Pesquisadores da UENF fazem registro histórico do local onde Fernando Santa Cruz e outros 11 militantes teriam sido incinerados

Um dia após o Ministério Público Federal (MPF) ter reconhecido que o pai do presidente da OAB-Nacional, Filipe Santa Cruz, o militante desaparecido Fernando Santa Cruz foi incinerado nos fornos da Usina Cambahyba em Campos dos Goytacazes, pesquisadores do Núcleo Cidade, Cultura e Conflito (NUC) da Universidade Estadual do Norte Fluminense (Uenf) estiveram no local e realizaram um importante registro das ruínas da tinga usina de açúcar e álcool (ver imagens abaixo).

Este slideshow necessita de JavaScript.

Essas imagens são fundamentais para que se mantenha a memória histórica dos acontecimentos violentos que marcaram o extermínio dos que se insurgiram contra o regime militar, especialmente em um momento em que a violência cometida naquele período está sendo relativizada e naturalizada desde a presidência da república.

Outro registro igualmente importante dos fatos envolvendo a Usina Cambahyba é o documentário “Forró em Cambaíba“, realizado sob a direção do jornalista Vitor Menezes, que registra a ocupação do MST nas terras da antiga Usina Cambaíba, em Campos dos Goytacazes (RJ), o assassinato do líder sem terra Cícero Guedes dos Santos, e as denúncias do ex-delegado do Dops, Cláudio Guerra, de que o local foi usado para queimar cadáveres durante a Ditadura Civil-Militar brasileira.

 

MPF faz acareação entre envolvidos com incineração de corpos em Campos (RJ) durante ditadura militar

A audiência será hoje (9), às 14 horas, na sede do MPF em Campos (RJ)

 cambaiba_claudio_guerra_1

O Ministério Público Federal (MPF) em Campos (RJ) põe cara a cara duas pessoas envolvidas em episódios ocorridos durante a ditadura, quando a Usina Cambaíba era usada para incinerar corpos de possíveis vítimas do regime militar. A acareação entre o ex-delegado do Departamento de Ordem e Política Social (Dops), Cláudio Guerra, e o ex-funcionário da Usina Cambaíba Erval Gomes da Silva será hoje (9) na sede do MPF em Campos (RJ), às 14 horas. 

A acareação irá instruir o procedimento investigatório criminal nº 1.30.002.000105/2012-04, instaurado para apurar fatos relativos a eventual violação de direitos humanos e incineração de corpos na Usina Cambaíba, no Município de Campos dos Goytacazes/RJ. 

Reconstituição da incineração

Em agosto deste ano, o MPF realizou uma reconstituição do episódio de incineração de corpos na usina. Para a reconstituição dos fatos, foram usados manequins. Na ocasião, o ex-delegado Cláudio Guerra indicou como os corpos eram trazidos e jogados no forno da Usina Cambaíba.

“Cláudio Guerra, apesar de colaborar, é um assassino frio e confesso. Foi braço do Regime Militar e merece pagar à justiça por suas atrocidades. A reconstituição mostrou que a queima era possível. Vamos prosseguir nas investigações”, destacou o procurador Eduardo Santos de Oliveira

As investigações sobre a incineração de corpos na usina foram abertas em maio de 2012. Na época, foi instaurado procedimento investigatório criminal para apurar declarações do ex-delegado no livro “Memórias de uma guerra suja”.

FONTE:  Assessoria de Comunicação Social/ Procuradoria da República no Estado do Rio de Janeiro