“Nunca encontrei na Amazônia um plano de manejo certo”, diz Alexandre Saraiva, delegado da Polícia Federal

Responsável pela apreensão histórica de madeira ilegal na Amazônia participa de evento sobre o bioma no Instituto de Engenharia de São Paulo

alexandre saraiva

Salvar a Amazônia com foco no Brasil do futuro. Esse foi o foco do evento online “Amazônia e Bioeconomia – Sustentada em Ciência, Tecnologia e Inovação”. O tema é discutido como parte das comemorações dos 105 anos do Instituto de Engenharia de São Paulo, marcado nesta quarta-feira, 13 de outubro.

A ideia é discutir as oportunidades e desafios do País na bioeconomia, além de reações sobre as mudanças climáticas, cooperação entre instituições públicas, governo e iniciativa privada.

Alexandre Saraiva, delegado da Polícia Federal, responsável pela Operação Handroanthus, que fez a história apreensão de madeira ilegal na Amazônia, ano passado, participou das discussões.

Segundo ele, é importante conhecer os problemas para trazer as soluções. Assim, é fundamental priorizar a defesa da Amazônia.

“O que vemos hoje, é um desastre para a biodiversidade amazônica, mas o pior é que nada se muda desde 1500. Essa dinâmica não é nova. Nós não aprendemos nada”, diz Saraiva.

E o delegado conta o que viu em sua experiência naquele local. “Nunca encontrei na Amazônia um plano de manejo certo. Acompanhei pessoalmente mais de mil processos, e outros colegas muitos outros”, revelou.

Assim, Saraiva é direto e garante que “organizações criminosas se apoderaram do esquema da madeira ilegal na Amazônia”. Para ele, esse é o principal ponto a ser combatido hoje.

Carlos Nobre, cientista, pesquisador e professor, fez um panorama da importância do bioma. Ele explicou que entre vários benefícios, a floresta amazônica remove entre 1 e 2 bilhões de toneladas de gás carbônico por ano da atmosfera.

“A Amazônia também recicla o vapor d’água para o Sul do Brasil. É o fenômeno dos ‘rios voadores’. Com isso, por exemplo, 18% das chuvas da bacia do rio Paraná, vem da umidade da Amazônia, o que ajuda para a agricultura”, revela o engenheiro Carlos Nobre.

E para quem não entende a importância, o especialista mostrou que há mais espécies em apenas um hectare da floresta amazônica, do que em toda a Europa. “É a maior biodiversidade do mundo”, relembra.

Marcio Souza, romancista e dramaturgo, autor de várias obras com a temática amazônica, reforça que há questões urgentes: o genocídio planejado das populações e cultura do local, bem como o ataque ao meio ambiente.

“Não é possível dissociar essas questões e ver a falta de diálogo com essas etnias que estão há milênios por lá”, contou o escritor.

É possível evitar os problemas?

Para todos os participantes do evento realizado pelo Instituto de Engenharia de São Paulo, a solução passa pela nova bioeconomia da floresta.

É preciso instalar biofábricas distribuídas no território com alta agregação de valor local. A equação está na soma de sociobiodiversidade, pessoas e alta tecnologia.

Isso é reforçado pelo engenheiro George Paulus, coordenador do Grupo de Trabalho “Amazonia e Bioeconomia” e Conselheiro do Instituto de Engenharia. “Buscamos, assim, um debate para um projeto nacional focado na bioeconomia brasileira. Esse olhar precisa acontecer e é preciso encontrar subsídios para isso”, conclui.

Link para assistir ao evento na íntegra:

Eventos especiais – 105 anos do Instituto de Engenharia

Como parte das comemorações dos 105 anos do Instituto de Engenharia, celebrado neste mês de outubro, serão apresentados eventos com foco em várias áreas do desenvolvimento do Brasil, como o “Lançamento da Cartilha 5G”, “Governança Metropolitana dos Transportes”, e a “Importância da Navegação na Matriz de Transporte”.

As atividades são gratuitas e com transmissão pelo YouTube. Mais informações no site: https://www.institutodeengenharia.org.br .

Sobre o Instituto de Engenharia

O Instituto de Engenharia (IE) é uma sociedade civil sem fins lucrativos. Em outubro completa 105 anos de tradição, credibilidade e comprometimento com o desenvolvimento do Brasil.

O IE realiza estudos e debates temáticos para direcionar o desenvolvimento do país em áreas estratégicas como energia, mobilidade, logística, infraestrutura, tecnologia e agronegócios.