Desmatamento na Amazônia dispara em outubro, revertendo a tendência de 3 meses

pvh

Por Mongabay

O desmatamento na Amazônia brasileira aumentou 50 por cento em outubro, encerrando uma sequência em que a taxa de desmatamento da região caiu por três meses consecutivos, de acordo com dados divulgados sexta-feira pelo instituto nacional de pesquisas espaciais INPE. A notícia veio logo depois que o presidente brasileiro Jair Bolsonaro pareceu ameaçar a perspectiva de usar força militar contra os Estados Unidos caso este tentasse impor sanções ao país sul-americano por seu fracasso em desacelerar o aumento do desmatamento.

Desmatamento mensal conforme sistema de alerta de desmatamento do INPE, DETER e sistema SAD do Imazon.  O Imazon é uma ONG brasileira que monitora o desmatamento independentemente do governo brasileiro.
Desmatamento mensal conforme sistema de alerta de desmatamento do INPE, DETER e sistema SAD do Imazon. O Imazon é uma ONG brasileira que monitora o desmatamento independentemente do governo brasileiro.

O sistema de alerta de desmatamento por satélite do INPE mostra que 836 quilômetros quadrados de floresta amazônica – uma área 246 vezes o tamanho do Central Park da cidade de Nova York – foram cortados em outubro de 2020. O desmatamento do mês traz a área de perda de floresta para o ano- até o momento, para 7.899 quilômetros quadrados, 6% abaixo de onde estava no mesmo período do ano passado, quando o desmatamento atingiu o maior nível registrado desde 2008.

Os dados de outubro também mostraram um aumento de 3% na degradação florestal e corte seletivo – que muitas vezes precedem o desmatamento completo – e um salto de 66% na área afetada por incêndios no ano passado. O INPE estimou a extensão das “cicatrizes de queimaduras” em 14.487 quilômetros quadrados, uma área maior que o estado americano de Connecticut.

Desmatamento mensal acumulado de acordo com o sistema de alerta de desmatamento do INPE, DETER.  Esta tabela mostra o desmatamento desde o início de agosto, que é o período de referência que o Brasil usa para rastrear o desmatamento na Amazônia.

Desmatamento mensal acumulado de acordo com o sistema de alerta de desmatamento do INPE, DETER. Esta tabela mostra o desmatamento desde o início de agosto, que é o período de referência que o Brasil usa para rastrear o desmatamento na Amazônia.

Desmatamento mensal acumulado de acordo com o sistema de alerta de desmatamento do INPE, DETER.  Esta tabela mostra o desmatamento desde o início de janeiro.Desmatamento mensal acumulado de acordo com o sistema de alerta de desmatamento do INPE, DETER. Esta tabela mostra o desmatamento desde o início de janeiro.

O aumento da área queimada não é surpreendente. O monitoramento aéreo e imagens de satélite mostraram incêndios generalizados em toda a Amazônia brasileira e áreas adjacentes, como o Pantanal , a maior área úmida tropical do mundo, nos últimos meses. Alguns desses incêndios atingiram densas florestas tropicais , áreas protegidas e territórios indígenas . Os incêndios foram tão fortes durante o verão que o presidente Bolsonaro enviou o exército para tentar sufocá-los.


Hots spots em áreas com avisos do Prodes indicando desmatamento entre 2017 e 2019. Área próxima aos limites do território indígena Kaxarari em Lábrea, no estado do Amazonas.  Tirada em 17 de agosto de 2020. CRÉDITO: © Christian Braga / Greenpeace
Incêndio em área próxima aos limites da Terra Indígena Kaxarari, em Lábrea, no Estado do Amazonas. Tirada em 17 de agosto de 2020. CRÉDITO: © Christian Braga / Greenpeace

Na terça-feira, o presidente Bolsonaro ganhou as manchetes internacionais quando advertiu o presidente eleito dos EUA, Joe Biden, que o Brasil responderia com “pólvora” se os Estados Unidos tentassem impor sanções econômicas pelo aumento do desmatamento na Amazônia. Biden sugeriu que poderia haver “consequências econômicas” não especificadas durante o primeiro debate presidencial no final de setembro. Ele também disse que o mundo deve oferecer ao Brasil US $ 20 bilhões para combater o desmatamento na Amazônia.

“Vimos recentemente um grande candidato a chefe de estado dizer que se eu não apagar o fogo na Amazônia, ele colocará barreiras comerciais contra o Brasil”, disse Bolsonaro à Reuters , referindo-se a Biden, que Bolsonaro ainda não foi reconhecido como presidente eleito. “E como podemos lidar com tudo isso? Só a diplomacia não basta … Quando acaba a saliva, é preciso ter pólvora, senão não adianta ”.

Bolsonaro é conhecido por fazer declarações controversas e retórica inflamada. Por exemplo, ele culpou ambientalistas, povos indígenas e o ator Leonardo DiCaprio pelo desmatamento na Amazônia para desviar as críticas internacionais aos esforços de seu governo para reverter a aplicação da lei ambiental, conceder anistia a desmatadores ilegais e incentivar a mineração, extração madeireira e agricultura industrial . O desmatamento aumentou drasticamente desde que Bolsonaro assumiu o cargo em janeiro de 2019.

Floresta queimada, em Porto Velho, estado de Rondônia.  18 de agosto de 2020 CRÉDITO: © Christian Braga / Greenpeace

Floresta queimada, em Porto Velho, estado de Rondônia. 18 de agosto de 2020 CRÉDITO: © Christian Braga / Greenpeace

fecho

Este texto foi escrito originalmente em inglês e publicado pelo site Mongabay [Aqui!].

A eleição de Joe Biden e a catarse desesperada de Jair Bolsonaro

biden bolsonaroJoe Biden (à esquerda) e o presidente brasileiro Jair Bolsonaro. Imagens de Tom Brenner / Getty; Andressa Anholete / Getty Images

A confirmação da eleição do democrata Joe Biden para presidir os EUA a partir do dia 20 de janeiro de 2021 parece ter gerado um efeito dominó dentro do governo Bolsonaro que promete emoções fortes para o sistema político brasileiro. Eu confesso que estou genuinamente surpreso com o grau de degradação em que o governo Bolsonaro afundou desde que Donald Trump foi fragorosamente derrotado, tanto no voto popular como no Colégio Eleitoral, mas é óbvio que um efeito ricochete está em desenvolvimento.

A grosso modo a eleição dos EUA não deveria produzir tanto efeito no Brasil, pois eles nem são mais nem nosso principal parceiro comercial, e a economia brasileira depende muito mais da demandas da economia chinesa do que de qualquer outra.

A explicação para o evidente desespero que tomou conta de Jair Bolsonaro parece ser outra. Os mais apressados podem pensar que se trata da aliança ideológica que Bolsonaro e alguns dos seus principais ministros pensavam ter com os EUA sob o comando de Donald Trump. Eu já penso que, em se tratando de Jair Bolsonaro, a única ideologia que realmente conta é a do dinheiro. E a eleição de Biden trará dificuldades para o tipo de “economia de fronteira” que Bolsonaro estabeleceu, com a ajuda célere de Ricardo Salles e Tereza Cristina, dentro da Amazônia Legal e do Pantanal. 

A eleição de Biden, por interesses puramente estratégicos dos EUA, deverá impor um freio no saque das reservas minerais e da biodiversidade amazônica, ainda que sob a desculpa de proteger o clima da Terra. Essa é certamente a questão que mais importa a Bolsonaro e os grupos que trabalharam para colocá-lo na chefia do executivo federal (incluindo, por exemplo, grileiros de terras e garimpeiros clandestinos), apesar das figuras totais dos montantes extraídos ilegalmente nesses 23 meses de governo serem ainda desconhecidas. Mas se pensarmos apenas na extração ilegal de ouro e madeira, o valor deverá alcançar cifras milionárias.

A incapacidade militar do Brasil, que a declaração estapafúrdia de Jair Bolsonaro sobre “sair a saliva e entrar a pólvora” apenas deixou mais explícita, associada ao aprofundamento da combinação entre a crise sanitária e a econômica, que não param de se agravar, deverá tensionar o sistema político brasileiro a níveis tão ou mais altos ao daqueles que antecederam o golpe parlamentar executado contra a presidente Dilma Rousseff.

Ah, sim, se os candidatos explicitamente apoiados por Jair Bolsonaro forem derrotados nas urna neste domingo, é provável que a agudização da crise se aprofunde, pois ficará ainda mais claro que a onda bolsonarista de 2018 já seguiu seu curso e quebrou na praia, deixando a fraqueza da posição do presidente da república ainda mais evidente.

Então, meus caros, a ordem é se segurar, pois a catarse bolsonarista deverá testar os nervos nacionais até o limite do rompimento. A ver!

Capa da “Isto é” sinaliza que lua de mel com Bolsonaro pode ter chegado ao fim

Capa de ISTOÉ sobre Bolsonaro viraliza nas redes sociais - ISTOÉ  Independente

A capa da revista semanal “Isto é” (que para certos analistas deveria se chamar “Quanto é”) é um sinal inequívoco de que a lua de mel das classes dominantes com o Jair Bolsonaro pode ter chegado ao fim, tamanha a virulência empregada contra o presidente da república (ver imagem abaixo).

wp-1605287862848.jpg

A capa da semana da edição de IstoÉ está repercutindo forte nas redes sociais e virou um dos assuntos mais comentados no Twitter na manhã desta sexta-feira (13/11). A edição traz uma imagem do presidente Jair Bolsonaro, caracterizado de Coringa, personagem famoso do cinema e dos quadrinhos. Além disso, a capa traz os dizeres: “Inconsequente, irresponsável, insano”, e também “fanfarrão”.

O fato é que a capa da “Isto é” é uma daquelas chamadas bombas semióticas que reúnem imagem e palavra para realizar um ataque contundente contra um presidente exercício; ataque esse que as publicações mais normalmente críticas a Bolsonaro não tinham ainda ousado realizar. Considero que essa capa capa é fundamentalmente um sinal de rompimento com um presidente que já se sabia no momento da eleição que não teria o necessário controle emocional para realizar o papel de chefe do executivo federal.

As razões para um eventual rompimento de pelo alguns segmentos das classes dominantes com Bolsonaro podem ser muitas. Mas o principal elemento parece ser o rompante que o presidente da república teve recentemente em relação ao presidente eleito dos EUA, Joe Biden, que vem indicando que irá exigir (isso mesmo, a palavra é exigir porque manda quem pode, obedece quem tem juízo) que o governo Bolsonaro mude sua atuação em relação à proteção ambiental dos biomas da Amazônia e do Pantanal.

O rompante de Bolsonaro de indicar que partiria para a via militar contra Biden constrangeu principalmente membros das forças armadas e, por isso, se mostrou como algo que ameaça interesses maiores do que ele pode controlar, a começar pela postura canina das elites brasileiras de seguir exatamente o que a cena política estadunidense determina. E a eleição de Joe Biden indica que haverá uma mudança significativa na forma de tocar a política externa dos EUA, incluindo a volta para o Acordo de Paris e para a Organização Mundial da Saúde.

Por isso tudo, os resultados do primeiro turno das eleições municipais que ocorrem neste domingo poderá significar um agravamento desse estado de abandono, caso as candidaturas apoiadas naufraguem como parecem que irão naufragar.