O que as grandes petroleiras sabiam sobre as mudanças climáticas – em suas próprias palavras

plataformaPlataformas de petróleo, Golfo do México (Imagem da Getty Images)

Por Benjamin Franta

Há quatro anos, viajei pela América, visitando arquivos históricos. Eu estava procurando por documentos que pudessem revelar a história oculta das mudanças climáticas – e em particular, quando as principais empresas de carvão, petróleo e gás tomaram conhecimento do problema e o que sabiam sobre ele.

Debrucei-me sobre caixas de papéis, milhares de páginas. Comecei a reconhecer fontes de máquina de escrever dos anos 1960 e 1970 e me maravilhei com a legibilidade da caligrafia do passado, e me acostumei a apertar os olhos quando não estava tão claro.

O que esses documentos revelaram agora está mudando nossa compreensão de como a mudança climática se tornou uma crise.

Em 28 de outubro, executivos da Exxon, BP, Chevron, Shell e American Petroleum Institute enfrentaram perguntas de um subcomitê do Congresso sobre os esforços da indústria do petróleo para minimizar o papel dos combustíveis fósseis nas mudanças climáticas. As próprias palavras da indústria, como descobri em minha pesquisa, mostram que eles sabiam do risco muito antes da maior parte do resto do mundo.

Descobertas surpreendentes

Em uma antiga fábrica de pólvora em Delaware – agora um museu e arquivo – encontrei uma transcrição de uma conferência sobre petróleo de 1959 chamada simpósio “Energy and Man” , realizada na Columbia University em Nova York. Enquanto folheava, vi um discurso de um famoso cientista, Edward Teller (que ajudou a inventar a bomba de hidrogênio), alertando os executivos da indústria e outros reunidos sobre o aquecimento global.

“Sempre que você queima combustível convencional” , explicou Teller , “você cria dióxido de carbono. … Sua presença na atmosfera causa um efeito estufa.” Se o mundo continuasse usando combustíveis fósseis, as calotas polares começariam a derreter, elevando o nível do mar. Eventualmente, “todas as cidades costeiras seriam cobertas”, alertou.

1959 foi antes do pouso na lua, antes do primeiro single dos Beatles, antes do discurso “I Have a Dream” de Martin Luther King, antes da primeira lata de alumínio moderna ser feita. Foi décadas antes de eu nascer. O que mais havia lá fora?

Em Wyoming, encontrei outro discurso nos arquivos da universidade em Laramie – este de 1965, e de um executivo do petróleo. Naquele ano, na reunião anual do American Petroleum Institute, principal organização da indústria petrolífera norte-americana, o presidente do grupo, Frank Ikard, mencionou um relatório intitulado “ Restaurando a qualidade de nosso ambiente ”, publicado poucos dias antes pela equipe de consultores científicos do presidente Lyndon Johnson.

“A essência do relatório”, disse Ikard ao público do setor , “é que ainda há tempo para salvar os povos do mundo das consequências catastróficas da poluição, mas o tempo está se esgotando”. Ele continuou que “Uma das previsões mais importantes do relatório é que o dióxido de carbono está sendo adicionado à atmosfera da Terra pela queima de carvão, petróleo e gás natural a uma taxa tal que até o ano 2000 o equilíbrio térmico será tão modificado o mais possível para causar mudanças marcantes no clima”.

Ikard observou que o relatório descobriu que um “meio não poluente de alimentar automóveis, ônibus e caminhões provavelmente se tornará uma necessidade nacional”.

Enquanto revisava minhas descobertas na Califórnia, percebi que antes do Summer of Love de San Francisco, antes de Woodstock, o auge da contracultura dos anos 60 e todas aquelas coisas que pareciam história antiga para mim, os chefes da indústria do petróleo haviam sido informados em particular por seus próprios líderes que seus produtos acabariam por alterar o clima de todo o planeta, com consequências perigosas.

Pesquisa secreta revelou os riscos à frente

Enquanto eu viajava pelo país, outros pesquisadores também trabalhavam duro. E os documentos que encontraram foram de certa forma ainda mais chocantes.

No final da década de 1970, o American Petroleum Institute formou um comitê secreto chamado “ CO2 and Climate Task Force ”, que incluía representantes de muitas das principais empresas petrolíferas, para monitorar e discutir em particular os últimos desenvolvimentos na ciência climática.

Em 1980, a força-tarefa convidou um cientista da Universidade de Stanford, John Laurmann, para informá-los sobre o estado da ciência climática. Hoje, temos uma cópia da apresentação de Laurmann , que alertou que se os combustíveis fósseis continuassem a ser usados, o aquecimento global seria “pouco perceptível” em 2005, mas na década de 2060 teria “efeitos globalmente catastróficos”. Naquele mesmo ano, o American Petroleum Institute pediu aos governos que triplicassem a produção de carvão em todo o mundo, insistindo que não haveria consequências negativas, apesar do que sabia internamente.

A Exxon também tinha um programa de pesquisa secreto. Em 1981, um de seus gerentes, Roger Cohen, enviou um memorando interno observando que os planos de negócios de longo prazo da empresa poderiam “produzir efeitos realmente catastróficos (pelo menos para uma fração substancial da população da Terra)”.

No ano seguinte, a Exxon concluiu um relatório interno abrangente de 40 páginas sobre mudanças climáticas, que previu quase exatamente a quantidade de aquecimento global que vimos, bem como aumento do nível do mar, seca e muito mais. De acordo com a primeira página do relatório, foi “dado ampla circulação à administração da Exxon”, mas “não deveria ser distribuído externamente”.

E a Exxon manteve isso em segredo: sabemos da existência do relatório apenas porque os jornalistas investigativos do Inside Climate News o descobriram em 2015.

Outras empresas petrolíferas também sabiam dos efeitos que seus produtos estavam causando no planeta. Em 1986, a empresa petrolífera holandesa Shell terminou um relatório interno de quase 100 páginas, prevendo que o aquecimento global causado por combustíveis fósseis causaria mudanças que seriam “as maiores da história registrada”, incluindo “inundações destrutivas”, abandono de países inteiros e até mesmo a migração forçada ao redor do mundo. Esse relatório foi carimbado como “CONFIDENCIAL” e só veio à tona em 2018 por Jelmer Mommers, um jornalista holandês.

Em outubro de 2021, eu e dois colegas franceses publicamos outro estudo mostrando por meio de documentos e entrevistas da empresa como a petrolífera Total, com sede em Paris, também estava ciente do potencial catastrófico do aquecimento global já na década de 1970. Apesar dessa conscientização, descobrimos que a Total trabalhou com a Exxon para espalhar dúvidas sobre as mudanças climáticas.

O pivô de relações públicas da Big Oil

Essas empresas tinham uma escolha.

Em 1979, a Exxon havia estudado em particular as opções para evitar o aquecimento global. Ele descobriu que, com ação imediata, se a indústria se afastasse dos combustíveis fósseis e se concentrasse em energia renovável, a poluição por combustíveis fósseis poderia começar a diminuir na década de 1990 e uma grande crise climática poderia ser evitada.

Mas a indústria não seguiu esse caminho. Em vez disso, colegas e eu descobrimos recentemente que, no final da década de 1980, a Exxon e outras empresas de petróleo coordenaram um esforço global para contestar a ciência climática, bloquear os controles de combustíveis fósseis e manter seus produtos fluindo.

Sabemos disso por meio de documentos internos e das palavras de especialistas do setor, que agora estão começando a compartilhar o que viram com o público. Também sabemos que em 1989, a indústria de combustíveis fósseis criou algo chamado Global Climate Coalition – mas não era um grupo ambiental como o nome sugere; em vez disso, trabalhou para semear dúvidas sobre as mudanças climáticas e pressionou os legisladores para bloquear a legislação de energia limpa e os tratados climáticos ao longo da década de 1990.

Por exemplo, em 1997, o presidente da Global Climate Coalition, William O’Keefe, que também foi vice-presidente executivo do American Petroleum Institute, escreveu no Washington Post que “Os cientistas do clima não dizem que a queima de petróleo, gás e o carvão está aquecendo a Terra constantemente”, contradizendo o que a indústria sabia há décadas . A indústria de combustíveis fósseis também financiou think tanks estudos tendenciosos que ajudaram a retardar o progresso.

Hoje, a maioria das empresas petrolíferas evita negar completamente a ciência climática, mas continua a lutar contra os controles de combustíveis fósseis e se promove como líderes em energia limpa, embora ainda coloque a grande maioria de seus investimentos em combustíveis fósseis. Enquanto escrevo isso, a legislação climática está novamente sendo bloqueada no Congresso por um legislador com laços estreitos com a indústria de combustíveis fósseis .

Enquanto isso, pessoas ao redor do mundo estão experimentando os efeitos do aquecimento global: clima estranho , mudanças de estação , ondas de calor extremas e até incêndios florestais como nunca viram antes.

O mundo experimentará a catástrofe global que as companhias de petróleo previram anos antes de eu nascer? Isso depende do que fazemos agora, com nossa fatia de história.

Este artigo é republicado de The Conversation sob uma licença Creative Commons. Leia o artigo original .


blue compass

Este escrito originalmente em inglês foi publicado pelo jornal “Daily Montanan” [Aqui!].

Caminho sem volta: após 2°C de aquecimento global, perda de biodiversidade da Amazônia e do Pantanal pode ser irreversível

deforestation amazon

A ação climática está ficando para trás na escala de tempo necessária para atingir as metas do Acordo de Paris de manter o aquecimento global abaixo de 1,5°C ou pelo menos impedir que ultrapasse 2°C neste século. Muitos cenários apontam agora para uma ultrapassagem dessas temperaturas por várias décadas, enquanto formuladores de políticas públicas e privadas defendem o uso de tecnologias ainda não validadas de remoção de dióxido de carbono (CDR) para trazer as temperaturas para baixo no futuro.

Uma pesquisa divulgada hoje (27) mostra como essa extrapolação de temperatura pode causar danos importantes e potencialmente irreversíveis à biodiversidade e aos ecossistemas em todo o mundo. Ao modelar o comportamento de mais de 30 mil espécies em diferentes ecossistemas, a análise descobriu que para quase 25% dos locais estudados, as chances de volta ao “normal” são incertas ou inexistentes, e isto inclui a Amazônia e o Pantanal. Para 8% dos locais observados, é correto dizer que nunca retornariam a esses níveis, diz a pesquisa.

O estudo foi conduzido por pesquisadores da Universidade da Cidade do Cabo (UCT) e do University College London (UCL) e publicado no periódico Philosophical Transactions of the Royal Society B: Biological Sciences. Nele, os cientistas exploram um cenário de excesso de emissões de CO2 que continua crescendo até 2040, depois inverte seu curso e cai para menos de 2°C após 2070 por meio de cortes profundos de carbono e à implantação maciça do CDR.

Segundo o estudo, para a maioria das regiões, os efeitos da exposição a temperaturas acima de 2°C chegará repentinamente, com muitas espécies sendo simultaneamente empurradas para além de seus limites de nicho térmico. Já o retorno dessas espécies às condições confortáveis será gradual e ficará atrás do declínio da temperatura global hipoteticamente alcançado no futuro.

As regiões tropicais serão mais afetadas por estes riscos, com mais de 90% das espécies no Indo-Pacífico, Oceano Índico Central, Norte da África Subsaariana e Norte da Austrália sendo levadas para fora de seus nichos térmicos. E na Amazônia, uma das regiões mais ricas em espécies do mundo, mais da metade delas estará exposta a condições climáticas potencialmente perigosas. O mesmo cenário é apontado para o Pantanal, o bioma de planície alagada mais biodiverso do mundo.

“Na Amazônia, isto poderia significar a substituição de florestas por pastagens e, como consequência, a perda de um importante sumidouro global de carbono, o que teria efeitos colaterais em múltiplos sistemas ecológicos e climáticos, assim como nossa capacidade de reduzir o aquecimento global”, explica Andreas Meyer, um dos autores da pesquisa e membro da Iniciativa Africana para o Clima e Desenvolvimento (ACDI) da UCT.

“Um estudo como este, que modela explicitamente os riscos para a biodiversidade do excesso de temperatura seguido de um retorno para baixo de 2°C, era há muito tempo uma peça faltante na pesquisa sobre a mudança climática”, declarou em nota a equipe que conduziu a análise.

Atualmente, a biodiversidade do planeta já está afetada pelas mudanças climáticas em curso. O aquecimento global — que hoje é de 1,2°C acima dos níveis pré-industriais — está causando mortandades precoces em espécies florestais e em massa nos recifes de coral, além de alterar a distribuição das espécies e eventos reprodutivos.

Tempo importa

O estudo ressalta a importância de uma perspectiva temporal nas discussões sobre cenários de ultrapassagem da temperatura de 2°C. Muitas projeções sobre o aquecimento global descartam as consequências potencialmente irreversíveis desta extrapolação desde que ao final a temperatura volte a estar abaixo deste limite perigosamente alto. Isso tem contribuído para subestimar a necessidade, apontada pelo IPCC, de reduções rápidas e profundas nas emissões e para promover tecnologias de remoção de carbono que supostamente estariam maduras no futuro.

Além disso, os autores observam que as CDR também podem ter impactos negativos sobre os ecossistemas: por exemplo, o plantio florestal em larga escala ou a produção de biocombustíveis requerem muita terra e água, gerando impactos socioambientais negativos e efeitos secundários sobre o sistema climático.

“É importante perceber que não existe uma solução ‘bala de prata’ para mitigar os impactos da mudança climática. Muitas tecnologias de remoção de dióxido de carbono e soluções baseadas na natureza, como o florestamento, vêm com potenciais impactos negativos”, afirma Joanne Bentley, uma das autoras do trabalho e membro da ACDI.

“Temos que reduzir rapidamente as emissões de gases de efeito estufa. Nosso estudo mostra que, se ultrapassarmos a meta de 2°C de aquecimento global, poderemos pagar caro em termos de perda de biodiversidade, comprometendo a prestação dos serviços ecossistêmicos com os quais todos nós contamos para nossa sobrevivência. Evitar um excesso de temperatura deve ser uma prioridade, seguido pela limitação da duração e da magnitude de qualquer excesso”.

Biocombustíveis: monoculturas sedentas aumentam estresse hídrico e pioram qualidade da água

A produção de bioenergia com separação de CO2 provavelmente causa mais danos ambientais do que a proteção climática

caniço gigante

Miscanthus ou caniço gigante chinês dificilmente precisa de fertilizante, mas esta usina de energia também é fundamental para o equilíbrio da água. Foto: dpa/Franziska Kraufmann
Por Norbert Suchanek para o “Neues Deutschland”

O aquecimento global está progredindo sem controle. Anos atrás, o Painel Intergovernamental sobre Mudanças Climáticas (IPCC) deixou claro que a meta de proteção climática de limitar o aumento da temperatura global a 1,5 grau não pode ser alcançada sem medidas para remover o dióxido de carbono (CO 2 ) da atmosfera. Mas como e com que custos ecológicos, econômicos e sociais é a questão crucial.

Uma medida para reduzir a concentração de CO 2 na atmosfera que é controversa entre ambientalistas e cientistas é chamada de BECCS. O termo inglês “Bioenergia com Captura e Armazenamento de Carbono” significa o cultivo em larga escala de usinas de bioenergia para produção de combustível ou geração de eletricidade e o subsequente armazenamento do dióxido de carbono liberado novamente durante a combustão da biomassa em instalações de armazenamento subterrâneo.

Agora, pela primeira vez nos EUA, uma equipe internacional de pesquisadores afiliados a várias instituições nos EUA e em Cingapura comparou os possíveis impactos ecológicos do cultivo em larga escala de culturas bioenergéticas e do reflorestamento para armazenamento de CO 2 no balanço hídrico nos Estados Unidos Estados. O estudo do grupo de pesquisa liderado por Yanyan Cheng, da Universidade Nacional de Cingapura, publicado na revista Science Advances, chega à conclusão preocupante de que a proteção climática, que se baseia principalmente no cultivo de culturas bioenergéticas, está reduzindo os recursos hídricos em grandes partes dos EUA, enquanto píoram a qualidade da água remanescente.

Com o cultivo de culturas energéticas aumentando para 1,9 milhão de quilômetros quadrados até o final do século, quase um quarto da área terrestre (24,6%) dos EUA sofrerá um grave estresse hídrico, impulsionado tanto pelas próprias mudanças climáticas quanto pela expansão da bioenergia . Isso significa, dizem os pesquisadores, que de uma população estimada dos EUA de 525 milhões até o final do século, 130 milhões de pessoas serão afetadas pela escassez de água ou pela qualidade da água deteriorada pelo aumento do uso de fertilizantes. Um cenário misto com BECCS e arborização, por outro lado, leva a um estresse hídrico significativamente menor. Se assim for, “apenas” cerca de 40 milhões de cidadãos dos EUA sofreriam severas restrições de água até 2100.

Com relação ao armazenamento de carbono esperado, a equipe de cientistas chega a conclusões semelhantes para BECCS e florestamento. A diferença crucial, no entanto, é que a capacidade de armazenamento de carbono, baseada principalmente na expansão das culturas bioenergéticas, depende de desenvolvimentos tecnológicos futuros incertos. Isso varia de melhorias ainda incertas nas técnicas de cultivo e processamento de culturas energéticas a tecnologias para armazenamento subterrâneo permanente de CO 2 (CCS) . “Sem tecnologia avançada de biorrefinamento e implementação efetiva de CCS”, segundo o estudo, a absorção líquida de carbono da atmosfera no cenário de expansão da bioenergia seria 70% menor do que com o reflorestamento em grande escala.

Embora os pesquisadores se refiram exclusivamente aos EUA, consideram seus resultados transferíveis para outros países e regiões. A sugestão de que a expansão das plantações de bioenergia e a deterioração da qualidade da água podem espalhar o estresse hídrico para uma área maior é consistente com estudos anteriores, escrevem eles. Os “efeitos colaterais” negativos descritos do BECCS também podem ocorrer em outras partes do mundo com políticas de expansão de bioenergia semelhantes ou ainda mais agressivas, aumentando ainda mais o risco de escassez de água em regiões já vulneráveis ​​às mudanças climáticas. Na Ásia, por exemplo, as consequências podem ser ainda mais graves. Lá, os cientistas esperam uma expansão da área cultivada para culturas energéticas para 3,9 milhões de quilômetros quadrados até o ano 2100,

Cientistas climáticos alemães estão mais céticos sobre até que ponto os resultados do estudo podem ser transferidos para a Europa Central. »O estudo refere-se aos EUA – sem o Alasca e o Havaí. Não é fácil dizer se os resultados também podem ser transferidos para a Alemanha, pois aqui interagem muitos efeitos diferentes, que podem se reforçar ou enfraquecer, assim como as mudanças climáticas afetam diferentes plantas de maneira diferente em todo o mundo”, diz o geógrafo Florian Zabel da Universidade Ludwig Maximilian de Munique (LMU). “É por isso que precisamos de modelos complexos de crescimento de plantas, uso da terra e sistemas de terra para investigar esses efeitos global e regionalmente, especificamente para a Europa, Alemanha e outras regiões”.

Do ponto de vista de Bernhard Wern, chefe de fluxos de materiais do Institute for Future Energy Systems da Saarland University of Applied Sciences (IZES), “o estudo atual fornece argumentos importantes de que as florestas não devem ser cortadas para produzir bioenergia em vez disso.” Especial para a Alemanha No entanto, os resultados também não são transferíveis porque o tema do desmatamento é discutido de forma muito diferente nos EUA. Wern: “Aqui na Alemanha, o desmatamento só é possível se for reflorestado em outros lugares e o desmatamento for de interesse público. O desmatamento para depois cultivar na área – como o cultivo de usinas de bioenergia – simplesmente não é permitido na Alemanha.«

Na opinião do pesquisador climático Helmut Haberl, da Universidade de Recursos Naturais e Ciências da Vida de Viena (BOKU), os resultados “não podem ser transferidos diretamente para a Áustria, Suíça e Alemanha, porque toda uma gama de condições estruturais é diferente”. No entanto, a afirmação básica do estudo atual, também na Europa Central, de que a questão de saber se mais deve ser investido em florestamento ou em bioenergia deve ser verificada com base em estudos robustos antes que decisões sejam tomadas.« O BECCS certamente pode ajudar a um certa medida na proteção do clima, mas de forma alguma substituem outras opções, como medidas estruturais de economia de energia ou a expansão de fontes de energia livres de carbono, como energia fotovoltaica ou eólica.

Outra deficiência do estudo: limita-se às consequências da BECCS para o balanço hídrico. Trabalhos anteriores de pesquisa sobre cultivo de culturas para produção de biocombustíveis ou biodiesel já mostraram que a expansão das áreas cultivadas leva à redução e aumento do preço da produção de alimentos, à perda de florestas e biodiversidade e, especialmente na América Latina e no sul da Ásia, à deslocamento de populações de seus territórios e ao aumento do uso de agrotóxicos. No entanto, os autores concordam em um ponto: “Apesar das incertezas descritas no estudo, ele aponta para a necessidade de análises holísticas de soluções de remoção de carbono baseadas em bioenergia que considerem todas as dimensões de sistemas humanos e naturais complexos, bem como as consequências não intencionais de plantações de bioenergia em grande escala.”


compass black

Este texto foi originalmente escrito em alemão e publicado pelo jornal “Neues Deutschland” [Aqui!].

O aquecimento global pode ser contido em pouco menos de 2°C se os países cumprirem suas metas

Um estudo publicado na “Nature” avalia o impacto dos anúncios feitos durante a COP26 sobre o clima. Pela primeira vez, respeitar o acordo de Paris parece possível, mas apenas se os compromissos forem cumpridos, o que é muito incerto

UN Climate Report

Uma planta de processamento de carvão em Hejin, província chinesa de Shanxi, 28 de novembro de 2019.

Por  Audrey Garric para o “Le Monde”

É um estudo que traz um raio de esperança no túnel escuro das mudanças climáticas. Pela primeira vez, compromissos estatais podem permitir limitar o aquecimento global a pouco menos de 2°C até o final do século, de acordo com um artigo cientifico publicado na Nature na quarta-feira, 13 de abril . No entanto, devemos ter cuidado para não sermos muito otimistas: esse resultado implica que as promessas dos países sejam cumpridas na íntegra e no prazo, o que é muito incerto. E esses planos continuam em grande parte insuficientes, pois quase certamente levam a uma ultrapassagem do limite de 1,5°C, o objetivo mais ambicioso do acordo de Paris e aquele que evitará os piores efeitos da crise climática.

“É um marco histórico, mas ainda não temos que comemorar porque ainda estamos longe do limite de 1,5°C “, disse Malte Meinshausen, professor da Universidade de Melbourne (Austrália) e primeiro autor do estudo. A única maneira de se aproximar é tomar medidas mais drásticas nos próximos dez anos, ou será tarde demais. “ Há uma emergência, lembra ele, quando os riscos de derretimento irreversível da Groenlândia “se desencadeiam em algum lugar entre 1,5°C e 2°C” e que secas, incêndios, inundações e extremos de calor aumentam a cada fração de grau.

O mundo ainda está longe dos objetivos do Acordo de Paris, que pretende limitar o aquecimento global “bem abaixo de 2°C e continuar os esforços até 1,5°C” . As atuais políticas estaduais estão levando o planeta a um aquecimento médio de 2,6°C em 2100. Na 26ª Conferência do Clima ( COP26 ), realizada em Glasgow em novembro de 2021, 153 países apresentaram os novos compromissos climáticos para 2030 e 75 Estados (representando três quartos das emissões globais) forneceu estratégias de longo prazo; eles visam essencialmente alcançar a neutralidade de carbono até 2050, ou mesmo 2060 para a China. A Índia, que fez anúncios sem enviá-los formalmente, tem como meta zero emissões líquidas até 2070.


color compass

Este texto foi escrito inicialmente em francês e publicado pelo jornal “Le Monde” [Aqui!].

Relatório IPCC: a crise do clima já apresenta consequências irreversíveis

Para evitar o agravamento dos eventos extremos e garantir a segurança das populações, planos de adaptação climática são primordiais

Sobrevoo em Sena Madureira sob inundação (Acre, Brasil). Crédito: © Alexandre Noronha / Greenpeace

São Paulo, 28 de fevereiro de 2022 – A segunda parte do 6º Relatório do Painel Intergovernamental de Mudanças Climáticas (IPCC – sigla em inglês) foi apresentada hoje aos governos mundiais. Com foco em impactos, adaptação e vulnerabilidade, o relatório apresenta quão graves já são os impactos das mudanças climáticas, especialmente para as populações que vivem em situação de vulnerabilidade.

Desde a divulgação do último relatório, os riscos climáticos estão aparecendo mais rápido e se tornarão mais graves mais cedo.

“O relatório do IPCC mostra que os impactos da crise do clima são irreversíveis. A população em situação de vulnerabilidade, que já sofre com o descaso de nossos governantes, será a mais impactada. É urgente que haja uma mudança rápida nas políticas públicas de adaptação no Brasil e no mundo, com orçamento adequado para perdas e danos das populações atingidas”, alerta Fabiana Alves, porta-voz de Clima e Justiça do Greenpeace Brasil.

Cientistas do mundo todo alertam:

  • Os efeitos do aquecimento nos ecossistemas acontecerão mais rápido, são mais difundidos e com consequências de maior alcance do que o previsto;
  • Não estamos preparados sequer para os impactos atuais, e isso está custando vidas.
  • Mais aquecimento traz mais problemas. Limitar o aquecimento a 1,5°C reduziria substancialmente as perdas e danos projetados, mas as perdas já se tornaram irreversíveis.
  • Devemos restaurar a natureza e proteger pelo menos 30% da Terra para que ela nos proteja.
  • Esta é a década crítica para garantir um futuro habitável, equitativo e sustentável. É necessário que a mudança seja sistêmica e inclusiva.

Brasil e América Latina

Os principais riscos à crise climática no Brasil e na América Latina incluem segurança hídrica; saúde devido a epidemias crescentes; degradação dos ecossistemas dos recifes de corais; riscos para a segurança alimentar devido a secas frequentes ou extremas; e danos à vida e à infraestrutura devido a inundações, deslizamentos de terra, elevação do nível do mar, tempestades e erosão costeira. Para a Amazônia, o risco de uma transição gradual de floresta tropical para savana (savanização) começa a aumentar em um nível entre 1,5°C e 3°C com um valor médio em 2°C.

Os eventos de chuvas fortes, que resultam em inundações, deslizamentos de terra e secas, devem se intensificar bastante em magnitude e frequência. Estima-se que o aquecimento de apenas 1,5°C resulte em um aumento de 100-200% no número da população afetada por inundações na Colômbia, Brasil e Argentina; 300% no Equador e 400% no Peru.

Em abril, será divulgada a terceira parte do 6° relatório do IPCC, que avaliará formas de mitigar as mudanças climáticas. O relatório completo será divulgado em outubro.

O aquecimento global já está doendo, adaptar é preciso

A segunda parte do sexto relatório de status do Painel Intergovernamental sobre Mudanças Climáticas está prestes a ser finalizada – trata-se de adaptação às mudanças

seca

Secas extremas – como as do oeste dos Estados Unidos – estão se tornando mais frequentes mesmo com o aquecimento atual. Foto: AFP/Josh Edelson

Por  Jorg Staude para o Neues Deutschland

Centenas de especialistas do grupo de trabalho dois do Painel Intergovernamental sobre Mudanças Climáticas (IPCC) estão sentados juntos virtualmente há uma semana, pesando sentença por sentença e ainda têm uma semana inteira de debates pela frente.

A cada seis anos, o IPCC apresenta um relatório abrangente resumindo o status da pesquisa sobre mudanças climáticas, nomeando suas consequências e formas de proteger o planeta. A segunda parte do sexto relatório de status do IPCC será publicada em 28 de fevereiro . Os especialistas do grupo de trabalho dois estão atualmente debruçados sobre isso, especialmente sobre a parte mais importante: o resumo para os políticos.

Em sua essência, a proteção climática é sempre sobre duas coisas, conhecidas como mitigação e adaptação . Mitigação – no significado latino original da palavra, significa apaziguar, mitigar ou aliviar algo. Em termos de clima, mitigação significa eliminar as causas das mudanças climáticas. Então, acima de tudo, reduzir as emissões de gases de efeito estufa, inicialmente para zero; e depois voltar a extrair gases de efeito estufa da atmosfera e assim gerar as chamadas emissões negativas.

Mas mesmo que consigamos limitar o aquecimento global a dois graus ou menos, as mudanças climáticas já terão consequências para a vida humana. É aqui que entra em jogo o segundo pilar da proteção climática: a adaptação . O ponto aqui é chegar a um acordo com as mudanças no clima ou se adaptar de tal maneira que os danos à civilização possam ser evitados na medida do possível ou as oportunidades que surgirem possam ser aproveitadas.

A segunda parte do sexto relatório do IPCC, que está em fase final de edição, trata principalmente dessas consequências das mudanças climáticas e das possibilidades de adaptação a elas. Boas notícias não estão em casa.

Conexão homem – clima – natureza

Como nenhum outro antes, o novo relatório mostrará “o quanto o mundo já mudou devido às mudanças climáticas e quais riscos climáticos catastróficos devemos esperar no futuro – dependendo da rapidez e do quanto reduzirmos as emissões de gases de efeito estufa”, disse ele. disse Hans-Otto Pörtner, um dos dois co-presidentes do grupo de trabalho dois, explicou recentemente o que pode ser esperado em uma entrevista coletiva do Consórcio Climático Alemão.

O novo relatório causará sensação, não apenas porque trata de impactos climáticos como calor, seca, precipitação extrema ou novos patógenos. Pörtner caracteriza a nova qualidade desta vez, os cientistas apresentariam as conexões entre humanos, clima e natureza “de uma maneira muito mais próxima e clara” do que antes.

Para o biólogo marinho do Alfred Wegener Institute for Polar and Marine Research, o “pensamento em silo” ainda domina o debate climático. O que ele quer dizer pode ser ilustrado pelas demandas que estão sendo feitas atualmente sobre o uso da terra, por exemplo.

Os operadores de energia eólica querem, com razão, mais espaço – mas também os conservacionistas para salvar a biodiversidade, ou o governo federal, que quer construir 400.000 novas casas todos os anos.

Para Pörtner, no entanto, também é uma espécie de “mentalidade de silo” quando hoje, por exemplo, 70% da terra arável global é usada para a produção de ração animal. “Precisamos de cerca de dez quilos de massa vegetal para produzir um quilo de carne animal”, calcula. Com uma mudança consistente na dieta , a humanidade não só faria algo diretamente para a proteção do clima, porque as emissões de metano e óxido nitroso da pecuária diminuiriam – ao mesmo tempo, muito espaço seria ganho para biodiversidade, espécies e proteção de terras e de curso também para a produção de alimentos que não são obrigados a fazer o desvio através do animal.

Para Pörtner, o armazenamento de dióxido de carbono ainda é visto demais do ponto de vista da tecnologia “silo”. A meta climática da UE – neutralidade climática até 2045 – já inclui uma porcentagem de CO2 que deve ser “embalada” em ecossistemas naturais.

Segundo Pörtner, tal abordagem pressupõe que os ecossistemas também possam gerenciar o armazenamento. “Mas já temos uma atenuação de importantes sistemas de armazenamento de CO2, como a floresta tropical e as florestas boreais”, alerta o biólogo. Esses são sinais de alerta. “Não há mais uma gaveta onde você pode colocar CO2, mas é preciso valorizar e cuidar dessa gaveta”, explica. Quando você sai do »silo«, você reconhece, como diz Pörtner, »dependências compulsivas« e »influências mútuas«. Em outras palavras: as pessoas, o clima e a natureza estão mais intimamente relacionados do que pensávamos – e certamente não agimos de acordo.

Atualmente, não há como nutrir e cuidar deles, reclama Josef Settele, chefe de pesquisa de conservação da natureza do Centro Helmholtz de Pesquisa Ambiental (UFZ) em Halle. As mudanças climáticas provocadas pelo homem estão ameaçando cada vez mais a natureza hoje, alerta ele.

A Settele não se concentra apenas na grande e visível destruição causada por secas, ondas de calor ou incêndios florestais. Mesmo atividades menores que foram atrasadas devido a mudanças de temperatura foram suficientes para desequilibrar a natureza. Como exemplo, ele cita os tempos de voo dos insetos polinizadores, que muitas vezes não coincidem mais com os tempos de floração atrasados ​​das plantas relacionados ao clima. Então os polinizadores voam muito cedo ou muito tarde.

Áreas protegidas ajudam o clima

Settele pede que 30 a 50% dos habitats continentais e dos oceanos do mundo sejam protegidos para impedir o declínio da biodiversidade. Este “não é um número utópico” se você incluir diferentes categorias de proteção . Não se trata apenas de reservas totais, mas também de paisagens culturais protegidas.

O cientista certamente está ciente de que essa demanda é uma afronta para muitos empresários – mas, como sugere Settele, provavelmente não há alternativa. “Quem ignora as conexões entre clima, natureza e a base da vida humana não comemorará nenhum sucesso na proteção do clima”, enfatiza o ecologista. »Qualquer coisa que impeça o declínio da biodiversidade também beneficia a proteção do clima.«

Mesmo em regiões urbanas, proteção climática e adaptação climática ainda são amplamente consideradas separadamente, confirma Daniela Jacob, diretora do Climate Service Center Germany, que coleta e processa os resultados da pesquisa climática para a Alemanha em nome do governo federal. Quando se trata de proteção climática, geralmente trata-se da “cidade de curtas distâncias”, da expansão do transporte público ou de edifícios energeticamente eficientes – e quando se trata de adaptação, trata-se de ondas de calor ou de lidar com chuvas fortes.

Jacob defende que se pense em ambos juntos, por exemplo, a infraestrutura “azul” das cidades, voltada para o equilíbrio hídrico, com a “verde”, voltada para árvores e espaços verdes.

É tudo sobre construção inteligente e verde , diz ela. Nas cidades, é concebível uma rede de espaços verdes e telhados verdes. O sombreamento natural pode enfraquecer o efeito do sol e, ao mesmo tempo, reduzir os requisitos de refrigeração doméstica e a quantidade de energia necessária para fazê-lo. De fato, os efeitos duplos e múltiplos da política climática na combinação de natureza e tecnologia já seriam possíveis hoje. Fachadas que protegem contra o calor também podem gerar eletricidade usando energia fotovoltaica de fachada. Poderia brotar verde sob sistemas de telhados fotovoltaicos.

O mesmo vale para as paisagens. Não apenas a energia eólica, mas também a energia fotovoltaica poderia continuar a abranger áreas agrícolas usadas ou – a última idéia – charnecas renaturalizadas. Um conceito fascinante: A maioria das antigas charnecas na Alemanha são agora usadas como pastagens – como pastagem ou como forragem para o gado. Uma mudança na dieta para menos carne e leite de vaca, como Hans-Otto Pörtner tem em mente, tornaria mais fácil tirar grande parte dos mouros de uso, remolhe –os e recuperá-los como armazenamento natural de CO2. Se os fotovoltaicos fossem adicionados no topo sem prejudicar a proteção da charneca, isso resultaria em um sumidouro de CO2 de técnica natural até então desconhecido.

Eco-puristas podem torcer o nariz aqui. Mas preservar a natureza como a conhecemos atualmente dificilmente será possível de qualquer maneira. »Os organismos são especializados para determinadas características climáticas e janelas de temperatura. Este é um ponto importante para o planejamento futuro das medidas de renaturação«, destaca Pörtner. »Simplesmente supondo que podemos restaurar algo histórico, em alguns casos não será suficiente.«

Especialistas em florestas na Alemanha, por exemplo, estão atualmente intrigados sobre quais árvores são adequadas para as condições climáticas que prevalecerão na Alemanha em 20 a 30 anos. Não se sabe exatamente o quanto o clima regional terá mudado até então, nem quais árvores podem ser adequadas para as novas condições. Para descobrir, seria preciso testar uma variedade de árvores por longos períodos de tempo – tempo que a humanidade e a natureza não têm mais se as mudanças climáticas mantiverem seu ímpeto atual.

A redução de CO2 continua crucial

Em todos os esforços para proteger a natureza e a biodiversidade – os especialistas em clima não deixam dúvidas sobre isso – a proteção climática clássica deve continuar a desempenhar o primeiro papel. Josef Settele: »Só teremos sucesso se reduzirmos massivamente o uso de combustíveis fósseis. Não há maneira de contornar isso. Compensar completamente as emissões não é possível.«

Também para Pörtner, a redução de CO2 é o pré-requisito decisivo para que haja um futuro. Para o especialista do IPCC, a interação de temperaturas alteradas e o orçamento global de CO2 ainda disponível resulta em um prazo apertado no qual uma política climática sensata ainda pode ser buscada e as sociedades podem se tornar resilientes e resistentes às mudanças climáticas. E para ele, a mensagem do próximo capítulo do relatório climático mundial é bastante clara: »A janela de tempo para um mundo resiliente ao clima está se fechando.«

Daniela Jacob também avisa. “Não podemos nos adaptar a tudo, especialmente se ultrapassarmos três graus de aumento da temperatura global. Então teremos até seis graus mais regionalmente – e então acabou.« Então não se trata mais de proteção e adaptação climática, mas sobre a pura sobrevivência da civilização.

color compass

Este texto foi escrito originalmente em alemão e publicado pelo jornal “Neues Deutschland” [Aqui!].

É a crise climática, estúpido!

1_chuvas_fevereiro002-24324066

Quando James Carville pensou nos motes de campanha de Bill Clinton para a presidência dos EUA em 1992 acabou produzindo uma frase que sintetizaria toda a disputa e se transformaria em um “snowclone” capaz de ser adaptada a qualquer contexto em que se procurava facilitar o entendimento de uma dada situação processo. Falo aqui do “It´s the economy, stupid” (ou em português “é a economia, estúpido”. 

Pois bem, o que se viu na cidade de Petrópolis, região serrana do estado do Rio de Janeiro, poderia ser sintetizada como “é a crise climática, estúpido”.  É que a tempestade de ontem alcançou formidáveis 259.8 mm em um período de apenas 6 horas e trouxe com isso um amplo rastro de destruição que atingiu fortemente a cidade como um todo, mas especialmente áreas ocupadas pela população mais pobre (ver vídeo abaixo).

Antes que alguém venha dizer que chuvas intensas não são novidade na região serrana do Rio de Janeiro, o que aconteceu ontem é fora dos parâmetros até para uma região em que fortes chuvas são comuns, bem como a destruição que elas trazem. Mas olhando para os vídeos que circulam amplamente desde ontem, nas redes sociais e nos veículos da mídia corporativa, não há como deixar de se sentir impactado, pois a força da tempestade e os resultados que a mesma teve são realmente impressionantes (ver vídeo abaixo).

O problema é que não há espaço para surpresa, pois esse tipo de tempestade extrema está previsto em incontáveis artigos científicos e nos diferentes relatórios do Painel Intergovernamental sobre Mudanças Climáticas (IPCC).  E o pior é que na falta de ações para deter o aquecimento da atmosfera da Terra, esses eventos tenderão a piorar, causando ainda mais destruição material e perda de vidas humanas.

Entretanto, o que o evento meteorológico extremo ocorrido em Petrópolis deixa claro é que não se está mais no plano puramente do prognóstico sintetizados em tabelas e figuras dos relatórios do IPCC. Temos diante de nós a prova empírica do que significa estar em um mundo afetado por uma forte crise climática. E isto demanda que os governantes brasileiros parem de ignorar o que não pode ser ignorado e comecem a se preocupar com o necessário processo de adaptação climática para que as cenas devastadoras de ontem não sejam apenas um prenúncio de muitos outros desastres que ainda estão por ocorrer.

Um dos problemas que teremos de enfrentar no Brasil é a existência de um governo federal, o de Jair Bolsonaro, e de seus satélites estaduais e municipais que não apenas desprezam o conhecimento científico acerca das mudanças climáticas, mas que agem para piorar a situação ao realizar ações que pioram o status climático do Brasil, a começar pela destruição dos biomas amazônicos e do Cerrado. A presença desse tipo de governante nas esferas de decisão é talvez uma das particularidades especialmente ruins da realidade climática brasileira, pois com este tipo de personagem no poder o caminho para o fundo do precipício é acelerado.

E lembrem  que “é a crise climática, estúpido”. Pense nisso quando for escolher seus candidatos nas eleições de 2022.

Alterações climáticas. “Situação nunca foi tão grave”, alerta IPCC

O Painel Intergovernamental para as Alterações Climáticas (IPCC) vai elaborar um novo relatório, cuja “necessidade nunca foi tão grande”. Documento será apresentado a 28 de fevereiro

KENYA DROUGHT

Com o aquecimento do planeta a acelerar, os impactos das alterações climáticas sucedem-se, com secas, tempestades ou inundações. © EPA/DANIEL IRUNGU

O presidente do grupo de cientistas do Painel Intergovernamental para as Alterações Climáticas (IPCC, na sigla em Inglês) declarou esta terça-feira que “a situação nunca foi tão grave”, ao lançar o processo de adoção de um novo relatório.

“A necessidade (deste documento) nunca foi tão grande, porque a situação nunca foi tão grave”, afirmou Hoesung Lee, durante uma teleconferência que abriu um período de discussão, à porta fechada, que vai decorrer durante duas semanas.

Com o aquecimento do planeta a acelerar, os impactos devastadores das alterações climáticas sucedem-se, com canículas, secas, tempestades ou inundações, os quais vão agora motivar aquele relatório do IPCC.

Em agosto último, em um outro documento do IPCC, os cientistas estimaram que a subida do mercúrio atingiria em torno de 2030 — dez anos mais cedo do que antecipado — os 1,5ºC estabelecidos como meta no Acordo de Paris.

Antes de uma terceira publicação, esperada para abril, sobre as soluções para reduzir as emissões de gases com efeito de estufa, esta segunda, cuja discussão começou hoje, trata dos impactos do aquecimento e da adaptação.

“Cerca de 4,5 mil milhões de pessoas sofreram uma catástrofe associada a um acontecimento meteorológico nos últimos 20 anos”

Espera-se que decline as consequências sobre todos os continentes e em todos os seus aspetos, como saúde, segurança alimentar, escassez de água, deslocação de populações ou destruição de ecossistemas.

“Cerca de 4,5 mil milhões de pessoas sofreram uma catástrofe associada a um acontecimento meteorológico nos últimos 20 anos”, acrescentou o diretor da Organização Meteorológica Mundial, Petteri Taalas, apontando a responsabilidade das energias fósseis.

Em quase todos os continentes, as pessoas veem as catástrofes em curso. Como em 2021, as chamas a devastarem o oeste dos EUA, a Grécia ou a Turquia, inundações a submergirem regiões da Alemanha ou da China, ou a temperatura a chegar aos 50ºC no Canadá.

E “sabemos (…) que o crescimento dos impactos climáticos supera de longe os nossos esforços de adaptação”, insistiu a diretora da agência da ONU para o Ambiente, Inger Andersen, considerando que o novo relatório do IPCC é “capital para ajudar os líderes mundiais a desenharem respostas aos impactos climáticos”.

Face à litania das catástrofes e à necessidade de reduzir as emissões em cerca de 50% até 2030 para não exceder o objetivo de 1,5ºC, os dirigentes mundiais prometeram em novembro, em Glasgow, durante a 26.ª Conferência das Partes (COP26) da Convenção das Nações Unidas sobre Alterações Climáticas (UNFCCC, na sigla em Inglês), acelerar a luta contra o aquecimento global e financiar mais as medidas de adaptação.

“Insuficiente para afastar a catástrofe climática que continua a bater à porta”, declarou então o secretário-geral da ONU, António Guterres.

“Espero que este relatório seja um bom pontapé de saída” para a COP27, que vai decorrer no Egito, no final do ano, disse à AFP o enviado dos EUA para os assuntos do clima, John Kerry.

Relatório vai ajudar a “elaborar políticas e a tomar decisões”

O documento “vai integrar mais fortemente as ciências económicas e sociais e fornecer aos líderes, informação e conhecimento para os ajudar a elaborar políticas e tomar decisões”, disse, por seu lado, Hoesung Lee.

Em 28 de fevereiro vai ser apresentado este novo documento do IPCC, depois dos 195 Estados membros analisarem, linha a linha, o ‘resumo para decisores”, um condensado politicamente sensível dos milhares de páginas do relatório científico, preparado por 270 cientistas.

O foco da publicação é a adaptação.

Mas “há limites à adaptação”, sublinhou à AFP o climatologista Laurent Bopp, um dos coautores, evocando o risco de migrações importantes de populações.

“Em algumas zonas, se as temperaturas ultrapassarem níveis já muito elevados, a vida humana deixa de ser possível. Se em algumas zonas costeiras, o nível do mar subir mais de um metro, a proteção com diques deixa de ser possível”, exemplificou.

color compass

Este texto foi originalmente publicado pelo jornal “Diário de Notícias” [Aqui!].

Aquecimento global: 10 recordes nacionais de temperatura foram quebrados ou igualados em 2021, incluindo o mais alto já medido na Terra

Maximiliano Herrera, observador de condições meteorológicas extremas, diz que no ano passado provavelmente estará entre os cinco ou seis mais quentes da história

fogo cc

Em agosto de 2021, os incêndios florestais se espalharam pelo norte de Atenas, Grécia, quando as temperaturas atingiram 42 ° C (107,6 ° F). Fotografia: Miloš Bičanski / Getty Images

Por Bibi van der Zee para o “The Guardian”

Maximiliano Herrera, observador de condições meteorológicas extremas, diz que no ano passado provavelmente estará entre os cinco ou seis mais quentes da história

Mais de 400 estações meteorológicas em todo o mundo bateram seus recordes de temperatura mais alta de todos os tempos em 2021, de acordo com um climatologista que compila registros meteorológicos há mais de 30 anos.

Maximiliano Herrera acompanha as condições climáticas extremas em todo o mundo e publica uma lista anual de recordes quebrados no ano anterior. Ele e muitos outros climatologistas e meteorologistas que acompanham de perto essas questões esperam que 2021 provavelmente não seja o ano mais quente da história (Noaa e a Nasa publicarão seus resultados nos próximos dias).

Mas é provável que esteja entre os cinco ou seis primeiros, continuando a tendência de alta de longo prazo . Os últimos seis anos foram os seis mais quentes já registrados.

E, como agora é a norma, um monte de novos recordes de calor foi quebrado, de acordo com Herrera. Dez países – Omã, Emirados Árabes Unidos, Canadá, Estados Unidos, Marrocos, Turquia, Taiwan, Itália, Tunísia e Dominica – quebraram ou empataram seu recorde nacional mais alto, 107 países bateram seu recorde mensal de altas temperaturas e cinco bateram seu recorde mensal de baixas temperaturas .

wp-1641559042019Dez recordes nacionais de temperatura foram quebrados ou igualados em 2021, incluindo o mais alto já medido com segurança na Terra

Alguns registros continentais e planetários também caíram: a África teve seus meses de junho e setembro mais quentes de todos os tempos. Agosto trouxe 48,8C (119,8F) em Syracuse , Itália, a temperatura mais alta já registrada na Europa. Julho já havia atingido 54,4 ° C (130 ° F) em Furnace Creek, no Vale da Morte dos Estados Unidos – a temperatura mais alta com segurança registrada na Terra. (A temperatura registrada como 129,9F em 2020 também foi arredondada para 130F.)

Mas houve alguns eventos específicos que se destacaram particularmente para os especialistas. Para a meteorologista Patricia Nying’uro, cofundadora da Climate Without Borders e baseada no Departamento de Meteorologia do Quênia, as duas estações consecutivas de chuvas fracassadas no Quênia foram incomuns e forçaram o governo a se organizar para ajuda alimentar pela primeira vez em muitos anos .

“Você certamente pode ver o efeito da mudança climática em nosso clima no Quênia e globalmente. Estamos apenas juntando os dados para 2021, mas achamos que teremos visto uma temperatura anual 2,1 C mais alta do que o normal para algumas partes do país. As mudanças são muito perceptíveis, de um extremo a outro em um espaço de tempo muito curto. 

Pessoas na praia de Malvarrosa em Valência24C na Espanha, 15C nos Alpes: final estranhamente quente para 2021 em partes da Europa

Esta foi uma das razões pelas quais Nying’uro ajudou a fundar a CWB, um grupo de meteorologistas e apresentadores de clima de todo o mundo que compartilham informações sobre eventos climáticos extremos. Eles também apoiam os apresentadores do clima para fazer conexões com as mudanças climáticas e comunicá-las ao público.

O meteorologista Scott Duncan , que coleta dados sobre o clima mundial, apontou para as ondas de calor do verão europeu, que quebraram recordes em vários países – e foram acompanhadas por incêndios florestais em todo o Mediterrâneo. Eles foram precedidos por um março quente, um choque frio e agudo no início de abril que “foi catastrófico para muitas empresas agrícolas na França” e, em seguida, as enchentes em julho. “Esses eventos realmente se destacaram para mim.”

Ele também destacou o calor no Alasca em dezembro, onde vários recordes foram quebrados por uma grande margem. “Isso foi extraordinário.”

A China viveu o ano mais quente de todos os tempos, de acordo com a Administração Meteorológica da China. Mas foi a chuva que atingiu a província central de Henan que realmente chocou: a região foi atingida por mais chuvas em três dias do que normalmente recebe em um ano inteiro. Centenas morreram, plantações e casas foram destruídas e a limpeza continua. Jia Xiaolong, vice-chefe do Centro Nacional do Clima, disse que a situação no ano passado foi anormal.

“O aquecimento foi o principal tema do clima da China em 2021. No contexto do aquecimento global , eventos climáticos extremos recorrentes se tornaram a norma, o que também é um grande desafio para a prevenção e mitigação de desastres.”

Outros eventos climáticos incomuns importantes no ano passado foram a onda de calor na Sibéria no verão e o congelamento profundo no Texas em fevereiro. Quase 200 pessoas morreram , milhões de casas ficaram sem energia e as consequências levaram a enormes disputas políticas.

Guy Walton, um meteorologista ativista que faz campanha contra a mudança climática desde o final dos anos 1980, disse que “o surto de frio em fevereiro de 2021 que levou ao colapso da rede elétrica no Texas e dezenas de mortes” foi “ironicamente atribuído à mudança climática por muitos” . Ele também destacou “o outono ameno / quente extraordinário que levou ao mês de dezembro mais quente já registrado para os Estados Unidos. Os Centros Nacionais de Informação Ambiental devem oficializar isso nos próximos dias. ”

Mas o evento chave de 2021 para a comunidade meteorológica e climatológica foi a onda de calor extrema que atingiu a costa oeste dos EUA em junho / julho, gerou uma cúpula de calor e quebrou recordes de até 5ºC em alguns lugares. Na época, Geert Jan van Oldenborgh (que morreu em outubro de 2021), do Royal Netherlands Meteorological Institute, chamou-o de “muito além do limite superior” e “surpreendente e abalador”.

“É claro que 2021 foi cheio de eventos extremos”, disse Herrera. “Mas se eu tiver que citar um, vou citar o que atingiu todos os climatologistas e meteorologistas do mundo”. Herrera apelidou o evento de “a mãe de todas as ondas de calor”.

“Eu confesso, eu nunca teria acreditado que isso fosse fisicamente impossível. A magnitude deste evento superou qualquer coisa que eu já vi depois de uma vida de pesquisa de eventos extremos em toda a história climática mundial moderna nos últimos dois séculos. ”

Enquanto isso, 2022 começou com uma série de recordes já quebrados no Reino Unido e nos Estados Unidos nos primeiros dias do ano.

color compass

Este texto foi originalmente escrito em inglês e publicado pelo jornal “The Guardian” [Aqui!].

Agronegócio banca palestras que espalham mito de que aquecimento global pelo homem é fraude

  • molionPor Juliana Gragnani, Da BBC News Brasil em Londres

Uma sala repleta de estudantes de agronomia assiste a uma palestra sobre mudanças climáticas no Brasil. Estão em uma faculdade no Estado do Mato Grosso, maior produtor de soja do país, ouvindo falar um professor da Universidade de São Paulo. Mas o que escutam é o contrário do que acredita a esmagadora maioria da comunidade científica do mundo. Ali, a mensagem transmitida é de que não existe aquecimento global causado pelo homem.

“Os objetivos [de quem fala em mudanças climáticas] são congelar os países em desenvolvimento. O Brasil é o principal foco dessas operações que envolvem meio ambiente e clima. A ideia da mudança climática e dessas questões ambientais são para segurar o nosso desenvolvimento”, afirmou o palestrante, o meteorologista Ricardo Felicio, sem respaldo científico, em uma entrevista concedida após o evento que aconteceu em 2019.

Na realidade, segundo o último relatório do Painel Intergovernamental sobre Mudanças Climáticas (IPCC), de agosto deste ano, o papel da influência humana no aquecimento do planeta é “inequívoco”. É para limitar as mudanças climáticas por meio da redução na emissão de gases de efeito estufa que líderes se reuniram nas últimas duas semanas na COP26 em Glasgow, no Reino Unido.

No Brasil, a maior causa de emissões de dióxido de carbono é o desmatamento feito para expansão da agricultura e da pecuária.

Mas, na contramão do que diz a ciência, associações do agronegócio — de fazendeiros de soja, passando por cafeicultores, sindicatos rurais, faculdades ligadas a agronomia e até uma empresa de fertilizantes — estão bancando palestras dos chamados “negacionistas climáticos”, pessoas que não acreditam que existam mudanças climáticas causadas pelo homem e que apresentam esse fato como uma fraude. As apresentações são direcionadas a outros fazendeiros, produtores rurais ou estudantes de agronomia.

Fim do Talvez também te interesse

A reportagem contou ao menos 20 palestras do tipo nesses ambientes nos últimos três anos feitas por Felicio e por outro professor. A citada no início desta reportagem aconteceu em 2019, e fez parte de um circuito universitário de um total de 11 palestras com o nome “Aquecimento global, mito ou realidade?” em nove faculdades e dois sindicatos no Mato Grosso. Todas elas foram bancadas pela Aprosoja Mato Grosso, a associação de produtores de soja e milho do Estado, maior produtor de soja do Brasil.

Ao mesmo tempo em que negam o aquecimento global antropogênico, as palestras pagas e vistas por ruralistas os absolvem de reconhecer seu papel nas mudanças climáticas. Elas seriam, de acordo com o conteúdo contrário ao consenso científico apresentado pelos professores, somente fruto de variações naturais, sem interferência alguma do homem.

Ao contrário desse setor “negacionista” do agronegócio, o presidente do conselho diretor da Associação Brasileira do Agronegócio, Marcello Brito, diz que a associação se pauta “pela melhor ciência” e que “jogar fora a ciência porque ela não nos traz só vantagens, mas também deveres, é no mínimo contraproducente, jogando contra a melhoria contínua”.

Palestras

Felicio, o professor do departamento de Geografia da USP contratado pela Aprosoja Mato Grosso em 2019, é conhecido por suas posições controversas — ultimamente, em relação à pandemia de covid-19. Em um vídeo publicado em agosto deste ano em seu canal do YouTube, chamou a pandemia de “fraudemia” e disse, sem base científica, que vacinas causam danos maiores que a covid-19. Em outro, afirmou que máscaras não são efetivas contra a covid-19. É também um notório negacionista das mudanças climáticas causadas pelo homem. Ficou conhecido em 2012, quando foi convidado ao Programa do Jô, da Globo, e, sem provas, negou o efeito estufa.

Professor da USP Ricardo Felicio, então presidente da Comissão de Relações Exteriores, senador Nelsinho Trad (PSD-MS), diretor do Departamento de Meio Ambiente do Itamaraty, ministro Leonardo Cleaver de Athayde e professor aposentado da Ufal Luiz Carlos Molion

Ricardo Felicio (no canto esquerdo) e Luiz Carlos Molion (no canto direito) dão palestras pelo Brasil; na foto, eles participam de audiência pública no Senado

Durante três semanas, a reportagem tentou falar com Felicio por telefonemas, mensagens de texto e e-mails, mas não obteve resposta. O vice-presidente da Aprosoja Mato Grosso, Lucas Beber, justificou o convite em entrevista à BBC News Brasil.

“A gente trouxe o Ricardo Felicio para fazer um contraponto com aquilo que é replicado na mídia hoje, que parece uma verdade absoluta. A gente não queria impor aquilo como uma verdade, mas sim trazer a um debate”, afirma. Para ele, as mudanças climáticas causadas pelo homem ainda são uma “incerteza” — embora já haja consenso científico em torno delas. Beber também disse não se lembrar quanto custou o ciclo de 11 palestras feitas por Felicio naquele ano.

Silos de soja e plantaçãoVice-presidente da Aprosoja Mato Grosso diz que convite a professor considerado negacionista se deu para promover ‘contraponto com o que é replicado na mídia’

No ano passado, o meteorologista também foi convidado para falar no Tecno Safra Nortão 2020, uma feira para produtores rurais, lideranças, técnicos, pesquisadores e estudantes organizada pelo sindicato rural de Matupá, município no norte de Mato Grosso.

Segundo o vice-presidente do sindicato, Fernando Bertolin, ao menos cem pessoas, entre pequenos e grandes agricultores, pecuaristas e outras pessoas da cidade assistiram à palestra. Ele defende o convite, dizendo que, à época, Felicio estava “bem forte na mídia” e que sua palestra “foi um pedido dos produtores”. “A gente ouve todo mundo. Ele tem o embasamento teórico dele e a gente queria saber por que ele dizia aquilo.”

Bertolin diz não se recordar do valor da palestra de Felicio de cabeça, mas afirma que nenhuma das contratadas pela feira custou mais de R$ 15 mil.

Em 2018, Felicio concorreu, sem sucesso, ao cargo de deputado federal pelo PSL, antigo partido do presidente Jair Bolsonaro.

Um ano antes, o presidente tuitou um vídeo de uma entrevista em que Felicio nega a existência de mudanças climáticas causadas pelo homem. Bolsonaro escreveu: “Vale a pena conferir”. Consultada pela BBC News Brasil sobre esta recomendação feita por Bolsonaro, a assessoria da Presidência não respondeu.

O professor não foi aclamado apenas pelo presidente. Em 2019, Felicio foi convidado para dar uma palestra no Senado ao lado de outro acadêmico que não acredita no aquecimento global causado pelo homem, o professor aposentado da Universidade Federal de Alagoas (Ufal), meteorologista Luiz Carlos Molion.

O convite para que os professores falassem em uma audiência pública conjunta das comissões de Relações Exteriores e de Meio Ambiente do Senado sobre as mudanças climáticas partiu do senador do Acre Marcio Bittar (hoje PSL, mas, na época, do MDB), um ex-pecuarista que faz parte da bancada ruralista.

Ao lado de Felicio, Molion é considerado um dos principais representantes do negacionismo climático no Brasil e autor das outras palestras contabilizadas pela reportagem.

Nos últimos três anos, Molion fez diversas palestras promovidas por entidades como a Cooperativa Agrícola de Unaí, em Minas Gerais, a Associação Avícola de Pernambuco, a Associação de Engenheiros e Arquitetos de Itanhaém, com o patrocínio oficial do Conselho Regional de Engenharia e Agronomia de São Paulo, a Central Campo, uma empresa especializada na venda de insumos agrícolas, a Feira Agrotecnológica do Tocantins, do governo do Tocantins, a feira de Agronegócios da Cooabriel, uma cooperativa de café com atuação no Espírito Santo e na Bahia, e o sindicato rural de Canarana, no Mato Grosso.

Molion também foi convidado para falar em universidades: o Instituto de Ciências Agrárias da Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG) e a Universidade Federal da Paraíba (UFPB). A BBC News Brasil procurou todas essas instituições para comentar sobre os convites que fizeram a Molion — leia as respostas abaixo e no fim desta reportagem.

A maior parte dessas palestras tem como tema as perspectivas climáticas para o ano seguinte e as “tendências para os próximos 10 anos”. Nas palestras — a maioria disponível no YouTube e vistas pela BBC News Brasil —, Molion de fato faz previsões para o ano seguinte, útil para que os produtores rurais se planejem para as próximas safras, mas reserva a última parte da palestra para falar sobre como o “aquecimento global é uma fraude” — novamente, uma afirmação sem embasamento científico.

Ele mostra um slide na parte final em sua apresentação de Powerpoint, com suas palavras finais. O texto da apresentação diz que o clima “varia por causas naturais”, e que “eventos extremos sempre ocorreram”. Afirma, também: “Aquecimento global é mito. CO2 não controla o clima, não é vilão (…) Redução de emissões: inútil!”

A patch of deforested land in the Amazon rainforest

Segundo o último relatório do Painel Intergovernamental sobre Mudanças Climáticas (IPCC), de agosto deste ano, o papel da influência humana no aquecimento do planeta é “inequívoco”; no Brasil, a maior causa de emissões de gases do efeito estufa é o desmatamento

Na palestra promovida pela Secretaria de Agricultura, Pecuária e Aquicultura do governo do Tocantins em maio de 2020, por exemplo, Molion afirmou, contrariando a ciência, que o “aquecimento global é uma farsa, é um mito”. “Reduzir emissões como quer esse Acordo de Paris de 2015 é inútil, o Brasil tinha que pular fora porque reduzir emissões não vai causar nenhum benefício para o planeta, para o clima, porque o CO2 não controla o clima”, disse, indo contra a esmagadora maioria da produção científica dos últimos anos e aos esforço global de selar acordos para diminuir as emissões dos gases de efeito estufa.

A secretaria disse que o convidou, ao lado de outros palestrantes, para “alinhar o setor agropecuário quanto às diversas correntes existentes e auxiliá-los no seu planejamento e tomadas de decisão mais assertivas para seu empreendimento rural”.

Depois, em outubro de 2020, em um seminário virtual promovido pela Central Campo, uma empresa mineira especializada na venda de insumos agrícolas, Molion fez as mesmas afirmações sobre o CO2 e o Acordo de Paris.

O diretor da empresa, Artur Barros, disse por e-mail à BBC News Brasil que a empresa “sempre soube do posicionamento do professor Molion, que é muito pragmático quanto às questões climáticas” e “o profissional que tem maior assertividade nas previsões”. “A Central Campo, assim como grande parte dos produtores atendidos pela empresa, está muito alinhada ao posicionamento do professor Molion”.

À BBC News Brasil, Molion afirmou: “Procuro usar minhas palestras para o agronegócio, que não são poucas, para no terceiro bloco falar sobre as mudanças climáticas e a farsa do CO2 como controlador do clima global. Faço um diagnóstico local, previsão para safra e depois falo sobre a tendência do clima dos próximos dez, 15 anos, que é de resfriamento.”

Segundo Molion, ele dá 50 palestras por ano, “a grande maioria, 80%, 85% para o agronegócio”, cobrando R$ 4 mil por cada uma. Barros, da Central Campo, afirmou que foi este o valor que pagou pela palestra do professor.

O meteorologista diz que não se incomoda de ser chamado de “negacionista”, embora, ressalte, nunca tenha negado que houve aquecimento no planeta em um período específico no passado. “Eu levo o que acho que está correto, pode ser que daqui a alguns anos me provem que estou errado e vou reconhecer isto. Não sou paraquedista. Eu tenho visão muito crítica do clima local e global graças ao meu treinamento.”

Um dos seminários mais recentes de que participou teve também a presença de membros do governo Bolsonaro: o vice-presidente Hamilton Mourão e o ministro de Infraestrutura, Tarcisio Freitas. Foi um seminário virtual sobre a Amazônia em agosto deste ano organizado pelo Instituto General Villas Bôas, ONG do ex-comandante do Exército.

Contrariando o consenso da comunidade científica sobre as mudanças climáticas, Molion defendeu que o clima global varia naturalmente, sem influência da ação humana, e apresentou um slide em que dizia que o efeito-estufa, “como descrito pelo IPCC, é questionável”. Antes de passar a palavra para o ministro Freitas, afirmou: “CO2 não é vilão, quanto mais CO2 tiver na atmosfera, melhor”.

Mourão fala, com bandeira do Brasil ao fundoVice-presidente Hamilton Mourão participou de seminário sobre a Amazônia que teve a participação do professor Luiz Carlos Molion; sua assessoria disse que ele se baseia em ‘dados científicos para emissão de suas ideias e opiniões’

A BBC News Brasil procurou a vice-presidência questionando por que Mourão aceitou participar de um seminário ao lado de um professor que nega que a ação do homem esteja contribuindo para o aquecimento global. Sua assessoria disse apenas que Mourão participou do evento a convite do Instituto General Villas Bôas e que “baseia-se em dados científicos para emissão de suas ideias e opiniões”.

A assessoria do ministro da Infraestrutura, Tarcísio Freitas, afirmou que ele participou do seminário após convite feito pelo próprio general Villas Boas. A ministra da Agricultura, Pecuária e Abastecimento, Tereza Cristina, foi inicialmente anunciada como um dos nomes de ministros que participariam do seminário, mas sua assessoria informou que ela não participaria do evento, sem responder por que desistiu.

Negacionismo Climático no Brasil

A genealogia do negacionismo climático no Brasil começa nos anos 2000, quando a imprensa “dava pesos iguais para argumentos com pesos totalmente diferentes”, avalia o sociólogo Jean Miguel, pesquisador associado da Unifesp que estuda o tema. O debate sobre o assunto no Brasil se deu principalmente a partir do documentário americano Uma Verdade Inconveniente (2006), sobre a campanha do ex-vice-presidente americano Al Gore a respeito do aquecimento global.

Enquanto isso, um grupo pequeno de negacionistas na academia brasileira, incluindo Felicio e Molion, se pronunciavam publicamente sobre o tema. Para Miguel, eles são “verdadeiros mercadores da dúvida, trabalhando para destacar lacunas que toda ciência possui e amplificar incertezas”.

“[E quem os ouviu no Brasil] foi parte do agronegócio interessado na desregulamentação florestal”, responde Miguel.

Hoje, “as palestras fazem massagem no ego do produtor rural e criam a mentalidade de que esses grupos de agronegócio estão sendo injustiçados enquanto estão contribuindo para o PIB nacional”, diz o pesquisador.

Não significa que todos os produtores rurais sejam negacionistas. “A briga hoje é entre dois lados: o setor de agroexportação, que está mais em contato com compradores internacionais, portanto mais pressionado pela questão reputacional, e que faz investimentos a longo prazo, pensando na questão produtiva na próxima década, não na próxima safra”, diz Raoni Rajão, professor de gestão ambiental na Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG).

“Outro lado do setor são os produtores, mais politizados e fortes apoiadores de Bolsonaro e toda sua agenda. Eles de certa forma compram esse discurso que toda a narrativa de mudança climática é algo para poder impedir o desenvolvimento do Brasil.”

Apesar de não começar no governo Bolsonaro, o negacionismo “encontra terreno fértil para proliferar” em sua gestão, avalia Miguel, citando algumas ações do governo atual, como o fechamento da secretaria responsável por elaborar políticas públicas sobre as mudanças climáticas, no início da gestão Bolsonaro (ela foi reaberta em meio a críticas no ano seguinte) e a desistência em sediara COP-25 que ocorreria no Brasil em novembro de 2019. Em sua campanha, em 2018, Bolsonaro também prometeu acabar com o que chamava de “indústria das multas” ambientais.

O ex-ministro das Relações Exteriores Ernesto Araújo, que ficou no cargo do começo do governo Bolsonaro até março de 2021, chegou a colocar em dúvida que as mudanças climáticas seriam causadas pela ação humana, na contramão do consenso científico.

Jair BolsonaroPara sociólogo, negacionismo climático no Brasil não começou no governo Bolsonaro, mas encontrou ‘terreno fértil para proliferar’ em sua gestão

“Eles estão altamente informados pelo negacionismo climático. Mesmo que não digam que é uma fraude, de uma maneira interna vão criando as possibilidade de sabotar a ciência e as políticas climáticas nacionais, com formas práticas de negacionismo climático”, afirma Miguel.

Reportagem recente da BBC News Brasil mostrou que o governo Bolsonaro cortou em 93% os gastos para estudos e projetos de mitigação e adaptação às mudanças climáticas nos três primeiros anos da sua gestão quando comparado com os três anos anteriores.

Desmatamento

Mas ações práticas terão de ser adotadas para que o Brasil cumpra as metas anunciadas pelo governo durante a COP-26: zerar o desmatamento ilegal no país até 2028, reduzir as emissões de gases do efeito estufa em 50% até 2030 e atingir a neutralidade de carbono até 2050.

O desmatamento, causado pela expansão da agricultura e da pecuária, é responsável pela maior emissão de CO2 no Brasil.

Só entre agosto de 2019 e julho de 2020, uma área de 10.851 km2 — mais ou menos metade da área do Estado de Sergipe — foi desmatada na Amazônia Legal, segundo dados do sistema Prodes, do Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais (INPE). O valor representou um aumento de 7,13% em relação ao ano anterior.

Esse crescimento teve um claro reflexo nas emissões de gases poluentes pelo Brasil em 2020. Houve um aumento de 9,5%, segundo dados do Sistema de Estimativas de Emissões de Gases de Efeito Estufa (SEEG), do Observatório do Clima, principalmente por mudanças no uso da terra e floresta, que inclui o desmatamento, e a agropecuária. O aumento aconteceu na contramão do mundo que, parado por conta da pandemia de covid-19, diminuiu as emissões em 7%.

MadeirasSó entre agosto de 2019 e julho de 2020, uma área de 10.851 km2 – mais ou menos metade da área do Estado de Sergipe – foi desmatada na Amazônia Legal

Para Tasso Azevedo, coordenador do SEEG, a boa notícia é que, se o Brasil conseguir controlar o desmatamento, “as emissões cairão muito rapidamente”. “Se controlarmos o desmatamento, não há país no mundo que vai ter emissões menores proporcionalmente do que temos no Brasil, então acho que é uma oportunidade. Teremos um resultado incrível para o Brasil e para o planeta.”

Apesar de pertencer ao setor responsável pela maior parte de emissões de gases do efeito estufa no Brasil, parte dos ruralistas diz acreditar ser injustamente acusada por ambientalistas.

As palestras do meteorologista Felicio no Mato Grosso, em 2019, “foram bem numa época em que era moda dizer que o agricultor era quem estava acabando com o mundo”, diz o produtor rural Artemio Antonini, presidente do sindicato rural de Nova Xavantina, no Mato Grosso. Também cético em relação às mudanças climáticas, Antonini ajudou a organizar a palestra de Felicio na região.

Na opinião de Rajão, da UFMG, “o agro como um todo toma as dores e se sente ofendido quando se fala de desmatamento”. “A reação é negar o desmatamento e a existência das mudanças climáticas.”

“Tomar as dores” porque, de fato, quem desmata primariamente não é produtor rural. Uma área desmatada começa com uma onda de especuladores – quem demarca a terra e serra dali a vegetação depois quem tenta regularizar a área -, em seguida vem o pecuarista e depois vem o agricultor, explica Rajão. “Por isso que quando dizem que não estão envolvidos com o desmatamento, é verdade, boa parte deles não está. Mas se beneficiam de um fornecimento de terra barata, que vem de todo o processo de desmatamento ilegal que às vezes aconteceu 10 anos antes.”

A ilegalidade é bastante concentrada. O estudo “As maçãs podres do agronegócio brasileiro”, de Rajão e outros pesquisadores, mostrou que mais de 90% dos produtores na Amazônia e no Cerrado não praticaram desmatamento ilegal após 2008. Além disso, apenas 2% das propriedades nessas regiões eram responsáveis por 62% de todo desmatamento potencialmente ilegal. O trabalho foi publicado na revista Science no ano passado.

“Agrosuicídio”

O agricultor de soja Ilson Redivo também esteve na plateia em uma das palestras que o professor Ricardo Felicio deu em 2019, no município de Sinop, norte do Mato Grosso.

Redivo migrou do Paraná para Sinop em 1988, inicialmente trabalhando, como a maioria dos migrantes, no setor madeireiro. “Era um grande polo madeireiro, e era o que dava retorno na época”, diz. Hoje, ele possui uma fazenda de 4200 hectares de milho e soja na região, e é presidente do Sindicato Rural da cidade.

Ele diz ter gostado da palestra de Felicio. Como ele, o produtor rural também rejeita a ciência estabelecida sobre o aquecimento global. Ele diz que é uma “narrativa econômica”, não ambiental, criada para conter o desenvolvimento do Brasil.

“Eu estou há trinta anos aqui, foi desmatado um monte e o clima continua da mesma forma, tá certo? Não houve alteração climática”, diz Redivo à BBC News Brasil.

Ecoando argumentos já usados por Bolsonaro, o agricultor diz que o Brasil é “um exemplo para o mundo em preservação ambiental”. “O produtor brasileiro é o cara que mais preserva.”

O argumento é repetido por outros produtores rurais. “Ninguém fala que o agricultor está deixando 80% e só usando 20% da área para produzir”, reclama o produtor rural Antonini.

Gado em area desmatada

Legenda da foto,Durante a COP-26, em Glasgow, Brasil prometeu zerar o desmatamento ilegal no país até 2028

Eles se referem à Reserva Legal, um dispositivo criado no Código Florestal Brasileiro que obriga os proprietários de terras na Amazônia a preservar 80% da floresta nativa (no Cerrado, o valor é de 35%; em outros biomas, 20%), algo que beneficia o próprio agronegócio, por meio dos serviços ambientais prestados pela floresta. Muitos agricultores acham isso injusto. Mas, na prática, nem todos respeitam essa exigência.

A pesquisadora do Instituto do Homem e Meio Ambiente da Amazônia (Imazon) Ritaumaria Pereira conduziu entrevistas com 131 criadores de gado no Pará em 2013 e 2014 e descobriu que mais de 95% deles declararam preservar menos do que a quantidade exigida. Segundo ela, argumentam que, quando chegaram, a terra já estava nua, ou que no passado tinham o estímulo para desmatar, ou que não tinham recursos para regenerar 80%.

Para Pereira, da Imazon, para que o Brasil consiga cumprir as metas anunciadas durante a COP-26, será preciso investir em fiscalização na Amazônia, fortalecendo órgãos como o Ibama e o ICMBio.

Também será preciso combater o discurso do negacionismo climático. A mensagem transmitida a produtores rurais, diz ela, legitima o desmatamento, e “traz mais pessoas para esse pensamento, para que, num futuro próximo, validem assim tudo o que já desmataram”.

Para Rajão, da UFMG, é uma narrativa “que no curto prazo é confortante, mas no longo prazo contribui para o chamado ‘agrosuicídio’”.

Línea

POSICIONAMENTOS DE EMPRESAS QUE CONVIDARAM PROFESSORES PARA PALESTRAS

Cooperativa Agrícola de Unaí (Coagril)

A Cooperativa Agrícola de Unaí Ltda (Coagril) diz “ter contratado o professor Molion no intuito de obter informações acerca do regime de chuvas para a região de sua atuação, visando ao planejamento estratégico dos seus negócios e de seus cooperado”.

Associação Avícola de Pernambuco

“A AVIPE reforça seu caráter plural onde preza pela diversidade de ideias onde o debate de todos os pontos de vista precisa ser exaurido constantemente com o intuito da busca eterna de uma conclusão contingente sobre quaisquer assuntos. (…) Como associação, não nos cabe acreditar ou não se os fatos humanos causam mudanças climáticas, pois nosso papel não é de credo, mas sim de apoiar o debate científico por aqueles que se dedicam toda uma vida em pesquisa. Não condiz com nossos princípios, condutas e valores, selecionar uma parcela de opiniões do mundo científico para apoiar determinada conclusão com fins casuísticos ou individuais. Aspectos financeiros são reservados apenas aos nossos associados.”

Associação de Engenheiros e Arquitetos de Itanhaém, com o patrocínio oficial do Conselho Regional de Engenharia e Agronomia de São Paulo

A Associação de Engenheiros e Arquitetos de Itanhaém recebeu o pedido da BBC News Brasil por e-mail e WhatsApp, mas não respondeu.

O Crea-SP respondeu que “tem como missão legal o aperfeiçoamento técnico e cultural dos profissionais da área tecnológica, conforme a Lei 5.194”.

“Os eventos com essa finalidade, realizados pelas associações, são de responsabilidade de seus idealizadores e não necessariamente representam a posição do Crea-SP.

O Conselho reforça ainda que acredita em mudanças climáticas causadas pelas ações humanas e, como forma de apoiar medidas para combatê-las, é signatário dos 17 Objetivos de Desenvolvimento Sustentável da ONU.”

Cooperativa de café Cooabriel

Recebeu o pedido da BBC News Brasil por e-mail, mas não respondeu.

Sindicato rural de Canarana

O presidente do sindicato, Alex Wisch, respondeu, por mensagem via WhatsApp: “Propomos que vocês indiquem um cientista de mesmo nível acadêmico do Prof. Molion para que todos possam ter conhecimento da verdade científica sobre esse tema. Podemos colaborar financeiramente com esse evento e inclusive sediar o evento.”

Instituto de Ciências Agrárias da Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG)

Por telefone, o vice-diretor do Instituto de Ciências Agrárias da UFMG, Helder Augusto, afirmou: “Na universidade, há diversidade de ideias e contrapontos. Não é um posicionamento da UFMG. É um ponto de vista dele, é uma fala relativa. A pessoa veio, fez palestra e pode falar o que bem entender porque é um ambiente público. A universidade não paga palestra para ninguém.”

Universidade Federal da Paraíba

“O evento foi realizado no auditório do Centro de Tecnologia da UFPB, organizado no âmbito do Departamento de Engenharia Mecânica, que aproveitou que o palestrante já estava em João Pessoa (PB) e o convidou para ministrar palestra na UFPB, portanto, neste caso em particular, sem ônus para a UFPB.

A iniciativa de convidar o pesquisador para ministrar palestra sobre seus estudos não se confunde com a visão, missão e valores da UFPB, entre os quais destaca-se o caráter público e autônomo da Universidade.

A UFPB defende o papel da academia e apoia a ciência e a pesquisa, o conhecimento gerado a partir de métodos científicos, no intuito de encontrar soluções para desafios em todas as áreas e geração de benefícios para a sociedade. Por meio da ciência, as teorias são constantemente testadas, visando sua comprovação ou substituição por outra teoria que resista à checagem. Não compete à Universidade aplicar censura prévia à ciência.”

blue compass

Este texto foi inicialmente publicado pela BBC News [Aqui].