Em manifesto, organizações repudiam financiamento do Banco do Brasil à gigante da carne BRF

ONGs assinam carta de repúdio a linha de crédito bilionária e apontam falta de compromisso da instituição com o combate à crise climática

caged chickens

São Paulo, 19 de dezembro de 2022 — Organizações de proteção animal e de defesa do consumidor assinam manifesto enviado ao Banco do Brasil repudiando a renovação de linha de crédito no valor de R $1,5 bilhão para a BRF, uma das maiores empresas processadoras de carne do mundo. As organizações alegam que o empréstimo vai na contra-mão da sustentabilidade e que a instituição deve passar a redirecionar suas concessões de crédito a modos de produção agrícola sustentáveis.

“É inadmissível que uma instituição como o Banco do Brasil vá na direção oposta de todas as recomendações para uma economia sustentável que ajude o Brasil a mitigar os efeitos da crise climática”, afirma Taís Toledo, gerente de relações corporativas da Sinergia Animal, organização internacional de proteção animal e uma das signatárias da carta. 

Além da Sinergia Animal, também assinam a carta o Fórum Nacional de Proteção e Defesa Animal, a World Animal Protection, a Mercy for Animals, Animal Equality e o Instituto Brasileiro de Defesa do Consumidor.

O agro e a crise climática

Conforme as organizações relatam em seu manifesto, para que se atinja as metas do Acordo de Paris e os Objetivos de Desenvolvimento Sustentável, segundo relatório do Painel Intergovernamental sobre Mudanças Climáticas (IPCC), de 2021, deve haver uma transição significativa dos atuais modos de produção de alimentos para práticas mais sustentáveis, baseadas mais na produção de vegetais e menos na de carne animal.

“A indústria agropecuária representa justamente o oposto do que devemos almejar para evitar a completa catástrofe climática. Ela é uma das principais responsáveis pela perda de biodiversidade, pelo desmatamento e por cerca de um terço de todas as emissões globais de gás metano”, afirma Toledo. A longo prazo, o gás metano possui um impacto até 25 vezes maior do que o de dióxido de carbono.

Segundo o relatório do IPCC, se não houver reduções imediatas e em larga escala nas emissões de gases de estufa, evitar que o aumento de temperatura em 1,5°C ou 2°C pode ser impossível. “Quando se trata da pecuária, o CO2 é emitido principalmente por mudanças no uso da terra – por exemplo, o desmatamento para abrir áreas para pastagem ou cultivo de grãos, como a soja, para alimentação animal – enquanto o metano é predominantemente resultado da digestão dos animais explorados para consumo humano”, relatam as ONGs em seu manifesto.

A percepção dos brasileiros sobre o clima

“81% dos brasileiros acima de 18 anos consideram a crise climática uma questão importante, segundo o IPEC. Por isso, não podemos aceitar nem nos calar quando instituições como o Banco do Brasil usam o dinheiro do cidadão brasileiro para agredir a segurança das futuras gerações do meio-ambiente nacional”, explica Toledo. Ainda segundo o levantamento do IPEC, de 2021, 77% dos brasileiros atribuem o aquecimento global principalmente à ação humana. 

“Assim, pedimos que o Banco do Brasil faça um reconhecimento público da necessidade de se afastar de financiamentos na produção pecuária intensiva e de redirecionar as concessões de crédito a práticas agrícolas sustentáveis”.

Sobre a Sinergia Animal:

A Sinergia Animal é uma organização internacional que trabalha em países do Sul Global para diminuir o sofrimento dos animais na indústria alimentícia e promover uma alimentação mais compassiva. A ONG é reconhecida como uma das mais eficientes do mundo pela renomada instituição Animal Charity Evaluators (ACE)

Bancos brasileiros são os principais financiadores do desmatamento na Amazônia e no Cerrado

bb

Os setores de carne bovina e soja têm sido dois dos principais motores do desmatamento nos biomas Amazônia e Cerrado nos últimos anos. As instituições financeiras com exposição a esses setores podem estar inadvertidamente contribuindo para as mudanças climáticas e a perda de biodiversidade. Conforme as partes interessadas globais reagem a essas ameaças, as instituições financeiras podem ficar cada vez mais expostas aos riscos financeiros. Este relatório, usando dados de Florestas e Finanças , mostra quem está financiando esses dois setores.

Baixe o PDF aqui: Bancos nacionais financiam 74% da carne bovina e soja brasileira

Principais conclusões:

  • Os financiamentos fornecidos aos setores de carne bovina e soja no Brasil totalizaram US $ 100 bilhões de 2013 a abril de 2020 . De acordo com a base de dados do Forests & Finance, foram fornecidos a estes setores US $ 82 bilhões em empréstimos e US $ 13 bilhões em underwritings, bem como US $ 5 bilhões em ações e US $ 1 bilhão em títulos.
  • 74 por cento do financiamento total identificado originou-se de instituições financeiras brasileiras. Eles forneceram US $ 66,2 bilhões em empréstimos e US $ 5,4 bilhões em subscrição. Eles também detêm US $ 3,0 bilhões em ações e US $ 3,0 milhões em obrigações. O Banco do Brasil foi de longe o maior financiamento (US $ 42,4 bilhões).
  • As instituições financeiras estrangeiras contribuíram com US $ 14,5 bilhões para o setor de carne bovina e US $ 11,2 bilhões para a indústria da soja. Santander, Rabobank, HSBC e JPMorgan Chase estão entre os 25 maiores financiadores.
  • Esses quatro bancos têm políticas de desmatamento enquanto financiam empresas de soja e carne que têm sido repetidamente associadas ao desmatamento em suas cadeias de abastecimento. Sua principal exposição é para os três grandes frigoríficos do Brasil, JBS, Marfrig e Minerva, junto com o trader de soja Cargill.
  • O elemento-chave na cadeia de financiamento é o Sistema Nacional de Crédito Rural do Brasil. Gerenciado pelo Banco Central do Brasil, o sistema canalizou empréstimos para setores agrícolas, principalmente carne bovina e soja, constituindo 91 por cento de todos os empréstimos identificados nesta pesquisa. Devido a exigências legais, cerca de dois terços do financiamento vêm de depósitos em bancos brasileiros, enquanto as taxas de juros de aproximadamente 75% do crédito são subsidiadas.
  • Os investidores europeus têm influência para se engajar no desmatamento. Uma vez que o Sistema de Crédito Rural não oferece um mecanismo eficaz para promover a agricultura sustentável, uma maior atenção da UE e do BCE sobre o risco de desmatamento pode fazer com que os financiadores europeus fiquem mais alertas sobre a reputação e o risco de investimento.

Setores de carne bovina e soja são os dois principais motores do desmatamento no Brasil

Nos últimos anos, a pecuária no bioma Amazônia e o cultivo da soja em direção ao Cerrado têm sido os principais motores do desmatamento no Brasil.Como mostrou o relatório da Chain Reaction Research de agosto de 2020 sobre a cadeia de abastecimento da carne bovina brasileira, a expansão do setor (Figura 1) é impulsionada pelo aumento da demanda nos mercados de exportação em meio a mudanças políticas, legislativas e de fiscalização favoráveis. A pecuária é responsável pelo desmatamento em grande escala, estimado em 80% do desmatamento em todos os países com cobertura florestal amazônica. Outra motivação para a criação de gado é a conversão da terra subjacente, que pode ser usada para diferentes commodities. A pecuária é uma operação de baixo custo que impede que as florestas voltem a crescer.

O forte aumento na área de cultivo de soja (Figura 2) é impulsionado por seu papel como uma importante fonte de proteína de alta qualidade e facilmente digerível para a pecuária, bem como uma fonte de óleo vegetal. O farelo de soja representou cerca de 70 por cento da produção mundial de farelo de sementes oleaginosas para a indústria pecuária em 2019/20.

Dados anuais do INPE mostram que após oito anos de queda, a taxa de desmatamento na Amazônia Legal voltou a aumentar em 2013, e atingiu 11,1 mil km 2 por ano em 2020, a maior taxa anual desde 2008. No Bioma Cerrado, estimativa de desmatamento para 2019 foi de 6,5 mil km 2 .

Figura 1: Tamanho do rebanho bovino Brasil

Fonte: USDA

Figura 2: Área de cultivo de soja no Brasil

Fonte: USDA

Os setores de carne bovina e soja do Brasil receberam US$ 100 bilhões em financiamento

Em uma base regional, as instituições financeiras sul-americanas fornecem 74% do financiamento total desde 2013 que foi identificado por Forests & Finance. UE27 e América do Norte seguem com 11 por cento e 6 por cento, respectivamente. Embora o tipo de financiamento da UE27 esteja concentrado em empréstimos (81%), os bancos e investidores norte-americanos estão igualmente ativos em todas as formas categorizadas neste relatório. Financiadores do Leste Asiático e outros países europeus forneceram fundos relativamente pequenos, mas ainda consideráveis, enquanto o Leste Asiático estava mais focado no setor de soja e a Europa (ex-UE27) mais focada em carne bovina.

Figura : Financiamento total identificado por região de origem (em milhões de dólares)

Fonte: forestandfinance.org, a região “Europe Other” consiste principalmente no Reino Unido, Noruega e Suíça

Empréstimos como o tipo dominante de financiamento

Os empréstimos representaram 81 por cento do financiamento total identificado por Florestas e Finanças. A Forests & Finance identificou US $ 81,6 bilhões em empréstimos, que se destacou como a fonte de financiamento mais importante para os dois setores. Underwritings de US $ 13,2 bilhões foram a segunda maior fonte de financiamento. No entanto, envolveram mais investimentos estrangeiros devido à natureza mais internacional das emissões de ações e obrigações. As participações em ações e títulos eram relativamente pequenas.

Figura 4 : Financiamento total identificado por tipo (em milhões de dólares)

Fonte: forestandfinance.org, Empréstimos e subscrição constituem o tipo de fluxo de financiamento, enquanto as participações em ações e títulos são categorizadas como participações. 95% do financiamento é na forma de fluxos, o que representa todos os empréstimos e underwriting identificados entre 2013 e abril de 2020 em uma base cumulativa. O tipo de financiamento de holding reflete os registros mais recentes disponíveis em abril de 2020.

Figura 5 : Mapa de empréstimos e subscrição fornecidos aos setores brasileiros de carne bovina e soja pelos bancos

Fonte: forestandfinance.org, NRCS: National Rural Credit System, em USD

Figura 6 : Mapa de participação e títulos nos setores brasileiros de carne bovina e soja por investidores

Fonte: forestandfinance.org, em USD

Banco do Brasil é o maior financiador da carne bovina e soja brasileira

Os bancos brasileiros forneceram a maior parte do financiamento total para os setores de carne bovina e soja, respondendo por 81% do total. Doze dos 25 maiores financiadores listados na Figura 7 são bancos brasileiros. O Banco do Brasil, controlado pelo governo (59% de propriedade de órgãos federais do Brasil), está no topo da lista por uma margem muito ampla. O Banco do Brasil destinou US $ 42,4 bilhões aos setores de carne bovina e soja entre 2013 e abril de 2020 (42,3% do total), principalmente na forma de empréstimos, mas também por meio de subscrição, títulos e participações acionárias.

No total, os 25 maiores financiadores responderam por 90% do financiamento identificado fornecido aos dois setores, sendo US $ 60,5 bilhões para carne bovina e US $ 29,5 bilhões para soja. As instituições financeiras de fora do Brasil com exposição considerável são o Santander da Espanha com US $ 5,1 bilhões, o Rabobank da Holanda com US $ 3,0 bilhões, o HSBC do Reino Unido com US $ 2,5 bilhões e o JPMorgan Chase dos Estados Unidos com US $ 0,9 bilhão.

Figura 7 : 25 principais financiadores (em milhões de dólares)

Fonte: forestandfinance.org, visto em outubro de 2020, * John Deere Bank é o braço de financiamento de leasing da empresa de equipamentos agrícolas

Instituições estrangeiras com compromissos ambientais

Todas as instituições financeiras estrangeiras identificadas com exposição significativa têm relações de financiamento com pelo menos uma das empresas na Figura 8, que é uma seleção de empresas com ligações ao desmatamento mencionadas anteriormente por Chain Reaction Research ( JBS , Marfrig , Minerva , Cargill , Bunge ). Mesmo assim, as instituições financeiras mantiveram-se ativas no relacionamento com essas empresas, com base nos dados de financiamento mais recentes.

Figura 8 : Exposição de instituições estrangeiras selecionadas a empresas de risco florestal (em milhões de dólares)

Fonte: forestandfinance.org, (L): Empréstimos, (U): Underwriting, (S): Participação, * Sistema Nacional de Crédito Rural, o valor em dólares das exposições mostrado na tabela foi ajustado para apresentar as proporções relativas à carne bovina e soja Atividades. Os valores originais são maiores para toda a empresa.

A lista a seguir mostra as políticas ambientais das instituições financeiras listadas na Figura 8 e nas Avaliações de Políticas do Banco de Florestas e Finanças (consulte o Apêndice 1):

  • Santander: “ Desmatamento líquido zero até 2020” – Soft Commodities Compact
  • Rabobank: “ Desmatamento líquido zero até 2020” (ver fonte ) – Soft Commodities Compact
    • A política do banco foi avaliada como “Política forte do setor de risco florestal ” e obteve uma pontuação de 39 de 50 na Avaliação de Políticas do Banco de Florestas e Finanças.
  • HSBC: De acordo com o documento de Política de Commodities Agrícolas do banco nos setores de Soja, Pecuária e Rubberwood, “o HSBC não fornecerá conscientemente serviços financeiros a clientes de alto risco envolvidos diretamente ou com fornecedores envolvidos em desmatamento, ou seja: a conversão de áreas (geralmente florestas) necessárias para proteger HCVs; a conversão de florestas tropicais primárias; ou apuramento por queima. ”
    • A política do banco foi avaliada como “ Boa política do setor de risco florestal com algumas lacunas ” e obteve uma pontuação de 30 de 50 na Avaliação de Políticas do Banco de Florestas e Finanças.
  • JP Morgan Chase: “ Desmatamento líquido zero até 2020” (ver fonte ) – Soft Commodities Compact
    • A política do banco foi avaliada como “ Política do setor de risco florestal justa com lacunas ” e obteve 28 de 50 na Avaliação de Políticas do Banco de Florestas e Finanças.
  • Bank of America: De acordo com o documento da Estrutura de Política de Risco Social e Ambiental do banco sob lista proibida, “o Bank of America não se envolverá conscientemente em atividades ilegais, incluindo extração ilegal de madeira ou fogo não controlado – incluindo transações em que um cliente se envolva em extração ilegal de madeira uso do fogo para limpar terras florestais. ”

Esse grupo de financiadores, dominado por instituições financeiras europeias, fornece 14% do financiamento total para empresas brasileiras de soja e carne bovina. Eles podem enfrentar risco de reputação devido às suas políticas de desmatamento e mudanças na regulamentação (europeia) sobre o desmatamento e a devida diligência nas cadeias de abastecimento.

Fornecer financiamento para setores de risco florestal, neste caso carne bovina e soja, especialmente para JBS, Marfrig, Minerva e Cargill e Bunge, (uma seleção de empresas vinculadas ao desmatamento mencionadas pelo CRR) pode expor os bancos a riscos financeiros e de reputação por meio desmatamento. Em particular, os financiadores da Europa podem enfrentar risco de reputação devido ao foco crescente em cadeias de abastecimento sem desmatamento pelas regulamentações europeias .

Empréstimos são a maior fonte de financiamento, tendo o sistema de crédito rural como principal canal

Noventa e um por cento dos empréstimos foram concedidos por meio do Sistema Nacional de Crédito Rural, onde o destinatário final e o prazo de vencimento dos recursos não são divulgadosA lista dos 25 maiores provedores de empréstimo (ver Figura 9) cobre 95 por cento de todos os empréstimos originados entre 2013 e abril de 2020. Enquanto os bancos brasileiros ocupam a maior parte da lista com o Banco do Brasil na liderança, a maioria desses empréstimos locais são facilitada através de um sistema de financiamento chamado sistema Nacional de crédito Rural (sistema Nacional de crédito Rural) As informações do Banco Central do Brasil, que também administra o sistema de crédito, sugerem que o financiamento do programa se baseia principalmente em regras. Por exemplo, inclui exigências de reserva legal para depósitos à vista e de poupança rural em bancos brasileiros. Além disso, as taxas de juros para a maior parte do crédito que o sistema oferece são subsidiadas. Informações mais detalhadas sobre como os dados são incorporados ao banco de dados Florestas e Finanças estão incluídas no Quadro 1 abaixo.

Figura 9 : 25 principais provedores de empréstimos (em milhões de dólares)

Fonte: forestandfinance.org 

Sistema Nacional de Crédito Rural do Brasil

A análise do Sistema Nacional de Crédito Rural com base nos dados do Banco Central do Brasil revela que a maior parte do crédito rural concedido tem como destino os setores de carne bovina e soja. Embora o total de empréstimos em aberto concedidos por meio do programa tenha crescido de R $ 272 bilhões (US $ 82 bilhões) em maio de 2017 para R $ 320 bilhões (US $ 59 bilhões) em maio de 2020, o valor em US $ diminuiu devido a uma forte desvalorização da moeda local. O valor total do empréstimo pendente no programa correspondeu, em média, a 9,5% dos empréstimos em todo o sistema bancário brasileiro nos últimos quatro anos. O nível de originação anual de crédito implica cerca de 20 meses de maturidade média dos créditos do sistema.

Figura 10 : Sistema Nacional de Crédito Rural no Brasil (em bilhões de dólares)

Fonte: Banco Central do Brasil

Figura 11 : Sistema Nacional de Crédito Rural por tipo de beneficiário e subsídio

Fonte: Banco Central do Brasil

Em média, 75% dos empréstimos concedidos pelo Sistema Nacional de Crédito Rural entre junho de 2017 e junho de 2020 foram subsidiados com taxas de juros inferiores às do mercado. Embora as pequenas propriedades familiares recebam taxas de juros mais baixas com mais subsídios (ver Figura 11), elas receberam apenas cerca de 13% do total de empréstimos. As taxas de juros anuais subsidiadas foram 30% mais baixas em comparação com as taxas definidas livremente (não subsidiadas) para as propriedades não familiares e 55% mais baixas para as propriedades familiares. 

Figura 12 : Taxas médias anuais de juros do Sistema Nacional de Crédito Rural no Brasil

Fonte: Banco Central do Brasil

O efeito do Sistema Nacional de Crédito Rural no desmatamento

A pesquisa de impacto do Sistema Nacional de Crédito Rural aponta para uma mudança na política de crédito do sistema em 2008. A aprovação do crédito rural subsidiado na Amazônia está condicionada à comprovação do cumprimento da regulamentação ambiental. Principalmente por meio de uma redução nos volumes de crédito (principalmente em municípios onde a pecuária é a principal atividade econômica), o desmatamento no bioma Amazônia entre 2009 e 2011 foi 60% menor do que teria sido sem restrições de crédito.

Em sua nota de política para 2020 , o Banco Mundial afirmou que um pequeno número de grandes fazendas recebe a maior parte do financiamento rural, enquanto 85% de todos os fazendeiros no Brasil não têm acesso ao crédito. Além disso, a maior parte do crédito rural é para financiamento do tipo capital de giro de curto prazo, com financiamento de investimento de prazo mais longo limitado. Assim, a probabilidade de o crédito rural afetar positivamente os investimentos em agricultura sustentável é considerada baixa.

Figura 13 : Empréstimos por região (em milhões de dólares)

Figura 14 : Empréstimos * (milhões de dólares)

Fonte: forestandfinance.org. * A diferença nos fluxos de empréstimos entre os diferentes números do relatório decorre dos ajustes do setor em dados de Florestas e Finanças (ver anexo 1), bem como da exclusão de alguns dos financiadores do Sistema Nacional de Crédito Rural (ver caixa 1)

Subscrição

A subscrição cumulativa de emissões de ações e títulos entre 2013 e abril de 2020 totaliza US $ 13,2 bilhões. Desse total, 77% são destinados às emissões de títulos dos três grandes frigoríficos – JBS, Marfrig e Minerva. Uma vez que quase todas essas emissões de títulos foram denominadas em dólares americanos, as instituições financeiras internacionais tiveram uma participação elevada, subscrevendo 60 por cento do tamanho total dos negócios, significativamente maior em comparação com sua contribuição em empréstimos.

Figura 15 : 25 maiores subscritores (em milhões de dólares)

Fonte: forestandfinance.org

Desenvolvimento histórico

O total de subscrição identificado caiu para US $ 334 milhões em 2015, principalmente por causa da seca. Isso foi seguido por um ano de expansão, com negócios atingindo US $ 3,2 bilhões.

Figura 16 : Subscrição Regional (em milhões de dólares)

Fonte: forestandfinance.org

Participação

Os dados de participação são mais diversificados devido ao envolvimento de fundos de ações globais, especificamente na forma de ETFs. Quando a participação de 21,3 por cento do BNDES (Banco de Desenvolvimento do Brasil) (no valor de US $ 2,1 bilhões, ajustado para a participação das operações de carne bovina da JBS) na JBS é excluída como uma exceção, os investidores norte-americanos têm o maior percentual de 49 por cento contra 33 por cento para América do Sul. O BNDES desinvestiu da Marfrig no final do 1T2020, vendendo sua participação de 30% na empresa (no valor de cerca de US $ 500 milhões). O BNDES afirmou que pretende desinvestir também da JBS, mas a venda ainda não se concretizou.

Figura 17: Participação regional (em milhões de dólares)

Fonte: forestandfinance.org, ajustado pela participação do BNDES na JBS

Figura 18 : 25 principais acionistas (em milhões de dólares)

Fonte: forestandfinance.org

Bondholding

Bondholding é a menor área de financiamento identificado recebido pelos setores de carne bovina e soja no Brasil, com apenas US $ 663 milhões, totalizando apenas 0,7 por cento do financiamento total identificado. Os investidores locais da região da América do Sul praticamente não têm participações nos títulos, enquanto a América do Norte (58%) e a UE27 (29%) têm a maior exposição.

Figura 19 : Obrigações regionais (em milhões de dólares)

Fonte: forestandfinance.org

Figura 20 : 25 principais detentores de títulos (em milhões de dólares)

Fonte: forestandfinance.org

Financiadores europeus em posição de se envolver com soja e carne bovina

Ao financiar 12% do financiamento total da carne bovina e soja no Brasil, os investidores e bancos europeus têm o potencial de contribuir para a redução do desmatamento nas cadeias de abastecimento da carne bovina e da soja. Quando o JPMorgan Chase e o Bank of America estão incluídos, 14% do financiamento é feito por meio de instituições financeiras com políticas de desmatamento.

Grande parte do financiamento dos setores brasileiros de soja e carne bovina flui por meio de crédito rural de bancos brasileiros, que atualmente têm impacto mínimo na agricultura sustentável. No entanto, os financiadores europeus enfrentam risco de reputação devido ao desenvolvimento de regulamentos da UE sobre o desmatamento nas cadeias de abastecimento. Além disso, o Banco Central Europeu (BCE) dá um peso cada vez maior aos riscos de mudança climática, desmatamento e biodiversidade. Todos os financiadores enfrentam riscos de investimento, pois as empresas que financiam podem ser confrontadas com um acúmulo de risco de acesso ao mercado, risco de regulamentação e risco de financiamento. As participações no capital também podem perder valor devido ao risco de reputação.

Como os bancos e investidores europeus também são financiados por seus próprios investidores, essas instituições financeiras também estão em posição de evitar a repetição das perdas causadas pelo financiamento da indústria de combustíveis fósseis, que também está ligada às mudanças climáticas.

Apêndice 1: Florestas e finanças

Objetivo, escopo, metodologia e parceiros da Forests & Finance, resumidos no site:

Forestsandfinance.org visa destacar o papel que as finanças desempenham na viabilização do desmatamento tropical. É o resultado de extensas pesquisas e investigações por uma coalizão de organizações de campanha e pesquisa, incluindo Rainforest Action Network, TuK INDONESIA, Profundo, Amazon Watch, Repórter Brasil e BankTrack. O banco de dados Forests & Finance avalia os serviços financeiros recebidos por mais de 300 empresas e mais de 16.000 empresas de risco florestal de pequena escala que receberam financiamento que estão diretamente envolvidas na carne bovina, óleo de palma, celulose e papel, borracha, soja e madeira tropical (“ setor de risco florestal ”) cadeias de suprimento e cujas operações impactam as florestas tropicais naturais no Sudeste Asiático, Brasil, bem como na África Central e Ocidental. Nem todas as empresas selecionadas para o banco de dados estão envolvidas em operações prejudiciais. Contudo, todos estão envolvidos em operações de grande escala em regiões de florestas tropicais que apresentam alto risco de causar desmatamento e impactos sociais associados. As instituições financeiras que fazem negócios com essas empresas estão, portanto, altamente expostas aos riscos de desmatamento.

Os bancos de dados financeiros Refinitiv (anteriormente conhecido como Thomson EIKON), Bloomberg IJGlobal, TradeFinanceAnalytics, arquivos de registro de empresas, bem como relatórios de empresas disponíveis publicamente, foram usados ​​para identificar empréstimos corporativos, crédito e facilidades de subscrição fornecidas às empresas selecionadas no período 2013-2020 (Abril). Os investimentos em títulos e ações das empresas selecionadas foram identificados por meio da Refinitiv e da Bloomberg na data de depósito mais recente disponível em abril de 2020. Essas bases de dados financeiras fornecem acesso a dados de mercado em tempo real, notícias, dados fundamentais, análises, ferramentas de negociação e mensagens. O portal Transparência do BNDES e o portal do Banco Central do Brasil foram usados ​​para identificar fluxos financeiros adicionais para empresas de risco florestal no Brasil. Esta pesquisa fornece um conjunto de dados de nível de negócio de relacionamentos específicos entre empresas selecionadas e qualquer instituição financeira vinculada. Das mais de 300 empresas pesquisadas, apenas 230 empresas tinham financiamentos identificáveis ​​onde o financiador, o valor do financiamento e a data de início eram conhecidos dentro do período de estudo.

As empresas com atividades comerciais fora do setor de risco florestal registraram valores reduzidos para apresentar com mais precisão a proporção do financiamento que pode ser razoavelmente atribuída às operações do setor de risco florestal da empresa selecionada. Quando as informações financeiras disponíveis não especificavam a finalidade do investimento ou da divisão de recebimento dentro do grupo da empresa-mãe, os fatores de redução foram calculados individualmente pela comparação das atividades do setor de risco florestal de uma empresa em relação às atividades totais do grupo-mãe. Ajustadores adicionais foram calculados para empresas que operam em várias geografias dentro do escopo desta pesquisa.

Os bancos comerciais identificados neste estudo foram avaliados para determinar a força de quaisquer políticas publicamente disponíveis relevantes para a tomada de decisão de investimento no setor de risco de floresta tropical e, subsequentemente, pontuados de acordo com uma série de critérios que incorporam padrões ambientais, sociais e de governança. Cada um dos principais bancos recebeu uma pontuação sobre o escopo de suas políticas e seus padrões ambientais e sociais. A Metodologia de Avaliação de Políticas do Forests & Finance Bank é baseada no Fair Finance Guide (FFG) com foco no setor de risco florestal.

Os dados e avaliações apresentados neste site não foram fornecidos ou autorizados por nenhuma das instituições financeiras ou clientes em causa. Embora todas as tentativas tenham sido feitas para pesquisar e apresentar dados e avaliações de forma precisa e objetiva, é difícil garantir a precisão total. Isso se deve principalmente à falta de consistência e transparência na maneira como as instituições financeiras e clientes do setor de risco florestal registram as principais informações financeiras e empresariais. Onde houve ambigüidade nas informações de origem dos serviços financeiros, os autores deste site agiram com cautela, resultando em uma provável subestimação dos verdadeiros montantes de financiamento envolvidos. Os autores estão empenhados em corrigir quaisquer erros identificados na primeira oportunidade.

Visite o site para mais informações e para usar o banco de dados.

Apêndice 2: Principais destinatários de financiamento identificados por Florestas e Finanças

Figura 21 : 25 maiores destinatários de financiamento (em milhões de dólares)

Fonte: forestandfinance.org

fecho
Esta reportagem foi inicialmente escrita em inglês e publicada pela Chain Reaction Research [Aqui! ] .

De mãos beijadas: BB entrega carteira de R$ 3 bi para BTG Pactual, criado por Paulo Guedes

guedes-bb

Por Daniel Valença*

Em “estranha” movimentação ocorrida no dia primeiro de julho deste ano, o Banco do Brasil cedeu uma carteira com 3 bilhões em créditos “perdidos”, isto é, em que os empréstimos concedidos são considerados difíceis de serem quitados.

Um exemplo nos ajuda a entender a questão: vamos supor que o BB tenha emprestado R$ 30 mil para um de seus clientes. Receando não receber o pagamento, o Banco do Brasil vende os direitos de crédito contra os tomadores de empréstimo por R$ 3 mil. Daí o banco comprador da carteira, por meio de investigação, consegue reaver R$ 10 mil, resultando num lucro de R$ 7 mil. 

Na prática, por R$ 371 milhões, o banco BTG Pactual se tornou credor de quase 10 vezes o preço que pagou, podendo, em cima desse crédito, ter lucros gigantescos. 

A estranha venda de créditos podres do Banco do Brasil ao BTG Pactual - GGN

Mesmo tendo sido uma operação de valor e tamanho inéditos no mercado financeiro brasileiro, não se tem notícia de nenhum processo licitatório pela carteira. Suspeito, para dizer o mínimo.

Mais estranho ainda é que, coincidentemente ou não, a dinheirama foi arrebatada pelo banco fundado por ninguém menos que Paulo Guedes, que – vejam só – foi quem indicou o presidente do Banco do Brasil. 

Mandatário este que, assim como o ministro da “granada no bolso dos servidores” que o nomeou, defende a privatização do banco público que preside.

Ou seja, além de ir sorrateiramente privatizando riquezas públicas, este governo ainda beneficia os amigos do Chicago Boy. Para os bancos privados, tudo, para amplas massas da população, “trabalhem”, senão vira “vida boa”.

Precisamos, portanto, construir a política oposta: se, neste governo, o Estado está totalmente voltado para aumentar os lucros do rentismo e espoliar as classes trabalhadoras, precisamos construir um projeto político da classe trabalhadora, que oriente o Estado para as amplas massas e exproprie o rentismo e as classes possuidoras.

Movimento sindical, movimento feminista, movimento negro, sem terra e sem teto, os partidos de trabalhadores, as mais diversas das frações das classes trabalhadoras – aqueles e aquelas que vivem do seu trabalho – devem construir uma ampla frente de esquerda que tenha uma premissa: para salvar vidas, fora Bolsonaro e fora Mourão; que a classe trabalhadora possa exercer seu direito ao isolamento e que os quase 200 mil milionários brasileiros paguem a conta da luta contra a pandemia.

Ouça podcast sobre o assunto  abaixo

.

*Daniel Valença é professor da graduação e mestrado em Direito da UFERSA, Vice-Presidente do PT/RN, e associado do IPDMS (GT – Direito e Marxismo)

fecho

Este texto foi originalmente publicado pelo jornal “Brasil de Fato” [Aqui!].

Bomba “X” ameaça o Banco do Brasil

O Banco do Brasil está cercado de possibilidades de más notícias, incluindo a possível votação pelo STF de questões relacionadas a diversos planos de estabilização econômica, mas uma delas foi plantada pela “generosidade” do governo Dilma com o ex-bilionário Eike Batista.  É que recentemente o Banco Votorantim foi obrigado a reconhecer uma dívida de R$ 570 milhões da OS(X) junto ao BNDES.

O problema que ninguém quis ressaltar na época da “generosidade” com a OS(X) é que o Banco do Brasil possui 50% do Votorantim e, por causa disso, vai ter uma perda de R$ 224 milhões no quarto trimestre de 2013.  Com isso todas as expectativas de lucros do Banco do Brasil deverão ficar comprometidas,  já que está mais do que claro que a OS(X) não terá como honrar mais essa dívida, dados os robustos prejuízos que a empresa continua tendo.

Em suma, no final para livrar a cara de Eike Batista, quem arca com o problema são os acionistas do Banco do Brasil e a população pagadora de impostos.