Paulo Guedes e sua ideia fixa de “vouchers” emperram aprovação do Fundeb

paulo guedesO ministro da Fazenda, Paulo Guedes, quer tirar R$ 6 bi do Fundeb para financiar a educação privada, setor onde possui investimentos bilionários

Em uma reportagem assinada pelos jornalistas Bernardo Caram e Danielle Brant intitulada “Governo quer R$ 6 bilhões do Fundo de Manutenção e Desenvolvimento da Educação Básica (Fundeb para bancar ‘voucher-creche’ no setor privado”,  o jornal Folha de São Paulo joga luz sobre uma manobra que foi engendrada pelo ministro da Fazenda, Paulo Guedes, para empurrar uma ideia que ele tirou da experiência malsucedida das reformas educacionais promovidas pela ditadura de Augusto Pinochet (ver imagem abaixo).

voucher creche

Se houvesse uma real preocupação com o acesso de crianças pobres a creches, o governo Bolsonaro tentaria aumentar o montante de contribuição do governo federal para compor os fundos que formam o Fundeb em vez de diminuir como está propondo na prática.

Mas é preciso lembrar que tanto o ministro Paulo Guedes, como sua irmã Elizabeth Guedes, não só possuem laços com os setores privados da educação, como o ministro da Fazenda possui investimentos bilionários no setor educacional privado e a distância, chegando a captar R$ 1 bilhão de fundos de pensão. Aliás, não custa nada lembrar que é por causa desses investimentos que Paulo Guedes acabou enrolando na chamada Operação Greenfield, onde ele é acusado de ter ganho mais do que devia nas transações que fez com vários fundos de pensão, entre eles o Previ (Banco do Brasil), Petros (Petrobras), Funcef (Caixa), Postalis (Correios).

Como se vê, quando se trata das investidas de Paulo Guedes contra a coisa pública, o mais provável é que ele esteja mirando em ganhos privados para ele e seus associados. 

Votação do Fundeb é adiada para amanhã por falta de acordo

Votação da PEC do Fundeb que estava prevista para esta segunda-feira (20) foi adiada para esta terça-feira e vem após a Câmara rejeitar vários pontos do projeto apresentado pelo governo Jair Bolsonaro

camara(Foto: Maryanna Oliveira/Câmara dos Deputados)

 A votação da Proposta de Constitucional sobre o Fundo de Manutenção e Desenvolvimento da Educação Básica (Fundeb) que estava prevista para esta segunda-feira (20) foi adiada para esta terça-feira (21). Adiamento vem na esteira da rejeição de pontos da proposta apresentada pelo governo Jair Bolsonaro e que previa que os efeitos do Fundeb passassem a valer somente em 2022, além de que parte dos recursos do fundo fossem empregados no pagamento de aposentadorias e no financiamento do projeto Renda Brasil, que vem sendo elaborado pelo governo em substituição ao Bolsa Família.

“O governo se comporta como alguém que entra no ônibus em movimento e quer tomar o volante. A proposta tenta criar um programa do governo dentro do Fundeb. O governo quer burlar o teto de gasto e tenta usar o Fundeb para isso. Nós da oposição somos a favor da assistência social também, mas o governo que envie outro projeto sobre isso e não tente utilizar recursos da educação” disse a líder do PCdoB na Câmara, deputada Perpétua Almeida (AC),  segundo o jornal O Globo

fecho

Este texto foi inicialmente publicado pelo site Brasil 247 [Aqui!].

PEC do Fundeb: nota técnica desconstrói falácias do governo Bolsonaro contra o financiamento da educação pública

wp-1595252141600.jpg

Posto abaixo uma Nota Técnica elaborada pela Associação Nacional de Pesquisa em Financiamento da Educação (Fineduca),  e divulgada no dia de hoje (20/07), que desconstrói com números e fatos, uma-a-uma, as falácias da posição do Governo Bolsonaro e dos grandes conglomerados que controlam a economia brasileira sobre a PEC do Fundo Nacional de Desenvolvimento da Educação (Fundeb)

fineduca 1fineduca 2fineduca 3fineduca 4

É importante notar que o texto defende a aprovação do texto integral da deputada federal Profa. Dorinha (DEM-TO), explicando os motivos pelas quais a PEC deve ser aprovado e começar a sua vigência integral em 2021, e não em 2022 como quer o governo Bolsonaro.

Essa vai ser uma boa hora para que os deputados Marcão Gomes (PL) e Wladimir Garotinho (PSD) estejam juntos, mas do lado certo das disputas.  Aliás, o Blog do Pedlowski, vai acompanhar o placar desta votação para ver como votaram os dois deputados campistas nesta questão crucial para a Educação brasileira, para que ninguém depois venha alegar que estou divulgando “fake news“.

marcaovladimir

O Blog do Pedlowski vai acompanhar a votação da PEC do Fundeb para monitorar se a parceria Marcão Gomes e Wladimir Garotinho desta vez vai estar do lado certo da História

Quem desejar ler a nota da Fineduca no formato pdf,  basta clicar [Aqui! ].