As mortes em Manaus devem ser um alerta para o mundo

Não por causa da imunidade do rebanho: Na metrópole brasileira de Manaus, o sistema de saúde entrou em colapso devido à COVID-19. De acordo com uma teoria, a mutação P.1 é parcialmente responsável

lucas silva © LUCAS SILVA / DPA / PICTURE ALLIANCE 

Por Christian Heinrich para a Spektrum*

Foi dito que a cidade brasileira de Manaus alcançou imunidade de rebanho. Dizia-se que o coronavírus estava sob controle ali. Agora não há apenas dúvidas sobre o estudo de imunidade, mas pior: as unidades de terapia intensiva dos hospitais da metrópole estão superlotadas, o oxigênio está quase esgotado. Ouvimos de hospitais que as pessoas sufocam porque os médicos não conseguem ventilá-las adequadamente. O sistema de saúde entrou em colapso.

O que está acontecendo em Manaus hoje em dia pode ter consequências em todo o mundo. Uma nova variante do coronavírus está circulando na cidade Alguns pesquisadores interpretam suas propriedades como o primeiro sinal de que a luta contra a Covid-19 pode levar a um sério revés na luta contra a pandemia nas próximas semanas e meses.

A situação em Manaus é tão dramática quanto trágica. As clínicas há muito não conseguem aceitar centenas de pacientes da COVID-19 que estão realmente em tratamento intensivo, enquanto enfermeiras e médicos não podem mais cuidar de seus pacientes nas enfermarias. Devido ao grande número de pacientes COVID-19 em unidades de terapia intensiva que requerem ventilação, a necessidade de oxigênio para ventilação artificial aumentou enormemente e a equipe do hospital tem que ventilar os pacientes em alguns locais com bombas manuais. Uma pessoa pode fazer isso por 20 minutos – então outra pessoa tem que ajudar. A solução provisória da solução provisória: voluntários que vêm aos hospitais para salvar vidas.

As autoridades e o governo brasileiro são responsáveis ​​por esta situação. O número de doentes aumentou rapidamente na segunda metade de dezembro, depois que as regras para conter a pandemia foram recentemente relaxadas; incluindo a proibição de reuniões maiores e regras à distância. Isso permitiu que o vírus se propagasse mais amplamente, especialmente durante o Natal e as comemorações de final de ano. O populista de direita presidente brasileiro Jair Bolsonaro fez sua parte minimizando publicamente o perigo do vírus e semeando dúvidas sobre a segurança e eficácia das vacinas: “Não assumimos responsabilidade”, disse ele. “Se você se tornar um crocodilo, o problema é seu.”

Em segundo lugar, existem sinais preocupantes de que os problemas se devem não apenas ao modo como o Brasil está lidando com a crise, mas também a mudanças no coronavírus.

A imunidade do rebanho provavelmente nunca foi alcançada em Manaus

Manaus já era uma cidade com um número particularmente alto de infectados em abril de 2020, durante a primeira onda da pandemia. Naquela época, valas comuns tinham que ser cavadas para os mortos. Como o vírus se espalhou tão rapidamente, os pesquisadores suspeitaram que a maioria das pessoas carregava o patógeno em um curto período de tempo. Já em outubro de 2020, 76% da população de Manaus deveria estar infectada com o Sars-CoV-2, de acordo com a renomada revista científica “Science”. Como resultado, a cidade poderia ter obtido imunidade coletiva de acordo com os critérios oficiais O que também significa: não deveria ter havido um surto tão flagrante como está ocorrendo atualmente em Manaus.

tubos oxigenio© EDMAR BARROS / ASSOCIATED PRESS / PICTURE ALLIANCE (EXCERTO)Carência de oxigênio em Manaus | Os familiares de pacientes da Covid-19 que estão no hospital ficam na frente de uma empresa com garrafas de oxigênio vazias para recarregá-las.

Como pode ser?

Talvez o cálculo esteja errado, ou pelo menos a conclusão que alguns tiraram dele. O estudo da “Ciência” agora é controverso. Os pesquisadores calcularam o número de pessoas que provavelmente seriam protegidas do Sars-CoV-2 examinando amostras de sangue em busca de anticorpos usando métodos estatísticos. No entanto, os dados vêm de doadores de sangue que receberam um teste gratuito para anticorpos Covid-19 como um incentivo. Isso poderia ter atraído os doadores em particular, que suspeitaram de terem sido infectados no passado.

Esse viés estatístico ainda seria o melhor caso. Pelo menos quando você considera a outra opção.

A variante P.1 do coronavírus no estado do Amazonas causa preocupação

Os pesquisadores temem que as mudanças em partes cruciais do vírus sejam a causa. Pelas mutações, daí a preocupação, essa variante do Sars-CoV-2 poderia atacar uma segunda vez mesmo aqueles que já carregavam o vírus ou deveriam ser protegidos por uma vacina – o sistema imunológico não reconhece o patógeno. Essa seria uma notícia desastrosa para a luta global contra a pandemia, na qual a imunidade é laboriosamente construída com a ajuda de vacinas .

Na verdade, uma nova mutação do Sars-CoV-2 pode ser detectada na região amazônica: P.1. A variante foi descoberta pela primeira vez quando já estava no exterior: no Japão, funcionários do laboratório encontraram a mutação em quatro viajantes da região amazônica. Uma análise de P.1 mostrou que ele tinha mutações semelhantes a duas outras variantes de vírus altamente consideradas, B.1.1.7 da Grã-Bretanha e 501Y.V2 da África do Sul . Com esses dois, estudos iniciais mostraram que, embora não levem a cursos de doença mais graves, são mais contagiosos do que os Sars-CoV-2 anteriores.

Jesse Bloom, um biólogo evolucionário do Fred Hutchinson Cancer Research Center em Seattle, acha que isso é preocupante: “Cada vez que as mesmas mutações aparecem e se propagam independentemente, é uma forte indicação de que essas mutações estão ganhando uma vantagem evolutiva significativa. «

Além disso, P.1 da América do Sul já mostra que a extensão das mutações é maior. Portanto, pode ser que esse patógeno modificado tenha outras novas propriedades significativas. Os primeiros pacientes individuais recém-infectados também foram encontrados. “O fato de a variante ter aparecido aqui, entre todos os lugares, pode ser um sinal de que ela está ganhando espaço onde grande parte da população já é supostamente imune”, diz Bloom.

Fernando Spilki, virologista da Universidade Feevale, na região metropolitana de Porto Alegre, Brasil, vê outro sinal disso ao examinar mais de perto as mutações do vírus: “A variante de Manaus altera certa parte de uma proteína que pelo menos foi detectada em testes de laboratório que pode neutralizar anticorpos dirigidos contra Sars-CoV-2. “

Mas tudo isso ainda são apenas indicações iniciais. Não é nada certo que a nova variante do vírus contorne a defesa imunológica do corpo treinada em Sars-CoV-2. Pode ser que, nos casos individuais em que ocorreu uma segunda infecção, a causa não seja um patógeno alterado, mas o sistema imunológico do paciente. O sistema pode ter esquecido como se defender do Sars-CoV-2 nos últimos meses.

Também não está claro como o vírus modificado reagirá às vacinas COVID-19 existentes. Ainda não há evidências de resistência. No entanto, alguns pesquisadores interpretam o fato de que o patógeno mudou rapidamente várias vezes em pontos cruciais como um sinal de que Sars-CoV-2 poderia se adaptar rapidamente às vacinas.

Muito ainda é incerto no momento. O certo é que é comum que os vírus mudemMas quanto mais variantes questionáveis ​​estiverem em circulação, menor será a probabilidade de se conseguir conter a pandemia em tempo hábil. Só no Brasil já existem três linhas Sars-CoV-2, diz Spilki: “A variante de Manaus, uma no Rio de Janeiro e outra no sul do país, no Rio Grande do Sul”.

ambulanciasTransporte de ambulâncias | Profissionais de saúde e militares se preparam no Aeroporto de Ponta Pelada, em Manaus, para colocar um paciente Covid-19 em um avião da Força Aérea para ser levado a um hospital fora da cidade.

Experimentos com animais devem revelar mais sobre a variante sul-americana

Para os pacientes de Manaus, as causas são secundárias. O mais importante é cuidar dos enfermos. O Brasil está fazendo tudo o que pode para ajudá-los e colocar a situação sob controle. Por exemplo, helicópteros militares entregaram oxigênio à cidade nos últimos dias e várias centenas de pacientes foram transferidos para hospitais da região.

Enquanto isso, os cientistas estão trabalhando para investigar as propriedades do P.1 com mais detalhes. Em experimentos com animais com hamsters, por exemplo, é testado se animais considerados imunes ficarão doentes novamente após uma infecção inicial, se o vírus mutante pode ser transmitido mais rapidamente e quais características especiais a variante ainda possui. Os primeiros resultados podem ser esperados nas próximas semanas.

fecho

Este artigo foi escrito originalmente em alemão e publicado pela revista Spektrum [Aqui! ].

Tragédia em Manaus

Os hospitais da metrópole amazônica de Manaus estão sem oxigênio

tubos oxigenioFamiliares de pacientes internados com o coronavírus fazem fila com garrafas vazias de oxigênio em frente à empresa Nitron da Amazônia para reabastecê-las. Foto: PictureAlliance /dpa/AP

De Niklas Franzen para o Neues Deutschland

A jornalista brasileira Natuza Nery estava assistindo ao vivo na maior estação de TV do país quando foi tomada por seus sentimentos. O motivo: Manaus, metrópole de floresta tropical do norte do Brasil, se tornou o cenário de um dos episódios mais dramáticos da pandemia da COVID-19.

Na quinta-feira passada, os hospitais locais informaram que ficaram sem oxigênio. As enfermeiras tiveram que ventilar os pacientes manualmente, e vídeos de pessoas carregando garrafas de oxigênio adquiridas de forma privada para hospitais para seus parentes infectados viralizaram nas redes sociais.

Mais de 200.000 pessoas morreram de COVID-19 no Brasil até agora – esse é o segundo maior número depois dos EUA. Manaus já foi gravemente afetada pela crise de saúde no início da pandemia, agora voltou com força total: só nos primeiros doze dias de 2021, mais de 2.000 novos pacientes foram internados nos hospitais. Centenas estão em listas de espera por leitos de terapia intensiva e muitas pessoas estão sufocando em casa sem nem mesmo ver um médico. Enfermeiras desesperadas relatam injetar morfina em pessoas doentes para, pelo menos, aliviar a dor. As agências funerárias locais não conseguem suprir a demanda por funerais.

O rápido aumento de novas infecções pode ser devido a uma mutação viral recentemente descoberta no estado do Amazonas. Mas as medidas negligentes de isolamento e a negligência da população também são apontadas como motivos. Houve festas com milhares de convidados, as pessoas saíram às ruas sem máscaras, as lojas e os bares lotaram. Muitas comemorações de Natal e Ano Novo aconteceram sem restrições.

O governador Wilson Lima ordenou agora um toque de recolher entre 19h e 6h. As vítimas de COVID-19 foram transportadas de avião para outros estados, assim como 61 bebês prematuros de hospitais locais. A localização remota de Manaus provavelmente contribuiu para a escassez de oxigênio. Ironicamente, o país vizinho e em crise, a Venezuela, agora está ajudando. E celebridades arrecadam doações online para enviar garrafas de oxigênio para Manaus.

Foi apenas no final de dezembro que o governador de direita Wilson Lima retirou um decreto para um novo bloqueio. Políticos aliados do presidente Jair Bolsonaro, incluindo o seu filho e deputado federal Eduardo Bolsonaro,  celebraramo recuo do governador amazonense. O governo federal enviou oxigênio em aeronaves militares na sexta-feira – de acordo com reportagens da mídia, a quantidade cobriu apenas 11% da necessidade diária de Manaus.

“Fizemos nossa parte”, defendeu o presidente Jair Bolsonaro, que culpa as autoridades locais pelo caos. O governo federal havia sido avisado sobre o colapso uma semana antes. Em vez de criar um plano de emergência, o ministro da Saúde de Bolsonaro, Eduardo Pazuello, recomendou que os hospitais dessem aos seus pacientes hidroxicloroquina – um medicamento contra a malária cujos estudos não mostraram eficácia contra a COVID-19. 

fecho

Este artigo foi escrito originalmente em alemão e publicado pelo jornal Neues Deutschland [Aqui!].

Quando o oxigênio acabar

O número de infecções está explodindo na metrópole da floresta tropical de Manaus. Nos hospitais, muitos dependem de garrafas particulares de oxigênio

Virus Outbreak Vaccine

Um dos muitos enterros em um cemitério de Manaus no início de janeiro de 2021Foto: Edmar Barros / ap

BERLIN taz | As fotos aéreas das valas comuns no Brasil deram a volta ao mundo no início da pandemia corona. Agora, a metrópole de floresta tropical de Manaus, no norte do país, está novamente nas manchetes tristes. Na quinta-feira, os hospitais informaram que ficaram sem oxigênio.

Os funcionários já devem tentar ventilar os pacientes manualmente. Vídeos de pessoas carregando garrafas de oxigênio compradas de forma privada para hospitais para seus parentes doentes estão se tornando virais nas redes sociais . O diretor do maior hospital público enviou um apelo dramático por meio de grupos do Whatsapp: “Se alguém puder ajudar a manter a ventilação, por favor, precisamos de você!”

Mais de 206.000 pessoas já morreram de Covid-19 no Brasil – esse é o segundo maior número depois dos EUA. Manaus foi duramente atingida pela crise de saúde no início da pandemia. Agora, os números explodiram novamente: só nos primeiros doze dias do ano novo, mais de 2.000 novos infectados foram internados nos hospitais. Centenas estão em listas de espera por leitos de terapia intensiva e muitas pessoas sufocaram sem tratamento.

De acordo com especialistas, o rápido aumento de novas infecções pode ser devido a uma mutação do vírus descoberta no estado do Amazonas . Mas as medidas frouxas de isolamento e a negligência da população também são citadas como motivos.

O tradutor alemão Klaus Reuss, que mora em Manaus, disse ao taz que muita gente não cumpriu a regulamentação nas últimas semanas. Já aconteceram festas com milhares de convidados, as pessoas saíram às ruas sem máscaras, as lojas e os bares lotaram. Muitas comemorações de Natal e Ano Novo aconteceram sem restrições.

O Oxigênio da Venezuela

O governador do estado do Amazonas, Wilson Lima, admitiu a dramática situação em entrevista coletiva na quinta-feira e anunciou o toque de recolher entre 7 e 6 horas. Os pacientes da COVID-19 devem agora voar para outros estados e um suprimento emergencial de oxigênio foi acordado com um vizinho em crise, a Venezuela . Enquanto isso, internautas e celebridades estão coletando doações para poder enviar garrafas de oxigênio de maneira privada para o estado do Amazonas.

Por muito tempo, os especialistas advertiram sobre um novo colapso do sistema de saúde e declararam que a imunidade coletiva não era esperada na metrópole duramente atingida. No final de dezembro, o governador de direita Lima retirou um decreto para um novo bloqueio após pressão pública. A decisão foi celebrada por políticos de direita, como o filho do presidente Jair Bolsonaro.

O vice-presidente Hamilton Mourão disse na quinta-feira que garrafas de oxigênio serão transportadas para o estado em aeronaves militares. O presidente Bolsonaro falou na noite de quinta-feira ao lado de seu ministro da Saúde, Eduardo Pazuello. Em um vídeo ao vivo, Bolsonaro, que repetidamente se referiu à Corona como uma “gripe menor”, zombou dos doentes e ignorou as advertências da Organização Mundial de Saúde (OMS), disse que a responsabilidade pelo caos em Manaus é do governo do estado e da prefeitura.

O ex-militar novamente elogiou a polêmica droga contra a malária , a cloroquina como uma droga milagrosa contra a COVID-19. O governo também é criticado por sua estratégia de vacinação. Por razões políticas, Bolsonaro levantou o ânimo contra uma vacina chinesa e declarou várias vezes que não seria vacinado em hipótese alguma.

O deputado federal de esquerda Marcelo Freixo encontrou no Twitter palavras claras: “Isso não é incompetência. O que estamos observando atualmente em Manaus são as consequências de crimes dolosos cometidos por Bolsonaro e seus cúmplices ”.

fecho

Este artigo foi escrito originalmente em alemão e publicado pelo jornal berlinense TAZ [Aqui!].

Ironia da pandemia: sufocada pela COVID-19, Manaus usará oxigênio trazido da Venezuela

Uma das formas mais corriqueiras que a extrema-direita utilizou nos últimos anos para criar pânico na população brasileira foi acenar com a possibilidade do nosso país ser transformado em uma nova Venezuela. Eis que agora, em meio ao agravamento da pandemia da COVID-19, que vem acossando de forma particularmente inclemente a cidade de Manaus, a empresa White Martins, principal fornecedora de oxigênio para o governo do Amazonas, informou que está atuando no sentido de importar o produto da Venezuela para suprir a alta demanda.

manaus venezuela

É preciso dizer que a proximidade geográfica entre o estado do Amazonas e a Venezuela é um dos elementos que justificam essa importação, mas não deixa de ser irônico que agora é o antigo exemplo de balbúrdia social e econômica que irá impedir que mais brasileiros morram sufocados em UTIs superlotadas na cidade de Manaus.

Aliás, há que se enfatizar que a situação em Manaus só chegou a esse ponto porque os apoiadores do governo Bolsonaro sabotaram de forma continuada os esforços para conter o crescimento da pandemia. Um exemplo disso foi a mobilização realizada em Dezembro para forçar a revogação do Decreto nº 43.234/2020 que impunha medidas para o enfretamento à COVID-19 no estado do Amazonas. 

Por último, o mais irônico de tudo isso é que o governo venezuelano, em um gesto geopolítico de grande significância, acaba de informar que irá disponibilizar o oxigênio necessário para socorrer Manaus (ver imagem abaixo com tweet do chanceler venezuelano Jorge Arreaza informando a realização de uma conversa com o governo do Amazonas, Wilson Lima (PSC)).wp-1610674296781.jpg

COVID-19: a terrível lição de Manaus

manausValas comuns foram abertas nos cemitérios de Manaus para dar cabo ao enterro dos mortos pela COVID-19

Por Sylvestre Huet  para o Le Monde

Uma grande cidade do Amazonas, Manaus, responde à pergunta: quantas mortes se deixarmos Sars-Cov-2 se espalhar? Uma resposta experimental. Tão livre das dúvidas que permanecem nos modelos matemáticos . Uma resposta massiva é dada por uma cidade de cerca de 2 milhões de pessoas. Uma resposta “otimista” (é uma cidade jovem, com menos de 6% de pessoas com mais de 60 anos contra 26% na França). Uma resposta que contém um número: cerca de 3.000 mortes entre abril e agosto de 2020 atribuíveis à COVID-19.

Os autores deste artigo utilizaram testes sorológicos, em um banco de doação de sangue, em busca de anticorpos que indiquem que a pessoa foi infectada pelo coronavírus. Dessa forma, eles puderam abordar a verdadeira circulação do vírus na população. A estimativa deles, depois de corrigir os dados brutos que o subestimam, é que cerca de 66% da população da grande cidade era portadora de Sars-Cov-2. Quando comparado ao número de mortes atribuíveis à COVID-19, cerca de 3.000, isso significa que cerca de 0,2% dos portadores morreram, uma porcentagem que é totalmente consistente com as observações em outros países. É bastante baixo, devido à juventude da população de Manaus em relação à França ou aos Estados Unidos.

Trump está certo (sim sim)

Com 66% da população portadora, Trump está certo (sim se): o vírus está indo embora. Por falta de novas vítimas para atacar, por falta de novos portadores passíveis de abrigar o vírus para que ele se reproduza e se mova com a pessoa em busca de outros humanos para infectar. Isso é o que os epidemiologistas chamam de “imunidade coletiva” . Uma estratégia muito possível contra um vírus benigno. O Sars-Cov-2 não é. Também não é um assassino muito eficaz, como o Seas ou o vírus Ebola. Mata principalmente os idosos, muitas vezes já doentes, mas não só. Porém, com essa “vivência involuntária” da população de Manaus, sabemos o que esperar se optássemos por tal estratégia, fazendo com que o vírus circulasse sem impedimentos, em uma população em plena atividade – trabalho, estudos, recreação – sem distanciamento físico, máscara, lavagem das mãos. Notem que a população de Manaus não optou realmente por essa estratégia de deixar ir, gestos de barreira foram aplicados, mas, sob pressão do governo de Jair Bolsonaro, as medidas contra a circulação do vírus permaneceram limitadas.

Mínimo de no mínimo

A resposta de Manaus pode ser extrapolada para outros países? Sim, desde que não se esqueçam do seu lado “otimista”, dada uma população semelhante à do nosso país, onde os maiores de 60 anos representam uma percentagem muito superior. Assim, um artigo do Massachusetts Institute of Technology relatando o estudo sobre Manaus estima que a chamada estratégia de imunidade coletiva causaria pelo menos 500.000 mortes nos Estados Unidos. Cifra mínima de pelo menos, visto que este país já tem 200.000 mortes (oficiais) atribuídas à Covid-19 enquanto a taxa de infecção da população está muito longe da observada em Manaus. E que um estudo de “pior caso” leva a 1,7 milhão de mortes nos Estados Unidos. Esta figura é, portanto, semelhante aos cálculos do artigo de Arnaud Fontanet e Simon Cauchemez (do Institut Pasteur de Paris) publicado na Nature review immunology que conclui, para a França, em uma estimativa entre 100.000 e 450.000 mortes no caso de uma estratégia imunidade coletiva.

O estudo com doadores de sangue em Manaus também fornece informações pouco animadoras: parece que a resposta sorológica (e, portanto, a presença de anticorpos) diminui com o passar do tempo desde a infecção. A imunidade, portanto, diminuiria rapidamente com o tempo.

fecho

Este artigo foi escrito originalmente em francês e publicado pelo jornal Le Monde [Aqui].

 

Uma imagem vale mais do que milhões de palavras para demonstrar a letalidade da COVID-19

Das lentes do fotógrafo Edmar Barros, o mesmo cemitério com 37 dias de separação, a clareza do impacto da COVID-19 em um cemitério em Manaus, capital do estado do Amazonas.

mesmo cemitério

Diante dessa evidência irrefutável da letalidade da COVID-19, especialmente entre os mais pobres, é que me parece que qualquer tentativa de flexibilizar o isolamento social no Brasil neste momento não pode ser caracterizado como algo menos do que um genocídio.

Por isso, aos leitores deste blog, reforço que é fundamental continuarmos o trabalho de solidariedade que é convencer todos os que são próximos, e também não tão próximos, que não é possível relativizar a gravidade que a pandemia da COVID-19 assumiu no Brasil. Cuidar de si e todos os que forem possíveis de serem alcançados. Depois a gente faz os devidos acertos políticos com quem permitiu que essa situação alcançasse o nível que está alcançando.