Famintos “in the USA”: pobreza e fome na maior potência capitalista

A pandemia da COVID-19 mergulhou milhões de estadunidenses na pobreza

fome

Por De Moritz Wichmann para o Neues Deutschland

A Igreja Batista do Calvário em East Orange está muito ocupada. Já às 9h, a fila de carros em frente à igreja do condado de Essex tem várias centenas de metros. Dois quarteirões em frente ao prédio, carros com telas de LED e cilindros de borracha laranja estão sendo canalizados para o estacionamento da igreja. O que atrai as pessoas aqui não é a perspectiva de conforto ou paz de espírito. É sobre comida. “Vêm aqui pessoas que nunca precisaram de ajuda”, diz Joseph DiVincenzo enquanto acena um carro após o outro para o estacionamento.

DiVicenzo é o chefe administrativo do condado de Essex e ele próprio já sofreu uma infecção por coronavírus. Com quatro dezenas de funcionários na administração distrital, ele gerencia os necessitados em um sofisticado sistema de distribuição de cestas básicas. Os aspirantes têm que esperar em seus carros na faixa certa, no estacionamento da igreja sobem em duas filas, placas anunciam duas instruções simples: “Abra o porta-malas, deixe a janela aberta”. Os funcionários do distrito com máscaras coloridas carregam uma das caixas de papelão de 16 quilos com mantimentos para o porta-malas e fecham novamente, o carro continua e sai do estacionamento do outro lado. A distribuição já dura 25 semanas e não há previsão de término por enquanto. “Continuaremos enquanto houver necessidade”, diz DiVincenzo,

Cada uma das caixas de alimentos contém 40 refeições, 1000 caixas serão entregues naquele dia, depois de uma hora e meia todas elas se foram. Isso é pago com fundos da ajuda de emergência do coronavírus decidida pelo Congresso dos EUA em março, a Lei Cares. Mas essa fonte de dinheiro está secando lentamente. Por meses, os republicanos no Senado dos EUA têm bloqueado a adoção de mais ajuda na crise causada pelo coronavírus e só querem fornecer uma ajuda mínima.

Washington está muito longe da Igreja Batista do Calvário, trata-se de problemas concretos. A distribuição de mantimentos em sistemas de drive-thru – algumas pessoas também vêm a pé – atende a todos os requisitos de distanciamento social.  Um fato importante: nenhuma pergunta é feita. Aceitar ajuda de outras pessoas, inclusive do Estado, é vergonhoso para muitos, especialmente nos EUA.

fome 0

Hyacinth passou a pé.  A professora na verdade já  aposentada. No entanto, como sua pensão era insuficiente, ela trabalhou como professora assistente até recentemente. No entanto, ela não tinha permissão para dar ensino à distância como assistente na pandemia do coronavírus, e assim ela perdeu o emprego. Agora ela está recebendo um pouco de assistência social e alguns benefícios de desemprego. Mas isso também é “pouco”, diz a mulher negra e, além disso, não tenho certeza de mais nada afirma ela. Porque em poucas semanas seu direito ao seguro-desemprego expirará. Em muitos estados dos EUA, esse suporte está disponível apenas por 26 semanas. A Lei Cares permitiu que os estados estendessem isso por 13 semanas. O que acontece depois disso? “Eu realmente não sei”, ela diz enquanto espera por uma carona com seu pacote de mantimentos. Hyacinth não está sozinha. Mais de 350.000 desempregados pelo coronavírus nos EUA já haviam esgotado sua extensão de 13 semanas em meados de outubro. O programa expira no final de dezembro, e então 13 milhões de desempregados pelo coronavírus poderiam ficar completamente sem benefícios de desemprego de seus estados ou do governo federal se o período de benefício não for estendido ou uma nova ajuda for decidida no Congresso dos EUA.

Ninguém está atualmente imune à pobreza. “Cada um de nós pode estar nesta situação”, diz DiVincenzo. Seu condado é “muito diverso”, inclui a urbana e bastante negra e pobre Newark e East Orange com as pobres casas de madeira em fileiras estreitas, das quais a pintura está descascando, até subúrbios ricos, mais habitados por americanos brancos, com casas que parecem mansões e calçadas imponentes. “Tanto os pobres quanto os mais ricos são afetados pela crise”, diz ele. Na verdade, alguns dos carros parados em frente à igreja não parecem ruins. De acordo com dados da pesquisa sobre a crise da coroa nos EUA, no entanto – ao contrário da crise financeira em 2008 – desta vez são menos trabalhadores brancos e mais latinos, negros e mulheres que estão perdendo seus empregos.

“As pessoas da área que trabalham no varejo são particularmente afetadas; muitas pequenas empresas precisam fechar”, diz Cinda Williams, colega de DiVincenzo, enquanto encaminha os carros para o ponto de coleta. Normalmente, ela aconselha as pessoas que procuram trabalho no distrito. Agora ela está ajudando com a distribuição da caixa.

Mesmo antes da crise do coronavírus havia muitas dificuldades sociais nos EUA. 34 milhões de pessoas viviam abaixo da linha da pobreza. Nos últimos meses, de acordo com cálculos de pesquisadores da Universidade de Columbia, mais oito milhões de pessoas foram adicionadas – a maior parte desde que os benefícios federais para a crise extra corona expiraram no final de julho.

fome 1»Tanto os pobres como os mais ricos são afetados pela crise. Qualquer um de nós pode estar nesta situação. ”Joseph DiVicenzo, CEO do condado de Essex. Foto: Moritz Wichmann

Você não precisa apenas de mantimentos. Falta até dinheiro para os funerais de parentes falecidos, disse Williams. E com a aproximação do inverno, desligar a eletricidade e o aquecimento por conta de contas não pagas e a aquisição de agasalhos se tornará um problema. Além disso, “as pessoas precisam decidir se pagam o aluguel ou gastam dinheiro com comida”, diz ela. Quem deixa de pagar o aluguel rapidamente acaba na rua – ou na vizinha Isaiah House, um abrigo para moradores de rua com uma pensão alimentícia. “Quando o subsídio de desemprego extra de $ 600 deixou de existir no final de julho, de repente, significativamente mais pessoas relataram que não podiam mais pagar o aluguel”, disse a funcionária Julia Hismeh. 

Sem esperança em Biden

A Isaiah House oferece lousa há 25 anos. Na crise da coroa, entretanto, a necessidade é duas vezes maior. “Nos primeiros dois meses da pandemia, às vezes tínhamos 600 pessoas esperando por comida e filas ao redor do quarteirão”, disse o chefe do Tafel, Latoya Anderson.

Assim como na Igreja Batista do Calvário, nenhuma outra pergunta é feita aos necessitados. Anderson não quer assustá-los com exigências como as prescritas por outras instituições. Para muitas pessoas marginalizadas, esses são difíceis de cumprir, por exemplo, mostrando um número de segurança social ou uma certidão de nascimento. O que Anderson distribui deve “ser apenas uma ajuda adicional, as pessoas também têm direito a vale-refeição”, ela enfatiza com referência ao programa estadual correspondente.

Além de mesas de alimentação e equipamentos sociais como a Casa Isaiah, também surgiram grupos por todo o país que oferecem ajuda mútua. Tanto cidadãos que são ativos em grupos do Facebook quanto ativistas de esquerda como Jeff estão envolvidos nisso. Ele é membro do grupo Democratic Socialists of America no norte de Nova Jersey. Com outros voluntários, os ativistas do DSA ofereceram ajuda alimentar em um bairro de Newark com grande número de desabrigados antes da pandemia. No início da pandemia, isso foi descontinuado para proteção contra a infecção, agora os necessitados são abastecidos pelo parto, cerca de 200 vezes até agora.

Jeff não tem esperanças para as eleições presidenciais no início de novembro. “As dificuldades do país não vão mudar só porque em breve teremos outro presidente”, disse ele, referindo-se a uma possível vitória eleitoral de Joe Biden, do Partido Democrata. Com o aumento do número de infecções por corona, em breve estaremos de volta ao ponto em que estávamos em abril, com novas restrições ou mesmo um novo bloqueio. Mas desta vez estamos mais bem preparados, podemos distribuir mais entregas e arrecadar mais dinheiro. ”

fecho

Este artigo foi escrito originalmente em alemão e publicado pelo Neues Deutschland [Aqui!].

A morte por COVID-19 do senador que negava a gravidade da pandemia

bolso arolde

Presidente Jair Bolsonaro e o agora falecido senador Arolde de Oliveira cantaram juntos o hino da infantaria do Exército no dia 19 de novembro de 2019. Foto: Agência Brasil/Fábio Rodrigues

Inicialmente é preciso que se diga que toda e qualquer vida perdida para a infecção causada pelo coronavírus há que ser lamentada. Afinal, todo aquele que morre tem amigos e parentes com laços próximos de convivência que torna a morte um elemento trágico.

Dito isso, há que se mencionar o caso da morte por COVID-19 do senador Arolde de Oliveira (PSD/RJ) que replicou como poucos as teses negacionistas do presidente Jair Bolsonaro (ver abaixo a reprodução de um tweet de Arolde de Oliveira acerca do que ele rotulou de “vírus chinês” e do que seria uma “inutilidade do isolamento” social para evitar a propagação da COVID-19).

wp-1603380698663.jpg

A verdade é que o senador Arolde de Oliveira era uma pessoa educada com um bacharelado em Engenharia Eletrônica pelo Instituto Militar de Engenharia (IME), que esteve presente no meio político por quase 4 décadas, sempre como ocupante de cargos eletivos.  Isso o habilitava a ter uma compreensão mais racional e cientificamente ancorada dos riscos trazidos pela COVID-19.  Mas, claramente por causa dos seus acertos políticos, o senador optou por adotar o mesmo caminho negacionista do presidente Jair Bolsonaro. Isso torna sua morte aos 83 anos uma espécie de opção pessoal pela exposição ao risco extremo.

Assim, por mais lamentável que seja a morte de Arolde de Oliveira, me vem à cabeça a questão sobre todos aqueles que foram por ele influenciados em sua negação da letalidade da COVID-19.  Será que estão todos bem e ilesos ou estão tendo ou já tiveram o mesmo destino do senador? E se não estiverem bem e ilesos, como estarão sendo tratados?

Os ultra-ricos de todo o mundo ficaram ainda mais ricos com a crise causada pelo coronavírus

A riqueza total dos bilionários possuidores de mais de 2 bilhões de dólares subiu para gigantescos 10,2 trilhões de dólares

champagneCapitalismo, uma história de amor – mas apenas para os ricos. Foto: dpa / Britta Pedersen

A crise causada pelo coronavírus deixou os super-ricos em todo o mundo ainda mais ricos. Os ativos totais dos bilionários que possuem fortunas de mais de 2 bilhões de dólares em todo o mundo atingiram um valor recorde de cerca de 10,2 trilhões de dólares (8,7 trilhões de euros) no final de julho, também graças à recuperação das bolsas. A informação é baseada em cálculos da consultoria PwC e do grande banco suíço UBS, publicados na quarta-feira. De acordo com o estudo, os envolvimentos em áreas de rápido crescimento, como tecnologia e saúde, provaram ser os principais impulsionadores desse aumento de riqueza em meio a uma pandemia letal..

A enorme fortuna é, portanto, distribuída entre 2.189 homens e mulheres. Convertido em euros, a soma é mais do que o dobro da produção econômica anual total da Alemanha tida como a maior economia da Europa (2019: pouco menos de 3,5 trilhões de euros). Dinheiro, imóveis, bens de luxo, bem como ações e ativos da empresa foram levados em consideração. As obrigações financeiras foram deduzidas deste cálculo.

Na Alemanha, a riqueza líquida dos ultra-ricos subiu para US$ 594,9 bilhões no final de julho, após uma queda no início da pandemia de COVID-19. Na última investigação (em março de 2019), era de US$ 500,9 bilhões. O clube dos super-ricos alemães cresceu de 114 para 119 membros. Após a eclosão da pandemia, os bilionários alemães alcançaram o maior crescimento nas áreas de tecnologia (mais 46%), saúde (mais 12%) e finanças (mais 11%).

Tradicionalmente, tem havido relativamente poucas mudanças no alto patrimônio líquido na Alemanha, explicou Maximilian Kunkel, estrategista-chefe de investimentos do UBS para a Alemanha. “A COVID-19 está agora acelerando o crescimento dos ativos a uma taxa acima da média em áreas orientadas para a inovação, como o setor de tecnologia ou saúde, causando uma mudança nos ativos.”

De acordo com as suas declarações, os empresários nestas áreas têm beneficiado nos últimos meses com o fato de as perdas de receitas a curto prazo terem sido limitadas, enquanto as perspectivas a longo prazo melhoraram significativamente em alguns casos.

De acordo com um ranking publicado recentemente pelo Manager Magazin, os alemães mais ricos são provavelmente a família Reimann, com uma fortuna estimada em 32 bilhões de euros. Em segundo lugar está o fundador do Lidl, Dieter Schwarz, com uma fortuna estimada em 30 bilhões de euros. Os vencedores do terceiro lugar são os irmãos Susanne Klatten e Stefan Quandt, que possuem quase metade das ações da BMW. Como resultado da crise da Corona, seus ativos caíram 1,5 bilhão de euros, para cerca de 25 bilhões de euros.

Uma lista do “Welt am Sonntag” publicada em 20 de setembro, porém, chegou à conclusão de que o fundador do Lidl, Schwarz, é o alemão mais rico – com uma fortuna estimada em 41,8 bilhões de euros. A família Reimann segue em segundo lugar com 21,45 bilhões de euros. Segundo o jornal, o ranking do “Welt am Sonntag” também foi uma estimativa.

No entanto, os super-ricos também sentiram a turbulência do início da crise do coronavírus, que, entre outras coisas, provocou uma queda acentuada das cotações das ações na bolsa. De acordo com o estudo, as semanas imediatamente após a eclosão da pandemia em particular contribuíram para que a riqueza global total dos bilionários encolhesse em cerca de 6,6 por cento, para 8 trilhões de dólares, entre março de 2019 e abril de 2020. O clube dos super-ricos perdeu temporariamente 43 membros. A partir de abril, iniciou-se uma fase de recuperação em que os ativos totais aumentaram cerca de 28 por cento no final de julho de 2020. dpa / nd

fecho

Este artigo foi publicado originalmente em alemão e publicado pela Neus Deustchland [Aqui!].

O diagnóstico positivo para coronavírus de Donald Trump perturba os mercados financeiros mundiais

A notícia da infecção da corona do presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, está impactando os mercados financeiros internacionais. Os analistas temem que a incerteza política continue a crescer

trumpO presidente dos EUA, Donald Trump testou positivo para o coronavírus

O teste positivo para o coronavírus do presidente dos EUA, Donald Trump, causou inquietação nos mercados financeiros em todo o mundo. O Dax estava 1,5 por cento mais fraco na sexta-feira, com 12.542 pontos. Em Londres, o FTSE 100 caiu 1,1 por cento, o CAC 40 em Paris caiu 1,4 por cento.

Trump e sua esposa Melania testaram positivo para o patógeno, conforme o presidente dos EUA anunciou por meio do serviço de mensagens curtas Twitter. Para o presidente dos Estados Unidos, isso ocorre “em um momento extremamente desfavorável”, comentou Thomas Gitzel, economista-chefe do VP Bank. Os mercados poderiam ficar turbulentos, em particular se Trump passasse por uma doença grave: “As incertezas já existentes aumentariam novamente.”

O preço do petróleo também está caindo

Se Trump adoecer apenas um pouco e se recuperar rapidamente, ele pode esperar mais aprovação, disse Yako Sera, estrategista de mercado do Sumitomo Mitsui Trust Bank, em Tóquio . “No entanto, a doença atrapalha suas oportunidades eleitorais e o tempo antes das eleições está se esgotando.” Enquanto não estiver claro se o próximo presidente será Trump ou Joe Biden , é difícil para os mercados se posicionarem com clareza.

fecho

Este texto foi escrito originalmente em alemão e publicado pela Die Spiegel [Aqui!].

O coronavírus é ainda mais contagioso após a mutação – o que isso significa para nós?

Curso da doença, grupos de risco e descoberta de vacina

1800x1200_lungs-coronavirus

Variantes de vírus mais recentes são mais contagiosas – o que isso significa para o número de casos?

Cientistas do Hospital Metodista de Houston compararam amostras do coronavírus em dois momentos diferentesO resultado: nas amostras coletadas posteriormente – durante a segunda onda corona na cidade de Houston, nos Estados Unidos, em julho – eles encontraram mais células infectadas do que antesQuase todas as fitas de DNA da segunda onda tinham uma mutação – a chamada D614G. Segundo os pesquisadores, essa mudança garante que o vírus seja mais contagioso do que o da primeira onda. Mas o que exatamente isso significa para nós? Devemos agora nos preparar para o número extremamente crescente de casos? No vídeo, Dr. Georg-Christian Zinn, Diretor do Hygiene Center Bioscientia, o que poderia acontecer conosco.

Não mais patogênico, mas mais facilmente transferível

O estudo dos cientistas de Houston não é o primeiro a sugerir que as variantes mutantes da corona podem ser mais contagiosas. Um estudo com quase 1.000 pacientes Covid-19 em Sheffield , Reino Unido , mostrou que os pacientes infectados com a mutação D614G tinham, em média, uma carga viral mais alta em seus corpos. A boa notícia: os dados clínicos mostraram que isso não aumentou a gravidade do processo da doença.

Existe um risco maior para grupos de risco?

No entanto, a mutação ainda pode significar um risco aumentado para grupos de risco . “Se o vírus for transmitido mais facilmente, a probabilidade de afetar mais facilmente as pessoas mais velhas com doenças subjacentes é maior”, diz o Dr. Georg-Christian Zinn. No entanto, ainda existem boas oportunidades para proteger a si e aos outros. As conhecidas medidas de higiene como distância , lavagem das mãos e uso de máscara também atuaram contra as cepas do coronavírus mais facilmente disseminadas, segundo o especialista.

O que a mutação significa para a descoberta da vacina?

Felizmente, as descobertas sobre as variantes da corona mutadas até agora não foram de grande importância para encontrar a vacina, diz o Dr. Zinn. “As mutações que rastreamos até agora não são tão significativas a ponto de o vírus ter mudado completamente. Vemos pequenas mudanças individuais – por exemplo, que temos mais vírus em nossa garganta e podemos liberar mais vírus – mas não isso o vírus parece muito diferente. “

fecho

Este texto foi originalmente escrito em alemão e publicado pela RTL.de [Aqui!].

Após prometer 100 testes diários, Reitor da Uenf lança vaquinha para reabrir laboratório da COVID-19 fechado desde o início de agosto

vaca brejo

Após vários anúncios de que estava em curso uma parceria com a Prefeitura Municipal de Campos dos Goytacazes para o estabelecimento de um laboratório de referência para a análise da contaminação por coronavírus, a reitoria da Universidade Estadual do Norte Fluminense (Uenf) informou na página oficial da instituição que a unidade começaria finalmente a funcionar, proporcionando um aceleração na entrega de resultados para todos os que comparecessem para realizar o teste.

Este anúncio que ocorreu no dia 22 de maio, com pompa e circunstância, reuniu o reitor da Uenf  e o prefeito de Campos dos Goytacazes que anunciaram que em torno de 100 testes diários seriam realizados. O reitor Raul Palacio, com justo júbilo, anunciou que o início do funcionamento do laboratório dentro do Hospital Geral de Guarus (HGG) seria uma “muito importante”, pois possibilitaria ao estado ” estabelecer políticas públicas importantes no combate ao coronavírus e auxilia na obtenção de dados reais sobre o desenvolvimento da doença em seu território, permitindo estabelecer um controle adequado no avanço da doença“. 

reitor prefeitoO reitor da Uenf, Raul Palacio, e o prefeito de Campos dos Goytacazes, Rafael Diniz, anunciam o início do “laboratório de referência” para testes da COVID-19 no HGG

Por sua vez, o prefeito de Campos dos Goytacazes, Rafael Diniz, afirmou que “através da parceria com a Uenf, o laboratório do HGG passa ser referência regional, não apenas para Campos, mas também para toda nossa região. Até hoje todos os exames realizados em Campos eram enviados para o Laboratório Central (LACEN), no Rio de Janeiro, e a entrega dos resultados levava até 15 dias. Com o laboratório do HGG em funcionamento, podemos fazer até 100 análises por dia e entregar o resultado em até 24 horas”.

Passados quase quatro meses do anúncio do estabelecimento dessa unidade que seria referência na identificação de pessoas contaminadas por coronavírus em Campos dos Goytacazes, eis que o reitor da Uenf declara em uma entrevista à afiliada local da TV Globo que, por falta de recursos federais, a instituição teria decidido lançar de uma vaquinha eletrônica para retomar o funcionamento do “laboratório de referência” que estaria com seu funcionamento paralisado desde o início do mês de agosto (o que, entre outras coisas, cidadãos acorrendo à unidades municipais de saúde têm sido orientados a pagar em torno de R$ 400,00 por testes em um dos laboratórios privados operando em Campos dos Goytacazes (ver vídeo abaixo) (ver vídeo abaixo).

A simples ideia da reitoria de uma universidade pública estar lançando mão de uma “vaquinha eletrônica” (como se dizia antigamente, passando o chapéu) junto à população afetada pela pandemia e pela crise econômica que a acompanha para adquirir os insumos necessários para os testes já é um tanto grotesca.  Afinal,  o orçamento da secretaria municipal de saúde de Campos é um dos maiores do Brasil, o que já torna curioso que não haja dinheiro “local” para financiar um laboratório cujo funcionamento o próprio prefeito declarou ser de suma importância.

Mas o problema não para aí. É que os servidores municipais e estaduais de todo o Brasil (os da Uenf e os da PMCG inclusos) tiveram seus salários e direitos trabalhistas congelados até dezembro de 2021 por meio do PLP 39/2020 em troca do desembolso de socorro financeiro a estados e municípios para o combate à COVID-19. No caso de Campos dos Goytacazes, o montante alocado foi de R$ 47.225.433,15, enquanto que o montante direcionado para o estado do Rio de Janeiro teria sido de R$ 247.360.000,00.

E o que seria um item mais justificável para ser adquirido pela prefeitura e pelo governo do estado com essa bolada que no seu nascedouro pune os servidores públicos? Em outras palavras, não há como justificar essa “vaquinha eletrônica” que o reitor da Uenf está promovendo quando se considera os milhões entregues pelo governo federal para o combate à COVID-19 no Rio de Janeiro. Aliás, quem sabendo do que está sendo informado acima, vai tirar de onde não se tem para custear exames que já foram motivo de entrega de recursos do governo federal?

Nisso tudo fica ainda a estranheza de que seja o reitor da Uenf que esteja saindo a campo atrás do dinheiro necessário para fazer funcionar um laboratório localizado em um hospital municipal? Por onde anda o prefeito nessas horas? Tomou o doril que a população não encontra nos hospitais municipais e sumiu? Esse ação com tintas de puro voluntarismo desafia, entre outras coisas, o senso comum. É que no contexto de dura crise econômica e social em um município que tem mais desempregados do que empregados, pedir que a população pague os custos de um laboratório que deveria ser gratuito não faz o menor sentido.

Com a palavra a Câmara de Vereadores de Campos dos Goytacazes a quem cabe fiscalizar os atos do prefeito da capital do açúcar e do chuvisco. 

Coronavirus: AstraZeneca suspende temporariamente testes de vacinas

Decidido após a reação negativa de um paciente, o intervalo afeta um dos projetos ocidentais mais avançados. Testes globais foram lançados em vários países, incluindo o Reino Unido e os Estados Unidos.

Virus Outbreak VaccinesPesquisadores do laboratório farmacêutico AstraZeneca trabalham em uma vacina contra o coronavírus, em Garin (Argentina), no dia 14 de agosto. NATACHA PISARENKO / AP

Por Arnaud Leparmentier para o Le Monde

Donald Trump sonha com uma vacina contra a COVID-19 que o salvaria um dia antes da eleição presidencial dos EUA em 3 de novembro. O caminho promete ser delicado: o laboratório britânico AstraZeneca anunciou, terça-feira, 8 de setembro, à noite, a suspensão do ensaio clínico de fase 3 de sua vacina, desenvolvido em conjunto com a Universidade de Oxford, por conta do reação negativa de um dos pacientes do Reino Unido.

“Iniciamos uma pausa na vacinação como parte de nosso processo para permitir a revisão dos dados de segurança” , disse um porta – voz da AstraZeneca ao Financial Times . “Este é um check-up de rotina que deve ocorrer sempre que houver uma condição potencialmente inexplicada em qualquer um dos testes, a fim de garantir que a integridade de nossos testes seja mantida. “ Os dados serão analisados ​​por um comitê independente. A pausa afeta um teste lançado com 30 mil pessoas nos Estados Unidos no final de agosto, com financiamento federal.

O anúncio, que fez com que as ações da AstraZeneca caíssem nas negociações não oficiais após o fechamento de Wall Street, veio quando os chefes de nove grupos farmacêuticos, incluindo a AstraZeneca, advertiram Donald Trump, sem citá-lo, contra uma autorização apressada de uma vacina. Em seu comunicado à imprensa, eles reafirmaram seu “compromisso de desenvolver e testar vacinas potenciais contra a Covid-19 com altos padrões éticos e princípios científicos sólidos” . Os laboratórios especificam, em particular, que não solicitarão “uma autorização para o uso de emergência de uma vacina até que esta tenha demonstrado a sua segurança e eficácia através de um estudo clínico de fase 3” .

Corrida contra o tempo político

Em questão, a corrida contra o relógio político que substituiu a corrida contra o relógio médico. “Vamos ter a vacina muito rápido, talvez antes de uma certa data. Você sabe de que data estou falando ”, disse Trump na segunda-feira, 7 de setembro, enquanto suas equipes de campanha, citadas pelo New York Times, acreditam que uma vacina pré-eleitoral seria o “ Santo Graal ”. Dos nove signatários (AstraZeneca, BioNTech, GlaxoSmithKline, Johnson & Johnson, Merck, Moderna, Novavax, Pfizer e Sanofi), três estavam em ensaios clínicos de fase 3 ( Moderna, Pfizer, em associação com BioNTech e AstraZeneca). Se o chefe da Pfizer avaliou que poderia ter resultados já em outubro, a Moderna mencionou o fim do ano, enquanto o anúncio do revés pela AstraZeneca mostra que nada é certo.

Autoridades federais apelidaram o plano de uma vacina de “operação ultrarrápida “, mas seu cientista-chefe, Moncef Slaoui, disse na semana passada que as chances de obter uma vacina até no final de outubro eram “muito, muito baixas” . Desde o início da pandemia, 189.000 morreram de Covid-19 nos Estados Unidos.

Na semana passada, as autoridades federais dos Centros de Controle de Doenças convidaram os governadores e autoridades de saúde dos cinquenta estados federados a se prepararem para uma possível distribuição da vacina já neste outono, para pessoal médico e estratégico e para pessoas em risco (mais de 65 anos, população indiana, em particular): os produtos se chamam “vacina A” e “vacina B”, mas, segundo a imprensa americana, são vacinas desenvolvidas pela Pfizer-BioNTech e Moderna.

Desconfiança pública

O caso, de fato, merece preparação, essas vacinas potenciais devem ser armazenadas em temperatura muito baixa (menos 20 graus Celsius, menos 70 para a Pfizer-BioNTech). O governo se comprometeu a disponibilizar 300 milhões de doses até janeiro de 2021, o que significa solicitar injeções com antecedência, das quais não sabemos a eficácia. Essa estratégia tem sua lógica: é melhor correr o risco financeiro de perder as doses se os testes não forem conclusivos do que de um atraso na fabricação, que é custoso em termos humanos e financeiros, em caso de resultado favorável. Mas pode despertar desconfiança.

As empresas farmacêuticas estão, porém, preocupadas com a politização da ciência, o que pode levar à comercialização de uma vacina que não atenda aos padrões habituais da Food and Drug Administration (FDA) e acentuar a desconfiança da população americana. . Isso costumava ser reduzido a poderosos movimentos antivacinas – os Estados Unidos também foram atingidos pelo ressurgimento global do sarampo em 2019 – mas agora é mais amplo, devido ao temor de manipulação política. De acordo com o New Yorker , entre um terço e metade dos americanos poderiam recusar a vacina contra a Covid-19. O Ministério da Saúde pretende lançar até novembro uma campanha publicitária a favor da vacinação, com o apoio de personalidades americanas.

O FDA anunciou que não permitirá uma vacina que não seja mais de 50% eficaz, em comparação com um placebo. Mas a atitude do presidente Trump afetou sua credibilidade. Este último defendeu com unhas e dentes a suposta eficácia da hidroxicloroquina, autorizada com urgência pelo FDA no final de março, antes de ser revogada em meados de junho. O FDA também autorizou o uso de plasma coletado de pacientes que desenvolveram anticorpos contra a COVID-19, mas essa decisão foi criticada, na ausência de um estudo com um grupo de placebo.

fecho

Este artigo foi escrito originalmente em francês e publicado pelo Le Monde [Aqui!].

Brasil ultrapassa 120 mil mortos pela COVID-19

corona

Com mais 858 óbitos nas últimas 24 horas, o Brasil atingiu 120.452 mortos pela COVID-19. No tocante à infecção pelo coronavírus, o valor de infectados nas últimas 24 horas, o Brasil teve mais 32.202 casos, totalizando 3.844.807 infectados.

Em meio a essa catástrofe humanitária, o país continua com um general, Eduardo Pazuello, que não possui nenhum conhecimento na área médica, mas que está ministro da Saúde. 

Está evidente que todas essas mortes não teriam ocorrido se o governo Bolsonaro, a começar pelo presidente, não tivesse optado por desmobilizar todos os esforços em prol do confinamento social e da adoção de regras que impedissem a rápida disseminação do coronavírus.

A verdade é que o que está acontecendo no Brasil neste momento terá fortes repercussões sociais, econômicas e políticas.  O ano de 2021 não será nada fácil, mesmo porque a pandemia da COVID-19 não deverá se encerrar em 2020.

General Pazuello, o otimista, encontra sua aurora no frango rejeitado pela China

fogo

O general e ministro interino da Saúde do governo Bolsonaro, Eduardo Pazuello, vivenciou um daqueles momentos que em tempos normais seria matéria prima para piadas (será que o Marcelo Adnet vai deixar passar essa oportunidade?). É que em uma reunião de prestação de contas junto à Organização Mundial da Saúde (OMS), o general Pazuello enfatizou o fato do Brasil ser o país com o maior número de recuperados da infecção do coronavírus, e auto congratulou o governo Bolsonaro por seus supostos êxitos no controle da pandemia da COVID-19. O detalhe que o general Pazuello esqueceu em seu relato otimista foram os mais de 100 mil mortos pela COVID-19, o que torna o Brasil o segundo país com mais óbitos nesta pandemia.

Fechemos o pano momentaneamente para o General Pazuello.

Quase que simultaneamente ao relato para lá de otimista do ministro interino da Saúde, o governo da cidade chinesa de Shenzen rejeitou um carregamento de asas de frango oriundo do Brasil pelo fato do mesmo estar contaminado por coronavírus segundo informou o jornal chinês publicado em inglês “Global Times”.

Mais do que um problema pontual com um carregamento, o que a descoberta desta carne contaminada levanta para os importadores de carne brasileira é de quais seriam as condições sanitárias em que os trabalhadores brasileiros estão trabalhando em meio à pandemia da COVID-19. 

E a coisa aqui é muito simples: existem informações vindas de diferentes partes do Brasil no sentido de que há um alto número de contaminações dentro das plantas industriais dos frigoríficos brasileiros.  A questão é que até agora não havia nenhum caso de rejeição de uma carga brasileira por causa da contaminação pelo coronavírus. Mas agora a partir do carregamento detectado em Shenzen é bem provável que a coisa mude de figura (para pior, obviamente) e os produtos brasileiros comecem a passar por crivos sanitários mais apertados. O risco aqui é de um fechamento completo dos mercados internacionais aos produtos brasileiros de origem animal até que se prove que não estamos exportando mais do que proteína em nossos carregamentos. 

Como tudo o que está ruim pode piorar, segundo uma das leis de Murphy, a mídia internacional está noticiando hoje que a Amazônia brasileira está iniciando o pior início da estação de queimadas desta última década.  Assim, não haverá como o general e dublê de ministro Eduardo Pazuello possa manter o elevado grau de otimismo que demonstrou na reunião com a OMS.