Por que a China deve responder a todas as provocações de Taiwan

‘Salami slicing’, há muito estudado por teóricos dos jogos como uma tática política, explica por que Pequim não tem escolha a não ser combater cada pequeno e gradual movimento feito por Taipei e seus apoiadores ocidentais em direção à independência

China Military

Por Alex Lo para o “South China Morning Post”

Disseram para não entrar na água, uma criança senta-se na margem, mas mergulha os pés. Seus pais estão assistindo. Ele então submerge mais de suas pernas, mas ainda sem resposta dos pais. Logo ele está de pé na água. Preocupados, os pais dizem para ele recuar. Ele se move para trás, mas diz para eles relaxarem. Eles deixaram rolar. Em pouco tempo, ele está de volta ao seu antigo jogo. O pai perde a paciência e o puxa para fora, com ele chutando e gritando: “Eu nem estava na água!”

OK, modifiquei um pouco a história, mas esse foi o exemplo que o ganhador do Prêmio Nobel de Economia e teórico dos jogos Thomas Schelling usou uma vez para explicar como o “fatiar de salame” funcionava na vida real e como isso poderia ser combatido.

É uma brincadeira de criança que muitas vezes é usada como tática política – fazer movimentos pequenos e graduais para evitar uma resposta esmagadora para atingir um objetivo ou mudar o status quo. Parece óbvio que Taiwan sob o presidente Tsai Ing-wen e o Partido Democrático Progressista no poder têm feito exatamente isso. Os chineses às vezes chamam a tática de cán shí ou “uma mordidela de bicho-da-seda”. Em Taiwan, é jiàn dú, que literalmente significa independência por uma abordagem “gradualista”. Os taiwaneses são bastante abertos sobre isso, isto é, se você conhece o idioma deles.

Após a viagem de Nancy Pelosi a Taiwan, Pequim reage de forma raivosa, como já havia alertado que faria. O Congresso dos EUA e a Casa Branca criticaram a China por exagerar; foi apenas uma visita curta, dizem eles.

China's military exercises aimed at blockading Taiwan: defense ministry -  Focus Taiwan

Como se fosse uma sugestão, a União Europeia e as nações do G-7 divulgaram declarações semelhantes condenando a “reação exagerada” de Pequim. No entanto, nos últimos anos, mais e mais altos funcionários dos EUA têm feito a peregrinação a Taipei; depois veio Pelosi, a mais importante de todos.

É claro que os mesmos críticos agora dizem que a visita de Pelosi inspirará mais líderes políticos e representantes parlamentares da União Européia e dos EUA a seguir. E depois da Lituânia, mais países europeus estão planejando permitir que a ilha autogovernada use o nome “Taiwan” para seus escritórios de representação, o que potencialmente os atualizará para consulados ou até embaixadas.

Como os teóricos dos jogos como Schelling diriam, apenas uma linha traçada na areia, seguida por uma resposta esmagadora ou “desproporcional” poderia deter ou retardar o bicho-da-seda.

Enquanto isso, Taipei está gritando para a mídia mundial: “Eu nem estava na água!”


compass black

Este texto escrito originalmente em inglês foi publicado pelo jornal “South China Morning Post” [Aqui!].