Jovens da região amazônica lutam por direitos e representatividade da população local

Amazonas 1

Apesar das notícias negativas e recordes de desmatamento, queimadas e violência contra os povos tradicionais, um sopro de esperança tem vindo da região amazônica. Atualmente, apesar de todas as dificuldades encontradas, dez grupos de jovens têm insistido em trabalhar junto à população de suas localidades, combatendo e chamando a atenção do poder público para problemas que se repetem há anos sem qualquer tipo de solução.

Esses jovens são do Maranhão, Tocantins, Pará e Amazonas e foram recentemente selecionados pelo programa IARA – Inovação e Aceleração na Região Amazônica, desenvolvido pela agência Purpose, para que pudessem levar sua luta adiante durante o período eleitoral. O IARA foi criado para fortalecer coletivos e organizações ativistas locais, permitindo que tirem seus projetos do papel e mobilizem suas comunidades a conquistar as mudanças necessárias para um desenvolvimento mais sustentável.

O objetivo do trabalho neste momento é chamar a atenção para a relação entre o voto e a solução dos problemas da região, como enchentes frequentes quando o rio sobe, falta de representatividade política de jovens das periferias, infraestrutura deficitária para a educação e falta de energia elétrica na região, que sofre com apagões frequentes.

“Colocamos nossas experiências e estruturas à disposição dos grupos para apoiá-los na construção de soluções inovadoras para os desafios que suas comunidades enfrentam”, explica Ana Clara Toledo, da Purpose. A região amazônica foi eleita como a primeira a receber esse programa de aceleração do laboratório de clima da Purpose por exercer um papel central em relação aos desafios que teremos diante da emergência climática e seus desdobramentos econômicos e sociais.

“Apesar da importância da Amazônia para o planeta, debates e estratégias em busca de soluções para o bioma não incluem vozes locais e, portanto, não condizem com a realidade e os desafios que a região e seus cidadãos enfrentam”, explica Ana.”O programa foi criado justamente para potencializar os grupos que já atuam localmente, promovendo mudanças que impactem positivamente a população”, ressalta.

Conheça as propostas dos coletivos

Pará 2

Amazonas – nessa região, a luta é para dar um basta às casas alagadas pelas enchentes que acontecem todos os anos. Por isso, o Instituto Capuaã criou a campanha “O Amazonas tá cheio”. Além desse projeto, outra reivindicação, desta vez do Coletivo Ponta de Lança, é dar voz às populações das comunidades e territórios periféricos, especialmente grupos indígenas, negros e afro-religiosos de Manaus. 

Amapá – Erosão e abandono foram os responsáveis pelo desmoronamento da Escola do Bosque, a única em um modelo sustentável na comunidade de Bailique, em Macapá. O coletivo Gira Mundo focou na reconstrução da escola, que atende 80% dos alunos de mais de 50 comunidades. O coletivo Utopia Negra Amapaense decidiu intensificar esforços para levar adiante o projeto “Acende a luz, Amapá”, para resolver os problemas constantes de falta de energia elétrica. Conheça a ação desses coletivos.

Pará – No caso dos jovens que atuam na região, a reivindicação é universalizar o acesso à informação de qualidade sobre política e meio ambiente. O coletivo Gueto Hub criou a campanha “Mó Climão” para formar uma rede de jovens ativistas pelo clima e meio ambiente na região. Já a Associação de Mulheres Trabalhadoras Rurais de Santarém (AMTR) criou a campanha “Di Rocha: Tapajós sem Potoca!”. Potoca, na gíria local, é mentira. O objetivo do grupo de mulheres é combater as fake news que se espalham pela região, especialmente durante o período eleitoral. 

Maranhão e Tocantins nessas localidades, a campanha “Vote pelo MA . TO.”, criada pelo Coletivo Desenvolvimento e Juventude (Cdjuv), quer dar voz aos jovens periféricos na política pública e estimular a população a eleger candidatos comprometidos com os direitos humanos, a Amazônia e as mudanças climáticas. 

Bancos centrais do mundo estão financiando a destruição das florestas tropicais

Títulos corporativos destinados a injetar liquidez nos mercados lucraram com empresas envolvidas no desmatamento

central banks defo

Títulos corporativos comprados por bancos centrais no Reino Unido, Estados Unidos e Estados membros da UE financiaram empresas envolvidas na destruição da Amazônia, pois cientistas relatam que o desmatamento pode ter passado do ponto de inflexão. Fotografia: Michael Dantas/AFP/Getty Images

Por Andrew Downie  para o “The Guardian”

Alguns dos maiores bancos centrais do mundo estão ajudando a financiar gigantes do agronegócio envolvidos na destruição da Amazônia brasileira, de acordo com um relatório publicado na quarta-feira.

O Banco da Inglaterra, o Federal Reserve dos EUA e o Banco Central Europeu estão entre as instituições que compraram milhões de dólares em títulos emitidos por empresas ligadas ao desmatamento e à grilagem, segundo o relatório Bankrolling Destruction , publicado pelo grupo de direitos Global Testemunha.

“Como esses programas são garantidos pelos respectivos governos no Reino Unido, Estados Unidos e Estados-Membros da UE, isso significa que os contribuintes em todos esses territórios estão inadvertidamente subscrevendo empresas envolvidas na destruição da Amazônia e de outras florestas tropicais”, segundo o relatório.

Os bancos compram títulos corporativos emitidos por grandes empresas na tentativa de injetar liquidez nos mercados financeiros quando o setor privado está relutante em emprestar. Conhecidas como “programas de compra de ativos”, essas medidas visam reduzir o custo dos empréstimos para as empresas e foram amplamente utilizadas durante a pandemia como forma de fortalecer as economias.

Algumas das empresas que venderam títulos estão ligadas à destruição ambiental, diz o relatório, nomeando a Cargill, Inc., a Archer-Daniels-Midland Company (ADM) e a Bunge Ltd Financial Corp, três dos maiores conglomerados de agronegócios que operam no Brasil .

O Brasil é um dos maiores produtores ou exportadores mundiais de grãos, café, soja, frutas e outras matérias-primas, e as três empresas já enfrentaram acusações anteriores de irregularidades. O Guardian informou sobre as ligações entre a Cargill e a Bunge e uma fazenda brasileira que está ligada a abusos de direitos e terras indígenas.

Abordando as alegações do relatório da Global Witness, a Cargill disse que estava “comprometida em acabar com o desmatamento e a conversão em nossas cadeias de suprimentos agrícolas” e a Bunge afirmou que estava “comprometida em cumprir todas as regulamentações nos mercados local ou global e aderir às nossas próprias políticas socioambientais rígidas”. A ADM não respondeu aos pedidos de comentários.

Mas foram os bancos centrais que suportaram o peso das críticas. “Desde 2016, o Banco da Inglaterra também comprou uma ação não divulgada em um título corporativo de £ 150 milhões emitido pela Cargill, Inc., e o Banco Central Europeu comprou uma quantia não divulgada de dívida emitida pela Bunge Finance Europe BV”, diz o relatório. .

E apenas nos últimos dois anos “o Federal Reserve dos EUA comprou um total combinado de US$ 16 milhões em títulos emitidos pela Archer-Daniels-Midland Company (ADM) Bunge Ltd Financial Corp e Cargill, Inc.

“Tudo isso ocorre apesar das repetidas declarações públicas dos três bancos centrais enfatizando os riscos que as mudanças climáticas representam para a estabilidade financeira e o crescimento econômico de longo prazo.”

A Global Witness disse que o Federal Reserve “anulou” seu esquema de compra de títulos e o Banco da Inglaterra iniciaria o mesmo processo este mês.

O Fed disse que adotou a política como medida única em 2020 para salvar empregos durante a pandemia global e não tem planos de fazê-lo novamente.

O Banco da Inglaterra disse que tomou medidas para reduzir os custos de empréstimos para todas as empresas e destacar que o apoio dado à Cargill era “um foco extremamente estreito”.

O Banco Central Europeu, por sua vez, disse que “pretende descarbonizar gradualmente suas participações em títulos corporativos, em um caminho alinhado com os objetivos do Acordo de Paris. Para esse fim, o Eurosistema irá inclinar estas participações para emitentes com melhor desempenho climático através do reinvestimento dos resgates consideráveis ​​esperados nos próximos anos.”

No entanto, a Global Witness disse que a recusa dos bancos do Reino Unido e da UE em publicar os valores de suas participações nas empresas criou “uma falta de transparência”.

“Como supervisores do setor financeiro privado, os bancos centrais devem dar o exemplo e adotar uma política explícita de desmatamento zero como parte de sua abordagem às mudanças climáticas, incluindo o desinvestimento de todos os títulos vinculados ao desmatamento e maior escrutínio da ameaça à estabilidade financeira representada pelo desmatamento e perda de biodiversidade”, disse o relatório.

O relatório ocorre em meio à destruição contínua na região amazônica, uma vasta área que abrange partes de nove países sul-americanos diferentes e um sumidouro de carbono vital para absorver as emissões que impulsionam a crise climática.

O desmatamento sob o presidente de extrema-direita Jair Bolsonaro atingiu um recorde nos primeiros sete meses do ano, a última estatística chocante sob um presidente que fez vista grossa para os madeireiros ilegais, pecuaristas e mineradores ativos na região.

Já, 26% da Amazônia foi derrubada e algumas partes passaram do ponto de inflexão onde florestas anteriormente exuberantes se transformaram em savanas secas, de acordo com um relatório divulgado no início de setembro por cientistas e organizações indígenas.

“Acho que este relatório é uma análise muito útil que destaca a necessidade de os bancos centrais analisarem sua exposição ao desmatamento em seus portfólios”, disse Nick Robins, professor de financiamento sustentável da LSE.

“2022 é realmente o ano em que os bancos centrais reconheceram o risco da natureza como uma ameaça às instituições. O foco até agora tem sido no setor de energia, mas este é outro sinal de que o desmatamento e o uso da terra precisam ser colocados no centro dos cenários climáticos.”


compass black

Este texto escrito originalmente em inglês foi publicado pelo jornal “The Guardian” [Aqui!].

Balsas de garimpo ilegal voltam a bloquear o rio Madeira

A atividade predatória ocorre na altura da comunidade de Fortaleza do Bom Intento, município de Manicoré, estado do Amazonas

unnamed

Imagem de satélite PLANETº da comunidade de Fortaleza do Bom Intento (AM) analisada pelo Greenpeace Brasil na segunda-feira (26)

São Paulo, 28 de setembro de 2021 Imagens de satélite analisadas pelo Greenpeace Brasil na última segunda-feira (26) mostram uma nova concentração de balsas de garimpo ao longo do Rio Madeira, e confirmam as denúncias encaminhadas por moradores da região. Pelas imagens é possível identificar pelo menos 100 balsas ancoradas e minerando na região da comunidade de Fortaleza do Bom Intento, que em linha reta, fica a menos de 100 km da cidade de Manicoré.

A movimentação dessas balsas, há menos de uma semana das eleições no Brasil, comprovam que o garimpo ilegal segue avançando na região amazônica. Para o porta-voz de Amazônia do Greenpeace Brasil, Danicley de Aguiar: “mais uma vez a realidade se impõe e escancara a urgência de que o Estado brasileiro proponha uma estratégia de desenvolvimento regional capaz de superar o garimpo e garantir renda digna para as milhares de famílias que vivem em estado de vulnerabilidade social nas cidades e florestas da Amazônia”.

É preciso que sejamos capazes de construir arranjos produtivos que consigam conviver com a floresta e suprir mais do que as necessidades básicas dessas populações. Do contrário, só testemunharemos mais e mais amazônidas se lançando ao garimpo como estratégia de sobrevivência”, disse Aguiar.

Em dezembro de 2021, o Greenpeace Brasil alertou para a presença de centenas de balsas de garimpo ilegal na região de Autazes, também no Rio Madeira. Diante da enorme repercussão nacional do caso, a Polícia Federal foi mobilizada e acabou por dispersar o bloqueio produzido pelas balsas, inutilizando 131 balsas em duas operações realizadas em parceria com o Ibama.

A Amazônia brasileira está pegando fogo, enquanto Jair Bolsonaro e Lula indicam metas semelhantes

fogo

Incêndio florestal perto de Brasília no dia 5 de setembro de 2022

Por Norbert Suchanek para o “JungeWelt” 

Na região amazônica brasileira, o número de incêndios florestais voltou a aumentar significativamente este ano. O Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais (INPE), responsável pelo monitoramento florestal, entre outros, registrou um total de 78.159 incêndios na Amazônia de 1º de janeiro a 20 de setembro deste ano. Isso é 52% a mais do que no mesmo período de 2021.

As principais organizações ambientais, como o World Wide Fund For Nature (WWF) e o Greenpeace, responsabilizam o atual presidente de direita do Brasil, Jair Bolsonaro. Os incêndios florestais são uma “tragédia anunciada”, disse o porta-voz brasileiro do Greenpeace, André Freitas, em comunicado na segunda-feira. Ele descreveu o mandato de quatro anos de Bolsonaro como um dos momentos mais sombrios para o meio ambiente.

No entanto, uma análise das estatísticas de incêndios florestais mantidas pelo INPE desde 1998 coloca em perspectiva as declarações dos ambientalistas. No ano eleitoral de 2002, quando Luiz Inácio Lula da Silva do Partido dos Trabalhadores (PT) foi eleito presidente pela primeira vez, o número de incêndios na Amazônia subiu de 35.716 para 93.862 – um aumento de 162% em relação ao mesmo período ano passado. Nos anos que se seguiram, o número de incêndios florestais aumentou para 145.124 nos primeiros nove meses de 2005. Outro aumento significativo nos incêndios na Amazônia de 182% em relação ao mesmo período do ano passado foi registrado – novamente em ano eleitoral – em 2010, quando a sucessora de Lula, Dilma Rousseff, concorreu ao PT. Naquela época, ocorreram 87.039 incêndios na floresta tropical.

Segundo reportagem publicada em agosto pela rede jornalística investigativa Amazônia Real , o asfaltamento da rodovia BR-319 na Amazônia é o principal responsável pelo aumento dos incêndios florestais nos primeiros meses deste ano. Isto é para ligar Porto Velho, no sudoeste da Amazônia, com Manaus, no estado do Amazonas. Em 28 de julho, o órgão ambiental brasileiro IBAMA concedeu aprovação provisória para o asfaltamento do trecho central ausente da via. O alvará de construção aprovado pelo governo em Brasília é, segundo a Amazônia Real, obviamente também motivado pela política eleitoral. No entanto, tanto Bolsonaro quanto seu adversário Lula apoiam a conclusão da estrada federal, que cortará um dos últimos grandes blocos de floresta tropical intacta no coração da Amazônia, que foi rejeitada por conservacionistas e cientistas que pesquisam as florestas amazônicas.

No entanto, em seu programa para as próximas eleições presidenciais de 2 de outubro, Lula promete combater a mineração ilegal, o corte e a queima e o desmatamento, além de uma melhor proteção da floresta amazônica. “Vamos combater o crime ambiental promovido por milícias, grileiros, madeireiros e organizações empresariais que desrespeitam a lei. Estamos comprometidos com a luta incansável contra o desmatamento ilegal e a promoção do desmatamento líquido zero. O Brasil tem “uma das maiores biodiversidades do planeta”.

Ao mesmo tempo, Lula promete em seu manifesto eleitoral reindustrializar o Brasil, promover o agronegócio e a indústria do petróleo, estimular as atividades de mineração e ampliar e modernizar a infraestrutura – especialmente a construção de estradas – “por meio de um programa enérgico de investimento público”. Como ele pretende quadrar o círculo não é encontrado na redação, o que dificilmente difere do programa eleitoral do presidente em exercício em ambos os aspectos.

Jair Bolsonaro também afirma que irá “tomar medidas decisivas e enérgicas contra crimes ambientais”, combater incêndios florestais e desmatamento ilegal, ao mesmo tempo em que deseja expandir a infraestrutura e promover a indústria. De acordo com seu programa eleitoral, outro governo sob seu comando “conciliará a proteção ambiental com o crescimento econômico justo e sustentável para todos”. O que se pode esperar das promessas apresentadas provavelmente só se tornará aparente quando o novo presidente tomar posse em janeiro de 2023.


compass black

Este originalmente escrito em alemão foi publicado pelo jornal “JungeWelt” [Aqui!].

Termelétricas da privatização da Eletrobras agravam problemas socioambientais do Brasil, alerta IEMA

Se contratadas no leilão do dia 30, vão emitir 5,2 milhões de toneladas de carbono e gerar poluentes do ar, desmatamento e estresse hídrico no Norte e Nordeste

termeletrica

As novas usinas termelétricas a serem contratadas no próximo leilão de reserva de capacidade de energia (LRCE-2022), do dia 30 de setembro, devem emitir 5,2 milhões de toneladas de tCO2e ao ano associadas à entrada de 2 gigawatts (GW) na matriz elétrica brasileira a partir do fim de 2026. Esse valor equivale a quase 30% de tudo o que foi emitido por usinas termelétricas de serviço público a gás natural no país em 2020. O alerta está disponível no novo Boletim Leilão de Energia Elétrica divulgado hoje, dia 28 de setembro, pelo Instituto de Energia e Meio Ambiente (IEMA). 

Esse leilão é diferente dos demais. É o primeiro realizado para cumprir a Lei 14.182/2021 que prevê a contratação de usinas termelétricas para início de operação entre 2026 e 2030. Apesar de versar sobre a privatização da Eletrobras, a versão final do texto conta com os chamados “jabutis” (alusão ao ditado “jabuti não sobe em árvore”) uma vez que determina a admissão de pelo menos 50% da demanda de leilões por Pequenas Centrais Hidrelétricas (PCHs) e um total de 8 GW por termelétricas a gás natural para além da abertura de capital da empresa estatal. 

unnamed (2)

Com exceção de projetos específicos, como a construção das hidrelétricas de Belo Monte, Santo Antônio e Jirau, é a primeira vez em que as usinas devem ser contratadas em regiões pré-estabelecidas: até 1.000 MW na Região Norte, 300 MW no Maranhão e 700 MW no Piauí. Vale ressaltar que essas termelétricas serão ligadas em tempo integral, ao contrário do que fazia-se antigamente no Brasil, quando eram acionadas para poupar os reservatórios das hidrelétricas em tempos de crise hídrica ou em momentos de pico de demanda. A operação de termelétricas em tempo integral quebra essa regra e reduz o espaço de participação das demais fontes de energia. Lembrando que as energias renováveis, como solar e eólica, têm custo mais barato quando comparadas às termelétricas.

Além disso, esse leilão estipula um preço ainda maior comparado ao que foi contratado nos últimos realizados. Segundo a Empresa de Pesquisa Energética (EPE), 37 empreendimentos se cadastraram, totalizando 11.889 MW que devem cumprir a exigência de ter um custo variável unitário (CVU) inferior ou igual a R$ 450,00/MWh. O valor anterior era de R$ 400/MW. Outra condição para os projetos participantes é sua localização em regiões sem estrutura de gasodutos e terminais de Gás Natural Liquefeito (GNL), necessários para abastecer as termelétricas.

A expansão de gasodutos totaliza uma extensão de 7.476 km, quase duplicando a malha atual do país. Caso essa infraestrutura seja totalmente implantada, demandará quase R$ 57 bilhões do orçamento, com impacto direto na alteração dos usos do solo e aumento das emissões de gases de efeito estufa (GEE) desses projetos. Acrescenta-se o risco de tornar a matriz elétrica mais dependente de um combustível importado, como é o caso do GNL, sujeito a variações de preço internacional e indexado ao dólar. As consequências dessa escolha já foram sentidas na conta de luz em 2021.

Com contratos de 15 anos, até 2042 o IEMA calcula que as usinas contratadas no LRCE devem emitir 77,6 milhões de toneladas de CO2e na atmosfera: 38,8 milhões pela Região Norte; 27,2 pelo Piauí; e 11,6 pelo Maranhão. Ao todo, devem ser contratados segundo a Lei 14.182/2021 2,5 GW na Região Norte, 2,5 GW na Região Centro-Oeste, 2 GW na Região Sudeste e 1 GW na Região Nordeste que emitirão até 2045 310 milhões de toneladas de CO2e.

Por conta da queima de combustíveis, usinas termelétricas emitem gases e partículas que, em elevadas concentrações na atmosfera, têm efeitos negativos comprovados na saúde humana e no meio ambiente. Entre eles, destacam-se o material particulado (MP), o monóxido de carbono (CO), os óxidos de nitrogênio (NOx) e os óxidos de enxofre (SOx). Alguns desses poluentes participam de reações na atmosfera, dando origem a poluentes secundários como o ozônio troposférico (O3). A degradação da qualidade do ar tem sido associada ao agravamento de doenças respiratórias, cardiovasculares e neurológicas, bem como diferentes tipos de câncer. Porém, em nenhuma das áreas habilitadas para a contratação das usinas há estações de monitoramento da qualidade do ar em operação e que disponibilize para a sociedade as concentrações de poluentes aferidas.

O investimento em térmicas que estarão em operação no sistema até pelo menos 2042, além de representar custos adicionais de gasodutos em relação a outras opções energéticas menos custosas para o atendimento dos maiores centros de carga do país, estarão sendo comprometidos em uma fonte energética que tornará mais distante a necessária descarbonização da matriz elétrica brasileira, na contramão do cenário global de transição energética. 

Por fim, outro fator importante e preocupante é a dificuldade em encontrar informações técnicas e de licenciamento sobre as unidades geradoras participantes de forma fácil e acessível. Até o dia 22 de setembro de 2022, data de finalização do boletim, foi impossível encontrar informações sobre o licenciamento de sete das 33 unidades geradoras habilitadas para o leilão. Mesmo para aquelas em que o processo de licenciamento foi encontrado e consta a emissão de algum documento, apenas estão disponíveis para download as Licenças Ambientais de 13 unidades e para apenas 5 delas foi possível o acesso ao Estudo de Impacto Ambiental (EIA) dos empreendimentos a serem construídos. “A ausência de informações mais detalhadas sobre as tecnologias empregadas nos empreendimentos, sua localização e uso de água, entre outros dados, torna a avaliação dos impactos ambientais desafiadora e incompleta tanto por parte do poder público quanto por parte da sociedade civil”, ressalta Raissa Gomes, pesquisadora do IEMA.

Sobre o Boletim Leilão de Energia

Essa é a quarta publicação realizada pela organização sobre os leilões de energia elétrica. O objetivo é analisar as implicações dos projetos concorrentes em relação aos seus atributos ambientais como emissão de gases de efeito estufa (GEE), poluentes locais, uso de água, conformidade com requisitos de licenciamento e atendimento ao sistema elétrico para alertar a população e o poder público sobre os possíveis problemas. 

Nas eleições de 2022, o carrinho de supermercado vencerá as redes sociais

carrinho

Em meus poucos dias de férias que ocorreram em julho, tive um debate rápido com um típico eleitor do presidente Jair Bolsonaro. Após um rápido intercâmbio de ideias, aquele eleitor convicto me garantiu que as redes sociais (quer dizer os grupos de Whatsapp, Telegram e Tik Tok) iriam garantir a reeleição de Jair Bolsonaro, já que por eles o “povo” se manteria informado e definiria em quem votar.

Do alto da minha pouca sabedoria lembrei ao eleitor bolsonarista que esse ano as coisas seriam diferentes, pois a decisão sobre quem votar se daria com base nas idas ao supermercado nas quais os trabalhadores estavam sua capacidade de encher o carrinho cada vez mais menor, ainda que gastando até mais.

Foi o bastante para o meu interlocutor franzir a testa e eu me retirar do local onde a conversa ocorria, sob pena de enveredarmos para uma fase menos educada da conversa. É que sabemos que se há uma coisa que um bolsonarista típico mais detesta é se confrontar com a realidade da maioria, e não apenas dos grupos de convertidos que espalham ódio de forma escondida nos grupos formados nos aplicativos.

Para dificultar ainda mais, em 2023 não temos mais os procuradores e os juízes da “Lava Jato” operando para gerar distrações por meio de operações espetaculosas que, em sua maioria, acabaram sendo anuladas, apenas porque eram completamente eivadas de ilegalidades. Sem a “mãozinha” da Lava Jato e o fluxo livre de fake news, retornamos a uma situação em que a realidade do bolso e do estômago acabaram falando mais alto.

Isso quer dizer que as eleições já estão decididas? Longe disso, pois como já tentei demonstrar aqui neste espaço, o processo eleitoral brasileiro está longe de ser democrático e equilibrado. Entretanto, não viveremos um repeteco de 2018, ano que provavelmente será estudado pelos historiadores como algo muito atípico e que resultou de uma conjunção de forças e situações de difícil repetição.

Why Social Media Marketing Is Important For Businesses In Brazil? - The Rio  Times

E com isso, teremos a vitória do carrinho de supermercado sobre as redes sociais. E querem saber, esta talvez seja a melhor e mais bem vinda novidade destas eleições.

91,6% da área garimpada no Brasil ficam no bioma Amazônia

Apenas dois estados – Pará e Mato Grosso – concentram 91,9% do garimpo no Brasil. Avanço do garimpo sobre terras indígenas foi de 632% entre 2010 e 2021

destruição garimpo

A área de garimpo no Brasil dobrou em apenas uma década e confirmou a tendência de suplantar a mineração industrial. Segundo os mais recentes dados do MapBiomas, que identificou o total do território brasileiro ocupado por essas atividades desde 1985 até o ano passado, o garimpo passou de 99 mil hectares para 196 mil hectares entre 2010 e 2021. A mineração industrial, por sua vez, precisou de duas décadas para ver os 86 mil hectares de área ocupada em 2001 dobrarem para os 170 mil hectares registrados em 2021. Este é o terceiro ano consecutivo no qual mais território é ocupado pelo garimpo do que pela mineração industrial.

Essa expansão tem endereço certo — o Bioma Amazônico. “A série histórica mostra um crescimento ininterrupto do garimpo e um ritmo mais acentuado que a mineração industrial na última década, além de uma inequívoca tendência de concentração na Amazônia, onde se localizam 91,6% da área garimpada no Brasil em 2021”, explica Cesar Diniz, coordenador técnico do mapeamento. Na série histórica, o garimpo só suplantou a área ocupada pela mineração industrial no final do século passado, entre 1989 e 2000.

Dois estados específicos – Pará e Mato Grosso – respondem por 71,6% das áreas mineradas no país, ou seja, quando somamos a mineração industrial e a atividade garimpeira. Mas quando o garimpo é considerado isoladamente, o percentual sobe para 91,9%. São 113.777 hectares de garimpo no Pará e 59.624 hectares no Mato Grosso. Quatro dos cinco municípios brasileiros com maior área de garimpo ficam no Pará: Itaituba (57.215 hectares), Jacareacanga (15.265 hectares), São Félix do Xingu (8.126 hectares) e Ourilândia do Norte (7.642 hectares). Em terceiro lugar ficou Peixoto do Azevedo, no Mato Grosso, com 11.221 hectares.

A expansão garimpeira na Amazônia foi mais intensa em áreas protegidas, como territórios indígenas e Unidades de Conservação. Entre 2010 e 2021, as áreas de garimpo em terras indígenas cresceram 632%, ocupando quase 20 mil hectares no ano passado. A terra indígena mais explorada foi a Kayapó, na qual 11.542 hectares foram tomados pelo garimpo até 2021. Em seguida vem o território Munduruku, com 4.743 hectares, a terra Yanomami, com 1.556 hectares, a Tenharim do Igarapé Preto, com 1.044 hectares, e o território Apyterewa, com 172 hectares.

O garimpo cresceu 352% dentro de Unidades de Conservação entre 2010 e 2021. A série histórica mostra que a área ocupada até 2010 encontrava-se abaixo de 20 mil hectares. Em 2021, já eram quase 60 mil hectares. Desse total, quase dois terços ficam na APA do Tapajós, onde o garimpo já ocupa 43.266 hectares. Em segundo lugar vem a Flona do Amanã, com 5.400 hectares, seguida pela Flona do Crepori (1.686 hectares), a Parna do Rio Novo (1.637 hectares) e a Flona do Jamari (1.191 hectares).

]Diferenças entre garimpo e mineração industrial

Ao todo, a Amazônia concentrava 242.564 hectares de área minerada (ou seja, somando garimpo e mineração industrial) em 2021. No caso da Mata Atlântica, esse total é de 63.892 hectares; no Cerrado, 46.070 hectares. A liderança da Amazônia permanece quando analisamos somente o garimpo, com 179.913 hectares. O Cerrado assume o segundo lugar, com distantes 13.253 hectares; a Mata Atlântica, por sua vez, concentra 2.299 hectares.

No caso da mineração industrial, a situação é diferente. Há quase um equilíbrio entre a área ocupada na Amazônia (62.650 hectares) e na Mata Atlântica (61.593 hectares). Outros 32.817 hectares ficam no Cerrado. A diferença fica por conta de Minas Gerais, estado que lidera a modalidade industrial, com quase metade (46,9%) do total nacional, ou 61.181 hectares. Os outros estados com maior área de mineração industrial são Pará (42.216 hectares), Goiás (11.606 hectares), Amazonas (8.166 hectares) e Bahia (7.442 hectares). Juntos, Minas Gerais e Pará respondem por 79,2% da área de mineração industrial brasileira.

Mineração industrial e garimpo diferem também em relação às substâncias minerais exploradas. Enquanto a mineração industrial tem um foco mais diversificado (Fe, Al, Cu, Ni e outros) o garimpo é concentrado em poucas substâncias (Au e Sn): 83% da área ocupada por garimpo está relacionada à extração de ouro e 7% de estanho. No caso da mineração industrial, 22% da área é de mineração de ferro, 20% de alumínio e 12% de calcário.

Sobre MapBiomas

Iniciativa multi-institucional, que envolve universidades, ONGs e empresas de tecnologia, focada em monitorar as transformações na cobertura e no uso da terra no Brasil, para buscar a conservação e o manejo sustentável dos recursos naturais, como forma de combate às mudanças climáticas. Esta plataforma é hoje a mais completa, atualizada e detalhada base de dados espaciais de uso da terra em um país disponível no mundo. Todos os dados, mapas, métodos e códigos do MapBiomas são disponibilizados de forma pública e gratuita no site da iniciativa.

Vazamento de dados mostra como a direita do Partido Trabalhista agiu para destruir Jeremy Corbyn e seus seguidores

Vazamento sem precedentes expõe o funcionamento interno do Partido Trabalhista do Reino Unido. Os documentos vazados, obtidos pela Al Jazeera, revelam como os funcionários do partido difamam e intimidam os rivais.

corbyn

Por  

A Unidade Investigativa da Al Jazeera ( I-Unit ) obteve o maior vazamento na história política britânica, expondo como funcionários não eleitos minaram a democracia dentro do Partido Trabalhista.

Os dados vazados compreendem 500 gigabytes de documentos, e-mails, arquivos de vídeo e áudio do Partido Trabalhista que datam de 1998 a 2021. A I-Unit lançará uma série de reportagens sobre os arquivos vazados na próxima semana.

fim da lista

Os dados revelam como os burocratas do partido, cuja função nominal é servir aos interesses do partido, tentaram minar os membros que apoiavam Jeremy Corbyn , líder do Partido Trabalhista de 2015 a 2020.

Até sua eleição como líder do partido em setembro de 2015, Corbyn era uma figura pouco conhecida na política britânica, ativa no ativismo de base, desde o movimento antiguerra até a Campanha de Solidariedade à Palestina.

O primeiro líder inequivocamente socialista do partido desde a década de 1980, ele montou uma onda de descontentamento popular contra o establishment político, apoiando-se em uma plataforma de propriedade pública de indústrias-chave, um estado de bem-estar social fortalecido e o fim das medidas de austeridade impostas pelo governo. governo conservador da época.

Os Arquivos Trabalhistas mostram, no entanto, que dentro do Partido Trabalhista o descontentamento estava se formando, levando a batalhas internas sobre qual lado do partido – os “corbynitas” de esquerda ou os centristas pré-2015 – teriam o controle.

Burocracia partidária

A burocracia do partido, que Corbyn havia herdado de seus predecessores, desempenhou um papel importante nessas batalhas.

Na época, essa burocracia era liderada por Iain McNicol, que era secretário-geral do Partido Trabalhista desde 2011.

Os Arquivos Trabalhistas mostram como, antes de McNicol ser substituído por Jennie Formby em 2018, o partido era resistente ao caminho político que Corbyn estabeleceu.

Enquanto o gabinete do líder partidário define a direção política do partido, os assuntos internos, incluindo o processo disciplinar do partido, estão sob a alçada do secretário-geral, o cargo não político mais alto do partido. O processo disciplinar do partido é supervisionado pela Unidade de Governança e Jurídico (GLU).

Alegações falsas

Os arquivos obtidos pela Al Jazeera contêm registros disciplinares trabalhistas de 1998 a 2021 e documentam seu tratamento pela GLU. Eles mostram como alguns apoiadores de Corbyn foram manchados com falsas acusações de comportamento abusivo submetidas à GLU, incluindo homofobia e antissemitismo, com a intenção declarada de suspendê-los ou expulsá-los do partido.

Em várias instâncias, filiais locais do partido, conhecidas como Partidos Trabalhistas Constituinte (CLP), foram suspensas, impedindo que os membros locais realizassem reuniões do Partido Trabalhista. Em outros casos, membros individuais foram suspensos ou expulsos do partido por motivos contestados.

No CLP de Wallasey, no noroeste da Inglaterra, membros do partido aliaram-se à deputada local (MP) Angela Eagle, que estava desafiando Jeremy Corbyn pela liderança do partido na época. Após a votação do Brexit no Reino Unido, membros do gabinete paralelo de Corbyn renunciaram em massa – Eagle então anunciou seu desafio de liderança contra Corbyn, do qual ela desistiu em favor de Owen Smith.

Os aliados de Eagle em Wallasey acusaram os ativistas pró-Corbyn de fazer comentários e gestos homofóbicos durante uma reunião do partido em junho de 2016. Os ativistas pró-Corbyn negam veementemente essas acusações.

Essas alegações foram então usadas por funcionários da GLU para suspender eleitores, impedindo assim que os membros locais realizassem reuniões oficiais do partido.

E-mails enviados entre funcionários do partido (Aqui! ) encontrados nos Arquivos Trabalhistas mostram como o CLP foi suspenso por vontade de Eagle, com funcionários escrevendo “temos que fazer o que Ângela quer nessas circunstâncias”.

Em 2019, Corbyn renunciou ao cargo de líder após a derrota do partido nas eleições gerais de dezembro. Ele acabou sendo substituído por Keir Starmer, ex-diretor do Ministério Público da Grã-Bretanha.

Logo depois que Starmer se tornou o líder em abril de 2020, Formby renunciou ao cargo de secretário geral. Ela foi substituída por David Evans. Os Arquivos Trabalhistas revelam que ele continuou a hostilidade da era McNicol em relação aos membros de esquerda do partido.

No início de 2021, a vereadora de Liverpool Anna Rothery fez uma oferta para se tornar a candidata do partido a prefeita daquela cidade.

Conselheiro do Trabalho desde 2006 e titular do cargo cerimonial de Lord Mayor entre 2019 e 2021, Rothery pretendia se tornar a primeira prefeita negra eleito da cidade. Ela estava alinhada com Jeremy Corbyn.

Depois de ser selecionado ao lado de outros dois vereadores para estar na lista de candidatos do partido, Rothery – e os outros dois candidatos – foram inesperadamente convocados para uma segunda entrevista por um painel de seleção de cinco pessoas. Rothery descreve a segunda entrevista como sendo hostil no tom.

‘Alma penada gritando’

Em preparação para sua segunda entrevista com Rothery, David Evans encaminhou ao painel uma carta que recebeu do ex-conselheiro de Liverpool Alan Dean em fevereiro de 2021. Essa carta está incluída nos Arquivos Trabalhistas.

Dean foi conselheiro trabalhista por 31 anos e representou a ala de Princes Park ao lado de Rothery por 12 deles.

Na carta (Aqui! ), ele a descreve como uma “alma penada gritando” com um “personagem Jekyll and Hide [sic]”. A carta também faz comentários profundamente pessoais sobre a vida privada de Rothery, que a Al Jazeera redigiu para proteger sua privacidade. Rothery nega veementemente sua caracterização dela e todas as outras acusações contidas na carta de sete páginas.

A carta de Dean também afirma que o “apoio” a Rothery entre os políticos pró-Corbyn era de “grande preocupação”.

Logo após a entrevista do painel, Rothery e os outros dois candidatos foram retirados da lista. O partido alegou que tomou a decisão depois de “considerar cuidadosamente as informações adicionais que lhe foram apresentadas”.

Rothery pediu uma liminar no Supremo Tribunal para forçar o partido a mantê-la na lista de candidatos. Como parte disso, os advogados de Rothery exigiram que o partido divulgasse todos os documentos relacionados ao júri de seleção de Rothery. A carta de Alan Dean nunca foi divulgada ao advogado de Rothery, nem ao Supremo Tribunal, mostram documentos obtidos pela Al Jazeera.

Rothery perdeu o caso e teve que pagar US $ 90.000 em custos ao Partido Trabalhista. Ela agora deixou o partido e começou seu próprio grupo político independente na Câmara Municipal de Liverpool.

Respostas aos arquivos trabalhistas

O Partido Trabalhista se recusou a comentar sobre qualquer um dos casos individuais que a Al Jazeera apresentará. No entanto, disse que era uma organização baseada em regras que seguiu adequadamente suas próprias regras e nos disse que não tinha obrigação de divulgar a carta do Dean aos advogados de Rothery ou ao Tribunal.

Iain McNicol nos disse que seu único foco sempre foi garantir a vitória do Partido Trabalhista. Ele negou todas as acusações feitas contra ele e disse que sempre apoiou sua equipe profissional no partido.

Os funcionários do partido que responderam à Al Jazeera nos disseram que sempre agiram em conformidade com a lei, as regras do partido, suas descrições de trabalho e padrões adequados de proporcionalidade.


compass black

Este texto originalmente escrito em inglês foi publicado pela Al Jazeera [Aqui!].

Pesquisadores alemães lutam para deixar de ser um precariado acadêmico

Sindicato apresenta projeto de »Lei de Delimitação Científica« e pede que coalizão no governo federal alemão cumpra promessas

gew

O sindicato de educação e ciência demanda “cargos permanentes para tarefas permanentes”. Foto: dpa/Christophe Gateau
Por Jana Frielinghaus para o Neues Deutschland

A maioria dos jovens acadêmicos em universidades e faculdades neste país ainda está empregada apenas temporariamente. Como há uma grande dependência da boa vontade dos superiores no que diz respeito à carreira científica, os funcionários dessa área não ousaram lutar abertamente por melhores condições de trabalho por muito tempo. Isso agora mudou. Por vários anos, houve iniciativas “indefinidas” em muitas instituições. E há um ano, os afetados usam o bordão #IchbinHannah nas mídias sociais para chamar a atenção para sua situação, para o estresse constante e o baixo salário de meio período, para a pouca compatibilidade de seu trabalho e paternidade.

A União da Educação e Ciência (GEW) luta há muitos anos por melhores condições de trabalho nas universidades. No entanto, o “incômodo temporário” continuou a aumentar. Somente desde a última reforma do Science Time Contract Act (WissZeitVG) em 2020, a proporção de funcionários temporários no corpo docente acadêmico de nível médio diminuiu ligeiramente – de 92 para 84%.

Representantes de todos os partidos democráticos já manifestaram sua vontade de melhorar a situação. Até os políticos da CDU são a favor de uma parcela de 50% da equipe científica permanente. O governo federal do SPD, Verdes e FDP até adotou o slogan de longo prazo do GEW, »cargos permanentes para tarefas permanentes«, em seu acordo de coalizão e anunciou uma reforma real do WissZeitVG.

O GEW agora quer ajudar a coalizão que comanda o governo federal da Alemanha. Na sexta-feira, ela apresentou seu próprio rascunho para um “Science Entitlement Act”. “Pistas de carreira confiáveis ​​e oportunidades iguais para todos” devem finalmente ser criadas, exigiu o vice-presidente da GEW, Andreas Keller, em uma coletiva de imprensa online. Porque os contratos de trabalho dos afetados ainda têm uma duração média de apenas 18 meses. E de acordo com uma avaliação do efeito do WissZeitVG publicada em maio em nome do Ministério Federal de Educação e Pesquisa, a duração dos contratos temporários é inferior a um ano para mais de 40% dos afetados.

De acordo com Keller, o WissZeitVG, que entrou em vigor em 2007 e foi reformado duas vezes desde então, continua a legitimar uma prática “irrestrita” de prazo fixo em universidades e instituições de pesquisa – às custas das perspectivas futuras dos cientistas , “a continuidade e qualidade da pesquisa e do ensino, e a atratividade do local de trabalho Universidade e Pesquisa«. Isso deve chegar ao fim.

Se for de acordo com as ideias do GEW, os termos dos contratos que atendem à qualificação devem ser “geralmente seis, mas no mínimo quatro anos” e incluir o “direito à qualificação durante o horário de trabalho”. Frequentemente, os doutorandos têm de fazer o seu trabalho científico nos seus tempos livres devido ao grande número de tarefas que têm de realizar, por exemplo, na supervisão de alunos. Se uma posição inclui principalmente essas tarefas permanentes, uma posição permanente deve ser criada para isso, exige o GEW.

Keller enfatizou que considerava a qualificação acadêmica »completa com o doutorado«. Qualquer pessoa que continue a se desenvolver cientificamente deve receber “um cargo permanente ou um contrato temporário com compromisso vinculativo de contrato permanente”. Os regulamentos correspondentes podem ser encontrados no projeto de lei da GEW. Além disso, qualquer pessoa que cuide de crianças, seja cronicamente doente ou tenha sofrido deficiências na pandemia de corona deve “ter o direito legal a uma extensão do contrato”.


compass black

Este artigo escrito originalmente em alemão foi publicado pelo jornal “Neues Deutschland” [Aqui! ].

Imagens campistas de mais uma eleição em que o controle parece ser seletivo

justiça

Como informei aqui, a justiça eleitoral de Campos dos Goytacazes agiu rápido para remover, após denúncia, outdoors colocados pela Associação de Docentes da Universidade Estadual do Norte Fluminense (Aduenf) por julgar que os mesmos ultrapassavam o direito de livre expressão ao criticar um dos candidatos a presidente da república.

Mas também notei aqui a presença de uma série de outdoors espalhados pelo município de Campos que faziam o contrário e apoiavam o mesmo candidato criticado nos outdoors proibidos da Aduenf.  O problema é que esses outdoors foram tolerados e pairam intocados pelas mãos da mesma justiça eleitoral. Precisou o vento que sopra forte na planície campista para, como dizem os locais, tombar um deles (ver imagem abaixo).

vento derrubou

Assim, o vento (ou teria sido Iansã, a orixã dos ventos e tempestades, que fez isto com o auxílio de Oiá, outra orixá que tem poderes semelhantes?) fez mais para garantir a integridade da campanha do que aqueles que tão zelosamente removeram os outdoors da Aduenf.

Mas mais curiosa ainda é a situação do comitê eleitoral do candidato “Pastor Éber Silva” do PSD/RJ que foi instalado na esquina entre as ruas Conselho José Fernandes e Gil de Góis nas proximidades da Segunda Igreja Batista de Campos (ver image abaixo).

pastor eber silva

A questão aqui é que Éber Silva foi pastor da mesmíssima Segunda Igreja Batista por 31 anos, tendo se aposentado do posto em dezembro de 2019. Assim, ainda que não haja proibição legal para uma proximidade tão grande entre o comitê de campanha de um candidato que ocupou por mais de três décadas e a igreja que ele chefiou, a situação é, no mínimo, peculiar. É que se por um lado há a conveniência da proximidade, há que se ver se isso não causa constrangimento nos fiéis que porventura desejassem votar em outras candidaturas.

É por essas e outras que eu não consigo deixar de ter a impressão de que o controle que se faz das campanhas eleitorais por estas paragens tem um quê de seletivo.