Estudo mostra que JBS, Marfrig e Minerva dificilmente terão como cumprir a futura lei de desmatamento da União Europeia

cattlebrazil-645x381

Por Chain Reaction Research

O próximo Regulamento de Desmatamento da UE terá um impacto na JBS, Minerva e Marfrig. Uma amostra de 12.461 fornecedores diretos e 26.572 indiretos desses principais frigoríficos mostra o desmatamento recente que pode acabar nos mercados de consumo de carne bovina e couro da União Européia (UE). Qualquer desmatamento após a data limite proposta de 31 de dezembro de 2020 não estaria em conformidade com a futura lei.

Baixe o PDF aqui: JBS, Marfrig e Minerva Improvavelmente em conformidade com a futura lei de desmatamento da UE

Principais conclusões

  • Os frigoríficos JBS, Marfrig e Minerva precisarão cumprir o próximo Regulamento de Desmatamento da UE assim que for aprovado e implementado. Esses frigoríficos dominam a pecuária brasileira e são os principais exportadores de carne bovina congelada e produtos de couro para a UE. Para exportar para a UE, suas cadeias diretas e indiretas de fornecimento de gado não podem ser associadas ao desmatamento legal ou ilegal, após a data-limite de dezembro de 2020.
  • Uma amostra de seus fornecedores fornece informações sobre os hotspots de produção de carne bovina brasileira ligados ao mercado da UE. A JBS é a compradora dominante de gado em todos os sete estados brasileiros incluídos na amostra, enquanto as zonas compradoras da Marfrig e Minerva estão concentradas em menos estados. Para todos os três frigoríficos, sua base de fornecedores indiretos no estado do Pará, com alto risco de desmatamento, é quase o dobro em comparação com a base de fornecedores diretos.
  • O CRR encontrou conversão de 72.663 hectares (ha) na amostra desde a data limite. Potencialmente, 65.969 ha da Amazônia e 6.694 ha de alertas de desmatamento do Cerrado vinculados aos fornecedores dos três frigoríficos podem não estar em conformidade com a futura lei da UE.
  • O desmatamento ligado a fornecedores indiretos é altamente prevalente. Os fornecedores indiretos são um risco, pois o monitoramento dos frigoríficos de suas cadeias de suprimentos indiretos mostra lacunas e atrasos, e é improvável que estejam prontos para a esperada implementação da lei da UE a partir de 2023.
  • Uma vez que os frigoríficos não monitoram todo o fornecimento indireto, eles não podem garantir o cumprimento da futura lei de desmatamento da UE. Assim, frigoríficos, operadores de couro e FMCGs podem enfrentar riscos legais e reputacionais. Os frigoríficos JBS e Minerva monitoram apenas o desmatamento ilegal vinculado a seus fornecedores, enquanto a próxima Lei também considerará o desmatamento legal brasileiro como não conforme. A Marfrig se comprometeu com o desmatamento zero, inclusive legal.
  • As despesas de devida diligência nas cadeias de carne bovina e couro da UE são relativamente baixas no contexto de riscos financeiros mitigados para os setores relevantes.Em contraste, os financiadores da JBS, Marfrig e Minerva podem enfrentar os maiores riscos de valor (9,5-19%).

Regulamento de desmatamento da UE afetará importações de gado do Brasil

UE importa principalmente carne bovina congelada e produtos de couro do Brasil

Entre os países não pertencentes à UE, o Brasil, um país com alto risco de desmatamento, é o principal fornecedor de carne bovina congelada, couros e peles bovinas curtidas ou crostadas e couro bovino preparado para a UE

As importações de carne bovina e produtos relacionados à carne de origem não pertencente à UE representam apenas uma pequena parcela do consumo europeu. Mas entre eles, o Brasil desempenha um papel principal como fornecedor de carne bovina congelada e ainda mais de produtos de couro bovino para a UE (Figura 1). Tanto a produção de carne quanto a de couro são os principais motores do desmatamento no Brasil. A pecuária está causando o maior desmatamento na Amazônia brasileira, uma área que registrou um novo recorde de perda de floresta durante o primeiro semestre de 2022. Em 2021, a UE adquiriu52 por cento (37.147 toneladas métricas, MT) de suas importações totais de carne bovina congelada do Brasil, bem como 28 por cento (87.344 MT) de suas importações totais de couros e peles curtidos (wet blue) ou crust, e 30 por cento (12.029 MT ) das suas importações totais de couro preparado.

Figura 1: Importações totais da UE em 2021 de produtos pecuários de países não pertencentes à UE, por volume e valor, em verde, predominantemente originários do Brasil

Fonte: estatísticas comerciais da UE27 , 2021, avaliadas em outubro de 2022; Projeto de proposta da Comissão Europeia Notas: Esses produtos representam produtos relacionados ao gado sob o escopo do Regulamento de Desmatamento da UE. Os produtos destacados em verde são predominantemente originários do Brasil. Miudezas comestíveis de bovinos incluem os códigos do Sistema Harmonizado (SH) 020610, 020629 e 020622.

JBS, Marfrig e Minerva são as mais impactadas pela Lei de Desmatamento da UE

Três principais frigoríficos, JBS, Marfrig e Minerva, são os principais exportadores para a UE e dominam a indústria brasileira de gado e a produção de carne bovina e produtos de couro bovino

A JBS é a maior empresa de proteína animal e a segunda maior empresa de alimentos do mundo. A Marfrig é a segunda maior empresa de carne bovina do mundo em capacidade de produção, enquanto a Minerva é uma empresa de carne bovina voltada para a exportação. JBS, Minerva e Marfrig são os maiores exportadores brasileiros de carne bovina congelada para a UE (Figura 2) e estão entre os maiores curtumes brasileiros que fornecem couros e peles curtidas (wet blue) ou crust para o mercado da UE (Figura 3). Para couro preparado, apenas a JBS desempenha um papel direto como principal exportador para a UE (Figura 4). Além disso, matadouros de outros frigoríficos fornecem indiretamente couros e peles para produtores de couro que exportam couro preparado para a UE. Por exemplo, os curtumes dos produtores de couro Durlicouros e Viposa provavelmente obtêm matérias-primas dos matadouros próximos da Marfrig.

Com 63,7% de todas as importações de carne bovina congelada da UE em 2020, a Itália representa o maior destinatário da carne bovina congelada brasileira, seguida pela Holanda (22,1%), Espanha (8,6%) e Alemanha (4,6%). O principal destino europeu de couros e peles bovinas curtidas (wet blue) ou crust do Brasil em 2020 é a Itália (97,7%), que possui uma grande indústria de processamento de couro. Os principais países de destino da Europa para couro bovino do Brasil mais preparado em 2020 incluem Itália (45,7%), Alemanha (29,9%), Holanda (9,1%) e Hungria (8,4%).

Figura 2: Os 10 maiores exportadores brasileiros de carne bovina congelada para a UE (2020)

Fonte: Dados de remessa 2020, com base no código HS 0202. A Prima Foods inclui exportações sob Mataboi.

Figura 3: Os 10 maiores exportadores brasileiros de couros e peles bovinas curtidas ou crust para a UE (2020)

Fonte: Dados de remessa 2020, com base no código HS 4104.

Figura 4: Os 10 maiores exportadores brasileiros de couro bovino preparado para a UE (2020)

Fonte: Dados de remessa 2020, com base no código HS 4107.

Os três frigoríficos precisarão cumprir o próximo Regulamento de Desmatamento da UE, que visa conter o desmatamento legal e ilegal e a degradação florestal resultante do consumo e produção da UE

A proposta de regulamento da Comissão Europeia define “sem desmatamento” como commodities e produtos relevantes que foram produzidos em terras que não foram sujeitas a desmatamento desde 31 de dezembro de 2020 e madeira que foi colhida de florestas sem induzir “degradação florestal” após dezembro 31 de janeiro de 2020. Essa data limite ainda está em discussão . Os produtos de carne bovina e de couro se enquadram no escopo do Regulamento. Um dos pontos centrais do Regulamento é a rastreabilidade total da cadeia de suprimentos das commodities e produtos listados com risco de desmatamento, exigindo que os operadores de carne bovina e couro forneçam informações geográficas ligando commodities e produtos ao local exato de produção. Um relatório recente do CRR concluiu que, embora alguns desafios permaneçam, o requisito de rastreabilidade do Regulamento de Desmatamento da UE é viável nas cadeias de abastecimento de gado brasileiras usando sistemas e ferramentas existentes.

Hotspots de produção de carne bovina dos frigoríficos

Novos dados sobre fornecedores diretos e indiretos dos três frigoríficos fornecem informações sobre as localizações exatas dos hotspots de produção de carne bovina no Brasil, conforme visualizado na Figura 5

Isso é relevante sob o requisito de rastreabilidade do Regulamento de Desmatamento da UE. Para compor a amostra de 12.461 fornecedores diretos e 26.572 indiretos dos três frigoríficos, a CRR utilizou uma metodologia semelhante, com alguns ajustes, conforme utilizamos em nosso paper de 2020 sobre os três frigoríficos . As principais mudanças incluem 1) aumentar significativamente a amostra usando novas técnicas de análise e 2) usar alertas de desmatamento ( DETER ), incluindo desmatamento por incêndio, nesta análise, em oposição aos dados de desmatamento processados ​​anualmente ( Prodes), geralmente resultando em áreas maiores detectadas com desmatamento . Consequentemente, os dados de desmatamento do relatório de dezembro de 2020 e da análise atual não são comparáveis, pois a amostra é diferente e as taxas de desmatamento são calculadas de forma diferente.

Figura 5: Localização dos fornecedores diretos (esquerda) e indiretos (direita) para JBS, Minerva e Marfrig

Fonte: AidEnvironment, mapas de calor são criados com QGIS , e com base em dados do Ministério da Agricultura e licenças de transporte de animais (GTA). Quanto mais vivas as cores, maior a concentração de fornecedores diretos e indiretos na amostra.

Com base no transporte de animais e dados cadastrais rurais, o CRR localizou e monitorou 12.461 fornecedores diretos e 26.572 indiretos conectados aos três principais frigoríficos em sete estados dos biomas Amazônia e Cerrado do Brasil

Esses números representam uma amostra parcial do total de fornecedores para JBS, Minerva e Marfrig. Por exemplo, a amostra com 6.556 fornecedores diretos para os frigoríficos da JBS (Figura 6) cobre apenas 13% da base de fornecimento total estimada da empresa de 50.000 fornecedores diretos. Minerva diz ter mais de 6.000 fornecedores no Brasil; a amostra de 2.820 cobriria 47% de seus fornecedores diretos. Em 2020, a Marfrig diz ter 15.000 fornecedores diretos cadastrados no Bioma Amazônia e estima ter potencialmente 25.000 fornecedores indiretos no total somente no bioma amazônico. A amostra de 3.085 fornecedores diretos e 7.132 fornecedores indiretos cobriria, respectivamente, 21 e 29 por cento. Nenhum dos três frigoríficos divulga informações claras sobre os valores totais de seus fornecedores diretos e indiretos. Uma razão para não publicar as informações pode ser que esses números não sejam conhecidos por eles.

Figura 6: Características da amostra: zonas de compra da JBS, Marfrig e Minerva por estado brasileiro

Fonte: AidEnvironment, com base em dados do cadastro rural (SIGEF e SNCI), Ministério da Agricultura , licenças de transporte de animais (GTA). MT = Mato Grosso; MG = Minas Gerais; RO = Rondônia; MS = Mato Grosso do Sul; GO = Goiás; PA = Pará; TO = Tocantins. *Para Rondônia, os números podem representar uma pequena superestimação devido a algumas limitações de dados. Para mais explicações, os autores do CRR podem ser contatados.

A JBS é a compradora dominante de gado em todos os sete estados brasileiros incluídos na amostra, enquanto as zonas compradoras da Marfrig e Minerva estão concentradas em menos estados

A maioria dos fornecedores diretos da JBS está no Mato Grosso (46% do total da amostra), mas, no geral, a empresa possui fornecedores diretos espalhados pelos sete estados brasileiros (Figuras 5 e 6). Em contraste, Minerva e Marfrig parecem ter suas zonas de compra mais concentradas em alguns estados. A Marfrig tem relativamente poucos (ou nenhum) fornecedores diretos no Pará, Minas Gerais e Tocantins na amostra, enquanto o Minerva tem uma base de fornecedores diretos nesses estados. Em comparação com Minerva e JBS, o frigorífico Marfrig tem uma base maior de fornecedores diretos no Mato Grosso do Sul (figuras 5 e 6).

Os riscos de desmatamento ligados à base de abastecimento indireto dos frigoríficos são mais relevantes no Pará, um estado da Amazônia brasileira

A amostra revela que, para todos os três frigoríficos, sua base de fornecedores indiretos no Pará é, na maioria dos casos, mais que o dobro de sua base de fornecedores diretos (Figura 6). A maior base de fornecedores indiretos é um risco, uma vez que o monitoramento dos frigoríficos em suas cadeias de suprimentos indiretos mostra lacunas e atrasos significativos. Da mesma forma, em Rondônia, as bases de fornecedores indiretos da Marfrig e da Minerva são pelo menos o dobro de seus fornecedores diretos. Por outro lado, todos os três frigoríficos têm relativamente poucos fornecedores indiretos localizados em Minas Gerais (Figuras 5 e 6). Uma possível explicação é que Minas Gerais opera principalmente na etapa final da cadeia (abate) e não na fase de engorda, caracterizada pelo envolvimento de muitas propriedades fornecedoras indiretas. Essa explicação é corroborada pela concentração dos frigoríficos dos três frigoríficos no triângulo Minas Gerais, São Paulo e Mato Grosso do Sul (Figura 5).

A amostra também revela focos de produção e domínio dos frigoríficos nos municípios brasileiros

Esses municípios podem se tornar uma prioridade para demonstrar conformidade com a futura Lei de Desmatamento da UE. A amostra mostra, por exemplo, que todos os três frigoríficos adquirem carne bovina de um número significativo de fazendas em Cáceres, no Mato Grosso (Figura 7). Enquanto parte desse município já está desenvolvido, a parte sudeste ainda é coberta por vegetação nativa e, portanto, sob risco de desmatamento. Além disso, Parnaíba no Mato Grosso do Sul abriga a maioria das fazendas fornecedoras da Marfrig na amostra, enquanto Minerva, além de Cáceres, concentra principalmente as fontes de Rio Branco no Mato Grosso e Araguaína no Tocantins. Por fim, a Vila Bela da Santíssima Trindade, no Mato Grosso, acomoda um grande número de fornecedores diretos para os três frigoríficos.

Figura 7 : Top 10 municípios da amostra com mais fornecedores diretos para JBS, Marfrig e Minerva

Fonte: AidEnvironment, com base em dados cadastrais rurais (SIGEF e SNCI), Ministério da Agricultura , licenças de transporte de animais (GTA), e com base na amostra. Observação: a tabela “Municípios com fazendas fornecedoras para vários frigoríficos” é baseada nos 20 principais municípios fornecedores de cada frigorífico.

Enquanto quase 80 por cento dos fornecedores diretos na amostra fornecem apenas um dos três frigoríficos, os fornecedores indiretos tendem a fornecer mais regularmente todos os três frigoríficos de uma vez (Figura 8 abaixo)

Dos 12.461 fornecedores diretos da amostra, 79% vendiam para apenas um dos três frigoríficos, 19% forneciam para dois frigoríficos e apenas 2% para os três frigoríficos. Dos fornecedores indiretos da amostra, 37% vendiam para apenas um dos três frigoríficos, 53% forneciam para dois frigoríficos e 10% para os três frigoríficos.

Figura 8 : Localização dos fornecedores diretos e indiretos que atendem aos três frigoríficos

Fonte: AidEnvironment, com base em dados do cadastro rural (SIGEF e SNCI), Ministério da Agricultura , licenças de transporte de animais (GTA).

Conversão significativa desde 2020, data-limite do Regulamento de Desmatamento da UE

Potencialmente 65.969 ha de Amazônia e 6.694 ha de Cerrado são de desmatamento não conforme

Considerando a data limite proposta de 31 de dezembro de 2020, a análise do CRR revela que potencialmente 65.969 ha de desmatamento da Amazônia e alertas de incêndio vinculados a fornecedores dos três frigoríficos da amostra podem não estar em conformidade com a futura Lei de Desmatamento da UE

A perda de vegetação amazônica está conectada a fornecedores diretos e indiretos de todos os três frigoríficos desde a data proposta de corte do Regulamento de Desmatamento da UE (31 de dezembro de 2020) (Figura 9). O desmatamento detectado corrobora outros estudos que mostram que o desmatamento na Amazônia está aumentando e que o desmatamento relacionado à carne bovina continua vindo de áreas protegidas na Amazônia.

A área de desmatamento identificada abrange o desmatamento legal e ilegal de acordo com a legislação brasileira, ambos os quais não estarão em conformidade com o Regulamento de Desmatamento da UE

O desmatamento que é legal sob a lei brasileira se tornará incompatível com o Regulamento de Desmatamento da UE. A área desmatada de 65.969 ha pode ser uma superestimativa, pois se baseia em dados ainda não confirmados ( DETER) alertas de desmatamento. Por outro lado, a área de desmatamento estimada é conservadora, pois a amostra da CRR cobre apenas uma pequena proporção de todos os fornecedores diretos e indiretos ligados aos três frigoríficos. Ao considerar toda a base de abastecimento dos três principais frigoríficos, a CRR estima que as taxas de desmatamento ligadas aos fornecedores dos frigoríficos JBS, Marfrig e Minerva aumentarão. Essa estimativa não denuncia práticas ilegais dos três frigoríficos, uma vez que parte do desmatamento, principalmente no bioma Cerrado, seria legal no âmbito do Código Florestal Brasileiro.

Figura 9: Alertas de desmatamento (ha) em amostra vinculada a fornecedores dos frigoríficos JBS, Marfrig e Minerva de 31 de dezembro de 2020 a julho de 2022

Fonte: AidEnvironment, com base nos alertas de desmatamento do DETER 2022; SIGEF, SNCI, registros 2022 GTA. Nota: Os alertas de desmatamento do DETER 2022 ainda não estão confirmados, portanto, as taxas de desmatamento atreladas a esta amostra podem estar superestimadas. *Nem toda a vegetação nativa do Cerrado (por exemplo, pastagens) está sob o escopo da proposta de Regulamento de Desmatamento da UE.

A amostra demonstra que os fornecedores da Amazônia para os três frigoríficos são responsáveis ​​por mais desmatamento desde 31 de dezembro de 2020 do que os fornecedores do Cerrado

Existem múltiplas explicações para o aumento do desmatamento na Amazônia. Primeiro, observado as taxas de desmatamento no bioma Amazônia aumentaram desde 2019, como resultado de um novo mandato de governança brasileira e ações não favoráveis ​​para combater o desmatamento ou melhorar a conservação da floresta. Em segundo lugar, a nova análise neste relatório inclui o desmatamento por incêndios, com picos de incêndios aumentando consideravelmente na Amazônia nos últimos três anos. As áreas desmatadas por queimadas no pico da temporada de queimadas (aproximadamente do início de agosto ao final de outubro) nem sempre são captadas por análises de satélite no ano seguinte, pois a vegetação já havia voltado a crescer no momento da confirmação dos alertas de desmatamento do Prodes.

No Cerrado, a remoção de 6.694 ha de floresta e savana arborizada pode não estar em conformidade com a futura legislação da UE 

Do total de 15.213 ha de vegetação de Cerrado derrubada em propriedades de fornecedores diretos e indiretos dos três frigoríficos (Figura 9), cerca de 44 %  (6.694 ha) podem não estar em conformidade com o Regulamento de Desmatamento da UE. O âmbito de aplicação do Regulamento inclui os ecossistemas florestais e florestais. Em 2021, o uso da terra no bioma Cerrado mostrou que 14% da vegetação nativa era floresta, 30% savana arborizada e 9% outra vegetação não florestal (ou seja, pastagem).

Desmatamento ligado a fornecedores indiretos de JBS, Minerva e Marfrig mais prevalente

A maior parte do desmatamento calculado pode ser atribuída à base de fornecedores indiretos dos três frigoríficos

Na amostra, os alertas de desmatamento são pelo menos quatro vezes maiores na base de fornecedores indiretos dos três frigoríficos combinados (65.712 ha) em comparação com os fornecedores diretos (15.470 ha) (Figura 9). Além disso, 19 por cento (15.255 ha) dos alertas de desmatamento podem ser atribuídos a fornecedores indiretos que abastecem todos os três frigoríficos, em comparação com apenas 1,5 por cento (1.000 ha) dos alertas de desmatamento na amostra de fornecedores que podem estar vinculados a fornecedores diretos que atendem os três frigoríficos simultaneamente. Esta discrepância confirma que os riscos de desmatamento nas cadeias de suprimentos indiretos são maiores e acrescenta que os fornecedores indiretos vinculados ao desmatamento com mais regularidade tendem a abastecer os três frigoríficos de uma só vez.

Dentro da amostra, a JBS está mais exposta ao desmatamento, tanto em números absolutos quanto relativos, em comparação com as taxas vinculadas à Marfrig e à Minerva

Mas o menor número de fornecedores de Minerva e Marfrig incluídos na amostra pode explicar parte dessa diferença. Os alertas de desmatamento na base de fornecedores indiretos da JBS são mais de três vezes o tamanho de sua base de fornecedores diretos, mas para a Marfrig esse número é mais de sete vezes maior e para a Minerva mais de oito vezes (Figura 9).

Riscos legais e de reputação por violação do Regulamento de Desmatamento da UE

Como os frigoríficos não monitoram todos os seus fornecedores indiretos, eles não podem garantir a conformidade com o próximo Regulamento de Desmatamento da UE

Em particular, os alertas de alto desmatamento desde a data limite de dezembro de 2020 nas cadeias de abastecimento indiretas da JBS, Marfrig e Minerva levantam preocupações sobre o cumprimento da Lei da UE e a conservação das florestas em geral. Embora os frigoríficos tenham feito progressos na conformidade nas cadeias de abastecimento diretas, eles mostraram pouco progresso no monitoramento da cadeia de abastecimento indireta. Os prazos para alcançar a transparência total da cadeia de suprimentos, incluindo as cadeias de suprimentos indiretas – o mais cedo em 2025 ou o mais tardar em 2035— estão fora do ritmo da implementação da Lei de Desmatamento da UE. A Lei provavelmente entrará em vigor em 2023, com a maioria dos requisitos aplicáveis ​​um ou dois anos depois.

Os frigoríficos JBS Minerva monitoram apenas o desmatamento ilegal vinculado a seus fornecedores, enquanto a próxima Lei da UE também considerará o desmatamento legal como não conforme

 Esta parte da Lei é particularmente relevante no Cerrado brasileiro, onde, dependendo da localização, 65 a 80 por cento das propriedades podem ser desenvolvidas e desmatadas da vegetação nativa. Com licença ambiental aprovada, o desmatamento dessas propriedades é considerado legal de acordo com o Código Florestal Brasileiro. Em resposta a uma versão preliminar deste relatório, a Minerva afirma que monitora o desmatamento ilegal de 100% de seus fornecedores diretos e confirma sua conformidade com as regulamentações ambientais brasileiras. No entanto, isso não atenderia às próximas restrições de importação da UE que proíbem as importações legais e ilegais de carne bovina e couro relacionadas ao desmatamento, para cadeias de fornecimento diretas e indiretas de gado.

A Marfrig é a única empresa frigorífica comprometida com o desmatamento zero até 2025 (para a Amazônia, 2030 para o Cerrado), tanto para o desmatamento legal quanto para o ilegal. Este compromisso aumenta a probabilidade da empresa eventualmente cumprir o próximo Regulamento. No entanto, a incapacidade da Marfrig de monitorar atualmente todos os seus fornecedores indiretos mostra uma lacuna no cumprimento dos requisitos previstos no Regulamento.

A JBS se comprometeu a atingir o desmatamento zero em toda a sua cadeia de suprimentos global apenas até 2035.

Violar a próxima lei da UE pode implicar riscos legais para os três frigoríficos

O Regulamento prevê a persecução judicial dos infractores através da aplicação de coimas, nomeadamente coimas proporcionais aos danos ambientais causados ​​e exclusão temporária de processos de aprovisionamento. Embora JBS, Marfrig e Minerva sejam grandes fornecedores para o mercado europeu, ainda não está claro qual proporção da carne bovina e do couro produzidos fora de conformidade acaba nas cadeias de suprimentos europeias.

Violar o Regulamento também pode envolver riscos de reputação para frigoríficos, operadores de couro e empresas de bens de consumo de alta rotatividade (FMCGs)

O Parlamento Europeu propôs a publicação de uma lista de operadores e comerciantes que não cumprem o Regulamento de Desmatamento da UE. Se aprovada nas rodadas finais de votação, a lista será disponibilizada pela Comissão Europeia e, sem dúvida, será usada na defesa e potencialmente em litígio por organizações da sociedade civil (OSCs) e instituições de caridade jurídicas, que têm sido fortemente a favor da inclusão de esta lista de empresas não conformes.

Os riscos de reputação para players downstream aumentarão de OSCs que visam principalmente empresas e varejistas downstream conhecidos que usam carne bovina e couro

Em dezembro de 2021, as cadeias de supermercados europeias J Sainsbury, Lidl, Auchan, Ahold Delhaize e Carrefour descartaram produtos de carne bovina originários da JBS no Brasil após alegações de OSCs de ligações com o desmatamento. Outros têm como alvo os fabricantes de automóveis europeus Volkswagen, BMW, Daimler e Renault por usar couro ligado ao desmatamento e originário da JBS, Marfrig e Minerva. O aumento do escrutínio da conformidade dos fornecedores a jusante com o Regulamento de Desmatamento da UE refletiu-se nos  muitos apelos  por uma ambiciosa lei da UE sobre o desmatamento.

Riscos financeiros mitigados para frigoríficos, FMCGs e instituições financeiras

JBS, Marfrig e Minerva podem enfrentar risco de acesso ao mercado, multas e risco de financiamento. As empresas voltadas para o consumidor sediadas na UE e as instituições financeiras sediadas na UE podem ver risco de valor e risco de reputação

Devido ao próximo Regulamento de Desmatamento da UE, os frigoríficos podem enfrentar dificuldades em exportar carne bovina e couro para o mercado da UE. Ser cortado do mercado da UE afetaria as receitas líquidas, o lucro bruto, o EBITDA e o lucro líquido. Se as empresas continuarem exportando, poderão enfrentar multas. O valor da reputação é a categoria de risco que domina a indústria downstream voltada para o consumidor da UE que obtém carne bovina e/ou couro de frigoríficos da América Latina (LatAm) e indiretamente para seus financiadores.

As exportações dos frigoríficos para a UE representam uma pequena parte de suas receitas totais (Figura 10), resultando em um risco de valor para suas ações. As penalidades máximas são uma baixa porcentagem dos lucros globais

Os frigoríficos não fornecem números detalhados para as exportações de carne bovina e produtos de couro, e os números de exportação ocasionalmente se referem a outras áreas além da América Latina. Como resultado, as exportações de produtos de carne bovina e couro da América Latina podem ter um valor menor do que o calculado na linha 3 da Figura 10. A Marfrig é uma grande exportadora para a UE. De sua receita sul-americana, 58% é exportada. Dessas exportações, 18 por cento são enviados para a UE. Exposição de exportação da JBS para a UE é muito menor, sete por cento. No entanto, esse número inclui exportações para a UE de outras unidades da JBS, como o negócio nos Estados Unidos, que não tem problemas de desmatamento. Devido à grande atividade dessas duas empresas no mercado americano, o percentual de receita das exportações latino-americanas para a UE é relativamente baixo. Os negócios globais da Minerva se originam principalmente na América Latina, e sua exposição total às exportações da UE em relação às receitas globais é a mais alta dos três frigoríficos.

Se as empresas enfrentarem restrições para exportar carne bovina e produtos de couro para a UE, elas podem perder lucros. Com base nas margens EBITDA (Earnings Before Interest, Tax, Depreciation and Amortization), a perda de EBITDA anual (1,8 a 5,3 por cento) é a base de cálculo de um número de valor por um período infinito, com base na metodologia de fluxo de caixa descontado. Esse valor seria relativamente alto para a Marfrig quando comparado à sua atual capitalização de mercado (19,0 por cento), mas muito menor para a JBS (9,5 por cento). Além disso, para a JBS, esse número também inclui exportações para a UE de outras regiões e outros produtos além da carne e couro da América Latina. Assim, o número comparável de JBS versus Marfrig e Minerva pode ser ainda menor.

As penalidades para operadores e comerciantes em caso de descumprimento podem ser no máximo de pelo menos 4% do faturamento nos estados membros da UE. Para os frigoríficos, esse valor seria relativamente baixo, de 0,6 a 2,4% do EBITDA global (Figura 10).

Os investidores parecem céticos sobre o fluxo de caixa futuro dos atuais lucros de carne da JBS, Marfrig e Minerva e já podem descontar os ventos contrários à “sustentabilidade”

Esse ceticismo pode ser concluído a partir da baixa avaliação dos frigoríficos: o múltiplo EV/EBITDA está na faixa de 3,4-5X (Figura 10) versus >10 para a maioria das empresas de bens de consumo em rápida evolução. Não há pesquisas com investidores disponíveis para explicar o motivo da falta de confiança nos fluxos de caixa futuros. Os motivos podem incluir exposição a mercados emergentes, vínculos com desmatamento e falta de bem-estar animal, ambiente de lucro volátil, violações de direitos humanos (direitos dos povos indígenas, direitos dos trabalhadores) e falta de boa governança nas empresas.

Figura 10: Exposição dos frigoríficos ao mercado da UE e risco financeiro

Fonte: Profundo, apresentações de resultados das empresas 2021, Bloomberg ; *DCF = Fluxo de Caixa Descontado, assumindo taxa de desconto de 10% e taxa de crescimento de 0%.

Os frigoríficos enfrentam riscos de financiamento, enquanto as instituições financeiras da UE podem enfrentar riscos de reputação

As instituições financeiras da UE ainda não são diretamente afetadas pelo Regulamento de Desmatamento da UE, e eles podem continuar a financiar as operações de carne e couro dos frigoríficos. No entanto, eles podem enfrentar conflitos com suas próprias políticas e compromissos ESG. Além disso, as campanhas da sociedade civil podem levar ao risco de reputação. Consequentemente, as instituições financeiras da UE ficariam cada vez mais hesitantes em continuar financiando frigoríficos, e os custos de capital podem aumentar para JBS, Marfrig e Minerva, impactando seu valor. Os financiadores da UE contribuíram com aproximadamente 15% para financiar os três frigoríficos em 2013-2022. Em títulos e empréstimos corporativos, os financiadores da UE fornecem 31-46 por cento do total. Como porcentagem de seus ativos totais, o total identificado na Figura 11 (USD 2,4 bilhões) é uma parte muito pequena de todos os ativos dos financiadores da UE (somente os ativos bancários já somam US$ 27 trilhões e excluem ações e obrigações).

Figura 11: Financiamento de JBS, Marfrig e Minerva (baseado na região)

Fonte: Profundo, baseado em Forests & Finance ; todos os dados baseados em relações financeiras identificadas em 2013-2022. Muitas vezes, as relações financeiras bilaterais não podem ser identificadas.

FMCGs, varejistas e empresas de fast-food podem enfrentar risco de valor de reputação mitigado

O valor da reputação de uma empresa é baseado nas interações com todas as partes interessadas, incluindo fornecedores, clientes, funcionários, financiadores e investidores. Eles podem se desvincular de empresas voltadas para o consumidor que não são proativas na eliminação de produtos de origem ligados ao desmatamento. Um estudo recente sobre a materialidade dos lucros vinculados à carne bovina e soja (incorporada) da América Latina concluiu que a exposição à carne bovina da América Latina, que é fornecida por FMCGs em parte para suas atividades na UE, é alta para o McDonald’s (6,4 por cento), mas relativamente baixa para a Nestlé (0,001 por cento) e Carrefour (1,1 por cento). Para o Carrefour, a maior parte de seus produtos de carne bovina de origem brasileira é vendida na América Latina. Traduzindo esses números embutidos de exposição à carne bovina da América Latina em um valor de risco de reputação pode significar que até um terço da exposição (para o McDonald’s um terço de 6,4 por cento = 2,1 por cento) pode ser perdido no preço da ação devido ao risco de reputação. Como resultado, os valores de risco de reputação serão relativamente pequenos apenas para carne bovina (se for incluído o fornecimento de farelo de soja embutido da América Latina, os números serão maiores). Como resultado, os valores de risco de reputação serão relativamente pequenos apenas para carne bovina (se for incluído o fornecimento de farelo de soja da América Latina (incorporado), os números serão maiores).

Figura 12: Seleção de empresas com fornecimento de carne bovina da América Latina (2021)   

Fonte: Profundo, com base no relatório “Materialidade Financeira no Fornecimento de Soja e Carne na América Latina”, julho de 2022.

Os setores a jusante na cadeia de couro da UE enfrentam risco de valor de reputação, mas pode ser relativamente pequeno em comparação com o valor total na cadeia de abastecimento

Para o couro, não existe nenhum estudo comparável (como o da carne bovina mencionado no parágrafo anterior). O valor das importações da UE é de EUR 1.422 milhões, principalmente de couro da América Latina (Figura 1). Globalmente, cerca de metade do couro exportado pelo Brasil é utilizado no setor automotivo, enquanto a outra metade é distribuída, em grande parte, nos setores de calçados e estofados.

Setores baseados na UE ativos na cadeia de suprimentos de couro estão financeiramente expostos ao couro brasileiro e podem estar sujeitos a risco de reputação

A exposição financeira pode ser significativa, e o valor pode ser estimado calculando-se a elevação do preço em cada etapa da cadeia de abastecimento do couro importado. Por exemplo, o couro usado em carros primeiro vai de uma empresa de couro italiana para uma empresa de assentos tcheca, e esses assentos são vendidos a um fabricante de automóveis e, em seguida, os revendedores de automóveis vendem os carros aos consumidores/clientes. Todas essas etapas levam a um acúmulo de lucros brutos e lucros operacionais sobre o couro brasileiro embutido. Os financiadores (investidores e bancos) podem se desligar, os funcionários podem ficar mais relutantes em trabalhar para as empresas e os consumidores menos ansiosos para comprar os produtos. O setor automotivo da UE, incluindo fornecedores, representa atualmente 7% do PIB da UE (2021, 14,5 trilhões de euros), ou 1,02 biliões de euros. Supondo que metade do couro brasileiro importado (711 milhões de euros) seja usado na cadeia automotiva da UE, isso totaliza apenas 0,07% da contribuição do setor automotivo ao PIB. Semelhante à carne bovina, o valor das importações brasileiras de couro para o setor automotivo da UE é uma quantidade relativamente pequena do produto final comprado pelos consumidores.

O couro é provavelmente um insumo relativamente maior para outras indústrias (calçados, estofamento) do que para o setor automotivo de 1,02 trilhão de euros. Por exemplo, a indústria de calçado da UE gerou um volume de negócios de 28 mil milhões de euros . Assumindo que 25 por cento da importação de couro brasileiro da UE é usado para calçados (356 milhões de euros), a materialidade financeira desse couro (1,3 por cento das receitas de US$ 28 bilhões) na indústria de calçados é maior do que na automotiva (0,07 por cento; veja acima). Mais de 100 marcas de moda poderiam estar ligadas ao couro brasileiro. Para empresas individuais na cadeia de suprimentos de couro, a exposição financeira ao couro brasileiro embutido pode ser significativa, mas requer pesquisa adicional.

Os riscos financeiros podem ser evitados por meio de despesas de due diligence “factíveis”

Em vários relatórios , o CRR calculou os custos de um investimento na melhor execução da política de desmatamento zero para óleo de palma, carne bovina e soja, incluindo auditoria, monitoramento e verificação. Os benefícios potenciais (por exemplo, proteção do valor da reputação) excedem significativamente esses custos. A análise do CRR mostrou que seria necessário um aumento de preço baixo, de um dígito, para repassar esses custos aos clientes e manter intactos os lucros para os acionistas. Também no couro, o grande porte da indústria automobilística e calçadista versus o valor importado do couro brasileiro corrobora tal análise.


compass black

Este texto escrito originalmente em inglês foi publicado pela Chain Reaction Research [Aqui!].

Amazônia é o bioma com mais pastagens no Brasil

pasture 1

Nas últimas duas décadas, a área de pastagem cresceu 40% na Amazônia. No mesmo período, esse tipo de cobertura de solo diminuiu substancialmente na Mata Atlântica (28%) e no Cerrado (10%), onde 10,2 milhões de hectares foram transformados em lavouras temporárias. O avanço das pastagens sobre a Amazônia a colocou no topo da lista dos biomas com maior área, em termos percentuais, com 36%. Cerrado (31%), Mata Atlântica (18%), Caatinga (12%) e Pantanal (2%) vêm na sequência. Com exceção de Minas Gerais, com 19,3 milhões de hectares, os outros dois estados líderes em área de pastagens no Brasil ficam na Amazônia Legal: Pará (21,1 milhões de hectares) e Mato Grosso (20,2 milhões de hectares).

Os dados fazem parte de um mapeamento inédito do MapBiomas que será apresentado nesta quarta-feira, 30 de novembro, pelo YouTube. Ele revela que o principal uso dado ao solo brasileiro continua sendo a pastagem: de toda a área desmatada no Brasil, que já se aproxima dos 35% do território nacional, aproximadamente 90% foram ou continuam sendo pastagem. Com presença nos seis biomas, ela ocupa atualmente algo em torno de 151 milhões de hectares de norte a sul do país. Mas a área total pode ser ainda maior porque esse número não integra parte dos campos naturais, principalmente no Pampa e Pantanal, que cobrem 12 milhões de hectares no país, e áreas de mosaico de usos, onde não é possível separar agricultura e pastagem (ou elas ocorrem de forma consorciada), e que cobrem 42 milhões de hectares.

A partir da análise de imagens de satélite é possível identificar uma intensa dinâmica quanto às áreas de pastagens no Brasil, marcada por momentos de expansão e retração territorial. Entre 1990 e 2000, 46,4 milhões de hectares de áreas naturais e antrópicas foram convertidas em pastagem, principalmente nos biomas Amazônia e Cerrado, enquanto 19,2 milhões de hectares de áreas de pastagem foram convertidos para outros usos ou abandonados, notadamente nos biomas Cerrado e Mata Atlântica. Entre 2000 e 2021, as áreas naturais e antrópicas transformadas em pastagens totalizaram 47,1 milhões de hectares e, mais uma vez, Amazônia e Cerrado foram os principais alvos da conversão. Mas a conversão ou abandono da pastagens nesse mesmo período mais que dobrou em relação ao registrado nas duas décadas anteriores: 44,7 milhões de hectares, principalmente nos biomas Cerrado e Mata Atlântica.

Entre 1985 e 2021, a agricultura e pecuária ganharam 85 milhões de hectares — um crescimento de 47%. As atividades agropecuárias cresceram em cinco dos seis biomas brasileiros, com exceção da Mata Atlântica.

Pastagens brasileiras estocam mais de seis gigatoneladas de carbono

De forma inédita, a Coleção 7 do MapBiomas traz estimativas de estoques de carbono no solo associados às áreas de pastagens no Brasil. Considerando as pastagens de todo o Brasil (cultivadas e nativas), o estoque total de carbono orgânico no solo é de 6,43±1,79 gigatoneladas. Especificamente para o bioma Cerrado, a recuperação de cerca de 28 milhões de hectares de pastagens com algum nível de degradação pode resultar em um ganho de aproximadamente 6% nos estoques de carbono no solo até 2030.

Considerando estoques médios de carbono (toneladas por hectare), estes variam de 44 a 22 toneladas por hectare para a camada superficial do solo (0 a 20 cm) nas áreas de pastagens (nativas) do Pampa e Pantanal, respectivamente. Para os demais biomas – Mata Atlântica, Amazônia, Caatinga e Cerrado – estes estoques ficam em torno de 41, 39, 36 e 33 toneladas por hectare, respectivamente.

“A recuperação de pastagens degradadas e adoção de boas práticas de manejo representam um verdadeiro ganha-ganha. Ganha o produtor, com o aumento da produtividade do rebanho. E ganha o país, haja vista o maior potencial de pastagens bem manejadas em sequestrar carbono, contribuindo para a redução das emissões e para tornar a atividade pecuária, como um todo, mais sustentável”, afirma Laerte Ferreira, professor da Universidade Federal de Goiás e coordenador geral do mapeamento das pastagens.

Clique o pdf para mais informações: anexo 1.pdf

Sobre MapBiomas

O MapBioma é uma iniciativa multi-institucional, que envolve universidades, ONGs e empresas de tecnologia, focada em monitorar as transformações na cobertura e no uso da terra no Brasil, para buscar a conservação e o manejo sustentável dos recursos naturais, como forma de combate às mudanças climáticas. Esta plataforma é hoje a mais completa, atualizada e detalhada base de dados espaciais de uso da terra, em um país, disponível no mundo. Todos os dados, mapas, métodos e códigos do MapBiomas são disponibilizados de forma pública e gratuita no site da iniciativa.

Brasil teve 80% mais incêndios florestais em 2022, mostra Monitor do Fogo

Cerca de 2,4 milhões de hectares de florestas foram queimados entre janeiro e outubro de 2022, área 80% maior que a queimada em 2021; maioria do fogo foi na Amazônia

unnamed (7)Fogo associado a desmatamento na Amazônia, norte de Mato Grosso (Foto: Illuminati Filmes/IPAM)

O Brasil teve 80% mais incêndios florestais entre janeiro e outubro de 2022 em relação ao mesmo período de 2021. Foram 2.426.597 milhões de hectares de floresta queimados neste ano, sendo 85% na Amazônia. Os dados são do Monitor do Fogo, iniciativa do MapBiomas Fogo com parceria e coordenação do IPAM (Instituto de Pesquisa Ambiental da Amazônia), divulgados nesta sexta-feira (11) na COP27, a Conferência das Nações Unidas para Mudanças Climáticas que ocorre este ano em Sharm El-Sheikh, no Egito.

Acesse o boletim mensal do Monitor do Fogo com os destaques de outubro.

Nas florestas da Amazônia o aumento nos incêndios foi de 111%, com 2 milhões de hectares queimados – mais do que o dobro de 2021 (976 mil hectares).

“Durante o período das eleições, testemunhamos recordes de derrubadas na região, o que tem impacto direto nas florestas ao redor, que acabam ficando mais expostas, degradadas e suscetíveis ao escape do fogo. Mesmo um único evento de fogo tem impactos gigantescos na estrutura da vegetação, pois florestas degradadas armazenam 25% menos carbono por pelo menos 30 anos”, comenta Ane Alencar, diretora de Ciência no IPAM e coordenadora do MapBiomas Fogo.

A área total queimada no país, de janeiro a outubro de 2022, é de 15,2 milhões de hectares, maior que o estado do Ceará, considerando todas as vegetações dos biomas brasileiros e todos os tipos de uso do solo, como pastagem, por exemplo. É um aumento de 11%, ou de 1,5 milhões de hectares queimados, comparado ao mesmo período em 2021.

Para Alencar, os dados são alarmantes e distanciam o Brasil de cumprir as metas para a redução das emissões de gases do efeito estufa, firmadas em 2015 no Acordo de Paris. Assinado por 196 países, o Acordo de Paris tem o objetivo em comum de limitar o aumento da temperatura média do planeta em 1,5°C em relação aos níveis pré-industriais. Quase metade das emissões brasileiras (49%) estão ligadas a desmatamento e fogo associado.

Cerrado é o bioma que mais queimou

O Cerrado concentra 48% de toda a área queimada no Brasil até outubro e é o bioma que mais queimou no período. A alta do fogo no Cerrado é de 17% em comparação com o ano anterior, totalizando 7,4 milhões de hectares queimados em 2022. O maior impacto está em vegetações do tipo savânica (representam 49% da área queimada, ou 3,5 milhões de hectares). Em outubro, o Cerrado também foi o bioma que mais pegou fogo, com 1,8 milhões de hectares, um aumento de 196% em relação ao mesmo mês do ano passado.

Depois do Cerrado, o segundo bioma mais queimado é a Amazônia, com 7,1 milhões de hectares ou 47% da área total queimada no país. Em outubro, 1,3 milhões de hectares pegaram fogo na Amazônia, uma alta de 74% em relação ao mesmo mês do ano anterior.

“Vale a pena destacar que o Cerrado é um bioma que tem metade do tamanho da Amazônia, ou seja, quando falamos que o Cerrado foi o que mais queimou no ano até agora, estamos falando de um impacto que tem dimensões para a sobrevivência desse ecossistema. Outro motivo de alerta é que parte desse fogo está acontecendo com frequência e intensidade diferente do regime natural esperado para o Cerrado”, explica Vera Laísa Arruda, pesquisadora no IPAM e responsável pelo Monitor do Fogo.

Fogo nos estados e municípios

Mato Grosso foi o estado que mais registrou ocorrências de incêndios até outubro, com 3,4 milhões de hectares queimados, quase ¼ da área total queimada no Brasil no período. Pará e Tocantins estão na sequência, com 2,5 e 2,2 milhões de hectares, respectivamente. Juntos, os estados concentram 54% da área queimada no Brasil no período.

São Félix do Xingu (PA), Altamira (PA) e Porto Velho (RO) são os três municípios que mais queimaram, somando 1,1 milhões de hectares que pegaram fogo, ou 8% do total queimado no país. No mesmo período de 2021, esses municípios queimaram juntos 495 mil hectares, o que significa um aumento de 131% para o ocorrido em 2021 – reflexo do avanço do desmatamento que tem no oeste do Pará uma das suas fronteiras mais ativas.

Sobre o Monitor do Fogo

 Monitor do Fogo é o mapeamento mensal de cicatrizes de fogo para o Brasil, abrangendo o período a partir de 2019, e atualizados mensalmente. Baseado em mosaicos mensais de imagens multiespectrais do Sentinel 2 com resolução espacial de 10 metros e temporal de 5 dias. O Monitor de Fogo revela em tempo quase real a localização e extensão das áreas queimadas, facilitando assim a contabilidade da destruição decorrente do fogo. Acesse o Monitor do Fogo.

Sobre MapBiomas

Iniciativa multi-institucional, que envolve universidades, ONGs e empresas de tecnologia, focada em monitorar as transformações na cobertura e no uso da terra no Brasil, para buscar a conservação e o manejo sustentável dos recursos naturais, como forma de combate às mudanças climáticas. Esta plataforma é hoje a mais completa, atualizada e detalhada base de dados espaciais de uso da terra em um país disponível no mundo. Todos os dados, mapas, métodos e códigos do MapBiomas são disponibilizados de forma pública e gratuita no site.

Sobre o IPAM

Instituto de Pesquisa Ambiental da Amazônia (IPAM) é uma organização científica, não governamental, apartidária e sem fins lucrativos que desde 1995 trabalha pelo desenvolvimento sustentável da Amazônia e do Cerrado.

Com 8,5 mil km² desmatados, Amazônia bate recorde nos 9 primeiros meses do ano

Só em setembro foram 1.455 km² devastados, 48% a mais que em 2021; entre janeiro e setembro, o Cerrado teve aumento de 24% em comparação a 2021

cerrado 1

Na Amazônia, entre 1 de janeiro a 30 de setembro, foram registrados alertas de desmatamento para 8.590 km², — o maior valor registrado pelo Sistema DETER, do Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais (INPE), desde 2016. O desmatamento foi 23% superior ao registrado no mesmo período no passado (7.006 km²) e mais que o dobro do valor de 2018 (4.081 km²).

Os estados que mais devastaram a Amazônia em 2022 (até 30 de setembro), foram o Pará (2.818 km²), o Amazonas (2.322 km²) e o Mato Grosso (1.742 km²). Os municípios que acumularam mais desmatamento em 2022 foram Apuí (602 km²), Lábrea (538 km²), Altamira (510 km²), Porto Velho (398 km²) e São Félix do Xingu (378 km²). As Unidades de Conservação mais desmatadas estão no Pará: Área de Proteção Ambiental do Tapajós (99 km²), a Floresta Nacional do Jamanxim (86 km²) e Estação Ecológica Terra do Meio (37 km²).

No mês de setembro de 2022, o desmatamento na Amazônia atingiu 1.455 km², um valor 48% superior ao registrado em setembro do ano passado (985 km²). O valor é praticamente igual ao de setembro de 2019 (1.454 km²).
 

Desmatamento no Cerrado – Crédito Moisés Muálem/WWF-Brasil

Entre 1 e 30 de setembro, o desmatamento se concentrou nos estados do Pará (531 km²), Mato Grosso (340 km²) e Amazonas (284 km²). Os municípios mais desmatados no mês foram União do Sul (MT), com 111 km², Lábrea (AM), com 83 km² e São Félix do Xingu (PA), com 72 km². As Unidades de Conservação mais devastadas foram a Floresta Nacional do Jamanxim (15 km²), a Reserva Extrativista Chico Mendes (10 km²) e a Área de Proteção Ambiental do Tapajós (5 km²).

No Cerrado, os dados disponíveis do Sistema Deter vão até o dia 28 de setembro. No mês de setembro, foram devastados 262 km². É o valor mais baixo desde 2020, mas ainda assim o desmatamento acumulado no ano já chega a 4.837 km², um valor 24% superior ao registrado em 2021.

No período entre 1 de janeiro e 28 de setembro, o desmatamento no Cerrado mais uma vez se concentrou nos estados do MATOPIBA: Bahia (1.228 km²), Maranhão (1.166 km²) e Tocantins (752 km²). Os municípios mais desmatados no período no Cerrado foram Formosa do Rio Preto (277 km²), São Desidério (275 km²) e Balsas (233 km²).

Mariana Napolitano, gerente de Ciências do WWF-Brasil, alerta que o desmatamento na Amazônia está crescendo num ritmo exponencial, com graves consequências para todo o país, impactando no regime de chuvas e na produção de alimentos. “A taxa de desmatamento nos primeiros nove meses de 2022 dobrou entre 2018 e 2020, passando de 4 mil km² para mais de 8 mil km² – é um crescimento sem precedentes”, afirmou.

De acordo com ela, se continuarmos nesse ritmo, em pouco tempo, podemos atingir o ponto de não retorno na Amazônia, que perderá sua capacidade de se reequilibrar e gerar chuvas tão necessárias a toda América Latina.

“Estudos recentes apontam que a Amazônia é a grande bomba geradora de chuvas da América Latina, produzindo pelo menos 25% de todas as chuvas do sudeste do Brasil. Estamos destruindo a nossa fonte de chuvas e de regularidade climática em benefício da grilagem de terras e de ações ilegais que não geram distribuição de riquezas, nem aumento do PIB do país”, declarou.

Fotos aqui 

Sobre o WWF-Brasil

O WWF-Brasil é uma ONG brasileira que há 26 anos atua coletivamente com parceiros da sociedade civil, academia, governos e empresas em todo país para combater a degradação socioambiental e defender a vida das pessoas e da natureza. Estamos conectados numa rede interdependente que busca soluções urgentes para a emergência climática.

IPAM lança novo Sistema de Alerta de Desmatamento do Cerrado

Utilizando algoritmos de inteligência artificial, SAD Cerrado está disponível para acesso aberto em plataforma virtual a partir desta segunda

sad cerrado

Com algoritmos avançados para detecção de desmatamento, o Sistema de Alerta de Desmatamento do Cerrado (SAD Cerrado) será lançado em plataforma virtual aberta nesta segunda-feira, 12, pelo IPAM (Instituto de Pesquisa Ambiental da Amazônia), em parceria com a rede MapBiomas e com o Lapig (Laboratório de Processamento de Imagens e Geoprocessamento), da UFG (Universidade Federal de Goiás). O IPAM é responsável pelo desenvolvimento da tecnologia que funciona por meio de inteligência artificial e utiliza imagens do satélite Sentinel-2, da Agência Espacial Europeia, com resolução de 10 metros.

“Devido à heterogeneidade das paisagens e à sazonalidade da vegetação, monitorar o desmatamento no Cerrado sempre foi muito desafiador. Áreas de vegetação nativa exuberantes na época de chuva podem perder todo o seu vigor na seca, se assemelhando a áreas desmatadas. Além disso, áreas afetadas pelas frequentes queimadas no bioma podem ser confundidas com desmatamento. Nesse contexto, o uso de inteligência artificial e imagens de satélite de alta resolução permite detectar áreas desmatadas com maior detalhamento e acurácia”, explica Juan Doblas, pesquisador no IPAM responsável pelo SAD Cerrado.

O SAD Cerrado detectou mais de 50 mil alertas de desmatamento em 2022, totalizando 472,8 mil hectares desmatados até o dia 31 de julho. Somente no último trimestre, houve um aumento de 15% na área desmatada no bioma em relação ao mesmo período do ano passado: foram 291,2 mil hectares derrubados, entre maio e julho de 2022, contra 253,4 mil hectares desmatados nos mesmos meses de 2021.

Mais de 70% da área desmatada corresponde a alertas maiores que 10 hectares. A área média dos alertas detectados pelo SAD Cerrado é de 9,43 hectares, com maior frequência de detecção nos meses de maio a julho, período do início da estação seca no Cerrado.

O sistema revelou uma maior concentração de áreas desmatadas no Maranhão, que, com 124,7 mil hectares desmatados, acumula 26,4% de todo o desmatamento detectado no bioma em 2022. O Tocantins apresentou a segunda maior área de alertas, 108,7 mil hectares, a maior parte na região norte do estado, em áreas de expansão do cultivo de soja.

Entre os municípios que mais desmataram, Balsas, no Maranhão, foi o que mais desmatou, com mais de 12 mil hectares. Em segundo lugar está o município de São Desidério, na Bahia, com 9,5 mil hectares desmatados. A cidade baiana concentra a terceira maior produção de soja no país, segundo o IBGE (Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística).

A velocidade média do desmatamento foi de mais de 2 mil hectares por dia e a maior parte da área de supressão está em vegetações do tipo savana, com 69,2% da área desmatada. As áreas privadas representaram 78,9% do desmatamento no bioma.

“Recentemente o ritmo do desmatamento no Cerrado tem acelerado, principalmente em áreas privadas e nos remanescentes de vegetação nativa no Matopiba (região de Cerrado que engloba Maranhão, Tocantins, Piauí e Bahia), que acumulou 65% da área desmatada no bioma no primeiro semestre deste ano. Estamos perdendo a savana mais biodiversa do mundo para a agropecuária, com importância vital para a estabilidade climática e hidrológica regional, precisamos agir rapidamente para protegê-la”, acrescenta Julia Shimbo, pesquisadora no IPAM e coordenadora científica do MapBiomas.

A plataforma virtual completa do SAD Cerrado pode ser acessada neste link disponível a partir de segunda-feira, 12, às 10h30 (horário de Brasília).

O objetivo é que o sistema forneça alertas de desmatamentos maiores de 1 hectare, atualizados mês a mês, considerando todos os tipos de vegetação nativa do Cerrado. Pesquisadores entendem que o SAD Cerrado pode se constituir como uma ferramenta complementar a outros sistemas de alerta de desmatamento no bioma, como o DETER Cerrado, do INPE (Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais), otimizando o processo de detecção em contextos visualmente complexos.

O SAD Cerrado estará disponível em um painel de acesso virtual gratuito e intuitivo a partir desta segunda-feira, 12, data que ecoa o Dia Nacional do Cerrado, celebrado em 11 de setembro.

Serviço

Acesse a plataforma do SAD Cerrado. Disponível a partir de segunda-feira, 12, às 10h30 (horário de Brasília).

Assista ao webinário de lançamento. Segunda-feira, 12, às 10h30 (horário de Brasília). O IPAM terá porta-vozes disponíveis para entrevistas depois do evento.

Articulação Agro é Fogo publica dados sobre a conexão entre incêndios e conflitos por terra

Incêndios são armas em conflitos por terra na Amazônia e no Cerrado, onde o agronegócio continua a invadir e ameaçar as comunidades tradicionais

fogo

Na semana em que celebramos as duas maiores regiões do país (Dia da Amazônia e Dia do Cerrado), ainda precisamos denunciar que elas são as mais ameaçadas por incêndios, conflitos e o avanço do agronegócio.

card_fogo_e_violencia_01-3-1-1024x1024

Segundo o Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais (INPE), 90% dos focos de incêndio estão na Amazônia e no Cerrado. E é justamente nessa época do ano, período de estiagem, entre agosto e setembro, que a dita “temporada de fogo”, que na verdade é temporada de crimes, tem maior incidência.

card_fogo_e_violencia_02-1024x1024

Conforme levantamento do Centro de Documentação Dom Tomás Balduíno — CPT, a partir dos dados do Caderno de Conflitos no Campo 2021, temos um sério diagnóstico: é no Cerrado, Amazônia e na região de transição do Cerrado que 72% dos conflitos por terra envolvendo o uso do fogo (incêndios florestais, queima de roçados, queima de casa, queima de casas de reza e queima de pertences), estão localizados. Isso significa 83% (31.355) das famílias afetadas por ocorrências envolvendo o uso criminoso do fogo no país e em regiões de conflitos agrários.

card_fogo_e_violencia_04-1024x1024

O uso de falácias e promoção de desinformação como “o agronegócio e o meio ambiente andam juntos”, “agronegócio sustentável”, “o agro sustenta o país” ou “são os ribeirinhos que tacam fogo na Amazônia”, silencia vários crimes do qual os incêndios estão envolvidos. Há três anos do chamado “dia do fogo”, e, 2022 já tivemos picos de focos de incêndio bem maiores, que inclusive formaram nuvens de fumaça tóxica em municípios da região Amazônica e causaram e causam prejuízos a saúde das pessoas.

card_fogo_e_violencia_05-1024x1024

Ainda segundo o levantamento e como reforça o DOSSIÊ AGRO É FOGO, existe uma sobreposição de violências que incidem, cotidianamente, sobre povos e comunidades tradicionais lançados à linha de frente do fogo, literalmente. A melhor forma de manter o Cerrado e a Amazônia de pé é mantendo os povos e comunidades tradicionais em seus territórios de direito.

NA AMAZÔNIA E NO CERRADO TEM GENTE, PAREM DE INCENDIAR NOSSAS CASAS!
Acesse o infográfico e saiba mais em nossa matéria completa: clique aqui

Agronegócio brasileiro só é competitivo porque exporta soja sem cobrar por água e biodiversidade perdidas, diz cientista

soja bbcBrasil é o maior exportador de soja do mundo. Ueslei Marcelino/Reuters

Por  Leandro Machado para BBC News Brasil em São Paulo

Para o biólogo e pesquisador Reuber Brandão, o Cerrado brasileiro vive um momento dramático: o desmatamento e o avanço descontrolado do agronegócio sobre o território estão matando nascentes de água e pequenas lagoas extremamente importantes para o abastecimento da população e a geração de energia elétrica.

Oito das 12 principais bacias hidrográficas brasileiras, como as dos rios São Francisco e Paraná, nascem nesse que é o segundo maior bioma do país, perdendo só para a Amazônia.

Segundo Brandão, o uso da água do Cerrado para irrigação de produtos agrícolas, principalmente a soja, está diminuindo o volume do recurso nessas bacias, além de destruir boa parte da fauna e da flora que fazem do bioma a savana mais biodiversa do planeta.

“Quando você exporta uma commodity como a soja, o valor da água e da biodiversidade perdidas não está embutido no preço da semente. Por isso, o Brasil é competitivo”, disse o pesquisador em entrevista à BBC News Brasil.

Brandão aponta que boa parte do bioma já está perdido para sempre. Conservar o restante do Cerrado, diz, seria um movimento estratégico mais importante do que manter o país na posição de maior exportador de soja do mundo.

Segundo o Sistema de Detecção de Desmatamento em Tempo Real (Deter), do Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais (Inpe), o Cerrado perdeu 4.091,6 km² para o desmatamento entre janeiro e julho deste ano, uma alta de 28,2% em relação ao mesmo período do ano passado.

Os dados mostram que os Estados que mais desmataram estão na região conhecida como Matopiba — principal fronteira de expansão agrícola no país: Maranhão, Bahia, Tocantins e Piauí.

De acordo com o MapBiomas, plataforma que monitora o uso do solo no Brasil, 45,4% do Cerrado já foi destruído para dar lugar à agropecuária.

Reuber Brandão, de 50 anos, conhece o Cerrado desde a infância, quando brincava e consumia as frutas típicas. Depois, estudou a biodiversidade da região até virar professor de manejo de fauna e de áreas silvestres da Universidade de Brasília (UnB), cidade onde nasceu. Ele também é membro da Rede de Especialistas em Conservação da Natureza (RECN).

Reuber Brandão Pesquisador Reuber Brandão, professor da UnB, estuda a biodiversidade do Cerrado. Crédito: Arquivo Pessoal.

Neste ano, o biólogo liderou uma equipe de pesquisadores em uma expedição na reserva particular Serra do Tombador, em Goiás, área que pertence à Fundação Grupo Boticário de Proteção à Natureza desde 2007. Na área de 9 mil hectares, os cientistas encontraram 34 espécies de anfíbios e 55 répteis, boa parte desconhecida naquela região.

Reservas particulares, diz Brandão, podem ser uma das soluções para conservar a parte do Cerrado que ainda resta. “Empresários que preservam a natureza devem ser valorizados e remunerados”, diz.

Na entrevista a seguir, ele também fala sobre o consumo da água do Cerrado pelo agronegócio, o histórico da ocupação do território e como o bioma deveria ser conservado e utilizado para gerar riquezas ao Brasil.

BBC News Brasil – Por que o Cerrado é importante?

Reuber Brandão – O Cerrado é a savana mais diversa e úmida do planeta, com paisagens belíssimas como a Chapada dos Veadeiros. Quando a gente pensa em savana, pensa na África com elefantes ou na Austrália com os cangurus. Mas nenhuma dessas savanas tem a diversidade do Cerrado. Ele tem mais de 12 mil espécies de árvores.

Há uma pluviosidade (volume de chuvas) comparada à de regiões da Amazônia, mas a chuva é concentrada em poucos meses do ano. Oito das 12 bacias hidrográficas do Brasil nascem no Cerrado. E, em algumas delas, 70% de suas águas vêm do bioma, como a bacia do rio São Francisco. Pensando em grandes projetos para o país, sem a conservação do Cerrado você inviabiliza inclusive a transposição do São Francisco.

As usinas hidrelétricas dependem da água do Cerrado para gerar energia. Os processos hidrológicos do Pantanal também, porque uma parte das águas que correm por ele nasce no Cerrado. Essa combinação de biodiversidade com a quantidade de nascentes coloca o bioma em uma posição estratégica para o Brasil.

BBC News Brasil – O abastecimento de água de outras partes do país pode ser afetado pela destruição do Cerrado?

Brandão – Sim, afeta do abastecimento de água nas cidades à geração de energia. Afeta a própria água necessária para a agricultura. Não faz muito sentido a agricultura brasileira tratar a água como um insumo infinito, quando todo mundo sabe que ela pode acabar.

O próprio agronegócio tem preocupação com isso, porque já sabe que mais de 80% das bacias hidrográficas do Cerrado diminuíram sua quantidade de água.

BBC News Brasil – Como essa água está sendo afetada?

Brandão – O maior reservatório de água do planeta é o solo, onde ela permanece por muito tempo. Isso permite o crescimento da vegetação e uma grande quantidade de água nas nascentes.

Nas chapadas, as áreas mais altas cobertas pelo Cerrado, essa água é aparente em veredas, lagoas rasas e nascentes. Mas esse volume vem do afloramento do lençol freático. E esse lençol depende da água da chuva que entra no solo e da quantidade usada para outros fins.

Quando há um rebaixamento desse lençol, esses ambientes deixam de crescer. Os pequenos riachos de montanha, as veredas e lagoas de alto chapadas são fortemente afetadas pela irrigação da agricultura.

BBC News Brasil – Onde isso está acontecendo?

Brandão – No oeste da Bahia, por exemplo, o aumento da demanda por água para irrigação no sistema de pivôs centrais ocasionou o desparecimento de lagoas e veredas dos rios das Éguas, Arrojado e Formoso. Conheço veredas cuja nascente recuou mais de 10 quilômetros em relação à original. Essas áreas, que tinham a presença de corpos aquáticos na paisagem, passaram a ser muito mais secas.

E isso tem um impacto muito grande sobre fauna e flora, porque as plantas que precisam ter contato com a água do solo sofrem um estresse hídrico e começam a morrer. Há um grande mortalidade de árvores. Já a fauna foge para procurar áreas com água.

BBC News Brasil – Estamos retirando a água do Cerrado para irrigar o quê?

Brandão – Principalmente soja. O único destino de ocupação do território do Cerrado é o agronegócio. E ele tem uma demanda muito grande por água. Um único pivô central, aqueles círculos de irrigação com uma lança de 150 metros, gasta por ano a mesma quantidade de água que 4 mil famílias. Cada pivô central é uma pequena cidade — e há 1 milhão deles no Brasil.

 

Pivô central em fazenda

Pivô central utilizado para irrigar lavoura. Crédito: Embrapa

Essa água é retirada do solo com autorização do Estado, por meio de outorgas previstas na lei. Mas é bem possível que existam irrigações ilegais também. A expectativa é que o número áreas irrigadas aumente muito nos próximos anos.

Quando você exporta uma commodity como a soja, o valor da água e da biodiversidade perdidas não está embutido no preço da semente. Por isso, o Brasil é competitivo. É uma visão reducionista e míope do país, porque a commodity não tem valor agregado e depende da oscilação do mercado. De repente, o preço cai e vira uma quebradeira geral. É diferente do produto industrial.

BBC News Brasil – O que poderia ser feito de diferente?

Brandão –O Cerrado tem um potencial de biodiversidade gigantesco. Seja para bioprodutos tecnológicos, como colas, ou para alimentícios, cosméticos e medicamentosos, como analgésicos. Há proteínas do veneno da jararaca, por exemplo, com valor econômico enorme. Ou a grande quantidade de palmeiras que nunca foram estudadas. A mesma coisa com as castanhas do Cerrado, que poderiam ter um impacto de uso global.

Veja o caso do açaí, que não é do Cerrado, mas é um produto brasileiro que em pouco tempo se tornou uma commodity. Hoje, há áreas na Amazônia que estão deixando de criar búfalos para plantar açaí, o que ajuda na recomposição da floresta.

O Cerrado é único, e o Brasil ainda não acordou para o fato de que tratá-lo como mero campo de expansão da pecuária e da agricultura sem proteção garantida pela lei é colocar fogo no nosso futuro. Estamos apostando em um modelo de produção sem valor agregado que depende da ocupação de grandes territórios para ser viável. Ninguém consegue ter uma produção de soja economicamente viável com menos de 800 hectares de terra.

 

Áreas de plantação de soja ao lado do rio Formoso, na Bahia. Os círculos são pontos com pivô central de irrigação

Áreas de plantação de soja perto do rio Formoso, no oeste da Bahia. Os círculos são pontos com pivôs centrais de irrigação. Crédito: Google

BBC News Brasil – Os programas de conservação do Cerrado ficaram para trás em relação a outros biomas, como a Amazônia e a Mata Atlântica?

Brandão –Por muito tempo, o Cerrado se manteve conservado por causa de seu solo ácido. Poucas culturas agrícolas efetivamente davam certo. Outro ponto foi o isolamento geográfico. A maior parte da ocupação do Brasil estava no litoral e ao longo de grandes rios, como o Amazonas e o São Francisco.

Mas isso mudou bastante com a inauguração de Brasília, em 1960, e com o avanço tecnológico da Embrapa (Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária) no campo da calagem do solo (técnica de preparação que diminui a acidez do solo). Ele se tornou viável para ser ocupado pela agricultura, e isso aconteceu de maneira acelerada.

Quando o Brasil acordou, boa parte do Cerrado já estava destruída. Não houve a criação de grandes áreas de conservação. No próprio imaginário do brasileiro, ele fica atrás de outros biomas, como Amazônia, a Mata Atlântica, o Pantanal. As pessoas se perguntam: ‘para que serve o Cerrado?’

BBC News Brasil – Quais áreas já foram destruídas?

Brandão – Existem Cerrados diferentes. Em cada lugar, há um ecossistema e uma biodiversidade diferentes, pois o Cerrado tem quase o tamanho da Argentina.

A parte sul do Cerrado, no Mato Grosso do Sul, Goiás, Minas e São Paulo, praticamente não existe mais. Há apenas minúsculos fragmentos, muito alterados. As maiores áreas maiores ainda estão no norte, em Tocantins, Maranhão e Piauí. Elas são muito valiosas. E conservá-las é uma questão urgente para o Brasil. É preciso criar grandes áreas de conservação.

 

Cachoeira e lagoa no Cerrado

Pequenas lagoas e nascentes de água estão sendo afetadas pela destruição do Cerrado. Divulgação

BBC News Brasil – É possível recuperar algumas áreas?

BrandãoQuando ela está degradada, ainda é possível recompor grande parte do que foi perdido. Mas, se o solo é removido completamente, demoraria milhões de anos para recuperar a biodiversidade. As pessoas precisam entender que, quando você destrói uma área dessas, não tem mais volta, ela está permanentemente perdida.

BBC News Brasil – As chamadas Reservas Particulares do Patrimônio Natural (RPPN), que estão em expansão, podem ser uma solução para o bioma?

Brandão – O grande problema das reservas privadas é que muitos proprietários não têm condição de contribuir com uma grande quantidade de terra para conservação. Para eles, é muito caro ceder o território.

Do ponto de vista da conservação, não faz grande diferença, porque pequenos fragmentos não vão ajudar muito na preservação de mamíferos e predadores de grande porte, como onças e crocodilos, que precisam de enormes áreas e muitas presas para sobreviver.

Mas esse modelo é muito importante porque, com as reservas particulares, dá para proteger áreas singulares ou pequenos remanescentes que sobraram. Dá para unir reservas e aumentar conectividade, principalmente se a propriedade for no entorno de uma área pública protegida.

Já existem 1,5 mil reservas particulares no Brasil, então o modelo deu certo. Isso mostra que o proprietário de terra não é uma pessoa insensível à conservação da biodiversidade, ele tem a percepção do valor do recurso natural. Dono de terra que conserva a natureza precisa ser valorizado.

BBC News Brasil – O senhor acredita há no agronegócio a preocupação de que a destruição de biomas como Cerrado e Amazônia pode ser prejudicial aos negócios, como haver dificuldade de exportar produtos oriundos de áreas desmatadas?

Brandão – Os empresários da agricultura não tem um modo único de pensar. Existem grandes empresários que são instruídos, que sabem o impacto da perda de água e das mudanças climáticas. Eles não são negacionistas e estão acompanhando o mercado internacional, que está cada vez mais preocupado com a questão ambiental.

Veja o caso da Europa… Você não acha que um alemão, ao ver um rio do país secar, não está pensando no efeito estufa e no desmatamento da Amazônia? Com certeza está.

 

Área de Cerrado recém-incendiadaSegundo o MapBiomas, mais de 45% do Cerrado já foi destruído para dar lugar à agropecuária. Crédito: AGÊNCIA BRASIL

A tendência é esses mercados colocarem cada vez mais barreiras para produtos vindos do desmatamento. Então existe sim uma preocupação real dos proprietários com o futuro da atividade agrícola, porque eles são pessoas que tem um vínculo com uma produção, e eles querem deixar a terra para os filhos.

BBC News Brasil – Quais são as principais questões do Cerrado que o próximo presidente precisará enfrentar?

Brandão –A primeira coisa é aumentar a rede de áreas protegidas em pontos remanescentes importante. Outra é agilizar um projeto de lei de pagamentos aos proprietários que mantêm conservação em suas áreas. Eles precisam ser remunerados por isso. É necessário que, do ponto de vista econômico, seja interessante para o proprietário manter áreas naturais em vez de desmatar.

Um terceiro ponto é se aproximar de proprietários na região do sul do Cerrado para incrementar projetos importantes de recomposição do bioma. Também seria muito importante valorizar e empoderar as universidades e instituições de pesquisa, para que seja possível desenvolver projetos de biotecnologia a partir do Cerrado.

Você pode criar startups do Cerrado. Por exemplo, uma empresa que desenvolva um novo produto a partir do baru (espécie de árvore), ou de uma castanha, um novo tipo de adesivo a partir do extrato de uma proteína de alguma planta ou animal do Cerrado. Há um potencial imenso a ser explorado.

– Este texto foi publicado originalmente em https://www.bbc.com/portuguese/brasil-62718299

Rastro de destruição da soja no cerrado Brasileiro é denunciado ao parlamento Europeu

matopiba1

“As commodities que saem do oeste da Bahia são manchadas de sangue”. Foi o que afirmou Aliene Barbosa, da comunidade tradicional de fecho de pasto Tarto (Correntina/BA), durante reunião com uma comitiva do parlamento europeu na última sexta (29/8), na cidade de São Paulo. Na ocasião, representantes das comunidades de fundo e fecho de pasto do oeste baiano, a Campanha Nacional em Defesa do Cerrado, a Associação de Advogados/as de Trabalhadores Rurais no Estado da Bahia (AATR/BA) e a Global Witness relataram as violações de direitos humanos e ambientais vivenciadas na fronteira agrícola do Matopiba.

Além dos fundos e fechos de pasto – que secularmente vivem no cerrado de forma sustentável, usando terras em comum para criação livre de rebanhos e plantio – indígenas , quilombolas, vazanteiros, quebradeiras de coco, ribeirinhos, pescadores artesanais e outros povos e comunidades tradicionais vivenciam a mesma realidade imposta pela expansão da soja.

O encontro acontece no momento em que a União Europeia discute a Due Diligence, um projeto legislativo para responsabilizar multinacionais por danos ambientais e violações de direitos humanos em sua cadeia de fornecedores, a nível global. “Conhecer o que está acontecendo no Matopiba é fundamental. Estão permitindo ataques aos direitos ambientais e das comunidades locais. Que determinadas multinacionais expulsem as famílias das terras que nasceram”, afirmou, Iratxe Garcia, presidente do Grupo da Aliança Progressista dos Socialistas e Democratas no Parlamento Europeu (S&D), após a escuta dos relatos.

O Matopiba, abarca as áreas de cerrado dos estados do Maranhão, Piauí, Bahia e Tocantins. O bioma é considerado o segundo maior do Brasil e figura como a savana com maior biodiversidade do mundo. Emilia Joana, membro da Campanha Nacional em Defesa do Cerrado, apresentou a progressão do desmatamento nos dois maiores biomas brasileiros. “São 70 milhões de hectares na Amazônia e 100 milhões de hectares no cerrado”, sinalizou, apontando a invisibilização do ecocídio e genocidio cultural em curso no bioma, como apontado pelo Tribunal Permanente dos Povos (TPP).“Criam a ideia de vazio demográfico dessas populações tradicionais junto com a não efetivação de regulação fundiária, ações de violações de direitos humanos, especulação e financeirização das terras neste território”, explicou.

É deste chão que vêm cerca de 41% da soja importada pela União Europeia (UE) e empresas globais de comércio de commodities, como a ADM, Bunge e Cargill, tem contribuído para o agravamento da violência imposta às famílias tradicionais, o que viola suas próprias responsabilidades com as normas da Organização das Nações Unidas (ONU) e da Organização para a Cooperação e Desenvolvimento Econômico (OCDE). Segundo Maurício Correia, coordenador da AATR, a região se destacou pelo registro de mais de 2.338 conflitos por terra nas últimas duas décadas, dado registrado pela Comissão Pastoral da Terra (CPT). “ Nos últimos 20 anos se desmatou mais do que nos 500 anos anteriores”, também alertou, se referindo aos dados da pesquisa Na Fronteira da Ilegalidade, que relaciona o desmatamento e a grilagem de terras na região.

Jamilton Magalhães, representante da Associação dos Fundos e Fecho de Pasto do Oeste da Bahia, explicou como o desmatamento tem sido responsável pela morte de nascentes, envenenamento das águas por agrotóxicos e que as áreas de cerrado em pé coincidem com os territórios dos fecheiros, que têm sido ameaçados e expulsos. “É preciso lutar para existir. Existir para resistir”, afirmou.

Também participaram da reunião o vice-presidente do Grupo S&D, Pedro Marques, o copresidente da Eurolat , Javi López, e a coordenadora S&D da Eurolat, Maria Manuel Leitão.

Elio Gaspari e o preço dos agrotrogloditas

agrotrogloditas

Por Elio Gaspari

Em novembro, reúne-se no Egito a conferência das Nações Unidas para o Meio Ambiente, a COP-27. Com um governo influenciado pelos agrotrogloditas que desmatam o país e hostilizam as causas ambientais, o Brasil tornou-se saco de pancadas do mundo. Um pária orgulhoso, nas palavras do ex-chanceler Ernesto Araújo. Talvez convenha alertar a inerte burocracia federal que arma-se um bote ambiental contra o agronegócio brasileiro na COP-27.

Na COP-26, realizada em Glasgow no início do ano, o governo americano pediu sugestões para a redução do aquecimento global. Chegou ao Fórum de Commodities Agrícolas, que congrega os grandes compradores e vendedores mundiais de grãos, uma sugestão da Tropical Forest Alliance. A ideia é levar à COP-27 uma proposta antecipando de 2030 para 2025 a meta de desmatamento zero no cerrado. A partir de janeiro de 2026, as grandes empresas e companhias de comércio exterior não comprariam mais grãos (leia-se soja) vindos de áreas ambientalmente críticas. Isso tudo sem que o governo e os empresários brasileiros tenham sido ouvidos nem cheirados.

Pelo regime de hoje, um empresário é obrigado a preservar 35% de sua área. Com a antecipação, ferra-se quem comprou terra ou começou seu negócio no cerrado programando-se para cumprir as regras em 2030. Com um governo que tolera o desmatamento ilegal, vai-se avançar sobre o desmatamento legal.

Se Bolsonaro e os agrotrogloditas continuarem tratando o meio ambiente como um problema exclusivamente doméstico, a proposta de antecipação irá em frente.

Isso nada tem a ver com a Amazônia, onde a plantação de grãos é irrelevante. Quem vai para o tabuleiro é o cerrado. Sem floresta luxuriante, é um bioma que precisa ser protegido, até porque, entre 1985 e 2020, ele perdeu cerca de 13% de sua vegetação nativa.

Metade da exportação brasileira de soja vem do cerrado. Como não há diálogo entre o governo e as entidades ambientais que defendem o bioma, arrisca-se chegar a uma situação em que, seguindo uma possível recomendação da COP-27, essa antecipação da meta resulte num boicote às exportações de parte da soja do cerrado a partir de janeiro de 2026.

O ministro Paulo Guedes poderá continuar achando que a mulher do presidente francês é feia ou ligar o que bem entender, mas compradores como o Carrefour não negociarão com derivados da soja do cerrado.

O grosso do moderno agronegócio brasileiro afastou-se dos agrotrogloditas, mas são eles quem dão cartas em Brasília. Mandam muito em seus favorecidos e mandam nada em reuniões como a COP ou em entidades como o Fórum de Commodities Agrícolas.

Nessas instâncias, o governo brasileiro pode ser ouvido e seria um negociador legítimo. Perdeu legitimidade porque quis, quando preferiu jactar-se de ser pária. Na questão da Amazônia, foi um pária orgulhoso e acabou confundido com o crime organizado.

O bioma do cerrado pode e deve ser defendido com uma negociação que preserve o meio ambiente e a produção nacional de soja de agroempresários dispostos a cumprir as leis nacionais e a prestar atenção nas combinações internacionais.


compass black

Este texto foi originalmente publicado no jornal “O GLOBO”  [Aqui!].

Amazônia e Pampa lideram queimadas de janeiro a julho de 2022

Dados do Monitor do Fogo do MapBiomas mostram que queimadas cresceram 7% na Amazônia e 3.372% no Pampa nos sete primeiros meses do ano

queimada

O Brasil queima no Norte e no Sul de seu território. Dados do MapBiomas mostram que 2.932.972 hectares foram consumidos por queimadas nos primeiros sete meses do ano. Embora maior que o estado de Alagoas, essa área é 2% menor do que a que foi consumida pelo fogo no ano passado. Porém na Amazônia e no Pampa a situação é diferente: esses são os únicos biomas com aumento na área afetada pelo fogo. Na Amazônia o fogo atingiu uma área de 1.479.739 hectares, enquanto que no Pampa foram 28.610 hectares queimados entre janeiro e julho de 2022. Nesse período, foi registrado um aumento de 7% (ou mais de 107 mil hectares) na Amazônia e de 3372% no Pampa (27.780 ha).

Esses dados fazem parte da nova versão do Monitor do Fogo, que o MapBiomas lança hoje (18/08) em sua plataforma. Ela passará a fazer uso de imagens do satélite europeu Sentinel 2, que tem duas importantes características para esse tipo de mapeamento: ele passa a cada cinco dias sobre o mesmo ponto, aumentando a possibilidade de observação de queimadas e incêndios florestais; além disso, tem resolução espacial de 10 metros. Isso acrescenta cerca de 20% a mais na área queimada em relação aos dados do Mapbiomas Fogo coleção 1, que traz o histórico de fogo anualmente desde 1985. Também permite que a partir de agora os dados sejam divulgados mensalmente.

O Monitor do Fogo do MapBiomas difere e complementa o monitoramento do INPE porque avalia as cicatrizes do fogo, e não os focos de calor. O motivo é simples: dados de focos de calor representam a ocorrência de fogo (e potencialmente contribuem para seu combate) mas não permitem avaliar a área queimada. O Monitor de Fogo, por sua vez, revela em tempo quase real (diferença de um mês) a localização e extensão das áreas queimadas, facilitando assim a contabilidade da destruição que é apontada pelos focos de calor da plataforma do INPE.

“Este produto é o único nessa frequência e resolução a fornecer esses dados mensalmente, o que facilitará muito a prevenção e combate aos incêndios, indicando áreas onde o fogo tem se adensado”, explica Ane Alencar, coordenadora do Monitor do Fogo do MapBiomas. “Além do poder público, é uma ferramenta de grande utilidade para a iniciativa privada, como o setor de seguros, por exemplo”, completa.

Os dados dos sete primeiros meses de 2022 mostram que três em cada quatro hectares queimados foram de vegetação nativa, sendo a maioria em campos naturais. Porém, um quinto de tudo que foi queimado no período foi em florestas. Metade das cicatrizes deixadas pelo fogo localizam-se no bioma Amazônia, onde 16% da área queimada corresponderam a incêndios florestais, ou seja, áreas de floresta que não deveriam queimar.

O Mato Grosso foi o estado que mais queimou nos sete primeiros meses de 2022 (771.827 hectares), seguido por Tocantins (593.888 hectares) e Roraima (529.404 hectares). Esses três estados representaram 64% da área queimada afetada no período.

No Cerrado, a área queimada entre janeiro e julho de 2022 (1.250.373 hectares) foi 9% menor que no mesmo período do ano passado, porém 5% acima do registrado em 2019 e 39% maior que em 2020. O mesmo padrão foi identificado na Mata Atlântica, onde houve uma queda de 16% em relação a 2021 (ou 14.281 hectares), porém um crescimento de 11% em relação a 2019 e 8% na comparação com 2020. O Pantanal, por sua vez, apresentou a menor área queimada nos últimos quatro anos (75.999 hectares), com 19% de redução de 2022 para 2021 em relação a área queimada de janeiro a julho.

Desmatamento-do-Cerrado-cresce-13-em-um-ano

O Cerrado sofre com as queimadas neste período de estiagem, a baixa umidade no DF no fim de semana levou a Defesa Civil a declarar estado de emergência na capital(Jose Cruz/Agência Brasil)

Dentro os tipos de uso agropecuário das áreas afetadas pelo fogo, as pastagens se destacaram com 14% da área queimada nos sete primeiros meses de 2022.

O primeiro e o segundo lugar da lista de municípios que mais queimaram entre janeiro e julho de 2022 são ocupados por Normandia e Pacaraima, ambas em Roraima. Em julho de 2022, os municípios de Formosa do Araguaia e Lagoa da Confusão, no Tocantins, foram os que tiveram maior área queimada. Neste último, fica parte do Parque Nacional do Araguaia.

Sobre MapBiomas

Iniciativa multi-institucional, que envolve universidades, ONGs e empresas de tecnologia, focada em monitorar as transformações na cobertura e no uso da terra no Brasil, para buscar a conservação e o manejo sustentável dos recursos naturais, como forma de combate às mudanças climáticas. Esta plataforma é hoje a mais completa, atualizada e detalhada base de dados espaciais de uso da terra em um país disponível no mundo. Todos os dados, mapas, método e códigos do MapBiomas são disponibilizados de forma pública e gratuita no site da iniciativa. O Prêmio MapBiomas, realizado em parceria com o Instituto Ciência, visa estimular e valorizar trabalhos que utilizem dados de qualquer iniciativa do MapBiomas.