias hidrográficas dos rios Pomba e Muriaé, afluentes do Rio Paraíba do Sul que é o principal manancial de abastecimento de água das cidades fluminenses, que em função das intensas chuvas dos últimos dias no território mineiro podem provocar tombamentos (desmoronamentos) o que num caso de um desastre ambiental poderá colocar em risco o abastecimento de água de várias cidades, incluindo as cidades do Norte e Noroeste Fluminense.

Na nova Representação ao MPF-MG, o Baía Viva alerta que: “Estamos vivenciando tempos de mudanças climáticas na escala global e, por isso, é necessário uma ação territorializada de Planejamento Participativo com a adoção de Planos de Adaptação e de Mitigação e a definição de fontes de recursos específicos para a sua implementação, o que deveria estar sendo seriamente considerado pelo poder público em função dos cada vez mais presentes eventos extremos no cotidiano da sociedade contemporânea”.

As empresas CSN/HARSCO não apresentaram aos órgãos competentes os seus respectivos estudos hidráulico-hidrológicos e os obrigatórios estudos geotécnicos.

Em setembro de 2019, a Comissão de Saneamento Ambiental da Assembleia Legislativa do Estado do Rio de Janeiro (Alerj) vistoriou o local e constatou que a montanha de resíduos produzidos pela Companhia Siderúrgica Nacional (CSN) não teve sua altura reduzida a quatro metros, como determinava a liminar deferida parcialmente pela 3ª Vara Federal de Volta Redonda. A pilha de lixo químico estava em 20 metros de altura.

Devido à montanha de lixo químico, a CSN foi intimada a pagar uma multa diária de R$ 20 mil, estabelecida pela Justiça Federal. O valor teria de ser pago enquanto a montanha de escória depositada a poucos metros do Rio Paraíba do Sul não fosse reduzida. A decisão foi do juiz Bruno Otero Nery, da 3ª Vara Federal de Volta Redonda, que frisou o não cumprimento do prazo de 120 dias úteis estabelecido em agosto de 2018.

CSN já emitiu nota afirmando que o material armazenado “não é perigoso, conforme classificação da ABNT, não representando qualquer risco ao meio ambiente ou a saúde”.

color compass

Este texto foi originalmente publicado pelo “Diário do Rio” [Aqui!].

As chuvas de 2022 são regra e não exceção em um mundo em câmbio climático

cheias 2022

Com o baixar dos rios é natural que rapidamente as pessoas voltem para a sua rotina buscando um apego a uma normalidade fugidia. Até aparecem pessoas que mostram que o atual ciclo de grandes tempestades já ocorreram antes, o que reforça a aparência de que tudo não passa de uma repetição normal de eventos anormais.

Eu de minha parte não caio nessa arapuca. É que mesmo existindo períodos de chuvas intensas que causaram cheias de rios no passado, um detalhe particular das mudanças climáticas precisa ser entendido: os modelos climáticos estimam que eventos extremos são previstos para ocorrer em períodos cada vez mais curtos. Em outras palavras, o que antes poderia demorar décadas para se repetir, tenderá a ocorrer em períodos mais curtos.

Este novo padrão climático deveria estar sendo visto com alarme pelos ocupantes de cargos eletivos e os forçando a adotar uma visão climaticamente orientada de governança. Mas pelo que vi até agora a postura continua sendo aquela que tradicionalmente adotada, com eventos fotográficos em que promessas que misturam insuficiência com falta de uma visão prospectiva da realidade. O resultado disso será a colocação de um peso desigual da destruição sobre os ombros dos mais pobres. Disso se decorre o fato de que tal destruição tem mais a ver com decisões políticas do que com o clima.

Um breve relato pessoal sobre meu tour em uma sociedade pandêmica

wp-1642255473014

Em visita às Cataratas do Iguaçu, uma multidão aglomerada mas, felizmente, portando máscaras faciais

Após viver praticamente dois anos em um alto grau de isolamento por causa da pandemia da COVID-19, estou, por assim dizer, na estrada desde 21 de dezembro, tendo dirigido cerca de 4.000 km por três estados brasileiros, com direito uma breve visita ao Paraguai. Durante todo esse tempo, usei duas máscaras faciais (uma cirúrgica e outra de pano) e frequentei todo tipo de lugar superlotado. O detalhe é que sai de Campos dos Goytacazes tendo recebido 3 doses de vacinas contra a COVID-19.

Ao longo desse tempo, em que logrei não contrair o vírus visitei locais super lotados, incluindo hotéis, restaurantes e pontos turísticos. Antes, durante e depois de entrar em contato com um alto número de pessoas, higienizei as mãos e tomei banho após ir a locais especialmente lotados de pessoas, incluindo uma ida a Ciudad del Leste, onde inexistia qualquer controle na entrada e saída da fronteira brasileira. Afora isso, usei estratégias de distanciamento naqueles locais em que tive que retirar as máscaras que utilizava. Aliás, neste viagem trouxe um número alto de máscaras de pano e caixas de máscara cirúrgicas para poder trocar sempre a proteção, evitando que tenha de portar unidades que estejam “cansadas”.

Agora que apontei meus cuidados pessoais, quero compartilhar um pouco do que vi em relação às pessoas com quem interagi e os locais em que estive. A primeira coisa que me pareceu importante é que nos três estados que passei (Rio de Janeiro, São Paulo e Paraná), há uma alta disposição das pessoas sobre portar máscaras faciais e utilizar produtos de higienização. Além disso, os trabalhadores com quem tive contato mostraram alto grau de disciplina sobre a necessidade de adotar padrões de segurança pessoal, tendo sido orientado sobre as medidas de higienização na maioria dos locais onde passei.  Nesse sentido, há que se reconhecer que a batalha da comunicação não foi tão perdida como é relatado pela mídia corporativa por “especialistas” convocados pelas grandes emissoras. Para mim, a coisa não está e não foi pior porque a maioria das pessoas já entendeu o risco de se estar contaminado com o coronavírus. Em um país com diferenças sociais colossais como é o caso do Brasil, isto não me parece pouca coisa.

Nomeando os que resistem contra as medidas de prevenção

wp-1642255524972Em um ônibus turístico lotado com pessoas portando máscaras houve quem preferisse ignorar os protocolos de segurança apresentados no início do trajeto

Um detalhe que me parece ser revelador acerca de onde está a resistência para enfrentarmos a pandemia é o comportamento de parte das pessoas, as quais não são em sua maioria os mais pobres. Nos locais que frequentei os que se recusavam a adotar a máscara facial eram sempre aqueles que portavam roupas de grife, com aquele jeitão inconfundível que os membros da classe média possuem.  A resistência ao cuidado coletivo não vem dos mais pobres como se parece acreditar, mas de pessoas que têm toda a condição de entender o impacto de suas ações individualistas, mas optam por não considerar o risco que causam para si e para os outros.

Por outro lado, a partir do que vi, considero que a falta de controle sobre grandes estabelecimentos e os operadores privados de locais públicos é um dos facilitadores da disseminação do coronavírus. É que quanto maior era o tamanho do empreendimento maior era o descontrole, incluindo pontos turísticos que continuavam aglomerando milhares de pessoas em meio ao início da disseminação da variante “ômicron”.  Nesse tipo de empreendimento a ausência quase completa da vigilância sanitária era óbvia, ficando os cuidados por conta “do cliente”.  Com isso, cai por terra qualquer argumento no sentido de que os capitalistas vão cuidar dos seus clientes, pois o que conta mesmo é a garantia do lucro instantâneo.

Duas rápidas observações sobre vacinas e testes

Notei que a maioria das pessoas com quem propositalmente interagi acerca das vacinas apoia a vacinação e estava vacinada.  Isso me mostra que todo o esforço do governo federal, principalmente do presidente Jair Bolsonaro, não logrou convencer uma parcela significativa da população.  Isso também explica porque em um estado que votou maciçamente em Jair Bolsonaro em 2018, o Paraná, não notei qualquer apoio público às manifestações anti vacina do presidente da república. 

Um detalhe é que fui perguntado em incontáveis vezes sobre a eficiência das vacinas e a importância de se completar o esquema vacinal.  Em todos esses casos havia dúvidas sobre a eficiência, mas nada que refletisse a postura negacionista de Jair Bolsonaro.

Além disso, verifiquei “in loco” que as pessoas estão acorrendo aos postos de testagens quando suspeitam que podem ter sido contaminadas pelo coronavírus, fato que explicita o grave equívoco que tem sido a não disponibilização de um amplo processo de testagem no Brasil. Tivéssemos tido testagem em massa, o mais provável é que não o Brasil não haveria alcançado o macabro número de mais de 620 mil mortos pela COVID-19.

Resumo da ópera

É forçoso reconhecer que estamos em meio a mais uma forte onda de contaminações do coronavírus no Brasil, muito em parte pelo alto grau de contágio propiciado pela variante ômicron. Entretanto, considero que a situação poderia ser ainda muito pior se uma parcela significativa da população não tivesse aderido aos parcos protocolos de segurança adotados no país.  

O importante é identificar que a grande parcela de culpa sobre o quadro assumido pela pandemia no Brasil deve recair sobre o presidente da república, um negacionista científico declarado, e de toda a sua equipe de governo que permitiu que ele agisse da forma que agiu e continua agindo. 

Mas não se pode desconhecer daquelas parcelas do capital que estão fortemente associadas ao governo Bolsonaro que se comportam de forma oportunista e irresponsável em meio à essa catástrofe humana que estamos vivenciando por causa da COVID-19.  Um necessário ajuste de contas terá que ser feito com esses segmentos, pois grandes e médios empresários ajudaram conscientemente a agravar a pandemia, apenas para manter seus lucros rolando.

Finalmente, considero que é importante ressaltar que a pandemia causou sim uma forma de aprendizagem sobre a importância do conhecimento científico e do Sistema Único de Saúde (SUS). Esse aprendizado poderá ser útil para a retomada dos direitos que os últimos anos de desmanche do estado brasileiro que foi o resultado mais objetivo do golpe parlamentar de 2016 contra a ex-presidente Dilma Rousseff. 

Antes que me esqueça, estou chegando em casa sem ter contraído o coronavírus. Considero isso o resultado da combinação de meus cuidados pessoais com o fato de ter completado meu esquema vacinal com a terceira dose antes de sair de Campos dos Goytacazes. Somado a isso, o fato de ter desafiado as estatísticas e não ter me contaminado nos locais onde tive de retirar as máscaras de proteção. Por isso tudo, recomendo que todos se vacinem e se mantenham disciplinados no tocante ao uso dos equipamentos de proteção.

Rastreando a próxima pandemia na Amazônia

Na floresta amazônica, cientistas estão procurando outros patógenos que podem se espalhar de animais para humanos

mosquitoOs mosquitos da febre amarela (Aedes aegypti) também podem transmitir o vírus Zika. Foto: dpa/AP/Felipe Dana

Por Norbert Suchanek para o “Neues Deutschland”

Desde o final do ano passado, a variante ômicron do Covid-19 vem se espalhando pelo mundo na velocidade da luz. Também no Brasil, onde as infecções voltaram a subir desde a virada do ano. Mas pesquisadores brasileiros alertaram no ano passado para outro vírus que pode ser transmitido de animais para humanos, o vírus Mayaro. Não é uma questão de saber se, mas quando outra epidemia vai eclodir.

Os virologistas consideram a floresta amazônica em particular, com sua riqueza de espécies, como um gigantesco reservatório de patógenos que podem desencadear zoonoses semelhantes à Covid-19. Desmatamento, invasão de estradas e assentamentos, mineração e garimpo ilegal de ouro, invasão agrícola e construção de barragens estão colocando um número cada vez maior de pessoas em contato com esses patógenos potenciais que circulam não apenas em morcegos, mas também em pássaros, macacos e outros animais vertebrados da região. floresta tropical.

O epidemiologista Felipe Gomes Naveca alertou no ano passado que o vírus Mayaro, ainda pouco estudado, é um candidato promissor para a próxima epidemia grave no Brasil e além. O vice-diretor de Pesquisa do Instituto Fiocruz Amazônia em Manaus e sua equipe na Amazônia estão no rastro de potenciais desencadeadores de pandemia.

O vírus Mayaro, que pertence aos alfavírus, circula na natureza principalmente em vertebrados arbóreos, como macacos, e até agora foi transmitido principalmente pelo mosquito hemagogo (Haemagogus janthinomys) encontrado nas florestas tropicais da América Central, Amazônia e Caribe. Outras espécies animais como roedores, marsupiais, pássaros e até jacarés também podem ser portadores do vírus.

Sabe-se desde 1954 que esse alfavírus pode infectar humanos e desencadear o que é conhecido como a febre Mayaro. Os cientistas descobriram o patógeno no sangue de trabalhadores florestais infectados na província de Mayaro, na ilha caribenha de Trinidad, e o nomearam em sua homenagem. Os doentes sofrem de sintomas semelhantes aos da gripe, como febre, erupções cutâneas, vômitos, diarréia, dor de cabeça, dores musculares e articulares, que podem durar várias semanas, em alguns casos até meses. Como o vírus Chikungunya ,  o Mayaro também pode causar doenças reumáticas.

No Brasil, o primeiro surto de febre Mayaro foi relatado em 1955 no estado do Pará (sudeste da Amazônia). Desde então, também foram registradas infecções pelo Mayaro na Guiana Francesa, Bolívia, Peru, Suriname, Argentina, Colômbia, Venezuela, Tobago e Haiti. Na capital amazônica de Manaus, mais de 30 pessoas adoeceram com o vírus Mayaro em 2011. Estudos recentes indicam que esse alfavírus também está se espalhando para regiões fora da Amazônia, pois já foram encontradas pessoas com o  Mayaro no sangue nos estados do Rio de Janeiro e São Paulo.

Em 2019, um total de 901 infecções em seres humanos causadas pelo Mayaro foram relatadas na América Latina e no Caribe, segundo cientistas da Universidade George Washington e da Organização Pan-Americana da Saúde. As mortes não são conhecidas até o momento. No entanto, como a febre Mayaro é clinicamente indistinguível das doenças da dengue ou chikungunya, os pesquisadores assumem um número desconhecido de casos diagnosticados erroneamente e não relatados.

O vírus Mayaro é considerado particularmente perigoso porque possui uma alta taxa de mutação e notável flexibilidade genética. Isso aumenta a probabilidade de adaptação a novos hospedeiros. Por outro lado, experimentos de laboratório mostraram que outras espécies de mosquitos, em particular o mosquito da febre amarela urbana (Aedes aegypti) e o mosquito tigre asiático (Aedes albopictus) , também podem transmitir o alfavírus da Amazônia. Se isso realmente acontecer, seria um colapso epidêmico. Porque o vírus pode saltar de seu ciclo na floresta tropical para as cidades mesmo fora de sua área de distribuição anterior.

O mosquito da febre amarela, que provavelmente foi introduzido com o tráfico de escravos nos séculos XVI e XVII, hoje é encontrado em todas as cidades do Brasil e já provocou várias epidemias de Dengue, Zika e Chikungunya nas metrópoles do país. O mosquito tigre, originário da Ásia que está circulando no Brasil desde a década de 1980, também pode transmitir esses perigosos patógenos, mas prefere áreas rurais, subúrbios mais arborizados e parques urbanos. Caso o Aedes aegypti e o Aedes albopictus realmente se tornassem portadores do vírus Mayaro, milhões de pessoas estariam ameaçadas, não só no Brasil.

O Aedes aegypti, também conhecido como mosquito tigre egípcio, está agora distribuído mundialmente nos subtrópicos e trópicos e também atingiu o sul da Espanha, Grécia e Turquia. Originalmente restrito ao sul e sudeste da Ásia, o mosquito tigre asiático agora está difundido na África, nos EUA e no sul da Europa.

Até o momento, não há vacina, medicamento ou terapia preventiva para o vírus Mayaro. Evitar picadas de mosquito continua sendo a única prevenção. Em última análise, proteger os biomas brasileiros e frear o desmatamento da floresta amazônica é uma das medidas mais importantes para evitar novas pandemias, afirma a cientista da Fiocruz Alessandra Dales Nava, do Laboratório de Ecologia de Doenças Transmissíveis da Amazônia.

Algumas “boas” notícias, pelo menos para pessoas que já sobreviveram à chikungunya, vêm de um estudo em ratos de laboratório publicado em novembro passado. Os roedores infectados com chikungunya desenvolveram imunidade parcial ao vírus Mayaro. Mas quem quer contrair o chikungunya para ficar imune à febre Mayaro?

color compass

Este texto foi escrito originalmente em alemão e publicado pelo jornal “Neues Deutschland” [Aqui!].

Promessas vazias: Cargill continua fornecendo ração ligada ao desmatamento da Amazônia para fazendas do Reino Unido

A Cargill, que se comprometeu a limpar sua cadeia de suprimentos, vende ração para muitos dos bilhões de frangos que são abatidos anualmente apenas no Reino Unido

cargill soybean

Uma investigação descobriu as ligações da Cargill com a fazenda fornecedora brasileira Fazenda Conquista. Fotografia: Greenpeace Unearthed/Pedro Ladeira

Por Andrew Wasley , Lucy Jordan e Elisângela Mendonça para o “The Guardian”

A Cargill, grande fornecedor de ração animal para o Reino Unido, ainda está comprando soja e milho de uma fazenda ligada ao desmatamento na Amazônia, apesar de ter se comprometido a limpar suas cadeias de suprimentos globais.

A Cargill, uma multinacional agrícola gigante que vende ração para granjas britânicas, compra colheitas de uma fazenda que cultiva soja em terras desmatadas na Amazônia brasileira.

Uma investigação do Bureau of Investigative Journalism, Greenpeace Unearthed, Repórter Brasil e Ecostorm descobriu as ligações da Cargill com a fazenda fornecedora brasileira, Fazenda Conquista.

A fazenda na Amazônia brasileira foi responsável por oito quilômetros quadrados de desmatamento desde 2013, com vários incêndios florestais registrados em 2020. Sua negociação com a Cargill inclui o fornecimento de soja, e a fazenda assinou um acordo para entregar 5.700 toneladas de milho à empresa neste ano. Não se sabe se as culturas em questão foram cultivadas em uma parte recentemente desmatada da fazenda.

As descobertas levantam questões sobre o processo de due diligence da Cargill. A empresa se comprometeu a não comprar soja de terras desmatadas na Amazônia depois de 2008, e no ano passado se comprometeu a agir mais rapidamente para eliminar o “desmatamento impulsionado por commodities”.

Mas a Cargill também tem sido repetidamente associada ao desmatamento . Em 2020, o Bureau e o Unearthed relataram 800 quilômetros quadrados de desmatamento e 12.000 incêndios desde 2015 em terras usadas pelos fornecedores de soja da Cargill no Cerrado , outro bioma protegido no Brasil.

A empresa exporta anualmente milhares de toneladas de soja brasileira para o Reino Unido para uso em ração animal. Os ativistas disseram que as descobertas destacaram os custos ambientais ocultos da carne barata.

“As galinhas de carne são os animais mais intensivamente criados no Reino Unido, com mais de um bilhão de animais abatidos a cada ano”, disse Lindsay Duncan, gerente de campanhas da World Animal Protection UK.

“A crescente demanda por frango barato leva à crescente demanda por soja, causando desmatamento em grande escala e degradação ambiental devastadora, que destrói os habitats naturais de milhões de animais selvagens.”

Cerca de 80% de toda a soja cultivada em todo o mundo é destinada ao gado. O Reino Unido importou cerca de 3,5 milhões de toneladas de grãos de soja em 2019, com cerca de metade disso terminando em ração para frangos.

Cerca de um quarto da soja importada do Reino Unido vem do Brasil, e a grande maioria é comercializada pela Cargill.

A Cargill disse: “Estamos comprometidos em eliminar o desmatamento de nossas cadeias de suprimentos no menor tempo possível e estamos acelerando nossos esforços”. Respondendo às constatações sobre a Fazenda Conquista, o comunicado prosseguiu: “Caso o fogo tenha sido utilizado e tenha impactado a mata nativa ou confirmada alguma irregularidade, tomaremos as medidas cabíveis”.

O estado da terra em questão antes de 2013 é contestado: a administração da Fazenda Conquista disse em comunicado que a fazenda tinha permissão do órgão ambiental local para realizar uma “queima controlada” na terra porque originalmente havia sido desmatada no início dos anos 1980 .

No entanto, imagens de satélite mostram que a floresta estava crescendo desde então, e o programa de monitoramento de desmatamento do Brasil sinalizou a derrubada em 2013 como desmatamento.

A Secretaria Estadual de Meio Ambiente (Sema) confirmou que autorizou uma queima na fazenda em 2012 para limpar o pasto com algum grau de regeneração. Mas a Sema disse que nenhuma licença para desmatamento total dentro da fazenda foi autorizada e admitiu que, embora não houvesse imagens de satélite de alta resolução antes de 2019 para identificar o desmatamento em tempo real, uma análise recente sugeriu que havia desmatamento dentro da propriedade. A Sema disse que iria investigar mais.

Em uma análise independente de imagens de satélite, a ONG Aidenvironment também considerou que a terra foi desmatada. Este ano, a fazenda será incluída na lista negra da Moratória da Soja, um acordo voluntário da indústria que proíbe o comércio de soja em terras amazônicas desmatadas após 2008. O Grupo de Trabalho para a Soja, que supervisiona a moratória, disse ter identificado uma área de desmatamento que tinha sido semeado com soja na última época de plantio.

Um repórter do Bureau visitou a fazenda este ano e viu grãos de soja crescendo na terra.

A destruição da floresta amazônica tem sérias consequências para o clima, com especialistas temendo que o bioma possa cruzar em breve um “ponto de inflexão” no qual começará a mudar de floresta tropical exuberante para uma savana mais seca, liberando grandes quantidades de carbono armazenado na atmosfera.

De acordo com a agência espacial brasileira, o desmatamento na Amazônia aumentou 22% nos 12 meses até julho do ano passado.

As principais empresas de alimentos britânicas adotaram esquemas de certificação de “desmatamento zero” para enfrentar o problema, mas a soja “suja” ligada ao desmatamento continua a entrar nas cadeias de suprimentos.

color compass

Este texto foi inicialmente escrito em inglês e publicado pelo jornal “The Guardian” [Aqui! ].

Cheia do Paraíba do Sul de 2022: por que o dilema “abrir” ou “fechar” comportas é falso?

cheia 2022 1
Cheia de 2022 do Rio Paraíba do Sul expõe situação de completo abandono do sistema de diques e canais no Norte Fluminense
A enorme cheia de 2022 do Rio Paraíba do Sul está levantando um debate até interessante sobre o papel que o sistema de comportas criado pelo antigo DNOS para regular a direção e a intensidade do fluxo da água na Baixada Campista (no tocante a isso sugiro a leitura da obra de Arthur Soffiati “As lagoas do Norte Fluminense: contribuição à história de uma luta” de 2013). É que diante da urgência da situação houve quem sugerisse a abertura das comportas para baixar um pouco o nível do Paraíba do Sul, apenas para se ouvir a palavra de “especialistas” no sentido de que tal ação acabaria causando inundações em determinados bairros.
Eu não vou entrar nesse dilema, pois o acho falso e explico a razão. É que há décadas esse complexo sistema de comportas está em sua maioria relegado ao completo abandono. Por isso, tenho dúvidas sobre se seria possível abrir e fechar as comportas da forma organizada, de modo a contribuir para diminuir o problema, e não aumentá-lo.
Assim, de que vale a visita do governador acidental Cláudio Castro e sua teatral entrada nas águas vazando do Rio Paraíba do Sul para prometer minguados R$ 20 milhões para o Instituto Estadual do Ambiental (Inea) minimizar os impactos do rompimento do dique de São Bento em São João da Barra. Como bem falou a prefeita de São João da Barra, Carla Machado, “são 25 km de malha de canais e diques sem conservação há décadas“, acrescentando que existem outros diques que estão sob risco de romper. O interessante é que estando como prefeita por mais de 3 gestões, a própria Carla Machado não tenha desenvolvido um projeto que garantisse uma gestão mais moderno dessa mesma malha de canais e diques. E olhe que, ao contrário de Campos dos Goytacazes, São João da Barra possui uma secretaria municipal de meio ambiente.

cheia 2022

Cheia de 2022 do Rio Paraíba ameaça a região central da cidade de Campos dos Goytacazes
A questão é que a fatura do abandono do vasto complexo sistema de diques e canais que foram construídos na baixada campista chegou mais claramente na cheia de 2022, mostrando a fragilidade não apenas de áreas rurais frente a eventos meteorológicos extremos, mas também as áreas urbanas de Campos dos Goytacazes e São João da Barra. Assim, se me permitem os prefeitos Wladimir Garotinho e Carla Machado, sugiro que parem de esperar por soluções providenciadas pelo sobrenatural e comecem a investir e demandar investimentos na modernização do sistema de comportas, de forma a permitir que as futuras cheias (e elas virão cada vez mais frequentemente) sejam enfrentadas de forma organizada.
Ah sim, não custa lembrar que um dos primeiros atos do prefeito Wladimir Garotinho foi extinguir a Secretaria Municipal de Meio Ambiente (Sema), reforçando o que a dissertação do mestre em Políticas Sociais pela Universidade Estadual do Norte Fluminense (Uenf), André Moraes Barcellos Martins Vasconcellos, já havia diagnosticado de forma precisa, qual seja, o desprezo pela pauta ambiental no plano de governo do jovem alcaide campista. O que se espera, pelo menos eu espero, é que diante da gravidade do cenário, Wladimir reveja sua postura equivocada e recrie a Sema, e com o orçamento necessário para que se proceda a um amplo diagnóstico dos problemas existentes no sistema de diques e canais do município. Mas se desprezar essa humilde sugestão, que depois não vai adiantar pedir pela intervenção divina.

A França e seu padrão duplo no uso de agrotóxicos: o caso do Clordecona nas Antilhas Francesas

A França finalmente reconhece o risco de câncer como uma doença ocupacional entre os trabalhadores das plantações nas Antilhas

clordecona 1Em muitas regiões do mundo, agrotóxicos altamente tóxicos ainda são pulverizados do ar. Foto: Alamy Stock Photo

Por Ralf Klingsieck, Paris para o Neues Deutschland

No departamento ultramarino francês de Guadalupe, a pequena reportagem foi celebrada como uma grande vitória de palco na mídia: no diário oficial “Journal officiel”, por decreto, câncer de pessoas que trabalharam durante anos nas plantações de banana e entraram em contato com o agrotóxico altamente tóxico Clordecona foi finalmente reconhecido como uma doença ocupacional. O Ministério da Agricultura ainda não anunciou qual é o valor das compensações e quantas pessoas têm direito a elas.

A Clordecona foi amplamente utilizada como inseticida nos territórios ultramarinos franceses das Antilhas entre 1972 e 1993 . De acordo com o presente decreto, no entanto, apenas os trabalhadores agrícolas que trabalharam nas plantações de banana por pelo menos dez anos e que tenham passado pelo menos 40 anos entre o último contato com o inseticida e o diagnóstico de câncer de próstata têm direito ao reconhecimento e à pensão . Para as associações de vítimas que estão litigando no estado desde 2006 por causa de “riscos à saúde com risco de vida”, este é apenas um sucesso inicial. Eles continuarão lutando até que as condições restritivas sejam relaxadas e o círculo de vítimas que podem reivindicar reparação financeira seja muito mais amplo.

O  “Atlas dos Agrotóxicos de 2022” apresentado em Berlim ontem (12/01) mostra que a quantidade de agrotóxicos usados ​​em todo o mundo aumentou 80% desde 1990, em algumas regiões como a América do Sul em quase 150%. O atlas foi publicado pela Federação para o Meio Ambiente e Conservação da Natureza, a Fundação Heinrich Böll e a Pesticide Action Network (PAN Alemanha). De acordo com isso, o uso de cerca de 350.000 toneladas na UE ainda está em um nível alto. Na Alemanha, as maçãs são pulverizadas cerca de 30 vezes por estação, as vinhas até 17 vezes e as batatas até 11 vezes.

A Clordecona é um desregulador endócrino, ou seja, um produto químico que pode interromper o modo bioquímico natural de ação dos hormônios e, assim, causar efeitos nocivos – por exemplo, a interrupção do crescimento e desenvolvimento. O agrotóxico, cuja natureza questionável era conhecida desde a década de 1960, foi colocado na lista de substâncias potencialmente cancerígenas pela Organização Mundial da Saúde (OMS) da ONU em 1979.

Nas regiões das Antilhas Francesas de Guadalupe e Martinica, o número de casos de câncer de próstata per capita é o mais alto do mundo. Embora a Clordecona não tenha sido usada na França continental desde 1990, durou até ser proibida nas áreas das Antilhas Francesas até 1993, pois os proprietários das plantações obtiveram uma autorização especial. Os trabalhadores agrícolas preocupados foram acalmados pelas autoridades de saúde locais. Os riscos para a saúde só foram revelados anos depois por meio de pesquisas de associações ambientalistas e grupos de cidadãos. Cientistas a quem pediram ajuda descobriram que mais de 90% da população das Antilhas é afetada, o que pode ser atribuído ao fato de que o uso de clordecona não se limitou às plantações de banana. As áreas de cultivo de frutas e hortaliças provavelmente serão poluídas por séculos pelo envenenamento das águas subterrâneas.

As mentiras oficiais na questão da Clordecona levaram a uma profunda desconfiança das instituições estatais, especialmente em Guadalupe. Este é um terreno fértil para notícias falsas e teorias da conspiração espalhadas na Internet. Portanto, não é de surpreender que, na atual pandemia de corona , a taxa de vacinação seja a mais baixa de todos os departamentos franceses . Isso é perigoso para a saúde da população e arriscado para os hospitais, onde as unidades de terapia intensiva não têm capacidade suficiente.

Um conflito aberto surgiu quando o governo de Paris impôs exigências de vacinação para todos os profissionais de saúde meses atrás. Enquanto na França continental apenas algumas centenas dos mais de 200.000 médicos e enfermeiros se opuseram à vacinação, em Guadalupe o mesmo se aplica à maioria dos funcionários. Eles lutam há semanas com ações às vezes violentas para garantir que a vacinação obrigatória para as Antilhas seja suspensa. As sedes sindicais de Paris estão extremamente envergonhadas que os sindicatos locais estejam liderando essa luta.

Enquanto isso, as ações aumentam. Depois que os hospitais foram ocupados e bloqueados por dias, o departamento de saúde de Guadalupe foi sitiado na semana passada e seu conselho de administração foi sequestrado como refém e só liberado depois do expediente. As ações atingiram seu pico por enquanto no início desta semana, quando um membro do parlamento foi agredido do lado de fora de sua casa por manifestantes com os quais ele queria discutir. Ele havia votado anteriormente na Assembleia Nacional de Paris pelo certificado de vacinação, que será condição para acesso a instituições gastronômicas ou culturais ou viagens a partir de meados de janeiro.

color compass

Este texto foi escrito originalmente em alemão e publicado pelo jornal “Neues Deutschland” [Aqui!].

Em um país em que governantes desprezam a ciência, o custo sempre será alto

morro da forca
Deslizamento de terra, previsto em estudo de 2016, destruiu hoje prédios históricos no centro da cidade de Ouro Petro (MG)
A persistência das chuvas e o inevitável impacto que elas trazem sobre a estabilidade geológica está trazendo uma série de prejuízos para muitas cidades em Minas Gerais, incluindo as históricas. O último acontecimento que está dando o que falar foi o deslizamento de terras no Morro da Forca na manhã desta quinta-feira (13), em Ouro Preto/MG, cujo resultado foi a completa destruição de casarões no centro histórico da cidade (ver vídeo abaixo).

Para que se tenha ideia da perda que ocorreu hoje em Ouro Preto é só notar que um dos prédios destruídos, o Solar Baeta Neves, era a primeira construção de estilo neocolonial do município. Mas o que a maioria das pessoas que está assistindo chocada à destruição do patrimônio histórico em Ouro Preto é que um estudo de 2016, realizado por pesquisadores da Companhia de Pesquisa de Recursos Minerais (CPRM), vinculada ao Serviço Geológico Brasileiro, já havia previsto o “alto risco de movimento de massa” no local que desmoronou no dia de hoje (ver imagem abaixo).

wp-1642101129377
Este estudo, segundo me foi informado, foi entregue às autoridades locais que, obviamente, optaram por desprezar o prognóstico científico que cerca de 6 anos depois se provou muito preciso. Esse desprezo pela ciência custou um valor incalculável para não apenas para os proprietários dos imóveis destruídos pelo deslizamento de terras, mas principalmente para o patrimônio arquitetônico nacional.
Mas está mais do que claro que a rejeição ao conhecimento científico não está restrito aos governantes de Ouro Preto, mas é a regra entre a maioria dos mandatários brasileiros, e em todas as esferas de governo. Assistindo de longe as cenas de destruição que estão ocorrendo no Norte Fluminense, principalmente em Campos dos Goytacazes e São João da Barra, fica óbvio que estamos diante de governantes que não levam em conta o conhecimento científico existente, seja para responder aos problemas imediatos, seja para preparar seus municípios para o “novo normal” climático que será a ocorrência de eventos meteorológicos extremos em curtos períodos de tempo. Essa postura é quase que uma garantia de que continuaremos expostos à repetição de eventos trágicos, seja em termos de perdas materiais ou de vidas humanas.
A questão da persistência de padrões ultrapassados de governança só será alterada se houver uma clara tomada de posição da população para exigir que a ciência seja internalizada na gestão pública. Também caberá aos cientistas saírem de sua posição majoritariamente passiva frente ao que ocorre na sociedade em que vivem para que o seu conhecimento seja colocado adiante de formas arcaicas de governo que tendem a privilegiar o patrimonialismo e, não raramente, os interesses privados de quem ocupa as cadeiras de poder.