Pesquisa indica estratégia para produção de vacinas de maior eficácia

Com participação de cientista da UFSCar, artigo publicado na Nature indica que geometria de nanopartículas afeta resposta imune a vacinas

unnamed (39)

Pesquisador da UFSCar coordena etapa de investigação teórica e modelagem (Imagem: André Moura)

Para desencadear a resposta imune que nos protege em infecções futuras, vacinas carregam, além do antígeno – vírus inativados ou partes dele, dentre outras estratégias –, os chamados adjuvantes, compostos que ajudam na ativação do sistema imune. Artigo publicado ontem (19/1) na Nature, com participação de cientistas brasileiros, mostra que a atenção a um atributo geométrico de nanopartículas usadas como adjuvantes, a quiralidade, pode resultar em vacinas mais eficazes.

A quiralidade define um objeto – ou molécula – com tal distribuição espacial que não pode ser sobreposto à sua imagem refletida em um espelho. Macroscopicamente, um exemplo conhecido são as nossas mãos direita e esquerda. Microscopicamente, podemos dizer que a vida é quiral, pois moléculas essenciais como aminoácidos e açúcares apresentam quiralidade.

Assim como, ao cumprimentarmos alguém, o encaixe é melhor entre mãos direitas (ou esquerdas), a interação de uma molécula biológica com compostos com orientação à esquerda ou à direita acontece de formas distintas, sendo mais precisa se há encaixe entre elas, ou seja, se ambas têm, por exemplo, orientação à esquerda (ou, mais precisamente, são enantiômeros à esquerda, nome dado aos isômeros das moléculas quirais).

Por isso, a quiralidade pode resultar em diferentes propriedades e, importante no caso de materiais usados nas vacinas, em respostas biológicas distintas. O encaixe, no entanto, não significa, necessariamente, algo bom, como a capacidade de prevenção ou tratamento de doenças, podendo também levar a algo que é tóxico ou venenoso.

Um exemplo famoso é a talidomida, fármaco usado para tratar náuseas em gestantes que, na década de 1960, descobriu-se causar má formação nos fetos. No medicamento, enquanto um dos enantiômeros tem o efeito terapêutico, o outro causa os problemas no desenvolvimento fetal. Como, neste caso, não é possível manter apenas um dos enantiômeros, não existe possibilidade de uso seguro da substância por gestantes.

Porém, no caso de nanomateriais, é possível obter a forma enantiopura estável, ou seja, composta apenas por um dos enantiômeros.

Na pesquisa relatada na Nature, o objetivo foi justamente comparar nanomateriais quirais – enantiômeros à esquerda e à direita – e seu correspondente aquiral (simétrico) no que diz respeito à resposta do sistema imune. Para tanto, foram usadas nanopartículas de ouro. Em estudos in vitro (com células de origem animal) e in vivo (em animais – camundongos – vivos), os resultados mostraram maior eficácia na ativação da resposta imune nas nanopartículas orientadas à esquerda.

Para a realização do estudo, o primeiro passo foi a preparação das nanopartículas com os atributos desejados – aquiral, quiral à esquerda e quiral à direita –, induzindo a quiralidade desejada por meio de uma combinação de peptídeos e luz circularmente polarizada, que é uma forma quiral de luz. Depois, o estudo in vitro consistiu na incubação dessas partículas junto a células do sistema imune, com acompanhamento de diversas respostas, como a velocidade de entrada das nanopartículas nessas células; a expressão, pelas células, de marcadores bioquímicos associados à ativação da resposta imune; dentre outros parâmetros. In vivo, as medidas confirmaram os resultados encontrados nas células e, para testar as respostas no nível sistêmico, os pesquisadores usaram as nanopartículas como adjuvantes em vacinas contra uma cepa do vírus influenza (H9N2) aplicadas nos camundongos.

Em todos os experimentos, a resposta gerada pelos enantiômeros à esquerda foi ampliada em relação aos enantiômeros à direita e às partículas aquirais. Além dessa constatação, os pesquisadores também investigaram e descrevem no artigo os mecanismos biológicos que podem explicar essas diferenças. Segundo os responsáveis, a descoberta abre caminho para o uso dessas nanoestruturas produzidas com controle de sua quiralidade na produção de respostas imunes sob medida. Além disso, alertam para a importância da parametrização da quiralidade em estudos biomédicos e toxicológicos, já que enantiômeros distintos de um mesmo princípio ativo podem ter impactos muito distintos sobre os organismos vivos.

“As pessoas podem se perguntar por que não realizamos o estudo pensando na COVID-19, ou mesmo com a cepa de influenza que circula atualmente. No entanto, a pesquisa começou muito antes da pandemia, e é importante lembrar que as vacinas contra a Covid só puderam ser produzidas tão rapidamente porque o conhecimento aplicado veio sendo produzido nas últimas décadas”, situa André Farias de Moura, docente no Departamento de Química (DQ) da Universidade Federal de São Carlos (UFSCar) que é um dos autores do artigo. “Temos agora um primeiro passo dado, uma prova de conceito, e sabemos que podemos seguir nessa direção”, complementa Moura, vinculado também ao Centro de Desenvolvimento de Materiais Funcionais (CDMF).

O trabalho é mais um capítulo na parceria de Moura com o grupo de pesquisa coordenado por Nicholas A. Kotov, na Universidade de Michigan, nos Estados Unidos, e com o grupo de Chuanlai Xu, na Universidade de Jiangnan, na China. Além deles, assinam o artigo outros pesquisadores da Universidade de Michigan; parceiros na Universidade de Jiangnan; e os brasileiros Felipe M. Colombari, Weverson R. Gomes e Asdrubal L. Blanco, todos eles egressos do Programa de Pós-Graduação em Química (PPGQ) da UFSCar.

A parte experimental da pesquisa acontece nos laboratórios parceiros. Na UFSCar, Moura coordena a etapa de investigação teórica e modelagem e simulação computacional, que ajuda a compreender os mecanismos por trás dos resultados encontrados empiricamente.

No Brasil, a pesquisa teve financiamento do Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico (CNPq); da Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado de São Paulo (Fapesp); e da Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior (Capes), além de bolsa do Programa de Educação Tutorial (PET) do Ministério da Educação. Contou também com o uso de recursos de computação científica de alto desempenho do Laboratório Nacional de Computação Científica (supercomputador Santos Dumont) e da Cloud@UFSCar.

O artigo publicado na Nature é intitulado “Enantiomer-dependent immunological response to chiral nanoparticles” e já está disponível no site da revista (Aqui!).

Confira também vídeo com Moura produzido pelo Laboratório Aberto de Interatividade (LAbI) da UFSCar (em https://www.youtube.com/watch?v=nsGzCFqX5ak).

Instituto Butantan lança dossiê sobre todo conteúdo publicado sobre a eficiência da Coronavac

O material contém mais de 700 páginas e comprova, mais uma vez, que a vacina é segura eficaz e recomendada para todos os públicos

dossie-coronavac

A partir desta sexta-feira (7), o dossiê digital CoronaVac – O que a ciência comprova, que reúne pesquisas de efetividade e ensaios clínicos publicados nas principais plataformas científicas de todo o mundo, passa a ficar disponível para especialistas em saúde pública, médicos, pesquisadores e sociedade civil.

O material traz temas como a alta resposta imune provocada pela CoronaVac, a capacidade da vacina de combater as variantes do SARS-CoV-2, sua segurança para gestantes, bebês, crianças, adolescentes, idosos, pessoas com comorbidades e imunossuprimidos, além de dados sobre a importância da dose de reforço e os registros de segurança, que mostram a baixa incidência de efeitos adversos do imunizante.

Com mais de 700 páginas e dividido em oito capítulos, o dossiê contempla pesquisas veiculadas em publicações internacionais como The Lancet, Vaccine, Frontiers of Immunology, Future Oncology, entre outras. Cada capítulo possui uma introdução resumida em português e diversas publicações originais em inglês.

Veja os capítulos do dossiê abaixo:

Capítulo 1 – Alta resposta imune 

Em janeiro de 2021, a CoronaVac teve sua eficácia comprovada conforme as exigências da Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa). Nos meses seguintes também foram publicados outros artigos científicos que confirmam a capacidade de proteção e segurança da vacina do Butantan.

Capítulo 2 – Combate às variantes do coronavírus

A efetividade da vacina contra as variantes beta, gama e delta do SARS-CoV-2 foram demonstradas em estudos realizados no Brasil e em outros países.

Capítulo 3 – Segurança para gestantes e para os bebês 

Estudos comprovaram 85% de eficácia da CoronaVac na prevenção de casos graves entre gestantes e puérperas e mostraram que a proteção do imunizante é passada aos bebês pelo leite materno.  

Capítulo 4 – Proteção a indivíduos com comorbidades

A CoronaVac é segura e gera soroconversão em pessoas que têm HIV, hepatite B, câncer, doenças reumáticas, entre outras imunodepressões. 

Capítulo 5 – Eficácia em idosos

A CoronaVac foi o imunizante que iniciou a vacinação contra a Covid-19 no Brasil, protegendo profissionais da saúde e pessoas acima de 60 anos. Em poucos meses, a queda da mortalidade entre idosos já pode ser sentida, comprovando novamente a efetividade da vacina. 

Capítulo 6 – Proteção a crianças e adolescentes 

Estudos de ensaios clínicos com jovens de três a 17 anos mostram que a CoronaVac é segura e gera forte resposta imune nesta população. 

Capítulo 7 – Multiplicação de anticorpos na dose de reforço 

A dose de reforço da CoronaVac eleva a proteção contra a Covid-19 para 80%, segundo números do governo chileno. Além disso, aumenta mais de 12 vezes o nível de anticorpos de quem tomou duas doses. 

Capítulo 8 – Raros efeitos adversos

Entre todas as vacinas aplicadas no Brasil, a CoronaVac é a que causa menos efeitos adversos, e mais leves, de acordo com números de ensaios clínicos e de estudos científicos.

Para acessar o material completo, basta acessar [Aqui!]. 

Estudo do ‘mundo real’ em Israel mostra que a vacina contra o coronavírus da Pfizer é 94% eficaz

PFIZERUm profissional de saúde prepara uma dose da vacina contra o coronavírus Pfizer-BioNtech Covid-19 em uma clínica móvel em Israel. Foto: AFP

O estudo israelense, publicado no New England Journal of Medicine , também mostrou que há provavelmente um forte benefício protetor contra infecções, um elemento crucial para interromper a transmissão progressiva.

As curvas de incidência cumulativa (1 menos o risco de Kaplan-Meier) para os vários desfechos são mostradas, começando no dia da administração da primeira dose da vacina. As áreas sombreadas representam intervalos de confiança de 95%. O número em risco em cada momento e o número cumulativo de eventos também são mostrados para cada resultado

“Esta é a primeira evidência revisada por pares em grande escala da eficácia de uma vacina em condições do mundo real”, disse Ben Reis, pesquisador da Harvard Medical School e um dos autores do artigo.

Envolveu quase 600.000 pessoas que receberam as vacinas e um número igual que não as receberam, mas foram parecidas com suas contrapartes vacinadas por idade, sexo, geografia, médicos e outras características.

A eficácia contra o COVID-19 sintomático foi de 94 % sete ou mais dias após a segunda dose – muito próxima dos 95% alcançados durante os ensaios clínicos de Fase 3.

Na Inglaterra, pesquisadores disseram na quinta-feira que as pessoas que receberam duas doses da vacina Pfizer estão gerando fortes respostas de anticorpos à medida que a injeção é aplicada.

Uma pesquisa do Imperial College London mostrou que 87,9% das pessoas com mais de 80 anos testaram positivo para anticorpos após duas doses da vacina Pfizer-BioNTech, aumentando para 95,5 % para aqueles com menos de 60 anos e 100 por cento para aqueles com menos de 30

“Embora haja alguma queda na positividade com a idade, em todas as idades, obtemos uma resposta muito boa a duas doses da vacina”, disse Paul Elliott, presidente de Epidemiologia e Medicina de Saúde Pública do Imperial College London, a jornalistas.

Os níveis de anticorpos são apenas uma parte do quadro de imunidade, com vacinas também demonstrando gerar forte proteção de células T.

Quase 95% dos menores de 30 anos testaram positivo para anticorpos 21 dias após uma dose, mas isso diminuiu nos grupos mais velhos.

A pesquisa descobriu que 34,7% dos 80 anos ou mais geraram respostas de anticorpos a partir de uma dose da vacina Pfizer, mas o Comitê Conjunto de Vacinação e Imunização (JCVI) da Grã-Bretanha encontrou anteriormente alta proteção da vacina Pfizer após uma dose, mesmo quando os níveis de anticorpos são mais baixos.

A Grã-Bretanha estendeu o intervalo entre as doses para 12 semanas, embora a Pfizer tenha alertado que só tem dados de eficácia clínica com um intervalo de três semanas entre as vacinas.

Mais de 154.000 participantes participaram do estudo de vigilância domiciliar do Imperial para anticorpos COVID-19, que monitora os níveis de anticorpos de infecções naturais e também entre os vacinados, entre 26 de janeiro e 8 de fevereiro.

A pesquisa também analisou a confiança nas vacinas e mostrou que era alta, com 92% tendo aceitado ou planejando aceitar uma oferta de vacina, embora a confiança fosse menor entre os negros, caindo para 72,5%.

Mais de 217 milhões de doses de vacinas foram administradas globalmente, embora a grande maioria tenha sido administrada em países de alta renda.

Há grandes esperanças de que as inoculações permitam que o mundo finalmente saia de uma pandemia que matou mais de 2,4 milhões, infectou 112 milhões e atingiu a economia global.

Mas especialistas em saúde advertiram que, a menos que o mundo inteiro tenha acesso às vacinas, a pandemia não terá fim.

Isso ocorreu quando Gana se tornou o primeiro país a receber injeções sob o esquema global Covax Facility, abrindo caminho para que as nações mais pobres alcancem as partes mais ricas do mundo. As 600 mil doses são da Oxford-AstraZeneca e serão administradas em várias cidades de Gana a partir de terça-feira.

Dados mais otimistas, entretanto, surgiram sobre a vacina de injeção única da Johnson & Johnson, que se mostrou altamente eficaz contra os casos graves de COVID-19, incluindo variantes mais recentes, em dados detalhados divulgados pelo regulador dos EUA. A vacina provavelmente será autorizada em breve, tornando-se a terceira disponível no país mais afetado.

A empresa americana de biotecnologia Moderna também anunciou que sua nova vacina candidata contra a COVID-19, voltada para a perigosa variante do coronavírus sul-africano, foi enviada a laboratórios governamentais para teste.

fecho

Este artigo foi inicialmente escrito em inglês e publicado pelo “South China Morning Post”  [Aqui!].