Uma eulogia para Carlos Alberto Dias, um dos fundadores da UENF

dias

Este domingo é um dia de perda não apenas para a comunidade universitária da Universidade Estadual do Norte Fluminense (Uenf), mas da ciência brasileira como um todo. É que no dia de hoje faleceu um dos fundadores da Uenf, o professor Carlos Alberto Dias, conforme comunicado em nota publicada no site oficial da universidade.

Conheci o professor Dias assim que cheguei na Uenf em janeiro de 1998 e com ele mantive diferenças políticas que nunca turvaram o meu reconhecimento em relação a uma figura de proa não apenas na criação de desenvolvimento da Uenf, mas também de outras instituições públicas de ensino.  Aliás, o compromisso com a universidade pública e com a ciência brasileira colocam a figura do professor Dias entre uma das fundamentais, especialmente no campo da pesquisa geofísica voltada para a exploração do petróleo, área em que ele se destacou a partir da consolidação de linhas de pesquisa que habilitaram o Brasil a ser um dos detentores das principais tecnologias de exploração em águas profundas.  A trajetória do professor Dias está claramente descrita na obra intitulada “Carlos Alberto Dias: a saga da Geofísica Aplicada e da Engenharia de E&P do Petróleo no Brasil” que foi editada e publicada pela Universidade Federal da Bahia (UFBA) em 2009.

Mas o professor Dias não era apenas um cientista, mas acima de tudo um apaixonado pelo Brasil e pelo seu estado natal, o Pará.  Ao professor Dias causava angústia não termos a nossa cultura valorizada, especialmente no tocante aos povos originários.  O seu amor pela sua terra natal foi evidente em vida, a ponto dele pedir para ser retornado a Salinópolis no litoral nordeste do Pará, cujas praias são famosas por suas areias tão finas quanto brancas, onde realizará o seu repouso final.

Em 2017, enquanto diretor da Associação de Docentes da Uenf  (Aduenf) tive a oportunidade de gravar um vídeo (que é mostrado logo abaixo) com o professor Dias durante a greve que os docentes da Uenf realizaram para demandar o pagamento dos seus salários que ficaram atrasados por quatro meses. Nesse vídeo, o professor Dias narra com minúcias o esforço desprendido para criar a Uenf e o Laboratório de Engenharia e Exploração de Petróleo, o primeiro do Brasil, no município de Macaé, bem como a sua indignação com o sucateamento da ciência brasileira.

Ainda que a morte de cada ser humano seja uma perda para todos os que lhe são mais próximos, a perda de uma figura como o professor Dias cria uma lacuna que vai além do indivíduo que se vai, pois existem capacidades e funções que são difíceis de serem repostas no plano individual. Caberá aos descendentes intelectuais do professor Dias diminuir o impacto que será causado pela sua partida. O que anima é que ele deixou centenas de descendentes pelas diferentes instituições que ajudou a criar e consolidar, os quais poderão tomar para si as tarefas que foram deixadas inconclusas pelo professor Dias.

Ao professor Dias, resta-nos agradecer as obras que ele deixou,  as quais agora nos cabe defender, cuidar e aperfeiçoar. 

Eleições na UENF: chapa 11 promete mudança, mas usa velhíssimos métodos de cooptação eleitoral para ficar na reitoria

sony

Este blog tratou em diferentes postagens dos métodos que estão sendo utilizados pela chapa 11, que representa claramente o continuísmo do grupo instalado na reitoria da Universidade Estadual do Norte Fluminense (Uenf) há quase uma década.  A reação normal dos candidatos e apoiadores da chapa 11 é de que faço denúncias sem provas, e que só procuro enxovalhar a imagem externa da instituição que ajudo a construir desde 1998. Uma afirmação adicional é de que eu não tenho provas, e que faço apenas denúncias vazias. É claro que isto não é verdade, pois minhas postagens neste blog primam pela documentação daquilo que escrevo.

Pois bem, nesta 6a. feira (31/07), às vésperas do início das eleições nos pólos do Cederj onde a Uenf possui cursos e a poucos dias na eleição nos campi de Campos dos Goytacazes e Macaé, um docente do Laboratório de Ciências Matemáticas (Lcmat)  me entregou o documento abaixo, bem como explicou do que efetivamente se tratava. É que lido por pessoas que não sabem o que está acontecendo nas eleições para a reitoria, o fato se trata aparentemente de uma inocente transferência de uma TV Sony de 55 polegadas do Laboratório de Engenharia e Exploração de Petróleo (Lenep) para o Laboratório de Ciências Matemáticas (Lcmat), ambos localizados no Centro de Ciências Tecnológicas (CCT) do qual o candidato a reitor da chapa 11, Prof. Edmilson Maria, era o diretor até se afastar para concorrer à reitoria da Uenf.

ofício lenepA explicação que eu quero dar começa na data do oficio: 22/07/2015.  Este ofício está datado pouco mais de 48 horas depois de uma reunião entre os candidatos da chapa 11 com os professores do Lcmat onde se reclamou da falta de uma TV para que determinadas atividades pedagógicas fossem cumpridas. Eis que então produziu-se uma “solução”:  o empréstimo por 6 meses de uma TV que estava alocada para uso nas atividades do Lenep que está localizado em Macaé para ser usada no Lcmat, que está localizado em Campos dos Goytacazes. Bem comodo, não?

Entretanto, a comodidade não cessa no empréstimo, mas alcança para quem, segundo o ofício, a TV foi inicialmente encaminhada. Para quem se der o trabalho de ler o ofício do chefe do Lenep, Prof. Viatcheslav Priimenko, notará que o equipamento foi enviado aos cuidados do “Prof. Edmilson” que eu assumo ser o candidato a reitor da chapa 11, já que não existe outro “Professor Edmilson” no CCT.

E mais, no lado direito inferior do ofício tomei o cuidado de desfocar o nome do servidor que autorizou a transferência de Macaé e o que recebeu o equipamento em Campos dos Goytacazes. É que assumo que eles apenas cumpriram ordens superiores, já que mobilização de patrimônio dentro dos diferentes laboratórios da Uenf não é uma coisa que se faça de qualquer jeito.

Há que se lembrar ainda que no dia 22 de julho de 2015, o Prof. Edmilson Maria já ocupava a condição de candidato a reitor pela chapa 11, não havendo, portanto, qualquer razão republicana para que a ele fosse dado o cuidado da TV cedido por empréstimo pelo Lenep ao Lcmat.

Agora, venhamos e convenhamos, diante do que estamos todos nós? Na melhor hipótese, é que estamos defrontados diante de uma estranha forma de resolver problemas acumulados ao longo de quase uma década onde faltam equipamentos básicos para que os docentes da Uenf possam realizar suas atividades cotidianas.   A pior das hipóteses, eu deixo para os leitores do blog estabelecerem um julgamento próprio.

Dois detalhes que podem ajudar aos leitores do blog a alcançarem uma opinião mais balizada. No debate que ocorreu nas dependências do Lenep no dia de ontem (30/07) e no qual apenas a chapa 10 (Passoni e Teresa) compareceu, os membros da comunidade do Lenep apresentaram profundas reclamações sobre a situação crítica em que o laboratório se encontra para executar suas atividades. Já no Lcmat, tenho informações que a TV de 55″ cedida por meio desse empréstimo extemporâneo e com data de validade determinada será devolvida.

Finalmente, uma pergunta: é com esse tipo de método de soluções pouco consistentes que a chapa 11 pretende “mudar a Uenf com qualidade“?  Tudo indica que sim, o que é lamentável.

Por essas e outros é que eu voto 10 para que a Uenf volte a ter respeito e transparência com aqueles que a constroem com base em métodos universalistas de comportamento.