Gigante chinesa vai rastrear origem da soja para evitar compras em áreas desmatadas na Amazônia e no Cerrado

Cofco International da China verificará compras agrícolas do Brasil por danos ambientais

cofco-1000x642

 

A Cofco International Ltd., braço de comércio global da maior empresa de alimentos da China, prometeu rastreabilidade total de toda a soja que compra diretamente de agricultores no Brasil até 2023.

A promessa, incluída em seu último relatório anual de sustentabilidade, visa reduzir os danos ambientais e seria a primeira vez para um grande comerciante de colheitas. O compromisso forçaria a Cofco International Ltd. a rastrear toda a soja que compra no Brasil para fazendas e locais específicos que não são de terras desmatadas, segundo o relatório.

“Tornamos público nosso compromisso de rastreabilidade porque estamos preparados e queremos ser responsabilizados por ele”, disse Wei Peng, chefe global de sustentabilidade da Cofco International, em comunicado.

A empresa promete rastrear mais de 50% de suas compras de soja no Brasil em 2020, segundo Peng. A Cofco estimou anteriormente que manipulará entre 6,7 milhões e 7 milhões de toneladas de soja no país na temporada 2020-21, que começou em fevereiro.

A rastreabilidade total, que a Cofco disse que seria verificada por terceiros, deve ajudar a desacelerar o desmatamento que devastou algumas partes do Brasil, incluindo o bioma Cerrado.

georating-deforestation-score-2-scfUm dos 11 mapas de classificação geográfica do Cerrado Brasil: desmatamento em 2016/2017 (PRODES), metodologia Agrotools

Os comerciantes agrícolas globais foram criticados por seu papel na crise ambiental do Brasil, que se espalhou da floresta amazônica para os campos de savanas do Cerrado, que cobrem mais de 20% do país e representam mais da metade de suas colheitas de soja.

O objetivo da Cofco de rastreabilidade total identificaria as origens exatas de onde a soja veio e sua história com documentação de apoio que garantiria que não fosse de terras agrícolas recentemente convertidas em vegetação natural.

O mapeamento tem métodos e objetivos diferentes em relação à rastreabilidade, ressaltando as diferentes abordagens que os comerciantes estão adotando para resolver o problema, de acordo com a Bloomberg.

A rival da Cofco, Louis Dreyfus Co., disse em seu relatório anual de sustentabilidade esta semana que conseguiu rastrear cerca de 30% de suas compras diretas de soja no Brasil em 2019 e se comprometeu com a rastreabilidade de 50% em 2020.

A Cargill Inc., maior trader agrícola, disse nesta semana que mapeou 100% de sua base de fornecimento de soja no Brasil, o que significa que possui uma localização geográfica para as fazendas que comprou e para os intermediários que comprou soja como plantas de britagem e terminais de exportação.

fecho

Este texto foi escrito originalmente em inglês e publicado no site da CLBrief [Aqui!].