Fome através da conservação?

Uma expansão maciça de áreas protegidas não apenas limita a produção de alimentos, mas também pode expulsar os povos indígenas

modern agricultureAo contrário da agricultura moderna, os povos indígenas também usam ecossistemas ricos em espécies sem transformá-los em monoculturas em grande escala. Isso é muitas vezes esquecido na criação de áreas protegidas. Foto: http://www.kit.edu

Por Norbert Suchanek para o “Neues Deutschland”

Na Conferência de Biodiversidade da ONU em Kunming, em abril próximo, novas metas de biodiversidade devem ser decididas. Uma das medidas propostas é a duplicação das áreas de proteção da natureza existentes em todo o mundo em pelo menos 30 por cento das áreas terrestres e marítimas até 2030. 50 países já aderiram a esta meta de proteção de espécies exigida pela Aliança Internacional para a Biodiversidade (High Ambition Coalition para a Natureza e as Pessoas), incluindo a França e a Alemanha. Mas se essa medida for realmente implementada, pode colocar em risco a segurança alimentar em grandes partes do mundo, alertam pesquisadores da Escócia, Alemanha, Áustria e EUA. Os problemas existentes seriam exacerbados, especialmente nas regiões pobres do Sul Global.

O estudo publicado recentemente na revista “Nature” examina dois cenários: no primeiro cenário, 30% da área terrestre global será protegida até 2040, no segundo cenário 50%. Os pesquisadores assumem que nenhuma atividade humana, como agricultura ou turismo, é permitida nas áreas protegidas. Portanto, a agricultura não seria mais possível em muitas áreas de cultivo – com consequências negativas para a produção global de alimentos, à medida que a população continua a crescer.

De acordo com o estudo, a expansão das áreas de proteção da natureza leva a uma intensificação da produção agrícola nas áreas remanescentes, o que resultaria no aumento dos preços dos alimentos. O consumo de frutas e vegetais diminuiria e, em geral, o número de pessoas com baixo peso aumentaria em diferentes regiões do mundo.

Os pesquisadores calcularam que isso levaria à escassez de alimentos e a mais 200.000 mortes por desnutrição em regiões de baixa renda, como o sul da Ásia e a África subsaariana. A implementação rigorosa de medidas de proteção prejudica a segurança alimentar e a saúde humana, especialmente nas “regiões mais vulneráveis ​​do mundo”, escreve a equipe de cientistas.

Por outro lado, países mais ricos, como os EUA ou os estados da União Europeia, seriam amplamente poupados dos efeitos negativos. Pelo contrário, nesses países, reduzir o consumo de calorias por meio de preços mais altos dos alimentos reduziria os efeitos negativos do sobrepeso e da obesidade.

De acordo com Matin Qaim, Diretor do Centro de Pesquisa para o Desenvolvimento (ZEF) da Friedrich-Wilhelms-Universität Bonn, a contribuição mais importante do estudo é »a identificação de potenciais objetivos conflitantes entre a segurança alimentar global e a proteção da biodiversidade, porque a expansão das áreas de terra para a produção de alimentos é o maior assassino da biodiversidade natural.”

No entanto, o estudo não se opõe de forma alguma ao plano de colocar a maior área possível sob proteção da natureza. “A designação de áreas protegidas é um dos instrumentos mais importantes para atingir as metas de biodiversidade. No entanto, deve ser implementado com cuidado para garantir que não coloque em risco a segurança alimentar e a saúde da população, especialmente nas regiões mais pobres do mundo”, explica a principal autora do estudo, Roslyn Henry, da Universidade de Aberdeen.

De acordo com Martin Jung do Instituto Internacional de Análise de Sistemas Aplicados (IIASA) em Laxenburg perto de Viena, que também trabalhou no estudo, deve-se notar que medidas muito radicais também podem levar a efeitos indesejáveis. É necessária uma ampla cooperação para implementar a conservação da natureza de forma significativa em cada região.

No entanto, a pesquisa feita usando modelos socioecológicos acoplados está em terreno instável. Baseia-se em apenas dois pressupostos básicos. Em primeiro lugar, que a proteção de paisagens ricas em espécies leva automaticamente a uma redução das terras agrícolas. E em segundo lugar, que o consequente aumento dos preços dos alimentos levará a uma mudança nos hábitos alimentares das pessoas nos países “mais ricos” do norte e nos países “mais pobres” do sul.

Mas se, por exemplo – como exigem muitos ambientalistas e climáticos – todas as florestas tropicais ricas em espécies remanescentes na Amazônia e as áreas ainda não destruídas do Cerrado no Brasil fossem declaradas como reservas naturais, isso não levaria a uma redução nas terras agrícolas. Protegê-los apenas evitaria que esses hotspots de biodiversidade fossem derrubados para a expansão da pecuária ou cultivo de soja, ou fossem desenterrados para extração de minério e matéria-prima. O mesmo se aplica às florestas tropicais ainda não desmatadas da África Central, Sul da Ásia, Nova Guiné e região do Pacífico.

O estudo também não leva em consideração a preocupação de que a expansão dos parques naturais e nacionais possa levar ao deslocamento, empobrecimento e até mesmo genocídio de povos indígenas ou outros grupos populacionais que tradicionalmente vivem nessas áreas. Uma preocupação que encontra alimento na prática dos conceitos de parques nacionais existentes. Lisa Biber-Freudenberger, da ZEF, reclama que os autores do estudo assumem que as áreas protegidas não são mais usadas por humanos. Mas “a abordagem de criar áreas protegidas sem envolver a população local certamente teve seu dia”.

De acordo com a High Ambition Coalition for Nature and People, as novas reservas naturais devem ser criadas “enquanto reconhecem os direitos dos povos indígenas”, mas as organizações de direitos humanos consideram isso um palavrão que, em última análise, não é implementado ou implementado de forma insuficiente. Por esse motivo, organizações como Survival International e Minority Rights Group vêm alertando contra a implementação da meta de 30% exigida pelos conservacionistas conservadores desde 2020.

A expansão e a criação de novos santuários de vida selvagem podem resultar em graves abusos dos direitos humanos e causar danos irreversíveis a alguns dos mais pobres do mundo, disse a Survival International. “Até 300 milhões de pessoas podem ser afetadas se os direitos dos povos indígenas e dos proprietários tradicionais não forem significativamente mais bem protegidos.” poderia até acelerar a destruição ambiental. O “plano 30 × 30” é uma abordagem fundamentalmente errada para a conservação da natureza porque se baseia em um conceito de deserto que exclui os seres humanos com base no qual numerosos povos indígenas já foram vítimas no passado.

“A exigência de declarar 30% das ‘reservas naturais’ do mundo é de fato uma gigantesca apropriação de terras, comparável à colonização européia. Também trará muito sofrimento e morte”, teme Stephen Corry, diretor da Survival International. “Não devemos ser enganados pelo hype sobre as ONGs de conservação da natureza e seus financiadores governamentais.” É tudo sobre dinheiro, controle de terras e recursos e um ataque à diversidade cultural.

compass

Este texto foi escrito em alemão e publicado pelo jornal “Neues Deutschland” [Aqui!].

‘Te conto de um parque’, novo podcast do Semeia, conduz a uma viagem pelos parques do país embalada por literatura e música

Iniciativa visa ampliar a proximidade das pessoas com as áreas protegidas do país

banner-podcast-7baa606e21a477e3202198109a60f26e

O Instituto Semeia acaba de lançar o podcast “Te conto de um parque”, produzido com o apoio da Agência Alemã de Cooperação Internacional (GIZ – Brasil). Cada episódio contará com informações sobre aspectos históricos, culturais e naturais de diversas áreas protegidas do país, e tudo isso embalado por trechos de obras da literatura e música brasileira, além de relatos de profissionais que se dedicam à conservação desses espaços.

A iniciativa surgiu com o propósito de estimular o interesse das pessoas pelos parques brasileiros, ainda pouco conhecidos e visitados por boa parte da população. “O ‘Te conto de um parque’ vem para ampliar a compreensão das pessoas sobre o que essas áreas realmente significam, promovendo a criação e o fortalecimento de laços afetivos com os parques. E por toda a relevância ambiental, social e cultural das unidades de conservação para a sociedade, entendemos ser fundamental criar iniciativas como essa, que ajudem a estimular interesse, gerar pertencimento e orgulho pelos parques e outras áreas protegidas”, explica o diretor-presidente do Instituto, Fernando Pieroni.

A primeira temporada do podcast contará com seis episódios, lançados às sextas-feiras nas principais plataformas de áudio (Spotify e Deezer) e no Conexão Semeia. A condução dessa expedição pelos parques fica por conta da jornalista Paulina Chamorro.

“É importante que a gente conheça as áreas naturais conservadas do Brasil para entendermos que aquilo é um patrimônio de todos nós e também para ajudar a entender os novos desafios que temos pela frente, como as mudanças climáticas, perda de biodiversidade e outras ameaças. São nesses ambientes conservados que estão resguardados todos os benefícios que a natureza oferece coletivamente. Então, o ‘Te conto de um parque’ vem para encantar, para trazer conhecimento e contribuir com histórias legais sobre os parques brasileiros”, avalia a jornalista.

A estreia do podcast foi sobre o Cerrado. “Partimos com as histórias e curiosidades do Parque Nacional Grande Sertão Veredas (MG), cujo nome é inspirado no livro de João Guimarães Rosa, um dos maiores escritores brasileiros”, conta Pieroni. Não por acaso, esse episódio traz alguns trechos dessa obra que dá nome à unidade na voz de André Dib, um dos principais fotógrafos documentaristas do Cerrado brasileiro.

Do Cerrado, a viagem segue para o Arquipélago de Abrolhos (BA), protagonista do segundo episódio do podcast. Nele, mergulhamos nos relatos sobre a origem natural e cultural dessa área protegida – incluindo a ilustre visita de Charles Darwin ao arquipélago, em 1832 –, além de conhecer a história de Berna Barbosa, agente ambiental que há duas décadas se dedica à conservação dessa unidade.

Na sequência, o “Te conto de um parque” adentra o Pantanal Matogrossense (MT), tema do terceiro episódio da série. Quais animais habitam o local e como se deu sua formação geológica? Esses e outros causos sobre a terra d’água são abordados nesta edição do podcast, que conta ainda com trechos do novo livro de Luciano Candisani, narrados por André Casé.

O quarto episódio é dedicado ao Parque Estadual da Cantareira (SP), que possui uma das maiores matas tropicais nativas do mundo em plena São Paulo. As histórias da criação e a importância dessa unidade, que abriga 7.916 hectares da Mata Atlântica, são embaladas por canções do Emicida, cidadão ilustre da região. Ainda nesta edição é possível conferir uma entrevista especial com o biólogo Luciano Zandoná.

Também não poderia faltar nessa temporada a história do primeiro parque nacional do país. O Itatiaia (RJ) é tema do quinto episódio do podcast ‘Te conto de um parque’. Esse guardião da Mata Atlântica atrai milhares de visitantes todos os anos e sua exuberância foi motivo de comoção para o poeta Vinícius de Moraes, que fez dessa área seu refúgio natural para escrever e se reconectar com a natureza.

E, para fechar com chave de ouro, o sexto e último episódio traz em pauta o Parque Nacional do Iguaçu (PR), patrimônio natural da humanidade. Que registros históricos e culturais estão abrigados nessa área? E como é o parque a partir do ponto de vista de quem trabalha nele? Essas questões foram abordadas em uma entrevista especial com Cibele Munhoz, atual chefe dessa unidade de conservação.

Serviço

“Te conto de um parque”

Data: às sextas

Onde: https://conexao.semeia.org.br/podcast

Sobre o Instituto Semeia

Criado em 2011, o Instituto Semeia é uma organização da sociedade civil sem fins lucrativos. Com sede em São Paulo (SP), trabalha para transformar áreas protegidas em motivo de orgulho para brasileiras e brasileiros. Atua nacionalmente no desenvolvimento de modelos de gestão e projetos que unam governos, sociedade civil e iniciativa privada na conservação ambiental, histórica e arquitetônica de parques públicos e na sua transformação em espaços produtivos, geradores de emprego, renda, e oportunidades para as comunidades do entorno, sem perder de vista sua função de provedores de lazer, bem-estar e qualidade de vida. São pilares de sua atuação: a geração e sistematização de conhecimento sobre a gestão de unidades de conservação; o compartilhamento de informações por meio de publicações e eventos; a implementação e o acompanhamento de projetos com governos de todos os níveis, como forma de testar e consolidar modelos eficientes e que possam ser replicados no país.

Chega de “selva”: Para proteger a biodiversidade, os povos indígenas e o uso tradicional da natureza são necessários

povos indigenasFoto: dpa | Dean Lewins

Por Norbert Suchanek para o “Neues Deutschland”

»Proteja a natureza!« Dificilmente existe um termo tão frequentemente usado em conexão com a natureza e a biodiversidade e ao mesmo tempo que é tão enganador como »natureza selvagem«. Apesar de numerosos estudos científicos que apontam para a influência e conhecimento dos povos indígenas, o “pensamento selvagem” ainda está firmemente ancorado nas mentes de pesquisadores e conservacionistas ocidentais, como o mundialmente famoso cineasta britânico de natureza David Attenborough. Um novo estudo confirma mais uma vez que este termo é um equívoco e exige uma reformulação.

A natureza selvagem representa uma natureza virgem e intocada, uma paisagem sem pessoas. »Apesar de décadas de engajamento crítico de observadores indígenas e não indígenas, as principais organizações não governamentais internacionais, filantropos, instituições globais e estados-nação mantêm essa noção de paisagens intocadas como áreas selvagens em ideais e práticas de conservação da natureza. Ao fazer isso, a política de conservação da natureza global predominante e a percepção pública ainda não reconheceu que os povos indígenas há muito valorizam, usam e projetam paisagens de alta qualidade e biodiversas «, escrevem os cientistas naturais e sociais Michael-Shawn Fletcher, Rebecca Hamilton, Wolfram Dressler e Lisa Palmer das Universidades de Melbourne, Canberra e do Instituto Max Planck de História Humana em Jena.

Além disso, a exclusão de pessoas de muitos desses lugares sob o pretexto de proteção da selva piorou seu status ecológico e acelerou a destruição de paisagens ricas em espécies. “A natureza selvagem é uma construção inadequada e desumana”, resume a equipe de pesquisa. De uma forma que só pode ser descrita como uma ironia amarga, a definição de territórios indígenas como “selva” acelera seu declínio. A conservação da natureza destrói o que ela realmente quer proteger.

Para seu estudo, publicado no início de outubro na revista Proceedings of the National Academy of Sciences (PNAS), os pesquisadores avaliaram mais de 50 estudos de caso anteriores em regiões tropicais que os cientistas com experiência em conservação da natureza e biodiversidade retratam como “natureza selvagem”. “Em nosso trabalho, examinamos três regiões: Amazônia, Sudeste Asiático e Pacífico e os desertos centrais da Austrália”, escreve a equipe de pesquisa. Todas as áreas que foram mapeadas como “desertos” na suposta busca pelos últimos lugares silvestres.

De acordo com os pesquisadores, as regiões tropicais são mais frequentemente vistas como paisagens intocadas ou pouco influenciadas no pensamento ocidental de conservação da natureza. Mas, na verdade, eles foram “profundamente moldados por humanos e ainda são habitados e usados ​​por vários povos indígenas”. O cultivo itinerante milenar promoveu ativamente a biodiversidade em uma escala de paisagem nessas regiões e, ao mesmo tempo, garantiu o sustento de milhões de povo indígena.

Por exemplo, a Amazônia foi um centro de domesticação de mais de 80 espécies de lavouras. Ao criar e cultivar esses tipos de culturas, os povos indígenas tiveram uma influência considerável na composição e estrutura dos solos e florestas. A biodiversidade lá também é resultado disso. Semelhante no sul e sudeste da Ásia. Lá, o cultivo itinerante praticado por milhares de anos com a alternância de derrubada, queima e pousio provavelmente desempenhou um papel importante no desenho, estrutura e resiliência das florestas tropicais.

Segundo a equipe de cientistas, a região do mundo que há mais tempo é continuamente influenciada pelos povos indígenas são as regiões áridas da Austrália. Longe de ser uma das “últimas regiões selvagens” da terra, os Desertos Ocidentais da Austrália são o lar ancestral de vários povos aborígines que amam e usam essas paisagens há milênios. A equipe de pesquisa conclui que “o deslocamento de proprietários de terras tradicionais na década de 1960 teve efeitos catastróficos tanto nas pessoas quanto na terra”. Os incêndios florestais descontrolados e a perda de biodiversidade são duas das consequências mais significativas.

“A Austrália está enfrentando atualmente uma série de crises ambientais”, disse o principal autor Michael-Shawn Fletcher, da Universidade de Melbourne. “Estamos experimentando uma das maiores taxas de perda de biodiversidade do mundo, que começou com a invasão britânica e continuou rapidamente desde então, e agora está sendo exacerbada pelos efeitos das mudanças climáticas.” Além disso, incêndios florestais catastróficos, especialmente no sul -Neste, estão aumentando, e estão se tornando mais frequentes e intensas em áreas maiores.

O geógrafo aborígine Wiradjuri está certo de que esses problemas ambientais na Austrália foram causados ​​pelos efeitos devastadores e contínuos da invasão britânica e subsequente colonização do continente australiano. Por 1,7 milhão de anos, a evolução humana esteve inextricavelmente ligada ao fogo, diz Fletcher. “O fogo foi e ainda é nossa ferramenta mais importante no paisagismo.” É assim que os aborígines administraram com sucesso as paisagens australianas com fogo por mais de 65.000 anos e acumularam conhecimento inestimável. Em contraste com a ideologia ocidental usual de conservação da natureza, os aborígines na Austrália viam a “terra selvagem”, isto é, a selva como uma “terra doente”, terra que foi degradada devido à falta de cuidado e uso. É precisamente esta falta de gestão tradicional do fogo e uso insuficiente do solo, desencadeada pela destruição física e deslocamento da população indígena pela colonização britânica, bem como o contínuo desconhecimento de seus conhecimentos devido a uma conservação da natureza mal compreendida, são as principais causas de conflagrações atuais e perdas de biodiversidade. Fletcher está convencido de que a ideologia da selva está destruindo a natureza da Austrália.

“Nossa pesquisa mostra que tentar distinguir o ‘selvagem’ do ‘ domesticado e o ‘não-humano’ do ‘humano’ revela o legado longo e duradouro das populações indígenas e locais no desenho e proteção de paisagens ignoradas em todo o mundo, «diz a paleoecologista da conservação da natureza do Instituto Max Planck de História do Homem em Jena, Rebecca Hamilton. Essa ignorância tem o potencial de destruir as pessoas e os profundos sistemas de conhecimento que fomentaram o funcionamento a longo prazo e a resiliência da biodiversidade ao longo de milênios. Isso destruirá o que a conservação da natureza realmente deseja proteger.

Para o aborígine Fletcher da Universidade de Melbourne, “os incêndios florestais catastróficos e a degradação ambiental que agora ocorrem na Austrália, na América do Norte e na Amazônia, entre outros – são todos países que foram invadidos e colonizados pelos europeus – pelo menos em parte, que Resultado da expulsão de indígenas e locais, cujos saberes e ações levaram justamente àquelas paisagens que queremos preservar. «As abordagens de gestão fundiária exportadas da Europa fracassaram em todo o mundo. Uma coisa é clara para o geógrafo: “Devemos abandonar a metáfora da selva e o mito de que a ciência é uma busca objetiva. Temos que considerar e incorporar outras perspectivas do mundo se quisermos sobreviver neste planeta. “

Fletcher e seus coautores confirmam minhas próprias experiências jornalísticas dos anos 1990 com povos indígenas no Brasil e em Papua Nova Guiné, que resumi há exatamente 20 anos em seu livro »Mythos Wildnis«, publicado em 2001 pela Schmetterlingverlag.

Um dos povos indígenas do Brasil que foi vítima do conceito de conservação da natureza adotado pelo estado brasileiro são os Gurani-Mbyá, cujo território ancestral é a Mata Atlântica. Eles são um dos poucos povos da América do Sul que colonizaram o Sul e o Sudeste do Brasil por 500 anos sobreviveram em sua terra natal. Grandes áreas de seu território foram desmatadas ao longo dos séculos, principalmente para plantações de café e cana-de-açúcar, bem como para a pecuária e o crescimento das cidades. Mas foi somente quando o restante das áreas da Mata Atlântica foram colocadas sob proteção como parques nacionais e áreas protegidas na década de 1970 que eles perderam seu habitat tradicional. Hoje os Guarani-Mbyá vivem em minirreservas na “orla” das reservas naturais e só podem entrar em seu território como “turistas da natureza”.

compass

Este texto foi escrito originalmente em alemão e publicado pelo jornal “Neues Deutschland” [Aqui!].

Proteção da Amazônia pode influenciar resultado das eleições de 2022

80% dos brasileiros consideram que Amazônia deve ser prioridade para candidatos à presidência

amazonia gatherers

Uma nova pesquisa sugere que a Amazônia já faz parte dos temas que os eleitores brasileiros levarão em conta na hora de votar em 2022. Oito em cada 10 brasileiros (80%) consideram que essa deve ser uma prioridade para candidatos à presidência da República ano que vem. Divulgado às vésperas do Dia da Amazônia, o levantamento mostra que seis em cada dez brasileiros (58%) afirmam que um candidato à Presidência da República aumentaria as chances de atrair seu voto se apresentar um plano específico para a proteção da Amazônia. A pesquisa mostra também que para 79%, é muito importante proteger a Amazônia.

“Diversas pesquisas já comprovaram que o brasileiro se preocupa com a Amazônia e quer vê-la protegida, mas esta é a primeira vez que essa preocupação aparece como fator de influência na decisão de voto. E isso coloca o Brasil no roteiro global de países onde o Clima é tema forte nas eleições.”, destaca Ana Toni, Diretora-Executiva do Instituto Clima e Sociedade (iCS), instituto que encomendou a pesquisa ao PoderData, realizada entre os dias 21 a 23 de agosto de 2021. “Três anos de níveis recordes de desmatamento e queimadas evidenciaram a relação direta que existe entre a destruição da Amazônia e a atual política governamental. Os resultados confirmam que a atuação de Bolsonaro é contrária à opinião pública da maioria dos eleitores”, analisa a Diretora do iCS.

Mesmo quando a preocupação é com o crescimento econômico do país, a maioria dos brasileiros acredita que isso está relacionado à proteção da Amazônia. De acordo com a pesquisa, sete em cada dez brasileiros (71%) concordam que o desenvolvimento do Brasil depende da proteção da Amazônia, demonstrando que o brasileiro está fazendo uma relação entre o “bolso” e o meio ambiente. Apenas 1 em cada 10 (11%) concordam que para o Brasil se desenvolver, proteger a Amazônia não é uma prioridade. E menos de 1 em cada 10 (6%) concordam que o Brasil consegue se desenvolver mesmo sem proteger a Amazônia. Isso demonstra que a maioria dos brasileiros compreendem a relação entre a proteção da Amazônia e o desenvolvimento do país e concordam que há uma conexão direta entre a preservação da floresta e o desenvolvimento nacional. A quase totalidade dos brasileiros (89%) acredita que é preciso conservar a floresta amazônica porque ela é a maior riqueza do Brasil.

Também é consenso entre os brasileiros (83%) que a Amazônia faz parte da identidade nacional do Brasil. “Isso demonstra que quase a totalidade da população entende que na conformação de um imaginário de identidade nacional do Brasil, está compreendida a Amazônia como elemento constitutivo dessa identidade. Logo, se a Amazônia faz parte da identidade nacional, cuidar dela é também cuidar da nossa identidade como nação”, avalia Ana Toni. A pesquisa revela ainda que a maioria dos brasileiros (77%) concorda que é preciso conservar a Amazônia porque o futuro do planeta depende da floresta em pé.

Perguntados sobre os responsáveis pela destruição da floresta, pouco menos de um quarto dos brasileiros (22%) apontam para o Presidente Jair Bolsonaro e 15% para o Governo Federal. Quando perguntados sobre quem deveria cuidar da Amazônia, os entrevistados apontam para Bolsonaro (24%) e o Governo Federal (43%) como tendo a maior responsabilidade pela proteção da Amazônia, seguidos pelos militares (12%) e Congresso Nacional (6%). E sobre a principal causa do atual desmatamento na Amazônia, 29% dos brasileiros afirmam que é a ocupação ilegal de terras.

A pesquisa revela ainda que para 71%, ou 7 em cada 10 brasileiros, Bolsonaro não está trabalhando bem para proteger a Amazônia. A pesquisa aponta também que para 87%, ou 9 em cada 10 brasileiros, o Congresso Nacional não está trabalhando bem para proteger a Amazônia.

Ficha Técnica:

A pesquisa foi realizada pelo Instituto PoderData, a pedido do Instituto Clima e Sociedade (iCS), entre os dias 21 e 23 de agosto de 2021, com brasileiros e brasileiras com 16 anos de idade ou mais, ponderados parametricamente para refletir a composição da população brasileira. Ao todo, foram 2.500 entrevistas em 449 municípios nas 27 unidades da Federação. A margem de erro estimada é de +/- 2,0 p.p. para resultados do total da amostra. O intervalo de confiança é de 95%.

Imagens de satélite comprovam que terras indígenas são as áreas mais preservadas do Brasil nas últimas décadas

Levantamento do MapBiomas mostra também que entre 1985 e 2020 a área de agropecuária cresceu em 5 dos 6 biomas brasileiros. No caso da soja, o total ocupado equivale ao estado do Maranhão
isolados-funai

Maloca de indígenas em isolamento voluntário na Terra Indígena Kampa e Isolados do Rio Envira. — Foto: Gleilson Miranda/Funai

Apenas 1,6% da perda de Florestas e Vegetação Nativa no Brasil entre 1985 e 2020 ocorreu em terras indígenas. O dado provém da análise de imagens de satélite desse período desenvolvida pela equipe de pesquisadores do MapBiomas utilizando recursos de inteligência artificial. Nesses 36 anos, os territórios indígenas já demarcados ou aguardando demarcação foram os que mais preservaram suas características originais, comprovando o valioso serviço que essas comunidades prestam ao Brasil.

“Se queremos ter chuva para abastecer os reservatórios que provêm energia e água potável para consumidores, indústria e o agronegócio, precisamos preservar a floresta amazônica. E as imagens de satélite não deixam dúvidas: quem melhor faz isso são os indígenas”, explica Tasso Azevedo, Coordenador do MapBiomas.

Se os territórios indígenas permaneceram quase intactos nas últimas décadas, o mesmo não se pode dizer do resto do Brasil. O crescimento da área ocupada por atividades agropecuárias entre 1985 e 2020 foi de 44,6%. Juntas, agricultura e pecuária ganharam 81,2 milhões de hectares no período. Essas atividades cresceram em cinco dos seis biomas brasileiros, com exceção da Mata Atlântica.

Nesses 36 anos, a área de plantio de soja e cana alcançou a mesma extensão de toda a formação campestre do Brasil. A soja já equivale a um Maranhão e a cana ocupa o dobro da área urbanizada do país. O padrão de expansão da agropecuária nesse período é o avanço das pastagens sobre áreas de vegetação nativa enquanto a agricultura se expande principalmente sobre áreas de pastagem. Com isso a área total de pastagem parou de crescer em meados dos anos 2000 e começou a encolher registrando uma retração de 4% de 2005 a 2020, depois de crescer 45% entre 1985 e 2005.

Atualmente, as pastagens representam o principal uso da terra no Brasil, ocupando um quinto do território nacional. Elas serão tema de análise mais aprofundada do MapBiomas, em estudo sobre a qualidade das pastagens a ser lançado ainda este ano.

Dos 27 estados da federação, 24 perderam vegetação nativa. Os campeões são Rondônia (-28%), Mato Grosso (-24%) e Maranhão (-16%). Apenas dois estados conseguiram manter as áreas de vegetação nativa – ambos na região Sudeste, principalmente na Mata Atlântica: Rio de Janeiro e Espírito Santo. No caso do Rio de Janeiro, houve inclusive um leve crescimento (de 34% em 1985 para 35% em 2020).

A principal cobertura vegetal nativa no Brasil é a floresta, que cobre 59,7% do território nacional. Mas esse percentual está majoritariamente concentrado na região amazônica. Ou seja, excluindo-se a Amazônia, o retrato do Brasil é bem diferente. No Pampa, 42,7% do território é ocupado pela agropecuária. Na Mata Atlântica, a área de agropecuária é ainda maior, ocupando dois terços (64,3%) do bioma. Cerrado (44,2%) e Caatinga (35,2%) têm a terceira e quarta maior ocupação por atividades agropecuárias.

Uma análise mais detalhada da cobertura e uso de terra no Brasil mostra que os 66,3% de vegetação nativa que as imagens de satélite mostram não correspondem necessariamente a áreas preservadas. “Uma parte significativa passou por processo de degradação ou está em regeneração depois de ter sido desmatada, por isso aprofundar o entendimento destes processos de degradação é um dos focos atuais do MapBiomas”, afirma Tasso Azevedo. “Com a plataforma de monitoramento das cicatrizes de fogo, descobrimos que 57 milhões de hectares, ou 11% da floresta existente no Brasil em 2020, pegaram fogo pelo menos uma vez nos últimos 36 anos”, detalha Ane Alencar, coordenadora do mapeamento do Cerrado e do mapeamento do fogo.

Em outra frente de trabalho, os pesquisadores mapearam as áreas de regeneração no Brasil. “A área de vegetação secundária no Brasil superou 45 milhões de hectares em 2020, o que representa 8% de vegetação nativa no Brasil”, explica Marcos Rosa, Coordenador Técnico do MapBiomas. “Essa vegetação secundária também precisa ser protegida e monitorada, especialmente aquela nas faixas de proteção dos corpos d’água e nascentes, ampliando a captura do carbono, aumentando a quantidade e qualidade das águas e a recuperação dos mananciais”.

O percentual de área natural identificado pelo MapBiomas engloba também vegetação secundária, ou seja, que já foi destruída e se recuperou, capturando carbono da atmosfera. “Quando a vegetação secundária é suprimida, e isso acontece com frequência, não só liberamos mais carbono para a atmosfera como interrompemos o processo de captura”, informa Marcos Rosa, Coordenador Técnico do MapBIomas. “Ou seja, para favorecer o cumprimento de nossas metas climáticas, o Brasil precisa parar de desmatar florestas primárias e também as secundárias”.

A Coleção 6 dos Mapas Anuais de Cobertura e Uso da Terra no Brasil foi atualizada e ampliada contando com 25 classes mapeadas (eram 21 da última edição) e está disponível gratuitamente para todos os públicos a partir de hoje.

Sobre MapBiomas

Iniciativa multi-institucional, que envolve universidades, ONGs e empresas de tecnologia, focada em monitorar as transformações na cobertura e no uso da terra no Brasil. Esta plataforma é hoje a mais completa, atualizada e detalhada base de dados espaciais de uso da terra em um país disponível no mundo. Todos os dados, mapas, método e códigos do MapBiomas são disponibilizados de forma pública e gratuita no site da iniciativa: mapbiomas.org

Estudo mostra que apenas design de assentamentos não impede avanço do desmatamento na Amazônia brasileira

amazon_deforestation_20080729_tn

Em meio ao avanço explosivo do desmatamento na Amazônia brasileira, um dos debates mais prementes sobre o seu controle se refere ao impacto que os diferentes tipos de design (formato) dos assentamentos resultantes dos programas públicos de distribuição de terra para agricultores familiares sobre a mudança na cobertura florestal amazônica.  Uma das hipóteses mais correntes é de que determinados formatos são mais propensos a gerar mais desmatamento, enquanto outros são menos impactantes sobre as florestas das regiões onde os assentamentos são implantados.

Esse debate ganha agora um instrumento de clarificação com a publicação do artigo intitulado “Effects of settlement designs on deforestation and fragmentation in the Brazilian Amazon” (ou em bom português “Os efeitos dos desenhos dos assentamentos no desmatamento e na fragmentação florestal na Amazônia brasileira”) pelo revista científica Land Use Policy.

paper cover lsp

Neste trabalho, um grupo de pesquisadores liderados pelo professor Eraldo Matricardi, do Departamento de Engenharia Florestal da UNB,  analisou conjuntos de dados espaço-temporais de desmatamento de projetos de assentamento planejados e implementados usando três desenhos espaciais (espinha de peixe, dendrítico e espontâneo) para avaliar os efeitos sobre o desmatamento e a fragmentação da paisagem no estado de Rondônia. Para testar nossa hipótese, aplicamos métricas de paisagem para estimar os diferentes impactos na paisagem entre 1985 e 2015 (ver figura abaixo).

untitled

A partir dos resultados obtidos, observamos que enquanto o “design” em espinha de peixe permitiu a conexão de fragmentos de floresta ao longo do eixo Leste-Oeste, apresentou efeito oposto no eixo Norte-Sul. Em contraste, o desenho dendrítico provou ser mais eficiente na proteção de florestas primárias, causando menor fragmentação da paisagem e conservando fragmentos maiores de floresta. No entanto, os impactos da paisagem por diferentes desenhos espaciais de assentamento mostraram trajetórias de fragmentação e taxas de desmatamento semelhantes ao longo do tempo.

Com base em nossos resultados, concluímos que a combinação de projetos de assentamento, presença de áreas protegidas e participação da comunidade local ajudaram a prevenir a fragmentação florestal e o desmatamento na região de estudo.

Nossa análise sugere que os projetos de assentamento por si só não são suficientes para conter o desmatamento e a fragmentação da floresta na Amazônia brasileira. Como resultado, indicamos que o controle de ambos os processos exigirá a aplicação de políticas públicas e ambientais integradas ao planejamento de ocupação do solo e estratégias de apoio a sistemas agrícolas sustentáveis, com destaque (friso meu) na implantação de sistemas agro-ecológicos.

Por favor da transferência dos direitos de uso assinada com a editora Elsevier, quem desejar uma cópia deste artigo, basta enviar uma mensagem para o endereço do blog que eu enviarei.

Agricultura conservacionista e legislação é tema do VIII Ciclo de Palestras sobre Manejo e Conservação do Solo e da Água

Evento on-line será transmitido no Youtube da Secretaria de Agricultura e Abastecimento de SP

unnamed (21)

O VIII Ciclo de Palestras sobre Manejo e Conservação do Solo e da Água, com o tema agricultura conservacionista e legislação, será realizado on-line, em 20 de outubro de 2020, das 17h às 19h, pela Secretaria de Agricultura e Abastecimento do Estado de São Paulo. O evento será transmitido no Youtube da Secretaria de Agricultura – acesse aqui.

Agricultura conservacionista é um conceito da Organização das Nações Unidas para Alimentação e a Agricultura (FAO), que a classifica como “um sistema de agricultura que promove a manutenção de uma cobertura permanente do solo, o mínimo de perturbação do solo ou plantio direto e a diversificação de espécies de plantas. Aumenta a biodiversidade e os processos biológicos naturais acima e abaixo da superfície do solo, o que contribui para o aumento da eficiência do uso de água e nutrientes e para a melhoria e sustentação da produção agrícola”.

De acordo com a engenheira agrônoma Maria Argentina Nunes de Mattos, do Escritório de Defesa Agropecuária (EDA) de São José do Rio Preto, uma das organizadoras e incentivadora deste evento que vem sendo realizado desde 2013, foram programadas três palestras:

– Agricultura conservacionista, conceito e implantação no Estado de São Paulo, com ênfase em cana-de-açúcar, pelo pesquisador do Instituto Agronômico (IAC-APTA), Denizart Bolonhezi.

– Integração Lavoura Pecuária (ILP) e Integração Lavoura Pecuária Floresta (ILPF), conceito e como está esse sistema no estado de São Paulo, pelo pesquisador e professor Edemar Moro, da Universidade do Oeste Paulista (UNOESTE) de Presidente Prudente.

– E a palestra sobre plantio direto com exemplos da transformação da agricultura convencional ou pastagem degradada em agricultura conservacionista com implantação do sistema de plantio direto na palha – exemplos de Ocauçu (EDA Marília) e Capela do Alto (EDA Sorocaba) e outros que tiver da região de Ourinhos e Assis, pelo engenheiro agrônomo Márcio Minoro Harada Orozimbo, do Escritório de Defesa Agropecuária de Ourinhos.

A moderação será feita pelo engenheiro agrônomo Oswaldo Julio Vischi Filho, da Coordenadoria de Defesa Agropecuária.
Para participar o interessado deve acessar http://www.youtube.com/user/agriculturasp

Onyx Lorenzoni e a Noruega: quem ensina o quê para quem?

norway

Irritado sobre uma pergunta trivial sobre quem comandaria o Ministério do Meio Ambiente a partir de janeiro de 2019, o deputado Onyx Lorenzoni (DEM/RS) resolveu sair pela tangente e questionou a posição da Noruega de suspender o aporte de recursos no chamado “Fundo Amazônia” porque o Brasil não está cumprindo a meta de conter o desmatamento na Amazônia [1].

Do alto de sua ignorância, Lorenzoni afirmou que  “O que nós fizemos não vale nada, o que vale é a Noruega. E a floresta norueguesa, quanto eles preservaram? Só uma coisa importante que tem que se em que ser lembrada: o Brasil preservou a Europa inteira territorialmente, toda a União Europeia, com as nossas matas, mais cinco Noruegas. Os noruegueses têm que aprender com os brasileiros, e não a gente aprender com eles.”

Afora notar que a Noruega entregou bilhões de reais para que o Brasil cuidasse das florestas amazônicas, o que efetivamente não foi feito, Lorenzoni deveria ser informado que o país escandinavo foi o primeiro a banir qualquer produto que contribua para o desmatamento  em maio de 2016. Essa determinação acabará tendo impactos diretos sobre o comércio com países onde o desmatamento esteja alimentando a cadeia produtiva, como é obviamente o caso do Brasil.

Se fizesse a lição de casa de forma mínima que fosse, Lorenzoni saberia que a Noruega já fez a sua, e após instalar a partir de 1991 uma série de programas de recuperação de sua cobertura florestal, os noruegueses triplicaram a quantidade de florestas em relação a 100 anos atrás [2]. Em outras palavras, a Noruega tem sim algo a ensinar para o país que detém parte considerável da biodiversidade mundial, mas que a está jogando fora para plantar commodities agrícolas de forma insustentável.

Assim, em vez de ser ingrato e bravateiro, o que Lorenzoni deveria fazer, e possivelmente não fará, seria garantir que o próximo ministro do meio ambiente não seja uma mera peça decorativa ou, pior ainda, um instrumento de legitimação da destruição dos ecossistemas amazônicos em nome de um punhado de reais.


[1] https://noticias.uol.com.br/meio-ambiente/ultimas-noticias/redacao/2018/11/12/onyx-se-irrita-e-diz-para-noruega-aprender-com-brasil-sobre-desmatamento.htm

[2] http://www.bbc.com/earth/story/20151104-discover-how-norway-saved-its-vanishing-forests