Planos de empresas de alimentos para meta climática de 1,5°C ficam aquém do necessário, dizem ativistas

Grandes produtores de soja e carne bovina acusados ​​de não cumprir promessas de parar o desmatamento

grazing burning

O gado pasta perto de uma área queimada da floresta amazônica perto de Novo Progresso, estado do Pará, Brasil. Fotografia: João Laet/AFP/Getty

Por Patrick Greenfield para o “The Guardian”

As maiores empresas de alimentos do mundo, cujos produtos estão ligados à destruição generalizada de florestas tropicais, não conseguiram criar uma estratégia adequada para alinhar suas práticas de negócios com a meta climática de 1,5°C, de acordo com ativistas.

Os principais produtores de soja, óleo de palma, cacau e gado publicaram seu roteiro para se alinhar com 1,5°C no início desta semana, prometendo desenvolver e publicar metas específicas de commodities e com prazo determinado para interromper o desmatamento, que serão apoiadas pela ciência e verificadas a cada ano. As empresas incluem a empresa brasileira de carne bovina JBS, a empresa agrícola americana Cargill e a empresa de processamento de alimentos de Cingapura Wilmar International.

A mudança no uso da terra é o segundo maior fator de aquecimento global atrás da queima de combustíveis fósseis e a maior causa de perda de biodiversidade, enquanto deter a destruição de florestas tropicais é uma parte fundamental do combate às crises climáticas e de biodiversidade. Para cumprir o 1.5C, toda a conversão do uso da terra deve parar até 2030, com progressos significativos feitos até meados da década, segundo os cientistas .

Embora os ativistas reconheçam que algum progresso foi feito, especialmente com o óleo de palma, eles argumentam que as empresas falharam em grande parte em cumprir a ambição que prometeram em soja e carne bovina.

O desacordo entre ativistas e empresas é sobre a data em que as empresas devem parar o desmatamento. Cristiane Mazzetti, uma ativista florestal sênior do Greenpeace Brasil, disse que algumas das empresas haviam prometido eliminar o desmatamento de suas cadeias de suprimentos até 2020 e falharam.

“Não podemos permitir mais lavagem verde ou comportamento imprudente dessas empresas que lucram com a destruição de ecossistemas e apresentam mais atrasos e planos inadequados para deter e reverter a destruição que causam e que continuará a fritar o planeta”, disse ela.

A Malásia e a Indonésia, que abrigam a maior parte do setor mundial de óleo de palma, tiveram sucesso na redução do desmatamento nos últimos anos, em parte por causa de uma melhor regulamentação.

Nico Muzi, diretor-gerente do grupo ambientalista Madre Brava, disse que o plano anunciado na Cop27 representa algum progresso, mas disse que o compromisso ficou aquém do que era necessário, especialmente no setor de carnes. “Há duas omissões flagrantes: uma data limite para parar o desmatamento causado pela soja agora e a exclusão da conversão pela pecuária e expansão da soja da maior região de savana da América do Sul, o Cerrado brasileiro”, disse ela.

André Vasconcelos, da Global Canopy, disse que o plano é encorajador, pois as empresas envolvidas representaram mais de 60% das exportações de soja brasileira, 50% da carne bovina brasileira e 45% das exportações de óleo de palma da Indonésia em 2020, embora alguns dos principais produtores estejam faltando . Mas ele acrescentou que as empresas precisam ir mais longe para que o plano tenha credibilidade.

“Combater o desmatamento é essencial para ficar abaixo de 1,5°C”, disse ele. “Os comerciantes precisam ir mais longe, mais rápido. O roteiro precisa de uma postura proativa para evitar desmatamento e conversão futuros, incluindo um compromisso concreto de não investir em mais desenvolvimento de infraestrutura nas principais fronteiras de desmatamento. É preciso haver um compromisso com uma data de corte comum entre commodities que inclua todos os tipos de ecossistemas”.

Jack Hurd, diretor executivo da Tropical Forest Alliance que ajuda a supervisionar o roteiro através do Fórum Econômico Mundial, disse discordar de que não houve progresso suficiente e disse estar particularmente satisfeito com o movimento na indústria pecuária.

compass black

Este artigo escrito originalmente em inglês foi publicado pelo jornal “The Guardian” [Aqui!].

Bancos centrais do mundo estão financiando a destruição das florestas tropicais

Títulos corporativos destinados a injetar liquidez nos mercados lucraram com empresas envolvidas no desmatamento

central banks defo

Títulos corporativos comprados por bancos centrais no Reino Unido, Estados Unidos e Estados membros da UE financiaram empresas envolvidas na destruição da Amazônia, pois cientistas relatam que o desmatamento pode ter passado do ponto de inflexão. Fotografia: Michael Dantas/AFP/Getty Images

Por Andrew Downie  para o “The Guardian”

Alguns dos maiores bancos centrais do mundo estão ajudando a financiar gigantes do agronegócio envolvidos na destruição da Amazônia brasileira, de acordo com um relatório publicado na quarta-feira.

O Banco da Inglaterra, o Federal Reserve dos EUA e o Banco Central Europeu estão entre as instituições que compraram milhões de dólares em títulos emitidos por empresas ligadas ao desmatamento e à grilagem, segundo o relatório Bankrolling Destruction , publicado pelo grupo de direitos Global Testemunha.

“Como esses programas são garantidos pelos respectivos governos no Reino Unido, Estados Unidos e Estados-Membros da UE, isso significa que os contribuintes em todos esses territórios estão inadvertidamente subscrevendo empresas envolvidas na destruição da Amazônia e de outras florestas tropicais”, segundo o relatório.

Os bancos compram títulos corporativos emitidos por grandes empresas na tentativa de injetar liquidez nos mercados financeiros quando o setor privado está relutante em emprestar. Conhecidas como “programas de compra de ativos”, essas medidas visam reduzir o custo dos empréstimos para as empresas e foram amplamente utilizadas durante a pandemia como forma de fortalecer as economias.

Algumas das empresas que venderam títulos estão ligadas à destruição ambiental, diz o relatório, nomeando a Cargill, Inc., a Archer-Daniels-Midland Company (ADM) e a Bunge Ltd Financial Corp, três dos maiores conglomerados de agronegócios que operam no Brasil .

O Brasil é um dos maiores produtores ou exportadores mundiais de grãos, café, soja, frutas e outras matérias-primas, e as três empresas já enfrentaram acusações anteriores de irregularidades. O Guardian informou sobre as ligações entre a Cargill e a Bunge e uma fazenda brasileira que está ligada a abusos de direitos e terras indígenas.

Abordando as alegações do relatório da Global Witness, a Cargill disse que estava “comprometida em acabar com o desmatamento e a conversão em nossas cadeias de suprimentos agrícolas” e a Bunge afirmou que estava “comprometida em cumprir todas as regulamentações nos mercados local ou global e aderir às nossas próprias políticas socioambientais rígidas”. A ADM não respondeu aos pedidos de comentários.

Mas foram os bancos centrais que suportaram o peso das críticas. “Desde 2016, o Banco da Inglaterra também comprou uma ação não divulgada em um título corporativo de £ 150 milhões emitido pela Cargill, Inc., e o Banco Central Europeu comprou uma quantia não divulgada de dívida emitida pela Bunge Finance Europe BV”, diz o relatório. .

E apenas nos últimos dois anos “o Federal Reserve dos EUA comprou um total combinado de US$ 16 milhões em títulos emitidos pela Archer-Daniels-Midland Company (ADM) Bunge Ltd Financial Corp e Cargill, Inc.

“Tudo isso ocorre apesar das repetidas declarações públicas dos três bancos centrais enfatizando os riscos que as mudanças climáticas representam para a estabilidade financeira e o crescimento econômico de longo prazo.”

A Global Witness disse que o Federal Reserve “anulou” seu esquema de compra de títulos e o Banco da Inglaterra iniciaria o mesmo processo este mês.

O Fed disse que adotou a política como medida única em 2020 para salvar empregos durante a pandemia global e não tem planos de fazê-lo novamente.

O Banco da Inglaterra disse que tomou medidas para reduzir os custos de empréstimos para todas as empresas e destacar que o apoio dado à Cargill era “um foco extremamente estreito”.

O Banco Central Europeu, por sua vez, disse que “pretende descarbonizar gradualmente suas participações em títulos corporativos, em um caminho alinhado com os objetivos do Acordo de Paris. Para esse fim, o Eurosistema irá inclinar estas participações para emitentes com melhor desempenho climático através do reinvestimento dos resgates consideráveis ​​esperados nos próximos anos.”

No entanto, a Global Witness disse que a recusa dos bancos do Reino Unido e da UE em publicar os valores de suas participações nas empresas criou “uma falta de transparência”.

“Como supervisores do setor financeiro privado, os bancos centrais devem dar o exemplo e adotar uma política explícita de desmatamento zero como parte de sua abordagem às mudanças climáticas, incluindo o desinvestimento de todos os títulos vinculados ao desmatamento e maior escrutínio da ameaça à estabilidade financeira representada pelo desmatamento e perda de biodiversidade”, disse o relatório.

O relatório ocorre em meio à destruição contínua na região amazônica, uma vasta área que abrange partes de nove países sul-americanos diferentes e um sumidouro de carbono vital para absorver as emissões que impulsionam a crise climática.

O desmatamento sob o presidente de extrema-direita Jair Bolsonaro atingiu um recorde nos primeiros sete meses do ano, a última estatística chocante sob um presidente que fez vista grossa para os madeireiros ilegais, pecuaristas e mineradores ativos na região.

Já, 26% da Amazônia foi derrubada e algumas partes passaram do ponto de inflexão onde florestas anteriormente exuberantes se transformaram em savanas secas, de acordo com um relatório divulgado no início de setembro por cientistas e organizações indígenas.

“Acho que este relatório é uma análise muito útil que destaca a necessidade de os bancos centrais analisarem sua exposição ao desmatamento em seus portfólios”, disse Nick Robins, professor de financiamento sustentável da LSE.

“2022 é realmente o ano em que os bancos centrais reconheceram o risco da natureza como uma ameaça às instituições. O foco até agora tem sido no setor de energia, mas este é outro sinal de que o desmatamento e o uso da terra precisam ser colocados no centro dos cenários climáticos.”


compass black

Este texto escrito originalmente em inglês foi publicado pelo jornal “The Guardian” [Aqui!].

 Vínculos da Cargill e da Bunge com fazenda contestada no Brasil por violações de direitos humanos contradizem as próximas regulamentações da UE

Screen-Shot-2022-08-29-at-12.39.14-PM-645x454

Cargill e Bunge, as duas maiores comercializadoras de soja brasileira do mundo, foram recentemente vinculadas a uma fazenda contestada no Brasil, conectando as empresas a violações de direitos humanos de comunidades tradicionais. Earthsight e De Olho nos Ruralistas, duas organizações sem fins lucrativos no Reino Unido e no Brasil, descobriram recentemente que a Cargill e a Bunge estão adquirindo soja de Brasília do Sul, uma fazenda de soja de 9.785 hectares em Mato Grosso do Sul (MS) (Figura 1) que está sendo contestado atualmente.

Os dois gigantes comerciais são os maiores exportadores de soja para a União Europeia e o Reino Unido. Entre 2014 e maio de 2022, a Bunge teria exportado mais de 17 milhões de toneladas métricas (TM) de soja para a UE, com Espanha, França e Alemanha como os principais destinatários. A Cargill exportou mais de 13,7 milhões de toneladas, com os principais destinos Espanha, Holanda e Reino Unido.

Figura 1: Fazenda brasileira contestada Brasília do Sul com instalações próximas da Cargill e Bunge

Fonte : AidEnvironment, com base no INCRA, Sicarm 2022, Funai 2020. Observe que a ADM não foi mencionada na pesquisa investigativa .

A terra em disputa é supostamente roubada de uma comunidade tradicional chamada Guarani Kaiowá, os moradores originais da terra ancestral Takuara Eles foram deslocados décadas atrás. A Funai, a agência federal brasileira encarregada de proteger os direitos indígenas, reconheceu Takuara como uma terra indígena tradicional, tornando ilegal a atividade de agronegócios de acordo com a constituição do país. No entanto, nenhuma das decisões judiciais emitidas ao longo dos anos foi conclusiva, e a demarcação final da área ainda está sendo considerada . Além da grilagem, a fazenda contestada também está ligada ao assassinato do líder Guarani Kaiowá, Marcos Veron.

As descobertas são particularmente importantes por causa dos próximos regulamentos da UE, que colocarão commodities de risco florestal, como soja e gado, sob maior escrutínio por desmatamento e violações de direitos humanos. A Diretiva de Governança Corporativa Sustentável (SCG) da UE, que visa melhorar a legislação societária e a governança corporativa, está em status de proposta desde fevereiro de 2022. De acordo com essa legislação, os comerciantes de commodities, como Cargill e Bunge, estão sujeitos a due diligence obrigatória para abordar direitos humanos adversos e impactos ambientais em suas cadeias globais de valor. As questões de direitos humanos também serão cobertas pelos requisitos de due diligence do Regulamento de Desmatamento da UE proposto, que  busca para travar a desflorestação legal e ilegal e a degradação florestal resultantes do consumo e da produção da UE. Embora os requisitos da  iniciativa SCG  “vão além dos requisitos do regulamento de desmatamento, eles se aplicam em conjunto”.

A investigação da Earthsight e De Olho nos Ruralistas também ressalta a importância da implementação e controle dos estados membros da UE sobre o não cumprimento de violações de direitos humanos sob a legislação futura. Por exemplo, como atualmente estruturada, a abordagem de direitos humanos do Regulamento de Desmatamento da UE baseia-se exclusivamente nas leis dos países produtores e não exige o atendimento de declarações e convenções internacionais sobre direitos humanos e trabalhistas. A Cargill, que confirmou relação de fornecedor com a fazenda contestada, apontou o cumprimento da legislação brasileira em resposta às alegações: não há ilegalidade na produção local.”Essa resposta (“violações de direitos humanos podem ter sido encontradas, mas nosso fornecimento não é ilegal”) pode prejudicar a eficácia das próximas regulamentações. Como diz a Earthsight: “A Cargill poderia ter adotado uma política de não causar danos e cortar os laços com quaisquer fazendas envolvidas em disputas de terras não resolvidas com comunidades indígenas e outras comunidades tradicionais, em vez de se apegar a interpretações legais equivocadas e zombar de sua própria natureza humana. compromissos de direitos ”.

Pesquisas anteriores do CRR destacaram a incerteza de como a implementação e a execução das próximas iniciativas legislativas da UE se desenvolverão na prática. Por exemplo, para o Regulamento de Desmatamento da UE, existem requisitos mínimos para verificações de conformidade. Além disso, não  é obrigatória a apresentação de uma lista pública dos operadores e comerciantes que infringiram o regulamento. Essa lista forneceria um  forte incentivo  para o cumprimento, uma vez que separaria as medidas de acusação da disposição das agências nacionais de aplicação de penalidades, aumentaria a transparência e possivelmente serviria como um impedimento para as empresas não conformes.

No entanto, o  projeto alterado  do Regulamento de Desmatamento, que ainda precisa passar por várias rodadas de votação, agora incluiu explicitamente leis e padrões internacionais sobre os direitos dos povos indígenas e direitos de posse das comunidades locais, incluindo a Declaração da ONU sobre os Direitos dos Povos Indígenas , a Declaração da ONU sobre os direitos dos camponeses e outras pessoas que trabalham em áreas rurais, a Convenção 169 da Organização Internacional do Trabalho e a diretriz da OCDE sobre direitos humanos e negócios.

O caso também chama a atenção para os requisitos de rastreabilidade mais fortes sob a próxima legislação. A fazenda contestada Brasília do Sul também abastece indiretamente, por meio de intermediários, a unidade de processamento da Bunge em Dourados. Em resposta, a Bunge afirmou que “ não possui a fazenda Brasília do Sul em seu banco de dados de fornecedores ”. Essa afirmação está aberta à interpretação e também pode implicar que a Bunge não consiga rastrear a soja até a fazenda contestada por meio de uma rede de intermediários. Em 2022, a empresa informou que poderia monitorar 64% de seus volumes indiretos em regiões prioritárias. Se o Regulamento de Desmatamento da UE mantiver o requisito de geolocalização como está atualmente (de volta ao “terreno”), a origem desses suprimentos seria atestada. Empresas como a Bunge teriam que monitorar toda a sua rede de abastecimento, revelando conexões entre produção de commodities e desvios socioambientais.

O setor financeiro da UE não é afetado diretamente pelo Regulamento de Desmatamento da UE, mas, indiretamente, os financiadores provavelmente seriam afetados por riscos financeiros em suas ações, títulos e empréstimos. Esses riscos incluem riscos de valor, bem como risco de reputação. A Bunge e a Cargill recebem financiamento de instituições financeiras da UE (e do Reino Unido) que se comprometem a reportar de acordo com o Regulamento de Divulgação de Finanças Sustentáveis. Desde 2017, essas duas empresas receberam 33% de seus financiamentos identificados de bancos e investidores na Europa, dos quais dois terços são da UE-27. Do total de financiamento identificado, 44% são provenientes de linhas de crédito rotativo. Entre os 10 maiores financiadores da Bunge e Cargill, o BNP Paribas é o maior. Outros financiadores europeus no top 10 incluem Deutsche Bank, HSBC, Barclays e ING. Todos esses financiadores têm várias políticas de financiamento sustentável e podem sentir a pressão para se engajar nas alegações identificadas acima.


compass black

Este texto foi escrito originalmente em inglês e publicado pela “Chain Reaction Research” [   ].

Gigantes do agronegócio tentaram frustrar plano anti-desmatamento da UE após promessa feita na COP26

As empresas tentaram enfraquecer o projeto de lei da UE que proíbe a importação de alimentos ligada ao desmatamento oito dias depois de prometer acelerar a ação

desmatamento

O objetivo do projeto de lei da UE é proibir as importações de alimentos relacionadas ao desmatamento. Fotografia: Evaristo Sa/AFP/Getty Images

Por Arthur Neslen para o “The Guardian”

Cinco das maiores empresas de agronegócio do mundo tentaram enfraquecer um projeto de lei da UE que proíbe a importação de alimentos ligados ao desmatamento , oito dias depois de prometer acelerar seus esforços de proteção florestal na COP26, mostram documentos vistos pelo The Guardian.

As esperanças de proteção florestal aumentaram quando os CEOs de 10 empresas de alimentos com uma receita combinada de quase US$ 500 bilhões (£ 373 bilhões) prometeram “acelerar a ação em todo o setor” para eliminar o desmatamento causado por commodities quando a cúpula do clima começou em 2 de novembro.

A agricultura é responsável por um quarto das emissões mundiais de gases de efeito estufa, e as empresas prometeram um plano de reforma da cadeia de suprimentos para atrelar o aquecimento global a 1,5°C até novembro de 2022.

Mas em 10 de novembro, associações comerciais que representam cinco das empresas – ADM, Bunge, Cargill, LDC e Viterra – alertaram o chefe do acordo verde da UE, Frans Timmermans, sobre preços crescentes e escassez de alimentos se a UE prosseguisse com seu próprio plano.

O plano da Comissão Europeia, que agora está sendo considerado pelos ministros da UE, forçaria as empresas a segregar commodities como café, soja, carne bovina ou cacau, supostamente ligadas ao desmatamento, e impediria que elas entrassem no mercado da UE.

No entanto, isso é “técnica e efetivamente inviável”, de acordo com a carta da indústria obtida pelo Greenpeace Unearthed e compartilhada com o The Guardian.

A proposta da UE pode causar “grandes aumentos de preços e problemas de disponibilidade”, diz a carta, enquanto “reduz a oferta de alimentos acessíveis, aumentando os custos para agricultores e indústrias baseadas na UE e ampliando os riscos de escassez de fornecimento de material com alto teor de proteína”. .

Em vez disso, as três associações comerciais – Coceral, Fediol e Fefac – pediram um sistema de balanço de massa para monitorar e certificar “volumes sustentáveis” de commodities ao longo das cadeias de suprimentos.

Sini Eräjää, ativista de alimentos e natureza do Greenpeace UE, disse que as exigências teriam tornado a lei de desmatamento “sem sentido”.

“Por exemplo, os sistemas de balanço de massa permitem a mistura de bens que atendem aos critérios legais de sustentabilidade com aqueles que não atendem”, disse ela. “Eles conduziriam uma carruagem e cavalos no meio da proposta de due diligence da UE, através da qual poderiam seguir grandes quantidades de bens insustentáveis ​​e ilegais.”

A eurodeputada verde Anna Cavazzini disse ao Guardian: “É muito decepcionante que algumas das mesmas empresas que se comprometeram na COP26 a agir contra o desmatamento estejam [pedindo] à Comissão Europeia que diminua as ambições legislativas nesta área. A mudança real só pode acontecer se as empresas praticarem em particular o que pregam em público.”

Os signatários da carta insistem que continuam comprometidos em conter o desmatamento.

Um porta-voz da Viterra disse que a carta pretendia “criar consciência sobre possíveis desafios que podem afetar negativamente as importações para a Europa”.

A Bunge, cujo executivo Jordi Costa ocupa atualmente a presidência da Fediol, disse que a missiva “faz parte de um processo de consulta aberta que visa apoiar o desenho de uma estrutura eficaz para alcançar uma transformação sustentável”.

A ADM, que detém a vice-presidência da Fediol, disse que o problema é que a atual proposta da UE “criaria um mercado de dois níveis, um para a Europa e outro para o resto do mundo”.

A Cargill, que também está representada no conselho da Fediol, estava trabalhando com associações do setor para encontrar a maneira mais eficaz de eliminar o desmatamento de uma maneira “economicamente viável” para os agricultores, disse um porta-voz.

Uma segunda carta, em coautoria de grupos industriais, incluindo as três associações comerciais, em 3 de fevereiro, argumentou que os pequenos agricultores pobres seriam “afetados negativamente” pela nova lei.

O uso de “dados de geolocalização” para rastrear as origens das commodities seria um problema particular para os pequenos agricultores, disse a missiva à ministra francesa de transição ecológica, Barbara Pompili, que o The Guardian viu.

Grupos que representam mais de 34.000 produtores de cacau da Costa do Marfim rejeitaram essa alegação em uma carta aos ministros e deputados da UE datada de 1º de março.

A rastreabilidade digital oferece uma “oportunidade única” para abordar questões de equidade social, como respeito aos preços oficiais do cacau, o não pagamento de prêmios de sustentabilidade prometidos e repressão a intermediários da cadeia de suprimentos e cooperativas ilegais em florestas protegidas, argumentaram.

“Os players do setor que estão tentando impedir um sistema de rastreabilidade envolvendo a geolocalização das parcelas e a identificação de cada produtor, estão na realidade fazendo campanha para que nada mude”, disse a carta, vista pelo Guardian.

Bakary Traoré, diretor da Idef , uma ONG da Costa do Marfim, acrescentou que o lobby da indústria foi mais para “salvaguardar o domínio das grandes empresas no setor, do que para melhorar a vida dos pequenos proprietários”.

color compass

Este texto foi escrito inicialmente em inglês e publicado pelo jornal “The Guardian” [Aqui!].

Promessas vazias: Cargill continua fornecendo ração ligada ao desmatamento da Amazônia para fazendas do Reino Unido

A Cargill, que se comprometeu a limpar sua cadeia de suprimentos, vende ração para muitos dos bilhões de frangos que são abatidos anualmente apenas no Reino Unido

cargill soybean

Uma investigação descobriu as ligações da Cargill com a fazenda fornecedora brasileira Fazenda Conquista. Fotografia: Greenpeace Unearthed/Pedro Ladeira

Por Andrew Wasley , Lucy Jordan e Elisângela Mendonça para o “The Guardian”

A Cargill, grande fornecedor de ração animal para o Reino Unido, ainda está comprando soja e milho de uma fazenda ligada ao desmatamento na Amazônia, apesar de ter se comprometido a limpar suas cadeias de suprimentos globais.

A Cargill, uma multinacional agrícola gigante que vende ração para granjas britânicas, compra colheitas de uma fazenda que cultiva soja em terras desmatadas na Amazônia brasileira.

Uma investigação do Bureau of Investigative Journalism, Greenpeace Unearthed, Repórter Brasil e Ecostorm descobriu as ligações da Cargill com a fazenda fornecedora brasileira, Fazenda Conquista.

A fazenda na Amazônia brasileira foi responsável por oito quilômetros quadrados de desmatamento desde 2013, com vários incêndios florestais registrados em 2020. Sua negociação com a Cargill inclui o fornecimento de soja, e a fazenda assinou um acordo para entregar 5.700 toneladas de milho à empresa neste ano. Não se sabe se as culturas em questão foram cultivadas em uma parte recentemente desmatada da fazenda.

As descobertas levantam questões sobre o processo de due diligence da Cargill. A empresa se comprometeu a não comprar soja de terras desmatadas na Amazônia depois de 2008, e no ano passado se comprometeu a agir mais rapidamente para eliminar o “desmatamento impulsionado por commodities”.

Mas a Cargill também tem sido repetidamente associada ao desmatamento . Em 2020, o Bureau e o Unearthed relataram 800 quilômetros quadrados de desmatamento e 12.000 incêndios desde 2015 em terras usadas pelos fornecedores de soja da Cargill no Cerrado , outro bioma protegido no Brasil.

A empresa exporta anualmente milhares de toneladas de soja brasileira para o Reino Unido para uso em ração animal. Os ativistas disseram que as descobertas destacaram os custos ambientais ocultos da carne barata.

“As galinhas de carne são os animais mais intensivamente criados no Reino Unido, com mais de um bilhão de animais abatidos a cada ano”, disse Lindsay Duncan, gerente de campanhas da World Animal Protection UK.

“A crescente demanda por frango barato leva à crescente demanda por soja, causando desmatamento em grande escala e degradação ambiental devastadora, que destrói os habitats naturais de milhões de animais selvagens.”

Cerca de 80% de toda a soja cultivada em todo o mundo é destinada ao gado. O Reino Unido importou cerca de 3,5 milhões de toneladas de grãos de soja em 2019, com cerca de metade disso terminando em ração para frangos.

Cerca de um quarto da soja importada do Reino Unido vem do Brasil, e a grande maioria é comercializada pela Cargill.

A Cargill disse: “Estamos comprometidos em eliminar o desmatamento de nossas cadeias de suprimentos no menor tempo possível e estamos acelerando nossos esforços”. Respondendo às constatações sobre a Fazenda Conquista, o comunicado prosseguiu: “Caso o fogo tenha sido utilizado e tenha impactado a mata nativa ou confirmada alguma irregularidade, tomaremos as medidas cabíveis”.

O estado da terra em questão antes de 2013 é contestado: a administração da Fazenda Conquista disse em comunicado que a fazenda tinha permissão do órgão ambiental local para realizar uma “queima controlada” na terra porque originalmente havia sido desmatada no início dos anos 1980 .

No entanto, imagens de satélite mostram que a floresta estava crescendo desde então, e o programa de monitoramento de desmatamento do Brasil sinalizou a derrubada em 2013 como desmatamento.

A Secretaria Estadual de Meio Ambiente (Sema) confirmou que autorizou uma queima na fazenda em 2012 para limpar o pasto com algum grau de regeneração. Mas a Sema disse que nenhuma licença para desmatamento total dentro da fazenda foi autorizada e admitiu que, embora não houvesse imagens de satélite de alta resolução antes de 2019 para identificar o desmatamento em tempo real, uma análise recente sugeriu que havia desmatamento dentro da propriedade. A Sema disse que iria investigar mais.

Em uma análise independente de imagens de satélite, a ONG Aidenvironment também considerou que a terra foi desmatada. Este ano, a fazenda será incluída na lista negra da Moratória da Soja, um acordo voluntário da indústria que proíbe o comércio de soja em terras amazônicas desmatadas após 2008. O Grupo de Trabalho para a Soja, que supervisiona a moratória, disse ter identificado uma área de desmatamento que tinha sido semeado com soja na última época de plantio.

Um repórter do Bureau visitou a fazenda este ano e viu grãos de soja crescendo na terra.

A destruição da floresta amazônica tem sérias consequências para o clima, com especialistas temendo que o bioma possa cruzar em breve um “ponto de inflexão” no qual começará a mudar de floresta tropical exuberante para uma savana mais seca, liberando grandes quantidades de carbono armazenado na atmosfera.

De acordo com a agência espacial brasileira, o desmatamento na Amazônia aumentou 22% nos 12 meses até julho do ano passado.

As principais empresas de alimentos britânicas adotaram esquemas de certificação de “desmatamento zero” para enfrentar o problema, mas a soja “suja” ligada ao desmatamento continua a entrar nas cadeias de suprimentos.

color compass

Este texto foi inicialmente escrito em inglês e publicado pelo jornal “The Guardian” [Aqui! ].

Semeando conflitos: ADM, Bunge e Cargill alimentam conflitos fundiários para manter controle da soja brasileira

Nova investigação revela que grandes empresas globais de commodities alimentam conflitos fundiários e abusos de direitos humanos com o comércio de soja brasileira

sowing conflcts

Investigação da Global Witness revela que ADM, Bunge e Cargill – gigantes comerciais com um papel central no sistema agroalimentar mundial – estão ligadas a abusos de direitos humanos causados por fornecedores de soja em conflito com comunidades tradicionais no estado da Bahia.

A comunidade de fecho de pasto de Capão do Modesto, que cuida de suas terras ancestrais no Cerrado de forma sustentável há centenas de anos, acusa seguranças contratados por um grupo de grandes produtores de soja de atos de violência, destruição de bens e ameaças de morte.

Esses produtores estão movendo um processo judicial para impedir o acesso da comunidade às suas terras, suprimindo assim o exercício de direitos expressamente protegidos pelas constituições do Brasil e da Bahia.

Os abusos e litígios estão documentados em boletins de ocorrência, processos judiciais e poderosos depoimentos individuais. As relações dos produtores com as multinacionais de comércio de soja foram reveladas por meio de documentos comerciais e legais, depoimentos de representantes comerciais locais e informações divulgadas pelas próprias empresas.

O conflito é um exemplo de ‘grilagem verde’, com os fazendeiros reivindicando a área contestada como ‘reserva legal’ – área de vegetação nativa que a legislação brasileira exige que seja preservada para compensar o desmatamento provocado pela lavoura da soja.

Um dos produtores de soja em questão fez um acordo com a Archer Daniels Midland (ADM) para aumentar seu acesso aos mercados europeus por meio de auditorias da Certificação Internacional em Sustentabilidade e Carbono (ISCC) – um esquema reconhecido pela Diretiva de Energia Renovável da União Europeia.

A União Europeia importou 7 milhões de toneladas de soja brasileira no ano passado, e ADM, Bunge e Cargill foram as maiores exportadoras desse produto a partir do Brasil. Os grandes carregamentos de soja para a UE que saem das instalações dessas multinacionais na região de Capão do Modesto apresentam um claro risco de que as importações de soja da Europa estejam contaminadas pelo conflito.

Marina Comandulli, assessora de campanhas da Global Witness, disse: “Esta investigação comprova mais uma vez que os compromissos voluntários de sustentabilidade dessas grandes empresas do agronegócio não são capazes de proteger as pessoas e o planeta. A contribuição das multinacionais para esse conflito justifica claramente que a Comissão Europeia tome medidas enérgicas conforme avança com um novo projeto de legislação para responsabilizar as empresas por violações aos direitos humanos e danos ambientais em suas cadeias produtivas.”

Embora afirmem que a soja brasileira seja quase totalmente rastreável, nenhuma dessas multinacionais revela quais são seus fornecedores. Assim, o setor continua pouco transparente e sem prestar contas a ninguém. Apesar de haver políticas que supostamente comprometem essas empresas a defender os direitos humanos e fundiários em suas cadeias produtivas, a pesquisa da Global Witness revela deficiências estruturais e negligência na implementação dessas políticas.

Ao comprar soja de fazendas diretamente envolvidas nesse conflito, que se arrasta há anos, as multinacionais deixam de cumprir suas responsabilidades para com as normas internacionais relevantes, incluindo os Princípios Orientadores das Nações Unidas para Empresas e Direitos Humanos e as Diretrizes da OCDE para Empresas Multinacionais.

Recomendações
A Global Witness faz um apelo ao governo brasileiro para que priorize a concessão de títulos de terras às comunidades tradicionais, para que elas possam viver em paz.

Na ausência de proteção estatal suficiente, as multinacionais de comércio de commodities que atuam em áreas propensas a conflitos, como o Cerrado baiano, devem priorizar os direitos humanos e fundiários das comunidades em suas cadeias de suprimento de soja, oferecendo reparação dos danos sempre que eles ocorrerem.

Na ausência de ações efetivas por parte das empresas, a União Europeia deve garantir que a legislação de Governança Corporativa Sustentável prometida para 2021 exija a devida diligência obrigatória e executável de direitos humanos, fundiários e questões ambientais por parte dos atores do agronegócio e preveja penalidades suficientes para os casos de não cumprimento das obrigações de devida diligência e danos reais. A legislação específica da UE sobre commodities de risco florestal deve igualmente garantir que os mercados europeus não sejam contaminados por abusos de direitos humanos e violações de direitos fundiários comunitários.

Leia a íntegra do relatório divulgado pela Global Witness nesta terça-feira (23).

Estudo mostra que soja embutida em produtos consumidos no Reino Unido pela abordagem florestal da Cargill

cargill-645x430

Uma investigação realizada pelo Bureau of Investigative Journalism, Greenpeace Unearthed, ITV News e Daily Mirror encontrou ligações entre o desmatamento nos biomas Amazônia e Cerrado do Brasil e produtos lácteos britânicos. A trader de soja Cargill, a empresa europeia líder em nutrição animal ForFarmers e várias empresas de bens de consumo estão conectadas à cadeia de suprimentos do Grupo Scheffer, um agronegócio brasileiro com 224.000 hectares (ha) de terras aráveis. O Grupo Scheffer tem sido repetidamente vinculado a incidentes de danos ambientais em fazendas, incluindo a derrubada de faixas de vegetação do Cerrado e o uso de fogo para limpeza de terras.

A investigação revelou que fazendas do Reino Unido que fornecem leite e laticínios Saputo (proprietária da Dairy Crest com marcas de queijos bem conhecidas como Davidstow e Cathedral City Cheddar), Arla UK (parte de uma cooperativa multinacional dinamarquesa) e Cadbury UK (de propriedade da Mondelez International ) obtêm uma parte de sua ração para gado dos produtores de rações ForFarmers e Mole Valley Feeds. Esses produtores, por sua vez, compram soja brasileira exportada pela Cargill, que adquire soja do Grupo Scheffer.

A Cargill está ligada a eventos de desmatamento e incêndios em sua cadeia de suprimentos brasileira há algum tempo. Em março de 2021, a Chain Reaction Research informou que a Cargill tinha a segunda maior exposição ao risco de desmatamento no Cerrado em 2020 (depois da Bunge), totalizando 44.644 ha. Uma pesquisa anterior de CRR descobriu que a Cargill tinha um alto risco de sofrer incêndios dentro de suas zonas de compra potenciais. Como membro do Soft Commodities Forum (SCF), a Cargill e outros comerciantes se comprometeram com uma estrutura comum para relatar e monitorar o progresso na transparência e rastreabilidade de suas cadeias de suprimento de soja no Cerrado. No entanto, ainda não está claro como as promessas do SCF se relacionam com seus compromissos de excluir a conversão de toda a vegetação nativa do Cerrado e a implementação de mecanismos eficazes de não conformidade, inclusive em relação à conversão legal. Nenhum dos comerciantes incluídos na análise do CRR apoia o Manifesto do Cerrado, que prevê a suspensão do desmatamento e a perda da vegetação nativa no bioma. As políticas de desmatamento dos comerciantes podem ser insuficientes para mitigar o risco de desmatamento em suas cadeias de abastecimento.

A Arla e a Saputo apontam as suas compras de créditos de certificação para apoiar a produção de soja responsável. No entanto, os créditos adquiridos com a certificação da Mesa Redonda para a Soja Responsável (RTRS) ou do próprio esquema Triple S da Cargill não estão vinculados a suprimentos físicos. Também permitem a mistura de soja com produto de origem não certificada, o que pode estar vinculado ao desmatamento.

A Arla admitiu que “não monitora os fornecedores escolhidos por nossos proprietários agrícolas para seus negócios”. Portanto, não sabe de onde vem a soja em sua cadeia de abastecimento. Arla, Saputo e Mondelez International são empresas de bens de consumo (FMCGs) de rápido movimento. Este setor é um dos principais beneficiários dos lucros gerados na cadeia produtiva da soja. Esse padrão é muito semelhante à cadeia de lucro do óleo de palma . Na cadeia do óleo de palma, o FMCG e os setores de varejo (incluindo supermercados, serviços de alimentação e restaurantes fast-food) obtêm 66% dos lucros brutos e 52% dos lucros operacionais do óleo de palma incorporado. Essas empresas e seus financiadores enfrentam altos riscos financeiros pela não implementação e execução de políticas de desmatamento. Em particular, financiamento e risco de reputação pode custar-lhes até 30% do valor de sua empresa ou de mercado. Estabelecer a melhor política e execução de desmatamento zero da categoria, incluindo monitoramento / verificação, exigiria que essas empresas aumentassem os preços ao consumidor em menos de 2%.

A Cargill é uma empresa privada não listada, mas muitas instituições financeiras estão envolvidas no financiamento de dívidas e emissão de títulos para suas atividades de soja na América Latina. Os principais credores em seu financiamento à soja são BNP Paribas, Itaú Unibanco, JP Morgan Chase, Bank of America e Deutsche Bank. Entre os principais investidores em títulos da Cargill estão Prudential Financial (EUA), Metlife, AIG, Nationwide Mutual Insurance e Wellington Management. Vários deles adotaram políticas de desmatamento zero e têm amplos motivos para se envolver com a Cargill. Dos produtos de dívida identificados e ajustados, 27% vieram de instituições financeiras da União Europeia (UE). As instituições da UE estão cada vez mais expostas a regulamentações financeiras sustentáveis ​​(como o SFDR) e também terão que enfrentar a regulamentação da UE sobre a devida diligência na cadeia de abastecimento (2022).

compass

Este texto foi escrito originalmente em inglês e publicado pela Chain Reaction Research [Aqui!].

Incêndios são detectados em fazenda operada pela maior produtora de soja do Brasil

SLC-Picture1-645x457

Fogos ativos foram detectados na Fazenda Perdizes no dia 24 de agosto de 2021 em Porto dos Gaúchos, Mato Grosso. A propriedade pertence e é operada pela SLC Agrícola , maior produtora de soja do Brasil. A Fazenda Perdizes consiste em áreas mantidas sob a propriedade da SLC Agrícola e por meio de joint ventures com outras empresas. Os incêndios detectados recentemente caem na parte da Fazenda Perdizes que a SLC Agrícola possui. Uma análise anterior realizada pela Aidenvironment, parceira do CRR, no início da temporada de incêndios de 2021, detectou outro incêndio na propriedade da SLC Agrícola na Fazenda Palmeira. O atual incêndio na Fazenda Perdizes mostra as conexões contínuas da empresa com o desmatamento para desenvolvimento e expansão de terras agrícolas.

A Fazenda Perdizes possui uma área total de 43.123 hectares (ha), dos quais 26.295 ha consistiam de área de cultivo durante a safra de 2019/20. A Figura 1 mostra a parte da Fazenda Perdizes operada e de propriedade integral da SLC Agrícola que contém aproximadamente 5.840 ha de reserva legal. Os incêndios ativos detectados em 24 de agosto estão dentro da área de reserva legal (Figura 2). De acordo com o Código Florestal Brasileiro, essa área deve permanecer intacta e coberta com vegetação nativa.

Figura 1. Parte da Fazenda Perdizes operada e de propriedade integral da SLC Agrícola em Porto dos Gaúchos, Mato Grosso, Brasil

Nota: A área verde é Reserva Legal

Figura 2:  Incêndios detectados em 24 de agosto na Reserva Legal de uma parcela da Fazenda Perdizes operada e de propriedade integral da SLC Agrícola em Porto dos Gaúchos, Mato Grosso, Brasil

Nota: A fumaça dos fogos ativos é visível na parte central e sul da fazenda. As molduras do lado direito mostram o zoom para os incêndios e fumaça.

Fogos ativos adicionais foram detectados no dia 29 de agosto ainda na reserva legal da Fazenda Perdizes (Figura 3). Alertas de desmatamento do GLAD na mesma área sinalizaram possível desmatamento.

Figura 3. Fogos detectados em 29 de agosto na Reserva Legal de uma parcela da Fazenda Perdizes operada e de propriedade integral da SLC Agrícola em Porto dos Gaúchos, Mato Grosso, Brasil

Fonte: CRR monitora o desmatamento pelos principais desmatadores, como SLC Agricola, por meio do conjunto de dados geoespaciais internos do parceiro CRR Aidenvironment. Os analistas de ambiente identificam pontos críticos de desmatamento e rastreiam alertas de incêndio para cadeias de suprimentos de commodities com base em dados da empresa, registros públicos e conjuntos de dados de parceiros locais. Nota: A fumaça dos fogos ativos move-se para as áreas próximas da parte central e sul da fazenda.

Em março de 2021, a SLC Agrícola informou que deixará de converter novas áreas em todas as suas propriedades após a safra deste ano. O compromisso anterior da SLC Agrícola de deter o desmatamento do Cerrado em setembro de 2020 também levou à continuação do desmatamento, apesar de sua promessa de desmatamento zero. Conforme relatado pela CRR , a empresa foi a maior desmatadora no Cerrado em 2020, e seus maiores compradores incluem Cargill, Bunge e Amaggi (uma joint venture entre Louis Dreyfus, Grupo Amaggi e Zen-Noh). Todos os três têm compromissos de desmatamento zero e estão expostos ao risco de desmatamento devido às relações comerciais contínuas com a SLC Agrícola. A Cargill em particular enfrentou pressão comercial sobre seu papel no desmatamento no Brasil. Em julho de 2020, a Cargill declarou publicamente   que “o início deliberado de incêndios na Amazônia é inaceitável”. Os incêndios contínuos e o desmatamento violam os compromissos de desmatamento zero dos clientes da SLC Agrícola e de grande parte das indústrias que consomem soja.

A SLC Agrícola é financiada principalmente por investidores brasileiros e bancos com baixa pontuação em políticas ESG, de acordo com a Forests & Finance . Os grandes investidores são Odey Asset Management (US $ 49 milhões), Bradesco, Vanguard, Grupo XP e BlackRock. Grandes credores incluem Itaú Unibanco (US $ 13 milhões) e BNDES. Em 18 de junho de 2021, a SLC anunciou a parceria com o Rabobank em empréstimo de R $ 200 milhões vinculado às metas de sustentabilidade da empresa. O CRR manteve discussões com o Rabobank sobre este empréstimo. As metas e KPIs deste empréstimo para redução das emissões de carbono “referem-se à própria meta comunicada publicamente da SLC Agrícola de reduzir as emissões de carbono escopo 1 e 2 em 25 por cento em 2030, mas com um horizonte de tempo mais curto. Isso inclui o uso da terra e a mudança no uso da terra, e seguirá o GHG Protocol ”, de acordo com o Rabobank. Os dados atuais de incêndio analisados ​​nesta Rede parecem estar em conflito com as políticas de desmatamento do Rabobank , o que pode gerar engajamento.

compass

Este texto foi escrito originalmente em inglês e publicado pela Chain Reaction Research [Aqui!].

Revelada brecha que permite que os sojeiros destruam a Amazônia brasileira

Greenpeace-lonely-tree

Por  Andrew Wasley Alexandra Heal André Campos e Daniel Camargos  para o “The Bureau of Investigative Journalism”

A floresta amazônica ainda está sendo queimada para dar lugar à soja para alimentar o gado do mundo, apesar de regras supostamente duras destinadas a prevenir justamente esse desmatamento.

Uma investigação descobriu como três das maiores empresas de alimentos do mundo compraram soja de empresas cujas cadeias de abastecimento têm sido objeto de preocupações com relação ao desmatamento ilegal e incêndios florestais na Amazônia brasileira.

A Cargill, a Bunge e a Cofco adquiriram soja da chinesa Fiagril e da multinacional Aliança Agrícola do Cerrado, ambas fornecidas por um agricultor multado e sancionado várias vezes após destruir áreas de floresta tropical.

O desmatamento da Amazônia tem consequências ambientais potencialmente terríveis para o clima e a biodiversidade, com especialistas temendo que o habitat possa em breve cruzar um ponto sem volta. Pesquisas recentes sugerem que algumas peças agora emitem mais carbono do que absorvem.

O Bureau of Investigative Journalism, Unearthed e Repórter Brasil usaram imagens de satélite e registros de fiscalização para descobrir como a soja foi plantada ilegalmente em terras que haviam sido colocadas sob embargo – uma forma de proibição governamental que impede os agricultores que violaram as regras de desmatamento ou causaram outros danos ambientais pelo uso de partes de suas próprias terras.

A Fiagril e a Aliança exportaram milhões de toneladas de soja brasileira nos últimos anos para China, Arábia Saudita e Rússia, além de Espanha, Portugal, Holanda e Reino Unido. A cultura é um ingrediente chave na alimentação de aves, suínos e bovinos, especialmente para animais criados em fazendas intensivas.

Um buraco na defesa

As descobertas destacam como a chamada soja “suja” – ligada ao desmatamento ilegal da Amazônia – poderia encontrar seu caminho em cadeias de abastecimento internacionais supostamente “limpas”, apesar de mecanismos aparentemente robustos, amplamente apoiados por grupos verdes, projetados para deter a destruição da floresta tropical por soja.

Soja cultivada na Amazônia brasileira. Bruno Kelly / Greenpeace

A moratória da soja, assinada por todas as principais agroindústrias, proíbe a compra ou financiamento de soja cultivada em áreas na Amazônia que foram desmatadas depois de julho de 2008 e é amplamente creditado por reduzir drasticamente o desmatamento ligado às fazendas de soja.

Mas nossa investigação levantou preocupações sobre uma lacuna potencial no sistema de monitoramento da moratória que poderia permitir que os comerciantes continuassem comprando soja de agricultores que têm sido associados ao desmatamento ilegal.

O destino da Amazônia é objeto de intenso foco enquanto os líderes mundiais lutam para chegar a um acordo sobre como lidar com a emergência climática. O governo brasileiro disse recentemente que precisava de US $ 1 bilhão em ajuda externa para desacelerar a destruição da floresta tropical. Pesquisa publicada na revista acadêmica Nature Climate Change apontou que a área desmatada na Amazônia quase quadruplicou em 2019 – a primeira no poder do presidente Bolsonaro – em relação ao ano anterior.

Sarah Lake, do grupo de campanha Mighty Earth, disse que o caso demonstrou como as empresas não estavam investindo seriamente na limpeza de suas cadeias de abastecimento. “Os comerciantes continuam a fazer reivindicações em relação à soja sustentável e, ao mesmo tempo, fecham os olhos a fornecedores como esses que desmatam ilegalmente e colocam incêndios. E seus clientes continuam comprando deles ”, disse ela.

Ela acrescentou que o comportamento destacado pela investigação ilustrou um problema muito mais amplo. “Nosso próprio sistema de monitoramento encontrou dezenas de casos … ligados a grandes comerciantes de soja nos últimos dois anos, e quando notificamos os comerciantes sobre esses problemas, eles não fazem nada para resolvê-los.”

Fiagril disse ao Bureau que condena a atividade ilegal e está “comprometida com a aplicação legal da sustentabilidade na agricultura com nossos clientes e fornecedores”. A Aliança afirmou: “Desde sua criação, a Aliança sempre atuou em estritos termos de legalidade, observando toda a legislação brasileira e internacional, inclusive as ambientais.”

A Cargill disse ao Bureau que investigaria as questões levantadas sobre Fiagril e Aliança como resultado das revelações.

Banido, mas ainda vende soja

Em julho passado, na remota região de Marcelândia, no estado de Mato Grosso, os satélites pegaram fogo em terras ligadas a Alexandra Aparecida Perinoto, uma produtora de soja e gado. As imagens mostraram uma onda de fumaça e chamas rasgando a vegetação.

Não foi a primeira vez que a mata atlântica deste canto de Marcelândia foi dizimada. Pelo menos 15 quilômetros quadrados de floresta ligada a Perinoto foram embargados em 2019 pelo órgão regulador ambiental do Brasil, IBAMA, após terem sido desmatados. Os embargos são publicados e impostos para servir tanto como uma punição quanto como uma medida de proteção para permitir a recuperação da terra.

Um embargo à parte, emitido pelo órgão ambiental estadual de Mato Grosso em 2016, nomeia Perinoto em relação a mais desmatamentos ilegais. Usando a análise de satélite da MapBiomas , a Repórter Brasil constatou que a soja foi cultivada ilegalmente nesta terra em 2018 e 2019, apesar do embargo.

Registros públicos mostram que Perinoto foi multado em um total de R $ 12 milhões (£ 1,3 milhão) por violações das regras de proteção florestal. Ela também é alvo de uma ação civil por desmatamento ilegal.

Ela se recusou a responder às perguntas do Bureau.

Perinoto teria aparecido em uma “lista proibida” de fornecedores acusados ​​de desmatamento ilegal, divulgada para ajudar os comerciantes a evitar a compra de soja de terras desmatadas. A lista negra é compilada anualmente por um grupo de trabalho de órgãos da indústria e o Greenpeace, que foi fundamental para estabelecer a moratória em 2006.

Apesar disso, o Bureau soube que a soja cultivada por Perinoto em pelo menos uma de suas fazendas entrou nas cadeias de abastecimento de pelo menos duas grandes agroindústrias, Fiagril e Aliança, que compraram quantidades significativas de grãos do agricultor em 2019. Não é saber se esta soja veio de terras proibidas.

A Fiagril é propriedade da empresa chinesa Hunan Dakang Pasture Farming, e comercializa soja e outras safras nos mercados interno e externo. A empresa é apoiada pelo governo chinês, com um empréstimo rotativo de US $ 300 milhões de três anos aprovado em 2019. A Aliança é propriedade do conglomerado agroindustrial Sodrugestvo.

Juntas, a Fiagril e a Aliança exportaram pelo menos 2,5 milhões de toneladas de soja do Brasil desde agosto de 2015.

A Bunge comprou soja da Fiagril, e a Cargill e a Cofco compraram soja da Aliança, depois que as duas empresas foram fornecidas pela Perinoto em 2019, segundo registros apurados pelo Bureau. No caso da Bunge, os registros mostram que Perinoto vendeu soja de Marcelândia para as operações da Fiagril na cidade vizinha de Sinop em abril de 2019 e, em junho daquele ano, a Fiagril enviou soja de Sinop para a Bunge na Espanha.

A Fiagril e a Aliança, assim como os três comerciantes internacionais, são signatários do acordo de moratória . Os signatários se comprometem a não “vender, comprar e financiar soja de áreas desmatadas no bioma Amazônia após julho de 2008”.

Como os produtores de soja “sujos” limpam a sua soja

A moratória foi altamente elogiada por reduzir o desmatamento causado pela soja na Amazônia. Uma estimativa sugere que o acordo evitou cerca de 18.000 quilômetros quadrados de desmatamento em sua primeira década, uma área aproximadamente do tamanho do País de Gales.

No entanto, nossa investigação destacou uma lacuna no sistema de monitoramento da moratória. Embora a compra de soja cultivada diretamente em terras desmatadas seja proibida, a moratória permite que as empresas continuem negociando com agricultores que foram pegos derrubando ilegalmente a floresta tropical, desde que a soja se origine em outras terras agrícolas, livre de desmatamento ilegal.

Especialistas e ativistas dizem que isso deixa a porta aberta para uma possível “lavagem” ou “triangulação” da soja – onde um fazendeiro tem várias fazendas e pode tentar lavar soja “suja” vendendo em fazendas “limpas”.

Sistemas complexos de registro de terras em Mato Grosso podem facilitar ainda mais a brecha, permitindo que os agricultores dividam suas fazendas em propriedades separadas. O sistema de monitoramento da moratória costuma proibir apenas as terras onde ocorreram as violações, excluindo outras propriedades do mesmo agricultor. As decisões de compra parecem ser deixadas em grande parte para as próprias interpretações das regras pelos compradores.

Andre Nassar, presidente executivo da Abiove, a associação brasileira de comerciantes de soja, disse que cabia aos comerciantes decidir o quão conservador seria a abordagem a ser adotada na compra de soja. “[Por exemplo], você tem uma pessoa que possui uma fazenda que não está em conformidade com a moratória”, disse Nassar, “e a mesma pessoa tem outra fazenda com embargo do Ibama … [Os comerciantes podem] olhar para isso e dizer ‘isso é muito arriscado, não vou comprar deles [de jeito nenhum]. ‘ Mas essa é uma decisão individual. Isso não faz parte das regras da moratória. ”

Ele acrescentou: “A governança da moratória tem várias camadas para garantir que a soja de fazendas não conformes não entre na cadeia de abastecimento”.

“Permitir que propriedades diferentes operadas pela mesma pessoa ou grupo sigam regras diferentes abre uma brecha que os agricultores podem usar para contornar a moratória da soja”, disse Lisa Rausch, pesquisadora da Universidade de Wisconsin.

Em 2016, ela e sua colega Holly Gibbs pesquisaram agricultores em Mato Grosso e descobriram que aqueles que cultivam soja em vários lotes frequentemente forneciam aos compradores a documentação de uma única propriedade, dificultando a rastreabilidade.

Rausch enfatizou que a moratória foi uma “virada de jogo”, levando a níveis muito baixos de desmatamento para a soja – sua pesquisa descobriu que o uso da brecha era raro. No entanto, ela disse ao Bureau que a lacuna poderia ser mais significativa sob o governo de Bolsonaro. “É por isso que mensagens fortes de países consumidores e investidores sobre a importância da moratória são necessárias”, disse ela.

Pesquisa da Repórter Brasil destacou uma complexa teia de registros de terras no caso Perinoto, com terras aparentemente contíguas em Marcelândia divididas em propriedades separadas. Uma propriedade é ainda subdividida em mais de vinte parcelas de terra, registradas em nome de Alexandra Perinoto e seus três filhos.

Os nomes das propriedades também foram alterados no que o relatório sugeria ser uma estratégia deliberada destinada a esconder a origem da soja e sua conexão com áreas de cultivo com danos ambientais.

Perinoto se recusou a responder às conclusões da Repórter Brasil. Quando questionados sobre as compras da Perinoto, nem a Aliança nem a Fiagril negaram ter comprado dela.

2008 a 2020: Apesar da moratória da soja, a floresta tropical intocada foi destruída para dar lugar às plantações

A Aliança disse que foi auditada regularmente e em conformidade com todas as regulamentações e que “não há fatos ou decisões oficiais que mencionem, conectem ou de qualquer outra forma se refiram à Aliança em quaisquer violações ambientais”.

A empresa disse que lida com “inúmeros agricultores e produtores no Brasil” e “negócios fora do controle da Aliança permanecem sob a responsabilidade exclusiva de um determinado agricultor / produtor”.

A Fiagril disse que não adquire soja de áreas embargadas devido a danos ambientais. Acrescentou: “Em fevereiro de 2021, após auditoria da safra 2019/20, a Fiagril recebeu declaração oficial assinada pela Abiove e Greenpeace atestando o cumprimento integral da moratória da soja”.

O Greenpeace Brasil negou, dizendo que o processo de monitoramento dessa safra ainda não foi concluído. Ele disse ao Bureau: “As descobertas desta investigação ligando Fiagril à soja potencialmente ilegal são extremamente preocupantes e iremos nos certificar de que elas sejam totalmente investigadas e as ações apropriadas sejam tomadas.”

O Greenpeace reconheceu que o sistema da moratória “não é perfeito” e disse que estava pressionando por melhorias, incluindo “maior transparência e escrutínio adequado de fornecedores indiretos e estratégias para evitar a triangulação da soja”.

A Bunge informou que não compra soja da Aliança desde 2017 e que a Fiagril não fornecia soja de Marcelândia. “Como signatária da Moratória da Soja na Amazônia, as compras da Fiagril são auditadas por entidades independentes”, disse a empresa.

A Cargill disse que não comprou soja “diretamente” de Perinoto. Ele acrescentou: “Temos mantido firmemente a Moratória da Soja Brasileira na Amazônia desde 2006 … Vamos investigar Fiagril e Aliança do Cerrado de acordo com nosso processo de reclamação da soja.”

Cofco disse: “Realizamos auditorias internas mensais, bem como auditorias externas anuais sobre o cumprimento da Moratória por parte dos fornecedores. A auditoria de 2019 confirmou que todos os nossos fornecedores cumpriram os requisitos da Moratória na temporada passada. ”

Equipe de reportagem: Andrew Wasley e Alexandra Heal do Bureau e André Campos e Daniel Camargos da Repórter Brasil
Editor global: James Ball
Editor de investigações: Meirion Jones
Editor de produção: Frankie Goodway
Verificador de fatos: Chrissie Giles
Equipe jurídica: Stephen Shotnes (Simons Muirhead Burton)

Nosso projeto Food and Farming é parcialmente financiado pelos fundos centraisdo Bureau e parcialmente pela Hollick Family Foundation (para 2020) e The Guardian. Nenhum de nossos financiadores tem qualquer influência sobre as decisões editoriais ou resultados do Bureau.

Imagem do cabeçalho: Terra desmatada para uma plantação de soja na Amazônia. Crédito: Greenpeace / Rodrigo Baléia

fecho

Esta reportagem foi inicialmente escrito em inglês e publicado pelo “The Bureau of Investigative Journalism” [Aqui!].

Cicatrizes da monocultura: Em Rondônia, trabalhadores da soja relatam lesões e abusos em contratada da Cargill

Pelo menos 6 funcionários da Bertolini Ltda, empresa que transporta os grãos da Cargill pelo rio Madeira (RO), relatam problemas de saúde como dedos amputados e perda de visão por conta de acidentes trabalhistas; empresa nega violar legislação trabalhista

pasted image 0

Por Daniel Camargos, de Porto Velho (RO). Fotos: Fernando Martinho | para a Repórter Brasil

Dedos amputados, perda de visão e cirurgias na coluna são algumas das cicatrizes deixadas pela crescente produção de soja no Brasil. Apenas o transporte do grão da Cargill — um dos maiores conglomerados do agronegócio mundial — pelo rio Madeira, em Rondônia, deixa um legado de trabalhadores com lesões graves decorrentes de acidentes trabalhistas e de violações de normas de segurança.

Repórter Brasil ouviu seis funcionários e ex-funcionários da Transportes Bertolini Ltda (TBL), empresa contratada pela Cargill para fazer o transporte da soja pelo rio, que sofreram graves acidentes trabalhistas, na maior parte das vezes após jornadas irregulares de mais de 30 horas sem descanso. Além dos problemas de saúde, os trabalhadores se queixam da exposição à poeira repleta de agrotóxicos do grão e da omissão da empresa. Três deles só conseguiram indenizações após entrarem com ações na Justiça.

Cicatriz da cirurgia de hérnia de disco de James Vasconcelos; mesmo depois da operação, ele segue trabalhando em serviços que exigem esforço da coluna. ‘Se continuar fazendo isso, o problema pode se agravar e até me deixar numa cadeira de rodas’ (Foto: Fernando Martinho/Repórter Brasil)

Célio Albuquerque, 56 anos, trabalhava como marinheiro em dois portos de soja movimentando cabos de aço. Ele conta que, após 19 horas seguidas de trabalho, um cabo soltou e atingiu sua cabeça. “Rasgou meu capacete, quebrou meu nariz e acertou meu olho”.

Albuquerque era integrante da Comissão Interna de Prevenção de Acidentes (Cipa) e seis meses antes do acidente enviou para a empresa um relatório, com fotos, mostrando que a estrutura que sustentava o cabo estava avariada. Após o acidente, ele relata ter escutado dos responsáveis da TBL e da Cargill que receberia assistência médica. “As duas pularam fora e consegui fazer a cirurgia só depois de uma liminar determinando que as empresas pagassem, mas acabei perdendo a visão do olho direito”.  

Sem condições de voltar ao trabalho, Albuquerque entrou com um pedido de rescisão indireta, alegando na ação outras violações, como o excesso de jornada de trabalho, pois diz que durante a  jornada de 48 horas não tinha o tempo adequado para descanso. Já se passaram cinco anos e ele nunca recebeu qualquer tipo de reparação por parte da TBL. Nesse período, Albuquerque passou a tratar um câncer no intestino e viu uma filha morrer. “Eu acredito que esse meu sofrimento com a empresa e com a Justiça acelerou o problema [de saúde] que ela tinha”, entende o marinheiro, que também vê ligação entre a dor psicológica e o câncer. “Afetou demais meu estado emocional”.

‘É desumano. Pensar que são empresas no patamar dessas duas [TBL e Cargill]. Olha, escravidão não é só chicote’ Francisco Nascimento Barros, ex-funcionário da TBL

Sem receber as verbas trabalhistas e sem poder trabalhar por causa do câncer, que está em estado avançado e já atingiu o fígado, Albuquerque diz também que ficou quatro meses sem receber o auxílio-doença do INSS. Somente depois de a Repórter Brasil pedir explicação sobre os motivos da suspensão para o órgão é que o pagamento voltou a ser feito. “Você trabalha, se esforça a vida toda e quando precisa é abandonado”, reclama. 

Duas hastes e cinco pinos na coluna

O também marinheiro James Vasconcelos segue trabalhando na TBL mesmo depois de uma cirurgia na coluna devido a uma hérnia de disco. Ele diz que a recomendação médica é para que ele evite carregar peso, mas o funcionário segue movimentando os cabos que prendem as balsas de soja, o que exige esforço de todo o corpo. 

“Se continuar fazendo isso, o problema pode se agravar, levar novamente a uma hérnia ou me deixar numa cadeira de rodas”. Antes da cirurgia, a dor era tanta que o marinheiro não conseguia andar. “Depois da cirurgia, fiquei afastado por seis meses e voltei para a mesma função”. Ele teme pedir demissão e não ter condições de saúde para trabalhar em outra empresa. “E se um dia eu não aguentar mais trabalhar? Tenho duas hastes e cinco pinos na coluna”.

Célio Albuquerque perdeu a visão do olho direito após um acidente com um cabo de aço enquanto carregava uma balsa de soja (Foto: Fernando Martinho/Repórter Brasil)

Vasconcelos diz que a recomendação médica é para que ele evite carregar peso, mas ele segue movimentando os cabos que prendem as balsas de soja, o que exige esforço de todo o corpo, inclusive da coluna. “Se continuar nisso, o problema pode se agravar e até  me deixar numa cadeira de rodas”. Trabalhando na TBL há 17 anos, ele relata que é comum ocorrerem desvios de função e longas jornadas de trabalho que não respeitam o período de descanso. “Já passei 48h em cima do píer trabalhando o tempo todo”. 

“Eles [os funcionários] sofrem problemas físicos, psicológicos e até mesmo na convivência familiar. São problemas enormes, sem precedentes. Não tem como mensurar”, afirma a advogada trabalhista Caroline França Ferreira Batista, que representa funcionários e ex-funcionários da TBL.

Acidente com nove mortos

Não é a primeira vez que a TBL foi alvo de denúncias de desrespeito às normas trabalhistas. Em novembro do ano passado, a empresa foi condenada pela Justiça a pagar R$ 10 milhões por dano moral coletivo por conta de um acidente em 2017, que deixou  9 mortos. Além da multa, a Justiça determinou que a empresa deve instruir os empregados quanto às precauções para evitar acidentes de trabalho.

“A cadeia da soja é de alto risco e com grande número de acidentes de trabalho”, afirma a procuradora chefe do MPT em Rondônia e no Acre, Camilla Holanda. Um ano depois do acidente, o órgão apertou o cerco e realizou duas forças-tarefa fiscalizando os portos da região Norte. Foram encontradas mais de 100 infrações trabalhistas, que atingiram 14 das 17 empresas que atuam no rio Madeira, sendo a TBL uma delas.

Além de exportar soja, a Cargill produz óleo de cozinha, maionese e molhos em marcas próprias como Liza, Maria, Pomarola, Elefante e Veleiro (Foto: Fernando Martinho/Repórter Brasil)

Procurada, a Transportes Bertolini Ltda (TBL) afirmou, por meio de seu gerente jurídico, Fernando Parisotto, que o ambiente de trabalho da empresa “é absolutamente seguro e que são respeitadas rigorosamente todas as normas de medicina e segurança no trabalho, bem como todos os riscos são controlados”. 

Sobre Albuquerque, a empresa  afirmou que o funcionário não teve seus pedidos atendidos pela Justiça trabalhista e que ação ingressada pelo MPT apontando acúmulo de atividades e jornada exaustiva foi considerada improcedente. Com relação à Vasconcelos, Parisotto respondeu que as atividades executadas no ambiente de trabalho são “compatíveis com as condições físicas e psicológicas de cada empregado”. Disse também que Vasconcelos é marinheiro, mas que executa “atividades burocráticas compatíveis com a recomendação médica”.

A Cargill, contratante da TBL, afirmou que eles não são funcionários da empresa e que “realiza monitoramento constante, avaliando todos os fornecedores”. Leia as respostas na íntegra.

Jornada de 48h sem descanso

O comandante da embarcação Simeão Furtado Passos faz relato semelhante. “Peguei três hérnias de disco trabalhando lá”, conta o ex-funcionário da TBL. A escala de trabalho era de 48h por 48h e Passos afirma que não havia como descansar. “Os camarotes não tinham nem ar condicionado e nem ventilador. Mais de 40 graus”, lembra.  Passos diz que chegou a reivindicar melhorias nos alojamentos, pois era comandante, mas ouviu como resposta do gerente que não era possível. 

Aposentado por invalidez, Marcelo Dias sente dores no joelho e na coluna; e também sofreu alergias com a poeira do agrotóxico da soja (Foto: Fernando Martinho/Repórter Brasil)

Outro comandante, também ex-funcionário, Francisco Nascimento Barros, classifica a cabine em que trabalhava como insalubre. “É desumano. Escravidão não é só chicote”. Durante a jornada de 48h, Barros relata que precisava estar disponível o tempo todo. 

Além do descumprimento de leis trabalhistas, os trabalhadores da soja no porto são pressionados pela crescente produção do grão nos últimos anos, que em 2021 deve ter alta de 8,5% em relação à safra de 2020, segundo o IBGE. As exportações também seguem em alta, sendo a Cargill a principal exportadora do grão brasileiro.

‘Tenho sequelas para o resto da vida e me arrependo muito de não ter saído do emprego, pois hoje eu estaria inteiro’, Marcelo Inácio Dias, ex-funcionário da TBL aposentado por invalidez

Os portos do rio Madeira transportam, além da soja plantada em Rondônia, parte dos grãos produzidos no Mato Grosso, que cruzam o Amazonas e o Pará por via fluvial até chegar ao Atlântico, para o mercado internacional. 

Quem navega nos rios da região Norte já se habituou a cruzar com as embarcações puxando filas de balsas de soja. Quase 20% da soja produzida no Brasil corre pelos rios da Amazônia. Levantamento do Diálogo Chino mostra que há 100 portos fluviais industriais privados na Amazônia e que estão em andamento projetos de outros 40, com investimentos de centenas de milhões de dólares, em locais de ecossistema sensíveis.  

A balança comercial das exportações brasileiras do agronegócio somou US$ 100,81 bilhões em 2020, um crescimento de 4% na comparação com 2019. A soja foi o setor que mais contribuiu, com US$ 35,2 bilhões. O setor está imune à crise econômica brasileira agravada pela pandemia. “Plantar em real para colher em dólar”, como costumam dizer os sojeiros. 

José Ulhôa toma vários medicamentos para suportar as dores crônicas; ele ficou com os dedos da mão deformados pelo trabalho no carregamento da soja (Foto: Fernando Martinho/Repórter Brasil)

O marinheiro José Cláudio Manoel Uchôa, que está afastado do trabalho na TBL há 3 anos por problemas de saúde, afirma que os trabalhadores costumam ser contemplados na primeira instância judiciária, mas perdem na segunda. 

“Eles [Cargill e TBL] têm um corpo jurídico muito grande e, Deus me perdoe, mas devem ter influência dentro dos tribunais”, afirma, enquanto mostra os dois dedos da mão deformados pelo trabalho. Ele sente dores recorrentes na coluna e teve que fazer uma cirurgia no joelho. “Escorreguei na embarcação e rompi o menisco e o ligamento do joelho”. Quando começou a trabalhar na TBL, Uchôa afirma que não tinha nenhum problema de saúde. “Agora eu não durmo direito, não tenho sono, fico zanzando pelo meio da casa”, diz. Em casa, um pote preto está lotado de remédios, que ele toma várias vezes ao dia para suportar as dores.

“Tenho sequelas para o resto da vida e me arrependo de não ter saído do emprego, pois hoje eu estaria inteiro”, afirma Marcelo Inácio Dias, ex-funcionário da TBL, aposentado por invalidez. Ele ficou com problemas na coluna mesmo após uma cirurgia, sente dores crônicas no ombro, no joelho e ficou com um dedo da mão imobilizado por causa de um acidente movimentando as balsas. Teve problemas também por conta dos agrotóxicos aplicados aos grãos: “Tem veneno demais. Passei muito tempo com coceira no corpo”. 

Dias lamenta que a TBL e a Cargill não paguem os direitos trabalhistas devidos e que os funcionários precisem pedir judicialmente. “Para eles é pouquinho, mas para a gente é muito. Precisamos desse dinheiro para tentar recomeçar a vida e seguir em frente”. 

Célio Albuquerque mostra relatórios que fez quando era integrante da Comissão Interna de Prevenção de Acidentes (Cipa). Segundo ele, as empresas ignoraram avisos sobre riscos de acidentes (Foto: Fernando Martinho/Repórter Brasil)
Simeão Passos afirma que não havia como descansar nas embarcações pois os camarotes não tinham nem nem ventilador e a temperatura chegava a mais de 40 graus (Foto: Fernando Martinho/Repórter Brasil)

Durante a jornada de 48h, os funcionários precisavam estar disponível o tempo todo, relata Francisco Nascimento Barros (Foto: Fernando Martinho/Repórter Brasil)
Remédios, especialmente para dores musculares crônicas, que Uchôa toma ao longo do dia (Foto: Fernando Martinho/Repórter Brasil)

fecho
Esta reportagem foi originalmente publicada pela Repórter Brasil [Aqui!]