Viva a Amazônia! Curiosidades sobre a maior floresta do mundo

No dia 5 de setembro é comemorado o Dia da Amazônia. A data surgiu como uma forma de chamar a atenção da população para o maior bioma do mundo e National Geographic faz isso listando 20 fatos sobre a região amazônica. Confira!

amaoznia madeira

 Através da campanha O que você faz Importa, National Geographic reforça o seu compromisso com a sustentabilidade e convida o público a adotar novos hábitos baseados em cinco pilares: reduzir o consumo de energia; evitar o uso de plásticos descartáveis; repensar o consumo; adotar meios de transporte sustentáveis; e inspirar os outros, gerando consciência e participação.

Agora, em 2021, a campanha, que foi desenvolvida com uma economia de recursos gráficos e peças que trazem o conceito mais minimalista,  entra numa nova fase de comunicação com a missão de promover a conscientização sobre as Mudanças Climáticas, além de continuar inspirando a prática de hábitos mais sustentáveis, através de ações e ativações que acontecerão durante o mês de setembro – iniciando no Dia da Amazônia (05 de setembro) – e outubro, culminando no Dia Mundial Contra as Mudanças Climáticas (24 de outubro).

Para o Dia da Amazônia, no próximo domingo, a National Geographic traz curiosidades sobre o maior bioma do mundo com o objetivo de reforçar a mensagem sobre a importância da conservação da região, ressaltando para o público sua grandiosidade e necessidade de preservação desse tesouro mundial.

As informações abaixo são encontradas no site oficial da National Geographic Brasil, que também conta com uma página dedicada à Amazônia, na qual o público encontrará uma gama de informações sobre a região, além de contar com matérias especiais assinadas pelos exploradores National Geographic, que atuam na linha de frente de projetos de pesquisa e exploração, ajudando a expandir o conhecimento do público e gerando soluções para um futuro mais sustentável.

Confira!

  1. Nove países e nove estados: A Amazônia é a maior floresta em território, ocupando cerca de nove países: Bolívia, Brasil, Colômbia, Equador, Guiana Francesa, Paraguai, Peru, Suriname e Venezuela e no Brasil. No território brasileiro, o bioma ocupa nove estados: Acre, Amapá, Amazonas, Pará, Roraima, Rondônia, Tocantins e parte do Maranhão e do Mato Grosso, o equivalente à quase metade do território nacional.
  2. Flora amazônica exclusiva: A Vitória Régia é uma planta típica da região e se destaca por ser uma das maiores plantas aquáticas do mundo. Uma única folha dela pode chegar a um diâmetro de até 33 centímetros.
  3. Um pequeno país: Com cerca de 5.500 quilômetros quadrados, se a Amazônia fosse um país, seria o sétimo maior do mundo, ficando atrás da Austrália (7.692 km²) e à frente da Índia (cerca de 3 mil km²).
  4. Rios voadores: A alta umidade do ar na região amazônica tem uma relação direta com a quantidade de árvores que lá existem. São cerca de seis mil espécies conhecidas, sendo que algumas delas têm raízes que conseguem penetrar cerca de 30 metros o solo, retirando assim toda a água necessária. Os troncos e galhos funcionam como tubulações levando essa água até as flores, que por sua vez transpiram e jogam toda essa umidade no ar. Cada árvore chega a bombear cerca de 500 litros de água no ar por dia, totalizando 20 bilhões de toneladas de água lançados no ar diariamente na Amazônia. Parte dessa água volta ao solo em formato de chuva e outra parte é transformada nos “rios voadores”, representados em grandes nuvens que sobrevoam a região.
  5. Ar-condicionado do mundo: Ao contrário da informação de conhecimento popular que a Amazônia contribui com 20% do oxigênio na atmosfera, o bioma – na verdade – contribui com cerca de 20% do oxigênio produzido pela fotossíntese no planeta. Em seu estado mais primitivo, a Amazônia faz uma contribuição significativa para retirar o dióxido de carbono da atmosfera, o que não chega a ser um par de pulmões, e sim se assemelha a um ar-condicionado gigante que resfria o planeta.
  6. Alagamentos emergenciais: Assim que os afluentes amazônicos atingem os seus níveis mais baixos, as chuvas torrenciais começam a cair com uma força brutal. Em um espaço de poucos meses, a floresta fica submergida, chegando a quase 30 metros de alagamento na selva, que é suficiente para cobrir um edifício de dez andares.
  7. Selva Submarina: O interesse em cultivar florestas capazes de absorver as emissões de carbono, as florestas subaquáticas, começa a aumentar na região amazônica. Cada vez mais, pesquisas documentam o potencial das plantações de algas marinhas no combate às alterações climáticas. As selvas submarinas de algas e macroalgas de crescimento rápido são altamente eficazes em armazenar carbono e ajudam a mitigar a acidificação, desoxigenação e outros impactos marinhos do aquecimento global.
  8. Uma espécie por dia: A Amazônia brasileira é tão cheia de vida que os exploradores têm descoberto novas espécies de plantas ou animais quase que diariamente. Esta é a conclusão de um estudo de dois anos sobre as espécies recém-descobertas, conduzido pela World Wildlife Fund (WWF). Só em 2017, foram encontradas 216 novas espécies de plantas, 93 de peixes, 32 de anfíbios, 19 de répteis, uma ave e 18 mamíferos.
  9. Maior volume de água do planeta: A Amazônia é cortada pelo rio Amazonas, responsável por drenar mais de sete milhões de quilômetros quadrados de terras e com vazão anual média de 176 milhões de litros de água por segundo, dando a ele o pódio de maior rio em volume de água do mundo. Na foz, o rio produz 100 milhões de litros d’água por segundo.
  10. Fruto típico amazônico: o fruto do Guaraná foi descoberto em 1821 por Humboldt em tribos indígenas do município hoje chamado de Maués. Os índios da região consideravam o guaraná sagrado e utilizavam a pasta do fruto como remédio.
  11. A economia verde: A economia com baixa emissão de carbono é uma das grandes impulsionadoras da economia Amazônica, fazendo a região dar um salto em sua participação no Produto Interno Bruto (PIB) brasileiro.
  12. Maior manguezal: A costa amazônica possui o maior número de manguezais no Brasil. Cerca de 80% dos manguezais do país se encontram na região, sendo característicos por abrigarem uma enorme deposição de material lamoso cheio de nutrientes.
  13. Rio subterrâneo: Cientistas descobriram que existe um rio subterrâneo embaixo do Rio Amazonas, batizado de Hamza em homenagem ao pesquisador Valya Hamza. Ele se encontra a quatro mil metros de profundidade, conta com seis mil quilômetros de extensão e corre no mesmo sentido do Rio Amazonas.
  14. Super peixes: Na Amazônia é onde se encontra o maior número de peixe elétrico. Capaz de produzir descargas que variam entre 300 e 1.500 volts, suficiente para matar um cavalo, a espécie chega a medir três metros e podem pesar 30 quilos.
  15. Areia desértica: A Floresta Amazônica recebe areia do deserto do Saara por meio dos ventos, que levam minerais que fertilizam o solo amazônico.
  16. A onda gigante: A palavra Pororoca foi adotada para se referir a um dos mais impressionantes fenômenos da natureza, que ocorre quando as águas do mar se encontram com um rio e formam uma grande onda que pode atingir até 4 metros de altura e durar até uma hora e meia, avançando 50 quilômetros no rio Amazonas adentro.
  17. Povo Indígena:  Um dos maiores símbolos da Amazônia são as tribos indígenas, presentes na região muito antes do Brasil ser colonizado. Atualmente, os maiores grupos de índios da Amazônia são os Guaranis, Xerentes, Amawákas, Anambés, Kambebas e os Aruá. No entanto, há mais de 200 diferentes etnias espalhadas por todo o Brasil.
  18. Inseto enorme: Você sabia que na Floresta Amazônica existe uma centopeia gigante (Scolopendra Gigantea) que se alimenta de sapos, grilos, pássaros, cobras, entre outros animais de porte grande?
  19. Flora aquática: Na Amazônia são encontrados duas espécies de botos, conhecidos como golfinhos de água doce: o cor-de-rosa e o boto-preto. Além disso, nos rios amazônicos, concentram-se cerca de 85% dos peixes de toda a América do Sul.
  20. Legado de Chico Mendes: 32 anos após sua morte, o seringueiro Chico Mendes continua como o maior símbolo da luta dos povos extrativistas pelo uso das terras que ocupam há décadas, em específico, e pela preservação da Amazônia, num âmbito geral.

E ainda tem mais! Os exploradores da National Geographic apresentam mais algumas informações que você (provavelmente) não sabia sobre a Amazônia.

– A Amazônia (e o Rio Amazonas) tem 10 milhões de anos. Julia Tejada, paleontóloga e exploradora da Nat Geo, conta que a origem da Amazônia está ligada à ascensão dos Andes, ou seja, sem os Andes não haveria Amazônia e/ou sua flora e fauna.

– A Amazônia é a principal fonte de biodiversidade neotropical.  Segundo Julia, muitos estudos mostram que a maioria das espécies existentes em outras partes região neotropical – que se estende aproximadamente do sul do México ao sul do Brasil – teve origem na Amazônia.

– Um dos eventos mais importantes na Amazônia é o “pulso de inundação”. Fernando Trujillo, biólogo marinho e explorador da Nat Geo, conta que – graças às chuvas abundantes nos Andes – o nível dos rios pode aumentar até 15 metros verticalmente e milhares de quilômetros planos. Portanto, todas as espécies que vivem na Amazônia estão adaptadas a isso e, quando o nível da água começa a subir, os peixes, por exemplo, se preparam para fazer migrações reprodutivas.

– Um único hectare de floresta alagada pode produzir até 20 toneladas de sementes e frutas por ano, o principal alimento para muitos peixes.  Ao mesmo tempo, quando a floresta atinge seu nível máximo de inundação, a maioria das árvores libera seus frutos para dispersá-los. Portanto, quando a floresta é desmatada, os peixes são diretamente afetados.

– Muitas plantas e animais da Amazônia são a base de alguns medicamentos que usamos e também podem ser o futuro da segurança alimentar do planeta. Por exemplo, o inseto medicinal mais usado na Amazônia também é muito rico em proteínas, conforme conta Rosa Vásquez Espinoza, bióloga química e exploradora da Nat Geo. Recentemente, o uso tradicional do escarabajo suri ficou conhecido por, além de tratar diversas doenças respiratórias, também contribuir em termos de benefícios nutricionais devido ao seu alto teor proteico.

 ,,,

–  Você sabia que os botos da Amazônia podem mudar de cinza para rosa muito intenso em poucos minutos? Fernando Trujillo menciona que os botos, assim como os humanos quando fazem atividade física, enviam muito sangue para os vasos sanguíneos periféricos para regular a temperatura.  Diante disso, os humanos avermelham a pele e os botos, por outro lado, adquirem uma tonalidade muito rosa. Entretanto, nem todos eles mudam de cor e isso parece ser influenciados pelos fenótipos, também assim como nos humanos.

– Estima-se que em quatro séculos de mineração na Amazônia, mais de 200 mil toneladas de mercúrio foram descarregadas nos rios. Mercúrio é usado para separar o ouro dos sedimentos. Muitas vezes a compra de ouro promove a mineração ilegal na Amazônia com processos sérios de desmatamento e poluição por mercúrio.

National Geographic apresenta conteúdos inspiradores no Dia Mundial do Meio Ambiente e dos Oceanos

DIA-MEDIO-AMBIENTE-VERT_bra

São Paulo, 4 junho 2020 – “A Terra não é uma herança de nossos pais, mas um empréstimo de nossos filhos”. Este famoso provérbio indiano nos inspira a proteger nosso planeta agora e nos próximos anos. Ele está especialmente presente no trabalho de conservacionistas e amantes da natureza que cuidam do meio ambiente, apoiam a proteção de habitats e da natureza; a preservação da vida selvagem e a redução dos impactos que a atividade humana tem sobre eles.

Para promover o desenvolvimento da conscientização e dos valores da conservação da natureza, na sexta-feira, 5 de junho e segunda-feira, 8 de junho, o National Geographic apresenta um programa especial que revela o estado atual do mundo e convida você a refletir sobre a importância de preservação do meio ambiente e dos oceanos.

A proposta começa no Dia Mundial do Meio Ambiente, na sexta-feira 5 de junho a partir das 16h20 com documentários temáticos que incluem produções como: Resgate de Leões-Marinhos onde uma equipe de veterinários e especialistas em vida selvagem luta para salvar vidas marinhas que morrem todos os anos em redes de pesca descartadas no mar. Em seguida, às 17h10 é a vez de Paraíso SubAquático: A Defesa dos Oceano que mostra uma história repleta de aventuras e espetacularmente bela sobre o nascimento do movimento global para proteger o mar. Esse documentário tem Martin Sheen como produtor executivo.

No Dia Mundial dos Oceanos, em 8 de junho, a National Geographic exibe às 15h35 três episódios de Os Gigantes do Oceano, onde o oceanógrafo, explorador e defensor do mundo marinho François Sarano viaja para aprender mais sobre os titãs das profundezas e seus segredos de sobrevivência. Às 18h o canal estreia o documentário Perseguição em Alto Mar: Espécies em Risco, que mostra a história um grupo de cientistas, ativistas com alta tecnologia, jornalistas investigativos e corajosos agentes secretos tentam resgatar a baleia mais ameaçada e mais rara da Terra no Mar de Cortez (México).

Nos últimos meses, o canal manteve um aumento de público na região(1), trazendo conteúdo inspirador e motivando mudanças positivas. Da mesma forma, o National Geographic convida você a fomentar a conscientização, inspirando outras pessoas a compartilhar suas ações positivas para o planeta usando a #TodaAjudaConta. Para mais informações, acesse: https://www.nationalgeographicbrasil.com/meio-ambiente

  1. A National Geographic registra um aumento de 46% na audiência no nível pan-regional em comparação com o período anterior a 11 de março de 2020. Fonte: Kantar Ibope Media AR-BR-CH-CO-MX-PE | Alvo: Pay / P25-54HM | Horas: Horário nobre 18: 00-24: 59 | Períodos: pré-isolamento W5-W10 (a partir de 03/10), isolamento: W11 (a partir de 03/11) -W21

Sobre a National Geographic Partners

A National Geographic Partners LLC (NGP), uma operação conjunta entre a National Geographic Society e a Disney, está comprometida em trazer para o mundo conteúdos de ciência, aventura e exploração de classe mundial por meio de um portfólio de ativos de mídia incomparáveis. O NGP combina os canais de televisão internacionais da National Geographic (National Geographic, National Geographic Wild, Nat Geo Kids, Nat Geo Mundo, Nat Geo People) com mídia e bens de consumo da National Geographic, incluindo National Geographic, National Geographic Studios, plataformas de mídia social e digital relacionadas, livros, mapas, mídia infantil e atividades complementares, incluindo empresas de viagens, experiências e eventos internacionais, vendas de arquivos, licenciamento e comércio eletrônico. Aumentar o conhecimento e a compreensão do mundo tem sido o principal objetivo da National Geographic há 131 anos e agora está comprometido em cavar mais fundo, expandir fronteiras e ir mais longe para os consumidores … atingindo milhões de pessoas em todo o mundo. , em 172 países e 43 idiomas, todos os meses. O NGP aloca 27% de seus lucros para a National Geographic Society, uma organização sem fins lucrativos, para financiar seu trabalho nas áreas de ciência, exploração, conservação e educação. Para mais informações, acesse https://www.nationalgeographicbrasil.com/ 

National Geographic divulga 10.000ª espécie do projeto Photo Ark que registra animais ameaçados de extinção

O Photo Ark da National Geographic é uma iniciativa do fotógrafo Joel Sartore e que tem o objetivo de inspirar ações para salvar a vida selvagem através da fotografia dos animais. 

image002

O gato-chileno, o menor gato selvagem da América, é a espécie mais recente que se juntou ao PhotoArk. O retrato do gato selvagem tirado por Sartore na Fauna Andina – uma reserva de vida selvagem no Chile – é um marco importante do projeto que está em desenvolvimento há quase 15 anos. O fotógrafo também registrou um áudio exclusivo da espécie.

Joel Sartore, pesquisador da National Geographic, fotógrafo e criador do Photo Ark da National Geographic, anunciou a adição da 10.000ª espécie ao seu projeto: o gato-chileno, o menor gato selvagem da América. O Photo Ark da National Geographic é uma iniciativa de Sartore para documentar todas as espécies que vivem em zoológicos e santuários de vida selvagem com o objetivo de usar o poder da fotografia para inspirar as pessoas a tomar medidas para garantir a existência da espécie antes que seja tarde demais. Em conjunto com a fotografia das 10.000 espécies do Photo Ark, Sartore divulgou o que cientistas e ecologistas pensam ser provavelmente a primeira gravação de áudio do gato-chileno.

Esse marco crucial significa que Sartore completou cerca de dois terços do Photo Ark da National Geographic, na qual ele estima incluir retratos de 15.000 espécies no total. Uma vez concluído, será um registro importante da biodiversidade da Terra e um poderoso testemunho da importância de proteger as espécies estranhas e maravilhosas que tornam nosso planeta único. O Photo Ark inclui vários tipos de animais, como pássaros, peixes, mamíferos, anfíbios e répteis. Com fundos em preto e branco, Sartore faz todas as criaturas em pé de igualdade, fazendo com que um besouro-tigre pareça tão grande quanto um tigre.

“Temos muito mais trabalho pela frente”, disse Sartore. “Este é um marco emocionante. Através do Photo Ark, fomos capazes de destacar a importância de espécies que, de outra forma, não receberiam a atenção que merecem. Convidamos todos a refletir sobre o que cada um pode fazer para proteger nosso planeta e as espécies que nele vivem”.

Gato-chileno, o menor gato selvagem da América

A 10.000ª espécie do Photo Ark é uma criatura bastante esquiva. O gato-chileno está listado como uma espécie vulnerável na Lista Vermelha da União Internacional para a Conservação da Natureza (IUCN), e a população desses animais foi reduzida devido à degradação do habitat, doenças emergentes causadas por gatos, mortes por vingança por predação de aves e mortes acidentais de carro.

Felizmente, os ecologistas e santuários da vida selvagem do Chile estão trabalhando para proteger esta espécie única de gato selvagem. O gato-chileno fotografado por Sartore é cuidado pela Fauna Andina, uma reserva de vida selvagem no Chile que trabalha para reabilitar pequenos gatos e, finalmente, libertá-los em seu habitat natural. Da mesma forma, a National Geographic apoia ecologistas como o Dr. Constanza Napolitano, explorador da National Geographic, professor da Universidade de Los Lagos em Osorno, Chile, e membro do Grupo de Especialistas em Gatos da IUCN, que está implementando atividades de conservação para reduzir as principais ameaças que afetam a sobrevivência do gato-chileno.

____________________

National Geographic também lançou edições personalizadas dos livros “The Photo Ark” e “National Geographic Kids Photo Ark”. (“National Geographic Kids Photo Ark” foi recentemente incluído como parte das melhores seleções de livros da Amazon em março.)

Para obter mais informações sobre a National Geographic Photo Ark, conservação e proteção de espécies, visite o site do Photo Ark.

Para saber mais acesse o site da National Geographic: https://www.nationalgeographicbrasil.com/animais/2020/05/conheca-o-gato-chileno-felino-com-menos-de-3-kg-ameacado-de-extincao

National Geographic lança plataforma “Aprenda em Casa” com conteúdo educativo e divertido

A plataforma digital é gratuita e conta recursos divertidos, seguros e com grande valor educativo para crianças, jovens e suas famílias, que se somam aos conteúdos que o National Geographic oferece neste momento especial para a comunidade global

A National Geographic apresenta o “AprendeCasa, uma proposta digital que tem o objetivo de inspirar crianças e suas famílias, por meio de um conteúdo prático, educativo e divertido. A iniciativa considera a necessidade de se achar na internet recursos informativos sobre o mundo natural e a ciência por trás dele, e busca contribuir para gerar curiosidade, atrair os estudantes e inspirar o espírito de exploração em casa.

Com conteúdo para vencer o tédio como jogos, até vídeos e galeria de fotos, AprendeCasa é uma página exclusiva apoiada por especialistas em diversas áreas, que asseguram que os conteúdos são seguros e apropriados para cada idade, além de contribuírem positivamente para o aprendizado de toda a família.

Além disso, o canal oficial do NationaGeographiBrasinYoutubconta com a playlist “Aprende em Casa”, com vídeos que completam o conteúdo educativo digital desta nova página do National Geographic.

Instagram: @natgeobrasil

Facebook: Facebook.com/natgeo.brasil

Twitter:  Twitter.com/natgeobrasil

YouTube: http://www.youtube.com/channel/UCFupUY6CNLg5Z7U7u4oEb5w