Sínodo da Amazônia: não é fácil passar pela selva

O Sínodo Amazônico no outono promete debates controversos: luta pelos direitos indígenas e contra uma economia exploradora, novas formas de organização interna da igreja, possivelmente padres casados.

DschungelwegOs bispos discutirão questões polêmicas no Sínodo da Amazônia, como o casamento de homens casados. Foto (trilha pela selva peruana): Circulação Adveniat / Tina Umlauf

É um “Sínodo Especial para a Amazônia”, diz Fabio Fabene, subsecretário do Sínodo dos Bispos, e não é de modo algum uma questão de impor uma “aparência amazônica” a toda a Igreja Católica. A Cúria quer diminuir as esperanças de uns e o temor de outros. Indiretamente, ele admite, no entanto, que a reunião do bispo de 6 a 27 de outubro pode ser mais explosiva do que a do Vaticano.

Proteção ambiental e dos povos indígenas

Com a publicação do documento de trabalho do Sínodo na segunda-feira, 17 de junho de 2019, o conteúdo das deliberações é relativamente claro. O original espanhol do chamado “Instrumentum laboris” tem o tamanho de um pequeno livro de bolso de 140 páginas e é dividido em três partes principais com os conceitos centrais da “voz da Amazônia”, “ecologia holística” e uma “igreja profética”. De acordo com o secretário-geral do Sínodo, cardeal Lorenzo Baldisseri, o documento tem como objetivo delinear as vidas de pessoas que são frequentemente vítimas de exploração e destruição ambiental, e de “desenvolver novas formas de promover a fé de forma mais eficaz”. Relacionada a isso está a questão de até que ponto a Igreja pode assimilar elementos ancestrais na pregação e adoração. Os bispos não podem evitar lidar com a superexploração na região rica em recursos, segundo a encíclica “Laudato si” (2015). Além de proteger os direitos dos povos indígenas, fenômenos sociais como migração, urbanização, mudança familiar e corrupção também estão na agenda.

Processo de consulta envolveu 78.000 pessoas

O presente documento de trabalho baseia-se em um processo de consulta mais longo. Por cerca de um ano, de acordo com Baldisseri em cooperação com a REPAM Rede do Panamá em 260 eventos no local, as questões e preocupações foram exploradas. Segundo o cardeal peruano e vice-presidente da REPAM, Pedro Barreto Jimeno, 87 mil pessoas participaram desse parecer. Expectativas de resultados concretos e declarações claras devem ser igualmente amplas. O documento de trabalho fala da necessidade de enfrentar o “problema do poder” como igreja. Os povos da região amazônica “não têm oportunidade de afirmar seus direitos em relação às grandes empresas e instituições políticas”. Este ponto também deve ser lido contra o pano de fundo que o presidente populista de direita do Brasil, Jair Bolsonaro, considerou a floresta amazônica principalmente como um recurso econômico e liberalizou a lei de armas. Veio antes de Bolsonaro entre 2002 e 2017 no Brasil segundo dados católicos 1.119 índios na defesa de seus direitos na vida. A Igreja, por outro lado, não pode ficar indiferente, diz o documento do sínodo.

Discussão sobre os ministérios eclesiásticos para casados ​​e mulheres

O anúncio fornece interesse que deve ser debatido no sínodo sobre os padres casados ​​e papéis de liderança para leigos católicos. A subsecretária Fabene enfatizou, por precaução, que o papa Francisco havia excluído a abolição geral do celibato obrigatório para os padres. “Ninguém quer questionar o celibato”, diz Fabene. No entanto, a falta de celebrações eucarísticas devido à falta de padres é percebida como um “estado de emergência”. O Sínodo está agora considerando a possibilidade de permitir que pais idosos e respeitados se consagrem em áreas remotas, a fim de garantir o cuidado sacramental. Neste “momento histórico” novos espaços para escritórios eclesiásticos se abrem, diz no jornal – também para mulheres. O diaconado não é mencionado, enfatiza Fabene.

Enquanto isso, observadores conservadores católicos temem que, com uma apreciação maior das culturas indígenas, talvez práticas questionáveis ​​ou até crenças alienígenas possam entrar na igreja. Para estes, em vez de expandir os ofícios eclesiásticos, é melhor rezar pelas vocações. Um jornalista também perguntou na apresentação do documento de trabalho se a Teologia da Libertação aumentaria novamente. De qualquer forma, o sínodo pode contar com juros.

Amazon Adveniat Latin America Synod Repam
A organização de ajuda à América Latina Adveniat faz parte da rede eclesiástica Repam especialmente para o futuro dos povos ameaçados e da criação na Amazônia. Mais informações e projetos sob este link

______________________

Este artigo foi originalmente publicado em alemão pela Adveniat [Aqui!]

Governo Bolsonaro: depois da espionagem da Igreja Católica virá o quê?

heleno_papa

General Augusto Heleno que colocou agentes da Agência Brasileira de Inteligência (Abin) para espionar os preparativos do Sínodo da Amazônia convocado pelo Papa Francisco.

A língua inglesa tem ótimas palavras para expressar situações e casos que a portuguesa precisa de mais palavra para explicar.  Uma dessas palavras do Inglês é “disbelief” que vem a ser a falta de habilidade ou recusa de aceitar que alguma coisa é verdadeira ou real. 

Pois bem, “disbelief” foi a sensação que se apossou de mim quando li a notícia dando conta que o governo Bolsonaro está espionando a Igreja Católica em função da realização do Sínodo da Amazônia que foi convocado pelo Papa Francisco em 2017, e que ocorre sob acontece sob o lema “Amazônia: novos caminhos para a Igreja e para uma ecologia integral”.  

O Sínodo na forma que foi convocado pelo Papa Francisco deverá realizar discussões essenciais para o Brasil, a começar pela situação dos povos indigenas da Amazônia, as mudanças climáticas causadas pelo desmatamento e a condição dos quilombolas amazônicos.

Segundo relatou a experiente jornalista Tânia Monteiro do “ESTADÃO”, para o ministro chefe do Gabinete de Segurança Institucional (GSI), Augusto Heleno, essa é uma agenda que visa interferir em um assunto interno do Brasil, e que seria “preciso entrar fundo nisso”.

Afora a clara intenção de interferir num Sínodo convocado por um Papa, revelando um pendor para o autoritarismo, essa predisposição de neutralizar uma agenda que claramente está revestida de elementos positivos para os interesses estratégicos do Brasil mostra uma falta de entendimento da natureza da própria Igreja Católica. É que, apesar de ser uma instituição que permite nuances ideológicas, a Igreja Católica é provavelmente a instituição que possui uma hierarquia que tolera isso em nome da centralidade da autoridade papal, Em outras palavras, querer interferir na dinâmica política da Igreja Católica é equivalente a tentar parar uma avalanche no peito: pode ser até corajoso, mas completamente inútil e mortal.

Não sou grande entendedor dos caminhos políticos que a Igreja Católica trilha, mas o reconhecimento de que o governo Bolsonaro está espionando bispos no Brasil e pretende fazê-lo também fora de nossas fronteiras nacionais vai acabar trazendo consequências salgadas para sua sustentação política junto a uma fração nada desprezível da população brasileira que segue as orientações emanadas do Vaticano.  Assim vamos ver como se darão as próximas liturgias nas milhares de igrejas católicas que existem no Brasil, já que elas refletem o que pensa o Papa.

Mais incrível ainda é a informação de que o governo Bolsonaro pretende acionar o da Itália para  interceder junto à Santa Sé para evitar ataques diretos à política ambiental e social do governo brasileiro durante o Sínodo sobre Amazônia.Eu sei que com o atual ministro das Relações Exteriores tudo é possível em termos de ignorância em relação aos protocolos diplomáticos, mas esperar que o governo italiano entre nesse tipo de briga é, no mínimo, pouco sagaz.

bolsonaro italia

Mas é provável que o próximo a se sentir tomado pela condição de “disbelief” seja o General Augusto Heleno. É que o Papa Francisco não vem sendo conhecido por ser um pontífice acomodador em questões que ele julga essenciais para os caminhos da Igreja Católica deve trilhar.

Documento de organizações católicas convoca resistência e unidade

nota_conjunta_mobilizacao

Apesar de ter sido lançado em agosto de 2018, o documento abaixo, assinado por organizações ligadas à Igreja Católica, permanece relativamente desconhecido da maioria dos brasileiros. 

Considero que a leitura do mesma seria importante, não apenas para os católicos, mas para todos os que desejam que saiamos do atual processo eleitoral melhor preparados para enfrentar a dura conjuntura política e social em que o golpe parlamentar contra a presidente Dilma Rousseff, especialmente na possibilidade de que um dos candidatos mais alinhados com esta agenda venha a ocorrer.

É que como os fatos acontecidos desde 2016, a burguesia brasileira não vai aceitar pacificamente a derrota dos seus candidatos, independente da posição do espectro direitista que estiverem ocupando.

 

RESISTÊNCIA DEMOCRÁTICA, UNIDOS PELA JUSTIÇA E PAZ!

Estamos vivendo tempos difíceis no Brasil. Males que pretendíamos ter deixado para traz voltam a nos atormentar e fazem sofrer o nosso povo. Pobreza absoluta, miséria e fome, desemprego e subemprego, mortalidade infantil, restrição e piora dos serviços públicos de educação e saúde, aumento da violência urbana e rural são algumas das pragas que sonhávamos estarem acabando.

Tempos moldados pelos interesses do capital financeiro e seus principais aliados, que se utilizam dos grandes meios de comunicação e tentam exercer uma hegemonia ideológica sobre o conjunto da sociedade.

Tempos moldados pelos interesses do capital financeiro e seus principais aliados, que se utilizam dos grandes meios de comunicação e tentam exercer uma hegemonia ideológica sobre o conjunto da sociedade.

Em 2016 aconteceu um Golpe de Estado no Brasil. Votou-se o “impeachment” da presidenta Dilma, por argumentos hoje reconhecidos como falaciosos. Após isso, implantou-se um governo sem legitimidade alguma que tem implementado um programa econômico autocrático, que destrói as políticas sociais e retira direitos, servindo a uma agenda neoliberal, seguindo plenamente os ditames do Capital, na contramão do projeto aprovado pela população nas eleições majoritárias de 2014.

Esse “governo” diminuiu substancialmente a participação da Petrobras no Pré-sal, vinculou os preços dos combustíveis ao mercado internacional, cortou o gasto público em despesas sociais por duas décadas, aprovou a terceirização da mão de obra em atividades fim, fez uma Reforma Trabalhista à imagem e semelhança dos interesses patronais, diminuiu drasticamente o número dos beneficiários do Bolsa Família, reduziu as verbas para saúde e educação, desmontou a fiscalização do combate ao trabalho escravo, estancou a demarcação de terras indígenas e quilombolas, aniquilou a Reforma Agrária em nosso país e busca liberar a compra-venda de terras para o mercado internacional, inclusive de terras de fronteiras.

Desde 2016, o orçamento federal sofre cortes substanciais em políticas sociais: universidades e institutos federais deixados à míngua; hospitais universitários e institutos de pesquisas sendo desmontados; redução orçamentária da CAPES, impedindo a formação continuada de professores; a agricultura familiar abandonada, a indústria nacional, especialmente a construção civil, naval e a do petróleo, jogada ao ocaso.

Os resultados desse horror logo repercutiram para as maiorias sociais. Houve um grande aumento do desemprego, precarização do trabalho e a renda média das famílias dos trabalhadores caiu, deixando milhões ao desalento.

Em meio a essa barbárie social, Itaú-Unibanco, Bradesco e Santander tiveram em 2017, lucro líquido de R$ 53,9 bilhões. Valor concentrado, fundamentalmente, por quatro famílias, livre de qualquer imposto ou contribuição social. Ou seja, quase duas vezes o valor do Bolsa-família para todo ano de 2018 que atenderia a 39 milhões de famílias beneficiárias.

Além disso, está em curso no Brasil um processo agressivo de transferência de renda do Estado para setores privilegiados, por meio de isenção de impostos, do perdão de dívidas e do sistema da dívida pública.

O insaciável mercado mostra uma voracidade infinita ditando reformas que aumentarão ainda mais os seus escandalosos lucros, sem se importar com a escalada de sofrimento humano.

O insaciável mercado mostra uma voracidade infinita ditando reformas que aumentarão ainda mais os seus escandalosos lucros, sem se importar com a escalada de sofrimento humano.

A ênfase que se dá ao combate à corrupção dissocia-se do enfrentamento às gritantes desigualdades sociais. Floresce um discurso que instrumentaliza esta luta contra a corrupção, que se tornou mecanismo para subverter a agenda pública nacional da Constituição de 1988, cujos os objetivos fundamentais são: construir uma sociedade livre, justa e solidária, garantir o desenvolvimento nacional, erradicar a pobreza e a marginalização e reduzir as desigualdades sociais e regionais.

Nesse quadro, os donos do poder fazem verdadeiros malabarismos jurídicos e políticos com a intenção de perdurar no tempo o atual modelo: judicialização da política e politização da justiça com notória seletividade e perseguição. O autoritarismo e a parcialidade do nosso sistema judicial aviltam o Estado democrático de direito. Exemplo disso é a substituição da vontade popular por um processo casuístico que prendeu o ex-presidente Lula e tenta inviabilizar sua candidatura à Presidência da República.

As eleições de 2018 serão uma das mais decisivas da história brasileira, pois nelas se enfrentarão projetos de país e sociedade, representados por partidos e candidaturas aos Executivos e aos Legislativos. Por um lado estarão aqueles identificados com o atual governo tentando se legitimar, por outro, aqueles genuinamente portadores dos anseios mais profundos do povo brasileiro na sua incansável saga por soberania e direitos universalizados.

Nessas eleições outro grande desafio para as forças da resistência democrática e popular é enfrentar candidaturas com forte conteúdo neofascista.
Neste momento dramático, em que estão em risco o presente e o futuro de nossa nação, não podemos “lavar as mãos”, nos omitir, nem buscar refúgio na neutralidade.

O momento exige solidariedade com os empobrecidos, oprimidos e marginalizados.

O momento exige solidariedade com os empobrecidos, oprimidos e marginalizados.

Para tanto, propomos construir um programa que seja uma referência e orientação para nossa gente nas eleições e que possa movimentar a espiral de cidadania e do bem comum.

Entre esses pontos, as entidades signatárias propõem:

1. Revogação das mudanças aprovadas na CLT que retiram direitos trabalhistas.

2. Reversão das privatizações executadas e fortalecimentos das empresas públicas.

3. Revogação da Emenda Constitucional 95, que congela os investimentos sociais por 20 anos.

4. Realização de uma Auditoria Cidadã da Dívida Pública, que consome aproximadamente metade de todo o orçamento público brasileiro.

5. Realização de Reforma Tributária que combata a desigualdade, taxando as grandes fortunas, as grandes heranças, os dividendos de grandes empresas e do sistema financeiro. Reversão das isenções fiscais e do perdão de dívidas e cobrança dos impostos devidos por grandes empresas.

6. Retomada dos programas sociais nos moldes anteriores a 2016, reforçando-os e universalizando-os.

7. Denúncia da partidarização e seletividade do judiciário.

8. Respeito à presunção da inocência e a Constituição que garante que a prisão somente deve ocorrer quando todos os recursos e instâncias tenham se esgotado.

9. Mobilizar a sociedade para uma ampla Reforma do Estado, que estimule mecanismos de participação direta, promova a democratização e a pluralidade dos meios de comunicação e garanta o pleno respeito aos direitos humanos.

10. Implementação do direito a demarcação das terras indígenas e quilombolas e realização de uma reforma agrária ampla e popular, com incentivos à produção agroecológica e agroflorestal e à comercialização de alimentos saudáveis para toda a população brasileira.

Assinam:
Cáritas Brasileira
Comissão Brasileira Justiça e Paz
Comissão Pastoral da Terra
Conferência dos Religiosos do Brasil
Conselho Indigenista Missionário
Conselho Nacional do Laicato do Brasil
Conselho Pastoral dos Pescadores
Fórum de Mudanças Climáticas e Justiça Social
Pastoral Carcerária
Pastoral Operária
Serviço Pastoral do Migrante