Final de campanha é marcado pela judicialização e pelas acusações mútuas. E os projetos de governo?

campos

Os últimos dias do majoritariamente apático segundo turno das eleições municipais ganharam muita emoção com a volta à cena de segmentos da justiça que, para surpresa de poucos, resolveu sair à caça de eventuais crimes cometidos pela chapa liderada por Wladimir Garotinho (PSD), e também pelos resultados espetaculares de institutos de pesquisa não tão espetaculares assim que projetaram uma corrida muito apertada para definir quem será o próximo prefeito de Campos dos Goytacazes.

Algo notável que não aconteceu foi o altamente antecipado julgamento pelo Tribunal Superior Eleitoral (TSE) da situação do candidato a vice-prefeito de Wladimir Garotinho, o empresário Frederico Paes (MDB). Essa não votação da situação em torno de Frederico Paes era uma espécie de aposta daqueles que desejam derrotar no tapetão a chapa que está difícil de derrubar no voto.

Aos eleitores campistas sobrou ainda um final de campanha pouco lustroso para a democracia municipal, pois houve a repetição de táticas que pouco servem para consolidar opções baseadas em projetos de governo, com a insistência de acusações inter-familiares que, convenhamos, irão influenciar muito pouco a opção de voto de cada um.

No meio do caminho ainda houve o esquisito vazamento de um áudio atribuído ao vereador José Carlos (Cidadania) em que se fazia o reconhecimento de algo que até a mais ingênua das corujas buraqueiras que habitam o campus da Uenf já sabem de cór e salteado. É que nesse áudio a voz atribuída a José Carlos admite algo óbvio, qual seja, que membros do governo Rafael Diniz atuaram e continuam atuando em prol da candidatura de Caio Vianna (PDT). Ora bolas, o que as pessoas esperavam? Que o ainda prefeito Rafael Diniz em um gesto de repentina graciosidade tivesse liberado os membros do seu partido para apoiar a candidatura de Wladimir Garotinho? Certamente, ainda que rejeitado publicamente, o apoio de Rafael Diniz deve ter sido bem vindo por Caio Vianna, pois aquele que se alia com o PSL não vai rejeitar qualquer tipo de apoio, diria Carlos Lupi.

A única questão que realmente parece importar é sobre os critérios que farão os eleitores decidirem por este ou aquele candidato. A minha expectativa é que não seja por causa desta ou daquela denúncia requentada, mas por causa dos projetos apresentados por cada um dos que chegaram ao segundo turno. É que, do contrário, não haverá como cobrar o cumprimento das promessas de campanha. Afinal, quem vota medindo a quantidade de lama que colou na parede, acaba abrindo mão do poder de fiscalizar quem foi eleito.