Relatório voltado a investidores aponta endurecimento de políticas ambientais em todo mundo e faz alerta ao Brasil

Planet Tracker avalia que país tem a segunda pauta exportadora mais dependente de capital natural no G20, atrás apenas da Argentina

gado amazonia

Forte dependência da pauta exportadora do uso de capital natural poderá gerar graves problemas para o Brasil, alerta relatório produzido por think tank  das finanças globais

Um estudo feito pela London School of Economics em parceria com o Planet Tracker avalia que haverá cada vez mais pressão para que títulos soberanos levem em conta questões de meio ambiente e sustentabilidade em suas decisões de investimento. Ao mesmo tempo, o documento ressalta que essa classe de ativos, que inclui fundos de pensão bilionários de países ricos, está se consolidando como um investimento que soma o desempenho macroeconômico de um país ao valor de seus títulos públicos no mercado de capitais — e essas duas sinalizações são sensíveis para o Brasil.

transition

O relatório avalia que nesse cenário, o país pode tanto se tornar um destino pouco atraente para fundos soberanos devido a riscos de sustentabilidade do seu setor produtivo, como pode ver depreciado seus próprios títulos públicos. Isso ocorreria devido à desestabilização do cenário macroeconômico, afetando suas classificações de crédito e dívida externa. Esse desajuste, segundo o documento, é uma consequência esperada diante da elevada dependência das exportações brasileiras em relação ao seu “capital natural”.

O relatório utiliza um instrumento de pesquisa desenvolvido pela entidade para afirmar que 28% dos títulos soberanos da Argentina e 34% dos títulos soberanos do Brasil estarão expostos a um maior fortalecimento de políticas climáticas e anti-desmatamento nos próximos dez anos. Após 2030, o cenário muda para 44% e 22% dos títulos soberanos desses dois países, respectivamente.

O documento prevê que a próxima década será disruptiva em termos econômicos e recomenda que os títulos públicos desenvolvam mais resiliência para enfrentar essas turbulências. Para isso, o relatório orienta que emissores, investidores e agências de classificação de crédito trabalhem para garantir a incorporação do valor total da natureza na atividade produtiva. E sinaliza que pesquisadores e sociedade civil farão cada vez mais pressão para que haja uma real transparência em compromissos de empresas e governos com a sustentabilidade.

As chamadas “soft commodities”, onde estão classificadas todas commodities agrícolas, dependem fortemente de capital natural e foram quase 40% das exportações do país entre 2008 e 2017 — e representaram US ﹩ 897 bilhões. Entre todos os países do G20, as exportações do Brasil estão em segundo lugar na dependência em relação ao capital natural, atrás apenas da Argentina. A média dos países do bloco é de 10%.

Na avaliação do Planet Tracker, essa dependência é perigosa devido ao cenário político internacional. Uma mudança global para uma economia de desmatamento zero pode colocar em gerar uma desvalorização aguda de ativos do agronegócio, o que teria efeitos negativos para todos os indicadores macroeconômicos — défice de balanço de pagamentos, deterioração das reservas cambiais, aumento do desemprego e diminuição da renda média nacional.

O documento aponta como sinal desse movimento uma tendência mundial de rejeição do biodiesel em favor de alternativas com menor risco de sustentabilidade. O Brasil é o segundo maior produtor desse combustível, atrás dos EUA.

Segundo a publicação, as primeiras ações concretas para políticas ambientais mais duras já podem ser observadas na Nova Zelândia, onde uma alteração da lei deve taxar emissões de carbono de produtos agrícolas em 2025. Outro exemplo citado é o debate em curso na Holanda para criação de um imposto com mesmo recorte.

Sobre o Planet Tracker

O Planet Tracker é um think tank financeiro sem fins lucrativos que alinha o mercado de capitais com os limites planetários. Foi lançado em 2018 pelo Investor Watch Group, cujos fundadores, Mark Campanale e Nick Robins, criaram a Carbon Tracker Initiative.

O Planet Tracker foi criado para investigar falhas de mercado relacionadas a limites ecológicos. O foco das investigações são a comunidade de investidores, para os quais a entidade avalia que os riscos atrelados à crise climática estão mal compreendidos e comunicados de maneira ainda mais falha.

O relatório “The sovereign transition to sustainability Understanding the dependence of sovereign debt on nature” é fruto de um estudo realizado pelo Grantham Research Institute da London School of Economics em parceria com o Planet Tracker. Acesse o relatório completo [Aqui!].

Para mais informações sobre os dados do relatório, entre em contato com Graham Webb:

Rede que administra US$ 20 trilhões é mais uma a sinalizar risco de investimento em empresas de proteína animal

Relatório calcula que taxas de emissão de carbono podem custar US﹩ 11 bilhões. Adicionalmente, surtos de COVID-19 em fábricas de carne no Brasil ameaçam exportações.

A taxação das emissões geradas pela produção de animais de criação está ganhando impulso entre formuladores de políticas públicas no exterior, de acordo com o mais recente relatório  da Fair Animal Investiment- Risk and Returno (FAIRR), uma rede global de investidores que administra mais de US$ 20 trilhões em ativos. A entidade calcula que os impostos sobre o carbono podem custar a um conjunto de 40 empresas líderes no setor de proteína animal até US﹩ 11,6 bilhões em EBITDA até 2050 — um impacto médio de 5% da receita de cada empresa.

fairr report

A avaliação vem na esteira de uma sequência de sinalizações negativas para o setor brasileiro de commodities. Somente no mês de junho, foram duas ameaças diretas de desinvestimento em empresas do país — e até nos Títulos Soberanos do Brasil — caso o governo não conseguisse frear o desmatamento. Um grupo que inclui a holandesa Robeco, e que administra US﹩ 2 trilhões, disse à Reuters em 19/06 que deixarão de investir em empresas de carne e grãos do Brasil por conta da destruição da Floresta Amazônica. Em 23/06, foi a vez de 29 empresas globais de investimentos (com U﹩ 3,7 trilhões em ativos) assinarem carta conjunta pedindo mudanças na política ambiental do governo de Jair Bolsonaro.

Além das emissões oriundas do desmatamento, o relatório da FAIRR avalia que o setor de carne envolve elevado risco para a saúde humana, e que a pandemia de COVID-19 (uma zoonose em sua origem) deu novo impulso a essas discussões. Essas preocupações tornaram-se particularmente prementes para formuladores de políticas, avalia o documento, criando riscos materiais que merecem a consideração dos investidores.

“Uma análise de causa-raiz da pandemia de COVID-19 provavelmente mostrará a necessidade urgente da indústria de carnes e de peixes de melhorar as práticas de biossegurança e triagem”, prevê Coller. “No cenário pós-COVID, existe o risco de os governos pararem de subsidiar a agricultura animal e começarem a taxá-la em vez disso.” Ward concorda com a avaliação de Coller e ressalta que, “na sequência da pandemia, provavelmente haverá uma pressão regulatória crescente sobre a indústria de carnes para evitar futuras pandemias zoonóticas.”

Recentemente, a China suspendeu importações de carne de quatro unidades de processamento no Brasil devido a surtos de COVID-19. Esse cenário ganhou contornos socioambientais dramáticos na fábrica da JBS em Dourados (MS) após contaminação em massa de funcionários indígenas. Líderes das aldeias da região já contabilizam 201 pessoas contaminadas e uma morte — um homem de 56 anos de idade. 33 dessas pessoas infectadas são trabalhadores da empresa, e a maioria das outras vítimas são membros das comunidades às quais esses funcionários pertencem — quase todos Guarani Kayowá, uma das etnias mais ameaçados do país.

O surto na JBS transformou Dourados, uma cidade de 210 mil habitantes, no epicentro do novo coronavírus no estado de Mato Grosso do Sul, com 2.670 casos. Comparativamente, a capital do estado, Campo Grande, com uma população de 700 mil habitantes, conta com pouco mais 1.400 casos. Na cidade de Trindade do Sul, no sul do Rio Grande do Sul, uma planta da JBS também causou a propagação da doença entre funcionários indígenas.

Os dois casos de funcionários da Seara que moram em Rio Brilhante foram descobertos em barreira sanitária (Foto: Divulgação)Com 36 casos, indústria da JBS espalha coronavírus em cinco municípios do Mato Grosso do Sul- CREDITO: CAMPO GRANDE NEWS

Os Povos Indígenas são mais vulneráveis ​​à atual crise sanitária devido à dificuldade de acesso aos serviços de saúde. Ao mesmo tempo, empresas de carnes favorecem a disseminação do novo coronavírus por serem ambientes úmidos, com pouca circulação de ar e baixas temperaturas. O barulho das máquinas de refrigeração faz as pessoas gritarem para serem ouvidas, espalhando gotas de saliva no ar. O modelo de trabalho nessas fábricas não permite uma distância segura de 1,5 metro, além da existência de pontos de aglomeração de trabalhadores. Frigoríficos são considerados serviços essenciais.

Tendência de taxação sobre emissões

O relatório afirma que a legislação progressiva deve vincular as receitas provenientes dos impostos sobre a carne a benefícios sociais específicos, como preços mais baixos de frutas e legumes ou apoio aos agricultores para uma transição ecológica. Para tanto, foram avaliadas discussões políticas recentes sobre novos impostos sobre a carne, incluindo um estudo encomendado pelo governo holandês sobre “preços justos da carne” e um projeto de lei na Nova Zelândia. Se aprovada, a nova legislação tributará emissões da pecuária dentro do chamado Esquema de Comércio de Emissões, que entra em vigor no país a partir de 2025.

Jeremy Coller, fundador da FAIRR e diretor de investimentos da Coller Capital, avalia que “existe um consenso crescente de que não podemos alcançar o Acordo Climático de Paris a menos que lidemos com a agricultura industrial – um setor que emite mais gases de efeito estufa do que todos os aviões, trens e carros do mundo juntos.”

“O governo da Nova Zelândia criou uma lei para medir e precificar as emissões das fazendas a partir de 2025, e há um risco claro para o setor de que outros reguladores sigam o exemplo”, avalia o diretor, que alerta que investidores estão começando a considerar esse aspecto em suas avaliações de longo prazo sobre empresas de carne.

“Desde o relatório de 2017 da FAIRR sobre tributação da carne, a conversa sobre o preço da carne na Europa mudou completamente”, avalia Jeroom Remmers, diretor da True Animal Protein Price Coalition (TAPP). “Fundamentalmente, a Coalizão TAPP descobriu que a maioria dos consumidores agora apoia mais impostos sobre carne, se outros produtos alimentícios, como vegetais, diminuírem de preço, e legisladores como a Comissão da União Europeia estão mais receptivos do que nunca.”

Para Rommers “é vital que investidores como a rede FAIRR usem sua influência para garantir que os preços dos alimentos reflitam os custos reais de poluição, emissões e desmatamento em suas cadeias de fornecimento.”

Para Faith Ward, diretora de investimentos responsáveis ​​da Brunel Pension Partnership, o impacto climático da carne provavelmente apresenta os maiores riscos materiais para os investidores a longo prazo. “A pesquisa da FAIRR mostra que a carne está em um caminho claro que provavelmente terminará com tributação de alguma forma, a fim de reduzir seu impacto no clima. Investidores perspicazes devem se aproximar das discussões sobre esse assunto para ficar à frente da curva.”

A cruzada de Jair Bolsonaro contra as máscaras realça a natureza anti-científica do seu governo

O presidente Jair Bolsonaro cumprimenta apoiadores na frente do Palácio do Planalto

Em uma matéria assinada pelo jornalista Daniel Carvalho, o jornal Folha de São Paulo informa que o presidente Jair Bolsonaro ampliou a sua cruzada contra o uso de máscaras cirúrgicas ou artesanais como forma de diminuir a transmissão de coronavírus em diversos tipos de ambientes, incluindo presídios onde hoje a pandemia da COVID-19 dá sinais de estar se ampliando velozmente. A  cruzada é tão abrangente que agora Jair Bolsonaro está isentando estabelecimentos comerciais de  “afixar cartazes informando sobre o uso correto de máscaras“.

Note-se que este mesmo presidente está promovendo uma liberação exponencial para a venda de armas com medidas que impedem, entre outras coisas, que se possa realizar o rastreamento de procedência de munições. 

Mas o que está cruzada revela é a mais perfeita desconsideração com regras mínimas de segurança em um momento que a pandemia da COVID-19 já atingiu números oficiais alarmantes, com 1.604.885 infectados e quase 65 mil mortos.

A razão mais óbvia para esta ação agressiva contra uma ferramenta básica de defesa das pessoas contra um vírus letal é reafirmar a posição de ceticismo frente às evidências amplamente aceitas em relação à utilidade do uso de máscaras no enfrentamento da pandemia. Ao dificultar a imposição do uso e até ao acesso de informações que esclareçam o seu uso correto, Jair Bolsonaro está objetivamente contribuindo para que setores ainda mais amplos da população deixem de se proteger e, por consequência, aumente o tempo de duração da pandemia.

bolsonaro mascaraA marcha de Jair Bolsonaro contra o uso de máscara revela o caráter anti-científico do seu governo

O que mais chama a atenção nesse processo que causa perplexidade em líderes mundiais, inclusive os de direita como o ex-presidente da Colômbia. Juan Manuel Santos, que considerou uma loucura a condução feita por Jair Bolsonaro da pandemia, é a aceitação tácita, e até mesmo a participação na cruzada de Bolsonaro contra as máscaras, parte do judiciário e do legislativo, bem como de governadores e prefeitos.

Uma possível explicação para que o presidente Jair Bolsonaro possa continuar com sua cruzada anti-ciência é a informação de que a maioria dos mortos pela COVID-19 são homens negros e pobres que normalmente habitam as periferias pobres das grandes cidades brasileiras. 

As características demográficas da maioria dos mortos também explica o porquê das cenas de multidões sorvendo bebidas alcóolicas em bairros frequentados principalmente pela classe média branca cuja maioria votou em Jair Bolsonaro para presidir o Brasil. Nesse sentido, há um encontro entre classe e cor da pele entre os que alimentam a cruzada promovida por um presidente que nunca mostrou preocupação pela maioria dos que estão morrendo ao longo de seus quase 30 anos no parlamento brasileiro. A negação das máscaras é, portanto, um encontro perfeito entre criador (a classe média) e a sua criatura (Jair Bolsonaro) (ver vídeo abaixo).

Por fim, nada mais coerente então que deixar os ministérios da Saúde e da Educação abandonados no mar de incompetência em que o governo federal se transformou nas mãos de um presidente que despreza as evidências científicas mais básicas. E segue a cruzada.

Amazônia perdeu mais de 930 km2 de floresta em junho

DETER-desmatamento-Amazônia-junho-2020-810x537

Os números mais recentes do sistema DETER de monitoramento do desmatamento na Amazônia reforçam a percepção de que os próximos meses serão difíceis para a floresta.

De 1º a 25 de junho, o sistema do INPE registrou perda florestal de 933 km2, um montante similar ao observado nos 30 dias de junho de 2019, quando 935 km2 foram desmatados. Se o ritmo de desmatamento tiver sido o mesmo nos cinco últimos dias de junho passado, o total do mês pode chegar a 1.119 km2 de desmatamento, 20% acima do observado em junho de 2019.

Os dados agregados também preocupam. De agosto de 2019 até agora, o acumulado de desmate na Amazônia é de 7.438 km2, 62% acima do observado no mesmo período no ano passado. Nos últimos 12 meses, 9.693 km2 de floresta foram devastados, 87% acima do observado nos 12 meses anteriores.

Considerando que julho é o mês no qual o desmatamento costuma saltar na Amazônia, o DETER pode fechar o período atual de análise (agosto/19 a julho/20) em 9.880 km2. Para comparação, o DETER apontou 6.844 km2 de desmatamento entre agosto de 2018 a julho de 2019; já o sistema PRODES, que faz o acompanhamento mais qualificado do desmatamento, com dados totalizados, indicou supressão vegetal em mais de 10 mil km2 para o mesmo período. Mantida a mesma proporção, o PRODES pode mostrar quase 15 mil km2 de desmatamento neste ano.

fecho

Este texto foi originalmente publicado pelo ClimaInfo [Aqui!].

MEC ao léu: Renato Feder pede para sair sem ter entrado

feder paranáApós rejeição implacável ao seu nome por “olavistas” e “militares, Renato Feder usa Twitter para declinar convite para ser o próximo ministro da Educação

A situação seria cômica se não fosse extremamente trágica. É que neste domingo, o secretário estadual de Educação do Paraná, Renato Feder, gerou mais uma situação humilhante para o governo Bolsonaro ao declinar via sua página na rede social Twitter o convite que teria sido feito a ele pelo presidente Jair Bolsonaro (ver imagem abaixo).

renato feder declina

A situação de um convite ser “declinado” via redes sociais é insólita, e mostra o desprestígio do convite e de quem o fez. Em um passado não muito distante, o convite para ocupar um ministério seria celebrado e tratado com mais cuidado, e a situação que está posta é rara, mesmo para um país com um sistema político chegado à excentricidades como é o brasileiro.

Com a recusa de Renato Feder, o governo Bolsonaro está com pelo menos dois ministérios importantes sem um ocupante definitivo,  Saúde e Educação, justamente quando eles são chamados a ocupar um papel relevante no combate à uma pandemia letal como é a da COVID-19.

Por outro lado, o tratamento displicente que o presidente Bolsonaro dispensa à indicação dos ministros dessas duas pastas deixa claro que estas duas áreas não são vistas como estratégicas, o que é deixado explícito por essa sucessão de vexames que tem sido a tentativa de encontrar um substituto para um ministro que teve um desempenho para lá de pífio, como foi o caso de Abraham Weintraub no MEC.

Um detalhe mórbido sobre essa recusa pública de Renato Feder foi a oposição que seu nome sofreu de duas alas, ideológica e militar, que se debatem para saber quem determina as linhas de ação do governo Bolsonaro. É que aparentemente, Feder foi rejeitado simplesmente por não ser truculento ou direitista o suficiente. Como eu disse no início desta postagem, a situação do governo Bolsonaro seria cômica se não fosse trágica.

Finalmente, desconfio que neste momento há algum militar engalanado engraxando o sapato e engomando o terno para assumir o MEC. Temporariamente, é claro.

Defender a Capes, mas sem idealizar o que ela tem sido

capes

Por Luís Felipe Miguel

Baixou um conselheiro Acácio em mim e eu formulei a seguinte frase: o problema do retrocesso é que ele impede o avanço.

Vale para muitas coisas, mas eu estava pensando no manifesto em defesa da Capes, lançando anteontem por representantes da maior parte das áreas de conhecimento da própria agência.

A Capes e todo o sistema brasileiro de pós-graduação, do qual ela é um pilar, estão sendo ameaçados pelo obscurantismo militante do atual governo. Entendo a necessidade de defendê-los e me solidarizo com o manifesto.

No entanto, essa necessidade, imperiosa, tem nos levado a silenciar sobre os graves problemas da agência. É natural: é difícil defender criticando. Abre flancos. Fragiliza nossa posição.

No caso do manifesto, alcança-se um tom triunfalista que, a mim, incomodou. Não contente de dizer que “o sucesso da Capes se deve a um modelo capilarizado de operação que sempre valorizou a contribuição de toda a comunidade científica do país”, conclui: “Este histórico é brilhantemente capturado no lema informal, porém amplamente adotado, que afirma que ‘a Capes somos nós’!”

Gente, estou por fora mesmo. Faz quase 30 anos que caí nessa vida e nunca tinha ouvido esse lema “amplamente adotado”.

O fato é que, longe de valorizar a contribuição de toda a comunidade científica, a Capes aparece como um poder disciplinador externo, que é necessário agradar a todo custo.

O “conceito Capes” define a vida e a morte das pós-graduações. Nosso esforço não é voltado para produzir mais conhecimento, de maior qualidade ou com maior impacto social, mas para “aumentar a nota na Capes”.

Esse é um efeito colateral de todo processo de ranqueamento, mas que é agravado em casos como o da Capes, em que há uma sensibilidade muito baixa às especificidades das diversas situações.

Vou repetir, quase que palavra por palavra, o que escrevi aqui faz uns anos. Por sua falta de sensibilidade às diferenças, o sistema Capes é enviesado na direção, por um lado, das ciências naturais e, por outro, do Sudeste.

Por exemplo, as sucessivas reduções do tempo do mestrado, fixado enfim em quatro semestres, enfrentou sempre a oposição quase unânime das humanidades. Nelas, o tempo reduzido leva a um rebaixamento grave do nível de treinamento que o mestrado deveria proporcionar. Mas hoje todos nós aceitamos o prazo diminuído como se fosse um dos mandamentos sagrados e empunhamos o chicote para obrigar nossos estudantes a cumpri-lo.

Afinal, prazos de defesa maiores rebaixam “a nota na Capes”. Uma dissertação meia boca em 24 meses é tudo o que pedimos.

Outro exemplo: os custos de deslocamento dos programas mais afastados dos grandes centros (no tempo em que as pessoas podiam sair de casa) não entram na conta de financiamento da pós-graduação.

Mais um exemplo: o fato de que um programa seja o único espaço de pesquisa e de pós-graduação em sua disciplina em toda uma região tem peso quase nulo na avaliação. Para manter a nota da Capes, seus pesquisadores devem virar as costas para onde estão e buscar obsessivamente publicar nas revistas “bem ranqueadas”, quase todas do Centro-Sul ou estrangeiras.

O pesquisador é visto como uma máquina de produzir papers. Um artigo obscuro publicado numa revista bem classificada, que será lido, segundo a lenda, por menos de três pessoas em média, conta no currículo. O diálogo com a sociedade civil e com movimentos sociais não vale nada. A ideia de que o conhecimento que produzimos deve servir à sociedade que nos financia é, quando muito, um slogan desprovido de sentido.

Há toda uma indústria de publicação voltada a “pontuar no Lattes/pontuar na Capes”. Editoras mandam spam para professores anunciando que publicando com elas você “pontua no Qualis-Capes”. Quer dizer que a editora cumpre os critérios para credenciar seus livros na avaliação, ainda que todo mundo saiba que basta pagar a tarifa correspondente para publicar qualquer coisa. O mesmo para revistas acadêmicas, todas invariavelmente denominadas “International Journal” disso ou daquilo, que prometem “avaliar por pares” e publicar seu paper em menos de uma semana – também cobrando uma taxa módica.

Para não me estender demais, cito ainda o fetiche da “internacionalização” a todo custo, que afasta ainda mais a pós-graduação do mundo que a cerca. Muitas vezes, ela premia a inserção subordinada em redes de pesquisa dos países centrais, cabendo a nós pouco mais do que a coleta de dados.

Ao longo dos anos, muitas batalhas foram travadas dentro da Capes para mudar essa situação. Com inúmeras derrotas e poucas, mas relevantes, vitórias.

O governo quer destruir a Capes como parte do processo de destruição da universidade e da pesquisa no Brasil. O manifesto dos representantes de área lista um conjunto expressivo de medidas, tomadas sem qualquer tipo de consulta, que revelam a disposição para fazer terra arrasada do sistema nacional de pós-graduação.

É uma expressão da cognofobia agressiva do bolsonarismo.

Precisamos lutar para impedir que isso ocorra. Precisamos preservar a Capes. Mas para continuar batalhando para transformá-la, não para idealizar o que ela tem sido.

*Luís Felipe Miguel é Professor titular livre do Instituto de Ciência Política da Universidade de Brasília, onde coordena o Grupo de Pesquisa sobre Democracia e Desigualdades (Demodê), e pesquisador do CNPq. Publicou, entre outros, os livros Democracia e representação: territórios em disputa (Editora Unesp, 2014), Dominação e resistência (Boitempo, 2018) e O colapso da democracia no Brasil: da Constituição ao golpe de 2016 (Expressão Popular, 2019).

fecho

Este artigo foi originalmente publicado no perfil de Luís Felipe Miguel no Facebook [Aqui!].

Carta aberta denuncia situação de calamidade na Unidade Pré Hospitalar de Travessão (UPHT)

uph

Carta aberta à população de Campos dos Goytacazes

“A situação da saúde pública não está nada fácil para a população, muito menos para os profissionais de saúde, em Campos dos Goytacazes”.

Além dos problemas noticiados nas redes sociais e imprensa sobre a Unidade Pré Hospitalar de Travessão (UPHT) que vão desde a obra entregue com entupimentos, insalubridade das enfermarias, falta de ventilação adequada, mofo nas paredes, falta de higienização dos ares condicionados, até os problemas que se agravam com a pandemia.

Como se não bastasse a escassez de EPI’s, a falta de álcool em gel nos suportes para pacientes e funcionários, a falta de médicos em finais de semana, a população está exposta a uma gestão sem competência e compromisso com a vida humana.

Essa semana chegaram testes rápidos para serem realizados nos funcionários. Os testes só foram utilizados durante três dias da semana e recolhidos sem a devida justificativa.

O que nos deixa estarrecidos é que alguns funcionários testaram positivo e isso não resultou em seu afastamento da função como requer o protocolo.

Foi necessária a mobilização de alguns profissionais para que o trabalhador tivesse seu direito garantido, além de evitar maior exposição e contaminação de colegas e pacientes.

Assustador é que nesta unidade alguns profissionais utilizam um argumento vil: “todo mundo tem que pegar para imunizar”. Isso significa que não cumprem o protocolo em seu atendimento e, provavelmente se expõem nas ruas, colocando muitas vidas em risco e quando retornam aos seus plantões.

A UPHT é uma amostra do que está ocorrendo no município. Quais protocolos estão sendo seguidos com seriedade? Que direito os profissionais de saúde recorrem a um pensamento liberal se dando o direito de banalizar o risco que a população está exposta a um vírus com tamanha letalidade?!

Diante dessas questões pedimos à população que se conscientize, que defenda o direito a uma politica pública de qualidade e que juntos possamos exigir dos ´gestores´ ações efetivas na proteção e combate à pandemia, em caráter emergencial de forma que as mortes sejam evitáveis.”

fecho

Esta carta aberta foi originalmente publicada no perfil mantido pelo jornalista Saulo Pessanha na rede social Facebook [Aqui!].

Botafogo e Fluminense lançam manifesto “pelo respeito, pela vida e por um novo futebol”

Manifesto:  Pelo Respeito, pela Vida e por um novo Futebol
manifesto

Em respeito às tradições seculares e suas conquistas históricas no futebol brasileiro, Botafogo de Futebol e Regatas e Fluminense Football Club se unem neste manifesto. Primeiramente para reafirmar seu compromisso e sua determinação em cumprir com nosso dever social de pregar a estrita observância das normas recomendadas para a proteção da população. Respeitamos o próximo, no que este termo tem de mais precioso, que é a integridade da saúde e a preservação da vida.

Todos os brasileiros sabem que nossa construção como nação passa pelo futebol, que tem uma responsabilidade social enorme por ser forte fator de influência sobre atitudes e comportamentos da população. O futebol, em sua essência, traz o espírito de solidariedade, a empatia e o respeito ao adversário, sem o qual não há jogo possível. Sem o qual não há ludicidade e, a partir daí, a vida perde um pouco de seu sentido.

Honrados em mantermos nossa posição e nossos princípios é que protestamos contra o que se está vendo do atual cenário do futebol do Rio de Janeiro. Uma cena triste cujo pano de fundo é este momento tão difícil da história nacional, quando vidas estão sendo ceifadas não apenas pela pandemia, mas também a golpes de insensatez e de falta de empatia. O que todos estão assistindo em primeiro plano nesse show de horrores é o espetáculo de desmandos e desrespeito com que os clubes e seus torcedores vêm sendo tratados.

Listamos abaixo os pontos mais tristes desse roteiro desolador:

– Botafogo e Fluminense foram obrigados a sair de seus domínios, em várias ocasiões, para jogar em estádios precários, em condições de risco e de exaustão, enquanto outros clubes, mais alinhados, mandaram todos os seus jogos em seus estádios; Apesar de dizer que os jogos do retorno seriam apenas em três estádios – Maracanã, São Januário e Nilton Santos, a Ferj fez o Botafogo jogar na Ilha do Governador e o Fluminense em Bacaxá, sem poder se concentrar, ou seja, tendo que viajar duas horas de ônibus no dia do jogo;

– Botafogo e Fluminense tiveram que lutar para não serem obrigados a jogar após apenas um ou dois dias de treinamento, colocando em risco a saúde e a integridade física de seus atletas. E tudo isso sob o argumento pueril de que treinamentos estariam liberados, quando o índice de contaminação explodia e vidas estavam sendo perdidas em filas de hospital. Quando serviços muito mais importantes estavam ainda proibidos de funcionar por razões tão óbvias que dispensariam discussões. Muito menos retaliações.

–  Em atitude que em tudo contraria o espírito democrático e a liberdade de expressão, o treinador Paulo Autuori foi punido na véspera do primeiro jogo em razão de declarações em entrevista em que brilhou pela sensatez. Em sinal de protesto, Autuori não comandou a equipe na partida, mas suas palavras estavam em campo, para nos representar. A todos os que professam a empatia, o respeito ao próximo;

– O Botafogo foi punido ainda com perda de mando porque contestou a conta absurda e astronômica para a operação do estádio Nilton Santos, dez vezes mais cara do que a que outros clubes pagaram para jogar no… Maracanã! Uma clara atitude de retaliação por seu posicionamento a favor da vida, somente de nossos clubes foram cobrados valores exorbitantes por despesas operacionais. A mesma cobrança exorbitante ocorreu com Fluminense, ao jogar no estádio Nilton Santos e em… Bacaxá!

– Quando tudo parecia já grotesco, os clubes se viram punidos com a perda de um contrato essencial para sua subsistência, que é o contrato de direitos de transmissão da Globo. A emissora argumentou em sua notificação que a Ferj falhou em garantir a exclusividade na transmissão de um jogo de um dos cedentes de diretos, o que gerou a ruptura do contrato de TV e que causa prejuízos a Fluminense e Botafogo no montante estimado de 120 milhões de reais, somados o que os dois clubes têm a receber nos próximos quatro anos. Sem entrar aqui em considerações sobre a responsabilidade da emissora por sua participação na condução do episódio, sem deixar de entender a forte influência de discussões paralelas com um dos clubes, o fato é que o conjunto de agremiações se viu arrastado de roldão, embrulhado em uma confusão para a qual não contribuiu. Sequer fomos consultados em Arbitral sobre os riscos desta decisão;

– Estamos chegando ao fim de uma competição em que as verdadeiras lutas se deram fora de campo e de forma totalmente inadequada. Com reuniões às escuras, intensa atividade em práticas de bastidores, indisfarçável ligação simbiótica com outros clubes, descumprimento de contratos, chuva de liminares e um comportamento incompatível com a de uma liderança em momentos de crise. A FERJ se esforçou e conseguiu desvalorizar sobremaneira o produto pelo qual deveria trabalhar visando o sucesso, que é o Campeonato Carioca.

– Não bastasse o constrangimento de sermos obrigados a retomar o Campeonato Carioca, convivendo com registros de mais de 63 mil mortes no Brasil, com média superior a 1.200 por dia, tivemos que relembrar, em vão, esse marco fúnebre em reuniões sucessivas do Conselho Arbitral da FERJ. A insensibilidade evidenciou que os números alarmantes não passam de fria estatística àqueles que parecem não entender a função social do futebol: impactar a vida das pessoas, pautar costumes e atitudes.

– Fluminense e Botafogo foram fortemente atacados pela FERJ e por outros clubes quando tiveram posição de bom senso de preservar seus atletas e funcionários ao seguir as recomendações da quarentena. Definitivamente, retornar competições com o inexplicável açodamento – com o calendário nacional ainda indefinido – não era a melhor mensagem a se transmitir por parte de tão importantes influenciadores.

Botafogo e Fluminense entendem que este é um momento em que a solidariedade deve prevalecer. Por isso, estão unidos e pedem que seus torcedores façam o mesmo. Unidos em torno da exigência de respeito. Do tratamento digno. Da preservação da honradez nas relações. Por isso estão lançando aqui as bases de uma associação entre os dois clubes para a discussão de direitos. Quem quiser participar será bem-vindo. Importante frisar: no futebol ou na vida, ninguém joga sozinho. É tempo de solidariedade.

fecho

Este manifesto foi publicado simultaneamente nos sítios oficiais do Botafogo de Futebol e Regatas e do Fluminense Futebol Clube [Aqui!] e [Aqui!].

A “nota de nojo” dos netos de Luiz Gonzaga contra o governo Bolsonaro

bolso musica

O presidente Jair Bolsonaro apresentou uma live na quinta-feira (2), ao lado do presidente da Caixa Econômica Federal, Pedro Guimarães (à esquerda), e do ministro do Desenvolvimento Regional (Rogério Marinho), à direita. Ao fundo, o presidente da Embratur tocou e cantou a música ‘Riacho do Navio’, com alterações da letra — Foto: Reprodução

NOTA DE NOJO

Diante da impotência e da impossibilidade de processo por propaganda indevida,
por dupla apropriação, da canção de Luiz Gonzaga e Zé Dantas e do projeto do Rio São Francisco; nós, filhos de Luiz Gonzaga do Nascimento Jr, netos de Luiz Gonzaga, o Gonzagão, apresentamos uma NOTA DE NOJO diante deste governo mortal e suas lives. Governo que faz todos os gestos ao seu alcance para confundir e colocar em risco a população do Brasil, enquanto protege a si mesmo e aos seus.

Não estamos de acordo com o uso da canção Riacho do Navio, nem sua alteração, nem sua execução (com duplo sentido) pelo Senhor Gilson Machado Neto, presidente da Embratur, em transmissão ao vivo pelo Senhor Presidente.

E, AINDA QUE SIMBOLICAMENTE, não autorizamos ao Governo Federal o uso das canções assinadas por nenhum de nossos familiares, ou, ao menos, das respectivas partes que nos cabem.

Sonhamos com o dia em que nosso país volte a ser e a ter respeito e honestidade em relação à sua história, suas injustiças e desequilíbrios.

Sonhamos o dia em que se volte a reconhecer, dentro do país, a importância da Cultura, das artes Brasileiras, e seu imenso legado por gerações, assim como o é em todo o mundo.

Sonhamos com o dia em que a informação e o conhecimento sejam distribuídos democraticamente à todOs, para, apenas recomeçar, sanarmos essa doença que não faz distinção, além da social, como costuma ser na nossa violenta história. E depois, para que o poder e o espaço, em toda instância, possa ser equalizado e distribuído.

Sonhamos dias sem mortos pela violência do Estado, seja ela direta ou indireta.

Finalmente; sonhamos com quando poderemos dançar e cantar abraçados, sem medo, nos bailes de forró e nas tantas festas as quais o Brasil faz e das quais é feito.

Trabalhamos todos os dias por realizar estes sonhos, que não são apenas por nós, mas por todas as gentes deste país.

Por hora, trabalhamos em casa, cumprindo as indicações internacionais da Organização Mundial de Saúde e pedimos que, todos que possam, também o façam.

03/07/2020

Amora Pêra Gonzaga do Nascimento
Nanan Gonzaga
Daniel Gonzaga

fecho

Esta “nota de nojo” foi originalmente publicada na página de Amora Pêra Gonzaga do Nascimento na rede social Facebook [Aqui!].

Óleo de palma, calor no Ártico e o apoio aos combustíveis fósseis

Como o legado colonial fez um gigante de óleo de palma belga originalmente ótima. Porque a Sibéria sucumbe ao calor. E como a indústria de combustíveis fósseis pode contar com bilhões de euros dos Estados membros  

Police block peaceful action by women affected by SOCFIN oil palm ...

Por Jan Walraven para a Apache

Império colonial do óleo de palma

Esta semana foi o 60º aniversário do Congo se tornando independente. Isso despertou a discussão sobre a era (pós) colonial. O papel da comunidade empresarial também foi discutidoApós a descolonização na década de 1960, muitas ex-colônias africanas tiveram que contar com capital estrangeiro. As empresas que foram estabelecidas durante o período colonial são hoje ativos em ex-colônias, como o Mongabay lembrou . Uma dessas empresas é a empresa belga Socfin, que administra plantações de óleo de palma e borracha espalhadas pela África e sudeste da Ásia.

A empresa, que floresceu durante o período colonial, tem sido fortemente criticada por ONGs por violações de direitos humanos há anos. Socfin continua negando isso. No entanto, a história da empresa com mais de um século não pode ser reescrita.

Frutos do dendê (Foto: tk tan (Pixabay))

Onda de calor siberiano

Verkhoyansk. Esta pequena cidade siberiana pode não tocar imediatamente um sino. No entanto, a cidade tem dois registros notáveis ​​em seu nome. O registro da temperatura mais baixa já registrada (-67,7 ° C) é compartilhado por Verkhoyansk com outra cidade da Sibéria. O recorde que quebrou recentemente não precisa compartilhá-lo por enquanto. A 38 ° C, a cidade registrou a temperatura mais alta já registrada no Círculo Polar Ártico no sábado, 20 de junho. A Sibéria enfrenta uma onda de calor sem precedentes, escreve o The New Yorker. As mudanças climáticas previram que o aquecimento global induzido pelo homem aqueceria o Ártico duas vezes mais rápido. Não havia previsão de quanto tempo isso aconteceria.

A Sibéria é excepcionalmente quente o ano todo. Em abril, a área ainda foi devastada por incêndios florestais. Recentemente, houve a gigantesca poluição do petróleo causada pelo derretimento do permafrost. A crise climática é fortemente atingida na Sibéria.

Bilhões de dólares em apoio ao setor fóssil

A União Européia pode ter despejado suas ambições climáticas em um verdadeiro Acordo Verde, uma pesquisa da  Investico e da Investigate Europe , publicada no De Groene Amsterdammer,  mostra que os Estados membros ainda doam bilhões de euros em ajuda e favoritos fiscais ao setor de petróleo e gás. Além disso, nenhum país prevê a eliminação gradual das várias medidas de apoio. Não é fácil ser o primeiro país a dar esse passo. Os países competem entre si por medidas fiscais e outras favoráveis ​​para manter ou atrair empresas de combustíveis fósseis e seus investimentos.

A Comissão Europeia está à sua espera, porque a tributação continua a ser o território exclusivo dos Estados-Membros.

fecho

Este artigo foi escrito originalmente em holandês e publicado pela Apache [Aqui!].