Alemanha: Creches abertas? sim, mas!

Educadores de Brandemburgo estão pedindo melhores conceitos de proteção para creches, testes para COVID-19 e um rápido processo de vacinaçãoUma criança não testada mede febre em um brinquedo macio

Uma criança não testada mede a temperatura de um brinquedo de pelúcia. Foto: iStock / lithiumcloud
 
Por Ulrike Wagner para o Neues Deutschland

“Entre o Natal e o Ano Novo, dez professores de nossa instituição adoeceram com o coronavírus”, disse a educadora de Potsdam, Jana Müller, em uma entrevista coletiva sobre a situação nas creches de Brandenburg nesta terça-feira. Eles não sabem onde foram infectados. Mas: Havia cinco crianças com resfriados na época. No final das contas, uma criança sem sintomas de resfriado testou positivo para  a COVID-19.  A membro do Conselho de tTrabalhadores pede ao governo estadual de Brandenburg que forneça mais proteção contra a COVID-19 para os educadores em Brandenburg.

Com ela, mais de 530 outras pessoas (na tarde de terça-feira) que assinaram uma petição online de Verdi desde domingo, estão pedindo isso. “O funcionamento regular só é possível com educadores saudáveis”, diz o sindicato. “Apelamos ao governo do estado para finalmente agir e enfrentar a discussão com os educadores”, diz Frank Wolf. Uma carta do sindicato ao primeiro-ministro Dietmar Woidke e à ministra da Educação Britta Ernst (ambos SPD) permanece sem resposta até agora, de acordo com o chefe regional do Verdi de Berlin-Brandenburg. Especificamente, os signatários da petição exigem o fornecimento regular de máscaras de proteção, testes rápidos semanais para detectar a infecção por coronavírus, e a oferta de serem vacinados o mais rápido possível,

O governo estadual “apela” aos pais para que cuidem dos filhos em casa. As creches só devem permanecer fechadas em regiões com número particularmente alto de infecções, como é o caso atualmente nos distritos de Oberspreewald-Lausitz e Ostprignitz-Ruppin. No momento, as 1900 creches em Brandenburg estão abertas quase normalmente, com capacidade de 70 a 90%, de acordo com a coletiva de imprensa. Isso corresponde aproximadamente à taxa de ocupação de janeiro passado. O Ministério da Educação de Brandemburgo contradiz esta informação. De acordo com os departamentos sociais responsáveis ​​dos distritos urbanos, a ocupação das creches é de apenas 45 a 60%, de acordo com a porta-voz do ministério Ulrike Grönefeld. Isso corresponde, a grosso modo, aos valores do pronto-socorro quando as creches estavam fechadas. A estratégia de teste nas creches também terá continuidade. As capacidades de testagem ainda estão sendo negociadas.

A petição online, entretanto, critica o fato de não haver exigência de máscara nem testes abrangentes. No site do ministério está escrito: »Geralmente não é necessário que os profissionais da educação usem máscaras FFP2 ou FFP3 como equipamento de proteção individual.”

Diana Walluks, educadora em Kremmen e presidente do grupo de especialistas regionais do Verdi para o bem-estar social, infantil e juvenil, relata a existência de um grande medo de infecção entre os educadores. Os regulamentos inconsistentes também inquietaram seus colegas.

Esse quadro também se reflete nos mais de 250 comentários sobre a petição que já estavam lá na tarde de terça-feira. “Como educadores, também temos famílias em casa que queremos proteger. Cada vez que vou para casa com um sentimento de medo – de arrastar este vírus comigo hoje e transmiti-lo à minha família «, escreveu uma pessoa que assinou a petição. Não é possível manter distância de crianças menores de seis anos, escreve Antje Graßhoff-Meyer: »As crianças não apresentam sintomas e não são testadas. De acordo com relatos de meus colegas de outras creches do nosso provedor, as crianças chegam sem fazer o teste e ambos os pais estão infectados. “

Desde segunda-feira, educadores da cidade de Potsdam podem fazer um teste de saliva duas vezes por semana. Não as crianças – muitas vezes sem sintomas. Claudia Mühlmann da VSB Child and Youth Welfare em Potsdam não consegue, como ela diz, “encontrar uma resposta politicamente correta” para o porquê disso. Ela suspeita que isso tenha motivos financeiros. Além de vários testes rápidos por semana, a proteção vacinal deve ter alta prioridade para os educadores. O sindicato Verdi pede que os educadores tenham a maior prioridade, ao lado das profissões médicas. No entanto, a vacinação não deve ser obrigatória, afirma o sindicalista Wolf. A educadora de Potsdam Jana Müller mencionada no início explica: »Creches abertas, sim, mas, por favor, vacine primeiro os educadores.

Na situação atual, segundo o sindicato e os educadores presentes, não deveria haver um atendimento regular. Deve ser claramente regulamentado quem pode fazer uso dos cuidados de emergência. “O que queremos evitar é que a gerência do Kita no local tenha que discutir com os pais se eles são sistemicamente relevantes ou não”, diz Frank Wolf.

A situação também é desafiadora para pais e filhos. “Não há conversas com os pais”, explica Sylvia Papendorf, presidente do conselho geral de trabalho da Volkssolidarität. É difícil explicar às crianças que não devem se misturar com os outros grupos no parquinho. “Mas as crianças se dão muito bem com as situações”, diz Papendorf.

Liane Sachse, de Ludwigsfelde, quer que as decisões do governo sejam comunicadas mais cedo. “Até os educadores precisam de planejamento de segurança, eles também têm filhos e famílias”, diz o gerente do Kita.

fecho

Este texto foi originalmente escrito em alemão e publicado pelo jornal “Neues Deutschland [Aqui!].

Paulo Guedes e sua ideia fixa de “vouchers” emperram aprovação do Fundeb

paulo guedesO ministro da Fazenda, Paulo Guedes, quer tirar R$ 6 bi do Fundeb para financiar a educação privada, setor onde possui investimentos bilionários

Em uma reportagem assinada pelos jornalistas Bernardo Caram e Danielle Brant intitulada “Governo quer R$ 6 bilhões do Fundo de Manutenção e Desenvolvimento da Educação Básica (Fundeb para bancar ‘voucher-creche’ no setor privado”,  o jornal Folha de São Paulo joga luz sobre uma manobra que foi engendrada pelo ministro da Fazenda, Paulo Guedes, para empurrar uma ideia que ele tirou da experiência malsucedida das reformas educacionais promovidas pela ditadura de Augusto Pinochet (ver imagem abaixo).

voucher creche

Se houvesse uma real preocupação com o acesso de crianças pobres a creches, o governo Bolsonaro tentaria aumentar o montante de contribuição do governo federal para compor os fundos que formam o Fundeb em vez de diminuir como está propondo na prática.

Mas é preciso lembrar que tanto o ministro Paulo Guedes, como sua irmã Elizabeth Guedes, não só possuem laços com os setores privados da educação, como o ministro da Fazenda possui investimentos bilionários no setor educacional privado e a distância, chegando a captar R$ 1 bilhão de fundos de pensão. Aliás, não custa nada lembrar que é por causa desses investimentos que Paulo Guedes acabou enrolando na chamada Operação Greenfield, onde ele é acusado de ter ganho mais do que devia nas transações que fez com vários fundos de pensão, entre eles o Previ (Banco do Brasil), Petros (Petrobras), Funcef (Caixa), Postalis (Correios).

Como se vê, quando se trata das investidas de Paulo Guedes contra a coisa pública, o mais provável é que ele esteja mirando em ganhos privados para ele e seus associados.