A confusão na Câmara de Vereadores de Campos dos Goytacazes e a questão da boa etiqueta para o uso das redes sociais

Resultado de imagem para etiquetas da internet

Nem vou me deter nos últimos projetos enviados pelo jovem prefeito Rafael Diniz e aprovados de maneira atropelada pela costumeiramente obediente bancada governista (independente do governante de plantão, é bom que se frise). Isso merecerá uma análise mais completa em outro dia. 

O que me leva a escrever esta postagem é um fato que poderia passar despercebido em outros momentos não tivesse o presidente da Câmara de Vereadores, o trânsfuga do PT, o nobre vereador Marcão Gomes (REDE) ter exonerado um assessor parlamentar com base numa confusão que teria sido iniciada pelo mau uso da rede social Facebook.

Tomando como base um entrevero  ocorrido com outro trânsfuga, só que esse do grupo político do ex-governador Anthony Garotinho, o igualmente nobre vereador Marcelo Perfil  (PHS), o presidente da Câmara de Vereadores exonerou sabe-se lá com quais poderes um assessor da também nobre vereadora Lindamara da Silva (PTC) que teria postado fotos  de um assessor  do parlamentar humanista mostrando cenas do mesmo numa praia com a família. Desnecessário dizer que entre estas fotos havia membros da família vestindo roupas de banho. Tendo isto sido feito, houve um entrevero no plenário da Câmara de Vereadores que acabou em  grossa confusão que envolveu desde ameaças de surras físicas até de usos de armas de fogo por parte de outro nobre vereador da bancada governista, no caso o Sr. Fred Machado ( ver vídeo abaixo).

Esqueçamos por um segundo deste entrevero lamentável com ares de novelão mexicano, para nos deter no detalhe das fotografias que teriam sido a causa inicial da confusão.  É que as mesmas teriam sido depositadas pelo assessor do já citado nobre vereador Marcelo Perfil em sua página pessoal na rede social Facebook, e de lá teriam sido postadas em meio a um embate com o agora ex-assessor da nobre vereadora Lindamara da Silva.

familia-silla (1)

Fonte: http://somosassim.com.br/portal/97298-2/

Pois bem,  se esta é realmente o que  causou a confusão no plenário da Cãmara de Vereadores, de quem então é a responsabilidade pelo uso de fotografias de uma reunião familiar nas disputadas políticas nada familiares que estão ali ocorrendo? Ora, de quem as postou e, pior, as tornou públicas para quem quizesse vê-las e usá-las ao bel prazer.

Para evitar esse tipo de uso que depois se considera impróprio é que os usuários de qualquer rede social precisa se precaver.  É que já está mais do que sabido dos múltiplos maus usos que pode ser feito daquilo que as pessoas, muitas vezes ingenuamente, depositam nas múltiplas redes sociais de que participam.

Deste modo, os princípios da precaução e da prevenção são essenciais para que se use quaisquer sociais, especialmente em um contexto histórico tão problemático como o que estamos atravessando. Além disso, diferentes estudos já demonstraram que a internet se tornou um espaço privilegiado para a ação de criminosos sexuais.  Nesse sentido, a super exposição a que muitos se permitem é não apenas desnecessária mas também perigosa.

E a Câmara de Vereadores de Campos dos Goytacazes? Bom, essa já é um caso para uma postagem que vai muito além das etiquetas que cercam o bom uso das redes sociais.

O grande irmão na era da internet

Livro apresenta inquietante visão de um futuro distópico muito possível: quando a vida for totalmente pública, não haverá segredos e tudo será compartilhado na rede social definitiva.

Por: Marcelo Garcia

O grande irmão na era da internet

O Círculo quer estar em toda parte. Nessa rede social definitiva, quase toda nossa vida é integrada e pública. Será ainda possível viver fora do seu controle? (foto original: Thomas Christensen/ Flickr – CC BY-NC-SA 2.0)

Seria possível que uma empresa dominasse o mundo? Nada de armas ou exércitos aqui, estamos falando de algo bem mais sutil: uma rede social que se ramificasse de forma tão profunda na sociedade que se tornasse indistinguível dela. Essa é a ideia por trás de O Círculo, uma fábula distópica escrita por Dave Eggers que apresenta um futuro não muito distante e inquietantemente possível. A obra, lançada em 2014, levanta questões cruciais em tempos digitais sobre temas como privacidade, superficialidade das relações sociais, memória, democracia e limites do conhecimento humano.

Livro O Círculo

Esqueça Facebook, Google, Microsoft, Apple, Twitter – o Círculo é uma espécie de amálgama de todos eles, a rede social definitiva. Jovem, ousada, inovadora, visionária, ela representa o futuro. Embora sejam obras muito diferentes, é difícil não traçar paralelos com clássicos como 1984 eAdmirável mundo novo.

O Círculo soa quase como uma atualização desse pesadelo de futuro tecnocrático de vigilância total, quase um guia de primeiros passos para dominação global – inclusive mostrando como é simples no mundo digital incriminar e desmoralizar as poucas vozes ousadas o suficiente para se levantar. Dessa vez, porém, as ações e palavras dos indivíduos não precisam ser seguidas de perto por algum ministério especial, pois são registradas on-line e em tempo real para serem vistas, acompanhadas – e julgadas – por uma infinidade de amigos virtuais, para sempre.

Paraíso?

A história começa quando Mae Holland é contratada para trabalhar no Círculo por indicação da amiga Anne e larga seu burocrático trabalho em uma repartição pública. Tudo parece cor-de-rosa e, aos poucos, ela – e nós – conhece melhor a organização, sua incrível sede que parece um parque temático e seus ambiciosos projetos. A exemplo de outras bem conhecidas do mundo real, a empresa atua muito além dos serviços para internautas: mapeia o fundo do oceano, por exemplo, e até se propõe a contar os grãos de areia do deserto do Saara. No sonho do Círculo, tudo é possível.

É difícil não se maravilhar com as possibilidades e não pensar que a maioria delas poderia se tornar real dentro de pouco tempo. Braceletes para acompanhamento da saúde em tempo real, câmeras em cada canto do globo com transmissão ininterrupta, pessoas ‘transparentes’ transmitindo 24h de seus dias na internet, chips para prevenir raptos de crianças e armazenar históricos médicos e escolares. Ótimas e palpáveis ideias. Ou não?

Identificação de pessoas
Ter todos os perfis integrados, programas de identificação avançados e até ‘chips’ biológicos para armazenar informações – é inquietante como o futuro distópico pode estar mais perto do que pensamos. (foto: Southbank Centre/ Flickr – CC BY 2.0)

No leitor, cada novidade também desperta certo incômodo, crescente, sobre os rumos que esse futuro conectado parece tomar: transparência total, memória permanente e conexão plena – sempre, é claro, para o bem de todos. “Segredos são mentiras”, “compartilhar é cuidar” e “privacidade é roubo”, máximas cunhadas pela própria empresa rumo à sua ‘completude’ já deixam ver o caráter desse novo mundo. Recado, no entanto, ignorado pela sociedade fascinada e empenhada em compartilhar e curtir tudo o que vê pela frente enquanto ignora a democracia que rui ao seu redor. 

Vida transparente

A trajetória da própria Mae traz o ponto de vista de alguém que faz parte da ‘revolução’. É fácil se identificar com ela, compartilhar seu começo reticente e entender o seu fascínio pelo Círculo, mérito da narrativa de Eggers. À medida que ela cresce na empresa, nos leva em um fundo mergulho no imediatismo da sua frenética nova vida digital, construída completamente na rede, sem distinção entre público e privado, valorada e medida porzings (tweets?), curtidas e ‘caras felizes’ e sustentada em frágeis laços. Percebeu alguma semelhança com a vida que muitos de nós já levamos hoje?

A protagonista nos leva em um fundo mergulho no imediatismo da sua frenética nova vida digital, construída completamente na rede, sem distinção entre público e privado, valorada e medida por zings(tweets?), curtidas e ‘caras felizes’

Seus pais e seu ex-namorado, além de Anne, são praticamente os únicos laços reais de Mae. Eles funcionam como contraponto que permite enxergar melhor as mudanças na protagonista e o ‘lado negro’ da bem-aventurança trazida por suas novidades tecnológicas. São eles que questionam e jogam luz mais claramente no que o resto do livro deixa subentendido quanto a questões relacionadas a privacidade, liberdade, controle e banalidade no mundo digital.

Também vale destacar a relação de Mae com os três ‘sábios’ que comandam o Círculo – que não por acaso lembram personalidades do mundo atual: o jovem-prodígio, o supremo capitalista e o tiozão carismático, rosto público da empresa. A interação deles com Mae guia suas decisões e leva a trama à beira do mundo distópico das melhores obras da ficção. Seu envolvimento amoroso com o misterioso Kalden, único fio solto no mundo perfeito da sede do Círculo, apesar de não decolar, serve de chave para um final interessante – e até inesperado.

Alerta

Por fim, O Círculo é uma obra interessante, que coloca em perspectiva os avanços tecnológicos e a própria organização social dos dias de hoje. As questões que levanta não poderiam ser mais atuais e envolventes. O futuro traçado pela obra de Eggers é palpável, com pequenas extrapolações tecnológicas que nem precisam ir tão além das tecnologias atuais (como fazem outras obras do gênero) para traçar o nascimento de uma sociedade de controle total, uma bela atualização do tema. Trata-se de uma mostra de que, se nós ainda não vivemos no mundo de O Círculo, nada impede que ele esteja logo adiante, nos esperando. A conferir. E quem gostou, curta e compartilhe. 

FONTE: http://cienciahoje.uol.com.br/noticias/2015/01/o-grande-irmao-na-era-da-internet

Pelas abelhas

Campanha internacional criada por brasileiros chama atenção para o desaparecimento de colmeias e seu impacto sobre o ambiente e a segurança alimentar dos humanos.

Pelas abelhas

A maior parte dos cultivos agrícolas depende da polinização feita por abelhas. (foto: Bob Peterson/ Flickr – CC BY-SA 2.0)

A notícia de que a população mundial de abelhas tem se reduzido pode até ser novidade para alguns, mas não aqui na CH On-line. Esses insetos vêm desaparecendo nos últimos 60 anos e 13 espécies foram extintas do planeta – das cerca de 20 mil existentes. O que parece uma boa notícia para os alérgicos é, no entanto, preocupante para o futuro da humanidade. Por isso, pesquisadores brasileiros lançaram uma campanha global para divulgar o sumiço de abelhas batizada de Bee or not to be? – um trocadilho em inglês com o verbo ‘ser’ (to be) e a palavra ‘abelha’ (bee) baseado na famosa frase de William Shakespeare: “Ser ou não ser, eis a questão.”

Ao tentar polinizar vegetais tratados com certos tipos de pesticidas, as abelhas desenvolvem um problema no sistema nervoso que faz com que ‘esqueçam’ o caminho de volta para sua colmeia e morram ao relento

Os pesquisadores chamam a atenção para um fenômeno mundial denominado ‘síndrome do desaparecimento das abelhas’, decorrente de um problema no sistema nervoso desses insetos que faz com que eles ‘esqueçam’ o caminho de volta para sua colmeia e morram ao relento. Essa alteração está relacionada principalmente ao uso na agricultura de uma classe de pesticidas à base de nicotina, os neonicotinoides. Ao tentar polinizar os vegetais tratados com esses pesticidas, as abelhas se contaminam e desenvolvem o problema.

Em sua página, o projeto pretende alertar a população sobre esse fenômeno e reunir assinaturas em todo o mundo para pressionar autoridades a regulamentar o uso dos pesticidas nocivos para as abelhas. “O uso de pesticidas no Brasil hoje é pouco regulamentado e produz muitos efeitos adversos ao ambiente e às espécies”, aponta o idealizador da campanha, o geneticista Lionel Segui Gonçalves, professor da Universidade Federal Rural do Semi-Árido (Ufersa) em Mossoró (RN) e diretor do Centro Tecnológico de Apicultura e Meliponicultura do Rio Grande do Norte (Cetapis).

Mapeamento colaborativo

Embora as abelhas ainda não tenham desenvolvido a capacidade de ler mapas e encontrar o caminho de volta para suas colmeias, é exatamente nos mapas que o siteaposta para preservar esses insetos. Na página, é possível baixar o aplicativo Bee Alert, disponível para computadores, tablets e smartphones. O programa, voltado para apicultores, meliponicultores, agricultores e pesquisadores da área, permite aos usuários registrar on-line em um mapa a ocorrência, o desaparecimento local ou a morte de espécies de abelhas e assim contribuir para o monitoramento da população desses insetos.

Mapa de ocorrência de abelhas
A página do projeto disponibiliza um aplicativo em que os usuários podem registrar em um mapa a ocorrência, o desaparecimento local ou a morte de espécies de abelhas para ajudar no seu monitoramento. (imagem: reprodução)

“O usuário precisa indicar, por exemplo, o nome do apicultor responsável pela colmeia e do proprietário do apiário, além de informações sobre o local, a quantidade de colmeias e a causa das mortes das abelhas”, diz Gonçalves. “Também pedimos, quando possível, dados sobre a perda financeira associada ao desaparecimento, para estimar o impacto econômico da síndrome.”

Segundo o pesquisador, nos Estados Unidos a população de abelhas passou de 5 milhões há sete anos para 2,5 milhões atualmente – uma queda que levou à falência inúmeros apicultores.

O aplicativo já conta com o registro de 40 ocorrências em oito estados brasileiros, contabilizando mais de 120 milhões de abelhas mortas

E não são só os apicultores que sofrem com o sumiço das abelhas. Mais de 70% das culturas agrícolas dependem da polinização feita por elas. “Sempre lembro a previsão feita por Albert Einstein quando afirmou que, caso as abelhas viessem a desaparecer, a humanidade desapareceria logo em seguida”, comenta Gonçalves.

O aplicativo, lançado em abril deste ano, já conta com o registro de 40 ocorrências em oito estados brasileiros, contabilizando mais de 120 milhões de abelhas mortas – fato bastante preocupante, segundo os coordenadores da campanha. “Desejamos entregar, além das assinaturas por uma regulamentação, dados documentados do impacto dos pesticidas nas colônias das abelhas”, diz o pesquisador. “Assim, o material servirá de apoio para a fiscalização dos pesticidas nas áreas apontadas.”

Além dos dados e assinaturas que estão sendo recolhidos, a página do projeto conta com dicas de medidas que podem ser tomadas pela população para reverter essa situação, como o consumo de alimentos orgânicos (sem pesticidas) e o cultivo de espécies de abelhas sem ferrão em casa.

Isadora Vilardo
Ciência Hoje On-line

FONTE: http://cienciahoje.uol.com.br/blogues/bussola/2014/07/pelas-abelhas

Europeus se mobilizam para não se tornar colonos digitais das gigantes norte-americanas. E nós?

An anti-Google protest banner hung outside a developer's conference in San Francisco.

O jornal britânico “The Guardian” acaba de postar um artigo assinado por Julliette Garside analisando um movimento de resistência digital ao domínio que corporações estadunidenses vem exercendo sobre a internet (Aqui!). O que os europeus estão questionando é o poder que corporações como a Amazon, Apple, Facebook e Google possuem hoje sobre a internet, o que comprometeria a liberdade digital.

Expressões como “capitalismo brutal da informação”, “colônias digitais” e até o “direito de desaparecer” aparecem no artigo de Garside como um reflexo do debate que está ocorrendo na Europa para que se diminua o poder que essas corporações possuem no mundo digital.

E quanto a nós, a inexistência deste tipo de consciência cibernética é agravada pela visão ingênua de que a internet é um território ainda livre. Esse tipo de visão não foi sequer arranhada pelas denúncias de Edward Snowden que apontaram que as gigantes da internet como Google e Yahoo realmente colaboraram com o programa de espionagem desenvolvido pela National Security Agency.

Essa reação ao domínio das corporações que dominam hoje a internet é provavelmente uma das fronteiras mais avançadas do debate sobre democracia no Século XXI. Quanto antes começarmos a fazer o debate que os europeus já estão fazendo, maiores serão as chances de que possamos superar a hipnose coletiva que hoje nos torna consumidores ávidos de uma cibersfera fortemente controlada por interesses corporativos.