Pesquisa mostra como Amazônia isolada e abastecida a combustível fóssil encarece a conta de luz de todos os brasileiros

Estudo do CPI/PUC-Rio mostra como transição energética na Amazônia seria, além de positiva para o meio ambiente, sócio e economicamente eficiente

amazonia rio
Se, por um lado, a Amazônia se configura como uma grande exportadora de energia para o resto do país, por outro, internamente, parte da sua população está desconectada e esse descompasso reflete no bolso dos consumidores de todo o país. É o que mostra o estudo “Rios de diesel na Amazônia Legal: por que a região com as maiores hidrelétricas do país depende de combustível caro e poluente?”, do Climate Policy Initiative/Pontifícia Universidade Católica do Rio de Janeiro (CPI/PUC-Rio), lançado nesta sexta-feira (03/06). 

Segundo o estudo, mais de 14% da população da Amazônia não tem acesso a energia gerada na região pelo Sistema Interligado Nacional (SIN), um sistema de produção e transmissão de energia elétrica, que liga as usinas aos consumidores do Brasil. Essa parcela da população local, cerca de 3 milhões de habitantes, é abastecida por usinas locais (em Sistemas Isolados), não conectadas ao SIN, em sua maioria termelétricas abastecidas a óleo diesel. Além disso, quase 1 milhão de pessoas vivem sem acesso perene à energia elétrica, contando com apenas algumas horas de energia por dia, por meio de geradores a diesel ou a gasolina. Muitas vezes o transporte do combustível até as usinas ou para ser utilizado em geradores é feito pelos rios e apresenta desafios logísticos.

A geração de energia nos Sistemas Isolados é mais custosa do que a no SIN – por ter como insumo o óleo diesel e apresentar menos economias de escala – e quem paga essa conta são os consumidores de energia elétrica através de encargo na conta de luz, explicam os pesquisadores do CPI. Isso acontece porque, para evitar que os habitantes dos Sistemas Isolados paguem uma conta de luz com valor superior à média nacional, o valor cobrado nessas localidades, excedente à média do custo de energia nacional, é rateado por todo o país por meio da chamada Conta Consumo de Combustíveis. Em 2022, o valor estimado é superior a R$ 10 bilhões, ou seja, um subsídio per capita superior a R$ 3 mil por habitante atendido pelos Sistemas Isolados.

 

Financiamento da CCC é custoso e tem aumentado ao longo do tempo

Contraste

Conforme o estudo do CPI, no Brasil, 82% da composição da geração de energia é renovável, enquanto a média mundial é de apenas 27%. O país tem grandes usinas hidrelétricas e as principais estão localizadas na Amazônia. Mas apesar da Amazônia Legal ter gerado 26% da energia elétrica consumida pelo Brasil em 2020, a região só consumiu 8% do total gerado. Existe um contraste entre o Brasil da energia renovável e interconectado e o Brasil isolado e abastecido a combustível fóssil. Mesmo com a Amazônia Legal gerando muito mais energia do que consome, disponibilizando-a para todo o país, parte da sua população não têm acesso a essa energia. 

De acordo com Amanda Schutze, coordenadora de Avaliação de Política Pública e Energia do CPI/PUC-Rio e coordenadora do estudo, os 3 milhões de habitantes amazônidas que dependem dos Sistemas Isolados moram em localidades remotas, mas também em centros urbanos com maiores demandas de energia. “O SIN, que chega na Amazônia para conectar as hidrelétricas, deixa de conectar várias localidades pela dificuldade de acesso, por questões ambientais, logísticas e econômicas”, explica a pesquisadora.

A análise de indicadores socioeconômicos feita pelo Climate Policy Initiative no estudo revela ainda que os municípios com Sistemas Isolados apresentam piores resultados, em média, em diversas áreas, tanto comparados à média regional quanto às médias de seus respectivos estados em relação aos municípios interconectados. Os municípios da Amazônia Legal com Sistemas Isolados apresentam menor Índice de Desenvolvimento Humano (IDH); menor Índice de Progresso Social (IPS); menor Produto Interno Bruto (PIB) per capita, menor Índice de Desenvolvimento da Educação Básica (IDEB) e menor quantidade de estabelecimentos de saúde por habitante.

 

 

Como sanar o problema

Uma transição energética na Amazônia seria uma solução que, além de ser positiva em termos ambientais, também representa uma menor conta de luz para todos os brasileiros.

O estudo ainda traz recomendações práticas para contribuir com a solução do problema de energia na Amazônia, pensando nessa transição, tais como: (I) a criação de condições favoráveis para que iniciativas renováveis de suprimento possam competir nos leilões para concessão do atendimento aos sistemas isolados, a partir da modificação das regras dos leilões. Isso porque o modelo de leilão atual torna muito difícil lances competitivos de iniciativas renováveis, sendo necessário também precificar o impacto ambiental da fonte de energia nos lances do leilão; (II) aprimorar o programa Mais Luz para a Amazônia, que se propõe a promover o acesso à energia elétrica em regiões não atendidas, por meio da criação de metas objetivas, incorporação de fiscalização efetiva e envolvimento das comunidades locais.

Para acessar a íntegra do estudo do CPI, clique aqui.

Estudo revela primeiros esforços para promover desinformação climática

Estudo detalha como uma extensa campanha de relações públicas nos Estados Unidos atrasou a ação climática em nível mundial

CO2 Emissons Report United Nations, Bergheim, Germany - 04 Dec 2018

Um artigo publicado hoje (11/4) na Environmental Politics revela novos detalhes sobre os primeiros esforços organizados para tentar enfraquecer a ação climática em nível mundial. Segundo a análise, a organização Global Climate Coalition (GCC) mudou o curso da política climática dos EUA no final do século 20, influenciando todo o contexto internacional, com táticas que servem de guia para a desinformação climática até hoje.

A Global Climate Coalition, criada em 1989 e encerrada em 2001, foi a primeira e maior organização dos Estados Unidos desenhada para se opor à ação climática. O artigo publicado hoje adiciona documentos previamente ocultos. Entre eles, estão arquivos da Associação Nacional de Fabricantes dos EUA de 1990-1998 e da agência de comunicação E. Bruce Harrison Inc., que revelam a estratégia inicial da GCC: lançar dúvidas sobre a ciência do clima e advertir sobre os danos econômicos que o combate às mudanças climáticas trariam.

Os documentos também detalham esforços para pressionar os regulamentos da EPA, Agência de Proteção Ambiental dos EUA, e como a GCC se vangloriou muitas vezes por ter conseguido influenciar negociações ambientais importantes, como a Convenção-Quadro das Nações Unidas sobre Mudança Climática.

“As ações empreendidas pela Global Climate Coalition nos primeiros dias da política climática provaram ser incrivelmente eficazes em atrasar as ações climáticas por décadas”, disse Robert Brulle, autor da análise e professor visitante da Brown University. “Estes documentos revelam um livro de jogadas para o enorme e eficaz esforço de relações públicas que a indústria ainda emprega hoje.”

A revisão feita por Brulle hierarquiza da seguinte forma as táticas da GCC: 1) monitorar e contestar a ciência climática; 2) encomendar estudos econômicos sob medida para ampliar e legitimar seus argumentos; 3) mudar a compreensão cultural da mudança climática com campanhas publicitárias; e 4) conduzir um lobby agressivo sobre os legisladores e outros membros das elites políticas.

A análise inclui um documento da GCC de 1995 que resume os extensos esforços de relações públicas aplicados àquela altura para mudar a política climática internacional. Este material também detalha os principais doadores industriais da coalizão e seu orçamento.

Em sua formação original, a GCC era composta principalmente por empresas de serviços públicos, como água e eletricidade, representantes do setor de carvão e uma empresa petrolífera. Em 1991, o grupo tinha 79 membros.

O artigo foi publicado sob o título “Advocating Inaction: A Historical Analysis of the Global Climate Coalition” e está disponível aqui. Os novos documentos analisados na pesquisa podem ser consultados aqui.

Revelado: Elsevier, a principal editora de pesquisa climática, ajuda a perfuração de petróleo e gás

O trabalho da Elsevier com empresas de combustíveis fósseis ‘nos arrasta para o desastre’, diz pesquisador climático

elsevierA Elsevier é uma das poucas empresas que publicam pesquisas climáticas revisadas por pares, mas também consulta a indústria para encontrar reservas de petróleo e gás. Fotografia: Kristoffer Tripplaar/Alamy

Por Amy Westervelt para  o “The Guardian”

Cientistas que trabalham com uma das maiores editoras de pesquisa climática do mundo dizem que estão cada vez mais alarmados com o fato de a empresa trabalhar com a indústria de combustíveis fósseis para ajudar a aumentar a perfuração de petróleo e gás, pode revelar o Guardian.

A Elsevier, uma empresa holandesa por trás de muitas revistas científicas de renome, revisadas por pares, incluindo Lancet e Global Environmental Change, também é uma das principais editoras de livros destinados a expandir a produção de combustíveis fósseis.

Por mais de uma década, a empresa apoiou os esforços do setor de energia para otimizar a extração de petróleo e gás. Ele contrata autores, editores e membros do conselho consultivo de periódicos que são funcionários das principais empresas petrolíferas. A Elsevier também comercializa alguns de seus portais de pesquisa e serviços de dados diretamente para a indústria de petróleo e gás para ajudar a “aumentar as chances de sucesso na exploração” .

Vários ex-funcionários e atuais funcionários dizem que, no ano passado, dezenas de trabalhadores se manifestaram internamente e nas prefeituras de toda a empresa para instar a Elsevier a reconsiderar seu relacionamento com a indústria de combustíveis fósseis .

“Quando comecei, ouvi muito sobre os compromissos climáticos da empresa”, disse um ex-editor da revista Elsevier que concordou em falar sob condição de anonimato. “Eventualmente, percebi que era tudo marketing, o que é realmente perturbador porque a Elsevier publicou todas as pesquisas necessárias para saber exatamente o que fazer se quiser fazer uma diferença significativa.”

O que torna os laços da Elsevier com a indústria de combustíveis fósseis particularmente alarmantes para seus críticos é que ela é uma das poucas empresas que publicam pesquisas climáticas revisadas por pares. Cientistas e acadêmicos dizem estar preocupados que os interesses comerciais conflitantes da Elsevier arrisquem prejudicar seu trabalho.

Julia Steinberger, ecologista social e economista ecológica da Université de Lausanne, que publicou estudos em várias revistas da Elsevier, disse que ficou chocada ao saber que a empresa teve um papel ativo na expansão da extração de combustíveis fósseis.

“A Elsevier é a editora de alguns dos periódicos mais importantes na área ambiental”, disse ela. “Eles não podem alegar ignorância dos fatos da mudança climática e da necessidade urgente de se afastar dos combustíveis fósseis.”

Ela acrescentou: “O modelo de negócios deles parece lucrar com a publicação de ciência climática e energética, ignorando o fato mais básico da ação climática: a necessidade urgente de se afastar dos combustíveis fósseis”.

A Elsevier e sua controladora, RELX, dizem que estão comprometidas em apoiar a indústria de combustíveis fósseis à medida que ela transita para a energia limpa. E embora a Elsevier tenha emergido como líder do setor com suas próprias promessas climáticas, um porta-voz da empresa disse que eles não estão preparados para traçar uma linha entre a transição dos combustíveis fósseis e a expansão da extração de petróleo e gás. Ela expressou preocupação com editores boicotando ou “cancelando” empresas de petróleo e gás.

“Reconhecemos que somos imperfeitos e temos que fazer mais, mas isso não deve negar todo o trabalho incrível que fizemos nos últimos 15 anos”, disse Márcia Balisciano, chefe global de responsabilidade corporativa da RELX, ao Guardian. .

Das mais de 2.000 revistas acadêmicas que a Elsevier publica, apenas sete são específicas para extração de combustíveis fósseis (14 se você contar publicações especiais e subsidiárias). Esses periódicos incluem Upstream Oil and Gas Technology, cujo editor-chefe trabalha para a Shell, e Unconventional Resources, que é editado por um pesquisador da Chevron. Também administra uma editora de livros subsidiária, a Gulf Publishing, que inclui títulos como The Shale Oil and Gas Handbook e Strategies for Optimizing Petroleum Exploration .

Duas imagens de capa de livro são mostradas lado a lado.  O da esquerda mostra uma ilustração de uma plataforma de petróleo em um campo com o título “Shale Oil and Gas Handbook: Theory, Technologies and Challenges”.  O da direita tem o texto do título “Estratégias para Otimização da Exploração de Petróleo” em uma caixa marrom em um fundo verde sálvia.
Dois livros publicados pela subsidiária da Elsevier, Gulf Publishing, totalmente focada na indústria de combustíveis fósseis. Composto: Elsevier

A Elsevier também presta serviços de consultoria para clientes corporativos. Nos últimos 12 anos, tem comercializado uma ferramenta chamada Geofacets para empresas de combustíveis fósseis. O Geofacets combina milhares de mapas e estudos para facilitar a localização e o acesso às reservas de petróleo e gás, além de locais para parques eólicos ou instalações de armazenamento de carbono.

A empresa afirma que a ferramenta reduz o tempo de pesquisa em 50% e ajuda a identificar “áreas mais arriscadas e remotas que antes eram inacessíveis”.

Os principais cientistas climáticos, incluindo aqueles publicados nos próprios periódicos da Elsevier, no entanto, dizem que exatamente o oposto deve acontecer para evitar uma catástrofe climática. Limitar o aquecimento a 1,5°C ou menos requer uma diminuição mundial na produção de combustíveis fósseis com mais de 80% de todas as reservas comprovadas deixadas no solo.

“Não comentaremos as práticas de empresas individuais, mas quaisquer ações que apoiem ativamente a expansão do desenvolvimento de combustíveis fósseis são de fato inconsistentes” com as metas de desenvolvimento sustentável das Nações Unidas, disse Sherri Aldis, vice-diretora interina do departamento de comunicações globais da ONU. .

A RELX é uma empresa surpreendentemente lucrativa , com receitas anuais de US$ 9,8 bilhões, cerca de um terço dos quais são trazidos pela Elsevier. Balisciano enfatiza que o conteúdo de combustível fóssil representa menos de 1% da receita editorial da Elsevier e menos da metade da receita da Geofacets, que por si só representa apenas cerca de 2% dos ganhos da Elsevier.

A RELX e a Elsevier dizem que a maior parte de seu trabalho apoia e permite uma transição energética por meio de publicações centradas em energia limpa. “Não queremos desenhar um binário e não achamos que você possa simplesmente apertar um botão, mas estamos reduzindo nosso envolvimento com atividades de combustíveis fósseis enquanto aumentamos a quantidade de pesquisas que publicamos sobre clima e energia limpa”, disse Esra Erkal, vice-presidente executiva de comunicações da Elsevier.


A Elsevier não está sozinha no relacionamento com pesquisadores climáticos e executivos de combustíveis fósseis. Vários outros editores de pesquisas climáticas revisadas por pares assinaram o Pacto de Editores de Objetivos de Desenvolvimento Sustentável da ONU, ao mesmo tempo em que fazem parceria com a indústria de petróleo e gás de várias maneiras.

Uma imagem mostra a capa de uma edição do The Lancet, com o título “The 2020 report of the Lancet Countdown on health and Climate Change”.  A imagem da capa é uma silhueta de uma criança parada em um caminho escuro em uma área arborizada.
The Lancet, um dos principais periódicos da Elsevier, publica um relatório anual sobre como o aquecimento climático afeta a saúde humana. Fotografia: The Lancet

A editora com sede no Reino Unido Taylor & Francis, por exemplo, assinou o compromisso da ONU e divulgou seus próprios compromissos de zero líquido, ao mesmo tempo em que divulga sua parceria de publicação com a “líder da indústria” ExxonMobil, a empresa petrolífera mais ligada ao obstrucionismo climático na consciência pública. . Outra importante editora climática, a Wiley, também assinou o pacto de sustentabilidade ao publicar vários livros e periódicos destinados a ajudar a indústria a encontrar e perfurar mais petróleo e gás.

“É problemático”, disse Kimberly Nicholas, professora associada de ciência da sustentabilidade na Universidade de Lund, na Suécia, observando que, embora a lavagem verde corporativa seja desenfreada em vários setores, os editores de pesquisas climáticas revisadas por pares têm uma responsabilidade única.

“Se a mesma editora que publica os artigos que mostram definitivamente que não podemos queimar mais combustíveis fósseis e permanecer dentro desse orçamento de carbono também está ajudando a indústria de combustíveis fósseis a fazer exatamente isso, o que isso faz com toda a premissa de validade em torno do pesquisa de clima? Isso é o que é profundamente preocupante nesses conflitos”, disse ela.

Ben Franta, pesquisador da Universidade de Stanford que também publicou estudos em periódicos da Elsevier, observa que o relacionamento da editora com as empresas petrolíferas é indicativo de quão entrelaçada essa indústria está com tantos outros aspectos da sociedade.

“Tudo isso acontece sem que o público em geral saiba e opera para consolidar a indústria”, disse ele. “Para efetuar uma rápida substituição dos combustíveis fósseis, acredito que esses emaranhados precisarão ser expostos e reformados”.

A Elsevier, por sua vez, enfatiza o papel da independência editorial. “Nós não gostaríamos de dizer aos editores de periódicos o que eles podem e não podem publicar”, disse Balisciano. No entanto, esses conflitos geralmente colocam os pesquisadores em uma posição difícil de navegar.

James Dyke, diretor assistente do Global Systems Institute da Universidade de Exeter, ficou surpreso com o fato de a Elsevier estar trabalhando para contradizer os pesquisadores climáticos dessa maneira.

“É difícil acreditar que uma empresa que publica pesquisas sobre os perigos das crises climáticas e ecológicas seja a mesma empresa que trabalha ativamente com empresas de petróleo e gás para extrair mais combustíveis fósseis, o que nos arrasta para o desastre”, disse ele.

color compass

Este texto foi escrito inicialmente em inglês e publicado pelo jornal “The Guardian” [Aqui!]

Quando se trata de proteção do clima, a Siemens cria seu próprio caminho

  • Financiamento de projetos de energia fóssil em contradição com os próprios objetivos climáticos
  • Empréstimos para projeto polêmico de usina a gás no Brasil
  • Os produtos da Siemens vendidos em 2021 causarão 453,4 milhões de toneladas de emissões prejudiciais ao clima

Siemens-HV-2020-SumOfUs-Zack-Helwa

Protesto antes da Assembleia Geral Anual da Siemens 2020. Foto: SumOfUs/Zack Helwa CC BY 2.0

Na Assembleia Geral Anual de amanhã da Siemens AG, a organização guarda-chuva de acionistas críticos está pedindo ao grupo de tecnologia que cumpra o Acordo de Proteção Climática de Paris e se retire do financiamento de projetos de energia fóssil.

“Enquanto a Siemens continuar ativamente envolvida em projetos prejudiciais ao clima e extremamente arriscados em termos de direitos humanos, suas próprias promessas de sustentabilidade não serão críveis”, critica Christian Russau, membro do conselho da organização guarda-chuva para acionistas críticos .

Pela primeira vez, a Siemens está divulgando quantas toneladas de emissões prejudiciais ao clima são emitidas pelos produtos vendidos no último ano fiscal durante sua vida útil prevista: 453,4 milhões de toneladas de CO2 . Isso é mais de 1% das emissões anuais de gases de efeito estufa do mundo e mais do que países desenvolvidos como a Grã-Bretanha ou a França emitem por ano.

Para reduzir essa influência prejudicial ao clima, a Siemens afirma que está comprometida com a expansão das energias renováveis. Ao mesmo tempo e em contradição com isso, a divisão financeira da Siemens continua a financiar grandes projetos de gás e petróleo em todo o mundo. Embora a participação no projeto da usina a gás GNA II do “superporto Porto de Açu” no norte do estado do Rio de Janeiro tenha sido transferida para a Siemens Energy, a Siemens Financial Services não anunciou o fim das linhas de crédito para esta usina a gás prejudicial ao clima.

“Essas usinas a gás não só são muito poluentes e geram energia cara, mas também contribuem para que as metas globais de emissões de gases de efeito estufa não sejam cumpridas”, critica Marcos Pedlowski, professor universitário da Universidade Estadual do Norte Fluminense em Campos dos Goytacazes no estado do Rio de Janeiro janeiro. “Além disso, o histórico de abuso social e destruição ambiental que caracteriza a construção do Porto do Açu deveria ter impedido o envolvimento da Siemens em uma empresa tão questionável. Mas a preocupação com o lucro parecia superar o compromisso com a boa governança corporativa e a proteção do meio ambiente e das comunidades locais.”

Contramoção dos acionistas críticos da organização guarda-chuva

Questões submetidas à Assembleia Geral Ordinária

Contato

Christian Russau | Vorstandsmitglied Dachverband Kritische Aktionär*innen
christian.russau[at]kritischeaktionaere.de

Tilman Massa | Referent Dachverband Kritische Aktionär*innen
dachverband[at]kritischeaktionaere.de, Telefon: 0221 599 56 47

color compass

Este texto foi escrito originalmente em alemão e publicado pela Dachverband Kritische Aktionäre [Aqui!].

Suspeita de greenwashing no Deutsche Bank: discurso de sustentabilidade, investimentos em combustíves fósseis

Fundo subsidiário do Deutsche Bank investe em combustíveis fósseis sob o rótulo de sustentabilidade

dwsAs alegações de lavagem verde contra o Deutsche Bank e sua subsidiária de fundos DWS estão ficando cada vez mais barulhentas
Por Raphaël Schmeller para o JungeWelt

Mais uma vez, o Deutsche Bank é confrontado com alegações de greenwashing. Conforme  relatado pelo em Handelsblatt em sua edição de fim de semana, o Departamento de Justiça dos Estados Unidos da América informou à instituição financeira de Frankfurt que pode ter violado um acordo anterior concluído em um contexto diferente em conexão com os chamados investimentos de sustentabilidade pela subsidiária do fundo DWS. O grupo não encaminhou reclamação interna ao DWS para o Ministério Público, daí a denúncia.

Especificamente, é sobre um e-mail do ex-chefe de sustentabilidade do DWS, Desiree Fixler, para o presidente do conselho de supervisão do fundo, Karl von Rohr (também membro do conselho do Deutsche Bank), no qual ela alegou a prática de greenwashing. A cópia do e-mail continha também o gerente de imprensa e sustentabilidade do banco, Jörg Eigendorf, segundo o Handelsblatt , que pôde ver a mensagem.

Em janeiro, o Deutsche Bank esclareceu os encargos legais nos Estados Unidos com um acordo de acusação, o Deferred Prosecution Agreement (DPA). A instituição pagou pouco menos de 125 milhões de dólares americanos por alegações de suborno em certas transações estrangeiras e manipulação no comércio de contratos de metais preciosos. No DPA,  o Deutsche Bank declarou que não permitiria mais nenhuma conduta indevida e que denunciaria imediatamente as possíveis violações das regras às autoridades. Em troca, a acusação foi dispensada.

O Departamento de Justiça dos EUA está agora examinando se o Deutsche Bank não deveria ter informado os supervisores imediatamente sobre o e-mail de 13 de março. Fixler, que deixou seu emprego pouco depois disso, deu uma entrevista ao Wall Street Journal em agosto, na qual ela tornou públicas as alegações de lavagem verde. Só então as autoridades norte-americanas souberam do incidente.

Se o Departamento de Justiça dos Estados Unidos chegar à conclusão de que o Deutsche Bank violou o regulamento da DPA, a instituição financeira sediada em Frankfurt poderá enfrentar encargos ou penalidades adicionais. A DWS negou as alegações de Fixler e contratou o renomado escritório de advocacia Sullivan and Cromwell de Nova York como advogados de defesa.

Enquanto isso, as acusações contra o Deutsche Bank estão ficando estão aumentando. Só na sexta-feira o NDR divulgou um estudo das organizações não-governamentais “Facing Finance” e “Urgewald”, que examinou 2.000 fundos “verdes”. Das aplicações financeiras examinadas, apenas 104 são classificadas como “não oneradas”. De acordo com o resultado, pelo menos 650 dos recursos que se autodenominam “sustentáveis” têm se mostrado direcionados a investimentos em empresas que estão entre os maiores emissores de gases de efeito estufa.

Vários fundos DWS aparecem na lista de organizações que estariam em violação dos princípios de sustentabilidade. O “Europe Energy ESG Screened ETF” é particularmente notável – o ESG significa “Environment, Social, Governance”, algo como: Environment, Social, Corporate Management. Segundo os autores do estudo, esse sistema acaba sendo um fundo de petróleo e gás, e os investimentos são feitos aqui exclusivamente em energia fóssil.

O DWS apontou para o NDR que é um fundo especial para o setor de petróleo e gás e que »os produtores de energia única convencionais, como petróleo e gás pode ser atribuído a este setor«. Além disso,  o gestor de ativos afirmou não era ilegal chamar esse fundo de “sustentável”.  

blue compass

Este texto foi escrito originalmente em alemão e publicado pelo jornal “JungeWelt” [Aqui!].

COP26: Poder da mobilização popular entregará o que os poluidores históricos se esquivam em fazer

cop-26 mobilização

GLASGOW – Pela primeira vez na história, a necessidade de abandonar os combustíveis fósseis foi reconhecida formalmente nas negociações sobre o clima. Isso ocorre após décadas de pressão e liderança de grupos da sociedade civil e das comunidades que estão na linha de frente da crise climática – e dos apelos de instituições relevantes como a Agência Internacional de Energia (IEA) e o Painel Intergovernamental sobre Mudanças Climáticas (IPCC).

O Acordo de Glasgow “solicita às partes” que acelerem a transição para sistemas de energia de baixa emissão, incluindo esforços para eliminar a energia a carvão e subsídios “ineficientes” para os combustíveis fósseis. Para os ativistas, isso é um passo significativo, mas não o suficiente.

Há seis anos, a comunidade internacional se comprometeu a limitar o aquecimento global “bem abaixo de 2 °C” e o mais próximo possível de 1,5 °C. Desde então, fomos lembrados a todo instante por secas, incêndios, inundações, ondas de calor e tempestades que um mundo a 1,2 °C já impacta a vida de centenas de milhões de pessoas. Mais uma vez, o movimento pela justiça climática aponta que os poluidores históricos, responsáveis pela crise do clima, se recusam a assumir a liderança na ação climática.

Joseph Sikulu, diretor administrativo da 350.org para o Pacífico:

“A COP26 foi considerada a COP mais excludente de todos os tempos, mas fizemos nossas vozes serem ouvidas. Nós, a sociedade civil, ao lado de negociadores das ilhas do Pacífico e de outros Estados vulneráveis, fomos firmes nas negociações. O lobby dos combustíveis fósseis e a falta de liderança dos poluidores históricos são os principais motivos pelos quais ainda não vemos os bilhões em recursos necessários para nos adaptarmos às mudanças climáticas – nem os fundos para pagar o que foi perdido. É uma luta árdua. É uma luta árdua quando nossos negociadores são superados pela quantidade de lobistas em uma proporção de 12 para 1. É uma luta árdua quando o governo do Reino Unido torna quase impossível e inseguro para a sociedade civil participar das negociações sobre o clima. Mas 1,5 °C não é uma opção. É uma necessidade absoluta, e esse horizonte deve orientar cada decisão tomada por todos os países, instituições internacionais e autoridades locais.”

Cansin Leylim, diretora associada de Campanhas Globais da 350.org:

“A menção aos combustíveis fósseis no acordo de Glasgow é resultado de décadas de mobilizações e campanhas – apesar dos esforços contrários do lobby dos combustíveis fósseis. As coisas estão começando a se mover na direção certa, mas precisamos acelerar. Para isso, o lobby dos combustíveis fósseis deve ser excluído das negociações climáticas da ONU: poluidores do lado de fora, o povo do lado de dentro. As COPs deveriam ser organizadas dessa forma. Precisamos pressionar para desmantelar todas as soluções falsas: os amortecedores, os créditos, as compensações, todas as lacunas que foram criadas nessas decisões. Precisamos exigir a ambição de fazer o que é ditado pela ciência do clima. O desafio agora é garantir que esses compromissos sejam implementados de modo mais amplo e rápido. Hoje, como nas últimas décadas, a verdadeira liderança reside no movimento climático.”

Namrata Chowdhary, chefe de Engajamento Público da 350.org:

“Anúncios significativos foram feitos nesta COP – sobre a eliminação progressiva do carvão, os subsídios aos combustíveis fósseis e a redução do uso de petróleo e gás. Pela primeira vez em 27 anos de negociações, o acordo final da COP menciona inclusive os combustíveis fósseis. É um pequeno passo, mas significativo. Há esperança, e a esperança está nas pessoas, no movimento climático. Na sexta-feira, o poder da mobilização popular brilhou na COP26: a Plenária do Povo demonstrou o quão vivo, forte, diverso, porém unido, é o movimento climático. A COP26 não conseguiu entregar um acordo ambicioso, mas estamos convencidos de que nós, as pessoas, já começamos a mudança de que precisamos. As COPs ocupam só duas das 52 semanas de um ano. Nas outras 50, precisamos agir. E essas semanas começam hoje. Nós do movimento pela justiça climática estamos empenhados em agir de forma coerente com o que pensamos. Somos a única opção, somos nós que mantemos a meta de 1,5 °C viva.”

Ilan Zugman, diretor administrativo da 350.org para a América Latina:

“A COP26 confirmou a força da sociedade civil e a falta de vontade política de muitos dos países mais ricos em contribuir de fato para a justiça climática. Além do marco da menção à limitação dos combustíveis fósseis, o movimento climático conquistou demandas como a questão das perdas e danos e o financiamento da adaptação climática dos países pobres, colocando esses pontos no centro das discussões globais. Mas os governos não avançaram como deveriam nesses aspectos e inclusive incluíram pontos potencialmente perigosos na questão dos mercados de carbono, o que pode acabar agravando a situação dos povos indígenas. As comunidades mais afetadas pela crise climática e que menos contribuíram para o aquecimento global serão, mais uma vez, aquelas que vão seguir pressionando por uma transição justa em nível global”.

Capitalismo fóssil: Com greenwashing, bilionario busca “lavar” a imagem da Shell

Acionista quer dividir a multinacional petrolífera anglo-holandesa Royal Dutch Shell. Áreas de negócios “verdes” em foco

shellO Grupo Shell está em busca de uma imagem melhor e está anunciando, como aqui na cidade alemã Wesseling, perto de Colônia, investimentos em tecnologia de hidrogênio (2 de julho de 2021)

Por Gerrit Hoekman para o JungeWelt

A notícia foi uma surpresa: o multibilionário norte-americano Daniel Loeb quer dividir a multinacional petrolífera anglo-holandesa Royal Dutch Shell. O Wall Street Journal noticiou esta intenção no final da semana passada. Loeb sozinho certamente não tem o poder de dividir a Shell; já que seu fundo de hedge, o “Third Point”, detém apenas cerca de meio por cento das ações da empresa. No entanto, sua ideia também inspira muitos outros acionistas.

Recentemente, a “Third Point” adquiriu ações da Shell avaliadas entre € 430 milhões e € 650 milhões, como estimou o Wall Street Journal . Loeb agora está pedindo medidas drásticas. Em carta aberta, ele propõe dividir a multinacional do petróleo em pelo menos duas empresas. Um opera com tudo o que tem a ver com petróleo, o outro com fontes renováveis ​​de energia inclusive gás liquefeito.

Os modelos de papel de Loeb são os gigantes alemães da eletricidade RWE e Eon, que há muito consistem em duas empresas. Um para o negócio “fóssil”, outro para “lavagem verde”. Em essência, trata-se de saber o que mais dinheiro pode ser feito no futuro: com petróleo e gás ou com energia de fontes renováveis. Loeb tem certeza de que o valor dos campos de petróleo cairá em breve e que a Shell terá que cultivar rapidamente uma nova área de negócios. Sem dúvida, há uma pressão crescente sobre empresas que, como a Shell, vêm ganhando muito dinheiro com combustíveis fósseis há mais de 100 anos. As leis estão se tornando mais rígidas, os preços do CO2 estão subindo – pelo menos um pouco. Na primavera, um tribunal de Haia condenou a Royal Dutch Shell a reduzir suas emissões em 45% até 2030 em comparação com 2019.

No entanto, a equipe de gerenciamento da Shell não está convencida da estratégia de Loeb. “Nosso negócio de petróleo e gás financiará uma parte muito importante da transição energética”, disse o financista holandês Dagblad, citando o CEO Ben van Beurden na sexta-feira. Uma divisão só retardaria a transformação, acrescentou van Beurden.

A Shell ainda está sob pressão: na semana passada, o maior fundo de pensão holandês, o ABP, no valor de 550 bilhões de euros, anunciou que se retiraria de todas as empresas que investem em combustíveis fósseis. Também da Shell. O grupo de interesse »Fossielvrij« desempenhou um papel importante na mudança de atitude com a sua campanha »Pare de financiar a crise climática!«

A decisão veio do nada para o conselho de administração da Shell. “Soubemos disso nas notícias”, admitiu van Beurden na quarta-feira, de acordo com o jornal holandês Nu, na Internet . Ele não tem entendimento para a decisão do fundo de pensão: “Isso é uma política simbólica que nada contribui para a transição energética”.

As propostas de Loeb podem atingir o nervo de alguns investidores. Não apenas fundos de pensão com consciência ambiental, mas também cada vez mais pequenos investidores estão brincando com a ideia de deixar o fedorento navio Royal Dutch Shell porque a crise climática os está fazendo se sentirem culpados. Além disso, a lei férrea da Bolsa de Valores de Amsterdã – “Nunca venda a Shell!” – não se aplica mais sem restrições.

Os números publicados na semana passada na sede em Haia, relativos ao terceiro trimestre de 2021 também não causam aplausos: 385 milhões de euros de perdas. Outras multinacionais de petróleo, como Exxon Mobil ou Chevron, tiveram lucros durante o mesmo período, informou a revista da bolsa de valores Der Aktionär na quinta-feira. A própria Shell também faturou 2,9 bilhões de euros no segundo trimestre de 2021. Em setembro, o grupo vendeu seu campo de petróleo na Bacia do Permian, nos Estados Unidos, responsável por 6% do petróleo da Shell, por 8 bilhões. A maior parte da receita da venda deve ser paga aos investidores e não aplicada na conversão neutra para o clima.

No final das contas, porém, a empresa não poderá mais evitar se reinventar. “A Shell já não consegue colocar a rolha na garrafa”, está convencido Derk Loorbach, professor de economia social da Universidade Erasmus em Roterdão, na sexta-feira no Financieele Dagblad .

compass

Este texto foi escrito originalmente em alemão e publicado pelo jornal “JungeWelt” [Aqui!].

Soluções reais, e não ao ‘Zero líquido’: uma Chamada Global para Ação Climática

Governos do mundo e instituições internacionais líderes reunidos na COP 26 em Glasgow.  Já passou da hora de se comprometer, aqui e agora, com o Real Zero, através de reduções reais e soluções reais, de forma rápida e permanente. Não queremos mais suas promessas longínquas e vazias do  “Zero líquido”

renan 1

Não queremos ler sobre suas promessas de supostamente equilibrar o orçamento de emissões até meados do século, usando soluções tecnológicas, geoengenharia, mercados de carbono e truques de contabilidade. Queremos saber o que você está fazendo hoje para eliminar as principais fontes de emissões – produção e uso de combustíveis fósseis, desmatamento e agricultura industrial – que não estão apenas aquecendo o planeta, mas também envenenando as comunidades da linha de frente e cercas e poluindo nosso ambiente coletivo. E queremos saber o que você fará de agora em diante, amanhã e em todos os anos que virão, para fortalecer a resiliência, centrar a justiça e apoiar as comunidades em uma transição justa e equitativa para um futuro livre de fósseis que garanta os direitos humanos, meios de subsistência, trabalho e um ambiente seguro, limpo, saudável e sustentável para as gerações presentes e futuras.

Exigimos que você apresente planos reais para reduzir as emissões e a produção de combustíveis fósseis ao Real Zero. Esses planos devem ser baseados em transformações reais, apoiados em recursos reais, e implementados com a real urgência que as crises atuais exigem. 

  • Mostre-nos seus planos climáticos, etapas concretas e programas específicos que centram apenas as transições, direitos humanos, justiça racial, de gênero, social, econômica e ambiental, segurança e meios de subsistência seguros para trabalhadores, povos indígenas, comunidades locais, camponeses, mulheres, jovens, e grupos vulneráveis.

  • Mostre-nos como suas ações reduzirão rapidamente as emissões na fonte, em um cronograma de curto prazo consistente com a ciência e a equidade, o suficiente para manter o aquecimento global abaixo de 1,5 ° C, sem depender da remoção ilusória de dióxido de carbono ou de outras tecnologias de geoengenharia que ameacem as comunidades da linha de frente ou fazer suposições prejudiciais sobre sumidouros naturais.

  • Mostre-nos como você eliminará os combustíveis fósseis, a agricultura industrial, os sistemas alimentares industriais, os plásticos e outras indústrias poluentes, e investirá em suas substituições conforme necessário para transformar nossa energia, alimentos, transporte e sistemas industriais.

  • Mostre-nos que você reconhece que não há futuro para os combustíveis fósseis em um mundo seguro para o clima, proibindo a produção e a infraestrutura de novos combustíveis fósseis, protegendo a tomada de decisões dos lobistas da indústria de combustíveis fósseis, proibindo a publicidade de combustíveis fósseis e garantindo uma fase equitativa e gerenciada -de todo o petróleo, gás e carvão, em que os poluidores pagam para fechar adequadamente e limpar o legado tóxico da indústria de combustíveis fósseis.

  • Mostre-nos como você irá proteger e restaurar ecossistemas biodiversos – não para que o carbono que eles contêm seja comercializado como as chamadas “soluções baseadas na natureza” em mercados de compensação, mas porque eles são a base de vidas e meios de subsistência e porque devemos deter a biodiversidade perda e colapso do ecossistema.

  • Mostre-nos seus planos para garantir uma verdadeira segurança alimentar e soberania alimentar em face das ameaças climáticas, inclusive promovendo a agroecologia camponesa e os sistemas alimentares locais.

  • Mostre-nos como você apoiará alternativas comprovadas e práticas pioneiras de pequenos agricultores, mulheres, povos indígenas e comunidades locais, e respeitará e protegerá seus direitos.

  • Mostra-nos que ações que você vai tomar para manter as empresas que geraram a maioria das emissões globais históricos responsáveis e responsáveis pelos danos que causam. Em vez de abordagens voluntárias, a responsabilidade real requer medidas juridicamente vinculativas, incluindo um tratado global sobre negócios e direitos humanos.

  • Mostre-nos que você compreende que os modelos econômicos e de desenvolvimento centrados no crescimento dominantes estão extintos e que você promoverá novos modelos que valorizam a suficiência, o bem-estar e os limites de consumo e crescimento. 

  • Mostre-nos como os países mais responsáveis ​​pelas emissões históricas e cumulativas que aquecem nosso planeta farão sua parte eqüitativa e justa assumindo as reduções mais rápidas para as emissões do Real Zero e fornecendo apoio financeiro às nações de baixa renda. 

  • Mostre-nos que você fornecerá sua cota de financiamento climático real, adequado e adicional que atenda à escala da crise climática e apoie a mitigação, adaptação e perdas e danos – não por meio de empréstimos que mergulham os países ainda mais em dívidas ou gotejando- redução de moedas dos mercados especulativos de carbono.  

A única maneira de evitar uma catástrofe climática é empreender esses tipos de transformações profundas, sistêmicas e justas de nossos sistemas de energia, alimentação, transporte e indústria. Mas as metas Net Zero não são uma estratégia de mudança. As metas de Net Zero estão sendo usadas como um disfarce para o business-as-usual.

Como muitas declarações e relatórios revelaram, as metas de emissões do Zero Líquido disfarçam a inação climática e desviam a atenção do trabalho necessário e urgente de eliminar os combustíveis fósseis na fonte e localizar sistemas e economias alimentares sustentáveis. Os esquemas Net Zero dos poluidores são baseados em vários mitos e são pouco mais do que campanhas de relações públicas. Eles alegremente confiam em suposições de que compensações de carbono , plantações de árvores, bioenergia e distrações perigosas como hidrogênio e captura e armazenamento de carbono irão de alguma forma manter ou eliminar as emissões do ar depois que os poluidores fizerem seus danos. Tecnologias não comprovadas que falharam repetidamente, ainda precisam ser realizados e permanecem inviáveis ​​em escala estão sendo imaginadas como supostas soluções para emissões contínuas. Desde a captura e armazenamento de carbono até a captura direta do ar e a queima de resíduos plásticos como combustível , essas tecnologias estendem e aprofundam a economia fóssil que impulsiona a crise climática, ao mesmo tempo que impõe novos riscos profundos às comunidades da linha de frente em todo o mundo.

Governos e indústrias estão usando a “rede” no Net Zero para evitar a responsabilidade pelas emissões passadas, presentes e futuras e criar uma falsa sensação de progresso climático. Esses planos Net Zero têm como premissa a noção de cancelar as emissões na atmosfera ao invés de eliminar suas causas. Em vez disso, “Net Zero até 2050” significa simplesmente uma promessa de que, em 30 anos, os governos irão compensar a poluição daquele ano – sem nenhuma garantia de que irão cortar substancialmente as emissões nas décadas anteriores. As promessas do Zero Líquido de meados do século não mantêm o aumento da temperatura abaixo de 1,5 ° C. 

As comunidades da linha de frente e do Sul Global não criaram a crise climática, mas estão enfrentando seus piores impactos. Essas mesmas comunidades arcarão com o fardo da grilagem de terras, deslocamento, insegurança alimentar, contaminação ambiental e injustiça intergeracional que resultará das tentativas de compensar as operações usuais dos grandes poluidores, replicando antigos padrões de colonialismo do carbono. Ao prolongar a operação de indústrias poluentes, as falsas correções climáticas concentram as emissões em comunidades marginalizadas e exacerbam os danos ambientais e de saúde suportados de forma mais aguda por aqueles que estão nas cercas.

À medida que alvos distantes da Rede Zero mudam o foco para o futuro, eles obscurecem as responsabilidades daqueles que criaram a crise climática em primeiro lugar e que estão fazendo muito pouco para resolvê-la agora. Além disso, na “grande armadilha” que é o Zero Líquido, as emissões futuras também se tornam invisíveis, ocultando as emissões contínuas e crescentes da produção de combustíveis fósseis, produção de plásticos e agroindústria em uma “rede” repleta de lacunas. Esses planos Net Zero prejudicam os planos e soluções reais em direção a emissões zero que podem abordar imediata, verdadeira e justamente a crise que enfrentamos.

A liderança climática não será medida daqui a décadas, mas sim pelo ritmo e escala das ações concretas de curto prazo tomadas hoje para eliminar os combustíveis fósseis , a agricultura industrial de grilagem de terras e outras indústrias poluentes. “Mudança de sistemas, não mudança climática” requer a redução do consumo excessivo pela elite do Norte e do Sul, enquanto aumenta o investimento em fontes de energia renováveis ​​verdadeiramente justas e limpas, sistemas alimentares sustentáveis ​​baseados na comunidade e meios de subsistência. Não faltam soluções reais e necessárias – apenas vontade política para as colocar em prática. Para enfrentar a atual emergência climática, precisamos de planos reais, soluções reais, finanças reais e Zero Real para uma transição justa urgente. AGORA.

Organizações signatárias iniciais deste manifesto:

Pescadores e ativistas se mobilizam em protesto ao leilão da ANP

Mobilização acontece nesta quinta-feira 7 de outubro, frente ao Hotel Windsor da Barra da Tijuca

wp-1633614629159

Pescadores e ativistas pelo clima estarão unidos em uma manifestação pacífica, no Rio de Janeiro, contra a 17ª Rodada de Leilões da Agência Nacional do Petróleo, Gás Natural e Biocombustíveis (ANP). 

A ação de ativismo que reúne várias entidades, dentre elas  a Associação dos Homens e Mulheres do Mar da Baía de Guanabara (Ahomar), Sindicato dos Pescadores Profissionais e Pescadores Artesanais, Aprendizes de Pesca e Pescadores Amadores do Estado do Rio de Janeiro (SindPesca-RJ) e a 350.org, organizações ambientalistas e de pescadores exigem o fim da exploração de combustíveis fósseis, para proteger o litoral brasileiro dos impactos dos combustíveis fósseis sobre as comunidades mais vulneráveis, a biodiversidade e o clima global. 

Entidades em Prol da vida 

Manifestantes denunciam os danos que os setores de petróleo e gás podem provocar sobre Fernando de Noronha, Atol das Rocas e os “oásis da pesca” no Nordeste, Sudeste e Sul do Brasil.

Afirmou o  diretor da 350.org na América Latina, Ilan Zugman,

Além das áreas protegidas que Zugman menciona, a atividade petrolífera e de gás nas bacias Potiguar e de Pelotas, duas das quatro que terão blocos ofertados no leilão, pode causar danos graves a áreas essenciais para a pesca e que ainda não se encontram oficialmente protegidas. A constatação vem de um estudo do Instituto Maramar, em colaboração com a 350.org, divulgado nesta terça-feira (05/10).

 Rebateu o ativista, Alexandre Anderson, presidente da Ahomar.

Como parte da campanha contra a 17ª Rodada de Leilões da ANP, a 350.org organizou um protesto submarino, na semana passada, em dois pontos do litoral brasileiro: Ilha do Arvoredo (SC) e Fernando de Noronha (PE). Ambas as áreas podem sofrer graves danos em caso de vazamentos de óleo nos blocos ofertados no certame.

compass

Este texto foi inicialmente publicado pela Rede TV+ [Aqui! ].

OMS endurece limite aceitável para poluição do ar e expõe riscos dos combustíveis fósseis

AIR POLLUTION

A Organização Mundial da Saúde (OMS) revisou suas Diretrizes de Qualidade do Ar – a primeira atualização desde 2005. As diretrizes fornecem uma avaliação dos efeitos da poluição do ar sobre a saúde e estabelecem limites para os principais poluentes atmosféricos, o que serve de base para que muitos governos criem seus próprios padrões.

Com a atualização, a OMS recomenda novos níveis de qualidade do ar para 6 poluentes para os quais a evidência científica avançou mais em relação aos efeitos sobre a saúde: material particulado (PM), ozônio (O3), dióxido de nitrogênio (NO2), dióxido de enxofre (SO2) e monóxido de carbono (CO). Segundo a organização, quando são tomadas medidas sobre esses chamados poluentes clássicos, há um impacto sobre outros poluentes nocivos.

Os riscos à saúde associados ao material particulado igual ou menor que 10 e 2,5 microns (μm) de diâmetro (PM10 e PM2,5, respectivamente) são de particular relevância para a saúde pública. Essa poluição é gerada principalmente pela combustão do combustível fóssil em diferentes setores – transporte, energia, indústria e agricultura.

Tanto as PM2,5 quanto as PM10 são capazes de penetrar profundamente nos pulmões, mas as PM2,5 podem até entrar na corrente sanguínea, resultando principalmente em impactos cardiovasculares e respiratórios severos, e também afetando outros órgãos. Em 2013, a poluição do ar ao ar livre e o material particulado foram classificados como carcinogênicos pela Agência Internacional de Pesquisa do Câncer (IARC) da OMS.

A pandemia de COVID-19 acrescentou mais urgência à necessidade de se afastar dos combustíveis fósseis, com pesquisas mostrando que a exposição à poluição do ar aumentou as mortes por COVID-19 em 15% em todo o mundo. E quanto mais expostos à poluição do ar estiverem, maior será o impacto na saúde de indivíduos com condições crônicas (como asma, doença pulmonar obstrutiva crônica e doença cardíaca), pessoas idosas, crianças e mulheres grávidas.

Em 2019, mais de 90% da população mundial vivia em áreas onde as concentrações ultrapassavam a já defasada diretriz de qualidade do ar da OMS de 2005 para exposição às PM2,5. Ciente de que esta será uma tarefa difícil para muitos países e regiões que lutam com altos níveis de poluição do ar, a OMS propôs metas interinas de redução da poluição para facilitar a melhoria gradual da qualidade do ar e, portanto, benefícios graduais, mas significativos, para a saúde da população.

“A contaminação do ar é uma ameaça à saúde em todos os países, mas atinge mais as pessoas dos países de renda baixa e média”, disse o Diretor Geral da OMS, Tedros Adhanom Ghebreyesus. “As novas Diretrizes de Qualidade do Ar da OMS são uma ferramenta prática e baseada em evidências para melhorar a qualidade do ar da qual depende toda a vida. Exorto todos os países e todos aqueles que lutam para proteger nosso meio ambiente a utilizá-las para reduzir o sofrimento e salvar vidas”.

“A poluição atmosférica faz com que as crianças tenham asma, causa pneumonia, faz com que as mulheres grávidas tenham bebês nascidos prematuros e com mais malformações, e está aumentando o risco de morte de pessoas infectadas pela COVID-19”, afirma o médico pediatra Aaron Bernstein, diretor interino do Centro para Clima, Saúde e Ambiente Global da Universidade de Harvard (C-Change). “Na COP26, o mundo deve se comprometer urgentemente com a eliminação gradual dos combustíveis fósseis para que possamos oferecer o mundo mais saudável, justo e sustentável que nossos filhos merecem”.

20% das mortes no mundo

Em fevereiroum estudo pioneiro da Universidade de Harvard revelou que a poluição do ar por combustíveis fósseis mata muito mais pessoas do que se pensava anteriormente, colocando o total de mortes em um espantoso 8,7 milhões só em 2018. O estudo mapeou a matéria particulada do ar, conhecida como PM2,5, gerada pela queima de combustíveis fósseis como carvão e diesel, para mostrar que a poluição gerada por esses combustíveis é responsável por 1 em cada 5 mortes em todo o mundo.

“Anualmente, a OMS estima que milhões de mortes são causadas pelos efeitos da poluição do ar, principalmente por doenças não transmissíveis. O ar limpo deve ser um direito humano fundamental e uma condição necessária para sociedades saudáveis e produtivas”, afirma o Diretor Regional da OMS para a Europa, Dr. Hans Henri P. Kluge.

A novas diretrizes também destacam boas práticas para o gerenciamento de certos tipos de material particulado (por exemplo, carbono preto/carbono elementar, partículas ultrafinas, partículas originárias de tempestades de areia e poeira) para as quais atualmente não há evidências quantitativas suficientes para estabelecer os níveis das diretrizes de qualidade do ar. Elas são aplicáveis tanto para ambientes externos quanto internos globalmente, e abrangem todos os ambientes.