Contra PL do Veneno, petição com mais de 42 mil assinaturas apoiada por ativistas e artistas será entregue a parlamentares na Virada Sustentável

 A campanha contra o uso de agrotóxicos na moda, #ModaSemVeneno terá encontro  dia 20 de setembro às 18h em transmissão ao vivo com parlamentares para pressionar contra o PL 6299/02. Presenças confirmadas  dos deputados Nilto Tatto, Paulo Pimenta e Talíria Petrone da Frente Parlamentar Ambientalista.

Em meio à pandemia do Coronavírus no Brasil, a bancada ruralista vê oportunidade de aprovar o PL 6299/02, conhecido como PL do Veneno. Proposto pela frente parlamentar formada por empresários do agronegócio, o PL impacta diretamente a vida da população, mas foi construído de forma unilateral, sem qualquer diálogo com a sociedade. Os principais argumentos em favor do PL já foram rebatidos por uma série de especialistas. A Anvisa, a Comissão de Direitos Humanos,a Abrasco,a Fiocruz e uma série de entidades já se posicionaram contra a aprovação do projeto.

A campanha #ModaSemVeneno, contra a aprovação do PL, foi lançada em abril lançaram em abril durante a Semana Fashion Revolution pela união das organizações Fashion Revolution Brasil, Instituto Modefica e Rio Ethical Fashion,  especialmente por entender que não estamos no momento para ter um debate amplo com a sociedade sobre as consequências da aprovação do projeto de lei e pela estreita relação da indústria têxtil e de confecção com o agronegócio brasileiro

A petição já ultrapassou  42 mil assinaturas na plataforma Change Brasil e será entregue a representantes da Frente Parlamentar Ambientalista durante transmissão ao vivo dentro da programação da Virada Sustentável de São Paulo, no canal do Youtube do Instituto Modefica, além de divulgação de vídeo manifesto de diversos ativistas como  Paulina Chamorro, Marina Silva e Marina Colerato. Nomes da moda como Dudu Bertonlini, Flávia Aranha,  Feh Simon, Day Molina, Jackson Araújo, Yamê Reis, Elo Artuso e artistas engajados através do movimento 342 Artes também endossam a campanha. A ação tem apoio da Campanha Permanente Contra os Agrotóxicos e Pela Vida,bem como de organizações da indústria têxtil e de confecção, como CNTRVCut, além de organizações de base, como Marcha das Margaridas, e mídias ativistas como Mídia Ninja e Design Ativista.

O que o PL 6299/02 tem a ver com a moda?

O algodão é a quarta cultura que mais consome agrotóxicos, sendo responsável por aproximadamente 10% do volume total de pesticidas utilizado no país. Entre os agrotóxicos mais utilizados está o glifosato, que pode causar diversos efeitos na saúde, como aborto espontâneo e câncer.


A exposição cumulativa aos agrotóxicos deve ser considerada visto que alguns compostos amplamente utilizados podem permanecer presentes em organismos, água e solo por muitos anos. O Brasil é também um grande exportador de celulose solúvel, matéria-prima para a produção de viscose. As culturas de eucalipto e algodão utilizam de 7 a 10 tipos dos agrotóxicos mais vendidos no Brasil, respectivamente. Entre os mais utilizados está o acefato, na 4º posição, com alto potencial carcinogênico e o Imidacloprido, na 7ª posição, considerado um dos mais fatais para abelhas, polinizadoras importantes, o que gera preocupação tanto do ponto de vista econômico, quanto socioambiental.

Entre os riscos para o setor da moda estão: (i) a desinformação do consumidor; (ii) riscos reais à saúde de trabalhadoras e trabalhadores, incluindo questões de saúde reprodutiva das mulheres; (iii) ameaça à exportação nacional dado novos posicionamentos dos países em relação ao uso intensivo de agrotóxicos.

As petições demonstram a preocupação da sociedade e são utilizadas para pressionar congressistas a votarem contra a aprovação do PL. O grupo organizador irá entregar as assinaturas formalmente à Frente Parlamentar Ambientalista. Assine e compartilhe este abaixo-assinado e junte-se à luta de diversas organizações e indivíduos contra a aprovação do PL do Veneno.

Saiba mais em: https://modefi.co/por-uma-moda-sem-veneno.

Sobre as organizações:

Fashion Revolution Brasil

Fashion Revolution é um movimento presente em mais de 90 países, criado após um conselho global de profissionais da moda se sensibilizar com o desabamento do edifício Rana Plaza em Bangladesh, que causou a morte de mais de 1.000 trabalhadores da indústria de confecção e deixou mais de 2.500 feridos. A tragédia aconteceu no dia 24 de abril de 2013, e as vítimas trabalhavam para marcas globais, em condições análogas à escravidão. A campanha #QuemFezMinhasRoupas surgiu para aumentar a conscientização sobre o verdadeiro custo da moda e seu impacto no mundo, em todas as fases do processo de produção e consumo. No Brasil, o movimento atua há 7 anos e hoje está estabelecido como Instituto Fashion Revolution Brasil realizando ações e projetos que promovem mudanças de mentalidade e comportamento em consumidores, empresas e profissionais da moda. Saiba mais em https://www.fashionrevolution.org .

Instituto Modefica

Fundada por Marina Colerato em 2014, o Modefica é uma organização de mídia, pesquisa e educação que atua pela justiça socioambiental e climática com uma perspectiva ecofeminista. Temos como missão aumentar a percepção sistêmica sobre os problemas socioambientais para promover relações de equidade e justiça entre seres humanos, não-humanos e Natureza. Fazemos jornalismo, pesquisas e projetos de educação de jornalismo socioambiental que evidenciam como as alterações climáticas e a devastação ambiental impactam de forma mais sistemática mulheres e pessoas não-brancas. Nossa pesquisa mais recente, Fios da Moda: Perspectivas Sistêmicas Para Circularidade, salienta as relações entre as fibras têxteis e impactos socioambientais na vida da população brasileira, além de propor uma economia circular para o Sul global. Saiba mais em modefica.com.br.

Rio Ethical Fashion

O Rio Ethical Fashion é um movimento que reúne pessoas para discutir, inspirar, criar parcerias e divulgar os valores da sustentabilidade na indústria da Moda, suas vertentes culturais e socioeconômicas no Brasil e no mundo. O Rio Ethical Fashion é o Primeiro Fórum Internacional de Sustentabilidade no Brasil, com edições realizadas em 2019 e 2020 com as principais lideranças da sustentabilidade da moda global. Nosso objetivo é colocar o Brasil na rota da discussão internacional trazendo o olhar de fora para nossas potencialidades criativas e criando novas oportunidades para nossa indústria, é uma de nossas principais missões. Saiba mais em https://www.rioethicalfashion.com.

As porta-vozes do Fashion Revolution Brasil, Instituto Modefica e Rio Ethical Fashion estão disponíveis para entrevistas. Para maiores informações e agenda de pautas entre em contato com a equipe da Voice 176:

  • Larissa Henrici – lari@voice176.com 
  • ● Nathalia Anjos – nathalia@voice176.com

Agrotóxicos voltam a intimidar os brasileiros e pacote do veneno pode ser votado a qualquer momento na Câmara

unnamed (42)Trator pulverizador em Barreiras, Bahia / © Victor Moriyama / Greenpeace

São Paulo, 14 de setembro de 2021 – A boiada da vez, o Projeto de Lei 6299/2002 conhecido como “pacote do veneno”, que visa flexibilizar e facilitar a liberação de fabricação e uso de agrotóxicos, pode ser votado no plenário da Câmara dos Deputados a qualquer momento.

De autoria do ex-senador Blairo Maggi, e já aprovado pelo Senado Federal, o projeto foi aprovado na Comissão Especial da Câmara em 2018, sob relatoria do Dep. Luiz Nishimori e pela presidência da Comissão da então Dep. Tereza Cristina (atual Ministra da Agricultura), mesmo sob intensa pressão da sociedade que naquele ano se mobilizou e quase 2 milhões de pessoas e diversas organizações públicas, se posicionaram contra. Na ocasião, mais de 20 órgãos públicos como a Fiocruz, Abrasco, Inca, Ibama e mais de 320 organizações da sociedade civil se manifestaram publicamente contra o pacote.

Agronegócio acima de tudo, agrotóxicos acima de todos!

No executivo, desde o começo do mandato de Bolsonaro, o governo vem ignorando a demanda da sociedade e liberando um número recorde de agrotóxicos, boa parte deles sendo altamente ou extremamente tóxicos e que estão também na lista de substâncias que já não são mais permitidas na União Européia. Já no legislativo, governistas e ruralistas encontram na Câmara, sob comando de Arthur Lira (PP – AL), a porteira aberta para passar mais essa boiada.

“Arthur Lira e os parlamentares ruralistas declararam guerra à sociedade e à natureza! O país, no caos em que se encontra, e os deputados pautando e aprovando projetos que nos prejudicam e colocam em risco nossas crianças e nosso futuro é no mínimo, absurdo. A sociedade não está dividida, ela não quer mais agrotóxicos e clama pela redução do uso dessas substâncias, não pelo aumento indiscriminado como prevê o pacote do veneno. Porém, Lira não quer saber, veneno é a boiada da vez e ele é o chefe da boiada”, afirma a porta-voz da campanha de Agricultura e Alimentação do Greenpeace Brasil, Marina Lacôrte.

Para escancarar a mensagem que os governantes não querem ouvir: “agronegócio acima de tudo, agrotóxicos acima de todos”, um grupo de ativistas nesta quarta-feira,15, irá projetar a mensagem por meio de imagens em prédios, muros e avenidas de Brasília, São Paulo, Rio de Janeiro, Recife, Maceió, Belo Horizonte e Belém. A ação também será realizada em Lisboa (Portugal), Lviv (Ucrânia) e Berlim (Alemanha).

Dentre os argumentos para justificar a matéria, ruralistas alegam que mais agrotóxicos são necessários para combater a fome em voga, já que sem eles é impossível produzir. Entretanto, o argumento não se sustenta, tendo em vista que o Brasil tem batido recordes de produção de grãos para exportação e tem uma boa parte do PIB ancorado na economia de base agro exportadora, enquanto aproximadamente mais de 125 milhões de brasileiras e brasileiros passam por algum grau de insegurança alimentar em 2021. Além disso, é a agricultura familiar e a agroecologia que têm sido determinantes no combate à fome nesta grave crise enfrentada pelo país. É deste grupo que tem partido ações de solidariedade e distribuição de alimentos às comunidades mais vulneráveis, e não de empresas ou produtores que fazem parte do agronegócio

Se o PL do veneno for aprovado:

• Transfere todo o poder de decisão de aprovação de um novo agrotóxico para o Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento, tornando praticamente consultivas partes fundamentais do processo de avaliação e aprovação, como Ministério do Meio Ambiente e Anvisa, órgãos responsáveis pelos pontos mais importantes em jogo: saúde e meio ambiente;
• Garante o registro de substâncias comprovadamente cancerígenas. Atualmente ingredientes ativos que causam graves danos à saúde (teratogênicos, carcinogênicos, mutagênicos) são totalmente proibidos caso já tenha alguma evidência ou a partir do momento que demonstrem em novos estudos tais propriedades tidas como proibitivas. O pacote do veneno exclui esse texto e em troca diz que qualquer ingrediente pode ser liberado, desde que não apresentem “risco aceitável”, sem se quer definir aceitável;
• Muda o termo “agrotóxico” para “pesticidas” mascarando a nocividade dessas substâncias e não atendendo a realidade brasileira de baixa escolaridade no campo. O termo agrotóxico é amplamente conhecido por quem lida diariamente com essas substâncias e não foi adotado ocasionalmente na construção da Lei 7.802/1989, mas sim para colocar em evidência a toxicidade destas substâncias, representando perda de direito à informação correta;
• O PL também inclui conferir registro temporário sem avaliação para aqueles pesticidas que não forem analisados no prazo estabelecido pela nova Lei.

Anvisa, que procrastina a liberação de vacinas e permite enxurrada de agrotóxicos banidos, para Brasil e Argentina em estilo pastelão

anvisa para jogo

Já notei neste blog a dualidade da Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) no tratamento da liberação de vacinas e agrotóxicos, sendo lenta e estrita para as primeiras e rápida e liberalíssima na liberação de agrotóxicos banidos em outros países.  Mas agora a Anvisa atingiu um patamar com ares de pastelão ao interromper o jogo entre Brasil e Argentina que era válido pelas eliminatórias da Copa FIFA de 2022 que deverá ser realizada no Qatar.

A cena digna de um filme pastelão tipo B dos agentes da Anvisa entrando de forma atabalhoada no gramado do estádio do Corinthians é daquelas de cobrir ainda mais de vergonha um país que já chafurda na completa vergonha no tocante ao enfrentamento da pandemia da COVID-19, inclusive com medidas singulares da própria Anvisa no sentido da frouxidão em que estamos neste momento na maioria do território brasileiro.

A questão envolvendo os 4 jogadores argentinos que teriam entrado no Brasil sem declarar procedência do Reino Unido em desobediência aos protocolos sanitários impostos pela Anvisa para estrangeiros chegando de países considerados como sendo de alta restrição poderia ter sido resolvida na chegada deles no aeroporto. Após a passagem deles pelos pontos de controle da Polícia Federal, restaria ainda a realização de testagens desde o momento em que entraram em território brasileiro, sendo que inexiste informação de que isto tenha sido feito pela Anvisa, pela CBF ou pela FIFA.

Eu só espero que a ação estrepitosa da Anvisa deste domingo ocorra nas manifestações que estão sendo convocadas pelos apoiadores do presidente Jair Bolsonaro para a próxima 3a. feira (07/09). É que, com toda certeza, a chance de que haja disseminação do novo coronavírus será muito maior nas ruas do que foi nos poucos minutos em que a bola rolou na Neo Química Arena. 

 

MPF confirma prática ilegal em pulverização aérea de agrotóxicos em Nova Santa Rita/RS  

Deriva do veneno atingiu casas, aquíferos, pastagens, lavouras, pomares e vegetação nativa de assentamento Santa Rita de Cássia II, que possuem certificação orgânica.

TRF4-DIVULGA

Justiça Federal vetou pulverizações em áreas próximas ao assentamento. Foto: Divulgação

Em parecer publicado no último dia 30 de agosto, o Ministério Público Federal reconheceu a procedência da denúncia feita por famílias assentadas no município de Nova Santa Rita, região metropolitana de Porto Alegre, sobre contaminação por pulverização aérea de agrotóxicos.

A aplicação do veneno agrícola ocorreu no final do ano passado e início deste ano, na propriedade rural Granja Nossa Senhora das Graças, conhecida como Granja Nenê, em local onde está vedada essa prática pela Fundação Estadual de Proteção Ambiental (FEPAM). A prática foi caracterizada como crime ambiental, por se tratar de uma área da zona de amortecimento do parque estadual Delta do Jacuí, em uma fazenda onde a licença ambiental de operação veda expressamente a pulverização aérea de agrotóxicos.

As famílias afetadas moram no assentamento Santa Rita de Cássia II, que possuem certificação orgânica e perderam a sua produção de alimentos agroecológicos. A deriva ocasionada pela pulverização aérea de agrotóxicos atingiu casas, hortas, aquíferos, pastagens, pomares de árvores frutíferas e vegetação nativa. Além disso,  os camponeses precisaram recorrer ao serviço de saúde com sintomas de intoxicação em decorrência da pulverização deliberada de agroquímicos.

“[…] observa-se que o ato ilícito gerou diversos danos ao meio ambiente e a terceiros, tendo atingido também as produções orgânicas dos produtores agrícolas dos municípios de Nova Santa Rita e Eldorado do Sul, causando prejuízos econômicos, danos ambientais, sociais e à saúde dos agricultores. Dessa forma, o MPF entende ser cabível a imposição de uma reparação econômica aos lesados pelos danos causados pelo réu”, diz um trecho da decisão do MPF.

De acordo com o advogado Emiliano Maldonado, integrante da Rede Nacional de Advogados e Advogadas Populares (Renap), “o parecer do MPF demonstra que as denúncias dos/as agricultores/as são graves e que os réus cometeram ações ilícitas que geraram danos às famílias. O parecer também aponta que ao longo da ação cautelar restou comprovada a contaminação da produção agroecológica dos assentados pelos laudos de instituições públicas de Pernambuco, do Rio Grande do Sul e de Minas Gerais, as quais  detectaram  a contaminação de lavouras da região por quatro agrotóxicos: 2,4-D, glufosinato, loyant, e bifentrina”.

TRF4 mantém proibição de pulverização aérea

O parecer do MPF foi apresentado na Ação Cautelar proposta pela Associação Gaúcha de Proteção Ao Ambiente Natural (Agapan), Instituto Preservar, Associação Brasileira de Agroecologia (ABA), Instituto Gaúcho de Estudos Ambientais (Ingá), Núcleo Amigos da Terra – Brasil, Associação Comunitária 29 de Outubro, Associação Amigos do Meio Ambiente (AMA) e Cooperativa Central dos Assentamentos do Rio Grande do Sul (Coceargs).

A medida cautelar para suspender a utilização indiscriminada de agrotóxicos foi acatada em primeiro grau pela juíza Clarides Rahmeier, da 9ª Vara Federal, no dia 12 de março deste ano. A medida valerá enquanto não forem estabelecidas normas específicas pelas autoridades de controle e fiscalização para pulverização de defensivos agrícolas sem que a atividade atinja direito de terceiros. A multa por descumprimento da liminar é de R$ 100 mil.
Após recurso do fazendeiro réu, acusado pela deriva de agrotóxicos, o Tribunal Regional Federal da 4ª Região (TRF4) manteve a proibição do uso dos agrotóxicos 2,4-D e loyant na fazenda Granja Nenê, e também vedou a continuidade das pulverizações aéreas nas propriedades próximas ao assentamento no dia 23 do mesmo mês.

Argentina proíbe 2,4-D e já aplica sanções… Enquanto isso no Brasil, as liberações correm soltas

Quanto custaria retirar o herbicida do Brasil?

bayer-monsanto-1

Por Leonardo Gottems para a Agrolink

Em vigor desde o dia 24 de julho, a proibição da utilização e comercialização de 2,4-D em sua formulação “butil e isobutil éster” já está sendo alvo de fiscalização na Argentina. A medida foi implementada por decisão do  Serviço Nacional de Saúde e Qualidade Alimentar (Senasa), e prevê sanções ainda para quem importar, elaborar e fracionar o herbicida.

“A aplicação e o uso dessas formulações podem causar prejuízos às culturas agrícolas, florestais ou outras, devido à sua alta volatilidade nas diferentes regiões do país”, justificou o Senasa argentino.

O engenheiro e diretor-geral de Inspeção e Controle da agência governamental na cidade de Córdoba (Norte da Argentina), Gustavo Balbi, afirmou: “Hoje existem tecnologias que ultrapassam em muito o uso deste tipo de ferramentas e devemos nos adaptar ao seu uso para um desenvolvimento produtivo cada vez mais sustentável”.

Em caso de não cumprimento, o Senasa estabelece o confisco, suspensão ou qualquer outra medida que seja aconselhável de acordo com as circunstâncias de risco para a saúde pública ou o meio ambiente.

E o Brasil?

Os produtores rurais brasileiros teriam um gasto adicional de R$ 1,6 bilhão por ano caso os herbicidas à base de 2,4-D sejam banidos, forçando sua substituição por outras moléculas. É o que aponta uma pesquisa que mapeia os aspectos biológicos e econômicos do uso desse agroquímico, realizada pelos engenheiros agrônomos e pesquisadores especializados no tema, Robinson Osipe e Jethro Barros Osipe.

De acordo com o estudo, o custo extra com a retirada do 2,4-D da agricultura do Brasil equivale a 417,76% a mais do montante utilizado com o defensivo para o manejo e controle de plantas daninhas. “A retirada do 2,4-D do mercado agrícola brasileiro provocaria, de maneira direta, um significativo aumento médio anual no custo de controle de plantas daninhas. O produto é usado em diversas culturas no País, mas se sobressai na de soja, que representa 65,4% da área cultivada”, ressalta Robinson Osipe.

compass

Este artigo foi inicialmente no site Agrolink [Aqui!].

Apocalipse das abelhas: déficit de polinizadores se torna um problema crítico no sul global

Polinizadores-996x567

O Brasil enfrenta a escassez de abelhas, responsáveis ​​pela polinização de uma de suas principais árvores frutíferas, o maracujá, criando condições para seu ninho no entorno das lavouras. Mudanças no uso da terra, gestão da terra e uso de pesticidas são os principais responsáveis ​​pela perda global de polinizadores. Crédito da imagem: Andrei / Flickr , licenciado sob Creative Commons 2.0

Por Claudia Mazzeo para a SciDev

A redução global de animais essenciais para a polinização de plantações e plantas é causada principalmente por mudanças no uso da terra, má gestão da terra e aplicação de pesticidas, especialmente no Sul global, de acordo com uma avaliação global recente.

As conclusões deste trabalho são fundamentais para a adaptação de políticas globais para deter / reverter o declínio dos polinizadores – abelhas, beija-flores, borboletas, moscas e até morcegos, entre outros – essenciais para a reprodução de mais de 75 por cento dos polinizadores. colheitas e flores, com um papel importante na nutrição e também social e economicamente.

De acordo com um estudo global realizado em 2016 , na última década, as safras dependentes de polinizadores aumentaram em volume em mais de 300 por cento, mas seu crescimento de produção foi menor do que o das safras independentes de polinizadores. Embora vários fatores possam desempenhar um papel, estudos mostram que a produção diminui quando os polinizadores diminuem.

Publicado na Nature Ecology & Evolution , o novo estudo foi conduzido por uma equipe internacional de 20 especialistas em polinização, selecionados para cobrir uma ampla gama de perspectivas, incluindo biodiversidade , economia, ciências sociais e conhecimento indígena .

Por meio de pesquisa e análise de literatura e discussão em grupo, a equipe avaliou a importância regional e global de oito fatores no declínio de polinizadores: polinizador, manejo de pragas e patógenos, uso de agrotóxicos, manejo da terra, uso da terra., Espécies exóticas invasoras, organismos geneticamente modificados ( OGM) e mudanças climáticas .

Também incluíram 10 riscos consequentes ao bem-estar humano, agrupados de acordo com seu impacto na diversidade alimentar ou “ biocultural ”, ou seja, a variedade de inter-relações entre as pessoas e a natureza desenvolvidas ao longo do tempo em ecossistemas específicos.

“A América Latina corre um risco substancial de perder os benefícios ambientais dos polinizadores e o apoio à sua incrível diversidade de plantas, bem como os benefícios que eles dão às pessoas ao polinizar as plantações que comem e exportam.”

Tom Breeze, Center for Agro-Ambiental Research – School of Agriculture, Policy and Development, University of Reading, Reino Unido

Enquanto a equipe classificou o manejo da terra como “menos importante” na África, os pesticidas foram classificados como fatores “importantes” ou “muito importantes” para o declínio dos polinizadores em todas as regiões, especialmente na Ásia-Pacífico e na América Latina.

Os efeitos das mudanças climáticas foram considerados ‘desconhecidos’ devido à escassez de dados de longo prazo e os OGMs foram considerados o fator menos importante no geral, exceto na América Latina.

“Um dos maiores desafios na conservação dos polinizadores é saber o que fazer, onde e como isso pode afetar as pessoas. Este estudo nos dá uma primeira indicação de quais são as maiores pressões sobre os polinizadores em diferentes partes do mundo e, mais importante, o risco dos benefícios que obtemos dos polinizadores ”, disse Tom Breeze à SciDev.Net , coautor da pesquisa publicado na Nature Ecology & Evolution.

Chris Rhodes, diretor da Fresh-Lands Environmental Actions, uma consultoria independente de energia e meio ambiente em Berkshire, Inglaterra, que não estava envolvido na pesquisa, acrescentou: “Este estudo fez um progresso significativo na avaliação dos fatores considerados responsáveis. em polinizadores em escala global ”.

Apesar da onipresença dos três principais motores da redução de polinizadores, as ameaças enfrentadas pelas regiões não são as mesmas.

“A América Latina corre um risco substancial de perder os benefícios ambientais dos polinizadores e o apoio à sua incrível diversidade de plantas, bem como os benefícios que eles trazem para as pessoas ao polinizar as plantações que comem e exportam”, disse Breeze.

A diminuição da quantidade e da qualidade das safras de alimentos e biocombustíveis foi considerada um dos maiores riscos para o homem em todas as regiões. Os especialistas classificaram o risco de “instabilidade” na produção agrícola como grave ou alto em dois terços do mundo, da África à América Latina.

Com nuances diferentes, a diminuição dos polinizadores deixa sua marca em todo o planeta. Como exemplifica Leonardo Galetto, especialista argentino e um dos coautores da pesquisa, o cultivo de amêndoas na Califórnia – que representa milhões de dólares por ano – leva produtores a alugar colmeias em outras partes do país durante a época de floração .

Na China, a ausência de polinizadores obriga os agricultores a polinizar manualmente as árvores frutíferas, como cerejas e pêssegos, enquanto em Israel a tarefa é realizada por polinizadores robôs, acrescenta Galetto. O Brasil enfrenta a escassez de abelhas, responsáveis ​​pela polinização de uma de suas principais árvores frutíferas, o maracujá, criando condições para seu ninho no entorno das lavouras.

“Não podemos parar de produzir, mas devemos introduzir mudanças urgentes nos sistemas de produção, parar a poluição, proteger os polinizadores e administrar a terra”, diz Galetto, da Faculdade de Ciências Exatas, Físicas e Naturais da Universidade de Córdoba, Argentina.

Naquele país, um dos principais exportadores de soja do mundo, antes da introdução dessa monocultura havia um grande número de polinizadores. Desde a década de 1990, não apenas os polinizadores nativos diminuíram, mas a saúde das colmeias também foi afetada.

compass

Este artigo foi escrito inicialmente em Espanhol e publicado pela SciDev [Aqui!].

Observatório dos Agrotóxicos: com novo ato, governo Bolsonaro alcança 1.364 agrotóxicos liberados em 32 meses

tereza cristina

Mesmo sem a aprovação do PL do Veneno, a ministra da Agricultura Tereza Cristina impôs uma marcha desenfreada de liberações de agrotóxicos, muitos deles banidos em outras partes do mundo

Enquanto a maioria dos brasileiros é distraída com ameaças de golpes de Estado (agora incluindo o possível envolvimento de policiais militares), o governo Bolsonaro segue, ao menos no caso da liberação de mais agrotóxicos para uso prioritário pelo latifúndio agro-exportador, sua marcha inclemente. É que na última 5a. feira (19/08), o Ministério da Agricultura, comandado pela ministra Tereza Cristina (DEM/MS) fez publicar o Ato No. 35 de 02 de agosto de 2021, com o qual foram liberados mais 48 agrotóxicos na condição de produtos técnicos (aqueles que serão formulados para venda a granel).

Com mais essa onda de liberações, o total de agrotóxicos liberados pelo governo Bolsonaro chega a astronômicos 1.364 em 32 meses. Como o Brasil possui algo em torno de 3.424 agrotóxicos liberados para compra e venda, as liberações feitas sob a batuta da dupla Bolsonaro/Tereza Cristina representam 39% do total, o que é realmente um feito, visto que esses produtos estão sendos liberados há pouco mais de 50 anos.

A hegemonia chinesa sendo fortalecida

Ao se examinar a procedência dos agrotóxicos liberados fica evidente que o Brasil se tornou um mercado preferencial para a indústria chinesa de agrotóxicos. É que dos 48 agrotóxicos liberados pelo Ato No. 35, 43 são produzidos na China, representando 89,5% do total, sendo todas elas as únicas listadas como fornecedoras dos venenos agrícolas liberados nesta rodada.  Um detalhe interessante é que parece existir uma especialização na produção de determinados agrotóxicos que aparentam do tipo pós-patente, mas o que não impede que 22 empresas chinesas sirvam como fonte de agrotóxicos para o Brasil (ver tabela abaixo).

Empresas ato 35

Aliás, o que fica explícito é que se há alguma oposição a produtos chineses dentro do governo Bolsonaro, isto se resume às vacinas contra a COVID-19, pois no caso dos agrotóxicos a presença chinesa é muito eloquente, e não se ouve qualquer lastimo por parte do presidente Jair Bolsonaro

Venenos agrícolas poderosos continuam sendo liberados

Agrotóxico – Blog do Mesquita

Outro aspecto a ser mencionado é que dentre os 48 agrotóxicos liberados estão alguns produtos já conhecidos por sua alta toxicidade, incluindo o herbicida Dicamba (conhecido por ser um exterminador de abelhas) que teve mais 7 produtos liberados, o mesmo número do hercida Fluxoroxipir-Meptilico, e dos funcidas Trifloxistrobina e Ciproconazol.

Mas há ainda o caso de novas liberações de produtos proibidos na União Europeia, incluindos os herbicidas Dibrometo de Diquate e Sulfentrazona e do fungicida Clorotalonil.

Diferente de outras rodadas em que se pôde verificar as culturas aprovadas para uso, no caso do Ato No. 35 foram liberados apenas os chamados produtos técnicos, que depois serão formulados e colocados à venda no varejo. Entretanto, não será nenhuma surpresa se estes agrotóxicos tenham como destino as grandes áreas de monocultura para exportação que são o destino preferencial desses venenos agrícolas no Brasil.

A Tsunami de agrotóxicos e o resultante apoio ao governo Bolsonaro entre os latifundiários agro-exportadores

galvanO latifundiário  Antônio Galvan, presidente da Aprosoja Brasil (Associação Brasileira dos Produtores de Soja) é citado como um dos organizadores dos atos pró-fechamento do STF e do Congresso Nacional que deverão ocorrer no dia 7 de setembro

Um dos aspectos que mereceriam a devida atenção por parte de pesquisadores e analistas políticos no Brasil seria o papel do Ministério da Agricultura na criação de uma base de sustentação política entre os grandes latifundiários a partir da postura evidente de “porteira aberta” para venenos agrícolas altamente tóxicos que estão banidos em outras partes, inclusive na China que já baniu, entre outros, o herbicida Paraquat.

É que normalmente se coloca atenção apenas na postura de braços cruzados em relação a invasões de áreas públicas e ao desmantelamento das estruturas de comando e controle que existiam para controlar o desmatamento na Amazônia.  O fato é que a liberação de agrotóxicos é parte de uma espécie de tríade da permissividade, com a qual o governo Bolsonaro garante o apoio dos grandes latifundiários envolvidos no comércio global de commodities agrícolas.

Disponibilizando as bases de dados

Como ocorre em toda publicação de novos atos de liberação de agrotóxicos, quem desejar acessar a base contendo os 48 agrotóxicos liberados pelo Ato No. 35, basta clicar [Aqui!].  Já quem desejar baixar, a base contendo todos os 1.364 agrotóxicos liberados pelo governo Bolsonaro entre janeiro de 2019 e agosto de 2021, basta clicar [Aqui!].

Nature publica estudo mostrando efeito sinergístico entre agrotóxicos e outros estressores na mortalidade de abelhas

bees

Um estudo realizado por pesquisadores ingleses e estadunidenses  liderados pelo professor Harry Siviter, do Department of Biological Sciences, Royal Holloway University of London, que acaba de ser publicado pela revista Nature, identificou um processo de sinergia (ou seja, ação simultânea) entre agrotóxicos e outros potenciais estressores (e.g., problemas nutricionais e parasitas) na mortalidade de abelhas.  Este estudo aponta ainda que a exposição simultânea a múltiplos agrotóxicos pode aumentar o nível de estresse e os impactos advindos da interação com os outros estressores.

Os resultados deste estudo apontam para a possibilidade de que os esquemas de avaliação de risco ambiental que pressupõem  efeitos aditivos do risco de exposição a agroquímicos podem estar subestimando o efeito interativo de estressores antropogênicos na mortalidade das abelhas, e com isso estão falhando em proteger os polinizadores que fornecem um serviço ecossistêmico fundamental para a agricultura.

Como resultado, os pesquisadores sugerem a realização de observações pós-licenciamento em grande escala como uma etapa final do processo regulatório envolvendo a comercialização de agrotóxicos.  Para justificar esta sugestão, os pesquisadores apontam que ainda que o monitoramento pós-licenciamento, apesar de ser uma característica crítica da liberação de produtos químicos para a saúde pública, não é nem relatado ou, tampouco, realizado de forma sistemática. 

Em conclusão, os autores do artigo afirmam que a forma atual de liberar agrotóxicos  não protege as abelhas das consequências indesejáveis de exposição a agrotóxicos complexos.

Quem desejar baixar o artigo intitulado “Agrochemicals interact synergistically to increase bee mortality“, basta clicar [Aqui!].

“Pacote do Veneno” pode ser votado esta semana; mobilizações virtuais contrárias estão marcadas no Brasil todo

Foto_Leandro Molina

O chamado “Pacote do Veneno” (Projeto de Lei 6299/02) pode voltar a tramitar nesta semana no plenário da Câmara dos Deputados. O PL pretende flexibilizar ainda mais o uso de agrotóxicos no país. O avanço desta pauta se soma ao cenário preocupante em que mais de 2 mil agrotóxicos já foram liberados nos últimos quatro anos, um recorde negativo para a saúde humana e o meio ambiente.

De acordo com o deputado federal Elvino Bohn Gass (RS), líder da bancada do PT na Câmara dos Deputados, o projeto está pronto e pode ser votado a qualquer momento. “O apetite ruralista por pesticidas é insaciável. Não bastasse a postura frouxa de Bolsonaro, que já liberou centenas de produtos danosos à saúde e ao meio ambiente, a bancada ruralista está empenhada em aprovar o que eles chamam de “marco legal dos agrotóxicos” mas que, na verdade, é o PL do Veneno. Porque a intenção é legalizar, de vez, ritos flexíveis para novos agrotóxicos. É nessa boiada que eles pretendem fazer passar produtos que a lei atual proíbe porque há unanimidade científica em torno dos riscos que representam”, afirma.

Em contraposição ao PL 6299, parlamentares e dezenas de entidades integrantes da Campanha Permanente Contra os Agrotóxicos e Pela Vida propõem a aprovação do PL 6.670/2016, que cria a Política Nacional de Redução de Agrotóxicos (PNARA). “Queremos tornar o Brasil um dos maiores produtores de alimentos saudáveis no planeta. Não podemos permitir que, também no campo, o negacionismo deste governo cause doenças e mortes”, completa Elvino Bohn Gass.

Mobilização da sociedade

Como parte das reações contra o Pacote do Veneno, na última semana 38 organizações e movimentos que compõem a Campanha Permanente Contra os Agrotóxicos e Pela Vida enviaram uma Carta ao presidente da Câmara Federal, Arthur Lira, e aos líderes de bancadas e blocos no Congresso Federal, com argumentos contra o Pacote do Veneno e a favor da PNARA.
A Campanha também propõe que entidades, movimentos e bancadas também protocolem esse documento nos endereços de e-mail dos deputados e deputadas.
Para ampliar a mobilização, entidades e movimentos sociais farão seminários regionais virtuais, a partir desta semana. As ações estão previstas para ocorrer sempre às 18h e transmitidas pelas redes da Campanha, com o seguinte calendário:  
18/08 – Sul
25/08 – Centro-oeste
01/09 – Nordeste
08/09 – Norte
15/09 – Sudeste

“Nossa expectativa é de que as iniciativas regionais se enraízem nos estados, e incentivem o conhecimento e a defesa de políticas públicas de promoção à agroecologia e produção orgânica. A sociedade é contra esta enxurrada de veneno na produção de alimento”, garante Mirele Gonçalves, integrante da Campanha.  

Outra forma de participar da mobilização é por meio do abaixo-assinado pela aprovação da PNARA. Mais de 1,7 milhões de pessoas já aderiram ao manifesto.
Como subsídio para entender o Pacote do Veneno e também o seu contraponto, a PNARA, entidades produziram o Dossiê Contra o Pacote do Veneno e em Defesa da Vida, lançado no início de julho. O material também contribui como ferramenta de estudo e divulgação dos riscos em torno do PL 6299.

As iniciativas dão continuidade à “Mobilização Nacional Contra os Agrotóxicos e Pela Vida”, realizada entre 15 de junho e 5 de julho, por frentes parlamentares e movimentos sociais. A série de encontros aconteceu de forma virtual semanalmente, com contribuições científicas e das famílias agricultoras e organizações sociais que constroem a agroecologia nos territórios, para ampliar o diálogo com a população brasileira sobre os impactos dos agrotóxicos para a saúde humana e do ambiente.

O que propõem o Pacote do Veneno
Confira as principais mudanças, caso o PL fosse aprovado:
– “Agrotóxico” passará a se chamar “pesticida”, na tentativa de mascarar e encobrir a nocividade amplamente conhecida destas substâncias;
– A avaliação de novos agrotóxicos deixará de considerar os impactos à saúde e ao meio ambiente, e ficará sujeita apenas ao Ministério da Agricultura e aos interesses econômicos do agronegócio;
– Será admitida a possibilidade de registro de substâncias comprovadamente cancerígenas! E serão estabelecidos níveis aceitáveis para isto, embora não existam níveis seguros para substâncias que se demonstrem cancerígenas;
– A regulação específica sobre propaganda de agrotóxicos irá acabar;
– Será permitida a venda de alguns agrotóxicos sem receituário agronômico e de forma preventiva, favorecendo ainda mais o uso indiscriminado;
– Estados e municípios enfrentarão dificuldades para ter medidas mais restritivas, embora estas esferas tenham o dever proteger seu patrimônio natural.

O que propõem o PNARA

– Visa uma redução gradual do uso de agrotóxicos e estimula a transição orgânica e agroecológica;
– Propõe reavaliação periódica de registro das substâncias mais ágil e a cada 3 anos (hoje o registro é eterno e um processo de reavaliação leva anos, nos deixando expostos a agrotóxicos altamente tóxicos e que deveriam ser retirados de circulação); 
– Proíbe qualquer forma de aplicação próximo a áreas de proteção ambiental, de recursos hídricos, de produção orgânica e agroecológica, de moradia e de escolas. O que deveria já estar em prática;
– Redução contínua e gradual da aplicação de veneno por aeronaves.

Estudo mostra que pesquisas usadas por corporações para aprovar agrotóxicos eram de baixa qualidade científica

As revelações vêm enquanto a Europa luta pela questão da renovação do Roundup,  herbicida produzido pela Bayer

campo pulverizado

Um agricultor francês pulveriza o herbicida de glifosato ‘Roundup 720’ feito pela gigante agroquímica Monsanto, em Piace, noroeste da França, em um milharal perto de um parque eólico em 23 de abril de 2021. Fotografia: Jean-François Monier / AFP / Getty Images

Por Carey Gillam para o “The Guardian”

Uma nova análise de mais de 50 estudos científicos anteriormente secretos e apoiados por corporações está levantando questões preocupantes sobre uma história de dependência regulatória dessa pesquisa na avaliação da segurança de um químico amplamente usado para matar ervas daninhas conhecido como glifosato, o ingrediente chave do popular herbicida Roundup .

Em um relatório de 187 páginas divulgado na sexta-feira, pesquisadores do Instituto de Pesquisa do Câncer da Universidade Médica de Viena, na Áustria, disseram que uma revisão completa de 53 estudos de segurança submetidos a reguladores por grandes empresas químicas mostrou que a maioria não cumpre os padrões internacionais modernos para o rigor científico e carecem dos tipos de testes mais capazes de detectar os riscos de câncer.

“A qualidade desses estudos, não de todos, mas de muitos desses estudos é muito ruim. As autoridades de saúde aceitaram alguns desses estudos muito pobres como informativos e aceitáveis, o que não é justificado do ponto de vista científico ”, disse Siegfried Knasmueller, o principal autor da análise ao Guardian.

O glifosato é o herbicida mais amplamente usado no mundo e é particularmente popular entre os agricultores que cultivam alimentos comuns. Mas há um debate acalorado em muitos países sobre se os herbicidas de glifosato devem ou não continuar a ser usados ​​devido a preocupações de que possam causar câncer.

Os estudos corporativos em questão se concentram nas propriedades genotóxicas do glifosato – quer ele cause ou não danos ao DNA – e apóiam as garantias corporativas de que o produto químico é seguro quando usado conforme as instruções e não causa câncer. Eles foram encomendados e / ou conduzidos pela antigaMonsanto Co, que agora faz parte da Bayer AG, bem como Syngenta, Dow e outros envolvidos na fabricação e / ou venda de glifosato.

Embora alguns dos estudos datem de décadas atrás, eles fizeram parte de apresentações recentes aos reguladores na Europa e nos Estados Unidos, onde os reguladores concordaram com as empresas em concluir que não há risco de câncer com o glifosato. Autoridades europeias reafirmaram essa visão em um relatório de 11 mil páginas divulgado no mês passado.

A nova análise desafia essas garantias de segurança, descobrindo que grande parte da metodologia usada nos estudos da indústria está desatualizada e não está de acordo com os padrões internacionais de qualidade. Dos 53 estudos submetidos aos reguladores pelas empresas, apenas dois foram aceitáveis, de acordo com os atuais padrões científicos internacionalmente reconhecidos, disse Knasmueller.

Particularmente problemático, disse ele, foi o foco no teste de danos cromossômicos nos estágios iniciais dos glóbulos vermelhos da medula óssea em camundongos e ratos de laboratório. Esses testes detectam rotineiramente apenas 50-60% dos carcinógenos, de acordo com Knasmueller. “Muitos agentes cancerígenos não são detectados com este método”, disse ele.

Um tipo de teste conhecido como “ensaio do cometa” tem um valor muito maior para identificar carcinógenos porque pode quantificar e detectar danos ao DNA em células individuais em uma variedade de órgãos e é comumente usado para avaliar a genotoxicidade, de acordo com Knasmueller. Mas nenhum teste de ensaio do cometa foi incluído, de acordo com a análise.

“Não consigo entender por que as autoridades de saúde não pediram esses dados”, disse Knasmueller, que é especialista em toxicologia genética e, junto com seu trabalho no instituto de câncer, é editor-chefe de duas importantes revistas científicas, incluindo a Mutation Research – Toxicologia Genética e Mutagênese Ambiental.

Knasmueller foi convidado a revisar os estudos do grupo de defesa sem fins lucrativos SumOfUs, embora tenha dito que não foi pago pelo trabalho. No entanto, um co-autor da análise e também cientista do instituto de câncer, Armen Nersesyan, recebeu cerca de € 3.500 (US $ 4.146).

Se as observações de Knasmueller forem precisas, a nova descoberta de falhas nos estudos da indústria significa que as garantias regulatórias sobre a segurança do glifosato na Europa e nos Estados Unidos foram baseadas, pelo menos em parte, em ciência de má qualidade.

round up

A análise chega em um momento crítico, enquanto a Bayer está pedindo aos reguladores europeus que reautorizem o glifosato antes da expiração da aprovação no próximo ano. Fotografia: Josh Edelson / AFP / Getty Images

Linda Birnbaum, ex-diretora do Instituto Nacional de Ciências de Saúde Ambiental dos Estados Unidos, disse que há um problema contínuo que não é exclusivo do glifosato, com reguladores que realizam estudos da indústria “com a palavra da indústria”, enquanto ignoram bandeiras vermelhas levantadas em não pesquisar.

A Autoridade Europeia para a Segurança dos Alimentos (EFSA) disse que não poderia comentar a análise, mas disse que todas as partes interessadas terão a oportunidade de apresentar comentários sobre o projeto de avaliação do glifosato. A agência não respondeu a uma pergunta sobre seu nível de confiança na validade dos estudos do setor.

A Agência de Proteção Ambiental dos Estados Unidos (EPA) confirmou que nenhum teste de ensaio do cometa é necessário, mas disse que a agência “se esforça para usar estudos de alta qualidade” e “um amplo conjunto de dados” ao avaliar pesticidas. Além disso, a EPA “avalia de forma independente os estudos necessários para aceitação científica” que atendem às diretrizes internacionais e da agência, disse um porta-voz da EPA.

A análise chega em um momento crítico, pois a Bayer e um contingente de empresas que se autodenominam Grupo de Renovação de Glifosato (GRG) estão novamente pedindo aos reguladores europeus que reautorizem o glifosato antes da expiração da aprovação no próximo ano, e enquanto a indústria luta para preservar o uso do glifosato globalmente .

Proibições ou reduções no uso foram exigidas em vários países, incluindo o México, onde a proibição do glifosato entrará em vigor em 2024, e na França, onde o governo anunciou no ano passado incentivos financeiros para agricultores que parassem de usar o produto químico. Nos Estados Unidos, a cidade de Nova York proibiu recentemente o uso de glifosato em propriedades da cidade e outras cidades implementaram reduções ou proibições.

O GRG não respondeu a um pedido de comentário. Mas Bayer, um dos principais membros do GRG, disse que o pacote de estudos submetidos aos reguladores é “um dos mais extensos dossiês científicos já compilados para um ingrediente ativo de um pesticida”.

A Bayer disse que, para a revisão do registro atual, era “necessário” enviar os estudos de genotoxicidade mais antigos junto com os novos estudos de genotoxicidade corporativos. Além disso, as empresas submeteram aos reguladores “uma vasta revisão de milhares de publicações científicas publicadas sobre o glifosato”, disse um porta-voz da Bayer.

As preocupações com o glifosato aumentaram desde 2015, quando a Agência Internacional de Pesquisa sobre o Câncer (IARC), parte da Organização Mundial da Saúde, classificou o glifosato como um provável carcinógeno humano com base em estudos científicos conduzidos por pesquisadores independentes. Ao contrário dos reguladores, a IARC baseou-se principalmente em um grande corpo de pesquisas publicadas e revisadas por pares, e não em estudos do setor em sua classificação.

A classificação da IARC levou um grupo de legisladores europeus em 2017 a exigir acesso a estudos do setor que haviam sido dados aos reguladores, mas não foram examinados pelo público. Os da Monsanto são carimbados como “sigilo da empresa”.

Uma decisão judicial de 2019 forçou a EFSA a fornecer acesso público, no entanto, abrindo caminho para escrutínio, como a análise de Knasmueller.

Não está claro se alguns ou todos os 53 estudos examinados na análise fazem parte do pacote que o GRG apresentou recentemente às autoridades europeias.

O glifosato só foi renovado por cinco anos na Europa em dezembro de 2017, depois que o Parlamento Europeu votou contra a renovação.

Várias interações questionáveis ​​entre a Monsanto e os reguladores vieram à tona nos últimos anos, incluindo o fato de que a EFSA rejeitou um estudo ligando o herbicida da empresa ao câncer após consulta com um funcionário da EPA dos EUA ligado à Monsanto. Documentos também demonstraram que um relatório da UE declarando que o glifosato é seguro foi em parte copiado e colado de um estudo da Monsanto.

E quando a EPA consultou um painel consultivo científico reunido em Washington DC em dezembro de 2016, os membros do painel reclamaram que os funcionários da EPA não estavam seguindo as diretrizes científicas adequadas para avaliar a pesquisa sobre os impactos do glifosato na saúde.

“Isso coloca mais uma vez um dedo na ferida: os reguladores nacionais não parecem prestar atenção ao olhar para a qualidade dos estudos da indústria”, disse Nina Holland, pesquisadora do grupo de vigilância Corporate Europe Observatory. “Isso é chocante, pois é seu trabalho proteger a saúde das pessoas e o meio ambiente, não servir aos interesses da indústria de agrotóxicos”.

fecho

Este texto foi escrito inicialmente e publicado pelo “The Guardian” [Aqui!].