Emergência climática: ação global está “fora do rumo”, diz chefe da ONU

Ondas de calor mortais, inundações e aumento da fome são uma ameaça muito maior ao mundo do que o coronavírus, dizem os cientistas

5182Bombeiros e pessoal de resgate movem seu caminhão enquanto um incêndio mata perto de uma estrada principal e casas nos arredores da cidade de Bilpin, em Sydney, na Austrália, em dezembro de 2019. Fotografia: David Gray / Getty Images

Damian Carrington, editor para Meio Ambiente do “The Guardian

O mundo está “muito errado” no trato da emergência climática, e o tempo está se esgotando rapidamente, afirmou o secretário-geral da ONU.

António Guterres soou o alarme no lançamento da avaliação da ONU sobre o clima global em 2019. O relatório conclui que foi um ano recorde para o calor, e houve aumento da fome, deslocamento e perda de vidas devido a temperaturas e inundações extremas ao redor. o mundo.

Os cientistas disseram que a ameaça era maior que a do coronavírus, e os líderes mundiais não devem ser desviados da ação climática.

A avaliação climática é liderada pela Organização Meteorológica Mundial (OMM) da ONU, com contribuições das agências da ONU para meio ambiente, alimentação, saúde, desastres, migração e refugiados, além de centros científicos.

Em 2019, os oceanos estiveram mais quentes em relação a todos os anos registrados anteriormente, com pelo menos 84% dos mares experimentando uma ou mais ondas de calor marinhas. As temperaturas da superfície do ar em todo o mundo foram as mais quentes já registradas, depois que um evento natural do El Niño aumentou os números em 2016.

O relatório diz que os resultados do Serviço Mundial de Monitoramento de Geleiras indicam que 2018-19 foi o 32º ano consecutivo em que mais gelo foi perdido do que ganho. O derretimento do gelo terrestre combinado com a expansão térmica da água elevou o nível do mar à marca mais alta desde o início dos registros.

O declínio a longo prazo do gelo do Ártico também continuou em 2019, com a extensão média de setembro – geralmente a mais baixa do ano – a terceira pior já registrada.

“A mudança climática é o principal desafio do nosso tempo. Atualmente, estamos fora do caminho para cumprir as metas de 1,5 ° C ou 2 ° C que o acordo de Paris exige ”, disse Guterres. O ano de 2019 terminou com uma temperatura média global de 1,1 ° C acima dos níveis pré-industriais. “O tempo está se esgotando rapidamente para evitar os piores impactos da perturbação climática e proteger nossas sociedades”.

Ele acrescentou: “Precisamos de mais ambição em [cortes nas emissões], adaptação e financiamento a tempo da conferência climática Cop26, em Glasgow, Reino Unido, em novembro. Essa é a única maneira de garantir um futuro mais seguro, mais próspero e sustentável para todas as pessoas em um planeta saudável. ”

O professor Brian Hoskins, do Imperial College London, disse: “O relatório é um catálogo de condições meteorológicas em 2019 tornado mais extremo pela mudança climática e pela miséria humana que a acompanha. Isso indica uma ameaça maior para nossa espécie do que qualquer vírus conhecido – não devemos nos desviar da urgência de combatê-lo, reduzindo nossas emissões de gases de efeito estufa a zero o mais rápido possível. ”

A OMM disse que seu relatório fornece informações oficiais aos formuladores de políticas sobre a necessidade de ação climática e mostra os impactos do clima extremo.

Uma onda de calor na Europa tornou-se cinco vezes mais provável pelo aquecimento global, e o verão abrasador levou a 20.000 internações de emergência e 1.462 mortes prematuras somente na França. A Índia e o Japão também aumentaram e a Austrália começou e terminou o ano com forte calor e teve o ano mais seco já registrado. A Austrália teve “uma temporada de incêndios excepcionalmente prolongada e severa”, observou a OMM.

Inundações e tempestades contribuíram mais para desalojar as pessoas de suas casas, particularmente o ciclone Idai em Moçambique e seus vizinhos, o ciclone Fani no sul da Ásia, o furacão Dorian no Caribe e as inundações no Irã, Filipinas e Etiópia. Estima-se que o número de deslocamentos internos de tais desastres esteja perto de 22 milhões de pessoas em 2019, ante 17 milhões em 2018.

Os EUA sofreram fortes chuvas, com o total de julho de 2018 a junho de 2019 sendo o mais alto já registrado. As perdas econômicas totais nos EUA no ano foram estimadas em US $ 20 bilhões, informou a OMM.

O clima imprevisível e o clima extremo foram um fator em 26 das 33 nações afetadas pela crise alimentar em 2019 e foram o principal fator em 12 dos países. “Após uma década de declínio constante, a fome está aumentando novamente – mais de 820 milhões sofreram com a fome em 2018, os últimos dados globais disponíveis”, diz o relatório.

A OMM disse que a precipitação invulgarmente pesada no final de 2019 também foi um fator no grave surto de gafanhoto nos desertos do Chifre da África, que é o pior em décadas e deve se espalhar até junho de 2020, em uma grave ameaça à segurança alimentar.

O professor Dave Reay, da Universidade de Edimburgo, disse: “Essa ladainha anual de impactos das mudanças climáticas e respostas globais inadequadas contribuem para uma leitura instigante. Em grande escala, é o efeito “multiplicador de ameaças” que é a mudança climática nos maiores desafios enfrentados pela humanidade e pelos ecossistemas do mundo no século XXI. “

________________________________

Este artigo foi publicado originalmente em inglês pelo “The Guardian” [Aqui!].

El País faz matéria que expõe o papel da monocultura da soja nas inundações na América do Sul

Desmatamento para plantio de soja contribui para inundações na América do Sul

O El Niño não explica por si só as enchentes que deixaram mais de 160.000 desabrigados no Paraguai, Argentina, Brasil e Uruguai

ALEJANDRO REBOSSIO

O fenômeno do El Niño trouxe mais chuvas que o habitual ao sul da América Latina, mas por si só não explica as enchentes que deixaram mais de 160.000 desabrigados no Paraguai, Argentina, Brasil e Uruguai. A mudança climática torna mais extremo o fenômeno que causou o transbordamento nos rios Paraguai, Paraná e Uruguai, entre outros, mas há mais razões por trás.

MACRI
O presidente argentino, Mauricio Macri, observa os bairros alagados na cidade de Concórdia. EFE

Diversos especialistas atribuem a gravidade das inundações ao desmatamento ocorrido nos últimos anos no Paraguai, sul do Brasil e norte da Argentina para o cultivo de soja transgênica. O ouro verde geneticamente modificado oferecia alta rentabilidade durante os anos de bonança das matérias-primas, entre 2002 e 2014, além de suportar as elevadas temperaturas da região, antes coberta de matas nativas. “O aumento das precipitações e a significativa perda de cobertura florestal na Argentina, Brasil e Paraguai, que figuram entre os 10 países com maior desmatamento no mundo, não permitiu a absorção natural da água”, alertou o Greenpeace em um documento.

O coordenador da campanha de florestas dessa organização ambientalista na Argentina, Hernán Giardini, explica: “Além de concentrar uma biodiversidade considerável, as matas e selvas desempenham um papel fundamental na regulação climática, na preservação das nascentes e cursos d’água e na conservação dos solos. São nossa esponja natural e nosso guarda-chuva protetor. Quando perdemos matas nos tornamos mais vulneráveis às chuvas intensas e corremos sérios riscos de inundações”. Só restam 7% da superfície original de matas da Mata Paranaense ou Missionária, atravessada pelos rios o Uruguai, Paraná e Iguazú, segundo o Greenpeace. “No Paraguai e no Brasil foi praticamente destruída, a maior parte remanescente se encontra na Argentina”, acrescenta a organização ambientalista.

Efeitos do El Niño

“O El Niño é um fenômeno cíclico, faz parte da natureza, mas seus efeitos podem ser agravados pelo desmatamento”, opina Benjamín Grassi, professor de meteorologia da Universidade Nacional de Assunção. “O desmatamento retira a proteção do solo. O tipo de precipitação que temos é torrencial, e muita água em pouco tempo afeta muito um solo nu, porque permite que a água escorra facilmente e danifique estradas, cultivos”, acrescenta Grassi.

Na Argentina, as inundações atingem a região limítrofe com o Paraguai, Brasil e Uruguai, mas também a província central de Córdoba, onde se reiteram as recriminações à soja. “A problemática não está necessariamente vinculada à precipitação pluvial, mas à ascensão dos lençóis freáticos”, afirma o ministro de Água e Ambiente de Córdoba, Fabián López. “Como consequência de diversas políticas agropecuárias, os cultivos de inverno deixaram de ser desenvolvidos, semeou-se menos milho, trigo e alfafa, e mais soja. Isso gerou um desequilíbrio hídrico, nos últimos anos o lençol freático subiu significativamente e está a poucos centímetros do solo”, descreveu o ministro López. Nesses países que produzem metade da soja de todo o mundo, a oleaginosa não trouxe só bonança.

FONTE: http://brasil.elpais.com/brasil/2015/12/28/internacional/1451335126_237090.html?id_externo_rsoc=Fb_CM