Aquecimento global e miopia: estudo alerta para perda de biodiversidade em hotspots e suas consequências negativas

snow lepard

Os leopardos da neve vivem nas altas montanhas – aqui no Pamir. Quando fica mais quente, eles geralmente não conseguem se mover mais alto. Foto: dpa / Igor Kovalenko / epa

Os botos-vaquita no Golfo da Califórnia, os lêmures em Madagascar, os elefantes da floresta na África Central e os leopardos das neves no Himalaia, todos têm uma coisa em comum: eles estão na via de mão única para a extinção se a mudança climática elevar a temperatura global em três graus Celsius.

Esses animais não estão sozinhos neste destino. A menos que as nações melhorem drasticamente a implementação do Acordo de Paris de 2015 para reduzir as emissões de CO2, o aquecimento global destruirá irreversivelmente os lugares com a mais rica diversidade de animais e plantas em nosso planeta. Essa é a avaliação preocupante da situação de um estudo publicado na revista “Biological Conservation” (Endemism increases species’ climate change risk in areas of global biodiversity importance) como botos vaquita, leopardos das neves, lêmures e elefantes da floresta, que estão sujeitos a condições ambientais muito específicas em locais muito específicos para sua sobrevivência, são as mais afetadas pelas mudanças climáticas.

O grupo internacional de cientistas liderado pela ecologista brasileira Mariana Vale, da Universidade Federal do Rio de Janeiro, analisou 8.000 avaliações de risco publicadas sobre a biodiversidade em quase 300 “pontos quentes” em terra e no mar sob a perspectiva de um aumento da temperatura global de três graus Celsius acima dos níveis pré-industriais. A investigação não é um mero exercício acadêmico do tipo “e se?”. Porque o mundo já está a caminho de um aquecimento global de três graus. A temperatura mundial já subiu um grau acima do nível pré-industrial. Os autores do estudo alertam que os três graus seriam atingidos no máximo até o final deste século, mesmo que os países aderissem às metas estabelecidas no acordo climático de Paris de redução das emissões de CO2. »Mudanças climáticas ameaçam áreas

Mais de 90% de todas as espécies endêmicas – ou seja, nativas de uma determinada área – e 95 por cento de todas as espécies marinhas endêmicas são afetadas pela extinção se a terra aquecer mais dois graus, de acordo com o estudo. Parece ainda mais ameaçador em habitats muito especiais. Nas regiões montanhosas, 84% dos animais e plantas endêmicos estão ameaçados de extinção, enquanto nas ilhas é 100%. “Muitas dessas espécies não conseguem se adaptar às mudanças climáticas por diversos motivos”, diz Vale. Essas espécies têm necessidades ambientais muito específicas para sua vida, sua reprodução e sua alimentação e, portanto, não podem simplesmente migrar para novos ambientes.

Além das mudanças climáticas, outro problema é a crescente perda de habitat para animais e plantas não endêmicas devido ao uso de cada vez mais terras para agricultura, cidades e estradas. “Isso impede que muitas espécies se mudem para áreas climaticamente mais adequadas, o que tem sido uma resposta normal e efetiva aos eventos climáticos da história da Terra”, diz Vale.

Mark Costello, um dos autores do estudo, se preocupa com a sobrevivência dos animais marinhos quando as temperaturas sobem. Sua pesquisa mostrou que “muitos animais marinhos não conseguem sobreviver a temperaturas médias anuais de mais de 20 graus”, diz o biólogo marinho da Universidade de Auckland (Nova Zelândia).

Agora pode-se perguntar: é realmente tão ruim se algumas espécies nunca mais forem vistas? O encolhimento de espécies ocorreu com frequência na história da Terra e a evolução sempre produziu espécies novas e maravilhosas. Wolfgang Kießling da Geo-Zentrum Nordbayern da Friedrich-Alexander-Universität Erlangen-Nürnberg torna claras as dimensões do atual processo evolutivo. “A perda de espécies é preocupante porque leva muito tempo para ser equilibrada novamente por meio de processos evolutivos”, disse Kießling, também co-autor do estudo. “Durante a maior extinção em massa induzida pelo clima na história da Terra, na fronteira do Permiano-Triássico, levou cinco milhões de anos para a biodiversidade global retornar ao nível que estava antes da extinção das espécies. Este não é um problema para a terra, mas para a humanidade.

Em um pedido urgente,  a Dra. Vale deixa claro que não se trata apenas de preservar plantas bonitas, animaizinhos fofos e peixes coloridos como belos enfeites em nosso mundo. O especialista enfatiza que a humanidade depende da biodiversidade para sua própria sobrevivência. Não se trata apenas de segurança alimentar, água e energia, mas também de “nosso bem-estar espiritual e emocional”. Conduzir espécies ao extermínio é, portanto, “não só eticamente errado”, mas também “estúpido da nossa parte”, diz Vale, acrescentando, tendo em vista a crise da coroa: “Os cientistas vêm alertando sobre isso há muito tempo, assim como fizeram têm alertado sobre a crescente probabilidade de uma pandemia alertaram sobre a degradação ambiental generalizada. Queremos esperar até ficarmos sem recursos? Espero que não.”

fecho

Este texto foi escrito originalmente em alemão e publicado pelo jornal “Neues Deustchland” [Aqui!].

Cientistas cobram de líderes mundiais enfrentamento conjunto de mudança climática e perda de biodiversidade

report cover

O Intergovernmental Science-Policy Platform on Biodiversity and Ecosystem Services (IPBES) e o Intergovernmental Panel on Climate Change (IPCC )lançaram hoje (10/06) o relatório do workshop sobre biodiversidade e mudança climática. O workshop foi realizado em dezembro de 2020, em formato virtual, durante quatro dias e reuniu 50 dos principais especialistas mundiais em biodiversidade e clima, selecionados por um Comitê Científico Diretor de 12 pessoas criado pelos dois órgãos intergovernamentais.

A primeira colaboração desse tipo apela aos líderes para enfrentarem de maneira conjunta a mudança climática e a perda da biodiversidade, oferecendo caminhos para resolver essas crises inter-relacionadas.

O relatório, criado pelos 50 dos maiores especialistas mundiais em biodiversidade e clima , conclui que as políticas anteriores enfrentaram a perda de biodiversidade e a mudança climática de forma independente uma da outra. O documento argumenta que abordar as sinergias entre mitigar a perda da biodiversidade e a mudança climática, ao mesmo tempo em que considera seus impactos sociais, oferece a oportunidade de maximizar os benefícios e atingir as metas de desenvolvimento global.

A natureza oferece maneiras eficazes de ajudar a mitigar a mudança climática, mas estas soluções só podem ser eficazes se forem construídas com base em reduções ambiciosas em todas as emissões de gases de efeito estufa causadas pelo homem. Uma agenda integrada de mudanças climáticas e biodiversidade, diz o relatório, não deixaria nenhuma pessoa ou ecossistema para trás.

As recomendações do relatório do workshop incluem:
• Parar a perda e degradação de ecossistemas ricos em carbono e espécies em terra e no oceano;

• Restauração de ecossistemas ricos em carbono e espécies;

• Aumentar as práticas agrícolas e florestais sustentáveis;

• Eliminação de subsídios que apóiam atividades locais e nacionais prejudiciais à biodiversidade;

• Orientar melhor as ações de conservação, coordenadas com e apoiadas por uma forte adaptação e inovação climática;

• Assegurar que os programas e políticas de conservação sejam multifuncionais, abordando as paisagens de terra, água doce e oceano em vez de se concentrar apenas em alguns elementos da natureza. Essas iniciativas também precisam beneficiar as comunidades locais;

• Quando soluções baseadas na natureza são utilizadas como compensações de carbono, elas são mais eficazes quando sujeitas a condicionantes rigorosos, e não devem ser utilizadas para retardar ações de mitigação em outros setores. Isto é particularmente importante dado que as soluções baseadas na natureza são provavelmente menos eficazes sob a crescente mudança climática e seus impactos.

Os autores também afirmam que as seguintes medidas de mitigação e adaptação climática seriam prejudiciais à biodiversidade:
• Plantio de monoculturas bioenergéticas sobre grandes extensões de terra;

• Plantio de árvores em ecossistemas que historicamente não foram florestas e reflorestamento com monoculturas – especialmente com espécies de árvores exóticas;

• Aumentar a capacidade de irrigação para a agricultura em resposta às pressões da seca;

• Alertam ainda: quaisquer medidas que se concentrem muito na mitigação da mudança climática devem ser avaliadas em termos de seus benefícios e riscos gerais.

Algumas das principais estatísticas são:
• 77% das terras (excluindo a Antártica) e 87% da área do oceano foram modificadas pelos efeitos diretos das atividades humanas;

• Estimativas globais das necessidades exatas de áreas efetivamente protegidas e conservadas para garantir um clima habitável, biodiversidade autossustentável e uma boa qualidade de vida ainda não estão bem estabelecidas, mas variam de 30% a 50% das áreas de superfície oceânica e terrestre.

• Há 12.983 compensações de biodiversidade listadas implementadas em 37 países, porém apenas um terço das compensações de biodiversidade atende comprovadamente ao princípio de “nenhuma perda líquida” (NNL).

• Globalmente, foi estimado que o sistema alimentar é responsável por 21-37% do total das emissões líquidas antropogênicas de gases de efeito estufa ao incluir as atividades de pré e pós-produção.

• Manter ou restaurar 20% do habitat nativo em “paisagens habitadas/alteradas pelo homem pode contribuir para as metas globais de clima e biodiversidade, ao mesmo tempo em que gera múltiplos benefícios, através de soluções baseadas na natureza e outras abordagens baseadas em ecossistemas.

Os autores do relatório ressaltam que, embora a natureza ofereça formas eficazes de ajudar a mitigar a mudança climática, essas soluções só podem ser eficazes se forem baseadas em reduções ambiciosas em todas as emissões de gases de efeito estufa causadas pelo homem.

Ana María Hernández Salgar, presidente do IPBES, diz: “A terra e o oceano já estão fazendo muito – absorvendo quase 50% do CO2 das emissões humanas -, mas a natureza não pode fazer tudo. Uma mudança transformadora em todas as partes da sociedade e de nossa economia é necessária para estabilizar nosso clima, deter a perda da biodiversidade e traçar um caminho para o futuro sustentável que desejamos. Isto também exigirá que enfrentemos ambas as crises em conjunto, de formas complementares”.

Hans-OttoPörtner, co-presidente do Comitê Científico Diretor, diz: “A evidência é clara: um futuro global sustentável para as pessoas e para a natureza ainda é alcançável, mas requer uma mudança transformadora com ações rápidas e de longo alcance de um tipo nunca antes tentado, com base em reduções ambiciosas de emissões. A solução de alguns dos fortes e aparentemente inevitáveis compromissos entre clima e biodiversidade implicará uma profunda mudança coletiva de valores individuais e compartilhados relativos à natureza – como o afastamento da concepção de progresso econômico baseado unicamente no crescimento do PIB, para um que equilibre o desenvolvimento humano com múltiplos valores da natureza para uma boa qualidade de vida, sem ultrapassar os limites biofísicos e sociais”.

Especialistas não envolvidos no relatório reagiram dizendo:
Lucy Almond, Presidente da Nature4Climate: “Este relatório conjunto é um acréscimo bem-vindo à pesquisa que mostra que não podemos resolver a crise climática sem investir na natureza. Precisamos de uma ação política que reconheça que, para atingir os objetivos do Acordo de Paris, precisamos tanto de uma transição energética quanto de um investimento muito maior em soluções baseadas na natureza. Qualquer recuperação econômica deve ser à prova de futuro também para a natureza. Não podemos mais agir em nichos; investir na natureza é investir no clima e na prosperidade econômica.”

Beatriz Luraschi – Diretora de Políticas – Política Global – RSPB: “O Relatório do Workshop IPBES-IPCC reafirma o que já sabemos: que sem proteger e restaurar a natureza, não podemos enfrentar a mudança climática. Não há espaço para complacência – o relatório faz importantes advertências sobre “soluções climáticas” mal concebidas que minam diretamente a natureza, tais como o uso de bioenergia em larga escala. Sabemos que precisamos proteger, restaurar, criar ecossistemas naturais e gerenciar melhor as terras agrícolas, a fim de reduzir as emissões e proteger a vida selvagem. Os líderes globais, que se reunirão para a Cúpula do G7 na Cornualha neste fim de semana, devem estar atentos à ciência para lidar com as emergências da natureza e do clima.”

Brian O’Donnell, Campanha pela Natureza: “A era do enfrentamento isolado das crises da natureza e do clima deve chegar ao fim. Os principais cientistas mundiais da natureza e do clima nos mostraram um caminho a seguir onde priorizamos ações climáticas que beneficiem a natureza. Se os líderes mundiais concordarem em proteger pelo menos 30% das terras e oceanos do planeta e garantir os direitos de posse da terra dos povos indígenas e comunidades locais, podemos fazer um enorme progresso para o clima e a natureza.”

Dr. Enric Sala, National Geographic Explorer in Residence, Diretor Executivo da Pristine Seas, autor de “The Nature of Nature: Por que precisamos da natureza selvagem”: “Não podemos pensar no aquecimento global e na perda da natureza como crises diferentes. Elas são uma e a mesma coisa. A causa de nossa crise global é nosso abuso de nosso sistema de suporte de vida, nossa crescente destruição e poluição do mundo natural em prol de um crescimento econômico sem restrições. Este importante relatório nos lembra que as principais soluções incluem proteger pelo menos 30% do planeta até 2030, mudar a maneira como produzimos alimentos e reduzir nossas emissões de gases de efeito estufa a quase zero até 2050.”

Dr. Simon Zadek – Presidente de Finanças para a Biodiversidade: “Cada dólar, emprego e produto na economia global de 80 trilhões de dólares depende da natureza. E ainda assim, embora as instituições financeiras tenham reconhecido cada vez mais o clima como um importante motor de riscos e oportunidades, a natureza ainda é largamente ignorada. O relatório científico do IPCC e do IPBES fornece mais evidências de que esta negligência representa um perigo existencial e reforça a necessidade de aumentar a ambição e acelerar o progresso de iniciativas como a Task Force sobre Divulgação Financeira Relacionada à Natureza.”

Dra. Pamela McElwee, professora associada do Departamento de Ecologia Humana da Rutgers: “O relatório do Workshop do IPCC-IPBES chega quando os líderes do G7 se reúnem para discutir – entre outras questões vitais – a necessidade de maior financiamento climático. 50 importantes especialistas afirmaram que as medidas que tomamos para deter a mudança climática também devem ter como objetivo deter a perda da biodiversidade. Há um risco real de financiar as chamadas soluções climáticas que podem exacerbar a crise da biodiversidade, como o reflorestamento rápido e em larga escala sem a proteção da biodiversidade. Os países precisam cumprir suas promessas climáticas para reduzir rapidamente as emissões de combustíveis fósseis e, ao mesmo tempo, melhorar a gestão e a conservação de nossas preciosas terras e oceanos. O fato de muitos dos pacotes de recuperação econômica pós-COVID no G7 e em outros lugares não apenas não conseguirem enfrentar a enormidade da crise climática, mas que praticamente ignoram a biodiversidade, mostra que este problema continua difícil de ser superado”.

Você pode encontrar mais informações e o relatório completo aqui 

Níveis globais de CO2 continuaram a aumentar apesar da pandemia

As emissões aumentaram para 419 partes por milhão em maio, a maior medida em 63 anos em que os dados foram registrados

usina terme

Uma usina termelétrica a carvão emite uma nuvem de fumaça em Independence, Missouri. Fotografia: Charlie Riedel / AP

Por Katharine Gammon para o “The Guardian”

Os dados são os seguintes: os níveis de dióxido de carbono na atmosfera atingiram 419 partes por milhão em maio. Os níveis atingiram agora a perigosa marca de serem 50% mais altos do que quando a era industrial começou – e a taxa média de aumento é mais rápida do que nunca.

O número é a medição mais alta do gás de efeito estufa crucial nos 63 anos que os dados foram registrados no Observatório de Linha de Base Atmosférica de Mauna Loa no Havaí – apesar da desaceleração nas viagens aéreas e na indústria durante uma pandemia global no ano passado.

A taxa média de aumento de 10 anos também estabeleceu um recorde, agora para 2,4 partes por milhão por ano.

Segundo a Administração Oceânica e Atmosférica Nacional (NOAA), o motivo é complexo. As emissões globais caíram 6,4% em 2020, mas dada a variabilidade sazonal e natural, reduções modestas não teriam um grande impacto na contagem global de emissões de carbono. E mesmo com a queda das emissões, incêndios florestais queimando árvores liberaram dióxido de carbono – talvez até em uma taxa semelhante à redução modesta das emissões do impacto da pandemia na economia global.

“O botão de controle final sobre CO atmosférico 2 são as emissões de combustíveis fósseis”, geoquímico Ralph Keeling, cujo pai começou a coleta de dados no local do Mauna Loa, disse a NOAA . “Mas ainda temos um longo caminho a percorrer para conter o aumento, pois a cada ano mais CO 2 se acumula na atmosfera. No final das contas, precisamos de cortes que são muito maiores e sustentados por mais tempo do que as paralisações relacionadas à Covid em 2020 ”.

Para cumprir as metas dos acordos climáticos de Paris – manter o aumento da temperatura em 1,5 ° C – o relatório do Programa Ambiental das Nações Unidas conclui que os países precisam cortar suas emissões globais em 7,6% a cada ano durante a próxima década.

“Alcançar 50% mais dióxido de carbono do que o pré-industrial é realmente estabelecer um novo padrão, e não de uma maneira positiva”, disse a cientista climática da Universidade Cornell, Natalie Mahowald, que não fez parte da pesquisa.

“Se quisermos evitar as piores consequências das mudanças climáticas, precisamos trabalhar muito mais para reduzir as emissões de dióxido de carbono e imediatamente.”

O laboratório de Mauna Loa, que fica em um vulcão no meio do Oceano Pacífico, combina duas observações complementares para chegar ao valor importantíssimo do dióxido de carbono. O nível atual não existia na Terra desde o Plioceno, entre 4,1 milhões e 4,5 milhões de anos atrás – e os mares globais estavam 78 pés acima dos níveis atuais.

O aumento anual de 1,8 partes por milhão em maio foi ligeiramente menor do que nos anos anteriores, embora as medições mensais de 2021 mostrem que este ano pode estar mais próximo do aumento médio de 2,3 partes por milhão.

Os cientistas se concentram em maio como o mês com os maiores níveis de dióxido de carbono do ano, porque vem antes que as plantas e árvores no hemisfério norte comecem a sugar dióxido de carbono durante a estação de crescimento do verão. Então, no outono e inverno, as plantas e o solo liberam dióxido de carbono de volta para a atmosfera.

A Associated Press contribuiu para este relatório

fecho

Este artigo foi escrito originalmente em inglês e publicado pelo jornal “The Guardian” [Aqui!].

Uma tempestade perfeita para a Amazônia

perfect storm

Por Ima Vieira

A expressão “tempestade perfeita” (do inglês, perfect storm) se refere à situação na qual um evento, em geral não favorável, é drasticamente agravado por uma combinação de circunstâncias, transformando-se em um desastre. Na Amazônia, o aumento descontrolado do desmatamento e das queimadas, a invasão de territórios indígenas e das comunidades tradicionais, a violação da legislação de proteção ambiental e a falta de fiscalização e de repressão adequada dos crimes ambientais, aliados ao agravamento das mudanças climáticas, aceleram a destruição da maior e mais diversa floresta tropical e a aproximam de um cenário fatídico. Com cerca de 800 mil km² de área desmatada (20% do bioma) e mais de 400 mil km2 de florestas degradadas, estamos nos aproximando de um ponto de inflexão a partir do qual, especialmente os ecossistemas na Amazônia oriental, sul e central, podem deixar de ser floresta, passando para um tipo de vegetação aberta, em um processo denominado de “savanização”.  

A floresta amazônica existe há pelo menos 55 milhões de anos e é habitada por comunidades humanas há pelo menos 10.000 mil anos. O manejo da biodiversidade praticado pelas populações tradicionais ao longo dos séculos levou à domesticação de pelo menos 85 espécies de plantas, dentre elas, a seringueira, a castanha-do-Pará e o açaí, e pouco alterou a cobertura florestal. Reconhece-se, no entanto, que desde a década de 1960, passamos de um conjunto de ecossistemas relativamente intocados a um mosaico complexo de diferentes usos da terra, com vários elementos de pressão e de impacto humano sobre a floresta, de tal magnitude que o chamado arco do desmatamento se transformou nos últimos cinco anos em um tridente do desmatamento, atacando o coração da floresta. A expansão econômica na Amazônia foi também um epistemicídio: invisibilizaram e silenciaram as contribuições das populações tradicionais à manutenção da floresta como base de sustentação da vida e à conservação ecológica da região. 

O papel fundamental da Amazônia na ecologia e na economia é bem conhecido. A floresta atua na regulação do clima e da temperatura do planeta e é responsável pelo sistema de chuvas que abastece diversas partes Brasil e da América do Sul. A floresta desempenha função importante na mitigação do aquecimento global, absorvendo e armazenando dióxido de carbono, por meio da fotossíntese. Sem ela, não teremos água e o seu fim trará enorme prejuízo para agricultura e produção de energia e contribuirá para um processo de extinção em massa da biodiversidade.  

O cenário atual de destruição é agravado por uma agenda de desconstrução de importantes marcos institucionais ambientais, que se estabeleceram a partir da Constituição do Brasil de 1988. Sob pressão de invasores politicamente apoiados, de tempos em tempos aparece uma tentativa de mudança de legislação, como a de regularização de terras (PL 2633/2020 e PL 510/2021), de licenciamento ambiental (PL 3729/2004) e de permissão de mineração e atividades agropecuárias em áreas indígenas (PL 191/2020), que contribuem para aumentar a ousadia desses agentes, potencializar os crimes ambientais e acelerar o processo de destruição da floresta. Os principais crimes ambientais praticados na Amazônia são grilagem de terras públicas, desmatamento, queimadas, extração clandestina de madeira e mineração ilegal.  

O resultado desta equação envolvendo eventos não favoráveis e agravamento drástico das ameaças à floresta amazônica tende a ser desastroso e está em jogo a destruição de um imenso patrimônio biológico e cultural. Vamos continuar a permitir que isso aconteça? 

* Ima Célia Guimarães Vieira é agrônoma, Doutora em Ecologia pela Universidade de Stirling, na Escócia, docente em programas de pós-graduação no Pará e pesquisadora titular do Museu Paraense Emílio Goeldi, do qual foi diretora-geral. É membro do Conselho da Cidadania da Prefeitura de Belém, do Conselho Científico da Plataforma Brasileira de Biodiversidade e Serviços Ecossistemicos e do Global Landscapes Forum – Amazon.
 
fecho
 
Este artigo foi inicialmente publicado no site Uruá Tapera [Aqui! ].

 

Mudança climática em marcha: o maior iceberg do mundo se soltou na Antártica

O colosso é maior que Maiorca: um enorme iceberg caiu no mar na Antártica. Os pesquisadores descobriram do espaço.

Eisberg vom Ronne Ice Shelf

Um enorme iceberg se soltou no Pólo Sul, que é maior em área do que a ilha espanhola de férias de Maiorca . Com cerca de 4.320 quilômetros quadrados, o colosso é atualmente o maior iceberg do mundo, informou a agência espacial europeia Esa , com sede em Paris . O iceberg com a designação A-76 foi descoberto em imagens de satélite atuais da missão Copernicus “Sentinel 1”. Conseqüentemente, ele se separou no lado oeste da plataforma de gelo de Ronne, no mar de Weddell, no noroeste da Antártica . O Mar de Weddell é o maior dos aproximadamente 14 mares marginais do Oceano Antártico.

A região é tão remota que ninguém teria notado a quebra do iceberg. No entanto, como parte do projeto de pesquisa britânico Antarctic Survey, dois satélites da ESA também sobrevoam regularmente a área. O novo colosso agora foi descoberto em suas gravações.

Os icebergs às vezes se movem por anos antes de derreter. No final do ano passado, um iceberg derivou em direção ao território ultramarino britânico da Geórgia do Sul e ameaçou cortar colônias inteiras de pinguins de seus estoques de alimentos .

fecho

Este texto foi originalmente escrito em alemão e publicado pela revista Der Spiegel [Aqui!].

 

Bolsonaro transformou a Amazônia em ‘parque de diversões para criminosos’, diz ambientalista

O desmatamento da Amazônia segue batendo recordes e coloca o Brasil sob pressão internacional e risco de perdas econômicas substantivas. Para discutir o assunto, a Sputnik Brasil conversou com o secretário-executivo do Observatório do Clima, que alertou que criminosos agem à vontade na Amazônia atualmente

bolso salles 1

Por Solon Neto para a Sputnik News

O desmatamento da Amazônia segue batendo recordes e coloca o Brasil sob pressão internacional e risco de perdas econômicas substantivas. Para discutir o assunto, a Sputnik Brasil conversou com o secretário-executivo do Observatório do Clima, que alertou que criminosos agem à vontade na Amazônia atualmente.

Na sexta-feira (7), dados do Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais (INPE) mostraram que o Brasil bateu o recorde de alerta de desmatamento na Amazônia em abril deste ano, com o pior resultado para o mês desde 2016. No total, a área sob alerta de desmatamento na região foi estimada em 581 km² pelo Sistema de Detecção de Desmatamento em Tempo Real (Deter) do INPE. Somente em abril, ao menos 58 mil hectares de floresta foram desmatados, um aumento de 43% em relação ao mesmo mês de 2020.

O quadro foi divulgado poucas semanas após o presidente brasileiro Jair Bolsonaro assumir compromissos de redução do desmatamento diante do mundo na Cúpula do Clima. Durante a conferência, Bolsonaro afirmou que o Brasil acabará o desmatamento ilegal até 2030.

Desde o início do atual governo, os números do desmatamento no Brasil têm gerado crescentes pressões internacionais. Recententemente, o governo dos Estados Unidos tem exercido esse papel, sendo que Washington exigiu de Bolsonaro a apresentação de uma postura mais ativa no combate ao crime ambiental durante a Cúpula do Clima. A postura ambiental do atual governo brasileiro também já recebeu reprimendas de diversos países europeus.

Marcio Astrini, secretário-executivo do Observatório do Clima, explica que o aumento do desmatamento no Brasil gera uma série de problemas sérios não só para o meio ambiente, como também para economia brasileira.

“São muitos os impactos do desmatamento para o setor do agronegócio brasileiro. Existem impactos de curto e impactos de médio prazo. Entre os impactos de curto prazo a gente pode citar nitidamente o impacto da imagem negativa que o desmatamento provoca para o Brasil e, consequentemente, para os produtos brasileiros, principalmente aqueles que são produzidos na Amazônia. Ninguém, no mundo inteiro, quer consumir produtos derivados do desmatamento”, afirma Astrini em entrevista à Sputnik Brasil.

Um exemplo da consequência pontada por Astrini ocorreu no início de maio, quando um grupo de cerca de 40 empresas britânicas do setor alimentício divulgou uma carta aberta ameaçando boicotar a compra de produtos brasileiros caso o projeto de lei 510/2020 seja aprovado, alegando que a legislação incentiva o avanço sobre a Amazônia. O projeto, que conta com apoio do governo Bolsonaro, abre caminho para que áreas desmatadas possam passar para a posse de desmatadores.O ambientalista Marcio Astrini ressalta que esse tipo de pressão internacional pela preservação do meio ambiente no Brasil não é novidade e lembra da introdução da moratória da soja no início dos anos 2000 como exemplo de políticas anteriores que refletiram movimentações externas. A moratória da soja proíbe a compra de soja proveniente de áreas desmatadas.

“Cada vez, portanto, que o desmatamento aumenta no Brasil, aumenta essa desconfiança, a insegurança de compradores internacionais, e isso acaba prejudicando os negócios brasileiros ou colocando para alguns produtos, principalmente do Brasil, uma pressão ainda maior para que eles sejam comercializados mundo afora”, explica, lembrando que o país já sofreu boicotes internacionais ligados ao desmatamento e também ameaças de retirada de investimentos.

Astrini aponta que, além do impacto comercial, a degradação ambiental também pode trazer prejuízos econômicos diretos para atividades agropecuárias brasileiras, que aparentemente se beneficiam do desmatamento. Um estudo divulgado na revista Nature nesta segunda-feira (10), aponta que o desmatamento no Brasil pode custar US$ 5,7 bilhões (cerca de R$ 30 bilhões) anualmente ao país devido ao impacto na produção agrícola.

“Existe um impacto de médio prazo que é um impacto mais sustentado, provocado pelo desmatamento da Amazônia, que é a alteração dos padrões climáticos do Brasil e dos serviços essenciais que a floresta amazônica presta para toda agricultura nacional. Existem muitas regiões do Brasil em que grande, ou quase que a totalidade das chuvas que irrigam as produções brasileiras, advém diretamente da Amazônia”, aponta.

Área desmatada na Amazônia.Área desmatada na Amazônia. © REUTERS / Ueslei Marcelino

A mudança no padrão climático, explica o ambientalista, pode provocar secas mais prolongadas, alterando o regime das chuvas que irrigam plantações e abastecem reservatórios em todo o país. Dessa forma, o impacto sobre a produção é agrícola pode se estender a longo prazo.

Na contramão do mundo

A manutenção do desmatamento no Brasil, destaca Astrini, coloca o país em rota de colisão com a política climática de grandes potências, tais como a China, os Estados Unidos e também países da Europa, cujas agendas, hoje, incluem a proteção do meio ambiente.

“Obviamente que a Amazônia faz parte de uma preocupação global nesse tema de mudanças climáticas, afinal de contas a Amazônia retém um estoque de carbono, ela retém nas suas árvores, no seu solo, o equivalente a oito anos de todas as emissões globais de gases de efeito estufa. Então, aquilo é um verdadeiro estoque, uma bomba de carbono estocada na Amazônia. Se o desmatamento continuar avançando esse carbono todo que existe estocado na Amazônia vai sendo liberado para a atmosfera”, aponta.

O secretário-executivo do Observatório do Clima alerta que o desmatamento agressivo, como o detectado pelo INPE em abril na Amazônia, pode mover a floresta na direção de um colapso, colocando em risco os esforços globais contra o aquecimento global.

Presidente Jair Bolsonaro e membros do governo federal ouvindo a fala do líder norte-americano Joe Biden durante a Cúpula do Clima, 22 de abril de 2021Presidente Jair Bolsonaro e membros do governo federal ouvindo a fala do líder norte-americano Joe Biden durante a Cúpula do Clima, 22 de abril de 2021. © AFP 2021 / Marcos Correa/Presidência do Brasil

Astrini lembra que o Brasil “coleciona problemas” em diversas questões como decorrência da má gestão ambiental. Um deles está atrelado à submissão do pedido de entrada na Organização para a Cooperação e Desenvolvimento Econômico (OCDE), que entre outros pontos, requer uma política ambiental adequada. Outro prejuízo da atual política ambiental, lembra Astrini, é em relação ao acordo entre Mercosul e União Europeia (UE) que envolve bilhões de euros.

“Talvez o caso mais claro de impacto econômico, impacto na relação diplomática e comercial do Brasil, esteja no tratado Mercosul-União Europeia, um tratado que teve a sua assinatura política realizada há cerca de um ano e meio atrás e que de lá para cá ficou esperando um gesto, um gesto positivo, a entrega de resultados por parte do governo brasileiro de diminuição do desmatamento da Amazônia e de uma melhoria da governança ambiental no Brasil. Nunca foi apresentado pelo atual governo brasileiro nenhum resultado e nenhuma ação concreta, ou medida satisfatória, nesse sentido de melhorar a forma como o Brasil trata o meio ambiente”, aponta.

Governo Bolsonaro protege quem desmata

Há diversas especulações sobre as razões que levam o governo do presidente brasileiro Jair Bolsonaro a manter a política ambiental mesmo em meio aos prejuízos iminentes desta prática e às pressões internacionais. Para Astrini, o governo simplesmente não tem interesse em barrar o desmatamento.

“Eu diria que o principal é que o governo não quer. O governo Bolsonaro realmente não adota uma postura de governo que esteja interessado em combater o crime ambiental – que é o principal causador hoje que nós temos do desmatamento da Amazônia – e tomar medidas efetivas para proteger a floresta e para tratar o crime ambiental de forma severa e com o rigor da lei”, avalia.

O presidente do Brasil, Jair Bolsonaro, e o ministro do Meio Ambiente, Ricardo Salles, participam da Cúpula do Clima virtual por meio de um link de vídeo em Brasília, Brasil, em 22 de abril de 2021.

O presidente do Brasil, Jair Bolsonaro, e o ministro do Meio Ambiente, Ricardo Salles, participam da Cúpula do Clima virtual por meio de um link de vídeo em Brasília, Brasil, em 22 de abril de 2021. © Reuters/ Marcos Correa/Presidência do Brasil

Para o ambientalista, o governo atual, ao invés de impedir o desmatamento, está incentivando essa prática.

“O governo [Bolsonaro], muito pelo contrário, em muitas, ou na grande maioria das medidas que tomou até hoje, toma medidas para facilitar o crime ambiental na Amazônia. É um governo que congelou as multas ambientais, é um governo que diminuiu a capacidade do Estado brasileiro de combater o crime [ambiental], cancelando operações de campo, diminuindo muito o orçamento das agências de fiscalização do desmatamento da Amazônia, tomou medidas em favor de madeireiros ilegais, em favor de grileiros de terras, em favor de invasores de terras públicas”, afirma, acrescentando nesse rol entra ainda a simpatia do governo com o garimpo ilegal na região amazônica.

Astrini também recorda que há relatos de que a atual política ambiental do governo Bolsonaro persegue servidores interessados em combater o desmatamento.

“Nós temos uma série de depoimentos de pessoas que trabalham na fiscalização ambiental no Brasil dizendo que elas são perseguidas e intimidadas pelo atual governo. Há alguns dias atrás, inclusive, os servidores públicos que praticam fiscalização no Brasil acusaram o governo de tentar implementar medidas que praticamente inviabilizam a fiscalização ambiental no país”, aponta.

Criminosos atuam à vontade na Amazônia

O representante do Observatório do Clima lembra que o governo federal tem capacidade financeira e técnica à disposição para executar amplas ações de combate ao desmatamento, mas escolhe “proteger quem desmata”.

“Então, existem uma série de medidas, uma série de ações do próprio governo que vão no sentido de proteger quem desmata e não de proteger a floresta. Exatamente por isso, o crime se sente extremamente à vontade e vê, em ações e em palavras, que o governo não vai tomar nenhuma iniciativa, assim como não tomou até agora, no sentido de coibir esse crime ambiental. Hoje, na verdade, a Amazônia se transformou em um verdadeiro parque de diversões para criminosos do meio ambiente, eles atuam de forma muito à vontade”, aponta.

Carregamento de madeira extraída da Amazônia transportado em quatro embarcações sendo apreendido pela Operação Verde Brasil 2, das Forças Armadas brasileiras, no estado do Pará

Carregamento de madeira extraída da Amazônia transportado em quatro embarcações sendo apreendido pela Operação Verde Brasil 2, das Forças Armadas brasileiras, no estado do Pará. © Foto/Divulgação/Ministério da Defesa

Astrini afirma que o Brasil tem pelo menos três bilhões de reais parados no Fundo Amazônia que não são empregados pelo governo de forma deliberada. Dessa forma, na opinião do ambientalista, o que impede o aumento do combate ao desmatamento no Brasil é o governo.

“O que falta no Brasil não é nem conhecimento de como se diminuir o desmatamento, mesmo porque o Brasil já fez isso alguns anos atrás. Entre os anos de 2004 e 2012, o desmatamento na Amazônia caiu na casa de 80%. Portanto, nós sabemos que não é um problema de dinheiro – o dinheiro está depositado no Fundo Amazônia. É realmente um problema de governo, o que nos falta é vontade e o que falta é compromisso da atual gestão pública no Brasil do governo federal em atacar o problema e reduzir o desmatamento da Amazônia”, conclui.

fecho

Este texto foi originalmente publicado pela agência Sputnik News [ Aqui! ].

Campos dos Goytacazes e a sua (não preparação) para as mudanças climáticas: um Raio-X das prevalentes formas de governar

alagamento

As mudanças climáticas acarretarão eventos climáticos extremos com maior frequência e intensidade, mas ainda permanecem ignoradas nas formas tradicionais de governar

Em meio à crise econômica, política e sanitária que o Brasil vive, um dos alvos constantes dos governantes de plantão tem sido a ciência brasileira. Além dos cortes profundos nos recursos financeiros destinados à fomentar o desenvolvimento de pesquisas estratégicas, há também uma crescente perseguição aos cientistas brasileiros no que eu tenho associado à ação de um obscuro “Comando de Caça aos Cientistas”.

Em face dessa situação toda é que hoje tive a obrigação (prazerosa diga-se de passagem) de presidir a 19. banca examinadora de dissertação de mestrado de um dos meus orientados no âmbito do Programa de Pós-Graduação em Políticas Sociais da Universidade Estadual do Norte Fluminense. Esta dissertação foi realizada pelo mestrando André Moraes Barcellos Martins Vasconcellos é intitulada “O desafio da gestão urbana em Campos dos Goytacazes no contexto das mudanças climáticas:  entre a construção da resiliência e a persistência de fórmulas tradicionais de governar“.

cartaz

A novidade desta banca foi a participação do professor da Faculdade de Ciências Sociais da Universidade de Helsinki, um pesquisador que se interesse fortemente pelo Brasil, e que participou desde a capital finlandesa se expressando em um excelente português que ele desenvolveu aqui mesmo no Rio de Janeiro, mais especificamente nos estágios de vivência em assentamentos de reforma agrária.

banca andré

Com a participação do professor Kröger, o Programa de Políticas Soiciais dar mais um passado no tão demandado processo de internacionalização da ciência brasileira. E o melhor é que se deu com base em perguntas teoricamente densas de alguém que conhece de perto a realidade brasileira.

Uma das muitas sugestões dadas pela banca examinadora foi não apenas de publicizar o conteúdo integral da dissertação após as correções requeridas pelos seus membros, mas também que a mesma seja enviada para o legislativo e o executivo municipal, dada as importâncias contribuições que a dissertação tem para o processo de preparação (ainda inexistente em Campos dos Goytacazes) para as grandes mudanças ambientais e sociais que serão causadas pelas mudanças climáticas globais.

 

Mitigação do risco ambiental para o desenvolvimento sustentável

risco
Por César Bergo
O relacionamento do homem com a natureza perdeu o equilíbrio no decorrer do tempo e as gerações presentes consomem todos os recursos naturais sem pensar no que deixarão para as gerações futuras. O conceito de desenvolvimento humano é uma das melhores alternativas de avaliação do desenvolvimento econômico e ambiental de um país.

Mais importante do que um alto índice de desenvolvimento econômico, uma nação precisa saber de que forma seus cidadãos estão interagindo com a natureza, com as pessoas e consigo mesmo. Deste ponto vista, o desenvolvimento humano é capaz de gerar uma consciência ambiental que induz cada indivíduo a reconhecer seu importante papel na preservação do meio ambiente, com vistas a proporcionar qualidade de vida para a atual e futuras gerações.

Após a Revolução Industrial e com a consequente e desordenada utilização dos combustíveis fósseis, o mundo passou a emitir, descontroladamente, grandes quantidades de gases causadores do efeito estufa na atmosfera. Somente em meados do século passado, tomamos a consciência de que algo urgente necessitava ser feito para reverter esta situação e foram buscadas ações que pudessem ensejar a efetiva proteção do meio ambiente, afetado, principalmente, pelo desenvolvimento econômico acelerado.

A ciência nos mostra que existe um equilíbrio térmico na terra mantido pelos principais gases que compõem nossa atmosfera que são Dióxido de Carbono (CO2), Ozônio (O3), Gás Metano (CH4) e Óxido Nitroso (N2O). Entretanto, o excesso de tais gases faz com que parte dos raios infravermelhos que entram na terra fiquem retidos causando o aquecimento global. Este processo é conhecido como efeito estufa e suas consequências interferem de forma direta no clima da terra e seus ecossistemas. A grande demanda por energia e a falta de recursos naturais configuram um cenário de crescente preocupação para alguns países, pois tendem a aumentar a quantidade de emissão destes gases e os danos causados pelo aquecimento global.

Os efeitos do aquecimento global podem causar grandes prejuízos para a terra, principalmente, o aumento de temperatura, o aumento do nível dos mares e o derretimento das geleiras. O aquecimento global tornou-se uma verdade para todo o mundo, seus efeitos para o presente e futuro podem comprometer todo o modo de vida e produção da Terra. A economia mundial também não deixa de contabilizar seus prejuízos advindos do aquecimento.

Sabemos hoje, por meio de inúmeros estudos desenvolvidos pela ciência, que combater o aquecimento global e suas implicações climáticas é bem mais compensador do ponto de vista econômico que reagir contra os prejuízos advindos das alterações climáticas. Hoje existe o entendimento global de que o Produto Interno Bruto (PIB) mundial poderá reduzir-se de forma brusca se não houver uma ação conjunta de estado, sociedade e de empresas.

Em resposta ao apelo ambiental e às condições climáticas adversas em que a terra está inserida, a Organização das Nações Unidas (ONU), por meio da Conferência das Nações Unidas para o Meio Ambiente e o Desenvolvimento, também conhecida como Cúpula da Terra ou Rio-92, reconheceu a existência das mudanças climáticas e que os países devem atuar para sua redução, sendo que os países desenvolvidos deveriam promover a redução do Gases de Efeito Estufa (GEE) e financiar a sua redução nos países mais pobres.

Em 1997, realizou a conferência de Quioto, no Japão, que teve como resultado a criação de um Protocolo que levou o nome do lugar de sua criação. O Protocolo de Quioto teve como principal objetivo o estabelecimento de metas para redução de gases poluidores emitidos pelos países signatários (192 países). As medidas que foram encaminhadas a partir deste e de outros encontros sobre o tema, permitiram a criação de um mercado de reduções de emissões mais conhecido como Mercado de Créditos de Carbono ou Mecanismo de Desenvolvimento Limpo (MDL).

Este mecanismo permite que os países industrializados adquiram créditos de emissão (direitos de emissão), através de financiamento de medidas de redução das emissões em países em desenvolvimento que não possuem metas de redução. Tais medidas contribuem, também, para o desenvolvimento sustentável dos países beneficiários. O mecanismo possibilita que o país “financiador” emita mais gases, enquanto o país “beneficiado” implemente as medidas para redução dos efeitos e, em contrapartida, receba investimento e se beneficie da transferência de tecnologia.

Este assunto é de extrema relevância para o mercado financeiro, sobretudo pelas consequências decorrentes da negligência das ações necessárias, que podem ocasionar prejuízos muitas vezes irreparáveis tanto para a economia como para a sociedade em geral. Nas mais diversas formas de discussões pode se prever que a questão ambiental será sempre levada em consideração, seja em discussões políticas, econômicas ou sociais.

As expectativas para o mercado de carbono são as mais promissoras possíveis. Este mercado apresentou forte crescimento nas últimas décadas e impulsionou o surgimento de novas e criativas formas de avaliação dos empreendimentos financeiros e econômicos como, por exemplo, o Environmental, Social e Governance (ESG), que permite avaliar o grau de aderência dos diversos projetos aos padrões sociais e ambientais requeridos pelo desenvolvimento sustentável.

O próprio amadurecimento dos mercados fará com que o nível de exigência da capacidade dos profissionais que neles atuam, seja mais elevado e as oportunidades geradas não serão poucas. Contudo, para aproveitá-las, serão necessários um vasto conhecimento sobre os mecanismos que propicie o desenvolvimento sustentável.

Precisamos lembrar que todos esses novos instrumentos de flexibilização visam integrar a proteção ambiental ao desenvolvimento econômico-financeiro da humanidade. Podemos até concluir que se esta integração for ignorada todas as políticas de proteção ambiental estarão fadadas ao fracasso no médio e longo prazo.

Podemos entender todo esse movimento como uma solução emergencial, mas não definitiva. Existe uma dicotomia a ser mais bem estudada entre o resultado esperado pela sociedade e o resultado esperado pelo investidor. Para a sociedade a adoção dessas medidas supera a pura lógica do retorno financeiro, resultando em ganhos sociais e para o meio ambiente. A motivação dos investidores está diretamente ligada aos resultados financeiros dos empreendimentos, partindo do pressuposto de que as melhores práticas de sustentabilidade apresentam, a longo prazo, maiores retornos financeiros.

Para o Brasil, todo este movimento significa uma grande oportunidade não só de negócios, mas também de implementar um plano nacional de preservação de suas florestas. fomentando a criação de vários projetos de redução de emissões. Recentemente, o próprio presidente da República fez pronunciamento na cúpula do clima reafirmando o compromisso brasileiro com as políticas de preservação ambientais. Os demais líderes das nações, presentes na referida cúpula (cerca de quarenta), também apresentaram declarações que afirmam o compromisso conjunto de defesa das políticas ambientais visando o desenvolvimento sustentável.

Com efeito, é fundamental que busquemos uma interação eficiente entre o mercado financeiro e de capitais com as políticas de preservação ambientais, para que possamos atingir o almejado grau sustentável de desenvolvimento social e econômico. Este desafio cabe a nós, cientistas, estudantes, profissionais e agentes do mercado, mediante a criação de critérios objetivos de avaliação propiciando parâmetros aceitáveis de análise de risco e retorno, como forma de atrair os investidores e impulsionar as boas práticas de governança, favorecendo um círculo virtuoso com a criação de valores para as futuras gerações.

César Bergo é Coordenador da Pós-Graduação em Mercado Financeiro e Capitais da Faculdade Presbiteriana Mackenzie Brasília (FPMB) e presidente do Conselho Regional de Economia da 11ª Região. Especialista em governança corporativa, sociólogo e economista, com atuação no mercado financeiro há mais de 30 anos.

Estudo mostra que por causa do avanço da degradação florestal, a Amazônia passou de sumidouro a fonte de CO2 atmosférico

amazonia-degradacaoO processo de degradação florestal por extração de madeira, garimpos e incêndios transformaram a Amazônia em uma fonte significativa de carbono atmosférico

No dia 11 de setembro de 2020, a revista Science publicou o artigo “Long-term forest degradation surpasses deforestation in the Brazilian Amazon” produzido por um grupo de pesquisadores liderados pelo professor Eraldo Matricardi do Departamento de Engenharia Florestal da UNB, da qual fui dos co-autores.  Nesse trabalho, mostramos que o processo de degradação do bioma amazônico por atividades de extração de madeira e fogo havia ultrapassado a área desmatada.

source

A fumaça sobe de um incêndio ilegalmente aceso na reserva da floresta amazônica, ao sul de Novo Progresso, no estado do Pará, Brasil. Fotografia: Carl de Souza / AFP / Getty Images

No artigo citado, adiantamos que outros pesquisadores poderiam utilizar nosso estudo para produzir estimativas sobre, por exemplo, os efeitos do avanço da degradação sobre o estoque de carbono nas florestas amazônicas.  Eis que na última 5a. feira (29/04), a revista “Nature and Climate Change” publicou um artigo intitulado “Carbon loss from forest degradation exceeds that from deforestation in the Brazilian Amazon” que parte exatamente da ideia de que a degradação florestal é um importante agente não apenas de mudança da paisagem, mas também um fator central nas alterações que estão ocorrendo nos estoques de carbono, o que altera significativamente não apenas o ciclo do carbono, mas também o clima e as taxas de biodiversidade.

O grupo liderado pelos pesquisadores Xiangming Xiao (da Universidade Estadual de Oklahoma nos EUA) e Jean-Pierre Wigneron (do INRA Nouvelle-Aquitaine da França) constatou que “a perda de área bruta de floresta foi maior em 2019 do que em 2015, possivelmente devido ao recente afrouxamento das políticas de proteção florestal‘, mas que, no entanto, “a perda líquida de  biomassa acima do solo (AGB) foi três vezes menor em 2019 do que em 2010“.  Além disso, eles também observaram que “durante o período entre 2010–2019, a Amazônia brasileira teve uma perda bruta cumulativa de 4,45 PgC contra um ganho bruto de 3,78 PgC, resultando em uma perda líquida de AGB de  0,67 PgC“. Assim, sendo “a degradação florestal (73%) contribuiu três vezes mais para a perda bruta de AGB do que o desmatamento (27%), dado que a extensão da área de degradação excede a do desmatamento (refletindo o que havíamos indicado no artigo publicado pela revista Science)”.

A consequência dessas descobertas é que o processo de degradação florestal “se tornou o maior responsável pela perda de carbono na Amazônia”, enterrando de vez a ideia de que os problemas causados pela mudança da cobertura florestal estão circunscritos ao desmatamento e, mais importante ainda, que não haverá um controle efetiva da transformação da Amazônia em fonte, em vez de sumidouro, de carbono atmosférico sem políticas públicas que contenham o acesso descontrolado a áreas que ainda estão relativamente fora da ação de grupos que agem ilegalmente para extrair madeira e riquezas minerais (como o caso dos garimpos ilegais de ouro). 

Finalmente, a confirmação de que a degradação florestal da Amazônia é hoje o elemento central para se formular políticas que a mantenham como um importante fator de controle das mudanças climáticas deverá colocar desafios particularmente incumpríveis durante a vigência do governo de Jair Bolsonaro e por causa das ações objetivas de seus ministros anti-ambiente Tereza Cristina e Ricardo Salles. 

 

No “Dia da Terra”, um Brasil mais pária do que nunca

BRAZIL-POLITICS-BOLSONARO-ARAUJO

O presidente Jair Bolsonaro e o ex-chanceler Ernesto Araújo, dois dos grandes artífices do “Brasil pária”. Sergio LIMA / AFP)

No dia em que se teoricamente é celebrado o “Dia da Terra”, o Brasil se encontra em uma condição que provavelmente será celebrada efusivamente pelo ex-chanceler olavo-bolsonarista Ernesto Araújo que dava de ombros para as crescentes evidências de que o nosso país estava se transformando em uma espécie de pária internacional, um leproso da comunidade das Nações. Araújo considerava esse situação uma espécie de sinalização da volta triunfal de São Sebastião que Antonio Conselheiro, barbudo como ele, sonhava seria a redenção dos brasileiros.
A condição de pária se espalhou e o Brasil é visto hoje como um país que realiza um dos piores, senão o pior, enfrentamentos da pandemia da COVID-19, deixando seu povo à mercê de um vírus letal que rapidamente torna as filas dos cemitérios em graves congestionamentos. Mas não no Brasil de Bolsonaro não tem bastado deixar morrer, pois também existem evidências de que os doentes estão sendo deixadas em condições dramáticas sem sequer existirem os medicamentos necessários para anestesiá-los para enfrentar o doloroso procedimento da intubação.
Entretanto, a pandemia da COVID-19 é apenas uma gota nesse oceano de iniquidades em que o Brasil está afogado que reforça a nossa condição de pária. A destruição dos mecanismos de comando e controle e o aumento desenfreado da destruição ambiental e dos ataques aos povos indígenas servem como um poderoso argumento de que em negociações estratégicas acerca do futuro da economia global, o governo brasileiro é colocado nos últimos postos de prioridade sobre os que têm algo a dizer.
As recentes tentativas do governo Bolsonaro de chantagear o presidente dos EUA, o democrata Joe Biden, a liberar bilhões para que o Brasil cumpra suas obrigações em termos da proteção da Amazônia e dos povos indígenas serviu apenas para estraçalhar o pouco de reputação diplomática que ainda se tinha após a desastrosa passagem de Ernesto Araújo pela chancelaria brasileira. O resultado disso é que na Cúpula Climática organizada pelo governo dos EUA, não estaremos entre os primeiros, sequer os principais, palestrantes do evento.

bolsonaro biden
O presidente Jair Bolsonaro falando hoje (22/04) na Cúpula Climática organizada pelo governo dos EUA, com o assento do presidente Biden vazio já que ele se ausentou minutos antes da manifesta~çao do líder brasileiro
Mas também não nos esqueçamos dos últimos alertas dados por Rússia e China sobre o excesso de agrotóxicos na soja e da persistente presença de coronavírus nas exportações de carne. É muito provável que estejamos diante da certeza da impunidade e de uma suposta condição de insubstituibilidade brasileira na oferta dessas commodities agrícolas. Esse é apenas mais um erro grotesco de um grupo de governantes, que além de se guiar por formas estreitas de entender o mundo também não possuem o menor entendimento de como as relações internacionais realmente operam.
As recentes sinalizações de impaciência por parte dos capitalistas brasileiros que pedem um mínimo de sentido nas ações do governo Bolsonaro são outra sinalização de que a condição de pária já assombra até quem investiu pesado na eleição do atual presidente. Entretanto, essa impaciência só levará a fatos concretos se da crescente condição de pária internacional desfrutada pelo país resultarem perdas econômicas. Enquanto isso, na ausência de uma oposição política substancial, o Brasil continuará afundando no pântano que essas mesmas elites nos colocaram.