Promessas vazias: Cargill continua fornecendo ração ligada ao desmatamento da Amazônia para fazendas do Reino Unido

A Cargill, que se comprometeu a limpar sua cadeia de suprimentos, vende ração para muitos dos bilhões de frangos que são abatidos anualmente apenas no Reino Unido

cargill soybean

Uma investigação descobriu as ligações da Cargill com a fazenda fornecedora brasileira Fazenda Conquista. Fotografia: Greenpeace Unearthed/Pedro Ladeira

Por Andrew Wasley , Lucy Jordan e Elisângela Mendonça para o “The Guardian”

A Cargill, grande fornecedor de ração animal para o Reino Unido, ainda está comprando soja e milho de uma fazenda ligada ao desmatamento na Amazônia, apesar de ter se comprometido a limpar suas cadeias de suprimentos globais.

A Cargill, uma multinacional agrícola gigante que vende ração para granjas britânicas, compra colheitas de uma fazenda que cultiva soja em terras desmatadas na Amazônia brasileira.

Uma investigação do Bureau of Investigative Journalism, Greenpeace Unearthed, Repórter Brasil e Ecostorm descobriu as ligações da Cargill com a fazenda fornecedora brasileira, Fazenda Conquista.

A fazenda na Amazônia brasileira foi responsável por oito quilômetros quadrados de desmatamento desde 2013, com vários incêndios florestais registrados em 2020. Sua negociação com a Cargill inclui o fornecimento de soja, e a fazenda assinou um acordo para entregar 5.700 toneladas de milho à empresa neste ano. Não se sabe se as culturas em questão foram cultivadas em uma parte recentemente desmatada da fazenda.

As descobertas levantam questões sobre o processo de due diligence da Cargill. A empresa se comprometeu a não comprar soja de terras desmatadas na Amazônia depois de 2008, e no ano passado se comprometeu a agir mais rapidamente para eliminar o “desmatamento impulsionado por commodities”.

Mas a Cargill também tem sido repetidamente associada ao desmatamento . Em 2020, o Bureau e o Unearthed relataram 800 quilômetros quadrados de desmatamento e 12.000 incêndios desde 2015 em terras usadas pelos fornecedores de soja da Cargill no Cerrado , outro bioma protegido no Brasil.

A empresa exporta anualmente milhares de toneladas de soja brasileira para o Reino Unido para uso em ração animal. Os ativistas disseram que as descobertas destacaram os custos ambientais ocultos da carne barata.

“As galinhas de carne são os animais mais intensivamente criados no Reino Unido, com mais de um bilhão de animais abatidos a cada ano”, disse Lindsay Duncan, gerente de campanhas da World Animal Protection UK.

“A crescente demanda por frango barato leva à crescente demanda por soja, causando desmatamento em grande escala e degradação ambiental devastadora, que destrói os habitats naturais de milhões de animais selvagens.”

Cerca de 80% de toda a soja cultivada em todo o mundo é destinada ao gado. O Reino Unido importou cerca de 3,5 milhões de toneladas de grãos de soja em 2019, com cerca de metade disso terminando em ração para frangos.

Cerca de um quarto da soja importada do Reino Unido vem do Brasil, e a grande maioria é comercializada pela Cargill.

A Cargill disse: “Estamos comprometidos em eliminar o desmatamento de nossas cadeias de suprimentos no menor tempo possível e estamos acelerando nossos esforços”. Respondendo às constatações sobre a Fazenda Conquista, o comunicado prosseguiu: “Caso o fogo tenha sido utilizado e tenha impactado a mata nativa ou confirmada alguma irregularidade, tomaremos as medidas cabíveis”.

O estado da terra em questão antes de 2013 é contestado: a administração da Fazenda Conquista disse em comunicado que a fazenda tinha permissão do órgão ambiental local para realizar uma “queima controlada” na terra porque originalmente havia sido desmatada no início dos anos 1980 .

No entanto, imagens de satélite mostram que a floresta estava crescendo desde então, e o programa de monitoramento de desmatamento do Brasil sinalizou a derrubada em 2013 como desmatamento.

A Secretaria Estadual de Meio Ambiente (Sema) confirmou que autorizou uma queima na fazenda em 2012 para limpar o pasto com algum grau de regeneração. Mas a Sema disse que nenhuma licença para desmatamento total dentro da fazenda foi autorizada e admitiu que, embora não houvesse imagens de satélite de alta resolução antes de 2019 para identificar o desmatamento em tempo real, uma análise recente sugeriu que havia desmatamento dentro da propriedade. A Sema disse que iria investigar mais.

Em uma análise independente de imagens de satélite, a ONG Aidenvironment também considerou que a terra foi desmatada. Este ano, a fazenda será incluída na lista negra da Moratória da Soja, um acordo voluntário da indústria que proíbe o comércio de soja em terras amazônicas desmatadas após 2008. O Grupo de Trabalho para a Soja, que supervisiona a moratória, disse ter identificado uma área de desmatamento que tinha sido semeado com soja na última época de plantio.

Um repórter do Bureau visitou a fazenda este ano e viu grãos de soja crescendo na terra.

A destruição da floresta amazônica tem sérias consequências para o clima, com especialistas temendo que o bioma possa cruzar em breve um “ponto de inflexão” no qual começará a mudar de floresta tropical exuberante para uma savana mais seca, liberando grandes quantidades de carbono armazenado na atmosfera.

De acordo com a agência espacial brasileira, o desmatamento na Amazônia aumentou 22% nos 12 meses até julho do ano passado.

As principais empresas de alimentos britânicas adotaram esquemas de certificação de “desmatamento zero” para enfrentar o problema, mas a soja “suja” ligada ao desmatamento continua a entrar nas cadeias de suprimentos.

color compass

Este texto foi inicialmente escrito em inglês e publicado pelo jornal “The Guardian” [Aqui! ].

Semeando conflitos: ADM, Bunge e Cargill alimentam conflitos fundiários para manter controle da soja brasileira

Nova investigação revela que grandes empresas globais de commodities alimentam conflitos fundiários e abusos de direitos humanos com o comércio de soja brasileira

sowing conflcts

Investigação da Global Witness revela que ADM, Bunge e Cargill – gigantes comerciais com um papel central no sistema agroalimentar mundial – estão ligadas a abusos de direitos humanos causados por fornecedores de soja em conflito com comunidades tradicionais no estado da Bahia.

A comunidade de fecho de pasto de Capão do Modesto, que cuida de suas terras ancestrais no Cerrado de forma sustentável há centenas de anos, acusa seguranças contratados por um grupo de grandes produtores de soja de atos de violência, destruição de bens e ameaças de morte.

Esses produtores estão movendo um processo judicial para impedir o acesso da comunidade às suas terras, suprimindo assim o exercício de direitos expressamente protegidos pelas constituições do Brasil e da Bahia.

Os abusos e litígios estão documentados em boletins de ocorrência, processos judiciais e poderosos depoimentos individuais. As relações dos produtores com as multinacionais de comércio de soja foram reveladas por meio de documentos comerciais e legais, depoimentos de representantes comerciais locais e informações divulgadas pelas próprias empresas.

O conflito é um exemplo de ‘grilagem verde’, com os fazendeiros reivindicando a área contestada como ‘reserva legal’ – área de vegetação nativa que a legislação brasileira exige que seja preservada para compensar o desmatamento provocado pela lavoura da soja.

Um dos produtores de soja em questão fez um acordo com a Archer Daniels Midland (ADM) para aumentar seu acesso aos mercados europeus por meio de auditorias da Certificação Internacional em Sustentabilidade e Carbono (ISCC) – um esquema reconhecido pela Diretiva de Energia Renovável da União Europeia.

A União Europeia importou 7 milhões de toneladas de soja brasileira no ano passado, e ADM, Bunge e Cargill foram as maiores exportadoras desse produto a partir do Brasil. Os grandes carregamentos de soja para a UE que saem das instalações dessas multinacionais na região de Capão do Modesto apresentam um claro risco de que as importações de soja da Europa estejam contaminadas pelo conflito.

Marina Comandulli, assessora de campanhas da Global Witness, disse: “Esta investigação comprova mais uma vez que os compromissos voluntários de sustentabilidade dessas grandes empresas do agronegócio não são capazes de proteger as pessoas e o planeta. A contribuição das multinacionais para esse conflito justifica claramente que a Comissão Europeia tome medidas enérgicas conforme avança com um novo projeto de legislação para responsabilizar as empresas por violações aos direitos humanos e danos ambientais em suas cadeias produtivas.”

Embora afirmem que a soja brasileira seja quase totalmente rastreável, nenhuma dessas multinacionais revela quais são seus fornecedores. Assim, o setor continua pouco transparente e sem prestar contas a ninguém. Apesar de haver políticas que supostamente comprometem essas empresas a defender os direitos humanos e fundiários em suas cadeias produtivas, a pesquisa da Global Witness revela deficiências estruturais e negligência na implementação dessas políticas.

Ao comprar soja de fazendas diretamente envolvidas nesse conflito, que se arrasta há anos, as multinacionais deixam de cumprir suas responsabilidades para com as normas internacionais relevantes, incluindo os Princípios Orientadores das Nações Unidas para Empresas e Direitos Humanos e as Diretrizes da OCDE para Empresas Multinacionais.

Recomendações
A Global Witness faz um apelo ao governo brasileiro para que priorize a concessão de títulos de terras às comunidades tradicionais, para que elas possam viver em paz.

Na ausência de proteção estatal suficiente, as multinacionais de comércio de commodities que atuam em áreas propensas a conflitos, como o Cerrado baiano, devem priorizar os direitos humanos e fundiários das comunidades em suas cadeias de suprimento de soja, oferecendo reparação dos danos sempre que eles ocorrerem.

Na ausência de ações efetivas por parte das empresas, a União Europeia deve garantir que a legislação de Governança Corporativa Sustentável prometida para 2021 exija a devida diligência obrigatória e executável de direitos humanos, fundiários e questões ambientais por parte dos atores do agronegócio e preveja penalidades suficientes para os casos de não cumprimento das obrigações de devida diligência e danos reais. A legislação específica da UE sobre commodities de risco florestal deve igualmente garantir que os mercados europeus não sejam contaminados por abusos de direitos humanos e violações de direitos fundiários comunitários.

Leia a íntegra do relatório divulgado pela Global Witness nesta terça-feira (23).

Estudo mostra que soja embutida em produtos consumidos no Reino Unido pela abordagem florestal da Cargill

cargill-645x430

Uma investigação realizada pelo Bureau of Investigative Journalism, Greenpeace Unearthed, ITV News e Daily Mirror encontrou ligações entre o desmatamento nos biomas Amazônia e Cerrado do Brasil e produtos lácteos britânicos. A trader de soja Cargill, a empresa europeia líder em nutrição animal ForFarmers e várias empresas de bens de consumo estão conectadas à cadeia de suprimentos do Grupo Scheffer, um agronegócio brasileiro com 224.000 hectares (ha) de terras aráveis. O Grupo Scheffer tem sido repetidamente vinculado a incidentes de danos ambientais em fazendas, incluindo a derrubada de faixas de vegetação do Cerrado e o uso de fogo para limpeza de terras.

A investigação revelou que fazendas do Reino Unido que fornecem leite e laticínios Saputo (proprietária da Dairy Crest com marcas de queijos bem conhecidas como Davidstow e Cathedral City Cheddar), Arla UK (parte de uma cooperativa multinacional dinamarquesa) e Cadbury UK (de propriedade da Mondelez International ) obtêm uma parte de sua ração para gado dos produtores de rações ForFarmers e Mole Valley Feeds. Esses produtores, por sua vez, compram soja brasileira exportada pela Cargill, que adquire soja do Grupo Scheffer.

A Cargill está ligada a eventos de desmatamento e incêndios em sua cadeia de suprimentos brasileira há algum tempo. Em março de 2021, a Chain Reaction Research informou que a Cargill tinha a segunda maior exposição ao risco de desmatamento no Cerrado em 2020 (depois da Bunge), totalizando 44.644 ha. Uma pesquisa anterior de CRR descobriu que a Cargill tinha um alto risco de sofrer incêndios dentro de suas zonas de compra potenciais. Como membro do Soft Commodities Forum (SCF), a Cargill e outros comerciantes se comprometeram com uma estrutura comum para relatar e monitorar o progresso na transparência e rastreabilidade de suas cadeias de suprimento de soja no Cerrado. No entanto, ainda não está claro como as promessas do SCF se relacionam com seus compromissos de excluir a conversão de toda a vegetação nativa do Cerrado e a implementação de mecanismos eficazes de não conformidade, inclusive em relação à conversão legal. Nenhum dos comerciantes incluídos na análise do CRR apoia o Manifesto do Cerrado, que prevê a suspensão do desmatamento e a perda da vegetação nativa no bioma. As políticas de desmatamento dos comerciantes podem ser insuficientes para mitigar o risco de desmatamento em suas cadeias de abastecimento.

A Arla e a Saputo apontam as suas compras de créditos de certificação para apoiar a produção de soja responsável. No entanto, os créditos adquiridos com a certificação da Mesa Redonda para a Soja Responsável (RTRS) ou do próprio esquema Triple S da Cargill não estão vinculados a suprimentos físicos. Também permitem a mistura de soja com produto de origem não certificada, o que pode estar vinculado ao desmatamento.

A Arla admitiu que “não monitora os fornecedores escolhidos por nossos proprietários agrícolas para seus negócios”. Portanto, não sabe de onde vem a soja em sua cadeia de abastecimento. Arla, Saputo e Mondelez International são empresas de bens de consumo (FMCGs) de rápido movimento. Este setor é um dos principais beneficiários dos lucros gerados na cadeia produtiva da soja. Esse padrão é muito semelhante à cadeia de lucro do óleo de palma . Na cadeia do óleo de palma, o FMCG e os setores de varejo (incluindo supermercados, serviços de alimentação e restaurantes fast-food) obtêm 66% dos lucros brutos e 52% dos lucros operacionais do óleo de palma incorporado. Essas empresas e seus financiadores enfrentam altos riscos financeiros pela não implementação e execução de políticas de desmatamento. Em particular, financiamento e risco de reputação pode custar-lhes até 30% do valor de sua empresa ou de mercado. Estabelecer a melhor política e execução de desmatamento zero da categoria, incluindo monitoramento / verificação, exigiria que essas empresas aumentassem os preços ao consumidor em menos de 2%.

A Cargill é uma empresa privada não listada, mas muitas instituições financeiras estão envolvidas no financiamento de dívidas e emissão de títulos para suas atividades de soja na América Latina. Os principais credores em seu financiamento à soja são BNP Paribas, Itaú Unibanco, JP Morgan Chase, Bank of America e Deutsche Bank. Entre os principais investidores em títulos da Cargill estão Prudential Financial (EUA), Metlife, AIG, Nationwide Mutual Insurance e Wellington Management. Vários deles adotaram políticas de desmatamento zero e têm amplos motivos para se envolver com a Cargill. Dos produtos de dívida identificados e ajustados, 27% vieram de instituições financeiras da União Europeia (UE). As instituições da UE estão cada vez mais expostas a regulamentações financeiras sustentáveis ​​(como o SFDR) e também terão que enfrentar a regulamentação da UE sobre a devida diligência na cadeia de abastecimento (2022).

compass

Este texto foi escrito originalmente em inglês e publicado pela Chain Reaction Research [Aqui!].

Incêndios são detectados em fazenda operada pela maior produtora de soja do Brasil

SLC-Picture1-645x457

Fogos ativos foram detectados na Fazenda Perdizes no dia 24 de agosto de 2021 em Porto dos Gaúchos, Mato Grosso. A propriedade pertence e é operada pela SLC Agrícola , maior produtora de soja do Brasil. A Fazenda Perdizes consiste em áreas mantidas sob a propriedade da SLC Agrícola e por meio de joint ventures com outras empresas. Os incêndios detectados recentemente caem na parte da Fazenda Perdizes que a SLC Agrícola possui. Uma análise anterior realizada pela Aidenvironment, parceira do CRR, no início da temporada de incêndios de 2021, detectou outro incêndio na propriedade da SLC Agrícola na Fazenda Palmeira. O atual incêndio na Fazenda Perdizes mostra as conexões contínuas da empresa com o desmatamento para desenvolvimento e expansão de terras agrícolas.

A Fazenda Perdizes possui uma área total de 43.123 hectares (ha), dos quais 26.295 ha consistiam de área de cultivo durante a safra de 2019/20. A Figura 1 mostra a parte da Fazenda Perdizes operada e de propriedade integral da SLC Agrícola que contém aproximadamente 5.840 ha de reserva legal. Os incêndios ativos detectados em 24 de agosto estão dentro da área de reserva legal (Figura 2). De acordo com o Código Florestal Brasileiro, essa área deve permanecer intacta e coberta com vegetação nativa.

Figura 1. Parte da Fazenda Perdizes operada e de propriedade integral da SLC Agrícola em Porto dos Gaúchos, Mato Grosso, Brasil

Nota: A área verde é Reserva Legal

Figura 2:  Incêndios detectados em 24 de agosto na Reserva Legal de uma parcela da Fazenda Perdizes operada e de propriedade integral da SLC Agrícola em Porto dos Gaúchos, Mato Grosso, Brasil

Nota: A fumaça dos fogos ativos é visível na parte central e sul da fazenda. As molduras do lado direito mostram o zoom para os incêndios e fumaça.

Fogos ativos adicionais foram detectados no dia 29 de agosto ainda na reserva legal da Fazenda Perdizes (Figura 3). Alertas de desmatamento do GLAD na mesma área sinalizaram possível desmatamento.

Figura 3. Fogos detectados em 29 de agosto na Reserva Legal de uma parcela da Fazenda Perdizes operada e de propriedade integral da SLC Agrícola em Porto dos Gaúchos, Mato Grosso, Brasil

Fonte: CRR monitora o desmatamento pelos principais desmatadores, como SLC Agricola, por meio do conjunto de dados geoespaciais internos do parceiro CRR Aidenvironment. Os analistas de ambiente identificam pontos críticos de desmatamento e rastreiam alertas de incêndio para cadeias de suprimentos de commodities com base em dados da empresa, registros públicos e conjuntos de dados de parceiros locais. Nota: A fumaça dos fogos ativos move-se para as áreas próximas da parte central e sul da fazenda.

Em março de 2021, a SLC Agrícola informou que deixará de converter novas áreas em todas as suas propriedades após a safra deste ano. O compromisso anterior da SLC Agrícola de deter o desmatamento do Cerrado em setembro de 2020 também levou à continuação do desmatamento, apesar de sua promessa de desmatamento zero. Conforme relatado pela CRR , a empresa foi a maior desmatadora no Cerrado em 2020, e seus maiores compradores incluem Cargill, Bunge e Amaggi (uma joint venture entre Louis Dreyfus, Grupo Amaggi e Zen-Noh). Todos os três têm compromissos de desmatamento zero e estão expostos ao risco de desmatamento devido às relações comerciais contínuas com a SLC Agrícola. A Cargill em particular enfrentou pressão comercial sobre seu papel no desmatamento no Brasil. Em julho de 2020, a Cargill declarou publicamente   que “o início deliberado de incêndios na Amazônia é inaceitável”. Os incêndios contínuos e o desmatamento violam os compromissos de desmatamento zero dos clientes da SLC Agrícola e de grande parte das indústrias que consomem soja.

A SLC Agrícola é financiada principalmente por investidores brasileiros e bancos com baixa pontuação em políticas ESG, de acordo com a Forests & Finance . Os grandes investidores são Odey Asset Management (US $ 49 milhões), Bradesco, Vanguard, Grupo XP e BlackRock. Grandes credores incluem Itaú Unibanco (US $ 13 milhões) e BNDES. Em 18 de junho de 2021, a SLC anunciou a parceria com o Rabobank em empréstimo de R $ 200 milhões vinculado às metas de sustentabilidade da empresa. O CRR manteve discussões com o Rabobank sobre este empréstimo. As metas e KPIs deste empréstimo para redução das emissões de carbono “referem-se à própria meta comunicada publicamente da SLC Agrícola de reduzir as emissões de carbono escopo 1 e 2 em 25 por cento em 2030, mas com um horizonte de tempo mais curto. Isso inclui o uso da terra e a mudança no uso da terra, e seguirá o GHG Protocol ”, de acordo com o Rabobank. Os dados atuais de incêndio analisados ​​nesta Rede parecem estar em conflito com as políticas de desmatamento do Rabobank , o que pode gerar engajamento.

compass

Este texto foi escrito originalmente em inglês e publicado pela Chain Reaction Research [Aqui!].

Revelada brecha que permite que os sojeiros destruam a Amazônia brasileira

Greenpeace-lonely-tree

Por  Andrew Wasley Alexandra Heal André Campos e Daniel Camargos  para o “The Bureau of Investigative Journalism”

A floresta amazônica ainda está sendo queimada para dar lugar à soja para alimentar o gado do mundo, apesar de regras supostamente duras destinadas a prevenir justamente esse desmatamento.

Uma investigação descobriu como três das maiores empresas de alimentos do mundo compraram soja de empresas cujas cadeias de abastecimento têm sido objeto de preocupações com relação ao desmatamento ilegal e incêndios florestais na Amazônia brasileira.

A Cargill, a Bunge e a Cofco adquiriram soja da chinesa Fiagril e da multinacional Aliança Agrícola do Cerrado, ambas fornecidas por um agricultor multado e sancionado várias vezes após destruir áreas de floresta tropical.

O desmatamento da Amazônia tem consequências ambientais potencialmente terríveis para o clima e a biodiversidade, com especialistas temendo que o habitat possa em breve cruzar um ponto sem volta. Pesquisas recentes sugerem que algumas peças agora emitem mais carbono do que absorvem.

O Bureau of Investigative Journalism, Unearthed e Repórter Brasil usaram imagens de satélite e registros de fiscalização para descobrir como a soja foi plantada ilegalmente em terras que haviam sido colocadas sob embargo – uma forma de proibição governamental que impede os agricultores que violaram as regras de desmatamento ou causaram outros danos ambientais pelo uso de partes de suas próprias terras.

A Fiagril e a Aliança exportaram milhões de toneladas de soja brasileira nos últimos anos para China, Arábia Saudita e Rússia, além de Espanha, Portugal, Holanda e Reino Unido. A cultura é um ingrediente chave na alimentação de aves, suínos e bovinos, especialmente para animais criados em fazendas intensivas.

Um buraco na defesa

As descobertas destacam como a chamada soja “suja” – ligada ao desmatamento ilegal da Amazônia – poderia encontrar seu caminho em cadeias de abastecimento internacionais supostamente “limpas”, apesar de mecanismos aparentemente robustos, amplamente apoiados por grupos verdes, projetados para deter a destruição da floresta tropical por soja.

Soja cultivada na Amazônia brasileira. Bruno Kelly / Greenpeace

A moratória da soja, assinada por todas as principais agroindústrias, proíbe a compra ou financiamento de soja cultivada em áreas na Amazônia que foram desmatadas depois de julho de 2008 e é amplamente creditado por reduzir drasticamente o desmatamento ligado às fazendas de soja.

Mas nossa investigação levantou preocupações sobre uma lacuna potencial no sistema de monitoramento da moratória que poderia permitir que os comerciantes continuassem comprando soja de agricultores que têm sido associados ao desmatamento ilegal.

O destino da Amazônia é objeto de intenso foco enquanto os líderes mundiais lutam para chegar a um acordo sobre como lidar com a emergência climática. O governo brasileiro disse recentemente que precisava de US $ 1 bilhão em ajuda externa para desacelerar a destruição da floresta tropical. Pesquisa publicada na revista acadêmica Nature Climate Change apontou que a área desmatada na Amazônia quase quadruplicou em 2019 – a primeira no poder do presidente Bolsonaro – em relação ao ano anterior.

Sarah Lake, do grupo de campanha Mighty Earth, disse que o caso demonstrou como as empresas não estavam investindo seriamente na limpeza de suas cadeias de abastecimento. “Os comerciantes continuam a fazer reivindicações em relação à soja sustentável e, ao mesmo tempo, fecham os olhos a fornecedores como esses que desmatam ilegalmente e colocam incêndios. E seus clientes continuam comprando deles ”, disse ela.

Ela acrescentou que o comportamento destacado pela investigação ilustrou um problema muito mais amplo. “Nosso próprio sistema de monitoramento encontrou dezenas de casos … ligados a grandes comerciantes de soja nos últimos dois anos, e quando notificamos os comerciantes sobre esses problemas, eles não fazem nada para resolvê-los.”

Fiagril disse ao Bureau que condena a atividade ilegal e está “comprometida com a aplicação legal da sustentabilidade na agricultura com nossos clientes e fornecedores”. A Aliança afirmou: “Desde sua criação, a Aliança sempre atuou em estritos termos de legalidade, observando toda a legislação brasileira e internacional, inclusive as ambientais.”

A Cargill disse ao Bureau que investigaria as questões levantadas sobre Fiagril e Aliança como resultado das revelações.

Banido, mas ainda vende soja

Em julho passado, na remota região de Marcelândia, no estado de Mato Grosso, os satélites pegaram fogo em terras ligadas a Alexandra Aparecida Perinoto, uma produtora de soja e gado. As imagens mostraram uma onda de fumaça e chamas rasgando a vegetação.

Não foi a primeira vez que a mata atlântica deste canto de Marcelândia foi dizimada. Pelo menos 15 quilômetros quadrados de floresta ligada a Perinoto foram embargados em 2019 pelo órgão regulador ambiental do Brasil, IBAMA, após terem sido desmatados. Os embargos são publicados e impostos para servir tanto como uma punição quanto como uma medida de proteção para permitir a recuperação da terra.

Um embargo à parte, emitido pelo órgão ambiental estadual de Mato Grosso em 2016, nomeia Perinoto em relação a mais desmatamentos ilegais. Usando a análise de satélite da MapBiomas , a Repórter Brasil constatou que a soja foi cultivada ilegalmente nesta terra em 2018 e 2019, apesar do embargo.

Registros públicos mostram que Perinoto foi multado em um total de R $ 12 milhões (£ 1,3 milhão) por violações das regras de proteção florestal. Ela também é alvo de uma ação civil por desmatamento ilegal.

Ela se recusou a responder às perguntas do Bureau.

Perinoto teria aparecido em uma “lista proibida” de fornecedores acusados ​​de desmatamento ilegal, divulgada para ajudar os comerciantes a evitar a compra de soja de terras desmatadas. A lista negra é compilada anualmente por um grupo de trabalho de órgãos da indústria e o Greenpeace, que foi fundamental para estabelecer a moratória em 2006.

Apesar disso, o Bureau soube que a soja cultivada por Perinoto em pelo menos uma de suas fazendas entrou nas cadeias de abastecimento de pelo menos duas grandes agroindústrias, Fiagril e Aliança, que compraram quantidades significativas de grãos do agricultor em 2019. Não é saber se esta soja veio de terras proibidas.

A Fiagril é propriedade da empresa chinesa Hunan Dakang Pasture Farming, e comercializa soja e outras safras nos mercados interno e externo. A empresa é apoiada pelo governo chinês, com um empréstimo rotativo de US $ 300 milhões de três anos aprovado em 2019. A Aliança é propriedade do conglomerado agroindustrial Sodrugestvo.

Juntas, a Fiagril e a Aliança exportaram pelo menos 2,5 milhões de toneladas de soja do Brasil desde agosto de 2015.

A Bunge comprou soja da Fiagril, e a Cargill e a Cofco compraram soja da Aliança, depois que as duas empresas foram fornecidas pela Perinoto em 2019, segundo registros apurados pelo Bureau. No caso da Bunge, os registros mostram que Perinoto vendeu soja de Marcelândia para as operações da Fiagril na cidade vizinha de Sinop em abril de 2019 e, em junho daquele ano, a Fiagril enviou soja de Sinop para a Bunge na Espanha.

A Fiagril e a Aliança, assim como os três comerciantes internacionais, são signatários do acordo de moratória . Os signatários se comprometem a não “vender, comprar e financiar soja de áreas desmatadas no bioma Amazônia após julho de 2008”.

Como os produtores de soja “sujos” limpam a sua soja

A moratória foi altamente elogiada por reduzir o desmatamento causado pela soja na Amazônia. Uma estimativa sugere que o acordo evitou cerca de 18.000 quilômetros quadrados de desmatamento em sua primeira década, uma área aproximadamente do tamanho do País de Gales.

No entanto, nossa investigação destacou uma lacuna no sistema de monitoramento da moratória. Embora a compra de soja cultivada diretamente em terras desmatadas seja proibida, a moratória permite que as empresas continuem negociando com agricultores que foram pegos derrubando ilegalmente a floresta tropical, desde que a soja se origine em outras terras agrícolas, livre de desmatamento ilegal.

Especialistas e ativistas dizem que isso deixa a porta aberta para uma possível “lavagem” ou “triangulação” da soja – onde um fazendeiro tem várias fazendas e pode tentar lavar soja “suja” vendendo em fazendas “limpas”.

Sistemas complexos de registro de terras em Mato Grosso podem facilitar ainda mais a brecha, permitindo que os agricultores dividam suas fazendas em propriedades separadas. O sistema de monitoramento da moratória costuma proibir apenas as terras onde ocorreram as violações, excluindo outras propriedades do mesmo agricultor. As decisões de compra parecem ser deixadas em grande parte para as próprias interpretações das regras pelos compradores.

Andre Nassar, presidente executivo da Abiove, a associação brasileira de comerciantes de soja, disse que cabia aos comerciantes decidir o quão conservador seria a abordagem a ser adotada na compra de soja. “[Por exemplo], você tem uma pessoa que possui uma fazenda que não está em conformidade com a moratória”, disse Nassar, “e a mesma pessoa tem outra fazenda com embargo do Ibama … [Os comerciantes podem] olhar para isso e dizer ‘isso é muito arriscado, não vou comprar deles [de jeito nenhum]. ‘ Mas essa é uma decisão individual. Isso não faz parte das regras da moratória. ”

Ele acrescentou: “A governança da moratória tem várias camadas para garantir que a soja de fazendas não conformes não entre na cadeia de abastecimento”.

“Permitir que propriedades diferentes operadas pela mesma pessoa ou grupo sigam regras diferentes abre uma brecha que os agricultores podem usar para contornar a moratória da soja”, disse Lisa Rausch, pesquisadora da Universidade de Wisconsin.

Em 2016, ela e sua colega Holly Gibbs pesquisaram agricultores em Mato Grosso e descobriram que aqueles que cultivam soja em vários lotes frequentemente forneciam aos compradores a documentação de uma única propriedade, dificultando a rastreabilidade.

Rausch enfatizou que a moratória foi uma “virada de jogo”, levando a níveis muito baixos de desmatamento para a soja – sua pesquisa descobriu que o uso da brecha era raro. No entanto, ela disse ao Bureau que a lacuna poderia ser mais significativa sob o governo de Bolsonaro. “É por isso que mensagens fortes de países consumidores e investidores sobre a importância da moratória são necessárias”, disse ela.

Pesquisa da Repórter Brasil destacou uma complexa teia de registros de terras no caso Perinoto, com terras aparentemente contíguas em Marcelândia divididas em propriedades separadas. Uma propriedade é ainda subdividida em mais de vinte parcelas de terra, registradas em nome de Alexandra Perinoto e seus três filhos.

Os nomes das propriedades também foram alterados no que o relatório sugeria ser uma estratégia deliberada destinada a esconder a origem da soja e sua conexão com áreas de cultivo com danos ambientais.

Perinoto se recusou a responder às conclusões da Repórter Brasil. Quando questionados sobre as compras da Perinoto, nem a Aliança nem a Fiagril negaram ter comprado dela.

2008 a 2020: Apesar da moratória da soja, a floresta tropical intocada foi destruída para dar lugar às plantações

A Aliança disse que foi auditada regularmente e em conformidade com todas as regulamentações e que “não há fatos ou decisões oficiais que mencionem, conectem ou de qualquer outra forma se refiram à Aliança em quaisquer violações ambientais”.

A empresa disse que lida com “inúmeros agricultores e produtores no Brasil” e “negócios fora do controle da Aliança permanecem sob a responsabilidade exclusiva de um determinado agricultor / produtor”.

A Fiagril disse que não adquire soja de áreas embargadas devido a danos ambientais. Acrescentou: “Em fevereiro de 2021, após auditoria da safra 2019/20, a Fiagril recebeu declaração oficial assinada pela Abiove e Greenpeace atestando o cumprimento integral da moratória da soja”.

O Greenpeace Brasil negou, dizendo que o processo de monitoramento dessa safra ainda não foi concluído. Ele disse ao Bureau: “As descobertas desta investigação ligando Fiagril à soja potencialmente ilegal são extremamente preocupantes e iremos nos certificar de que elas sejam totalmente investigadas e as ações apropriadas sejam tomadas.”

O Greenpeace reconheceu que o sistema da moratória “não é perfeito” e disse que estava pressionando por melhorias, incluindo “maior transparência e escrutínio adequado de fornecedores indiretos e estratégias para evitar a triangulação da soja”.

A Bunge informou que não compra soja da Aliança desde 2017 e que a Fiagril não fornecia soja de Marcelândia. “Como signatária da Moratória da Soja na Amazônia, as compras da Fiagril são auditadas por entidades independentes”, disse a empresa.

A Cargill disse que não comprou soja “diretamente” de Perinoto. Ele acrescentou: “Temos mantido firmemente a Moratória da Soja Brasileira na Amazônia desde 2006 … Vamos investigar Fiagril e Aliança do Cerrado de acordo com nosso processo de reclamação da soja.”

Cofco disse: “Realizamos auditorias internas mensais, bem como auditorias externas anuais sobre o cumprimento da Moratória por parte dos fornecedores. A auditoria de 2019 confirmou que todos os nossos fornecedores cumpriram os requisitos da Moratória na temporada passada. ”

Equipe de reportagem: Andrew Wasley e Alexandra Heal do Bureau e André Campos e Daniel Camargos da Repórter Brasil
Editor global: James Ball
Editor de investigações: Meirion Jones
Editor de produção: Frankie Goodway
Verificador de fatos: Chrissie Giles
Equipe jurídica: Stephen Shotnes (Simons Muirhead Burton)

Nosso projeto Food and Farming é parcialmente financiado pelos fundos centraisdo Bureau e parcialmente pela Hollick Family Foundation (para 2020) e The Guardian. Nenhum de nossos financiadores tem qualquer influência sobre as decisões editoriais ou resultados do Bureau.

Imagem do cabeçalho: Terra desmatada para uma plantação de soja na Amazônia. Crédito: Greenpeace / Rodrigo Baléia

fecho

Esta reportagem foi inicialmente escrito em inglês e publicado pelo “The Bureau of Investigative Journalism” [Aqui!].

Cicatrizes da monocultura: Em Rondônia, trabalhadores da soja relatam lesões e abusos em contratada da Cargill

Pelo menos 6 funcionários da Bertolini Ltda, empresa que transporta os grãos da Cargill pelo rio Madeira (RO), relatam problemas de saúde como dedos amputados e perda de visão por conta de acidentes trabalhistas; empresa nega violar legislação trabalhista

pasted image 0

Por Daniel Camargos, de Porto Velho (RO). Fotos: Fernando Martinho | para a Repórter Brasil

Dedos amputados, perda de visão e cirurgias na coluna são algumas das cicatrizes deixadas pela crescente produção de soja no Brasil. Apenas o transporte do grão da Cargill — um dos maiores conglomerados do agronegócio mundial — pelo rio Madeira, em Rondônia, deixa um legado de trabalhadores com lesões graves decorrentes de acidentes trabalhistas e de violações de normas de segurança.

Repórter Brasil ouviu seis funcionários e ex-funcionários da Transportes Bertolini Ltda (TBL), empresa contratada pela Cargill para fazer o transporte da soja pelo rio, que sofreram graves acidentes trabalhistas, na maior parte das vezes após jornadas irregulares de mais de 30 horas sem descanso. Além dos problemas de saúde, os trabalhadores se queixam da exposição à poeira repleta de agrotóxicos do grão e da omissão da empresa. Três deles só conseguiram indenizações após entrarem com ações na Justiça.

Cicatriz da cirurgia de hérnia de disco de James Vasconcelos; mesmo depois da operação, ele segue trabalhando em serviços que exigem esforço da coluna. ‘Se continuar fazendo isso, o problema pode se agravar e até me deixar numa cadeira de rodas’ (Foto: Fernando Martinho/Repórter Brasil)

Célio Albuquerque, 56 anos, trabalhava como marinheiro em dois portos de soja movimentando cabos de aço. Ele conta que, após 19 horas seguidas de trabalho, um cabo soltou e atingiu sua cabeça. “Rasgou meu capacete, quebrou meu nariz e acertou meu olho”.

Albuquerque era integrante da Comissão Interna de Prevenção de Acidentes (Cipa) e seis meses antes do acidente enviou para a empresa um relatório, com fotos, mostrando que a estrutura que sustentava o cabo estava avariada. Após o acidente, ele relata ter escutado dos responsáveis da TBL e da Cargill que receberia assistência médica. “As duas pularam fora e consegui fazer a cirurgia só depois de uma liminar determinando que as empresas pagassem, mas acabei perdendo a visão do olho direito”.  

Sem condições de voltar ao trabalho, Albuquerque entrou com um pedido de rescisão indireta, alegando na ação outras violações, como o excesso de jornada de trabalho, pois diz que durante a  jornada de 48 horas não tinha o tempo adequado para descanso. Já se passaram cinco anos e ele nunca recebeu qualquer tipo de reparação por parte da TBL. Nesse período, Albuquerque passou a tratar um câncer no intestino e viu uma filha morrer. “Eu acredito que esse meu sofrimento com a empresa e com a Justiça acelerou o problema [de saúde] que ela tinha”, entende o marinheiro, que também vê ligação entre a dor psicológica e o câncer. “Afetou demais meu estado emocional”.

‘É desumano. Pensar que são empresas no patamar dessas duas [TBL e Cargill]. Olha, escravidão não é só chicote’ Francisco Nascimento Barros, ex-funcionário da TBL

Sem receber as verbas trabalhistas e sem poder trabalhar por causa do câncer, que está em estado avançado e já atingiu o fígado, Albuquerque diz também que ficou quatro meses sem receber o auxílio-doença do INSS. Somente depois de a Repórter Brasil pedir explicação sobre os motivos da suspensão para o órgão é que o pagamento voltou a ser feito. “Você trabalha, se esforça a vida toda e quando precisa é abandonado”, reclama. 

Duas hastes e cinco pinos na coluna

O também marinheiro James Vasconcelos segue trabalhando na TBL mesmo depois de uma cirurgia na coluna devido a uma hérnia de disco. Ele diz que a recomendação médica é para que ele evite carregar peso, mas o funcionário segue movimentando os cabos que prendem as balsas de soja, o que exige esforço de todo o corpo. 

“Se continuar fazendo isso, o problema pode se agravar, levar novamente a uma hérnia ou me deixar numa cadeira de rodas”. Antes da cirurgia, a dor era tanta que o marinheiro não conseguia andar. “Depois da cirurgia, fiquei afastado por seis meses e voltei para a mesma função”. Ele teme pedir demissão e não ter condições de saúde para trabalhar em outra empresa. “E se um dia eu não aguentar mais trabalhar? Tenho duas hastes e cinco pinos na coluna”.

Célio Albuquerque perdeu a visão do olho direito após um acidente com um cabo de aço enquanto carregava uma balsa de soja (Foto: Fernando Martinho/Repórter Brasil)

Vasconcelos diz que a recomendação médica é para que ele evite carregar peso, mas ele segue movimentando os cabos que prendem as balsas de soja, o que exige esforço de todo o corpo, inclusive da coluna. “Se continuar nisso, o problema pode se agravar e até  me deixar numa cadeira de rodas”. Trabalhando na TBL há 17 anos, ele relata que é comum ocorrerem desvios de função e longas jornadas de trabalho que não respeitam o período de descanso. “Já passei 48h em cima do píer trabalhando o tempo todo”. 

“Eles [os funcionários] sofrem problemas físicos, psicológicos e até mesmo na convivência familiar. São problemas enormes, sem precedentes. Não tem como mensurar”, afirma a advogada trabalhista Caroline França Ferreira Batista, que representa funcionários e ex-funcionários da TBL.

Acidente com nove mortos

Não é a primeira vez que a TBL foi alvo de denúncias de desrespeito às normas trabalhistas. Em novembro do ano passado, a empresa foi condenada pela Justiça a pagar R$ 10 milhões por dano moral coletivo por conta de um acidente em 2017, que deixou  9 mortos. Além da multa, a Justiça determinou que a empresa deve instruir os empregados quanto às precauções para evitar acidentes de trabalho.

“A cadeia da soja é de alto risco e com grande número de acidentes de trabalho”, afirma a procuradora chefe do MPT em Rondônia e no Acre, Camilla Holanda. Um ano depois do acidente, o órgão apertou o cerco e realizou duas forças-tarefa fiscalizando os portos da região Norte. Foram encontradas mais de 100 infrações trabalhistas, que atingiram 14 das 17 empresas que atuam no rio Madeira, sendo a TBL uma delas.

Além de exportar soja, a Cargill produz óleo de cozinha, maionese e molhos em marcas próprias como Liza, Maria, Pomarola, Elefante e Veleiro (Foto: Fernando Martinho/Repórter Brasil)

Procurada, a Transportes Bertolini Ltda (TBL) afirmou, por meio de seu gerente jurídico, Fernando Parisotto, que o ambiente de trabalho da empresa “é absolutamente seguro e que são respeitadas rigorosamente todas as normas de medicina e segurança no trabalho, bem como todos os riscos são controlados”. 

Sobre Albuquerque, a empresa  afirmou que o funcionário não teve seus pedidos atendidos pela Justiça trabalhista e que ação ingressada pelo MPT apontando acúmulo de atividades e jornada exaustiva foi considerada improcedente. Com relação à Vasconcelos, Parisotto respondeu que as atividades executadas no ambiente de trabalho são “compatíveis com as condições físicas e psicológicas de cada empregado”. Disse também que Vasconcelos é marinheiro, mas que executa “atividades burocráticas compatíveis com a recomendação médica”.

A Cargill, contratante da TBL, afirmou que eles não são funcionários da empresa e que “realiza monitoramento constante, avaliando todos os fornecedores”. Leia as respostas na íntegra.

Jornada de 48h sem descanso

O comandante da embarcação Simeão Furtado Passos faz relato semelhante. “Peguei três hérnias de disco trabalhando lá”, conta o ex-funcionário da TBL. A escala de trabalho era de 48h por 48h e Passos afirma que não havia como descansar. “Os camarotes não tinham nem ar condicionado e nem ventilador. Mais de 40 graus”, lembra.  Passos diz que chegou a reivindicar melhorias nos alojamentos, pois era comandante, mas ouviu como resposta do gerente que não era possível. 

Aposentado por invalidez, Marcelo Dias sente dores no joelho e na coluna; e também sofreu alergias com a poeira do agrotóxico da soja (Foto: Fernando Martinho/Repórter Brasil)

Outro comandante, também ex-funcionário, Francisco Nascimento Barros, classifica a cabine em que trabalhava como insalubre. “É desumano. Escravidão não é só chicote”. Durante a jornada de 48h, Barros relata que precisava estar disponível o tempo todo. 

Além do descumprimento de leis trabalhistas, os trabalhadores da soja no porto são pressionados pela crescente produção do grão nos últimos anos, que em 2021 deve ter alta de 8,5% em relação à safra de 2020, segundo o IBGE. As exportações também seguem em alta, sendo a Cargill a principal exportadora do grão brasileiro.

‘Tenho sequelas para o resto da vida e me arrependo muito de não ter saído do emprego, pois hoje eu estaria inteiro’, Marcelo Inácio Dias, ex-funcionário da TBL aposentado por invalidez

Os portos do rio Madeira transportam, além da soja plantada em Rondônia, parte dos grãos produzidos no Mato Grosso, que cruzam o Amazonas e o Pará por via fluvial até chegar ao Atlântico, para o mercado internacional. 

Quem navega nos rios da região Norte já se habituou a cruzar com as embarcações puxando filas de balsas de soja. Quase 20% da soja produzida no Brasil corre pelos rios da Amazônia. Levantamento do Diálogo Chino mostra que há 100 portos fluviais industriais privados na Amazônia e que estão em andamento projetos de outros 40, com investimentos de centenas de milhões de dólares, em locais de ecossistema sensíveis.  

A balança comercial das exportações brasileiras do agronegócio somou US$ 100,81 bilhões em 2020, um crescimento de 4% na comparação com 2019. A soja foi o setor que mais contribuiu, com US$ 35,2 bilhões. O setor está imune à crise econômica brasileira agravada pela pandemia. “Plantar em real para colher em dólar”, como costumam dizer os sojeiros. 

José Ulhôa toma vários medicamentos para suportar as dores crônicas; ele ficou com os dedos da mão deformados pelo trabalho no carregamento da soja (Foto: Fernando Martinho/Repórter Brasil)

O marinheiro José Cláudio Manoel Uchôa, que está afastado do trabalho na TBL há 3 anos por problemas de saúde, afirma que os trabalhadores costumam ser contemplados na primeira instância judiciária, mas perdem na segunda. 

“Eles [Cargill e TBL] têm um corpo jurídico muito grande e, Deus me perdoe, mas devem ter influência dentro dos tribunais”, afirma, enquanto mostra os dois dedos da mão deformados pelo trabalho. Ele sente dores recorrentes na coluna e teve que fazer uma cirurgia no joelho. “Escorreguei na embarcação e rompi o menisco e o ligamento do joelho”. Quando começou a trabalhar na TBL, Uchôa afirma que não tinha nenhum problema de saúde. “Agora eu não durmo direito, não tenho sono, fico zanzando pelo meio da casa”, diz. Em casa, um pote preto está lotado de remédios, que ele toma várias vezes ao dia para suportar as dores.

“Tenho sequelas para o resto da vida e me arrependo de não ter saído do emprego, pois hoje eu estaria inteiro”, afirma Marcelo Inácio Dias, ex-funcionário da TBL, aposentado por invalidez. Ele ficou com problemas na coluna mesmo após uma cirurgia, sente dores crônicas no ombro, no joelho e ficou com um dedo da mão imobilizado por causa de um acidente movimentando as balsas. Teve problemas também por conta dos agrotóxicos aplicados aos grãos: “Tem veneno demais. Passei muito tempo com coceira no corpo”. 

Dias lamenta que a TBL e a Cargill não paguem os direitos trabalhistas devidos e que os funcionários precisem pedir judicialmente. “Para eles é pouquinho, mas para a gente é muito. Precisamos desse dinheiro para tentar recomeçar a vida e seguir em frente”. 

Célio Albuquerque mostra relatórios que fez quando era integrante da Comissão Interna de Prevenção de Acidentes (Cipa). Segundo ele, as empresas ignoraram avisos sobre riscos de acidentes (Foto: Fernando Martinho/Repórter Brasil)
Simeão Passos afirma que não havia como descansar nas embarcações pois os camarotes não tinham nem nem ventilador e a temperatura chegava a mais de 40 graus (Foto: Fernando Martinho/Repórter Brasil)

Durante a jornada de 48h, os funcionários precisavam estar disponível o tempo todo, relata Francisco Nascimento Barros (Foto: Fernando Martinho/Repórter Brasil)
Remédios, especialmente para dores musculares crônicas, que Uchôa toma ao longo do dia (Foto: Fernando Martinho/Repórter Brasil)

fecho
Esta reportagem foi originalmente publicada pela Repórter Brasil [Aqui!]

Em 2020, principais desmatadores estão vinculados à derrubada de mais de 110.000 hectares do Cerrado

cerrado desmatamento

O bioma Cerrado, uma vasta savana tropical biodiversa no Brasil, está sob a ameaça do desmatamento impulsionado por commodities. A expansão da soja e a pecuária são as causas diretas da perda de floresta no Cerrado. Este relatório apresenta novos dados sobre atores específicos ligados ao desmatamento do Cerrado em 2020, incluindo a exposição quantificada ao risco dos maiores comerciantes de soja, frigoríficos e varejistas. Financiadores com políticas florestais estão expostos a riscos materiais em suas carteiras.

Baixe o PDF aqui: Principais desmatadores do Cerrado vinculados à clareira de mais de 110.000 hectares

Principais conclusões

  • A expansão agrícola é o principal fator para o aumento do desmatamento no Cerrado.O aumento do desmatamento ligado à soja, gado e especulação de terras ameaça interromper os sistemas naturais de água, os padrões climáticos regionais e a produtividade agrícola de longo prazo na região.
  • O desmatamento do Cerrado em 2020 totalizou 734.010 ha, um aumento de 13,2% em relação a 2019. O desmatamento em terras privadas representou 66,7%, enquanto as terras públicas representaram 19,2%. O restante do desmatamento ocorreu em terras sem designação legal.
  • Um total de 207.813 ha de desmatamento do Cerrado em 2020 ocorreu em fazendas que já possuíam áreas de plantio de soja. A CRR estima que 28,3% do desmatamento total do Cerrado estava relacionado à expansão da soja.
  • Mais da metade do desmatamento causado pela soja no Cerrado está relacionado a produtores de soja proeminentesTerras agrícolas pertencentes a produtores locais, imobiliárias e agroindústrias, como SLC Agrícola, Nuveen e JJF Holdings e Participações, registraram 110.333 ha de desmatamento no Cerrado. A maioria dessas empresas tem relações comerciais com a Cargill, Bunge, ADM, Louis Dreyfus Company (LDC) e Cofco.
  • A indústria da carne é outro fator chave do desmatamento e da especulação imobiliária no Cerrado. Os frigoríficos JBS, Marfrig e Minerva estão altamente expostos ao desmatamento do Cerrado em suas cadeias produtivas, principalmente na região do Matopiba. Os varejistas Casino Group, Carrefour e Cencosud são os principais canais de venda de carne bovina, igualmente ligados ao desmatamento no bioma.
  • A escalada do risco de acesso ao mercado, risco de regulamentação, risco de financiamento e risco de reputação pode levar a perdas financeiras significativas para os financiadoresBNP Paribas, Santander, Rabobank, HSBC, AP2, Caisse de Dépôt, Santander, Credit Agricole, Barclays e Credit Suisse têm bilhões de dólares americanos de exposição aos principais desmatadores do Cerrado, o que está em conflito com suas próprias políticas florestais. A regulamentação da UE sobre a devida diligência da cadeia de abastecimento pode desencadear grandes desinvestimentos e / ou engajamento.

Expansão da agricultura está causando desmatamento e supressão de vegetação nativa no Cerrado

A vegetação natural do Cerrado brasileiro, a savana com maior biodiversidade do mundo , está ameaçada por altas taxas de desmatamento. sendo convertido em um ritmo rápido.Estendendo-se por mais de 200 milhões de hectares (ha), do tamanho da Alemanha, França, Inglaterra, Itália e Espanha combinados, o Cerrado é uma pastagem arborizada que fornece serviços ambientais essenciais para o mundo. Ele protege a biodiversidade, estabiliza o clima regional e regula as bacias hidrográficas que fornecem 40% da água doce do Brasil. Ele contém 5% de toda a biodiversidade do planeta, com 1.600 espécies de animais e 12.000 espécies de plantas – das quais quase a metade são encontradas apenas no Cerrado. Seus sistemas de raízes profundas atuam como um sumidouro de carbono crítico,estimado para armazenar 13,7 bilhões de toneladas de carbono no subsolo. O Cerrado também é a região agrícola mais produtiva do Brasil, o que tem resultado em desmatamentos e desmatamentos que estão desestabilizando o ecossistema.

A expansão agrícola é o principal fator para o aumento do desmatamento no Cerrado. Desde que as atividades agrícolas se expandiram na década de 1970, 50 por cento do Cerrado foi perdido para terras agrícolas e de pastagem, principalmente para gado, soja, algodão, milho e eucalipto. Apesar de seu papel crítico nos sistemas naturais da Terra, o Cerrado tem pouca proteção do Código Florestal do Brasil. Enquanto o Código Florestal exige que os proprietários privados na Amazônia preservem até 80% de suas propriedades, os proprietários são obrigados a reservar apenas 20-35% da vegetação nativa em todo o Cerrado. Contabilizando as áreas protegidas publicamente, estima-se que menos de 3 por cento do Cerrado está sob proteção legal, em comparação com 46%  da Amazônia. A proteção ambiental é ainda mais enfraquecida pela falta de fiscalização ambiental como resultado da agenda pró-negócios da administração Bolsonaro. Desde que o presidente Jair Bolsonaro foi eleito em 2018, o Ibama, órgão ambiental do Brasil, viu cortes orçamentários significativos e demissão de funcionários importantes. Apesar do aumento do desmatamento, o Ibama emitiu o menor número de multas desde 2019. As multas ambientais são um dos métodos do Ibama para fazer cumprir as leis de conservação. A redução na emissão mostra como a capacidade da agência foi afetada por cortes no orçamento.

Mecanismos voluntários e coalizões intersetoriais estão clamando pela proteção do Cerrado. 

Esses incluem:

  • Manifesto do Cerrado foi lançado em 2017 por organizações da sociedade civil para exigir que os produtores, comerciantes e varejistas de soja eliminem a conversão impulsionada pela soja na região.
  • A Declaração de Apoio (SoS) ao Manifesto do Cerrado é assinada por 160 empresas de bens de consumo e investidores, endossando os objetivos do Manifesto e se comprometendo a conter a perda florestal vinculada à produção agrícola.
  • Seis grandes comerciantes de commodities são membros do Soft Commodities Forum , que apresenta uma metodologia de relatório comum para aumentar a rastreabilidade da cadeia de suprimentos no bioma Cerrado.
  • O Consumer Goods Forum é uma rede do setor composta por mais de 400 empresas que apoiaram o Manifesto do Cerrado e estabeleceram uma Coalizão de Ação Positiva da Floresta para acelerar as cadeias de suprimentos de commodities livres de conversão.
  • De forma mais ampla, a Declaração de Amsterdã e a Declaração de Nova York sobre Florestas são compromissos multilaterais para eliminar o desmatamento da produção de commodities agrícolas, incluindo soja e carne bovina.

Apesar desses compromissos, as cadeias de suprimentos de commodities continuam vinculadas às altas taxas de desmatamento no Cerrado em 2020.

Atores específicos da soja ligados ao desmatamento do Cerrado em 2020

734.010 ha foram desmatados no Cerrado entre agosto de 2019 e julho de 2020 (datas de referência baseadas no cálculo do PRODES de taxas anualizadas), de acordo com o Programa Nacional de Monitoramento de Florestas por Satélite (PRODES) .Essa área, equivalente a 124 vezes o tamanho de Manhattan, representa um aumento de 13,2% em relação a 2019.

Figura 1: Desmatamento do Cerrado em 2020

Fonte: PRODES 2020

O desmatamento em terras privadas representou 489.602 ha, ou 66,7% do desmatamento total do Cerrado em 2020 . O principal hotspot de desmatamento foi a região do Matopiba (Figura 1), composta por municípios nos estados do Maranhão, Tocantins, Piauí e Bahia, que detém a maior parte da vegetação nativa remanescente do Cerrado. A expansão do cultivo de safras (incluindo soja) e da pecuária são os principais motores do desmatamento na região do Matopiba. Grandes agronegócios da região exportam seus produtos para mercados internacionais como China e UE. A Figura 2 mostra o contraste entre o desmatamento em terras públicas e privadas no Cerrado.

Figura 2: Desmatamento por designação de terra no bioma Cerrado em 2020

Fonte: Pesquisa de Reação em Cadeia do INPE, INCRA, Funai, Sicar

O desmatamento em terras públicas do Cerrado foi responsável por 19,2% do desmatamento total. Terras públicas que incluem assentamentos rurais, terras indígenas, unidades de conservação naturais e terras federais e estaduais foram responsáveis ​​por 141.186 ha do desmatamento total do Cerrado em 2020. Outros 96.608 ha foram desmatados em terras que estão registradas como privadas e públicas, principalmente de unidades de conservação que permitem o uso sustentável do solo. Essa questão da sobreposição das categorias de posse da terra ocorre em todo o Brasil.

Os 103.212 ha restantes ou 14 por cento do total são desmatamento em terras não designadas no bioma. São terras sem designação legal. O esclarecimento das incertezas na posse da terra pode ajudar a minimizar as taxas de desmatamento em áreas sobrepostas no Cerrado.

Principais participantes da produção de soja apresentam alto risco de desmatamento no Cerrado

O cultivo de soja é o principal fator de desmatamento nas savanas da América do Sul. O bioma Cerrado tem visto um aumento na expansão da soja nos últimos anos, causando a perda de biodiversidade, altas emissões de dióxido de carbono e interrupção dos sistemas hídricos. A produção de soja no Brasil tem aumentado constantemente nos últimos anos. Em 2018/19, o bioma Cerrado respondeu por 40% dos 123 milhões de toneladas métricas (Mt) da produção brasileira de soja.

Em 2020, um total de 207.813 ha de desmatamento ocorreu em fazendas que possuem área de plantio de soja desde 2017 . Esta área representa 28,3 por cento de todo o desmatamento do Cerrado em 2020. Este número (28,3 por cento) é uma estimativa conservadora, dado que os cálculos do desmatamento ocorreram em fazendas com plantações de soja existentes. Os dados não abrangem fazendas que começaram a plantar soja a partir de 2017.

Figura 3: Área plantada de soja no Cerrado em 2017

Fonte: Agrosatelite, INCRA

110.333 ha de desmatamento no Cerrado foram vinculados a produtores de soja de destaque. O desmatamento cai em terras de propriedade de empresas produtoras, imobiliárias e agroindústrias previamente identificadas nos relatórios do CRR . A Figura 4 mostra uma lista das 10 principais empresas e grupos produtores de soja com desmatamento do Cerrado em 2020.

Figura 4: 2020, 10 maiores desmatadores para a produção de soja no Cerrado

Fonte: Pesquisa de Reação em Cadeia, INPE, INCRA

A SLC Agrícola está vinculada ao desmatamento de 10.152 ha do Cerrado em 2020 . A SLC Agrícola é a maior produtora de soja listada no Brasil e, em 2020, uma das maiores desmatadoras da região. Em setembro de 2020, a SLC Agrícola se  comprometeu a conter o desmatamento do Cerrado e transferir a produção apenas para áreas já desmatadas. A empresa disse que esta política entrará em vigor após a conversão de 5.000 ha de vegetação de Cerrado, limite que foi ultrapassado por uma larga margem em 2020.

Os principais clientes da SLC Agrícola são Cargill Agrícola SA (27,6 por cento da receita) e Bunge Alimentos SA (17,9 por cento), de acordo com suas demonstrações financeiras do 3T 2020. Conforme relatado anteriormente pelo CRR, a derrubada da vegetação do Cerrado nas fazendas da SLC Agrícola parece estar de acordo com o Código Florestal do Brasil, mas violando os compromissos de desmatamento zero de seus clientes e de grande parte das indústrias consumidoras de soja a jusante.

Figura 5: Desmatamento da SLC Agrícola em 2020

Obs .: Esquerda: março de 2020 – 5.200 ha desmatados na Fazenda Parceiro, Formosa do Rio Preto, Bahia. À direita: maio de 2020 – 4.667 ha desmatados na Fazenda Palmeira, Tasso Fragoso, Maranhão.

Fonte: SLC Agrícola, imagens de satélite Sentinel 2

Aproximadamente 4.570 ha de desmatamento do Cerrado ocorreram em fazendas mantidas pela Nuveen em 2020. O mapa de terras agrícolas disponível ao público da gestora de ativos global lista 64 propriedades no Brasil, das quais 44 estão no Cerrado. A lista inclui soja e muitas outras culturas cultivadas em suas propriedades. Nuveen adotou uma política de desmatamento zero em 2018 que proíbe a aquisição de terras que tenham sido desmatadas com vegetação nativa. Os dados de desmatamento do Cerrado em 2020 mostram lacunas na implementação dessa política, expondo o gestor de ativos a riscos de reputação.

Os comerciantes de soja enfrentam altos riscos de desmatamento, uma vez que suas cadeias de abastecimento permanecem ligadas ao desmatamento do Cerrado em 2020 . Os maiores comerciantes de soja ADM, Bunge, Cargill, LDC e Cofco operam silos em regiões produtoras de soja do Cerrado com alta exposição ao desmatamento em 2020. A CRR identificou vários fornecedores diretos de comerciantes e relações de compra com grupos produtores de soja no Cerrado. A Figura 6 mostra os diversos níveis de exposição para os principais comerciantes e a quantidade de desmatamento direto vinculado às suas cadeias de abastecimento.

 Figura 6: Exposição ao risco de desmatamento dos principais comerciantes do Cerrado em 2020

Fonte: Pesquisa de Reação em Cadeia, INPE, INCRA. * Incluindo silos de joint venture

Como membros do Soft Commodities Forum (SCF), essas empresas se comprometeram com uma estrutura comum para relatar e monitorar o progresso de cadeias de suprimentos transparentes e rastreáveis ​​para a soja no Cerrado. No entanto, ainda não está claro como as promessas do SCF se relacionam com seus compromissos de excluir a conversão de toda a vegetação nativa do Cerrado e a implementação de mecanismos eficazes de não conformidade. Nenhum dos comerciantes incluídos na análise apóia o Manifesto do Cerrado. As políticas de desmatamento dos comerciantes podem ser insuficientes para mitigar o risco de desmatamento.

Carne e outras causas agrícolas do desmatamento

A especulação fundiária e a pecuária são outros principais motores do desmatamento do Cerrado. Muitas áreas no Cerrado são reivindicadas e depois desmatadas para dar lugar a pastagens. A área desmatada é usada como pastagem para a indústria pecuária e, anos depois, vendida a um preço mais alto aos produtores agrícolas, principalmente para a produção de soja, mas também para outras culturas como milho e algodão. A soja e seus derivados comerciais são ingredientes essenciais para a alimentação do gado, abastecendo a crescente indústria da carne no Brasil e no exterior. A insegurança fundiária no Cerrado aumenta a especulação fundiária e aumenta as taxas de conversão de terras no bioma.

Frigoríficos diretamente ligados ao desmatamento do Cerrado em 2020

A pecuária não é apenas um dos principais motores do desmatamento no bioma Amazônia, mas também contribui para a conversão do Cerrado. A JBS teve a maior exposição ao desmatamento do Cerrado em 2020 entre os três maiores frigoríficos brasileiros. JBS, Marfrig e Minerva têm a maior capacidade de abate entre um grande número de frigoríficos no Brasil. As três empresas dominam a pecuária no país e sua relação com o desmatamento do bioma Cerrado as expõe a altos riscos. Com base em uma pequena amostra de fornecedores diretos que a CRR mapeou anteriormente, houve 1.984 ha de desmatamento em propriedades que abastecem diretamente a JBS. Casos semelhantes vincularam os fornecedores da Marfrig e do Minerva a 531 ha e 328 ha de desmatamento, respectivamente. Isso se baseia em uma pequena amostra de fornecedores do Cerrado. As pegadas reais de desmatamento dos frigoríficos são muito maiores. A CRR informou recentemente que desde 2008, 20.296 ha foram desmatados na amostra da cadeia de suprimentos direta da JBS e 56.421 ha na cadeia de suprimentos indireta. Do desmatamento na cadeia de abastecimento direto da JBS, aproximadamente 71 por cento (14.783 ha) ocorreram no bioma Cerrado, em alguns casos sem as licenças ambientais exigidas. As três empresas assinaram acordos multilaterais de pecuária (G4) e Termos de Conduta Ajustada (TACs) juridicamente vinculativos. No entanto, a implementação do TAC tem lacunas e atrasos significativos e não cobre todos os estados do Cerrado. Atualmente, a maioria dos varejistas monitora seus fornecedores diretos de carne bovina, mas as fazendas indiretas apresentam alto risco de lavagem de gado e vazamento de não signatários do TAC.

Figura 7. Casos JBS, Marfrig e Minerva de desmatamento de fornecedores diretos no Cerrado em 2020

Fonte: Pesquisa de Reação em Cadeia, INPE, INCRA

Varejistas expostos ao desmatamento do Cerrado em 2020

As cadeias de abastecimento de carne do Grupo Casino, Carrefour e Cencosud estão ligadas a pelo menos 2.189 ha de desmatamento do Cerrado em 2020. Os supermercados no Brasil são um canal de distribuição crucial para a carne bovina, e 76% da carne produzida no Brasil é consumida no mercado interno. Entre as cinco maiores redes de supermercados do Brasil, Carrefour Comércio e Indústria, Grupo Pão de Açúcar (GPA) (Grupo Casino como acionista controlador) e Cencosud Brasil respondem por grande parte da carne bovina vendida no Brasil. Para este estudo, CRR rastreada a origem dos produtos amostrados carne vendida no GPA lojas , Carrefour / Atacadão   lojas , e Cencosud owned- supermercados. O estudo estabeleceu elos da cadeia de suprimentos entre supermercados e frigoríficos nos biomas Amazônia e Cerrado. Uma amostra de fornecedores diretos para os frigoríficos identificados foi determinada usando licenças de transporte de animais para calcular a exposição ao desmatamento desses varejistas no Cerrado em 2020. No monitoramento de eventos de desmatamento em 2020, a CRR identificou 1.237 ha de desmatamento do Cerrado vinculado ao Grupo Casino. Da mesma forma, uma amostra representativa de casos relacionou o Cencosud a 605 ha de desmatamento e o Carrefour a 347 ha, todos no Cerrado. Produtos de carne bovina originados de áreas de expansão agrícola ou pontos críticos de desmatamento, como a região do Matopiba (Figura 1), apresentam risco elevado de desmatamento para os varejistas.

Figura 8: Casos de desmatamento do Cerrado em 2020 vinculados às cadeias produtivas de carne do Grupo Casino, Carrefour e Cencosud

Fonte: Chain Reaction Research, Reporter Brasil, INPE, INCRA

As estratégias existentes para eliminar o desmatamento são insuficientes para atender aos compromissos das empresas

As empresas enfrentam vários riscos de negócios decorrentes da exposição contínua ao risco de desmatamento. Em janeiro de 2021, um relatório do CRR agregou riscos físicos e de transição enfrentados por empresas que não conseguem eliminar o desmatamento de suas cadeias de abastecimento. Abaixo está um resumo dos riscos que as empresas que operam no Cerrado enfrentam:

  • Os riscos físicos são mais relevantes para empresas upstream, como a SLC Agrícola. A eliminação da vegetação nativa com a expansão da soja interrompeu os sistemas de água do Brasil. O aumento das secas, o comportamento irregular do rio e as mudanças nos padrões de chuva resultaram em perdas de produtividade e podem levar a uma redução ainda maior da aptidão agrícola das fazendas na região do Cerrado.
  • Os riscos políticos e jurídicos afetam os atores intermediários e posteriores. Na UE, o segundo maior mercado para a soja brasileira, uma proposta em análise visa reduzir a pegada de desmatamento da UE por meio de medidas regulatórias e não regulatórias. Na França, a lei “Devoir de Vigilance” exige que as empresas implementem planos de due diligence que evitem os direitos humanos adversos e impactos ambientais em suas cadeias de abastecimento globais. No Reino Unido e na Alemanha , a legislação para cadeias de suprimentos de commodities livres de desmatamento também está sendo considerada. Em 2020, o Grupo Casino enfrentou riscos legais sob a lei do Dever de Vigilância da França após relatórios do CRR, Envol Vert e Mighty Earth que revelaram evidências de exposição ao risco de desmatamento.
  • O risco de acesso ao mercado tem maior impacto sobre os atores upstream e midstream. No ano passado, houve um aumento no número de empresas excluindo commodities brasileiras das cadeias de abastecimento globais. Uma carta pública de 160 signatários da Declaração de Apoio ao Manifesto do Cerrado exigia que os comerciantes de soja parassem de comprar soja de áreas no Cerrado desmatadas após 2020. Empresas europeias e varejistas franceses também ameaçaram boicotar a soja brasileira. As empresas Nestlé , VF CorpH&M e empresas norueguesas de frutos do mar tomaram medidas para excluir as commodities brasileiras de suas cadeias de abastecimento.
  • O risco de reputação afeta significativamente as empresas downstream e pode evoluir para riscos de financiamento para empresas midstream. Campanhas da sociedade civil e investigações jornalísticas têm como alvo atores de midstream, como Cargill , Carrefour e JBS . Em 2020, a Nordea Asset Management excluiu a JBS de todos os ativos que vende e relatos dizem que os analistas do HSBC “soaram alarmes” sobre os riscos de investir na JBS devido ao desmatamento em sua cadeia de suprimentos. Para as empresas downstream, a CRR concluiu que os eventos de reputação podem impactar o valor de uma empresa em 30 por cento.

Apesar do aumento dos riscos da exposição ao desmatamento, os compromissos e a implementação das principais empresas deixam lacunas que permitem que estejam continuamente vinculadas ao desmatamento.

Figura 9: Respostas variadas ao risco de desmatamento entre setores

Fonte: Chain Reaction Research, sites da empresa

Os compromissos de desmatamento dos produtores de soja têm limites e lacunas de implementação variados, resultando em ligações diretas contínuas com o desmatamento. A SLC Agrícola se   comprometeu a conter o desmatamento do Cerrado até o final de 2020, mas continuou a limpar a vegetação nativa. Da mesma forma, a política de desmatamento zero da Nuveen proíbe compras de terras agrícolas do Cerrado desmatadas de vegetação nativa a partir de maio de 2009, mas evidências de desmatamento ainda são observadas em suas propriedades. Com relação à divulgação, a SLC informa que tem como meta reduções de até 25% em suas emissões de GEE até 2030. Parece que a empresa não está no caminho para cumprir sua meta, com as emissões do Escopo 1 tendendo para cima em grande parte devido às emissões agrícolas. Nuveen realiza auditorias em suas fazendas e relatórios sobre soja certificada. No entanto, tanto a SLC Agrícola quanto a Nuveen não informam sobre o progresso no cumprimento de seus compromissos de desmatamento zero e não divulgam as ações tomadas para resolver os desvios de seus compromissos.

As políticas de sustentabilidade dos comerciantes de soja continuam abrindo espaço para o desmatamento no Cerrado. Como membros do Soft Commodities Forum (SCF), ADM, Bunge, Cargill, LDC e Cofco “se comprometeram a eliminar o desmatamento de suas cadeias de abastecimento”. No entanto, com exceção da Bunge, as políticas de desmatamento dos comerciantes não abordam o desmatamento legal no Cerrado e não têm uma data limite para o desmatamento. O compromisso da Bunge é alcançar “cadeias de valor livres de desmatamento em todo o mundo até 2025”, o que “se estende a áreas onde a conversão de vegetação nativa é legalmente permitida”. Sobre rastreabilidade, o SCF se comprometeu a desenvolver uma estrutura comum para relatar a rastreabilidade da soja, com foco inicial em 25 municípios do Cerrado. Os municípios selecionados representam 44% da vegetação nativa do Cerrado convertida em soja. Em 2020, os comerciantes relataram ter alcançado 100 por cento de rastreabilidade para fazenda para os 25 municípios. A estrutura de relatório do SCF não inclui padrões de divulgação que exigem que as empresas relatem sobre os fornecedores e se os volumes de compra estão em conformidade com as políticas de desmatamento das empresas. A maioria dos comerciantes permaneceu exposta a um aumento incêndios em suas regiões de abastecimento em 2020, com a Bunge e a Cargill tendo o maior risco. Apesar do alto risco de incêndios, os comerciantes não têm uma “política de não queima” que se aplica à sua cadeia de abastecimento de soja, apenas para o óleo de palma.

Os três principais frigoríficos monitoram as cadeias de suprimentos diretas, mas permanecem expostos à alta exposição ao risco de desmatamento em suas cadeias de suprimentos indiretas.As cadeias de abastecimento de gado são extremamente complexas, muitas vezes envolvendo várias transações na criação e produção de gado. Em média, uma única transação com um fornecedor direto inclui compras de 15 fornecedores indiretos. Em 2020, JBS e Marfrig anunciaram compromissos para monitorar suas cadeias de suprimentos indiretas, mas o progresso e a eficácia ainda precisam ser vistos. Além da conformidade dos fornecedores indiretos com as políticas, a qualidade e o cronograma das políticas dos frigoríficos também estão sob escrutínio. Por meio de Termos de Ajuste de Conduta (TACs) juridicamente vinculativos), os frigoríficos JBS, Marfrig e Minerva se comprometeram a não comprar gado de áreas desmatadas ilegalmente, terras indígenas, unidades de conservação ou áreas vinculadas ao trabalho forçado. No entanto, esses acordos são limitados aos estados amazônicos e não se estendem ao Cerrado. Sobre os prazos de compromisso, a Marfrig tem como meta o desmatamento zero em todos os biomas até 2030 (2025 para a Amazônia). Mais recentemente, a JBS se comprometeu a eliminar o desmatamento ilegal em todos os biomas brasileiros até 2030 e atingir o desmatamento zero nas cadeias de abastecimento globais até 2035. Prazos prolongados deixam as empresas expostas a um risco crescente de desmatamento. Junto com os dados apresentados neste relatório, investigações em 2020 revelaram que todos os três frigoríficos continuam vinculados ao desmatamento no Cerrado, com vários casos de desmatamento não autorizado.

As maiores redes de supermercados no Brasil têm compromissos de desmatamento variados, mas a maioria tem escopo limitado e falta divulgaçãoCarrefour e Casino são signatários do Manifesto do Cerrado, e ambos têm compromissos de desmatamento zero e sistemas de georreferenciamento para monitorar fornecedores Tier 1 e Tier 2. No entanto, a implementação da política do Carrefour e as metas de rastreabilidade se aplicam apenas a produtos de carne bovina não processados, deixando produtos de carne processados ​​ou congelados totalmente sem monitoramento. As políticas do GPA e do Cencosud que visam mitigar o risco de desmatamento são limitadas apenas para o bioma Amazônia sem ações para conter o desmatamento no Cerrado. Outros biomas, como a região do Pantanal no Brasil, também não são cobertos pela maioria das políticas de sustentabilidade. Casino e Carrefour foram recentemente associados ao desmatamento no Pantanal. Nenhum dos varejistas tem um cronograma específico para seus compromissos. O prazo de desmatamento zero do Carrefour para 2020 não foi cumprido e ainda não foi divulgada uma nova meta. Ainda não está claro como os varejistas planejam aumentar a transparência indireta da cadeia de suprimentos. Apenas o Carrefour divulga rastreabilidade de fornecedores Tier 2, mas apenas para carne bovina (não de soja) e não divulga o progresso no monitoramento de fornecedores indiretos mais distantes em sua cadeia de suprimentos.

Comerciantes de soja, frigoríficos e varejistas não divulgam como as políticas de desmatamento são atendidas em suas cadeias de abastecimentoEstruturas existentes, como a Estrutura de Commodities Sustentáveis e iniciativas recentes anunciadas pelos frigoríficos JBS e Marfrig, enfatizam a rastreabilidade e o monitoramento do fornecedor. Outras iniciativas de rastreabilidade , como a Good Growth Partnership, apontam que a rastreabilidade não é um fim em si mesma e deve ser usada para permitir o cumprimento dos compromissos das empresas. O aumento do foco na rastreabilidade ignora a divulgação necessária sobre as ações tomadas pelas empresas em todos os setores para suspender fornecedores não conformes e cumprir suas promessas de sustentabilidade.

Os investidores enfrentam riscos financeiros significativos de exposição contínua ao desmatamento

Em vários níveis, investidores e bancos estão envolvidos no financiamento dos principais desmatadores do Cerrado, expondo-os a riscos financeiros materiais.Os financiadores podem ser expostos por meio de empréstimos, obrigações, participações e serviços de subscrição. Esses instrumentos financeiros, que os conectam a proprietários de terras, agricultores, comerciantes, processadores de carne e soja, bem como varejistas de alimentos, podem levar a riscos financeiros. As perdas financeiras potenciais podem ser vinculadas ao risco de acesso ao mercado, risco operacional, risco de ativos perdidos, risco de financiamento e risco de reputação.

Em uma análise recente, a CRR concluiu que 74% da soja e do gado brasileiros são financiados por instituições financeiras locais.De 2013 a 2020, o financiamento dos setores de carne bovina e soja no Brasil totalizou US $ 100 bilhões. O financiamento total é muito maior, mas esses números são ajustados para contabilizar apenas a participação da soja e da pecuária no Brasil. De acordo com a base de dados Florestas e Finanças, os empréstimos totalizaram US $ 82 bilhões, as subscrições US $ 13 bilhões, as ações US $ 5 bilhões e os títulos US $ 1 bilhão. As instituições financeiras estrangeiras forneceram (ajustados) US $ 14,5 bilhões para o setor de carne bovina e US $ 11,2 bilhões para a indústria da soja. Santander, Rabobank, HSBC e JPMorgan Chase, todos com políticas para conter o desmatamento, estão entre os 25 maiores financiadores. políticas para conter o desmatamento estão entre os 25 maiores financiadores.

Figura 10: Total de financiamento identificado por região de origem (em milhões de dólares) – ajustado

Fonte: forestandfinance.org, a região “Europe Other” consiste principalmente no Reino Unido, Noruega e Suíça; ajustadores são aplicados para a exposição específica à carne bovina e soja brasileiras.

Muitas instituições financeiras são signatárias do Manifesto do Cerrado e têm políticas voltadas para conter o desmatamento. As instituições financeiras sediadas na UE ou que investem em empresas da UE com elos da cadeia de abastecimento com o desmatamento enfrentarão uma regulamentação muito mais rígida sobre o desmatamento.O Manifesto do Cerrado pede a suspensão do desmatamento e a perda da vegetação nativa no Cerrado. Atualmente, investidores que representam US $ 6,3 trilhões de investimentos globais assinaram a Declaração de Apoio ao Manifesto do Cerrado, que também foi assinada pelas principais empresas de produtos de consumo rápido, incluindo varejistas. Na Europa, o Regulamento de Divulgação de Finanças Sustentáveis (SFDR), que entrou em vigor em 10 de março de 2021, deve levar a uma maior transparência sobre os riscos de sustentabilidade e questões sobre o financiamento de commodities que levam a danos ambientais. Faz parte do Quadro de Finanças Sustentáveis ​​mais amplo da UE, que é apoiado por um amplo conjunto de regulamentações novas e aprimoradas que serão aplicadas em todo o bloco de 27 países. O SFDR está alinhado com o Plano de Ação de Financiamento Sustentável, que visa promover o investimento sustentável e uma nova taxonomia da UE para criar condições de concorrência equitativas em toda a UE. Com um sistema obrigatório da UE de devida diligência para cadeias de abastecimento , essas regulamentações estão inseridas em um ambiente de Acordo Verde europeu.

No grupo de fazendeiros e proprietários de terras dos principais desmatadores, a SLC Agrícola e a Nuveen são financiadas por instituições financeiras estrangeiras com políticas florestais. A JJF Holding, por sua vez, carece de transparência financeira.A SLC Agrícola tem como principais clientes a Cargill e a Bunge e seus principais negócios são a agropecuária e a agropecuária. A empresa é detida maioritariamente pela SLC Participações SA, com vários investidores europeus com políticas de desmatamento zero detendo participações minoritárias. Nos últimos anos, o Fundo de Pensão do Governo norueguês vendeu sua participação na empresa. No entanto, a APG é o sexto maior acionista externo da SLC Agrícola com uma exposição (ajustada) de US $ 12 milhões. A Forests & Finance mostra que a empresa é financiada principalmente por entidades brasileiras.

Nuveen, gestora de ativos da TIAA, é proprietária de terras no Brasil. A falta de transparência na complexa rede de investimentos da Nuveen pode colocar os investidores nos fundos da Nuveen em conflito com suas políticas de mudança climática, levando a riscos de reputação. Os credores incluem BNP Paribas, Santander, Rabobank e HSBC, e participantes de fundos agrícolas com apólices incluem AP2, Caisse de Dépôt e ABP.

A JJF Holding é uma empresa privada que carece de transparência. Nenhum empréstimo foi encontrado . O risco financeiro pode ser identificado para investidores da Bunge e financiadores da ALZ Grãos e Cargill, que mantêm relações comerciais com a JJF Holding. O corte dos laços comerciais com a JJF Holding protegeria o valor (reputação) para os financiadores desses comerciantes de soja.

Dos comerciantes de soja, ADM, Bunge, Cargill, LDC / Amaggi e Cofco são os atores mais vinculados ao desmatamento no Cerrado. Esses comerciantes são financiados por investidores internacionais. Os acionistas das entidades listadas ADM e Bunge enfrentam riscos financeiros. A exposição da Bunge no Piauí, região onde é líder dominante no mercado, totaliza 1% de seus ativos globais. Embora o risco financeiro de ativos retidos seja baixo, a Bunge enfrenta um alto risco de acesso ao mercado. Esse risco é significativo para o mercado da UE e para os FMCGs que são membros do CGF e assinaram o Manifesto do Cerrado, possivelmente afetando o valor de mercado da Bunge em mais de 20% . ADM é o quinto maior comerciante de soja na região de Matopiba, no BrasilEmbora sua exposição à área de alto risco de produção de soja do Matopiba seja limitada a 1,5 por cento, os riscos de desmatamento do Cerrado podem impactar até 30 por cento de seu valor patrimonial.

Financiadores europeus de títulos e empréstimos bancários para comerciantes de soja de propriedade privada Cargill e LDC enfrentam riscos de reputação e de regulamentação também, seguindo o SFDR. A ligação da Cargill com o desmatamento do Cerrado pode prejudicar seu relacionamento com os membros do CGF, o que pode levar a risco de 6% a 15% do faturamento da Cargill.

No grupo dos frigoríficos, JBS, Minerva e Marfrig estão mais ligados ao desmatamento do Cerrado. São financiados por investidores brasileiros e também estrangeiros.Os investidores europeus já financiaram mais de US $ 10 bilhões para os três maiores frigoríficos brasileiros. Parte de seus negócios pode estar ligada ao Cerrado. A Figura 11 consiste em números não ajustados e se baseia no financiamento de todas as empresas do grupo global. Como os investidores europeus contribuem com 24-32% do financiamento para essas três empresas, eles têm alavancagem para se engajar. Agora que o SFDR foi instalado pela UE, espera-se que o engajamento aumente. Além disso, o custo de capital para os frigoríficos pode aumentar, impactando sua avaliação. Essa avaliação também será impactada pelo risco de acesso ao mercado para JBS, Minerva e Marfrig para a Europa. Respectivamente, 1,4%, 4,6% e 1,8% das receitas globais das três empresas são geradas na Europa. A maioria dos principais financiadores europeus (Barclays, Rabobank, Santander e BNP Paribas) têm políticas de desmatamento zero para a carne bovina ou são muito expressivos (HSBC) têm políticas florestais.

Figura 11: Financiamento Identificado para JBS, Minerva e JBS e exposição a financiadores europeus (milhões de dólares)

Fonte: Chain Reaction Research, Thomson-Eikon, Bloomberg; dados de 3 de junho de 2020; nenhum ajustador foi aplicado.

No varejo de alimentos, Casino Group, Carrefour e Cencosud são líderes na distribuição de carne bovina no mercado brasileiro local. O acesso a financiadores europeus provavelmente se tornará mais difícil. Para todas as empresas, o mercado brasileiro é parte relevante de suas vendas e rentabilidade. A ligação com o desmatamento pode ter impacto sobre suas vendas em vários mercados locais (receita em risco). Além disso, o Grupo Casino e o Carrefour dependem fortemente de financiamento de instituições sediadas na UE. Gestores de ativos e bancos que se adaptam aos requisitos do SFDR da UE podem impactar o custo de financiamento e avaliações de empresas com ligações com o desmatamento no Cerrado e na Amazônia. 

Em 2020, 60% do financiamento identificado do Grupo Casino se originou de investidores europeus. Se os investidores europeus exigirem um aumento de 25 pontos-base no rendimento, as despesas extras serão iguais a 9% do lucro antes dos impostos do Grupo Casino.

Figura 12: Financiadores identificados do Grupo Casino, GPA e empresas relacionadas (milhões de dólares)

Fontes: Chain Reaction Research, Refinitiv, Bloomberg

Um impacto muito maior viria do risco de perda de valor da reputação. A escalada dos riscos, caso nenhuma ação fosse tomada, poderia ser de tamanho significativo, totalizando 83% do valor patrimonial do Grupo Casino naquela época em 2020.

Figura 13: Resumo dos impactos financeiros em vários cenários

Fonte: Chain Reaction Research

fecho

Este texto foi originalmente escrito em inglês e publicado pela Chain Reaction Research  [Aqui!].

Bancos brasileiros são os principais financiadores do desmatamento na Amazônia e no Cerrado

bb

Os setores de carne bovina e soja têm sido dois dos principais motores do desmatamento nos biomas Amazônia e Cerrado nos últimos anos. As instituições financeiras com exposição a esses setores podem estar inadvertidamente contribuindo para as mudanças climáticas e a perda de biodiversidade. Conforme as partes interessadas globais reagem a essas ameaças, as instituições financeiras podem ficar cada vez mais expostas aos riscos financeiros. Este relatório, usando dados de Florestas e Finanças , mostra quem está financiando esses dois setores.

Baixe o PDF aqui: Bancos nacionais financiam 74% da carne bovina e soja brasileira

Principais conclusões:

  • Os financiamentos fornecidos aos setores de carne bovina e soja no Brasil totalizaram US $ 100 bilhões de 2013 a abril de 2020 . De acordo com a base de dados do Forests & Finance, foram fornecidos a estes setores US $ 82 bilhões em empréstimos e US $ 13 bilhões em underwritings, bem como US $ 5 bilhões em ações e US $ 1 bilhão em títulos.
  • 74 por cento do financiamento total identificado originou-se de instituições financeiras brasileiras. Eles forneceram US $ 66,2 bilhões em empréstimos e US $ 5,4 bilhões em subscrição. Eles também detêm US $ 3,0 bilhões em ações e US $ 3,0 milhões em obrigações. O Banco do Brasil foi de longe o maior financiamento (US $ 42,4 bilhões).
  • As instituições financeiras estrangeiras contribuíram com US $ 14,5 bilhões para o setor de carne bovina e US $ 11,2 bilhões para a indústria da soja. Santander, Rabobank, HSBC e JPMorgan Chase estão entre os 25 maiores financiadores.
  • Esses quatro bancos têm políticas de desmatamento enquanto financiam empresas de soja e carne que têm sido repetidamente associadas ao desmatamento em suas cadeias de abastecimento. Sua principal exposição é para os três grandes frigoríficos do Brasil, JBS, Marfrig e Minerva, junto com o trader de soja Cargill.
  • O elemento-chave na cadeia de financiamento é o Sistema Nacional de Crédito Rural do Brasil. Gerenciado pelo Banco Central do Brasil, o sistema canalizou empréstimos para setores agrícolas, principalmente carne bovina e soja, constituindo 91 por cento de todos os empréstimos identificados nesta pesquisa. Devido a exigências legais, cerca de dois terços do financiamento vêm de depósitos em bancos brasileiros, enquanto as taxas de juros de aproximadamente 75% do crédito são subsidiadas.
  • Os investidores europeus têm influência para se engajar no desmatamento. Uma vez que o Sistema de Crédito Rural não oferece um mecanismo eficaz para promover a agricultura sustentável, uma maior atenção da UE e do BCE sobre o risco de desmatamento pode fazer com que os financiadores europeus fiquem mais alertas sobre a reputação e o risco de investimento.

Setores de carne bovina e soja são os dois principais motores do desmatamento no Brasil

Nos últimos anos, a pecuária no bioma Amazônia e o cultivo da soja em direção ao Cerrado têm sido os principais motores do desmatamento no Brasil.Como mostrou o relatório da Chain Reaction Research de agosto de 2020 sobre a cadeia de abastecimento da carne bovina brasileira, a expansão do setor (Figura 1) é impulsionada pelo aumento da demanda nos mercados de exportação em meio a mudanças políticas, legislativas e de fiscalização favoráveis. A pecuária é responsável pelo desmatamento em grande escala, estimado em 80% do desmatamento em todos os países com cobertura florestal amazônica. Outra motivação para a criação de gado é a conversão da terra subjacente, que pode ser usada para diferentes commodities. A pecuária é uma operação de baixo custo que impede que as florestas voltem a crescer.

O forte aumento na área de cultivo de soja (Figura 2) é impulsionado por seu papel como uma importante fonte de proteína de alta qualidade e facilmente digerível para a pecuária, bem como uma fonte de óleo vegetal. O farelo de soja representou cerca de 70 por cento da produção mundial de farelo de sementes oleaginosas para a indústria pecuária em 2019/20.

Dados anuais do INPE mostram que após oito anos de queda, a taxa de desmatamento na Amazônia Legal voltou a aumentar em 2013, e atingiu 11,1 mil km 2 por ano em 2020, a maior taxa anual desde 2008. No Bioma Cerrado, estimativa de desmatamento para 2019 foi de 6,5 mil km 2 .

Figura 1: Tamanho do rebanho bovino Brasil

Fonte: USDA

Figura 2: Área de cultivo de soja no Brasil

Fonte: USDA

Os setores de carne bovina e soja do Brasil receberam US$ 100 bilhões em financiamento

Em uma base regional, as instituições financeiras sul-americanas fornecem 74% do financiamento total desde 2013 que foi identificado por Forests & Finance. UE27 e América do Norte seguem com 11 por cento e 6 por cento, respectivamente. Embora o tipo de financiamento da UE27 esteja concentrado em empréstimos (81%), os bancos e investidores norte-americanos estão igualmente ativos em todas as formas categorizadas neste relatório. Financiadores do Leste Asiático e outros países europeus forneceram fundos relativamente pequenos, mas ainda consideráveis, enquanto o Leste Asiático estava mais focado no setor de soja e a Europa (ex-UE27) mais focada em carne bovina.

Figura : Financiamento total identificado por região de origem (em milhões de dólares)

Fonte: forestandfinance.org, a região “Europe Other” consiste principalmente no Reino Unido, Noruega e Suíça

Empréstimos como o tipo dominante de financiamento

Os empréstimos representaram 81 por cento do financiamento total identificado por Florestas e Finanças. A Forests & Finance identificou US $ 81,6 bilhões em empréstimos, que se destacou como a fonte de financiamento mais importante para os dois setores. Underwritings de US $ 13,2 bilhões foram a segunda maior fonte de financiamento. No entanto, envolveram mais investimentos estrangeiros devido à natureza mais internacional das emissões de ações e obrigações. As participações em ações e títulos eram relativamente pequenas.

Figura 4 : Financiamento total identificado por tipo (em milhões de dólares)

Fonte: forestandfinance.org, Empréstimos e subscrição constituem o tipo de fluxo de financiamento, enquanto as participações em ações e títulos são categorizadas como participações. 95% do financiamento é na forma de fluxos, o que representa todos os empréstimos e underwriting identificados entre 2013 e abril de 2020 em uma base cumulativa. O tipo de financiamento de holding reflete os registros mais recentes disponíveis em abril de 2020.

Figura 5 : Mapa de empréstimos e subscrição fornecidos aos setores brasileiros de carne bovina e soja pelos bancos

Fonte: forestandfinance.org, NRCS: National Rural Credit System, em USD

Figura 6 : Mapa de participação e títulos nos setores brasileiros de carne bovina e soja por investidores

Fonte: forestandfinance.org, em USD

Banco do Brasil é o maior financiador da carne bovina e soja brasileira

Os bancos brasileiros forneceram a maior parte do financiamento total para os setores de carne bovina e soja, respondendo por 81% do total. Doze dos 25 maiores financiadores listados na Figura 7 são bancos brasileiros. O Banco do Brasil, controlado pelo governo (59% de propriedade de órgãos federais do Brasil), está no topo da lista por uma margem muito ampla. O Banco do Brasil destinou US $ 42,4 bilhões aos setores de carne bovina e soja entre 2013 e abril de 2020 (42,3% do total), principalmente na forma de empréstimos, mas também por meio de subscrição, títulos e participações acionárias.

No total, os 25 maiores financiadores responderam por 90% do financiamento identificado fornecido aos dois setores, sendo US $ 60,5 bilhões para carne bovina e US $ 29,5 bilhões para soja. As instituições financeiras de fora do Brasil com exposição considerável são o Santander da Espanha com US $ 5,1 bilhões, o Rabobank da Holanda com US $ 3,0 bilhões, o HSBC do Reino Unido com US $ 2,5 bilhões e o JPMorgan Chase dos Estados Unidos com US $ 0,9 bilhão.

Figura 7 : 25 principais financiadores (em milhões de dólares)

Fonte: forestandfinance.org, visto em outubro de 2020, * John Deere Bank é o braço de financiamento de leasing da empresa de equipamentos agrícolas

Instituições estrangeiras com compromissos ambientais

Todas as instituições financeiras estrangeiras identificadas com exposição significativa têm relações de financiamento com pelo menos uma das empresas na Figura 8, que é uma seleção de empresas com ligações ao desmatamento mencionadas anteriormente por Chain Reaction Research ( JBS , Marfrig , Minerva , Cargill , Bunge ). Mesmo assim, as instituições financeiras mantiveram-se ativas no relacionamento com essas empresas, com base nos dados de financiamento mais recentes.

Figura 8 : Exposição de instituições estrangeiras selecionadas a empresas de risco florestal (em milhões de dólares)

Fonte: forestandfinance.org, (L): Empréstimos, (U): Underwriting, (S): Participação, * Sistema Nacional de Crédito Rural, o valor em dólares das exposições mostrado na tabela foi ajustado para apresentar as proporções relativas à carne bovina e soja Atividades. Os valores originais são maiores para toda a empresa.

A lista a seguir mostra as políticas ambientais das instituições financeiras listadas na Figura 8 e nas Avaliações de Políticas do Banco de Florestas e Finanças (consulte o Apêndice 1):

  • Santander: “ Desmatamento líquido zero até 2020” – Soft Commodities Compact
  • Rabobank: “ Desmatamento líquido zero até 2020” (ver fonte ) – Soft Commodities Compact
    • A política do banco foi avaliada como “Política forte do setor de risco florestal ” e obteve uma pontuação de 39 de 50 na Avaliação de Políticas do Banco de Florestas e Finanças.
  • HSBC: De acordo com o documento de Política de Commodities Agrícolas do banco nos setores de Soja, Pecuária e Rubberwood, “o HSBC não fornecerá conscientemente serviços financeiros a clientes de alto risco envolvidos diretamente ou com fornecedores envolvidos em desmatamento, ou seja: a conversão de áreas (geralmente florestas) necessárias para proteger HCVs; a conversão de florestas tropicais primárias; ou apuramento por queima. ”
    • A política do banco foi avaliada como “ Boa política do setor de risco florestal com algumas lacunas ” e obteve uma pontuação de 30 de 50 na Avaliação de Políticas do Banco de Florestas e Finanças.
  • JP Morgan Chase: “ Desmatamento líquido zero até 2020” (ver fonte ) – Soft Commodities Compact
    • A política do banco foi avaliada como “ Política do setor de risco florestal justa com lacunas ” e obteve 28 de 50 na Avaliação de Políticas do Banco de Florestas e Finanças.
  • Bank of America: De acordo com o documento da Estrutura de Política de Risco Social e Ambiental do banco sob lista proibida, “o Bank of America não se envolverá conscientemente em atividades ilegais, incluindo extração ilegal de madeira ou fogo não controlado – incluindo transações em que um cliente se envolva em extração ilegal de madeira uso do fogo para limpar terras florestais. ”

Esse grupo de financiadores, dominado por instituições financeiras europeias, fornece 14% do financiamento total para empresas brasileiras de soja e carne bovina. Eles podem enfrentar risco de reputação devido às suas políticas de desmatamento e mudanças na regulamentação (europeia) sobre o desmatamento e a devida diligência nas cadeias de abastecimento.

Fornecer financiamento para setores de risco florestal, neste caso carne bovina e soja, especialmente para JBS, Marfrig, Minerva e Cargill e Bunge, (uma seleção de empresas vinculadas ao desmatamento mencionadas pelo CRR) pode expor os bancos a riscos financeiros e de reputação por meio desmatamento. Em particular, os financiadores da Europa podem enfrentar risco de reputação devido ao foco crescente em cadeias de abastecimento sem desmatamento pelas regulamentações europeias .

Empréstimos são a maior fonte de financiamento, tendo o sistema de crédito rural como principal canal

Noventa e um por cento dos empréstimos foram concedidos por meio do Sistema Nacional de Crédito Rural, onde o destinatário final e o prazo de vencimento dos recursos não são divulgadosA lista dos 25 maiores provedores de empréstimo (ver Figura 9) cobre 95 por cento de todos os empréstimos originados entre 2013 e abril de 2020. Enquanto os bancos brasileiros ocupam a maior parte da lista com o Banco do Brasil na liderança, a maioria desses empréstimos locais são facilitada através de um sistema de financiamento chamado sistema Nacional de crédito Rural (sistema Nacional de crédito Rural) As informações do Banco Central do Brasil, que também administra o sistema de crédito, sugerem que o financiamento do programa se baseia principalmente em regras. Por exemplo, inclui exigências de reserva legal para depósitos à vista e de poupança rural em bancos brasileiros. Além disso, as taxas de juros para a maior parte do crédito que o sistema oferece são subsidiadas. Informações mais detalhadas sobre como os dados são incorporados ao banco de dados Florestas e Finanças estão incluídas no Quadro 1 abaixo.

Figura 9 : 25 principais provedores de empréstimos (em milhões de dólares)

Fonte: forestandfinance.org 

Sistema Nacional de Crédito Rural do Brasil

A análise do Sistema Nacional de Crédito Rural com base nos dados do Banco Central do Brasil revela que a maior parte do crédito rural concedido tem como destino os setores de carne bovina e soja. Embora o total de empréstimos em aberto concedidos por meio do programa tenha crescido de R $ 272 bilhões (US $ 82 bilhões) em maio de 2017 para R $ 320 bilhões (US $ 59 bilhões) em maio de 2020, o valor em US $ diminuiu devido a uma forte desvalorização da moeda local. O valor total do empréstimo pendente no programa correspondeu, em média, a 9,5% dos empréstimos em todo o sistema bancário brasileiro nos últimos quatro anos. O nível de originação anual de crédito implica cerca de 20 meses de maturidade média dos créditos do sistema.

Figura 10 : Sistema Nacional de Crédito Rural no Brasil (em bilhões de dólares)

Fonte: Banco Central do Brasil

Figura 11 : Sistema Nacional de Crédito Rural por tipo de beneficiário e subsídio

Fonte: Banco Central do Brasil

Em média, 75% dos empréstimos concedidos pelo Sistema Nacional de Crédito Rural entre junho de 2017 e junho de 2020 foram subsidiados com taxas de juros inferiores às do mercado. Embora as pequenas propriedades familiares recebam taxas de juros mais baixas com mais subsídios (ver Figura 11), elas receberam apenas cerca de 13% do total de empréstimos. As taxas de juros anuais subsidiadas foram 30% mais baixas em comparação com as taxas definidas livremente (não subsidiadas) para as propriedades não familiares e 55% mais baixas para as propriedades familiares. 

Figura 12 : Taxas médias anuais de juros do Sistema Nacional de Crédito Rural no Brasil

Fonte: Banco Central do Brasil

O efeito do Sistema Nacional de Crédito Rural no desmatamento

A pesquisa de impacto do Sistema Nacional de Crédito Rural aponta para uma mudança na política de crédito do sistema em 2008. A aprovação do crédito rural subsidiado na Amazônia está condicionada à comprovação do cumprimento da regulamentação ambiental. Principalmente por meio de uma redução nos volumes de crédito (principalmente em municípios onde a pecuária é a principal atividade econômica), o desmatamento no bioma Amazônia entre 2009 e 2011 foi 60% menor do que teria sido sem restrições de crédito.

Em sua nota de política para 2020 , o Banco Mundial afirmou que um pequeno número de grandes fazendas recebe a maior parte do financiamento rural, enquanto 85% de todos os fazendeiros no Brasil não têm acesso ao crédito. Além disso, a maior parte do crédito rural é para financiamento do tipo capital de giro de curto prazo, com financiamento de investimento de prazo mais longo limitado. Assim, a probabilidade de o crédito rural afetar positivamente os investimentos em agricultura sustentável é considerada baixa.

Figura 13 : Empréstimos por região (em milhões de dólares)

Figura 14 : Empréstimos * (milhões de dólares)

Fonte: forestandfinance.org. * A diferença nos fluxos de empréstimos entre os diferentes números do relatório decorre dos ajustes do setor em dados de Florestas e Finanças (ver anexo 1), bem como da exclusão de alguns dos financiadores do Sistema Nacional de Crédito Rural (ver caixa 1)

Subscrição

A subscrição cumulativa de emissões de ações e títulos entre 2013 e abril de 2020 totaliza US $ 13,2 bilhões. Desse total, 77% são destinados às emissões de títulos dos três grandes frigoríficos – JBS, Marfrig e Minerva. Uma vez que quase todas essas emissões de títulos foram denominadas em dólares americanos, as instituições financeiras internacionais tiveram uma participação elevada, subscrevendo 60 por cento do tamanho total dos negócios, significativamente maior em comparação com sua contribuição em empréstimos.

Figura 15 : 25 maiores subscritores (em milhões de dólares)

Fonte: forestandfinance.org

Desenvolvimento histórico

O total de subscrição identificado caiu para US $ 334 milhões em 2015, principalmente por causa da seca. Isso foi seguido por um ano de expansão, com negócios atingindo US $ 3,2 bilhões.

Figura 16 : Subscrição Regional (em milhões de dólares)

Fonte: forestandfinance.org

Participação

Os dados de participação são mais diversificados devido ao envolvimento de fundos de ações globais, especificamente na forma de ETFs. Quando a participação de 21,3 por cento do BNDES (Banco de Desenvolvimento do Brasil) (no valor de US $ 2,1 bilhões, ajustado para a participação das operações de carne bovina da JBS) na JBS é excluída como uma exceção, os investidores norte-americanos têm o maior percentual de 49 por cento contra 33 por cento para América do Sul. O BNDES desinvestiu da Marfrig no final do 1T2020, vendendo sua participação de 30% na empresa (no valor de cerca de US $ 500 milhões). O BNDES afirmou que pretende desinvestir também da JBS, mas a venda ainda não se concretizou.

Figura 17: Participação regional (em milhões de dólares)

Fonte: forestandfinance.org, ajustado pela participação do BNDES na JBS

Figura 18 : 25 principais acionistas (em milhões de dólares)

Fonte: forestandfinance.org

Bondholding

Bondholding é a menor área de financiamento identificado recebido pelos setores de carne bovina e soja no Brasil, com apenas US $ 663 milhões, totalizando apenas 0,7 por cento do financiamento total identificado. Os investidores locais da região da América do Sul praticamente não têm participações nos títulos, enquanto a América do Norte (58%) e a UE27 (29%) têm a maior exposição.

Figura 19 : Obrigações regionais (em milhões de dólares)

Fonte: forestandfinance.org

Figura 20 : 25 principais detentores de títulos (em milhões de dólares)

Fonte: forestandfinance.org

Financiadores europeus em posição de se envolver com soja e carne bovina

Ao financiar 12% do financiamento total da carne bovina e soja no Brasil, os investidores e bancos europeus têm o potencial de contribuir para a redução do desmatamento nas cadeias de abastecimento da carne bovina e da soja. Quando o JPMorgan Chase e o Bank of America estão incluídos, 14% do financiamento é feito por meio de instituições financeiras com políticas de desmatamento.

Grande parte do financiamento dos setores brasileiros de soja e carne bovina flui por meio de crédito rural de bancos brasileiros, que atualmente têm impacto mínimo na agricultura sustentável. No entanto, os financiadores europeus enfrentam risco de reputação devido ao desenvolvimento de regulamentos da UE sobre o desmatamento nas cadeias de abastecimento. Além disso, o Banco Central Europeu (BCE) dá um peso cada vez maior aos riscos de mudança climática, desmatamento e biodiversidade. Todos os financiadores enfrentam riscos de investimento, pois as empresas que financiam podem ser confrontadas com um acúmulo de risco de acesso ao mercado, risco de regulamentação e risco de financiamento. As participações no capital também podem perder valor devido ao risco de reputação.

Como os bancos e investidores europeus também são financiados por seus próprios investidores, essas instituições financeiras também estão em posição de evitar a repetição das perdas causadas pelo financiamento da indústria de combustíveis fósseis, que também está ligada às mudanças climáticas.

Apêndice 1: Florestas e finanças

Objetivo, escopo, metodologia e parceiros da Forests & Finance, resumidos no site:

Forestsandfinance.org visa destacar o papel que as finanças desempenham na viabilização do desmatamento tropical. É o resultado de extensas pesquisas e investigações por uma coalizão de organizações de campanha e pesquisa, incluindo Rainforest Action Network, TuK INDONESIA, Profundo, Amazon Watch, Repórter Brasil e BankTrack. O banco de dados Forests & Finance avalia os serviços financeiros recebidos por mais de 300 empresas e mais de 16.000 empresas de risco florestal de pequena escala que receberam financiamento que estão diretamente envolvidas na carne bovina, óleo de palma, celulose e papel, borracha, soja e madeira tropical (“ setor de risco florestal ”) cadeias de suprimento e cujas operações impactam as florestas tropicais naturais no Sudeste Asiático, Brasil, bem como na África Central e Ocidental. Nem todas as empresas selecionadas para o banco de dados estão envolvidas em operações prejudiciais. Contudo, todos estão envolvidos em operações de grande escala em regiões de florestas tropicais que apresentam alto risco de causar desmatamento e impactos sociais associados. As instituições financeiras que fazem negócios com essas empresas estão, portanto, altamente expostas aos riscos de desmatamento.

Os bancos de dados financeiros Refinitiv (anteriormente conhecido como Thomson EIKON), Bloomberg IJGlobal, TradeFinanceAnalytics, arquivos de registro de empresas, bem como relatórios de empresas disponíveis publicamente, foram usados ​​para identificar empréstimos corporativos, crédito e facilidades de subscrição fornecidas às empresas selecionadas no período 2013-2020 (Abril). Os investimentos em títulos e ações das empresas selecionadas foram identificados por meio da Refinitiv e da Bloomberg na data de depósito mais recente disponível em abril de 2020. Essas bases de dados financeiras fornecem acesso a dados de mercado em tempo real, notícias, dados fundamentais, análises, ferramentas de negociação e mensagens. O portal Transparência do BNDES e o portal do Banco Central do Brasil foram usados ​​para identificar fluxos financeiros adicionais para empresas de risco florestal no Brasil. Esta pesquisa fornece um conjunto de dados de nível de negócio de relacionamentos específicos entre empresas selecionadas e qualquer instituição financeira vinculada. Das mais de 300 empresas pesquisadas, apenas 230 empresas tinham financiamentos identificáveis ​​onde o financiador, o valor do financiamento e a data de início eram conhecidos dentro do período de estudo.

As empresas com atividades comerciais fora do setor de risco florestal registraram valores reduzidos para apresentar com mais precisão a proporção do financiamento que pode ser razoavelmente atribuída às operações do setor de risco florestal da empresa selecionada. Quando as informações financeiras disponíveis não especificavam a finalidade do investimento ou da divisão de recebimento dentro do grupo da empresa-mãe, os fatores de redução foram calculados individualmente pela comparação das atividades do setor de risco florestal de uma empresa em relação às atividades totais do grupo-mãe. Ajustadores adicionais foram calculados para empresas que operam em várias geografias dentro do escopo desta pesquisa.

Os bancos comerciais identificados neste estudo foram avaliados para determinar a força de quaisquer políticas publicamente disponíveis relevantes para a tomada de decisão de investimento no setor de risco de floresta tropical e, subsequentemente, pontuados de acordo com uma série de critérios que incorporam padrões ambientais, sociais e de governança. Cada um dos principais bancos recebeu uma pontuação sobre o escopo de suas políticas e seus padrões ambientais e sociais. A Metodologia de Avaliação de Políticas do Forests & Finance Bank é baseada no Fair Finance Guide (FFG) com foco no setor de risco florestal.

Os dados e avaliações apresentados neste site não foram fornecidos ou autorizados por nenhuma das instituições financeiras ou clientes em causa. Embora todas as tentativas tenham sido feitas para pesquisar e apresentar dados e avaliações de forma precisa e objetiva, é difícil garantir a precisão total. Isso se deve principalmente à falta de consistência e transparência na maneira como as instituições financeiras e clientes do setor de risco florestal registram as principais informações financeiras e empresariais. Onde houve ambigüidade nas informações de origem dos serviços financeiros, os autores deste site agiram com cautela, resultando em uma provável subestimação dos verdadeiros montantes de financiamento envolvidos. Os autores estão empenhados em corrigir quaisquer erros identificados na primeira oportunidade.

Visite o site para mais informações e para usar o banco de dados.

Apêndice 2: Principais destinatários de financiamento identificados por Florestas e Finanças

Figura 21 : 25 maiores destinatários de financiamento (em milhões de dólares)

Fonte: forestandfinance.org

fecho
Esta reportagem foi inicialmente escrita em inglês e publicada pela Chain Reaction Research [Aqui! ] .

Dossiê revela série de violações socioambientais das operações da Hidrovias do Brasil no Pará

Documento publicado pelo Inesc, elaborado com base em denúncias de moradores, revela que a empresa não cumpre com as medidas para mitigar os impactos negativos de suas operações na região de Itaituba. Hidrovias tem dentre seus principais investidores a IFC, braço de investimentos do Banco Mundial para o setor privado.

Estação de transbordo e carregamento de barcaças - HBSA - Estrutural Zortea

Enquanto a soja passa: impactos da empresa Hidrovias do Brasil em Itaituba – revela que a empresa de logística Hidrovias do Brasil tem descumprido sistematicamente uma série de medidas que deveriam ser adotadas para mitigação dos impactos negativos de suas operações na região de Itaituba, no Pará, que se transformou nos últimos anos em um importante centro de transporte da cadeia global de fornecimento de commodities ao ligar a rodovia BR-163 com o Rio Tapajós, é que conclui um estudo divulgado pelo Instituto de Estudos Socioeconômicos (Inesc) publicado nesta terça-feira , 23/02.

dossie

Durante a alta safra da soja, cerca de 1500 caminhões transitam diariamente em Miritituba, distrito de Itaituba, onde vivem 15 mil pessoas. O território é peça fundamental na reestruturação da Amazônia brasileira como caminho para a exportação de grãos do Mato Grosso para o Atlântico, com destino para a China, União Europeia e outros países. Atualmente, pelo menos 41 novos portos estão planejados ou em construção para os principais rios da região.

Na região, já foram construídos diversos empreendimentos, como hidrelétricas, hidrovias, garimpos e minas. Desde 2013, pelo menos 10 portos industriais – a maioria ligados ao agronegócio – foram construídos ao redor da cidade de Itaituba. Em Miritituba existem cinco Estações de Transbordo de Carga (ETC), instalações portuárias privadas que escoam os grãos pelos rios Tapajós e Amazonas até os portos Pará e do Amapá. O dossiê analisa os efeitos dos portos na região, com foco na empresa de logística Hidrovias do Brasil (HDB).

A instituição tem entre seus acionistas a Corporação Financeira Internacional (International Finance Corporation – IFC), braço de investimentos do Banco Mundial para o setor privado. A IFC, que é um banco multilateral de desenvolvimento, exigiu que a Hidrovias do Brasil, para receber o investimento, cumprisse com os Padrões de Desempenho sobre Sustentabilidade Socioambiental (PDs), um conjunto de medidas necessárias para impedir, diminuir ou mitigar os efeitos socioambientais negativos da sua atuação na região. 

No entanto, o dossiê do Inesc evidencia que a política socioambiental, aparentemente rigorosa da IFC, não está sendo cumprida pela Hidrovias do Brasil. O relatório produzido por meio de denúncias de moradores de Itaituba e Miritituba, representantes de movimentos sociais, lideranças indígenas, entre outros, analisa detalhadamente cada meta de sustentabilidade que deveria estar sendo executada pela Hidrovias do Brasil e aponta falhas na vistoria da instituição financeira investidora. 

“A Hidrovias do Brasil foi financiada por um banco que tem uma política socioambiental, à princípio, robusta, que envolve um monitoramento da empresa para ter certeza que, se estão previstos impactos negativos, deverão ser mitigados ou compensados. Existem instâncias que podemos apelar ao banco, para que monitore a empresa e faça estas políticas de fato serem cumpridas. Portanto, este dossiê é um primeiro passo para que a IFC retome o monitoramento da Hidrovias do Brasil e a faça cumprir a política socioambiental da própria instituição”, afirma Livi Gerbase, assessora política do Inesc e autora do estudo.

Um exemplo é a construção do desvio para que os caminhões contornem Miritituba ao invés de cortá-la, obra prometida pela Hidrovias do Brasil ao Banco e que não saiu do papel. Para além do trânsito e do aumento do número de acidentes, os 1500 caminhões geram poluição no ar e deixam parte da soja espalhada por toda a cidade, causando graves danos à saúde da população e interferência na fauna e na flora local. Um morador de Miritituba resume a sensação de viver entre o tráfego intenso: “aqui a gente disputa com as carretas, e o menor é quem tem que correr”. 

O aumento dos índices de violência, comércio ilegal de drogas e prostituição, trazidos com a multidão de caminhoneiros que chega diariamente, são outros impactos sofridos pela população local e ainda pouco mapeados pelos órgãos competentes. 

Moradores de Miritituba revelam, ainda, outras violações da parte da Hidrovias do Brasil e outras empresas portuárias na região, como a proibição da pesca em lugares tradicionalmente acessados pelos pescadores devido a utilização de cordões de isolamento como medidas de segurança por cinco portos instalados lado a lado. Além disso, pescadores também denunciam que a soja que cai nos rios, ao serem transportadas pelas barcaças, está sendo encontrada na barriga dos peixes. 

Indígenas do povo Munduruku também sofrem com as operações da Hidrovias na região que alegou, em seu relatório à IFC, não haver comunidades indígenas e tradicionais afetadas pela construção da sua ETC. A realidade é outra. Duas aldeias urbanas nas margens do Tapajós convivem diariamente com os portos e seus efeitos: Praia do Índio e Praia do Mangue. Para os Munduruku, porém, toda a população indígena do Médio Tapajós sente os efeitos do projeto, pois os impactos se espalham pela rede de parentesco que liga essas comunidades, afetando outros territórios indígenas da região, que possui 868 habitantes indígenas, de acordo com dados oficiais em 2019. Apesar disso, não houve consulta prévia, livre e informada aos povos indígenas, tanto da Hidrovias do Brasil quanto dos outros portos instalados na região, uma clara violação da Convenção 169 da Organização Internacional do Trabalho, um acordo do qual o Brasil é signatário. 

dossie 2

Por fim, outra reclamação grave dos moradores é quanto à participação dos mesmos nos espaços de diálogos com a empresa. Eles relatam que reuniões acontecem em caráter meramente formal com os impactados, onde eles não são de fato ouvidos. “Ouvir a população é só com audiência pública de carta marcada. Na verdade, da população eles só querem a assinatura na ata ali, e o projeto todo já está sendo pronto e  implementado”, explica Josenaldo Luna de Castro, membro do Conselho Gestor de Fiscalização dos Empreendimentos e Investimentos no Distrito de Miritituba (CONGEFIMI). O conselho foi criado em 2018 para ser uma ferramenta de monitoramento da atuação de empresas como a Hidrovias do Brasil na região. 

Enquanto viola os direitos da população local e comunidades tradicionais, a Hidrovias do Brasil, com o sucesso de seus investimentos na Amazônia, completou em 2020 uma oferta pública inicial (IPO) de ações, arrecadando 600 milhões de dólares. Conforme reportagem publicada pelo site Mongabay, em novembro do ano passado, em um prospecto fornecido no seu IPO, a Hidrovias do Brasil descreveu seu porto de Itaituba, que não teve consulta dos Munduruku, como um ativo chave da empresa. A empresa também advertiu aos investidores que as regulamentações ambientais poderiam restringir severamente sua capacidade de fazer negócios e que suas operações logísticas poderiam “resultar em danos ao meio ambiente e a comunidades indígenas e quilombolas, cuja extensão e custos de reparação não são possíveis de estimar”.

Política ambiental brasileira causa exclusão da Cargill, Bunge e ADM de fundos do Danske Bank

pantanal-queimada

Responsável por € 237 bilhões ( cerca de R$1,5 trilhão), o Danske Bank excluiu de dois de seus fundos as gigantes Cargill, Bunge e ADM, que operam no comércio de commodities agrícolas, em especial soja. A causa é o acelerado desmatamento de áreas florestadas na Amazônia, no Cerrado e no Pantanal.

“Apesar dos compromissos das empresas [com políticas de proteção ambiental], a taxa anual de desmatamento das florestas tropicais da Amazônia continua em um ritmo alarmante”, afirmou Erik Eliasson, o diretor de investimento sustentável do Danske Bank, ao jornal Folha de S.Paulo.

A decisão foi baseada em dados de iniciativas de monitoramento de cadeias de commodities feitos pela ONG americana Mighty Earth, da pesquisa Chain Reaction, da iniciativa Trase. Os estudos estão em curso desde 2018 e apontam que  mais de 36 mil alertas de incêndio foram registrados nas proximidades dos silos da Cargill, Bunge e ADM em 2020 no Brasil. Dados do Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais (Inpe) – que são rechaçados pelo governo – apontam que em novembro de 2020 o desmatamento atingiu seu nível mais alto desde 2008.

“Até que haja uma agenda política mais forte e planos de ação e compromissos concretos para proteger as florestas tropicais, as empresas que compram na região provavelmente estarão expostas e contribuindo para o desmatamento das florestas, independentemente de quão fortes práticas de manejo possam ter. Por sua vez, essas empresas podem ser afetadas por graves riscos de reputação e diminuição da demanda do consumidor”, concluiu Eliasson à Folha.

Cargill, ADM e Bunge alegaram respeitar a lei, que adotam voluntariamente a moratória da soja, que tenta conter o cultivo em áreas desmatadas recentemente, além de se valerem de políticas de monitoramento da cadeia e transparência. Com atuação em mais de 70 países, as três empresas somaram faturamento bruto conjunto de quase US$ 220 bilhões em 2019.

fecho

Este artigo foi inicialmente publicado pelo site especializado “Money Report” [Aqui!].