Reitoria tenta implantar o uso de contingente policial dentro do campus da UENF sem qualquer discussão prévia

cproeis

Acabo de ser informado que a reitoria da UENF reservou mais uma surpresa para a comunidade universitária na reunião do Conselho Universitário (CONSUNI) que ocorreu na manhã desta 5a. feira (03/07). Sem discussão prévia e com inclusão como ponto de pauta na abertura da reunião, os gestores da UENF quiseram impor a adesão da universidade ao “Programa Estadual de Integração da Segurança” (PROEIS).

O argumento apresentado pelos gestores da UENF foi de que essa é a única alternativa possível para evitar o caos na segurança do campus Leonel Brizola em função da atual crise financeira por que a instituição atravessa. Na prática, a partir da adesão ao PROEIS, a segurança interna da UENF seria garantida por um contingente de quatro policiais armados que realizariam patrulhas ostensivas durante 24 horas nos 7 dias da semana. Além disso, o uso do PROEIS possibilitaria a demissão de pelo menos 20 seguranças patrimoniais da empresa HOPEVIG que passaria então a guarnecer apenas o interior dos prédios, ficando a PM responsável pelas áreas de circulação externa.

Apesar da pressão feita pelos gestores, vários membros do CONSUNI apresentaram várias objeções à presença da PM no interior do campus universitário por entenderem que isto estaria implicando na militarização da vida universitária. A partir destes questionamentos é que, ao contrário do que queria a reitoria, a aprovação final da adesão da UENF ao PROEIS ficou condicionada a uma consulta a todos os laboratórios da UENF, para que na próxima reunião do CONSUNI haja uma decisão final sobre a adesão ou não ao PROEIS.

Em que pese não ter nada pessoal contra policiais militares, penso que esta proposta da reitoria da UENF é altamente problemática e poderá resultar em sérios conflitos entre a comunidade e o contingente de PMs que viria trabalhar no campus. Um exemplo vivo deste tipo de uso de forças policiais para policiar áreas internas de universidades é a USP, onde os conflitos têm sido constantes e violentos.

Como essa é uma questão que interessa a todos, é surpreendente que novamente a reitoria da UENF (como já fez no caso da quebra do regime de Dedicação Exclusiva dos docentes) apareça com essa proposta de militarização da segurança do campus Leonel Brizola, sem que tenha ocorrido uma ampla consulta prévia a todos os segmentos que compõe a comunidade universitária. Felizmente, houve a devida reação dentro do CONSUNI, e agora há que se cobrar que a discussão ocorra de forma transparente e democrática.