BBC faz sobrevoo e mostra escala das destruição da Amazônia brasileira por queimadas

queimadas

A rede BBC publicou ontem uma matéria sobre o aumento explosivo das queimadas na Amazônia brasileira que deverão ocorrer em número recorde em 2020.  A rede inglesa mostrou, usando dados do Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais (Inpe) que ao longo do mês de julho, o número de queimadas na Amazônia atingiu o estratosférico número de 6.803 focos de incêndio, o que representou um aumento de 28% em relação ao ocorrido em 2019.

bbc amazonia

Como os principais meses para a realização de queimadas ainda estão por vir, o mais provável é que outros recordes irão ser batidos em termos de queimadas e de desmatamento, em uma clara demonstração de que a política do “passa boiada” do governo federal, encabeçada pelo improbo Ricardo Salles, está funcionando muito bem para a alegria de aliados paroquiais do presidente Jair Bolsonaro.

O problema é que o sucesso interno já suscitou uma série de reações negativas no plano externo, incluindo os anúncios do megafundo de investimentos Nordea e a da gigante chinesa  Cofco International Ltd que estão cobrando uma mudança de rumo no controle do desmatamento e já anunciaram uma série de medidas que deverão atingir em cheio a combalida economia brasileira.

Essas reações deverão ser aumentadas quando imagens como as mostradas no vídeo abaixo, incluída na matéria da BBC, atingir não apenas os segmentos compostos por ecologistas e ambientalistas, mas também os acionistas de grandes fundos de investimento que estão, como o Nordea, cobrando uma ação mais diligente do governo Bolsonaro para conter a destruição em curso na Amazônia.

Eu fico me perguntando porque foi preciso que o correspondente de uma rede estrangeira fazer um sobrevoo no norte de Rondônia para mostrar o que está em curso na Amazônia neste momento. A única razão para essa omissão de informar a população brasileira se deve ao fato de que os donos da mídia brasileira são fiadores da política de destruição ambiental comandada por Ricardo Salles e Jair Bolsonaro.

Nunca é demais avisar que a consolidação da imagem de pária ambiental do Brasil será desastrosa. Mas parece que isso não sensibiliza o presidente Jair Bolsonaro ou quem quer que seja dentro do seu governo. O que parece existir é uma aposta arriscada de que a dependência global das commodities brasileiras irá fazer com que os discursos de preocupação na passe de discurso de fachada.  Os dados dessa aposta estão rodando na mesa. Resta-nos esperar para ver se quem pressiona o Brasil para mudar o seu rumo está apenas blefando.

Amazônia registra recordes de focos de calor em julho

Com falta de fiscalização e inteligência no combate aos danos ambientais, queimadas em Terras Indígenas registraram aumento de 76%

unnamed (6)Imagem de satélite do estado do MT mostrando queimada ocorrendo no dia 30 de julho

Manaus, 01 de agosto de 2020 – No dia 30 de julho, a Amazônia registrou mais um triste recorde: 1.007 focos de calor em um único dia. Esse é o número mais alto registrado no mês de julho desde 2005. Neste mesmo dia, no ano passado, foram 406 focos. Agora, dados consolidados de julho mostram um aumento expressivo nos focos de calor.

“O fato de ter mais de mil focos de calor em um único dia, recorde dos últimos 15 anos para o mês de julho, mostra que a estratégia do governo de fazer operações midiáticas não é eficaz no chão da floresta. Somente em julho, foram registrados 6.804 focos de calor na Amazônia, um aumento de 21,8% quando comparado ao mesmo mês do ano passado. A moratória, que proíbe no papel as queimadas, não funciona se não houver também uma resposta no campo, com mais fiscalizações. Afinal, criminoso não é conhecido por seguir leis. Assim como a GLO aplicada sem estratégia e sem conhecimento de como se combate as queimadas, também não traz os resultados que a Amazônia precisa”, comenta Rômulo Batista, porta-voz da campanha de Amazônia do Greenpeace.

Um levantamento feito pelo Greenpeace Brasil aponta que dos focos de calor registrados em julho, 539 foram dentro de Terras Indígenas, um aumento de 76,72% em relação ao ano passado, quando foram mapeados 305 focos. Além disso, 1.018 atingiram Unidades de Conservação, um aumento de 49,92% em relação ao mesmo período do ano passado.

Deforestation and Fire Monitoring in the Amazon in July, 2020
Monitoramento de Desmatamento e Queimadas na Amazônia em Julho de 2020

Hotspot próximo a uma área desmatada registrada pelo Prodes (Projeto Brasileiro de Monitoramento de Satélites na Amazônia), em Nova Maringá, Mato Grosso.

“O desmatamento precisa ser combatido durante todo o ano, principalmente considerando que as queimadas na Amazônia não são resultado de um fenômeno natural, mas da ação humana. O fogo é uma das principais ferramentas utilizadas para o desmatamento, especialmente por grileiros e agricultores, que o usam para limpar áreas para uso agropecuária ou especulação. A prática se tornou ainda mais comum com a falta de fiscalização e o desmantelamento dos órgãos ambientais. Estamos observando uma tendência de alta nas queimadas neste ano. Além da ameaça do coronavírus, com a temporada de fogo, os povos indígenas estarão ainda mais vulneráveis, pois a fumaça e a fuligem das queimadas prejudicam ainda mais sua saúde”, completa Rômulo.

Acesse imagens de queimadas da Amazônia em 2020 aqui

Assessoria de imprensa do Greenpeace Brasil:

Rebecca Cesar, (11) 95640-0443, rebecca.cesar@greenpeace.org

Gigante chinesa vai rastrear origem da soja para evitar compras em áreas desmatadas na Amazônia e no Cerrado

Cofco International da China verificará compras agrícolas do Brasil por danos ambientais

cofco-1000x642

 

A Cofco International Ltd., braço de comércio global da maior empresa de alimentos da China, prometeu rastreabilidade total de toda a soja que compra diretamente de agricultores no Brasil até 2023.

A promessa, incluída em seu último relatório anual de sustentabilidade, visa reduzir os danos ambientais e seria a primeira vez para um grande comerciante de colheitas. O compromisso forçaria a Cofco International Ltd. a rastrear toda a soja que compra no Brasil para fazendas e locais específicos que não são de terras desmatadas, segundo o relatório.

“Tornamos público nosso compromisso de rastreabilidade porque estamos preparados e queremos ser responsabilizados por ele”, disse Wei Peng, chefe global de sustentabilidade da Cofco International, em comunicado.

A empresa promete rastrear mais de 50% de suas compras de soja no Brasil em 2020, segundo Peng. A Cofco estimou anteriormente que manipulará entre 6,7 milhões e 7 milhões de toneladas de soja no país na temporada 2020-21, que começou em fevereiro.

A rastreabilidade total, que a Cofco disse que seria verificada por terceiros, deve ajudar a desacelerar o desmatamento que devastou algumas partes do Brasil, incluindo o bioma Cerrado.

georating-deforestation-score-2-scfUm dos 11 mapas de classificação geográfica do Cerrado Brasil: desmatamento em 2016/2017 (PRODES), metodologia Agrotools

Os comerciantes agrícolas globais foram criticados por seu papel na crise ambiental do Brasil, que se espalhou da floresta amazônica para os campos de savanas do Cerrado, que cobrem mais de 20% do país e representam mais da metade de suas colheitas de soja.

O objetivo da Cofco de rastreabilidade total identificaria as origens exatas de onde a soja veio e sua história com documentação de apoio que garantiria que não fosse de terras agrícolas recentemente convertidas em vegetação natural.

O mapeamento tem métodos e objetivos diferentes em relação à rastreabilidade, ressaltando as diferentes abordagens que os comerciantes estão adotando para resolver o problema, de acordo com a Bloomberg.

A rival da Cofco, Louis Dreyfus Co., disse em seu relatório anual de sustentabilidade esta semana que conseguiu rastrear cerca de 30% de suas compras diretas de soja no Brasil em 2019 e se comprometeu com a rastreabilidade de 50% em 2020.

A Cargill Inc., maior trader agrícola, disse nesta semana que mapeou 100% de sua base de fornecimento de soja no Brasil, o que significa que possui uma localização geográfica para as fazendas que comprou e para os intermediários que comprou soja como plantas de britagem e terminais de exportação.

fecho

Este texto foi escrito originalmente em inglês e publicado no site da CLBrief [Aqui!].

Nordea retira investimentos e cessa relações com a JBS por causa da falta de compromisso ambiental

Investidores descartam gigante de carne brasileira JBS

Principal casa de investimento exclui maior produtor mundial de carne por falta de compromisso com questões de sustentabilidade

 

guardian 1Os investidores estão cada vez mais preocupados com a sustentabilidade. Foto: Ricardo Moraes / Reuters

Por Dom Phillips no Rio de Janeiro, para o “The Guardian”

O braço de investimentos do maior grupo de serviços financeiros do norte da Europa retirou a JBS, a maior processadora de carne do mundo , de seu portfólio. A empresa brasileira agora está excluída dos ativos vendidos pela Nordea Asset Management, que controla um fundo de €230 bilhões, de acordo com Eric Pedersen, seu chefe de investimentos responsáveis.

A decisão foi tomada há cerca de um mês, sobre os vínculos do gigante da carne com fazendas envolvidas no desmatamento da Amazônia, sua resposta ao surto de COVID-19, escândalos de corrupção anteriores e frustrações pelo envolvimento com a empresa em tais questões. “A exclusão da JBS é bastante dramática para nós, porque é de todos os nossos fundos, e não apenas daqueles rotulados como ESG”, disse Pedersen.

o termo ESG representa os padrões “ambientais, sociais e governamentais ” usados ​​para avaliar a sustentabilidade e o impacto social de uma empresa para os investidores. Um terço dos investimentos da Nordea Asset Management são classificados como ESG, disse Pedersen. A Nordea foi uma das 29 instituições financeiras internacionais que administravam US $ 3,7 trilhões em fundos que alertaram o governo brasileiro no mês passado sobre o aumento do desmatamento. No ano passado, a Nordea suspendeu a compra de títulos do governo brasileiro após a crise na Amazônia.

Somente no ano passado, cinco reportagens do The Guardian, do Bureau of Investigative Journalism, da agência brasileira Réporter Brasil, do Greenpeace e da Anistia Internacional, vincularam a JBS ao gado fornecido pelas fazendas da Amazônia envolvidas no desmatamento.

Embora a empresa tenha avançado no controle de seus “fornecedores diretos” – as fazendas das quais seus matadouros obtêm gado -, é incapaz de controlar seus “fornecedores indiretos”. São fazendas de criação ou criação de gado que vendem para fazendas que, por sua vez, abastecem matadouros da JBS. Em alguns casos, as “fazendas limpas” têm links para “fazendas sujas” – ou são administradas pelas mesmas pessoas, como no caso mais recente revelado na segunda-feira.

A JBS e os outros produtores de carne em larga escala do Brasil, Minerva e Marfrig, estão sujeitos a controvérsias sobre o suprimento de gado na Amazônia há mais de uma década.

Em 2009, após um relatório devastador do Greenpeace , JBS, Marfrig, Minerva e outras empresas se comprometeram a parar de comprar de qualquer fornecedor direto envolvido no desmatamento. Em dois anos, eles prometeram verificar se seus fornecedores indiretos também não estavam envolvidos no desmatamento – mas essa promessa ainda não foi cumprida. No mesmo ano, a JBS, Minerva e Marfrig assinaram acordos semelhantes com os promotores federais .

Em 2017, a JBS foi multada em US $ 7,7 milhões pela agência governamental ambiental Ibama por comprar mais de 49.000 bovinos de áreas desmatadas ilegalmente no estado do Pará, na Amazônia – algumas de fornecedores indiretos. Como resultado, o Greenpeace desistiu do acordo, mas o acordo com os promotores federais ainda permanece. Em julho de 2019, uma investigação publicada pelo The Guardian, pelo Bureau of Investigative Journalism e pela Reporter Brasil constatou que os matadouros da JBS no mesmo estado compraram gado de fazendas pertencentes à AgroSB Agropecuária SA, uma poderosa empresa de pecuária.

Essas fazendas tinham sido abastecidas com gado de outra fazenda pertencente à mesma empresa – uma fazenda com uma longa história de multas e embargos de terra para desmatamento. A AgroSB disse que o desmatamento ocorreu antes de comprar a terra em 2008. A JBS disse que não comprou gado de terras desmatadas ilegalmente ou embargadas contra uso para pecuária e que sua própria auditoria independente de 2018 mostrou que mais de 99,9% de suas compras cumpriu os termos do acordo do Greenpeace. Não afirmou que sua auditoria independente reconheceu que a empresa não era capaz de auditar seus fornecedores indiretos. E no início deste ano uma investigação da Réporter Brasil publicada pelo The Guardian vinculou a empresa a um agricultor cuja fazenda, de acordo com imagens de satélite, havia desmatado extensivamente em 2015. Uma serraria que o agricultor possuía em outro local também possuía uma longa lista de multas. Recentemente, um tribunal retirou as acusações contra ele em outro caso envolvendo o massacre de nove homens.

4351Grandes frigoríficos brasileiros dizem que estão trabalhando para melhorar a transparência em suas cadeias de suprimentos. Foto: Joedson Alves / EPA

A JBS reiterou sua posição anterior de que não comprava gado de fazendas envolvidas em desmatamento, invasão de reservas indígenas, conflitos rurais ou conflitos de terra, e negou que o agricultor tivesse sido um fornecedor. A empresa disse que monitorou mais de 50.000 fazendas potenciais de fornecimento de gado todos os dias e bloqueou mais de 8.000 devido à não conformidade.

A JBS disse ao The Guardian: “A rastreabilidade total de nossa cadeia de suprimentos, incluindo soluções viáveis ​​para monitorar o suprimento indireto, continua sendo uma prioridade. Novas iniciativas foram propostas e estão sendo examinadas com as partes interessadas, além das políticas substanciais que já foram implementadas. ” Em 1º de julho, a JBS introduziu um novo “índice teórico” que usa a produtividade de uma fazenda para calcular se há suspeita de lavagem de gado e agora verifica as fazendas de fornecedores quanto a embargos do Ibama.  A JBS também disse que está trabalhando em uma versão “verde” dos registros de movimentação de gado com o Ministério da Agricultura do Brasil que mostraria o status ambiental das fazendas fornecedoras. A empresa disse que está discutindo o esquema com o ministério desde 2014.

A Marfrig repetiu suas declarações anteriores e disse estar “totalmente consciente dos desafios relacionados à cadeia de produção animal”, destacando seu mecanismo pelo qual os agricultores fornecem informações sobre seus fornecedores. Ele disse que 53% de seu gado amazônico veio de fornecedores indiretos. A Minerva disse que suas compras de gado na Amazônia eram “100% feitas em fazendas monitoradas”, mas que não era possível rastrear completamente os movimentos de gado na Amazônia sem acesso total aos dados do governo, o que não a empresa declarou não possuir.

Em junho deste ano, uma investigação do Greenpeace relatada pelo The Guardian constatou que a JBS, Marfrig e Minerva haviam comprado gado de uma fazenda que fornecia gado de outra fazenda dentro de uma reserva protegida no estado de Mato Grosso, em co-propriedade do mesmo proprietário – acusado de crimes ambientais. De acordo com um relatório do Observer de 2017 , a JBS havia dito que havia bloqueado as compras de fazendas dentro da reserva.

Neste mês, a Anistia Internacional, com a Repórter Brasil, revelou que o gado que era alimentado em pastos estabelecidos ilegalmente em áreas protegidas do estado da Amazônia de Rondônia havia entrado na cadeia de suprimentos da JBS.

A JBS diz que a empresa “está totalmente comprometida em alcançar uma cadeia de suprimentos de carne sem desmatamento e evitar fornecedores irregulares. Reconhecemos que a rastreabilidade indireta do fornecedor continua sendo um problema no nível do sistema no Brasil e estamos trabalhando com as partes interessadas do governo e da indústria para encontrar soluções viáveis. Instamos qualquer pessoa com evidência de negligência a denunciá-la às autoridades competentes. Também operamos uma linha direta de denúncias da empresa para qualquer funcionário entrar em contato se vir ou suspeitar de irregularidades. ”

Mas Pedersen disse que escândalos como esses, e a resposta da JBS a eles, influenciaram a decisão da Nordea de excluir a empresa de seu portfólio.

“Tivemos várias reuniões com eles no Brasil e atualizações regulares por telefone e vídeo e não ficamos impressionados com o nível de compromisso que poderíamos ver do lado deles”, disse ele. “Se não vemos progresso, temos que dar esse passo.”

A sustentabilidade é cada vez mais importante não apenas para investimentos em ESG, disse Pedersen, mas também para produtos padrão. “Também estamos trabalhando com a Minerva e, claro, com a Marfrig”, disse ele. “O bar continua subindo.”

A JBS disse ao Guardian que não comenta o diálogo com seus acionistas.

Em 23 de julho, a Marfrig lançou seu próprio plano ambicioso para monitorar todos os fornecedores indiretos na Amazônia até 2025 e na região de Cerrado no Brasil até 2030, usando chips em gado, monitoramento por satélite, blockchain e mapas de risco, bem como esquemas para ajudar os agricultores anteriormente envolvidos no desmatamento produz de forma sustentável.

“Faltam detalhes de quando será iniciado, qual é a meta por ano, qual sistema será usado”, disse Daniel Azeredo, o promotor federal envolvido nos acordos de 2009 com as empresas de carne, mas enfatizou: “É positivo plano.” Adriana Charoux, ativista florestal sênior do Greenpeace Brasil, disse que os prazos da empresa eram muito longos. “A Marfrig conhecia as raízes desse problema em 2009”, disse ela.

Minerva disse que em julho começou a testar o Visipec , uma ferramenta de rastreamento baseada em nuvem desenvolvida pela Universidade de Wisconsin e pela Federação Nacional da Vida Selvagem dos EUA. Ele disse que monitora mais de 9.000 fornecedores na Amazônia, mas disse que “atualmente não há dados e estatísticas acessíveis … para determinar o número de fornecedores indiretos no Brasil”.

fecho

Esta reportagem foi inicialmente escrita em inglês e publicada pelo jornal “The Guardian” [Aqui!].

Grupo de jornalistas investigativos revela ligações da JBS com desmatamento ilegal na Amazônia

Gigante brasileiro da carne transportou gado de fazenda desmatada na Amazônia

bji 7

Por Andrew Wasley Alexandra Heal e André Campos para

Gabinete de Jornalismo Investigativo

Em um dia ensolarado em julho de 2019, Alessandro Ale, motorista de caminhão, decidiu tirar algumas fotos enquanto dirigia em um comboio pelo extremo sul da floresta amazônica. Ele pegou o táxi do seu caminhão – estampado com o logotipo da JBS, a maior empresa de carnes do mundo – ao lado de uma placa chamada “Fazenda Estrela do Aripuanã”, antes de ele e os outros quatro motoristas partirem com sua carga de cerca de 250 bovinos. Ele gostou da jornada. “Trabalhar com bons colegas é sempre um passeio alegre”, ele legendou a foto no Facebook.

Mas a foto de Ale, posteriormente descoberta pelo Repórter Brasil e pelo The Bureau of Investigative Journalism, aumenta as preocupações sobre a culpabilidade da indústria mundial de carne bovina pelos incêndios que assolam a Amazônia a cada ano. Em junho, houve incêndios recordes na Amazônia, atingidos pelo desmatamento ilegal, já que os proprietários de fazendas buscam mais terras para se transformar em pastagens.

A JBS, que fornece gado da Amazônia para seu enorme mercado global de carne bovina, tem receita anual de US$ 50 bilhões e abate quase 35.000 bovinos por dia somente no Brasil. Suas exportações de carne bovina para a Europa continental aumentaram em um quinto nos últimos anos, apesar da emergência na Amazônia.

À medida que os protestos contra os incêndios na Amazônia aumentaram, a JBS disse repetidamente que está fazendo tudo o que pode para garantir que sua cadeia de suprimentos não inclua gado criado em terras desmatadas ilegalmente. Mas sempre acrescentou que só pode monitorar fazendas que o fornecem diretamente. Isso evita o acerto de contas com o grande número de fazendas, que apenas criam vacas “magras” que são vendidas para fazendas de engorda; Segundo a JBS, esses bovinos magros não são rastreáveis.

bji6Uma foto que Ale postou no Facebook de seu caminhão estacionado ao lado da placa Estrela da Aripuanã. Facebook

Até agora, essa garantia se mostrou boa o suficiente para os grandes varejistas e fabricantes de alimentos do mundo e os investidores da JBS – mas enfrenta um desafio significativo à luz da fotografia de Ale. O dono da Fazenda Estrela do Aripuanã, a fazenda onde Ale disse que pegou o gado magro, foi multado em R$ 2,2 milhões (£ 340.000) por destruir uma faixa da floresta amazônica em terra naquele rancho. E o gado que Ale levou embora, em um caminhão com o logotipo da JBS, foi para outra fazenda da empresa – aquela que abastece diretamente a JBS.

As revelações levantam sérias questões que exigem uma investigação mais urgente para a JBS, seus investidores e as empresas globais que compram carne bovina por sua responsabilidade de contribuir para a destruição da floresta amazônica, os “pulmões do planeta”.

Reagindo às conclusões, Zac Goldsmith, ministro internacional do meio ambiente, disse que o governo do Reino Unido está analisando atentamente as recomendações feitas em um relatório independente encomendado pelo governo sobre a redução do desmatamento causado pelos produtos importados da Grã-Bretanha. O relatório sugeria uma legislação que exigia que as empresas britânicas prevenissem danos ambientais e violações dos direitos humanos em suas cadeias de fornecimento, e nomeou a carne bovina como uma das mercadorias mais arriscadas.

“Existe uma conexão extremamente importante entre os produtos que compramos e sua maior pegada ambiental”, disse Goldsmith. “Muito progresso já foi feito para tornar as cadeias de suprimentos do Reino Unido mais sustentáveis, mas sabemos que mais precisa ser feito.”

A JBS contestou as conclusões do The Bureau of Investigative Journalism e acrescentou que tais práticas “não refletem seus padrões operacionais”. A empresa enfatizou que auditorias independentes mostram que nenhum gado em sua cadeia de suprimentos direta é proveniente de floresta tropical recém-desmatada. Mas especialistas disseram à Repartição que acreditam que até 50% do gado criado na Amazônia provavelmente vem de fazendas que não são cobertas pelas auditorias, o que significa que poderiam vir de fazendas ilegalmente desmatadas como a Fazenda Estrela do Aripuanã.

bji5

A JBS começou como uma açougue familiar no Brasil, mas se tornou a maior empresa de carnes do mundo – suas subsidiárias controlam vastas faixas de produção de frango nos EUA e no Reino Unido, e sua carne é exportada para todo o mundo.

Esse crescimento teve um custo. Em 2017, a holding da JBS pagou uma das maiores multas da história corporativa global, em US $ 3,2 bilhões, depois de admitir o suborno de centenas de políticos. Os irmãos Batista, que assumiram o negócio da família de seu pai, foram investigados várias vezes .

O Bureau, trabalhando com o Repórter Brasil e o Guardian, cavou repetidamente os vínculos entre a empresa e o desmatamento na Amazônia , que quase dobrou no ano passado. Em 2019, os números revelaram como até 5.800 quilômetros quadrados de floresta – uma área quatro vezes maior que a da Grande Londres – estavam sendo cortados todos os anos na Amazônia e em outras áreas no Brasil para serem convertidos em pastagem de gado.

A JBS, como outros grandes produtores de carne bovina, afirma ter uma abordagem de “tolerância zero” ao desmatamento ilegal e introduziu sofisticados sistemas de monitoramento para seus fornecedores diretos. A todo momento, a empresa insiste em que é impossível monitorar seus fornecedores indiretos, porque não há registros disponíveis publicamente de gado movendo-se entre fazendas em diferentes estágios do processo de criação.

Esse argumento transfere a responsabilidade para o governo brasileiro e há pressão internacional para fechar a brecha. Angus MacNeil MP, presidente do comitê internacional de seleção de comércio, disse ao The Bureau of Investigative Journalism que o Brasil teria que “limpar sua ação … ou certamente as nações terão que agir”.

Ele acrescentou: “Em toda a Europa existe um sistema de rastreamento de gado, para que as pessoas saibam onde nascem os bezerros e possam ser rastreados durante a vida. No Brasil, essa é uma enorme brecha. É uma questão ainda mais séria que o bem-estar e os padrões, pois é o desmatamento da Amazônia, os pulmões da terra estão em risco. ”

Delara Burkhardt, eurodeputada alemã, está menos convencida de que apenas os governos podem agir. “Que as empresas não podem monitorar a pegada de desmatamento de muitos de seus fornecedores é um argumento que ouvimos frequentemente. Isso não pode ser uma desculpa … Grandes empresas – como a JBS – com sua grande influência nos fornecedores upstream poderiam consertar isso, se quisessem ou se fossem obrigadas a fazê-lo pelas leis dos países importadores ou nacionais.

Os críticos dizem que a situação – que afeta todas as empresas de carne bovina originárias da Amazônia, incluindo os principais rivais da JBS, Marfrig e Minerva Foods – permite uma forma de “lavagem de gado”, na qual animais de fazendas “sujas” ligadas ao desmatamento podem acabar sendo movidos e misturado com gado de fazendas “limpas”.

Publicamente, tanto a indústria brasileira de carnes quanto seus críticos concordam que combater a rastreabilidade do gado é essencial para preservar a floresta tropical.

Mas as fotografias de Ale, com referência cruzada a outros registros, levantam sérias preocupações de que, longe de ser incapaz de monitorar os diferentes atores de sua cadeia de suprimentos, a JBS possa ter facilitado a lavagem de gado.

bji 3A história do comboio de Ale mostra a rapidez com que o gado supostamente não rastreável de fazendas diretamente ligadas à destruição ilegal da Amazônia poderia chegar às fazendas que alimentam a cadeia de suprimentos global da JBS.

Ale e seus colegas estavam transportando gado pela floresta tropical da Fazenda Estrela do Aripuanã, uma fazenda no noroeste de Mato Grosso, para uma fazenda mais ao sul. A Amazônia cobre cerca de 40% do Brasil.

A Fazenda Estrela do Aripuanã – a primeira fazenda na qual a Ale apanha o gado – é operada por Ronaldo Venceslau Rodrigues da Cunha, um empresário que cria gado e tem uma das maiores empresas de carne bovina do Brasil.

Sua empresa possui 102.000 bovinos criados e engordados em 16 fazendas que abrangem cerca de 72.000 hectares de pastagem. Seu site conta a história colorida de como o império de gado de Cunha cresceu desde um começo humilde, completo com detalhes de várias tragédias familiares e os altos e baixos do comércio de gado.

O que não menciona é que a fazenda Estrela do Aripuanã foi previamente multada em R$ 2,2 milhões por desmatamento da floresta tropical. Os registros publicados pelo Ibama, órgão ambiental brasileiro, mostram claramente 1.455 hectares de terra sob embargo oficial – que proíbe a pastagem de gado – como resultado do desmatamento. Os embargos são impostos por violações ambientais e servem como punição e medida protetora para permitir a recuperação da terra.

O site também não menciona que a fazenda Aripuanã foi devastada por vários incêndios florestais entre 2018 e 2019. (O The Bureau of Investigative Journalism conseguiu cruzar conjuntos de dados de referência sobre os incêndios no Brasil com mapas dos limites da fazenda para localizar essas chamas – e outras em anos anteriores – em terra do fazendeiro.)

Embora não haja sugestão de que esses incêndios tenham sido deliberadamente iniciados para limpar mais florestas para pastagens, eles mostram como as terras desmatadas podem ser vulneráveis ​​a incêndios.

bj1 2Desmatamento deixa a Amazônia vulnerável a incêndios. Imagem cortesia do Greenpeace

Ale e seus companheiros motoristas da JBS parecem ter levado o gado Aripuanã para uma segunda fazenda também administrada pela empresa Cunha, Fazenda Estrela do Sangue, a cerca de 300 km de distância. A Sangue, diferentemente da Aripuanã, não possui embargos devido ao desmatamento e, portanto, seria considerada um fornecedor “limpo”.

Embora o post de Ale no Facebook o tenha mostrado fazer essa jornada apenas uma vez, o Bureau estabeleceu desde então que o gado é transportado regularmente da fazenda Aripuanã para a fazenda Sangue.

Os registros de movimentação de gado vistos pelo Bureau mostram que de junho de 2018 a agosto de 2019, pelo menos 7.000 animais foram despachados da primeira fazenda para a segunda. Registros separados mostram que a fazenda Sangue enviou cerca de 7.000 bovinos para matadouros da JBS entre novembro de 2018 e novembro de 2019.

A empresa de Cunha não respondeu a um pedido de comentário.

Embora seja impossível rastrear os movimentos e destinos exatos de cada animal, a regularidade dos movimentos de gado entre as fazendas – e o número considerável de animais do segundo rancho que terminam nas fábricas de carne da JBS – fornece algumas das evidências mais fortes ainda sugerindo a maneira pela qual a lavagem de gado pode ocorrer na prática.

O The Bureau of Investigative Journalism encontrou evidências de que a JBS promover repetidamente o uso de caminhões próprios para o transporte de gado entre fornecedores indiretos e fornecedores diretos. Os executivos da JBS promovem as rotas como “viagens de três pernas”: pegar gado “magro” em uma fazenda, trocá-los por vacas engordadas em um segundo e terminar a jornada em um matadouro. As postagens de Ale no Facebook contam uma história semelhante, parecendo mostrá-lo transportando gado entre diferentes fazendas em pelo menos uma outra viagem.

A revelação, disseram os ativistas, pressiona empresas de todo o mundo a rever seus laços com a JBS, caso desejem evitar estar ligadas a preocupações com a destruição da Amazônia.

“Vez após vez, a JBS foi pega em flagrante lucrando com a destruição da Amazônia”, disse John Sauven, diretor do Greenpeace do Reino Unido.

“Agora estamos enfrentando um colapso climático e natural, e a JBS tem um peso significativo de responsabilidade. Com os produtos de carne da JBS terminando em supermercados e restaurantes de fast food em todo o mundo, não há mais desculpas. Os varejistas devem parar de negociar com todas as empresas pertencentes à JBS enquanto ainda temos o suficiente da Amazônia para lutar. ”

bj1 1Terra limpa para pastagem de gado. Imagem cortesia do Greenpeace

O gado criado e abatido no Brasil se transforma em carne bovina vendida em todo o mundo.

Em 23 de outubro do ano passado, enquanto partes da floresta amazônica ainda estavam queimando, um grande carregamento de carne brasileira estava sendo descarregado nas docas de Londres. Pesando mais de 25 toneladas, em 40 contêineres separados cheios de carne congelada, a remessa passou dias no mar após ser carregada em um navio no porto brasileiro de Itapoá.

De acordo com um banco de dados comercial líder, era apenas uma das 500 remessas similares – 11.500 toneladas de carne bovina no total – da JBS para chegar ao Brasil do Reino Unido entre maio de 2019 e abril de 2020. Embora não sejam insignificantes, as importações do Reino Unido são diminuídas pelo fornecimento para a Europa; A JBS exportou mais de 46.500 toneladas de carne bovina para o continente no mesmo período.

Os números mostram com que facilidade a carne bovina fornecida por empresas como a JBS pode alcançar consumidores internacionais, muitos dos quais podem ficar chocados ao saber que a carne que compram está alimentando diretamente a devastação na maior floresta tropical do mundo.

No ano passado, um estudo da Trase – uma iniciativa da cadeia de suprimentos administrada pelo Instituto Ambiental de Estocolmo e pela ONG Global Canopy – revelou que as exportações globais de carne bovina da JBS estavam ligadas a até 300 km2 de desmatamento por ano no Brasil. (As exportações dos outros dois gigantes da carne, Minerva Foods e Marfrig, estavam ligadas a 100 km quadrados de perda de floresta anualmente.)

Posteriormente, a Repartição revelou como as três empresas enviaram US $ 3 bilhões em carne bovina para a Europa por um período de cinco anos. Somente o Reino Unido havia importado £ 1 bilhão em carne . As importações europeias da JBS, Marfrig e Minerva também parecem ter aumentado 14% entre maio de 2017 e abril de 2020.

Grande parte da carne brasileira fornecida ao Reino Unido é vendida enlatada, com carne enlatada destinada a supermercados e outros varejistas. A carne congelada, como os casos descarregados nas docas de Londres, geralmente é importada para atacadistas e fabricantes. A partir daí, poderia acabar em jantares hospitalares, refeições prontas e fast food, através de uma cadeia de empresas de catering e produção de alimentos. A carne bovina da JBS foi encontrada à venda nos supermercados britânicos Sainsbury’s, Asda, Lidl, Morrisons e Co-op.  A carne enlatada da JBS também foi vendida para a cadeia de suprimentos do NHS, que fornece fundos hospitalares.

A JBS disse ao The Bureau of Investigative Journalism que investigou as evidências e descobriu que “a fazenda de coleta não estava dentro de nenhuma área embargada”, de acordo com o sistema da empresa. A JBS disse que introduziu um novo sistema em 1º de julho que “esperava causar um impacto significativo na redução da lavagem de gado… Estamos trabalhando para uma cadeia de suprimentos completamente transparente”.

A empresa acrescentou que “não compra gado de fazendas envolvidas em irregularidades” e “adota uma abordagem inequívoca de desmatamento zero”. Um porta-voz disse: “A JBS sempre esteve na vanguarda das iniciativas do setor para combater a chamada ‘lavagem de gado’”.

A JBS afirmou que sua operação de transporte rodoviário garante que “o gado seja transportado de acordo com os mais altos padrões de bem-estar animal” e que suas operações “reduzam o impacto ambiental do transporte de gado, otimizando a frota de caminhões”.

bj1 0

Políticos, ativistas e reguladores estão cientes de como o consumo de carne bovina do oeste está ligado à queima da Amazônia.

Em junho, investidores globais dos EUA, Europa e Ásia, administrando juntos US$ 3,7 bilhões em ativos, exigiram que o governo brasileiro reprimisse o desmatamento e ameaçasse o desinvestimento caso a situação não mudasse.

A Comissão Européia também está considerando medidas regulatórias para combater o desmatamento, desde requisitos mais rigorosos de rotulagem até proibir a importação de produtos agrícolas que danificam o meio ambiente. Em outubro, os eurodeputados votarão se a comissão deve se concentrar no último, que proibiria a importação de produtos como carne, soja e óleo de palma, onde estão ligados ao desmatamento.

É um momento crucial para a ação, acreditam os ativistas, porque o acordo comercial do Mercosul da UE com os países da América do Sul – que daria aos produtores de carne bovina no Brasil acesso com tarifas reduzidas ao mercado europeu – está aguardando ratificação.

A finalização do acordo este ano é considerada uma prioridade para o governo alemão. Em junho, no entanto, o presidente Macron expressou sua oposição por causa de preocupações com o desmatamento. Os governos holandês, austríaco, irlandês e belga também se opõem ao acordo pelo mesmo motivo, bem como à ameaça aos agricultores europeus.

No verão passado, o primeiro-ministro da Inglaterra, Boris Johnson, se recusou a se juntar a Macron na crítica ao governo Bolsonaro por causa da crise de incêndios, pela qual mais tarde foi agradecido pelo embaixador brasileiro . Os críticos sugeriram que os padrões ambientais provavelmente serão sacrificados à medida que o Reino Unido busca acordos comerciais após o Brexit. No ano passado, uma autoridade brasileira disse que o país estava buscando um acordo comercial do Mercosul com o Reino Unido, semelhante ao acordo da UE.

 

fecho

Esta reportagem foi escrita originalmente em inglê e publicada pelo “The Bureau of Investigative Journalism” [Aqui!].

Empresa critica uso de suas auditorias pela JBS para justificar que suas operações não causam danos à Amazônia

boi-a-pasto-768x432

Uma empresa de auditoria que monitorou a cadeia de fornecimento da JBS, líder mundial do setor de carne bovina, criticou a empresa por ter declarado falsamente que suas operações na região amazônica brasileira não envolvem desmatamento, revelou a Anistia Internacional hoje.

Em correspondência com a Anistia Internacional, a empresa de auditoria independente norueguesa DNV GL Business Assurance, contratada pela JBS para auditar sua cadeia de fornecimento entre 2017 e 2019, confirmou que nunca auditou os fornecedores indiretos da JBS no Brasil e observou que “o relatório de avaliação emitido pela DNV GL não pode ser usado como evidência de boas práticas em toda a cadeia de fornecimento”.

“A empresa de auditoria DNV GL essencialmente criticou a JBS por utilizar suas auditorias para encobrir o fato de a JBS não ter monitorado toda sua cadeia de fornecimento”, disse Richard Pearshouse, diretor de Crises e Meio Ambiente na Anistia Internacional.

“Mais uma vez, isso vem destacar que a JBS monitora apenas as fazendas finais das quais compra gado bovino, não as fazendas onde esse gado foi criado anteriormente. Como revelou nossa pesquisa, em vários casos, em 2019, esse gado bovino incluiu gado criado em fazendas ilegais que ocupam áreas protegidas da floresta amazônica que foram desmatadas.

“A Anistia Internacional reitera seu chamado à JBS para adotar imediatamente um sistema efetivo de monitoramento de toda sua cadeia de fornecimento, inclusive de seus fornecedores indiretos, para garantir que sua carne bovina seja de fato livre de desmatamento, e que isso possa ser certificado”.

A correspondência da DNV GL destaca: “Os fornecedores indiretos não foram examinados pela DNV GL e declarados isentos de desmatamento. A JBS não possuía sistemas implementados para rastrear a cadeia de fornecimento indireta; logo, os fornecedores indiretos não foram avaliados durante a auditoria. O Compromisso Público da Pecuária abrange a cadeia de fornecimento indireta, mas a JBS não havia implementado sistemas para atender a esse requisito.”

Contexto

Em 15 de julho, a Anistia Internacional divulgou o relatório Da Floresta à Fazenda – Gado criado ilegalmente na Amazônia brasileira encontrado na cadeia de fornecimento da JBS . Baseado em extensa pesquisa de campo, análise de dados governamentais e análise de imagens de satélite, o relatório revela como gado bovino criado ilegalmente em três áreas protegidas no estado de Rondônia, norte do Brasil, entrou na cadeia de fornecimento da JBS, em 2019.

Horas após a publicação do relatório, o Ministério Público Federal, em Rondônia, anunciou que vai abrir uma investigação sobre as descobertas da Anistia Internacional em relação à JBS.

Antes de publicar seu relatório, a Anistia Internacional buscou informações específicas da JBS sobre se a empresa havia processado gado bovino de fazendas situadas nas três áreas protegidas. A empresa respondeu: “Não compramos gado de qualquer fazenda envolvida na pecuária ilegal em áreas protegidas” e disse que adota “abordagem inequívoca de desmatamento zero em toda sua cadeia de fornecimento”.

A JBS também declarou: “Auditorias independentes realizadas nos últimos seis anos pelas empresas de auditoria DNV-GL e BDO, líderes globais, revelam que mais de 99,9% das aquisições de gado bovino feitas pela JBS de fazendas localizadas na área amazônica atendem aos critérios socioambientais da empresa. Isso inclui critérios de desmatamento zero”.

A JBS não respondeu a uma pergunta sobre o monitoramento de fornecedores indiretos, observando em lugar disso que “a rastreabilidade de toda a cadeia de fornecimento da carne bovina é um desafio de toda a indústria e uma tarefa complexa”.

A Anistia Internacional não encontrou qualquer evidência que indicasse envolvimento direto da JBS em abusos de direitos humanos nos três locais investigados. Contudo, em todas as três áreas, recentes apropriações ilegais de terras levaram a uma perda de terras tradicionais, que sob a lei brasileira são protegidas. Os direitos dos povos indígenas às suas terras são protegidos sob a lei internacional de direitos humanos. A pecuária bovina comercial é proibida por lei nos três locais.

Greenpeace registra imagens de focos ilegais na Amazônia

Com falta de fiscalização e inteligência no combate aos danos ambientais, Brasil pode registrar novos recordes de fogo na Amazônia neste ano

unnamed (12)Foto: © Foco de calor direto em floresta, próximo a área recém desmatada, com alerta Deter, em Alta Floresta (MT). Christian Braga / Greenpeace.

Manaus, 17 de julho de 2020 – Mesmo com a medida que proíbe queimadas em Mato Grosso a partir de 1 de julho, o Greenpeace registrou imagens de focos de incêndio na floresta amazônica no Estado em sobrevoo realizado na semana passada. Além das áreas completamente queimadas, o Greenpeace também registrou imagens de áreas sendo preparadas para a queima. Com 4.437 focos de incêndio até o dia 13 de julho, o Estado de Mato Grosso já conta com o maior número de queimadas na Amazônia brasileira este ano, representando 49,52% de todas as queimadas na região em 2020.

Acesse as imagens aqui

“Essas imagens e o aumento recorde do desmatamento este ano são o resultado da política antiambiental do governo para a Amazônia, que ainda tenta usar a crise provocada pela Covid-19 como uma cortina de fumaça para permitir ainda mais desmatamento, grilagem e garimpo na floresta. A única coisa que este governo está fazendo é colocando o clima e mais vidas em risco, especialmente as dos povos indígenas”, afirma Rômulo Batista, porta-voz da campanha de Florestas do Greenpeace Brasil.

Em junho de 2020, 2.248 focos de incêndio foram registrados na Amazônia, um aumento de 19,57% comparado a junho de 2019 (1.800) e o maior número registrado para o mês desde 2007. Entre 1 e 13 de julho, 1.057 focos de incêndio foram registrados no bioma. Atualmente, todos os focos de incêndio na Amazônia são considerados ilegais devido a um decreto, publicado essa semana, proibindo queimadas entre julho e setembro.

“Incêndios não ocorrem de forma natural na Amazônia. O fogo é ateado por fazendeiros e grileiros para remover a floresta ou quando ela já está derrubada e seca pelo sol, visando aumentar as áreas de pastagem ou agrícola, especulação de terras e grilagem. A prática se tornou ainda mais comum com a falta de fiscalização e desmantelamento dos órgãos ambientais promovido por este governo, pois gera a sensação de certeza da impunidade. Hoje, os criminosos já esperam que o governo aprove leis e medidas que venham a conceder anistia da grilagem e desmatamento ilegal. Como se não bastasse a ameaça do novo coronavírus, com a temporada de fogo os povos indígenas estarão ainda mais vulneráveis, pois a fumaça e a fuligem das queimadas prejudicam ainda mais sua saúde”, explica Batista.

Mesmo com a ameaça de saída de investidores e os impactos resultantes na reputação e a economia do país, a resposta do governo tem sido teatral e ineficiente: com orçamento de R$ 60 milhões por mês, a Operação Verde Brasil 2, via Garantia da Lei e da Ordem (GLO), não tem diminuído o desmatamento. “As imagens da Amazônia em chamas em Mato Grosso são um claro exemplo de que a moratória do fogo, não funcionará se não estiver acompanhada de um trabalho eficiente de comando e controle, que Bolsonaro segue enfraquecendo. Afinal, criminoso não é conhecido por seguir a lei. Não podemos nos enganar com a propaganda do governo, pois ela não resultará em proteção à floresta e seus povos”, finaliza Rômulo.

Science revela as maçãs podres do agronegócio brasileiro

as maças podres

A prestigiosa revista Science publicou nesta 5a. feira (16/07) um artigo na seção “Forum Policy” que deverá levantar ainda mais rugas nas testas do presidente Jair Bolsonaro e de seus auxiliares mais fiéis. Sob o título de “The rotten apples of Brazil´s agribusiness” (ou em bom português, “As maçãs podres do agronegócio brasileiro”, o artigo que tem como autor principal o professor Raoni Rajão, do Departamento de Engenharia de Produção  da Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG) apresenta um minucioso mapeamento que relaciona a produção de soja, que em parte considerável acaba exportada para a União Europeia, em terras ilegalmente desmatadas nos biomas da Amazônia e do Cerrado (ver mapa abaixo).

maças podres

Como os próprios autores adiantam no texto, os resultados desse estudo certamente criarão embaraços para o agronegócio brasileiro, não apenas com seus parceiros europeus, mas eventualmente com os chineses. É que dada a sensível situação que foi criada com a política do “passa boiada” engendrada pelo presidente Jair Bolsonaro e levada a cabo com inegável maestria pelos ministros Ricardo Salles (Meio Ambiente) e Tereza Cristina (Agricultura), agora ficará evidente que parte nada desprezível da soja brasileira está sendo produzida em áreas onde há forte possibilidade de que a remoção da vegetação nativa (floresta tropical ou Cerrado) foi feita de forma ilegal, ao arrepio do que determina a própria legislação brasileira.

Os autores do artigo incluíram ainda um cálculo sobre emissões de gases estufa associados à produção de commodities agrícolas produzidas em áreas desmatadas ilegalmente, o que deverá expor o papel indireto que a União Europa no aquecimento global por “não restringir as importações e consumir produtos agrícolas produtos contaminados com o desmatamento, ilegal ou não”.  O cálculo feito para a emissão de gases estufa apenas a partir da importação de soja  mostra que a União Europeia (UE) poderia ser responsável pela emissão indireta “de 58,3 ± 11,7 milhões de toneladas de CO2 equivalente (MtCO2e) do desmatamento legal e ilegal nos principais biomas brasileiros entre 2009 e 2017“. Os autores apontam ainda que “é provável que a parte da UE aumente como resultado de acordos comerciais Mercosul-UE e EUA-China“.

Uma curiosidade na publicação deste artigo e de outros que devem estar ainda nas prensas é que todo movimento para conter as informações produzidas pelo Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais (Inpe) são inúteis, e que informações ainda mais danosas para os interesses comerciais podem ser produzidas por equipes de cientistas que não estão sob o controle estrito do governo Bolsonaro. Nesse sentido, a marcha da ciência é, digamos, imparável. 

Quem desejar ler este artigo e os materiais suplementares publicados pela Science, basta clicar [Aqui!] e [Aqui!].

Um quinto das exportações de soja da Amazônia e Cerrado à UE é fruto de desmatamento ilegal

Estudo publicado na revista ‘Science’ por grupo de pesquisadores do Brasil, Alemanha e EUA identificou os produtores brasileiros responsáveis pela “soja contaminada” soja mataVista aérea das plantações de soja no limite da área da Floresta Nacional no baixo Tapajós, Pará. PABLO ALBARENGA

Por Heloísa Mendonça para o El País

Um estudo publicado nesta quinta-feira, 16, pela revista científica Science revela que, atualmente, 20% da soja brasileira produzida na Amazônia e no Cerrado exportada anualmente para a União Europeia (UE) é fruto de áreas de desmatamento ilegal. Para expor as “maçãs podres” do agronegócio, pesquisadores do Brasil, Alemanha e Estados Unidos desenvolveram um software de alta potência ―utilizando dados públicos e mapas― para analisar 815.00 propriedades rurais dos dois biomas e identificar as áreas de desmatamento ilegal recente associadas à produção de soja e carne bovina.

Os números revelados pelo levantamento corroboram com os dados do desmatamento crescente na Amazônia, que atingiu em junho deste ano a maior destruição registrada em cinco anos, segundo o Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais (Inpe). A publicação do estudo coincide com um momento de forte cobrança de investidores estrangeiros por ação mais efetiva do Governo de Jair Bolsonaro contra a destruição da floresta. Alguns países europeus já sugeriram que a União Europeia suspenda a compra de carnes e soja do Brasil e até mesmo não leve adiante o acordo comercial entre o Mercosul e o bloco europeu caso o país não tome providências para proteger a floresta amazônica. No ano passado, diversos líderes europeus criticaram o Governo brasileiro, durante os incêndios florestais de agosto de 2019, e convocaram boicotes aos produtos do país.

“É fundamental que a Europa use seu poder comercial e de compra para reverter esse trágico desmantelamento da proteção ambiental no Brasil e seus impactos no clima do planeta, nas populações locais e nos valiosos serviços ecossistêmicos que o país fornece”, afirma Britaldo Soares-Filho da Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG) e coautor do artigo. Ele defende que, com a pesquisa, os legisladores em Bruxelas poderão avaliar melhor a dimensão do problema da produção brasileira de soja e carne.

A intenção dos pesquisadores é transferir a tecnologia do software para que o Brasil desenvolva um sistema melhor para rastrear o desmatamento ilegal em propriedades agrícolas. “Já não se pode dizer que não há uma solução para monitorar essas atividades. E parte dela está no fato do desmatamento ser muito concentrado. Cerca de 2% dos imóveis concentram mais de 60% do desmatamento do Cerrado e da Amazônia. Então você pode concentrar a fiscalização nessas áreas”, afirma ao EL PAÍS Raoni Rajão, professor da UFMG e autor principal do estudo ‘As maçãs podres do agronegócio brasileiro’.

Na avaliação do pesquisador, a operação de Garantia da Lei e da Ordem (GLO) com as Forças Armadas na Amazônia― autorizada de maio a novembro ― para evitar queimadas e tentar conter o desmatamento tem um potencial de diminuir a destruição, mas é um instrumento que só funcionará caso o ministério do meio ambiente também se comprometa com o combate às ilegalidades. “Se não tiver um ministro do meio ambiente comprometido e uma mudança na situação do Ibama, que atualmente só perde fiscais, nada vai mudar. Vários analistas ambientais experientes que estavam em posições técnicas de comando estão sendo substituídos por diretores sem experiência. Isso tudo gera caos e consequentemente aumento do desmatamento”, afirma. O Governo também tem afrouxado uma série de medidas de proteção ambiental destinadas a combater o desmatamento ilegal em unidades de conservação e terras indígenas, leais guardiões das florestas nacionais.

Mais de ⅔ das exportações de soja para UE saem da Amazônia e Cerrado

Aproximadamente 41% (13,6 milhões de toneladas) das importações anuais de soja da UE são provenientes do Brasil e 69% desse total, da Amazônia e do Cerrado. Segundo o estudo, cerca de dois milhões de toneladas anuais de soja ilegalmente cultivada podem ter chegado nos mercados do bloco europeu durante os últimos anos. Desse total, 500.000 toneladas vieram da Amazônia.

No que diz respeito à carne bovina, a UE importa cerca de 189.000 toneladas por ano do Brasil. Os autores descobriram que, de um total de 4,1 milhões de cabeças enviadas ao abate, pelo menos 500.000 vêm diretamente de propriedades desmatadas ilegalmente. Isso representa 2% da carne produzida na Amazônia e 13% da produção do Cerrado. Contudo, o maior problema são os produtores indiretos, que fornecem os animais para a etapa da engorda, mas que não são monitorados pelos grandes frigoríficos, nem pelo Governo. Após a análise dos fluxos de animais entre as fazendas, o estudo estima que aproximadamente 60% de todas as cabeças abatidas (44% na Amazônia e 66% no Cerrado) podem estar envolvidas com o desmatamento ilegal em alguma etapa de sua produção.

A onda da soja

O Brasil é o maior produtor mundial de soja, seguido pelos Estados Unidos e Argentina. O estudo revela que a produção de soja, destinada principalmente à alimentação de gado leiteiro e de corte, está em alta em todo o país. A produção mais que quadruplicou nas últimas duas décadas e deve aumentar em mais um terço nos próximos dez anos, com um aumento de 42% nas exportações.

O produtores de carne suína da UE, maior exportador mundial, dependem da soja brasileira, ingrediente essencial também para a criação de aves e outros animais. O aumento da demanda por carne suína na Ásia e em outras regiões tem estimulado a produção animal e, consequentemente, de soja, que serve de ração. Por sua vez, o boom da soja atinge particularmente a região do Cerrado brasileiro, a maior savana tropical do mundo. Conhecido por sua grande biodiversidade, o Cerrado já perdeu a metade de sua vegetação nativa.

fecho

Este artigo foi originalmente publicado pelo jornal El País [Aqui!].

 

Entrevista ao Programa Faixa Livre: a questão ambiental no governo Bolsonaro

salles bolsonaro

O geógrafo e professor associado da Universidade Estadual do Norte Fluminense (Uenf) Marcos Pedlowski explicou o paradoxo criado pela gestão de Jair Bolsonaro, que deixou de lado a preservação do meio ambiente, provocando a saída de investimentos estrangeiros do país, e comentou as reações a essa política de destruição da biodiversidade.

Ouça a entrevista de Marcos Pedlowski

fecho

Este material foi inicialmente publicado no site do Programa Faixa Livre [Aqui!].