O Brasil já perdeu investidores por causa da Amazônia. Vai perder ainda mais

Brazil's President Jair Bolsonaro, Environment Minister Ricardo Salles and Vice President Hamilton Mourao attend a swearing-in ceremony for the country's new army commander in BrasiliaO êxito de Jair Bolsonaro e Ricardo Salles no retrocesso ambiental na Amazônia já custa caro ao Brasil. Vai custar ainda mais em 2020

O comentarista da GloboNews João Borges publicou uma nota em seu blog no portal G1 dizendo que o Brasil  “já paga o preço pelas queimadas na Amazônia e, de forma geral, pela política ambiental do governo Bolsonaro“. Borges acrescentou ainda que “gestores de grandes fundos de investimentos europeus informaram a autoridades brasileiras que seus cotistas não querem mais ter dinheiro aplicado aqui. Alguns não vão mais aplicar. Outros sinalizam que podem retirar o que já investiram“.

Imagem relacionadaJair Bolsonaro se gabou pelo aumento das queimadas na Amazônia. Investidores estrangeiros não acharam graça

Pois bem, eu particularmente acho que João Borges foi até comedido na forma com que divulgou a informação de que o Brasil, sob Jair Bolsonaro e seus ministros terraplanistas e céticos das mudanças ambientais, já é visto e tratado como uma pária ambiental até pelos grandes operadores do mercado financeiro global.

Esse é o preço do retrocesso na governança ambiental e no desmanche dos mecanismos de comando e controle que existiam para diminuir a sanha destruidora  de diferentes pilhadores dos ecossistemas amazônicos, cuja proteção interessa a todos os que se preocupam com as mudanças climáticas que o ministro das Relações Exteriores, Ernesto Araújo, é um negacionista contumaz.

O problema é que fora do Brasil há pouca ou nenhuma paciência com a visão de “economia de fronteira” que Jair Bolsonaro almeja impor na Amazônia para atender interesses muitas vezes paroquiais de seus apoiadores “raiz” que estão na cabeça de ponte da pilhagem, a começar por garimpeiros e madeireiros ilegais que estão hoje causando uma ampla devastação em áreas proteção ambiental e terras indígenas.

Como já tenho escrito aqui, em que pesem a natureza intrínseca do Capitalismo de buscar incessantemente novas fronteiras de extração de recursos, as forças mais modernas do sistema querem que a apropriação se dê dentro de marcos que favoreçam os altos investimentos feitos em tecnologia extrativa, em vez de se favorecer aquelas formas mais antiquadas e ultrapassadas como as que parece favorecer Jair Bolsonaro.

Como as previsões para as taxas de desmatamento e números de queimadas são de alta para 2020 em função da inércia do governo Bolsonaro para brecar os piores elementos de sua pauta antiambiental, o mais provável é que tenhamos mais fuga de investidores, o que aumentará as dificuldades cambiais do Brasil. Com isso, teremos ainda um provável aumento na carestia dentro país, o que, por sua vez, aumentará a débâcle econômica do Brasil, que já não é pequena, diga-se de passagem.

Um elemento adicional neste cenário é que cedo ou tarde vão aparecer os números mais completos da degradação florestal na Amazônia, o que aumentará o grau de alarme em torno do destino do maior estoque de florestas tropicais do planeta. Com isso, as pressões sobre o presidente Jair Bolsonaro deverão aumentar ainda mais e, com isso, a crise política que a visão terraplanista de governar que ele representa.

Em resposta previsível, Leonardo DiCaprio reforça compromisso com a Amazônia e ignora Bolsonaro

leonardo-rainforest-fb

Não durou muito o momento de glória infame que o presidente Jair Bolsonaro obteve às custas da notoriedade do ator Leonardo DiCaprio. É que Leonardo DiCaprio usou a sua página da rede social Instagram para dar a previsível resposta à acusação sem evidências de que ajudou a incendiar a Amazônia ao apoiar organizações não-governamentais que, curiosamente, são vistas como inimigas pelo “bolsonarismo” por defenderam a natureza (ver imagem abaixo).

di caprio reply

Sem sequer citar o nome de Jair Bolsonaro, Leonardo DiCaprio afirmou que “neste momento de crise para a Amazônia, apoio o povo do Brasil que trabalha para salvar seu patrimônio natural e cultural. Eles são um exemplo incrível, comovente e de grande humildade do compromisso e paixão necessários para salvar o meio ambiente. O futuro desses ecossistemas insubstituíveis está em jogo e tenho orgulho de apoiar os grupos que os protegem. Embora dignos de apoio, não financiamos as organizações visadas. Continuo comprometido em apoiar as comunidades indígenas brasileiras, governos locais, cientistas, educadores e público em geral que estão trabalhando incansavelmente para garantir a Amazônia para o futuro de todos os brasileiros.

A mensagem de DiCaprio é clara: apoia os que lutam em prol da preservação natural e cultural da Amazônia, e os que fazem essa luta acontecer no chão. Além disso, DiCaprio também nomina com quem está comprometido: as comunidades indígenas brasileiras, governos locais, cientistas, educadores. Além disso, ele aponta para o fato que a proteção da Amazônia é essencial para garantir o futuro de todos os brasileiros.

Como já escrevi, essa tentativa do presidente Jair Bolsonaro de jogar nas costas de Leonardo DiCaprio a culpa de seu próprio êxito na aceleração da hecatombe ambiental em desenvolvimento na Amazônia vai trazer consequências desastrosas para a imagem internacional do Brasil. 

A questão é que se no Brasil as ideias ambientalmente regressivas de Jair Bolsonaro e seus ministros terraplanistas  e céticos das mudanças climáticas estão passando sem a devida checagem do sistema política e da maioria dos veículos da mídia corporativa, a coisa não é bem assim no exterior. Assim, atacar Leonardo DiCaprio pode até render alguns pontos entre a malta de apoiadores do presidente do Brasil, mas nada comparado à antipropaganda que isto representa em muitas partes do mundo.

Duas coisas certas para 2020: mais fogo e desmatamento na Amazônia e menos carne na mesa do brasileiro

boi fogo

Apesar de não ser astrólogo nem pai de santo, já me arrisco a fazer duas previsões para o ano de 2020: teremos mais fogo e desmatamento na Amazônia e menos carne na mesa dos trabalhadores brasileiros.  Esse é um paradoxo que decorre da crescente dependência da economia brasileira da exportação de commodities agrícolas, a começar pelas carnes bovina e de frango.

O fato é que dentre os diversos fatores que impulsionam o avanço do desmatamento é ampliar a gigantesca área de pastagens na Amazônia, coisa que equivale atualmente a cinco vezes o território continental de Portugal. Como o latifúndio agro-exportador tem pouca ou nenhuma disposição de investir na manutenção de pastos, a derrubada de florestas é quase que uma decorrência inercial da dependência aumentada da participação da exportação de carnes.

Resultado de imagem para amazonia desmatamento pecuária

Entretanto, apesar de se esperar mais animais dentro de áreas maiores de pasto, isto não vai se traduzir em nenhum alívio para os brasileiros que desejarem comer carne, seja bovina ou de frango. É que, por um lado, o governo Bolsonaro vem desinvestindo na agricultura familiar cuja produção está mais voltada para o mercado nacional e, por outra, não está nada disposto a colocar salvaguardas para garantir o abastecimento do mercado interno.

É por isso que em 2020 mais florestas serão consumidas por queimadas monumentais, enquanto o brasileiro vai ter que se contentar com uma dieta mais vegetariana. E viva o neoliberalismo do trio Jair Bolsonaro/Paulo Guedes/ Tereza Cristina que dificilmente terão de viver as mesmas agruras que a maioria da população brasileira viverá.

Atacar Leonardo DiCaprio foi mais um tiro pela culatra de Jair Bolsonaro

Leonardo-DiCaprio-GettyImages-1163710136Ao associar Leonardo DiCaprio aos fogos que devastaram partes da Amazônia, Jair Bolsonaro pode ter cometido um erro custoso à combalida economia brasileira

Não sei de quem foi a péssima ideia de associar o ator Leonardo DiCaprio aos incêndios que consumiram a floresta amazônica ao longo de 2019. Mas independente de quem teve a ideia, o rosto e a voz que apareceram dando maior ressonância a essa besteira foi a do presidente Jair Bolsonaro. Esse é mais um tiro pela culatra do governo Bolsonaro que deverá causar ainda mais prejuízo ao Brasil em 2020.

O fato que parece ter passado despercebido a quem idealizou o desastre ataque a Leonardo DiCaprio, além de astro de Hollywood, é que ele se tornou um personagem de alto impacto em questões relacionadas à formulação de políticas de investimento porque já ultrapassou faz muito tempo o status nada desprezível de ator bilionário.

Para quem não sabe,  ainda em 1998, pouco depois do sucesso de Titanic,  DiCaprio criou a The Leonardo DiCaprio Foundation, instituição dedicada a proteger o bem-estar de todos os habitantes da Terra, incluindo um projeto de proteção à regiões ecológicas ao redor do mundo. Além disso,  DiCaprio se envolveu com outros grupos como o Natural Resources Defense Council,  organização não governamental  que existe desde a década de 1970; a Global Green USA, que faz parte da Cruz Verde Internacional; a International Fund for Animal Welfare, e o Fundo Internacional para o Bem-Estar Animal.

Em outras palavras, mexer com Leonardo DiCaprio e acusá-lo de ser, pelo menos, parcialmente responsável pelos incêndios devastadores que consumiram a Amazônia em 2019 é, no minimo, uma besteira tremenda. É que atacando DiCaprio, a chance maior é de que o ator saia ainda mais fortalecido, até em função de quem e do porquê dele estar sendo atacado.

Obviamente a imensa maioria dos grandes veículos da mídia de língua inglesa já deu amplo destaque ao ataque cometido contra DiCaprio, sendo que a maioria das reportagens tem enfatizado que esse é um ataque despropositado e sem que se tenha oferecida qualquer evidência que permitisse corroborar tamanho despautério.  Abaixo posto um vídeo com 10 das centenas de matérias que foram publicadas ao longo desta 6a. feira (29/11).

Este slideshow necessita de JavaScript.

A verdade é que o estrago causado pela tentativa de jogar nas costas de Leonardo DiCaprio a culpa pelos incêndios devastadores que ocorreram na Amazônia em 2019 só vai aparecer ao longo do próximo ano, já que este está literalmente chegando ao seu fim inglório.

A  minha hipótese é que o principal estrago virá de uma de debandada ainda maior de investidores, especialmente daquele grupo que vem se notabilizando por evitar investimentos em atividades degradadoras do meio ambiente e coloquem em risco a existência de povos tradicionais, os chamados socially conscious investors“, ou “investidores com consciência social”. 

E não esqueçamos que a resposta que DiCaprio der a esse ataque sem base real poderá aumentar ainda mais o estrago já causado na imagem brasileira no exterior. A ver!

 

 

Em entrevista “bola levantada” no UOL, Ricardo Salles dissemina falácias e delírios sobre a catástrofe ambiental que construiu

amazonia acordo de parisEnquanto a Amazônia arde em chamas, Ricardo Salles distribui falácias e declarações delirantes

O ministro (ou seria anti-ministro) do Meio Ambiente, o improbo Ricardo Salles, deu mais uma daquelas entrevistas de “bola levantada” que a mídia corporativa brasileira se acostumou a realizar ao longo do 2019 para dar tinturas democráticas aos desatinos do governo Bolsonaro.  Na entrevista assinada pelos jornalistas Luciana Amaral e Gustavo e publicada pelo site UOL, Salles ofereceu uma série de declarações falaciosas que, por causa da natureza “bola levantada” da entrevista, passaram sem a devida cobrança.

salles 10 bilhões

Ao meu ver, a principal falácia que passou batida foi a afirmação de  que o “Brasil é modelo para o mundo de conservação ambiental, pois “somos o país que tem 60% da nossa vegetação nativa mantida, e “temos 80% da Amazônia mantida“. 

Vindo do mentor do desmanche da governança ambiental que existia até janeiro de 2019, a afirmação que somos modelo de conservação não é apenas cínica, mas dotada de elementos de negação da realidade.  Como Ricardo Salles é um dos muitos negacionistas das mudanças climáticas, sua predisposição para negar a verdade não chega a ser novidade. O problema é que deixá-lo ministro enquanto avança o desmatamento da Amazônia permite que todos os saqueadores ilegais dos biomas amazônicos sigam agindo com ampla liberdade. 

fire degradationIncêndios florestais são uma importante fonte de degradação das  matas nativas da Amazônia brasileira

Outra falácia contida dentro da falácia é de que temos 80 da Amazônia mantida. Como já divulguei aqui, em artigo publicado em 2013 pelo International Journal of Remote Sensing, eu e outros pesquisadores que estudam as mudanças na cobertura vegetal da Amazônia demonstramos que uma parte semelhante à desmatada se encontrava sob diferentes níveis de degradação por causa da extração ilegal de madeira e incêndios florestais. Passados quase seis anos daquela publicação, e graças ao êxito das ações para desmanchar a governança ambiental brasileira, já posso adiantar que quando forem divulgados os números da degradação total dos biomas amazônicos, haverá outro choque de realidade, a qual abalará ainda mais a versão falaciosa que Ricardo Salles tenta impor nas entrevistas “bola levantada” que se dispõe a oferecer.

Uma declaração que beira o delírio é de que os países ricos precisam entregar US$ 10 bilhões anualmente pelo cumprimento dos termos pelos quais o Brasil aderiu ao Acordo de Paris. Vindo da pessoa que trabalhou exitosamente para enterrar o Fundo Amazônia, tal declaração já beiraria o ridículo completo. Entretanto, ao aprofundar a aposta na afronta à realidade dos dados científicos, o que Ricardo Salles termina por fazer é exponencializar o desgaste da credibilidade brasileira em fóruns multilaterais que cuidam das mudanças climáticas. E se alguém pensar que isso seria bom para a economia brasileira, pense de novo. É que uma das consequências mais objetivas do desgaste político que o Brasil já sofre será o fechado de mercados para as commodities brasileiras.  Quem pensar que a China vai absorver tudo o que, por exemplo, a União Europeia deixar de comprar, está completamente equivocado.

O mais provável é que com o avanço do desmatamento e da degradação das florestas amazônicas, as medidas que estão sendo postergadas acabem sendo implementadas. E certamente entre elas não estará a entrega de bilhões de dólares para um governo que claramente despreza o valor da conservação ambiental não apenas para o Brasil, mas para todo o planeta.

Quanto a Ricardo Salles, ele certamente vai tentar ficar no cargo fazendo o que sabe fazer melhor: distribuir falácias em entrevistas “bola levantada”, enquanto age para sucatear órgãos ambientais e desmanchar tudo o que puder do que ainda resta da governança ambiental brasileira.

Paradoxos do neoliberalismo brasileiro: Amazônia virando pasto e o povo sem dinheiro para comer carne

QUE1 QUERÊNCIA 29/01/2008  VIDA & DESMATAMENTO QUERÊNCIA MATO GROSSO  . FOTO: JF DIORIO/AEParadoxo neoliberal brasileiro: pastagens e bois avançam na Amazônia, mas o povo brasileiro não tem dinheiro para comprar carne

A maioria de nós normalmente para pensar sobre o tamanho do rebanho bovino no Brasil e de seus variados impactos sobre o meio ambiente. Segundo dados do IBGE, o nosso país possui hoje um rebanho bovino de algo em torno de 213,5 milhões de animais, o que representa dizer que temos mais bois do que seres humanos vivendo no território brasileiro. Além disso, quando levado em consideração as estimativas globais, o Brasil possui 2 em cada 10 bovinos vivendo na Terra neste momento.  Em função disso, o Brasil é atualmente o maior exportador mundial de carne bovina, algo que normalmente é apresentado como um feito da pecuária nacional.

Agora, após o país ter experimentado o melhor mês em termos de exportações de carne da história com a venda de 185.537  toneladas ao valor de US$ 808,4 milhões,  o governo Bolsonaro, por meio da ministra da Agricultura, Tereza Cristina, acena com a possibilidade do Brasil importar carne para “equilibrar” os preços no mercado nacional.  O fato é que o mesmo país que mais exporta carne no planeta, agora não tem como oferecer esse produto a preços que a maioria da sua população possa almejar ter em suas refeições diárias.

Essa situação é aparentemente paradoxal, mas se explica pela completa dependência do Brasil na geração de moedas fortes para não ter uma balança comercial ancorada no vermelho.  Em função disso, com a demanda aquecida na China pela peste suína africana que obrigou o sacrifício de milhões de animais, agora o brasileiro médio tem que conviver com preços que são caros demais até para aquelas carnes menos nobres. E isso está visível em qualquer supermercado ou açougue.  Enquanto isso, a China representa quase 40% das exportações brasileiras de carne bovina, algo que aparentemente não mudará até que os estoques do rebanho suíno sejam restabelecidos.

Mas para os membros do governo Bolsonaro, cujas ações estão rebaixando salários e exterminando políticas sociais que beneficiavam os segmentos da população brasileira que antes não comiam carne e agora voltarão a não mais comer, isto tudo faz parte da normalidade neoliberal que dita que come quem pode comprar.   E a única coisa que a ministra Tereza Cristina parece querer propor é a importação de carne sabe-se lá de onde.

Mais pitoresca é a posição da mídia corporativa, capitaneada pelas Organizações Globo, que ocultam o paradoxo e celebram a repentina alta na venda de ovos no Brasil.  O problema aqui é não há como se comer tantos ovos sem que os mesmos tenham seus preços elevados, também pela simples regra de come quem pode pagar. Em outras palavras, vai comer ovo quem puder.

Agora, o real paradoxo dessa história toda é que na Amazônia todo o suporte governamental à expansão da pecuária bovina resultou na destruição de 500.000 km² de florestas para a implantação de pastagens, algo que representa cinco vezes o tamanho de Portugal.  Agora, em que pese o avanço da franja de desmatamento para regiões mais interiores da Amazônia justamente para ampliar ainda mais o alcance da pecuária bovina, vivemos um momento em que o brasileiro não pode comer carne por causa dos preços impagáveis que estão sendo aplicados.

Aliás, não me surpreenderei se mais florestas amazônicas forem destruídas sob a alegação de ampliar a oferta barata de carne dentro do Brasil, e com o apoio entusiasmado do ministro (ou seria anti-ministro?) do Meio Ambiente, Ricardo Salles. É que do governo Bolsonaro só podemos esperar fórmulas de recorte neoliberal que ampliam os paradoxos existentes. 

 

 

A previsão sombria de Philip Fearnside para a Amazônia em 2020

PHILIP FEARNSIDEEm entrevista à revista Science, o pesquisador do Inpa, Philip Fearnside, fez previsões sombrias para a Amazônia em 2020. 

O pesquisador de origem estadunidense Philip Fearnside trabalha no Instituto Nacional de Pesquisas da Amazônia (Inpa) desde 1978 e ao longo de mais de quatro décadas de pesquisa contribuiu para um amplo e compreensivo entendimento das causas das mudanças do uso da terra e da cobertura vegetal nos biomas amazônicos. Dentre de sua formidável carreira acadêmica, Fearnside publicou quase 400 artigos científicos que demonstram seu conhecimento capilarizado sobre os processos e atores que estão transformando a maior floresta tropical no mundo numa mistura de pastagens, monoculturas para exportação e terras abandonadas por incapacidade de sustentarem sequer gramíneas.

Em uma entrevista realizada pelo jornalista Herton Escobar publicada no dia 22 de Novembro pela revista Science, do alto de sua posição de grande autoridade científica, Philip Fearnside nos informa que o ano de 2020 será um ano ainda pior para os biomas amazônicos, pois ele estima que os níveis de desmatamento se sobressairão aos desastrosos números acumulados para o primeiro ano de vigência do desmanche ambiental prometida em campanha eleitoral e realizado pelo presidente Jair Bolsonaro.

Segundo Fearnside, as perspectivas para 2020 são sombrios já que os dados do PRODES para o próximo ano incluirão o desmatamento ocorrido desde agosto, que agora totaliza pelo menos 3929 km2, com base no sistema de monitoramento DETER.  Fearnside relacionou esse padrão de avanço do desmatamento ao fato de “que nada mudou no discurso da administração presidencial e o desmantelamento das instituições ambientais do país continua“. Além disso, Fearnside afirmou que as “várias estradas, barragens e outros projetos planejados na Amazônia levarão a mais desmatamentos“.

As previsões de Fearnside talvez tivessem ainda mais sombrio se, no momento da entrevista, ele soubesse do plano mirabolante do presidente Jair Bolsonaro de autorizar a exportação de toras madeiras retiradas da Amazônia. Essa predisposição de Bolsonaro é particularmente alarmante porque facilitará a comercialização de madeira extraída ilegalmente, especialmente em áreas de proteção ambiental e reservas indígenas.  Um detalhe nessa questão é que poucos países do mundo irão aceitar esse tipo de commodity dadas as fortes regulações existentes. O problema é que determinados países, um bom exemplo é a China se tornem grandes consumidores de madeira amazônica  “in natura“, pois possuem demanda aquecida em meio a padrões ambientais mais frouxos.

madeira ilegalMadeira apreendida pela Força-Tarefa Amazônia em operação feita em Ajuricaba (AM) Imagem: Divulgação 

Outro aspecto que Fearnside não teve oportunidade de apreciar é o fato de que a expansão privilegiada da fronteira do desmatamento são aquelas áreas onde processos de degradação como extração ilegal de madeira e incêndios florestais já “prepararam” grandes áreas para formas rápidas e mais baratas do corte raso da vegetação. E como a quantidade de áreas degradadas estão avançando tão rapidamente quanto as desmatadas, essa combinação poderá trazer números ainda mais expressivos de perda da floresta nativa na Amazônia.

O interessante é que o alarme soado por Fearnside está caindo em ouvidos mocos na mídia corporativa nacional.  Essa disposição de ignorar o alarme possivelmente se explica pelo alinhamento dos proprietários dos grandes veículos da mídia ao projeto de recolonização que o governo Bolsonaro está tentando impor ao Brasil.  Assim, ainda que existam notáveis exceções, a posição em relação ao desastre que está se desenvolvendo na Amazônia é de uma postura cúmplice de ignorar alarmes e manter a desinformação que está permitindo ao governo Bolsonaro desmantelar rapidamente os comandos de comando e controle que existiam até janeiro de 2019 e sepultar, sem direito a velório, as estruturas de governança ambiental estruturadas a partir da Conferência de Estocolmo de 1972.