Revolta no paraíso: população do Havai se coloca na frente da resistência a agrotóxicos e organismos geneticamente modificados

3456

O jornal inglês “The Guardian” publicou hoje uma extensa matéria sobre o conflito que coloca a população das diversas ilhas que formam o estado do Havai e três gigantes do setor agroquímico mundial (Syngenta, Dow, DuPont, Basf e Pioneer) por causa do uso intensivo de agrotóxicos e sementes geneticamente modificadas (Aqui!).

O conflito ocorre em torno dos esforços das corporações em bloquear leis aprovadas localmente para impedir a aspersão de agrotóxicos em áreas próximas a escolas e hospitais, o que está enfurecendo a população que está preocupada com o aumento de nascimentos de crianças com graves problemas de saúde, o que está sendo associado ao uso intensivo de substâncias proibidas na União Européia que incluem a atrazina, o paraquat e o clorpirifós. Em função da experiências com a resistência das plantas a esse coquetel venenoso, as áreas de cultivo nas ilhas havaianas estariam recebendo 17 vezes mais agrotóxicos do que uma área localizada na área continental dos EUA.

Um dos problemas associados ao uso intensivo de agrotóxicos, especialmente via aérea, é a chamada deriva química. É que depende da intensidade e direção do vento, a quantidade de agrotóxicos que chega a áreas habitadas pode aumentar exponencialmente, o que vem acontecendo no Havaí.  Um caso famoso deste tipo de despejo de agrotóxicos sobre áreas habitadas ocorreu numa escola localizada no município de Lucas do Rio Verde (MT), e até hoje seus efeitos sobre as crianças atingidas estão sendo estudados (Aqui!  e Aqui!)

O interessante nisto tudo é notar que no Brasil não apenas estamos em meio a situações bastante semelhantes de impactos negativos associados ao uso de agrotóxicos e semente geneticamente modificadas, mas isto se dá sem que haja uma mobilização semelhante ao que está ocorrendo no Havaí.  E a ausência desta reação não se dá porque os agrotóxicos sendo usados por aqui são menos tóxicos ou perigosos, já que os produtos são basicamente os mesmos, mas porque temos sido negados o tipo de informação que a população do Havaí está demandando nas ruas do arquipélago.

E nunca é demais lembrar que a dublê de latifundiária e senador, e atual ministra da Agricultura, Kátia Abreu, quer escancarar ainda mais o uso de agrotóxicos e sementes geneticamente modificadas para beneficiar o latifúndio agro-exportador.

Relatório anual da OMS lista ingestão de agrotóxicos entre principais formas de suicídio no mundo

WDR Suicide

A Organização Mundial da Saúde (OMS) acaba de publicar o seu relatório anual cujo tema é a prevenção dos suicídios que se tornaram um grave problema em escala global.  Um fator que aparece como uma forma disseminada de suicídios é a ingestão de agrotóxicos. Segundo a OMS, o fenômeno do suicídio associado à ingestão desses venenos agrícolas estaria tendo grande ocorrência em países de economias mais atrasadas onde a adoção de agrotóxicos não foi acompanhada das devidas medidas para dificultar o acesso, controlar a venda de agrotóxicos e pela redução do nível de toxicidade dos produtos sendo comercializados.

Pois bem, apesar do Brasil não estar enquadrado como uma economia mais atrasada, a descrição da OMS para a causa dos suicídios por agrotóxicos também é aplicável por aqui, pois os mesmos sintomas de descontrole e despreocupação estão bem evidentes. E, pior, os representantes do latifúndio agro-exportador capitaneados pela dublê de latifundiária e senadora (e a futura ministra da agricultura de Dilma Rousseff) Kátia Abreu (PMDB/TO), estão pressionando para que as normas existentes sejam completamente fragilizadas.

A questão apontada pela OMS já sido identificada em relatórios produzidas pela Associação Brasileira de Saúde Coletiva (ABRASCO), mas até o momento o governo federal tem ignorado as demandas para maior regulação e, na prática, tem progressivamente cedido às demandas do latifúndio agro-exportador por mais venenos agrícolas. O resultado é que também no Brasil as taxas de suicídio associadas aos agrotóxicos estão sendo ignoradas, o que é particularmente grave dada a posição do Brasil como maior consumidor mundial de agrotóxicos desde 2008.

Quem quiser ter acesso ao relatório da OMS em espanhol, basta clicar Aqui!

Áreas com transgênico e agrotóxico têm maior taxa de câncer, aponta relatório

Pessoas expostas a venenos estão mais propensas a sofrer câncer e danos genéticos

Por Darío Aranda, Do Página/12

O Ministério da Saúde de Córdoba divulgou um extenso relatório sobre o câncer na província. Trata-se da sistematização de cinco anos de informação, entre outros parâmetros, que pôde determinar os casos geograficamente. A particularidade que causou maior alarme é: a maior taxa de falecimentos é produzida na chamada “pampa gringa”, área com maior índice de utilização de transgênicos e agrotóxicos. E onde a taxa de falecimentos duplica em relação a média nacional. “Confirmou-se mais uma vez o que denunciamos há anos e principalmente o que denunciam os médicos dos povoados afetados pela agricultura industrial”, afirmou o médico e integrante da Rede Universitária de Ambiente e Saúde (Reduas), Medardo Avila Vázquez. Exigem-se agora medidas imediatas para proteger a população.

A pesquisa oficial em formato de livro intitulado “Informe sobre o Câncer em Córdoba 2004-2009”, elaborado pelo Registro Provincial de Tumores e pela Direção Geral de Estatística e Censo, foi apresentado na Legislatura pelo ministro da Saúde, Francisco Fortuna, e pelo diretor do Instituto do Câncer Provincial, Martín Alonso.

O parâmetro internacional é calculado pelo número de falecimento em cada 100 mil habitantes. A média provincial é de 158 mortes em cada 100 mil habitantes e, em Córdoba Capital, é de 134,8. Contudo, quatro municípios da província de Córdoba estão muito acima desses índices: Marcos Juárez (229,8), Presidente Roque Sáenz Peña (228,4), Unión (217,4) e San Justo (216,8). É a chamada “pampa gringa”, região emblemática do agronegócio de Córdoba.

De acordo com a Agência Internacional para a Pesquisa do Câncer (parte da Organização Mundial da Saúde), em seu último levantamento de 2012 a mortalidade na Argentina é de 115,13. A metade dos falecimentos que ocorrem em Marcos Juárez (229,8).

Fernando Mañas é doutor em Biologia e faz parte do Grupo Genética e Mutações Genéticas Ambiental da Universidade Nacional do Río Cuarto, que pesquisa o efeito dos agrotóxicos. Mañas não acredita que seja uma coincidência o mapa do câncer justamente nas regiões agrícolas: “Existe a evidência de elevados níveis de danos genéticos em ambientes de Marcos Juárez, que podem ser devidos a uma exposição involuntária a agrotóxicos”.

Os pesquisadores do Río Cuarto estudam há oito anos os povoados de Córdoba e confirmaram, com quinze publicações científicas, que as pessoas expostas a agrotóxicos sofrem com danos genéticos e são mais propensas a sofrer com o câncer. Mañas lembrou que em Marcos Juárez detectou-se glifosato (e seu principal produto de degradação, AMPA) em lagos, solos e inclusive na água da chuva.

A pesquisa do governo de Córdoba orienta o mapa do câncer através de grupos pelo nível de falecimentos. A “pampa gringa” (toda esta província) está em primeiro lugar. O segundo grupo é correspondente aos municípios Río Cuarto, General San Martín, Juárez Celman, Tercero Arriba e General Roca. Os falecimentos vão de 180 a 201 em cada 100 mil habitantes, taxas que superam a média provincial e nacional. Este segundo extrato também tem a particularidade de se dedicar à agricultura industrial.

O governo provincial destacou as estatísticas globais de incidência (novos casos) e as comparou com outros países (em que a província mantém-se na média), também apresentou a estratificação por idade e sexo, e a localizações dos tumores. Deixou em um segundo plano a vinculação entre alta mortalidade e áreas agropecuárias. Em Córdoba existe um grande debate devido à instalação da Monsanto na região das Malvinas Argentinas.

Damián Verzeñassi é médico e docente de Saúde Socioambiental da Faculdade de Ciências Médicas de Rosário. É um dos responsáveis pelo “Acampamento da Saúde”, uma instância educativa que permite com que dezenas de estudantes do último ano do curso de Medicina permaneçam em uma localidade durante uma semana para realizarem um mapeamento sanitário. “O estudo de Córdoba coincide com os dezoito levantamentos que realizamos em localidades da agricultura industrial. O câncer disparou nos últimos quinze anos”, afirmou Verzeñassi.

O docente universitário questionou o discurso governamental e empresarial. “Seguem exigindo estudos sobre algo que já está provado e não tomam medidas urgentes de proteção à população. Há muitas evidências de que o modelo agropecuário tem consequências para a saúde, estamos falando de um modelo de produção que é um enorme problema de saúde pública”, reclamou.

Avila Vázquez, da Rede Universitária de Ambiente e Saúde, detalhou uma dezena de estudos científicos que provam a vinculação entre agrotóxicos e o câncer, e também enumerou três dezenas de povoados onde registros oficiais confirmam o aumento da enfermidade: Brinkmann, Noetinger, Hernando (Córdoba) e San Salvador (Entre Ríos), entre outros. “As empresas de tabaco negavam a vinculação entre o ato de fumar e o câncer, foram necessárias décadas para que reconhecessem a verdade. As corporações de transgênicos e agrotóxicos são iguais às tabacarias, mentem e privilegiam seus negócios em relação à saúde da população”, denunciou Avila Vázquez, e solicitou como medidas iniciais urgentes: proibir as pulverizações aéreas; que não sejam realizadas aplicações terrestres a menos de mil metros das casas e a proibição de depósitos de agrotóxicos e máquinas pulverizadas nas regiões urbanas.

FONTE: http://www.pagina12.com.ar/diario/sociedad/3-249175-2014-06-23.html

O Veneno está na mesa II

O Veneno Está na Mesa 2 dá continuidade à reflexão sobre o perigo que o uso de agrotóxicos representa para a saúde<br>Foto: iStock

A luta em defesa de uma agricultura sustentável e que produza alimentos saudáveis acaba de ganhar uma importante ferramenta de discussão com o lançamento do filme “O Veneno está na mesa II” do cineasta Silvio Tendler.

Disponibilizo abaixo o filme para visualização e disponibilização ampla, geral e irrestrita!

BBC: Pesquisadores alertam para expansão de transgênicos e agrotóxicos no Brasil

João Fellet, Da BBC Brasil em Brasília

Plantação no interior brasileiro, em foto de arquivo (AFP)

O pedido para a liberação de sementes transgênicas de soja e milho resistentes ao herbicida 2,4-D esquentou o debate sobre a regulamentação de plantas geneticamente modificadas e agrotóxicos na agricultura brasileira.

Pesquisadores e o Ministério Público Federal (MPF) solicitaram em dezembro à Comissão Técnica Nacional de Biossegurança (CTNBio), encarregada de analisar pedidos de vendas de transgênicos, que suspendesse os trâmites para a autorização das sementes tolerantes ao 2,4-D, um herbicida usado contra ervas daninhas que consideram nocivo à saúde.

Eles dizem que a liberação desses transgênicos poderá multiplicar de forma preocupante o uso do 2,4-D no Brasil.

Paralelamente, cobram maior rigor dos órgãos reguladores na liberação tanto de agrotóxicos quanto de transgênicos e alertam para a associação entre esses dois produtos no país.

Segundo o Ministério do Meio Ambiente, o Brasil é hoje o maior consumidor global de agrotóxicos. O mercado brasileiro de transgênicos também é um dos maiores do mundo. De acordo com a consultoria Céleres, quase todo o milho e a soja plantados no país hoje são geneticamente modificados.

Especialistas ouvidos pela BBC Brasil dizem que a expansão dos transgênicos estimulou o mercado de agrotóxicos no país, já que grande parte das sementes geneticamente alteradas tem como principal diferencial a resistência a venenos agrícolas. Se por um lado essa característica permite maior controle de pragas, por outro, impõe riscos aos consumidores, segundo os pesquisadores.

Agente laranja

No centro do debate, o herbicida 2,4-D é hoje vendido livremente no Brasil e utilizado para limpar terrenos antes do cultivo.

Pesquisadores dizem que estudos associaram o produto a mutações genéticas, distúrbios hormonais e câncer, entre outros problemas ambientais e de saúde. O 2,4-D é um dos componentes do agente laranja, usado como desfolhante pelos Estados Unidos na Guerra do Vietnã.

O MPF pediu à Anvisa (Agência Nacional de Vigilância Sanitária) que acelere seus estudos de reavaliação da licença comercial do 2,4-D. O órgão quer que o resultado da reavaliação da Anvisa, iniciada em 2006, embase a decisão da CTNBio sobre os transgênicos resistentes ao produto.

Já a Dow AgroSciences, que fabrica o agrotóxico e é uma das empresas que buscam a liberação dos transgênicos associados a ele, diz que os produtos são seguros. Em nota à BBC Brasil, a empresa afirma que “o 2,4-D é um herbicida que está no mercado há mais de 60 anos, aprovado em mais de 70 países”.

O herbicida teve o uso aprovado em reavaliações recentes no Canadá e nos Estados Unidos. Segundo a Dow, trata-se de uma das moléculas mais estudadas de todos os tempos, gerada após mais de uma década de pesquisa e com base nas normas internacionais de segurança alimentar e ambiental.

Agrotóxicos combinados

O pedido para a liberação das sementes resistentes ao 2,4-D reflete uma prática comum no mercado de transgênicos: a produção de variedades tolerantes a agrotóxicos. Geralmente, assim como a Dow, as empresas que vendem esses transgênicos também comercializam os produtos aos quais são resistentes.

“É uma falácia dizer que os transgênicos reduzem o uso de agrotóxicos”, afirma Karen Friedrich, pesquisadora e toxicologista da Fiocruz.

Friedrich cita como exemplo a liberação de soja transgênica resistente ao agrotóxico glifosato, que teria sido acompanhada pelo aumento exponencial do uso do produto nas lavouras.

Caso também sejam liberadas as sementes resistentes ao 2,4-D, ela estima que haverá um aumento de 30 vezes no consumo do produto.

Segundo a pesquisadora, o 2,4-D pode provocar dois tipos de efeitos nocivos: agudos, que geralmente acometem trabalhadores ou pessoas expostas diretamente à substância, causando enjoo, dor de cabeça ou até a morte; e crônicos, que podem se manifestar entre consumidores muitos anos após a exposição a doses pequenas do produto, por meio de alterações hormonais ou cânceres.

O médico e professor da Universidade Federal de Mato Grosso (UFMT) Wanderlei Pignati, que pesquisa os efeitos de agrotóxicos há dez anos, cita outra preocupação em relação aos produtos: o uso associado de diferentes substâncias numa mesma plantação.

Ele diz que, embora o registro de um agrotóxico se baseie nos efeitos de seu uso isolado, muitos agricultores aplicam vários agrotóxicos numa mesma plantação, potencializando os riscos.

Pignati participou de um estudo que monitorou a exposição a agrotóxicos pela população de Lucas do Rio Verde, município mato-grossense que tem uma das maiores produções agrícolas do Brasil.

A pesquisa, diz o professor, detectou uma série de problemas, entre os quais: desrespeito dos limites mínimos de distância da aplicação de agrotóxicos a fontes de água, animais e residências; contaminação com resíduos de agrotóxico em todas as 62 das amostras de leite materno colhidas na cidade; e incidência 50% maior de acidentes de trabalho, intoxicações, cânceres, malformação e agravos respiratórios no município em relação à média estadual nos últimos dez anos.

O pesquisador defende que o governo federal invista mais no desenvolvimento de tecnologias que possam substituir os agrotóxicos – como o combate de pragas por aves e roedores em sistemas agroflorestais, que combinam a agricultura com a preservação de matas.

Já a Confederação Nacional da Agricultura e Pecuária (CNA) diz que os agrotóxicos (que chama de produtos fitossanitários) são imprescindíveis para proteger a agricultura tropical de pragas e ervas daninhas, assim como para aumentar a produtividade das lavouras.

Cabo de guerra

Pesquisadores e o MPF também querem maior rigor dos órgãos que analisam pedidos de liberação de agrotóxicos e transgênicos.

A liberação de agrotóxicos exige aprovação da Anvisa (que analisa efeitos do produto na saúde), do Ibama (mede danos ao ambiente) e do Ministério da Agricultura (avalia a eficiência das substâncias).

Cobrada de um lado por pesquisadores e médicos, a Anvisa é pressionada do outro por políticos ruralistas e fabricantes de agrotóxicos, que querem maior agilidade nas análises.

Ana Maria Vekic, gerente-geral de toxicologia da Anvisa, diz que há várias empresas, entre as quais chinesas e indianas, à espera de entrar no mercado brasileiro de agrotóxicos.

Ela diz que a falta de profissionais na Anvisa dificulta as tarefas da agência. A irritação dos ruralistas tem ainda outro motivo: a decisão da agência de reavaliar as licenças de alguns produtos.

As reavaliações, explica Vekic, ocorrem quando novos estudos indicam riscos ligados aos agrotóxicos – alguns dos quais são vendidos no Brasil há décadas, antes da criação da Anvisa, em 1999.

“Quando começamos a rediscutir produtos, passamos a ser um calo para os ruralistas”, ela diz à BBC Brasil.

Instatisfeitos, os representantes do agronegócio têm tentado aprovar leis que reduzem os poderes da Anvisa na regulamentação de agrotóxicos.

“Fazemos o possível para nos blindar, mas a pressão é violenta”, diz Vekic.

Questionada sobre a polêmica em torno do 2,4-D, a CTNBio disse em nota que voltaria a discutir o assunto em fevereiro.

Segundo a comissão, o plantio de transgênicos não impede a produção de orgânicos ou de outras variedades de plantas.

A CTNBio disse ainda que não lhe compete avaliar os riscos de agrotóxicos associados a transgênicos, e sim a segurança dos Organismos Geneticamente Modificados.

Gandhi e as nuvens de endosulfan

Desde o final do ano passado, a TV Cultura explicitou o apoio que recebe da Monsanto através de anúncio veiculado na emissora: “TV Cultura, apoio Monsanto: produzir mais, conservar mais e ajudar agricultores”.

Silvio Mieli

O marketing social de empresas como a Monsanto, que vinculam a sua marca a ações de preservação da memória, visa mascarar o impacto nefasto da sua política e dos seus produtos.

Desde o final do ano passado, a TV Cultura explicitou o apoio que recebe da Monsanto através de anúncio veiculado na emissora: “TV Cultura, apoio Monsanto: produzir mais, conservar mais e ajudar agricultores”.

A Monsanto patrocinou a digitalização do acervo de imagens da Fundação Padre Anchieta, além de arquivos da extinta TV Tupi e da TV Record adquiridos pela Cultura. Na mídia impressa, a Monsanto está financiando a organização do arquivo do jornal A Tarde, um dos mais antigos da Bahia. O projeto inclui a capacitação de professores da rede pública e a distribuição de jornais e livros para pesquisa no interior do estado.

Como contraponto a estas ações hipócritas de identificação da marca Monsanto à preservação do patrimônio cultural, sugiro o recente documentário “Nuvens de Veneno” (http://bit.ly/1cdtcvQ), do cineasta e professor da UFRJ Beto Novaes — lançado em Cuiabá em dezembro último. O fi lme destaca o estado de Mato Grosso, que virou um mar de soja, como o campeão nacional em uso de venenos agrícolas.

Alguns dos produtos citados no filme, como o devastador endosulfan, são os mesmos que provocaram a morte, em 1997, da filha de Sofía Gatica, fundadora do movimento das Mães de Ituzaingo (bairro da cidade de Córdoba, na Argentina). Apesar das sucessivas ameaças, o movimento conseguiu o banimento do endosulfan na Argentina e agora luta contra a implantação de uma gigantesca planta da Monsanto nas Malvinas.

Em seu site a Monsanto cita Gandhi: “Devemos ser nós mesmos a mudança que queremos no mundo”. Infelizmente, Gandhi não pode responder à empresa de viva voz, mas Vanda Shiva, uma outra indiana iluminada e boa de briga, deu o troco através de uma mensagem de fim de ano: “…Lançamos este apelo para que identifiquem as leis, em seus países, que estão suprimindo essa liberdade. Da terra, das espécies, dos seres humanos.

Vamos identificá-las. E, então, fazer o mesmo que Gandhi fez com as leis do sal dos britânicos: Não Obedecer! … Vocês podem comprar as Blackwaters do mundo, dispor de inteligência para assediar cada cientista e ativista, mas nós não temos medo. Não permitiremos que a Monsanto mande, por meio de leis feitas pela Monsanto. Para condicionar nossas sementes, nossa agricultura, nossa comida.”

FONTE: http://www.brasildefato.com.br/node/26993