Leandro Narloch e sua insensibilidade climática

1938-Woods-Hole

Por Cláudio Angelo*

Leandro Narloch mandou mal.

O guru do pensamento politicamente incorreto virou best-seller desmontando “mitos” sobre história, política e comportamento. É bonitinho. Às vezes acerta ou, no mínimo, provoca as pessoas a questionar verdades estabelecidas pouco apoiadas em evidências. Só que às vezes ele mesmo se afasta das evidências para forçar um argumento ou dez. E aí dá ruim. Sua última coluna no site da Folha é um exemplo: uma diatribe antiambientalista que escorrega em fatos e produz – para sermos politicamente corretos – um samba do afrodescendente com problemas psiquiátricos.

Narloch tenta argumentar que ambientalistas são obcecados com o Apocalipse, mas que esse Apocalipse nunca chega, mas que mesmo assim eles continuam insistindo no Apocalipse porque isso vende livro e dá dinheiro para ONGs.

Nada de novo aqui. Frequentemente o ambientalismo é criticado por fazer previsões catastrofistas que não se realizam, mas frequentemente elas não se realizam precisamente por mudanças de comportamento induzidas pelos ambientalistas. Doh. É evidente que ambientalistas exageram e cometem equívocos de vez em quando: trata-se, afinal, de um empreendimento humano. Destacá-los por isso, porém, é preconceito. E visões pré-concebidas costumam estar erradas; Narloch deveria saber disso melhor do que ninguém.

Um exemplo: o colunista critica Rachel Carson, a fundadora do ambientalismo moderno, por ter “apostado” em seu livro Silent Spring (1962) que o DDT e os pesticidas provocariam “extinção de pelicanos na costa Oeste americana”. Na real, não há nenhuma menção a pelicanos no livro de Carson, que tampouco faz qualquer “aposta” – apenas colige dados científicos da época. Mas o banimento do DDT, que ocorreu cinco anos depois de sua publicação, possivelmente permitiu o retorno de pelicanos que estavam quase extintos na Louisiana, na costa Leste.

Especificamente, Narloch cita três fins do mundo que não chegaram: o armageddon das abelhas, que teria sido revertido; a seca no Sudeste, que teria acabado mesmo sem ninguém reflorestar a Amazônia; e o aquecimento global, que não seria tão grave assim.

Sobre este último, diz o nosso politicamente incorreto guru:

“E um novo estudo, publicado em janeiro pela “Nature”, revisou para baixo a sensibilidade climática (a variação do clima de acordo com a variação da emissão de carbono e outros fatores). Segundo os pesquisadores da Universidade de Exeter e do Centro de Ecologia e Hidrologia do Reino Unido, se a concentração de CO2 na atmosfera dobrar, o planeta vai esquentar no máximo 2,8°C, e não 4,5°C, como o IPCC previa.”

Há um erro conceitual crasso nessa conclusão. Demanda uma explicação longa, mas não vá embora.

O estudo citado tem como primeiro autor Peter Cox, hoje na Universidade de Exeter. Cox ficou famoso no começo do século por formular a hipótese de que a Amazônia sofreria mortandade em massa num cenário de aquecimento global descontrolado. Não é exatamente um cético do clima.

Como Narloch aponta, o artigo de Cox trata de um valor chamado “sensibilidade climática em equilíbrio”. É uma estimativa de quanto o planeta aqueceria caso o nível de COna atmosfera duplicasse instantaneamente. É um componente fundamental dos modelos computacionais de clima.

A sensibilidade climática foi estimada pela primeira vez em 1896 pelo sueco Svante Arrhenius (aquele mesmo, dos ácidos e das bases). Ele previu um aumento de 5oC a 6oC com o CO2 duplicado na atmosfera. Em 1975, o primeiro modelo de clima em computador chegou a um número bem menor: 2,4oC.

Por uma série de problemas que têm a ver com, por exemplo, a representação de nuvens e aerossóis, os modelos têm dificuldade em “resolver” esse parâmetro, e os números têm patinado há 40 anos entre 2oC e 5oC, mais ou menos. Cada um dos cerca de 20 modelos globais usados hoje em dia pelo IPCC, o painel do clima da ONU, tem uma estimativa diferente de sensibilidade climática. Alguns “enxergam” a Terra mais resiliente ao aumento dos gases-estufa; outros, mais sensível. Na soma de todos os resultados, o IPCC considerou, em seu relatório mais recente, o AR5, que a sensibilidade climática em equilíbrio varia entre 1,5oC e 4,5oC, com uma melhor estimativa de 3,2oC.

Cox e seus colegas – e, de resto, todos os modeleiros de clima do mundo – vêm tentando reduzir essa incerteza. Seu trabalho de janeiro aponta um caminho diferente para fazer a estimativa, e dá como resultado uma faixa de 2,2oC a 3,4oC, com uma melhor estimativa de 2,8oC. Descarta as pontas extremas da faixa de possibilidades do AR5. No entanto, sua melhor estimativa é muito parecida com os 2,9oC publicados pelo IPCC em seu quarto relatório, de 2007, para uma concentração de CO2 na atmosfera de 550 partes por milhão (o dobro da máxima pré-industrial).

“Isso não quer dizer nunca que o planeta vai esquentar menos ou que está esquentando menos agora. As medidas mostram que os modelos estão acertando razoavelmente as previsões dos últimos cem anos”, diz Paulo Artaxo, do Instituto de Física da USP, membro do IPCC. Se você quiser saber quão bem os modelos vêm prevendo as temperaturas, assista a este vídeo sensacional do Skeptical Science.

O problema é que Narloch confunde sensibilidade climática com projeção de aquecimento. E, como diz Zeca Pagodinho, é igual, mas é diferente.

A projeção de aumento de temperatura depende de quanto CO2 lançarmos na atmosfera nas próximas décadas – pode ser menos ou mais do que o dobro do que havia antes da era industrial. O IPCC traça quatro cenários de aumento de temperatura em seu último relatório: no melhor, o chamado RCP 2.6, o aumento médio no fim do século em relação à média observada entre 1986 e 2005 será de 1oC; no pior, o chamado RCP 8.5, o aumento médio é de 3,7oC em relação à mesma média. Elevações maiores que 6oC são consideradas muito improváveis, mas não foram descartadas.

Portanto, não, o IPCC não “previu” um aquecimento global de 4,5oC que foi repentinamente desmentido por um único paper.

Eu também acho uma merda o IPCC ser tão confuso em relatórios que são chamados de “Sumários para Formuladores de Políticas Públicas” (e que portanto deveriam ser compreensíveis para qualquer cidadão com segundo grau completo). E eu também já confundi sensibilidade climática com projeção de aquecimento dezenas de vezes, e de maneiras vergonhosas. Mas a vida é dura mesmo: se Leandro Narloch quiser fazer disso um cavalo de batalha contra o ambientalismo, vai precisar estudar mais.

*Claudio Angelo é autor de A Espiral da Morte – como a humanidade alterou a máquina do clima (Companhia das Letras, 2016), vencedor do Prêmio Jabuti 2017 na categoria Ciências da Natureza, Meio Ambiente e Matemática.

FONTE: http://scienceblogs.com.br/curupira/2018/04/insensibilidade-climatica/

Nature publica artigo mostrando que circulação oceânica está mais lenta no Atlântico Norte

Resultado de imagem para circulação do atlantico norte

Venho há alguns anos utilizando um artigo assinado pelos pesquisadores Maria Lúci A.M. Campos e Wilson Jardim onde é feita uma previsão teórica  de que uma das possibilidades de uma colapso da circulação oceânica por causa das mudanças climáticas, levantando ainda a hipótese de que isso poderia ocorrer por volta de 2030 [1]. 

Pois bem, o que era uma mera hipótese teórica pode estar se confirmando e mais rápido do que o estimado no artigo de Campos e Jardim. É que no dia de  ontem (11/04), a respeita revista Nature publicou um artigo assinado pela Dra Summer K. Praetorius, do United States Geologic Service (USGS), que aponta, a partir de dois estudos diferentes, para o fato que está ocorrendo uma diminuição no chamado sistema de “Circulação oceânica do Atlântico Sul”, algo que não teria precedentes pelo menos nos últimos 1.600 anos [2].

corrente do golfo

Figura mostra a  Circulação do Atlântico Sul (AMOC) e o giro subpolar. O AMOC é um sistema de circulação oceânica que consiste de correntes superficiais quentes (laranja) e fluxos frios de retorno a águas profundas (azul), como mostrado nesta representação simplificada. As correntes superficiais incluem a Corrente do Golfo, que alimenta uma ramificação do AMOC conhecida como Corrente do Atlântico Norte. Os fluxos de retorno em águas profundas partem de três ramos que se fundem na Águas Profundas do Atlântico Norte.

O problema é que o chamado “Sistema de Circulação Oceânica do Atlântico Sul” joga um papel fundamental na passagem de calor das águas oceânicas para a atmosfera, e uma eventual diminuição de sua velocidade trará impactos significativos no comportamento climático da Terra, especialmente sobre a Corrente do Golfo que ocupa um papel importante na chegada de calor nas latitudes mais altas ao norte,

Um efeito esperado dessa perda de velocidade seria a ocorrência de invernos mais frios no norte da Europa, o que poderia ser traduzido em um decréscimo de 3 a 5 o
C na temperatura, o que seria equivalente a 30 ou até 50% da queda de temperatura que ocorreu nas maiores glaciações que já ocorreram na Terra. Em seu artigo, a Dra. Praetoreus alerta ainda que poderá haver uma modificação importante nos padrões de precipitação.

Uma lacuna que ainda precisará ser respondida por novos estudos tem a ver com a determinação de quando esse enfraquecimento da circulação oceânica teria começado e, evidentemente, quais seriam as causas deste processo. De toda forma, o que parece ter sido resolvido é sobre a ocorrência desse enfraquecimento. 


[1] http://qnesc.sbq.org.br/online/cadernos/05/hidrosfera.pdf

[2] https://www.nature.com/magazine-assets/d41586-018-04086-4/d41586-018-04086-4.pdf

Livro de download gratuito do INCT Mudanças Climáticas traz olhar interdisciplinar

mudanças climáticas

O Instituto Nacional de Ciência e Tecnologia (INCT)  Mudanças Climáticas está disponibilizando de forma gratuita o livro “Mudanças climáticas em rede:  um olhar interdisciplinar“.  Este livro aborda 13 temas integradores: Observações e Atribuição de Causas da Variabilidade e Extremos Climáticos; Segurança Alimentar; Segurança Hídrica; Segurança Energética; Saúde; Biodiversidade e Ciclos Biogeoquímicos; Desastres Naturais; Emissão de Gases de Efeito Estufa; Dimensões Humanas e Econômicas das Mudanças Climáticas; Zonas Costeiras; Amazônia e REDD (Redução de Emissões por Desmatamento e Degradação); Modelagem do Sistema Terrestre; e Cenários Futuros de Clima para Estudos de Impactos-Vulnerabilidade-Adaptação (IVA).

Quem desejar baixar gratuitamente este livro, basta clicar  Aqui!

Donald Trump e as razões para seu conveniente ceticismo climático

Um assumido cético das teses científicas que postulam que o clima da Terra está passando por transformações causadas pelo funcionamento da sociedade capitalista, o presidente estadunidense Donald Trump aproveitou as baixas temperaturas que grassam no leste dos EUA neste início de 2018 para renovar seus ataques anti-ciência do clima.

trump 0

As razões para esses ataques de Donald Trump contra as abundantes evidências de que atravessamos um período de mudanças climáticas são evidentemente econômicas e geopolíticas [1]. É que do ponto de vista de seus principais apoiadores, qualquer modificação estrutural na forma de funcionamento do sistema capitalista implicará em alterações nos padrões de consumo, principalmente no que se refere aos combustíveis fósseis.

Mas teses anti-científicas estão encontrando um terreno fértil para florescer na medida em que a persistente crise que afoga o sistema capitalista desde 2008 vem gerando uma guerra de contra-informação para que se mantenha tudo mais ou menos como está nas relações de produção e circulação de mercadorias.

Mas vamos ao que interessa. Donald Trump pode ser uma pessoa básica, mas está longe de ser o idiota que alguns tentam pintá-lo. Ele deve saber que existe uma diferença fundamental entre tempo atmosférico e clima. É que enquanto tempo se refere a um período curto de dias e semanas para que sejam feitas previsões com um mínimo de chance de acerto, os cálculos climáticos são muito mais complexos, já que se medem períodos acumulados na escala de décadas. 

Em outras palavras, o fato de estar frio por alguns dias não determina de forma alguma que a Terra está esfriando. Aliás, uma das muitas hipóteses acerca das mudanças que o aquecimento da atmosfera trará sobre o clima da Terra será a ocorrência de eventos extremos, tanto em termos de temperatura como de precipitação. Assim, podemos ter muita chuva em poucas horas para depois passarmos meses sem uma mísera chuva. O mesmo vale para as temperaturas. E, acreditem, Donald Trump e seus assessores que defendem o ceticismo climático sabem disso.

Então por que a negação do que 95% da comunidade científica postula como sendo o que se passando com o clima da Terra?  Ora, porque essa verdade inconveniente atenta contra os interesses econômicos e estratégicos das grandes corporações que Donald Trump efetivamente representa.

Para aqueles que ainda não viram um daqueles vídeos que mostrando o derretimento das calotas polares, posto um abaixo.

E após assistirem este vídeo lembrem que o que lhes pareça catástrofe ambiental iminente é visto por Donald Trump e associados como oportunidades econômicas colossais, a começar pelo aumento de tráfego de navios no Ártico [2]!

globes-Artboard_1


[1] https://www.eenews.net/stories/1060069603

[2] https://www.nytimes.com/interactive/2017/05/03/science/earth/arctic-shipping.html

Furacão Irma como exemplo didático do impacto das mudanças climáticas

Ainda não recuperados dos efeitos devastadores do furacão Harvey, os estadunidenses estão agora presenciando a presença do Irma que está quebrando todos os recordes já estabelecidos para este tipo de fenômeno climático.

Ainda que furacões sejam uma realidade anual no Caribe e na América do Norte, o que está surpreendendo até os mais céticos é a combinação de fatores que normalmente ocorrem na passagem de qualquer furacão, mas que com Harvey e Irma tomaram proporções épicas.

Talvez agora possamos ter uma discussão séria sobre o que está por vir a partir das inevitáveis mudanças climáticas que estão sendo causadas pela sociedade capitalista. Melhor ainda se começando pelos EUA, possamos ter um debate pautado pelo que já foi estabelecido pela ciência e não pelo ceticismo com que este problema muitas vezes é tratado.

Abaixo um dos muitos vídeos que já foram postados no Youtube sobre a chegada do Irma na Flórida. 

DW Brasil: Dossiê denuncia perigoso retrocesso na legislação ambiental brasileira

Relatório da organização WWF estima que projetos no Congresso podem tirar uma área do tamanho da Áustria do mapa de unidades de conservação do Brasil. Medida beneficiaria bancada ruralista em troca de apoio a reformas.

Brasilien Abholzung der Regenwälder (Getty Images/AFP/R. Alves)

Por Deutsche Welle Brasil

O maior programa de áreas protegidas do mundo está em risco, alerta o WWF Brasil. Um território de 80 mil km2 – quase o tamanho da Áustria – pode sumir do mapa de unidades de conservação a qualquer momento, segundo um relatório publicado pela organização nesta quarta-feira (17/05).

Criado há 15 anos com recursos internacionais, o Programa Áreas Protegidas da Amazônia (Arpa) pode desmoronar com o impacto de decisões tomadas em Brasilia. Segundo a organização, as medidas partem de setores do governo e do Congresso Nacional, impulsionados por produtores rurais e indústria da mineração, e mexe com reservas do Norte ao Sul do país.

Um dos projetos em tramitação do Congresso invalida unidades de conservação criadas onde havia proprietários privados e que não receberam a indenização no período de cinco anos. A aprovação da proposta pode levar ao desaparecimento de 56 mil km2 de reservas, segundo estimativas do Instituto Chico Mendes de Conservação da Biodiversidade (ICMBio), o equivalente a 10% do território das unidades de conservação federais.

Infografik Naturschutzgebiete POR

Moeda de troca

O Observatório do Clima classifica o momento como um “ataque sistemático coordenado”. Para aprovar reformas polêmicas, como a da Previdência, o Palácio do Planalto tem cedido às pressões da bancada ruralista, com seus mais de 200 votos, acusa Carlos Rittl, secretário-executivo.“É uma agenda de retrocesso, como a Medida Provisória que literalmente regulariza a grilagem de terra”, diz, em referência à Medida Provisória 759, que tramita no Senado em regime de urgência.

Na avaliação da Fundação Heinrich Böll, ligada ao Partido Verde da Alemanha, o pacote de medidas que vem tramitando no Parlamento brasileiro “é um retrocesso sem precedentes na legislação ambiental nacional, que antes da aprovação do novo Código Florestal, em 2012, era considerada uma das legislações ambientais mais completas e avançadas do mundo”, pontua Maureen Santos.

Pesquisadores da área de meio ambiente também demonstram preocupação. “A comunidade científica brasileira tem se manifestado fortemente contra a atual política implementada pelos ruralistas no Congresso e no governo de destruição das leis que protegem o rico patrimônio ambiental brasileiro”, afirma Paulo Artaxo, pesquisador da Universidade de São Paulo (USP) e um dos pesquisadores do Painel Intergovernamental de Mudanças Climáticas (IPCC).Consultado, o Ministério do Meio Ambiente não respondeu ao pedido de entrevista da DW Brasil.

Desmatamento e crise

O dossiê do WWF chama atenção para outro dado: o aumento do desmatamento dentro das áreas de conservação na Amazônia.

“O desmatamento crescente nas unidades reflete a tendência atual de redução de proteção. Várias delas vêm sendo alteradas por dois motivos principais: produção e distribuição de energia e ocupações irregulares”, ressalta Elis Araújo, pesquisadora do Instituto do Homem e Meio Ambiente da Amazônia (Imazon).

Em toda a Amazônia, o corte da floresta aumentou 60% em 2016 – num momento de desaceleração da economia, classificada como pesquisadores da Unicamp como “a pior crise da história nacional”.

Maureen Santos vê indícios de que o governo transfira à iniciativa privada o monitoramento das florestas do Brasil, o que ela considera perigoso. “Estão reduzindo o papel do Estado na proteção ambiental e jogando para o setor privado essa tarefa”, critica.

“Todos esses retrocessos e avanço do desmatamento não trazem beneficio para sociedade brasileira. O custo é altíssimo. Todos arcamos com custos muito altos para o benefício de muito poucos”, afirma Carlos Rittl.

Clima de retrocesso

A votação das leis em Brasilia pode comprometer as metas assumidas pelo país – e votadas pelo Congresso – de combate às mudanças climáticas. “Vai na contramão do acordo de Paris recentemente ratificado pelo Brasil”, pontua Rodrigues dos Santos, do WWF Brasil. “É um contrassenso você dizer ao mundo que tem compromisso em cuidar das Arpas e internamente agir na direção contrária.”

Além do corte de emissões de CO2, o principal gás causador do efeito estufa, o país se comprometeu em acabar com o desmatamento até 2020 e reflorestar 12 milhões de hectares até 2030.

“Isso é essencial para minimizar os impactos das mudanças globais e sequestrar carbono da atmosfera, além de garantir o correto funcionamento dos ecossistemas brasileiros”, explica Paulo Artaxo, citando exemplos como a manutenção dos fluxos de água das bacias hidrográficas brasileiras e a biodiversidade.

Trocar Floresta Amazônica por áreas de pastagens e plantios não é um bom negócio, alerta o pesquisador. “Vai reduzir a emissão de vapor de água para a atmosfera, essencial para a formação de nuvens e chuva em toda a América Latina”, prevê.

FONTE: http://www.dw.com/pt-br/dossiê-denuncia-perigoso-retrocesso-na-legislação-ambiental-brasileira/a-38867444

Professor Paulo Artaxo realiza colóquio “ao vivo” e online sobre o Antropoceno

O Antropoceno: Aspectos científicos de uma nova era geológica

Palestrante: Prof. Dr. Paulo Eduardo Artaxo Netto, IFUSP

Dia: 09 de março de 2017, às 16h, Auditório Abrahão de Moraes

Resumo da palestra:
 
A Humanidade alterou profundamente vários processos críticos que regulam o funcionamento climático de nosso planeta. As alterações no albedo da superfície e na composição da atmosfera impactaram o balanço radiativo da Terra, e estamos em rota de aquecimento com importantes impactos socioeconômicos e ambientais. O aumento da frequência de eventos climáticos extremos, aumento do nível dos oceanos, alteração dos padrões de precipitação estão entre os principais efeitos. Entre as medidas necessárias, a redução do consumo, geração de energia por meio de processos que não emitam gases de efeito estufa, e a implementação de uma economia de baixas emissões de carbono estão entre as medidas necessárias. A ativa área da ciência das mudanças climáticas globais requer intenso trabalho interdisciplinar, e novas abordagens entre as diferentes disciplinas.
 
Palavras-chave: Mudanças climáticas, meio ambiente, antropoceno 
 
Sobre o palestrante:
 

O Prof. Artaxo fez a graduação (1977), o mestrado (1980) e o Doutorado (1985) no IFUSP. Atualmente é professor titular do Departamento de Física Aplicada do Instituto de Física da USP. Trabalha com física aplicada a problemas ambientais, atuando principalmente nas questões de mudanças climáticas globais, meio ambiente na Amazônia, física de aerossóis atmosféricos e poluição do ar urbana. É membro titular da Academia Brasileira de Ciências (ABC), da Academia de Ciências dos países em desenvolvimento (TWAS) e da Academia de Ciências do Estado de São Paulo. Em 2004 recebeu um voto de aplauso do Senado Brasileiro pelo trabalho científico em meio ambiente na Amazônia. É membro da equipe do Painel Intergovernamental de Mudanças Climáticas (IPCC) que foi agraciada com o Prêmio Nobel da Paz de 2007. Em 2007 recebeu o prêmio de Ciências da Terra da TWAS e o Prêmio Dorothy Stang de Ciências e Humanidades de 2007. Em 2009 foi agraciado com o título de Doutor em Filosofia Honoris Causa pela Universidade de Estocolmo, Suécia. Em 2010 recebeu o prêmio Fissan-Pui-TSI da International Aerosol Research Associations. Também recebeu em 2010 a Ordem do Mérito Científico Nacional, na qualidade de comendador. Em 2016 recebeu o Prêmio Almirante Álvaro Alberto outorgado pelo CNPq, Marinha, MCTI e Fundação Conrad Wessel.

 

FONTE: http://portal.if.usp.br/ifusp/pt-br/evento/col%C3%B3quio-com-o-prof-paulo-artaxo-ifusp