Alemanha, Reino Unido, China e ONU pedem estímulo verde para a recuperação econômica pós-COVID-19

Father and child hiking together in a forest stream

Os pacotes de recuperação econômica pós COVID-19 devem respeitar o meio ambiente e o Acordo de Paris sobre mudança do clima, afirmaram hoje (28/4) a chanceler alemã Angela Merkel, o primeiro-ministro britânico Boris Johnson, o secretário geral da ONU Antonio Guterres e o enviado de Xi Jinping, Huang Runqiu, em uma cúpula climática global em Berlim.

Em suas falanDiálogClimáticdPetersberg – realizado on-line pela primeira vez devido à pandemia atual – os líderes pediram aos governos que estão elaborando planos para reiniciar suas economias que eles não resultem em um aumento das emissões dos gases responsáveis pelo aquecimento global.

“O coronavírus nos mostra que a cooperação internacional é crucial e que o bem-estar de uma nação sempre depende do bem-estar de outras. Com o Acordo Verde da Europa, a Comissão da UE mostrou o caminho a seguir. A Europa deve se tornar o primeiro continente neutro em termos de emissões até 2050”, destacou Angela Merkel, chanceler da Alemanha. “Combinaremos a ação climática com novas perspectivas econômicas e novos empregos. Deixe-me esclarecer: haverá um debate difícil sobre a alocação de fundos. Mas é importante que os programas de recuperação estejam sempre de olho no clima, não devemos deixar de lado o clima, mas investir em tecnologias climáticas”, destaca.

De acordo com a AdministraçãNacionaOceânicAtmosférica dos EUA, 2020 está a caminho de ser um dos – se não o – ano mais quente já registrado. Os níveis recorde de gases de efeito estufa na atmosfera estão ligados a uma série de eventos climáticos globais cada vez mais extremos.

“Os eventos climáticos extremos não estão dando um tempo enquanto lidamos com outras prioridades, e algumas das pessoas mais vulneráveis do mundo continuam sofrendo como resultado, como vimos quando o ciclone Harold atravessou o Pacífico Sul este mês”, lembrou Boris Johnson, primeiro ministro do Reino Unido em discurso lido pelo secretário de Relações Exteriores, Dominc Raab. “As nações começarão a emergir do confinamento e tentarão reavivar suas economias mais uma vez. Quando isso acontecer, será dever de todo governo responsável garantir que nossas economias sejam revividas e reconstruídas de maneira a resistir ao teste do tempo. Isso significa investir em indústrias e infraestrutura que podem mudar a situação das mudanças climáticas. E significa fazer todo o possível para aumentar a resiliência ao moldar economias que possam suportar tudo o que a natureza nos lança. Não há escolha entre corte de emissões e economias em crescimento. Esse é um mito que o Reino Unido ajudou a quebrar na última década”, ressaltou.

Para o Secretário Geral da ONU Antonio Guterres, “alguns países, incluindo o Chile, o atual presidente da COP, já enviaram NDCs aprimorados e outros 114 países anunciaram que o farão. 121 países se comprometeram a alcançar a neutralidade do carbono até 2050. A chave para enfrentar a crise climática são os grandes emissores. Não devemos esquecer que os países do G20 representam coletivamente mais de 80% das emissões globais e mais de 85% da economia global. Eles também devem se comprometer com a neutralidade do carbono em 2050. O Acordo de Paris foi amplamente possível graças ao envolvimento dos Estados Unidos e da China. Sem a contribuição dos grandes emissores, todos os nossos esforços serão condenados”.

O Ministro das Relações Exteriores do Butão, Dr. Tandi Dorji, representando os Países Menos Desenvolvidos, reiteirou a mensagem de Guterres: “Qualquer queda nas emissões globais não será significativa nem duradoura, a menos que seja apoiada por promessas climáticas ambiciosas. Este ano, devemos ver países com altos níveis de emissões enviar NDCs novos e atualizados com a maior ambição possível, o que representará sua parte justa de ação, conforme exigido pelo Acordo de Paris”.

O Ministro da China, Huang Runqiu, reafirmou a posição de colaboração de seu país: “Como firme defensora do multilateralismo, a China se juntará a outros países para promover uma implementação completa, equilibrada e eficaz do Acordo de Paris. Implementaremos nossa estratégia nacional proativa de mudança climática e contribuiremos para os esforços de colaboração para enfrentar as mudanças climáticas globais”.