De: Brasil, Para: Joe Biden, com carinho

biden

Enquanto o governo dos EUA liderado pelo presidente democrata Joe Biden tenta negociar sigilosamente um acordo com o Brasil para tentar conter o avanço da franja do desmatamento que se move para áreas interiores da Amazônia, um vídeo produzido em inglês procura alertar o lado estadunidense sobre os riscos envolvidos em ter negociar com o governo Bolsonaro.

Esse tipo de pressão política certamente cria embaraços para os membros do governo Biden que durante a campanha eleitoral prometeram defender a Amazônia e cobrar uma nova postura por parte do presidente Jair Bolsonaro.

Mudança climática extinguirá principalmente espécies típicas

Estudo detalha o impacto da crise do clima sobre a biodiversidade e aponta os mico-leões entre os mais vulneráveis no Brasil

endemic
As mudanças climáticas podem extinguir espécies de plantas e animais nos lugares mais biodiversos do mundo, alerta um novo estudo, publicado hoje (9/4) na revista Biological Conservation. A equipe global de cientistas, liderada por Stella Manes e Mariana Vale, da Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ), analisou quase 300 hotspots de biodiversidade – lugares com números excepcionalmente altos de espécies animais e vegetais – em terra e no mar. Os pesquisadores verificaram que os animais endêmicos, aqueles que só ocorrem em regiões exclusivas do planeta, têm 2,7 vezes mais probabilidade de extinção do que outras espécies se as emissões de gases de efeito estufa continuarem a aumentar, impactando seus habitats únicos.

mannes et al
O impacto do nível de aquecimento nas espécies. (a) Efeito médio padronizado tamanhos com diferentes níveis de aquecimento onde níveis leve, moderado, alto e muito alto correspondem a <1,5 ◦C, 1,5–2 ◦C, 2–3 ◦C e> 3 ◦C, respectivamente. (b) Diagrama indicando as proporções relativas de espécies em risco de extinção extremamente alto para cada um dos diferentes níveis de aquecimento. Espécies com projeções de risco superiores a 80% de perda de alcance ou abundância são consideradas em risco de extinção extremamente alto (endêmicas) e risco de extinção local (nativos não endêmicos) dentro dos pontos ricos.
As políticas atuais colocam o mundo no caminho de 3°C de aquecimento. Neste cenário, um terço das espécies endêmicas que vivem em terra e cerca da metade das espécies endêmicas que vivem no mar enfrentarão a extinção. Nas montanhas, 84% dos animais e plantas endêmicas podem ser extintas a essas temperaturas, enquanto nas ilhas esse número sobe para 100%. Em geral, 92% das espécies endêmicas terrestres e 95% das endêmicas marinhas sofrerão consequências negativas, como redução de populações.

mannet et al 2
As mudanças climáticas impactam as espécies em áreas marinhas ricas. Tamanhos de efeito padronizados médios de (a) todas as espécies, (b) espécies endêmicas, (c) espécies nativas. A escala de cores é padronizada para todos os mapas e varia de Positivo (maior que 2%, azul) a Negativo (menor que -2%, vermelho). Os valores máximo e mínimo para os tamanhos de efeito padronizados projetados médios variam de 3,2% (Nativo – Bosques e Pradarias Montanas de Drakensberg) a -2,2% 
“A mudança climática ameaça áreas transbordantes de espécies que não podem ser encontradas em nenhum outro lugar do mundo. O risco de que tais espécies se percam para sempre aumenta mais de dez vezes se falharmos os objetivos do Acordo de Paris”, afirma Manes, autora principal do estudo. Para ela, há pouco conhecimento sobre o valor da biodiversidade.

“Quanto maior for a diversidade de espécies, maior será a saúde da natureza. A diversidade também protege contra ameaças como as mudanças climáticas”, explica Manes. “Uma natureza saudável fornece contribuições indispensáveis às pessoas, como água, alimentos, materiais, proteção contra desastres, recreação e conexões culturais e espirituais.”

As espécies endêmicas incluem alguns dos animais e plantas mais icônicos do mundo, como os mico-leões do Brasil, que podem perder mais de 70% de seu habitat até 2080, segundo o estudo. A América do Sul será uma das regiões mais afetadas exatamente por ter importantes hotspots de biodiversidade, com até 30% de todas as suas espécies endêmicas em alto risco de extinção. As ilhas do Caribe podem perder a maioria de suas plantas endêmicas até metade do século, e os recifes de coral da região também podem desaparecer.

“Confirmamos nossas suspeitas de que espécies endêmicas estariam particularmente ameaçadas pelas mudanças climáticas. Isto poderia aumentar muito as taxas de extinção em todo o mundo, uma vez que essas regiões ricas em biodiversidade estão repletas de espécies endêmicas”, explica Mariana Vale, uma das autoras da pesquisa e também pesquisadora da UFRJ. “Infelizmente, nosso estudo mostra que esses pontos ricos de biodiversidade não poderão atuar como porto seguro contra as mudanças climáticas”.

As tartarugas marinhas, que aninham em muitas praias da América do Sul e Central, são vulneráveis ao aumento da temperatura. No Havaí, plantas nativas icônicas, como a palavra-de-prata Haleakalā, poderiam se extinguir, assim como aves nativas simbólicas, como os honeycreepers havaianos. Outras espécies ameaçadas de extinção pelas mudanças climáticas incluem lêmures, exclusivos de Madagascar, o leopardo da neve, característico dos Himalaias, além de plantas medicinais como o líquen Lobaria pindarensis, usado para aliviar a artrite.

Wolfgang Kiessling, especialista em vida marinha da Universidade Friedrich-Alexander Erlangen-Nürnberg e coautor do estudo, explica que espécies exóticas introduzidas em um determinado habitat se beneficiam quando as espécies endêmicas são extintas. “Nosso estudo mostra que um mundo uniforme e provavelmente sem graça está à nossa frente devido à mudança climática.”

“Por natureza, estas espécies não podem se deslocar facilmente para ambientes mais favoráveis”, explica Mark Costello, especialista em vida marinha da Universidade Nord e da Universidade de Auckland e também coautor da pesquisa. “As análises indicam que 20% de todas as espécies estão ameaçadas de extinção devido à mudança climática nas próximas décadas, a menos que atuemos agora”.

Mas os cientistas ressaltam que é possível evitar essa extinção em massa. Se os países reduzirem as emissões em conformidade com o Acordo de Paris, então a maioria das espécies endêmicas sobreviverá, afirma a pesquisa. No total, apenas 2% das espécies endêmicas terrestres e 2% das espécies marinhas endêmicas enfrentam a extinção a 1,5ºC, e 4% de cada uma a 2ºC. Fortes compromissos dos líderes globais antes da Conferência do Clima em Glasgow, na Escócia, no final deste ano, poderiam colocar o mundo no caminho certo para cumprir o Acordo de Paris e evitar a destruição generalizada de alguns dos maiores tesouros naturais do mundo.

Jardim São Benedito, uma jóia corroída pelo descaso e pelo abandono

jardim são benedito

A cidade de Campos dos Goytacazes possui pouquíssimas áreas que merecem a designação de “verdes”, sendo o chamado “Jardim São Benedito” a de maior valor histórico e caracterizado até anos atrás por uma frequência relativamente democrática por parte de diferentes segmentos da população que ali acorriam para momentos de tranquilidade entre pais e filhos, e por praticantes de diferentes esportes.

Lamentavelmente o Jardim São Benedito, como as poucas áreas similares que ainda resistem em uma cidade que precisa urgentemente começar um processo de transição ambiental, foi literalmente abandonada ao longo do governo do ex-prefeito Rafael Diniz, e permanece assim nos primeiros meses do governo de Wladimir Garotinho.

Como frequento muito aquela área, vejo as estruturas que ali existem sendo deixadas para apodrecerem, como se o Jardim São Benedito não tivesse a importância que tem. Enquanto isso, a cidade de Madrid que já possui áreas verdes monumentais acaba de lançar um projeto ambicioso de plantar um bosque urbano de 75km2 que estará associado a outros equipamentos de consolidação dos objetivos ambientais, incluindo um viveiro florestal e um centro agroecológico. O terceiro e mais importante destes equipamentos passará pela  recuperação da fábrica da Arcelor, que abrigará o Centro de Restauração Ambiental de Madri, que sediará um centro de monitorização e gestão do Bosque Metropolitano e um impulso para a necessária transição ecológica que preparará a capital espanhola para o advento dos piores cenários das mudanças climáticas.

Ainda que se saiba que Campos dos Goytacazes não é Madri, há que se entender por aqui a importância de iniciar urgentemente um processo de transição ecológica, e que bem poderia começar por um cuidado maior com uma das poucas áreas verdes que a cidade possui.

Agência alemã do Meio Ambiente pede que o consumo de carne seja reduzido pela metade no país

Dirk Messner: “Se não mudarmos nossos hábitos alimentares, haverá consequências dramáticas e caras para o clima.”

Criação industrial: Agência Federal do Meio Ambiente pede que o consumo de carne seja reduzido pela metade

Foto: dpa / Christophe Gateau

O presidente da Agência Ambiental Federal, Dirk Messner, pediu que o consumo de carne na Alemanha fosse reduzido pela metade, a fim de reduzir a pecuária industrial que é prejudicial ao meio ambiente. Menos carne seria muito bom para a saúde e o meio ambiente, Messner disse aos jornais do Funke Mediengruppe (online): “Temos que reduzir a pecuária industrial para que os insumos excessivos de nitrogênio sejam reduzidos e os solos, água, biodiversidade e saúde humana sejam menos poluídos . “

Agora já se come um pouco menos de carne na Alemanha, disse Messner. “Mas se quisermos mudar algo de forma efetiva e seguir as recomendações da Organização Mundial da Saúde, o objetivo seria reduzir pela metade o consumo de carne na Alemanha”, disse o presidente da Agência Federal do Meio Ambiente: “Isso reduziria a pecuária industrial e teria muitos efeitos ambientais positivos. “

Quem come menos carne, mas de melhor qualidade, pode “equilibrar na carteira”, disse Messner. Os agricultores também receberiam melhor pagamento. A proteção do clima e as questões de justiça devem ser reunidas. “Mas se não fizermos nada, não mudarmos nossos hábitos alimentares e comportamento do consumidor, haverá consequências climáticas dramáticas e muito caras, das quais as famílias de baixa renda costumam sofrer muito mais”, alertou Messner. epd / nd

fecho

Este texto foi escrito originalmente em alemão e publicado pelo Neues Deutschland [Aqui! ].

EUA tentam assumir protagonismo na luta contra as mudanças climáticas. E agora, Bolsonaro?

Joe Biden convida 40 chefes de governo para a cúpula do clima em abril. Vladimir Putin e Xi Jinping também são convidados, apesar de todas as tensões. E: Os EUA prometem melhoria em termos de emissões.

bidenO presidente dos Estados Unidos, Joe Biden, quer retomar a tradição de George W. Bush e Barack Obama e realizar uma cúpula sobre o clima com outros chefes de governo. © Carlos Barria / Reuters

O presidente dos Estados Unidos, Joe Biden, quer fazer avançar os esforços para proteger o clima e também convidou os presidentes da Rússia e da China para uma cúpula online. O governo dos Estados Unidos anunciou que Biden emitiu convites para um total de 40 políticos internacionais para o evento online nos dias 22 e 23 de abril. Além do chefe do Kremlin, Vladimir Putin, e do chefe de Estado e do partido da China, Xi Jinping, eles também incluem a chanceler alemã, Angela Merkel, e a presidente da Comissão da UE, Ursula von der Leyen. O evento será transmitido ao vivo pela Internet.

EUA querem anunciar meta de emissões mais ambiciosa

De acordo com a Casa Branca, a cúpula tem como objetivo sublinhar a urgência de medidas mais fortes para a proteção do clima e seus benefícios econômicos. Antes disso, os EUA anunciariam “uma meta ambiciosa de emissões” para 2030 como uma nova contribuição para o Acordo Climático de Paris. Biden pediu a outros chefes de estado e de governo que usem a reunião online para se comprometer com uma maior economia também. A próxima conferência climática da ONU será em novembro em Glasgow, na Escócia.

Pouco depois de assumir o cargo em janeiro, Biden anunciou que iria convocar uma cúpula do clima em 22 de abril – Dia da Terra . Os presidentes dos Estados Unidos, George W. Bush e Barack Obama, já haviam realizado reuniões nas quais as maiores economias do mundo trocavam opiniões sobre a mudança climática. Sob o comando do antecessor de Biden, Donald Trump, que repetidamente expressou dúvidas sobre a mudança climática, as conferências não existiam mais e os EUA se retiraram do Acordo de Paris. No dia em que prestou juramento, Biden ordenou seu retorno. Ele reiterou repetidamente que os EUA desempenhariam um papel de liderança na implementação do acordo.

Ao contrário do republicano Trump, o democrata Biden fez da proteção climática um de seus objetivos mais importantes – a Casa Branca fala de uma “emergência climática”. Pouco depois de assumir o cargo, Biden nomeou o ex-secretário de Estado John Kerry como enviado especial do clima, membro do Conselho de Segurança Nacional nessa função. Na semana passada, Kerry pediu mais ambição internacional na proteção do clima em um congresso online organizado pelo governo federal.

Ainda não está claro se Putin e Xi participarão da cúpula online. As tensões com a China e a Rússia se intensificaram sob Biden. Os EUA e seus aliados decidiram sancionar a China por reprimir a minoria muçulmana uigur. Em entrevista, Biden também afirmou que achava que Putin era um assassino e ameaçou a Rússia com novas sanções porque o país havia tentado influenciar a eleição presidencial. Os governos dos dois países rejeitam as acusações.

fecho

Este texto foi originalmente escrito em alemão e publicado pelo jornal Die Zeit  [Aqui!].

Os 60 maiores bancos do mundo despejaram US$ 3,8 trilhões em combustíveis fósseis desde o Acordo de Paris

Financiamento a petróleo, gás e carvão segue em níveis elevados mesmo em meio à crise econômica global, mostra relatório de organizações pelo clima

bancos caos

 

Passados mais de cinco anos desde a assinatura do Acordo de Paris, os maiores bancos do mundo continuam a financiar massivamente a expansão dos combustíveis fósseis, em um sinal de desconexão alarmante entre o consenso científico global sobre a crise climática e as práticas do mercado financeiro.

É o que revela a 12ª edição do mais abrangente relatório global sobre financiamento de bancos a combustíveis fósseis. Intitulado Banking on Climate Chaos 2021, o documento expande seu foco, este ano, dos 35 para os 60 dos maiores bancos do mundo e revela que, desde 2016, esses bancos injetaram mais de US$ 3,8 trilhões em operações ligadas aos setores de petróleo, gás e carvão.

De autoria das organizações Rainforest Action Network, BankTrack, Rede Ambiental Indígena, Oil Change International, Reclaim Finance e Sierra Club, o estudo e é endossado por mais de 300 organizações de 50 países ao redor do mundo, inclusive a 350.org.

Os piores do mundo

O relatório nomeia os maiores financiadores de combustíveis fósseis em todo o mundo e aponta o JPMorgan Chase como o pior banco de forma geral. Também indica o RBC como o pior do Canadá, o Barclays como o pior do Reino Unido, o BNP Paribas como o pior da União Europeia, o MUFG como o pior no Japão e o Banco da China como o pior em seu país.

Ainda conclui que o financiamento de combustíveis fósseis foi maior em 2020 do que em 2016, uma tendência que se opõe diretamente à meta declarada do Acordo de Paris de reduzir rapidamente as emissões de carbono com o objetivo de limitar o aumento da temperatura global a 1,5 °C.

Mesmo em meio a uma recessão econômica induzida por uma pandemia, que resultou em uma redução generalizada do financiamento de combustíveis fósseis de cerca de 9%, os 60 maiores bancos do mundo ainda aumentaram em mais de 10% seu financiamento em 2020 para as 100 empresas mais responsáveis ​​pela expansão dos combustíveis fósseis.

Esse comportamento beneficia empresas responsáveis por projetos altamente polêmicos, como o oleoduto de areias betuminosas da Linha 3, nos Estados Unidos, e a expansão do fracking próximo a terras de comunidades indígenas Mapuche, na região da Patagônia argentina.

Bancos dos EUA e da China lideram o retrocesso

As instituições financeiras com sede nos Estados Unidos continuam a ser as maiores impulsionadoras globais de emissões em 2020, com o JPMorgan Chase permanecendo como o pior “banco de fósseis” do mundo. O Chase comprometeu-se recentemente a alinhar suas políticas de crédito ao Acordo de Paris, mas segue com o financiamento irrestrito aos combustíveis fósseis. De 2016 a 2020, as atividades de crédito e subscrição do Chase forneceram quase US$ 317 bilhões para combustíveis fósseis, 33% a mais do que o Citi, o segundo pior “banco fóssil” no período avaliado.

Já os 10 maiores financiadores de carvão desde a adoção do Acordo de Paris são todos chineses. O Banco da China, maior banco do mundo, lidera o ranking, seguido pelo ICBC (Banco Industrial e Comercial da China) e pelo China CITIC Bank. O financiamento geral dos bancos para as 30 maiores empresas de energia a carvão em 2020 caiu 9% em relação a 2019, mas permanece em um nível muito alto de US$ 39 bilhões.

“Diante da perspectiva de uma recessão global, o investimento em infraestrutura de energia a carvão se tornará ainda mais arriscado para os países tomadores de empréstimos e credores. Uma transição global para um futuro de baixo carbono já está em andamento e uma transição completa do carvão é uma oportunidade para um novo paradigma econômico de prosperidade e equidade”, afirma Yossi Cadan, gerente de campanha de finanças globais da 350.org

O relatório também examina os compromissos de política climática dos bancos, apontados como “grosseiramente insuficientes e desalinhados com os objetivos do Acordo de Paris em geral”. Muitas das políticas dos bancos concentram-se na meta distante e mal definida de alcançar “emissões líquidas zero até 2050” ou apenas na restrição de financiamento aos combustíveis fósseis não-convencionais.

Além disso, as políticas bancárias são mais fortes no que diz respeito às restrições para financiamento direto relacionado a projetos, uma frente que representa apenas 5% do financiamento total de combustível fóssil analisado neste relatório.

As organizações responsáveis pelo relatório estão unidas em sua exigência de que o respeito aos direitos indígenas, incluindo o direito à consulta livre, prévia e informada e aos direitos humanos de forma ampla, seja um requisito não-negociável para todas as decisões de financiamento bancário.

Aspas sobre o relatório

Ginger Cassady, diretor executivo da Rainforest Action Network

“A queda sem precedentes no financiamento global para combustíveis fósseis, provocada pela pandemia, oferece aos maiores bancos do mundo um ponto de escolha radical no futuro. Eles podem manter a trajetória descendente de apoio ao setor responsável pela crise climática ou irresponsavelmente retomar os negócios como antes, à medida em que a economia se recupera. Os bancos com sede nos EUA continuam a ser os piores financiadores de combustíveis fósseis, por uma ampla margem. Conforme nos aproximamos da Cúpula do Clima em Glasgow, no fim deste ano, o que está em jogo não poderia ser mais importante. Wall Street deve agir agora para interromper o financiamento da expansão fóssil e se comprometer com um cenário de zero fósseis, de modo a alinhar verdadeiramente suas práticas de financiamento com iniciativas que evitem que o planeta se aqueça mais de 1,5°C” .

Tom Goldtooth, diretor executivo da Rede Ambiental Indígena

“Devemos entender que, ao financiar a expansão do petróleo e do gás, os maiores bancos do mundo têm sangue em suas mãos. Nenhuma quantidade de greenwashing, mercados de carbono, soluções tecnológicas não-comprovadas ou compromissos líquidos zero pode absolver seus crimes contra a humanidade e a Mãe Terra. Terras Indígenas em todo o mundo estão sendo saqueadas, nossos direitos inerentes estão sendo violados e o valor de nossas vidas foi reduzido a nada em face da expansão dos combustíveis fósseis. Pela sacralidade e integridade territorial da Mãe Terra, esses bancos devem ser responsabilizados a cobrir o custo de sua destruição”.

Lucie Pinson, fundadora e diretora executiva da Reclaim Finance

“Esses números mostram o vazio dos compromissos dos bancos, que se multiplicam incessantemente, ao se declararem líquidos ou em consonância com os objetivos climáticos do Acordo de Paris. Um exemplo perfeito encontra-se na França. O ministro das Finanças, Bruno Le Maire, gosta de chamar Paris de capital das finanças verdes, mas esses dados mostram a cidade como a capital da hipocrisia climática em 2020, com quatro bancos inescrupulosos tornando a França o maior patrocinador europeu de petróleo, gás e carvão. O BNP Paribas merece ser apontado como o quarto maior financiador de fósseis do mundo em 2020, tendo canalizado empréstimos multimilionários para gigantes do petróleo como BP e Total. No entanto, está claro que todos os bancos devem substituir suas promessas vazias por políticas realmente significativas que promovam tolerância zero para desenvolvedores de combustíveis fósseis”

Ben Cushing, gerente de campanha de promoção financeira do Sierra Club

“Muitos dos maiores bancos do mundo, incluindo todos os seis principais bancos dos EUA, assumiram compromissos espetaculares nos últimos meses para zerar o impacto climático de seus financiamentos nos próximos 30 anos. Porém, o que mais importa é o que eles estão fazendo agora, e os números não mentem. Esse relatório separa palavras de ações e mostra um quadro alarmante: grandes bancos ao redor do mundo, liderados pelos EUA, estão alimentando o caos climático, ao despejar trilhões de dólares nos combustíveis fósseis que causam essa crise. Os grandes bancos não merecem um tapinha nas costas, se suas promessas para 2050 não forem combinadas com ações significativas em 2021 para cortar o financiamento fóssil”.

Johan Frijns, diretor da BankTrack

À medida que a Cúpula do Clima de Glasgow se aproxima – e Deus nos livre de que a pandemia impeça essa reunião essencial para enfrentarmos uma crise existencial ainda maior, que é a do clima – testemunhamos um banco após outro fazendo promessas solenes de alcançar o “zero líquido até 2050″. Não existe caminho para esse objetivo, que devemos alcançar em uma geração, que não seja lidar com o financiamento bancário para a indústria de combustíveis fósseis aqui e agora. No entanto, muitas promessas atuais carecem exatamente disso: um firme compromisso de começar a romper laços com todas as empresas de carvão, petróleo e gás que planejam continuar suas atividades de destruição climática nos próximos anos”.

Lorne Stockman, analista de pesquisa sênior da Oil Change International

“O relatório serve para dar conta da realidade dos bancos que acreditam que essas metas muito vagas de “zero líquido” são suficientes para conter a crise climática. Nosso futuro vai para onde o dinheiro flui e, até 2020, esses bancos têm investido bilhões para nos aprisionar em um caos climático ainda maior. Os bancos precisam se concentrar na redução da produção de combustíveis fósseis agora, em vez de estabelecer metas distantes e insuficientes no futuro distante. Não podemos seguir adiante com compromissos pela metade”.

Sobre a metodologia

O relatório Banking on Climate Chaos 2021 agrega empréstimos bancários e subscrição de emissões de dívida e ações, de acordo com a metodologia de crédito da liga da Bloomberg (que divide o crédito entre os bancos que conduzem uma transação) para empresas com qualquer atividade de combustível fóssil relatada de acordo com a Bloomberg Finance L.P. e a Lista Global de Saída de Carvão. O crédito da liga atribuído a um banco para uma determinada transação é ajustado por uma aproximação da intensidade do combustível fóssil do tomador ou emissor específico.

As conclusões do rascunho do relatório são compartilhadas com os bancos com antecedência, e eles têm a oportunidade de comentar sobre as avaliações de financiamento e políticas.
 
 
Leia o relatório AQUI

Floresta Amazônica: de salvador a fonte de perigos

A maior área de floresta tropical do mundo está causando o aquecimento global devido à exploração excessiva

floresta queimadaUma floresta tropical queimada não pode mais absorver dióxido de carbono. Foto: imagens imago / Photoshot / Balance

 Por Norbert Suchanek para o Neues Deutschland

A Amazônia, a maior região de floresta tropical do mundo, se desenvolveu de um ecossistema que retarda o aquecimento global para um produtor líquido de gases e partículas prejudiciais ao clima. Este é o resultado de um estudo de uma equipa internacional que acaba de ser publicado na revista científica “Frontiers in Forests and Global Change”.

Em estudos anteriores comparáveis ​​que identificaram a Amazônia como sumidouro de carbono e como aliada contra as mudanças climáticas, apenas os dados do gás de efeito estufa dióxido de carbono (CO2) foram levados em consideração. Como resultado, a floresta tropical foi um dos maiores sumidouros de CO2 do mundo – esse é o nome dado aos reservatórios naturais que absorvem e armazenam carbono temporariamente. No novo estudo, os mais de 30 pesquisadores ambientais participantes dos EUA, Canadá, Grã-Bretanha, Colômbia, Peru, Suécia e Brasil também examinaram todas as outras emissões e efeitos da radiação que impulsionam o aquecimento global pela primeira vez. Apesar de algumas incertezas »chegamos à conclusão de que o aquecimento atual de gases de efeito estufa não-CO2, em particular metano e óxido nitroso, na bacia amazônica, em grande parte compensa e muito provavelmente excede a contribuição positiva para o clima por meio da absorção de CO2 atmosférico ”, escrevem os autores do estudo “Carbon and Beyond: The Biogeochemistry of Climate in a Rapidly Changing Amazon”. “Também descobrimos que a maioria das influências antropogênicas aumenta o potencial de radiação da bacia”.

Os pesquisadores destacam que, por um lado, a capacidade da região amazônica como armazenamento de carbono vem diminuindo gradativamente nas últimas décadas devido ao desmatamento. E isso está abrangendo cada vez mais países: “Historicamente, o arco do desmatamento brasileiro no sul e sudeste da Amazônia, impulsionado principalmente pela pecuária e plantações de soja, foi o epicentro do desmatamento na região”, segundo o estudo . Nos últimos anos, no entanto, outros estados amazônicos, como Peru e Bolívia, também sofreram extenso desmatamento. A criação de plantações de dendezeiros e garimpeiros são os principais responsáveis ​​pelo rápido desmatamento no Peru, enquanto a Amazônia boliviana é mais afetada pela produção de soja.

A derrubada e queimada e desmatamento para pastagens de gado e plantações de soja, mineração e construção de barragens não apenas reduzem o armazenamento de carbono, mas também aumentam as emissões de CO2 e de outros gases de efeito estufa, como metano, óxido nitroso, ozônio e que afetam o clima micropartículas como a fuligem.

A Amazônia sempre foi um dos grandes produtores naturais de óxido nitroso do mundo. É liberado por microrganismos da floresta tropical. No entanto, segundo os pesquisadores, as emissões aumentaram devido à drenagem de áreas úmidas e à compactação do solo causada pelo desmatamento. Outra fonte são as pastagens artificiais para gado, principalmente nos meses de chuva. Além disso, há emissões de óxido nitroso dos reservatórios das usinas hidrelétricas, que também são produtoras de CO2 e metano. “A inundação após a construção da barragem diminui o teor de oxigênio na água e aumenta a decomposição livre de oxigênio de substâncias orgânicas, o que significa que quantidades consideráveis ​​de metano são lançadas na atmosfera”, afirma o estudo. Este efeito é possivelmente dez vezes mais forte nos trópicos do que em reservatórios em latitudes temperadas. Mais de 190 barragens já represam os rios da bacia amazônica. Outras 246 barragens estão planejadas ou em construção. Estudos anteriores mostraram que as usinas hidrelétricas na Amazônia liberam mais gases de efeito estufa no longo prazo do que as usinas movidas a combustíveis fósseis com a mesma produção de eletricidade.

Outra causa do efeito estufa na Amazônia é o ozônio altamente reativo, que desempenha um papel importante na química da atmosfera e ali atua como um gás de efeito estufa. Segundo o estudo, seus precursores químicos aumentaram “com o aumento da combustão da biomassa, o desmatamento, a conversão da floresta em terras agrícolas e a rápida urbanização na região amazônica”.

Mesmo que muitas questões ainda não tenham sido completamente esclarecidas e os dados subjacentes ainda não tenham sido confirmados, o estudo deixa uma coisa clara: se a humanidade quer vencer a luta contra o aquecimento global, maior desenvolvimento da Amazônia com represas, corte raso, pastagens artificiais de gado, plantações de soja e dendê, construção de estradas e mineração, bem como exploração de petróleo, não tem como continuar.

fecho

Este texto foi escrito originalmente em alemão e publicado pelo “Neues Deutschland” [Aqui!  ].

As secas na Europa são mais extremas do que nunca

Falhas na colheita, florestas e rios secos: a Europa experimentou várias ondas de calor violentas nos últimos anos. Um estudo agora mostra como as secas foram ruins em comparação histórica.

Agriculture

Campo na Saxônia (em abril de 2020)Foto: Florian Gaertner / Photothek / Getty Images

Desde 2015, a Europa passou por uma série de verões de seca, alguns dos quais com graves consequências para a natureza. A agricultura sofreu e as florestas também, em alguns lugares até a água tornou-se escassa. Um novo estudo agora sugere que é uma seca de proporções históricas que vivemos nos últimos anos. As secas foram muito mais severas do que nos 2100 anos anteriores, escrevem pesquisadores na revista Nature Geoscience . E esse período extraordinário de seca se deve às mudanças climáticas causadas pelo homem.

Tendência seca. Índice de seca na Europa Central (junho a agosto) de 75 aC Para 2018 DCgrafico seca

* Valores acima de 0 = úmido, valores abaixo de 0 = seco. Fonte: Nature

Para a investigação, os cientistas não olharam apenas os dados meteorológicos nos arquivos. Eles usaram um método específico para analisar os anéis das árvores e, assim, criaram um enorme conjunto de dados que retrata as condições hidroclimáticas na Europa Central desde a época romana até o presente.

A Europa experimentou ondas de calor extremas no verão e secas por volta de 2003, 2015 e 2018. As consequências também fizeram com que o número de mortes por calor disparasse, escreveram os cientistas. Na verdade, um estudo, cujos resultados foram publicados na revista »The Lancet« , descobriu que só na Alemanha em 2018 cerca de 20.200 mortes entre pessoas com mais de 65 anos estavam relacionadas ao calor.

Para esta classificação, Büntgen e seus colegas fizeram mais de 27.000 medições em anéis de árvores de 147 carvalhos, que cobriram um período de 2100 anos (75 aC a 2018). As amostras vieram, entre outras coisas, de vestígios arqueológicos e materiais de construção históricos, mas também de árvores vivas da atual República Tcheca e de partes do sudeste da Baviera.

Arquivo exato do hidroclima

Os pesquisadores então extraíram e analisaram os isótopos estáveis ​​de carbono e oxigênio de cada um dos anéis das árvores. Embora as medições normais dos anéis das árvores sejam limitadas à largura dos anéis e à densidade da madeira, os isótopos estáveis ​​examinados aqui refletem as condições físicas e as reações das árvores a eles. »Os valores de carbono dependem da atividade fotossintética, os valores de oxigênio são influenciados pela água da nascente.

Os dois valores juntos estão intimamente relacionados com as condições da estação de cultivo «, explica o co-autor Paolo Cherubini. Desta forma, os isótopos estáveis ​​dos anéis anuais resultariam em um arquivo muito mais preciso para reconstruir as condições hidroclimas em áreas temperadas, onde os estudos convencionais com anéis anuais muitas vezes falham, acrescenta Jan Esper da Universidade de Mainz.

Na reconstrução, os dados do isótopo do anel de árvore mostraram que, por um lado, havia verões muito úmidos na Europa, por volta de 200, 720 e 1100 DC. Mas também havia verões muito secos, como em 40, 590, 950 e 1510 DC. , o continente tornou-se gradualmente mais seco nos últimos dois milênios.

No entanto, as amostras de 2015 a 2018 revelaram que as condições de seca do verão passado foram muito mais severas do que nos 2100 anos anteriores. “Após séculos de declínio lento e significativo, vimos uma queda drástica, que é particularmente alarmante para a agricultura e a silvicultura”, comenta o co-autor Mirek Trnka. “A morte sem precedentes de florestas em grandes partes da Europa Central confirma nossos resultados.”

Os pesquisadores atribuem o aumento observado em verões excepcionalmente secos ao aquecimento global causado pelo homem e às mudanças associadas na posição da corrente de jato polar. Esta é uma das duas principais faixas de vento que equilibram o gradiente de temperatura entre os pólos e o equador e exercem uma grande influência em nosso clima.

Condições extremas estão se tornando mais comuns

Na verdade, outro estudo internacional mostrou que as ondas da corrente de jato polar (leia mais sobre a corrente de jato aqui ) estagnaram durante o quente verão de 2018 . “As mudanças climáticas não significam que em todos os lugares ficará mais seco: em alguns lugares pode ser mais úmido ou mais frio, mas as condições extremas estão se tornando mais frequentes, o que pode ser devastador para a agricultura, os ecossistemas e a sociedade como um todo”, prevê Ulf Büntgen.

A última apresentação dos dados climáticos do Serviço Meteorológico Alemão (DWD) se encaixa nisto: embora os dados no estudo atual durem apenas até 2018, o DWD anunciou há poucos dias que 2020 foi o segundo mais quente desde o início dos registros meteorológicos Na Alemanha. Os picos de verão acima de 40 graus Celsius, como em 2019, não se materializaram, mas principalmente no período de abril a setembro, que é particularmente importante para o crescimento das plantas, a seca dominou o clima.

joe / dpa

fecho

Este artigo foi escrito originalmente em alemão e publicado pela revista Die Spiegel [Aqui!].

Greenpeace se manifesta contra Banco Central Europeu

 Novo estudo mostra: títulos de empresas de energia fóssil são preferidos pelo BCE

bce greenpeaceFoto: Bernd Hartung / Greenpeace

Berlim. Ativistas do Greenpeace manifestam-se hoje na sede do Banco Central Europeu (BCE), em Frankfurt, contra a política monetária dos bancos centrais, que é prejudicial ao clima. Depois de pousarem com parapentes, eles rolaram uma grande faixa do telhado do prédio de entrada do BCE com as palavras: “Parem de financiar assassinos do clima!”

Ao mesmo tempo , o Greenpeace publica um novo estudo que mostra, usando o exemplo das garantias de empréstimo aceitas para títulos corporativos, que o BCE favorece maciçamente empresas que são particularmente prejudiciais ao clima. A próxima reunião do conselho com a Comissão Executiva e os presidentes dos bancos centrais europeus terá lugar no BCE na quinta-feira, sob a liderança da Presidente do BCE, Christine Lagarde. »Nosso estudo mostra que o BCE está sistematicamente minando a proteção climática. O Conselho Deliberativo deve apresentar rapidamente uma estratégia de política monetária baseada no Acordo do Clima de Paris ”, afirma Mauricio Vargas, especialista financeiro do Greenpeace.

BCE prefere empresas de energia fóssil

O novo estudo “Tornando o Quadro de Garantias do Eurosistema mais ecológico” analisa o quadro para as garantias de empréstimo aceites pelo Banco Central Europeu. É uma publicação conjunta do Greenpeace e da New Economics Foundation (NEF) e de duas universidades da Grã-Bretanha.

O Greenpeace é particularmente crítico quanto ao fato de que títulos de emissores prejudiciais ao clima se beneficiam de descontos mais baixos ao avaliar o risco, enquanto o BCE classifica os setores mais favoráveis ​​ao clima como mais arriscados e lhes dá descontos maiores. Além disso, o BCE aceita um número desproporcionalmente grande de títulos de empresas de energia fóssil. O estudo sugere três maneiras de reduzir a parcela intensiva em carbono e, portanto, os riscos associados à crise climática do quadro de garantias. Enquanto no primeiro cenário apenas os descontos de risco são aumentados de acordo com os danos climáticos, os dois cenários mais rigorosos também excluem empresas particularmente prejudiciais ao clima.

Com o seu poder de controlo e investimento, a política monetária do BCE é o enquadramento da área do euro. Em particular, a forma como lidam com os riscos climáticos é um sinal para o mundo financeiro europeu. Embora o chefe do BCE, Lagarde, tenha chamado a atenção para a conexão entre os riscos climáticos e a estabilidade de preços no ano passado, uma reforma da política monetária ainda está pendente. A nova estratégia de política monetária anunciada para a primavera de 2021 foi adiada até agora. WL

fecho

Este texto foi escrito originalmente em alemão e publicado pelo Neues Deutschland [Aqui! ].

Relatório da ONU aponta que um quarto das doenças globais tem causa ambiental

Image result for making peace with nature report un

De acordo com um relatório da ONU , cerca de um quarto da carga global de doenças vem do meio ambiente. Por um lado, trata-se de doenças que os animais pulam – como a COVID-19 – conforme afirma um relatório do Programa das Nações Unidas para o Meio Ambiente . Por outro lado, existem riscos à saúde que estão relacionados às mudanças climáticas e aumentam com o aumento das temperaturas, como a desnutrição e as doenças transmitidas pela água e pelos alimentos. Em última análise, a poluição do ar também é uma grande ameaça, levando a quase nove milhões de mortes prematuras a cada ano.

“A deterioração da condição do planeta está minando os esforços para alcançar uma vida saudável e bem-estar para todos”, diz o relatório. A relação entre os humanos e a Natureza deve mudar radicalmente e a paz deve ser feita com os sistemas naturais da Terra.

Existem atualmente três crises ocorrendo simultaneamente: mudança climática, perda de biodiversidade e poluição. Tudo isso é auto infligido, interconectado e põe em risco o bem-estar das gerações atuais e futuras. Nem os objetivos do Acordo Climático de Paris, nem quaisquer objetivos globais para a proteção dos seres vivos, da terra e dos oceanos foram alcançados até agora. Para resolver essas crises, todas as inovações e investimentos futuros teriam que proteger as pessoas e a natureza ao mesmo tempo.

O Programa das Nações Unidas para o Ambiente publicou o relatório tendo em vista a Conferência das Nações Unidas para o Ambiente, que terá lugar online pela primeira vez na segunda e terça-feira e na qual se espera a participação do Secretário-Geral da ONU, António Guterres.

fecho

Este artigo foi originalmente escrito em alemão e publicado pelo Zeit.de [Aqui!].