A mulher (ainda) é o negro do mundo

mulheres negras

POR LUCIANE SOARES DA SILVA*

Uma letra da década de 70, composta por John Lennon para Yoko Ono, conduz nossa reflexão neste Oito de Março. Seu conteúdo é interseccional pois aqui a poética põe em íntimo contato formas distintas de dominação. Tão contemporâneas …

Em 2022, já não bastasse a guerra e seus horrores, o medo e a barbárie na condição imposta aos refugiados, temos um novo capítulo do ódio/desprezo às mulheres. Pedirei aqui um pouco de paciência porque me proponho a conectar fatos que estão na ordem do dia. Vamos destacá-los: o deputado que foi à Ucrânia  com um verniz de ajuda humanitária, revelou ao mundo parte de um inconsciente digno do filme Saló de Pasolini[1]. Vamos acordar que não precisamos mais citá-lo, até porque ele é um genérico do Movimento Brasil Livre, cuja troca por outros, resultaria no mesmo conteúdo. Misoginia, racismo, nazismo e violência são a plataforma que elegeu boa parte destes canalhas.

Saló assombrou a Itália e o mundo desde seu lançamento. A lembrança deste filme tem sido uma constante para mim desde 2018. Personagens que se divertem com piadas simplórias, defensores da família indiciados por envolvimento em assédios e violência sexual, racismo, linchamento e defesa da tortura na Câmara de Deputados. Não seria um exagero pensar no roteiro de uma Itália fascista e sua relação com estes anos de governo Bolsonaro.

O deputado em seu “tour” fez o mesmo uso de um linguajar comum entre os políticos eleitos em 2018. Tudo remete a um ato escatológico. No qual alguém submete ou é submetido. No qual o diálogo é objeto de desconfiança. É preciso ofender, atacar, destruir física e moralmente não apenas os inimigos. Não, claro que não. É preciso incorporar todos aqueles que podem ser sequestrados ideologicamente por descuido, vaidade ou pura ingenuidade nesta nova ordem.

Em março de 2018, uma vereadora foi assassinada, a tiros, no centro da segunda maior cidade do país enquanto voltava de uma atividade política. A noite e o ano começavam com uma intervenção, apenas mais uma fracassada e custosa intervenção. A morte de Marielle Franco, após uma semana de seu discurso na Câmara de Vereadores do Rio de Janeiro, marcaria definitivamente o presidente que tornou Carlos Brilhante Ustra, seu patrono. Não é possível que se evoque os espíritos sem que eles apareçam. Já sabemos disto em 2022.

O ódio endereçado às mulheres, a misoginia explícita nos espaços públicos, particularmente nas  Câmaras, Assembleias Legislativas e Universidades, não cessaria um dia sequer. Estamos falando dos feminicídios cotidianos, da interrupção de políticas públicas fundamentais para o combate a violência contra a mulher, do avanço desta violência sobre o corpo de mulheres indígenas.

A casa dos homens, o governo Bolsonaro, se assemelha ao filme de Pasolini em sua predileção pela covardia concretizada no ódio aos pobres. Quando o deputado se refere a situação de pobreza das ucranianas, ele o faz em comparação a riqueza de São Paulo. Este misto de alienação, demência e abuso de poder foi o motor de muitas grande parte das ações destes parlamentares. Em algumas delas, deputados eleitos no Rio de Janeiro, não demonstravam qualquer problema em exibir uma placa quebrada com o nome da vereadora Marielle como se fosse uma cabeça de alce, um prêmio de guerra.

Esta masculinidade mal posta favorece o uso de tacos para morte de africanos. Favorece o uso de armas para disparos em vizinhos. Ou ainda, homicídios contra negros em dia claro em situações inaceitáveis.

As mulheres refugiadas são os negros do mundo pela extrema vulnerabilidade a que são expostas. A condição de vendeta em que são violadas. Ou o uso de seu corpo em redes de prostituição em confins inacessíveis dos Estados Nação.

Aí reside o problema que a questão dos refugiados, e particularmente, das mulheres e crianças coloca para o projeto de modernidade. Se falamos de milhões de imigrantes, se sua vida em campos que deveriam se temporários, se torna “a vida que levam”, de que paz estamos falando? O que garantimos com tratados, missões humanitárias e discussões jurídicas? Sempre me preocupa que a relação sobre o território se reduza cada vez mais ao controle de recursos. Imagino a mão invisível e cruel de um sacerdote jogando milhões de pessoas como se fossem dados em pedaços de deserto no México. Ou como uma brincadeira engraçada em barcos de papel no Mediterrâneo. Uns afundam, outros não.

As mulheres ainda são os negros do mundo porque são “pobres” disse o deputado agora acusado também por assédio de menores em 2016 em uma escola do Paraná. Porque sua beleza é resumida a instrumento de troca, venda e violação. São os negros do mundo porque sendo vietnamitas, romenas, angolanas, ucranianas, não são assim … tão europeias. São do leste europeu. Aqui os jornalistas ficaram confusos, afinal, a população de Kiev não era “como Iraque ou Afeganistão”. E o racismo renasce enquanto potência explicativa deste biopoder em ação.

“a mulher é o negro do mundo, sim, ela é, pense a respeito, faça algo contra isso, nós fazemos ela pintar o rosto e dançar, se ela não quer ser nossa escrava, dizemos que não nos ama, se ela é sincera, dizemos que está tentando ser um homem […] fazemos ela parir e criar nossos filhos, e depois a deixamos feito uma velha e gorda mãe galinha , dizemos que ela devia estar em casa, depois reclamamos que ela é provinciana demais para ser nossa amiga […] nós a insultamos todo dia na tv, e questionamos as razões pelas quais ela não tem confiança, quando ela é jovem, matamos seu desejo de ser livre, enquanto dizemos para não ser tão esperta, e a rebaixamos por ser tão boba”.

A luta que se trava nas ruas a cada ano, após cada assassinato é a recusa total e absoluta em seguirmos sendo, como mulheres, trabalhadoras do campo e da cidade, trans, mães, cientistas, vereadoras, subjugadas e escravizadas.

[1] https://estadodaarte.estadao.com.br/salo-fascismo-pasolini-avt/

*Luciane Soares da Silva é é docente da Universidade Estadual do Norte Fluminense  (Uenf), onde atua como chefe do Laboratório de Estudos da Sociedade Civil e do Estado (Lesce), e também participa da diretoria da Associação de Docentes da Uenf (Aduenf).

21 de Setembro: dia internacional da luta contra as monoculturas de árvores

 

 Como todos os anos, em 21 de setembro próximo, comemoramos o Dia Internacional contra as Monoculturas de Árvores.

 A data, que foi lançada no Brasil, em 2004, pela Rede Alerta Contra o Deserto Verde, serve para que tenhamos um momento especial, a cada ano, para denunciar os graves impactos do modelo de produção industrial de árvores em grande escala sobre comunidades e ecossistemas. Todos os anos, organizações e movimentos sociais realizam várias ações durante o mês de setembro para dar visibilidade às suas lutas e denunciar os impactos negativos das plantações de árvores sobre seus meios de subsistência e seus territórios. Mas, acima de tudo, o 21 de setembro é um dia para celebrar a força e a solidariedade e dizer: basta de monoculturas de árvores!

No WRM, acompanhamos e apoiamos as ações que são executadas. Como temos feito nos últimos anos, de agora até 21 de setembro, estaremos colocando à disposição uma série de ferramentas que fornecem mais informações sobre os impactos em diferentes países e sobre as novas tendências que estão promovendo a expansão de monoculturas de árvores. Além disso, informaremos sobre as ações que necessitam de solidariedade internacional.

 Muito em breve, estará disponível em nossa página uma seção com todos os materiais que vamos oferecer.

Nesta primeira comunicação, informamos sobre uma publicação que fizemos para a América Latina, intitulada “Monoculturas de árvores na América Latina: situação trabalhista e destruição das economias locais” (disponível  em espanhol), que resume três estudos de caso sobre o assunto no Chile, no Uruguai e na Guatemala. Está disponível em: http://wrm.org.uy/

 

Meus votos para 2014: avançar na luta para organizar a classe operária!

paulo-leminskiNão gosto de me sentir um estraga prazeres, mas faz tempo que chego no último dia de cada ano sem a ilusão de que deixaremos para trás todo o mal e desfeitas que nos impingem ao longo de 365 dias. Aliás, quando lembro que a contagem que seguimos no chamado ocidente é apenas uma das muitas, quase que dou de ombros para a meia-noite. Pior ainda que, por causa do horário de verão, sempre enterramos o no velho uma hora antes do que seria devido.

Mas para não parecer um velho ogro de mal com a vida, aproveito desse espaço para enviar meus desejos de que os meus companheiros de viagem tenham um ano de saúde para poderem enfrentar os contínuos desafios impostos pela sociedade capitalista que nos ameaça com a precarização completa da existência humana, apenas para que um punhado de escolhidos possam viver vidas nababescas em meio à desgraça da maioria da espécie humana.

Como Leon Trotsky dizia, a crise da humanidade se reduz à crise da direção revolucionária. Assim, que em 2014 possamos trabalhar para constituir uma direção política que permita à maioria da humanidade se libertar da escravidão da consumismo e da ideologia que a sustenta. No plano objetivo do Brasil, que não nos deixemos iludir pelas manobras dos que querem retornar o nosso país à condição de colônia em nome de um modelo de capitalismo supostamente dentro dos limites das possibilidades. Independente de resultados eleitorais, saberemos ao final de 2014 se avançamos não pela contagem dos eleitos ditos de esquerda, mas sim pela quantidade de manifestações que ocorrerão a despeito do forte aparato policial que será usado para calar a voz da classe operária e da juventude.

Que os descontentes com o sistema do consumo e da guerra se livrem dos limites impostos pela lógica da mudança dentro dos limites aceitáveis e que ousem começar a construir um novo modelo de sociedade. Esses são meus votos para 2014.

Finalmente, deixo para os leitores deste blog uma frase saída do último parágrafo do testamento político de  Leon Trotsky:

A vida é bela, que as gerações futuras a limpem de todo ó mal, de toda opressão, de toda violência e possam gozá-la plenamente.”