Usina de Belo Monte eleva em até três vezes a emissão de gases de efeito estufa na região amazônica, sugere estudo

Pesquisadores mediram os fluxos de metano e dióxido de carbono em 23 pontos dos reservatórios da usina e no curso do rio Xingu antes e após o início das operações da hidrelétrica

Post category

20210708_usinaO trabalho contribui para a obtenção de estimativas precisas das emissões de gases de efeito estufa pela matriz elétrica brasileira, que tem grandes usinas hidrelétricas como principal recurso energético – Foto: Usina Hidrelétrica de Belo Monte

Por Fabiana Mariz para o Jornal da USP

A implantação da usina hidrelétrica de Belo Monte, no Pará, aumentou em até três vezes as emissões de gases de efeito estufa (GEE) na região amazônica. As conclusões são de um estudo coordenado pela Instituto de Geociências (IGc) da USP, em parceria com a Universidade de Linköping, na Suécia, a Universidade de Washington, nos Estados Unidos, e a Universidade Federal do Pará (UFPA).

Os pesquisadores chegaram a esse resultado depois de medirem os fluxos de metano (CH4) e dióxido de carbono (CO2) em 23 pontos dos reservatórios da usina e no curso do rio Xingu. As amostras foram coletadas durante as estações seca e cheia no primeiro e no segundo ano após a inundação dos reservatórios (2016 e 2017) e comparadas com as emissões de GEE antes da construção e implantação da usina (2012 e 2014).

O aumento das emissões de GEE, em especial o metano, é causado pela decomposição de matéria orgânica em áreas inundadas. Estudos anteriores mostraram que a desaceleração da água do rio, que ocorre em todos os tipos de reservatórios, induz à sedimentação de partículas que aumentam a quantidade de matéria orgânica disponível para degradação e alta ebulição. No estudo, os cientistas observaram que áreas rasas de inundação chegam a representar até 45% da liberação total de gases do sistema.

“A importância do nosso estudo está no fato de conseguirmos fazer medições antes e depois da implantação de Belo Monte e compará-las”, ressalta Dailson Bertassoli Júnior, geólogo e primeiro autor do estudo. “Quantificamos de forma detalhada as emissões de Belo Monte e podemos afirmar que a liberação de gases aumentou na região.”

Os cientistas também avaliaram o oxigênio dissolvido na água, a velocidade do vento, o pH da água e a temperatura local e na superfície da água, mas não encontraram grandes variações.

“A importância do nosso estudo está no fato de conseguirmos fazer medições antes e depois da implantação de Belo Monte e compará-las”, ressalta Dailson Bertassoli Júnior, geólogo e primeiro autor do estudo. “Quantificamos de forma detalhada as emissões de Belo Monte e podemos afirmar que a liberação de gases aumentou na região.”

“O trabalho contribui para a obtenção de estimativas precisas das emissões de gases de efeito estufa pela matriz elétrica brasileira, que tem grandes usinas hidrelétricas como principal recurso energético”, afirma André Oliveira Sawakuchi, professor do Instituto de Geociências (IGc) da USP e orientador de Bertassoli. “Estimativas precisas e transparentes das emissões de gases de efeito estufa devem estar disponíveis à sociedade que utiliza a energia hidrelétrica”, diz.

(A) Bacia do rio Amazonas e a localização do Complexo da Usina Hidrelétrica de Belo Monte. (B) Mapas de uso da terra representando áreas inundadas, o canal original do rio e amostras de sítios para avaliar pré e pós-represamento – Foto: Science Advances

Demanda global de energia

O complexo de Belo Monte no rio Xingu é a maior usina hidrelétrica da Amazônia. Foi instalado ao longo de um sistema de múltiplos canais rochosos, conhecidos como Volta Grande do Xingu. Tem uma das maiores capacidades de geração de eletricidade do mundo e foi construída usando a tecnologia chamada fio d’água (da sigla ROR – Run Of the River, em inglês), que se baseia no fluxo natural do rio e requer reservatórios menores do que projetos baseados em armazenamento, como a Itaipu Binacional. Por esse motivo, é considerada uma alternativa mais sustentável.

No entanto, como explica Sawakuchi ao Jornal da USP, usinas de grande porte a fio d’água possuem reservatórios de área considerável, o que não garante baixas emissões de GEE. “Os dois reservatórios de Belo Monte ocupam área superior a 500 quilômetros quadrados (km²) e inundaram áreas de florestas marginais, ilhas de floresta aluvial (inundação sazonal) e áreas já desmatadas, além de reduzirem a velocidade da água em trecho de aproximadamente 80 km do rio Xingu”, explica o  professor. “Mesmo com a retirada de grande parte da vegetação antes do alagamento, a matéria orgânica dos solos afogados é convertida em dióxido de carbono ou metano pela ação de micróbios.”

Sawakuchi diz, ainda, que por ser um rio de águas claras, também há grande produção de algas no rio Xingu. Ao morrerem, elas se depositam nas áreas de remanso dos reservatórios devido à redução da velocidade da água. “Isso também contribui para a produção de gases de efeito estufa.”

Outro dado que deve ser levado em consideração é a temperatura elevada das águas dos rios tropicais (cerca de 30 graus Celsius no rio Xingu) e a baixa concentração de oxigênio nas partes mais profundas ou de águas mais paradas, que induzem à ação dos micróbios produtores de metano – gás mais prejudicial que o dióxido de carbono. “Portanto, o fato de uma usina ser do tipo fio d’água não garante baixas emissões, pois há diversas outras variáveis envolvidas”, alerta o professor.

Para Bertassoli, o trabalho é importante pois dá uma ideia do impacto ambiental e social causado por uma usina desse porte. “Gases de efeito estufa são uma fração do problema. Para realizar um projeto como esse, precisamos entender os prós e os contras.”

Já Sawakuchi diz que aferir as emissões de gases de efeito estufa é importante para orientar decisões sobre planos de expansão da matriz elétrica brasileira. “Já há diversas usinas hidrelétricas de grande porte planejadas em rios da Amazônia.”

Um artigo com todos os detalhes da pesquisa foi publicado em junho na revista Science Advances.

fecho

Este texto foi originalmente publicado pelo “Jornal da USP” [Aqui!].

PL da grilagem gera novas ameaças de boicote ao Brasil

Carta enviada em maio recebe apoio de nove gigantes do varejo e produção de alimentos do Reino Unido e da Holanda

grilagem

Uma carta de empresários europeus ao congresso brasileiro alertando para não aprovarem o PL da grilagem acaba de ganhar a adesão de mais empresas do Reino Unido e da Holanda:

  • Nando’s,
  • Albert Heijn
  • Aquascot (produtor de salmão)
  • Centraal Bureau Levensmiddelenhandel (CBL)
  • C.I.V. Superunie B.A.
  • Jumbo Supermarkten B.V.
  • Nevedi (ração animal)
  • Ocado
  • Woolworths Group

Em maio, 38 grandes supermercados e produtores de alimentos britânicos e europeus já tinham enviado ao Congresso Nacional uma carta com ameaças de boicote caso o PL510/21 fosse aprovado. Segundo os empresários, a nova lei levaria a um desmatamento maior da Floresta Amazônica e de outros biomas.

Tanto o PL 510/2021, que tramita no Senado, quanto o PL 2633/2020, que tramita na Câmara dos Deputados, buscam legalizar a grilagem de terras. O requerimento para tornar o PL 2633/2000 pauta urgente foi aprovado com folga na sessão plenária desta terça-feira (13), por 330 votos a favor e 109 contrários. O fato de o assunto tramitar duplamente no Congresso mostra que a aprovação da matéria é provável.

A carta publicada em maio e que recebeu novas adesões hoje está disponível aqui: : https://www.retailsoygroup.org/wp-content/uploads/2021/05/Letter-from-Business-on-Amazon_2021.pdf

Floresta Amazônica ‘entrará em colapso se Bolsonaro permanecer presidente’

Acadêmicos e ativistas brasileiros emitem alerta em meio a novo ataque às proteções ambientais

bolsonaro guardian

Os críticos temem que a Amazônia esteja sendo empurrada a um ponto sem volta com Jair Bolsonaro. Fotografia: Joédson Alves / EPA

Por Jonathan Watts para o “The Guardian”

O colapso da floresta amazônica é inevitável se Jair Bolsonaro permanecer presidente do Brasil, alertaram acadêmicos e ativistas ambientais em meio a um novo ataque do governo às proteções para a floresta.

Apesar das evidências de que o fogo, a seca e o desmatamento estão empurrando a Amazônia para um ponto sem volta, eles dizem que o líder de extrema direita está mais interessado em aplacar o poderoso lobby do agronegócio e explorar os mercados globais que recompensam o comportamento destrutivo.

O ataque às salvaguardas florestais acelerou. Na quarta-feira, a Câmara dos Deputados deveria votar uma legislação que recompensaria os grileiros legalizando a posse de propriedades que haviam sido ilegalmente invadidas e desmatadas antes de 2014.

No dia anterior, o governo transferiu a responsabilidade pelo monitoramento por satélite de incêndios florestais do Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais, uma organização cientificamente robusta que realizou a tarefa por décadas. O controle foi entregue ao Instituto Nacional de Meteorologia, que está sob a influência do Ministério da Agricultura e do setor agropecuário.

Nos últimos meses, o Congresso também diluiu os padrões para avaliações de impacto ambiental e uma comissão aprovou um projeto de lei – PL 490 – que foi descrito como o maior atentado aos direitos indígenas desde o lançamento da Constituição brasileira em 1988.

Todas essas medidas perfuram a estrutura de proteção da Amazônia e vão contra os pareceres científicos e os problemas no terreno. O Brasil está passando por uma seca crescente, que fez com que o fluxo de água em algumas usinas hidrelétricas caísse para mínimos de 91 anos. Esta é uma causa e um efeito do desmatamento.

Desde que Bolsonaro assumiu o poder em 2019, o desmatamento e os incêndios na Amazônia atingiram seus níveis mais altos em mais de uma década. Os últimos três meses mantiveram essa tendência, embora um pouco atrás dos picos do ano passado. Dadas as condições de seca em muitas partes da Amazônia, há temores de que o pico usual da temporada de incêndios em julho e agosto possa ser pior que o normal.

Os cientistas suspeitam que a floresta tropical pode estar entrando em uma série de ciclos viciosos. Em nível local, o desmatamento e as queimadas levaram a secas prolongadas e temperaturas mais altas, o que, por sua vez, enfraquece a resiliência do ecossistema e leva a mais incêndios.

Em nível regional, isso pode intensificar a seca porque a respiração da floresta tropical normalmente atua como uma bomba para impulsionar os sistemas de clima úmido em uma ampla área do Brasil, América do Sul e Atlântico. Quando a floresta enfraquece, essa bomba é menos eficaz.

Também há repercussões globais porque o desmatamento está transformando a região amazônica de amiga do clima em inimiga do clima. Um estudo publicado na Nature revela que a queima da floresta agora produz cerca de três vezes mais CO2 do que a vegetação remanescente é capaz de absorver. Isso acelera o aquecimento global.

As forças do mercado global são parcialmente responsáveis. O desmatamento tende a aumentar quando os preços da soja, da carne bovina e do ouro estão altos. Nenhum governo de qualquer tipo conseguiu parar completamente o desmatamento nas últimas quatro décadas. Mas as políticas governamentais fazem a diferença.

O desmatamento na Amazônia reduziu 80% entre 2004 e 2012 sob a administração do Partido dos Trabalhadores de Luiz Inácio Lula da Silva. Bolsonaro desmantelou ou desacreditou continuamente os mecanismos que conseguiram isso – monitoramento por satélite, pessoal no local e legislação para punir os infratores e demarcar terras indígenas e áreas de conservação.

“A principal coisa que este governo fez foi minar a capacidade do estado de enfrentar o desmatamento ilegal”, disse Marcio Astrini, secretário-executivo do Observatório Brasileiro do Clima, uma rede de 50 organizações da sociedade civil.

Já no Congresso, Bolsonaro e o lobby do agronegócio “ruralista” colocaram mais apoiadores em posições-chave: Arthur Lira como líder do Congresso, Carla Zambelli como presidente da Comissão de Meio Ambiente da Câmara e Bia Kicis como presidente da Comissão de Justiça. Esses políticos permitiram que a agenda dos ruralistas avançasse de forma mais agressiva.

“O governo brasileiro está fazendo exatamente o contrário do que precisa ser feito. Está estimulando ativamente o desmatamento por meio de suas políticas ”, disse Erika Berenguer, especialista em mudanças no uso da terra na Amazônia nas Universidades de Lancaster e Oxford. “Até recentemente, isso acontecia por meio de decretos e mudanças na política ministerial que cortavam orçamentos para o combate ao desmatamento. Agora, eles assumiram papéis mais importantes no Congresso, por isso estamos vendo projetos de lei ainda mais perigosos sendo aprovados ”.

Esta é uma preocupação global. O presidente dos Estados Unidos, Joe Biden, e o presidente da França, Emmanuel Macron, alertaram sobre os perigos representados pelo declínio da floresta tropical. Supermercados e organizações financeiras no Reino Unido, Noruega, Alemanha, França e Austrália ameaçaram boicotar os produtos brasileiros, a menos que as cadeias de abastecimento possam ser garantidas sem desmatamento.

Na quarta-feira, 40 empresas, incluindo Islândia, Waitrose, Lidl, Tesco e Sainsbury’s emitiram uma carta aberta alertando que futuras erosões da legislação ambiental e dos direitos indígenas as forçariam a reconsiderar o uso de commodities agrícolas brasileiras. “Gostaríamos de reiterar que consideramos a Amazônia uma parte vital do sistema terrestre, essencial para a segurança do nosso planeta, além de ser uma parte crítica de um futuro próspero para os brasileiros e toda a sociedade”, disseram. Grupos verdes disseram que agora esperam que essas empresas coloquem suas ameaças em prática.

Entre muitos consumidores, o Brasil é visto como uma marca tóxica e a Bolsonaro parece cada vez mais isolada no cenário mundial. Mas essa pressão internacional teve pouco impacto. No mês passado, Bolsonaro demitiu seu ministro do meio ambiente, Ricardo Salles, após uma denúncia da embaixada dos Estados Unidos sobre seu suposto envolvimento no contrabando ilegal de madeira. Mas Salles já havia destruído os órgãos de fiscalização e fiscalização florestal, e o verdadeiro poder por trás dele – a ministra da Agricultura, Tereza Cristina Dias – permanece no local.

Isso ocorre em parte porque os preços das commodities permanecem altos e a demanda é forte, especialmente na China, onde o governo coloca a aquisição de recursos acima da ética ambiental e a pressão da mídia é limitada por censura estrita. A China é o maior mercado do Brasil por uma grande margem.

Mas o principal motivo é a ideologia nacionalista do presidente. Segundo Astrini, Bolsonaro está tão exclusivamente focado na política doméstica que é indiferente à reputação internacional ou aos mercados globais. “Ele é o primeiro presidente brasileiro que tem uma agenda aberta de destruir proteções ambientais para ganhos políticos. Ele não se preocupa com o país, apenas com a reeleição. É tudo uma questão de base eleitoral ”, diz Astrini.

Em uma nota mais positiva, ele vê o Bolsonaro como um catalisador para a mudança. Desde que ele assumiu o poder, a floresta amazônica mudou para o centro do debate político. Vários candidatos nas eleições presidenciais do próximo ano agora têm compromissos de desmatamento zero em seus manifestos.

“Até Lula está dizendo que o desmatamento na Amazônia não pode mais ser sustentado por nenhum governo brasileiro. Ele nunca disse isso antes ”, disse Astrini. “Agora está claro que uma solução para a Amazônia só será possível se mudarmos de governo. Não há esperança se Bolsonaro for reeleito presidente. É a Amazônia ou o Bolsonaro. Não há espaço para ambos. ”

fecho

Este texto foi escrito originalmente em inglês e publicado pelo jornal “The Guardian” [Aqui!].

Desmatamento faz com que floresta amazônica emita mais CO2 do que absorva

A redução das emissões é mais urgente do que nunca, dizem os cientistas, com a floresta produzindo mais de um bilhão de toneladas de dióxido de carbono por ano

smoke

O estudo descobriu que os incêndios produziram cerca de 1,5 bilhão de toneladas de CO2 por ano, com o crescimento da floresta removendo 0,5 bilhão de toneladas. O 1 bilhão de toneladas restantes na atmosfera é equivalente às emissões anuais do Japão. Fotografia: Carl de Souza / AFP / Getty Images

Por Damian Carrington Editor de Meio Ambiente do “The Guardian”

floresta amazônica agora está emitindo mais dióxido de carbono do que é capaz de absorver, confirmaram os cientistas pela primeira vez.

As emissões chegam a um bilhão de toneladas de dióxido de carbono por ano, de acordo com um estudo. A floresta gigante antes era um sumidouro de carbono, absorvendo as emissões que impulsionavam a crise climática, mas agora está causando sua aceleração, disseram os pesquisadores.

A maioria das emissões são causadas por incêndios, muitos deliberadamente destinados a limpar terras para a produção de carne soja . Mas mesmo sem incêndios, temperaturas mais altas e secas significam que o sudeste da Amazônia se tornou uma fonte de CO2, em vez de um sumidouro.

O cultivo de árvores e plantas absorveu cerca de um quarto de todas as emissões de combustíveis fósseis desde 1960, com a Amazônia desempenhando um papel importante como a maior floresta tropical. Perder o poder da Amazônia de capturar CO2 é um forte aviso de que reduzir as emissões de combustíveis fósseis é mais urgente do que nunca, disseram os cientistas.

A pesquisa usou pequenos aviões para medir os níveis de CO2 de até 4.500 m acima da floresta na última década, mostrando como toda a Amazônia está mudando. Estudos anteriores indicando que a Amazônia estava se tornando uma fonte de CO2 foram baseados em dados de satélite, que podem ser dificultados pela cobertura de nuvens ou medições do solo de árvores, que podem cobrir apenas uma pequena parte da vasta região.

Ondas de fumaça em um incêndio na floresta amazônica em Oiapoque, estado do Amapá, Brasil, em outubro passado.A destruição das florestas mundiais aumentou drasticamente em 2020

Os cientistas disseram que a descoberta de que parte da Amazônia estava emitindo carbono mesmo sem incêndios foi particularmente preocupante. Eles disseram que provavelmente era o resultado do desmatamento e dos incêndios a cada ano, tornando as florestas adjacentes mais suscetíveis no ano seguinte. As árvores produzem grande parte da chuva da região, portanto, menos árvores significam secas mais severas e ondas de calor e mais mortes de árvores e incêndios.

O governo do presidente do Brasil, Jair Bolsonaro, foi duramente criticado por encorajar mais desmatamento , que atingiu o máximo em 12 anos , enquanto os incêndios atingiram seu nível mais alto em junho desde 2007 .

Luciana Gatti, do Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais do Brasil e que liderou a pesquisa, disse: “A primeira notícia muito ruim é que a queima da floresta produz cerca de três vezes mais CO2 do que a floresta absorve. A segunda má notícia é que os locais onde o desmatamento é de 30% ou mais apresentam emissões de carbono 10 vezes maiores do que onde o desmatamento é inferior a 20%. ”

Menos árvores significam menos chuva e temperaturas mais altas, tornando a estação seca ainda pior para a floresta remanescente, ela disse: “Temos um ciclo muito negativo que torna a floresta mais suscetível a incêndios descontrolados”.

Grande parte da madeira, carne bovina e soja da Amazônia é exportada do Brasil. “Precisamos de um acordo global para salvar a Amazônia”, disse Gatti. Algumas nações europeias disseram que bloquearão um acordo comercial da UE com o Brasil e outros países, a menos que Bolsonaro concorde em fazer mais para combater a destruição da Amazônia.

Foto aérea tirada de áreas queimadas da floresta amazônica, perto de Porto Velho, estado de Rondônia, Brasil.Marcas de alimentos desafiam as regras de desmatamento na lei ambiental do Reino Unido

A pesquisapublicada na revista Nature , envolveu o levantamento de 600 perfis verticais de CO2 e monóxido de carbono, que é produzido pelas queimadas, em quatro locais na Amazônia brasileira de 2010 a 2018. Ela encontrou incêndios que produziram cerca de 1,5 bilhão de toneladas de CO2 a ano, com o crescimento da floresta removendo 0,5 bilhão de toneladas. O 1 bilhão de toneladas restantes na atmosfera equivale às emissões anuais do Japão, o quinto maior poluidor do mundo.

“Este é um estudo verdadeiramente impressionante”, disse o Prof Simon Lewis, da University College London. “Voar a cada duas semanas e manter medições laboratoriais consistentes por nove anos é um feito incrível.”

“O feedback positivo, onde o desmatamento e as mudanças climáticas impulsionam a liberação de carbono da floresta remanescente, o que reforça o aquecimento adicional e mais perda de carbono, é o que os cientistas temiam que acontecesse”, disse ele. “Agora temos boas evidências de que isso está acontecendo. A história do sumidouro até a fonte do sudeste da Amazônia é mais um forte aviso de que os impactos climáticos estão se acelerando ”.

O professor Scott Denning, da Colorado State University, disse que a campanha de pesquisa aérea foi heróica. “No sudeste, a floresta não está mais crescendo mais rápido do que está morrendo. Isso é ruim – ter o absorvedor de carbono mais produtivo do planeta mudando de um sumidouro para uma fonte significa que temos que eliminar os combustíveis fósseis mais rápido do que pensávamos. ”

Um estudo de satélite publicado em abril descobriu que a Amazônia brasileira liberou quase 20% mais dióxido de carbono na atmosfera na última década do que absorveu. Uma pesquisa que rastreou 300.000 árvores ao longo de 30 anos, publicada em 2020, mostrou que as florestas tropicais estavam absorvendo menos CO2 do que antes. Denning disse: “Eles são estudos complementares com métodos radicalmente diferentes que chegam a conclusões muito semelhantes”.

“Imagine se pudéssemos proibir incêndios na Amazônia – poderia ser um sumidouro de carbono”, disse Gatti. “Mas estamos fazendo o oposto – estamos acelerando as mudanças climáticas.”

“A pior parte é que não usamos a ciência para tomar decisões”, disse ela. “As pessoas pensam que converter mais terras para a agricultura significará mais produtividade, mas na verdade perdemos produtividade por causa do impacto negativo nas chuvas.”

Pesquisa publicada na sexta-feira estimou que a indústria de soja do Brasil perde US $ 3,5 bilhões por ano devido ao aumento imediato do calor extremo que se segue à destruição da floresta.

 Este artigo foi emendado em 14 de julho de 2021. A referência à mudança das florestas “de um sumidouro para uma fonte” de carbono foi expressa ao contrário em uma versão anterior.

fecho

Este artigo foi escrito inicialmente em inglês e publicado pelo jornal “The Guardian” [Aqui! ].

Munidas de dados e smartphones, as comunidades amazônicas impulsionam o combate ao desmatamento

indians amazon

  • Equipar comunidades indígenas na Amazônia com tecnologia de monitoramento remoto pode reduzir o desmatamento ilegal, concluiu um novo estudo.
  • Entre 2018 e 2019, pesquisadores implementaram programas de monitoramento florestal de base tecnológica em 36 comunidades na Amazônia peruana.
  • Em comparação com outras comunidades onde o programa não foi implementado, aquelas sob o programa viram 52% e 21% menos desmatamento em 2018 e 2019, respectivamente.
  • Os ganhos foram concentrados em comunidades com maior risco de desmatamento devido a ameaças como extração de madeira e mineração ilegal.
Por Sheryl Lee Tian Tong para o Mongabay

Ensinar comunidades indígenas na Amazônia a usar tecnologias de monitoramento remoto durante o patrulhamento florestal pode reduzir o desmatamento ilegal, concluiu um novo estudo.

Pesquisadores, cujo trabalho foi publicado em 12 de julho nos Anais da Academia Nacional de Ciências (PNAS), implementaram programas de monitoramento florestal de base tecnológica em 36 comunidades em Loreto, departamento mais ao norte do Peru, entre 2018 e 2019. Eles treinaram e pagaram três representantes de cada comunidade para patrulhar suas florestas mensalmente e verificar relatórios de suspeita de desmatamento usando um aplicativo de smartphone e dados de satélite.

Em comparação com outras 37 comunidades em Loreto onde o programa não foi implementado, aquelas sob o programa viram 52% e 21% menos desmatamento em 2018 e 2019, respectivamente. Os ganhos foram concentrados em comunidades com maior risco de desmatamento devido a ameaças como mineração ilegal, extração de madeira e plantio de safras ilícitas como coca para a fabricação de cocaína, descobriram os pesquisadores.

A colaboração entre Rainforest Foundation US (RFUS), o World Resources Institute (WRI), líderes indígenas e pesquisadores independentes é a última em um crescente corpo de pesquisa que afirma que reconhecer e proteger os direitos indígenas é a maneira mais eficaz de preservar as florestas tropicais naturais. Na América Latina, estudos têm mostrado que os povos indígenas são, de longe, os melhores guardiões das florestas da região, com taxas de desmatamento até 50% mais baixas em seus territórios do que em outros lugares.

Um terço da Floresta Amazônica está dentro de territórios indígenas formalmente reconhecidos. Os programas de monitoramento florestal comunitário, juntamente com o apoio de autoridades locais, podem economizar um quinto dos 2,7 milhões de hectares (6,7 milhões de acres) de floresta tropical nos territórios indígenas brasileiros e peruanos que provavelmente serão perdidos na próxima década, estimou o RFUS.

Os indígenas Kichwa de Pucayayu se localizam enquanto avançam pelos manguezais da floresta tropical para investigar alertas de desmatamento. Crédito da foto: Gilbertano Salazar Mamallacta
Líderes comunitários de Buen Jardín del Callaru se juntam a agentes ambientais para investigar uma derrubada ilegal de floresta tropical em seu território. Crédito da foto: Miguel Rivera Cruz

Alertas de desmatamento de dados de satélite estão disponíveis publicamente há muito tempo. A ferramenta Global Forest Watch (GFW) do WRI depende de um algoritmo desenvolvido por pesquisadores universitários para detectar mudanças na cobertura florestal por meio de imagens de satélite. No Peru, a plataforma nacional Geobosques usa dados GFW para emitir alertas precoces de suspeita de desmatamento.

No entanto, esses alertas raramente chegam a grupos remotos de floresta tropical sem acesso confiável à Internet, resultando em comunidades que geralmente detectam atividades ilegais de desmatamento apenas quando estão em andamento e são difíceis de interromper.

“A questão é colocar as informações de desmatamento nas mãos dos mais afetados por suas consequências e quem pode tomar medidas para impedi-lo”, disse Tom Bewick, que é o diretor do RFUS no Peru e que esteve envolvido no estudo. em um comunicado.

Durante o estudo de dois anos, os pesquisadores contrataram mensageiros para atravessar o rio Amazonas e seus afluentes todos os meses para entregar drives USB contendo relatórios de geoboscópios de suspeita de desmatamento para comunidades remotas.

Representantes treinados, ou monitores, então carregariam essas informações em um aplicativo de smartphone especializado, que eles usariam para navegar até os locais de distúrbios florestais durante suas patrulhas mensais. Quando identificassem casos de desmatamento não autorizado, os monitores tirariam fotos como evidência e sinalizariam para a comunidade, que poderia decidir denunciá-lo às autoridades locais.

Camila Montoya, uma monitora Ticuna, investigando e documentando uma área recentemente incendiada no Baixo Rio Amazonas. Crédito da foto: ORPIO / RFUS
Os monitores usam o aplicativo para smartphone Locus Map para identificar coordenadas GPS de desmatamento para suas patrulhas regulares. Crédito da foto: Cameron Ellis

“Estamos ajudando-os a estabelecer este sistema pelo qual eles podem coletar as evidências, mas nossa esperança é que então vamos embora”, disse Suzanne Pelletier, diretora executiva do RFUS, em um vídeo . “Eles podem então treinar outras pessoas e ser o modelo para milhares de outras comunidades em toda a Amazônia.”

Durante o período de dois anos, as comunidades sob o programa economizaram 456 hectares (1.127 acres) de floresta tropical, evitando a liberação de mais de 234.000 toneladas métricas de emissões de carbono a um custo de US $ 5 a tonelada. Isso o torna um pouco mais caro do que o preço médio de US $ 4,30 por tonelada de créditos de carbono de manejo florestal com base na natureza em 2019 , de acordo com dados do Ecosystem Marketplace .

Mas embora os créditos baseados na natureza tenham sido tradicionalmente afetados pelo problema de vazamento – onde projetos de conservação de ecossistemas, mesmo se bem-sucedidos em uma área, muitas vezes transferem o desmatamento para outro local – os pesquisadores não observaram tal deslocamento de desmatamento para as comunidades em seu estudo.

Eles teorizaram que isso poderia ser devido à inacessibilidade das florestas em Loreto. “Na região que estudamos, na ausência geral de estradas, a maior parte do transporte ocorre por barco. Como resultado, as áreas mais vulneráveis ​​ao desmatamento estão localizadas próximas a rios navegáveis ​​”, escreveram em seu relatório. Como as comunidades indígenas em Loreto também tendem a viver ao longo do rio, os programas de monitoramento florestal comunitário aumentam o custo da extração de recursos, disseram eles.

O monitor Kichwa Mao Ketano aponta para um alerta no mapa de satélite da bacia do rio Napo. Crédito da foto: ORPIO / RFUS
Um monitor Kichwa preenche um relatório confirmando a ocorrência de desmatamento ilegal após retornar de uma patrulha florestal. Crédito da foto: Melvin Shipa Sihuango

“O estudo fornece evidências de que apoiar nossas comunidades com a mais recente tecnologia e treinamento pode ajudar a reduzir o desmatamento em nossos territórios”, disse Jorge Perez Rubio, presidente do Grupo Indígena Organização Regional do Povo da Amazônia Oriental (ORPIO), em um comunicado . ORPIO trabalhou com RFUS e WRI para implementar os programas de monitoramento florestal no estudo.

“Nossa rede está pronta para fazer parceria com a Rainforest Foundation US para aplicar este modelo de tecnologia às nossas iniciativas comunitárias de proteção florestal em toda a bacia”, disse Gregorio Mirabal, coordenador geral do Coordenador de Organizações Indígenas da Bacia Amazônica (COICA), em uma afirmação. A COICA, que não participou do estudo, é uma associação guarda-chuva de organizações indígenas da baixada amazônica, da qual a ORPIO faz parte.

Imagem de banner dos Kichwa indígenas de Pucayayu navegando por manguezais na floresta tropical a caminho para investigar alertas de desmatamento por Gilbertano Salazar Mamallacta.

Nota do editor: Esta história foi apoiada por XPRIZE Rainforest como parte de sua competição de cinco anos para melhorar a compreensão do ecossistema da floresta tropical. Em relação à política do Mongabay sobre independência editorial, XPRIZE Rainforest não tem o direito de atribuir, revisar ou editar qualquer conteúdo publicado com seu apoio.

Citações:

Slough, T., Kopas, J., & Urpelainen, J. (2021). Alertas de desmatamento por satélite com treinamento e incentivos para patrulhamento facilitam o monitoramento comunitário na Amazônia peruana. Proceedings of the National Academy of Sciences. doi: 10.1073 / pnas.2015171118

Walker, W. S., Gorelik, S. R., Baccini, A., Aragon-Osejo, J. L., Josse, C., Meyer, C., Schwartzman, S. (2020). O papel da conversão, degradação e perturbação florestal na dinâmica do carbono dos territórios indígenas e áreas protegidas da Amazônia. Proceedings of the National Academy of Sciences ,  117 (6), 3015-3025. doi: 10.1073 / pnas.1913321117

fecho

Este texto foi escrito originalmente em inglês e publicado pelo Mongabay News [Aqui!].

Luz verde para crimes ambientais

O governo brasileiro usa métodos criminosos para destruir a natureza. Uma conversa com Eliane Gomes-Alves e Cristiane Mazzetti

destruição amazonia

A destruição da Amazônia continua

Por Ute Evers para a OXI e publicado pelo Neues Deutschland

Eliane Gomes-Alves está fazendo seu doutorado nas áreas de clima e meio ambiente. Ela está atualmente trabalhando como cientista no Instituto Max Planck de Biogeoquímica em Jena.

Cristiane Mazzetti é Gerente Ambiental pela Universidade de São Paulo (USP) e mestre em Meio Ambiente e Desenvolvimento pela London School of Economics and Political Sciences (LSE). Como especialista ambiental, ela trabalha com questões como desmatamento e uso do solo, principalmente por meio de campanhas e lobby. Atualmente, ela faz parte da equipe do Greenpeace Amazon como ativista sênior. A entrevista foi conduzida por Ute Evers.

Você pode nos explicar brevemente sobre o que é sua pesquisa?

Eliane Gomes-Alves: É sobre plantas, gases e clima! As plantas produzem gases comumente conhecidos como odores de plantas. Esses cheiros são, por ex. B. responsável por atrair polinizadores ou afastar predadores. Cumprida essa função ecológica, os gases permanecem no ar e passam por reações químicas que levam à produção de partículas, que por sua vez atuam como núcleos de vapor d’água, que se condensa e inicia a formação de nuvens de chuva. Portanto, há uma conexão entre o cheiro da floresta e a formação de nuvens. Minha pesquisa visa entender como as plantas liberam esses gases / cheiros e como isso varia ao longo do ano.

Você está se concentrando na Amazônia?

Eliane Gomes-Alves: Sim! A Amazônia é a maior floresta tropical do mundo e um importante reservatório de carbono; a preservação da floresta contribui enormemente para a regulação do clima regional e global. Quando comecei a olhar para o meio ambiente em geral, comecei a me preocupar com questões como aquecimento global e mudanças climáticas. Então, eu queria entender como essa floresta afeta o clima.

A floresta tropical brasileira ganhou destaque internacional nos últimos anos devido aos incêndios devastadores e à política climática do presidente Jair Bolsonaro. Qual é o maior dano causado pelo atual governo?

Cristiane Mazzetti:A destruição de uma política pública que levou anos para ser construída e exigiu enormes recursos financeiros para ser projetada e implementada! O plano de ação do PPCDAm (plano de ação para prevenção e controle do desmatamento na Amazônia legal), que conseguiu reduzir as taxas de desmatamento entre 2004 e 2012, incluiu medidas como a criação de áreas protegidas e terras indígenas ou o estabelecimento de medidas de controle. No governo de Bolsonaro, as autoridades de controle (Ibama e ICMBio) foram incapacitadas pela militarização de seus quadros, cortes orçamentários e perda de liderança na implementação dos objetivos. Nenhum projeto apresentado pelo governo brasileiro inclui a criação de novas áreas protegidas, embora existam cerca de 50 milhões de hectares de florestas públicas não designadas,

Além disso, o governo tem incentivado o crime ambiental por meio de medidas provisórias e projetos de lei que visam relaxar a proteção ambiental e legalizar o crime ambiental. Essa combinação dá luz verde à destruição, que não é facilmente reversível. Por exemplo, a ocupação ilegal e a invasão de terras públicas aumentaram porque a aplicação das leis é muito baixa, associada a propostas para abrir terras indígenas para mineração ou para flexibilizar os critérios de regularização fundiária. Os infratores sabem que não apenas não serão punidos, mas também devem ser recompensados ​​pelas mudanças no aparato jurídico.

Entre 2004 e 2012, muitos sinais foram dados para não tolerar crimes ambientais. O que foi conquistado naquela época se perde dia a dia hoje.

É assim que você vê do ponto de vista científico, Eliane?

Eliane Gomes-Alves: Com certeza! Eu vejo três razões para isso. A primeira é que o Brasil já teve uma queda nos investimentos em pesquisa, mas só piorou a partir de 2018. O valor das bolsas de pós-graduação e auxiliares de pesquisa foi reduzido, o que diminui o número de pesquisas. No Brasil, grande parte da pesquisa científica é realizada por pós-graduados. São os doutorandos e pós-doutores que constituem uma parte significativa das publicações científicas. Se o número de bolsas diminuir, diminui o número de pessoas que trabalham e produzem ciência no Brasil.

Além disso, muitos jovens são desestimulados a seguir a carreira científica na área ambiental, visto o quanto está sendo destruído e desconsiderado. Há um sentimento de impotência diante de tanta negligência e ataque à ciência. Embora o mundo todo já tenha entendido por meio da ciência que as mudanças climáticas são um fato e que afetarão gravemente a vida de muitas pessoas, o Brasil vai contra a corrente. O Brasil tem excelentes cientistas. Mas a ciência não tem valor e, portanto, não há incentivo. Dedicar-se às ciências ambientais aqui exige um certo ativismo, que nem todos estão dispostos a assumir.

Como resultado, muitos pesquisadores deixam o Brasil. Sou um exemplo disso: como brasileiro, trabalho para um instituto alemão e posso ser mais ativo cientificamente do que no Brasil. Tudo isso tem implicações de médio e longo prazo, pois a ciência só pode progredir com investimento em recursos financeiros e humanos e com o reconhecimento de sua importância.

Depois dos incêndios devastadores na floresta amazônica no ano passado, eclodiram os protestos da economia internacional. Em junho de 2020, CEOs de empresas brasileiras e internacionais, bem como participantes do setor, ameaçaram em uma carta ao governo que retirariam seus investimentos se a destruição da floresta amazônica não fosse interrompida. Quão credíveis são essas ações se entre os signatários está a gigante agroquímica alemã Bayer, que é famosa pelas exportações de venenos para o sul global?

Cristiane Mazzetti: A política anti-ambiental do governo Bolsonaro provocou reações negativas de muitos atores internacionais – alguns com críticas mais ou menos credíveis à destruição contínua de florestas e degradação ambiental.

A falta de recursos é uma das principais linhas de defesa do governo federal para justificar sua inação, mas não é verdade. Há dinheiro disponível que poderia ser desembolsado para conter o desmatamento e prevenir incêndios florestais. Um exemplo é o Fundo Amazônia com cerca de três bilhões de reais. Organizações da sociedade civil e partidos políticos já apelaram do seu congelamento ao Supremo Tribunal. O Fundo Amazônia já financiou atividades relacionadas à gestão de áreas protegidas e monitoramento ambiental.

Além disso, a Lei do Orçamento de 2021 apresentou o menor valor para o meio ambiente em 21 anos. Bolsonaro somou seu veto à já ruim proposta do Executivo e cortou ainda mais o orçamento para as autoridades ambientais. O problema não é a disponibilidade de recursos, mas a vontade política. Deixar de usar os recursos existentes e cortar orçamentos é uma forma de minar a proteção ambiental e matar os órgãos ambientais (como o Ibama e o ICMBio) por inação. Em relação à Bayer e outras empresas exportadoras de agrotóxicos proibidos da União Européia para o Brasil, a posição de várias organizações da sociedade civil é clara. Nenhum produto pode ser exportado para outros países, cujo uso é proibido no bloco econômico!

A Amazônia como “pulmão verde do mundo” é um mito popular. Como cientista, o que você acha disso?

Eliane Gomes-Alves: Dizer que a Amazônia é o pulmão do mundo é colocar todo o seu significado em uma formulação errada e simplista. Há pesquisas suficientes para mostrar que a maior parte do oxigênio global é produzida pelo fitoplâncton (algas) nos oceanos. Mas as pessoas querem respostas simples para problemas complexos. Mas a ciência não nos dá respostas simples e imutáveis. Freqüentemente, há situações em que novas descobertas derrubam as antigas, e quanto mais ciência é produzida, mais complexo se torna o seu entendimento. Existem muitas pesquisas que mostram a importância da Amazônia em termos de biodiversidade e distribuição de água. Isso de forma alguma o coloca em um nível menos importante, como se ele fosse o pulmão do mundo (o que ele não é). As razões para a conservação da floresta são inúmeras e não podem ser substituídas por um slogan que leve à desinformação. Uma imprensa de boa reputação tem a obrigação moral e ética de investigar e não divulgar informações falsas.

Quão ativos podem ser os movimentos civis pelo clima e os ativistas políticos nos tempos de Bolsonaro?

Cristiane Mazzetti: No passado (antes do governo Bolsonaro), o governo federal via a sociedade civil como um ator estratégico na formulação de políticas públicas e nas ações que ajudavam a reduzir o desmatamento. A moratória da soja foi até citada em relatórios do PPCDAm como uma medida para conter o desmatamento. Esta promessa do setor privado, assinada por comerciantes de soja, foi em resposta à pressão de campanhas da sociedade civil destacando a ligação entre soja e desmatamento florestal na Amazônia.

Atualmente, o governo não apenas interrompeu o diálogo com ONGs, movimentos rurais e povos indígenas, mas também reduziu e eliminou a participação de representantes da sociedade civil nos conselhos. Além disso, um dos rascunhos do plano de enfrentamento ao desmatamento na Amazônia continha a intenção de controlar 100% das ONGs que atuam na área. Já houve casos de denúncias, intimidações e (in) ações judiciais contra ativistas e ambientalistas. A medida tornou-se absurda quando o serviço secreto brasileiro (Abin) foi utilizado para monitorar a sociedade civil durante a conferência do clima em Madri (2019).

Eliane, você passou um tempo na Amazônia. Houve algum momento decisivo que influenciou sua abordagem de pesquisa?

Eliane Gomes-Alves: Com certeza. O conhecimento tradicional das pessoas que moram perto dos locais de teste contribuiu muito para minha pesquisa. São os locais que sabem identificar as plantas com que trabalho, que sabem se locomover na floresta e que conhecem o clima do ponto de vista empírico. Foi meu contato com o povo amazônico que me ensinou sobre a floresta, o que estudar e como fazer minhas pesquisas. Seus conhecimentos tradicionais influenciam o desenvolvimento de projetos experimentais de pesquisa e as adaptações de dispositivos que são construídos apenas para uso em regiões de latitude média, como a Europa.

Que desafios você tem que enfrentar como jovem na pesquisa?

Eliane Gomes-Alves:Os desafios são principalmente resultado do patriarcado. Eu faço pesquisas em uma área, as geociências, que ainda é dominada pelos homens. Em várias expedições, fui a única ou a única parte de um grupo muito pequeno de mulheres que participaram como cientistas. Tenho enfrentado situações caracterizadas por discriminação e preconceito, por ex. Por exemplo, não me deixar dirigir porque sou mulher, para situações reais de assédio sexual. Infelizmente, ainda é comum eu ouvir comentários que às vezes reduzem minhas habilidades cognitivas por meio do preconceito contra as mulheres; que as mulheres são vistas como menos capazes e, às vezes, degradando minha humanidade na forma de uma falta de respeito pelo meu corpo e intelecto.

fecho

Esta entrevista foi produzida pela OXI – Thinking Business Different. OXI, que é um jornal mensal economicamente crítico que está incluído no »nd DIE WOCHE, e foi publicada pelo Neues Deutschland [Aqui!].

Na antessala dos mega incêndios amazônicos de 2021

fogo amazonia 2021

O latifúndio agro-exportador (que se apresenta sob a fachada aparentemente menos maligna do “agronegócio”) já lançou todas as condições para que 2021 seja um ano em que mega incêndios ocorram em toda a Amazônia brasileira. As imagens de rolos de fumaça subindo aos céus deverão novamente percorrer o mundo, causando choque nos desavisados e atitudes de complacência dos governos que fingem se importar com o aquecimento da Terra e com todas as suas consequências desastrosas, especialmente para os segmentos mais pobres da população humana.

Mas os grandes incêndios que já começam a ocorrer precocemente na Pan Amazônia (sim, toda a bacia Amazônica está sob ataque neste momento) são apenas um sintoma de um processo azeitado de destruição dos ricos biomas amazônicos com o objetivo claro de abrir novas áreas para abastecer os mercados globais, a começar pelo voraz mercado chinês, passando pela União Europeia, e alcançando países que podem até consumir menos, mas consomem, os produtos que a devastação amazônica gera.

O problema é que junto com o desmatamento e os grandes incêndios há o problema da degradação florestal causada por estes dois outros processos. Como já demonstrado no artigo publicado na Science em setembro de 2020 por Eraldo Matricardi e colaboradores, a sinergia entre desmatamento, fogo e degradação está produzindo uma aceleração exponencial da perda de serviços ambientais estratégicos, a começar pelo fornecimento de água e também de chuvas. Com isso, os piores cenários gerados para o agravamento das mudanças climáticas com base na destruição da Amazônia serão provavelmente ultrapassados, e entraremos em um processo de piora significativa das condições ambientais não apenas na Amazônia, mas também em outros partes do Brasil, e de todo o planeta. 

E é importante que se diga que esse avanço da franja de destruição na Amazônia, apesar da fingida preocupação por parte de governos e grandes fundos de investimento de atuação global, são parte intrínseca de um modelo econômico que despreza o conhecimento científico existente sobre a centralidade de se preservar as florestas tropicais.  Na prática o que conta para os “players” que decidem os rumos da economia global é garantir seus lucros fabulosos, ainda que isso signifique que se está rifando a estabilidade ambiental da Terra.

Por essas e outras é que a proteção das florestas amazônicas não se dará sem que haja uma importante mobilização global, que mesmo sendo iniciada desde dentro, vai ter que ocorrer principalmente nos países que consomem as commodities agrícolas que substituem a biodiversidade ali existente.

Nesse sentido, que os grandes incêndios de 2021 possam servir pelo menos para gerar o processo politico que impedirá, por exemplo, que o acordo comercial da União Europeia com o Mercosul seja viabilizado.  É que os players da economia mundial só preocupam mesmo quando começam a perder dinheiro ou, pelo menos, a ganhar menos.

 Para os habitantes do centro sul do Brasil, uma quase certeza é que terão menos chuvas e mais fumaça em sua linha do horizonte nos próximos meses. Esse será o preço da devastação amazônica e da inação política em relação ao que está sendo feito por lá pelo latifúndio agro-exportador em troca de um punhado de dólares.

O genocídio colonial na Amazônia pode ser medido?

Disputa de pesquisa sobre pólen em lagos e a concentração de CO 2 na atmosfera como medida da população pré-colonial na floresta tropical

kayapo posey

Membro do povo indígena Kayapó na Amazônia. Os Kayapó usam a floresta sem cultivar. Foto: Darrell Posey / Archive Suchanek

Quantas pessoas viviam nas Américas antes da chegada de Colombo? E quantos deles na Amazônia? E em que medida a colonização europeia levou ao genocídio, ou seja, ao despovoamento desta maior região de floresta tropical? Essas são duas questões na ciência histórica que foram altamente controversas por décadas. Dependendo da abordagem da pesquisa, as estimativas da população pré-colombiana da região amazônica variam de 500.000 a 20 milhões de pessoas. De acordo com um estudo publicado em 2019 (“Quaternary Science Reviews”, vol. 207, p. 13), a colonização da América do Norte e do Sul pelos europeus nos séculos 15 e 16 levou a um genocídio massivo com um declínio populacional estimado em 90 para 95%. Pesquisa recentemente apresentada na revista “Science” (Bush et al 2021) afirma ter refutado essa hipótese, pelo menos para a bacia amazônica: A população indígena da região amazônica entrou em colapso séculos antes da chegada dos europeus e deixou grande parte áreas desertas.

De 1300 a 1870, o mundo experimentou uma »pequena era do gelo«, combinada com uma redução significativa na concentração de CO2 atmosférico de 7 a 10 ppm (partes por milhão) entre o final do século XVI e o início do século XVII. Em seu estudo de 2019, cientistas do Instituto de Geografia da University College London vincularam essa redução significativa nos níveis de dióxido de carbono na atmosfera, conhecida como pico orbe, por volta de 1610, a um genocídio colonial na América do Sul e do Norte.

O estudo vê a queda da população na América Latina e na América do Norte de um total de cerca de 60 milhões para apenas seis milhões de pessoas, desencadeada pela chegada dos europeus, como a causa dessa redução de CO2 e do resfriamento global da época. “A grande morte dos povos indígenas da América” levou ao abandono de grandes áreas originalmente desmatadas para a agricultura, explica o principal autor do estudo, Alexander. As florestas, que agora crescem em milhões de hectares de campos órfãos, especialmente na bacia amazônica, teriam sido capazes de extrair mais CO2 da atmosfera e armazená-lo em sua biomassa. Essa é a hipótese.

Mas o trabalho publicado nesta primavera na Science por uma equipe internacional de cientistas liderada pelo paleontólogo Mark Bush, do Instituto de Tecnologia da Flórida, contradiz essa suposição. O crescimento das florestas tropicais realmente ocorreu muito antes, e a população indígena entrou em colapso em grandes partes da região amazônica vários séculos antes que os espanhóis Vicente Yáñez Pinzón em 1499 e Francisco de Orellana em 1542 “descobrissem” a Amazônia. A chegada dos europeus “apenas” exacerbou uma tendência já existente.

Pólen fóssil fala por uma recuperação anterior da floresta

O estudo é baseado em depósitos de pólen e partículas de carvão dos últimos dois milênios que os pesquisadores encontraram nos sedimentos de 39 lagos amazônicos no Brasil, Peru, Equador e Bolívia. O pólen fóssil reflete as mudanças na vegetação ao longo do tempo, e o carvão no sedimento é uma indicação de possível corte e queima.

Em particular, a equipe de pesquisa se concentrou na presença de pólen do gênero de árvore pioneira de crescimento rápido Cecropia. As plantas, também conhecidas como formigas, precisam de muita luz e por isso são as primeiras a conquistar áreas previamente desmatadas. “Essas árvores crescem do nada a cinco metros em dois anos, tão rápido que são ocas e na verdade são habitadas por formigas”, explica Bush.  Os indivíduos da Cecropia são geralmente substituídas após algumas décadas por outras espécies de árvores e palmeiras que prosperam em sua sombra. Grandes quantidades de pólen de Cecropia na camada de sedimentos sugeriam, de acordo com a teoria, que a área ao redor dos lagos havia sido abandonada recentemente, e que a regeneração natural da floresta estava em um estágio inicial.

Com base nesses dados, Bush e seus co-autores concluíram que o recrescimento da floresta tropical havia começado em muitos lugares na Amazônia tão cedo quanto 300 a 600 anos antes da chegada dos europeus e antes do pico orbe, que por sua vez indicava uma marcada pré-colombiana  que sugere o declínio da população na região. No período entre 1550 e 1750, no entanto, os pesquisadores não encontraram nenhuma evidência de reflorestamento de florestas nos sedimentos do lago, o que contradiria um genocídio massivo durante este período.

Mas o que poderia ter desencadeado o declínio precoce das populações indígenas da Amazônia sem a influência de invasores? As causas do despovoamento da região de 950 a 1500 anos atrás ainda precisam ser investigadas, diz Bush. No entanto, os efeitos acumulados das mudanças ambientais, das pandemias pré-coloniais e da violência entre os povos indígenas da região amazônica podem ter contribuído para isso.

Eduardo Góes Neves, do Museu de Arqueologia e Etnologia da Universidade de São Paulo, não se deixa convencer pelos argumentos de Bush e seus colegas. A diminuição significativa do dióxido de carbono após a chegada dos europeus não poderia ser explicada de outra forma senão por um aumento crescente da floresta naquela época. Neves: “Não concordo inteiramente com as conclusões do artigo, mas acho bom que tenha sido publicado porque é uma grande síntese de dados”, diz Góes Neves.

O geógrafo Alexander Koch, um dos principais autores do estudo de 2019, também não considera o novo trabalho de pesquisa convincente. É uma contribuição importante, mas não refuta a hipótese central de seu artigo, que se refere a toda a América e não apenas à Amazônia. O valor informativo do pólen fóssil também é limitado. Koch afirma que “Os dados de pólen apenas nos dizem se a floresta voltou a crescer em um determinado lugar.”

Todo o desenvolvimento humano é baseado no desmatamento?

Além das diferentes abordagens e resultados de pesquisa, os dois estudos têm algo fundamental em comum. Ambos partem do postulado de que populações maiores só podem ser alimentadas com o desmatamento e a expansão das terras cultiváveis.

Mas pesquisas agrícolas e estudos etnobiológicos mostraram, anos atrás, que sistemas agroflorestais ricos em espécies podem produzir mais alimentos por hectare do que monoculturas nos campos. Até hoje, os povos indígenas da Amazônia usam métodos de produção de cultivo tão complexos e numerosas de espécies de árvores. Já na década de 1980, o etnobiólogo Darrell A. Posey constatou em um trabalho sobre as ilhas de floresta tropical artificiais – as chamadas »Apêtê« – no Cerrado do sudeste da Amazônia que pelo menos os índios Kayapó aumentaram ativamente o número de florestas a fim de aumentar o suprimento de alimentos e não a destruição da floresta. O desmatamento não precisa necessariamente acompanhar o crescimento populacional, e o crescimento da floresta não precisa acompanhar o declínio populacional.

Em 2006, os cientistas florestais Robert P. Miller e Ramachandran Nair sugeriram em um artigo cientifico que os sistemas agroflorestais já alimentavam “grandes complexos populacionais ao longo dos principais rios amazônicos” antes da chegada de Cristóvão Colombo. Apesar das convulsões da era colonial, que dizimaram a população nativa, ainda existe uma grande variedade de práticas agroflorestais indígenas, escreveram os pesquisadores na revista “Agroforestry Systems” (vol. 66, p. 151). É difícil responder se os métodos de cultivo atuais dos povos indígenas amazônicos correspondem aos de seus ancestrais: »No entanto, é provável que os complexos sistemas agroflorestais indígenas descritos na literatura etnobiológica das últimas décadas sejam sucessores diretos dos sistemas anteriores a chegada dos europeus existiu. “

Já na década de 1990, os botânicos identificaram pelo menos 138 espécies de plantas que foram cultivadas ou manejadas pela população indígena na Amazônia no início do século 15, das quais 68% são espécies arbóreas ou herbáceas.

“O legado do uso da terra pré-colombiana na floresta amazônica é um dos tópicos mais polêmicos nas ciências sociais e naturais”, resumiu uma equipe de cientistas do Brasil, Holanda e Grã-Bretanha na revista Nature Plants (Vol. 4 , p. 540) juntos. “Nossos resultados sugerem que a subsistência para o desenvolvimento de sociedades complexas na Amazônia oriental começou há cerca de 4.500 anos com a introdução de diversos sistemas agroflorestais.”

Conclusão: A exploração histórica da bacia amazônica e de suas populações indígenas está longe de terminar. Ainda há amplo espaço para especulação científica. Só uma coisa é certa: a cada dia e a cada hectare que é cortado, queimado e arado para monoculturas agrícolas ou exploração de minério, escavado pelas chuvas tropicais no Brasil, Peru, Bolívia, Guiana, Colômbia, Venezuela, Suriname, França Guiana ou Equador arrastados ou inundados por megacentrais hidrelétricas como a de Belo Monte, a Humanidade está perdendo irremediavelmente não só a diversidade, mas também um pedaço da história.

fecho

Este artigo foi escrito originalmente em alemão e publicado pelo jornal “Neues Deutschland” [Aqui!]

DETER confirma tendência de aumento dos alertas de desmatamentos e junho tem novo recorde

Foram 326Km2 de área desmatada somente na última semana do mês

desmatamento amazoniaFoto: Imagem aérea de desmatamento registrada pelo Greenpeace durante sobrevoo no estado de Roraima em abril de 2021.

Manaus, 09 de Julho de 2021 – Dados do sistema DETER, do Instituto de Pesquisas Espaciais (Inpe), divulgados hoje demonstram que os alertas de desmatamento na Amazônia não param de crescer. Os dados do mês de junho mostram uma área destruída de 1.062 Km2, que representa um aumento de 1,8% na área com alertas de desmatamento em relação aos registrados em junho de 2020. Somente na última semana do mês passado foram 326 Km2 e o acumulado no ano já soma 3.610 Km2, 17,1% maior que o mesmo período de 2020.

deter 2021

Gráfico: Área dos alertas de desmatamento para o mês de junho, segundo o Programa DETER-B/INPE. Consultado às 07:00am em 09/07/2021.

Apesar dos números crescentes, o governo federal insiste em manter uma operação cara e comprovadamente ineficaz em lidar com o problema, enviando as tropas militares através da GLO, para combater o desmatamento. Dessa forma, validando a política antiambiental do atual governo que fragilizou órgãos de fiscalização, como Ibama e ICMBio.

“É mais um triste recorde para a floresta e seus povos, esse número só confirma que o Governo Federal, não tem capacidade de combater toda essa destruição ambiental. Enviar o exército à Amazônia, somente neste momento em que o fogo e a devastação estão, mais uma vez, avançando sobre a floresta, é uma estratégia tardia e equivocada, deixando evidente que na verdade não há interesse em combater o desmatamento”, declara Rômulo Batista, porta-voz da campanha Amazônia do Greenpeace.

Esse tipo de operação vem, há dois anos, mobilizando recursos públicos muitas vezes superiores ao orçamento anual do IBAMA para fiscalização e um grande número de militares, sem efetividade na prevenção do desmatamento e queimadas, o resultado é o aumento desses números. Além de não evitar o desmatamento, o próprio governo divulgou os 26 municípios onde atuarão as Forças Armadas, o que compromete o “elemento surpresa” necessário para encontrar e punir criminosos.

Estamos vivendo uma crise climática que se agrava com esses recordes de queimadas e desmatamentos, os reflexos no Brasil já podem ser vistos, como por exemplo a crise hídrica, causando o aumento da conta de luz e a aumento no preço dos alimentos. Mas ao invés de prevenir e combater o crime ambiental, esquemas organizados e patrocinados por grandes proprietários e grileiros de terra encontram-se amparados pelo esvaziamento das políticas de proteção ambiental, das atividades de fiscalização e pelas sinalizações vindas também do Congresso Nacional, que vem atuando para legalizar o ilegal. Exemplo são os Projetos de Lei 2633/2020 e 490/2017 que anistia grileiros e abre terras indígenas para atividades predatórias – respectivamente.

“Ao invés dos parlamentares estarem focados em conter os impactos da pandemia e combater o crime que avança na floresta, e que não só queima nossas riquezas naturais, mas também a imagem e a economia do país, eles tentam aprovar projetos que irão acelerar ainda mais o desmatamento, os conflitos no campo e a invasão de terras públicas. Nosso país não precisa da aprovação destes projetos, e o Presidente da Câmara dos deputados, Arthur Lira, não deve pautar o PL da grilagem e muito menos o PL 490 que é um ataque direto aos direitos dos povos indígenas. O que precisamos é de vontade política para avançar no combate ao desmatamento, queimadas e grilagem de terras”, finaliza Rômulo.

Amazônia em chamas: desmatamento de junho de 2021 confirma pior semestre desde 2016

 
A stretch of the Amazon rainforest is deliberately burned for cattle pasture in Brazil's Rodonia State, Sept. 8, 2019. (Victor Moriyama/The New York Times)

 

O desmatamento registrado em junho na Amazônia cresceu pelo terceiro ano consecutivo: foram 1.062 quilômetros quadrados num único mês, observados pelo sistema Deter, versus 1.043 km2 em junho de 2020 e 935 km2 em 2019. Houve uma queda em relação a maio desse ano, que apresentou um pico de 1.391 km2; contudo, confirma o primeiro semestre com mais derrubada desde 2016, com 3.610 km2, ou 17% a mais do que o mesmo período de 2020 – fato já determinado na semana passada, quando faltavam números dos últimos cinco dias de junho na divulgação feita pelo INPE.

O Deter costuma apresentar dados subestimados em relação ao sistema oficial de monitoramento do desmatamento da Amazônia, o Prodes, que é divulgado anualmente. Contudo, indica tendências.

“O aumento do desmatamento na Amazônia se confirma, o que é extremamente preocupante. O sul da região pode sofrer uma seca mais pronunciada em 2021, então o combate em campo será duplamente desafiador para o governo federal”, diz o pesquisador sênior do IPAM (Instituto de Pesquisa Ambiental da Amazônia), Paulo Moutinho.

Segundo estudo recém-lançado pelo IPAM e o Woodwell Climate Research Center, existem 5 mil quilômetros quadrados de vegetação desmatada desde 2019 esperando o fogo, e um efeito somado do fenômeno La Niña e o aquecimento de partes do Atlântico Tropical Norte pode criar condições mais secas para a região – o que facilita o espalhamento do fogo.

Nesta semana, o vice-presidente Hamilton Mourão, que lidera o Conselho Nacional da Amazônia, afirmou que o objetivo da GLO (Garantia da Lei e da Ordem) na região nos próximos meses é reduzir em 10% o desmatamento.

“É insuficiente: só a derrubada que acontece nas florestas públicas não destinadas, que é totalmente ilegal, responde por um terço de todo o desmatamento na Amazônia”, afirma Moutinho. “A sinalização de que alguma ilegalidade é admitida, somada a projetos como o PL 2633, que em nome da regularização fundiária pode anistiar grilagem, tendem a estimular ainda mais desmatamento.”

Outro ponto de preocupação é a falta de clareza sobre ações de coibição das queimadas. “A publicação de uma moratória do fogo neste ano, como aconteceu no ano passado, deve ser seguida de apoio às brigadas em campo e a um trabalho de conscientização em curto e médio prazo, para que o fogo deixe de ser usado na prática rural”, explica o diretor de Políticas Públicas e Desenvolvimento Territorial do IPAM, Eugênio Pantoja.