Desmatamento causado por carne e soja dobrou no Brasil em um ano, diz Mighty Earth

ONG internacional inicia uma campanha para que as redes de supermercados da Europa cortem vínculos com empresas envolvidas na destruição da Amazônia e do Cerrado

me
Um monitoramento feito pela ONG Mighty Earth e divulgado nesta sexta-feira (30/04) mostra que o desmatamento atrelado à cadeia de fornecimento das principais empresas de soja e carne bovina do Brasil dobrou entre abril de 2020 e março de 2021 (260 mil hectares) ante o período anterior, entre março de 2019 e abril de 2020 (128 mil hectares).

Ao mesmo tempo, a esmagadora maioria dos consumidores de Alemanha, França, Holanda e Reino Unido acha que os supermercados não devem fazer negócios com as empresas que estão impulsionando a destruição das florestas no Brasil, revela uma nova pesquisa do Instituto YouGov realizada a pedido da ONG Mighty Earth e também divulgada hoje.

A Mighty Earth está usando essas duas informações em uma nova campanha que pede expressamente que as redes varejistas da europa parem de fazer negócios com empresas ligadas ao desmatamento no Brasil. Todos os anos, entre junho e setembro, os maiores comerciantes mundiais de soja unem forças com os maiores produtores de soja do Brasil para negociar contratos de compra para o próximo ano. A campanha tem o objetivo claro de influenciar as negociações sobre requisitos contratuais, como cláusulas que impedem a compra de soja cultivada em terras desmatadas após o prazo de 2020.

O monitoramento da Mighty Earth começou em março de 2019 e mostra que os dois maiores importadores europeus de soja, Bunge e Cargill, são os comerciantes com pior desempenho ambiental. A Cargill está ligada a mais de 66 mil hectares de desmatamento, uma área seis vezes maior do que a de Paris, enquanto a Bunge está ligada a quase 60 mil hectares de desmatamento.

Apesar desta espiral de desmatamento, houve apenas um caso em que uma das empresas citadas cortou laços com um fornecedor envolvido no desmatado, dos 235 casos registrados e reportados pelo Mighty Earth em seu monitoramento.

“A destruição das florestas no Brasil, impulsionada pela carne de supermercado, está piorando a cada ano. Isto está acelerando a mudança climática e dizimando a pátria da onça-pintada”, diz Martin Caldwell, Diretor da Mighty Earth na Alemanha.

Mercados: Alemanha e França

A pesquisa do Instituto YouGov entre os consumidores alemães indicou que 87% quer que os supermercados parem de fazer negócios com fornecedores que impulsionam o desmatamento no Brasil. Esse percentual é maior (89%) entre os clientes da EDEKA, o maior grupo de supermercados da Alemanha, com 24% de participação no mercado e mais de 4300 lojas. A empresa promove fortemente suas credenciais de sustentabilidade e estreou recentemente uma campanha publicitária sobre o tema na TV e nas redes sociais.

“Já é hora de a EDEKA ouvir seus clientes e abandonar as empresas de pior desempenho que estão provocando a destruição das florestas brasileiras – JBS, Cargill e Bunge”, afirma Caldwell. “A hora de impulsionar a mudança no Brasil é agora.”

Na França, o resultado é semelhante: 89% dos clientes do Carrefour no país querem que a rede deixe de comprar produtos com origem no desmatamento praticado no Brasil. No ano passado, o Carrefour liderou uma campanha voluntária neste setor que resultou em todos os grandes supermercados franceses se comprometendo a utilizar somente soja sem desmatamento em suas cadeias de abastecimento. Após seis meses, o Carrefour não fez nenhum progresso significativo na redução de suas ligações com os comerciantes de soja de pior desempenho Cargill e Bunge, e está falhando em conduzir mudanças reais no terreno, afirma a Mighty Earth.

Já a EDEKA assumiu fortes compromissos para remover o desmatamento em todas as suas cadeias de abastecimento, mas em seu relatório de 2019 , a empresa alemã admite que houve pouco progresso para melhorar a sustentabilidade de suas cadeias de abastecimento de carne e soja. Apesar disso, a varejista alemã, ainda não excluiu os comerciantes de soja de pior desempenho, que são a Cargill e a Bunge.

“Os consumidores estão preocupados, pois não suportam mais o gosto residual do desmatamento e a extinção de espécies ameaçadas que a carne comprada nas lojas do grupo Carrefour deixa”, afirma Fatah Sadaoui, Campaigner da ONG SumOfUs. “Em resumo, o que esperamos do Carrefour é menos conversa e mais ação.”

Em 2020, principais desmatadores estão vinculados à derrubada de mais de 110.000 hectares do Cerrado

cerrado desmatamento

O bioma Cerrado, uma vasta savana tropical biodiversa no Brasil, está sob a ameaça do desmatamento impulsionado por commodities. A expansão da soja e a pecuária são as causas diretas da perda de floresta no Cerrado. Este relatório apresenta novos dados sobre atores específicos ligados ao desmatamento do Cerrado em 2020, incluindo a exposição quantificada ao risco dos maiores comerciantes de soja, frigoríficos e varejistas. Financiadores com políticas florestais estão expostos a riscos materiais em suas carteiras.

Baixe o PDF aqui: Principais desmatadores do Cerrado vinculados à clareira de mais de 110.000 hectares

Principais conclusões

  • A expansão agrícola é o principal fator para o aumento do desmatamento no Cerrado.O aumento do desmatamento ligado à soja, gado e especulação de terras ameaça interromper os sistemas naturais de água, os padrões climáticos regionais e a produtividade agrícola de longo prazo na região.
  • O desmatamento do Cerrado em 2020 totalizou 734.010 ha, um aumento de 13,2% em relação a 2019. O desmatamento em terras privadas representou 66,7%, enquanto as terras públicas representaram 19,2%. O restante do desmatamento ocorreu em terras sem designação legal.
  • Um total de 207.813 ha de desmatamento do Cerrado em 2020 ocorreu em fazendas que já possuíam áreas de plantio de soja. A CRR estima que 28,3% do desmatamento total do Cerrado estava relacionado à expansão da soja.
  • Mais da metade do desmatamento causado pela soja no Cerrado está relacionado a produtores de soja proeminentesTerras agrícolas pertencentes a produtores locais, imobiliárias e agroindústrias, como SLC Agrícola, Nuveen e JJF Holdings e Participações, registraram 110.333 ha de desmatamento no Cerrado. A maioria dessas empresas tem relações comerciais com a Cargill, Bunge, ADM, Louis Dreyfus Company (LDC) e Cofco.
  • A indústria da carne é outro fator chave do desmatamento e da especulação imobiliária no Cerrado. Os frigoríficos JBS, Marfrig e Minerva estão altamente expostos ao desmatamento do Cerrado em suas cadeias produtivas, principalmente na região do Matopiba. Os varejistas Casino Group, Carrefour e Cencosud são os principais canais de venda de carne bovina, igualmente ligados ao desmatamento no bioma.
  • A escalada do risco de acesso ao mercado, risco de regulamentação, risco de financiamento e risco de reputação pode levar a perdas financeiras significativas para os financiadoresBNP Paribas, Santander, Rabobank, HSBC, AP2, Caisse de Dépôt, Santander, Credit Agricole, Barclays e Credit Suisse têm bilhões de dólares americanos de exposição aos principais desmatadores do Cerrado, o que está em conflito com suas próprias políticas florestais. A regulamentação da UE sobre a devida diligência da cadeia de abastecimento pode desencadear grandes desinvestimentos e / ou engajamento.

Expansão da agricultura está causando desmatamento e supressão de vegetação nativa no Cerrado

A vegetação natural do Cerrado brasileiro, a savana com maior biodiversidade do mundo , está ameaçada por altas taxas de desmatamento. sendo convertido em um ritmo rápido.Estendendo-se por mais de 200 milhões de hectares (ha), do tamanho da Alemanha, França, Inglaterra, Itália e Espanha combinados, o Cerrado é uma pastagem arborizada que fornece serviços ambientais essenciais para o mundo. Ele protege a biodiversidade, estabiliza o clima regional e regula as bacias hidrográficas que fornecem 40% da água doce do Brasil. Ele contém 5% de toda a biodiversidade do planeta, com 1.600 espécies de animais e 12.000 espécies de plantas – das quais quase a metade são encontradas apenas no Cerrado. Seus sistemas de raízes profundas atuam como um sumidouro de carbono crítico,estimado para armazenar 13,7 bilhões de toneladas de carbono no subsolo. O Cerrado também é a região agrícola mais produtiva do Brasil, o que tem resultado em desmatamentos e desmatamentos que estão desestabilizando o ecossistema.

A expansão agrícola é o principal fator para o aumento do desmatamento no Cerrado. Desde que as atividades agrícolas se expandiram na década de 1970, 50 por cento do Cerrado foi perdido para terras agrícolas e de pastagem, principalmente para gado, soja, algodão, milho e eucalipto. Apesar de seu papel crítico nos sistemas naturais da Terra, o Cerrado tem pouca proteção do Código Florestal do Brasil. Enquanto o Código Florestal exige que os proprietários privados na Amazônia preservem até 80% de suas propriedades, os proprietários são obrigados a reservar apenas 20-35% da vegetação nativa em todo o Cerrado. Contabilizando as áreas protegidas publicamente, estima-se que menos de 3 por cento do Cerrado está sob proteção legal, em comparação com 46%  da Amazônia. A proteção ambiental é ainda mais enfraquecida pela falta de fiscalização ambiental como resultado da agenda pró-negócios da administração Bolsonaro. Desde que o presidente Jair Bolsonaro foi eleito em 2018, o Ibama, órgão ambiental do Brasil, viu cortes orçamentários significativos e demissão de funcionários importantes. Apesar do aumento do desmatamento, o Ibama emitiu o menor número de multas desde 2019. As multas ambientais são um dos métodos do Ibama para fazer cumprir as leis de conservação. A redução na emissão mostra como a capacidade da agência foi afetada por cortes no orçamento.

Mecanismos voluntários e coalizões intersetoriais estão clamando pela proteção do Cerrado. 

Esses incluem:

  • Manifesto do Cerrado foi lançado em 2017 por organizações da sociedade civil para exigir que os produtores, comerciantes e varejistas de soja eliminem a conversão impulsionada pela soja na região.
  • A Declaração de Apoio (SoS) ao Manifesto do Cerrado é assinada por 160 empresas de bens de consumo e investidores, endossando os objetivos do Manifesto e se comprometendo a conter a perda florestal vinculada à produção agrícola.
  • Seis grandes comerciantes de commodities são membros do Soft Commodities Forum , que apresenta uma metodologia de relatório comum para aumentar a rastreabilidade da cadeia de suprimentos no bioma Cerrado.
  • O Consumer Goods Forum é uma rede do setor composta por mais de 400 empresas que apoiaram o Manifesto do Cerrado e estabeleceram uma Coalizão de Ação Positiva da Floresta para acelerar as cadeias de suprimentos de commodities livres de conversão.
  • De forma mais ampla, a Declaração de Amsterdã e a Declaração de Nova York sobre Florestas são compromissos multilaterais para eliminar o desmatamento da produção de commodities agrícolas, incluindo soja e carne bovina.

Apesar desses compromissos, as cadeias de suprimentos de commodities continuam vinculadas às altas taxas de desmatamento no Cerrado em 2020.

Atores específicos da soja ligados ao desmatamento do Cerrado em 2020

734.010 ha foram desmatados no Cerrado entre agosto de 2019 e julho de 2020 (datas de referência baseadas no cálculo do PRODES de taxas anualizadas), de acordo com o Programa Nacional de Monitoramento de Florestas por Satélite (PRODES) .Essa área, equivalente a 124 vezes o tamanho de Manhattan, representa um aumento de 13,2% em relação a 2019.

Figura 1: Desmatamento do Cerrado em 2020

Fonte: PRODES 2020

O desmatamento em terras privadas representou 489.602 ha, ou 66,7% do desmatamento total do Cerrado em 2020 . O principal hotspot de desmatamento foi a região do Matopiba (Figura 1), composta por municípios nos estados do Maranhão, Tocantins, Piauí e Bahia, que detém a maior parte da vegetação nativa remanescente do Cerrado. A expansão do cultivo de safras (incluindo soja) e da pecuária são os principais motores do desmatamento na região do Matopiba. Grandes agronegócios da região exportam seus produtos para mercados internacionais como China e UE. A Figura 2 mostra o contraste entre o desmatamento em terras públicas e privadas no Cerrado.

Figura 2: Desmatamento por designação de terra no bioma Cerrado em 2020

Fonte: Pesquisa de Reação em Cadeia do INPE, INCRA, Funai, Sicar

O desmatamento em terras públicas do Cerrado foi responsável por 19,2% do desmatamento total. Terras públicas que incluem assentamentos rurais, terras indígenas, unidades de conservação naturais e terras federais e estaduais foram responsáveis ​​por 141.186 ha do desmatamento total do Cerrado em 2020. Outros 96.608 ha foram desmatados em terras que estão registradas como privadas e públicas, principalmente de unidades de conservação que permitem o uso sustentável do solo. Essa questão da sobreposição das categorias de posse da terra ocorre em todo o Brasil.

Os 103.212 ha restantes ou 14 por cento do total são desmatamento em terras não designadas no bioma. São terras sem designação legal. O esclarecimento das incertezas na posse da terra pode ajudar a minimizar as taxas de desmatamento em áreas sobrepostas no Cerrado.

Principais participantes da produção de soja apresentam alto risco de desmatamento no Cerrado

O cultivo de soja é o principal fator de desmatamento nas savanas da América do Sul. O bioma Cerrado tem visto um aumento na expansão da soja nos últimos anos, causando a perda de biodiversidade, altas emissões de dióxido de carbono e interrupção dos sistemas hídricos. A produção de soja no Brasil tem aumentado constantemente nos últimos anos. Em 2018/19, o bioma Cerrado respondeu por 40% dos 123 milhões de toneladas métricas (Mt) da produção brasileira de soja.

Em 2020, um total de 207.813 ha de desmatamento ocorreu em fazendas que possuem área de plantio de soja desde 2017 . Esta área representa 28,3 por cento de todo o desmatamento do Cerrado em 2020. Este número (28,3 por cento) é uma estimativa conservadora, dado que os cálculos do desmatamento ocorreram em fazendas com plantações de soja existentes. Os dados não abrangem fazendas que começaram a plantar soja a partir de 2017.

Figura 3: Área plantada de soja no Cerrado em 2017

Fonte: Agrosatelite, INCRA

110.333 ha de desmatamento no Cerrado foram vinculados a produtores de soja de destaque. O desmatamento cai em terras de propriedade de empresas produtoras, imobiliárias e agroindústrias previamente identificadas nos relatórios do CRR . A Figura 4 mostra uma lista das 10 principais empresas e grupos produtores de soja com desmatamento do Cerrado em 2020.

Figura 4: 2020, 10 maiores desmatadores para a produção de soja no Cerrado

Fonte: Pesquisa de Reação em Cadeia, INPE, INCRA

A SLC Agrícola está vinculada ao desmatamento de 10.152 ha do Cerrado em 2020 . A SLC Agrícola é a maior produtora de soja listada no Brasil e, em 2020, uma das maiores desmatadoras da região. Em setembro de 2020, a SLC Agrícola se  comprometeu a conter o desmatamento do Cerrado e transferir a produção apenas para áreas já desmatadas. A empresa disse que esta política entrará em vigor após a conversão de 5.000 ha de vegetação de Cerrado, limite que foi ultrapassado por uma larga margem em 2020.

Os principais clientes da SLC Agrícola são Cargill Agrícola SA (27,6 por cento da receita) e Bunge Alimentos SA (17,9 por cento), de acordo com suas demonstrações financeiras do 3T 2020. Conforme relatado anteriormente pelo CRR, a derrubada da vegetação do Cerrado nas fazendas da SLC Agrícola parece estar de acordo com o Código Florestal do Brasil, mas violando os compromissos de desmatamento zero de seus clientes e de grande parte das indústrias consumidoras de soja a jusante.

Figura 5: Desmatamento da SLC Agrícola em 2020

Obs .: Esquerda: março de 2020 – 5.200 ha desmatados na Fazenda Parceiro, Formosa do Rio Preto, Bahia. À direita: maio de 2020 – 4.667 ha desmatados na Fazenda Palmeira, Tasso Fragoso, Maranhão.

Fonte: SLC Agrícola, imagens de satélite Sentinel 2

Aproximadamente 4.570 ha de desmatamento do Cerrado ocorreram em fazendas mantidas pela Nuveen em 2020. O mapa de terras agrícolas disponível ao público da gestora de ativos global lista 64 propriedades no Brasil, das quais 44 estão no Cerrado. A lista inclui soja e muitas outras culturas cultivadas em suas propriedades. Nuveen adotou uma política de desmatamento zero em 2018 que proíbe a aquisição de terras que tenham sido desmatadas com vegetação nativa. Os dados de desmatamento do Cerrado em 2020 mostram lacunas na implementação dessa política, expondo o gestor de ativos a riscos de reputação.

Os comerciantes de soja enfrentam altos riscos de desmatamento, uma vez que suas cadeias de abastecimento permanecem ligadas ao desmatamento do Cerrado em 2020 . Os maiores comerciantes de soja ADM, Bunge, Cargill, LDC e Cofco operam silos em regiões produtoras de soja do Cerrado com alta exposição ao desmatamento em 2020. A CRR identificou vários fornecedores diretos de comerciantes e relações de compra com grupos produtores de soja no Cerrado. A Figura 6 mostra os diversos níveis de exposição para os principais comerciantes e a quantidade de desmatamento direto vinculado às suas cadeias de abastecimento.

 Figura 6: Exposição ao risco de desmatamento dos principais comerciantes do Cerrado em 2020

Fonte: Pesquisa de Reação em Cadeia, INPE, INCRA. * Incluindo silos de joint venture

Como membros do Soft Commodities Forum (SCF), essas empresas se comprometeram com uma estrutura comum para relatar e monitorar o progresso de cadeias de suprimentos transparentes e rastreáveis ​​para a soja no Cerrado. No entanto, ainda não está claro como as promessas do SCF se relacionam com seus compromissos de excluir a conversão de toda a vegetação nativa do Cerrado e a implementação de mecanismos eficazes de não conformidade. Nenhum dos comerciantes incluídos na análise apóia o Manifesto do Cerrado. As políticas de desmatamento dos comerciantes podem ser insuficientes para mitigar o risco de desmatamento.

Carne e outras causas agrícolas do desmatamento

A especulação fundiária e a pecuária são outros principais motores do desmatamento do Cerrado. Muitas áreas no Cerrado são reivindicadas e depois desmatadas para dar lugar a pastagens. A área desmatada é usada como pastagem para a indústria pecuária e, anos depois, vendida a um preço mais alto aos produtores agrícolas, principalmente para a produção de soja, mas também para outras culturas como milho e algodão. A soja e seus derivados comerciais são ingredientes essenciais para a alimentação do gado, abastecendo a crescente indústria da carne no Brasil e no exterior. A insegurança fundiária no Cerrado aumenta a especulação fundiária e aumenta as taxas de conversão de terras no bioma.

Frigoríficos diretamente ligados ao desmatamento do Cerrado em 2020

A pecuária não é apenas um dos principais motores do desmatamento no bioma Amazônia, mas também contribui para a conversão do Cerrado. A JBS teve a maior exposição ao desmatamento do Cerrado em 2020 entre os três maiores frigoríficos brasileiros. JBS, Marfrig e Minerva têm a maior capacidade de abate entre um grande número de frigoríficos no Brasil. As três empresas dominam a pecuária no país e sua relação com o desmatamento do bioma Cerrado as expõe a altos riscos. Com base em uma pequena amostra de fornecedores diretos que a CRR mapeou anteriormente, houve 1.984 ha de desmatamento em propriedades que abastecem diretamente a JBS. Casos semelhantes vincularam os fornecedores da Marfrig e do Minerva a 531 ha e 328 ha de desmatamento, respectivamente. Isso se baseia em uma pequena amostra de fornecedores do Cerrado. As pegadas reais de desmatamento dos frigoríficos são muito maiores. A CRR informou recentemente que desde 2008, 20.296 ha foram desmatados na amostra da cadeia de suprimentos direta da JBS e 56.421 ha na cadeia de suprimentos indireta. Do desmatamento na cadeia de abastecimento direto da JBS, aproximadamente 71 por cento (14.783 ha) ocorreram no bioma Cerrado, em alguns casos sem as licenças ambientais exigidas. As três empresas assinaram acordos multilaterais de pecuária (G4) e Termos de Conduta Ajustada (TACs) juridicamente vinculativos. No entanto, a implementação do TAC tem lacunas e atrasos significativos e não cobre todos os estados do Cerrado. Atualmente, a maioria dos varejistas monitora seus fornecedores diretos de carne bovina, mas as fazendas indiretas apresentam alto risco de lavagem de gado e vazamento de não signatários do TAC.

Figura 7. Casos JBS, Marfrig e Minerva de desmatamento de fornecedores diretos no Cerrado em 2020

Fonte: Pesquisa de Reação em Cadeia, INPE, INCRA

Varejistas expostos ao desmatamento do Cerrado em 2020

As cadeias de abastecimento de carne do Grupo Casino, Carrefour e Cencosud estão ligadas a pelo menos 2.189 ha de desmatamento do Cerrado em 2020. Os supermercados no Brasil são um canal de distribuição crucial para a carne bovina, e 76% da carne produzida no Brasil é consumida no mercado interno. Entre as cinco maiores redes de supermercados do Brasil, Carrefour Comércio e Indústria, Grupo Pão de Açúcar (GPA) (Grupo Casino como acionista controlador) e Cencosud Brasil respondem por grande parte da carne bovina vendida no Brasil. Para este estudo, CRR rastreada a origem dos produtos amostrados carne vendida no GPA lojas , Carrefour / Atacadão   lojas , e Cencosud owned- supermercados. O estudo estabeleceu elos da cadeia de suprimentos entre supermercados e frigoríficos nos biomas Amazônia e Cerrado. Uma amostra de fornecedores diretos para os frigoríficos identificados foi determinada usando licenças de transporte de animais para calcular a exposição ao desmatamento desses varejistas no Cerrado em 2020. No monitoramento de eventos de desmatamento em 2020, a CRR identificou 1.237 ha de desmatamento do Cerrado vinculado ao Grupo Casino. Da mesma forma, uma amostra representativa de casos relacionou o Cencosud a 605 ha de desmatamento e o Carrefour a 347 ha, todos no Cerrado. Produtos de carne bovina originados de áreas de expansão agrícola ou pontos críticos de desmatamento, como a região do Matopiba (Figura 1), apresentam risco elevado de desmatamento para os varejistas.

Figura 8: Casos de desmatamento do Cerrado em 2020 vinculados às cadeias produtivas de carne do Grupo Casino, Carrefour e Cencosud

Fonte: Chain Reaction Research, Reporter Brasil, INPE, INCRA

As estratégias existentes para eliminar o desmatamento são insuficientes para atender aos compromissos das empresas

As empresas enfrentam vários riscos de negócios decorrentes da exposição contínua ao risco de desmatamento. Em janeiro de 2021, um relatório do CRR agregou riscos físicos e de transição enfrentados por empresas que não conseguem eliminar o desmatamento de suas cadeias de abastecimento. Abaixo está um resumo dos riscos que as empresas que operam no Cerrado enfrentam:

  • Os riscos físicos são mais relevantes para empresas upstream, como a SLC Agrícola. A eliminação da vegetação nativa com a expansão da soja interrompeu os sistemas de água do Brasil. O aumento das secas, o comportamento irregular do rio e as mudanças nos padrões de chuva resultaram em perdas de produtividade e podem levar a uma redução ainda maior da aptidão agrícola das fazendas na região do Cerrado.
  • Os riscos políticos e jurídicos afetam os atores intermediários e posteriores. Na UE, o segundo maior mercado para a soja brasileira, uma proposta em análise visa reduzir a pegada de desmatamento da UE por meio de medidas regulatórias e não regulatórias. Na França, a lei “Devoir de Vigilance” exige que as empresas implementem planos de due diligence que evitem os direitos humanos adversos e impactos ambientais em suas cadeias de abastecimento globais. No Reino Unido e na Alemanha , a legislação para cadeias de suprimentos de commodities livres de desmatamento também está sendo considerada. Em 2020, o Grupo Casino enfrentou riscos legais sob a lei do Dever de Vigilância da França após relatórios do CRR, Envol Vert e Mighty Earth que revelaram evidências de exposição ao risco de desmatamento.
  • O risco de acesso ao mercado tem maior impacto sobre os atores upstream e midstream. No ano passado, houve um aumento no número de empresas excluindo commodities brasileiras das cadeias de abastecimento globais. Uma carta pública de 160 signatários da Declaração de Apoio ao Manifesto do Cerrado exigia que os comerciantes de soja parassem de comprar soja de áreas no Cerrado desmatadas após 2020. Empresas europeias e varejistas franceses também ameaçaram boicotar a soja brasileira. As empresas Nestlé , VF CorpH&M e empresas norueguesas de frutos do mar tomaram medidas para excluir as commodities brasileiras de suas cadeias de abastecimento.
  • O risco de reputação afeta significativamente as empresas downstream e pode evoluir para riscos de financiamento para empresas midstream. Campanhas da sociedade civil e investigações jornalísticas têm como alvo atores de midstream, como Cargill , Carrefour e JBS . Em 2020, a Nordea Asset Management excluiu a JBS de todos os ativos que vende e relatos dizem que os analistas do HSBC “soaram alarmes” sobre os riscos de investir na JBS devido ao desmatamento em sua cadeia de suprimentos. Para as empresas downstream, a CRR concluiu que os eventos de reputação podem impactar o valor de uma empresa em 30 por cento.

Apesar do aumento dos riscos da exposição ao desmatamento, os compromissos e a implementação das principais empresas deixam lacunas que permitem que estejam continuamente vinculadas ao desmatamento.

Figura 9: Respostas variadas ao risco de desmatamento entre setores

Fonte: Chain Reaction Research, sites da empresa

Os compromissos de desmatamento dos produtores de soja têm limites e lacunas de implementação variados, resultando em ligações diretas contínuas com o desmatamento. A SLC Agrícola se   comprometeu a conter o desmatamento do Cerrado até o final de 2020, mas continuou a limpar a vegetação nativa. Da mesma forma, a política de desmatamento zero da Nuveen proíbe compras de terras agrícolas do Cerrado desmatadas de vegetação nativa a partir de maio de 2009, mas evidências de desmatamento ainda são observadas em suas propriedades. Com relação à divulgação, a SLC informa que tem como meta reduções de até 25% em suas emissões de GEE até 2030. Parece que a empresa não está no caminho para cumprir sua meta, com as emissões do Escopo 1 tendendo para cima em grande parte devido às emissões agrícolas. Nuveen realiza auditorias em suas fazendas e relatórios sobre soja certificada. No entanto, tanto a SLC Agrícola quanto a Nuveen não informam sobre o progresso no cumprimento de seus compromissos de desmatamento zero e não divulgam as ações tomadas para resolver os desvios de seus compromissos.

As políticas de sustentabilidade dos comerciantes de soja continuam abrindo espaço para o desmatamento no Cerrado. Como membros do Soft Commodities Forum (SCF), ADM, Bunge, Cargill, LDC e Cofco “se comprometeram a eliminar o desmatamento de suas cadeias de abastecimento”. No entanto, com exceção da Bunge, as políticas de desmatamento dos comerciantes não abordam o desmatamento legal no Cerrado e não têm uma data limite para o desmatamento. O compromisso da Bunge é alcançar “cadeias de valor livres de desmatamento em todo o mundo até 2025”, o que “se estende a áreas onde a conversão de vegetação nativa é legalmente permitida”. Sobre rastreabilidade, o SCF se comprometeu a desenvolver uma estrutura comum para relatar a rastreabilidade da soja, com foco inicial em 25 municípios do Cerrado. Os municípios selecionados representam 44% da vegetação nativa do Cerrado convertida em soja. Em 2020, os comerciantes relataram ter alcançado 100 por cento de rastreabilidade para fazenda para os 25 municípios. A estrutura de relatório do SCF não inclui padrões de divulgação que exigem que as empresas relatem sobre os fornecedores e se os volumes de compra estão em conformidade com as políticas de desmatamento das empresas. A maioria dos comerciantes permaneceu exposta a um aumento incêndios em suas regiões de abastecimento em 2020, com a Bunge e a Cargill tendo o maior risco. Apesar do alto risco de incêndios, os comerciantes não têm uma “política de não queima” que se aplica à sua cadeia de abastecimento de soja, apenas para o óleo de palma.

Os três principais frigoríficos monitoram as cadeias de suprimentos diretas, mas permanecem expostos à alta exposição ao risco de desmatamento em suas cadeias de suprimentos indiretas.As cadeias de abastecimento de gado são extremamente complexas, muitas vezes envolvendo várias transações na criação e produção de gado. Em média, uma única transação com um fornecedor direto inclui compras de 15 fornecedores indiretos. Em 2020, JBS e Marfrig anunciaram compromissos para monitorar suas cadeias de suprimentos indiretas, mas o progresso e a eficácia ainda precisam ser vistos. Além da conformidade dos fornecedores indiretos com as políticas, a qualidade e o cronograma das políticas dos frigoríficos também estão sob escrutínio. Por meio de Termos de Ajuste de Conduta (TACs) juridicamente vinculativos), os frigoríficos JBS, Marfrig e Minerva se comprometeram a não comprar gado de áreas desmatadas ilegalmente, terras indígenas, unidades de conservação ou áreas vinculadas ao trabalho forçado. No entanto, esses acordos são limitados aos estados amazônicos e não se estendem ao Cerrado. Sobre os prazos de compromisso, a Marfrig tem como meta o desmatamento zero em todos os biomas até 2030 (2025 para a Amazônia). Mais recentemente, a JBS se comprometeu a eliminar o desmatamento ilegal em todos os biomas brasileiros até 2030 e atingir o desmatamento zero nas cadeias de abastecimento globais até 2035. Prazos prolongados deixam as empresas expostas a um risco crescente de desmatamento. Junto com os dados apresentados neste relatório, investigações em 2020 revelaram que todos os três frigoríficos continuam vinculados ao desmatamento no Cerrado, com vários casos de desmatamento não autorizado.

As maiores redes de supermercados no Brasil têm compromissos de desmatamento variados, mas a maioria tem escopo limitado e falta divulgaçãoCarrefour e Casino são signatários do Manifesto do Cerrado, e ambos têm compromissos de desmatamento zero e sistemas de georreferenciamento para monitorar fornecedores Tier 1 e Tier 2. No entanto, a implementação da política do Carrefour e as metas de rastreabilidade se aplicam apenas a produtos de carne bovina não processados, deixando produtos de carne processados ​​ou congelados totalmente sem monitoramento. As políticas do GPA e do Cencosud que visam mitigar o risco de desmatamento são limitadas apenas para o bioma Amazônia sem ações para conter o desmatamento no Cerrado. Outros biomas, como a região do Pantanal no Brasil, também não são cobertos pela maioria das políticas de sustentabilidade. Casino e Carrefour foram recentemente associados ao desmatamento no Pantanal. Nenhum dos varejistas tem um cronograma específico para seus compromissos. O prazo de desmatamento zero do Carrefour para 2020 não foi cumprido e ainda não foi divulgada uma nova meta. Ainda não está claro como os varejistas planejam aumentar a transparência indireta da cadeia de suprimentos. Apenas o Carrefour divulga rastreabilidade de fornecedores Tier 2, mas apenas para carne bovina (não de soja) e não divulga o progresso no monitoramento de fornecedores indiretos mais distantes em sua cadeia de suprimentos.

Comerciantes de soja, frigoríficos e varejistas não divulgam como as políticas de desmatamento são atendidas em suas cadeias de abastecimentoEstruturas existentes, como a Estrutura de Commodities Sustentáveis e iniciativas recentes anunciadas pelos frigoríficos JBS e Marfrig, enfatizam a rastreabilidade e o monitoramento do fornecedor. Outras iniciativas de rastreabilidade , como a Good Growth Partnership, apontam que a rastreabilidade não é um fim em si mesma e deve ser usada para permitir o cumprimento dos compromissos das empresas. O aumento do foco na rastreabilidade ignora a divulgação necessária sobre as ações tomadas pelas empresas em todos os setores para suspender fornecedores não conformes e cumprir suas promessas de sustentabilidade.

Os investidores enfrentam riscos financeiros significativos de exposição contínua ao desmatamento

Em vários níveis, investidores e bancos estão envolvidos no financiamento dos principais desmatadores do Cerrado, expondo-os a riscos financeiros materiais.Os financiadores podem ser expostos por meio de empréstimos, obrigações, participações e serviços de subscrição. Esses instrumentos financeiros, que os conectam a proprietários de terras, agricultores, comerciantes, processadores de carne e soja, bem como varejistas de alimentos, podem levar a riscos financeiros. As perdas financeiras potenciais podem ser vinculadas ao risco de acesso ao mercado, risco operacional, risco de ativos perdidos, risco de financiamento e risco de reputação.

Em uma análise recente, a CRR concluiu que 74% da soja e do gado brasileiros são financiados por instituições financeiras locais.De 2013 a 2020, o financiamento dos setores de carne bovina e soja no Brasil totalizou US $ 100 bilhões. O financiamento total é muito maior, mas esses números são ajustados para contabilizar apenas a participação da soja e da pecuária no Brasil. De acordo com a base de dados Florestas e Finanças, os empréstimos totalizaram US $ 82 bilhões, as subscrições US $ 13 bilhões, as ações US $ 5 bilhões e os títulos US $ 1 bilhão. As instituições financeiras estrangeiras forneceram (ajustados) US $ 14,5 bilhões para o setor de carne bovina e US $ 11,2 bilhões para a indústria da soja. Santander, Rabobank, HSBC e JPMorgan Chase, todos com políticas para conter o desmatamento, estão entre os 25 maiores financiadores. políticas para conter o desmatamento estão entre os 25 maiores financiadores.

Figura 10: Total de financiamento identificado por região de origem (em milhões de dólares) – ajustado

Fonte: forestandfinance.org, a região “Europe Other” consiste principalmente no Reino Unido, Noruega e Suíça; ajustadores são aplicados para a exposição específica à carne bovina e soja brasileiras.

Muitas instituições financeiras são signatárias do Manifesto do Cerrado e têm políticas voltadas para conter o desmatamento. As instituições financeiras sediadas na UE ou que investem em empresas da UE com elos da cadeia de abastecimento com o desmatamento enfrentarão uma regulamentação muito mais rígida sobre o desmatamento.O Manifesto do Cerrado pede a suspensão do desmatamento e a perda da vegetação nativa no Cerrado. Atualmente, investidores que representam US $ 6,3 trilhões de investimentos globais assinaram a Declaração de Apoio ao Manifesto do Cerrado, que também foi assinada pelas principais empresas de produtos de consumo rápido, incluindo varejistas. Na Europa, o Regulamento de Divulgação de Finanças Sustentáveis (SFDR), que entrou em vigor em 10 de março de 2021, deve levar a uma maior transparência sobre os riscos de sustentabilidade e questões sobre o financiamento de commodities que levam a danos ambientais. Faz parte do Quadro de Finanças Sustentáveis ​​mais amplo da UE, que é apoiado por um amplo conjunto de regulamentações novas e aprimoradas que serão aplicadas em todo o bloco de 27 países. O SFDR está alinhado com o Plano de Ação de Financiamento Sustentável, que visa promover o investimento sustentável e uma nova taxonomia da UE para criar condições de concorrência equitativas em toda a UE. Com um sistema obrigatório da UE de devida diligência para cadeias de abastecimento , essas regulamentações estão inseridas em um ambiente de Acordo Verde europeu.

No grupo de fazendeiros e proprietários de terras dos principais desmatadores, a SLC Agrícola e a Nuveen são financiadas por instituições financeiras estrangeiras com políticas florestais. A JJF Holding, por sua vez, carece de transparência financeira.A SLC Agrícola tem como principais clientes a Cargill e a Bunge e seus principais negócios são a agropecuária e a agropecuária. A empresa é detida maioritariamente pela SLC Participações SA, com vários investidores europeus com políticas de desmatamento zero detendo participações minoritárias. Nos últimos anos, o Fundo de Pensão do Governo norueguês vendeu sua participação na empresa. No entanto, a APG é o sexto maior acionista externo da SLC Agrícola com uma exposição (ajustada) de US $ 12 milhões. A Forests & Finance mostra que a empresa é financiada principalmente por entidades brasileiras.

Nuveen, gestora de ativos da TIAA, é proprietária de terras no Brasil. A falta de transparência na complexa rede de investimentos da Nuveen pode colocar os investidores nos fundos da Nuveen em conflito com suas políticas de mudança climática, levando a riscos de reputação. Os credores incluem BNP Paribas, Santander, Rabobank e HSBC, e participantes de fundos agrícolas com apólices incluem AP2, Caisse de Dépôt e ABP.

A JJF Holding é uma empresa privada que carece de transparência. Nenhum empréstimo foi encontrado . O risco financeiro pode ser identificado para investidores da Bunge e financiadores da ALZ Grãos e Cargill, que mantêm relações comerciais com a JJF Holding. O corte dos laços comerciais com a JJF Holding protegeria o valor (reputação) para os financiadores desses comerciantes de soja.

Dos comerciantes de soja, ADM, Bunge, Cargill, LDC / Amaggi e Cofco são os atores mais vinculados ao desmatamento no Cerrado. Esses comerciantes são financiados por investidores internacionais. Os acionistas das entidades listadas ADM e Bunge enfrentam riscos financeiros. A exposição da Bunge no Piauí, região onde é líder dominante no mercado, totaliza 1% de seus ativos globais. Embora o risco financeiro de ativos retidos seja baixo, a Bunge enfrenta um alto risco de acesso ao mercado. Esse risco é significativo para o mercado da UE e para os FMCGs que são membros do CGF e assinaram o Manifesto do Cerrado, possivelmente afetando o valor de mercado da Bunge em mais de 20% . ADM é o quinto maior comerciante de soja na região de Matopiba, no BrasilEmbora sua exposição à área de alto risco de produção de soja do Matopiba seja limitada a 1,5 por cento, os riscos de desmatamento do Cerrado podem impactar até 30 por cento de seu valor patrimonial.

Financiadores europeus de títulos e empréstimos bancários para comerciantes de soja de propriedade privada Cargill e LDC enfrentam riscos de reputação e de regulamentação também, seguindo o SFDR. A ligação da Cargill com o desmatamento do Cerrado pode prejudicar seu relacionamento com os membros do CGF, o que pode levar a risco de 6% a 15% do faturamento da Cargill.

No grupo dos frigoríficos, JBS, Minerva e Marfrig estão mais ligados ao desmatamento do Cerrado. São financiados por investidores brasileiros e também estrangeiros.Os investidores europeus já financiaram mais de US $ 10 bilhões para os três maiores frigoríficos brasileiros. Parte de seus negócios pode estar ligada ao Cerrado. A Figura 11 consiste em números não ajustados e se baseia no financiamento de todas as empresas do grupo global. Como os investidores europeus contribuem com 24-32% do financiamento para essas três empresas, eles têm alavancagem para se engajar. Agora que o SFDR foi instalado pela UE, espera-se que o engajamento aumente. Além disso, o custo de capital para os frigoríficos pode aumentar, impactando sua avaliação. Essa avaliação também será impactada pelo risco de acesso ao mercado para JBS, Minerva e Marfrig para a Europa. Respectivamente, 1,4%, 4,6% e 1,8% das receitas globais das três empresas são geradas na Europa. A maioria dos principais financiadores europeus (Barclays, Rabobank, Santander e BNP Paribas) têm políticas de desmatamento zero para a carne bovina ou são muito expressivos (HSBC) têm políticas florestais.

Figura 11: Financiamento Identificado para JBS, Minerva e JBS e exposição a financiadores europeus (milhões de dólares)

Fonte: Chain Reaction Research, Thomson-Eikon, Bloomberg; dados de 3 de junho de 2020; nenhum ajustador foi aplicado.

No varejo de alimentos, Casino Group, Carrefour e Cencosud são líderes na distribuição de carne bovina no mercado brasileiro local. O acesso a financiadores europeus provavelmente se tornará mais difícil. Para todas as empresas, o mercado brasileiro é parte relevante de suas vendas e rentabilidade. A ligação com o desmatamento pode ter impacto sobre suas vendas em vários mercados locais (receita em risco). Além disso, o Grupo Casino e o Carrefour dependem fortemente de financiamento de instituições sediadas na UE. Gestores de ativos e bancos que se adaptam aos requisitos do SFDR da UE podem impactar o custo de financiamento e avaliações de empresas com ligações com o desmatamento no Cerrado e na Amazônia. 

Em 2020, 60% do financiamento identificado do Grupo Casino se originou de investidores europeus. Se os investidores europeus exigirem um aumento de 25 pontos-base no rendimento, as despesas extras serão iguais a 9% do lucro antes dos impostos do Grupo Casino.

Figura 12: Financiadores identificados do Grupo Casino, GPA e empresas relacionadas (milhões de dólares)

Fontes: Chain Reaction Research, Refinitiv, Bloomberg

Um impacto muito maior viria do risco de perda de valor da reputação. A escalada dos riscos, caso nenhuma ação fosse tomada, poderia ser de tamanho significativo, totalizando 83% do valor patrimonial do Grupo Casino naquela época em 2020.

Figura 13: Resumo dos impactos financeiros em vários cenários

Fonte: Chain Reaction Research

fecho

Este texto foi originalmente escrito em inglês e publicado pela Chain Reaction Research  [Aqui!].

Histórias de luta e perseverança para manter o Cerrado vivo

Conflitos fundiários, desmatamento e invasões. Este é o retrato que se esconde atrás das paisagens da savana brasileira, o segundo maior bioma da América do Sul e do Brasil

cerrado

Para retratar a cultura e as histórias dos povos e das comunidades tradicionais do Cerrado, a Rede Cerrado – organização composta por mais de 50 entidades da sociedade civil associadas, que conta com o apoio do WWF-Brasil – lança um álbum online (https://redecerrado.org.br/historiasdocerrado/) com o retrato do segundo maior bioma tanto da América do Sul como do Brasil. Trata-se de uma região com belas paisagens, mas que esconde um passado – não muito distante – repleto de tradições e um presente marcado por conflitos fundiários, invasões, desapropriações ilegais e vidas perdidas.

Apesar de sua grandeza, o Cerrado sofre com a perda da riqueza natural, com suas paisagens sendo transformadas em pastos ou lavouras, e com o avanço do desmatamento – que só no último ano foi de cerca de 13%. E o desmatamento contínuo impacta na quantidade de água produzida, armazenada e distribuída pelo bioma, levando ao desabastecimento de cidades e indústrias e ao desaparecimento de espécies nativas de árvores e animais.

Para retratar o dia a dia deste bioma tão ameaçado, a Rede Cerrado está lançando um álbum de histórias de luta e resistência sob o olhar de mulheres que vivem e amam o bioma. “A plataforma é como um retrato da riqueza natural e social do bioma. Buscamos evidenciar a diversidade dos povos e das comunidades tradicionais que lutam pela sobrevivência do Cerrado e de seus modos de vida”, declara Kátia Favilla, secretária-executiva da Rede Cerrado. O Histórias do Cerrado é um desdobramento do podcast Cerrados, lançado pelas duas organizações em junho do ano passado.

Minas Gerais – A primeira fronteira agrícola

É no Norte de Minas Gerais, nas bordas do Cerrado mineiro – uma região plana, com árvores retorcidas, onde a paisagem começa a ressecar e virar caatinga – que encontramos Célia Xacriabá, que com orgulho retrata as árvores floridas e coloridas, como o seu Ipê rosa com a legenda: “ao amanhecer, o Cerrado”. Antigamente, sua etnia habitava as margens do Rio São Francisco, mas acabou tendo que ir para áreas mais secas, sendo que em 1960 foi dada como extinta. Mas a luta de seu povo, ameaçado de perder suas terras, fez o Governo Federal reconhecer e retornar o nome dos Xacriabás à lista dos povos indígenas. Hoje, eles são considerados a etnia mais populosa de Minas Gerais. Assim como outras comunidades tradicionais do Cerrado, os Xacriabás têm sua história marcada por expulsões, desapropriações ilegais e os investimentos das empresas agrícolas.

Goiás – A medicina das plantas

Muita gente desconhece, mas o Cerrado possui uma riqueza imensurável que vem das plantas e do seu povo. Ele não só alimenta os rios que correm em várias direções, mantendo seis das oito grandes bacias hidrográficas brasileiras – mas também oferece recursos fitoterápicos com sua rica biodiversidade de folhas, raízes e cascas. A medicina popular é resultado da riqueza natural e de conhecimentos seculares, que foram passados de geração em geração. É em Goiás, na comunidade do Cedro, que encontramos as farmácias comunitárias ou caseiras e a D. Lucely Pio, quinta geração de descendentes de escravos que resiste e mantém viva as tradições de seu povo. Graças à conservação de algumas partes do bioma, D. Lucely ainda trabalha com ervas do tempo de seu tataravô. Para ela, a conservação do bioma é fundamental para a continuidade do modo de vida. Apesar de sua luta em preservar o meio ambiente, estima-se que o Cerrado goiano esteja com 90% de sua vegetação nativa alterada, resultado do desmatamento e do avanço do cultivo de monoculturas agrícolas e criação de gado.

Piauí – Terra sem Lei

Conhecida como a “última fronteira agrícola do Cerrado”, o Matopiba – formado por áreas majoritariamente de Cerrado nos estados do Maranhão, Tocantins, Piauí e Bahia – é uma das regiões mais cobiçadas pelos plantadores de soja e tradings internacionais. Localizada no Sul do Piauí, entre os municípios de Bom Jesus e Currais, vive Claudia Regina dos Santos – uma ativista que há mais de 20 anos atua na defesa dos direitos das comunidades rurais e que tem a vida marcada pelos conflitos agrários, contabilizando na sua trajetória cinco ameaças de morte. Trata-se de uma região fortemente atingida pela disseminação do cultivo da soja, desde a década de 70. E que entre 2000 a 2014 saltou de 1 milhão para 3,4 milhões de hectares, um crescimento de 253%. Ou seja, degradação da vegetação nativa do Cerrado e a transformação da paisagem em lavouras. Paralelo ao potencial de produção da região estão também as disputas por terra, falta de documentação e os conflitos socioambientais.

Mato Grosso – O rolo compressor

É no leste de Mato Grosso, na aldeia Namunkurá – na terra indígena São Marcos – que vive Tsitsina Xavante e parte do povo Xavante – autodenomidado A’uwe Uptabi, o mais populoso do estado. Uma área de 188 hectares cercada por árvores altas e escuras, e pelas nascentes das bacias Amazônica e Tocantins-Araguaia, consideradas duas das três maiores bacias hidrográficas da América do Sul. Apesar das terras indígenas serem demarcadas, isso não garante qualidade de vida e equilíbrio ambiental. Muito pelo contrário. Estamos falando da região que mais produz soja e que tem o maior rebanho de gado de corte no Brasil e, consequentemente, com altas taxas de desmatamento. As áreas do entorno começaram a ter suas águas e animais, que são a base alimentar das aldeias, contaminados pela utilização de fertilizantes e herbicidas das fazendas, além dos sistemas de pulverização que atingem, diretamente, as comunidades indígenas e as populações rurais. O índice de exposição aos agrotóxicos é sete vezes maior no Mato Grosso em comparação com o resto do país, de acordo com dados do Ministério Público do Trabalho, de 2015. A falta de recursos, a ausência de investigação científica e do interesse político são refletidas na saúde da população como nos casos de má formação congênita em bebês nas cidades mais expostas aos defensivos agrícolas.

Maranhão – As florestas de palmeiras

É na região de transição do Cerrado para a floresta Amazônica que estão as palmeiras de babaçu, também chamadas de “mãe de leite”, que há gerações garantem o sustento das comunidades rurais. É lá que encontramos as quebradeiras de coco: mulheres que carregam a centenária tradição do extrativismo sustentável do nordeste brasileiro, como Rosalva Silva – moradora da comunidade rural Palmeirândia, no interior do Cerrado maranhense. Há 90 anos, camponesas que vivem no interior do Pará, Maranhão, Piauí e Tocantins sustentam suas famílias a partir do coco babaçu. Estima-se que 300 mil mulheres estejam neste ofício, sendo a maioria do Maranhão. Mas os conflitos por terras, desde a década de 60, com o leilão de áreas públicas e depois com a chegada do agronegócio mecanizado, restringiu o espaço das famílias locais para terrenos menores e longe das florestas de babaçu, mudando a produção das comunidades tradicionais e transformando as paisagens. Mas a luta desse povo e a presença em conselhos nacionais relacionados ao meio ambiente consolidou cooperativas e ajudou a estruturar políticas públicas e a garantir leis de defesa das palmeiras. É delas que se extrai o alimento (bolo, pudim, biscoito, mingau), adubo, artesanato (casca do coco), moradia (palha para cobrir as casas e fazer paredes) e remédio (ação cicatrizante). “Por isso que a gente traz essa nova proposta de ser humano, de produção, de gerar renda e alimento saudável sob a luz da agroecologia. Tudo isso para ajudar nessa oposição que a gente faz ao Matopiba. Para continuar tendo o coco e a vida de quebradeira”, resume Rosalva.

Bahia – A grilagem e a luta pelo território

Lusineide dos Santos, moradora de Cacimbinha, cidade baiana a 130 KM do núcleo urbano de Formosa do Rio Preto, reconhecida como uma das maiores receitas agrícolas do Brasil, relata como a vida nos vales foi transformada com a chegada das grandes fazendas e os conflitos vividos antes da Justiça decidir a posse da terra da comunidade. Água escassa, erosões nas chapadas e o medo de desenvolver doenças causadas pelos agrotóxicos das lavouras vizinhas são problemas diários da comunidade. Há 40 anos empresas de commodities se instalaram na região e hoje contam com uma área forrada de lavouras, conquistadas com investimentos em maquinários e tecnologia para produção mecanizada. Porém, o crescimento do setor e das fazendas de soja tem sido uma experiência traumática para a comunidade. Irregularidades como compra de títulos forjados, invasões, violação de direitos humanos, expulsão de moradores estão entre os principais conflitos na região, deixando os moradores encurralados por lavouras de monocultura. Além destes problemas, a comunidade não conta com energia elétrica e dependem de placas solares que sempre apresentam problemas. Sem falar das estradas esburacadas – rodeadas de plantações de soja. Ou seja, uma região rica do setor agrícola e uma população extremamente pobre, vivendo no isolamento e à luz de velas.

Distrito Federal – Um polo de articulação

É no Distrito Federal, região predominante dentro do Cerrado, que Ipês e outras árvores nativas resistem florindo. Estamos falando da capital do Brasil onde pesquisadores, indígenas, quilombolas, agricultores e raizeiras se reúnem há mais de duas décadas para promover a tradição, fazer reflexões sobre políticas públicas e debater em defesa da conservação do Cerrado. Este é o foco do Encontro dos Povos. É importante lembrar que o bioma concentra oito das 12 regiões hidrográficas brasileiras que abastecem seis das oito grandes bacias hidrográficas do Brasil. Porém, o avanço da monocultura tem afetado os recursos hídricos em várias regiões, onde dezenas de comunidades presenciaram suas nascentes secarem depois da chegada de plantações de eucalipto, por exemplo. Para conter a devastação ambiental, em 2019, comunidades tradicionais apresentaram uma petição na Câmara dos Deputados para transformar o Cerrado e a Caatinga em patrimônio nacional.

Mato Grosso do Sul – A expansão da monocultura

É na simplicidade e no olhar cuidadoso que Rosane Sampaio, moradora do assentamento de reforma agrária Andalucia, reconhece “que tirar todas as plantas para fazer pasto não é o melhor”. Conhecida como Preta, ela é uma referência no conhecimento de práticas sustentáveis para comunidades rurais de Mato Grosso do Sul e líder do Centro de Produção, Pesquisa e Capacitação do Cerrado . A população que antes enxergava o mato como algo feio e que o retirava para abertura de pastos, hoje atua com agricultura familiar e conta com técnicas de extrativismo, agroindústria de beneficiamento de frutos nativos (baru, bocaiúva, laranjinha-de-pacu, jaracatiá) e castanhas, por meio de um trabalho de conscientização sobre a importância da preservação. O resultado pode ser apreciado nas geleias, polpas, mel de cumbaru, artesanatos, entre outros. Um bom exemplo que prova que não é preciso desmatar para produzir e gerar renda para a população local.

Tocantins -Experiência e coexistência

Conviver coletivamente há mais de 200 anos: é assim a história da comunidade quilombola Mumbuca. Localizada no Cerrado de Tocantins, fora do eixo das grandes metrópoles, no meio do Jalapão, que a população habita a região de maneira harmônica com o meio ambientes e suas riquezas naturais, como o oásis de águas cristalinas, em pleno clima semiárido. A distância dos centros urbanos fez com que muitas gerações ficassem sem certidão de nascimento, mas para os mumbucas o registro estava na fala. “Temos outra lógica do tempo, temos a lógica dos acontecimentos e não de calendários ocidentais”, declara Ana Mumbuca. Para ela, a matriz que orienta seu pensamento vem de lógicas africanas e indígenas, mais conectada a fatos e passagens. Os anos são identificados como “o tempo da grande chuva de granizo” ou “a época em que a lagoa Bilau secou”. E com a sabedoria ancestral, a comunidade desenvolveu sistemas agrícolas e aprendeu a manejar o solo arenoso, as chamadas Roças de Esgoto ou de Rego, de maneira integrada e equilibrada com o bioma, seja na colheita de frutos ou na criação de animais.

São Paulo – A menor porção que há

A região que habita a menor área da savana brasileira já viveu tempos bem diferentes. A capital paulista um dia foi Cerrado. Ela era um ponto de encontro de matas e campos, com várzeas dos rios Tietê e Tamanduateí, ainda na época que as terras eram dos Tupiniquins. Registros apontam que no início do século XX a região tinha 18,2% do território coberto pelo bioma e 100 anos depois menos de 1%. O Cerrado paulista era considerado como um ‘mato qualquer’ e demorou para entrar na agenda de conservação ambiental. Hoje temos apenas mini áreas fragmentadas, ilhas de vegetação frágeis – que não conseguem garantir a perpetuação das espécies endêmicas. E que, sozinhas, não permitem a continuação do ciclo de abastecimento de água. Resistentes ao tempo alguns símbolos como a Cidade da Universidade de São Paulo (USP) – com uma parte alta do terreno com espécies raras do Cerrado – e a área de reserva no bairro do Jaraguá – fechado para a população. Sem falar dos imponentes pés de Ipê, Murici e Araçá.

Paraná – A Savana mais ao Sul

Uma região bastante devastada. O Cerrado no Paraná ocupava cerca de 1% do território do estado, mas hoje estima-se que restem apenas 0,24% da área, sendo que quase a metade está dentro de unidades de conservação. A degradação do bioma é resultado do desmatamento para a agricultura, pecuária e a silvicultura, além da ausência de políticas públicas de proteção ambiental. As principais áreas remanescentes são o Parque Estadual do Cerrado, no norte do Estado, que ainda abriga lobos guarás, tamanduás bandeiras e árvores características do bioma, e a Área de Proteção Ambiental (APA) Escarpa Devoniana com uma paisagem marcante, que une os pinheiros dos campos gerais e os arbustos retorcidos do Cerrado. Outro conflito na região envolve ruralistas e ambientalistas sobre o mapeamento e a utilização da APA, além de uma mineradora que alega que a área não deve ser vista como unidade de conservação.

Sobre a Rede Cerrado

Composta por mais de 50 entidades da sociedade civil associadas, a Rede Cerrado trabalha para a promoção da sustentabilidade, em defesa da conservação do Cerrado e dos seus povos. Indiretamente, a Rede Cerrado congrega mais de 300 organizações que se identificam com a causa socioambiental do bioma.

Sobre o WWF-Brasil

O WWF-Brasil é uma organização não-governamental brasileira e sem fins lucrativos que trabalha para mudar a atual trajetória de degradação ambiental e promover um futuro em que sociedade e natureza vivam em harmonia. Criada em 1996, atua em todo Brasil e integra a Rede WWF. Apoie nosso trabalho em wwf.org.br/doe

Bancos brasileiros são os principais financiadores do desmatamento na Amazônia e no Cerrado

bb

Os setores de carne bovina e soja têm sido dois dos principais motores do desmatamento nos biomas Amazônia e Cerrado nos últimos anos. As instituições financeiras com exposição a esses setores podem estar inadvertidamente contribuindo para as mudanças climáticas e a perda de biodiversidade. Conforme as partes interessadas globais reagem a essas ameaças, as instituições financeiras podem ficar cada vez mais expostas aos riscos financeiros. Este relatório, usando dados de Florestas e Finanças , mostra quem está financiando esses dois setores.

Baixe o PDF aqui: Bancos nacionais financiam 74% da carne bovina e soja brasileira

Principais conclusões:

  • Os financiamentos fornecidos aos setores de carne bovina e soja no Brasil totalizaram US $ 100 bilhões de 2013 a abril de 2020 . De acordo com a base de dados do Forests & Finance, foram fornecidos a estes setores US $ 82 bilhões em empréstimos e US $ 13 bilhões em underwritings, bem como US $ 5 bilhões em ações e US $ 1 bilhão em títulos.
  • 74 por cento do financiamento total identificado originou-se de instituições financeiras brasileiras. Eles forneceram US $ 66,2 bilhões em empréstimos e US $ 5,4 bilhões em subscrição. Eles também detêm US $ 3,0 bilhões em ações e US $ 3,0 milhões em obrigações. O Banco do Brasil foi de longe o maior financiamento (US $ 42,4 bilhões).
  • As instituições financeiras estrangeiras contribuíram com US $ 14,5 bilhões para o setor de carne bovina e US $ 11,2 bilhões para a indústria da soja. Santander, Rabobank, HSBC e JPMorgan Chase estão entre os 25 maiores financiadores.
  • Esses quatro bancos têm políticas de desmatamento enquanto financiam empresas de soja e carne que têm sido repetidamente associadas ao desmatamento em suas cadeias de abastecimento. Sua principal exposição é para os três grandes frigoríficos do Brasil, JBS, Marfrig e Minerva, junto com o trader de soja Cargill.
  • O elemento-chave na cadeia de financiamento é o Sistema Nacional de Crédito Rural do Brasil. Gerenciado pelo Banco Central do Brasil, o sistema canalizou empréstimos para setores agrícolas, principalmente carne bovina e soja, constituindo 91 por cento de todos os empréstimos identificados nesta pesquisa. Devido a exigências legais, cerca de dois terços do financiamento vêm de depósitos em bancos brasileiros, enquanto as taxas de juros de aproximadamente 75% do crédito são subsidiadas.
  • Os investidores europeus têm influência para se engajar no desmatamento. Uma vez que o Sistema de Crédito Rural não oferece um mecanismo eficaz para promover a agricultura sustentável, uma maior atenção da UE e do BCE sobre o risco de desmatamento pode fazer com que os financiadores europeus fiquem mais alertas sobre a reputação e o risco de investimento.

Setores de carne bovina e soja são os dois principais motores do desmatamento no Brasil

Nos últimos anos, a pecuária no bioma Amazônia e o cultivo da soja em direção ao Cerrado têm sido os principais motores do desmatamento no Brasil.Como mostrou o relatório da Chain Reaction Research de agosto de 2020 sobre a cadeia de abastecimento da carne bovina brasileira, a expansão do setor (Figura 1) é impulsionada pelo aumento da demanda nos mercados de exportação em meio a mudanças políticas, legislativas e de fiscalização favoráveis. A pecuária é responsável pelo desmatamento em grande escala, estimado em 80% do desmatamento em todos os países com cobertura florestal amazônica. Outra motivação para a criação de gado é a conversão da terra subjacente, que pode ser usada para diferentes commodities. A pecuária é uma operação de baixo custo que impede que as florestas voltem a crescer.

O forte aumento na área de cultivo de soja (Figura 2) é impulsionado por seu papel como uma importante fonte de proteína de alta qualidade e facilmente digerível para a pecuária, bem como uma fonte de óleo vegetal. O farelo de soja representou cerca de 70 por cento da produção mundial de farelo de sementes oleaginosas para a indústria pecuária em 2019/20.

Dados anuais do INPE mostram que após oito anos de queda, a taxa de desmatamento na Amazônia Legal voltou a aumentar em 2013, e atingiu 11,1 mil km 2 por ano em 2020, a maior taxa anual desde 2008. No Bioma Cerrado, estimativa de desmatamento para 2019 foi de 6,5 mil km 2 .

Figura 1: Tamanho do rebanho bovino Brasil

Fonte: USDA

Figura 2: Área de cultivo de soja no Brasil

Fonte: USDA

Os setores de carne bovina e soja do Brasil receberam US$ 100 bilhões em financiamento

Em uma base regional, as instituições financeiras sul-americanas fornecem 74% do financiamento total desde 2013 que foi identificado por Forests & Finance. UE27 e América do Norte seguem com 11 por cento e 6 por cento, respectivamente. Embora o tipo de financiamento da UE27 esteja concentrado em empréstimos (81%), os bancos e investidores norte-americanos estão igualmente ativos em todas as formas categorizadas neste relatório. Financiadores do Leste Asiático e outros países europeus forneceram fundos relativamente pequenos, mas ainda consideráveis, enquanto o Leste Asiático estava mais focado no setor de soja e a Europa (ex-UE27) mais focada em carne bovina.

Figura : Financiamento total identificado por região de origem (em milhões de dólares)

Fonte: forestandfinance.org, a região “Europe Other” consiste principalmente no Reino Unido, Noruega e Suíça

Empréstimos como o tipo dominante de financiamento

Os empréstimos representaram 81 por cento do financiamento total identificado por Florestas e Finanças. A Forests & Finance identificou US $ 81,6 bilhões em empréstimos, que se destacou como a fonte de financiamento mais importante para os dois setores. Underwritings de US $ 13,2 bilhões foram a segunda maior fonte de financiamento. No entanto, envolveram mais investimentos estrangeiros devido à natureza mais internacional das emissões de ações e obrigações. As participações em ações e títulos eram relativamente pequenas.

Figura 4 : Financiamento total identificado por tipo (em milhões de dólares)

Fonte: forestandfinance.org, Empréstimos e subscrição constituem o tipo de fluxo de financiamento, enquanto as participações em ações e títulos são categorizadas como participações. 95% do financiamento é na forma de fluxos, o que representa todos os empréstimos e underwriting identificados entre 2013 e abril de 2020 em uma base cumulativa. O tipo de financiamento de holding reflete os registros mais recentes disponíveis em abril de 2020.

Figura 5 : Mapa de empréstimos e subscrição fornecidos aos setores brasileiros de carne bovina e soja pelos bancos

Fonte: forestandfinance.org, NRCS: National Rural Credit System, em USD

Figura 6 : Mapa de participação e títulos nos setores brasileiros de carne bovina e soja por investidores

Fonte: forestandfinance.org, em USD

Banco do Brasil é o maior financiador da carne bovina e soja brasileira

Os bancos brasileiros forneceram a maior parte do financiamento total para os setores de carne bovina e soja, respondendo por 81% do total. Doze dos 25 maiores financiadores listados na Figura 7 são bancos brasileiros. O Banco do Brasil, controlado pelo governo (59% de propriedade de órgãos federais do Brasil), está no topo da lista por uma margem muito ampla. O Banco do Brasil destinou US $ 42,4 bilhões aos setores de carne bovina e soja entre 2013 e abril de 2020 (42,3% do total), principalmente na forma de empréstimos, mas também por meio de subscrição, títulos e participações acionárias.

No total, os 25 maiores financiadores responderam por 90% do financiamento identificado fornecido aos dois setores, sendo US $ 60,5 bilhões para carne bovina e US $ 29,5 bilhões para soja. As instituições financeiras de fora do Brasil com exposição considerável são o Santander da Espanha com US $ 5,1 bilhões, o Rabobank da Holanda com US $ 3,0 bilhões, o HSBC do Reino Unido com US $ 2,5 bilhões e o JPMorgan Chase dos Estados Unidos com US $ 0,9 bilhão.

Figura 7 : 25 principais financiadores (em milhões de dólares)

Fonte: forestandfinance.org, visto em outubro de 2020, * John Deere Bank é o braço de financiamento de leasing da empresa de equipamentos agrícolas

Instituições estrangeiras com compromissos ambientais

Todas as instituições financeiras estrangeiras identificadas com exposição significativa têm relações de financiamento com pelo menos uma das empresas na Figura 8, que é uma seleção de empresas com ligações ao desmatamento mencionadas anteriormente por Chain Reaction Research ( JBS , Marfrig , Minerva , Cargill , Bunge ). Mesmo assim, as instituições financeiras mantiveram-se ativas no relacionamento com essas empresas, com base nos dados de financiamento mais recentes.

Figura 8 : Exposição de instituições estrangeiras selecionadas a empresas de risco florestal (em milhões de dólares)

Fonte: forestandfinance.org, (L): Empréstimos, (U): Underwriting, (S): Participação, * Sistema Nacional de Crédito Rural, o valor em dólares das exposições mostrado na tabela foi ajustado para apresentar as proporções relativas à carne bovina e soja Atividades. Os valores originais são maiores para toda a empresa.

A lista a seguir mostra as políticas ambientais das instituições financeiras listadas na Figura 8 e nas Avaliações de Políticas do Banco de Florestas e Finanças (consulte o Apêndice 1):

  • Santander: “ Desmatamento líquido zero até 2020” – Soft Commodities Compact
  • Rabobank: “ Desmatamento líquido zero até 2020” (ver fonte ) – Soft Commodities Compact
    • A política do banco foi avaliada como “Política forte do setor de risco florestal ” e obteve uma pontuação de 39 de 50 na Avaliação de Políticas do Banco de Florestas e Finanças.
  • HSBC: De acordo com o documento de Política de Commodities Agrícolas do banco nos setores de Soja, Pecuária e Rubberwood, “o HSBC não fornecerá conscientemente serviços financeiros a clientes de alto risco envolvidos diretamente ou com fornecedores envolvidos em desmatamento, ou seja: a conversão de áreas (geralmente florestas) necessárias para proteger HCVs; a conversão de florestas tropicais primárias; ou apuramento por queima. ”
    • A política do banco foi avaliada como “ Boa política do setor de risco florestal com algumas lacunas ” e obteve uma pontuação de 30 de 50 na Avaliação de Políticas do Banco de Florestas e Finanças.
  • JP Morgan Chase: “ Desmatamento líquido zero até 2020” (ver fonte ) – Soft Commodities Compact
    • A política do banco foi avaliada como “ Política do setor de risco florestal justa com lacunas ” e obteve 28 de 50 na Avaliação de Políticas do Banco de Florestas e Finanças.
  • Bank of America: De acordo com o documento da Estrutura de Política de Risco Social e Ambiental do banco sob lista proibida, “o Bank of America não se envolverá conscientemente em atividades ilegais, incluindo extração ilegal de madeira ou fogo não controlado – incluindo transações em que um cliente se envolva em extração ilegal de madeira uso do fogo para limpar terras florestais. ”

Esse grupo de financiadores, dominado por instituições financeiras europeias, fornece 14% do financiamento total para empresas brasileiras de soja e carne bovina. Eles podem enfrentar risco de reputação devido às suas políticas de desmatamento e mudanças na regulamentação (europeia) sobre o desmatamento e a devida diligência nas cadeias de abastecimento.

Fornecer financiamento para setores de risco florestal, neste caso carne bovina e soja, especialmente para JBS, Marfrig, Minerva e Cargill e Bunge, (uma seleção de empresas vinculadas ao desmatamento mencionadas pelo CRR) pode expor os bancos a riscos financeiros e de reputação por meio desmatamento. Em particular, os financiadores da Europa podem enfrentar risco de reputação devido ao foco crescente em cadeias de abastecimento sem desmatamento pelas regulamentações europeias .

Empréstimos são a maior fonte de financiamento, tendo o sistema de crédito rural como principal canal

Noventa e um por cento dos empréstimos foram concedidos por meio do Sistema Nacional de Crédito Rural, onde o destinatário final e o prazo de vencimento dos recursos não são divulgadosA lista dos 25 maiores provedores de empréstimo (ver Figura 9) cobre 95 por cento de todos os empréstimos originados entre 2013 e abril de 2020. Enquanto os bancos brasileiros ocupam a maior parte da lista com o Banco do Brasil na liderança, a maioria desses empréstimos locais são facilitada através de um sistema de financiamento chamado sistema Nacional de crédito Rural (sistema Nacional de crédito Rural) As informações do Banco Central do Brasil, que também administra o sistema de crédito, sugerem que o financiamento do programa se baseia principalmente em regras. Por exemplo, inclui exigências de reserva legal para depósitos à vista e de poupança rural em bancos brasileiros. Além disso, as taxas de juros para a maior parte do crédito que o sistema oferece são subsidiadas. Informações mais detalhadas sobre como os dados são incorporados ao banco de dados Florestas e Finanças estão incluídas no Quadro 1 abaixo.

Figura 9 : 25 principais provedores de empréstimos (em milhões de dólares)

Fonte: forestandfinance.org 

Sistema Nacional de Crédito Rural do Brasil

A análise do Sistema Nacional de Crédito Rural com base nos dados do Banco Central do Brasil revela que a maior parte do crédito rural concedido tem como destino os setores de carne bovina e soja. Embora o total de empréstimos em aberto concedidos por meio do programa tenha crescido de R $ 272 bilhões (US $ 82 bilhões) em maio de 2017 para R $ 320 bilhões (US $ 59 bilhões) em maio de 2020, o valor em US $ diminuiu devido a uma forte desvalorização da moeda local. O valor total do empréstimo pendente no programa correspondeu, em média, a 9,5% dos empréstimos em todo o sistema bancário brasileiro nos últimos quatro anos. O nível de originação anual de crédito implica cerca de 20 meses de maturidade média dos créditos do sistema.

Figura 10 : Sistema Nacional de Crédito Rural no Brasil (em bilhões de dólares)

Fonte: Banco Central do Brasil

Figura 11 : Sistema Nacional de Crédito Rural por tipo de beneficiário e subsídio

Fonte: Banco Central do Brasil

Em média, 75% dos empréstimos concedidos pelo Sistema Nacional de Crédito Rural entre junho de 2017 e junho de 2020 foram subsidiados com taxas de juros inferiores às do mercado. Embora as pequenas propriedades familiares recebam taxas de juros mais baixas com mais subsídios (ver Figura 11), elas receberam apenas cerca de 13% do total de empréstimos. As taxas de juros anuais subsidiadas foram 30% mais baixas em comparação com as taxas definidas livremente (não subsidiadas) para as propriedades não familiares e 55% mais baixas para as propriedades familiares. 

Figura 12 : Taxas médias anuais de juros do Sistema Nacional de Crédito Rural no Brasil

Fonte: Banco Central do Brasil

O efeito do Sistema Nacional de Crédito Rural no desmatamento

A pesquisa de impacto do Sistema Nacional de Crédito Rural aponta para uma mudança na política de crédito do sistema em 2008. A aprovação do crédito rural subsidiado na Amazônia está condicionada à comprovação do cumprimento da regulamentação ambiental. Principalmente por meio de uma redução nos volumes de crédito (principalmente em municípios onde a pecuária é a principal atividade econômica), o desmatamento no bioma Amazônia entre 2009 e 2011 foi 60% menor do que teria sido sem restrições de crédito.

Em sua nota de política para 2020 , o Banco Mundial afirmou que um pequeno número de grandes fazendas recebe a maior parte do financiamento rural, enquanto 85% de todos os fazendeiros no Brasil não têm acesso ao crédito. Além disso, a maior parte do crédito rural é para financiamento do tipo capital de giro de curto prazo, com financiamento de investimento de prazo mais longo limitado. Assim, a probabilidade de o crédito rural afetar positivamente os investimentos em agricultura sustentável é considerada baixa.

Figura 13 : Empréstimos por região (em milhões de dólares)

Figura 14 : Empréstimos * (milhões de dólares)

Fonte: forestandfinance.org. * A diferença nos fluxos de empréstimos entre os diferentes números do relatório decorre dos ajustes do setor em dados de Florestas e Finanças (ver anexo 1), bem como da exclusão de alguns dos financiadores do Sistema Nacional de Crédito Rural (ver caixa 1)

Subscrição

A subscrição cumulativa de emissões de ações e títulos entre 2013 e abril de 2020 totaliza US $ 13,2 bilhões. Desse total, 77% são destinados às emissões de títulos dos três grandes frigoríficos – JBS, Marfrig e Minerva. Uma vez que quase todas essas emissões de títulos foram denominadas em dólares americanos, as instituições financeiras internacionais tiveram uma participação elevada, subscrevendo 60 por cento do tamanho total dos negócios, significativamente maior em comparação com sua contribuição em empréstimos.

Figura 15 : 25 maiores subscritores (em milhões de dólares)

Fonte: forestandfinance.org

Desenvolvimento histórico

O total de subscrição identificado caiu para US $ 334 milhões em 2015, principalmente por causa da seca. Isso foi seguido por um ano de expansão, com negócios atingindo US $ 3,2 bilhões.

Figura 16 : Subscrição Regional (em milhões de dólares)

Fonte: forestandfinance.org

Participação

Os dados de participação são mais diversificados devido ao envolvimento de fundos de ações globais, especificamente na forma de ETFs. Quando a participação de 21,3 por cento do BNDES (Banco de Desenvolvimento do Brasil) (no valor de US $ 2,1 bilhões, ajustado para a participação das operações de carne bovina da JBS) na JBS é excluída como uma exceção, os investidores norte-americanos têm o maior percentual de 49 por cento contra 33 por cento para América do Sul. O BNDES desinvestiu da Marfrig no final do 1T2020, vendendo sua participação de 30% na empresa (no valor de cerca de US $ 500 milhões). O BNDES afirmou que pretende desinvestir também da JBS, mas a venda ainda não se concretizou.

Figura 17: Participação regional (em milhões de dólares)

Fonte: forestandfinance.org, ajustado pela participação do BNDES na JBS

Figura 18 : 25 principais acionistas (em milhões de dólares)

Fonte: forestandfinance.org

Bondholding

Bondholding é a menor área de financiamento identificado recebido pelos setores de carne bovina e soja no Brasil, com apenas US $ 663 milhões, totalizando apenas 0,7 por cento do financiamento total identificado. Os investidores locais da região da América do Sul praticamente não têm participações nos títulos, enquanto a América do Norte (58%) e a UE27 (29%) têm a maior exposição.

Figura 19 : Obrigações regionais (em milhões de dólares)

Fonte: forestandfinance.org

Figura 20 : 25 principais detentores de títulos (em milhões de dólares)

Fonte: forestandfinance.org

Financiadores europeus em posição de se envolver com soja e carne bovina

Ao financiar 12% do financiamento total da carne bovina e soja no Brasil, os investidores e bancos europeus têm o potencial de contribuir para a redução do desmatamento nas cadeias de abastecimento da carne bovina e da soja. Quando o JPMorgan Chase e o Bank of America estão incluídos, 14% do financiamento é feito por meio de instituições financeiras com políticas de desmatamento.

Grande parte do financiamento dos setores brasileiros de soja e carne bovina flui por meio de crédito rural de bancos brasileiros, que atualmente têm impacto mínimo na agricultura sustentável. No entanto, os financiadores europeus enfrentam risco de reputação devido ao desenvolvimento de regulamentos da UE sobre o desmatamento nas cadeias de abastecimento. Além disso, o Banco Central Europeu (BCE) dá um peso cada vez maior aos riscos de mudança climática, desmatamento e biodiversidade. Todos os financiadores enfrentam riscos de investimento, pois as empresas que financiam podem ser confrontadas com um acúmulo de risco de acesso ao mercado, risco de regulamentação e risco de financiamento. As participações no capital também podem perder valor devido ao risco de reputação.

Como os bancos e investidores europeus também são financiados por seus próprios investidores, essas instituições financeiras também estão em posição de evitar a repetição das perdas causadas pelo financiamento da indústria de combustíveis fósseis, que também está ligada às mudanças climáticas.

Apêndice 1: Florestas e finanças

Objetivo, escopo, metodologia e parceiros da Forests & Finance, resumidos no site:

Forestsandfinance.org visa destacar o papel que as finanças desempenham na viabilização do desmatamento tropical. É o resultado de extensas pesquisas e investigações por uma coalizão de organizações de campanha e pesquisa, incluindo Rainforest Action Network, TuK INDONESIA, Profundo, Amazon Watch, Repórter Brasil e BankTrack. O banco de dados Forests & Finance avalia os serviços financeiros recebidos por mais de 300 empresas e mais de 16.000 empresas de risco florestal de pequena escala que receberam financiamento que estão diretamente envolvidas na carne bovina, óleo de palma, celulose e papel, borracha, soja e madeira tropical (“ setor de risco florestal ”) cadeias de suprimento e cujas operações impactam as florestas tropicais naturais no Sudeste Asiático, Brasil, bem como na África Central e Ocidental. Nem todas as empresas selecionadas para o banco de dados estão envolvidas em operações prejudiciais. Contudo, todos estão envolvidos em operações de grande escala em regiões de florestas tropicais que apresentam alto risco de causar desmatamento e impactos sociais associados. As instituições financeiras que fazem negócios com essas empresas estão, portanto, altamente expostas aos riscos de desmatamento.

Os bancos de dados financeiros Refinitiv (anteriormente conhecido como Thomson EIKON), Bloomberg IJGlobal, TradeFinanceAnalytics, arquivos de registro de empresas, bem como relatórios de empresas disponíveis publicamente, foram usados ​​para identificar empréstimos corporativos, crédito e facilidades de subscrição fornecidas às empresas selecionadas no período 2013-2020 (Abril). Os investimentos em títulos e ações das empresas selecionadas foram identificados por meio da Refinitiv e da Bloomberg na data de depósito mais recente disponível em abril de 2020. Essas bases de dados financeiras fornecem acesso a dados de mercado em tempo real, notícias, dados fundamentais, análises, ferramentas de negociação e mensagens. O portal Transparência do BNDES e o portal do Banco Central do Brasil foram usados ​​para identificar fluxos financeiros adicionais para empresas de risco florestal no Brasil. Esta pesquisa fornece um conjunto de dados de nível de negócio de relacionamentos específicos entre empresas selecionadas e qualquer instituição financeira vinculada. Das mais de 300 empresas pesquisadas, apenas 230 empresas tinham financiamentos identificáveis ​​onde o financiador, o valor do financiamento e a data de início eram conhecidos dentro do período de estudo.

As empresas com atividades comerciais fora do setor de risco florestal registraram valores reduzidos para apresentar com mais precisão a proporção do financiamento que pode ser razoavelmente atribuída às operações do setor de risco florestal da empresa selecionada. Quando as informações financeiras disponíveis não especificavam a finalidade do investimento ou da divisão de recebimento dentro do grupo da empresa-mãe, os fatores de redução foram calculados individualmente pela comparação das atividades do setor de risco florestal de uma empresa em relação às atividades totais do grupo-mãe. Ajustadores adicionais foram calculados para empresas que operam em várias geografias dentro do escopo desta pesquisa.

Os bancos comerciais identificados neste estudo foram avaliados para determinar a força de quaisquer políticas publicamente disponíveis relevantes para a tomada de decisão de investimento no setor de risco de floresta tropical e, subsequentemente, pontuados de acordo com uma série de critérios que incorporam padrões ambientais, sociais e de governança. Cada um dos principais bancos recebeu uma pontuação sobre o escopo de suas políticas e seus padrões ambientais e sociais. A Metodologia de Avaliação de Políticas do Forests & Finance Bank é baseada no Fair Finance Guide (FFG) com foco no setor de risco florestal.

Os dados e avaliações apresentados neste site não foram fornecidos ou autorizados por nenhuma das instituições financeiras ou clientes em causa. Embora todas as tentativas tenham sido feitas para pesquisar e apresentar dados e avaliações de forma precisa e objetiva, é difícil garantir a precisão total. Isso se deve principalmente à falta de consistência e transparência na maneira como as instituições financeiras e clientes do setor de risco florestal registram as principais informações financeiras e empresariais. Onde houve ambigüidade nas informações de origem dos serviços financeiros, os autores deste site agiram com cautela, resultando em uma provável subestimação dos verdadeiros montantes de financiamento envolvidos. Os autores estão empenhados em corrigir quaisquer erros identificados na primeira oportunidade.

Visite o site para mais informações e para usar o banco de dados.

Apêndice 2: Principais destinatários de financiamento identificados por Florestas e Finanças

Figura 21 : 25 maiores destinatários de financiamento (em milhões de dólares)

Fonte: forestandfinance.org

fecho
Esta reportagem foi inicialmente escrita em inglês e publicada pela Chain Reaction Research [Aqui! ] .

Dossiê liga Banco Mundial a violações ambientais na Amazônia

Empresa de logística que recebeu investimento e selo de qualidade do banco prejudica comunidades ao longo de rota internacional da soja que corta a floresta, diz relatório. Desmatamento e poluição estão entre impactos.

sojaNa nova rota da soja, grão sai de Mato Grosso, maior produtor nacional, e corta a Floresta Amazônica pela BR-163

Ao longo da rota internacional da soja que corta a Floresta Amazônica para levá-la a mercados como China e União Europeia, uma série de violações ambientais tem prejudicado a vida de comunidades, populações indígenas e a maior floresta tropical do mundo.

Os abusos envolvem empresas e instituições conhecidas por pregarem padrões de sustentabilidade nos negócios, denuncia o dossiê Enquanto a soja passa: impactos da empresa Hidrovias do Brasil em Itaituba, organizado pelo Instituto de Estudos Socioeconômicos (Inesc), com base em documentos e relatos de lideranças locais.

Segundo a investigação, a Hidrovias do Brasil, empresa de logística instalada no distrito de Miritituba, no município de Itaituba, no Pará, descumpre medidas que deveriam ser adotadas para aliviar os impactos negativos de sua atuação na Amazônia.

A contradição, aponta o dossiê, é que a companhia tem entre seus acionistas a International Finance Corporation (IFC), braço de investimentos do Banco Mundial que, como condição para bancar parte do empreendimento, estipulou que fossem cumpridos os chamados Padrões de Desempenho sobre Sustentabilidade Socioambiental (PDs).

“O que é importante aqui é que o Banco Mundial e a IFC dão como se fosse um selo de qualidade socioambiental porque, a principio, eles têm políticas socioambientais muito fortes. O que a gente tentou provar no dossiê é que essas políticas não estão sendo implementadas”, afirma Livi Gerbase, assessora política do Inesc, sobre a operação da Hidrovias do Brasil.

Segundo o documento, a empresa se utiliza desse selo tentando mostrar que emprega boas práticas socioambientais. “Mas, quando a gente analisa, na realidade isso é mais um discurso do que de fato a empresa cumprindo a sua responsabilidade”, pontua Gerbase.

Nova rota e violações

É pelo rio Tapajós, que percorre mais de 800 quilômetros entre Mato Grosso e Pará até desaguar no rio Amazonas, que as barcaças de soja seguem até o Atlântico. O grão vem de Mato Grosso, maior produtor nacional, e corta a Floresta Amazônica pela BR-163, estrada que recebeu recentemente asfaltamento completo.

Nos últimos dez anos, essa rota, chamada de Arco Norte, tem virado opção por se acreditar que é mais barato passar por dentro da Floresta Amazônica para exportar soja e milho – o que, até então, ocorria apenas passando pelo Sudeste.

Consequentemente, empresas da cadeia global de commodities e de logística, como a Hidrovias do Brasil, se instalaram pelo trajeto. Desde 2013, pelo menos dez portos industriais foram construídos, por exemplo, ao redor de Itaituba. Outros 40 estão planejados, quase todos ligados ao agronegócio.

Rota da soja

Segundo o relatório, a principal violação cometida pela companhia analisada é relacionada a populações indígenas. “O selo do Banco Mundial para esse tema é muito forte. A política de salvaguarda do banco diz que, se forem identificados povos indígenas ou comunidades tradicionais perto do investimento, existe uma série de protocolos que devem ser seguidos, principalmente a consulta prévia, livre e informada desses povos”, diz o Inesc.

O problema, detalha Gerbase, é que a Hidrovias teria informado ao banco que não existem povos indígenas na região. Logo, os protocolos que o Banco Mundial deveria impor não foram cumpridos. “E existem aldeias indígenas coladas nos portos”, ressalta a assessora.

Indígenas munduruku, a principal etnia da região, relatam que não foram convocados para participar das audiências públicas sobre o investimento. “Nem a sociedade daqui de Itaituba foi convocada para essa audiência. Eles convocaram só um grupo de empresários que tinham um interesse grande com a implantação dos portos, e as comunidades daqui não foram chamadas”, afirmam lideranças indígenas. 

Duas ações civis públicas chegaram a ser protocoladas pelo Ministério Público Federal, mas até hoje não há uma sentença. Elas pediam anulação das licenças ambientais dadas pela secretaria estadual e realização de novas audiências.

“É quase escrachada a violação de um padrão de desempenho do Banco Mundial que eles simplesmente não cumprem e disseram que não vão cumprir porque não existem povos indígenas na região”, afirma Gerbase.

Impactos da nova rota

Impactos da rota da soja são sentidos por comunidades da região. Desmatamento, poluição do solo e de rios por agrotóxicos, reassentamento involuntário de populações e desmantelamento da agricultura familiar são apontados como os mais graves.

Em pouco tempo, Miritituba se transformou num complexo portuário. O distrito, que tinha uma população de 3.383 habitantes no censo de 2010, atualmente conta com cerca de 15 mil em parte devido à urbanização não planejada.

Pelo vilarejo, chegam a transitar 1.500 caminhões por dia durante a safra de soja, com aumento expressivo de atropelamentos e até mortes. “Isso gera também aumento dos casos de violência na região, pois aumenta muito a população sem expansão de infraestrutura. Nós deixamos isso bem claro no dossiê”, diz Gerbase.

A produção pesqueira dos moradores no Tapajós também caiu. Segundo as comunidades, cordões de isolamento impedem os pescadores de chegarem perto do rio. Além das barcaças, que se aglomeram e tiraram o espaço onde eles pescavam.

“Tem soja por toda a cidade. A chamada poeira de soja contém agrotóxicos, fica pela cidade, e o vento vai espalhando. É um dano tanto para a saúde das pessoas quanto para flora e fauna”, destaca o documento.

O que dizem a Hidrovias e a IFC

Consultada pela DW Brasil, a Hidrovias do Brasil repudiou o conteúdo do dossiê. Por meio de nota, a companhia afirmou que o documento responsabiliza “exclusivamente a empresa pelos impactos sinérgicos, cumulativos e históricos na região”.

A Hidrovias diz ainda seguir as diretrizes dos Padrões de Desempenho da IFC. “É com base nessas diretrizes que a empresa esclarece que não há população indígena lindeira ou diretamente afetada pelo empreendimento da companhia”, afirma.

Sobre os munduruku, a empresa admite a existência da Terra Indígena às margens do rio Tapajós e afirma que há estudo em curso para “qualificar e quantificar os eventuais impactos da operação dos terminais”, mas não especificou quando será concluído.

Já a IFC declara que supervisionou o projeto de acordo com seu mandato e procedimento interno e apoiou a empresa na implementação de seus compromissos de acordo com os Padrões de Desempenho Social e Ambiental da IFC.

“Embora a IFC concorde, em geral, com muitas das preocupações sobre as questões socioeconômicas na região, o relatório do Inesc contém afirmações que não apresentam uma imagem precisa e completa dos esforços da IFC em sua diligência e supervisão”, afirma por meio de nota.

Para o Inesc, a IFC e Banco Mundial não deixam de ter responsabilidades. “Nós estamos mostrando para o banco que ele precisa retomar o monitoramento da empresa e garantir que essas políticas estão sendo aplicadas nos seus investimentos”, pontua.

Na análise de Gerbase, o dossiê aponta que essas políticas têm grande deficiência na sua execução. “E, no meio disso, pequenas comunidades estão sendo inseridas nessas cadeias globais de produção e escoamento de commodities e estão sofrendo nas mãos  desses investimentos”, conclui.

fecho

Este texto foi originalmente publicado pela Deutsche Welle |Aqui!  |

BNP Paribas anuncia que vai parar de financiar que produzem ou compram carne em áreas desmatadas na Amazônia após 2008

Image result for bnp paribas deforestation amazon

Por  Sudip Kar-Gupta e Matthieu Protard; Edição de Kirsten Donovan para a Reuters

PARIS, 15 de fevereiro (Reuters) – O maior banco francês, o BNP Paribas, afirmou nesta segunda-feira que não financiará mais clientes que produzem ou compram carne bovina ou soja de terras na Amazônia desmatadas ou convertidas depois de 2008.

O BNP, que traçou uma política de combate ao desmatamento na Amazônia e no Cerrado, também disse que incentivaria seus clientes a não produzir ou comprar carne ou soja do Cerrado em terras desmatadas ou convertidas após 1º de janeiro de 2020.

O banco, o maior credor cotado da França, disse que só fornecerá produtos ou serviços financeiros a empresas – produtores, condicionadores de carne e comerciantes – que adotem uma estratégia de atingir o desmatamento zero em suas cadeias de produção e fornecimento até 2025, o mais tardar.

“As instituições financeiras expostas ao setor agrícola no Brasil devem contribuir para esse combate ao desmatamento”, disse o BNP Paribas em nota.

Bancos europeus como o Credit Suisse, o banco holandês ING e o BNP Paribas se comprometeram no mês passado a interromper o financiamento do comércio de petróleo bruto do Equador após pressão de ativistas que visam proteger a floresta amazônica.

Líderes indígenas que lutam para impedir a exploração de petróleo em seu território disseram que o papel dos bancos os tornou cúmplices em derramamentos de óleo, violações de direitos à terra e destruição da floresta tropical pela indústria petrolífera do Equador. 

(Reportagem de Sudip Kar-Gupta e Matthieu Protard; Edição de Kirsten Donovan)

fecho

Este artigo foi escrito originalmente em inglês e publicado pela agência Reuters [Aqui!]

Novo título verde da Amaggi levanta questões sobre compromisso com o fim do desmatamento

amaggi

O trader de commodities brasileiro Grupo Amaggi lançou recentemente um título verde para expandir sua presença no mercado de soja do país. O título verde de US $ 750 milhões da empresa alocará dois terços dos recursos para novos esquemas, como iniciativas de energia limpa, e o restante para refinanciar dívidas para projetos que incluem a compra e processamento de soja certificada. O Grupo Amaggi, de propriedade privada, é um grande exportador de soja do Brasil. Seu CEO é Blairo Maggi, ex-ministro da Agricultura, Pecuária e Abastecimento do ex-presidente Michel Temer. Os críticos dizem que suas ações como empresário e funcionário do governo levaram à perda generalizada de florestas no Brasil.

Embora o título verde seja um sinal de progresso na construção de políticas que levem à sustentabilidade ambiental, a Amaggi ainda não concordou com uma data limite de 2020 para o desmatamento no Cerrado. No final do ano passado, os signatários do Manifesto do  Cerrado , que inclui 160 empresas e investidores que têm exposição ao mercado de soja, pediram aos principais comerciantes de soja que concordassem com a data limite de 2020 para a compra de soja no bioma Cerrado. Os investidores e as empresas também pressionaram os comerciantes a implementarem um sistema vigoroso de rastreabilidade e monitoramento, baseado nos   princípios da Accountability Framework Initiative (AFI), para mostrar a aderência à data limite.

Ao não concordar com uma data limite, a Amaggi corre o risco de ver reduzido o interesse dos investidores em seu título verde recém-lançado. A Amaggi tem o compromisso de desmatamento zero, mas não cobre o desmatamento legal e seu sistema de implementação é considerado insuficiente para mitigar totalmente os riscos. A Amaggi, que comercializa por conta própria e como parte de joint ventures como Amaggi LD (uma JV com Louis Dreyfus e Zen-Noh), é uma grande compradora de soja dos desmatadores SLC Agrícola e BrasilAgro. Durante o verão de 2020, a Amaggi viu 4.203 incêndios em suas regiões de abastecimento, um ligeiro aumento em relação ao mesmo período de 2019, de acordo com a Chain Reaction Research.

As ONGs e os investidores provavelmente questionarão o quanto a empresa melhorará sua sustentabilidade com este novo título verde e se ela se comprometerá a estar totalmente livre do desmatamento. Finnwatch, uma ONG finlandesadivulgou um relatório no final de janeiro alertando sobre a exposição ao risco de desmatamento para investidores e empresas na Escandinávia que fazem negócios com Denofa , uma exportadora de soja de propriedade da Amaggi, observando a falta de eficácia geral em conter o desmatamento no Brasil . Outros comerciantes viram reações de compradores devido a preocupações com o desmatamento. A Nestlé cortou as compras da Cargill em 2019, enquanto a Grieg Seafood disse no ano passado, que não usaria os recursos de seu título verde para comprar soja da Cargill. Os fornecedores brasileiros de soja para a indústria de salmão, CJ Selecta, Caramuru e Imcopa,  anunciaram  compromissos com a data limite de agosto de 2020 para evitar que o desmatamento entre em suas cadeias de abastecimento, pressionando os principais comerciantes do Brasil – Amaggi, LDC, ADM , Bunge, Cargill, Viterra e COFCO.

Como as políticas atuais de desmatamento dos principais comerciantes de soja podem ser insuficientes para mitigar totalmente o risco de desmatamento, eles podem enfrentar risco de receita, risco de financiamento e risco de reputação. A probabilidade de regulamentações e leis mais rígidas no Reino Unido e na UE pode trazer riscos de acesso ao mercado para os comerciantes. A possibilidade do acordo comercial UE-Mercosul desmoronar por  questões climáticas pode exacerbar os riscos. Dada a influência dos comerciantes no mercado, eles têm sido alvo de campanhas de ONGs, investidores ativistas e empresas de bens de consumo. Com os comerciantes altamente ativos no Cerrado e seus volumes de exportação de soja aumentando, um acordo com uma data limite para 2020 poderia trazer mudanças em grande escala e enviar fortes sinais aos fornecedores para interromper o desmatamento. Até que isso aconteça, os críticos provavelmente olharão para ações como o título verde da Amaggi com suspeita.

fecho

Este texto foi originalmente escrito em inglês pela Chain Reaction Research [Aqui!].

Soja brasileira: como a indústria finlandesa de carne e ração combate o desmatamento?

Relatório produzido pela ONG finlandesa Finnwatch examina o uso da soja brasileira em empresas de carnes e rações que operam na Finlândia. Este documento foi produzido com financiamento coletivo coletado em 2019
finwatch

baixar PDF 

1. Introdução

Nos últimos anos, o Brasil ganhou as manchetes com incêndios florestais generalizados e mudanças no uso da terra no país. O presidente brasileiro Jair Bolsonaro prometeu acelerar ainda mais o uso das florestas do país para fins comerciais. Vários especialistas estimam que o Brasil não cumprirá suas metas de combate ao desmatamento estabelecidas no contexto do Acordo Internacional do Clima de Paris. A soja é um dos produtos agrícolas mais significativos que aceleram o desmatamento no Brasil, importada pela Europa principalmente para a alimentação animal.

O desmatamento se refere à conversão de áreas florestais em, por exemplo, terras aráveis, pastagens ou terrenos para construção. O desmatamento desempenha um papel negativo fundamental na aceleração do aquecimento global e da perda de biodiversidade. Quando uma floresta é destruída, o carbono ligado à vegetação e ao solo é liberado na atmosfera. No caso de desmatamento, o sumidouro de carbono biológico que retém o carbono da atmosfera também é geralmente perdido ou significativamente reduzido, e a biodiversidade é reduzida à medida que há perda de habitat de espécies. O desmatamento e outras mudanças no uso da terra respondem por 13% de todas as emissões antropogênicas de gases de efeito estufa.

De acordo com o Painel Intergovernamental sobre Mudanças Climáticas (IPCC), reduzir o desmatamento e a degradação florestal é uma das opções mais eficazes e eficientes para mitigar as mudanças climáticas e tem o potencial de proporcionar grandes benefícios de adaptação global. Em particular, o IPCC enfatiza a necessidade de proteger as florestas tropicais.

Este relatório examina o uso da soja brasileira em empresas de carnes e rações que operam na Finlândia. O relatório examina a adequação das práticas de responsabilidade corporativa, especialmente no combate ao desmatamento causado pela soja.

Cerca de metade da soja brasileira é produzida na região do Cerrado, onde as florestas e outros habitats são desmatados. Foto: Christoph Diewald , CC BY-NC-ND

2.  O desmatamento está acelerando no Brasil

O Brasil ganhou as manchetes nos últimos anos com a súbita aceleração do desmatamento no país. As mudanças têm suas raízes na mudança da situação política no Brasil. Jair Bolsonaro, que iniciou sua presidência no Brasil no início de 2019, prometeu acelerar ainda mais a exploração econômica das florestas. As atividades de Bolsonaro dificultaram a suspensão do desmatamento por meio de políticas oficiais do governo e mudanças no clima geral. Bolsonaro nomeou um Ministro do Meio Ambiente que minimizou a gravidade da mudança climática, reduziu significativamente o orçamento do Ministério do Meio Ambiente para o controle ambiental e reduziu o número de autoridades que controlam a extração ilegal de madeira e as sanções para a extração ilegal. O presidente também atacou ONGs ambientalistas em seus discursos, e até encorajou a extração ilegal de madeira. Isso tem levado a um aumento da cultura de impunidade no Brasil, segundo organizações de direitos humanos .

A floresta amazônica tem recebido mais atenção, a maior parte da qual, cerca de 60 por cento, está localizada no norte do Brasil. No entanto, o desmatamento continuou não apenas na floresta amazônica, mas também no Cerrado no Brasil central, onde a pressão do uso da terra também aumentou, em parte devido à proteção da Amazônia.

A soja é um dos produtos agrícolas mais significativos que aceleram o desmatamento no Brasil. A soja é produzida no Brasil nas regiões da Amazônia e do Cerrado. A situação em termos de desmatamento é particularmente grave na biomassa do Cerrado, onde quase metade da vegetação original já foi destruída. Desde 2001, a área plantada com soja no Cerrado cresceu quase 11 milhões de hectares. Ao mesmo tempo, 28 milhões de hectares de vegetação natural foram desmatados para outros usos na área .

A pressão pelo uso da terra no Cerrado se deve em parte a um acordo de moratória da soja assinado em 2006 entre o governo brasileiro, a indústria e ONGs, que reduziu a exploração madeireira na Amazônia. A pressão pelo desmatamento mudou para o Cerrado, onde um acordo semelhante ainda não existe e onde a própria legislação florestal do Brasil exige áreas protegidas significativamente menores na Amazônia.

A produção de soja na Amazônia e no Cerrado também está associada ao desmatamento ilegal. Cerca de 20% da soja importada dessas áreas para a UE inclui soja de áreas colhidas ilegalmente. Em 2015, cerca de 13% da soja brasileira foi produzida na Amazônia e 48% no Cerrado.

Em 2017, cerca de 40 milhões de toneladas de soja foram consumidas na Europa. Cerca de 31 milhões de toneladas de soja são importadas pela Europa, principalmente da Argentina, Brasil e Estados Unidos . Com o acordo de 2018 com os Estados Unidos, as importações de matérias-primas derivadas da soja dos Estados Unidos para a UE aumentaram recentemente, mas a soja do Brasil ainda representa cerca de um quinto de todas as importações .

A maior parte, cerca de três quartos, da soja importada pela União Europeia é usada como ração animal. Na UE, 29% da ração da soja é usada para a produção de suínos, 22% para a produção de ovos e 37% para a produção de frangos. A avicultura (produção de frango e ovo) também é a maior consumidora de soja na Finlândia. Além disso, a soja é usada na alimentação de peixes de criação. O uso da soja na alimentação do gado, por outro lado, foi quase totalmente interrompido na Finlândia.

As empresas mais importantes para o mercado europeu de soja estão localizadas na Holanda, onde os maiores players nos setores de carne bovina, pecuária e alimentos dependem da importação de soja. Essas empresas representam cerca de 7% do PIB holandês. Os maiores participantes do negócio de rações na Europa são as empresas holandesas ForFarmers, Nutreco (empresa-mãe SHV Holdings NV) e De Heus 1 . O comércio internacional de soja é dominado pelos gigantes internacionais de commodities Archer Daniels Midland (ADM), Amaggi, Bunge, Cargill, COFCO e Louis Dreyfus Company (LDC).

A região de savana tropical do Cerrado é o segundo maior dos grandes ecossistemas do Brasil. Cerca de metade da soja brasileira é produzida na região do Cerrado. Foto: Brazil Travel, CC BY-SA 4.0

3. Relatório sobre o uso da soja brasileira na indústria finlandesa de carne e ração

A Finnwatch pesquisou o uso da soja brasileira na Finlândia e enviou perguntas sobre a soja e sua responsabilidade a açougueiros domésticos e empresas de ração. Dos açougueiros, HKScan, Atria, Snellman e Pouttu , os maiores açougueiros domésticos, foram selecionados para a pesquisa . Berner, Hankkija, Feedex, Lantmännen Agro, Satarehu, Agrox, Rehux e Nordic Soya operando na Finlândia receberam uma pesquisa de empresas de ração.

As empresas foram questionadas sobre a origem da soja que adquirem, os subcontratados que fornecem a soja e o controle da responsabilidade relacionada à matéria-prima da soja, principalmente no que diz respeito ao combate ao desmatamento. Todas as empresas selecionadas para a pesquisa responderam ao Finnwatch, mas houve grandes diferenças em sua transparência.

HKScan é Ruokatalo, que opera na Finlândia, Suécia, Dinamarca e países Bálticos, e cujas marcas de consumo na Finlândia incluem HK, Kariniemi e Via. Na cadeia de gado HKScan, a ração não contém soja, mas na Finlândia a participação da soja na ração para suínos é de cerca de 5% e na produção de frango de 15 %.

A HKScan está empenhada em usar soja produzida de forma responsável em toda a sua cadeia de produção na Finlândia e na Suécia. Cerca de 20% da soja nos alimentos compostos usados ​​pelos produtores de carne da HKScan na Finlândia vem do Brasil. HKScan é membro da Mesa Redonda sobre Soja Responsável (RTRS), que promove o cultivo responsável de soja e obtém certificações com base em créditos RTRS (ver Capítulo 4) para soja usada em misturas de ração animal na Finlândia.

Não se sabe a porcentagem exata de soja usada na ração na Suécia, mas a soja brasileira é usada em pequenas quantidades, segundo a empresa. Na Suécia, as fábricas de rações são responsáveis ​​pela certificação da soja. A HKScan declara que aceita as seguintes certificações sob a iniciativa sueca de responsabilidade da soja Soja Dialogen: RTRS, ProTerra, Donau Soya e UE-orgânica. Segundo a empresa, a maior parte da soja usada na Suécia é certificada pela RTRS ou ProTerra, outras certificações são usadas em pequenas quantidades.

Na Dinamarca, a empresa não rastreia a origem da soja para ração usada por seus produtores, mas no Báltico, toda a soja usada pelos produtores de carne da HKScan vem do Brasil. O relatório anual da HKScan para 2018 afirma que a empresa decidiu adiar a introdução da soja responsável na Dinamarca e nos países bálticos. O motivo foi a demanda de mercado fraca ou inexistente combinada com o fraco desempenho financeiro da empresa. No momento em que este artigo foi escrito, HKScan disse à Finnwatch que agora está mudando para soja certificada na Dinamarca. No momento em que este artigo foi escrito, a empresa juntou-se à Danish Dansk Alliance for Ansvarlig Soja Group no verão de 2020, e comprometeu-se a passar a usar soja com certificação de responsabilidade na Dinamarca até 2025.

HKScan diz que promover o cultivo responsável da soja é importante para ela como parte do desenvolvimento da produção sustentável de carne, parte da qual é o combate ao desmatamento. A empresa não rastreia a origem da soja até o nível da fazenda.

3.2 Atria 

Atria é uma empresa de carnes e alimentos que opera nos países nórdicos, Estônia e Rússia. Nas granjas de frangos da Atria, o farelo de soja é responsável por 11% da ração usada. Na cadeia de suínos da Atria, a ração com soja é responsável por cerca de 3%.

Atria afirma que está trabalhando para reduzir ainda mais o consumo de soja e para substituí-la por fontes de proteína domésticas . No que diz respeito ao uso de soja, a Atria está comprometida com o uso de soja certificada pela RTRS ou ProTerra produzida de forma responsável, tanto na alimentação animal quanto na alimentação. Além disso, o Atria usa pequenas quantidades de conservante alimentar, geralmente como ingrediente em misturas de especiarias individuais. A soja para alimentos chega às fábricas da Atria por meio de fornecedores de especiarias. Segundo a empresa, sua origem é principalmente Europa ou América do Norte.

Além das certificações de soja, a Atria exige que seus parceiros de negócios cumpram o Código de Conduta do Fornecedor da Atria . A implementação do Código de Conduta é monitorada com base no risco.

A Atria diz que seu feed A-feed para produção de rações sempre usa soja certificada com créditos RTRS, certificada pelo ProTerra ou atendendo aos mesmos critérios. A-Rehu compra anualmente aproximadamente 5.000 toneladas de farelo de soja brasileiro não GM certificado pelo ProTerra. A farinha de soja é adquirida por meio de uma subcontratada norueguesa e a Atria não divulga o nome da subcontratada ao público. Cerca de 15.000 toneladas de farelo de soja geneticamente modificado certificado com créditos RTRS são entregues à empresa por meio de intermediários por ano. Os produtores desse farelo de soja na Europa são a ADM e a Bunge, e a soja que utilizam como matéria-prima pode vir do Brasil ou da América do Norte. A soja com certificação RTRS não pode ser rastreada até o nível da fazenda. A soja certificada pelo ProTerra, por outro lado, é rastreável até o nível da fazenda, mas a Atria não solicitou informações sobre a origem exata da soja. Atria diz que o uso de soja na alimentação A caiu quase pela metade nos últimos cinco anos, e a quantidade de soja usada continuará diminuindo.

Na Rússia, a subsidiária da Atria também utiliza carnes de origem brasileira em sua produção. Segundo a empresa, o principal motivo para isso é a pouca disponibilidade de carne bovina dos operadores locais, bem como o preço e a qualidade da matéria-prima. A carne suína também foi importada em pequenas quantidades do Brasil no início de 2020. Segundo a empresa, as quantidades de carne adquiridas pela Atria Rússia são pequenas na escala de todo o Grupo Atria, A carne importada do Brasil representa menos de 1,5% de toda a carne processada. Atria não fornece informações mais detalhadas sobre a origem da carne brasileira adquirida pela Atria Rússia. A empresa invoca sua ética comercial de que não pode terceirizar informações de subcontratação em nome de seus fornecedores. A certificação da responsabilidade da carne brasileira utilizada é baseada nas declarações dos próprios fornecedores. Os produtos cárneos comercializados pela Atria Rússia não são importados para o mercado finlandês.

3.3 Snellman

O Snellman Group está focado na produção de alimentos, que inclui, por exemplo, produção primária de carne e fabricação de produtos cárneos. Figell Oy, uma subsidiária da Lihanjalostus Oy da Snellman, adquire ração completa e suplementar contendo soja para suas próprias unidades de criação de porcos em Kauhava e Jämsä. Caso contrário, a Snellman Meat Processing não compra ou distribui ração contendo soja aos produtores.

A ração usada pelas unidades de suínos da Figen é comprada da Hankkija Oy. O teor de soja da ração consumida pelos porcos é de cerca de 6%, e a soja é de origem brasileira. A empresa não tem informações sobre em quais fazendas no Brasil a soja é cultivada, mas a soja que utiliza é certificada pelo ProTerra.

A cadeia de produção de carne bovina usada nos produtos cárneos da Snellman é livre de soja, o que significa que os produtores de gado contratados não podem usar ração contendo soja na alimentação do gado. A soja pode ser usada na cadeia de valor da carne suína da Snellman, mas a empresa tem um objetivo estratégico de reduzir seu uso.

Os produtores de carne suína da Snellman adquirem ração principalmente de Hankkija Oy, Feedex Ab e Rehux Oy, com quem a Snellman tem acordos separados sobre rações adequadas para produção livre de OGM. Na compra de ração, a soja brasileira é certificada pelo ProTerra. O farelo de soja não transgênico utilizado pelo fornecedor é feito de soja brasileira da Europa (fabricada pela luxemburguesa Sodrugestvo). A farinha de soja é certificada pelo ProTerra. A Rehux Oy adquire produtos de soja da Nordic Soya Oy, dos quais cerca de 8% da soja processada é de origem brasileira e certificada pelo ProTerra, o restante são grãos norte-americanos ou europeus. O farelo de soja não transgênico usado pela Oy Feedex Ab é feito de soja brasileira. Feedex compra farelo de soja por meio da Berner Oy.

A Snellman também comercializa produtos de frango para os quais adquire carne de aves domésticas. De acordo com a empresa, seus fornecedores de aves responderam que a soja certificada ProTerra e RTRS é usada na alimentação. Snellman não tem mais informações sobre isso. rastreabilidade da soja até o nível da fazenda

3.4 Pouttu

A Pouttu é uma empresa que fabrica diversos produtos à base de carne e vegetais na Finlândia, com uma fábrica localizada em Kannus. A própria Pouttu não compra matéria-prima de origem brasileira. A Pouttu adquire a carne que usa em seus produtos de açougues nacionais e da UE. A soja brasileira pode ter sido usada na produção de carne.

O Pouttu não impõe requisitos de responsabilidade sobre a soja que é usada na produção da carne que compra

3,5 Agrox

Agrox é uma fábrica de rações finlandesa localizada em Mynämäki. A Agrox diz que compra o farelo de soja que usa da Finlândia, mas não quer que seu subcontratante doméstico se torne público por razões comerciais.

Mais de 90% da soja usada pela empresa vem de fora do Brasil. A soja brasileira adquirida é certificada com créditos RTRS e, além disso, a Agrox recebeu uma declaração por escrito da subcontratada americana ADM de que a soja do Brasil não provém de áreas de risco. A Agrox forneceu à Finnwatch as informações que recebeu da ADM sobre o monitoramento da responsabilidade da soja. A ADM está envolvida nas principais iniciativas de responsabilidade existentes na indústria e assinou, por exemplo, o Acordo de Moratória da Soja na Amazônia (para o Acordo do Cerrado, ver Capítulo 5). De acordo com a empresa, ela consegue rastrear todas as suas compras diretas no nível da fazenda e constatou que menos de 0,5% de suas compras vêm de fontes indiretas por meio do Soft Commodities Forum (SCF) 30 áreas de risco identificadas pelo

No Brasil, o cultivo da soja é uma ameaça em especial para o bioma Cerrado, onde metade da vegetação original foi destruída. Foto: Victor Moriyama, CC-BY-NC-ND 2.0

3.6 Fornecedores

A Hankkija Oy, parte do Danish Agro Group, vende maquinário agrícola, bem como produtos agrícolas, de alimentação e cuidado de animais, jardinagem e produtos para cavalos e animais de estimação. O fornecedor utiliza farelo de soja brasileiro, certificado pelo ProTerra, na produção de ração para suínos e aves. O fornecedor não divulga ao público as quantidades de soja adquiridas. A aquisição de soja é feita pela empresa de aquisição do Grupo DLA Agro, que adquire farelo de soja da empresa luxemburguesa Sodrugestvo. A farinha de soja que chega ao fornecedor foi prensada na fábrica da Sodrugestvo na Rússia.

Em 2019, o farelo de soja brasileiro representou cerca de um quarto de todo o farelo de soja usado pelo fornecedor na fabricação de rações. Além da certificação ProTerra, a soja deve atender aos requisitos de responsabilidade da FEFAC, a associação europeia da indústria de rações . O farelo de soja é rastreável até o nível da fazenda, mas o Fornecedor não solicitou informações específicas do lote sobre a origem exata da soja.

Na prática, os requisitos de responsabilidade da FEFAC não vão além da certificação ProTerra. O ProTerra é um dos muitos esquemas de responsabilidade da soja que a FECAF considera atender aos seus requisitos. Veja FEFAF, Combate ao desmatamento ; ITC, padrões ou programas em conformidade com as diretrizes FEFAC , (referenciado em 4.1.2021

3.7 Soja Nórdica

Nordic Soya é um produtor finlandês de proteína vegetal cujos principais produtos são concentrado de proteína de soja (SPC), farelo de soja, óleo de soja e farelo de colza higienizado. A empresa afirma que pretende expandir sua base de matéria-prima de soja para outras proteínas vegetais. Um exemplo disso é o feijão doméstico, a partir do qual a Nordic Soya processa farinha de feijão adequado para misturas de ração animal.

A Nordic Soya foi a única empresa selecionada na pesquisa da Finnwatch que não disse de onde vêm as matérias-primas que adquiriu. Segundo a empresa, não está preparada para abrir “matérias cobertas por segredos comerciais, como matérias-primas e fornecedores de matérias-primas”. A empresa afirma que seu princípio básico é se esforçar para atender às necessidades de seus clientes e “vender-lhes os ingredientes de ração que desejam comprar”. No entanto, os clientes da empresa declararam que adquirem a matéria-prima da soja de origem brasileira por meio da Nordic Soya (ver, por exemplo, seção 3.3).

O principal produto da Nordic Soya, o concentrado de proteína de soja, é amplamente utilizado na alimentação de peixes, especialmente na Noruega. No ano passado, a empresa diz que mudou de uma matéria-prima de soja produzida de forma sustentável, totalmente europeia, certificada pelo ProTerra ou EuropeSoya no concentrado de proteína de soja vendido no mercado de ração para peixes. A decisão foi influenciada pelo desejo dos produtores noruegueses de ração para peixes de avançar para a soja europeia produzida de forma responsável 32 . A Nordic Soya diz que deseja se envolver na promoção da produção europeia e sustentável de soja e é membro do ProTerra e da EuropeSoya.

3.8 Satarehu

Satarehu é uma fábrica de rações localizada em Vampula, que produz rações compostas para aves. A Satarehu usa farelo de soja na ração que comercializa, que compra principalmente da ADM e, em menor escala, da Nordic Soya e Berner. A ADM informou Satarehu que 85% da soja que usa vêm da América do Norte. Satarehu não sabe exatamente a origem da soja no farelo de soja que compra. Toda a soja contida na ração vendida pela empresa foi comprada com um certificado RTRS (o comprador dos créditos RTRS é HKScan, que adquire os créditos em nome de seus produtores contratados) ou com o certificado ProTerra ou a soja não é de origem sul-americana.

3.9 Lantmännen Agro

A Lantmännen Agro Oy, membro do Grupo Sueco Lantmännen, que comercializa rações e outros produtos agrícolas, disse à Finnwatch que não adquire produtos ou matérias-primas de origem brasileira. No entanto, a empresa apenas respondeu no que diz respeito a si própria, uma vez que todo o Grupo Lantmännen não recolhe nem partilha dados de compra de forma coordenada.

3.10 Rehux

A Rehux, fabricante de ração para suínos e frangos, diz que não importa o farelo ou a polpa de soja que usa, mas adquire produtos à base de soja da Berner e Nordic Soya. A empresa diz que prefere soja europeia ou americana sempre que possível, mas se não estiver disponível, compra ProTerra ou soja brasileira com certificação RTRS. A certificação RTRS é baseada em créditos RTRS.

3,11 Berner

Berner é um grupo diversificado que fabrica, comercializa e distribui uma ampla gama de diferentes produtos e matérias-primas. A Berner adquire e encaminha soja da Denofa, do Grupo Amaggi. A origem da soja é o Brasil. Em 2020, 4.500 toneladas de soja foram adquiridas e foi certificado pelo ProTerra. Por meio da certificação do ProTerra, é possível rastrear a soja em nível de fazenda, mas isso ainda não foi feito na Berner.

A Berner também importa soja Kikkoman para a Finlândia, que é feita com soja do Brasil, Canadá ou Estados Unidos. A soja brasileira é certificada pelo ProTerra.

3.12 Feedex

A Feedex fabrica e vende ração para fazendas. A Feedex não importa a soja que ela mesma usa, mas afirma que compra da Berner pequenos lotes de soja brasileira certificada pelo ProTerra. Através da certificação ProTerra, a soja pode ser rastreada até o nível da fazenda, mas a Feedex não solicitou informações sobre a origem exata da soja.

Tabela 1: Resumo das divisões da soja e controle de responsabilidade da soja das empresas que operam na Finlândia

Companhia

A soja brasileira é usada na cadeia de valor da empresa?

Como é monitorada a responsabilidade da soja brasileira?

De qual subcontratado a soja brasileira é comprada?

A soja brasileira é rastreada / rastreável até o nível da fazenda?

HKScan

Sim, na alimentação de porcos e galinhas

Na Finlândia, RTRS-Krediitit, na Suécia também outras certificações. A Dinamarca está em processo de mudança para as certificações. As certificações não são usadas no Báltico.

Vários subcontratados, na Finlândia, por ex. Satarehu

Não

Atria / A-rehu

Sim, na alimentação de porcos e galinhas

Créditos RTRS, Certificação ProTerra (Segregação)

Farelo de soja brasileiro certificado pelo ProTerra através de um subcontratado norueguês. Em. o nome do subcontratado não é divulgado ao público. O farelo de soja brasileiro geneticamente modificado certificado com créditos RTRS é adquirido da ADM e da Bunge.

A soja com certificação RTRS não é rastreável. A soja certificada pelo ProTerra pode ser rastreada até o nível da fazenda, mas a Atria não solicitou informações sobre a origem exata da soja.

Snellman /
Figen Oy

sim

Certificação ProTerra (segregação)

A ração usada pelas unidades de suínos da Figen é comprada da Hankkija Oy.

Os produtores de suínos da Snellman adquirem ração principalmente de Hankkija Oy, Feedex Ab e Rehux Oy.

A soja certificada pelo ProTerra pode ser rastreada até o nível da fazenda, mas Snellman não solicitou informações sobre a origem exata da soja.

Pouttu

Não compre matérias-primas de origem brasileira. Obtém carne de açougueiros domésticos e da UE. A soja brasileira pode ter sido usada na produção de carne.

Não impõe requisitos de responsabilidade sobre a soja usada na produção de carne.

Não rastreia a origem da soja usada na produção de carne.

Agrox

sim

RTRS-Credits, controle de responsabilidade do próprio subcontratado

Da ADM

A própria Agrox não rastreou suas compras de soja nas fazendas. No entanto, o subcontratado da Agrox, ADM, diz que é capaz de rastrear todas as suas compras diretas no nível da fazenda.

Fornecedor

sim

Certificação ProTerra (segregação)

A aquisição de soja é realizada pela empresa de aquisição do Grupo DLA Agro, que adquire farelo de soja da Sodrugestvo.

O farelo de soja certificado pelo ProTerra pode ser rastreado até o nível da fazenda, mas o Fornecedor não solicitou informações específicas do lote sobre a origem exata da soja.

Soja Nórdica

A empresa não divulga segredos comerciais

Sem informação

Sem informação

Sem informação

Satarehu

sim

Créditos RTRS e Certificação ProTerra (Segregação). A RTRS-Krediitit compra o HKScan em nome de seus próprios produtores contratados.

Da ADM e, em menor grau, da Nordic Soya e Berner

A soja certificada pelo ProTerra pode ser rastreada até o nível da fazenda, mas Satarehu não solicitou informações sobre a origem exata da soja.

Lantmännen
Agro Oy

Não compre matérias-primas de origem brasileira. No entanto, a resposta aplica-se apenas à própria empresa, não a todo o Grupo Lantmännen.

Rehux

Sim, se europeu ou americano não estiver disponível

Certificação ProTerra (Segregação) ou Créditos RTRS

De Berner ou Nordic Soya

A soja certificada pelo ProTerra pode ser rastreada até o nível da fazenda, mas Rehux não solicitou informações sobre a origem exata da soja.

Berner

sim

Certificação ProTerra (segregação)

Denofalta, faz parte do grupo Amaggi

A farinha de soja certificada pelo ProTerra pode ser rastreada até o nível da fazenda, mas Berner não solicitou informações específicas do lote sobre a origem exata da soja.

Feedex

sim

Certificação ProTerra (segregação)

De Berner

A farinha de soja certificada pelo ProTerra pode ser rastreada até o nível da fazenda, mas a Feedex não solicitou informações específicas do lote sobre a origem exata da soja.

4. Certificações de responsabilidade da soja usadas por empresas que operam na Finlândia

Em sua certificação de responsabilidade, os frigoríficos finlandeses e empresas da indústria de rações favorecem as certificações de responsabilidade líderes mais comuns do mercado, cujos critérios para a produção carecem de desmatamento e corte da vegetação original. As mais comumente usadas são as certificações RTRS e ProTerra.

Muitas das empresas que operam na Finlândia e que compram soja abrangidas por este relatório contam com a certificação RTRS para atestar a responsabilidade da soja. A Mesa Redonda da Associação de Soja Responsável (RTRS) é uma organização fundada na Suíça em 2006 com o objetivo de aumentar a produção, o comércio e o uso da soja produzida de forma responsável. A RTRS mantém a certificação de responsabilidade RTRS da soja em todo o mundo.

A certificação RTRS é baseada no padrão RTRS para produção de soja responsável, que é atualizado a cada quatro anos. A versão válida atual do padrão foi aprovada em 2017 e a próxima atualização está prevista para 2021.

A norma é construída em torno de cinco princípios relacionados a 1) conformidade com a lei e boas práticas comerciais, 2) condições de trabalho responsáveis, 3) relações responsáveis ​​com as partes interessadas locais, 4) responsabilidade ambiental e 5) boas práticas agrícolas. Além disso, Diretrizes Nacionais de Interpretação mais detalhadas para a aplicação da norma foram desenvolvidas para cada país produtor, incluindo o Brasil.

Em termos de combate ao desmatamento, o elemento mais importante da RTRS é a proibição do desmatamento, que se limitará a maio de 2009. Isso significa que a soja certificada não deve ser produzida em fazendas onde a natureza de floresta nativa crítica para a biodiversidade, áreas úmidas, florestas costeiras ou vegetação de encostas íngremes foram desmatadas desde maio de 2009.

De acordo com diversos relatórios de avaliação, a RTRS é uma das certificações mais ambiciosas em termos de combate ao desmatamento. Na comparação de 2019 de sistemas de certificação preparados pela consultoria Profundo com foco em pesquisa de sustentabilidade, apenas o sistema ISCC Plus alemão ficou à frente da RTRS.

Uma empresa que compra soja pode obter soja certificada RTRS de muitas maneiras diferentes: por meio de créditos RTRS, por meio de um sistema de balanço de massa ou segregado. O uso de créditos RTRS é uma compra separada de certificados. De acordo com o esquema de crédito, os usuários finais da soja compram certificados de produtores certificados pela RTRS e, assim, fornecem apoio financeiro aos produtores RTRS. A soja adquirida pelo próprio não é rastreável e o comprador e o produtor certificado não têm outra relação comercial além dos certificados. Conclui-se que não há requisitos de certificação ou controle de produção para os próprios grãos de soja comercializados e, portanto, também pode vir de fazendas onde os requisitos da RTRS não são cumpridos.

A segunda que ocorre no mercado finlandês de certificação de sustentabilidade de terceiros para soja é a Proter, que tem como foco os produtos não geneticamente modificados, ou seja, os chamados. Certificação de soja livre de OGM. A liberdade de OGM requer o tratamento separado da soja e, portanto, a soja certificada pelo ProTerra é freqüentemente mais rastreável até o nível da fazenda do que a soja certificada pela RTRS. Os requisitos do ProTerra são em muitos aspectos semelhantes aos requisitos do padrão RTRS. No ProTerra, a proibição do desmatamento é mais rígida do que o padrão RTRS, com a chamada data de corte de 2008. No entanto, para alguns outros critérios ambientais, o esquema de certificação do ProTerra foi avaliado como mais fraco do que o RTRS.

Do ponto de vista do desmatamento, o maior problema das certificações de soja não são tanto os critérios dos sistemas mais ambiciosos do mercado como RTRS e ProTerra, mas o fato de que a quantidade de soja certificada adquirida é insignificante. Das terras com cultivo de soja, apenas cerca de 2 milhões de hectares são cobertos por certificações. Essa área representa cerca de 1,6% da área total de soja. Além disso, a certificação da soja comprada, principalmente por meio de uma comercialização de crédito separada da comercialização física, pode, ao mesmo tempo, dar suporte e viabilizar o comércio convencional que causa o desmatamento.

Pelos motivos mencionados acima, a certificação da soja por si só não é mais suficiente e, além disso, deve-se garantir que os subcontratados se comprometam com um dia de corte para evitar o desmatamento em toda a produção de soja. Isso é discutido com mais detalhes no próximo capítulo.

A RTRS não inclui a exigência de que as áreas de alto valor de conservação em uma fazenda certificada sejam avaliadas por uma parte externa. Profundo, 2019, Definindo o padrão para soja livre de desmatamento na Europa – Uma referência para avaliar a adequação de sistemas de padrões voluntários , p. 18.

5. Novas soluções para combater o desmatamento causado pela soja

As certificações de responsabilidade da soja têm sido uma solução fraca para os problemas ambientais da produção de soja, especialmente no que diz respeito ao desmatamento e à destruição de ecossistemas naturais, já que a participação da soja certificada no total da soja permanece insignificante. Ao mesmo tempo, o desmatamento e outras mudanças no uso da terra causados ​​pelo cultivo da soja permaneceram insustentáveis, especialmente na biomassa do Cerrado. Vários grandes compradores europeus descreveram a situação no Brasil como fora de controle e apelaram ao setor da soja para tomar medidas urgentes para remediar a situação, instando a indústria a se comprometer com o chamado GTC (Grupo de Trabalho do Cerrado, Grupo de Trabalho da Soja do Cerrado) .

No Brasil, indústria e ONGs vêm negociando há quatro anos um acordo GTC que interromperia o desmatamento e o desmatamento de ecossistemas naturais na biomassa do Cerrado. O acordo seria uma reminiscência do acordo de moratória da soja na Amazônia, que produziu bons resultados. Sob o acordo, os comerciantes de soja se comprometeriam a comprar soja apenas de fazendas onde nenhum novo ecossistema será eliminado do cultivo de soja após uma data mutuamente acordada (a chamada data limite) O monitoramento do acordo seria feito por imagens de satélite das fazendas de soja e pela auditoria das compras das empresas compradoras. O acordo é baseado no Quadro de Responsabilidade, desenvolvido em cooperação entre organizações e sistemas de certificação e publicado em 2019. A Estrutura de Responsabilidade contém padrões, definições e diretrizes para agricultura e silvicultura responsáveis, e é baseada não apenas nas opiniões das organizações envolvidas, mas também em padrões internacionais, como os Princípios Orientadores da ONU, as Convenções da OIT, a Declaração de Nova York sobre Florestas e as Metas de Desenvolvimento Sustentável das Nações Unidas .

Um novo acordo foi negociado entre as partes do denominado grupo de trabalho GTC. No entanto, exatamente quando o acordo concluído deveria ser anunciado no início de 2020, empresas brasileiras e internacionais que comercializavam soja, inesperadamente, desistiram de assinar o acordo.

Compromissos estão sendo feitos internacionalmente, segundo os quais, no futuro, os compradores internacionais só poderão negociar com empresas que tenham celebrado um acordo GTC. Já foram assinados compromissos na Suíça, Áustria, Alemanha e França. Ainda não foram assumidos compromissos na Finlândia.

Até o momento, o número de empresas que comercializam a soja brasileira ainda é pequeno. Caramuru, Imcopa e Selecta estão incluídos . Uma frente unida dos atores europeus em apoio ao acordo é, portanto, essencial para a sua entrada em vigor. o em 22.1.2021)

6.  Resumo

O desmatamento no Brasil continua. No que diz respeito ao cultivo da soja, a situação é aguda, principalmente no grande ecossistema do Cerrado.

Na Finlândia, a soja brasileira ainda é amplamente utilizada na alimentação de porcos e galinhas. Nove das 12 empresas de carnes e rações que responderam à pesquisa da Finnwatch confirmaram que suas cadeias de valor incluem a soja brasileira. A Lantmännen Agro Oy não compra soja do Brasil, mas forneceu à Finnwatch informações apenas sobre suas próprias operações, não sobre todo o Grupo Lantmännen. Pouttu não compra matéria-prima de soja em si, mas a soja brasileira usada como ração em suas cadeias de valor provavelmente virá por meio da compra de carne. Um grande player na indústria de rações, a Nordic Soya, foi a única empresa que não forneceu à Finnwatch informações sobre a origem da soja que comprou. A empresa declarou publicamente que busca o reconhecimento como produtora de proteína responsável. A transparência das atividades não contribui para esse objetivo. Os clientes da empresa disseram que adquirem a matéria-prima da soja de origem brasileira por meio da Nordic Soya.

Todas as empresas que compram soja brasileira na Finlândia usam soja certificada pela RTRS ou ProTerra. Cinco das empresas respondentes contam com créditos RTRS para certificação de responsabilidade da soja. O uso de créditos RTRS é uma compra separada de certificados, onde a soja adquirida não é rastreável e o comprador não sabe de onde a soja vem (ver Capítulo 4). Conclui-se que a soja física usada como ração pode não atender a nenhum requisito de certificação e sua produção não foi controlada.

Nenhuma das empresas respondentes que usam soja brasileira em sua cadeia de valor rastreou a soja brasileira que compraram até sua fazenda. Todas as empresas que compram soja segregada certificada pelo ProTerra teoricamente teriam a capacidade de rastrear a soja, mas não o fizeram.

Grande parte das compras de empresas que operam na Finlândia vem de resíduos internacionais de soja. As empresas internacionais de matérias-primas das quais as casas de carne e rações que operam na Finlândia compram suas matérias-primas de soja são Denofa (Amaggi), ADM, Bunge e Sodrugestvo. Nenhum desses subcontratados de soja usados ​​por empresas finlandesas ainda entrou em um acordo GTC para proteger a biomassa do Cerrado. Dos participantes da lista, Bunge e Sodrugestvo são considerados fracos em suas práticas de responsabilidade corporativa em várias comparações.

Algumas das respostas das empresas sugerem que a responsabilidade não é necessariamente um valor absoluto, mas está fortemente ligada à demanda do mercado. Por exemplo, o HKScan não usa soja certificada no Báltico. Já a subsidiária da Atria adquire carne brasileira para o mercado russo, cuja procedência exata a empresa não fornece. A carne brasileira também é um produto de alto risco do ponto de vista do desmatamento.

Em um resumo do mercado finlandês de soja examinado neste estudo, pode-se afirmar que uma parte significativa das empresas que usam ou comercializam soja na Finlândia contam com o comércio de certificado para certificação de responsabilidade. Além disso, compram soja de empresas que não firmaram acordo para evitar o desmatamento no Cerrado. Por isso, pode-se considerar muito provável que a soja utilizada para a produção de carne na Finlândia contribua para o desmatamento do Brasil e a destruição de ecossistemas naturais. Também é possível que parte da soja usada na Finlândia venha de áreas colhidas ilegalmente.

7.  Recomendações
Para empresas
  • O acordo GTC abordaria o desmatamento que ameaça o bioma Cerrado. As empresas que operam na Finlândia usando soja brasileira devem cooperar em questões de responsabilidade corporativa e se juntar à frente de compradores europeus para apoiar o acordo GTC. Em todas as empresas compradoras, toda a cadeia da soja deve se comprometer a comprar soja no futuro apenas de fornecedores de matéria-prima que façam parte do acordo GTC.
  • As empresas devem apresentar certificações de soja que permitam a rastreabilidade física da soja adquirida. Contar apenas com os créditos da RTRS não é uma forma suficiente de garantir a sustentabilidade social ou ecológica da soja comprada. As empresas devem garantir a sustentabilidade ecológica das matérias-primas em suas cadeias de valor, planejando suas aquisições de acordo com os padrões estabelecidos pelo Quadro de Responsabilidade.
  • As empresas devem continuar a investir na aquisição e processamento de proteínas vegetais mais ecologicamente sustentáveis ​​e geograficamente mais próximas. Os operadores do setor alimentar precisam aumentar o fornecimento de produtos de proteína vegetal ecologicamente sustentáveis.
Para cidadãos
  • Toda exploração de recursos naturais geralmente tem um impacto direto ou indireto sobre o uso de florestas e outros ecossistemas. A proteção das florestas e da biodiversidade, portanto, não é apenas uma questão de deixar certas áreas intocadas, mas também, na medida do possível, da necessidade de reduzir o uso de matérias-primas. A soja é importada do Brasil para a Europa principalmente para alimentação animal. Reduzir o consumo de carne e adotar uma dieta vegetariana é a melhor maneira de garantir que os próprios hábitos de consumo não contribuam para o desmatamento no Brasil e em outros países.
  • No caso de compra de carne, devem ser selecionados produtos para os quais a empresa possa indicar de onde vem a ração utilizada e como tem sido monitorada sua responsabilidade. No futuro, os produtos cárneos só devem ser comprados de empresas que se comprometeram não apenas com o acordo de moratória da soja na Amazônia, mas também com o acordo GTC, que está ausente no desmatamento do Cerrado.

Para tomadores de decisão

  • A Finlândia não deve aceitar o acordo comercial de baixa sustentabilidade do Mercosul negociado com o Brasil em sua forma atual. A nível da UE, as negociações futuras com o Brasil também não devem ser retomadas até que este tenha assumido um compromisso credível de implementar os compromissos assumidos no Acordo de Paris.
  • A União Europeia deve definir a União Europeia produzir um rehusoijalle requisitos de durabilidade e exige todas as formas de poder de mercado na rejeição de desmatamento União soijalta de certificação ou outros controles de terceiros credíveis para evitar o desmatamento.
  • Tanto na Finlândia quanto na União Européia, a preparação de legislação de responsabilidade corporativa baseada no dever de cuidado deve continuar. A Comissão Europeia deve também preparar uma proposta legislativa de combate ao desmatamento nas cadeias de valor das empresas, em linha com a resolução aprovada pelo Parlamento Europeu em outubro de 2020 47 .
  • Os contratos públicos devem promover resolutamente a transição para uma dieta vegetariana. Ao comprar carne, os requisitos devem ser definidos para a responsabilidade da soja usada como ração: a ração de soja deve ser certificada e rastreável às instalações de produção.

fecho

Este relatório foi escrito originalmente em finlândes e publicado pela ONG Finnwatch [Aqui!].

Soja da Amazônia não é “livre de desmatamento”

Abiove e Ministério da Agricultura divulgam informação falsa após ameaça do presidente francês

pulverizadoraMáquina pulveriza agrotóxico sobre plantação de soja na Amazônia Foto: © Bruno Kelly / Greenpeace

20% da soja dos biomas Amazônia e Cerrado foi produzida em imóveis rurais que desmataram, aponta estudo

Em resposta ao presidente da França, Emmanuel Macron, que ameaçou boicotar a soja brasileira em razão do desmatamento da Amazônia, a Associação Brasileira das Indústrias de Óleos Vegetais (Abiove) afirmou em nota nesta terça-feira (12/01) que “a soja produzida no bioma Amazônia no Brasil é livre de desmatamento desde 2008 graças à Moratória da Soja, iniciativa internacionalmente reconhecida que monitora, identifica e bloqueia a aquisição de soja produzida em área desmatada no bioma, garantindo risco zero do envio de soja de área desmatada (legal ou ilegal) deste bioma para mercados internacionais”.

No mesmo tom, o Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (MAPA) afirmou, em nota divulgada no dia seguinte, que “a soja brasileira não exporta desmatamento”.

A Moratória da Soja, uma iniciativa de ONGs ambientais com participação da Abiove e da Associação Nacional dos Exportadores de Cereais (Anec), tem de fato contribuído para reduzir a pressão sobre a floresta amazônica, mas isso não significa soja “livre” de desmatamento, nem que há “risco zero” de exportação de soja de áreas desmatadas no bioma ou que “a soja brasileira não exporta desmatamento”.

Segundo pesquisa publicada recentemente na Science, uma das mais importantes revistas científicas, cerca 20% da soja dos biomas Amazônia e Cerrado exportada para a União Europeia foi produzida em imóveis rurais que desmataram entre 2008 e 2018, desrespeitando o código florestal. O levantamento foi feito com base em informações declaradas no Cadastro Ambiental Rural (CAR) e dados de exportação de soja.

Além disso, o estudo indica que 0,5 milhão de tonelada de soja da Amazônia é exportada para países europeus, contra 1,4 milhão de tonelada do Cerrado, embora esse bioma seja cinco vezes menor que a Amazônia. Isso reforça um problema que vem se agravando: o desmatamento no Cerrado, que em 2020 aumentou 13%segundo o Inpe, totalizando quase 50% de eliminação da vegetação nativa do bioma.

A manifestação da Abiove ocorreu logo após Macron afirmar, no Twitter, que “continuar a depender da soja brasileira seria o mesmo que apoiar o desmatamento da Amazônia”. Em seguida, ele completou: “Somos coerentes com nossas ambições ecológicas, estamos lutando para produzir soja na Europa”. O presidente francês tem mantido posição contrária ao acordo comercial entre a União Europeia e o Mercosul, sob alegação de que o Brasil precisa cumprir o Acordo de Paris e reduzir o desmatamento, gerando pressão sobre o governo Bolsonaro e acenando para agricultores locais.

Em 2019, o Brasil produziu 114 Mton de soja, das quais 28 Mton no bioma Amazônia e 40 Mton na Amazônia Legal (o que inclui o Cerrado de MT, MA e TO), aponta o professor da UFMG Raoni Rajão, um dos autores do estudo da Science, com dados do IBGE. Ou seja, a região é responsável por 25% a 35% da produção nacional, dependendo da definição territorial utilizada.

A exemplo da moratória da soja na Amazônia, ONGs têm pressionado as indústrias por um acordo para o Cerrado, com o objetivo de barrar a expansão da soja sobre a vegetação nativa. No entanto, após um longo período de tratativas, nenhum resultado concreto foi atingido. O governo, que participava dos grupos de trabalho e endossava a iniciativa voluntária, retirou-se das negociações na gestão Bolsonaro, sinalizando o desinteresse pelo combate ao desmatamento.

A moratória da soja começou a funcionar a partir de 2006, após forte pressão de ONGs sobre compradores internacionais, com o argumento de que eles estimulavam o desmatamento na Amazônia ao produzir a oleaginosa.

Para resolver o embate foi criado um grupo de trabalho e pactuado, entre as ONGs e a Abiove, que as indústrias não comprariam mais soja de produtores cuja área para produção no bioma Amazônia tenha sido desmatada após 2008, mesmo com autorização.

Foi criado um sistema de monitoramento privado com imagens de satélite nos principais municípios produtores de soja, que identifica quem descumpre as regras e bloqueia a compra por parte das indústrias.

De acordo com o último relatório sobre a moratória, divulgado em abril de 2020 (safra 2018/2019) pelo Grupo de Trabalho da Soja, 1,8% dos produtores de soja no bioma Amazônia estariam em desacordo, ou seja, desmataram após 2008. O documento também considera que após a implementação do acordo houve uma redução de 4,6 vezes da taxa média de desmatamento na Amazônia, atribuindo parte desse resultado à iniciativa. No entanto, segundo dados do Inpe, o desmatamento na Amazônia aumentou 34,5% em 2019 e 8,5% em 2018.

Na quinta-feira (14/1), Bolsonaro atacou o presidente francês, classificando suas declarações de “politicalha” e “campanha contra o Brasil”: “(…) Quanto de floresta tem a França? Porque eles falam tanto em reflorestamento, em dar dinheiro pra nós. Não tem que dar dinheiro pra nós, não, nós vamos dar mudas de árvores para você replantar, reflorestar aí (…)”. Ao contrário do Brasil, a França tem recuperado suas florestas desde o início da revolução industrial: em 1800 elas cobriam menos de 15% do território, hoje se aproximam dos 30%, mostrou o professor da UFMG.

fecho

Este texto foi inicialmente publicado pelo site Fakebook.eco [Aqui!].

Incêndios colocam em risco as matas ciliares no Pantanal e no Cerrado

fogo

Por Norbert Suchanek para o Neues Deutschland

No ano que acaba de terminar, os piores incêndios florestais em décadas assolaram o cerrado brasileiro e o Pantanal. As chamadas matas de galeria que margeiam as margens dos rios da paisagem de savana são particularmente afetadas pelos incêndios. Este ecossistema de floresta rica em espécies ameaça tombar. Este é o resultado de um estudo publicado recentemente no Journal of Applied Ecology.

As florestas de galeria perenes não são apenas particularmente ricas em espécies, elas evitam a erosão do solo e protegem os recursos hídricos. Eles também são essenciais para a sobrevivência de numerosas espécies animais, como a onça-pintada em extinção. As matas ciliares são seu refúgio preferido e uma parte importante dos corredores para a preservação da biodiversidade. Surpreendentemente, a proximidade com a água também não protege as matas ciliares dos incêndios florestais que foram causados ​​principalmente para expandir as plantações de soja e pastagens de gado. Uma equipe internacional de cientistas com a participação da Universidade de Hohenheim em Stuttgart examinou os efeitos de um incêndio devastador no parque nacional brasileiro Chapada dos Veadeiros.

Em 2017, 860 quilômetros quadrados de cerrado foram queimados ali. Para parte da área, a equipe de cientistas avaliou imagens de satélite de antes e depois do incêndio e realizou estudos de campo no local. De acordo com isso, cerca de 90 por cento das matas ciliares na região de estudo ainda estavam intactas em 2003. Após os devastadores incêndios florestais de 2017, no entanto, a cobertura florestal nas margens do rio caiu para 20 por cento em alguns lugares. “Em média, a cada segunda árvore adulta e 88 por cento das mudas morreram”, disse a equipe de pesquisa.

“Para nossa surpresa, as florestas que inundavam na época das chuvas foram as que mais sofreram danos. Algumas dessas florestas foram completamente destruídas. Quase todas as árvores morreram e gramíneas e outras espécies invasoras invadiram as áreas «, explica o primeiro autor da publicação, Bernardo Flores, da Universidade Estadual de Campinas (Unicamp). Os cientistas veem uma razão para isso na casca relativamente fina das árvores nas margens. Porque embora as matas ciliares cresçam em um ambiente onde os fogos fazem parte do ecossistema, os fogos naturais raramente os atingem por conta própria. Nesta área, a camada superficial do solo rica em húmus também foi queimada, o que levou à perda de nutrientes e à erosão do solo, além de liberar CO2

Incêndios naturais geralmente surgem de quedas de raios durante tempestades. A chuva subsequente geralmente extingue rapidamente esses incêndios. Além disso, normalmente ocorrem trovoadas na época das chuvas, de forma que o solo e a vegetação ficam úmidos e dificilmente inflamáveis ​​”, explica a pesquisadora Anna Abrahão, da Universidade de Hohenheim. Mas os produtores de soja e gado atearam fogo na estação seca, quando a vegetação está seca e fácil de incendiar.

Além disso, as espécies de gramíneas africanas não nativas das pastagens artificiais para gado espalharam-se pela savana adjacente e deslocaram a vegetação natural. Essas gramíneas exóticas, por sua vez, resultaram em mais biomassa acumulada e forneceram combustível adicional para o fogo. As matas ciliares não suportam esses incêndios intensificados. Ao mesmo tempo, os pesquisadores observaram uma extensão da chamada estação do tempo de fogo nas savanas tropicais de todo o mundo devido às mudanças climáticas. Na região tropical da América do Sul, esse período é 33 dias a mais do que há 35 anos. Os pesquisadores veem todo o ecossistema em perigo.

A expansão das monoculturas tornou o Cerrado e o Pantanal mais inflamáveis. Ao mesmo tempo, o governo brasileiro enfraqueceu a política ambiental do Brasil nos últimos anos, o que também está levando ao aumento dos incêndios florestais, resume Rafael Oliveira, ecologista da Unicamp e coautor do estudo.

O Parque Nacional da Chapada dos Veadeiros, fundado em 1961 no nordeste do estado da Chapada, tinha originalmente uma área de 625.000 hectares. Sob pressão do lobby agrícola, foi drasticamente reduzido em 1972, inicialmente para 171.924 hectares e depois novamente em 1981 para apenas 65.500 hectares. Em 2017, o governo Michel Temer finalmente expandiu o parque nacional, que também está “protegido” como Patrimônio Mundial da Unesco desde 2001, para sua área atual de 235.000 hectares, que, no entanto, continua sendo um espinho no lado do lobby agrícola. A última tentativa de reduzir o parque para 65.500 hectares novamente fracassou em 2019 no Supremo Tribunal Federal.

fecho

Este artigo foi originalmente escrito em alemão e publicado pelo jornal Neues Deutschland [Aqui!].