Maquiagem estatística na divulgação dos dados da COVID-19 foi ideia de Luciano Hang, o “véio da Havan”

O novo método do governo de Jair Bolsonaro para esconder os  mortos da Covid-19 tem como referência a sugestão feita pelo dono da rede Havan, Luciano Hang, braço direito do ocupante do Planalto e também investigado pela PF no inquérito das Fake News

bolso véio

Luciano Hang, Jair Bolsonaro e Cemitério Vila Formosa, em São Paulo (Foto: Reprodução | REUTERS/Amanda Perobelli)

247  – O novo método do governo de Jair Bolsonaro para esconder os cadáveres da Covid-19  é baseado em sugestões dadas por Luciano Hang, dono da Rede Havan, que enviou aos militares da cúpula da Saúde um vídeo por Whatsapp, informa reportagem do portal Valor Econômico. 

No vídeo, Hang promete fazer uma live com o deputado federal Osmar Terra (MDB-RS) para “mostrar o que está por trás dos números” recorde de mortes pela covid-19. Hang exibe, então, uma gráfico com dados de cartórios mostrando uma curva de óbito sem trajetória descendente. Assim, defende que o governo passe a publicar apenas as mortes confirmadas no mesmo dia. Segundo funcionários da Saúde, no entanto, a curva mostrada por Hang é descendente “porque os dados de mortes recentes são muito preliminares”.

A reportagem ainda acrescenta que, sob o comando do general Eduardo Pazuello e aparelhado por militares nomeados a mando de Jair Bolsonaro, o Ministério da Saúde pressiona inclusive a Agência Brasileira de Inteligência (Abin), que produz relatórios internos para informar o presidente, para maquiar dados e esconder o número real de mortos pelo coronavírus.

Saiba mais

Jair Bolsonaro divulgou neste sábado uma nota do Ministério da Saúde que oficializa uma política de menor transparência na divulgação dos dados de mortes e contágio por coronavírus no Brasil. 

______________________________________

Este artigo foi inicialmente publicado pelo portal “Brasil 247” [Aqui!].