Redes de varejo europeias consideram boicote a produtos brasileiros por causa do PL da Grilagem

O desmatamento ilegal está destruindo a floresta tropical brasileira. Redes de supermercados europeias agora ameaçam interromper as relações de fornecimento – se o Brasil aprovar uma lei para legalizar a grilagem de terras

BRAZIL-ENVIRONMENT-FIRE

Remoção ilegal de floresta tropical no Brasil no verão de 2020.  Foto de Carl de Souza/AFP

Os piores incêndios em décadas ocorreram no Pantanal brasileiro em 2020. Mesmo assim, o governo brasileiro ainda quer aprovar uma lei que deveria legalizar a grilagem de terras pelos agricultores. Não são apenas os ambientalistas que temem mais desmatamentos: dezenas de grandes cadeias de varejo europeias agora uniram forças para impedir que os planos sejam aprovados.

“No ano passado, percebemos várias circunstâncias que levaram a um número extremamente alto de incêndios florestais e desmatamento no Brasil ”, disse a carta aberta ao congresso nacional. É assinado por um total de 40 empresas, incluindo Aldi Süd, Lidl , Metro , Migros, Sainsbury e Tesco. A Amazônia faz parte do ecossistema global e deve ser protegida. Isso também serve para proteger o planeta.

Ação semelhante por supermercados do Reino Unido em 2020

O projeto é potencialmente “uma ameaça ainda maior” para a Amazônia. Os signatários, portanto, ameaçam o país: “Se essa medida for aprovada, não temos escolha a não ser repensar nosso apoio e uso da cadeia de abastecimento brasileira.” As corporações apelaram ao governo liderado pelo populista de direita Jair Bolsonaro para abandonar os planos.

fecho

Este texto foi originalmente escrito em alemão e publicado pela “Der Spiegel” [Aqui!].

Relatório da Rainforest Foundation da Noruega revela papel da indústria automobilística na destruição da Amazônia

Um novo relatório da Rainforest Foundation Norway revela como é altamente provável que os cinco maiores fabricantes de automóveis europeus contribuam para o desmatamento em grande escala da floresta amazônica

Caw-Production-Amazon-106

Transparência e sistemas de rastreabilidade eficazes são quase inexistentes nas cadeias de abastecimento do couro. As fotos são de um curtume de propriedade da Durlicouros em Xinguara, no estado do Pará, onde está localizada grande parte da pecuária brasileira. Foto: RFN / Victor Moriyama

Pela primeira vez, o risco de desmatamento da indústria automobilística europeia foi mapeado. 

O relatório constatou que o Grupo Volkswagen, BMW Group, Daimler, PSA Groupe * e Groupe Renault correm um alto risco de contribuir para o desmatamento da floresta amazônica, comprando couro de grandes clientes de empresas brasileiras ligadas ao desmatamento em grande escala. 

rfn car industry

“As marcas de automóveis europeias que usam couro brasileiro são responsáveis ​​por estimular o desmatamento da floresta amazônica”, diz Anne Leifsdatter Grønlund, consultora de desmatamento zero da Rainforest Foundation Norway. 

Embora o couro brasileiro venha com um alto risco de desmatamento, nenhum dos grandes fabricantes de automóveis tem políticas ou medidas adequadas para evitar que o couro desmatado entre na cadeia de abastecimento. 

“Transparência e rastreabilidade são quase inexistentes nas cadeias de suprimentos do couro, e é muito provável que as empresas que compram couro dos principais fornecedores brasileiros de couro comprem couro de vacas que pastam em terras desmatadas. Atualmente, ninguém pode provar que o couro que compram é livre de desmatamento ”, diz Grønlund. 

Grandes quantidades de couro para a indústria automobilística

O desmatamento no Brasil aumentou nos últimos dois anos e atingiu o máximo de 12 anos em 2020, com mais de 1 milhão de hectares de floresta destruída. A pecuária é a atividade que mais desmata na Amazônia brasileira. O Brasil possui o maior rebanho bovino do mundo, e 80% do couro é exportado, quase metade do qual é usado na indústria automobilística. 

O relatório analisa os dados de desmatamento de 2019 e 2020 nas zonas de compra de frigoríficos e curtumes no Brasil ligados aos fluxos comerciais específicos entre o Brasil e fabricantes de componentes de couro para automóveis na Europa.  

O relatório apurou mais de 1,1 milhão de hectares de desmatamento recente (2019 e 2020) nas zonas de compra dos frigoríficos que abastecem os curtumes da JBS Couros, maior processadora de couro do Brasil.  

Os curtumes Vancouros foram expostos a 0,80 milhões ha de desmatamento, Durlicouros a 0,56 milhões ha, Fuga Couros a 0,47 milhões ha, Minerva Couros a 0,48 milhões ha, Viposa a 0,12 milhões ha e para a Mastrotto Brasil não foi possível calcular o risco de desmatamento exposição. (Observe que as zonas de compra dos matadouros vinculados aos curtumes se sobrepõem parcialmente e, portanto, os números não são possíveis de resumir.)  

Todos os cinco maiores fabricantes de automóveis estão expostos a um mínimo de 1,1 milhão de hectares de desmatamento recente por meio da JBS Couros. 

É altamente provável que todas as cinco grandes montadoras de automóveis da Europa utilizem couro proveniente de um ou de todos os três maiores frigoríficos do Brasil, JBS, Marfrig e Minerva, que, segundo o relatório, estão expostos a desmatamentos em larga escala por meio de seus e fornecedores indiretos de gado. 

O relatório também documenta evidências de lavagem de gado , em que o gado é criado em terras ilegais desmatadas e movido e vendido de fazendas com pastagem legal para contornar a legislação ambiental. 

As empresas são responsáveis ​​por sua cadeia de suprimentos

Além do desmatamento, o relatório constatou a grilagem ilegal de terras e violações dos direitos humanos em cadeias de abastecimento amostradas. Os camponeses da vizinhança de grandes fazendas de gado afirmam ter sido alvejados e suas casas totalmente queimadas. 

“Alegar ignorância não é desculpa. Os fabricantes de automóveis são responsáveis ​​pelos produtos que vendem em um mercado de um milhão de euros. Todas as empresas que usam couro brasileiro devem implementar sistemas de rastreabilidade do produto acabado e de volta à fazenda de nascimento do gado, Grønlund diz e acrescenta: 

“Fornecedores com desmatamento direto ou indireto ou violações de direitos humanos em suas cadeias de abastecimento devem ser excluídos,”

A Rainforest Foundation Norway também insta os legisladores europeus a banir os produtos do desmatamento do mercado europeu. 

“A UE prometeu tomar medidas para salvar as últimas florestas tropicais remanescentes. Nosso relatório documenta a necessidade de uma nova legislação para impedir a entrada de produtos do desmatamento no mercado europeu. Não há tempo a perder ”, diz Anne Leifsdatter Grønlund, consultora de desmatamento zero da Rainforest Foundation Norway.

Background

O Brasil possui o maior rebanho bovino do mundo, com 214,7 milhões de animais . Quase metade do rebanho bovino brasileiro é criado na Amazônia Legal, região que também concentra a maior capacidade de abate do país.

Nos últimos anos, está bem documentado que os grandes frigoríficos do Brasil, como a JBS , fornecedora de couro para a indústria automobilística europeia, estão ligados ao desmatamento.

O Brasil é o maior exportador de couro bovino do mundo; até 80% da produção de couro bovino é exportada. Entre 2018 e 2020, o Brasil exportou um total de 1,26 milhão de toneladas de couro.

A maior parte do couro brasileiro é exportada para China e Itália, os principais centros da indústria de processamento de couro em todo o mundo, antes de ser exportada como couro acabado ou produtos refinados.

A floresta tropical é o ecossistema com a maior biodiversidade da Terra e está repleta de vida. No entanto, um estudo recente mostra que apenas um terço da floresta tropical original permanece intacta.

Quando a floresta tropical é destruída, não apenas sua valiosa diversidade cultural e biológica é perdida. Também estamos perdendo uma de nossas ferramentas mais eficazes na luta contra as mudanças climáticas catastróficas. Uma floresta intacta é uma tecnologia própria da natureza para capturar e armazenar dióxido de carbono e evitar que seja lançado na atmosfera.

* O Grupo PSA recentemente se fundiu com o Grupo FCA. A nova empresa chama-se Stellantis. É o Grupo PSA que é estudado neste relatório.

O relatório foi encomendado à Aidenvironment pela Rainforest Foundation Norway (RFN)

fecho

Este texto foi escrito originalmente em inglês e publicado pela Rainforest Foundation Norway [Aqui!].

Estudo mostra que por causa do avanço da degradação florestal, a Amazônia passou de sumidouro a fonte de CO2 atmosférico

amazonia-degradacaoO processo de degradação florestal por extração de madeira, garimpos e incêndios transformaram a Amazônia em uma fonte significativa de carbono atmosférico

No dia 11 de setembro de 2020, a revista Science publicou o artigo “Long-term forest degradation surpasses deforestation in the Brazilian Amazon” produzido por um grupo de pesquisadores liderados pelo professor Eraldo Matricardi do Departamento de Engenharia Florestal da UNB, da qual fui dos co-autores.  Nesse trabalho, mostramos que o processo de degradação do bioma amazônico por atividades de extração de madeira e fogo havia ultrapassado a área desmatada.

source

A fumaça sobe de um incêndio ilegalmente aceso na reserva da floresta amazônica, ao sul de Novo Progresso, no estado do Pará, Brasil. Fotografia: Carl de Souza / AFP / Getty Images

No artigo citado, adiantamos que outros pesquisadores poderiam utilizar nosso estudo para produzir estimativas sobre, por exemplo, os efeitos do avanço da degradação sobre o estoque de carbono nas florestas amazônicas.  Eis que na última 5a. feira (29/04), a revista “Nature and Climate Change” publicou um artigo intitulado “Carbon loss from forest degradation exceeds that from deforestation in the Brazilian Amazon” que parte exatamente da ideia de que a degradação florestal é um importante agente não apenas de mudança da paisagem, mas também um fator central nas alterações que estão ocorrendo nos estoques de carbono, o que altera significativamente não apenas o ciclo do carbono, mas também o clima e as taxas de biodiversidade.

O grupo liderado pelos pesquisadores Xiangming Xiao (da Universidade Estadual de Oklahoma nos EUA) e Jean-Pierre Wigneron (do INRA Nouvelle-Aquitaine da França) constatou que “a perda de área bruta de floresta foi maior em 2019 do que em 2015, possivelmente devido ao recente afrouxamento das políticas de proteção florestal‘, mas que, no entanto, “a perda líquida de  biomassa acima do solo (AGB) foi três vezes menor em 2019 do que em 2010“.  Além disso, eles também observaram que “durante o período entre 2010–2019, a Amazônia brasileira teve uma perda bruta cumulativa de 4,45 PgC contra um ganho bruto de 3,78 PgC, resultando em uma perda líquida de AGB de  0,67 PgC“. Assim, sendo “a degradação florestal (73%) contribuiu três vezes mais para a perda bruta de AGB do que o desmatamento (27%), dado que a extensão da área de degradação excede a do desmatamento (refletindo o que havíamos indicado no artigo publicado pela revista Science)”.

A consequência dessas descobertas é que o processo de degradação florestal “se tornou o maior responsável pela perda de carbono na Amazônia”, enterrando de vez a ideia de que os problemas causados pela mudança da cobertura florestal estão circunscritos ao desmatamento e, mais importante ainda, que não haverá um controle efetiva da transformação da Amazônia em fonte, em vez de sumidouro, de carbono atmosférico sem políticas públicas que contenham o acesso descontrolado a áreas que ainda estão relativamente fora da ação de grupos que agem ilegalmente para extrair madeira e riquezas minerais (como o caso dos garimpos ilegais de ouro). 

Finalmente, a confirmação de que a degradação florestal da Amazônia é hoje o elemento central para se formular políticas que a mantenham como um importante fator de controle das mudanças climáticas deverá colocar desafios particularmente incumpríveis durante a vigência do governo de Jair Bolsonaro e por causa das ações objetivas de seus ministros anti-ambiente Tereza Cristina e Ricardo Salles. 

 

Desmatamento causado por carne e soja dobrou no Brasil em um ano, diz Mighty Earth

ONG internacional inicia uma campanha para que as redes de supermercados da Europa cortem vínculos com empresas envolvidas na destruição da Amazônia e do Cerrado

me
Um monitoramento feito pela ONG Mighty Earth e divulgado nesta sexta-feira (30/04) mostra que o desmatamento atrelado à cadeia de fornecimento das principais empresas de soja e carne bovina do Brasil dobrou entre abril de 2020 e março de 2021 (260 mil hectares) ante o período anterior, entre março de 2019 e abril de 2020 (128 mil hectares).

Ao mesmo tempo, a esmagadora maioria dos consumidores de Alemanha, França, Holanda e Reino Unido acha que os supermercados não devem fazer negócios com as empresas que estão impulsionando a destruição das florestas no Brasil, revela uma nova pesquisa do Instituto YouGov realizada a pedido da ONG Mighty Earth e também divulgada hoje.

A Mighty Earth está usando essas duas informações em uma nova campanha que pede expressamente que as redes varejistas da europa parem de fazer negócios com empresas ligadas ao desmatamento no Brasil. Todos os anos, entre junho e setembro, os maiores comerciantes mundiais de soja unem forças com os maiores produtores de soja do Brasil para negociar contratos de compra para o próximo ano. A campanha tem o objetivo claro de influenciar as negociações sobre requisitos contratuais, como cláusulas que impedem a compra de soja cultivada em terras desmatadas após o prazo de 2020.

O monitoramento da Mighty Earth começou em março de 2019 e mostra que os dois maiores importadores europeus de soja, Bunge e Cargill, são os comerciantes com pior desempenho ambiental. A Cargill está ligada a mais de 66 mil hectares de desmatamento, uma área seis vezes maior do que a de Paris, enquanto a Bunge está ligada a quase 60 mil hectares de desmatamento.

Apesar desta espiral de desmatamento, houve apenas um caso em que uma das empresas citadas cortou laços com um fornecedor envolvido no desmatado, dos 235 casos registrados e reportados pelo Mighty Earth em seu monitoramento.

“A destruição das florestas no Brasil, impulsionada pela carne de supermercado, está piorando a cada ano. Isto está acelerando a mudança climática e dizimando a pátria da onça-pintada”, diz Martin Caldwell, Diretor da Mighty Earth na Alemanha.

Mercados: Alemanha e França

A pesquisa do Instituto YouGov entre os consumidores alemães indicou que 87% quer que os supermercados parem de fazer negócios com fornecedores que impulsionam o desmatamento no Brasil. Esse percentual é maior (89%) entre os clientes da EDEKA, o maior grupo de supermercados da Alemanha, com 24% de participação no mercado e mais de 4300 lojas. A empresa promove fortemente suas credenciais de sustentabilidade e estreou recentemente uma campanha publicitária sobre o tema na TV e nas redes sociais.

“Já é hora de a EDEKA ouvir seus clientes e abandonar as empresas de pior desempenho que estão provocando a destruição das florestas brasileiras – JBS, Cargill e Bunge”, afirma Caldwell. “A hora de impulsionar a mudança no Brasil é agora.”

Na França, o resultado é semelhante: 89% dos clientes do Carrefour no país querem que a rede deixe de comprar produtos com origem no desmatamento praticado no Brasil. No ano passado, o Carrefour liderou uma campanha voluntária neste setor que resultou em todos os grandes supermercados franceses se comprometendo a utilizar somente soja sem desmatamento em suas cadeias de abastecimento. Após seis meses, o Carrefour não fez nenhum progresso significativo na redução de suas ligações com os comerciantes de soja de pior desempenho Cargill e Bunge, e está falhando em conduzir mudanças reais no terreno, afirma a Mighty Earth.

Já a EDEKA assumiu fortes compromissos para remover o desmatamento em todas as suas cadeias de abastecimento, mas em seu relatório de 2019 , a empresa alemã admite que houve pouco progresso para melhorar a sustentabilidade de suas cadeias de abastecimento de carne e soja. Apesar disso, a varejista alemã, ainda não excluiu os comerciantes de soja de pior desempenho, que são a Cargill e a Bunge.

“Os consumidores estão preocupados, pois não suportam mais o gosto residual do desmatamento e a extinção de espécies ameaçadas que a carne comprada nas lojas do grupo Carrefour deixa”, afirma Fatah Sadaoui, Campaigner da ONG SumOfUs. “Em resumo, o que esperamos do Carrefour é menos conversa e mais ação.”

Estudo da Fiocruz mostra que queimadas na Amazônia aumentam problemas respiratórios

queimadas

● Em 10 anos, o Brasil gastou quase 1 bilhão de reais com doenças respiratórias causadas pela fumaça das queimadas na região.
● A associação da pandemia com as queimadas pode ter agravado a situação de saúde da população da Amazônia legal.
Estudo da Fiocruz e do WWF-Brasil aponta que as queimadas na Amazônia foram responsáveis pela elevação dos percentuais de internações hospitalares por problemas respiratórios nos últimos 10 anos (2010-2020) nos estados com maiores números de focos de calor: Pará, Mato Grosso, Rondônia, Amazonas e Acre. Estas internações custaram quase 1 bilhão aos cofres públicos. O levantamento aponta ainda que a associação da situação da pandemia com as queimadas florestais na Amazônia pode ter agravado a situação de saúde da população da Amazônia legal, pois os poluentes oriundos das queimadas podem causar uma resposta inflamatória persistente e, assim, aumentar o risco de infecção por vírus que atingem o trato respiratório.1
unnamed (28)
 
O estudo mostra que mesmo com a possível subnotificação, por conta de inconsistências na base de dados do DataSUS, os valores diários de poluentes são extremamente elevados e contribuíram paraaumentar em até duas vezes o risco de hospitalização por doenças respiratórias atribuíveis à concentração de partículas respiráveis e  inaláveis finas (fumaça) nos estados analisados.
 
No Amazonas, 87% das internações hospitalares no período analisado estão relacionadas às altas concentrações de fumaça (partículas respiráveis e inaláveis). O percentual foi de 68% no Pará, de 70% em Mato Grosso e de 70% em Rondônia.  Já as doenças respiratórias associadas às altas concentrações de partículas de poluentes emitidas pelas queimadas respondem por 70% das internações hospitalares registradas no Pará, Mato Grosso, Rondônia e Amazonas.
 
A pesquisadora Sandra Hacon, da Ensp/Fiocruz, afirma que embora os percentuais de internação hospitalar por doenças respiratórias na região tenham se mantido estáveis entre 2010 e 2020, uma parte considerável dessas internações podem ser atribuídas às concentrações de partículas respiráveis finas e inaláveis emitidas por incêndios florestais. “As micropartículas que compõem a fumaça ficam depositadas nas cavidades dos pulmões, agravando os problemas respiratórios. Elas são um fator de risco para pessoas que já possuem comorbidades. Vemos, portanto, um impacto à saúde e perda da qualidade de bem-estar das pessoas, além do elevado custo econômico das doenças respiratórias para o SUS”, explica. “A fragilização do sistema respiratório é extremamente preocupante no atual cenário de uma pandemia que também causa problemas respiratórios.  Essa sobreposição sugere que a região da Amazônia legal tenderá a ter seu sistema de saúde pressionado, já que as queimadas são mais intensas nos meses de seca, que se iniciam dentro de poucas semanas”, alerta.
 
Importante salientar que no ano de 2020 o Brasil alcançou o maior número de queimadas na década. Segundo o INPE (Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais) a floresta amazônica registrou 103.161 focos ante 89.171 em 2019, um aumento de 15,7%. Essa tendência contínua de destruição impacta diretamente não só na saúde das pessoas, mas em todo o ecossistema, que sofre todos os anos durante o ciclo das queimadas intensificado no período de seca, ressalta Edegar de Oliveira, diretor de Conservação e Restauração do WWF-Brasil. Ele  aponta que “as queimadas fazem parte da dinâmica de destruição da Amazônia. As áreas desmatadas são posteriormente queimadas para “limpar” o terreno, abrindo espaço para a pastagem, a agricultura, ou a simples especulação fundiária. A associação entre o desmatamento, queimadas e degradação da floresta traz um custo muito alto para todos nós, especialmente para os povos da floresta, e para o clima do planeta”, afirma.
 

O Estudo traz algumas recomendações para o poder público

– Os sistemas oficiais de vigilância e monitoramento em saúde precisam de evolução e melhorias sistemáticas, especialmente aqueles direcionados às populações indígenas da Amazônia;
 
– Políticas consistentes de redução do desmatamento e queimadas na Amazônia são críticas e imediatas, pois o combate ao desmatamento e à degradação do bioma amazônico é fundamental para a garantia de direitos básicos das populações locais, como acesso à saúde e um ambiente saudável e sustentável;
 
– Desenvolvimento e implementação de programas de vigilância epidemiológica e ambiental efetivos, direcionados à população amazônica exposta aos incêndios florestais, principalmente os grupos mais vulneráveis, como gestantes, crianças, idosos, e aquelas pessoas que apresentam comorbidades precisam de atenção dedicada;
 
– Necessidade iminente de esforço preventivo no controle de zoonoses, pois os custos associados aos esforços preventivos são substancialmente menores, comparados com os custos econômicos, sociais e de saúde no controle de potenciais epidemias e ou pandemias.
 

Metodologia do estudo

Foi analisada a relação das tendências da morbidade hospitalar (a taxa de internações registradas em hospitais) por doenças do aparelho respiratório no período de 2010 a 2020 e as concentrações estimadas de emissões de partículas respiráveis finas (PM2,5), presentes na fumaça de incêndios florestais no mesmo período, investigando os potenciais impactos à saúde nos estados com os maiores registros de focos de calor provenientes das queimadas na Amazônia Brasileira, segundo o INPE – Pará, Mato Grosso, Rondônia, Amazonas e Acre, que apresentaram  maior número de focos de queimadas registrados no período analisado – 2010-2020.
 
O estudo observou as séries temporais diárias de morbidade hospitalar por doenças do aparelho respiratório obtidas no Departamento de Informática do Sistema Único de Saúde (DATASUS), pelo Sistema de Informação sobre internação hospitalar (SIH) e analisados por dia, mês e ano no período de 1º de janeiro de 2010 a 31 de outubro de 2020, segundo a unidade de federação de residência. As internações hospitalares por doenças respiratórias relacionadas ao COVID-19 para cálculo da tendência retrospectiva foram excluídas. Portanto, as internações hospitalares derivadas do COVID-19, não entraram no conjunto das causas de hospitalizações.
Os pesquisadores selecionaram informações referentes ao valor em reais (R$) gasto com as hospitalizações de baixa e alta complexidade (Unidades de Terapia Intensiva – UTI) por doenças do aparelho respiratório para estimativa do custo econômico em saúde dessas hospitalizações que pudesse ser atribuível à poluição decorrente das queimadas.
As estimativas de concentração do material particulado (PM2,5) foram obtidas por meio de dados de satélite da NASA, com as informações de profundidade óptica de aerossóis (Aerosol Optical Depth – AOD) convertidas por modelagem matemática em estimativas de concentração de PM2,5 e disponibilizadas para acesso público pelo Copernicus Atmosphere Monitoring Service (CAMS), que é o mais recente conjunto de dados de reanálise global de composição atmosférica produzida pelo Centro Europeu de Previsões Meteorológicas de Médio Prazo (ECMWF).

[1]  Travaglio, M., Yu, Y., Popovic, R., Selley, L., Leal, N. S., & Martins, L. M. (2021). Links between air pollution and COVID-19 in England. Environmental Pollution, 268, 115859.
 

Sobre a Fiocruz

A Fiocruz é uma instituição vinculada ao Ministério da Saúde, cuja missão é produzir, disseminar e compartilhar conhecimentos e tecnologias voltados para o fortalecimento e a consolidação do Sistema Único de Saúde (SUS) e que contribuam para a promoção da saúde e da qualidade de vida da população brasileira. Acesse em https://portal.fiocruz.br/

Sobre o WWF-Brasil

O WWF-Brasil é uma organização não-governamental brasileira e sem fins lucrativos que trabalha para mudar a atual trajetória de degradação ambiental e promover um futuro em que sociedade e natureza vivam em harmonia. Criado em 1996, atua em todo Brasil e integra a Rede WWF. Apoie nosso trabalho em wwf.org.br/doe
fecho
Este texto foi originalmente publicado pela WWF Brasil [Aqui!].

Anistia Internacional reúne mais de 57 mil assinaturas para exigir que a JBS pare de comprar gado ilegal da Amazônia

unnamed (27)

Com índices de desmatamento batendo recordes sucessivos e quando os olhos do mundo se voltam cada vez mais para a Amazônia brasileira, nesta quarta-feira, 28 de abril, a Anistia Internacional promove ações de pressão no Brasil e em outros países onde o movimento atua, para exigir que a JBS pare de comprar gado bovino que tenha pastado ilegalmente em área protegidas na floresta amazônica.

Entre as avenidas e ruas de São Paulo, um caminhão estilizado contendo réplicas de gado bovino vai circular com mensagens como “Comprar gado ilegal é financiar a violação de direitos humanos na Amazônia” e seguirá em direção à sede da empresa, na Av. Marginal Direita do Tietê, nº 500. Eletronicamente serão entregues, 57.471 assinaturas de pessoas de 84 países da petição “Diga à JBS para não comprar gado ilegal da Amazônia”, à diretoria da empresa. Neste 28 de abril será realizada a Assembleia Anual de Acionistas da empresa e a Anistia Internacional escolheu esse dia para chamar a atenção investidores da JBS para as violações de direitos humanos que a atividade da empresa, se não devidamente monitorada, pode contribuir.Ação JBS Paulista 3 Miguel CastañoAnistia Internacional Brasil

Na terça-feira, 27 de abril, às 17h, a Anistia Internacional vai se reunir remotamente com Marcio Nappo, Diretor de Sustentabilidade da JBS e Alexandre Kavati, da área de monitoramento de fornecedores da empresa, para marcar também essa entrega das adesões à petição e cobrar da empresa quais as ações estão sendo realizadas e previstas para a proteção e garantia dos direitos humanos na sua cadeia direta e indireta de fornecimento.

“A conservação da Amazônia passa também pela proteção das populações que habitam a região. Exigimos o fim das violações de direitos humanos de brasileiros e brasileiras que vivem lá. Como sociedade civil organizada, a Anistia Internacional se une as mais de 57 mil pessoas no mundo para cobrar medidas efetivas da JBS para que informações sobre sua cadeia de fornecimento sejam transparentes e que seus negócios não ponham em risco nenhum indígena ou morador dessas áreas protegidas”, afirma Jurema Werneck, diretora-executiva da Anistia Internacional Brasil.

Direcionada ao CEO da JBS, a petição, lançada em julho de 2020, exige que a empresa implemente um sistema de monitoramento eficaz, incluindo seus fornecedores indiretos, até o final de 2020; a JBS deve corrigir, por si mesma ou em cooperação com seus fornecedores, os abusos e violações de direitos humanos sofridos por povos indígenas e moradores de áreas protegidas e ainda deve compensar, em cooperação com seus fornecedores, as comunidades indígenas e das reservas por danos ambientais causados pela pecuária comercial ilegal em suas áreas protegidas. As medidas, no entanto, não foram adotadas.

“A JBS precisa assumir um compromisso público em parceria com seus fornecedores, para indenizar indígenas e moradores das áreas protegidas onde houve criação de gado ilegal. A criação de gado ilegal favorece outras práticas também associadas às violações de direitos humanos como a grilagem, a invasão de terras e o desmatamento. Os olhos do mundo estão voltados para a Amazônia e a Anistia Internacional também chama atenção para as pessoas que vivem sob ameaças constantes, nesses territórios”, aponta Jurema.

O relatório

A Anistia Internacional lançou a petição junto com o relatório Da Floresta à Fazenda , que denunciou a presença de gado criado de forma ilegal em áreas protegidas da floresta amazônica brasileira na cadeia de fornecimento da maior produtora de carne bovina do mundo.

O relatório revelou que, em 2019, a empresa comprou gado criado em fazendas ilegais no estado amazônico de Rondônia. Localizadas em áreas protegidas, essas fazendas operavam ilegalmente na terra indígena Uru-Eu-Wau-Wau e nas Reservas Extrativistas do Rio Jacy-Paraná e Rio Ouro Preto.

“Apresentamos neste documento uma associação entre destruição da floresta, a criação de gado e violações de direitos humanos que precisa parar urgentemente”, aponta Jurema.

Horas após a divulgação do documento, o Ministério Público Federal em Rondônia anunciou que iniciaria uma investigação sobre as conclusões da Anistia Internacional sobre a JBS. Alguns dias depois, um ex-auditor que monitorava a cadeia de suprimentos da JBS acusou a empresa de alegar falsamente que suas operações na Amazônia brasileira são livres de desmatamento. Em 28 de julho, a principal casa de investimentos europeia Nordea Asset Management retirou a JBS de seu portfólio por causa de ligações com desmatamento na Amazônia.

Ao não monitorar efetivamente a entrada de gado bovino em sua cadeia indireta de fornecimento, a JBS falhou na adoção de um processo adequado de devida diligência como estabelecido nos Princípios Orientadores das Nações Unidas sobre Empresas e Direitos Humanos . De acordo com os Princípios Orientadores da ONU, a JBS contribui para abusos de direitos humanos dos povos indígenas e comunidades tradicionais residentes em reservas extrativistas ao participar nos incentivos econômicos para o gado bovino criado ilegalmente em áreas protegidas, afirmou, à época, a Anistia Internacional.

Em 23 de setembro de 2020, a JBS anunciou que iria introduzir um novo sistema para monitorar seus fornecedores de gado, incluindo seus fornecedores indiretos, até 2025. A Anistia Internacional considera esse cronograma muito distante. Em novo anúncio, em 23 de março de 2021, a JBS estabeleceu um “compromisso de atingir as emissões líquidas de gases de efeito estufa (GEE) até 2040”, incluindo uma promessa de “atingir o desmatamento zero em sua cadeia de fornecimento global até 2035”.

“Desde 2009 a JBS está ciente dos riscos de que o gado pastado ilegalmente em áreas protegidas pode entrar em sua cadeia de abastecimento, e já se comprometeu a monitorar seus fornecedores indiretos até 2011, o que não ocorreu como mostra o relatório da Anistia Internacional. A Anistia Internacional reafirma que a JBS deveria ter implementado a devida diligência e medidas preventivas até o final de 2020. Os compromissos assumidos pela empresa precisam ser efetivos na prática e devem ser percebidos por quem vive na Amazônia”, aponta Jurema.

Está tudo conectado

A Amazônia brasileira tem ganhado destaque mundo afora nos últimos anos, mas não pela riqueza da sua biodiversidade, e sim por uma mistura preocupante: desmatamento, queimadas e atividade pecuária. Está tudo conectado, como a Anistia Internacional vem alertando desde 2019.

O relatório “Da Floresta à Fazenda” é o terceiro trabalho de um diagnóstico que a Anistia Internacional desenvolve na Amazônia brasileira desde o começo de 2019. E dá continuidade à pesquisa anterior realizada pela Anistia Internacional, em áreas protegidas da Amazônia, alertando para o risco iminente de conflitos e desmatamento documentando violência contra povos indígenas expondo a pecuária bovina como o principal fator que impulsiona a nova onda de desmatamento da floresta.

As queimadas na maior floresta tropical do mundo, que em 2019 mobilizaram políticos e artistas estrangeiros a exigir a proteção da Amazônia, foram só o começo de uma equação que gera prejuízo ambiental e social. A maioria desses incêndios faz parte de um processo mais amplo pelo qual a floresta amazônica é convertida ilegalmente em áreas de pastagem de gado, apontou o relatório Cercar e trazer o boi: pecuária bovina ilegal na Amazônia” .

Além das queimadas, o desmatamento, que acumula recordes contínuos nos últimos anos, abre caminho para violações de direitos humanos como a grilagem e a invasão de terras, que são executadas com métodos violentos e ameaças de morte.

“A Anistia Internacional reforça que está tudo conectado: queimadas, desmatamento e a atividade pecuária na Amazônia. Todas essas ações geram graves violações de direitos humanos que precisam parar urgentemente. É obrigação dos governos estaduais e federal investir em fiscalização e incentivar a proteção da floresta. E empresas que atuam na região, como a JBS, também devem se unir para exercer suas atividades de forma econômica, social e ambientalmente seguras”, explica Jurema.

Serviço

Ação #GadoIlegalNÃO

Dia: 28 de abril março de 2021

Hora: Das 08h30 às 16h30

Itinerário: Sede JBS (Av. Marginal Direita do Tietê, 500 – Vila Jaguara), Av. Paulista, Pacaembu, Largo do Batata – Pinheiros, Av. Faria Lima, Av. Paulista, Ibirapuera, Sede JSB

Empresas brasileiras temem prejuízos financeiros por ‘antipolítica ambiental’ do governo Bolsonaro

fogo

 Por Lucas Baldez

Especialista afirma que o discurso do presidente Jair Bolsonaro na Cúpula do Clima não reflete a prática do governo e que o país precisará de ações efetivas para atrair a atenção de investidores internacionais.

A Cúpula do Clima, realizada na semana passada, trouxe ainda mais luz para o debate sobre políticas ambientais no Brasil. Mas mesmo antes do encontro internacional, organizado pelo presidente dos Estados Unidos, Joe Biden, empresários brasileiros já vinham pressionando o governo federal por medidas concretas na área ambiental.

A preocupação das empresas é que a falta de engajamento do país na preservação do meio ambiente e no combate ao aquecimento global gere também prejuízos econômicos. Isso porque o descompromisso do Brasil provocaria uma redução dos investimentos no país.

Na última quinta-feira (22), durante seu discurso na Cúpula do Clima,o presidente Jair Bolsonaro prometeu reduzir as emissões de gases de efeito estufa e zerar o desmatamento ilegal até 2030, além de fortalecer os órgãos ambientais e duplicar recursos para fiscalização.

Porém, no dia seguinte, na sexta-feira (23), ao sancionar o Orçamento de 2021, Bolsonaro cortou quase R$ 240 milhões em verbas destinadas ao Ministério do Meio Ambiente neste ano.

Segundo a especialista sênior em políticas públicas do Observatório do Clima, Suely Araújo, o governo passa um sinal de que apenas atenuou o discurso para o encontro e que, na prática, não pretende alterar sua postura em relação ao meio ambiente.

“Está bem caracterizada uma ‘antipolítica ambiental’. Acredito que as promessas são pouco críveis e que os eventuais financiadores externos já perceberam. Precisa de muito mais do que um discurso atenuado para convencer os outros países de que o Brasil vai realmente cumprir as promessas”, afirmou a pesquisadora em entrevista à Sputnik Brasil. Formada por 56 organizações da sociedade civil, a entidade foi fundada em 2002 com o objetivo de discutir as mudanças climáticas. 

Jair Bolsonaro, à esquerda, com o ministro do Meio Ambiente, Ricardo Salles, após condecorá-lo com a Medalha de Mérito Rio Branco, o maior prêmio da diplomacia, em 22 de outubro, 2020.

Jair Bolsonaro, à esquerda, com o ministro do Meio Ambiente, Ricardo Salles, após condecorá-lo com a Medalha de Mérito Rio Branco, o maior prêmio da diplomacia, em 22 de outubro, 2020. © AP PHOTO / ERALDO PERES

Um documento do Conselho Empresarial Brasileiro para o Desenvolvimento Sustentável (CEBDS), enviado antes do encontro aos ministérios da Economia, Meio Ambiente, Agricultura e Relações Exteriores, diz que podem ser gerados US$ 17 bilhões (aproximadamente R$ 92,63 bilhões) até 2030 “a partir de negócios com base na natureza”.

Segundo a entidade, “o PIB do país também pode ter um crescimento vertiginoso com a implantação de práticas de baixo carbono, atingindo um ganho total acumulado de R$ 2,8 trilhões até 2030 em relação à trajetória atual”.

O texto conta com a assinatura de empresas como Bayer, Braskem, Bradesco, BRF, Ipiranga, Itaú, JBS, Lojas Renner, Marfrig, Natura, Shell, Siemens, Suzano e Votorantim.

Pelo Acordo de Paris, o país tem a meta de reduzir em 37% a emissão de gases de efeito estufa até 2025 e em 41% até 2030. O texto foi assinado pelo Brasil em 2015 e confirmado pelo governo em dezembro de 2020.

Mas a entidade deseja que o Brasil vá além da meta estipulada e contribua para um movimento de compromisso de emissão neutra até 2050.

Ou seja, a ideia é compensar as emissões que forem inevitáveis através de medidas ambientais que anulem os efeitos nocivos ao meio ambiente e à camada de ozônio.

A pressão ocorre após a notícia de que o desmatamento na Amazônia registrou o pior mês de março dos últimos dez anos.

Um levantamentodo Imazon (Instituto do Homem e Meio Ambiente da Amazônia) mostrou que a área devastada triplicou em relação ao registrado no mesmo mês de 2020. Foram 810 km² desmatados da Amazônia Legal, área equivalente à cidade de Goiânia.

Pedaços de troncos de árvores da Amazônia derrubadas ilegalmente na reserva Renascer, no Pará

Pedaços de troncos de árvores da Amazônia derrubadas ilegalmente na reserva Renascer, no Pará. © AP PHOTO / LEO CORREA

Suely Araújo, do Observatório do Clima, afirma que o Brasil não está inserido no debate da reconstrução do mundo pós-pandemia quanto à questão ambiental. Para ela, o país “está sofrendo efeitos negativos do posicionamento do governo Bolsonaro em relação à política ambiental já há algum tempo”.

“O mundo está se preparando para um novo olhar sobre a relação com o meio ambiente. Tem um debate no plano internacional. E o Brasil está olhando para o retrovisor”, disse a especialista.

De acordo com a pesquisadora, poderá haver ainda consequências mais graves no plano internacional, como com relação à participação em tratados e acordos. Ela cita a dificuldade do país na formalização definitiva do tratado de livre comércio entre Mercosul e União Europeia e no ingresso à OCDE (Organização para a Cooperação e Desenvolvimento Econômico).

“Estamos perdendo mercado e vamos perder mais. Há um conjunto grande de efeitos negativos, decorrente da postura do presidente Bolsonaro”, afirmou.

fecho

Este texto foi originalmente publicado pela Sputnik New [Aqui!].

Políticos dinamarqueses enviam carta ao governo brasileiro pedindo que não aprovem leis antiambientais

Carta aberta a Arthur Lira e Rodrigo Pacheco reforça pressão internacional pela proteção da Amazônia
e dos povos indígenas

indian

São Paulo, 23 de abril de 2021 – 28 políticos dinamarqueses enviaram hoje uma carta aberta aos líderes da Câmara e do Senado brasileiro, Arthur Lira e Rodrigo Pacheco. Liderado pelo partido Red-Greens Alliance, o grupo de políticos dinamarqueses se uniu para tentar impedir o desmatamento e a perseguição aos povos indígenas. Dessa forma, os parlamentares dinamarqueses se unem aos políticos alemães, italianos e parlamentares da UE, que já enviaram cartas semelhantes ao nosso governo, aumentando a onda de pressão internacional sobre o país em apelo aos governantes brasileiros para frear o trator ruralista que tem destruído a Amazônia.

A carta demonstra a preocupação dos parlamentares dinamarqueses com uma série de projetos de lei que, se aprovados, vão resultar no aumento do desmatamento na Amazônia, perda de ecossistema e até mesmo na abertura de Terras Indígenas e áreas protegidas para a mineração, ameaçando a proteção dos povos indígenas ao permitir a exploração em seus territórios.

Na semana passada, 15 ONGs enviaram uma carta ao Primeiro-Ministro e ao Ministro das Relações Exteriores da Dinamarca com a mesma mensagem. Isso levou o partido Red-Greens Alliance a enviar uma carta sobre os desdobramentos no Brasil. A carta é assinada por membros do partido Red-Greens Alliance, SF, Frie Grønne, Alternativet, Socialdemokratiet, Radikale Venstre, Venstre, Dansk Folkeparti, Inuit Ataqatigiit e Javnaðarflokkurin.

“Desde que Jair Bolsonaro assumiu o poder no Brasil, o número de assassinatos de povos indígenas em áreas florestais aumentou significativamente. Isso ocorre porque o governo Bolsonaro desmantelou a proteção dos povos indígenas por meio de legislação. Essa é a tendência que o novo pacote legislativo mantém. As ONGs disseram não e é hora de nós, políticos, fazermos o mesmo. Além disso, o desmatamento na Amazônia no ano passado atingiu seu nível mais alto em 12 anos. Agora eles querem permitir a mineração em áreas florestais. Estamos no meio de uma crise climática em que precisamos de grandes atores como o Brasil para cumprir o Acordo de Paris. No momento, o país está indo na direção oposta. Fico feliz que haja amplo apoio político para enviar um sinal claro ao Brasil de que isso terá consequências para a cooperação entre nossos países se eles não mudarem de rumo”, afirma Søren Søndergaard, do Red-Greens Alliance

A carta enviada pelos políticos dinamarqueses pode ser acessada aqui: http://enhedslisten.dk/an-open-letter-to-the-president-of-the-chamber-of-deputies-and-senate

É possível acreditar nos compromissos de Bolsonaro sobre a proteção do meio ambiente? Um olhar sobre sua performance

Por

(CNN) Os líderes mundiais se reúnem virtualmente na quinta-feira para discutir questões climáticas em uma cúpula convocada pelo presidente dos EUA, Joe Biden.O mais esperado talvez seja o que os líderes de alguns dos países com maior impacto ambiental – incluindo Brasil, China, Índia – têm a dizer. Mas críticos que vão de ambientalistas brasileiros a celebridades americanas estão alertando o mundo para não dar ouvidos a um: o brasileiro Jair Bolsonaro. 

Como presidente do Brasil, Bolsonaro controla um dos países de maior biodiversidade do mundo, com 19% da floresta tropical primária remanescente do mundo , de acordo com a Organização das Nações Unidas para Agricultura e Alimentação (FAO). O Brasil é o quinto maior país do mundo e imensos 59% de seu território é coberto por floresta, grande parte dela na Amazônia – que funciona como um “condicionador de ar” para todo o planeta, influenciando a temperatura global e os padrões de chuvas, e absorvendo dióxido de carbono.

Por um tempo, o Brasil foi considerado um modelo para o mundo em alguns indicadores ambientais. De acordo com o Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais (INPE), de 2004 a 2013 o país reduziu o desmatamento anual em quase três quartos e, ao assinar o Acordo de Paris em 2015, se comprometeu a reduzir as emissões em 37% até 2025.

Mas essas tendências estão se revertendo com o Bolsonaro.

Desde que o bombástico “Trump of the Tropics” tomou posse, tanto o desmatamentoquanto as emissões estão aumentando, disse o INPE. Enquanto isso, o ministro do Meio Ambiente de Bolsonaro, Ricardo Salles, assumiu algumas posições peculiares, considerando seu título: Há exatamente um ano, em 22 de abril de 2020, Salles foi notoriamente registrado aconselhando o presidente a aproveitar a pandemia da COVID-19 para enfraquecer os regulamentos. Agora, o Supremo Tribunal Federal está avaliando se deve abrir um inquérito sobre as alegações de que Salles obstruiu uma investigação da Polícia Federal sobre a extração ilegal de madeira na Amazônia. Em resposta, o Ministério do Meio Ambiente disse à CNN Brasil: “A resposta será dada no tribunal.”

bolsonaro cnnA administração de Bolsonaro abriu a porta para aumentar o desmatamento e as emissões

No entanto, no início deste mês, o presidente brasileiro enviou uma carta a Biden, prometendo trabalhar para uma taxa de desmatamento zero em 2030 no Brasil – uma declaração elogiada como “importante” pelo enviado climático dos EUA, John Kerry.

Uma onda de ceticismo se seguiu. Ativistas climáticos, grupos da sociedade civil e funcionários estaduais escreveram ao governo dos Estados Unidos pedindo o estabelecimento de parcerias diretas sem o presidente. Quinze senadores democratas, incluindo Elizabeth Warren, Bernie Sanders e Patrick Leahy, disseram a Biden para ser cauteloso, pois o Bolsonaro estava “usando uma retórica favorável ao clima, sem resultados concretos”. Até Hollywood se envolveu, com atores como Jane Fonda e Katy Perry assinando uma carta com artistas brasileiros como Caetano Veloso e Gilberto Gil exigindo que Biden não fechasse um acordo. 

Esses críticos temem que qualquer acordo firmado entre o Brasil e outras nações para proteger o meio ambiente encoraje o presidente brasileiro, enquanto iniciativas que corroem as proteções ambientais continuam em ritmo acelerado, como legislação para regularizar terras públicas roubadas por grileiros e legalizar a mineração ilegal e a agricultura em larga escala para indígenas terras. 

No centro da divisão está o seguinte: Bolsonaro pode acreditar em sua palavra sobre a proteção do meio ambiente?

O gabinete de Bolsonaro e o Ministério do Meio Ambiente não responderam aos pedidos de comentários da CNN.

‘A Amazônia é nossa e vamos desenvolvê-la’

O governo brasileiro defendeu seu histórico ambiental como suficiente e enfatizou o bem-estar econômico do país como prioridade fundamental. Em vídeo publicado em suas redes sociais em setembro do ano passado, Bolsonaro alardeava que o Brasil protege o meio ambiente, mas argumentou que a Amazônia precisa de desenvolvimento econômico para o bem-estar dos moradores.

“O Brasil é o país que mais preserva o meio ambiente. A Amazônia é nossa e vamos desenvolvê-la. Afinal, são mais de 20 milhões de brasileiros que não podem ficar para trás. Parabéns a todos pelo dia da nossa Amazônia. A Amazônia vai ser cada vez mais brasileiro ”, disse.

Em 19 de abril, seu vice-presidente geral, Hamilton Mourão, disse em entrevista coletiva que o Brasil já estava fazendo sua parte nos esforços ambientais globais e não precisava “implorar” por fundos na cúpula do clima para fazer melhor. “Lá não precisamos ser mendigos. Vamos deixar bem claro: temos nossas responsabilidades. O Brasil é responsável por apenas 3% das emissões no mundo”, declarou Mourão.

O ministro do Meio Ambiente, Salles, disse à imprensa brasileira que sua intenção com a Cúpula do Clima é pedir ajuda externa de 1 $ bilhão por ano dos EUA e outros parceiros para ajudar o Brasil a conter o desmatamento ilegal. (O governo Biden não fez sinal de oferecer novos fundos ou apoio ao Bolsonaro para a ação climática.) 

Mas não está claro se as questões financeiras por si só estão por trás do fraco histórico de proteção ambiental do governo brasileiro. O Ministério do Meio Ambiente ainda não gastou os recursos disponíveis para combater o desmatamento: Salles não aplicou um terço do dinheiro destinado ao combate ao desmatamento da Amazônia desde abril de 2018. O programa terminou em abril deste ano e o fundo voltou para o Ministério da Economia.

De outras maneiras, o Ministro do Meio Ambiente tornou mais difícil a fiscalização da proteção ambiental, de acordo com oficiais encarregados do trabalho. Em 19 de abril, uma carta assinada por mais de 600 agentes ambientais do Instituto do Meio Ambiente e dos Recursos Renováveis ​​(Ibama) e do braço conservacionista do Ministério (ICMBio) afirmava que eles estavam “paralisados” por recentes ordens de suspensão do processamento de novas multas e redução de agentes de campo. poderes para emitir multas por infrações ambientais. O Ministério do Meio Ambiente não respondeu a um pedido de comentário. 

Nos últimos dois anos, o governo Bolsonaro também abriu a porta para aumentar o desmatamento e as emissões.

desmatamento cnnVista aérea do desmatamento na Reserva Biológica Nascentes da Serra do Cachimbo em Altamira na Bacia Amazônica.

No início deste mês, Mourão anunciou a primeira meta oficial do governo Bolsonaro de combate ao desmatamento na Amazônia: taxa de desmatamento em 2022 16% maior do que no ano anterior à posse de Bolsonaro, embora inferior ao atual nível de destruição – estimativas do INPE 11.088 quilômetros quadrados foram perdidos para o desmatamento em 2020.

A meta de 2022 foi descrita como “muito modesta” pelo líder da pesquisa climática brasileira Carlos Nobre, enquanto Marcio Astrini, chefe da rede de defesa ambiental brasileira Observatório do Clima, criticou-a como uma confissão de “crime ambiental”.

A maior parte do desmatamento no Brasil é devido ao desmatamento deliberado. Só a mineração desmatou 405,36 km² da Amazônia Legal nos últimos cinco anos, uma área maior que a cidade de Denver, mostram dados do INPE. E com o desmatamento vêm as emissões. Os gases que retêm o calor são liberados quando as florestas primárias são cortadas e queimadas para limpar a terra para outros usos, de acordo com o Observatório do Clima.

A última atualização do Brasil em sua meta climática para o Acordo de Paris também permite que ela emita mais carbono do que o previamente acordado, usando uma metodologia desatualizada de cálculo de emissões – o que permitiria que mais gases de efeito estufa fossem emitidos sem alterar as metas originais de redução percentual.

Em outubro, o  governo brasileiro divulgou uma versão aprimorada do cálculo, corrigindo algumas falhas da versão anterior que superestimavam a taxa de desmatamento. Mas, de acordo com um estudo realizado por pesquisadores da Universidade Federal de Minas Gerais, o Ministério do Meio Ambiente do Brasil continuou usando o método desatualizado até dezembro. 

O pesquisador de serviços ambientais Raoni Rajão e seus colegas da Universidade Federal do Estado de Minas Gerais (UFMG) afirmam que a metodologia desatualizada permite que o Brasil emita 400 milhões de toneladas a mais de gases de efeito estufa do que o prometido quando o Brasil assinou o Acordo de Paris. O Ministério do Meio Ambiente não respondeu a pedido de comentários sobre o assunto.

Carlos Rittl, bolsista sênior do Instituto de Estudos Avançados em Sustentabilidade de Potsdam, na Alemanha, afirma que, nos últimos dois anos, o Brasil vai participar da Cúpula do Clima “sem nada para mostrar” como prova de seu compromisso com o meio ambiente.

“O governo quer apresentar uma foto de uma floresta desmatada e vendê-la como sustentabilidade”, disse ele à CNN.

fecho

Este texto foi originalmente escrito em inglês e publicado pela rede CNN [Aqui!   ].

No “Dia da Terra”, um Brasil mais pária do que nunca

BRAZIL-POLITICS-BOLSONARO-ARAUJO

O presidente Jair Bolsonaro e o ex-chanceler Ernesto Araújo, dois dos grandes artífices do “Brasil pária”. Sergio LIMA / AFP)

No dia em que se teoricamente é celebrado o “Dia da Terra”, o Brasil se encontra em uma condição que provavelmente será celebrada efusivamente pelo ex-chanceler olavo-bolsonarista Ernesto Araújo que dava de ombros para as crescentes evidências de que o nosso país estava se transformando em uma espécie de pária internacional, um leproso da comunidade das Nações. Araújo considerava esse situação uma espécie de sinalização da volta triunfal de São Sebastião que Antonio Conselheiro, barbudo como ele, sonhava seria a redenção dos brasileiros.
A condição de pária se espalhou e o Brasil é visto hoje como um país que realiza um dos piores, senão o pior, enfrentamentos da pandemia da COVID-19, deixando seu povo à mercê de um vírus letal que rapidamente torna as filas dos cemitérios em graves congestionamentos. Mas não no Brasil de Bolsonaro não tem bastado deixar morrer, pois também existem evidências de que os doentes estão sendo deixadas em condições dramáticas sem sequer existirem os medicamentos necessários para anestesiá-los para enfrentar o doloroso procedimento da intubação.
Entretanto, a pandemia da COVID-19 é apenas uma gota nesse oceano de iniquidades em que o Brasil está afogado que reforça a nossa condição de pária. A destruição dos mecanismos de comando e controle e o aumento desenfreado da destruição ambiental e dos ataques aos povos indígenas servem como um poderoso argumento de que em negociações estratégicas acerca do futuro da economia global, o governo brasileiro é colocado nos últimos postos de prioridade sobre os que têm algo a dizer.
As recentes tentativas do governo Bolsonaro de chantagear o presidente dos EUA, o democrata Joe Biden, a liberar bilhões para que o Brasil cumpra suas obrigações em termos da proteção da Amazônia e dos povos indígenas serviu apenas para estraçalhar o pouco de reputação diplomática que ainda se tinha após a desastrosa passagem de Ernesto Araújo pela chancelaria brasileira. O resultado disso é que na Cúpula Climática organizada pelo governo dos EUA, não estaremos entre os primeiros, sequer os principais, palestrantes do evento.

bolsonaro biden
O presidente Jair Bolsonaro falando hoje (22/04) na Cúpula Climática organizada pelo governo dos EUA, com o assento do presidente Biden vazio já que ele se ausentou minutos antes da manifesta~çao do líder brasileiro
Mas também não nos esqueçamos dos últimos alertas dados por Rússia e China sobre o excesso de agrotóxicos na soja e da persistente presença de coronavírus nas exportações de carne. É muito provável que estejamos diante da certeza da impunidade e de uma suposta condição de insubstituibilidade brasileira na oferta dessas commodities agrícolas. Esse é apenas mais um erro grotesco de um grupo de governantes, que além de se guiar por formas estreitas de entender o mundo também não possuem o menor entendimento de como as relações internacionais realmente operam.
As recentes sinalizações de impaciência por parte dos capitalistas brasileiros que pedem um mínimo de sentido nas ações do governo Bolsonaro são outra sinalização de que a condição de pária já assombra até quem investiu pesado na eleição do atual presidente. Entretanto, essa impaciência só levará a fatos concretos se da crescente condição de pária internacional desfrutada pelo país resultarem perdas econômicas. Enquanto isso, na ausência de uma oposição política substancial, o Brasil continuará afundando no pântano que essas mesmas elites nos colocaram.