Brasil: jacarés, onças-pintadas, ariranhas … Incêndios devastam biodiversidade no Pantanal

O Pantanal, maior área úmida tropical do planeta, vive um desastre ecológico sem precedentes, com danos irreparáveis ​​à biodiversidade. 

Por Hamza Hizzir

“Você sabe que as ONGs não têm voz comigo. Estou firme com essas pessoas, mas não posso matar esse câncer que a maioria das ONGs tem”, disse com certa medida. que o caracteriza, Jair Bolsonaro, o presidente do Brasil, quinta-feira, 3 de setembro. É porque a raiva está rugindo. Do Greenpeace ao Human Rights Watch, por meio de uma campanha na Internet intitulada “Defundbolsonaro.org”, o ator Leonardo Di Caprio ou mesmo um grupo de fundos de investimento de US $ 4 trilhões: todos exortam o chefe de estado a reagem, enquanto as chamas mais uma vez assolam a Amazônia, e mais particularmente o Pantanal, a maior área úmida tropical do planeta.

Mais de 2,3 milhões de hectares já viraram fumaça desde o início do ano, segundo dados compilados pela Universidade Federal do Rio de Janeiro (Lasa-UFRJ). Os satélites do Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais (INPE) já identificaram 12.567 incêndios no Pantanal desde janeiro, um total já maior do que todos os anos de 2018 e 2019 juntos. E acima de tudo, o recorde de um ano inteiro (de 12.536 residências), datado de 2005, acaba de ser batido, em menos de nove meses, segundo novos dados atualizados quarta-feira, 9 de setembro.

amazon-1

Mas, além dos números, é uma verdadeira tragédia que se desenrola neste santuário de biodiversidade com fauna excepcional, localizado no extremo sul da floresta amazônica e que se estende do Brasil ao Paraguai e à Bolívia. . No local, isso resulta em incontáveis ​​cadáveres de ariranhas e jacarés carbonizados, cobrindo um solo deserto com toda a água e vegetação. “Uma vez que o animal anda no chão brilhante, seu corpo queima, e ele não consegue mais se mover” , explica ao TF1, Felipe Coutinho, médico veterinário que, com outros voluntários, percorre essa paisagem infernal para emprestar a mão forte para os bombeiros.

Daniel, dono de um hotel na região, dá o alerta: “Nos mobilizamos com todos os vizinhos. Uma das maiores áreas de biodiversidade do mundo está desaparecendo. E não estamos recebendo nenhuma ajuda. ! ”  O Exército brasileiro foi de fato enviado em agosto para combater os incêndios. Mas é como escavar o oceano com uma colher de chá. Nesta semana, o Parque Natural Encontro das Águas, conhecido por abrigar a maior concentração de onças-pintadas do mundo, foi atingido por chamas … Felipe Coutinho, no entanto, tenta manter a coragem. E esperança: “ É um trabalho árduo. Não podemos salvar toda a região , confidencia. Mas se cada um de nós fizer a sua parte todos os dias.

fecho

Este texto foi originalmente escrito em francês e publicado pelo canal de TV LCI [ Aqui!].