Estudo do IPEA mostra que COVID-19 é mais letal nos bairros pobres da cidade do Rio de Janeiro

Confira os bairros onde estão registrados os 55 casos de covid-19 no Rio O  Dia - Rio de Janeiro

Pesquisadores do Instituto de Pesquisa de Econômica Aplicada (IPEA) publicaram neste sábado (01/08) uma Nota Técnica (a de número 72) em que são apresentados dados sobre a difusão do coronavírus e seu grau de letalidade da COVID-19 no município do Rio de Janeiro. Entre os principais resultados desta pesquisa está a verificação de que os bairros mais pobres são aqueles que concentram as maiores taxas de letalidade e mortalidade.

O estudo tomou por base um levantamento realizado pelo Instituto Pereira Passos (IPP) sobre o número de casos, o número de óbitos e a taxa de  letalidade e mortalidade, considerando o Índice de Desenvolvimento Social (IDS) dos bairros e faixas etárias (ver imagem abaixo).

mapa rj

A partir destes dados, o grupo de pesquisadores do IPEA pode identificar padrões no espalhamento da COVID-19 no município do Rio de Janeiro. 

Com base nas análises realizadas, os pesquisadores concluíram que, no tocante à letalidade,  para todas as faixas etárias, os bairros com IDS mais baixo (grupos 1 e 2) apresentam taxas de letalidade mais elevadas que os demais (ver figura abaixo).

letalidade rio de janeiro

Os pesquisadores do IPEA notaram ainda que  no tocante aos óbitos como proporção da população, as taxas estão próximas entre quase todos os grupos de bairros, exceto por aqueles com IDS muito alto (grupo 5), que se destacam dos demais por uma menor mortalidade em praticamente todas as faixas etárias. 

Ainda que análises mais aprofundadas ainda venham a ser realizadas, os resultados apresentados talvez expliquem as cenas constantes de indiferença e de reações contrárias às medidas de isolamento social e adoção de medidas de proteção como o uso de máscaras nas áreas mais abastadas da cidade do Rio de Janeiro.  É que está ficando evidente que a COVID-19 é mais letal para aqueles que habitam as regiões mais pobres do município do Rio de Janeiro.

Quem desejar baixar a Nota Técnica intitulada “Aspectos socioeconômicos da COVID-19: o que dizem os dados do município do Rio de Janeiro?”, basta clicar [Aqui!].

Invisíveis e letais

Esforço para combater o coronavírus deve puxar novas medidas para reduzir poluição do ar

AIR POLLUTIONPesquisa da Harvard University sugeriu que as taxas de mortalidade por COVID-19 nos EUA aumentaram onde houve uma alta concentração de material particulado fino

Por Leo Cesar Melo*

Em diversas cidades do mundo, especialmente nas grandes metrópoles, a qualidade do ar melhorou significativamente com a implantação das medidas de isolamento social para conter o avanço da pandemia causada pela novo coronavírus, que em todo o planeta já infectou quase 9 milhões de pessoas e provocou a morte de mais de 400 mil. Antes mesmo de concentrar toda sua atenção na luta contra o  COVID-19, uma das principais preocupações da Organização Mundial da Saúde era com a questão da poluição do meio ambiente. Em 2019, a OMS fez um alerta de que a poluição do ar era o maior risco ambiental para a saúde da humanidade.

De acordo com a organização, por ano, 7 milhões de pessoas morrem prematuramente por doenças provocadas pela poluição atmosférica, causada principalmente pelos altos volumes de emissões da indústria, dos transportes e da agricultura. Além disso, 90% dessas mortes ocorrem em países de baixa e média renda.

Se nada for feito para reverter esse quadro, a tendência é que a situação se agrave. Portanto, para frear o avanço do problema, os principais agentes poluidores precisam urgentemente focar na eliminação, diminuição ou compensação de suas ações. Isso serve especialmente para as indústrias e para alguns segmentos de infraestrutura.

No Brasil, um dos setores que vem apresentando bons resultados nesse sentido é o de energia limpa. Por conta dos avanços nas políticas que favorecem o biogás, proveniente de materiais orgânicos e que por ser renovável pode substituir o uso de combustíveis fósseis. Iniciamos 2020 com mais de 400 plantas de biogás em operação, um crescimento de 40% na comparação com 2019. As indústrias podem auxiliar no crescimento desse mercado e ao mesmo tempo se favorecer dele, já que hoje existem diversas soluções viáveis de reaproveitamento de resíduos para geração de energia. Com isso cai a necessidade de compra de energia, algo bastante custoso para a produção e ao mesmo tempo reduzem os gastos com a destinação de resíduos.

Mas precisamos avançar muito mais, e por outros setores. O mundo deve encarar o problema da poluição ambiental com a mesma firmeza que está enfrentando o novo coronavírus. As atitudes tomadas em relação à pandemia para a superação dessa crise estão mostrando como a inovação e a ciência são capazes de solucionar os problemas. Que usemos esse exemplo para gerar outras grandes mudanças a favor do desenvolvimento sustentável.

* Leo Cesar Melo é CEO da Allonda Ambiental, empresa de engenharia com foco em soluções sustentáveis