Brasil: sem liderança e nem protagonismo na COP25

Estreia de governo Bolsonaro na Conferência do Clima, em Madrid, será marcada por cobrança sobre o desmatamento e pressão para incrementar as ambições

SPAIN-CLIMATE-ENVIRONMENT-COP25Começa hoje em Madrid a COP25, que seria no Chile, depois da desistência do Brasil. Foto de Gabriel Bouys/ AFP

Por Liana Melo para o Projeto Colabora

Onze meses foram suficientes para o Brasil perder seu protagonismo nas discussões climáticas. É na condição de coadjuvante, e não mais como uma liderança globalmente reconhecida, e respeitada, que o governo Bolsonaro fará sua estreia na Conferência do Clima da Organização das Nações Unidas, a COP25, que começa hoje em Madri. Não será novidade para as delegações do mundo inteiro que vão transitar pelo FIEMA Feria de Madrid, um dos oito maiores centros de convenção da Europa, até o próximo dia 13, o desprezo do presidente pela agenda ambiental – ele anunciou que não tinha interesse em ser anfitrião do encontro, antes mesmo de tomar posse. Em menos de um ano, o governo jogou no lixo um trabalho de décadas, que transformou o meio ambiente na melhor tradução do estilo soft power da diplomacia brasileira.

Sob o lema “Tempo de agir”, o secretário-geral da ONU, António Guterrez, tem dito que quer uma conferência com “ambição, ambição, ambição”. Não é para menos. Às vésperas da COP25 — penúltima antes do início da implementação das metas do Acordo de Paris –, o Programa das Nações Unidas para o Meio Ambiente (Pnuma) lançou, em Genebra, seu último relatório: Emissions Gap. Para atingir a meta do Acordo de Paris e manter a temperatura da planeta em 1,5°C será necessário triplicar o corte de emissões de gases de efeito estufa (GEE), pulando de uma redução de 2,7% ao ano para 7,6% anualmente. O Brasil chegou a ameaçar sair  do Acordo de Paris, mas não cumpriu a promessa. Já os Estados Unidos saíram do tratado internacional no início de novembro.

“Do Acordo de Paris, só restou mesmo a assinatura do Brasil”, chama a atenção Carlos Rittl, secretário-executivo do Observatório do Clima. Desde que assumiu, o governo Bolsonaro vem tripudiando sobre o meio ambiente. “O atual governo acabou com a governança do clima”, complementa, acrescentando que o Comitê Interministerial de Mudança Climática foi extinto – o órgão havia sido criado em 2007 e era subordinado à Casa Civil.

A representante do Brasil na parte de mitigação do setor de transporte do Painel Intergovernamental sobre Mudanças Climáticas (IPCC, na sigla em inglês), Suzana Kahn, está convencida de que, nesta COP, “teremos que ficar nos explicando sem parar, diante do que vem acontecendo, especialmente sobre os dados de desmatamento”. A imagem do Brasil está bastante arranhada e cresce um certo ceticismo quanto ao compromisso do governo com regras pré-estabelecidas: “Com esse discurso negacionista do aquecimento global, estamos virando palha”, conclui Suzana.

Os apelos da ONU não têm surtido efeito no país. “Não existe nenhuma estratégia em curso para implementar a INDC brasileira”, diz Rittl. A INDC, que na tradução para o português significa “Contribuições Pretendidas, Determinadas em Nível Nacional”, seriam justamente as tais metas mais ambiciosas de que tanto se fala na comunidade internacional.

Gado-4Imagem aérea de uma queimada no Mato Grosso, dentro de um território indígena. Foto Marizilda Cruppe/Anistia Internacional

A Comunidade Europeia saiu na frente – ainda que apenas simbolicamente. Recém eleita, a nova Comissão Europeia vem pressionando o parlamento europeu para declarar “emergência climática” na União Europeia – o termo entrou para o Dicionário Oxford, um dos principais de língua inglesa no mundo, como a sua palavra do ano de 2019. Divergências internas à parte, a pressão é aumentar as ambições para reduzir os gases de efeito estufa (GEE) de 40% para, pelo menos, 50%.

Mesmo sabendo que a COP25 tem uma agenda pré-estabelecida, o chefe da delação brasileira, o ministro do Meio Ambiente, Ricardo Salles, já avisou que vai à Madrid pedir dinheiro para combater o desmatamento. A agenda é clara: fechar o Livro de Regras do Acordo de Paris, a bíblia do tratado internacional assinado em 2015 e que não foi concluído em 2018 na COP24, em Katowice, Polônia, e definir o artigo 6 que trata dos mecanismos do mercado de carbono. “Esperamos que a racionalidade prevaleça e o governo brasileiro avance nas negociações para fechar as agenda da COP25”, torce Bruno Toledo, do Instituto ClimaInfo.

Justificando que o Brasil é um modelo em conservação ambiental, Salles vai cobrar pelo menos US$ 10 bilhões dos US$ 100 bilhões ao ano prometidos por países desenvolvidos a nações em desenvolvimento pelo Acordo de Paris. O pleito vem depois de o país ter esnobado o Fundo Amazônia e o Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais (INPE) registrar um desmatamento recorde, com crescimento de 29,5% em 12 meses. Foram destruídos 9.762 quilômetros quadrados de floresta – duas vezes e meia a mais do que se comprometeu, em 2010, quando o Congresso Nacional aprovou uma lei que limita o desmatamento do país, em 2020, a uma área de 3.900 quilômetros quadrados.

Mesmo que venha a usar de frases de efeito e tente aparar as críticas à política ambiental do governo Bolsonaro, a expectativa é de que Salles exponha o Brasil a constrangimentos na COP25. Na Cúpula do Clima, que antecedeu a Assembleia Geral da ONU, em setembro, em Nova Iorque, por exemplo, o Brasil sequer pode discursar. Só subiram ao palco os países que haviam, de antemão, apresentado planos para aumentar as metas climáticas – além do Brasil, ficaram de fora os Estados Unidos, Austrália e Japão.

O desmatamento não passará despercebida pelos 25 mil delegados internacionais na Feria de Madrid, assim como outras novidades que vão marcar a estreia do governo Bolsonaro na Cop25. Será a primeira vez que o Brasil não terá um estande oficial, onde, costumeiramente,  apresenta os projetos e programas de combate às mudanças climáticas. Oficialmente, a justificativa foi a falta de tempo hábil para montar o estande, depois que a conferência foi transferida do Chile para Madrid – dado o histórico do governo na área ambiental, a explicação não tem convencido. Sem estante oficial, fica no ar a pergunta: onde Salles e sua equipe de negociadores ficarão e onde receberão representantes de outros governos para conversar? Restará a alternativa, por exemplo, de outros países, talvez a Espanha, anfitriã do encontro, fazerem a gentileza de oferecer um sala para o governo brasileiro.

Será no Brazil Climate Action Hub, organizado pelo Instituto Clima e Sociedade (ICS) e o Instituto de Pesquisa Ambiental da Amazônia (IPAM), que a sociedade vai promover encontros e debates com organizações não-governamentais (ONGs), academia, governos estaduais e prefeituras, e até representantes do setor privado e financeiro.

Outra novidade adotada pelo governo Bolsonaro foi tirar  do alto escalão do Itamaraty a agenda climática – o que mostra total coerência com a decisão de convocar um negacionista climático para o cargo de chanceler, o ministro das Relações Exteriores, Ernesto Araújo. O chefe da delegação brasileira na COP25,  Leonardo Cleaver de Athayde, é o primeiro-secretário. A estratégia de esvaziar o tema chegou, inclusive, à distribuição de credenciais. Se, no passado, a delegação brasileira já chegou a ser uma das mais expressivas na história das COPs, chegando a estar representada por 800 pessoas, entre representantes do governo e da sociedade civil; este ano, pela primeira vez em mais de 12 anos, a chancelaria brasileira não deu credenciais a ONGs, academia e setor privado.

Salles e a equipe de negociadores terão que se esforçar muito para voltar ao Brasil com alguma verba anti-desmate. Simplesmente porque o tema não está na pauta da COP25. Um ponto-chave da conferência é a discussão sobre os mercados de carbono e as suas regulações. Ou seja, como transformar emissões de carbono em créditos que possam ser comprados e vendidos – um sistema que só vai funcionar se todos os países concordarem em manter suas emissões de carbono abaixo de determinados preços. Chegar a este cálculo é uma tarefa hercúlea. As viagens de avião, por exemplo, estão entre os vilões da emissão de gás carbônico. Conhecido no  jargão da ONU como Artigo 6, esse é um assunto que vem desafiando muitos negociadores, de diferentes países. Sem falar no fato de ser uma discussão que vem se prolongando há vários anos, mas que precisa ser colocado um ponto final em Madrid.

____________________________________________

Este artigo foi inicialmente publicado pelo Projeto Colabora [Aqui!].

ONU aponta que países precisam fazer reduções imediatas de emissões de carbono para viabilizar metas do Acordo de Paris

egp

Os compromissos atuais dos países sob o Acordo de Paris são insuficientes para conter o aquecimento global em 1,5°C, aponta novo relatório da ONU; para que isso aconteça, o mundo precisaria reduzir suas emissões em 7,6% anuais ao longo da próxima década

Genebra, 26 de novembro de 2019 – Na véspera de um ano em que as nações deverão reforçar seus compromissos climáticos sob o Acordo de Paris, um novo relatório do Programa das Nações Unidas para o Meio Ambiente (PNUMA) adverte que, se as emissões globais de gases de efeito estufa não caírem 7,6% ao ano entre 2020 e 2030, o mundo perderá a oportunidade de limitar o aquecimento global neste século em, no máximo, 1,5°C.

De acordo com Emissions Gap Report 2019 do PNUMA, mesmo se os compromissos atuais forem implementados, a temperatura média global deverá crescer até 3,2°C com relação aos níveis pré-industriais, o que acarretará em impactos climáticos ainda mais destrutivos nas próximas décadas. A ambição coletiva dos países precisa quintuplicar em comparação com os níveis atuais para viabilizar os cortes de emissões ao longo da próxima década necessários para limitar o aquecimento em 1,5°C.

O ano de 2020 será crítico para a ação climática, com a Conferência da ONU sobre Clima de Glasgow (COP 26) buscando determinar o curso futuro das ações para evitar a crise climática. Nela, espera-se que os países elevem o grau de ambição de seus compromissos e anunciem novas ações de redução de emissão.

“Nosso fracasso coletivo em agir antes e de maneira efetiva contra a mudança do clima significa agora que precisamos fazer cortes profundos em nossas emissões – mais de 7% por ano ao longo da próxima década”, afirma Inger Andersen, diretora-executiva do PNUMA. “Isto mostra que os países não podem simplesmente esperar até o final de 2020, quando os novos compromissos climáticos são esperados, para intensificar a ação. Eles – e cada cidade, região, empresa e indivíduo – precisam agir agora”.

“Precisamos de ganhos rápidos para reduzir emissões tanto quanto possível em 2020, e depois, de contribuições nacionais mais fortes para impulsionar transformações importantes nas economias e nas sociedades. Temos que recuperar o tempo que desperdiçamos no passado”, acrescentou. “Se não o fizermos, a meta de 1,5°C estará fora de alcance antes de 2030”.

O Painel Intergovernamental das Nações Unidas sobre Mudança do Clima (IPCC, sigla em inglês) advertiu que, se a temperatura média do planeta crescer acima de 1,5°C neste século, a frequência e a intensidade dos eventos climáticos extremos aumentará, como as ondas de calor e tempestades observados em todo o mundo nos últimos anos.

As nações do G20 respondem coletivamente por 78% de todas as emissões, mas apenas cinco membros desse grupo se comprometeram até agora com uma meta de longo prazo de emissões zero.

No curto prazo, os países desenvolvidos terão que reduzir suas emissões mais rapidamente do que os países em desenvolvimento, por razões de justiça e equidade. No entanto, todos os países terão que contribuir mais para os efeitos coletivos. Os países em desenvolvimento podem aprender com os esforços bem-sucedidos dos países desenvolvidos; podem até mesmo ultrapassá-los e adotar tecnologias mais limpas a um ritmo mais rápido.

De modo crucial, o relatório aponta que todas as nações devem aumentar substancialmente a ambição de suas contribuições nacionalmente determinadas (NDC) para o Acordo de Paris em 2020 e acompanhá-la com políticas e estratégias para sua implementação. As soluções estão disponíveis para tornar possível o cumprimento dos objetivos do Acordo, mas não estão sendo implementadas com rapidez suficiente ou em uma escala suficientemente grande.

Todos os anos, o Emissions Gap Report avalia a diferença entre as emissões previstas para 2030 e os níveis compatíveis com as metas de 1,5°C e 2°C do Acordo de Paris. O relatório conclui que as emissões de gases de efeito estufa aumentaram 1,5% ao ano na última década. As emissões em 2018, incluindo as resultantes de mudança no uso do solo (como desmatamento), atingiram um novo pico de 55,3 gigatoneladas de CO2 equivalente.

Para limitar o crescimento da temperatura média em 2°C, as emissões anuais em 2030 têm que ser 15 gigatoneladas de CO2 equivalente menores que às que teríamos se as atuais NDC fossem implementadas; para a meta de 1,5°C, as emissões precisam ser 32 gigatoneladas menores que as estimadas pelos compromissos atuais. Numa base anual, isso significa cortes de emissões de 7,6% ao ano de 2020 a 2030 para atingir a meta de 1,5°C e de 2,7% ao ano para a de 2°C.

Para concretizar esses cortes, os níveis de ambição das NDC devem aumentar pelo menos cinco vezes para a meta de 1,5°C e três vezes para a de 2°C.

O relatório ressalta que a mudança do clima ainda pode ser limitada a 1,5°C. Há uma maior compreensão dos benefícios adicionais da ação climática – como ar mais limpo e incentivo para a concretização dos Objetivos do Desenvolvimento Sustentável (ODS) das Nações Unidas. Governos, cidades, empresas e investidores estão se empenhando cada vez mais em elevar a ambição da ação global contra a crise climática. Existe soluções, pressão e vontade abundantes. Falta ação.

Tal como acontece todos os anos, o relatório centra-se no potencial dos setores selecionados para reduzir as emissões. Este ano, ele analisa a transição energética e o potencial de eficiência na utilização de materiais, que pode contribuir significativamente para fechar a lacuna das emissões.

O relatório está disponível no link abaixo:

O Programa das Nações Unidas para o Meio Ambiente (PNUMA) é a principal voz mundial em matéria de meio ambiente. Ele proporciona liderança e incentiva parcerias no cuidado com a natureza, inspirando, informando e permitindo que nações e povos melhorem sua qualidade de vida sem comprometer a das gerações futuras.

Para mais informações, favor contate:

• Keishamaza Rukikaire, chefe de imprensa & mídia, PNUMA – rukikaire@un.org

• Alejandro Laguna Lopez, oficial de informação, PNUMA – laguna@un.org

Não é porque é úmida que a Amazônia não pega fogo…

fogo floresta

O vídeo abaixo é mais uma daquelas demonstrações que dentro do atual governo há a clara expectativa de que ninguém que ouça que é dito entende do que está sendo falado. Nele o presidente Jair Bolsonaro nega de cara limpa o fato de que em 2019 a Amazônia brasileira literalmente ardeu em chamas por causa do desmanche dos mecanismos de comando e controle que existiam até dezembro de 2018.

A coisa é que flagrantemente inverídica que apenas um exame rápido de uma imagem do satélite MODIS para o período de 15 a 22 de Agosto de 2019 já indica o tamanho do fogaréu que tomou conta da Amazônia brasileira, em especial na região conhecida como “Arco do Desmatamento” [ver imagem abaixo].

modis.png

E mais, os incêndios florestais diminuíram porque houve o início do período chuvoso, o que torna inviável a combustão do material seco. Entretanto, isso já torna possível prever que em 2020 o número de focos de incêndio e a intensidade dos mesmos será ainda maior do que em 2019.

Mas há algo ainda mais básico sobre a declaração do presidente Jair Bolsonaro indicando que a floresta amazônica “não pega fogo porque é úmida”. O fato é que o bioma Amazônia é muito mais diverso do que se possa imaginar, incluindo desde formações mais densas e fechadas até as mais abertas. Essa diferenciação estrutural invalida a noção de que as florestas amazônicas são todas úmidas a ponto de impedir a ocorrência de fogo em seu interior. Aliás, bastaria uma olhada rápida nos documentos gerados pelo projeto RADAM BRASIL para se saber disso. 

A verdade é que o atual governo tem pouco ou nenhum interesse em proteger a biodiversidade amazônica. Mas como o resto do mundo se interessa, há então a necessidade de oferecer explicações que não param em pé. Cedo ou tarde, essa disposição para tentar ocultar o inocultável vai criar problemas intransponíveis para o acesso das commodities brasileiras aos mercados globais.

 

Chile desiste da COP25

COP25-1-810x540

O governo chileno anunciou ontem pela manhã o cancelamento da realização da COP25 no país. Também foi cancelada a reunião da Cooperação Econômica Ásia-Pacífico (APEC). O motivo é a sequência de manifestações envolvendo parte significativa da população em todo o país. Segundo o canal Futuro, o governo diz que priorizará “as soluções às demandas sociais que surgiram no país neste últimos dias.”  A primeira declaração de Patricia Espinosa, da UNFCCC, foi: “Hoje cedo fui informada da decisão do governo do Chile de não acolher a COP25, tendo em conta a difícil situação que o país atravessa. Estamos atualmente explorando opções alternativas de acolhimento.”

O chileno La Tercera deu destaque para as matérias que saíram nos The GuardianLe MondeEl País e o porteño La Nación. O Washington Post deu destaque para o cancelamento da reunião da APEC, onde Trump pretendia conversar com o líder chinês Xi Jinping. Por aqui, os GloboValorEstadão e a Folha também deram a notícia.

_____________________________________________________________

Este informe foi publicado originalmente pelo Clima Info [Aqui!].

Os Falsos Proeminentes Cientistas do Clima

lattes

César Lattes foi um dos mais célebres físicos experimentais brasileiros. Seu nome foi imortalizado na Base de currículos Lattes, mantida pelo CNPq consiste num patrimônio acadêmico brasileiro único no mundo. Desde 1999 virtualmente todos os acadêmicos e pesquisadores brasileiros, inclusive ex-ministros e ex-presidentes mantém atualizado seu perfil no Lattes. Ali estão todas as publicações científicas, participação em eventos, orientações, trajetória acadêmica, proficiência linguística, enfim, tudo o que caracteriza a vida intelectual e acadêmica. Como praticamente todos os cientistas brasileiros estão cadastrados na plataforma Lattes, ela contém uma quantidade enorme de informações relevantes sobre os cientistas e a comunidade científica brasileiros, infelizmente ainda pouco exploradas.

Duas estratégias são muito usadas por pseudocientistas e anticientistas para confundir o público leigo: uma é apresentar supostas controvérsias onde há consenso. Outra é apresentar pesquisadores irrelevantes ou pouco prestigiados pelos pelos seus colegas como grandes especialistas numa área. 

aquecimento

Não há dúvida de que a concentração de CO2 e de outros gases causadores de aquecimento global vêm aumentando a um ritmo nunca visto na história do planeta. O consenso na comunidade científica é que o aumento da concentração desses gases está causando a um aumento da temperatura média global com consequências que podem ser catastróficas para o futuro da humanidade mais cedo ou mais tarde. Por isso, por precaução, cientistas prestigiados se reuniram no IPCC, um painel global de especialistas em clima e fizeram uma recomendação de redução no ritmo de liberação de gases do efeito estufa. As atividades desse painel foram reconhecidas com o Prêmio Nobel da Paz em 2007. Mesmo que os modelos adotados pelos especialistas estejam errados (o que é pouco provável), é prudente reduzir a concentração de CO2 e outros gases causadores de efeito estufa gases na atmosfera.

Obviamente a indústria dos combustíveis fósseis não gosta nada dessas recomendações e vem investindo milhões para desqualificar o trabalho dos cientistas sérios.
Recentemente chegou a minha atenção uma carta enviada à ONU por um grupo holandês chamado CLIntel, ou Climate Intelligence. A carta começa afirmando que não há uma emergência climática e é assinada por nada menos que “500 proeminentes cientistas”. Caso esses signatários representem um grupo de cientistas reconhecidos por seus pares sem dúvida a carta deveria ser levada em consideração pela ONU.
Um grupo de cientistas sérios preparou uma resposta à carta. Segundo eles a carta contém várias estratégias há muito adotadas pela pseudociência: mentiras, cherry picking, descontextualização de informações. afirmações imprecisas e não respaldadas por referências sólidas. Um dos críticos coloca em dúvida a competência científica dos 500 signatários.

Como sete signatários são brasileiros, podemos utilizar a base Lattes para verificar se eles realmente são “proeminentes cientistas” como afirma o CLIntel.
Seguem os nomes dos signatários brasileiros com links para seus currículos Lattes.

  1. Luiz Carlos Baldicero Molion tem doutorado em meteorologia e é professor da UFAL. O documento afirma que ele é professor emérito, a Wikipedia diz que ele é professor associado. O Lattes não tem informação e na página da UFAL não há menção a ele ser emérito. Segundo o Web of Knowledge, o mais prestigioso banco de dados acadêmicos do mundo, o Prof. Molion tem um índice h=10. O índice h é um estimador da relevância acadêmica de um pesquisador. O índice h é definido para um pesquisador que tem h artigos publicados com mais de h citações. No caso do Prof. Molion, ele tem 10 artigos internacionais com 10 citações cada um. O valor de h que indica relevância depende da idade do pesquisador e da área. No caso do Prof. Molion h=10 é um valor relativamente mediano, não o qualificando como um cientista muito preoeminente.   
  2. Ricardo Augusto Felicio tem doutorado em geografia e é professor da USP. Seu Lattes revela que da sua lista de 11 artigos nenhum é em revista internacional. Alguns nem se qualificam como artigos. Dessa forma não é possível definir seu índice h. O professor Felício não pode ser considerado um proeminente cientista.
  3. Geraldo Luis Saraiva Lino não tem currículo Lattes. Um proeminente cientista brasileiro teria.
  4. Thiago Maia não tem currículo Lattes. Um proeminente cientista brasileiro teria.
  5. Igor Vaz Maquieira tem graduação em ciências biológicas. Aparentemente não é professor ou pesquisador em nenhuma universidade. O senhor Maquieira não tem nenhuma publicação científica nacional ou internacional. O senhor Maquieira não pode ser considerado um cientista, muito menos proeminente.
  6. Mario de Carvalho Fontes Neto tem graduação em Engenharia Agronômica. O senhor Fontes Neto não tem nenhuma publicação científica nacional ou internacional. O senhor Fontes Neto não pode ser considerado um cientista, muito menos proeminente.
  7. Daniela de Souza Onça é doutora em geografia e professora da UDESC. Dos seus 11 artigos 9 são num certo Fórum Ambiental da Alta Paulista que não é exatamente uma revista científica. Como ela não tem nenhum artigo internacional não é possível definir um índice h. A professora Onça não pode ser considerada uma proeminente cientista.

Graças ao Lattes podemos mostrar que nenhum dos sete signatários brasileiros da carta da CLIntel é um proeminente cientista. Quatro deles nem podem ser qualificados como cientistas. Se extrapolamos essa amostra para os demais signatários podemos concluir que pelo menos grande parte dos que assinam a carta não são nem cientistas nem proeminentes. A carta é mais uma manobra dos grupos de pressão anticiência para desacreditar o trabalho de gente séria.

Agradeço ao colega e amigo Carlos Lenz Cesar por ter me chamado a atenção para a carta do CLIntel

___________________________________________________

Este artigo foi originalmente publicado pelo blog Cultura Científica [Aqui!].

Mudanças climáticas e o risco do Brasil ser tratado como piada

denial

Como venho escrevendo nos últimos dias, acabo de retornar de uma participação no International Symposium on Green Development and Integrated Risk Governance” que ocorreu na cidade de Shenzhen na China. Esse encontro deve ser um dos muitos que estão ocorrendo ao longo de 2019 para tratar da adoção de ações para enfrentar os inevitáveis impactos das mudanças climáticas em curso no nosso planeta.

Pois bem, ao longo de qualquer encontro dessa natureza é possível ver como está se dando a preparação (ou a ausência dela) em um nível ainda abstrato, o qual fica na interface existente cientistas e agentes de governo. Nesse sentido, ficou evidente que a posição oficial da China, explicitada não apenas por seus cientistas mas também por representantes de diferentes níveis do poder estatal que estavam presentes no evento, é de que as mudanças climáticas oferecem riscos, mas também oportunidades, para o desenvolvimento futuro da economia global.  Essa posição reflete a forma pragmática com que os dirigentes do Partido Comunista Chinês (PCC) pensam a participação presente e futura da China como potência econômica, mas também as inevitáveis pressões que surgem em uma população que beira a 1,5 bilhão de pessoas.

20191013_104928.jpgSlide mostrando mudanças ocorridas nos últimos 50 anos no clima da China

Não obstante, os chineses tratam com seriedade não apenas a existência das mudanças climáticas, mas também a realidade objetiva de que partes do seu território, especialmente as regiões costeiras, deverão receber os impactos de eventos climáticos cada vez mais intensos e devastadores. Em outras palavras, mudanças climáticas para os chineses não são parte de nenhuma teoria conspiratória, mas um fato da realidade para o qual eles estão tentando se preparar a partir daquilo que eles gostam de propalar como sendo o “socialismo com características chinesas”.

Essa imersão ligeira na forma com que percebi a postura chinesa frente ao fenômeno das mudanças climáticas teve outra utilidade para mim. É que naquelas inevitáveis rodinhas de conversa que surgem em toda reunião científica, tive a oportunidade de oferecer aos meus colegas interlocutores a visão oficial dos atuais dirigentes brasileiros em relação às mudanças climáticas, incluindo a famosa assertiva do ministro das Relações Exteriores, Ernesto Araújo, no sentido de que as mudanças climáticas não passam de um complô marxista. Nessa hora, o que recebi de volta foram risadas que rapidamente eram substituídas por expressões que misturavam incredulidade e sarcasmo. Em outras palavras, estamos sendo transformados em motivo de piada de salão.  E o motivo para isto é simples: não há como levar à sério quem ostenta tamanha postura anti-científica em um momento em que se discuta não mais se passamos por um ajuste climático, mas sim o tamanho dele.

guardian

Se alguém achar que a postura delirante do ministro das Relações Exteriores não traz consequências significativas, sugiro pensar de novo. É que a ´partir das discussões e conversas em que participei em Shenzhen, me parece claro que os principais governos do mundo, a começar pelo da China, não estão dispostos a tolerar posturas delirantes que coloquem em risco a sua própria capacidade de continuar operando de forma viável.  Se eu estiver certo, e não tenho motivos para achar o contrário, o isolamento diplomático e político do Brasil vai ser aprofundado caso a postura atual de ignorar a realidade das mudanças climáticas não seja revertida.  E aqui não há qualquer motivo para rir, pois a coisa definitivamente não é uma piada.

O Brasil transformado em pária ambiental planetário já é uma realidade

bolso salles

A “dobradinha” eficiente de Jair Bolsonaro e Ricardo Salles para desmantelar a estrutura nacional de meio ambiente já transformou o Brasil em uma espécie de pária ambiental global.

Como já informei em uma postagem anterior, estou retornando ao Brasil após participar do “International Symposium on Green Development and Integrated Risk Governanceque ocorreu entre os dias 13 e 14 de outubro em Shenzhen, China. Ali estava reunidos especialistas de todo o mundo, com expressiva maioria de pesquisadores chineses, para tratar das graves consequências da ampliação de desastres associados às mudanças climáticas em curso na Terra.

Como já era de se esperar, o Brasil era pauta de muitas conversas, nenhuma delas por motivos positivos. Como o evento estava centrado no debate acerca das medidas que terão de ser adotadas para minimizar os custos econômicos, ambientais e humanos da agudização de eventos meteorológicos por causa das mudanças no clima,  a simples menção de figuras como o ministro das Relações Exteriores, Ernesto Araújo, e do Meio Ambiente, Ricardo Salles, era suficiente para que os pesquisadores com os quais conversei esboçassem sua incredulidade com o que está acontecendo no Brasil. A simples lembrança de que Ernesto Araújo acredita piamente que as mudanças climáticas não passam de um complô marxista era causa para risos sarcásticos, não apenas pelos anfitriões chineses,  mas por pesquisadores de todas as partes do mundo que lá estavam.

Conversando com um pesquisador que fará parte da delegação de Bangladesh que participará da COP 25 que ocorrerá em Santiago do Chile após a desistência do governo Bolsonaro em sediar o evento, ouvi uma declaração que misturava incredulidade e desapontamento em face da postura negacionista que agora caracteriza a posição brasileira em eventos que buscam estabelecer estratégias mundiais de combate ao caos crescente no sistem climático. É que Bangladesh, por exemplo, é um país que já está enfrentando problemas sérios apenas com a possibilidade de ter de deslocar milhões de pessoas das áreas que deverão ser inundadas pela inevitável elevação do nível do mar em todo o planeta.

Mas como estava em um evento que tratava do estabelecimento de ações para crir mecanismos de governança visando minimizar riscos ambientais, outro assunto que chamou atenção foi o misterioso derrame de petróleo que está causando graves problemas em todo o litoral do nordeste brasileiro (ver vídeo abaixo de uma fração desse material chegando na costa alagoana).

Para meus interlocutores no simpósio de Shenzhen, a informação de que passados quase dois meses o governo Bolsonaro ainda não tomou as medidas mínimas para organizar uma resposta efetiva para esse desastre chega a ser inacreditável em função do tamanho da indústria do petróleo no Brasil.  Segundo o raciocínio de colegas estrangeiros com quem conversei em Shenzhen, se a resposta brasileira está sendo tão insuficiente em um caso residual como esse, o que acontecerá quando houver um grande desastre como o do Exxon Valdez no Alaska ou da Deep Water Horizon no Golfo do México?

O fato é que toda a eficiência demonstrada pelo governo Bolsonaro para desmantelar uma estrutura ambiental que levou décadas para ser construída já criou um clima completamente antagônico ao Brasil não apenas na comunidade científica internacional, mas também entre os chamados “agentes do mercado”. É que em face das evidentes mudanças causadas pelas alterações nos padrões climáticos da Terra,  não há espaço ou tolerância para posturas ideológicas que ignoram os elementos práticos que afetarão a economia mundial nas próximas décadas.

Por tudo isso, é que os alertas para os riscos de que o Brasil poderia se tornar um pária em escala planetária talvez já nem façam mais sentido. É que tudo indica que já chegamos a este ponto. Corrigir esse curso será tão mais difícil quanto for a duração do domínio dos negacionistas das mudanças climáticas nas instituições de estado no Brasil.  Com isso, os custos políticos e econômicos inevitavelmente também serão difíceis de serem resolvidos.