SEMINÁRIO UFRJ: Política do Petróleo, Educação, Ciência Tecnologia e Saúde

petroleo

O que significa a descoberta e exploração das reservas de petróleo do Pré-sal para o desenvolvimento do País e de nosso povo? Os recursos advindos dessa riqueza descoberta por brasileiros, com tecnologia brasileira precisam ser entregues para empresas estrangeiras?

O que significa Cessão Onerosa? Contrato de Partilha? Os recursos do Pré-sal serão mesmo alocados para as áreas de Educação, Saúde, Ciência e Tecnologia? Qual o real montante desses recursos? Como dar continuidade ao papel da Petrobras como instrumento estratégico do desenvolvimento brasileiro?

Qual a Política de Petróleo que realmente interessa ao Brasil?
A Universidade não pode se omitir e precisamos discutir com urgência a Política Nacional do Petróleo e a destinação dos seus recursos.

Mais do que convidar, estamos convocando e mobilizando todo o corpo social da UFRJ para discutir, conhecer e, se for necessário, resistir aos rumos atuais que estão impondo à nossa Política do Petróleo e à Petrobras.

Vamos todos, Professores, funcionários técnico-administrativos em Educação, estudantes de graduação e pós-graduação, organizações da sociedade civil, sindicatos, associações de classe e o público em geral debater, questionar e encontrar respostas!!!

PROGRAMAÇÃO

8:00 as 8:30 – Recepção com Café da manhã
8:30 às 10:05 – Mesa de Abertura – Estado e Política do Petróleo. O Papel da Universidade.
Presidente da Mesa – Professor Roberto Leher (Reitor da UFRJ)
Arthur Raguso – Diretor de Formação da Federação Única dos Petroleiros
Prof. Luiz Pinguelli Rosa (COPPE/UFRJ).
Guilherme Estrela – Geólogo, Ex diretor de Exploração e Produção da Petrobrás.

10:05 às 10:35 – Debate com os participantes

10:35 às 10:45 – Intervalo para troca da mesa

10:45- as 12:05 – Mesa Redonda: Política do Petróleo e Orçamento Federal. Recursos para Educação, Ciência, Tecnologia e Saúde. Royalties, Fundo Social e Pré-sal, Fundos Setoriais, Dívida Pública.
Presidente da Mesa – Prof. Carlos Levi da Conceição (Ex-Reitor da UFRJ)
Prof. Eduardo Costa Pinto(I.E./UFRJ)
Prof. Roberto Leher (Reitor / UFRJ)
Profa. Esther Dweck (I.E./UFRJ)

12:05 às 12:35 – Debate com a plateia

12:35 – Encerramento

Realização:
Reitoria da UFRJ
Fórum de Ciência e Cultura – FCC

Apoio: DCE Mário Prata, ADUFRJ, SINTUFRJ
Detalhes do evento:

Dia(s): 18/09/2018
Horário: 8:30 – 13:00

Local: Auditório CGTEC-CT2
R. Moniz de Aragão, 360 – Cidade Universitária/Ilha do Fundão
Rio de Janeiro – CEP 23058-440

Evento Gratuito
Sem inscrição

http://ufrj.br
contato: jessicalemos.ufrj@gmail.com
Telefone de contato: 021-3938-2722

Coordenadoria de Comunicação da UFRJ

Levantamento mostra quem financia a pesquisa no Brasil e na USP

Estudos patrocinados por subsídios alcançaram impacto, em termos de classificação de periódicos e contagem de citações

Por  – Editorias: CiênciasUniversidade

O texto a seguir integra uma série de quatro artigos produzidos pelo Sistema Integrado de Bibliotecas (Sibi) da USP  sobre a produção científica da USP. Para ler o texto completo, com as citações, acesse este link.

Levantamento realizado na Plataforma InCites revela 1.032 entidades de financiamento ativas no mundo – Foto: Pixabay – CC

Estudo realizado a partir de dados obtidos na Plataforma InCites (Thomson Reuters/Clarivate Analytics) revela quais são as entidades de financiamento que mais investem na pesquisa brasileira e na USP. O levantamento foi feito entre os dias 3 e 19 de julho, a partir de conteúdos da Web of Science indexados até 29 de abril e dados atualizados no InCites em 16 de junho.

Utilizando o módulo Funding Agencies, do InCites, foi possível levantar por localização geográfica e por nome da organização os dados de financiamento coletados da seção de agradecimentos ou rodapé dos artigos publicados e indexados na base Web of Science (veja aqui um exemplo).

Ainda que as atribuições de concessão com base em texto apresentem falsos positivos e falsos negativos – a taxa de atribuições imprecisas é de pelo menos 25% – e que as atribuições imprecisas possam ter, elas próprias, vieses de redação e interpretação, insights significativos podem ser obtidos a partir da análise desses dados. Os resultados aqui apresentados não têm a pretensão de serem exaustivos. Buscam apenas evidenciar o potencial de uso da Plataforma InCites.

A maior produtividade está associada às áreas de Ciências Naturais, Engenharias e Tecnologias, e Ciências Médicas. Há indícios também da presença de múltiplos fundos correlacionando-os positivamente com o desempenho geral de citações. Publicações de projetos financiados por órgãos internacionais alcançaram desempenho superior em termos de coautorias internacionais e percentual de documentos citados.

Em geral, solicitar financiamento a órgãos externos ao País aumenta as chances de ser citado e de publicar em revistas científicas de prestígio e alto impacto. Isso significa também que é necessário associar-se a equipes científicas destacadas e grandes grupos de pesquisa, além de manter-se conectado a pesquisadores produtivos, para produzir mais e melhor.

A proporção de publicações em acesso aberto ainda é pequena em relação ao total de publicações associadas a projetos financiados com recursos públicos, mas vem aumentando nos últimos anos.

Quem financia a pesquisa no mundo?

Um dos trabalhos mais abrangentes em termos de identificação digital de financiadores de pesquisa tem sido realizado pela Crossref, agência internacional conhecida pela atribuição do Digital Object Identifier (DOI) a documentos. O banco de dados de registro de financiadores mantido pela Crossref – FundRefcongrega, atualmente, 18.067 entidades ativas de financiamento da pesquisa conectadas a 2.188.220 trabalhos publicados.

É possível buscar informações sobre financiadores e publicações na plataforma por meio do link. O objetivo é fornecer informações claras, transparentes e mensuráveis ​​sobre quem financiou a pesquisa e onde ela foi publicada, ligando os financiamentos aos documentos e conteúdos produzidos.

Muito dinheiro tem sido aplicado na chamada Big Science (grande ciência), fenômeno da ciência da segunda metade do século 20 relacionado a projetos de grande porte, geralmente, financiados por governos ou grupos governamentais, algumas vezes, em detrimento da Small Science.

O projeto de 100.000 Genomas vai ter custado 300 milhões de libras quando os pesquisadores, que sequenciam o projeto genético de muitos seres humanos, tiverem concluído seus estudos. Estima-se que o Bóson de Higgs (física de partículas), ligado ao Cern (em inglês, European Organization for Nuclear Research), já tenha custado oito bilhões de libras.

O International Fusion Experiment (Iter) é outro projeto mundial orçado em 12,8 bilhões de dólares. A iniciativa European Spallation Source (ESS) está avaliada em 1.843 milhões de euros. À medida que a Big Science se torna ainda maior, sua escala reflete-se nas imensas listas de autores em artigos científicos e aportes financeiros gigantescos.

Em termos mundiais, o levantamento realizado na Plataforma InCites revela 1.032 entidades de financiamento ativas no mundo (2011-2018), mencionadas nos textos dos documentos indexados na base Web of Science.

A maior agência de financiamento de pesquisa é a National Natural Science Foundation of China (NSFC), entidade destacada pela produtividade. No momento analisado é a entidade com maior número de trabalhos publicados e indexados na base Web of Science: foram 1.201.687 documentos produzidos a partir de projetos financiados entre 2011 e 2018.

Em seguida, vem o National Institutes of Health (NIH) com 588.762 documentos eNational Science Foundation (NSF), com 387.801 documentos produzidos no período. A figura abaixo apresenta os dez maiores financiadores de pesquisa no mundo por número de documentos publicados (2011-2018).

Top 10 financiadores da pesquisa mundial por número de documentos (2011-2018)

A seguir,  os principais financiadores por número de citações e documentos (2011-2018). Os resultados indicam uma correlação positiva entre financiamento e impacto. Todavia, é preciso ter cautela com análises superficiais, porque podem levar a equívocos.

Principais financiadores mundiais por número de citações e documentos (2011-2018)  

Quem financia a pesquisa brasileira?

O financiamento da pesquisa no Brasil se dá por meio de diferentes sistemas e instituições de fomento, que estão ligadas direta ou indiretamente aos ministérios brasileiros e são: CNPq, Finep, Capes, FNDCT, BNDES, além das agências estaduais que constituem as FAPs – Fundações Estaduais de Amparo a Pesquisa agrupadas no Confap. Há também leis de incentivo fiscal e fomento à inovação, financiamentos empresariais e institucionais. Saiba mais consultando a página de Agências e Oportunidades de Financiamento no website Apoio ao Pesquisador.

Em meio à crise econômica, muitos entendem que o pesquisador brasileiro deve preparar-se melhor para pleitear insumos financeiros internacionais e deve ser mais competitivo, para atenuar o impacto dos cortes do orçamento governamental. Nesse sentido, conhecer a situação atual de financiamento no Brasil do ponto de vista dos financiadores é importante. O Ministério da Ciência, Tecnologia, Inovações e Comunicações (MCTIC) apresenta dados de recursos investidos na pesquisa no Brasil e algumas informações chegam aos pesquisadores e instituições por meio de divulgação à imprensa ou websites.

As principais agências de financiamento da pesquisa – CNPq e Capes – enfrentam problemas com a redução de orçamento. A escassez de recursos afetou o CNPq, órgão vinculado ao MCTIC, em todas as metas na concessão de bolsas e apoios, como demonstra o gráfico a seguir:

Painel de investimentos do CNPq (2001-2018) 

A Capes também foi afetada pelos recentes cortes. Vinculada ao Ministério da Educação e Cultura (MEC), de 2015 a 2017 teve uma perda anual de R$ 1 bilhão. A última atualização do painel de investimentos da Capes sobre concessão de bolsas mostra uma diminuição desde 2014, quando existiam 105.791 beneficiários nas pós-graduações pelo País.

Em 2016, o número baixou para 100.433, um corte de 5,3 mil. Em julho de 2018, o MEC anunciou a liberação de R$ 160 milhões para a Capes. Os recursos destinam-se ao pagamento de bolsas, auxílios e fomento às ações de graduação, pós-graduação, ensino, pesquisa e extensão.

O levantamento realizado na Plataforma InCites revela como está o financiamento da pesquisa nos Estados brasileiros, contabilizada a partir do número de documentos publicados. O Estado brasileiro com maior produtividade e financiamento é São Paulo, seguido do Rio de Janeiro, Minas Gerais, Rio Grande do Sul e Paraná.

Veja a seguir a distribuição percentual de documentos financiados por Estado. Note-se que é possível haver sobreposições de dados em decorrência das coautorias entre pesquisadores de diferentes Estados:

Distribuição percentual de documentos publicados por estado de projetos financiados (2011-2018)

Os três órgãos que mais financiaram pesquisa no Brasil de 2011 a 2018, de acordo com o número de documentos publicados, foram o CNPq (122.967), Capes (70.048) e Fapesp (56.667).

A figura a seguir apresenta o ranking de financiadores da pesquisa brasileira por número de documentos (2011-2018):

Ranking de financiadores da pesquisa brasileira por nº de documentos (2011-2018)

Percentual de documentos citados também variou de acordo com o órgão financiador, como demonstra o gráfico a seguir. Embora os números sejam positivos, observa-se que artigos de projetos subsidiados por entidades estrangeiras apresentaram maior percentual de citação.

Percentual de documentos citados de acordo com o financiador (2011-2018)

O financiamento também varia de área para área de pesquisa. Utilizando os campos de conhecimento das revistas científicas como um intermediário das áreas de pesquisa, é possível observar que certas áreas se destacam mais que outras.

Considerando as vinte principais entidades financiadoras da pesquisa no Brasil, no período de 2011 a 2018, as áreas de mais destaque são Biologia Molecular e Bioquímica (8.873 documentos), Ciências das Plantas/Biologia Vegetal (6.444 documentos), Ciência dos Materiais (6.259), Farmácia e Farmacologia (6.201 documentos).

A figura abaixo exibe o mapa com as vinte principais áreas de pesquisa (classificação Web of Science) financiadas e respectivo número de documentos produzidos no período.

Top 20 principais áreas de pesquisa financiadas no Brasil por nº de documentos (2011-2018)

Os gráficos a seguir apresentam o número de documentos de projetos financiados pelo CNPq e Capes no período de 2011 a 2018 por área de pesquisa (classificação FOS).

dataset referente a esses dados pode ser consultado no Repositório Zenodo.

Número de documentos de projetos financiados pela Capes e CNPq (2011-2018) por área

Financiamento da pesquisa na USP

A USP é uma instituição pública de ensino superior e de pesquisa que, desde sua fundação, mantém um papel de liderança na produção científica e acadêmica brasileira. Seus 270 programas de pós-graduação atraem estudantes de diferentes partes do Brasil, da América Latina e de mais de 50 países ao redor do mundo.

São quase seis mil docentes e cerca de 82 mil alunos.  Há muitos anos, ocupa posição de destaque nos principais rankings internacionais de universidadesAcademic Ranking of World Universities (ARWU) [151-200],Times Higher Education World University Rankings [251-300],QS World University Rankings [118]eWebometrics Ranking of World Universities [72].

Além dos órgãos de financiamento citados, na USP, dois órgãos institucionais estão relacionados ao financiamento: a Aucania (Agência de Cooperação Nacional e Internacional), que divulga oportunidades de intercâmbio e bolsas, e a Pró-Reitoria de Pesquisa (PRP), que apoia pesquisas, noticia editais e chamadas. As unidades e institutos também mantêm serviços que apoiam e divulgam oportunidades de financiamento.

A partir do levantamento realizado na plataforma InCites, foi possível ranquear os 20 principais financiadores de pesquisa da USP (2011-2018) a partir do número de documentos publicados no período de 2011 a 2018, conforme apresentado abaixo.

Observa-se uma correlação positiva entre financiamento estrangeiro e percentual de colaboração internacional, com respectiva elevação do impacto de citação normalizado pela categoria (Category Normalized Citation Impact) e percentual de documentos citados. No total, 518 entidades de financiamento concederam subsídios a pesquisadores da USP no período.

Top 20 financiadores da pesquisa USP por nº de documentos (2011-2018)

As três principais entidades financiadoras da pesquisa da USP nos períodos de 1980 a 1999, 2000 a 2010, e 2011 a 2018 foram Fapesp, CNPq e Capes, como demonstra o gráfico a seguir.

Observa-se que, ao longo das décadas, houve um significativo aumento do financiamento de pesquisas (ou das menções de financiamento) nos documentos indexados.

Top 3 financiadores da produção USP pelo número de documentos (1980-2018)

Relacionando os top 10 maiores financiadores de acordo com percentual de coautorias internacionais, observa-se que a pesquisa financiada por entidades externas ao País apresenta um nível mais elevado de percentual de colaborações internacionais, conforme apresentado na a seguir:

Top 10 financiadores da pesquisa USP e percentual de colaborações internacionais

Por meio do levantamento, foi possível determinar também o percentual de artigos publicados por autores USP e respectivos quartis das revistas: Q1, Q2, Q3 e Q4, com números positivos e consistentes.

A tabela a seguir mostra também como os artigos de projetos patrocinados apresentam significativos percentuais de alta citação (% Highly Cited Papers) e percentual de artigos “quentes” (% Hot Papers), índices que aumentam sempre quando há financiamento de entidades externas ao Brasil. Clique na figura para melhor visualização:

Top 20 principais financiadores pelo nº de documentos publicados de projetos financiados e respectivos indicadores de posicionamento nos quartis das revistas (2011-2018)

Com relação ao acesso aberto, o levantamento revelou que a proporção de documentos gerados a partir de projetos realizados com financiamento público, embora tenha evoluído ao longo das décadas, ainda é baixa. A figura abaixo apresenta esses dados a partir dos três maiores financiadores da pesquisa da USP: Capes, CNPq e Fapesp, de 1980 a 2018. Em azul estão representados os documentos publicados em acesso aberto. Clique na Figura para melhor visualização.

Considerações finais

Poucos estudos se concentram nos órgãos de financiamento como unidades de avaliação, mas isso pode mudar, à medida que os sistemas de informação se tornem mais integrados e as informações estejam mais acessíveis. Iniciativas como o FunRef da Crossref sinalizam avanços nesse sentido.

Não se ignoram as limitações associadas ao uso de dados de financiamento recuperados dos textos de agradecimentos ou de rodapés de artigos: podem produzir falsos positivos e falsos negativos, a taxa de atribuições imprecisas é pelo menos 25%, as atribuições imprecisas podem ter, elas próprias, vieses no nível de campo.

Maior transparência nas definições estratégicas de apoio à pesquisa e relatórios de recursos financeiros investidos, assim como estudos sobre o impacto social da pesquisa financiada podem reduzir gastos e aumentar a equidade e o acesso a financiamentos.

Elizabeth Dudziak / Sistema Integrado de Bibliotecas da USP

FONTE: https://jornal.usp.br/ciencias/levantamento-mostra-quem-financia-a-pesquisa-no-brasil-e-na-usp/

Fórum de Ciência e Cultura da UFRJ promove curso sobre “Ciência, política e pós-verdade”

curso 0

A noção de pós-verdade, até pouco tempo, encontrava-se restrita a pequenos círculos,
constituídos, majoritariamente, por membros da academia ou da intelectualidade. Contudo, e por razões que ainda estão por ser conhecidas, tal noção passou a ser objeto de discussões fora dos limites do circuito universitário. Tais discussões vêm acompanhadas de um sentimento negativo sobre a pós–verdade. Isso porque ela é vista como a responsável pelo enfraquecimento de valores e perspectivas caros à chamada sociedade ocidental, especificamente aqueles que contribuíram para que a ciência
desfrutasse da reputação que teve até recentemente. Não podemos desconsiderar as consequências políticas da disseminação dessa noção. Se, provavelmente, sua disseminação é explicada pelo respaldo dado a relativistas, pluralistas, multiculturalistas – entre outras vertentes –, nos dias de hoje, aquelesque empregam a noção de pós-verdade o fazem contra tais perspectivas.

Este curso discutirá a seguinte questão: em que medida a noção de pós-verdade tornou-se conhe-cida, não apenas no circuito acadêmico-universitário, mas, sobretudo, na sociedade em geral? De forma mais precisa, queremos entender como as críticas que a ciência vem recebendo desde, pelo menos, a década de 1960, contribuíram para a disseminação da pós-verdade. Em particular, pretende-se analisar se a simplificação do relativismo pode ser entendida como um dos principais fatores responsáveis pelo enfraquecimento da crença na ciência e pelo fortalecimento da noção de pós-verdade.

curso 1curso 2

UENF realiza Supera Rio e Marcha pela Ciência

SUPERA MARCHA

Com a presença de deputados fluminenses, será realizado na próxima sexta-feira, 24/11/17, às 14h, no Centro de Convenções da Universidade Estadual do Norte Fluminense (Uenf), o Supera Rio UENF, evento promovido pelo Fórum de Desenvolvimento Estratégico do Estado, órgão da Assembleia Legislativa do Estado do Rio de Janeiro (Alerj). O tema do evento será “A Universidade pública como ferramenta para o desenvolvimento social e econômico”. 

Composto por 44 entidades – dentre elas a Uenf – , o Fórum foi criado em 2003 com o objetivo de promover inovações a partir da interação constante entre academia, setor produtivo e o Poder Legislativo. O Fórum foi criado para conectar iniciativas, promover debates e criar uma agenda comum que reúna academia, sociedade civil organizada e o parlamento fluminense, com foco na promoção do desenvolvimento econômico, social e ambiental do estado. 

Logo após o encerramento do Supera Rio UENF será realizada a primeira edição local da “Marcha pela Ciência”. É importante frisar que este é um momento crítico para as universidades públicas brasileiras e o caminho sendo traçado pelos governos de Michel Temer e Luiz Fernando Pezão comprometem o nosso futuro como sociedade e afeta duramente a soberania do Brasil e do Rio de Janeiro que passa fundamentalmente pelo fortalecimento da Educação e da Ciência.

Aduenf realiza debate sobre o futuro da ciência no Brasil

debate remytuffani

Além de trazerem desarranjos e perturbações, momentos de crise também oferecem a possibilidade de debater sobre oportunidades para mudar as coisas para melhor.  Nesse sentido, a Associação de Docentes da Uenf (Aduenf) tem feito esforços para trazer ao campus Leonel Brizola uma série de pessoas que possam oferecer perspectivas de saída para a crise que assombra a ciência brasileira neste momento.

Esse é o caso do debate que será realizado no próximo dia 21/11 na Sala de Multimídia do Centro de Ciência do Homem com a presença do professor Jean Remy Duvée Guimarães (UFRJ) e do jornalista especializado em ciência, Maurício Tuffani, criador do site “Direto da Ciência”, que juntos possuem reconhecida capacidade para debater os caminhos e descaminhos que cercam o desenvolvimento científico nacional (ver vídeo abaixo).

A atividade está sendo anunciada na página oficial da ADUENF na rede social Facebook e os interessados em participar nesta atividade poderão fazer suas reservas gratuitas para assegurar um assento dentro do auditório [Aqui!].

 

A Ciência está quebrada

ciencia quebrada

Incentivos perversos e o mau uso de métricas quantitativas prejudicaram a integridade da pesquisa científica

Por Siddartha Rhoy e Marc A. Edwards*

O surgimento da universidade de pesquisa do século 20 nos Estados Unidos da América (EUA) é uma das grandes realizações da civilização humana, pois ajudou a estabelecer a ciência como um bem público e avançou a condição humana através de treinamento, descoberta e inovação. Mas se a prática da ciência viesse a prejudicar a confiança e o relacionamento simbiótico com a sociedade que permitiu que ambos florescessem, a nossa capacidade de resolver os problemas críticos enfrentados pela humanidade e pela própria civilização estará em risco. Recentemente, exploramos como os incentivos cada vez mais perversos e o modelo vigente de negócios acadêmicos podem afetar adversamente as práticas científicas e, por extensão, se uma perda de apoio à ciência em alguns segmentos da sociedade pode ser atribuída ao que a ciência está fazendo a si mesma, ao contrário do que outros estão fazendo a ela.

Nós argumentamos que ao longo do último meio século, os incentivos e a estrutura de recompensa da ciência mudaram, criando uma hiper competição entre os pesquisadores acadêmicos. O corpo docente a tempo parcial e adjunto agora compõe 76% da mão-de-obra acadêmica, permitindo que as universidades operem mais como empresas, tornando as posições com estabilidade muito mais raras e desejáveis. O aumento da confiança nas emergentes métricas quantitativas de desempenho que valorizam o número de artigos, citações e dólares de pesquisa levantados diminuiu a ênfase em resultados e qualidade socialmente relevantes. Também há preocupação de que essas pressões possam encorajar a conduta antiética dos cientistas e da próxima geração de pesquisadores de STEM (ciência, tecnologia, engenharia e matemática) que persistam neste ambiente hiper competitivo. Acreditamos que é necessária uma reforma para trazer o equilíbrio para a academia e para o contrato social entre ciência e sociedade, para assegurar o futuro papel da ciência como bem público.

A busca da estabilidade tradicionalmente influencia quase todas as decisões, prioridades e atividades dos jovens docentes nas universidades de pesquisa estadunidenses. As mudanças recentes no meio acadêmico, no entanto, incluindo maior ênfase nas métricas de desempenho quantitativas, competição severa por financiamento federal estático ou reduzido e implementação de modelos de negócios privados em universidades públicas e privadas estão produzindo resultados indesejáveis e consequências não desejadas (veja a Tabela 1 abaixo).

As métricas quantitativas estão cada vez mais dominando a tomada de decisões na contratação, promoção e estabilidade de professores, prêmios e financiamentos, e criando um foco intenso na contagem de publicações, citações, contagens combinadas de publicação de citações (o Índice h é o mais popular), fatores de impacto de periódicos, total de dólares de pesquisa e totais de patentes obtidas. Todas essas medidas estão sujeitas à manipulação de acordo com a Lei de Goodhart, que afirma: quando uma medida se torna um alvo, ela deixa de ser uma boa medida. As métricas quantitativas podem, portanto, ser enganosas e, em última instância, contraproducentes para avaliar a pesquisa científica.

sized-Table-Roy-&-Edwards-revised

A crescente dependência de métricas quantitativas pode criar desigualdades e resultados pior do que os sistemas que elas substituíram. Especificamente, se as recompensas são desproporcionalmente dadas aos indivíduos que manipulam as métricas, os problemas bem conhecidos dos antigos paradigmas subjetivos (por exemplo, as redes de compadrios) parecem simples e solúveis. A maioria dos cientistas pensa que o dano devido a métricas já é evidente. Na verdade, 71 % dos pesquisadores acreditam que é possível “jogar” ou “enganar” seu caminho para melhores avaliações em suas instituições.

Esta manipulação das métricas avaliadoras foi documentada. Exposições recentes revelaram esquemas de revistas para manipular fatores de impacto, uso de p-hacking por pesquisadores para extrair resultados estatisticamente significativos e publicáveis, manipulação do próprio processo de avaliação por pares e práticas de super citação. O cientista da computação Cyril Labbé, da Universidade Joseph Fourier de Grenoble, ainda criou Ike Antkare, um personagem de ficção que, em virtude da publicação de 102 documentos falsos gerados por computador, alcançou um h-index estelar de 94 no Google Scholar, superando o de Albert Einstein. Os blogs que descrevem como inflar o Índice h sem comprometer fraude direta estão distantes, de fato, apenas de uma pesquisa no Google.

Desde a Segunda Guerra Mundial, a produção científica medida pelo trabalho citado duplicou a cada nove anos. Quanto do crescimento nesta indústria do conhecimento é, em essência, ilusório e uma consequência natural da lei de Goodhart? Essa é uma questão real.

Consideremos o papel da qualidade versus quantidade maximizando o verdadeiro progresso científico. Se um processo for ultrapassado a qualidade em relação à quantidade, as práticas aceitas podem exigir estudos com dupla ou dupla quadrícula, replicação obrigatória de resultados por partes independentes e revisão por pares de todos e estatísticas antes da publicação. Tal sistema produziria poucos resultados devido ao excesso de cautela e desperdiçaria o escasso financiamento da pesquisa. Em outro extremo, uma ênfase excessiva na quantidade produziria inúmeros artigos de qualidade inferior com um projeto experimental laxista, pouca ou nenhuma replicação, controle de qualidade escasso e revisão de pares deficiente (ver Figura 1 abaixo).  Se medido pelas métricas quantitativas, o progresso científico aparente explodiria, mas muitos resultados seriam errôneos e os consumidores de pesquisa ficariam envolvidos em saber o que seria válido ou inválido. Esse sistema apenas cria uma ilusão de progresso científico. Obviamente, é desejável um equilíbrio entre quantidade e qualidade.

É hipoteticamente possível que, em um ambiente sem métricas quantitativas e menos incentivos perversos, enfatizando a quantidade em relação à qualidade, as práticas de avaliação acadêmica (aplicadas pela avaliação por pares) evoluiriam para estar perto de um ótimo nível de produtividade. Mas suspeitamos que o ambiente de incentivo perverso existente está empurrando os pesquisadores a enfatizar a quantidade de forma a competir, deixando a verdadeira produtividade científica em níveis inferiores ao ótimo. Se o ambiente hiper competitivo também aumentasse a probabilidade e a frequência do comportamento antiético, toda a empreitada científica seria eventualmente lançada em dúvida. Embora praticamente não existam pesquisas que explorem o impacto preciso de incentivos perversos sobre a produtividade científica, a maioria do mundo acadêmico reconhece que houve uma mudança em prol da quantidade na pesquisa.

sized-Figure-1-Roy-&-Edwards

Favorecer a saída de artigos sobre os resultados, ou a quantidade sobre a qualidade, também pode criar uma “perversão da seleção natural”. Esse sistema é mais provável de erradicar pesquisadores éticos e altruístas, ao selecionar aqueles que melhor respondem a incentivos perversos. O estudante médio pode ser pressionado a se engajar em práticas antiéticas para ter ou manter uma carreira. Então, de acordo com os “Modelos Limitadores do Comportamento Coletivo” de Mark Granovetter (1978), as ações antiéticas se tornam “incorporadas nas estruturas e processos” de uma cultura profissional. Neste ponto, o condicionamento para “ver a corrupção como permitida”, ou mesmo necessária, se tornará muito forte.  Testemunhos convincentes já vêm surgindo, por parte de professores de sucesso e preocupados com a coisa pública de por que eles estão deixando uma carreira que já amaram. A revista “Chronicle of Higher Education” até inventou um nome para este gênero: Quit Lit. No Quit Lit, mesmo pesquisadores seniores fornecem explicações perfeitamente racionais para deixar suas posições privilegiadas e premiadas, ao invés de comprometer seus princípios em um ambiente de incentivo perverso e hiper competitivo. É preciso perguntar-se se os estudantes pertencentes a minorias ou as mulheres decidem racional e desproporcionalmente optam mais por abandonar o sistema científico do que os grupos que tendem a persistir.

Em resumo, embora as métricas quantitativas ofereçam uma abordagem superficialmente atraente para avaliar a produtividade da pesquisa em comparação com medidas subjetivas, uma vez que elas são alvo, deixam de ser úteis e podem até ser contraproducentes. A continuação da ênfase excessiva nas métricas quantitativas pode obrigar a que todos os cientistas, com exceção dos mais éticos, produzam mais trabalhos de menor qualidade, a “reduzir os cantos sempre que possível”, a diminuir a produtividade real, e selecionar os cientistas que persistem e prosperam em um ambiente de incentivo perverso. É hipoteticamente possível que as realidades da academia moderna afetem a persistência de mulheres e minorias étnicas em todas as fases da linha de produção acadêmica.

Muitas sociedades científicas, instituições de pesquisa, revistas acadêmicas e indivíduos têm argumentos avançados tentando corrigir alguns excessos de métricas quantitativas. Alguns assinaram a Declaração de São Francisco sobre Avaliação de Pesquisa (DORA). A DORA reconhece a necessidade de melhorar as “maneiras de avaliar a pesquisa científica” e exige desafiar as práticas de avaliação de pesquisa, especialmente os parâmetros atuais do fator de impacto periódico. A partir de 1 de agosto de 2017, 871 organizações e 12.788 indivíduos assinaram a DORA, incluindo a Sociedade Americana de Biologia Celular, a Associação Americana para o Avanço da Ciência, o Instituto Médico Howard Hughes e os Procedimentos da Academia Nacional de Ciências. As editoras da Nature, Science e outras revistas pediram que seja minimizada a medida do fator de impacto. A  Sociedade Americana de Microbiologia recentemente tomou uma posição de princípio e eliminou a informação do fator de impacto de todos os seus periódicos para evitar contribuir para o foco inadequado nos fatores de impactos dos mesmos. O objetivo é retardar a “avalanche” de métricas de desempenho não confiáveis que dominam a avaliação da pesquisa. Como outros, não estamos defendendo o abandono de métricas, mas reduzindo sua importância na tomada de decisões pelas instituições e agências de financiamento, até possivelmente ter medidas objetivas que representem melhor o verdadeiro valor da pesquisa científica.

No ambiente de financiamento hiper competitivo da ciência moderna, o governo federal foi a fonte indispensável de recursos, sendo primordial no financiamento de pesquisa e desenvolvimento (P & D), criando novos conhecimentos, cumprindo missões públicas, incluindo segurança nacional, agricultura, infraestrutura e saúde ambiental. A partir da Segunda Guerra Mundial, o governo federal dos EUA suportou em grande parte a maioria dos custos da pesquisa científica de alto risco e de longo prazo. Essa pesquisa científica traz perspectivas incertas ou, por vezes, não possui impactos obsoletos da sociedade em curto prazo, e segue uma agenda comumente estabelecida por cientistas e agências de financiamento. Esta base de financiamento federal criou um ecossistema de pesquisa e conhecimento complementado por universidades e indústrias. Juntos, fez contribuições históricas para o progresso coletivo da humanidade.

Por pelo menos na última década, no entanto, os gastos federais dos EUA em P & D declinaram. A sua “intensidade de pesquisa” (ou o orçamento federal de P & D como parte do produto interno bruto do país) caiu para 0,78% (2014) de cerca de 2% na década de 1960. Na contramão disso, até 2020 a China deverá gastar mais do que os EUA em P&D.

As faculdades e universidades dos EUA também têm historicamente servido para moldar a próxima geração de pesquisadores, que fornecerão educação e conhecimento para o público e para o público. Mas, à medida que as universidades se transformam em “centros de lucro”, focados na geração de novos produtos e patentes, elas estão deixando de enfatizar a ciência como um bem público.

A competição entre os pesquisadores pelo financiamento nunca foi tão intensa, entrando em uma era com o pior cenário de financiamento em meio século. Entre 1997 e 2014, a taxa de financiamento para os subsídios dos Institutos Nacionais dos Estados Unidos (NIH) caiu de 30,5% para 18%. As taxas de financiamento da Fundação Nacional de Ciência dos EUA (NSF) permaneceram estagnadas em 23-25% na última década. Agradecidas por pequenos favores, essas taxas de financiamento ainda estão bem acima de 6%, o que é um ponto de equilíbrio aproximado quando o custo líquido da proposta de escrita equivale ao valor líquido obtido de uma concessão pelo vencedor da subvenção. No entanto, o ambiente de concessão é hiper competitivo, sendo suscetível ao viés do revisor, distorcido para agendas de pesquisa de agências de financiamento e fortemente dependente do sucesso anterior, que é medido por métricas quantitativas. Mesmo antes da crise financeira, o premiado com o Prêmio do Nobel, Roger Kornberg, observou que: “Se o trabalho que você propõe fazer não é virtualmente certo de sucesso, então não será financiado”. Essas amplas mudanças levam valioso tempo e recursos para longe da ciência descoberta e tradução, atraindo pesquisadores para gastar quantidades excessivas de tempo constantemente perseguindo propostas de concessão e preenchendo cada vez mais documentos para estar em conformidade com o processo de concessão das verbas.

O crescimento constante dos incentivos perversos e seu papel instrumental nas práticas de pesquisa, contratação e promoção da faculdade, equivale a uma disfunção sistêmica que põe em perigo a integridade científica. Há evidências crescentes de que as publicações cientificas atuais frequentemente sofrem de falta de replicabilidade, dependem de conjuntos de dados tendenciosos, aplicam métodos estatísticos mínimos ou de baixa qualidade, não conseguem se proteger contra vícios dos pesquisadores, e exageram suas descobertas. Em outras palavras, uma ênfase excessiva na quantidade versus qualidade. Portanto, não é surpreendente que o escrutínio tenha revelado um nível preocupante de atividade antiética, falsificação definitiva da revisão pelos pares e retrações. A revista “The Economist” recentemente destacou a prevalência de pesquisas científicas modernas de baixa qualidade e não reprodutíveis e seu alto custo financeiro para a sociedade.  Os editores da “The Economist” sugeriram fortemente que a ciência moderna não é confiável e precisa de uma reforma. Dado o alto custo de expor, divulgar ou reconhecer a má conduta científica, podemos estar bastante seguros de que há muito mais do que foi revelado. Os avisos de problemas sistêmicos remontam a pelo menos 1991, quando o então diretor da NSF, Walter E Massey, observou que o tamanho, a complexidade e o aumento da natureza interdisciplinar da pesquisa diante da crescente concorrência tornavam a ciência e a engenharia mais vulneráveis à falsificações.

“A NSF define a falta de conduta de pesquisa como “fabricação, falsificação ou plágio” intencional na proposição, realização ou revisão de pesquisa, ou no relatório de resultados de pesquisa”. Entre os casos de falhas na pesquisa investigados pelo Departamento de Saúde e Serviços Humanos dos EUA (inclui o NIH) e a NSF, 20 a 33 % são considerados culpados. Os custos anuais, a nível institucional, de US$ 110 milhões são incorridos para todas essas investigações de investigação e de falta de conduta nos EUA. De 1992 a 2012, 291 artigos científicos publicados com financiamentos do NIH foram retraídos por má conduta, representando US $ 58 milhões em financiamento direto da agência. Obviamente, a incidência de má conduta não detectada é maior, e são múltiplos dos casos julgados como tal anualmente.

A verdadeira incidência é difícil de prever. Uma meta-análise abrangente de pesquisa-indícios de conduta inadequada durante 1987-2008 indicou que um em cada 50 cientistas admitiu ter cometido má conduta (fabricação, falsificação e / ou modificação de dados) pelo menos uma vez, e 14% dos cientistas conheciam colegas que tinham feito isso. Muito provavelmente, dada a sensibilidade das perguntas feitas e as baixas taxas de resposta, esses números são uma subestimativa da verdadeira incidência de condutas inadequadas. Desde 1975, na ciência da vida e pesquisa biomédica, a porcentagem de artigos científicos retraídos aumentou dez vezes; e 67% das retrações foram devidas à má conduta. Hipóteses para este aumento incluem a “atração do jornal de luxo”, “publicação patológica”, políticas de má conduta insuficientes, cultura acadêmica, estágio profissional e incentivos perversos. Da Ciência do Clima à Corrosão Galvânica, vimos pesquisas publicadas que mancharam o ethos científico e prejudicam a credibilidade da comunidade científica e de todos.

O princípio do autogoverno na academia é forte, e esta é uma característica distintiva da universidade de pesquisa moderna. Espera-se que a ciência seja auto policiada e auto corretiva. Acreditamos, no entanto, que os incentivos em todo o sistema induzem todas as partes interessadas a “fingir que má conduta não acontece”. É notável o fato de que a ciência nunca desenvolveu um sistema claro para relatar e investigar alegações de condutas inapropriadas por parte de pesquisadores. Indivíduos que alegam que denunciar a má conduta não têm um caminho fácil e evidente para fazê-lo e correm o risco de sofrer graves e negativas repercussões profissionais. Em relação ao que é considerado justo em apresentar pesquisas, práticas de redação de projetos de pesquisa, e promoção de ideias de pesquisa, os pesquisadores operam, em grande medida, em um sistema de honra inaplicável e não escrito. Hoje, existem razões convincentes para duvidar de que a ciência como um todo é auto corretiva. Não somos os primeiros a reconhecer esse problema. Os cientistas propuseram estudos abertos, acesso aberto, revisão por pares pós-publicação, meta-estudos e esforços para reproduzir estudos de marco como práticas para ajudar a compensar as altas taxas de erro na ciência moderna. Por mais benéficas que essas medidas corretivas possam ser, incentivos perversos para indivíduos e instituições continuam sendo o principal problema.

Existem casos excepcionais em que os indivíduos forneceram uma verificação de realidade em comunicados de imprensa de pesquisa, especialmente em áreas consideradas potencialmente transformadoras (por exemplo, o comentário em tempo real de Jonathan Eisen sobre alguma mania em torno do micro bioma). Geralmente, no entanto, as limitações dos setores de pesquisas quentes são minimizadas ou ignoradas. Porque cada mania científica moderna cria uma ganância inesperada por métrica quantitativa para os participantes, e porque poucas consequências são impostas sobre os responsáveis quando uma bolha de ciência explode. O único controle efetivo sobre as patologias da ciência e a má alocação de recursos continua sendo o sistema de honra não escrito.

A falta de conduta não se limita aos pesquisadores acadêmicos. Os incentivos perversos e a hiper competição também são úteis para as agências federais, dando origem a um novo fenômeno da falta de conduta institucional na pesquisa científica. Os Centros para o Controle e Prevenção de Doenças (CDC) dos Estados Unidos, por exemplo, produziram um relatório errado sobre a crise da água potável em Washington, DC, afirmando que os níveis extremamente elevados de chumbo na água não causaram uma elevação níveis deste elemento químico no sangue nas crianças que a consumiam. Depois de se recusarem a corrigir ou defender suas pesquisas, os investigadores do Congresso estadunidense tiveram que intervir e concluíram que o relatório do CDC era “cientificamente indefensável”. Poucos meses depois de serem castigados no Congresso, o mesmo ramo do CDC escreveu aquilo que uma investigação de jornalistas da Reuters chamou de outro relatório “falho” sobre a contaminação por chumbo do solo, água potável e ar na região leste da cidade de Chicago, em Indiana, que deixou as crianças e minorias vulneráveis em perigo durante pelo menos cinco anos mais do que era necessário.

A Agência de Proteção Ambiental dos EUA (EPA) também publicou relatórios científicos de consultores com base em dados inexistentes em revistas das indústrias. Mais recentemente, a EPA silenciou seus próprios denunciantes durante a crise da água na cidade de Flint, em Michigan. À medida que as agências competem cada vez mais por uma redução do financiamento discricionário e pela manutenção dos fluxos de caixa existentes (o desejo dos pesquisadores do CDC de se concentrarem mais na pintura de chumbo, em vez de levar na água, por exemplo), eles parecem estar mais inclinados a publicar “boas notícias” em vez disso da Ciência. Em uma era de declínio do financiamento discricionário, as agências federais têm conflitos de interesse financeiros e medos de sobrevivência, semelhantes aos da indústria privada. Dado o equívoco comum de que as agências de financiamento federais estão livres de tais conflitos, os perigos da falta de conduta na pesquisa institucional podem rivalizar ou mesmo superar os da pesquisa patrocinada pela indústria, uma vez que não existe um sistema de cheques e contrapesos, e os consumidores desse trabalho podem ser confiante demais.

Se não reformarmos a empreitada da pesquisa científica acadêmica, arriscamos à desconsideração significativa e à desconfiança pública da ciência. A moderna empresa de pesquisa acadêmica, que The Economist ridiculizou como um “esquema de Ponzi”, opera em um sistema de incentivos perversos que teria sido quase inconcebível para pesquisadores há 50 anos. Acreditamos que este sistema representa uma ameaça real para o futuro da ciência. Se a ação imediata não for tomada, arriscar-se a criar uma cultura profissional corrupta semelhante à revelada no ciclismo profissional (ou seja, 20 dos 21 pódio de finalistas do Tour de France durante 1999-2005 foram vinculados de forma conclusiva ao doping), onde um incentivo perverso descontrolado O sistema criou um ambiente em que os atletas sentiram que tinham que trapacear para competir. Enquanto o pro-ciclismo sofreu um grave descrédito devido a prolíficos escândalos de doping instigados por um desejo ardente de ganhar a qualquer custo, as apostas na ciência são muito maiores. A perda de atores altruístas e a confiança na ciência trazem danos ainda maiores ao público e ao planeta.

Nos últimos anos, a academia tem testemunhado um êxito incondicional ao reconhecer inúmeras questões importantes, incluindo as de diversidade demográfica, equilíbrio entre trabalho e vida pessoal, financiamento, melhor ensino, divulgação pública e envolvimento – tentativas estão sendo feitas para enfrentar muitos desses problemas.

Todos os cientistas devem aspirar a deixar o campo em um estado melhor do que quando entramos pela primeira vez. Os assuntos muito importantes de financiamento estadual e federal estão além do nosso controle direto. No entanto, quando se trata da saúde, integridade e percepção pública da ciência e seu valor, somos os principais atores. Podemos reconhecer e resolver abertamente problemas com incentivos perversos e hiper competição que estão distorcendo a ciência e enfraquecendo a pesquisa científica como um bem público. Algumas etapas relativamente simples incluem chegar a uma melhor compreensão do problema, minerando sistematicamente as experiências e percepções de acadêmicos em campos STEM, através de uma pesquisa abrangente de estudantes de pós-graduação de alto nível e pesquisadores.

Em segundo lugar, a NSF deve encomendar um painel de economistas e cientistas sociais com experiência em incentivos perversos para coletar e revisar a contribuição de todos os níveis da academia, incluindo membros aposentados da Academia Nacional e especialistas distinguidos de STEM. Com uma visão de longo prazo para promover a ciência como um bem público, o painel também poderia desenvolver uma lista de “melhores práticas” para orientar a avaliação de candidatos para contratação e promoção.

Em terceiro lugar, não podemos mais dar ao luxo de fingir que o problema da má conduta de pesquisa não existe. Nos níveis de graduação e pós-graduação, os estudantes de ciências e engenharia devem receber instrução realista sobre esses assuntos, de modo que eles estejam preparados para agir quando, e não se, eles o encontrem. O currículo deve incluir a revisão das pressões, incentivos e tensões do mundo real que podem aumentar a probabilidade de má conduta da pesquisa.

Em quarto lugar, as universidades podem tomar medidas imediatamente para proteger a integridade da pesquisa científica e anunciar medidas para reduzir os incentivos perversos e defender políticas de conduta de pesquisa que desencorajem comportamentos antiéticos. Finalmente, e talvez de forma mais simples, além de ensinar habilidades técnicas, os próprios programas de doutoramento devem aceitar que devem reconhecer a realidade atual de incentivos perversos, ao mesmo tempo em que promovem o desenvolvimento do caráter e o respeito pela ciência como bem público e o papel crítico de ciência de qualidade para o futuro da Humanidade.

Siddartha Roy  é candidato a PhD em Engenharia Ambiental pela Virginia Polytechnic Institute and State University (Virginia Tech) e Marc A. Edwards é  Professor Emérito também da Virginia Tech.

Esta é uma tradução livre feita por mim de um artigo publicado em inglês pelo site AEON.co [Aqui!] , o qual vem a ser  uma versão condensada do artigo científico ” Academic Research in the 21st Century: Maintaining Scientific Integrity in a Climate of Perverse Incentives and Hypercompetition’, que foi publicado na Environmental Engineering Science,  e  quefoi escrito para alcançar uma audiência mais ampla [Aqui!].  Artigo original © Marc A Edwards and Siddhartha Roy, 2016.

A soberania e a crise na ciência: o começo do fim

Imagem relacionada

Por Isaac Roitman*

 

Estamos formando um exército de doutores para ficarem desempregados”, alerta Isaac Roitman, professor emérito da UnB, em artigo para o Correio Braziliense

Nelson Rodrigues introduziu a expressão complexo de vira-lata quando, na decisão da Copa do Mundo, fomos derrotados pelo Uruguai. Ele apontava que o complexo de inferioridade não se limitava ao campo futebolístico. A herança deixada pelo processo de colonização refletiu também no aspecto cultural, educacional e científico. A preocupação de explorar as riquezas da terra conquistada definiu as bases do que somos hoje: país exportador de suas riquezas naturais e com injustiças sociais.

A institucionalização da ciência no Brasil foi feita na década de 1950, com a criação do Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico (CNPq) e da Coordenação de Aperfeiçoamento do Ensino Superior (Capes). A partir da década de 1960, bem-sucedido sistema de pós-graduação foi implantado no Brasil. Atualmente, mais de 16 mil doutores são formados por ano.

A criação, em 1985, do Ministério de Ciência e Tecnologia (MCT), depois MCTI, foi também marco importante. Nos últimos 20 anos, a ciência brasileira se consolidou com secretarias de C&T nos estados e suas fundações de amparo à pesquisa. Nesse período, nossa produção científica tem crescido com taxas superiores à média mundial. Uma rede de institutos nacionais de ciência e tecnologia (INCT) foi criada e políticas de integração academia-empresa foram implantadas. Tudo apontava para um desenvolvimento científico como base da era do conhecimento. Ledo engano.

O primeiro sinal da crise da ciência brasileira foi a fusão do MCTI com o Ministério de Comunicação, no início de 2016, com um argumento não convincente de que o governo necessitava enxugar a máquina administrativa. Daí para frente, testemunhamos grandes cortes em bolsas e em projetos. Uma emenda constitucional limitou os gastos federais a aumentos no nível da inflação por 20 anos. Em março de 2017, o governo anunciou redução de 44% no orçamento federal de ciência.

O orçamento do MCTIC será o mais baixo em pelo menos 12 anos, com apenas R$ 2,8 bilhões. A redução de investimentos alcançou também as fundações estaduais de fomento à pesquisa. A Fundação Carlos Chagas Filho de Amparo à Pesquisa do Rio de Janeiro (Faperj) apresenta calote de R$ 470 milhões, que está interrompendo as atividades de pesquisas, principalmente nas universidades estaduais do Rio de Janeiro. As universidades federais, entre elas a Universidade de Brasília, estão à beira do colapso. O CNPq anuncia a suspensão de bolsas de estudos. É o início do caos.

A fragilização do nosso sistema nacional de ciência e tecnologia terá implicações graves para o desenvolvimento social e econômico brasileiro. Estamos formando um exército de doutores para ficarem desempregados. Os investimentos na formação de recursos humanos, nas últimas décadas, serão desperdiçados. O desperdício da inteligência é atitude de burrice plena. Se o processo de desmonte não for interrompido, teremos um êxodo de cientistas brasileiros para países avançados, onde a ciência é valorizada.

A inserção do Brasil na era do conhecimento é questão de soberania. A reversão do presente quadro deve ser rápida, pois grupos de pesquisas que levaram anos para serem construídos serão desativados. É pertinente que nossos governantes lembrem o pensamento de Winston Churchill: “Construir pode ser a tarefa lenta e difícil de anos. Destruir pode ser o ato impulsivo de um único dia”.

A restauração do MCTI deve ser imediata. Os investimentos em ciência e tecnologia devem ser incrementados. A burocracia para a aquisição de insumos e equipamentos deve ser simplificada. Projetos de parceria com o setor privado devem ser estimulados para obtenção de novas patentes e produtos. As pesquisas que visam à solução de problemas demandados pela sociedade devem ser valorizadas.

O Brasil precisa, urgentemente, tratar a educação e a ciência e tecnologia com seriedade, pois são pilares fundamentais para nosso desenvolvimento como nação. Caso contrário, continuaremos à mercê de tecnologia externa, comprometendo a nossa soberania e o fracasso da nossa missão geracional de legarmos para as próximas gerações um país soberano sem injustiças sociais, onde todos poderão conquistar a felicidade.

*Isaac Roitman é professor emérito da Universidade de Brasília (UNB) onde atua como Coordenador do Núcleo de Estudos do Futuro. O Professor Roitman também foi o diretor do Centro de Biociências e Biotecnologia da Universidade Estadual do Norte Fluminense entre 1995 e 1996.

Correio Braziliense – DF – 25/09/2017 – página A09

FONTE: http://jcnoticias.jornaldaciencia.org.br/22-a-soberania-e-a-crise-na-ciencia-o-comeco-do-fim/