Brasil é um dos cinco países em que os preços dos alimentos está causando preocupação

Um fornecimento seguro de nutrição acessível está emergindo novamente como um risco para governos e economias. Tiramos uma foto dos principais países

World food prices hit 18-month high | Dhaka Tribune

Por  Agnieszka de Sousa e  Jeremy Diamond para a Bloomberg

O mundo está correndo para vacinar para sair da pandemia do coronavírus, mas outro desafio já surgiu para alguns governos e economias mais vulneráveis.  Os preços globais dos alimentos estão nos mais altos em mais de seis anos , impulsionados por um salto no custo de tudo, da soja ao óleo de palma, devido à demanda da China, cadeias de abastecimento vulneráveis ​​e clima adverso.

Alguns bancos alertam que o mundo está caminhando para um “ superciclo” de commodities . A inflação está pressionando novamente os consumidores que sofrem com a recessão induzida pela pandemia e – em alguns lugares – com a queda das moedas.

Custos de Surgimento

A inflação de alimentos está afetando as nações de forma desigual.

bloomberg 1

Desde o início do ano, protestos ocorreram no Sudão, enquanto a ansiedade em relação à obtenção de alimentos contribuiu para os conflitos no Líbano e na Tunísia, marco zero para os levantes da Primavera Árabe há uma década. Na Índia, os agricultores se revoltaram contra os esforços para baixar os preços. Rússia e Argentina restringiram os embarques de safras para suprimir os preços internos. Até mesmo países ricos como os Emirados Árabes Unidos estão considerando possíveis limites de preço para alguns alimentos.

“Esses aumentos de preços são desestabilizadores, não apenas porque induzem muitas dificuldades às comunidades e famílias, mas também porque há essa expectativa de que o governo fará algo a respeito”, disse Cullen Hendrix , bolsista sênior não residente do Peterson Institute for International Economics, um think tank com sede em Washington. “As implicações vão durar mais tempo e além da pandemia.”

Como sempre, o impacto é desproporcional. Nos países ocidentais ricos, pode ser apenas um caso de troca de marca de produto. Nas nações mais pobres, pode significar a diferença entre mandar uma criança para a escola ou sair para ganhar dinheiro.

No entanto, é nos maiores países de renda média que os efeitos podem repercutir mais no mundo. Eles são alguns dos lugares mais populosos do planeta e onde os custos dos alimentos representam uma parcela maior das cestas de preços ao consumidor. São também onde os governos estão sob maior pressão para agir.

Brasil: pressão populista

A maior economia da América Latina se destaca entre os mercados emergentes por ter o aumento mais rápido nos preços dos alimentos no ano passado em relação à inflação geral devido ao declínio sustentado da moeda, de acordo com Oxford Economics Ltd. 

Enquanto isso, a popularidade do presidente Jair Bolsonaro está caindo para níveis quase recordes e ele está tentando encontrar novas maneiras de apaziguar o eleitorado. Em 19 de fevereiro, ele destituiu abruptamente o chefe da estatal petrolífera após uma discussão sobre os preços dos combustíveis. Ele também tem pressionado por uma nova rodada de ajuda ao coronavírus para os pobres, depois que a distribuição de dinheiro terminou em dezembro.

Risco de agitação

Potencial dos países para se recuperar da Covid19 vs. risco de mobilização social.

bloomberg 2

O problema é que o dinheiro serviu para elevar os preços dos alimentos, segundo Maria Andreia Lameiras , pesquisadora do Instituto de Pesquisas Econômicas (Ipea). O arroz cresceu 76% no ano passado, enquanto o leite e a carne bovina subiram mais de 20%. “O governo distribuiu dinheiro para a população com maiores gastos com alimentação”, disse Lameiras.

O custo de garantir uma nutrição vital ameaça aumentar a desigualdade em um país com a maior lacuna de renda da região, uma situação que só foi exacerbada pela pandemia. Mesmo que a ajuda retorne, o pagamento mensal seria menor e atingiria menos pessoas, limitando seu alcance para mitigar a pobreza extrema.

Rússia: Lição de História

Memórias de preços em alta e prateleiras vazias após o colapso da União Soviética ainda são vivas para muitos russos. Com sua popularidade mal tendo voltado do ponto mais baixo e protestos exigindo a libertação do líder da oposição preso Alexei Navalny, o presidente Vladimir Putin está desconfiado do impacto político dos custos dos alimentos.

Nas últimas semanas, o maior exportador de trigo do mundo impôs tarifas e cotas destinadas a conter as vendas no exterior e baixar os preços domésticos. Os maiores varejistas da Rússia também foram obrigados a congelar alguns preços dos alimentos, com batatas e cenouras aumentando em mais de um terço em relação ao ano passado.

Mas esses limites podem sair pela culatra e acabar alimentando a inflação geral. A Câmara de Auditoria, órgão fiscalizador do governo, estimou em janeiro que os preços gerais dos alimentos vão subir quando as restrições forem suspensas no final de março.

Mulher soviética em uma mercearia vaziaAs memórias das prateleiras vazias após o colapso da União Soviética ainda são vivas para muitos russos. Fotógrafo: Shepard Sherbell / Corbis SABA / Corbis / Getty Images

“A Rússia pode ver alguma mobilização política real em torno dos preços dos alimentos”, disse Hendrix. “Os governos autoritários tendem a ser um pouco mais permissivos com esses tipos de protestos de“ problema da mesa da cozinha ”do que com campanhas mais gerais contra a corrupção e o governo autoritário. Embora, como a Primavera Árabe demonstrou, o primeiro pode se tornar o último – às vezes muito rapidamente. ”

Nigéria: tempestade perfeita

Os preços dos alimentos na maior economia da África representam mais da metade do índice de inflação do país e subiram pelo ritmo mais rápido em mais de 12 anos em janeiro. Uma família nigeriana média gasta mais de 50% de seu orçamento com alimentos. Os custos estão se somando a uma tempestade perfeita de desafios à segurança alimentar que tem assombrado a Nigéria durante a pandemia.

Mercados de alimentos como pandemia expõem a insegurança alimentar da Nigéria

Os comerciantes descarregam sacos de laranjas de um caminhão de entrega no Orange Market em Mararaba, Nigéria. Fotógrafo: KC Nwakalor / Bloomberg

As reservas de moeda estrangeira necessárias para importar bens secaram após uma queda nos preços do petróleo. Gargalos de oferta e ataques aos agricultores  também pesaram sobre a oferta de produtos agrícolas. Também houve escassez de alimentos básicos, como arroz, depois que as autoridades restringiram as importações e fecharam as fronteiras terrestres por 16 meses. Eles reabriram em dezembro, mas isso fez pouco para aliviar a inflação.

Queixas relacionadas à comida desempenharam um papel na sustentação dos protestos #EndSARS no outono. O que primeiro começou como manifestações contra a brutalidade policial sob o presidente Muhammadu Buhari se transformou em pilhagem de armazéns que armazenavam coisas como macarrão, arroz e macarrão.

Turquia: Líder Irritado

Como o maior consumidor per capita de pão do mundo e seu maior exportador de farinha, a Turquia está particularmente exposta a uma alta nos mercados de commodities. Os preços dos alimentos subiram 18% em janeiro em relação ao ano anterior, com grandes saltos nos produtos básicos, dos grãos aos vegetais.

A Turquia vem lutando contra uma inflação de alimentos de dois dígitos há anos, mas as implicações políticas para o presidente Recep Tayyip Erdogan estão aumentando à medida que os custos dos alimentos atingem sua base de apoio central junto com a queda no valor da lira.

Economia turca enquanto a inflação pressiona o banco central a apertar a política

Os preços dos alimentos na Turquia subiram 18% em janeiro em relação ao ano anterior. Fotógrafo: Nicole Tung / Bloomberg

Erdogan ordenou uma investigação sobre o aumento dos preços dos alimentos. Ele disse que óleo, leguminosas, vegetais e frutas eram a “principal preocupação”. O Ministério do Comércio pode impor multas às empresas que vendem produtos alimentícios a preços elevados, alertou o presidente em janeiro. O problema é que as ameaças do governo e as penalidades financeiras em 2019 mal moveram a agulha.

Índia: ato de equilíbrio

Lar das terras mais aráveis ​​depois dos Estados Unidos, a Índia é o maior exportador mundial de arroz e o segundo maior produtor de trigo. Ao mesmo tempo, milhões de pessoas não têm acesso a alimentos acessíveis e o país tem algumas das taxas mais altas de desnutrição infantil.

bloomberg 3

Embora os custos dos alimentos básicos tenham subido mais lentamente nas últimas semanas, os alimentos continuam no centro das tensões políticas que têm dominado a Índia. Os protestos de agricultores aumentaram devido a uma ação do governo do primeiro-ministro Narendra Modi de liberalizar o mercado de safras. Os produtores estão preocupados que a nova lei baixe os preços.

Modi está promovendo reformas que muitos acreditam que visam, em última instância, cortar a conta de subsídios aos alimentos da Índia , a maior do mundo. O governo disse em janeiro que estava se tornando “incontrolável” grande. Cortes nos subsídios aos alimentos e combustíveis muitas vezes se traduzem em inquietação e as projeções não parecem boas nos próximos dois anos, de acordo com a Verisk Maplecroft . 

– Com a ajuda de Samuel Dodge, Cagan Koc, Tope Alake, Irina Reznik, Sophia Chalmer, Marisa Wanzeller, Tatiana Freitas, Pratik Parija, Simon Kennedy e Max De Haldevang

fecho

Este texto foi escrito originalmente em inglês e publicado pela agência Bloomberg [Aqui!].

Índice mundial de preços de alimentos da FAO sobe pelo sétimo mês consecutivo em dezembro

Trigo é visto durante o pôr do sol em um campo da empresa agrícola Solgonskoye na vila de Solgon, Rússia, em 6 de setembro de 2014 REUTERS / Ilya Naymushin

Por  Crispian Balmer para a Reuters

ROMA (Reuters) – Os preços mundiais dos alimentos subiram pelo sétimo mês consecutivo em dezembro, com todas as principais categorias, exceto o açúcar, registrando ganhos no mês passado, disse a agência de alimentos das Nações Unidas na quinta-feira.

O índice de preços de alimentos da Organização para Alimentação e Agricultura, que mede as variações mensais de uma cesta de cereais, oleaginosas, laticínios, carnes e açúcar, teve média de 107,5 pontos no mês passado contra 105,2 em novembro.

O número de novembro era anteriormente de 105,0.

Para todo o ano de 2020, o índice de referência foi em média 97,9 pontos, uma alta de três anos e um aumento de 3,1% em relação a 2019. Ainda estava mais de 25% abaixo de seu pico histórico em 2011.

Os preços do óleo vegetal continuaram fortes ganhos recentes, saltando 4,7% no comparativo mensal em dezembro, após alta de mais de 14,0% em novembro. Para todo o ano de 2020, o índice teve alta de 19,1% em relação a 2019.

A FAO disse que o aperto na oferta nos principais países produtores de óleo de palma elevou os preços, enquanto o comércio também foi impactado por um forte aumento nas tarifas de exportação na Indonésia. Os preços do óleo de soja aumentaram em parte devido às greves prolongadas na Argentina. [POI /]

O índice de preços dos cereais registrou um aumento mais modesto de 1,1% em dezembro em relação ao mês anterior. Durante todo o ano de 2020, o índice ficou em média 6,6% acima dos níveis de 2019.

Os preços de exportação de trigo, milho, sorgo e arroz subiram em dezembro, subindo em parte devido a preocupações com as condições de cultivo e perspectivas de safra na América do Norte e do Sul, bem como na Rússia, disse a FAO com sede em Roma.

O índice de lácteos subiu 3,2% no mês, porém, ao longo de todo o ano de 2020, ficou em média 1,0% a menos do que em 2019.Em dezembro, todos os componentes do índice aumentaram devido à forte demanda global de importação, desencadeada por preocupações com as condições mais secas e quentes na produção de leite da Oceania, bem como a alta demanda interna na Europa Ocidental.

O índice de carnes subiu 1,7% no mês passado, enquanto sua média anual ficou 4,5% abaixo de 2019. A FAO disse que as cotações de aves se recuperaram em dezembro, em parte devido ao impacto dos surtos de gripe aviária na Europa. No entanto, os preços da carne suína caíram levemente, afetados pela suspensão das exportações alemãs para os mercados asiáticos após os surtos de peste suína africana.

Contrariando as altas dos demais índices, os preços médios do açúcar recuaram 0,6% em dezembro. Para 2020 como um todo, o subíndice registrou um ganho de 1,1% em relação aos níveis de 2019. A FAO disse que a relativa firmeza dos dados mais recentes refletiu um aumento nas importações da China e uma maior demanda por açúcar refinado da Indonésia. [SOF / L]

A FAO não divulgou uma previsão atualizada para as safras mundiais de cereais em janeiro. Sua próxima estimativa é para fevereiro.

No mês passado, a FAO revisou para baixo sua previsão para a safra de cereais de 2020 pelo terceiro mês consecutivo, cortando-a para 2,742 bilhões de toneladas, ante os 2,75 bilhões anteriores.

Este artigo foi originalmente escrito em inglês e publicado pela Agência Reuters [Aqui!].

Espiral inflacionária de Bolsonaro e Guedes prejudica os mais pobres

FILES-BRAZIL-ECONOMY-GUEDES-TOP AIDES-HEALTH-VIRUS

A inflação dos alimentos, que recai sobre os mais pobres, está explodindo no Brasil em 2020. De janeiro a dezembro, óleos e gorduras subiram 55,22%; cereais, 54,84%; legumes, 51,28%. Óleo de soja saltou 94,1%; tomates, 76,5%. Inflação dos alimentos já está em 15,7% desde o início do ano. Os números, com base no  IPCA do IBGE foram consolidados pelo NAPP Agrícola, da Fundação Perseu Abramo.

Os números são expressivos: óleo de soja, 94,1%; tomates, 76,5%; arroz, 69,5%; feijão fradinho, 60%; batata 55.9%. Por grupos alimentares, a inflação está acima de 50% em três deles: óleos e gorduras; cereais, leguminosas e oleaginosas; e tubérculos, raízes e legumes. Seguem-se os grupos de hortaliças e verduras (17,68%), frutas (17,49%), leites e derivados (15,62%) e carnes (13,9%).

Veja o quadro elaborado pelo NAPP Agrícola, da Fundação Perseu Abramo.

napp agricola

fecho

Este texto foi inicialmente publicado pelo Brasil 247 [Aqui!].

Brasil envenenado: relatório da Anvisa revela alimentos campeões de contaminação por agrotóxicos

Laranja, pimentão e goiaba: alimentos campeões de agrotóxicos acima do limite

Saiba quais são os alimentos com mais agrotóxicos proibidos ou acima do volume permitido e aqueles que oferecem risco imediato à saúde do consumidor. Cálculo de intoxicação da Anvisa ignora crianças com menos de 10 anos

agrotox 1A cada 14 laranjas, uma tinha agrotóxico suficiente para causar uma intoxicação aguda (Foto: Aturkus/Flickr)

Por Por Pedro Grigori e Bruno Fonseca para o ” Por trás do Alimento”

A Anvisa usou tom otimista na publicação do relatório do Programa de Análise de Resíduos de Agrotóxicos em Alimentos com resultados de testes feitos em frutas e legumes entre 2017 e 2018 . Mas o documento não colocou de forma clara informações de alto interesse público que foram destaque na divulgação de relatórios anteriores. Por exemplo, quais são os alimentos em que mais foram detectados agrotóxicos em doses problemáticas? A Agência Pública e a Repórter Brasil analisaram os dados brutos do relatório em busca dessa e de outras respostas. 

A agência divulgou que, no geral, 23% dos alimentos testados tinham agrotóxicos proibidos ou acima do volume permitido. Mas esse quadro é ainda mais preocupante quando se olha alguns alimentos específicos.

Como ocorreu em anos anteriores, o pimentão foi o campeão de problemas. Em cada 10, oito tinham agrotóxicos proibidos ou acima do permitido. A novidade nesta edição do relatório foi o segundo lugar para a goiaba, que teve 42% das amostras testadas com doses acima do recomendado ou agrotóxicos proibidos. Em seguida ficaram a cenoura com 39% de desconformidade,  e o tomate com 35%.

agro 1

Além desses alimentos, também fazem parte da análise amostras de abacaxi, alface, alho, arroz, batata-doce, beterraba, chuchu, laranja, manga e uva (confira os resultados sobre cada um deles na arte acima). As coletas foram realizadas entre agosto de 2017 e junho de 2018 pelas Vigilâncias Sanitárias Estaduais e Municipais em todos os estados — apenas o Paraná ficou de fora. 

É a Anvisa que determina qual agrotóxico pode ser usado e qual a quantidade máxima de resíduo que pode ficar em cada alimento, o chamado Limite Máximo de Resíduos (LMR). De acordo com a agência, a detecção de agrotóxico acima do LMR não significa necessariamente risco à saúde do consumidor. Nesses casos, segundo a Anvisa, é necessário fazer outra avaliação específica sobre os riscos. 

“Se foi detectado acima do limite é porque ocorreu um uso desnecessário, o agricultor usou mais agrotóxico do que precisava, seja por não seguir a bula, por não ter sido orientado ou porque a praga não estava morrendo”, explica a toxicologista e pesquisadora da Fiocruz Karen Friedrich. 

Laranja pode intoxicar consumidor

Nas avaliações específicas para identificar a quantidade de agrotóxico que pode gerar problemas à saúde de quem come o alimento, a Anvisa criou um novo método para avaliar o risco agudo (a curto prazo) e crônico (a longo prazo). Para isso, a agência usou dados sobre quanto os brasileiros consomem em média de cada alimento e o peso corpóreo dos consumidores a partir de 10 anos de idade. 

Ou seja, a Anvisa ignora o risco para crianças de zero a 10 anos, grupo cuja saúde é ainda mais suscetível à intoxicação porque tem peso inferior ao dos adultos. Questionada pela reportagem, a agência confirmou a informação e atribuiu a falha à limitação  da Pesquisa de Orçamentos Familiares do IBGE, usada como base para a avaliação de risco.

A partir deste cálculo, a agência concluiu que não há casos de risco crônico nos alimentos analisados e apenas 41 frutas e legumes tem potencial de risco agudo. Desses, 27 eram laranjas. Ou seja, a cada 14 laranjas vendidas nos mercados, uma tinha agrotóxico suficiente para causar uma intoxicação imediata em quem consumiu – um cenário preocupante para um país onde a fruta é consumida com frequência. 

“O risco agudo inclui uma gama de sintomas como enjoo, dor de cabeça, alteração do ritmo cardíaco e respiratório, em alguns casos podendo levar a pessoa a ser hospitalizada”, explica Karen, da Fiocruz. 

Cinco laranjas analisadas apresentaram mais de cinco vezes o limite de segurança de exposição, todas para o agrotóxico carbofurano, um inseticida proibido no Brasil desde 2017 devido aos efeitos neurotóxico. Este produto pode afetar o desenvolvimento, incluindo efeitos nos fetos, funcionais e comportamentais.

cinco laranjasLaranjas apresentam riscos para intoxicação aguda no consumidor em decorrência da presença de agrotóxico

Especialistas alertam que o problema pode não estar apenas na laranja.  A pesquisadora da Fiocruz faz críticas ao método de avaliação para risco à saúde humana, apontando que uma das falhas é a análise isolada dos agrotóxicos. “Os resultados mostram que a mistura é frequente. Interações entre os agrotóxicos podem gerar efeitos aditivos e sinérgicos que necessariamente impactam o cálculo”, explica Karen. 

Outra crítica é em relação ao cálculo de quanto o brasileiro consome. Segundo o relatório, a abordagem da Anvisa “parte do princípio de que é improvável que um indivíduo consuma grande porção de dois ou mais alimentos diferentes, em um curto período, contendo resíduos do mesmo agrotóxico nas maiores concentrações detectadas”.

Para Karen, o relatório erra ao não considerar que “a pessoa come diferentes alimentos por dia, que podem conter resíduos de diversos agrotóxicos com efeitos danosos para a saúde”. 

21 agrotóxicos no mesmo alimento

agrotox 2Oito a cada dez pimentões vendidos em mercados e feiras tinham agrotóxico proibido ou acima do permitido (Foto: Droberson/Pixabay)

Segundo análise independente deste mesmo relatório conduzida pelo Grupo de Trabalho de Agrotóxicos da Fiocruz, em 34% das amostras foram identificadas misturas de agrotóxicos, variando de dois a 21 tipos diferentes de ingredientes ativos. Os produtos que apresentaram maior percentual de mistura de agrotóxicos foram o pimentão (95%), cenoura (73%) e tomate (68%).

Foram pesquisados até 270 agrotóxicos diferentes no total, 16% a mais do que na edição anterior do relatório. No geral, o agrotóxico mais encontrado foi o imidacloprido, que apareceu em 16% dos casos. O inseticida é o oitavo agrotóxico mais vendido no Brasil, com 10 mil toneladas comercializadas em 2018, segundo o Ibama. Ele é um neonicotinoide, derivado da nicotina que tem capacidade de se espalhar por todas as partes da planta. Ou seja, descascar o alimento ou lavá-lo não é suficiente para retirar todos resíduos. Ele também é fatal para polinizadores como a abelha.

agrp 2

Logo depois, aparecem os fungicidas tebuconazol e o carbendazim — este último proibido na União Europeia, Estados Unidos, Canadá e Japão por causar mutação nos genes e problemas reprodutivos.

Mas o agrotóxico que mais preocupou a Anvisa no relatório é o acefato, quinto mais vendido no Brasil, com 24,6 mil toneladas por ano. Ele é o sétimo mais encontrado e é o que mais apareceu em alimentos para os quais não é permitido, em 314 casos.

O acefato foi destaque em levantamento publicado pela Agência Pública e a Repórter Brasil sobre casos de depressão e suicídio envolvendo agrotóxicos. Ele faz parte dos organofosforados, uma classe de agrotóxicos comprovadamente neurotóxicos que podem desenvolver alterações no sistema nervoso do seres humanos, causando, entre outros problemas, casos severos de depressão. 

O potencial neurotóxico é um dos motivos que fez a União Europeia banir o acefato. No Brasil, ele passou por reavaliação, e em 2013 a Anvisa decidiu mantê-lo no mercado, mas com restrições. Entre elas, a proibição nas culturas de tomate e pimentão e fumo, entre outros que não são alimentos. 

Mesmo proibido para essas culturas, o acefato foi identificado em 41% dos pimentões e 21% dos tomates. 

No relatório, a Anvisa destaca a situação deste agrotóxico como preocupante e diz que as ações de mitigação não foram suficientes para redução significativa das irregularidades, que podem ter impacto sobre a saúde do trabalhador. “Por isso, recomenda-se avaliar a efetividade das medidas já adotadas e verificar a necessidade de propor novas ações ou ampliar as restrições regulatórias”, diz. 

De acordo com a assessoria de imprensa da Anvisa, os resultados não indicaram situações de risco ao consumidor, mas sim ao trabalhador rural. A agência informou que colocará nova regulamentação sobre o acefato em consulta pública. 

A Anvisa ainda não tem previsão de quando vai divulgar a próxima avaliação sobre agrotóxicos na comida, com análises feitas entre 2018 e 2019. De acordo com a Anvisa, “após a publicação da última edição, as Vigilâncias Sanitárias dos Estados e Municípios notificaram os pontos varejistas sobre os resultados dos seus estabelecimentos para que eles possam tomar as medidas necessárias junto aos seus fornecedores”. 

As secretarias de Agricultura também foram informadas, para que possam orientar os profissionais envolvidos no processo produtivo do setor primário. Confira a íntegra da resposta da Anvisa

fecho

Esta reportagem faz parte do projeto Por Trás do Alimento, uma parceria da Agência Pública Repórter Brasil para investigar o uso de agrotóxicos. Clique para ler a cobertura completa no site do projeto   [Aqui!] e [Aqui!].

No Brasil de Bolsonaro, a única palavra de ordem é o lucro

Em quase todo o mundo civilizado, a agricultura é um setor bastante protegido e regulado. Já no Brasil de Bolsonaro a única palavra de ordem é o lucro a quaisquer custos. Não se planeja nada, mas se concede tudo aos grandes produtores

ALIMENTOS

Por Marcelo Zero*

O Brasil é o segundo maior produtor de alimentos do mundo. Perde apenas para os EUA. Além disso, praticamente todos os anos há recorde de safras.

No entanto, nosso país vive hoje gravíssima insegurança alimentar, com forte inflação de alimentos e desabastecimento de produtos básicos, como o arroz. Já ocorrem saques em supermercados.

Entre janeiro e agosto deste ano, a inflação medida pelo IPCA foi de apenas 0,7%. Porém, a inflação da alimentação no domicílio foi de 6,7%, ou seja, quase 9 vezes acima da inflação média, com tendência a acelerar ainda mais.

Essa inflação de alimentos afeta muito intensamente os mais pobres, que gastam quase tudo o que ganham justamente em alimentação. Segundo levantamento feito pelo professor Gerson Teixeira, especialista na matéria, alguns alimentos básicos subiram bem mais. O arroz subiu 27,5% (mas aumentou bem mais neste mês), o leite longa vida aumentou 32,8%, o feijão subiu 17,3%, o tomate aumentou 17,7%, o óleo de soja subiu 26,6%, e por aí vai.

Como isso é possível?

Em primeiro lugar, há uma questão estrutural. Devido aos lucros muito maiores da chamada agricultura de exportação, que é remunerada em dólar, em relação à agricultura destinada ao mercado interno, tem havido um deslocamento da área plantada e dos recursos investidos da última para a primeira.

Ao final da década de 1970, a área plantada destinada ao arroz e ao feijão, base da alimentação do brasileiro, era de aproximadamente 28% do total, ao passo que a área destinada à soja, principal cultura de exportação, era de somente 21%. Entretanto, hoje em dia a soja responde por 57% da área plantada no país, enquanto o arroz e o feijão, somados, respondem por meros 6,9%.

Em suma, houve grandes investimentos na agricultura de exportação e grande desinvestimento na agricultura destinada ao consumo interno, feita, em sua maior parte, por pequenos produtores familiares.

Obviamente, essa tendência se agrava e se acelera quando há grande valoração do dólar, como agora. Deixada ao sabor do “mercado”, ou seja, da ganância dos grandes produtores, a produção de alimentos vai massivamente para a exportação, provocando carestia e desabastecimento internos.

Nos governos progressistas anteriores, essa tendência era mitigada e controlada pelas políticas de apoio à agricultura familiar e, sobretudo, por uma política de compra de alimentos básicos e constituição de estoques públicos, que impediam grandes oscilações de preços e desabastecimento.

Contudo, após o golpe de 2016, essas políticas foram muito fragilizadas ou praticamente extintas.

A política de constituição de estoques públicos de alimentos, em particular, sofreu grande ataque, tanto no governo Temer, quanto no governo Bolsonaro.

Hoje, os estoques públicos de alimentos feitos pela Conab estão praticamente “zerados” e não sustentariam sequer um dia de consumo. Conforme levantamento feito pelo professor Gerson Teixeira, os estoques de arroz estão em apenas 623 toneladas, para um consumo diário de quase 30 mil toneladas. No caso do feijão, os estoques estão em míseras 38 toneladas, para um consumo diário de quase 8,5 mil toneladas.

Observe-se que a FAO considera que idealmente um país teria de ter uma capacidade de estocagem 1,2 maior que a sua capacidade de produção.

Em nítido contraste com o Brasil bolsonarista, a China tem hoje estoques de cereais que equivalem a 75% do seu consumo anual de alimentos. A Índia tem 23%, os EUA têm 25% e a Rússia tem 18%.

Considere-se, adicionalmente, que a Comissão Europeia, em função da crise desencadeada pelo COVID-19, está ampliando consideravelmente sua política de estocagem reguladora de alimentos. É a chamada estratégia Farm to Fork (da fazenda para o garfo), que visa blindar a população europeia de crises na oferta de alimentos. Aqui ao lado, na Argentina, o governo Fernández voltou impor taxas às exportações de alimentos (retenciones), de forma a assegurar segurança alimentar e financiar sua recuperação econômica e seu desenvolvimento.

Em quase todo o mundo civilizado, a agricultura é um setor bastante protegido e regulado.

Já no Brasil de Bolsonaro a única palavra de ordem é o lucro a quaisquer custos. Não se planeja nada, mas se concede tudo aos grandes produtores.

Somada à extinção do Plano Safra para Agricultura Familiar e à paralisação da Reforma Agrária, entre outras medidas destrutivas, não estranha que extinção dos estoques públicos de alimentos venha contribuindo significativamente para a atual insegurança alimentar em um país que tem uma das agriculturas mais competitivas do mundo.

Claro está que as exportações agrícolas são muito importantes para a economia brasileira. Elas geram vultosos superávits comerciais e grandes divisas em moeda forte para o país. Mas sem políticas estatais reguladoras, que apoiem a agricultura familiar, a Reforma Agrária e a produção para o mercado interno, como quer o governo ultraneoliberal de Bolsonaro, inevitavelmente vai se gerar carestia e desabastecimento, ainda mais numa conjuntura de grande desvalorização cambial.

Assim, essa incúria vem se revelando insustentável, do ponto de vista social.

Mas ela é também insustentável, do ponto de vista ambiental.

Os grandes incêndios ocorridos no ano passado na Amazônia e, agora, no Pantanal, são, em grande parte, originados por ações criminosas de setores atrasados do chamado agronegócio, ante um governo que lhes assegura impunidade e que vê as justas preocupações ambientais como “frescuras”, obstáculos inaceitáveis ao crescimento e ao lucro. 

O desgoverno Bolsonaro não consegue sequer perceber que a insustentabilidade social e, sobretudo, ambiental deste modelo de laissez faire bandido vão acabar por provocar também insustentabilidade comercial. Com efeito, a tendência é que os mercados mundiais, alarmados com a atitude hostil do governo brasileiro frente às grandes questões ambientais, se fechem aos produtos agrícolas do Brasil.

A resistência crescente ao Acordo Mercosul/UE é somente o começo desse processo já em curso.

Ademais, no longo prazo, a destruição ambiental vai restringir seriamente nossa grande capacidade natural de produzir alimentos, já que as chuvas que alimentam as colheitas do Centro-Oeste e do Sudeste vêm justamente dos “rios voadores”, originados pela evotranspiração da floresta amazônica

Enquanto isso, Bolsonaro faz piadas com a carestia e com a destruição de um dos principais ecossistemas do mundo. Afinal, quem faz piadas com a morte, faz piadas com tudo.

bolso fogo

Ao que tudo indica, o grande legado de Bolsonaro para o Brasil e o mundo se constituirá de morte, fome e fogo.

E daí?

*Marcelo Zero é sociólogo e especialista em Relações Internacionais

fecho

Este texto foi originalmente publicado no site “Brasil em Debate” [Aqui].

No Brasil da COVID-19, nem tudo são trevas

mst alimentosA ação de movimentos sociais do campo para fazer chegar alimentos nas periferias pobres das cidades brasileiras é prova que nas trevas do Brasil há luz emergindo

Acompanho com atenção as diferentes narrativas em torno da crescente crise social, política e econômica em que o Brasil se encontra neste momento.  O campo daqueles que mais claramente não “passa pano” para o presidente Jair Bolsonaro e seu não-projeto de Nação, que está concentrado na mídia eletrônica, o tom reinante é de uma denúncia aguda, mas que, raramente, aponta saídas.  Aliás, uma rápida passagem pela maioria de blogs e portais independentes permite verificar que, também, não há uma saída à vista.

Além disso, toda a discussão feita na mídia de oposição está concentrada na desconstrução da figura do presidente Jair Bolsonaro e do seus ministros (ou seriam sinistros). E nas últimas semanas a coisa tem girado na discussão sobre a iminência de um auto-golpe militar que colocaria Bolsonaro em uma condição de Bonaparte acima das instituições para que ele possa impor seu modelo de sociedade de forma mais desenvolta.

Ainda que eu não desconheça os riscos políticos colocados em um momento em que o número de mortos pela COVID-19 já ultrapassou 40 mil, e que o desemprego cresce quase tão rapidamente quanto o contágio pelo coronavírus, eu me arrisco a dizer que a narrativa reinante omite acontecimentos importantes do ponto de vista do que é comumente chamado de “resistência popular”,  e que está acontecendo de diferentes formas nas periferias pobres, justamente as mais atingidas pela pandemia.

Um exemplo que considero marcante deste processo de resistência tem sido a ação dos movimentos sociais do campo, a começar pelo Movimento dos Trabalhadores Rurais Sem Terra (MST) e pelo Movimento dos Pequenos Agricultores (MPA), que estão realizando um esforço notável para entregar alimentos na forma de doação nas periferias de muitas cidades brasileiras (ver vídeo abaixo sobre uma ação específica do MST/PR que beneficiou 4 mil famílias pobres nas cidades de Guarapuava e Pinhão, localizadas no centro sul do Paraná.

Mas não são só o MST e o MPA que se puseram em movimento para doar alimentos para os pobres das cidades. Em Rondônia, indígenas da etnia Gavião distribuíram alimentos produzidos na Terra Indígena Igarapé Lourdes na periferia de Ji-Paraná em uma clara demonstração de solidariedade aos que passam fome nas cidades amazônicas.

Em São Paulo, quilombolas e caiçaras da região sul do estado também se organizaram para fazer chegar 15 toneladas alimentos nas periferias de cidades paulista, incluindo nove municípios do Vale do Ribeiro e até na cidade de São Paulo, onde se concentra até agora o maior número de mortos pela COVID-19 no Brasil. 

Estou usando a questão da doação de alimentos por agricultores, indígenas, quilombolas e caiçaras apenas como um ângulo de um amplo processo de resistência que também se dá a partir da ação de movimentos sociais urbanos, e que hoje trabalham para aliviar a fome que se espalha em grandes regiões metropolitanas como a do Rio de Janeiro, por exemplo. É que, sem dúvida, com fome e sem emprego, ainda mais pessoas estarão facilmente postas no caminho do coronavírus. E como já se viu,  não será do governo Bolsonaro e de um número significativo de governos estaduais que a ajuda virá.

Mas o importante aqui é notar que a partir dessa de solidariedade ativa, que está sendo protagonizada por segmentos que têm sido o alvo preferencial do processo de desconstrução das políticas sociais pelo governo, que deverão emergir forças poderosas de mudança no Brasil. Por isso, quando se achar que tudo são trevas no Brasil,  é bom lembrar  que existe luz emergindo delas. É que não há nada mais iluminador do que a ação solidária que coloca em xeque as noções de ultra individualismo que foram disseminadas pela ideologia Neoliberal.

Maioria dos estados não têm laboratórios para identificar agrotóxicos em alimentos

Os 82 laboratórios do tipo no país estão localizados em apenas 11 estados, a maioria deles em São Paulo e nenhum na região norte; testes não identificam nem a metade dos ingredientes comercializados

laboratorio1_pixabay-800x533

Pedro Grigori, Agência Pública/Repórter Brasil | Infográficos: Bruno Fonseca selonovo

Apesar de ser o maior consumidor de agrotóxico do mundo em números absolutos, o Brasil ainda tem dificuldades em identificar se os resíduos desses produtos estão presentes nos alimentos e na água que a população consome. Um dos principais motivos é o número de laboratórios, tanto público quanto privados, com capacidade de realizar essas análises: são 82 em todo país — localizados em apenas 11 estados, sendo que mais da metade está em São Paulo e não há nenhum na região norte.

agrotóxicos publicaApenas 11 estados brasileiros têm laboratórios com capacidade para analisar agrotóxicos

Os especialistas consultados pela reportagem avaliam que é um número baixo quando se compara com o uso de agrotóxicos no país. De acordo com o último boletim de comercialização de agrotóxico do Instituto Brasileiro do Meio Ambiente e dos Recursos Naturais Renováveis (Ibama), 539,9 mil toneladas de pesticidas foram vendidos no Brasil apenas em 2017.

Além disso, os laboratórios brasileiros só conseguem analisar 242 dos 504 ingredientes ativos que compõem os agrotóxicos autorizados no mercado. Se um ou mais dos outros 262 restantes estiverem presentes em frutas, cereais, raízes, legumes e hortaliças, eles não serão detectados. O número e a distribuição de laboratórios no território nacional foram mapeados pela pesquisadora e química Danielle Barros Santos, da Fundação de Apoio à Pesquisa e Inovação Tecnológica do Estado de Sergipe (Fapitec-SE) e do Instituto Tecnológico e de Pesquisas do Estado de Sergipe, que usou como base dados da Agência Nacional de Vigilância (Anvisa) e do Instituto Nacional de Metrologia, Qualidade e Tecnologia (Inmetro).

Os laboratório são cruciais porque, segundo a pesquisadora, é de lá que saem dados como os do último relatório do Programa de Análises de Resíduos de Agrotóxicos em Alimentos (PARA), da Anvisa. O documento mostrou que 81% das laranjas analisadas entre 2013 e 2015 continham agrotóxico e em 12% desses casos as amostras estavam com volume de resíduo suficiente para causar uma potencial intoxicação em até 24 horas. Esses dados foram revelados em 2016, e desde então a Anvisa ainda não publicou um novo levantamento.

Os resultados das análises são a principal arma para trazer uma mudança real em relação a agrotóxicos utilizados de modo errado. No caso do PARA, quando identificados riscos, a Anvisa toma medidas como fiscalização, fomento de ações educativas na cadeia produtiva, restrições ao uso do agrotóxico no campo e, até mesmo, incluir o ingrediente ativo em reavaliação toxicológica, podendo retirá-lo do mercado.

“É importante ter análises laboratoriais porque os resultados são provas. Precisamos de dados, números e comprovações. Se a gente analisar todos os casos jurídicos de intoxicação, é para onde eles correm, para os resultados de laboratório”, afirma a química. Seu estudo foi apresentado no Congresso Brasileiro de Agroecologia, que ocorreu no início de novembro em Aracaju.

Danielle pesquisou nos bancos de dados públicos da Anvisa e do Inmetro o termo “Cromatografia” — a técnica utilizada para as análises. Depois, identificou quais faziam esses testes com agrotóxicos e, com o resultado, além de mapear onde estão os laboratórios, ela conseguiu identificar o tipo de análises realizadas. Segundo ela, ainda é preciso melhorar os métodos de extração. “Se avaliamos apenas a metade dos ingredientes ativos disponíveis no mercado, como a gente permite a utilização dessas moléculas em novas formulações se não temos a capacidade de monitorá-las?”

Em relação aos agrotóxicos analisados, alguns laboratórios informam os compostos com os quais trabalham, enquanto outros, apenas as classes químicas — o que revela, segundo a pesquisadora, uma falta de padronização problemática.

Quadro de fragilidade

Mas o que esse mapeamento dos laboratórios representa para o brasileiro? Um quadro de fragilidade, segundo o vice-presidente da região Centro Oeste da Associação Brasileira de Agroecologia (ABA), Rogério Dias. “O fato de não termos nenhum laboratório de resíduos de água e alimento que consiga de fato avaliar todas as moléculas registradas é um absurdo. E é importante destacar que só é possível analisar 50% das moléculas se você juntar a capacidade de todos os laboratórios. Apenas um mesmo laboratório não consegue isso”, explica.

A má distribuição dos laboratórios também acarreta em problemas de logísticas, segundo Dias. “A amostra a ser analisada, idealmente, tem de chegar logo. Com poucos laboratórios no Nordeste e Centro Oeste e nenhum no Norte, elas acabam tendo que viajar por longas distâncias e isso pode comprometer o resultado”, explica.

A reportagem questionou o Ministério da Agricultura sobre o número de laboratórios que fazem análise de agrotóxico no Brasil. Na visão do órgão, a capacidade dos Laboratórios Federais de Defesa Agropecuária para atender às atuais demandas oficiais de análises de resíduos de agrotóxicos em produtos vegetais, conduzidas pelo Departamento de Inspeção de Produtos de Origem Vegetal (Dipov), está adequada.

agrotoxicos analise

Promessas

Para lidar com a fragilidade da rede laboratorial de análises de agrotóxicos, o governo criou em 2008 a Rede de Laboratórios de Resíduos e Contaminantes em Produtos de Origem Animal e Vegetal, a RCC, coordenada pelos ministério da Agricultura e da Ciência. Um dos objetivos era apoiar a capacitação de laboratórios para que eles fizessem análises como as de agrotóxicos. Porém, a visão dos cientistas é a de que essa teoria nunca se transformou em prática.

Rogério Dias, da ABA, trabalhava no ministério em 2014, quando ocorreu uma reestruturação na RCC para tentar tornar o projeto mais ágil. Ficou definido que cinco laboratórios integrariam um grupo chamado de Laboratórios Centrais, que incluía o da Fiocruz, Instituto de Tecnologia de Pernambuco, Centro de Tecnologias Estratégicas do Nordeste, UnB e da URFJ. “Com eles, a ideia era padronizar as análises e capacitar os demais laboratórios”, diz.

Ele conta que na época houve investimento nos laboratórios, mas que diversos problemas acabaram diminuindo o sucesso do projeto. “O Ministério da Agricultura (Mapa) investiu em equipamentos, mas não tinha gente para operar. Aí o da Tecnologia entrou com bolsas para que os bolsistas operassem os laboratórios, e o Mapa entrou com a verba para comprar os reagentes. A liberação das bolsas veio antes da verba, e os bolsistas não tinham reagentes. Quando os reagentes chegaram, já havia acabado a duração das bolsas.”

Danielle diz que até mesmo na comunidade científica, muitos pesquisadores nem sequer conhecem a rede. “Conhecendo a rede, teríamos suporte não só em relação a capacitação, mas aos consumíveis [agentes químicos] que são necessários.”

A Agência Pública e a Repórter Brasil questionaram o Ministério da Agricultura e o Ministério da Ciência, responsáveis pelo projeto, sobre sua atual situação. O Mapa informou não ter informações concretas sobre o atual funcionamento da rede e que a coordenação é de responsabilidade do Ministério da Ciência, que, por sua vez, não respondeu às perguntas enviadas pela reportagem.

Futuro do PARA

O Programa de Análises de Resíduos de Agrotóxicos em Alimentos (PARA) é o principal relatório de análise de pesticidas do país e, desde 2001, já analisou 30 mil amostras de 25 tipos de alimentos, mais de 70% do que é consumido de frutas, cereais, raízes, legumes e hortaliças.

Mas desde 2013, os relatórios deixaram de ser anuais, como aconteceu entre 2007 e 2012. Em 2016, foi divulgado um compilado dos três anos anteriores e, desde então, o governo não publica nenhuma informação sobre agrotóxicos em alimentos. A Anvisa informou, via assessoria de imprensa, que não houve coletas em 2016 por conta de uma reestruturação, mas que o processo foi retomado no ano seguinte e que os resultados serão divulgados ainda em 2019. Questionada sobre esse longo período entre as coletas e a divulgação, o órgão disse que o programa agora tem mais etapas.

___________________________________________

Esta reportagem foi originalmente publicada pela Agência de Jornalismo Investigativo Pública [Aqui!]. selonovo

Produtores globais de alimentos ‘não conseguem assumir papel’ na crise climática

Relatório insta empresas de carnes, laticínios e frutos do mar a abordar o impacto do desmatamento da indústria, uso de antibióticos e emissões

vacaO relatório Coller Fairr vem de especialistas em investimentos que desejam incentivar a conscientização dos riscos para o planeta – e da lucratividade – na produção de alimentos. Fotografia: Alan Hopps / Getty Images

Por Harriet Grant para o jornal “The Guardian”

Os maiores produtores mundiais de carne, laticínios e frutos do mar não estão conseguindo enfrentar o enorme impacto que estão causando no planeta através do desmatamento, o uso rotineiro de antibióticos e emissões de gases de efeito estufa, alerta um relatório.

O Índice Coller Fairr classifica 50 dos maiores produtores mundiais de carnes, laticínios e peixes, analisando os fatores de risco, do uso de antibióticos ao desmatamento e abusos de trabalho. Os produtores são a cadeia de suprimentos “oculta”, fornecendo carne e laticínios para marcas globais, incluindo McDonald’s, Tesco, Nestlé e Walmart.

O índice é elaborado por especialistas em investimentos que desejam incentivar a conscientização dos riscos ao planeta – e à sua própria lucratividade – por empresas que não conseguem mitigar os danos causados ao meio ambiente pela produção de alimentos.

Jeremy Coller é fundador da Fairr e diretor de investimentos da Coller Capital. Ele diz que são as grandes empresas por trás das marcas que sofrerão se o planeta não estiver protegido. “São as empresas ocultas na cadeia de suprimentos de carnes e laticínios que enfrentam os riscos climáticos e de saúde pública mais significativos.

“Como demonstrou o relatório histórico do mês passado do Painel Intergovernamental sobre Mudanças Climáticas (IPCC), as indústrias mundiais de carnes, peixes e laticínios estão sob séria ameaça devido aos impactos das mudanças climáticas. Em forte contraste com o setor de transportes, apenas um em cada quatro produtores de carne, peixe e laticínios mede suas emissões de gases de efeito estufa, e muito menos age para reduzi-las. ”

Entre outras falhas, o índice diz que nenhuma das empresas analisadas possui uma política abrangente para parar o desmatamento. E apenas quatro empresas do índice “se comprometeram a eliminar gradualmente o uso rotineiro de antibióticos, amplamente difundido no setor”.

Segundo o relatório, dois terços dos produtores nem sequer medem todas as suas emissões de gases de efeito estufa e muito menos estabelecem metas para reduzi-las. Isso inclui a Hormel Foods nos EUA, um fornecedor do McDonald’s. Também está incluído o Cal-Maine Foods. A Cal-Maine é o maior produtor de ovos frescos nos EUA e fornecedor do Walmart e da Nestlé. Nestlé, McDonald’s e Walmart se comprometeram publicamente a reduzir as emissões de gases de efeito estufa.

E embora o Walmart tenha dito anteriormente que deseja alcançar zero desmatamento líquido em sua cadeia de suprimentos até 2020, a pesquisa mostra que fornecedores do Walmart, como Cranswick, no Reino Unido, não possuem uma política abrangente sobre desmatamento. O McDonald’s prometeu reduzir o uso de antibióticos em suas cadeias de fornecimento de carne bovina. Mas a grande maioria dos fornecedores de carne bovina não possui uma política para evitar o uso rotineiro de antibióticos. Apenas um – Marfrig – faz.

As empresas são classificadas de acordo com seu risco para os investidores, com base na análise de nove fatores de risco ambientais, sociais e de governança, combinados com as metas de desenvolvimento sustentável. O WH Group, com sede em Hong Kong, foi considerado de “alto risco”, enquanto a Hormel Foods e Cranswick foram designadas como “de risco médio”.

A pesquisa argumenta que algumas das empresas, que entre elas têm um valor de US $ 300 bilhões (248 bilhões de libras), já estão sofrendo os custos da profunda crise climática.

A Cal-Maine Foods registrou um declínio de 30% na receita apenas no último trimestre do ano devido ao clima extremo.

Peter Van der Werf é especialista em engajamento da empresa de investimentos Robeco, aconselhando como investir de forma sustentável. Ele disse ao Guardian que a pesquisa sobre os riscos ambientais da produção de alimentos é vital.

“Essa é uma pesquisa muito importante. Como gerentes de investimento, tomamos muito cuidado na avaliação de riscos – por exemplo, um analista que analisa a produção de alimentos precisa ter um bom entendimento dos riscos das mudanças climáticas … como desmatamento, perda de suprimento de ração resultante do pastoreio de gado em terras esgotadas, uso de água . ”

Van der Werf diz que pode ver o progresso sendo feito, pois os produtores estão cientes do benefício de considerar os riscos ambientais.

“As empresas estavam anteriormente relutantes em mostrar interesse em proteínas alternativas, como carne falsa, mas vimos um grande crescimento na demanda. Começamos o engajamento em relação à segurança do trabalho e ao uso de antibióticos e, durante três anos, vimos claramente um engajamento e conscientização. Agora, a Tyson Foods, por exemplo, tem metas climáticas. Eles não tinham isso antes. “

Ele diz que o objetivo final é que produtores e investidores se afastem da carne e peixe como fontes de proteína, tanto quanto possível.

“Os incêndios que vimos na Amazônia surgiram em conversas com investidores. Eles estão preocupados com as mudanças climáticas, com incêndios florestais. Há uma necessidade global de reduzir ainda mais a dependência de carne e laticínios e observar diferentes opções de proteínas. ”

Um porta-voz da União Nacional dos Agricultores disse ao Guardian que existe um compromisso de alcançar emissões líquidas de carbono zero na indústria agrícola do Reino Unido até 2040. Ele disse que isso será alcançado através da melhoria da eficiência e do bem-estar animal, gerenciando o armazenamento de carbono nas fazendas e aumentando energia renovável.

O Guardian entrou em contato com as empresas nomeadas, mas no momento da publicação não havia recebido respostas de todas elas.

A Nestlé disse: “O Padrão de Fornecimento Responsável da Nestlé estabelece práticas de sustentabilidade que pedimos aos nossos fornecedores, seus funcionários, agentes e subcontratados que respeitem e sigam o tempo todo. Além disso, executamos um programa de fornecimento responsável de 15 matérias-primas de alta prioridade, incluindo carnes, aves e ovos e laticínios. Para esses materiais, nosso trabalho começa mapeando nossa cadeia de suprimentos até a fazenda ou o matadouro. Quando os fornecedores se recusarem a melhorar, nós os removeremos da nossa cadeia de suprimentos. ”

O Walmart disse: “Acreditamos que tanto a ação colaborativa quanto a rastreabilidade em toda a nossa cadeia de suprimentos global são necessárias para reduzir o desmatamento associado à produção de carne bovina e soja no Brasil. Estamos trabalhando com o Fórum de Bens de Consumo, a Aliança das Florestas Tropicais e o Grupo de Declaração de Apoio ao Manifesto do Cerrado, enquanto trabalhamos para alcançar nossa meta de reduzir o desmatamento. ”

A Tyson Foods disse: “Anunciamos recentemente uma meta baseada na ciência para reduzir as emissões de gases de efeito estufa em 30% até 2030, bem como uma parceria com o Environmental Defense Fund focada em aumentar as práticas agrícolas sustentáveis ​​em mais de 2 milhões de acres de milho em linha até 2020. Isso é o maior compromisso já feito por uma empresa de proteínas dos Estados Unidos e reportaremos nosso progresso ao longo do tempo. ”

Hormel disse: “Como empresa global de alimentos de marca, levamos nossas práticas de sustentabilidade muito a sério. Estamos trabalhando para alcançar nossas metas de 2020 para reduzir as emissões de gases de efeito estufa e o uso de energia não renovável em 10% até 2020.

“É com satisfação que o relatório destacou nossa empresa como uma das líderes do setor e apresentou a Hormel Foods por nossas melhores práticas de uso da água. Além disso, o relatório destacou a Hormel Foods como a única empresa que estabeleceu uma política agrícola sustentável que se estende aos produtores de grãos para alimentação animal. ”

_______________________________________________

Este artigo foi originalmente publicado em inglês pelo jornal “The Guardian” [Aqui!].

Larissa Bombardi e a comparação do uso de agrotóxicos entre Brasil e a União Europeia

larissa bombardi

Série de entrevistas com a professora Larissa Mies Bombardi esclarece a grave situação dos agrotóxicos no Brasil.

A professora da Universidade de São Paulo (USP) Larissa Mies Bombardi é hoje uma das principais experts na questão do uso de agrotóxicos, muitos deles banidos em outras partes do planeta, na agricultura brasileira. É dela a obra “Geografia do Uso de Agrotóxicos no Brasil e Conexões com a União Europeia” que compara a situação comparada entre o uso de agrotóxicos do Brasil e na União Europeia.

Abaixo posto o primeiro vídeo de uma série produzida pelo jornalista Bob Fernandes com a professora Larissa Bombardi sobre a crítica situação que está ocorrendo no Brasil em função do vício da agricultura brasileira, principalmente naquelas propriedades destinadas às monoculturas de exportação, por compostos altamente tóxicos.

Não nos enganemos, como bem diz a professora Larissa Miers Bombardi a situação causada pelos agrotóxicos no Brasil é gravíssima. E é preciso tratar a situação pelo que ela é em função dos graves danos ambientais e sociais que a dependência da agricultura brasileira em relação a essas substâncias altamente perigosas que hoje contaminam águas, solos e os alimentos que os brasileiros e as populações dos parceiros comerciais do Brasil consomem.

A agricultura viciada em agrotóxicos envenena a comida dos brasileiros

comida agrotóxicos

O site UOL publicou ontem uma matéria reveladora sobre o estado de coisas no Brasil no tocante à contaminação causada pelo uso intensivo e, em muitos casos abusivo, de agrotóxicos pela agricultura brasileira.  E o aspecto abordado na matéria assinada por Carlos Madeiro deveria ser motivo de grave preocupação para todos os brasileiros. É que Madeiro trata da suspensão do Programa de Análise de Resíduos de Agrotóxicos em Alimentos (Para) pela Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) que produziu seu último relatório em 2015.

O problema é que desde o último relatório do Para,  cerca de 1.437 novos agrotóxicos (considerando os 166 aprovados nos primeiros meses do governo Bolsonaro) foram aprovados para comercialização no Brasil, sendo que um número significativo deles foi classificado como sendo de categoria I no tocante aos riscos à saúde humana (ver gráfico da evolução de “novos” agrotóxicos abaixo).

agrotóxicos aprovados

Examinei a lista de 166 agrotóxicos aprovados em 2019 pelo governo Bolsonaro e encontrei um número significativo de produtos voltados para uso nas mesmas culturas analisadas em 2015 pela ANVISA e constatei que cerca de 50% foram classificados justamente na categoria I para saúde humana. Não ficarei surpreso se nos anteriores, essa frequência também estiver presente.

Essa situação é particularmente preocupante mesmo nas condições em que os agrotóxicos são usados na dosagem e na cultura para os quais estes foram aprovados.  O problema, como mostra o relatório da ANVISA, isto nem sempre é feito, o que ficou demonstrado com os resultados sobre o nível de amostras insatisfatórias (19,7%) nas quais se constatou limites de resíduos acima do permitido e a presença de resíduos em culturas para os quais um determinado agrotóxico não foi aprovado para uso (ver figura abaixo).

resíduos

Fonte: Relatório PARA, ANVISA (2015)

E mesmo aqueles amostras onde a quantidade de residuos de agrotóxicos estava dentro do permitido pela legislação brasileiro (38,3%), o problema não é menor. É que, como já mostrou a professora do Departamento de Geografia da USP, Larissa Miers Bombardi, em sua obra “Geografia do Uso de Agrotóxicos no Brasil e Conexões com a União Europeia“,  a legislação brasileira é muito permissiva, tanto nas substâncias que são aqui aprovados para comercialização e uso, mas também para o limite máximo de resíduos (LMR).  Em outras palavras, o Brasil usa agrotóxicos mais venenos e em proporções mais altas do que a União Européia, por exemplo.

Um agrotóxico útil para se entender o problema é o Acefato que foi banido pela União Europeia por ser considerado como indutor de câncer, mas que continua sendo vendido legalmente no Brasil.  É que no relatório da Anvisa de 2015, a contaminação por resíduos de Acefato foi a maior de todos os produtos autorizados, e em 49% dos casos as amostras estavam acima até do que é permitido pela legislação brasileira (ver figura abaixo que mostra todos os agrotóxicos detectados na comida que chega na mesa dos brasileiros).

contaminação

Fonte: Relatório PARA, ANVISA (2015).

O gráfico abaixo, que mostra as detecções consideradas “irregulares” para a presença de resíduos de Acefato em determinadas culturas, explicita bem o problema que é estarmos consumindo alimentos contaminados com resíduos excessivos para a legislação brasileiro de um agrotóxico que é considerado como causador de câncer. É que nos alimentos em que Acefato foi encontrado acima do permitido estão abacaxi, abobrinha,beterraba, couve, morango, pimentão, repolho, tomate e uva. E , pior, em vários deles ainda foram encontrados resíduos excessivos de Clorpirifós e Carbendazim. É que o Clorpirifós também é de classe I para toxicidade humana, e o Carbendazim é de categoria II. Em suma, uma combinação explosiva e que chega a nós no interior de alimentos amplamente consumidos pelos brasileiros.

detecções irregulares

Fonte: Relatório PARA, ANVISA (2015).

A situação é ainda mais dramática porque a atual ministra do Meio Ambiente, Tereza Cristina (DEM/MS), conhecida como no congresso nacional como “Musa do Veneno“, é um defensora implacável de que se liberem ainda mais agrotóxicos para uso na agricultura brasileira. E, pior, ela ostenta uma postura indiferente aos riscos de contaminação nos alimentos ingeridos brasileiros. Isto ficou evidente em uma audiência na Câmara de Deputados no dia 09 de abril, quando Tereza Cristina associou o consumo de alimentos sem agrotóxicos como uma opção dopessoal fitness“, menosprezando o direito de todos os brasileiros consumirem alimentos livres de contaminação por agrotóxicos.

tereza-cristina

A ministra da Agricultura, Tereza Cristina (DEM/MS), é uma das defensores da aceleração no processo de liberação de mais agrotóxicos para consumo pela agricultura brasileira.

O que me parece óbvio é que a contaminação por agrotóxicos já se tornou um grave problema de saúde coletiva no Brasil, já que está demonstrado que estamos ingerindo resíduos de diversas substâncias não apenas em alimentos, mas também na água que chega nas nossas torneiras. E, pior, a contaminação por fontes diferentes acaba repetindo os agrotóxicos envolvidos, o que aumenta a dose ingerida por cada um de nós, sem que haja conhecimento disso.  Isso equivale a um processo de envenenamento silencioso, e que pode estar causando a disseminação de diversas doenças graves a partir de um processo crônico de contaminação que acaba sendo de difícil associação entre causa (agrotóxico) e efeito (doença).

VENENO

Apesar do chamado “PL do Veneno” não ter sido aprovado, o governo Bolsonaro o está aplicando na prática, e 166 novos agrotóxicos foram liberados apenas nos primeiros quatro meses de 2019.

Por isso tudo, não tenho a menor dúvida de que há que se pressionar a ANVISA para que volte a produzir os relatórios do Para, de modo a se ter um mínimo de transparência sobre o processo de contaminação da comida que chega na mesa dos brasileiros.