Aquecimento global e miopia: estudo alerta para perda de biodiversidade em hotspots e suas consequências negativas

snow lepard

Os leopardos da neve vivem nas altas montanhas – aqui no Pamir. Quando fica mais quente, eles geralmente não conseguem se mover mais alto. Foto: dpa / Igor Kovalenko / epa

Os botos-vaquita no Golfo da Califórnia, os lêmures em Madagascar, os elefantes da floresta na África Central e os leopardos das neves no Himalaia, todos têm uma coisa em comum: eles estão na via de mão única para a extinção se a mudança climática elevar a temperatura global em três graus Celsius.

Esses animais não estão sozinhos neste destino. A menos que as nações melhorem drasticamente a implementação do Acordo de Paris de 2015 para reduzir as emissões de CO2, o aquecimento global destruirá irreversivelmente os lugares com a mais rica diversidade de animais e plantas em nosso planeta. Essa é a avaliação preocupante da situação de um estudo publicado na revista “Biological Conservation” (Endemism increases species’ climate change risk in areas of global biodiversity importance) como botos vaquita, leopardos das neves, lêmures e elefantes da floresta, que estão sujeitos a condições ambientais muito específicas em locais muito específicos para sua sobrevivência, são as mais afetadas pelas mudanças climáticas.

O grupo internacional de cientistas liderado pela ecologista brasileira Mariana Vale, da Universidade Federal do Rio de Janeiro, analisou 8.000 avaliações de risco publicadas sobre a biodiversidade em quase 300 “pontos quentes” em terra e no mar sob a perspectiva de um aumento da temperatura global de três graus Celsius acima dos níveis pré-industriais. A investigação não é um mero exercício acadêmico do tipo “e se?”. Porque o mundo já está a caminho de um aquecimento global de três graus. A temperatura mundial já subiu um grau acima do nível pré-industrial. Os autores do estudo alertam que os três graus seriam atingidos no máximo até o final deste século, mesmo que os países aderissem às metas estabelecidas no acordo climático de Paris de redução das emissões de CO2. »Mudanças climáticas ameaçam áreas

Mais de 90% de todas as espécies endêmicas – ou seja, nativas de uma determinada área – e 95 por cento de todas as espécies marinhas endêmicas são afetadas pela extinção se a terra aquecer mais dois graus, de acordo com o estudo. Parece ainda mais ameaçador em habitats muito especiais. Nas regiões montanhosas, 84% dos animais e plantas endêmicos estão ameaçados de extinção, enquanto nas ilhas é 100%. “Muitas dessas espécies não conseguem se adaptar às mudanças climáticas por diversos motivos”, diz Vale. Essas espécies têm necessidades ambientais muito específicas para sua vida, sua reprodução e sua alimentação e, portanto, não podem simplesmente migrar para novos ambientes.

Além das mudanças climáticas, outro problema é a crescente perda de habitat para animais e plantas não endêmicas devido ao uso de cada vez mais terras para agricultura, cidades e estradas. “Isso impede que muitas espécies se mudem para áreas climaticamente mais adequadas, o que tem sido uma resposta normal e efetiva aos eventos climáticos da história da Terra”, diz Vale.

Mark Costello, um dos autores do estudo, se preocupa com a sobrevivência dos animais marinhos quando as temperaturas sobem. Sua pesquisa mostrou que “muitos animais marinhos não conseguem sobreviver a temperaturas médias anuais de mais de 20 graus”, diz o biólogo marinho da Universidade de Auckland (Nova Zelândia).

Agora pode-se perguntar: é realmente tão ruim se algumas espécies nunca mais forem vistas? O encolhimento de espécies ocorreu com frequência na história da Terra e a evolução sempre produziu espécies novas e maravilhosas. Wolfgang Kießling da Geo-Zentrum Nordbayern da Friedrich-Alexander-Universität Erlangen-Nürnberg torna claras as dimensões do atual processo evolutivo. “A perda de espécies é preocupante porque leva muito tempo para ser equilibrada novamente por meio de processos evolutivos”, disse Kießling, também co-autor do estudo. “Durante a maior extinção em massa induzida pelo clima na história da Terra, na fronteira do Permiano-Triássico, levou cinco milhões de anos para a biodiversidade global retornar ao nível que estava antes da extinção das espécies. Este não é um problema para a terra, mas para a humanidade.

Em um pedido urgente,  a Dra. Vale deixa claro que não se trata apenas de preservar plantas bonitas, animaizinhos fofos e peixes coloridos como belos enfeites em nosso mundo. O especialista enfatiza que a humanidade depende da biodiversidade para sua própria sobrevivência. Não se trata apenas de segurança alimentar, água e energia, mas também de “nosso bem-estar espiritual e emocional”. Conduzir espécies ao extermínio é, portanto, “não só eticamente errado”, mas também “estúpido da nossa parte”, diz Vale, acrescentando, tendo em vista a crise da coroa: “Os cientistas vêm alertando sobre isso há muito tempo, assim como fizeram têm alertado sobre a crescente probabilidade de uma pandemia alertaram sobre a degradação ambiental generalizada. Queremos esperar até ficarmos sem recursos? Espero que não.”

fecho

Este texto foi escrito originalmente em alemão e publicado pelo jornal “Neues Deustchland” [Aqui!].

Joe Biden vê a proteção do clima como uma questão de segurança nacional

Com uma conferência de cúpula virtual, o presidente Biden anuncia sua reivindicação à liderança. Para seu governo, a política climática não é mais “apenas” proteção ambiental. O quão sustentável é essa atitude ainda está para ser visto.

topekaAs medidas de isolamento contra o coronavírus resultaram em ruas mais vazias, como aqui em um cruzamento em Topeka em abril de 2020, e, portanto, também reduziram as emissões. Charlie Riedel / AP

Por Peter Winkler, de Washington DC, para o “Neue Zürcher Zeitung”

Primeiro, a boa notícia, que está escondida atrás de uma má: a pandemia da COVID-19, com suas quase 600.000 mortes e as medidas para combatê-la, reduzirá as emissões de gases de efeito estufa nos EUA em 2020, de acordo com estimativas do instituto de pesquisa independente Rhodium Grupo im Em comparação com o ano anterior, reduziu em 10,3 por cento para 5,2 milhões de toneladas de CO2 equivalentes. Este é o maior declínio desde a Segunda Guerra Mundial e excede em muito o após a crise financeira e econômica de 2008 (-6,3%). Em comparação com as emissões de 2005, as emissões caíram 21,7% no ano passado. Isso é melhor do que a meta que os EUA estabeleceram na conferência climática de Copenhague (-17%)e traz o segundo maior produtor de gases de efeito estufa, depois da China, a um nível de emissão inferior ao de 1990 pela primeira vez.

Para ser bom demais para ser verdade

Se isso fosse resultado de uma mudança estrutural, os EUA poderiam olhar para o futuro com confiança. No Acordo Climático de Paris, ao qual eles voltaram após um rompimento forçado sob o presidente Donald Trump, eles tinham como meta uma redução de 26% a 28% em 2025 em relação a 2005. As medidas estruturais teriam um efeito duradouro e o objetivo estaria claramente ao nosso alcance. O problema é que o declínio em 2020 não foi em grande parte resultado de mudanças estruturais, mas sim de razões econômicas: é principalmente devido ao colapso da atividade econômica, que se refletiu em uma redução do produto interno bruto de 3,5% em comparação com 2019.

Se as previsões sobre a confiabilidade das vacinações contra a COVID-19 forem confirmadas, 2021 deve trazer uma recuperação rápida. Sem medidas direcionadas para reduzir estruturalmente os gases de efeito estufa, as emissões também aumentarão novamente. Segundo o Wall Street Journal, esse processo já está em pleno andamento. Em sua previsão para o ano corrente, a Agência Internacional de Energia vê um aumento nas emissões de 4,8% nos EUA; isso desfazeria uma parte significativa do declínio do ano passado.

Também há desenvolvimentos estruturais positivos. Em 2019, pela primeira vez desde 1885 , os EUA consumiram mais energia renovável do que carvão. Foi quando a escalada industrial da América começou, transformando o país em uma superpotência, mas também transformando o Oriente e o Meio-Oeste em uma enorme floresta de chaminés fumegantes. O governo americano quer agora contrariar essa imagem com uma nova: os EUA como pioneiros na “descarbonização” da economia, que deve limitar o aquecimento global a 1,5 grau Celsius e poupar a Terra dos piores efeitos colaterais das mudanças climáticas.

Os EUA têm sido “pouco confiáveis” até agora

O governo do presidente Joe Biden fez muito para mostrar aos seus próprios cidadãos e ao exterior que está levando a proteção do clima a sério novamente. Isso é tanto mais importante quanto a América tem um problema de credibilidade. Como Ian Bremmer da consultoria de risco estratégico Eurasia Groupem uma conferência recente, apropriadamente disse: “Os EUA têm sido pouco confiáveis ​​na política climática.” Sob os presidentes Clinton (Kyoto) e Obama (Copenhague e Paris), a Casa Branca tentou usar acordos internacionais para preparar o país para a proteção do clima. Mas ambas as tentativas correram na areia. As ambições de Clinton foram interrompidas pelo Senado, as metas climáticas de Obama tornaram-se obsoletas com a vitória de Donald Trump nas eleições. Resta saber se a política climática de Biden também terá um impacto duradouro sobre os rivais políticos desta vez.

Com uma conferência de cúpula virtual, com a participação de 40 chefes de estado e de governo de todo o mundo e muitas celebridades empresariais internacionais, os Estados Unidos querem sublinhar na quinta e na sexta-feira que estão entrando na onda da proteção climática e imediatamente entrando na cabine do motorista . Lá, ele gostaria de varrer o mundo com um ímpeto renovado em direção a metas climáticas mais ambiciosas. Para tal, espera-se que Biden proceda com um gesto corajoso: com o compromisso de que os EUA reduzirão as suas emissões de gases com efeito de estufa em cerca de metade até 2030 em relação a 2005. Já que 17 estados estão participando da cúpula do clima, que juntos são responsáveis ​​por 80% das emissões, o governo em Washington está contando com uma espécie de “efeito dominó positivo”. Ela espera,

O governo Biden considera a proteção do clima uma questão estratégica de segurança nacional. Ela também está convencida de que nenhum país tem uma posição de partida comparável para realizar a mudança com ações decisivas: impulsionado por uma economia inovadora e uma indústria financeira robusta, que se baseiam na iniciativa privada e têm redes de rotas de entrega e investimentos em todo o mundo .

Olhar de soslaio para a liderança da China

O ministro das Relações Exteriores, Antony Blinken, também deixou claro em um discurso antes da cúpula em Annapolis que os EUA não vêem as mudanças climáticas apenas como uma ameaça, mesmo que o primeiro objetivo deva, é claro, ser evitar essa ameaça. Os Estados Unidos também querem ver a política climática como uma oportunidade de obter uma posição de destaque na produção de energia renovável e tecnologias livres de CO 2 de todos os tipos, em um mercado com enorme potencial de crescimento. Blinken destacou que os EUA se consideram competidores da China. Pequim está atualmente à frente de Washington como o maior fabricante e exportador de células solares, turbinas eólicas, baterias e veículos elétricos: “A China detém quase um terço das patentes mundiais no campo de energias renováveis.”

fecho

Este texto foi escrito originalmente em alemão e publicado pelo Neue Zürcher Zeitung [Aqui!].

Os 60 maiores bancos do mundo despejaram US$ 3,8 trilhões em combustíveis fósseis desde o Acordo de Paris

Financiamento a petróleo, gás e carvão segue em níveis elevados mesmo em meio à crise econômica global, mostra relatório de organizações pelo clima

bancos caos

 

Passados mais de cinco anos desde a assinatura do Acordo de Paris, os maiores bancos do mundo continuam a financiar massivamente a expansão dos combustíveis fósseis, em um sinal de desconexão alarmante entre o consenso científico global sobre a crise climática e as práticas do mercado financeiro.

É o que revela a 12ª edição do mais abrangente relatório global sobre financiamento de bancos a combustíveis fósseis. Intitulado Banking on Climate Chaos 2021, o documento expande seu foco, este ano, dos 35 para os 60 dos maiores bancos do mundo e revela que, desde 2016, esses bancos injetaram mais de US$ 3,8 trilhões em operações ligadas aos setores de petróleo, gás e carvão.

De autoria das organizações Rainforest Action Network, BankTrack, Rede Ambiental Indígena, Oil Change International, Reclaim Finance e Sierra Club, o estudo e é endossado por mais de 300 organizações de 50 países ao redor do mundo, inclusive a 350.org.

Os piores do mundo

O relatório nomeia os maiores financiadores de combustíveis fósseis em todo o mundo e aponta o JPMorgan Chase como o pior banco de forma geral. Também indica o RBC como o pior do Canadá, o Barclays como o pior do Reino Unido, o BNP Paribas como o pior da União Europeia, o MUFG como o pior no Japão e o Banco da China como o pior em seu país.

Ainda conclui que o financiamento de combustíveis fósseis foi maior em 2020 do que em 2016, uma tendência que se opõe diretamente à meta declarada do Acordo de Paris de reduzir rapidamente as emissões de carbono com o objetivo de limitar o aumento da temperatura global a 1,5 °C.

Mesmo em meio a uma recessão econômica induzida por uma pandemia, que resultou em uma redução generalizada do financiamento de combustíveis fósseis de cerca de 9%, os 60 maiores bancos do mundo ainda aumentaram em mais de 10% seu financiamento em 2020 para as 100 empresas mais responsáveis ​​pela expansão dos combustíveis fósseis.

Esse comportamento beneficia empresas responsáveis por projetos altamente polêmicos, como o oleoduto de areias betuminosas da Linha 3, nos Estados Unidos, e a expansão do fracking próximo a terras de comunidades indígenas Mapuche, na região da Patagônia argentina.

Bancos dos EUA e da China lideram o retrocesso

As instituições financeiras com sede nos Estados Unidos continuam a ser as maiores impulsionadoras globais de emissões em 2020, com o JPMorgan Chase permanecendo como o pior “banco de fósseis” do mundo. O Chase comprometeu-se recentemente a alinhar suas políticas de crédito ao Acordo de Paris, mas segue com o financiamento irrestrito aos combustíveis fósseis. De 2016 a 2020, as atividades de crédito e subscrição do Chase forneceram quase US$ 317 bilhões para combustíveis fósseis, 33% a mais do que o Citi, o segundo pior “banco fóssil” no período avaliado.

Já os 10 maiores financiadores de carvão desde a adoção do Acordo de Paris são todos chineses. O Banco da China, maior banco do mundo, lidera o ranking, seguido pelo ICBC (Banco Industrial e Comercial da China) e pelo China CITIC Bank. O financiamento geral dos bancos para as 30 maiores empresas de energia a carvão em 2020 caiu 9% em relação a 2019, mas permanece em um nível muito alto de US$ 39 bilhões.

“Diante da perspectiva de uma recessão global, o investimento em infraestrutura de energia a carvão se tornará ainda mais arriscado para os países tomadores de empréstimos e credores. Uma transição global para um futuro de baixo carbono já está em andamento e uma transição completa do carvão é uma oportunidade para um novo paradigma econômico de prosperidade e equidade”, afirma Yossi Cadan, gerente de campanha de finanças globais da 350.org

O relatório também examina os compromissos de política climática dos bancos, apontados como “grosseiramente insuficientes e desalinhados com os objetivos do Acordo de Paris em geral”. Muitas das políticas dos bancos concentram-se na meta distante e mal definida de alcançar “emissões líquidas zero até 2050” ou apenas na restrição de financiamento aos combustíveis fósseis não-convencionais.

Além disso, as políticas bancárias são mais fortes no que diz respeito às restrições para financiamento direto relacionado a projetos, uma frente que representa apenas 5% do financiamento total de combustível fóssil analisado neste relatório.

As organizações responsáveis pelo relatório estão unidas em sua exigência de que o respeito aos direitos indígenas, incluindo o direito à consulta livre, prévia e informada e aos direitos humanos de forma ampla, seja um requisito não-negociável para todas as decisões de financiamento bancário.

Aspas sobre o relatório

Ginger Cassady, diretor executivo da Rainforest Action Network

“A queda sem precedentes no financiamento global para combustíveis fósseis, provocada pela pandemia, oferece aos maiores bancos do mundo um ponto de escolha radical no futuro. Eles podem manter a trajetória descendente de apoio ao setor responsável pela crise climática ou irresponsavelmente retomar os negócios como antes, à medida em que a economia se recupera. Os bancos com sede nos EUA continuam a ser os piores financiadores de combustíveis fósseis, por uma ampla margem. Conforme nos aproximamos da Cúpula do Clima em Glasgow, no fim deste ano, o que está em jogo não poderia ser mais importante. Wall Street deve agir agora para interromper o financiamento da expansão fóssil e se comprometer com um cenário de zero fósseis, de modo a alinhar verdadeiramente suas práticas de financiamento com iniciativas que evitem que o planeta se aqueça mais de 1,5°C” .

Tom Goldtooth, diretor executivo da Rede Ambiental Indígena

“Devemos entender que, ao financiar a expansão do petróleo e do gás, os maiores bancos do mundo têm sangue em suas mãos. Nenhuma quantidade de greenwashing, mercados de carbono, soluções tecnológicas não-comprovadas ou compromissos líquidos zero pode absolver seus crimes contra a humanidade e a Mãe Terra. Terras Indígenas em todo o mundo estão sendo saqueadas, nossos direitos inerentes estão sendo violados e o valor de nossas vidas foi reduzido a nada em face da expansão dos combustíveis fósseis. Pela sacralidade e integridade territorial da Mãe Terra, esses bancos devem ser responsabilizados a cobrir o custo de sua destruição”.

Lucie Pinson, fundadora e diretora executiva da Reclaim Finance

“Esses números mostram o vazio dos compromissos dos bancos, que se multiplicam incessantemente, ao se declararem líquidos ou em consonância com os objetivos climáticos do Acordo de Paris. Um exemplo perfeito encontra-se na França. O ministro das Finanças, Bruno Le Maire, gosta de chamar Paris de capital das finanças verdes, mas esses dados mostram a cidade como a capital da hipocrisia climática em 2020, com quatro bancos inescrupulosos tornando a França o maior patrocinador europeu de petróleo, gás e carvão. O BNP Paribas merece ser apontado como o quarto maior financiador de fósseis do mundo em 2020, tendo canalizado empréstimos multimilionários para gigantes do petróleo como BP e Total. No entanto, está claro que todos os bancos devem substituir suas promessas vazias por políticas realmente significativas que promovam tolerância zero para desenvolvedores de combustíveis fósseis”

Ben Cushing, gerente de campanha de promoção financeira do Sierra Club

“Muitos dos maiores bancos do mundo, incluindo todos os seis principais bancos dos EUA, assumiram compromissos espetaculares nos últimos meses para zerar o impacto climático de seus financiamentos nos próximos 30 anos. Porém, o que mais importa é o que eles estão fazendo agora, e os números não mentem. Esse relatório separa palavras de ações e mostra um quadro alarmante: grandes bancos ao redor do mundo, liderados pelos EUA, estão alimentando o caos climático, ao despejar trilhões de dólares nos combustíveis fósseis que causam essa crise. Os grandes bancos não merecem um tapinha nas costas, se suas promessas para 2050 não forem combinadas com ações significativas em 2021 para cortar o financiamento fóssil”.

Johan Frijns, diretor da BankTrack

À medida que a Cúpula do Clima de Glasgow se aproxima – e Deus nos livre de que a pandemia impeça essa reunião essencial para enfrentarmos uma crise existencial ainda maior, que é a do clima – testemunhamos um banco após outro fazendo promessas solenes de alcançar o “zero líquido até 2050″. Não existe caminho para esse objetivo, que devemos alcançar em uma geração, que não seja lidar com o financiamento bancário para a indústria de combustíveis fósseis aqui e agora. No entanto, muitas promessas atuais carecem exatamente disso: um firme compromisso de começar a romper laços com todas as empresas de carvão, petróleo e gás que planejam continuar suas atividades de destruição climática nos próximos anos”.

Lorne Stockman, analista de pesquisa sênior da Oil Change International

“O relatório serve para dar conta da realidade dos bancos que acreditam que essas metas muito vagas de “zero líquido” são suficientes para conter a crise climática. Nosso futuro vai para onde o dinheiro flui e, até 2020, esses bancos têm investido bilhões para nos aprisionar em um caos climático ainda maior. Os bancos precisam se concentrar na redução da produção de combustíveis fósseis agora, em vez de estabelecer metas distantes e insuficientes no futuro distante. Não podemos seguir adiante com compromissos pela metade”.

Sobre a metodologia

O relatório Banking on Climate Chaos 2021 agrega empréstimos bancários e subscrição de emissões de dívida e ações, de acordo com a metodologia de crédito da liga da Bloomberg (que divide o crédito entre os bancos que conduzem uma transação) para empresas com qualquer atividade de combustível fóssil relatada de acordo com a Bloomberg Finance L.P. e a Lista Global de Saída de Carvão. O crédito da liga atribuído a um banco para uma determinada transação é ajustado por uma aproximação da intensidade do combustível fóssil do tomador ou emissor específico.

As conclusões do rascunho do relatório são compartilhadas com os bancos com antecedência, e eles têm a oportunidade de comentar sobre as avaliações de financiamento e políticas.
 
 
Leia o relatório AQUI

Estudo afirma que corte de emissões precisa crescer dez vezes para conter emergência climática

Pesquisa se soma às evidências de que mundo não está no caminho de frear aquecimento global; Aplicativo permite comparar emissões dos países
 
emissões
 Foto: Kevin Frayer Getty Images
 
O mundo precisa multiplicar por dez o atual volume de cortes de emissões de CO2 para conter a emergência climática. É o que indica um novo estudo publicado na revista Nature Climate Change e que analisou as emissões de 64 países entre 2016 e 2019. A pesquisa foi conduzida por professores das universidades de East Anglia (UEA) e Stanford, além de cientistas do Projeto Carbono Global.
 
Os autores quiseram medir o progresso feito pelos países desde a criação do Acordo de Paris, e seus resultados mostram a clara necessidade de uma ambição muito maior antes da Conferência das Partes sobre Mudanças Climáticas da ONU (COP26), que será realizada em Glasgow, em novembro.
 
Os cortes anuais de 0,16 bilhões de toneladas de CO2 são apenas 10% dos cortes de 1-2 bilhões de toneladas de CO2 que são necessários em todo o mundo a cada ano para enfrentar a mudança climática. Embora as emissões tenham diminuído em 64 países, elas aumentaram em outros 150. Globalmente, as emissões cresceram em 0,21 bilhões de toneladas de CO2 por ano durante 2016-2019, em comparação com 2011-2015. 
 
Em relação a 2020, os cientistas dizem que as medidas de confinamento para enfrentar a pandemia COVID-19 reduziram as emissões globais em 2,6 bilhões de toneladas de CO2, cerca de 7% abaixo dos níveis de 2019. Para os pesquisadores, 2020 é um “botão de pausa” que não pode continuar realisticamente enquanto o mundo depende esmagadoramente de combustíveis fósseis. Além disso, as políticas de confinamento não seriam uma solução sustentável nem desejável para a crise climática.
 
“A queda nas emissões de CO2 das respostas à COVID-19 destaca a escala das ações e da adesão internacional necessária para enfrentar a mudança climática”, afirma a autora principal da análise, a professora Corinne Le Quéré, da Escola de Ciências Ambientais da UEA. “Agora precisamos de ações em larga escala que sejam boas para a saúde humana e boas para o planeta. É do melhor interesse de todos reconstruir melhor para acelerar a transição urgente para a energia limpa”.
 
Bons exemplos
 
No âmbito deste projeto, um aplicativo foi desenvolvido pelo pesquisador Anthony De-Gol na UEA para mostrar dados de emissão por país desde 1990. Entre os 36 países mais ricos, 25 viram suas emissões diminuírem durante 2016-2019 em comparação com 2011-2015, incluindo os EUA (redução média anual de -0,7%), a União Européia (-0,9%) e o Reino Unido (-3,6%). As emissões diminuíram mesmo quando se contabiliza a pegada de carbono de bens importados produzidos em outros países. Trinta dos 99 países de renda média alta também reduziram emissões entre 2016-2019 em comparação com 2011-2015, sugerindo que ações para reduzir as emissões estão agora em andamento em muitos países do mundo.
 
O México (-1,3%) é um exemplo notável nesse grupo, enquanto as emissões da China aumentaram 0,4%, muito menos do que os 6,2% de crescimento anual de 2011-2015. O número crescente de leis e políticas sobre mudança climática parece ter desempenhado um papel fundamental na contenção do crescimento das emissões durante 2016-2019. Existem agora mais de 2000 leis e políticas climáticas em todo o mundo.
 
Um retorno completo em 2021 para os níveis anteriores de emissão de CO2 parece improvável. Entretanto, os autores dizem que, a menos que a recuperação da COVID-19 direcione investimentos em energia limpa e na economia verde, as emissões provavelmente começarão a aumentar novamente dentro de alguns anos. A natureza da interrupção em 2020, afetando particularmente o transporte rodoviário, significa incentivo para acelerar a implantação em larga escala de veículos elétricos e incentivar as caminhadas e ciclismo nas cidades. 
 
A resiliência da energia renovável durante a crise, a queda dos custos e os benefícios da qualidade do ar são incentivos adicionais para apoiar sua implantação em larga escala. Os investimentos pós-COVID continuam a ser dominados esmagadoramente pelos combustíveis fósseis na maioria dos países, em contradição com os compromissos climáticos, inclusive nos Estados Unidos e na China. A União Europeia, a Dinamarca, a França, o Reino Unido, a Alemanha e a Suíça estão entre os poucos países que até agora implementaram pacotes de estímulo verde limitando investimentos em atividades baseadas em combustíveis fósseis.

Rob Jackson, da Universidade de Stanford e co-autor do estudo, afirma que os compromissos crescentes dos países para alcançar emissões líquidas zero dentro de décadas fortalecem a ambição climática necessária na COP26. “Uma ambição maior é agora apoiada pelos líderes dos três maiores emissores: China, Estados Unidos e a União Europeia”, salienta.
 
Uma cópia do artigo publicado em 3/3/2021 está disponível aqui :

Brasil terá que refazer suas metas no Acordo de Paris antes da COP26

ONU pede revisão de planos climáticos ruins; Brasil ficou fora de Cúpula em 2020 por submeter objetivos que reduzem esforço do país contra aquecimento global

emissions
 
Um relatório da ONU divulgado hoje (26/02) afirma que as metas atuais dos principais poluidores combinadas não chegam nem perto de mitigar as mudanças climáticas. Segundo o documento, as propostas atuais dos países que representam 30% das emissões de gases de efeito estufa conseguirão reduzir em apenas 1% as emissões até 2030 em relação aos níveis de 2010. Para garantir que o aquecimento global fique abaixo de 2ºC, esse percentual deveria ser de 25%, sendo 45% para a meta de 1,5ºC, segundo cálculos do Painel Intergovernamental sobre Mudanças Climáticas (IPCC), maior autoridade científica sobre o assunto.

O relatório Síntese Inicial NDC foi solicitado pelas Partes do Acordo de Paris para medir o progresso dos planos nacionais de ação climática – Contribuições Nacionais Determinadas, conhecidos pela sigla NDC – antes da COP26 em novembro deste ano, que será realizada em Glasgow, na Escócia.

No ano passado, o Brasil ficou de fora da Cúpula de Ambição Climática da ONU exatamente porque os organizadores do evento não consideraram suficientes as metas climáticas divulgadas quatro dias antes do encontro pelo Ministério do Meio Ambiente. O Brasil é o 6º maior emissor do mundo, e a destruição das florestas responde pelo maior volume de emissões.

“No momento, é como se estivéssemos entrando em um campo minado de olhos vendados”, definiu Patrícia Espinosa, secretária executiva de Mudança Climática da ONU. Ela encorajou todas as nações a investigar outras áreas a fim de criar planos mais robustos. “O que precisamos é muito mais radical e transformador do que o que temos agora. Precisamos de planos concretos para eliminar gradualmente os combustíveis fósseis o mais rápido possível”.

“O relatório provisório de hoje é um alerta vermelho para nosso planeta”, lamenta o secretário geral das Nações Unidas Antonio Guterres. “Os principais emissores devem apresentar metas muito mais ambiciosas de redução de emissões para 2030 em suas Contribuições Nacionais Determinadas bem antes da Conferência Climática da ONU em Glasgow, em novembro. Agora é a hora.”

Laurence Tubiana, CEO da Fundação Europeia do Clima e uma das idealizadoras do Acordo de Paris afirma que os países do G20 deveriam liderar o processo de mitigação das mudanças climáticas. “Os governos que entregaram planos pouco ambiciosos devem — como sugere a ONU — reconsiderar e reapresentar os planos até a COP26”.

Entre pesquisadores e ambientalistas, os resultados do relatório geraram comoção. “É espantoso como os países estão longe de lidar com a crise climática”, afirma Mohamed Adow, diretor da Power Shift Africa, um think tank com sede no Quênia que estuda a transição energética no continente africano. “Alguns países fizeram bem em atualizar suas promessas do Acordo de Paris, mas muitos outros, como Brasil, Japão, Austrália, México e até mesmo a Nova Zelândia não fizeram nada, vergonhosamente. Este estado de coisas não pode continuar.”

Para Niklas Höhne, fundador do NewClimate Institute, organização especializada em políticas climáticas, o maior impacto positivo vem da União Europeia, seguida do Reino Unido e da Argentina. “Mas dez países apresentaram NDCs revisadas sem nenhuma melhoria na ambição ou mesmo retrocedendo: Austrália, Brasil, Japão, México, Nova Zelândia, Singapura, Coreia do Sul, Suíça e Vietnã”, destaca o pesquisador. Ele ressalta que dessa lista, ao menos o Japão já reconheceu a pouca ambição da meta submetida em 2020 e se comprometeu a melhorá-la este ano.

“O Brasil apresentou uma NDC que efetivamente enfraquece suas já insuficientes metas de ação climática para 2025 e 2030”, avalia Höhne. “Como resultado, as emissões do Brasil em 2030 sob a nova meta poderiam ser 27% maiores do que eram quando ratificou o Acordo de Paris em 2016.” Ele lembra que um recuo nas metas de redução de emissões desobedece a exigência do Acordo de Paris de que cada nova NDC seja mais ambiciosa que a anterior.

Esperança

Os resultados do relatório aumentam ainda mais as expectativas em relação a uma postura mais ambiciosa este ano por parte dos dois grandes poluidores do planeta: EUA e China.

“Espero que os EUA e a China possam igualar a União Europeia na entrega de estratégias que nos coloquem no caminho do zero líquido”, afirma Tubiana, que também é embaixadora da França para a Mudança Climática.

A diretora executiva do Greenpeace Internacional, Jennifer Morgan, também joga os holofotes sobre os dois países. “Estamos chamando os maiores emissores do mundo, os Estados Unidos e a China, para entregar NDCs no próximo mês que nos dêem motivos de esperança”, afirma. Ela ainda vê a possibilidade de países que estão indo no caminho contrário voltarem a cooperar pelo clima.

“A Austrália e o Brasil, arrasados por queimadas agravadas pela emergência climática, devem, respectivamente, controlar os interesses dos combustíveis fósseis e da agricultura industrial, enquanto trabalham para criar um futuro justo e seguro para seus cidadãos e proteger a preciosa biodiversidade”, disse a ambientalista.

 
“Com planos climáticos lamentavelmente fracos, grandes emissores como Japão, Austrália e Brasil estão pesando sobre a ambição global, quando na verdade deveriam estar liderando”, afirma Tasneem Essop, diretor executivo da Climate Action Network. Para ele, anúncios de metas líquidas zero em 2050 não podem ser o único sinal de ambição climática. “Os EUA e a China – que ainda vão apresentar suas NDCs – devem fazê-lo o mais rápido possível. É imperativo que os Estados Unidos forneçam sua parte justa, tanto sobre a redução de emissões, como em relação às finanças.”

O relatório está disponível  [Aqui!]

Metas do Acordo de Paris podem estabilizar a temperatura global já nos próximos 20 anos, diz estudo

Pela primeira vez cientistas conseguem identificar chance de desacelerar o aumento da temperatura antes de 2050

acordo paris

Se o mundo reduzir as emissões de acordo com as metas do Acordo de Paris, haverá uma mitigação significativa no aquecimento global dentro de cerca de 20 anos. Esta é uma boa notícia – até agora, pensava-se que não veríamos este benefício até muito depois de 2050. A nova informação consta de um estudo aceito para publicação em outubro e divulgado hoje (7/12) pela revista Nature Climate Change.

Pesquisas anteriores sempre sugeriram que a redução das emissões significaria que a desaceleração das temperaturas só começaria a ser sentida na segunda metade do século. Ao utilizar uma nova abordagem que combina grandes quantidades de dados de diferentes fontes, um estudo da Universidade de Leeds conseguiu desembaraçar o aquecimento induzido pelo homem da variabilidade natural em escalas de tempo.  O artigo divulgado hoje destaca que uma ação imediata sobre a mudança climática pode trazer benefícios dentro de nossa vida útil, e não apenas décadas ou séculos no futuro.

O estudo é liderado por Christine McKenna, pesquisadora do projeto CONSTRAIN, financiado pela União Europeia, e pós-doutoranda da Universidade de Leeds, no Reino Unido. “Nossos resultados mostram que não apenas as gerações futuras sentirão os benefícios de cortes rápidos e profundos nas emissões”, afirma. Para ela, tomar medidas agora permitirá, ao mesmo tempo, evitar que o aquecimento global se acelere nas próximas décadas e cumprir o objetivo de limitar o aquecimento a longo prazo.

“Estas descobertas são mais uma motivação para que tanto governos quanto atores não estatais estabeleçam metas rigorosas de mitigação de gases de efeito estufa, combinando uma recuperação verde dos impactos econômicos do coronavírus com o alcance de emissões líquidas zero o mais rápido possível”, defende McKenna.

A pesquisa utilizou milhares de simulações de diferentes modelos climáticos junto com múltiplas estimativas da variabilidade climática natural observada para investigar como vários níveis de cortes de emissões poderiam afetar a velocidade do aquecimento global durante as próximas duas décadas. A conclusão dos pesquisadores foi possível porque eles tiveram acesso a dados mais recentes e ampliaram um pouco sua linha do tempo futuro – de 15 anos (que é o que os trabalhos anteriores já observaram), para 20 anos. Com isso, descobriram que os benefícios começam a fazer efeito logo no final desta linha de tempo de 20 anos.

Os resultados mostram que a redução das emissões em conformidade com o Acordo de Paris, e em particular com seu objetivo de prosseguir os esforços para estabilizar o aquecimento global em 1,5°C acima dos níveis pré-industriais, tem um efeito substancial nas taxas de aquecimento nos próximos 20 anos, mesmo depois que a variabilidade natural é levada em conta.

De fato, o risco de experimentar taxas de aquecimento mais fortes do que qualquer outra coisa vista anteriormente seria 13 vezes menor com cortes rápidos e profundos nas emissões, em comparação com um futuro “médio” que continua a depender fortemente dos combustíveis fósseis. Já em um cenário futuro com uso intensivo de combustíveis fósseis poderá ter temperaturas subindo até 1-1,5°C nos próximos 20 anos – o que significa que os limites de temperatura do Acordo de Paris seriam ultrapassados muito antes de 2050.

Trump não consegue desviar EUA de metas do Acordo de Paris, diz relatório

Estados, cidades e empresas aceleram progresso climático sem ajuda federal

trump denialO “sem noção em chefe”:  Donald Trump, que nega as mudanças climáticas provocadas pelo homem, aponta mapas do furacão Michael em 2018. (Reuters / Jonathan Ernst)

Enquanto Donald Trump fortalece sua retórica antiambiental, os EUA deve manter o compromisso assumido no Acordo de Paris de reduzir suas emissões de gases causadores do efeito estufa em 37% até 2030. Um estudo divulgado agora explica a contradição: políticas de mitigação climática foram fortalecidas em níveis subnacionais e nas empresas.

Segundo o relatório Americas’s Pledge, o setor de eletricidade já vive o “tipping point” da transição energética, mesmo com atrasos em projetos em decorrência da pandemia do novo coronavírus. Em 2017, o presidente dos EUA revogou as iniciativas de energia limpa da era Obama e em 2018 anunciou medidas para ressuscitar a indústria do carvão. Desde então, as energias do sol e do vento tiveram crescimento rápido, com forte geração de empregos, preços cada vez mais competitivos – mesmo sem subsídios – e com fundamentos econômicos mais consistente do que as fontes fósseis.

A análise indica que as concessionárias que planejavam fazer uma transição energética do carvão para as renováveis, passando pelas térmicas a gás, partiram para um plano de descarbonização direta. Há quatro anos, apenas 1 estado e 22 cidades havia se comprometido a ter energia elétrica 100% renovável; em 2020 são 16 estados e 130 cidades. Isso significa que cerca de 33% da população dos EUA vive em uma jurisdição que será alimentada por energia 100% limpa até o final desta década. O documento destaca que a energia limpa tem conquistado apoio bipartidário. Arizona, Flórida, Texas e Virgínia, redutos tradicionais dos republicanos, só aumentaram suas metas de energia limpa desde eleição de Trump.

“Apesar da decisão do presidente de se afastar do Acordo de Paris, e apesar de quatro anos de retrocessos ambientais e negação do clima por parte do governo federal, o último relatório mostra que cidades, estados e empresas continuam a progredir trabalhando em conjunto e liderando de baixo para cima”, avalia Michael R. Bloomberg, ex-enviado especial das Nações Unidas para a Ação Climática e co-presidente da America’s Pledge. “Mas o relatório também mostra que poderíamos estar fazendo muito mais, muito mais rápido, com a liderança da Casa Branca – e é por isso que a eleição de novembro é a mais importante na luta contra a mudança climática”, afirma o executivo, que é fundador da Bloomberg Philanthropies e da Bloomberg LP.

“Com sua política de multilateralismo inclusivo, a ONU há muito incentiva cidades, comunidades, investidores, empresas privadas e sociedade civil a se envolverem nos esforços para enfrentar a mudança climática. Isto resulta em mais idéias, mais soluções, mais ação climática e se reflete também no relatório dos compromissos dos Estados Unidos”, analisa Patricia Espinosa, Secretária Executiva de Mudança Climática da ONU.

Fósseis

Além de eletricidade, a pesquisa analisou outros quatro setores com as maiores oportunidades de redução de emissões nos EUA até 2030: transporte, metano e hidrofluorocarbonetos (HFCs) e edificações. O nível de confiança no cumprimentos das metas em quatro desses segmentos cresceu, exceto em “edificações”, para o qual o nível de confiança foi apenas mantido.

Segundo o relatório, um conjunto de fatores manteria o país no rumo da mitigação das emissões de “transporte” e “metano”, com destaque para o compromissos de cidades e estados de eletrificar o transporte e reduzir os níveis de emissões para veículos médios, pesados e leves. Essa tendência foi observada mesmo com os padrões federais de economia de combustível e de emissão tendo sido enfraquecidos pela administração Trump. As vendas de veículos elétricos nos EUA dobraram nos últimos cinco anos, e espera-se uma recuperação mais rápida do que as vendas de carros a gasolina no próximo ano. E conforme o país se ajusta a um “novo normal” pós-pandemia, mudanças no comportamento em torno do trabalho remoto e do comércio eletrônico podem diminuir permanentemente as viagens de passageiros dos EUA em 10%.

Ao mesmo tempo, a indústria de petróleo e gás – principal fonte das emissões de metano do país – enfrenta um cenário com choques de preço, excesso de oferta global e redução das expectativas de demanda de longo prazo devido ao aumento do apoio político e industrial à eletrificação do transporte.

O relatório também destaca que estados e empresas estão impulsionando reduções de hidrofluorocarbonetos (HFCs) nos EUA. Essas substâncias foram uma solução climática no passado, quando substituíram os clorofluorcarbonetos (CFCs), que destroem a camada de ozônio, mas o avanço do conhecimento sobre HFCs mostrou que eles são superpoluentes climaticamente ativos e extremamente persistentes na atmosfera. Dezesseis estados americanos já aprovaram ou propuseram políticas contra o HFC, e a indústria está investindo em soluções de refrigeração e ar condicionado favoráveis ao clima, enquanto pressiona por uma legislação federal sobre o tema.

Sete maiores empresas de petróleo rebaixam ativos em US $ 87 bilhões em nove meses

Thinktank afirma que as mudanças nas previsões refletem uma mudança acelerada dos combustíveis fósseis

PLATAFORMAUma plataforma de petróleo do Mar do Norte. Fotografia: Alamy

Por Jillian Ambrose para o  The Guardian

As maiores empresas petrolíferas listadas no mundo eliminaram quase US $ 90 bilhões do valor de seus ativos de petróleo e gás nos últimos nove meses, à medida em que a pandemia de coronavírus acelera uma mudança global para longe dos combustíveis fósseis.

Nos últimos três trimestres financeiros, sete das maiores empresas de petróleo reduziram suas projeções para os preços futuros do mercado de petróleo, desencadeando uma onda de rebaixamentos no valor de seus projetos de petróleo e gás, totalizando US $ 87 bilhões.

A análise feita pelo instituto de finanças climáticas Carbon Tracker mostra que apenas nos últimos três meses, empresas como a Royal Dutch Shell, BP, Total, Chevron, Repsol, Eni e Equinor relataram rebaixamentos no valor de seus ativos, totalizando quase US $ 55 bilhões.

Os prejuízos na valorização do petróleo começaram no final do ano passado em resposta ao crescente apoio político para a transição dos combustíveis fósseis para fontes de energia mais limpas, e eles se aceleraram conforme a pandemia afetou a indústria do petróleo.

Os bloqueios provocaram o colapso mais acentuado na demanda por combustíveis fósseis em 25 anos, fazendo com que os mercados de commodities de energia caíssem para níveis históricos.

O colapso do mercado de petróleo, que atingiu seu ponto mais baixo em abril, obrigou as empresas a reavaliarem suas expectativas de preços nos próximos anos.

A BP cortou suas previsões para o petróleo em quase um terço, para uma média de $ 55 o barril entre 2020 e 2050 , enquanto a Shell cortou suas previsões de $ 60 o barril para uma média de $ 35 o barril este ano, subindo para US$40 no próximo ano, US$ 50 em 2022 e US$ 60 a partir de 2023.

Ambas as empresas reduziram seus pagamentos aos acionistas depois que as revisões geraram um rebaixamento de US$ 22,3 bilhões no portfólio de combustíveis fósseis da Shell e um prejuízo de US$ 13,7 bilhões nos ativos de petróleo e gás da BP.

Andrew Grant, chefe de petróleo, gás e mineração do Carbon Tracker, disse que o coronavírus acelerou uma tendência inevitável de redução dos preços do petróleo – uma tendência que muitos ativistas climáticos alertaram que levará a ativos perdidos e a um risco cada vez maior para os fundos de pensão que investem em petróleo firmas.

“A COVID-19 certamente fez sua parte para eliminar o valor dos livros das empresas de petróleo, mas está claro que também acelerou uma tendência das empresas mudando suas premissas de preços de longo prazo para melhor refletir as realidades da transição energética”, ele disse.

No último trimestre financeiro de 2019, a petrolífera francesa Total e a espanhola Repsol apontaram a política climática do governo como a razão para rebaixamentos na avaliação do petróleo, totalizando US$ 6,2 bilhões.

“O fato de que os principais jogadores europeus estão baixando ativos com referência ao acordo de Paris é uma mudança muito positiva”, disse Grant. “Definir os preços de depreciação em linha com uma estimativa conservadora da demanda futura de combustível fóssil com base no acordo de Paris só pode ajudar a evitar o desperdício de capital e aumentar a resiliência das empresas.”

A BP revelou seu acentuado rebaixamento na avaliação de ativos e seu primeiro corte de dividendos em uma década, juntamente com um novo plano ambicioso para mudar seu portfólio de energia de combustíveis fósseis para alternativas de baixo carbono. Até o final da década, a BP espera produzir 40% menos petróleo e gás e está aumentando seus gastos com energia limpa em dez vezes, em um movimento bem-vindo por grupos verdes e investidores.

“No entanto, existem retardatários”, disse Grant. “As grandes petrolíferas dos EUA não divulgam suas premissas de preço e fazem poucas menções às mudanças climáticas em seus relatórios trimestrais. Nem a ExxonMobil nem a ConocoPhillips relataram quaisquer prejuízos materiais este ano, sugerindo que a administração está se apegando a uma visão otimista do preço do petróleo ”.

A companhia petrolífera estatal da Noruega, Equinor, rompeu com seus pares europeus ao manter suas previsões de longo prazo para o preço do petróleo Brent em US $ 80 o barril – “o mais alto de alguma forma”, disse Grant.

“Aferrar-se obstinadamente às previsões de preços business-as-usual pode levar as empresas a alocar capital incorretamente em detrimento de seus investidores”, acrescentou.

fecho

Este artigo foi originalmente em inglês e publicado pelo jornal “The Guardian” [Aqui!].

Em entrevista “bola levantada” no UOL, Ricardo Salles dissemina falácias e delírios sobre a catástrofe ambiental que construiu

amazonia acordo de parisEnquanto a Amazônia arde em chamas, Ricardo Salles distribui falácias e declarações delirantes

O ministro (ou seria anti-ministro) do Meio Ambiente, o improbo Ricardo Salles, deu mais uma daquelas entrevistas de “bola levantada” que a mídia corporativa brasileira se acostumou a realizar ao longo do 2019 para dar tinturas democráticas aos desatinos do governo Bolsonaro.  Na entrevista assinada pelos jornalistas Luciana Amaral e Gustavo e publicada pelo site UOL, Salles ofereceu uma série de declarações falaciosas que, por causa da natureza “bola levantada” da entrevista, passaram sem a devida cobrança.

salles 10 bilhões

Ao meu ver, a principal falácia que passou batida foi a afirmação de  que o “Brasil é modelo para o mundo de conservação ambiental, pois “somos o país que tem 60% da nossa vegetação nativa mantida, e “temos 80% da Amazônia mantida“. 

Vindo do mentor do desmanche da governança ambiental que existia até janeiro de 2019, a afirmação que somos modelo de conservação não é apenas cínica, mas dotada de elementos de negação da realidade.  Como Ricardo Salles é um dos muitos negacionistas das mudanças climáticas, sua predisposição para negar a verdade não chega a ser novidade. O problema é que deixá-lo ministro enquanto avança o desmatamento da Amazônia permite que todos os saqueadores ilegais dos biomas amazônicos sigam agindo com ampla liberdade. 

fire degradationIncêndios florestais são uma importante fonte de degradação das  matas nativas da Amazônia brasileira

Outra falácia contida dentro da falácia é de que temos 80 da Amazônia mantida. Como já divulguei aqui, em artigo publicado em 2013 pelo International Journal of Remote Sensing, eu e outros pesquisadores que estudam as mudanças na cobertura vegetal da Amazônia demonstramos que uma parte semelhante à desmatada se encontrava sob diferentes níveis de degradação por causa da extração ilegal de madeira e incêndios florestais. Passados quase seis anos daquela publicação, e graças ao êxito das ações para desmanchar a governança ambiental brasileira, já posso adiantar que quando forem divulgados os números da degradação total dos biomas amazônicos, haverá outro choque de realidade, a qual abalará ainda mais a versão falaciosa que Ricardo Salles tenta impor nas entrevistas “bola levantada” que se dispõe a oferecer.

Uma declaração que beira o delírio é de que os países ricos precisam entregar US$ 10 bilhões anualmente pelo cumprimento dos termos pelos quais o Brasil aderiu ao Acordo de Paris. Vindo da pessoa que trabalhou exitosamente para enterrar o Fundo Amazônia, tal declaração já beiraria o ridículo completo. Entretanto, ao aprofundar a aposta na afronta à realidade dos dados científicos, o que Ricardo Salles termina por fazer é exponencializar o desgaste da credibilidade brasileira em fóruns multilaterais que cuidam das mudanças climáticas. E se alguém pensar que isso seria bom para a economia brasileira, pense de novo. É que uma das consequências mais objetivas do desgaste político que o Brasil já sofre será o fechado de mercados para as commodities brasileiras.  Quem pensar que a China vai absorver tudo o que, por exemplo, a União Europeia deixar de comprar, está completamente equivocado.

O mais provável é que com o avanço do desmatamento e da degradação das florestas amazônicas, as medidas que estão sendo postergadas acabem sendo implementadas. E certamente entre elas não estará a entrega de bilhões de dólares para um governo que claramente despreza o valor da conservação ambiental não apenas para o Brasil, mas para todo o planeta.

Quanto a Ricardo Salles, ele certamente vai tentar ficar no cargo fazendo o que sabe fazer melhor: distribuir falácias em entrevistas “bola levantada”, enquanto age para sucatear órgãos ambientais e desmanchar tudo o que puder do que ainda resta da governança ambiental brasileira.

ONU aponta que países precisam fazer reduções imediatas de emissões de carbono para viabilizar metas do Acordo de Paris

egp

Os compromissos atuais dos países sob o Acordo de Paris são insuficientes para conter o aquecimento global em 1,5°C, aponta novo relatório da ONU; para que isso aconteça, o mundo precisaria reduzir suas emissões em 7,6% anuais ao longo da próxima década

Genebra, 26 de novembro de 2019 – Na véspera de um ano em que as nações deverão reforçar seus compromissos climáticos sob o Acordo de Paris, um novo relatório do Programa das Nações Unidas para o Meio Ambiente (PNUMA) adverte que, se as emissões globais de gases de efeito estufa não caírem 7,6% ao ano entre 2020 e 2030, o mundo perderá a oportunidade de limitar o aquecimento global neste século em, no máximo, 1,5°C.

De acordo com Emissions Gap Report 2019 do PNUMA, mesmo se os compromissos atuais forem implementados, a temperatura média global deverá crescer até 3,2°C com relação aos níveis pré-industriais, o que acarretará em impactos climáticos ainda mais destrutivos nas próximas décadas. A ambição coletiva dos países precisa quintuplicar em comparação com os níveis atuais para viabilizar os cortes de emissões ao longo da próxima década necessários para limitar o aquecimento em 1,5°C.

O ano de 2020 será crítico para a ação climática, com a Conferência da ONU sobre Clima de Glasgow (COP 26) buscando determinar o curso futuro das ações para evitar a crise climática. Nela, espera-se que os países elevem o grau de ambição de seus compromissos e anunciem novas ações de redução de emissão.

“Nosso fracasso coletivo em agir antes e de maneira efetiva contra a mudança do clima significa agora que precisamos fazer cortes profundos em nossas emissões – mais de 7% por ano ao longo da próxima década”, afirma Inger Andersen, diretora-executiva do PNUMA. “Isto mostra que os países não podem simplesmente esperar até o final de 2020, quando os novos compromissos climáticos são esperados, para intensificar a ação. Eles – e cada cidade, região, empresa e indivíduo – precisam agir agora”.

“Precisamos de ganhos rápidos para reduzir emissões tanto quanto possível em 2020, e depois, de contribuições nacionais mais fortes para impulsionar transformações importantes nas economias e nas sociedades. Temos que recuperar o tempo que desperdiçamos no passado”, acrescentou. “Se não o fizermos, a meta de 1,5°C estará fora de alcance antes de 2030”.

O Painel Intergovernamental das Nações Unidas sobre Mudança do Clima (IPCC, sigla em inglês) advertiu que, se a temperatura média do planeta crescer acima de 1,5°C neste século, a frequência e a intensidade dos eventos climáticos extremos aumentará, como as ondas de calor e tempestades observados em todo o mundo nos últimos anos.

As nações do G20 respondem coletivamente por 78% de todas as emissões, mas apenas cinco membros desse grupo se comprometeram até agora com uma meta de longo prazo de emissões zero.

No curto prazo, os países desenvolvidos terão que reduzir suas emissões mais rapidamente do que os países em desenvolvimento, por razões de justiça e equidade. No entanto, todos os países terão que contribuir mais para os efeitos coletivos. Os países em desenvolvimento podem aprender com os esforços bem-sucedidos dos países desenvolvidos; podem até mesmo ultrapassá-los e adotar tecnologias mais limpas a um ritmo mais rápido.

De modo crucial, o relatório aponta que todas as nações devem aumentar substancialmente a ambição de suas contribuições nacionalmente determinadas (NDC) para o Acordo de Paris em 2020 e acompanhá-la com políticas e estratégias para sua implementação. As soluções estão disponíveis para tornar possível o cumprimento dos objetivos do Acordo, mas não estão sendo implementadas com rapidez suficiente ou em uma escala suficientemente grande.

Todos os anos, o Emissions Gap Report avalia a diferença entre as emissões previstas para 2030 e os níveis compatíveis com as metas de 1,5°C e 2°C do Acordo de Paris. O relatório conclui que as emissões de gases de efeito estufa aumentaram 1,5% ao ano na última década. As emissões em 2018, incluindo as resultantes de mudança no uso do solo (como desmatamento), atingiram um novo pico de 55,3 gigatoneladas de CO2 equivalente.

Para limitar o crescimento da temperatura média em 2°C, as emissões anuais em 2030 têm que ser 15 gigatoneladas de CO2 equivalente menores que às que teríamos se as atuais NDC fossem implementadas; para a meta de 1,5°C, as emissões precisam ser 32 gigatoneladas menores que as estimadas pelos compromissos atuais. Numa base anual, isso significa cortes de emissões de 7,6% ao ano de 2020 a 2030 para atingir a meta de 1,5°C e de 2,7% ao ano para a de 2°C.

Para concretizar esses cortes, os níveis de ambição das NDC devem aumentar pelo menos cinco vezes para a meta de 1,5°C e três vezes para a de 2°C.

O relatório ressalta que a mudança do clima ainda pode ser limitada a 1,5°C. Há uma maior compreensão dos benefícios adicionais da ação climática – como ar mais limpo e incentivo para a concretização dos Objetivos do Desenvolvimento Sustentável (ODS) das Nações Unidas. Governos, cidades, empresas e investidores estão se empenhando cada vez mais em elevar a ambição da ação global contra a crise climática. Existe soluções, pressão e vontade abundantes. Falta ação.

Tal como acontece todos os anos, o relatório centra-se no potencial dos setores selecionados para reduzir as emissões. Este ano, ele analisa a transição energética e o potencial de eficiência na utilização de materiais, que pode contribuir significativamente para fechar a lacuna das emissões.

O relatório está disponível no link abaixo:

O Programa das Nações Unidas para o Meio Ambiente (PNUMA) é a principal voz mundial em matéria de meio ambiente. Ele proporciona liderança e incentiva parcerias no cuidado com a natureza, inspirando, informando e permitindo que nações e povos melhorem sua qualidade de vida sem comprometer a das gerações futuras.

Para mais informações, favor contate:

• Keishamaza Rukikaire, chefe de imprensa & mídia, PNUMA – rukikaire@un.org

• Alejandro Laguna Lopez, oficial de informação, PNUMA – laguna@un.org