Observatório dos Agrotóxicos: com liberação de mais 25 agrotóxicos, governo Bolsonaro totaliza 1.660 liberações em 39 meses e 1,4 por dia

tereza bolsonaro

Jair Bolsonaro e Tereza Cristina seguem com a marcha desenfreada de liberações de venenos agrícolas altamente tóxicos

Em uma demonstração óbvia de que não está esperando pela aprovação do Pacote do Veneno também no Senado Federal, o governo Bolsonaro liberou por meio do Ato No. 14 de 07 de março um total de 25 agrotóxicos do tipo “produto técnico”, levando seu “grand total” a 1.660 venenos agrícolas liberados em 1.169 dias de governo, o que dá a média de 1,4 agrotóxicos liberados por dia. Até para um país cuja agricultura de exportação está firmemente aprisionada na dependência química, esses números são de assombrar qualquer um que se preocupa com os ecossistemas nacionais e a saúde dos brasileiros.

Agrotóxicos proibidos na União Europeia circulam livremente no Brasil

Brasil é 2º maior comprador de agrotóxicos proibidos na Europa, que importa  alimentos produzidos com estes químicos

Um aspecto repetitivo de toda essa onda de aprovações é a presença de produtos banidos na União Europeia cuja legislação pode ser considerada mais rígida do que a brasileira. A “estrela” do Ato No. 14, com 7 produtos liberados, é o Espirodiclofeno, um acaricida que foi proibido na União Europeia (UE) em julho de 2020. Mas além desse, esse ato mais recente também liberou o fungicida Epoxiconazol que está proibido na UE desde abril de 2020.

De quebra, outro “proibidão” liberado foi o fungicida Carbendazim que está proibido desde 2014 após ter sido relacionado a uma ampla gama de doenças que incluem embriotoxicidade, apoptose, teratogenicidade, infertilidade, disfunção hepatocelular, efeitos de desregulação endócrina, interrupção de funções hematológicas, anomalias do fuso mitótico, efeito mutagénico e aneugênico.

Mas apesar de todos esses efeitos, o governo Bolsonaro liberou 10 agrotóxicos contendo o princípio ativo do Carbendazim, uma substância pertencente ao grupo químico Benzimidazol.

A predominância da China como principal fornecedora de agrotóxicos para o Brasil

Agrotóxicos produzidos na China são maioria no pacote de venenos aprovado  pelo governo Bolsonaro |

Outra característica de liberações anteriores que se repetiu no Ato No. 14 foi a forte presença de empresas chinesas no fornecimento de venenos agrícolas para a agricultura nacional, na medida que 24 dos agrotóxicos serão produzidos por empresas sediadas na China. Entretanto, a única exceção que foi o fungicida Pidiflumetofem é produzido na Suiça pela Syngenta, que também é uma empresa chinesa.

Um dado expressivo sobre a dependência brasileira da indústria chinesa de agrotóxicos é que dos 1.660 agrotóxicos liberados nos 39 meses de governo Bolsonaro, 1.001 são “Made in China”, um número que ainda não representa a totalidade do impacto chinês, na medida em que empresas sediadas em países como a Suiça (Syngenta) e Israel (Adama) são de fato propriedade da ChemChina, fundada em 1984, que é um empresa química estatal chinesa que atua nos segmentos de produtos agroquímicos,  borracha, materiais químicos e especialidades químicas, equipamentos industriais e processamento petroquímico para os setores civil e militar.

Com uma 1,4 agrotóxico liberado por dia, governo Bolsonaro deverá ultrapassar 2.000 agrotóxicos liberados em 4 anos de mandato, um verdadeiro recorde mundial

Transgênicos e agrotóxicos: dois “temperos” ocultos na comida do brasileiro  |

Se o governo Bolsonaro mantiver sua média diária de liberações de venenos agrícolas  é de 1,42 por dia, o mais provável é que a dupla Jair Bolsonaro e Tereza Cristina coloquem mais de 2.000 agrotóxicos em um mercado já saturado deste tipo de produto altamente tóxico, o que invariavelmente nos levará a uma crise sanitária em alguns anos, dada a toxicidade de muitos dos produtos que estão sendo liberados, digamos, com sofreguidão.

Por isso tudo é que repito ser fundamental que haja um amplo debate em torno do modelo de agricultura viciada em agrotóxicos que hoje é hegemônica. O fato é que além de ser altamente poluentes e tóxicos, os agrotóxicos são hoje protegidos por uma série de benesses fiscais, causando fortes perdas financeiras a economia brasileira.

É passada a hora de se deixar de premiar o latifúndio agro-exportador e as corporações químicas às custas da degradação ambiental e do envenenamento da água e dos alimentos que os brasileiros consomem.

Quem desejar baixar a planilha contendo os 25 agrotóxicos liberados pelo Ato No. 14, basta clicar [Aqui!]. Para os interessados em baixar a planilha contendo os 1.660 agrotóxicos liberados pelo governo Bolsonaro, basta clicar [Aqui!].

Proibida na União Europeia desde 2004, atrazina em falta deixa em pânico o latifúndio agro-exportador, mas é uma boa notícia para o meio ambiente e a saúde dos brasileiros

AtrazineCHBlogA atrazina é conhecida por ter alta capacidade de contaminar ambientes aquáticos, inclusive aqueles usados para captação de água para consumo humano

Apesar da tsunami de aprovações de agrotóxicos pelo governo Bolsonaro, o setor agro-exportador está vivendo momentos de forte ansiedade por causa do suprimento escasso de fertilizantes e agrotóxicos pelos fornecedores globais.  Essa situação é causada principalmente pelos gargalos logísticos formados pela persistência mundial da pandemia da COVID-19, a começar pela China que está experimentando para fazer chegar seus produtos a outros mercados.

Um caso que mostra o aperto vivido pelo latifúndio agro-exportador é o caso do herbicida Atrazina que motivou hoje manifestações públicas da Associação Brasileira dos Produtores de Milho (Abramilho) e a Associação Brasileira dos Produtores de Soja (Aprosoja Brasil). É que segundo essas entidades do agronegócio, a falta de atrazina deverá prejudicar a produção dessas duas commodities.

Para quem não sabe a Atrazina foi inicialmente banida na Alemanha em 1991 e na União Europeia como um todo em 2004.  As razões para o banimento da Atrazina são as mais amplas possíveis, já que esse composto causa não apenas alterações ambientais na fauna e na flora, contaminação de sistemas aquáticos, e ainda um amplo conjunto de enfermidades graves que inclui diversos tipos de câncer (por exemplo: ovário, próstata, útero e mamas), alterações no sistema endócrino, afetando ainda fígado e rins, hormônios e o aparelho cardiovascular.

Mas apesar de todos os problemas que são amplamente conhecidos, o latifúndio agro-exportador continua usando a atrazina como se fosse água benta.  Ciente dessa avidez pelo consumo de atrazina, o governo Bolsonaro aprovou nos últimos 3 anos, 30 novos agrotóxicos contendo atrazina. O mais incrível é que nessas liberações a atrazina foi classificada com sendo de Categoria 5 que é aquela que inclui substâncias consideradas como improváveis de causarem dano à saúde humana!

Esses fatos revelam a falta de preocupação dentro do governo Bolsonaro, especialmente no Ministério de Agricultura comandado pela deputada federal Tereza Cristina (DEM/MS), com a saúde dos brasileiros.

Essa falta de atrazina no mercado e os consequentes reclamos das entidades representativas do latifúndio agro-exportador podem ser considerados um fato positivo em meio a tanta desgraça, pois se está faltando esse potente veneno agrícola, menos danos teremos no meio ambiente e na saúde dos brasileiros.

Dossiê é lançado para dar embasamento científico à disputa política sobre agrotóxicos na arena legislativa

monocultura

Foto: Chris Ensminger/Unsplash

Nesta terça-feira (06), foi lançado o “Dossiê Contra o pacote do Veneno e em Defesa da Vida“, no quarto e último encontro da Mobilização Nacional Contra os Agrotóxicos e Pela Vida.  Este dossiê sintetiza um conjunto de estudos e análises técnico-científicas e é resultado de um processo de cooperação entre a Associação Brasileira de Saúde Coletiva (Abrasco), a  Campanha Permanente Contra os Agrotóxicos e Pela Vida,  Instituto Ibirapitanga, Patrícia Canto e pela FIOCRUZ.

dossie agrotóxicos

O dossiê relata as diversas manobras do Congresso Nacional nas tentativas de aprovar o “Pacote do Veneno” ou Projeto de Lei n.o 6.299/2002 e analisa e denuncia as propostas perversas do agronegócio e das indústrias agroquímicas e seus aliados no Executivo e Legislativo, no sentido de aumentarem ainda mais a venda e o uso de agrotóxicos, consequentemente, ampliando a intoxicação da vida (vegetal, animal e ambiental) no território brasileiro.

Mas o dossiê também apresenta alternativas para enfrentar o modelo agrícola hegemonico, mostrando práticas e trazendo propostas baseadas na produção agroecológica, de caráter coletivo, democrático, de
promoção da vida e produção de alimentos saudáveis. Estes itens estão contidos na Política Nacional de Redução do Uso de Agrotóxicos ou PNARA ou Projeto de Lei n.o 6.670/2016,  que são defendidos no Dossiê.

Quem desejar baixar o arquivo contendo este importante dossiê, basta clicar [Aqui!].

‘Eu lavo toda a minha comida como um louco’: cientistas expressam preocupação com as nanopartículas

Os alimentos dos EUA estão cada vez mais cheios de aditivos em escala nano, mesmo quando os pesquisadores soam o alarme sobre sua segurança

nanoparticulas

O dióxido de titânio, amplamente utilizado para dar aos alimentos um brilho branco, é um dos muitos novos aditivos alimentares que podem causar problemas de saúde. Foto: Ruth Black / Alamy

Por Mićo Tatalović para o “The Guardian”

A França está reprimindo um aditivo alimentar comum que se mostrou carcinogênico em estudos com animais. A proibição do dióxido de titânio, anunciada pelo governo francês no mês passado, segue uma revisão que não descartou os riscos de câncer humano.

A proibição é apenas o mais recente capítulo de um longo debate sobre a segurança de aditivos alimentares generalizados conhecidos como nanopartículas, que são amplamente não regulamentadas nos EUA. Esse conjunto de ingredientes, projetado em escala quase atômica, pode ter efeitos indesejados nas células e órgãos, particularmente no trato digestivo. Há também indicações de que as nanopartículas podem entrar na corrente sanguínea e se acumular em outras partes do corpo. Eles têm sido associados a inflamação, danos no fígado e nos rins e até danos cardíacos e cerebrais.

Os desenvolvimentos tecnológicos das últimas duas décadas fizeram com que pudéssemos agora projetar partículas minúsculas muito mais facilmente – e suas propriedades incomuns as tornam úteis na indústria alimentícia. Eles são usados ​​atualmente para mudar a textura, aparência e sabor de vários alimentos. Por exemplo, o dióxido de silício é adicionado aos sais, especiarias e açúcar de confeiteiro para melhorar seu fluxo. Sal e chá verde são moídos em partículas de tamanho nanométrico para aumentar seu sabor ou melhorar suas propriedades antioxidantes.

O dióxido de titânio, ou TiO2, aparece em doces, assados ​​e leite em pó, geralmente como agente clareador. Mas o pequeno aditivo de metal também se acumulou nos tecidos do fígado, baço, rim e pulmão em ratos quando ingerido e danificou o fígado e o músculo cardíaco.

Devido a preocupações de segurança, alguns cientistas que estudaram nanopartículas dizem que teriam reservas sobre a ingestão de alimentos que contenham a tecnologia. “Como consumidor, lavo todos os meus alimentos como loucos”, diz Christine Ogilvie Hendren, diretora executiva do Centro de Implicações Ambientais da Nanotecnologia da Duke University, quando questionada se os consumidores podem lavar algumas das nanopartículas que são cada vez mais encontradas alimentos e embalagens.

Efeitos sobre a saúde do dióxido de titânio observados no laboratório foram particularmente agudos em animais jovens, o que é uma preocupação, uma vez que as crianças são especialmente expostas a ele através de doces, goma de mascar e sobremesas.

“Pode haver preocupações para crianças pequenas quando você tem uma massa corpórea pequena que está ingerindo muitos desses produtos de doces”, diz Christine K Payne, professora associada de engenharia mecânica e ciência de materiais da Duke University.

Os cientistas tendem a concordar que o argumento para a proibição de tais partículas, cujo único benefício é cosmético, é mais forte do que para partículas que melhoram o prazo de validade. Na ausência de uma proibição, alguns exortariam os consumidores a optarem por sair quando possível.

“Eu definitivamente gostaria de usá-los com cautela. Se você puder evitá-lo, evite-o ”, diz Sowmya Purushothaman, pesquisador em biotecnologia da Universidade da Califórnia, Merced. “Não há razão para usar goma de mascar contendo TiO2, dado que muitas crianças são as que as usam. Você não precisa deixar mais brilhante para atrair as crianças. ”

Hendren concorda, dizendo que ela não vai comprar doces para seus próprios filhos contendo o aditivo.

Um estudo de 2013 realizado por Cho Wan-Seob, da Universidade Dong-A, na Coréia do Sul, e seus colegas, não encontraram acúmulo significativo em ratos quando ingeridos, e sugeriram que a maior parte foi eliminada pelas fezes.

Os efeitos das nanopartículas dependem de uma ampla gama de fatores, incluindo seu tamanho, estrutura, revestimento, dose e também com o que são consumidos. Provar impactos na saúde humana é difícil, e o próprio termo “nanopartícula” dificulta a abordagem da segurança. “Trata-se de entender como todo o conjunto de elementos que compõem o universo se comporta em uma determinada escala”, diz Hendren. Ela diz que perguntar se as nanopartículas são prejudiciais é como perguntar: “Todas as coisas da tabela periódica são reduzidas a certo tamanho, seguro ou perigoso?”.

Payne, que estuda a inalação de nanomateriais, diz que quando ela testa concentrações de algumas nanopartículas em níveis 10 a 100 vezes menores do que aquelas consideradas “seguras” por testes toxicológicos tradicionais, elas ainda encontram muitos efeitos moleculares e genéticos inesperados.

“O que todos os laboratórios [fazendo essa pesquisa] estão vendo agora é que existem efeitos além da toxicidade, então você pode trabalhar com concentrações não tóxicas, mas ainda ver, por exemplo, uma resposta ao estresse oxidativo que pode levar à inflamação”, diz Payne. “Esses efeitos mais sutis são importantes, especialmente em relação à exposição em longo prazo?” Ninguém sabe.

“É uma nova tecnologia; nós ainda só sabemos 10% sobre isso ”, diz Sonia Trigueros, membro da Universidade de Oxford, Reino Unido, e ex-co-diretora do Programa Martin Martin de Nanotecnologia.

Seu uso na indústria de alimentos está crescendo, mesmo quando a pesquisa em saúde humana é limitada. “Nano na comida é um campo muito grande agora. Ela vai de pesticidas, patógenos, processamento de alimentos a novos sabores ou para reduzir a quantidade de açúcar que você precisa adicionar ”, diz Trigueros. Nos próximos anos, os consumidores serão apresentados a uma nova geração de nanopartículas ativas, projetadas para tornar as embalagens biodegradáveis, melhorar a vida útil e ajudar a evitar o desperdício de alimentos.

Uma das revisões mais recentes e abrangentes sobre a segurança de nanopartículas em alimentos, liderada por David Julian McClements, da Universidade de Massachusetts, concluiu que “há evidências de que algumas delas podem ter efeito prejudicial”. Uma falta geral de pesquisa significa que a avaliação de potenciais efeitos prejudiciais é difícil, disse, e mais estudos são “urgentemente necessários”.

McClements apontou que as nanopartículas de prata, amplamente usadas em embalagens como antimicrobianos para manter os alimentos frescos, podem lixiviar os alimentos e potencialmente matar boas bactérias em seu intestino. Os cientistas dizem que o uso dessa tecnologia no empacotamento de alimentos explodiu nos últimos 15 anos, mas ninguém acompanha todos os seus usos ou sabe qual seria a exata exposição combinada para o consumidor médio.

“Você pode ir ao Wal-Mart e comprar pequenas sacolas de plástico Ziplock que têm nanopartículas no plástico porque você obtém maior prazo de validade por causa do crescimento bacteriano reduzido, pois os íons das nanopartículas são liberados lentamente”, diz Jason White, químico estadual e vice-presidente. diretor e químico analítico chefe na Estação Experimental Agrícola de Connecticut. “Esses materiais estão por aí e estamos sendo expostos a eles.”

As regulamentações, segundo os cientistas, estão atrasadas em relação ao lançamento dessa tecnologia, especialmente nos EUA.

“Nos EUA, não há requisitos regulatórios em escala nano específicos”, diz White, apontando que você pode até comprar nanofertilizantes e nanoagrotóxicos online, e que ninguém sabe realmente qual, se algum, efeito que pode ter sobre seus vegetais e sua saúde.

Desde 2011, a União Européia exige que todos os nanomateriais artificiais sejam claramente indicados na lista de ingredientes, e que quaisquer novos nanomateriais precisem passar pela segurança exigida pelo Regulamento de Novos Alimentos da UE de 2015.

A Food and Drug Administration (FDA) disse que “não há provisões específicas na Lei Federal de Alimentos, Medicamentos e Cosméticos que tratam de nanomateriais em alimentos”. As nanopartículas projetadas nos EUA são reguladas exatamente como outros aditivos alimentares, com base nas diretrizes de 1958 e 1997, mesmo que a maior parte do desenvolvimento científico e da pesquisa sobre os impactos na saúde tenha ocorrido desde então.

“Talvez, de certa forma, as pessoas confiem nesses órgãos reguladores um pouco mais do que deveriam”, diz Payne.

Ao falar com o Guardian, vários pesquisadores expressaram preocupação de que, daqui a 20 a 30 anos, perceberemos que algumas nanopartículas realmente têm efeitos na saúde em longo prazo.

“Não sabíamos há décadas que o amianto era perigoso”, diz Michelle Lynch, química e diretora da Enabled Future Limited, uma consultoria com sede em Londres sobre produtos químicos e materiais avançados. “Não foi possível provar que fumar foi perigoso por décadas. E o mesmo [poderia] ser verdade para a nanotecnologia ”.

_____________________________________________

Este artigo foi publicado originalmente em inglês pelo jornal “The Guardian” [Aqui!].

Norsk Hydro e as diversas facetas da hecatombe socioambiental em Barcarena (PA)

barcarena hydro

Enquanto a mídia corporativa brasileira rapidamente soterrou o incidente ambiental causado pelo Norsk Hydro na cidade de Barcarena (PA), o jornal britânico “The Guardian” publicou uma matéria que abrangeu todos os aspectos que envolvem a empresa “quase estatal” da Noruega e sua atuação em território paraense [1].

Com o título “Poluição, doença, ameaças e assassinato”, a matéria assinada pelo jornalista Dom Phillips mostra que por muitos anos a população de Barcarena vem reclamando e sofrendo com a poluição causada pelas operações da Hydro Norsk que opera sob o olhar complacente do governo do Pará e dos órgãos ambientais.

hydro

Entre os vários aspectos abordados na matéria uma que deixa claro o papel da Norsk Hydro  nessa pequena hecatombe socioambiental tem a ver com as doenças que foram acometidas contra a população local pelo consumo de água contaminada por rejeitos tóxicos cuja assinatura é única e os liga diretamente às operações da empresa norueguesa. Para que se tenha uma ideia do problema, análises das amostras coletadas próximas no duto clandestino que operada pela Norsk Hydro mostraram a presença de altos níveis de alumínio, nitrato, sulfato, clareto e chumbo. Apenas no caso do alumínio o valor encontrado de 22 mg por litro está bem acima do limite legal no Brasil que é de apenas 0,1 mg por litro!   

hydro 1

Mais sinistra ainda é a situação dos que ousam denunciar as ligações entre o adoecimento da população e a contaminação causada pelas operações da Norsk Hydro cujo maior exemplo foi o assassinato do líder comunitário Paulo Nascimento que era um das principais vozes a denunciar os danos ambientais sendo causados na região da Barcarena.

Como já disse antes, não tenho expectativa alguma em que uma resposta para os problemas causados pela Norsk Hydro seja produzida no Brasil. Aqui a coisa está “dominada”. Mas a pressão que já era grande na Noruega, agora deverá aumentar com essa matéria do “The Guardian”.

Finalmente, algo que me veio à mente em relação ao posicionamento do governo da Noruega que cortou o aporte de recursos para o Fundo Amazônia sob a desculpa de que essa era uma punição pelo fato do governo brasileiro não ter contido o desmatamento na região amazônica. Agora, parece que a medida visava era cobrir os próprios descaminhos das operações de uma empresa “quase estatal” onde o governo norueguês detém uma parcela significativa do estoque de ações.


[1] https://www.theguardian.com/world/2018/mar/16/brazil-pollution-amazon-aluminium-plant-norwegian

 

Exposição a agrotóxicos pode causar distúrbios reprodutivos

IMG_2583

Um estudo elaborado pelo aluno de doutorado em Saúde Pública e Meio Ambiente da ENSP Cleber Cremonese observou que grande parte dos agrotóxicos apresenta capacidade de desregulação do sistema endócrino humano, o que altera os níveis de hormônios sexuais e causa efeitos adversos, principalmente sobre o sistema reprodutor. Câncer de mama e ovário, desregulação de ciclo menstrual, câncer de testículo e próstata, infertilidade, declínio da qualidade seminal e malformação de órgãos reprodutivos são alguns dos exemplos dessas complicações. Segundo Cleber, com o aumento do consumo nacional de agrotóxicos, tanto no agronegócio como na agricultura familiar, crescem as evidências de que a utilização destas substâncias não está apenas relacionada especificamente à produção agrícola, mas se transforma em um problema de saúde pública.

 Para avaliar a exposição aos agrotóxicos e os possíveis impactos desta exposição nos níveis de hormônios sexuais de homens e mulheres, além da qualidade do sêmen de adultos e jovens, o doutorando pautou sua sua pesquisa na observação de moradores da área rural do município de Farroupilha-RS. Foram feitos dois estudos transversais, com objetivos específicos, populações e metodologias de coleta particulares. A tese investigou adultos de ambos os sexos, trabalhadores rurais e seus familiares, com idades compreendidas entre 18 e 69 anos. No segundo estudo, participaram da investigação jovens moradores rurais e urbanos, com idade entre 18 e 23 anos.

 Na pesquisa, conforme explicou o aluno, foram coletadas amostras de sangue e sêmen para mensurar níveis de atividade de colinesterases, níveis hormonais sexuais e outros parâmetros bioquímicos, além de parâmetros espermáticos. Também foram aplicados questionários para identificar possíveis fatores associados aos desfechos reprodutivos, além de análises descritivas e bivariadas e regressões multivariadas, realizadas para identificar possíveis associações.

 No primeiro estudo, os homens que tinham maiores contatos com agrotóxicos apresentaram aumento de 14% na concentração de testosterona e redução de hormônio luteinizante (LH) de 20%; a globulina transportadora de hormônio sexual (SHBG) apresentou associação positiva e significativa com os níveis de butirilcolinesterase (BChE). Em relação aos que trabalhavam há mais de 25 anos na agricultura, observou-se uma redução de 20% nos níveis desse hormônio. Nas mulheres que trabalharam nos últimos 3 meses foi constatado menores níveis de prolactina. Na regressão logística, homens usando inseticidas e pesticidas organofosforados, respectivamente, tiveram menor chance de ter a prolactina reduzida. Da mesma forma, foi observada nas mulheres associação inversa entre contato com agrotóxicos autorreferido alto e a chance de apresentar a prolactina reduzida. 

 No segundo estudo, as alterações nos níveis de hormônios sexuais estiveram associadas às características de gestação e nascimento, com maiores níveis de exposição à agrotóxicos e com local de moradia. Quanto aos parâmetros espermáticos, a motilidade foi significativamente menor nos jovens rurais do que nos urbanos, naqueles que relataram contato com agrotóxicos alto e nos que usavam fungicidas no momento da coleta. A morfologia mostrou-se reduzida entre 15% e 32% nos moradores rurais e com maiores contatos com agrotóxicos. Também foram observadas diferenças significativas nas medidas anatômicas sexuais (volume testicular e distância anogenital) quanto ao local de moradia, exposição a agrotóxicos e características de gestação.

 A partir dessas observações, Cleber concluiu que os achados são sugestivos de que exposições crônicas a agrotóxicos interferem na regulação dos hormônios sexuais em adultos, bem como na qualidade seminal dos jovens da área de estudo.

 Efeitos dos agrotóxicos se estendem a problemas neurológicos, respiratórios e hepáticos

 No Brasil, a utilização dos agrotóxicos é extremamente relevante no modelo de desenvolvimento do setor agrícola. Em consequência disso, o país é hoje o maior consumidor mundial das substâncias. Segundo o aluno, o uso destes agentes também têm sido associado ao desenvolvimento de doenças neurodegenerativas, como Parkinson, distúrbios cognitivos, transtornos psiquiátricos, alterações respiratórias e imunológicas e problemas hepáticos e renais. “Estudos apontam ainda associação entre exposição intrauterina aos agrotóxicos e efeitos teratogênicos, tais como malformações congênitas, aborto e baixo peso ao nascer.”, citou.

 Para Cleber, a exposição crônica aos agrotóxicos, adicionalmente com a falta de proteção pessoal durante manuseio, além da carência e conhecimento no que diz respeito aos riscos do contato e a escassez de programas públicos com objetivo de diminuir o uso intenso e que tragam alternativas no cultivo de alimentos, estão entre os principais problemas associados ao crescente uso dessas substâncias e, consequentemente, ao aumento na ocorrência de desfechos adversos na saúde reprodutiva da população rural, especialmente trabalhadores agrícolas organizados sob o regime da agricultura familiar. 

 Visando solucionar essas questões implicadas pelo uso de agrotóxicos, o aluno sugere a realização de novos estudos para melhor avaliar a exposição da população investigada e outras populações rurais brasileiras, utilizando delineamento longitudinal, que possam melhor medir e compreender a complexidade da exposição crônica aos agrotóxicos e seus efeitos sobre a saúde humana e possíveis implicações nas gerações futuras. “É importante que sejam realizadas intervenções a curto, médio e longo prazo para reduzir ou minimizar os prejuízos à saúde as populações sob risco.”, pontuou.

 Cleber Cremonese possui graduação em Ciências Biológicas e mestrado em Saúde Coletiva, ambos pela Universidade do Vale do Rio dos Sinos (Unisinos). Sua tese de doutorado em Saúde Pública e Meio Ambiente, intitulada Exposição a agrotóxicos e distúrbios reprodutivos: estudo em trabalhadores rurais, seus familiares e jovens do município de Farroupilha – RS, foi defendida na ENSP no dia 9/10 sob a orientação da Prof.ª Rosalina Jorge Koifman.

 FONTE: http://www.ensp.fiocruz.br/portal-ensp/informe/site/materia/detalhe/36658

Filha de agricultor do V Distrito denuncia Prefeitura de São João da Barra por descaso com a saúde da população

Recebi hoje um e-mail contendo uma denúncia feita pela filha de um agricultor que foi desapropriado pela Companhia de Desenvolvimento Industrial do Rio de Janeiro (CODIN), e que hoje se encontra em uma situação bastante grave causada pela deterioração da sua saúde.

Como este não é o único caso entre os agricultores desapropriados, e como a narrativa da filha deste agricultor é bastante clara, o que eu espero é que as autoridades municipais de São João da Barra apurem essa denúncia o mais rápido possível. Se demorarem muito é possível que o caso receba uma atenção maior por parte da mídia corporativa.

Denuncio São João da Barra

É com esperança de resultado que denuncio a Prefeitura de São João da Barra, em meu nome e de toda população do 5º Distrito e proximidades. Meu pai encontra-se no Centro Municipal de Emergência Dr. Pedro Otávio Enes Barreto aguardando vaga para internação desde 30 de julho 2014. Ele é idoso e já sofreu 3 Acidentes Vasculares Cerebrais (AVCs), e se encontra com pneumonia e outras complicações. O único hospital da cidade (de São João da Barra) não tem recursos para internar meu pai, e minha preocupação era de a qualquer momento ele ser transferido para o hospital de Itaperuna RJ que fica em média 3 horas de distância, o que vem acontecendo com grande parte da população que precisa de internação numa Unidade de Terapia Intensiva (UTI) É frequente encontrar familiares em prantos revoltados de ver quem ama internado em Itaperuna sem condições de estar viajando ou alugando casa para ficar próximo de seu parente.

infelizmente o que temia aconteceu ,e foi a vez minha e de toda família chorar, pois fomos informados que meu pai piorou e que seria transferido para Itaperuna. Mas a dois dias, melhor em 2 de agosto, saiu uma vaga no sistema para enfermaria clínica médica no Hospital Santa Casa de Campos, vaga essa solicitada pelo centro de emergência. Meu pai foi transferido para lá, e o médico “Dr. ESTIVI” avaliou meu pai, e ele foi recusado e mandado de volta para São João da Barra. O médico me afirmou por telefone que a médica se omitiu a passar as reais condições do paciente.

O médico ainda me disse que meu pai entrou na fila de espera errada, pois o caso do meu pai seria para UTI,  e não para enfermaria. Aliás, o médico falou mais: ele disse que já é de costume passar informação errada de pacientes com tentativa de transferir para Campos, e se livrar da responsabilidade com o paciente

Fiquei sabendo por outros que a Prefeitura de São João da Barra não paga os convênios aos hospitais de Campos, e por esse motivo, não estão aceitando pacientes vindos dali. 

Pergunto:  Cidade  em está sendo construído o Superporto do Açu, Prefeitura que gasta com shows caríssimos, e na saúde não cuida, será por quê? Fico grata por interesse na reportagem.

Meus telefones de contato são os seguintes: (21) 99734-0896  e  (21) 3340-3041.

Hoje estarei viajando para São João da Barra RJ, e aguardo contato.

REPASSE, ATÉ QUE TODOS ACORDEM E APRENDAM A REIVINDICAR SEUS DIREITOS DE CIDADÃO PAGANTES DE SEUS IMPOSTOS.   

Atenciosamente,

Edilânia Ribeiro de Almeida

Governo do Rio cria farsa para favorecer a TKCSA

Órgãos estaduais, como a Secretaria de Ambiente, CECA (Comissão de Controle Ambiental) e INEA (Instituto do Ambiente), facilitam farsa de audiência pública para Companhia Siderúrgica do Atlântico (TKCSA) fugir de multas e obrigações ambientais. O “encontro” está marcado para às 19h dessa quinta-feira, 27 de março, no Clube Oriente – Rua Nestor, nº 1137, em Santa Cruz.

PARE-TKCSA-300x281Num comportamento nada transparente em relação ao seu dever de gestor do Estado, cuja principal obrigação é zelar pelos interesses econômicos e sociais da população, o governo Sérgio Cabral e a Secretaria de Estado do Ambiente, entre outras pastas, não cobram da Companhia Siderúrgica do Atlântico (TKCSA) seus deveres legais com o Rio de Janeiro e a nação.

Estima-se que mais de R$ 5 bilhões em recursos públicos municipais, estaduais e federais já foram aplicados na empresa.

A audiência de prestação de contas dos resultados da Auditoria Ambiental e da Avaliação Socioterritorial para cumprimento do Termo de Ajuste de Conduta (TAC 02/2012) foi marcada pela Secretaria com a antecedência obrigatória de 15 dias para sua realização sem a ampla divulgação e publicização dos documentos a serem supostamente avaliados na audiência, conforme determinam os preceitos legais estabelecidos pelos próprios órgãos estaduais envolvidos.

O Conselho Estadual do Meio Ambiente (Conama), por exemplo, estabelece: o empreendedor deve publicar as informações sobre a audiência no Diário Oficial do Rio de Janeiro e no primeiro caderno de, no mínimo, três jornais de grande circulação; usar meios de comunicação adaptados às especificidades locais como informativos, faixas e cartazes em lugares públicos e de grande visibilidade e divulgar a convocação na página inicial de seu sítio na internet.

É fundamental destacar que a TKCSA, apesar de ser um dos maiores empreendimentos privados na América Latina, tem causado sucessivos prejuízos sociais, ambientais, econômicos e de saúde pública não apenas aos habitantes da região oeste da cidade do Rio ou do seu entorno. Desde sua implantação, em 2006/2007, e do início de seu funcionamento, em 2010, a empresa não obteve licença de operação, ainda que sua licença de instalação tivesse sido renovada até o limite máximo de tempo permitido pela autoridade ambiental (seis anos).

Conseguiu operar graças ao Termo de Ajuste de Conduta (TAC), de 20 de março de 2012, que ampliou para dois anos o prazo para obtenção da licença. Como o prazo findará em 10 de abril, o objetivo desta “audiência pública”- feita às escondidas – é de, mais uma vez, tentar ludibriar a sociedade e os cofres públicos, colocando em risco a saúde de cidadãos, a fauna e a flora da Baía de Sepetiba.

No passado, a TKCSA, que não conseguiu implantar seu projeto de siderurgia no Maranhão, justamente pela forte resistência da população, órgãos estaduais e ambientalistas, já foi investigada por uma Comissão na Assembleia Legislativa, possui duas ações penais movidas pelo Ministério Público do Estado do Rio de Janeiro e foi alvo de reportagens no Brasil e no Exterior.

Entre os poluentes emitidos pela siderúrgica estão o benzeno, causador de problemas neurológicos, anemia, leucopenia (insuficiência de glóbulos brancos) e trombocitopenia (insuficiência de plaquetas). Em Santa Cruz, a emissão de poluentes vem provocando uma constante “chuva de prata”, poeira de material particulado, que cai sobre casas e pessoas, causando doenças dermatológicas e respiratórias, entre outras.

Os que mais sofrem com essa irresponsabilidade são crianças e idosos, principalmente com problemas pulmonares e dermatológicos.

FONTE: http://global.org.br/arquivo/noticias/governo-do-rio-cria-farsa-para-favorecer-a-tkcsa/

Brasil fiscaliza agrotóxico só em 13 alimentos, enquanto EUA e Europa analisam 300

País é o maior consumidor das substâncias do mundo. Segundo Anvisa, tendência é que monitoramento fique mais abrangente

Dos 50 ingredientes ativos mais utilizados nas lavouras, 22 são proibidos na União Europeia

Andrea Freitas, Clarice Spitz e Eliane OliveiraPreocupação. O aposentado José BarbosaFoto: Ana Branco / Agência O Globo

Preocupação. O aposentado José Barbosa Ana Branco / Agência O Globo

RIO E BRASÍLIA – Num momento em que se disseminam os benefícios de uma alimentação saudável, com frutas, verduras e legumes, especialistas alertam para os riscos dessa opção. Isso porque, o Brasil é o maior consumidor de agrotóxicos do mundo, mas a fiscalização é falha. De 2002 a 2012, o mercado brasileiro de agrotóxicos cresceu 190%. O setor movimentou US$ 10,5 bilhões, em 2013, ano de ouro para a agropecuária, que teve supersafra e preços de commodities em alta. A análise dos alimentos que vão à mesa do consumidor, porém, é bem restrita. No último relatório da Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa), de 2012, foram analisadas 3.293 amostras de apenas 13 alimentos – 5% do que é avaliado por EUA e Europa. Desses, o resultado de apenas sete foram publicados até agora.

Nos EUA, a Food and Drug Administration (FDA), e na Europa, a European Food Safety Authority (EFSA), analisam cerca de 300 tipos de alimentos por ano, inclusive industrializados. No Brasil, produtos como carnes, leite, ovos e industrializados não são sequer pesquisados, apesar de especialistas alertarem que eles podem estar contaminados por agrotóxico.

A Anvisa confirmou que, em 2012, só 13 alimentos foram monitorados, mas informou que a tendência é de expansão do número de culturas. O enfoque do Programa de Análise de Resíduos de Agrotóxicos em Alimentos, explicou, são os itens mais consumidos pela população e importantes na cesta básica. Segundo a Anvisa, o milho está sendo monitorado desde 2012 na forma de fubá, e o trigo passou a ser monitorado na forma de farinha desde 2013, mas o resultado ainda não foi divulgado.

Registro não tem prazo de validade

A falta de fiscalização de agrotóxicos faz parte da série “No país do faz de conta”, iniciada no domingo pelo GLOBO. Hoje, 434 ingredientes ativos e 2.400 formulações de agrotóxicos estão registrados nos ministérios da Saúde, da Agricultura (Mapa) e do Meio Ambiente e são permitidos. Dos 50 mais utilizados nas lavouras, 22 são proibidos na União Europeia. Mato Grosso é o maior consumidor, com quase 20%, segundo a Associação Brasileira de Saúde Coletiva (Abrasco). O contrabando, sobretudo via Paraguai e Uruguai, de produtos de origem chinesa, sem controle dos aditivos, representa outro problema. E o uso ilegal de agrotóxicos preocupa. O DTT, proibido em todo o mundo, foi achado em 2013 na Amazônia, usado por empresas, segundo o Ibama, para acelerar a devastação de áreas.

Sobre os 22 defensivos proibidos, os técnicos da Anvisa explicam que, no país, o registro de agrotóxico não tem prazo de validade. Uma vez concedido, só pode ser retirado ou alterado após reavaliação que mostre mudança no perfil de segurança do produto. A agência iniciou processo de reavaliação em 2008 que resultou, até agora, no banimento de quatro produtos e no reenquadramento de dois.

O custo dos agrotóxicos à saúde é grande. Segundo o professor Fernando Carneiro, da Universidade Brasília, a cada US$ 1 gasto em agrotóxico, há um custo de US$ 1,28 em atendimento ao intoxicado.

– A intoxicação aguda afeta o trabalhador rural e o da fábrica. A crônica atinge o consumidor, que fica mais exposto a doenças como câncer e alterações metabólicas. O Mapa e as secretarias de agricultura têm dinheiro para monitorar e vigiar gado por causa da exportação. Quando se fala em agrotóxicos, não há estrutura nem fiscais.

Para a professora Karen Friedrich, do Instituto Nacional de Controle de Qualidade em Saúde, da Fiocruz, a fiscalização na carne que chega aos lares deveria ser iniciada o quanto antes:

– A contaminação deve ocorrer em industrializados, como molho de tomate e suco em caixa.

Karen diz que é preciso que os municípios e estados atuem onde ocorre a contaminação e que falta investimento para ampliar a análise, embora a Anvisa “faça milagre com o que dispõe”.

Para os trabalhadores rurais, o cenário de fiscalização também é de restrições. Cerca de um quarto das fazendas recenseadas no país em 2006, ou 1.376.217, declaravam usar agrotóxicos. Segundo a Secretaria de Agricultura do Estado do Rio, no ano passado foram autuadas 420 das 680 propriedades rurais fluminenses por irregularidades envolvendo agrotóxicos. Joel Naegele, vice-presidente da Sociedade Nacional de Agricultura, critica:

– Num país onde o clima favorece parasitas e pragas danosas, não há fiscalização. Há 60 anos acompanho a agricultura e é tudo muito mal feito, papo-furado, ilusões. Se dependermos da ação do governo, estamos num mato sem cachorro.

Para governo, lei é rígida e moderna

O coordenador geral de agrotóxicos e afins do Mapa, Júlio Sérgio Brito, assegura que o sistema de controle é tão avançado quanto os dos principais países do mundo. Segundo Brito, a legislação é “rígida, moderna e profunda”. Para ser aprovado para uso agrícola, explica, o produto é avaliado sob os pontos de vista agronômico, de saúde e ambiental.

Eloisa Dutra Caldas, professora de Toxicologia da UnB, diz que o problema está no fato de haver resíduos de agrotóxicos em produtos para os quais seu uso não está autorizado:

– Cerca de 50% das mais de 14 mil amostras analisadas por Anvisa e Mapa até 2010 continham resíduos de pesticidas. Este percentual não é muito diferente do encontrado no resto do mundo.

Henrique Mazotini, presidente da Associação dos Distribuidores de Insumos Agropecuários (Andav), no entanto, reconhece que há desvios:

– Aqui falta gente e infraestrutura. Além disso, o Brasil sucateou sua extensão rural e falta orientação técnica aos produtores.

Frequentadores da feira livre da Praça Nossa Senhora da Paz, em Ipanema, se mostram preocupados. O aposentado José Barbosa gostaria de saber quais agrotóxicos incidem sobre os alimentos:

– Deveria haver mais informações sobre a produção. Principalmente no caso do morango, que é uma fruta mais sensível, com uma casquinha fina, que absorve muita coisa.

A indústria de defensivos rebate o argumento de que há risco à saúde. O agrônomo Guilherme Guimarães, da Associação Nacional de Defesa Vegetal, diz que a segurança alimentar do consumidor é testada pelos órgãos que liberam os produtos. Quanto ao fato de que o Brasil ainda tem agrotóxicos já banidos no exterior, ele diz que isso se deve ao clima e a adversidades.

O Ibama diz que aplicou R$ 14,5 milhões em multa em 2013, a maior parte na apreensão de produtos ilegais importados. Colaborou Daiane Costa

FONTE: http://oglobo.globo.com/economia/brasil-fiscaliza-agrotoxico-so-em-13-alimentos-enquanto-eua-europa-analisam-300-11446519#ixzz2rswyWwpA

A esquisita ignorância da “Águas do Paraíba” em relação aos micropoluentes emergentes na água que nos vende

O jornal O DIÁRIO traz hoje uma matéria sobre substâncias poluentes que estão presentes na água que é entregue aos campistas todos os dias pela concessionária “Águas do Paraíba” (Aqui!). Entre os compostos encontrados pela professora Maria Cristina Canela do Laboratório de Ciências Químicas da Universidade Estadual do Norte Fluminense estão a cafeína, atrazina e Bisfenol A, que estão presentes, respectivamente, no nosso cafezinho de todos os dias, em agrotóxicos e plásticos.

Esse tipo de micro-poluente das águas de consumo já foi associado a uma série de doenças graves como o câncer de testículo, de mama e de próstata, à queda da taxa de espermatozóides, deformidades dos órgãos reprodutivos, disfunção da tireóide e alterações relacionadas com o sistema neurológico (Aqui!).

A verdade é que essa informação não é nova, como não são novas as pesquisas feitas pela equipe da Profa. Maria Cristina Canela. Essas pesquisas forma objetos de várias matérias na Revista Somos que chegou a entrevistar o Prof. Wilson Jardim da Universidade de Campinas (UNICAMP) que é um dos maiores especialistas neste tipo de contaminação no mundo.

E por que estou citando isso? É que na matéria produzida pelo Jornal O DIÁRIO, há a informação de que “a assessoria de imprensa da concessionária Águas do Paraíba, responsável pelo abastecimento em Campos, solicitou à pesquisadora que apresente a pesquisa, para que a universidade colabore efetivamente com a população.” Se essa alegação for mesmo da assessoria de imprensa da “Águas do Paraíba”, eu diria que estamos diante de um problema mais sério. Afinal de contas, a informação sobre o problema já é de conhecimento da empresa faz quase  dois anos, sem que os pesquisadores envolvidos no projeto tenham sido contactados para que se estabelecesse qualquer tipo de processo de cooperação genuína (Aqui!). Assim, me parece que insinuar que a universidade não está colaborando efetivamente com a população é, no mínimo uma grosseria. Afinal, quem tem a obrigação de nos entregar água de qualidade e nos cobra um preço salgado por isso é a Águas do Paraíba, e nos os pesquisadores que investigam o problema.

A verdade é que se a “Águas do Paraíba” tivesse mesmo interesse de atacar o problema da maneira que o mesmo precisa ser atacado, logo após a primeira matéria publicada pela “Somos Assim” a empresa deveria ter procurado os pesquisadores da UENF. E não foi o que aconteceu. Mas dada essa nova matéria do O DIÁRIO, está ai novamente colocada a possibilidade de que a empresa procure os pesquisadores e não o contrário. Afinal, uma vez divulgada a informação ela se torna pública e notória. E só não age, quem não quer.